SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 94
Transtornos Alimentares e
Psicoterapia através da
Terapia Comportamental e
Cognitiva
Marcelo da Rocha Carvalho
Psicólogo Clínico
Psicoterapeuta Comportamental e Cognitivo, Especialista pela USP,
Professor Convidado da Pós-Graduação em Terapia
Comportamental e Cognitiva pela FMUSP/AMBAN/HC. Especialista
em Terapia Racional Emotiva Comportamental pelo Albert Ellis
Institute.
marcelodarocha@globo.com
Do que falaremos?
1. Anorexia.
2. Bulimia.
3. Transtorno de Compulsão Alimentar Periódica.
• E o Transtorno do Corpo Dismórfico, Ortorexia,
Vigorexia, Obesidade?
Vitousek, 2005
• Reduzindo a essência, o modelo cognitivo-
comportamental propõe que os sintomas anoréxicos e
bulímicos são mantidos por um conjunto característico de
ideias supervalorizadas sobre implicações pessoais da
forma e do peso corporal.
• Essas atitudes têm origens na interação de
características individuais estáveis(como
perfeccionismo, asceticismo, e dificuldades na
regulação do afeto) com ideias socioculturais para a
aparência feminina.
Vitousek, 2005
• Uma vez formadas, as crenças influenciam os indivíduos
que as mantêm, levando-os a se engajar em
comportamentos estereotipados de alimentação e
eliminação, a ser responsivos a contingências
excêntricas de reforço, a processar informações de
acordo com vieses cognitivos previsíveis e, eventualmente,
a ser afetados por sequelas fisiológicas que também
servem para manter crenças e comportamentos
disfuncionais.
Mudança: Resposta Humana
(Prochaska e Di Clemente)
Nível de
Conscientização
Nível de Resposta
Inércia
Indecisão
Rejeição
Adaptação
Modelo Cognitivo Comportamental
Sintomas Fisiológicos
Experiência Subjetiva Respostas
Comportamentais
Avaliação Cognitiva
Mal Adaptada
Crenças Mal Adaptadas
Processos de Atenção
Gatilho
Modelo Cognitivo Comportamental
Sintomas Fisiológicos
Experiência Subjetiva Respostas
Comportamentais
Avaliação Cognitiva
Mal Adaptada
Crenças Mal Adaptadas
Processos de Atenção
Gatilho
Modificação da
Situação
Meditação,
Relaxamento,
Respiração Profunda
Modificação da
Atenção
Psicoeducação e
Reestruturação Cognitiva
Modificação
Comportamental
Ativação Comportamental
Exposição
Aceitação
Relaxamento e
Respiração Profunda
Diminuição da
Reatividade
Inventários e testes
•BDI, Crenças Irracionais de Ellis, ISSL (Inventário de Sintomas de
Stress Lipp (Casa do Psicólogo), Inventário de Young (versão
longa), Assertividade, IHS (Inventário de Habilidade Sociais –
Casal Del Prette/Casa do Psicólogo), Escala do Sono, Inventário
do Medo (Wolpe).
•Escala de Alexithimia (Yoshida, E.)
•EAS-40.
4 Dimensões
(EAS-40, Laloni, 2001)
Ansiedade
Psicoticismo
Obsessivo-
Compulsivo
Somatização
“Medo mórbido da gordura”.
(Russell, 1970)
Uma “busca de esbelteza”
(Brunch, 1973).
“Fobia de peso”
(Crisp, 1967).
A sedução do belo…
Anorexia Bulimia TCAP Obesidade
Controle
Perfeccionismo
Rigidez
Psicoticismo
Sensação de sucesso
Descontrole
Procrastinação
Inconstância
Neuroticismo
Falha ou derrota
• Facebook.
• Instagram.
• Blogs.
• Sites: Pró-Ana e Pró-Mia.
• Tumblr, Pinterest, etc..
• Snapchat.
• Preferencialmente,
ferramentas que é possível
ficar mais “invisível” para um
grupo maior de pessoas.
Modelos impróprios
Avaliação dos TAs
1. A natureza exata do problema: como o paciente entende?
2. Psicopatologia específica.
a) Atitudes quanto à forma e ao peso
a) Grau de importância atribuída à forma e ao peso
b) Reação as mudanças de peso
c) Reação a comentários sobre aparência
d) Peso desejado: maior e menor peso ao longo da vida.
b) Hábitos alimentares
a) Faz regimes?
b) Há episódios de ingestão excessiva?
c) Qual é o senso de controle sobre o consumo alimentar?
c) Métodos de controle de peso
a) Regimes: que tipos?
b) Há vômito auto-induzido?
c) Faz uso de diuréticos ou purgantes? Outras medicações?
d) Exercícios
3. Psicopatologia geral
• Sintomatologia neurótica, especialmente
sintomas depressivos e risco de suicídio.
• Funcionamento interpessoal.
• Autoestima, segurança e perfeccionismo.
4. Circunstâncias sociais.
5. Saúde física.
• Peso e histórico de peso
(PS: Conferir eletrólitos de pacientes que estão vomitando ou tomando laxantes
e diuréticos – solicitação ao médico responsável)
A foto acima ajuda ou atrapalha no
combate à anorexia? A francesa
ISABELLE CARO, 27 anos,
aspirante a atriz, acha que ajuda.
"Embora meu corpo cause
repugnância", diz, ela aceitou se
despir diante do rei da foto
publicitária escandalosa, o italiano
Oliviero Toscani, para "mostrar às
jovens quanto essa doença é
perigosa". Especialistas nesse
distúrbio psíquico acreditam o
contrário: mulheres anoréxicas
veem um corpo devastado como o
de Isabelle – 1,65 metro, 31 quilos
– e acham lindo. As fotos foram
tiradas para promover uma marca
de roupas. Isabelle sofre de
anorexia desde os 13 anos,
resultado de "uma infância muito
difícil", que contará em detalhes
num livro que promete publicar
"em breve".
VEJA
Edição 2028
3 de outubro de 2007
Psicopatologia Geral
• Variedade de sintomas depressivos e de
ansiedade.
• Características obsessivas (especialmente em
AN).
• Concentração deficiente.
• Desempenho social comprometido.
A Barbie original,
criada em 1959.
Read more: Barbie,
Meet ‘Average Barbie’
| TIME.com
http://newsfeed.time.c
om/2013/07/09/barbie-
meet-average-
barbie/#ixzz2s7qOmw
r2
Corpo médio da mulher…
Como seria a
Barbie mais
próxima da
realidade.
Outro ângulo...
Como seria a
Barbie mais
próxima da
realidade.
CID 10
•F50.0 Anorexia nervosa
•F50.1 Anorexia nervosa atípica
•F50.2 Bulimia nervosa
•F50.3 Bulimia nervosa atípica
•F50.4 Hiperfagia associada a outros distúrbios psicológicos
•F50.5 Vômitos associados a outros distúrbios psicológicos
•F50.8 Outros transtornos da alimentação
•F50.9 Transtorno de alimentação não especificado
Fim do tratamento e prevenção a recaída
Foco sóciocultural
Foco sobre o desenvolvimento
Foco Interpessoal
Foco Comportamental
Coleta de informações e estabelecimento de metas para o Tratamento.
Crítica
Garner e Garfinkel (1980) compararam medidas de peso e forma
corporal de modelos de capas de revistas masculinas e
participantes de concursos de beleza ao longo de vinte anos (1959
– 1978). Demonstraram que houve uma progressiva mudança nos
padrões de beleza de uma figura do tipo violão em direção a uma
figura marcadamente mais magra, de um tipo mais andrógeno. Os
dois autores verificaram ainda um significativo aumento de artigos
sobre dietas para emagrecimento, publicados em seis revistas
femininas ao longo do mesmo período. Durante as últimas
décadas a massa corpórea das mulheres expostas na mídia vem
diminuindo, coincidindo com um aumento na prevalência de TA na
população feminina (Stice et al., 1994).
Por exemplo: uma campanha de uma indústria de shakes para
emagrecimento apresentada no final da década de 90 em outdoors
onde se lia “Felicidade é entrar num vestido P” ou “A melhor
maneira de conquistar um homem é pelo estômago: o seu
estômago”. As fotos das modelos e atrizes, lindas e com corpos
esculturais são digitalizadas, afastando cada vez mais a mulher
comum das “musas photoshopizadas”.
Coerção mercadológica e cultural
Na sociedade de consumo, a magreza é apresentada
como uma mercadoria ilusoriamente acessível a todos,
independentemente das contingências filogenéticas e
ontogenéticas. A magreza é vendida como um produto
relacionado ao autocontrole, à competência e à
atratividade sexual (Morgan et al., 2002).
A indústria da beleza confirma este raciocínio declarando
que a mudança no corpo promove mudanças nas
contingências aversivas e nos respondentes emocionais.
O corpo pode ganhar o papel de responsável pelas
contingências aversivas às quais a cliente está
submetida.
Rev. Bras. de Ter. Comp. Cogn., 2011, Vol. XIII, nº 1,52-70
É necessário que as pessoas
estejam insatisfeitas com sua
aparência e peso para existir
uma indústria que “resolva” este
problema.
Facebook
Dimensões dos Transtornos
Alimentares
Psicoticismo Neuroticismo
Anorexia
Bulimia
Alexitimia
Falta de crítica
Isolamento
Labilidade afetiva
Depressão
Perfeccionismo
Procrastinação
Anorexia Nervosa: subtipos
1. RESTRITIVO: no qual os indivíduos não têm
compulsões periódicas, nem purgações, e
2. PURGATIVO/COMPULSÃO PERIÓDICA:
onde os indivíduos se envolvem
regularmente em compulsões alimentares ou
purgações.
Qual é a tríade cognitiva para os
Transtornos Alimentares?
Ambiente Futuro
Eu
DEPRESSÃO
Avaliação negativa de:
• si - mesmo,
• ambiente e
• do futuro.
ANSIEDADE
Avaliação catastrófica
de:
• si – mesmo como
sem estratégias,
• ambiente é perigoso
e
• do futuro como
incerto.
• O capítulo Alimentação e Transtornos Alimentares reúne os
diagnósticos descritos no DSM-IV- TR no capítulo dos Transtornos de
Alimentação, juntamente com os Transtornos de Alimentação da
Primeira Infância que compunham o extinto capítulo dos Transtornos
Geralmente Diagnosticados pela Primeira Vez na Infância ou na
Adolescência.
• Os diagnósticos de Pica e Transtorno de Ruminação mantiveram
critérios semelhantes, mas foram revisados para que pudessem ser
aplicados a indivíduos de qualquer idade.
• O antigo Transtorno da Alimentação da Primeira Infância tinha
descrições pouco precisas, com pouca aplicação prática e no DSM-5
foi substituído pelo Transtorno de Consumo Alimentar
Evitativo/Restritivo.
• O atual diagnóstico é descrito como um distúrbio alimentar
manifestado por um fracasso persistente em atender às necessidades
nutricionais ou energia necessária, associado com um ou mais dos
seguintes sintomas: perda significativa de peso; deficiência nutricional
significativa; dependência de nutrição enteral ou suplemento
nutricional oral; acentuada interferência na função psicossocial.
• A Anorexia Nervosa não sofreu mudanças conceituais, mas seus critérios
foram reescritos para melhor compreensão. A exigência de amenorreia
em mulheres pós-menarca foi retirada, pois observou- se que não se
tratava de uma característica definidora. A presença de comportamentos
persistentes que interferem no ganho de peso foi adicionada ao Critério
B, que descrevia o medo intenso de ganhar peso ou engordar.
• diagnóstico de Bulimia Nervosa sofreu uma mudança no que diz respeito
a frequência exigida de crises bulímicas e comportamentos
compensatórios.
• No DSM-IV-TR eram necessárias pelo menos duas crises por semana,
por três meses, no DSM-5 a exigência cai para uma vez por semana, por
três meses. Embora a APA argumente que as características e evolução
clínica dos pacientes com esse limiar sejam semelhantes, muitos
profissionais criticaram a mudança pelo possível risco de superestimar a
incidência do transtorno.
• Transtorno de Compulsão Alimentar Periódica que foi apresentado no
DSM-IV-TR (Apêndice B) como uma proposta para estudos adicionais,
foi validado como diagnóstico no DSM-5 devido a sua utilidade clínica.
Alexithimia e Transtornos
Alimentares
• Os psicoterapeutas psicodinâmicos reduzem o
contexto da alexithimia, literalmente a ausência
de palavras relacionadas ao humor, para um
conflito interno ativo entre as reações
emocionais e crenças aprendidas de que essas
reações são inapropriadas, inaceitáveis ou
injustificadas(Garner & Bemis, 1985).
Como lidar?
• Problemas egodistônicos e
egossintônicos em psicoterapia?
• Problemas de neuroticismo ou de
psicoticismo?
Perfeccionismo.
Pensamento dicotômico: tudo ou nada.
Erros cognitivos mais
comuns
A chave do tratamento
Aumento e estimulação do comportamento social
e seus reforços intrínsecos.
Controle Aversivo do caos familiar
No decorrer de sua história de vida, a cliente
pode ter aprendido que o seu adoecimento é
aversivo para os pais. Esta pode acabar
provocando o adoecimen-to através da restrição
alimentar como uma forma de exercer
contracontrole diante do controle aversivo dos
pais. Em outro extremo, o adoecer de desnutri-
ção pode mobilizar a atenção de pessoas
significati-vas para a paciente, ou mobilizá-los
para liberarem outros reforçadores.
O NÃO comer
O Comer inadequado dos TAs afetam:
1. A coesão,
2. A resolução do conflito,
3. Individuação e
4. Intimidade.
Todos em ciclos auto perpetuadores.
Mensagem dúbia:
• “Estou doente e preciso de ajuda” e
• “Apenas eu sei o que estou fazendo e devo ser deixada em paz”.
• Palazzoli concluiu que os sintomas dos TA são estratégias secretas – que servem para
evitar que a família e o próprio indivíduo admitam a insatisfação.
• A alienação através do controle do corpo.
Informações sistêmicas
• Palazzoli fala da Teoria do Engano:
comunicações paradoxais e indiretas que
obscureciam as diferenças individuais e
evitavam o claro posicionamento e o
conflito construtivo.
• Em observações da escola de Minuchin, as
jovens anoréxicas exibiam severa fusão
entre um dos pais ou ambos.
04 Pilares do Controle do Stress
Atividade
Física
Alimentação
Equilibrada
Relaxamento Modificação
dos Pensamentos
Tratamento Médico
• Psicofarmacoterapia.
• Controle Hidroeletrolítico.
• Reeducação alimentar.
• Reposição vitamínica.
• Estimulação Magnética Transcraniana
(EMT/TMS)
Adaptação as Metáforas frente a clínica
Sharp (1999)
Metáfora do
Reforço
Metáfora do
Déficits das
Habilidades
Sociais
Metáfora do
Desamparo
Aprendido
Metáfora da
Distorção
Cognitiva
Metáfora do
Auto-
Manejo
Metáfora da
Modelagem
Social
Avaliação Comportamental e Cognitiva
Metáfora do Reforço
O que reforça este
comportamento
inadequado?
Quais seriam as
consequências que o
comportamento é função?
Quem reforça a conduta do
paciente?
Quais são as contingências
que sustentam este
comportamento?
Metáfora dos Déficits das
Habilidades Sociais
Quais comportamentos faltam em
seu repertório que viabilizariam sua
melhora?
Que comportamentos sociais são
complicadores nas relação com as
pessoas e seu meio?
Quais os déficits de
comportamentos e em quais
ambientes eles se localizam?
Como facilitar o aprendizado de
comportamentos assertivos?
O que oferecer de modelo e treino?
Ele é passivo ou agressivo em sua
expressão social?
Metáfora do Desemparo Aprendido
Em que experiências o
paciente aprendeu “um senso
de incontrabilidade” em sua
vida?
Como se estabeleceu o seu
desamparo?
O que é para ele aversivo e
intransponível?
Como isto afeta as outras
áreas de sua vida?
Houve generalização do
evento de desamparo?
Qual a relação entre seu
comportamento problema e o
desamparo?
Metáfora das Distorções Cognitivas
Como o paciente interpreta a
sua vida?
Eventos conflitantes?
Quais são seus erros
cognitivos?
Como interferir na fala do
paciente para formas mais
esperançosas e passíveis de
enfrentamento do problema?
Quais são suas regras e
suposições?
Quais seus esquemas
disfuncionais precoces?
Quais são as crenças
irracionais ou demandas do
paciente e da família?
Metáfora do Auto-Manejo
O que o paciente diz para si
frente a situações em que
seu desempenho é favorável
e o que diz quando não, que
mantem seu desempenho
apesar das consequências?
É possível muda-los?
Como ele reage com novas
formas de interpretação
sobre os eventos?
Metáfora da Modelagem Social
Quais são seus modelos
de vida?
O que ele tem de
referencia positiva?
Que modelos cooperam
para seu problema
atual?
Quem ele imita de forma
encoberta?
Metáfora da relação interpessoal
entre o paciente e o terapeuta.
Como o paciente lida com
do terapeuta?
Qual emoção e
comportamento estão
mais presentes na
relação?
Qual é a evolução da
relação produtiva para
modificação do
problema?
Quais são comportamento
clinicamente relevantes
visto também no
Christopher G. Fairburn
Indicação bibliográfica
para a família
Ajude Seu Filho a Enfrentar os
Distúrbios Alimentares
James Lock
Muito Obrigado!!!
marcelodarocha@globo.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Teoria do Esquema - Cognitivo-Comportamental
Teoria do Esquema - Cognitivo-ComportamentalTeoria do Esquema - Cognitivo-Comportamental
Teoria do Esquema - Cognitivo-ComportamentalNilson Dias Castelano
 
Transtorno de Personalidade Borderline
Transtorno de Personalidade BorderlineTranstorno de Personalidade Borderline
Transtorno de Personalidade BorderlineNilson Dias Castelano
 
Auto estima: Como aprender a gostar de si mesmo
Auto estima: Como aprender a gostar de si mesmoAuto estima: Como aprender a gostar de si mesmo
Auto estima: Como aprender a gostar de si mesmoAna Nery Medeiros
 
Dependência emocional
Dependência emocional Dependência emocional
Dependência emocional juliacaciano
 
Slide anorexia e bulimia corrigido
Slide anorexia e bulimia corrigidoSlide anorexia e bulimia corrigido
Slide anorexia e bulimia corrigidoWalquiria Dutra
 
Distúrbios alimentares Novo
Distúrbios alimentares NovoDistúrbios alimentares Novo
Distúrbios alimentares NovoCatarina'a Silva
 
Depressão
DepressãoDepressão
DepressãoUNIME
 
Psicopatia e transtorno de personalidade anti-social
Psicopatia e transtorno de personalidade anti-social Psicopatia e transtorno de personalidade anti-social
Psicopatia e transtorno de personalidade anti-social Laura Marcht
 
Transtorno de personalidade
Transtorno de personalidadeTranstorno de personalidade
Transtorno de personalidadeLuisa Sena
 
Transtornos alimentares
Transtornos alimentaresTranstornos alimentares
Transtornos alimentaresRoberta Araujo
 
O QUE ESTÁ ACONTECENDO COMIGO?
O QUE ESTÁ ACONTECENDO COMIGO?O QUE ESTÁ ACONTECENDO COMIGO?
O QUE ESTÁ ACONTECENDO COMIGO?Renata Pimentel
 
Vigorexia e distúrbios de imagem corporal - A Psinove no Fiture Summit 2018
Vigorexia e distúrbios de imagem corporal - A Psinove no Fiture Summit 2018Vigorexia e distúrbios de imagem corporal - A Psinove no Fiture Summit 2018
Vigorexia e distúrbios de imagem corporal - A Psinove no Fiture Summit 2018Psinove - Inovamos a Psicologia
 
Saúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidade
Saúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidadeSaúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidade
Saúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidadeAroldo Gavioli
 
Tratamento da Depressão em Terapia Comportamental e Cognitiva
Tratamento da Depressão em Terapia Comportamental e CognitivaTratamento da Depressão em Terapia Comportamental e Cognitiva
Tratamento da Depressão em Terapia Comportamental e CognitivaMarcelo da Rocha Carvalho
 

Mais procurados (20)

Teoria do Esquema - Cognitivo-Comportamental
Teoria do Esquema - Cognitivo-ComportamentalTeoria do Esquema - Cognitivo-Comportamental
Teoria do Esquema - Cognitivo-Comportamental
 
Transtorno de Personalidade Borderline
Transtorno de Personalidade BorderlineTranstorno de Personalidade Borderline
Transtorno de Personalidade Borderline
 
Auto estima: Como aprender a gostar de si mesmo
Auto estima: Como aprender a gostar de si mesmoAuto estima: Como aprender a gostar de si mesmo
Auto estima: Como aprender a gostar de si mesmo
 
Conceitualização em Terapia Cognitiva
Conceitualização em Terapia CognitivaConceitualização em Terapia Cognitiva
Conceitualização em Terapia Cognitiva
 
Como Manejar a Ansiedade?
Como Manejar a Ansiedade?Como Manejar a Ansiedade?
Como Manejar a Ansiedade?
 
Auto estima.ppt 2014 (hj)
Auto estima.ppt 2014 (hj)Auto estima.ppt 2014 (hj)
Auto estima.ppt 2014 (hj)
 
Dependência emocional
Dependência emocional Dependência emocional
Dependência emocional
 
Slide anorexia e bulimia corrigido
Slide anorexia e bulimia corrigidoSlide anorexia e bulimia corrigido
Slide anorexia e bulimia corrigido
 
Distúrbios alimentares Novo
Distúrbios alimentares NovoDistúrbios alimentares Novo
Distúrbios alimentares Novo
 
Depressão
DepressãoDepressão
Depressão
 
Psicopatia e transtorno de personalidade anti-social
Psicopatia e transtorno de personalidade anti-social Psicopatia e transtorno de personalidade anti-social
Psicopatia e transtorno de personalidade anti-social
 
Transtorno de personalidade
Transtorno de personalidadeTranstorno de personalidade
Transtorno de personalidade
 
Transtornos alimentares
Transtornos alimentaresTranstornos alimentares
Transtornos alimentares
 
O QUE ESTÁ ACONTECENDO COMIGO?
O QUE ESTÁ ACONTECENDO COMIGO?O QUE ESTÁ ACONTECENDO COMIGO?
O QUE ESTÁ ACONTECENDO COMIGO?
 
Vigorexia e distúrbios de imagem corporal - A Psinove no Fiture Summit 2018
Vigorexia e distúrbios de imagem corporal - A Psinove no Fiture Summit 2018Vigorexia e distúrbios de imagem corporal - A Psinove no Fiture Summit 2018
Vigorexia e distúrbios de imagem corporal - A Psinove no Fiture Summit 2018
 
PERSONALIDADE
PERSONALIDADEPERSONALIDADE
PERSONALIDADE
 
Saúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidade
Saúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidadeSaúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidade
Saúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidade
 
Tratamento da Depressão em Terapia Comportamental e Cognitiva
Tratamento da Depressão em Terapia Comportamental e CognitivaTratamento da Depressão em Terapia Comportamental e Cognitiva
Tratamento da Depressão em Terapia Comportamental e Cognitiva
 
Estresse ou ansiedade
Estresse ou ansiedadeEstresse ou ansiedade
Estresse ou ansiedade
 
Transtorno Alimentar
Transtorno AlimentarTranstorno Alimentar
Transtorno Alimentar
 

Semelhante a Anorexia, bulimia e os Transtornos Alimentares: psicoterapia comportamental e cognitiva

Semelhante a Anorexia, bulimia e os Transtornos Alimentares: psicoterapia comportamental e cognitiva (20)

Transtornos alimentares 2008
Transtornos alimentares 2008Transtornos alimentares 2008
Transtornos alimentares 2008
 
Cristina Cairo - Acabe Com a Obesidade.pdf
Cristina Cairo - Acabe Com a Obesidade.pdfCristina Cairo - Acabe Com a Obesidade.pdf
Cristina Cairo - Acabe Com a Obesidade.pdf
 
Pro Ana E Mia
Pro Ana E MiaPro Ana E Mia
Pro Ana E Mia
 
Anorexia Ou SuíCidio
Anorexia        Ou                       SuíCidioAnorexia        Ou                       SuíCidio
Anorexia Ou SuíCidio
 
Anorexia bulimia
Anorexia bulimiaAnorexia bulimia
Anorexia bulimia
 
Corpo cadaver 2008
Corpo cadaver 2008Corpo cadaver 2008
Corpo cadaver 2008
 
Obesidade
ObesidadeObesidade
Obesidade
 
18360.pptx
18360.pptx18360.pptx
18360.pptx
 
Air-Pollution.pptx
Air-Pollution.pptxAir-Pollution.pptx
Air-Pollution.pptx
 
Gabarito: Interpretação de texto: O peso do estereótipo – 8º ou 9º ano
Gabarito: Interpretação de texto: O peso do estereótipo – 8º ou 9º anoGabarito: Interpretação de texto: O peso do estereótipo – 8º ou 9º ano
Gabarito: Interpretação de texto: O peso do estereótipo – 8º ou 9º ano
 
Transtornos alimentares-bulimia e anorexia
Transtornos alimentares-bulimia e anorexiaTranstornos alimentares-bulimia e anorexia
Transtornos alimentares-bulimia e anorexia
 
Slide transtorno compusivo
Slide  transtorno compusivoSlide  transtorno compusivo
Slide transtorno compusivo
 
Atividade física e bem estar
Atividade física e bem  estarAtividade física e bem  estar
Atividade física e bem estar
 
7º ano
7º ano7º ano
7º ano
 
407 an 28_novembro_2012.ok
407 an 28_novembro_2012.ok407 an 28_novembro_2012.ok
407 an 28_novembro_2012.ok
 
ELETIVA I PADRÃO DE BELEZA.pptx
ELETIVA I PADRÃO DE BELEZA.pptxELETIVA I PADRÃO DE BELEZA.pptx
ELETIVA I PADRÃO DE BELEZA.pptx
 
eletivaipadrodebeleza-220822122014-2d14e9c3.pdf
eletivaipadrodebeleza-220822122014-2d14e9c3.pdfeletivaipadrodebeleza-220822122014-2d14e9c3.pdf
eletivaipadrodebeleza-220822122014-2d14e9c3.pdf
 
A vaidade adoece (2)
A vaidade adoece (2)A vaidade adoece (2)
A vaidade adoece (2)
 
Transtornos alimentares/bulimia
Transtornos alimentares/bulimiaTranstornos alimentares/bulimia
Transtornos alimentares/bulimia
 
Padroes de beleza
Padroes de belezaPadroes de beleza
Padroes de beleza
 

Mais de Marcelo da Rocha Carvalho

Psicoterapia orientações aos psicoterapeutas
Psicoterapia orientações aos psicoterapeutasPsicoterapia orientações aos psicoterapeutas
Psicoterapia orientações aos psicoterapeutasMarcelo da Rocha Carvalho
 
Treino de habilidades sociais e terapia de casais
Treino de habilidades sociais e terapia de casaisTreino de habilidades sociais e terapia de casais
Treino de habilidades sociais e terapia de casaisMarcelo da Rocha Carvalho
 
Acompanhamento Terapêutico, Transtornos Alimentares e Terapia Cognitiva
Acompanhamento Terapêutico, Transtornos Alimentares e Terapia CognitivaAcompanhamento Terapêutico, Transtornos Alimentares e Terapia Cognitiva
Acompanhamento Terapêutico, Transtornos Alimentares e Terapia CognitivaMarcelo da Rocha Carvalho
 
É possível reduzir o impacto das adversidades na infância?
É possível reduzir o impacto das adversidades na infância? É possível reduzir o impacto das adversidades na infância?
É possível reduzir o impacto das adversidades na infância? Marcelo da Rocha Carvalho
 
COMO MELHORAR A COMUNICAÇÃO ENTRE OS PAIS PARA TERAPIA COGNITIVA COMPORTAMENT...
COMO MELHORAR A COMUNICAÇÃO ENTRE OS PAIS PARA TERAPIA COGNITIVA COMPORTAMENT...COMO MELHORAR A COMUNICAÇÃO ENTRE OS PAIS PARA TERAPIA COGNITIVA COMPORTAMENT...
COMO MELHORAR A COMUNICAÇÃO ENTRE OS PAIS PARA TERAPIA COGNITIVA COMPORTAMENT...Marcelo da Rocha Carvalho
 
Palestra na Residência em Psicologia UNIFESP 2016
Palestra na Residência em Psicologia UNIFESP 2016Palestra na Residência em Psicologia UNIFESP 2016
Palestra na Residência em Psicologia UNIFESP 2016Marcelo da Rocha Carvalho
 
Psicoterapia para funcionários a pedido da empresa
Psicoterapia para funcionários a pedido da empresaPsicoterapia para funcionários a pedido da empresa
Psicoterapia para funcionários a pedido da empresaMarcelo da Rocha Carvalho
 
Terapia Racional Emotiva Comportamental: visão geral.
Terapia Racional Emotiva Comportamental: visão geral.Terapia Racional Emotiva Comportamental: visão geral.
Terapia Racional Emotiva Comportamental: visão geral.Marcelo da Rocha Carvalho
 
Terapia Comportamental e Cognitiva, uma introdução.
Terapia Comportamental e Cognitiva, uma introdução.Terapia Comportamental e Cognitiva, uma introdução.
Terapia Comportamental e Cognitiva, uma introdução.Marcelo da Rocha Carvalho
 
Terapia Comportamental-Cognitiva(TCC) e Arteterapia
Terapia Comportamental-Cognitiva(TCC) e ArteterapiaTerapia Comportamental-Cognitiva(TCC) e Arteterapia
Terapia Comportamental-Cognitiva(TCC) e ArteterapiaMarcelo da Rocha Carvalho
 
Como as pessoas mudam? Modelo transteórico(Prochaska e Di Clemente)
Como as pessoas mudam? Modelo transteórico(Prochaska e Di Clemente)Como as pessoas mudam? Modelo transteórico(Prochaska e Di Clemente)
Como as pessoas mudam? Modelo transteórico(Prochaska e Di Clemente)Marcelo da Rocha Carvalho
 

Mais de Marcelo da Rocha Carvalho (20)

Psicoterapia orientações aos psicoterapeutas
Psicoterapia orientações aos psicoterapeutasPsicoterapia orientações aos psicoterapeutas
Psicoterapia orientações aos psicoterapeutas
 
Treino de habilidades sociais e terapia de casais
Treino de habilidades sociais e terapia de casaisTreino de habilidades sociais e terapia de casais
Treino de habilidades sociais e terapia de casais
 
Suicídio: aspectos preventivos e TCC
Suicídio: aspectos preventivos e TCCSuicídio: aspectos preventivos e TCC
Suicídio: aspectos preventivos e TCC
 
Acompanhamento Terapêutico, Transtornos Alimentares e Terapia Cognitiva
Acompanhamento Terapêutico, Transtornos Alimentares e Terapia CognitivaAcompanhamento Terapêutico, Transtornos Alimentares e Terapia Cognitiva
Acompanhamento Terapêutico, Transtornos Alimentares e Terapia Cognitiva
 
É possível reduzir o impacto das adversidades na infância?
É possível reduzir o impacto das adversidades na infância? É possível reduzir o impacto das adversidades na infância?
É possível reduzir o impacto das adversidades na infância?
 
COMO MELHORAR A COMUNICAÇÃO ENTRE OS PAIS PARA TERAPIA COGNITIVA COMPORTAMENT...
COMO MELHORAR A COMUNICAÇÃO ENTRE OS PAIS PARA TERAPIA COGNITIVA COMPORTAMENT...COMO MELHORAR A COMUNICAÇÃO ENTRE OS PAIS PARA TERAPIA COGNITIVA COMPORTAMENT...
COMO MELHORAR A COMUNICAÇÃO ENTRE OS PAIS PARA TERAPIA COGNITIVA COMPORTAMENT...
 
Acompanhamento Terapêutico
Acompanhamento TerapêuticoAcompanhamento Terapêutico
Acompanhamento Terapêutico
 
Depressão Infância e Adolescência
Depressão Infância e AdolescênciaDepressão Infância e Adolescência
Depressão Infância e Adolescência
 
Palestra na Residência em Psicologia UNIFESP 2016
Palestra na Residência em Psicologia UNIFESP 2016Palestra na Residência em Psicologia UNIFESP 2016
Palestra na Residência em Psicologia UNIFESP 2016
 
Psicoterapia para funcionários a pedido da empresa
Psicoterapia para funcionários a pedido da empresaPsicoterapia para funcionários a pedido da empresa
Psicoterapia para funcionários a pedido da empresa
 
Terapia Racional Emotiva Comportamental: visão geral.
Terapia Racional Emotiva Comportamental: visão geral.Terapia Racional Emotiva Comportamental: visão geral.
Terapia Racional Emotiva Comportamental: visão geral.
 
Karen horney e o pré-cognitivismo clínico
Karen horney e o pré-cognitivismo clínicoKaren horney e o pré-cognitivismo clínico
Karen horney e o pré-cognitivismo clínico
 
Terapia Comportamental e Cognitiva, uma introdução.
Terapia Comportamental e Cognitiva, uma introdução.Terapia Comportamental e Cognitiva, uma introdução.
Terapia Comportamental e Cognitiva, uma introdução.
 
Terapia casal e TREC
Terapia casal e TRECTerapia casal e TREC
Terapia casal e TREC
 
CONCRIAD 2004, Limites nos tempos modernos.
CONCRIAD 2004, Limites nos tempos modernos.CONCRIAD 2004, Limites nos tempos modernos.
CONCRIAD 2004, Limites nos tempos modernos.
 
Terapia Comportamental-Cognitiva(TCC) e Arteterapia
Terapia Comportamental-Cognitiva(TCC) e ArteterapiaTerapia Comportamental-Cognitiva(TCC) e Arteterapia
Terapia Comportamental-Cognitiva(TCC) e Arteterapia
 
Terapia Comportamental e Cognitiva
Terapia Comportamental e CognitivaTerapia Comportamental e Cognitiva
Terapia Comportamental e Cognitiva
 
MBA - Saúde do Trabalhador, UNIFESP
MBA - Saúde do Trabalhador, UNIFESPMBA - Saúde do Trabalhador, UNIFESP
MBA - Saúde do Trabalhador, UNIFESP
 
Terapia Comportamental e Cognitiva Infantil
Terapia Comportamental e Cognitiva InfantilTerapia Comportamental e Cognitiva Infantil
Terapia Comportamental e Cognitiva Infantil
 
Como as pessoas mudam? Modelo transteórico(Prochaska e Di Clemente)
Como as pessoas mudam? Modelo transteórico(Prochaska e Di Clemente)Como as pessoas mudam? Modelo transteórico(Prochaska e Di Clemente)
Como as pessoas mudam? Modelo transteórico(Prochaska e Di Clemente)
 

Último

Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSProf. Marcus Renato de Carvalho
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfHELLEN CRISTINA
 
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdfIANAHAAS
 
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino FelisbertoAltas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisbertoadelinofelisberto3
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfHELLEN CRISTINA
 
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclosCaracterísticas gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclosThaiseGerber2
 
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades PúblicasAlimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades PúblicasProf. Marcus Renato de Carvalho
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdfHELLEN CRISTINA
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdfDanieldaSade
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdfDanieldaSade
 

Último (10)

Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
 
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
 
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino FelisbertoAltas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
 
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclosCaracterísticas gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
 
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades PúblicasAlimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
 

Anorexia, bulimia e os Transtornos Alimentares: psicoterapia comportamental e cognitiva

  • 1. Transtornos Alimentares e Psicoterapia através da Terapia Comportamental e Cognitiva
  • 2.
  • 3. Marcelo da Rocha Carvalho Psicólogo Clínico Psicoterapeuta Comportamental e Cognitivo, Especialista pela USP, Professor Convidado da Pós-Graduação em Terapia Comportamental e Cognitiva pela FMUSP/AMBAN/HC. Especialista em Terapia Racional Emotiva Comportamental pelo Albert Ellis Institute. marcelodarocha@globo.com
  • 4.
  • 5. Do que falaremos? 1. Anorexia. 2. Bulimia. 3. Transtorno de Compulsão Alimentar Periódica. • E o Transtorno do Corpo Dismórfico, Ortorexia, Vigorexia, Obesidade?
  • 6. Vitousek, 2005 • Reduzindo a essência, o modelo cognitivo- comportamental propõe que os sintomas anoréxicos e bulímicos são mantidos por um conjunto característico de ideias supervalorizadas sobre implicações pessoais da forma e do peso corporal. • Essas atitudes têm origens na interação de características individuais estáveis(como perfeccionismo, asceticismo, e dificuldades na regulação do afeto) com ideias socioculturais para a aparência feminina.
  • 7. Vitousek, 2005 • Uma vez formadas, as crenças influenciam os indivíduos que as mantêm, levando-os a se engajar em comportamentos estereotipados de alimentação e eliminação, a ser responsivos a contingências excêntricas de reforço, a processar informações de acordo com vieses cognitivos previsíveis e, eventualmente, a ser afetados por sequelas fisiológicas que também servem para manter crenças e comportamentos disfuncionais.
  • 8.
  • 9. Mudança: Resposta Humana (Prochaska e Di Clemente) Nível de Conscientização Nível de Resposta Inércia Indecisão Rejeição Adaptação
  • 10. Modelo Cognitivo Comportamental Sintomas Fisiológicos Experiência Subjetiva Respostas Comportamentais Avaliação Cognitiva Mal Adaptada Crenças Mal Adaptadas Processos de Atenção Gatilho
  • 11. Modelo Cognitivo Comportamental Sintomas Fisiológicos Experiência Subjetiva Respostas Comportamentais Avaliação Cognitiva Mal Adaptada Crenças Mal Adaptadas Processos de Atenção Gatilho Modificação da Situação Meditação, Relaxamento, Respiração Profunda Modificação da Atenção Psicoeducação e Reestruturação Cognitiva Modificação Comportamental Ativação Comportamental Exposição Aceitação Relaxamento e Respiração Profunda Diminuição da Reatividade
  • 12.
  • 13. Inventários e testes •BDI, Crenças Irracionais de Ellis, ISSL (Inventário de Sintomas de Stress Lipp (Casa do Psicólogo), Inventário de Young (versão longa), Assertividade, IHS (Inventário de Habilidade Sociais – Casal Del Prette/Casa do Psicólogo), Escala do Sono, Inventário do Medo (Wolpe). •Escala de Alexithimia (Yoshida, E.) •EAS-40.
  • 14. 4 Dimensões (EAS-40, Laloni, 2001) Ansiedade Psicoticismo Obsessivo- Compulsivo Somatização
  • 15.
  • 16. “Medo mórbido da gordura”. (Russell, 1970) Uma “busca de esbelteza” (Brunch, 1973). “Fobia de peso” (Crisp, 1967). A sedução do belo…
  • 17.
  • 18. Anorexia Bulimia TCAP Obesidade Controle Perfeccionismo Rigidez Psicoticismo Sensação de sucesso Descontrole Procrastinação Inconstância Neuroticismo Falha ou derrota
  • 19.
  • 20.
  • 21. • Facebook. • Instagram. • Blogs. • Sites: Pró-Ana e Pró-Mia. • Tumblr, Pinterest, etc.. • Snapchat. • Preferencialmente, ferramentas que é possível ficar mais “invisível” para um grupo maior de pessoas. Modelos impróprios
  • 22.
  • 23.
  • 24. Avaliação dos TAs 1. A natureza exata do problema: como o paciente entende? 2. Psicopatologia específica. a) Atitudes quanto à forma e ao peso a) Grau de importância atribuída à forma e ao peso b) Reação as mudanças de peso c) Reação a comentários sobre aparência d) Peso desejado: maior e menor peso ao longo da vida. b) Hábitos alimentares a) Faz regimes? b) Há episódios de ingestão excessiva? c) Qual é o senso de controle sobre o consumo alimentar? c) Métodos de controle de peso a) Regimes: que tipos? b) Há vômito auto-induzido? c) Faz uso de diuréticos ou purgantes? Outras medicações? d) Exercícios
  • 25. 3. Psicopatologia geral • Sintomatologia neurótica, especialmente sintomas depressivos e risco de suicídio. • Funcionamento interpessoal. • Autoestima, segurança e perfeccionismo. 4. Circunstâncias sociais. 5. Saúde física. • Peso e histórico de peso (PS: Conferir eletrólitos de pacientes que estão vomitando ou tomando laxantes e diuréticos – solicitação ao médico responsável)
  • 26. A foto acima ajuda ou atrapalha no combate à anorexia? A francesa ISABELLE CARO, 27 anos, aspirante a atriz, acha que ajuda. "Embora meu corpo cause repugnância", diz, ela aceitou se despir diante do rei da foto publicitária escandalosa, o italiano Oliviero Toscani, para "mostrar às jovens quanto essa doença é perigosa". Especialistas nesse distúrbio psíquico acreditam o contrário: mulheres anoréxicas veem um corpo devastado como o de Isabelle – 1,65 metro, 31 quilos – e acham lindo. As fotos foram tiradas para promover uma marca de roupas. Isabelle sofre de anorexia desde os 13 anos, resultado de "uma infância muito difícil", que contará em detalhes num livro que promete publicar "em breve". VEJA Edição 2028 3 de outubro de 2007
  • 27. Psicopatologia Geral • Variedade de sintomas depressivos e de ansiedade. • Características obsessivas (especialmente em AN). • Concentração deficiente. • Desempenho social comprometido.
  • 28.
  • 29.
  • 30.
  • 31. A Barbie original, criada em 1959. Read more: Barbie, Meet ‘Average Barbie’ | TIME.com http://newsfeed.time.c om/2013/07/09/barbie- meet-average- barbie/#ixzz2s7qOmw r2
  • 32.
  • 33. Corpo médio da mulher… Como seria a Barbie mais próxima da realidade.
  • 34. Outro ângulo... Como seria a Barbie mais próxima da realidade.
  • 35.
  • 36.
  • 37.
  • 38.
  • 39.
  • 40.
  • 41. CID 10 •F50.0 Anorexia nervosa •F50.1 Anorexia nervosa atípica •F50.2 Bulimia nervosa •F50.3 Bulimia nervosa atípica •F50.4 Hiperfagia associada a outros distúrbios psicológicos •F50.5 Vômitos associados a outros distúrbios psicológicos •F50.8 Outros transtornos da alimentação •F50.9 Transtorno de alimentação não especificado
  • 42.
  • 43. Fim do tratamento e prevenção a recaída Foco sóciocultural Foco sobre o desenvolvimento Foco Interpessoal Foco Comportamental Coleta de informações e estabelecimento de metas para o Tratamento.
  • 44. Crítica Garner e Garfinkel (1980) compararam medidas de peso e forma corporal de modelos de capas de revistas masculinas e participantes de concursos de beleza ao longo de vinte anos (1959 – 1978). Demonstraram que houve uma progressiva mudança nos padrões de beleza de uma figura do tipo violão em direção a uma figura marcadamente mais magra, de um tipo mais andrógeno. Os dois autores verificaram ainda um significativo aumento de artigos sobre dietas para emagrecimento, publicados em seis revistas femininas ao longo do mesmo período. Durante as últimas décadas a massa corpórea das mulheres expostas na mídia vem diminuindo, coincidindo com um aumento na prevalência de TA na população feminina (Stice et al., 1994). Por exemplo: uma campanha de uma indústria de shakes para emagrecimento apresentada no final da década de 90 em outdoors onde se lia “Felicidade é entrar num vestido P” ou “A melhor maneira de conquistar um homem é pelo estômago: o seu estômago”. As fotos das modelos e atrizes, lindas e com corpos esculturais são digitalizadas, afastando cada vez mais a mulher comum das “musas photoshopizadas”.
  • 45. Coerção mercadológica e cultural Na sociedade de consumo, a magreza é apresentada como uma mercadoria ilusoriamente acessível a todos, independentemente das contingências filogenéticas e ontogenéticas. A magreza é vendida como um produto relacionado ao autocontrole, à competência e à atratividade sexual (Morgan et al., 2002). A indústria da beleza confirma este raciocínio declarando que a mudança no corpo promove mudanças nas contingências aversivas e nos respondentes emocionais. O corpo pode ganhar o papel de responsável pelas contingências aversivas às quais a cliente está submetida. Rev. Bras. de Ter. Comp. Cogn., 2011, Vol. XIII, nº 1,52-70
  • 46. É necessário que as pessoas estejam insatisfeitas com sua aparência e peso para existir uma indústria que “resolva” este problema.
  • 47.
  • 48.
  • 50. Dimensões dos Transtornos Alimentares Psicoticismo Neuroticismo Anorexia Bulimia Alexitimia Falta de crítica Isolamento Labilidade afetiva Depressão Perfeccionismo Procrastinação
  • 51.
  • 52.
  • 53.
  • 54.
  • 55.
  • 56.
  • 57. Anorexia Nervosa: subtipos 1. RESTRITIVO: no qual os indivíduos não têm compulsões periódicas, nem purgações, e 2. PURGATIVO/COMPULSÃO PERIÓDICA: onde os indivíduos se envolvem regularmente em compulsões alimentares ou purgações.
  • 58. Qual é a tríade cognitiva para os Transtornos Alimentares? Ambiente Futuro Eu DEPRESSÃO Avaliação negativa de: • si - mesmo, • ambiente e • do futuro. ANSIEDADE Avaliação catastrófica de: • si – mesmo como sem estratégias, • ambiente é perigoso e • do futuro como incerto.
  • 59.
  • 60.
  • 61.
  • 62. • O capítulo Alimentação e Transtornos Alimentares reúne os diagnósticos descritos no DSM-IV- TR no capítulo dos Transtornos de Alimentação, juntamente com os Transtornos de Alimentação da Primeira Infância que compunham o extinto capítulo dos Transtornos Geralmente Diagnosticados pela Primeira Vez na Infância ou na Adolescência. • Os diagnósticos de Pica e Transtorno de Ruminação mantiveram critérios semelhantes, mas foram revisados para que pudessem ser aplicados a indivíduos de qualquer idade. • O antigo Transtorno da Alimentação da Primeira Infância tinha descrições pouco precisas, com pouca aplicação prática e no DSM-5 foi substituído pelo Transtorno de Consumo Alimentar Evitativo/Restritivo. • O atual diagnóstico é descrito como um distúrbio alimentar manifestado por um fracasso persistente em atender às necessidades nutricionais ou energia necessária, associado com um ou mais dos seguintes sintomas: perda significativa de peso; deficiência nutricional significativa; dependência de nutrição enteral ou suplemento nutricional oral; acentuada interferência na função psicossocial.
  • 63. • A Anorexia Nervosa não sofreu mudanças conceituais, mas seus critérios foram reescritos para melhor compreensão. A exigência de amenorreia em mulheres pós-menarca foi retirada, pois observou- se que não se tratava de uma característica definidora. A presença de comportamentos persistentes que interferem no ganho de peso foi adicionada ao Critério B, que descrevia o medo intenso de ganhar peso ou engordar. • diagnóstico de Bulimia Nervosa sofreu uma mudança no que diz respeito a frequência exigida de crises bulímicas e comportamentos compensatórios. • No DSM-IV-TR eram necessárias pelo menos duas crises por semana, por três meses, no DSM-5 a exigência cai para uma vez por semana, por três meses. Embora a APA argumente que as características e evolução clínica dos pacientes com esse limiar sejam semelhantes, muitos profissionais criticaram a mudança pelo possível risco de superestimar a incidência do transtorno. • Transtorno de Compulsão Alimentar Periódica que foi apresentado no DSM-IV-TR (Apêndice B) como uma proposta para estudos adicionais, foi validado como diagnóstico no DSM-5 devido a sua utilidade clínica.
  • 64. Alexithimia e Transtornos Alimentares • Os psicoterapeutas psicodinâmicos reduzem o contexto da alexithimia, literalmente a ausência de palavras relacionadas ao humor, para um conflito interno ativo entre as reações emocionais e crenças aprendidas de que essas reações são inapropriadas, inaceitáveis ou injustificadas(Garner & Bemis, 1985).
  • 65.
  • 66. Como lidar? • Problemas egodistônicos e egossintônicos em psicoterapia? • Problemas de neuroticismo ou de psicoticismo?
  • 67.
  • 68. Perfeccionismo. Pensamento dicotômico: tudo ou nada. Erros cognitivos mais comuns A chave do tratamento Aumento e estimulação do comportamento social e seus reforços intrínsecos.
  • 69.
  • 70. Controle Aversivo do caos familiar No decorrer de sua história de vida, a cliente pode ter aprendido que o seu adoecimento é aversivo para os pais. Esta pode acabar provocando o adoecimen-to através da restrição alimentar como uma forma de exercer contracontrole diante do controle aversivo dos pais. Em outro extremo, o adoecer de desnutri- ção pode mobilizar a atenção de pessoas significati-vas para a paciente, ou mobilizá-los para liberarem outros reforçadores.
  • 71.
  • 72.
  • 73.
  • 74. O NÃO comer O Comer inadequado dos TAs afetam: 1. A coesão, 2. A resolução do conflito, 3. Individuação e 4. Intimidade. Todos em ciclos auto perpetuadores. Mensagem dúbia: • “Estou doente e preciso de ajuda” e • “Apenas eu sei o que estou fazendo e devo ser deixada em paz”. • Palazzoli concluiu que os sintomas dos TA são estratégias secretas – que servem para evitar que a família e o próprio indivíduo admitam a insatisfação. • A alienação através do controle do corpo.
  • 75. Informações sistêmicas • Palazzoli fala da Teoria do Engano: comunicações paradoxais e indiretas que obscureciam as diferenças individuais e evitavam o claro posicionamento e o conflito construtivo. • Em observações da escola de Minuchin, as jovens anoréxicas exibiam severa fusão entre um dos pais ou ambos.
  • 76.
  • 77.
  • 78. 04 Pilares do Controle do Stress Atividade Física Alimentação Equilibrada Relaxamento Modificação dos Pensamentos
  • 79. Tratamento Médico • Psicofarmacoterapia. • Controle Hidroeletrolítico. • Reeducação alimentar. • Reposição vitamínica. • Estimulação Magnética Transcraniana (EMT/TMS)
  • 80. Adaptação as Metáforas frente a clínica Sharp (1999) Metáfora do Reforço Metáfora do Déficits das Habilidades Sociais Metáfora do Desamparo Aprendido Metáfora da Distorção Cognitiva Metáfora do Auto- Manejo Metáfora da Modelagem Social Avaliação Comportamental e Cognitiva
  • 81. Metáfora do Reforço O que reforça este comportamento inadequado? Quais seriam as consequências que o comportamento é função? Quem reforça a conduta do paciente? Quais são as contingências que sustentam este comportamento?
  • 82. Metáfora dos Déficits das Habilidades Sociais Quais comportamentos faltam em seu repertório que viabilizariam sua melhora? Que comportamentos sociais são complicadores nas relação com as pessoas e seu meio? Quais os déficits de comportamentos e em quais ambientes eles se localizam? Como facilitar o aprendizado de comportamentos assertivos? O que oferecer de modelo e treino? Ele é passivo ou agressivo em sua expressão social?
  • 83. Metáfora do Desemparo Aprendido Em que experiências o paciente aprendeu “um senso de incontrabilidade” em sua vida? Como se estabeleceu o seu desamparo? O que é para ele aversivo e intransponível? Como isto afeta as outras áreas de sua vida? Houve generalização do evento de desamparo? Qual a relação entre seu comportamento problema e o desamparo?
  • 84. Metáfora das Distorções Cognitivas Como o paciente interpreta a sua vida? Eventos conflitantes? Quais são seus erros cognitivos? Como interferir na fala do paciente para formas mais esperançosas e passíveis de enfrentamento do problema? Quais são suas regras e suposições? Quais seus esquemas disfuncionais precoces? Quais são as crenças irracionais ou demandas do paciente e da família?
  • 85. Metáfora do Auto-Manejo O que o paciente diz para si frente a situações em que seu desempenho é favorável e o que diz quando não, que mantem seu desempenho apesar das consequências? É possível muda-los? Como ele reage com novas formas de interpretação sobre os eventos?
  • 86. Metáfora da Modelagem Social Quais são seus modelos de vida? O que ele tem de referencia positiva? Que modelos cooperam para seu problema atual? Quem ele imita de forma encoberta?
  • 87. Metáfora da relação interpessoal entre o paciente e o terapeuta. Como o paciente lida com do terapeuta? Qual emoção e comportamento estão mais presentes na relação? Qual é a evolução da relação produtiva para modificação do problema? Quais são comportamento clinicamente relevantes visto também no
  • 88.
  • 89.
  • 90.
  • 92. Indicação bibliográfica para a família Ajude Seu Filho a Enfrentar os Distúrbios Alimentares James Lock
  • 93.