SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 42
Karen Horney e o pré-
cognitivismo clínico: da
psicanálise as terapia
cognitivas.
Marcelo da Rocha Carvalho
Em direção ao rompimento
profícuo.
 Sua visão de que a repressão e a sublimação de impulsos
biológicos NÃO são os determinantes primários do
desenvolvimento da personalidade levaram à sua remoção
como instrutora no New York Psychoanalytic Institute e a que
ela fundasse, em 1941, o American Psychoanalytic Institute.
Neurose e Desenvolvimento
Humano: o tratamento guia da
neurose
1. A conquista de glória
2. Exigências neuróticas
3. A tirania do dever
4. Orgulho neurótico
5. Ódio e desprezo por si mesmo
6. Alheamento do eu
7. Medidas gerais para aliviar a tensão
8. Soluções expansivas: a sedução do domínio
9. A solução auto-anuladora: a sedução do amor
10. Dependência mórbida
11. Resignação: a sedução da liberdade
Viver para si mesmo e auto-
realização
 Horney sustentou que o desenvolvimento da personalidade
resulta da interação de forças biológicas e psicossociais que
são singulares para cada pessoa. Na medida em que o
cerne de cada personalidade é um self real duradouro
equivalente parcialmente ao ego freudiano e parcialmente ao
estado de ego infantil de Eric Berne, o self real combina
escolha, vontade, responsabilidade, identidade,
espontaneidade e vivacidade.
Variáveis encobertas
“...as pessoas não somente são capazes de
discriminar fidedignamente os eventos
internos, mas podem manipulá-los também
fazendo com que o auto-reforçamento seja
contingente a sua ocorrência. Além do mais,
reações afetivas induzidas pelo pensamento
podem ser empregadas com sucesso com o
objetivo de controlar o nosso comportamento
manifesto.” Bandura, A. – Modificação do
Comportamento, 1979(1969).
Comportamento Encoberto
“...nunca citam os estudos inumeráveis que
demonstram que, sob muitas condições,
eventos ocultos autodescritos possuem um
poder preditivo maior e uma maior influência
reguladora sobre o comportamento do que as
variáveis externamente manipuladas as quais
se atribui tipicamente o papel explanatório
central nos processos de mudança.” Bandura,
A. – Modificação do Comportamento,
1979(1969).
Thibaut e Kelley
Em trocas sociais, o comportamento de
uma pessoa exerce um certo grau de
controle sobre as ações dos outros.
“...achados demonstram que pessoas,
muito longe de serem reguladas por uma
ambiente impositivo, desempenham papel
ativo na construção de suas próprias
contingências de reforçamento por meio de
modos característicos de resposta.”
Bandura, A. – Modificação do
Comportamento, 1979(1969).
Desenvolvimento esperado
 Um processo natural em desenvolvimento de auto-realização
conduz ao desenvolvimento do potencial humano em três
direções básicas: em direção aos outros, a expressão de amor
e confiança; contra os outros, para a expressão de oposição
saudável; e para longe dos outros em direção à
autossuficiência.
 Embora as condições, durante a infância, possam bloquear o
desenvolvimento psicológico, o crescimento saudável é sempre
possível se os bloqueios internos são removidos. As crianças
cujas situações familiares as levaram a sentir-se sob perigo
concentram em sobrevivência psicológica e podem fazer isso
desenvolvendo mecanismos de enfrentamento estereotipados.
Neurose e desenvolvimento
 Horney definiu neurose tanto em termos intrapsíquicos como
interpessoais. Ela observou que seus pacientes queixavam-
se não das neuroses sintomáticas como fobias e
compulsões, mas de infelicidade, bloqueio e falta de
preenchimento no trabalho e inabilidade de estabelecer ou
manter relacionamentos. Ela viu estes pacientes como
apresentando complexos sistemas de padrões defensivos
autoperpetuantes contra a ansiedade básica que iniciou na
primeira infância - neuroses de caráter.
Busca por segurança
 As crianças movem-se psicologicamente em três direções para aliviar
sua ansiedade, para tornar a vida segura e previsível e para obter
satisfação. Elas buscam afeto e aprovação ou elas se tornam hostis ou
elas se retraem.
 As crianças por fim usam a estratégia de enfrentamento que melhor
satisfaz suas necessidades, mas se apenas uma estratégia básica é
usada, as crianças tornam-se limitadas em seu repertório de
enfrentamento em sua experiência de si mesmas e do seu mundo. Seu
senso de segurança é tênue porque elas têm perigo vindo de dentro de
sentimentos e impulsos suprimidos ou reprimidos. Se as condições
ambientais desfavoráveis continuam, seus sentimentos conflitantes são
dirigidos para o inconsciente e tais crianças são deixadas com um
senso de desconforto, ansiedade e apreensão e com um senso de self
inseguro.
 Nesta junção, seu ponto de referência é externalizado, padrões de
comportamento enrijecem e crescentes bloqueios ao crescimento se
desenvolvem. Horney designou estas atitudes complexas,
relativamente fixas em direção ao eu e aos outros como tendências
neuróticas.
Tipos de caráter
 Os três principais tipos de caráter de Horney são embasados
no modo predominante de relacionar-se com outros.
 O tipo self-apagado, anuente resulta da operação defensiva de
agarrar-se a outros. Tais pessoas tentam obter o favor dos outros
através de lisonja, subordinam-se aos outros e são relutantes em
discordar por medo de perder favor.
 O tipo expansivo, agressivo resulta de manobrar contra outros e
colocar forte confiança em poder e domínio como um meio de
obter segurança.
 O tipo desapegado, resignado resulta de afastar-se de outros
para evitar tanto dependência como conflito. Eles são pessoas
muito privadas que, embora se recusando a competir
abertamente, vêem-se como se elevando acima dos outros.
MEIOS COMPLEMENTARES
PARA ALIVIAR A TENSÃO
INTERNA
 O superdesenvolvimento de um dos três estilos
interpessoais básicos suprime os outros dois. De um modo
análogo aos complexos de Jung, os impulsos reprimidos
continuam ativos e produzindo conflitos. Uma harmonia
artificial é obtida pelo uso de mecanismos mentais como
pontos cegos, comportamentalização, racionalização e
técnicas de enfrentamento como autocontrole excessivo,
arbitrariedade, elusividade, cinismo e externalização.
Imagem idealizada
 Durante seus anos de adolescência, os futuros pacientes
neuróticos criam uma imagem ideal fantasiada que, caso
atingida, promete terminar com seus sentimentos dolorosos e
supre o autopreenchimento. A imagem idealizada contrabalança
a alienação dos eus centrais pela qual as pessoas neuróticas
passam porque as técnicas de sobrevivência que elas
adotaram anteriormente as forçam a anular seus desejos,
sentimentos e pensamentos genuínos. A imagem idealizada
cobre todas as contradições, oculta a natureza defensiva do
seu comportamento e restaura um senso de integridade. A
energia anteriormente disponível para a auto-realização é
usada em esforços para tornar-se como a imagem idealizada.
Por exemplo, uma pessoa que adotou a estratégia de mover-se
em direção aos outros e é consequentemente dependente de
outros para obter afeto e aprovação experimenta o medo de
auto-asserção razoável como humildade imaculada e a
consideração pelos outros.
Imagem idealizada
 Porque o eu ideal é imaginário, as pessoas neuróticas são
prontamente machucadas por confrontos com a realidade e
elas trabalharam demasiado arduamente para provar que
elas são, de fato, os seus eus ideais. Fazer isso resulta em
um tipo de perfeccionismo que insiste em excelência
imaculada na qual "eu deveria" substituir "eu quero" ou "eu
preciso". Isso também resulta na ambição neurótica de ser o
primeiro e em um forte impulso de vingança sobre os
percebidos como tendo interferido em que eles se tornassem
seus eus ideais.
Tirania do dever: para si e o
mundo.
 Apesar da sua frequente auto depreciação, as pessoas
neuróticas esperam ser tratadas como se fossem seus eus
ideais. Estas reivindicações a tratamento especial, quando
frustradas, produzem raiva, indignação e ressentimento os
"Deveres", demandas auto-impostas de que eles devem viver à
altura dos seus eus idealizados são irracionais e não
relacionados às realidades da vida cotidiana. Os "Deveres" são
projetados e experimentados como demandas feitas por outros
e são também exigidos dos outros. Fazer isso resulta em que a
pessoa neurótica seja crítica dos outros e sensível ao criticismo.
 O auto-ódio resulta quando surge a ameaça que as pessoas
neuróticas podem ser incapazes de atingir seus eus
idealizados. Se o apoio não fosse necessário para o self
idealizado, as alegações, "os deveres" e o auto-ódio não seriam
partes tão importantes do aparelho psíquico.
Idealização de si
 Aspectos glorificantes do self idealizado, orgulho neurótico
substitui autoconfiança saudável.
 Deste modo, quando seu orgulho é ferido por outros, as
pessoas neuróticas tornam-se enfurecidas e buscam vingar
sua mágoa e ocultar sua auto decepção obtendo uma vitória
vingativa sobre a pessoa ofensiva.
 Junto com apoiar alegações e deveres, o orgulho neurótico e
o auto-ódio formam uma rede defensiva ou mecanismo do
orgulho que protege o self idealizado. Qualquer tentativa de
reduzir elementos do mecanismo do orgulho é
experimentada como um ataque sobre a pessoa. Apesar da
couraça da sua rede defensiva, as pessoas neuróticas não
estão em paz porque elas estão em conflito interno com as
forças que as protegem. O conflito entre o mecanismo do
orgulho e as forças impulsionando em direção à auto-
realização saudável é o conflito interno central.
Orgulho e desprezo
 Conflito também existe dentro do próprio mecanismo do
orgulho. O orgulho neurótico e as reivindicações estão
associados à imagem idealizada glorificada; auto-ódio e
"deveres" estão associados aos aspectos inaceitáveis do
self. Quando tentativas são feitas para satisfazer ambas as
forças simultaneamente, o conflito surge.
 Tentativas de evitar estes conflitos envolvem alienação
adicional do self.
Alienação
 A alienação do self é uma das consequências mais sérias do
desenvolvimento neurótico. A alienação resulta da
combinação entre negação repetida da realidade externa e a
repressão de pensamentos, sentimentos e impulsos
genuínos. À medida que o processo de alienação continua,
as pessoas neuróticas perdem contato com o cerne do seu
ser e não mais podem determinar ou agir sobre o que é certo
para elas. Seus sentimentos podem variar de incerteza e
confusão à morte e vazio internos.
TRATAMENTO ANALÍTICO
 Horney não considerou as pessoas neuróticas adultas como
recapitulando experiências infantis, portanto, não focalizou
na recuperação de memórias da infância. Ela lidou, ao invés
disso, com o processo neurótico auto perpetuante. Ela
enfatizou a importância dos sonhos em análise e,
posteriormente, a exploração do relacionamento paciente-
analista. Ela foi uma das primeiras analistas a reconhecer e
fazer uso construtivo de seus próprios sentimentos em
relação aos pacientes. Para Horney, a psicanálise é um
empreendimento cooperativo que capacita os pacientes a
liberarem-se de suas estruturas neuróticas e a mobilizarem-
se em direção à auto-realização. A responsabilidade do
analista é auxiliar a liberar os pacientes de bloqueios, forças
que impedem o crescimento saudável.
TRATAMENTO ANALÍTICO
 Cedo na terapia, durante o processo de desilusão, os dois
tipos de bloqueio são identificados e examinados. O primeiro
grupo de bloqueios orientados à segurança, os bloqueios
protelares, ajudam a evitar a ansiedade causada pela auto
percepção. Os bloqueios protetores incluem silêncio, atraso,
depreciar o analista, o uso de drogas e até mesmo o uso de
auto acusação para evitar exploração adicional.
 Os bloqueios de valor positivo reforçam a satisfação dos
pacientes consigo mesmos e apoiam seus eus idealizados.
No processo de desilusão, o analista identifica ambos os
tipos de bloqueio, expondo os bloqueios protetores antes de
expor os bloqueios que defendem a imagem idealizada.
Analisar os bloqueios de valor positivo primeiro despertaria
medo excessivo.
Tratamento
 Homey acreditou que mudanças fundamentais são o melhor
meio para mudar comportamentos autoderrotadores, auto-
alienantes. Ela criou um cenário no qual os pacientes eram
capazes de avaliar a si mesmos como pessoas livres para
descobrir e escolher valores pessoais que se encaixam com
seus eus reais. Este tipo de reorientação inicia após a fase
de desilusão do tratamento. À medida que os pacientes
começam a questionar seus valores presentes e seu
processo idealizador diminui, eles são capacitados a revisar
seus valores e desenvolver valores mais flexíveis
consoantes com seus eus interiores. Os sonhos são usados
em todas as fases do tratamento para levar os pacientes em
melhor contato com seus eus reais. Como tentativas
inconscientes para resolver conflitos, os sonhos podem
mostrar forças construtivas em funcionamento que não estão
ainda discerníveis nos pensamentos conscientes e no
comportamento do paciente.
Realidade interna e solução
 À medida que os pacientes mobilizam suas forças
construtivas, eles experimentam a luta entre o sistema de
orgulho e o eu real, No processo, eles experimentam
incerteza, dor psíquica e auto-ódio. À medida que o conflito
central é resolvido exitosamente, os pacientes passam para
a fase final do tratamento, a descoberta e o uso dos seus
eus internos reais.
 Terapia Cognitiva: Beck e os pensamentos disfuncionais.
 Maior complexidade, ligado aos transtornos psiquiátricos e
menos embativa.
 Terapia Racional Emotiva Comportamental: Ellis e as crenças
irracionais.
 Menor complexidade, mais embativo e ligado a questões de
neuroticismo.
Diferenças entre métodos
 Não refletem a realidade da experiência humana;
 São rígidas, hipergeneralizadas e extremas;
 Impedem a concretização dos objetivos ao invés de
facilitá-los;
 Sua transgressão está associada a emoções extremas e
excessivas;
 São relativamente inacessíveis a experiência comum.
Identificando suposições
disfuncionais (Beck, 1997)
Qual é a tríade cognitiva?
Ambient
e
Futuro
Eu
DEPRESSÃO
Avaliação
negativa de:
• si - mesmo,
• ambiente e
• do futuro.
ANSIEDADE
Avaliação
catastrófica de:
• si – mesmo
como sem
estratégias,
• ambiente é
perigoso e
• do futuro
como incerto.
Para Ellis...
“As pessoas, em geral, utilizam uma, duas ou
três dessas noções para se lamuriar e reclamar
das Adversidades e torna-se altamente ansiosas
e deprimidas. Se você pensar bem, verá que
essas três Crenças irracionais são formas
arrogantes de lamúria: “Se eu não agir como
deveria, serei uma pessoa sem valor e infeliz!”;
“Se as pessoas não me tratarem como
deveriam, serão todas cruéis e desprezíveis”;
“Se as condições de minha vida não forem
favoráveis como deveriam ser, o mundo será um
lugar horrível para uma pessoa patética como
eu!” (Como conquistar sua própria felicidade,
página 106)
“Segundo a TREC existem três tipos
principais de distúrbio emocional, e todos se
baseiam em tenhos(demandas) ou idéias
irracionais ou explicitamente absolutistas. A
idéia irracional número um é: “Tenho que me
sair bem(ou perfeitamente bem!) em tarefas
importantes que decidir realizar e tenho que
receber a aprovação ou amor das pessoas
que decidir serem importantes para mim”.
Becker & Ellis – “A Conquista da Felicidade”. 1982.
Preocupação com o Outro
 Esta filosofia do tenho, a qual costuma
acarretar quase toda a situação Experiência
Ativante, possui três principais derivadas:
a. “Não é terrível quando não faço o que devo para
sair bem e receber aprovação?
b. “Não suporto quando não faço o que devo para
me sair bem e receber a aprovação significativa
dos outros!”
c. “Sou um inútil, um desgraçado, se não faço o
que devo para me sair bem e receber a
aprovação dos outros!”
Becker & Ellis – “A Conquista da Felicidade”. 1982.
Preocupação com o Outro
“Este devo profundo e absolutista e seus três
grandes derivados quase inevitavelmente
resultam em sentimentos arraigados de
ansiedade, hipertensão, idéias e atos
obsessivo-compulsivos. Pensar que se pode
não ter desempenho satisfatório, quando se
acha ser isso um dever(demanda), leva a
sentimentos de profunda depressão,
desespero, vergonha, culpa e ódio de si
próprio, se depois se presumir que o
desempenho não ficou à altura que esperava.”
Becker & Ellis – “A Conquista da Felicidade”. 1982.
Exigir do Outro
“A segunda idéia ou tenho passível de
acarretar severos problemas emocionais – ou
o que denominamos idéia irracional número
dois – é a seguinte: ‘Você(isto é, outras
pessoas com quem estou em contato) deve
tratar-me com consideração e bondade,
precisamente da forma que quero que me
trata; se não fizer isto, a sociedade e o
universo colocarão culpa sobre você, que será
amaldiçoado e punido por sua
desconsideração ou injustiça para comigo’
Becker & Ellis – “A Conquista da Felicidade”. 1982.
Exigir do Outro
 As três grandes conseqüências ou
derivados desta convicção irracional são:
a. “É horrível você me tratar com menos
consideração e bondade, o que não deve fazer!”
b. “Não tolero que me trate mal ou injustamente, o
que de forma alguma você deve fazer!”
c. Você é uma pessoa profundamente má por me
tratar com menos consideração e bondade do
que deve.”
Becker & Ellis – “A Conquista da Felicidade”. 1982.
Exigir do Outro
 “A idéia irracional número dois quase sempre resulta em
sentimentos de raiva, ressentimento, fúria, revolta, vingança
ou homicídio, podendo acarretar incluisve muitas formas de
atos inspirados pela raiva, tais como agressões, lutas,
inimizade, violência, assassinato e genocídio”.
Becker & Ellis – “A Conquista da Felicidade”. 1982.
Fuga do Desprazer
 “A idéia número três é a seguinte: “As condições em que
vivo devem permitir-me obter praticamente tudo que quiser
com facilidade e rapidez, não devendo absolutamente existir
controvérsias em minha vida”
Becker & Ellis – “A Conquista da Felicidade”. 1982.
Fuga do Desprazer
 As três convicções irracionais subsidiárias
oriundas daí são:
a. ‘É terrível se as condições fazem com que eu seja
privado seriamente ou receba menos do que eu
quero, ou precise trabalhar demais e por muito
tempo para satisfazer meus desejos!’
b. ‘não tolero a vida quando exige mais de mim do
que quero dar! Não é só difícil, mas difícil demais; e
não deve ser assim!’
c. ‘Minha vida é profundamente infeliz quando as
coisas dão errado e não obtenho exatamente o que
quero e quando quero! Quero isto! É tão
insuportável que não vale a pena viver, e posso até
me mata para evitar essas circunstâncias terríveis!’
Becker & Ellis – “A Conquista da Felicidade”. 1982.
Fuga do Desprazer
 “A idéia irracional número três quase inevitavelmente resulta
em sentimentos de autocomiseração, ressentimento,
depressão, apatia e alienação; e no que respeita ao
comportamento, costuma levar à baixa tolerância a
frustração, inércia, procrastinação, preguiça, fuga de
responsabilidade e recolhimento”.
Becker & Ellis – “A Conquista da Felicidade”. 1982.
Karen Horney
 Em “Nossos conflitos interiores” divide as pessoas
neuróticas em três grupos:
 As que se aproximam das pessoas.
 As que se opõe as pessoas.
 As que se afastam das pessoas.
As três crenças principais...
Porque seria muitíssimo importante
que eu fosse excepcionalmente
competente e amado pelos outros,
eu devo fazer de tudo para ser
assim, e tenho absolutamente que
conseguir isto a qualquer preço.
As três crenças principais...
Porque é muito importante que os
outros me tratem com consideração e
lealdade, assim eles devem
absolutamente fazê-lo e têm que fazer,
do contrário são pessoas detestáveis ou
execráveis, e merecem ser literalmente
condenadas quando não me tratam
assim.
As três crenças principais...
Porque é preferível experimentar
prazer do que dor, o mundo tem
absolutamente de me proporcionar
prazer e não dor, e a vida é
horrenda, e não consigo suportar,
quando o mundo não é desta
maneira.
Mais três pensamentos
enlouquecedores!
Catastrofização.
Pensamento absolutista.
Racionalização.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Apresentação1 Escalas Beck
Apresentação1 Escalas BeckApresentação1 Escalas Beck
Apresentação1 Escalas Beckmicaterres
 
Diagnosticos em psicologia lpcc 2
Diagnosticos em psicologia lpcc 2Diagnosticos em psicologia lpcc 2
Diagnosticos em psicologia lpcc 2Rui Pedro Dias Ruca
 
Gestalt Terapia - Psicologia
Gestalt Terapia - PsicologiaGestalt Terapia - Psicologia
Gestalt Terapia - PsicologiaAdriane Fernandes
 
Teoria do Esquema - Cognitivo-Comportamental
Teoria do Esquema - Cognitivo-ComportamentalTeoria do Esquema - Cognitivo-Comportamental
Teoria do Esquema - Cognitivo-ComportamentalNilson Dias Castelano
 
Histórico da psicologia social
Histórico da psicologia socialHistórico da psicologia social
Histórico da psicologia socialmnatrodrigues
 
Laplanche e pontalis vocabulário de psicanálise
Laplanche e pontalis   vocabulário de psicanáliseLaplanche e pontalis   vocabulário de psicanálise
Laplanche e pontalis vocabulário de psicanáliseL R
 
Diferentes abordagens da psicologia
Diferentes abordagens da psicologiaDiferentes abordagens da psicologia
Diferentes abordagens da psicologiaRita Cristiane Pavan
 
TCC - Terapia cognitivo-comportamental
TCC - Terapia cognitivo-comportamentalTCC - Terapia cognitivo-comportamental
TCC - Terapia cognitivo-comportamentalAntonino Silva
 
Desenvolvimento Psicossexual
Desenvolvimento PsicossexualDesenvolvimento Psicossexual
Desenvolvimento PsicossexualKivya Damasceno
 
Psicoterapia orientações aos psicoterapeutas
Psicoterapia orientações aos psicoterapeutasPsicoterapia orientações aos psicoterapeutas
Psicoterapia orientações aos psicoterapeutasMarcelo da Rocha Carvalho
 
Introdução ao estudo dos processos psicológicos básicos
Introdução ao estudo dos processos psicológicos básicosIntrodução ao estudo dos processos psicológicos básicos
Introdução ao estudo dos processos psicológicos básicosCaio Maximino
 
Conceituação cognitiva
Conceituação cognitivaConceituação cognitiva
Conceituação cognitivaSarah Karenina
 

Mais procurados (20)

Slide apresentação carl rogers
Slide apresentação carl rogersSlide apresentação carl rogers
Slide apresentação carl rogers
 
Reich
ReichReich
Reich
 
Apresentação1 Escalas Beck
Apresentação1 Escalas BeckApresentação1 Escalas Beck
Apresentação1 Escalas Beck
 
Diagnosticos em psicologia lpcc 2
Diagnosticos em psicologia lpcc 2Diagnosticos em psicologia lpcc 2
Diagnosticos em psicologia lpcc 2
 
Édipo, Desejo e as estruturas
Édipo, Desejo e as estruturasÉdipo, Desejo e as estruturas
Édipo, Desejo e as estruturas
 
Gestalt Terapia - Psicologia
Gestalt Terapia - PsicologiaGestalt Terapia - Psicologia
Gestalt Terapia - Psicologia
 
Teoria do Esquema - Cognitivo-Comportamental
Teoria do Esquema - Cognitivo-ComportamentalTeoria do Esquema - Cognitivo-Comportamental
Teoria do Esquema - Cognitivo-Comportamental
 
Histórico da psicologia social
Histórico da psicologia socialHistórico da psicologia social
Histórico da psicologia social
 
Laplanche e pontalis vocabulário de psicanálise
Laplanche e pontalis   vocabulário de psicanáliseLaplanche e pontalis   vocabulário de psicanálise
Laplanche e pontalis vocabulário de psicanálise
 
Diferentes abordagens da psicologia
Diferentes abordagens da psicologiaDiferentes abordagens da psicologia
Diferentes abordagens da psicologia
 
Ansiedade estratégias de tratamento em TCC
Ansiedade estratégias de tratamento em TCCAnsiedade estratégias de tratamento em TCC
Ansiedade estratégias de tratamento em TCC
 
TCC - Terapia cognitivo-comportamental
TCC - Terapia cognitivo-comportamentalTCC - Terapia cognitivo-comportamental
TCC - Terapia cognitivo-comportamental
 
Desenvolvimento Psicossexual
Desenvolvimento PsicossexualDesenvolvimento Psicossexual
Desenvolvimento Psicossexual
 
Psicoterapia orientações aos psicoterapeutas
Psicoterapia orientações aos psicoterapeutasPsicoterapia orientações aos psicoterapeutas
Psicoterapia orientações aos psicoterapeutas
 
Terapia de casal
Terapia de casalTerapia de casal
Terapia de casal
 
Introdução ao estudo dos processos psicológicos básicos
Introdução ao estudo dos processos psicológicos básicosIntrodução ao estudo dos processos psicológicos básicos
Introdução ao estudo dos processos psicológicos básicos
 
Psicologia Analítica
Psicologia AnalíticaPsicologia Analítica
Psicologia Analítica
 
6 teorias psicanalíticas
6 teorias psicanalíticas6 teorias psicanalíticas
6 teorias psicanalíticas
 
Conceituação cognitiva
Conceituação cognitivaConceituação cognitiva
Conceituação cognitiva
 
A terapia cognitivo comportamental
A terapia cognitivo comportamentalA terapia cognitivo comportamental
A terapia cognitivo comportamental
 

Destaque

O tratamento da depressão em tcc
O tratamento da depressão em tccO tratamento da depressão em tcc
O tratamento da depressão em tccBeatriz Ligabue
 
Teorias da personalidade adler e horney
Teorias da personalidade adler e horneyTeorias da personalidade adler e horney
Teorias da personalidade adler e horneyMicaella Gomes
 
Teoria del Psicoanalisis Interpersonal de karen Horney
Teoria del Psicoanalisis Interpersonal de karen HorneyTeoria del Psicoanalisis Interpersonal de karen Horney
Teoria del Psicoanalisis Interpersonal de karen HorneyBryan Guerra
 
TERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL DA DEPRESSÃO
TERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL DA DEPRESSÃOTERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL DA DEPRESSÃO
TERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL DA DEPRESSÃOSerafim Carvalho, MD, PhD
 

Destaque (6)

Toc
TocToc
Toc
 
O tratamento da depressão em tcc
O tratamento da depressão em tccO tratamento da depressão em tcc
O tratamento da depressão em tcc
 
Teorias da personalidade adler e horney
Teorias da personalidade adler e horneyTeorias da personalidade adler e horney
Teorias da personalidade adler e horney
 
Teoria del Psicoanalisis Interpersonal de karen Horney
Teoria del Psicoanalisis Interpersonal de karen HorneyTeoria del Psicoanalisis Interpersonal de karen Horney
Teoria del Psicoanalisis Interpersonal de karen Horney
 
TERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL DA DEPRESSÃO
TERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL DA DEPRESSÃOTERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL DA DEPRESSÃO
TERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL DA DEPRESSÃO
 
TCC - Terapia Cognitiva Comportamental
TCC - Terapia Cognitiva ComportamentalTCC - Terapia Cognitiva Comportamental
TCC - Terapia Cognitiva Comportamental
 

Semelhante a Karen horney e o pré-cognitivismo clínico

Psicologia humanista fromm, rogers e maslow
Psicologia humanista fromm, rogers e maslowPsicologia humanista fromm, rogers e maslow
Psicologia humanista fromm, rogers e maslowAlexandra Ramos Ramos
 
Alfred Adler
Alfred AdlerAlfred Adler
Alfred AdlerLuis C
 
10-teoria-da-personalidade-segundo-carl-rogers.pptx
10-teoria-da-personalidade-segundo-carl-rogers.pptx10-teoria-da-personalidade-segundo-carl-rogers.pptx
10-teoria-da-personalidade-segundo-carl-rogers.pptxsansandalila92
 
Aula 3 auto-estima e idealização
Aula 3   auto-estima e idealizaçãoAula 3   auto-estima e idealização
Aula 3 auto-estima e idealizaçãoariadnemonitoria
 
Motivação
MotivaçãoMotivação
MotivaçãoSenac
 
Apresentaçao de psicologia Alfred Adler
Apresentaçao de psicologia   Alfred AdlerApresentaçao de psicologia   Alfred Adler
Apresentaçao de psicologia Alfred AdlerFernando Gomes Chaves
 
Terapia Racional Emotiva Comportamental: visão geral.
Terapia Racional Emotiva Comportamental: visão geral.Terapia Racional Emotiva Comportamental: visão geral.
Terapia Racional Emotiva Comportamental: visão geral.Marcelo da Rocha Carvalho
 
Teorias da motivação
Teorias da motivaçãoTeorias da motivação
Teorias da motivaçãoMarcelo Anjos
 
aautoestima_Anderson.pdf
aautoestima_Anderson.pdfaautoestima_Anderson.pdf
aautoestima_Anderson.pdfTelma Lima
 
Freud e a Psicanálise
Freud e a PsicanáliseFreud e a Psicanálise
Freud e a PsicanáliseBruno Carrasco
 
ESTUDANDO A ARROGÂNCIA.pptx
ESTUDANDO A ARROGÂNCIA.pptxESTUDANDO A ARROGÂNCIA.pptx
ESTUDANDO A ARROGÂNCIA.pptxssuser9b8021
 
17 02 2017 Reforma íntima como ferramenta de evolução
17 02 2017 Reforma íntima como ferramenta de evolução17 02 2017 Reforma íntima como ferramenta de evolução
17 02 2017 Reforma íntima como ferramenta de evoluçãoLar Irmã Zarabatana
 

Semelhante a Karen horney e o pré-cognitivismo clínico (20)

Karen horney
Karen horneyKaren horney
Karen horney
 
Psicologia humanista fromm, rogers e maslow
Psicologia humanista fromm, rogers e maslowPsicologia humanista fromm, rogers e maslow
Psicologia humanista fromm, rogers e maslow
 
Alfred Adler
Alfred AdlerAlfred Adler
Alfred Adler
 
10-teoria-da-personalidade-segundo-carl-rogers.pptx
10-teoria-da-personalidade-segundo-carl-rogers.pptx10-teoria-da-personalidade-segundo-carl-rogers.pptx
10-teoria-da-personalidade-segundo-carl-rogers.pptx
 
Alfred Adler
Alfred AdlerAlfred Adler
Alfred Adler
 
Aula 3 auto-estima e idealização
Aula 3   auto-estima e idealizaçãoAula 3   auto-estima e idealização
Aula 3 auto-estima e idealização
 
Motivação
MotivaçãoMotivação
Motivação
 
Apresentaçao de psicologia Alfred Adler
Apresentaçao de psicologia   Alfred AdlerApresentaçao de psicologia   Alfred Adler
Apresentaçao de psicologia Alfred Adler
 
Terapia Racional Emotiva Comportamental: visão geral.
Terapia Racional Emotiva Comportamental: visão geral.Terapia Racional Emotiva Comportamental: visão geral.
Terapia Racional Emotiva Comportamental: visão geral.
 
Teorias da motivação
Teorias da motivaçãoTeorias da motivação
Teorias da motivação
 
Carl rogers
Carl rogersCarl rogers
Carl rogers
 
O SELF E O SOCIAL
O SELF E O SOCIALO SELF E O SOCIAL
O SELF E O SOCIAL
 
Personalidade - Teorias e Testes
Personalidade - Teorias e TestesPersonalidade - Teorias e Testes
Personalidade - Teorias e Testes
 
aautoestima_Anderson.pdf
aautoestima_Anderson.pdfaautoestima_Anderson.pdf
aautoestima_Anderson.pdf
 
A autoestima
A autoestimaA autoestima
A autoestima
 
Freud e a Psicanálise
Freud e a PsicanáliseFreud e a Psicanálise
Freud e a Psicanálise
 
ESTUDANDO A ARROGÂNCIA.pptx
ESTUDANDO A ARROGÂNCIA.pptxESTUDANDO A ARROGÂNCIA.pptx
ESTUDANDO A ARROGÂNCIA.pptx
 
Trabalho psicologia.pptx
Trabalho psicologia.pptxTrabalho psicologia.pptx
Trabalho psicologia.pptx
 
Trauma
TraumaTrauma
Trauma
 
17 02 2017 Reforma íntima como ferramenta de evolução
17 02 2017 Reforma íntima como ferramenta de evolução17 02 2017 Reforma íntima como ferramenta de evolução
17 02 2017 Reforma íntima como ferramenta de evolução
 

Mais de Marcelo da Rocha Carvalho

Treino de habilidades sociais e terapia de casais
Treino de habilidades sociais e terapia de casaisTreino de habilidades sociais e terapia de casais
Treino de habilidades sociais e terapia de casaisMarcelo da Rocha Carvalho
 
Acompanhamento Terapêutico, Transtornos Alimentares e Terapia Cognitiva
Acompanhamento Terapêutico, Transtornos Alimentares e Terapia CognitivaAcompanhamento Terapêutico, Transtornos Alimentares e Terapia Cognitiva
Acompanhamento Terapêutico, Transtornos Alimentares e Terapia CognitivaMarcelo da Rocha Carvalho
 
É possível reduzir o impacto das adversidades na infância?
É possível reduzir o impacto das adversidades na infância? É possível reduzir o impacto das adversidades na infância?
É possível reduzir o impacto das adversidades na infância? Marcelo da Rocha Carvalho
 
COMO MELHORAR A COMUNICAÇÃO ENTRE OS PAIS PARA TERAPIA COGNITIVA COMPORTAMENT...
COMO MELHORAR A COMUNICAÇÃO ENTRE OS PAIS PARA TERAPIA COGNITIVA COMPORTAMENT...COMO MELHORAR A COMUNICAÇÃO ENTRE OS PAIS PARA TERAPIA COGNITIVA COMPORTAMENT...
COMO MELHORAR A COMUNICAÇÃO ENTRE OS PAIS PARA TERAPIA COGNITIVA COMPORTAMENT...Marcelo da Rocha Carvalho
 
Anorexia, bulimia e os Transtornos Alimentares: psicoterapia comportamental e...
Anorexia, bulimia e os Transtornos Alimentares: psicoterapia comportamental e...Anorexia, bulimia e os Transtornos Alimentares: psicoterapia comportamental e...
Anorexia, bulimia e os Transtornos Alimentares: psicoterapia comportamental e...Marcelo da Rocha Carvalho
 
Palestra na Residência em Psicologia UNIFESP 2016
Palestra na Residência em Psicologia UNIFESP 2016Palestra na Residência em Psicologia UNIFESP 2016
Palestra na Residência em Psicologia UNIFESP 2016Marcelo da Rocha Carvalho
 
Psicoterapia para funcionários a pedido da empresa
Psicoterapia para funcionários a pedido da empresaPsicoterapia para funcionários a pedido da empresa
Psicoterapia para funcionários a pedido da empresaMarcelo da Rocha Carvalho
 
Terapia Comportamental e Cognitiva, uma introdução.
Terapia Comportamental e Cognitiva, uma introdução.Terapia Comportamental e Cognitiva, uma introdução.
Terapia Comportamental e Cognitiva, uma introdução.Marcelo da Rocha Carvalho
 
Terapia Comportamental-Cognitiva(TCC) e Arteterapia
Terapia Comportamental-Cognitiva(TCC) e ArteterapiaTerapia Comportamental-Cognitiva(TCC) e Arteterapia
Terapia Comportamental-Cognitiva(TCC) e ArteterapiaMarcelo da Rocha Carvalho
 

Mais de Marcelo da Rocha Carvalho (20)

Transtornos Alimentares e Psicoterapia
Transtornos Alimentares e PsicoterapiaTranstornos Alimentares e Psicoterapia
Transtornos Alimentares e Psicoterapia
 
Treino de habilidades sociais e terapia de casais
Treino de habilidades sociais e terapia de casaisTreino de habilidades sociais e terapia de casais
Treino de habilidades sociais e terapia de casais
 
Suicídio: aspectos preventivos e TCC
Suicídio: aspectos preventivos e TCCSuicídio: aspectos preventivos e TCC
Suicídio: aspectos preventivos e TCC
 
Acompanhamento Terapêutico, Transtornos Alimentares e Terapia Cognitiva
Acompanhamento Terapêutico, Transtornos Alimentares e Terapia CognitivaAcompanhamento Terapêutico, Transtornos Alimentares e Terapia Cognitiva
Acompanhamento Terapêutico, Transtornos Alimentares e Terapia Cognitiva
 
É possível reduzir o impacto das adversidades na infância?
É possível reduzir o impacto das adversidades na infância? É possível reduzir o impacto das adversidades na infância?
É possível reduzir o impacto das adversidades na infância?
 
COMO MELHORAR A COMUNICAÇÃO ENTRE OS PAIS PARA TERAPIA COGNITIVA COMPORTAMENT...
COMO MELHORAR A COMUNICAÇÃO ENTRE OS PAIS PARA TERAPIA COGNITIVA COMPORTAMENT...COMO MELHORAR A COMUNICAÇÃO ENTRE OS PAIS PARA TERAPIA COGNITIVA COMPORTAMENT...
COMO MELHORAR A COMUNICAÇÃO ENTRE OS PAIS PARA TERAPIA COGNITIVA COMPORTAMENT...
 
Anorexia, bulimia e os Transtornos Alimentares: psicoterapia comportamental e...
Anorexia, bulimia e os Transtornos Alimentares: psicoterapia comportamental e...Anorexia, bulimia e os Transtornos Alimentares: psicoterapia comportamental e...
Anorexia, bulimia e os Transtornos Alimentares: psicoterapia comportamental e...
 
Conceitualização em Terapia Cognitiva
Conceitualização em Terapia CognitivaConceitualização em Terapia Cognitiva
Conceitualização em Terapia Cognitiva
 
Acompanhamento Terapêutico
Acompanhamento TerapêuticoAcompanhamento Terapêutico
Acompanhamento Terapêutico
 
Depressão Infância e Adolescência
Depressão Infância e AdolescênciaDepressão Infância e Adolescência
Depressão Infância e Adolescência
 
Palestra na Residência em Psicologia UNIFESP 2016
Palestra na Residência em Psicologia UNIFESP 2016Palestra na Residência em Psicologia UNIFESP 2016
Palestra na Residência em Psicologia UNIFESP 2016
 
Psicoterapia para funcionários a pedido da empresa
Psicoterapia para funcionários a pedido da empresaPsicoterapia para funcionários a pedido da empresa
Psicoterapia para funcionários a pedido da empresa
 
Obesidade
ObesidadeObesidade
Obesidade
 
Terapia Comportamental e Cognitiva, uma introdução.
Terapia Comportamental e Cognitiva, uma introdução.Terapia Comportamental e Cognitiva, uma introdução.
Terapia Comportamental e Cognitiva, uma introdução.
 
Terapia casal e TREC
Terapia casal e TRECTerapia casal e TREC
Terapia casal e TREC
 
CONCRIAD 2004, Limites nos tempos modernos.
CONCRIAD 2004, Limites nos tempos modernos.CONCRIAD 2004, Limites nos tempos modernos.
CONCRIAD 2004, Limites nos tempos modernos.
 
Terapia Comportamental-Cognitiva(TCC) e Arteterapia
Terapia Comportamental-Cognitiva(TCC) e ArteterapiaTerapia Comportamental-Cognitiva(TCC) e Arteterapia
Terapia Comportamental-Cognitiva(TCC) e Arteterapia
 
Terapia Comportamental e Cognitiva
Terapia Comportamental e CognitivaTerapia Comportamental e Cognitiva
Terapia Comportamental e Cognitiva
 
MBA - Saúde do Trabalhador, UNIFESP
MBA - Saúde do Trabalhador, UNIFESPMBA - Saúde do Trabalhador, UNIFESP
MBA - Saúde do Trabalhador, UNIFESP
 
Terapia Comportamental e Cognitiva Infantil
Terapia Comportamental e Cognitiva InfantilTerapia Comportamental e Cognitiva Infantil
Terapia Comportamental e Cognitiva Infantil
 

Último

Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdfDanieldaSade
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSProf. Marcus Renato de Carvalho
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdfHELLEN CRISTINA
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfHELLEN CRISTINA
 
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclosCaracterísticas gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclosThaiseGerber2
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdfDanieldaSade
 
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdfIANAHAAS
 
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino FelisbertoAltas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisbertoadelinofelisberto3
 
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades PúblicasAlimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades PúblicasProf. Marcus Renato de Carvalho
 

Último (9)

Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
 
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclosCaracterísticas gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
 
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
 
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino FelisbertoAltas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
 
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades PúblicasAlimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
 

Karen horney e o pré-cognitivismo clínico

  • 1. Karen Horney e o pré- cognitivismo clínico: da psicanálise as terapia cognitivas. Marcelo da Rocha Carvalho
  • 2. Em direção ao rompimento profícuo.  Sua visão de que a repressão e a sublimação de impulsos biológicos NÃO são os determinantes primários do desenvolvimento da personalidade levaram à sua remoção como instrutora no New York Psychoanalytic Institute e a que ela fundasse, em 1941, o American Psychoanalytic Institute.
  • 3. Neurose e Desenvolvimento Humano: o tratamento guia da neurose 1. A conquista de glória 2. Exigências neuróticas 3. A tirania do dever 4. Orgulho neurótico 5. Ódio e desprezo por si mesmo 6. Alheamento do eu 7. Medidas gerais para aliviar a tensão 8. Soluções expansivas: a sedução do domínio 9. A solução auto-anuladora: a sedução do amor 10. Dependência mórbida 11. Resignação: a sedução da liberdade
  • 4. Viver para si mesmo e auto- realização  Horney sustentou que o desenvolvimento da personalidade resulta da interação de forças biológicas e psicossociais que são singulares para cada pessoa. Na medida em que o cerne de cada personalidade é um self real duradouro equivalente parcialmente ao ego freudiano e parcialmente ao estado de ego infantil de Eric Berne, o self real combina escolha, vontade, responsabilidade, identidade, espontaneidade e vivacidade.
  • 5. Variáveis encobertas “...as pessoas não somente são capazes de discriminar fidedignamente os eventos internos, mas podem manipulá-los também fazendo com que o auto-reforçamento seja contingente a sua ocorrência. Além do mais, reações afetivas induzidas pelo pensamento podem ser empregadas com sucesso com o objetivo de controlar o nosso comportamento manifesto.” Bandura, A. – Modificação do Comportamento, 1979(1969).
  • 6. Comportamento Encoberto “...nunca citam os estudos inumeráveis que demonstram que, sob muitas condições, eventos ocultos autodescritos possuem um poder preditivo maior e uma maior influência reguladora sobre o comportamento do que as variáveis externamente manipuladas as quais se atribui tipicamente o papel explanatório central nos processos de mudança.” Bandura, A. – Modificação do Comportamento, 1979(1969).
  • 7. Thibaut e Kelley Em trocas sociais, o comportamento de uma pessoa exerce um certo grau de controle sobre as ações dos outros. “...achados demonstram que pessoas, muito longe de serem reguladas por uma ambiente impositivo, desempenham papel ativo na construção de suas próprias contingências de reforçamento por meio de modos característicos de resposta.” Bandura, A. – Modificação do Comportamento, 1979(1969).
  • 8. Desenvolvimento esperado  Um processo natural em desenvolvimento de auto-realização conduz ao desenvolvimento do potencial humano em três direções básicas: em direção aos outros, a expressão de amor e confiança; contra os outros, para a expressão de oposição saudável; e para longe dos outros em direção à autossuficiência.  Embora as condições, durante a infância, possam bloquear o desenvolvimento psicológico, o crescimento saudável é sempre possível se os bloqueios internos são removidos. As crianças cujas situações familiares as levaram a sentir-se sob perigo concentram em sobrevivência psicológica e podem fazer isso desenvolvendo mecanismos de enfrentamento estereotipados.
  • 9. Neurose e desenvolvimento  Horney definiu neurose tanto em termos intrapsíquicos como interpessoais. Ela observou que seus pacientes queixavam- se não das neuroses sintomáticas como fobias e compulsões, mas de infelicidade, bloqueio e falta de preenchimento no trabalho e inabilidade de estabelecer ou manter relacionamentos. Ela viu estes pacientes como apresentando complexos sistemas de padrões defensivos autoperpetuantes contra a ansiedade básica que iniciou na primeira infância - neuroses de caráter.
  • 10. Busca por segurança  As crianças movem-se psicologicamente em três direções para aliviar sua ansiedade, para tornar a vida segura e previsível e para obter satisfação. Elas buscam afeto e aprovação ou elas se tornam hostis ou elas se retraem.  As crianças por fim usam a estratégia de enfrentamento que melhor satisfaz suas necessidades, mas se apenas uma estratégia básica é usada, as crianças tornam-se limitadas em seu repertório de enfrentamento em sua experiência de si mesmas e do seu mundo. Seu senso de segurança é tênue porque elas têm perigo vindo de dentro de sentimentos e impulsos suprimidos ou reprimidos. Se as condições ambientais desfavoráveis continuam, seus sentimentos conflitantes são dirigidos para o inconsciente e tais crianças são deixadas com um senso de desconforto, ansiedade e apreensão e com um senso de self inseguro.  Nesta junção, seu ponto de referência é externalizado, padrões de comportamento enrijecem e crescentes bloqueios ao crescimento se desenvolvem. Horney designou estas atitudes complexas, relativamente fixas em direção ao eu e aos outros como tendências neuróticas.
  • 11. Tipos de caráter  Os três principais tipos de caráter de Horney são embasados no modo predominante de relacionar-se com outros.  O tipo self-apagado, anuente resulta da operação defensiva de agarrar-se a outros. Tais pessoas tentam obter o favor dos outros através de lisonja, subordinam-se aos outros e são relutantes em discordar por medo de perder favor.  O tipo expansivo, agressivo resulta de manobrar contra outros e colocar forte confiança em poder e domínio como um meio de obter segurança.  O tipo desapegado, resignado resulta de afastar-se de outros para evitar tanto dependência como conflito. Eles são pessoas muito privadas que, embora se recusando a competir abertamente, vêem-se como se elevando acima dos outros.
  • 12. MEIOS COMPLEMENTARES PARA ALIVIAR A TENSÃO INTERNA  O superdesenvolvimento de um dos três estilos interpessoais básicos suprime os outros dois. De um modo análogo aos complexos de Jung, os impulsos reprimidos continuam ativos e produzindo conflitos. Uma harmonia artificial é obtida pelo uso de mecanismos mentais como pontos cegos, comportamentalização, racionalização e técnicas de enfrentamento como autocontrole excessivo, arbitrariedade, elusividade, cinismo e externalização.
  • 13. Imagem idealizada  Durante seus anos de adolescência, os futuros pacientes neuróticos criam uma imagem ideal fantasiada que, caso atingida, promete terminar com seus sentimentos dolorosos e supre o autopreenchimento. A imagem idealizada contrabalança a alienação dos eus centrais pela qual as pessoas neuróticas passam porque as técnicas de sobrevivência que elas adotaram anteriormente as forçam a anular seus desejos, sentimentos e pensamentos genuínos. A imagem idealizada cobre todas as contradições, oculta a natureza defensiva do seu comportamento e restaura um senso de integridade. A energia anteriormente disponível para a auto-realização é usada em esforços para tornar-se como a imagem idealizada. Por exemplo, uma pessoa que adotou a estratégia de mover-se em direção aos outros e é consequentemente dependente de outros para obter afeto e aprovação experimenta o medo de auto-asserção razoável como humildade imaculada e a consideração pelos outros.
  • 14. Imagem idealizada  Porque o eu ideal é imaginário, as pessoas neuróticas são prontamente machucadas por confrontos com a realidade e elas trabalharam demasiado arduamente para provar que elas são, de fato, os seus eus ideais. Fazer isso resulta em um tipo de perfeccionismo que insiste em excelência imaculada na qual "eu deveria" substituir "eu quero" ou "eu preciso". Isso também resulta na ambição neurótica de ser o primeiro e em um forte impulso de vingança sobre os percebidos como tendo interferido em que eles se tornassem seus eus ideais.
  • 15. Tirania do dever: para si e o mundo.  Apesar da sua frequente auto depreciação, as pessoas neuróticas esperam ser tratadas como se fossem seus eus ideais. Estas reivindicações a tratamento especial, quando frustradas, produzem raiva, indignação e ressentimento os "Deveres", demandas auto-impostas de que eles devem viver à altura dos seus eus idealizados são irracionais e não relacionados às realidades da vida cotidiana. Os "Deveres" são projetados e experimentados como demandas feitas por outros e são também exigidos dos outros. Fazer isso resulta em que a pessoa neurótica seja crítica dos outros e sensível ao criticismo.  O auto-ódio resulta quando surge a ameaça que as pessoas neuróticas podem ser incapazes de atingir seus eus idealizados. Se o apoio não fosse necessário para o self idealizado, as alegações, "os deveres" e o auto-ódio não seriam partes tão importantes do aparelho psíquico.
  • 16. Idealização de si  Aspectos glorificantes do self idealizado, orgulho neurótico substitui autoconfiança saudável.  Deste modo, quando seu orgulho é ferido por outros, as pessoas neuróticas tornam-se enfurecidas e buscam vingar sua mágoa e ocultar sua auto decepção obtendo uma vitória vingativa sobre a pessoa ofensiva.  Junto com apoiar alegações e deveres, o orgulho neurótico e o auto-ódio formam uma rede defensiva ou mecanismo do orgulho que protege o self idealizado. Qualquer tentativa de reduzir elementos do mecanismo do orgulho é experimentada como um ataque sobre a pessoa. Apesar da couraça da sua rede defensiva, as pessoas neuróticas não estão em paz porque elas estão em conflito interno com as forças que as protegem. O conflito entre o mecanismo do orgulho e as forças impulsionando em direção à auto- realização saudável é o conflito interno central.
  • 17. Orgulho e desprezo  Conflito também existe dentro do próprio mecanismo do orgulho. O orgulho neurótico e as reivindicações estão associados à imagem idealizada glorificada; auto-ódio e "deveres" estão associados aos aspectos inaceitáveis do self. Quando tentativas são feitas para satisfazer ambas as forças simultaneamente, o conflito surge.  Tentativas de evitar estes conflitos envolvem alienação adicional do self.
  • 18. Alienação  A alienação do self é uma das consequências mais sérias do desenvolvimento neurótico. A alienação resulta da combinação entre negação repetida da realidade externa e a repressão de pensamentos, sentimentos e impulsos genuínos. À medida que o processo de alienação continua, as pessoas neuróticas perdem contato com o cerne do seu ser e não mais podem determinar ou agir sobre o que é certo para elas. Seus sentimentos podem variar de incerteza e confusão à morte e vazio internos.
  • 19. TRATAMENTO ANALÍTICO  Horney não considerou as pessoas neuróticas adultas como recapitulando experiências infantis, portanto, não focalizou na recuperação de memórias da infância. Ela lidou, ao invés disso, com o processo neurótico auto perpetuante. Ela enfatizou a importância dos sonhos em análise e, posteriormente, a exploração do relacionamento paciente- analista. Ela foi uma das primeiras analistas a reconhecer e fazer uso construtivo de seus próprios sentimentos em relação aos pacientes. Para Horney, a psicanálise é um empreendimento cooperativo que capacita os pacientes a liberarem-se de suas estruturas neuróticas e a mobilizarem- se em direção à auto-realização. A responsabilidade do analista é auxiliar a liberar os pacientes de bloqueios, forças que impedem o crescimento saudável.
  • 20. TRATAMENTO ANALÍTICO  Cedo na terapia, durante o processo de desilusão, os dois tipos de bloqueio são identificados e examinados. O primeiro grupo de bloqueios orientados à segurança, os bloqueios protelares, ajudam a evitar a ansiedade causada pela auto percepção. Os bloqueios protetores incluem silêncio, atraso, depreciar o analista, o uso de drogas e até mesmo o uso de auto acusação para evitar exploração adicional.  Os bloqueios de valor positivo reforçam a satisfação dos pacientes consigo mesmos e apoiam seus eus idealizados. No processo de desilusão, o analista identifica ambos os tipos de bloqueio, expondo os bloqueios protetores antes de expor os bloqueios que defendem a imagem idealizada. Analisar os bloqueios de valor positivo primeiro despertaria medo excessivo.
  • 21. Tratamento  Homey acreditou que mudanças fundamentais são o melhor meio para mudar comportamentos autoderrotadores, auto- alienantes. Ela criou um cenário no qual os pacientes eram capazes de avaliar a si mesmos como pessoas livres para descobrir e escolher valores pessoais que se encaixam com seus eus reais. Este tipo de reorientação inicia após a fase de desilusão do tratamento. À medida que os pacientes começam a questionar seus valores presentes e seu processo idealizador diminui, eles são capacitados a revisar seus valores e desenvolver valores mais flexíveis consoantes com seus eus interiores. Os sonhos são usados em todas as fases do tratamento para levar os pacientes em melhor contato com seus eus reais. Como tentativas inconscientes para resolver conflitos, os sonhos podem mostrar forças construtivas em funcionamento que não estão ainda discerníveis nos pensamentos conscientes e no comportamento do paciente.
  • 22. Realidade interna e solução  À medida que os pacientes mobilizam suas forças construtivas, eles experimentam a luta entre o sistema de orgulho e o eu real, No processo, eles experimentam incerteza, dor psíquica e auto-ódio. À medida que o conflito central é resolvido exitosamente, os pacientes passam para a fase final do tratamento, a descoberta e o uso dos seus eus internos reais.
  • 23.  Terapia Cognitiva: Beck e os pensamentos disfuncionais.  Maior complexidade, ligado aos transtornos psiquiátricos e menos embativa.  Terapia Racional Emotiva Comportamental: Ellis e as crenças irracionais.  Menor complexidade, mais embativo e ligado a questões de neuroticismo. Diferenças entre métodos
  • 24.  Não refletem a realidade da experiência humana;  São rígidas, hipergeneralizadas e extremas;  Impedem a concretização dos objetivos ao invés de facilitá-los;  Sua transgressão está associada a emoções extremas e excessivas;  São relativamente inacessíveis a experiência comum. Identificando suposições disfuncionais (Beck, 1997)
  • 25. Qual é a tríade cognitiva? Ambient e Futuro Eu DEPRESSÃO Avaliação negativa de: • si - mesmo, • ambiente e • do futuro. ANSIEDADE Avaliação catastrófica de: • si – mesmo como sem estratégias, • ambiente é perigoso e • do futuro como incerto.
  • 26. Para Ellis... “As pessoas, em geral, utilizam uma, duas ou três dessas noções para se lamuriar e reclamar das Adversidades e torna-se altamente ansiosas e deprimidas. Se você pensar bem, verá que essas três Crenças irracionais são formas arrogantes de lamúria: “Se eu não agir como deveria, serei uma pessoa sem valor e infeliz!”; “Se as pessoas não me tratarem como deveriam, serão todas cruéis e desprezíveis”; “Se as condições de minha vida não forem favoráveis como deveriam ser, o mundo será um lugar horrível para uma pessoa patética como eu!” (Como conquistar sua própria felicidade, página 106)
  • 27.
  • 28. “Segundo a TREC existem três tipos principais de distúrbio emocional, e todos se baseiam em tenhos(demandas) ou idéias irracionais ou explicitamente absolutistas. A idéia irracional número um é: “Tenho que me sair bem(ou perfeitamente bem!) em tarefas importantes que decidir realizar e tenho que receber a aprovação ou amor das pessoas que decidir serem importantes para mim”. Becker & Ellis – “A Conquista da Felicidade”. 1982.
  • 29. Preocupação com o Outro  Esta filosofia do tenho, a qual costuma acarretar quase toda a situação Experiência Ativante, possui três principais derivadas: a. “Não é terrível quando não faço o que devo para sair bem e receber aprovação? b. “Não suporto quando não faço o que devo para me sair bem e receber a aprovação significativa dos outros!” c. “Sou um inútil, um desgraçado, se não faço o que devo para me sair bem e receber a aprovação dos outros!” Becker & Ellis – “A Conquista da Felicidade”. 1982.
  • 30. Preocupação com o Outro “Este devo profundo e absolutista e seus três grandes derivados quase inevitavelmente resultam em sentimentos arraigados de ansiedade, hipertensão, idéias e atos obsessivo-compulsivos. Pensar que se pode não ter desempenho satisfatório, quando se acha ser isso um dever(demanda), leva a sentimentos de profunda depressão, desespero, vergonha, culpa e ódio de si próprio, se depois se presumir que o desempenho não ficou à altura que esperava.” Becker & Ellis – “A Conquista da Felicidade”. 1982.
  • 31.
  • 32. Exigir do Outro “A segunda idéia ou tenho passível de acarretar severos problemas emocionais – ou o que denominamos idéia irracional número dois – é a seguinte: ‘Você(isto é, outras pessoas com quem estou em contato) deve tratar-me com consideração e bondade, precisamente da forma que quero que me trata; se não fizer isto, a sociedade e o universo colocarão culpa sobre você, que será amaldiçoado e punido por sua desconsideração ou injustiça para comigo’ Becker & Ellis – “A Conquista da Felicidade”. 1982.
  • 33. Exigir do Outro  As três grandes conseqüências ou derivados desta convicção irracional são: a. “É horrível você me tratar com menos consideração e bondade, o que não deve fazer!” b. “Não tolero que me trate mal ou injustamente, o que de forma alguma você deve fazer!” c. Você é uma pessoa profundamente má por me tratar com menos consideração e bondade do que deve.” Becker & Ellis – “A Conquista da Felicidade”. 1982.
  • 34. Exigir do Outro  “A idéia irracional número dois quase sempre resulta em sentimentos de raiva, ressentimento, fúria, revolta, vingança ou homicídio, podendo acarretar incluisve muitas formas de atos inspirados pela raiva, tais como agressões, lutas, inimizade, violência, assassinato e genocídio”. Becker & Ellis – “A Conquista da Felicidade”. 1982.
  • 35. Fuga do Desprazer  “A idéia número três é a seguinte: “As condições em que vivo devem permitir-me obter praticamente tudo que quiser com facilidade e rapidez, não devendo absolutamente existir controvérsias em minha vida” Becker & Ellis – “A Conquista da Felicidade”. 1982.
  • 36. Fuga do Desprazer  As três convicções irracionais subsidiárias oriundas daí são: a. ‘É terrível se as condições fazem com que eu seja privado seriamente ou receba menos do que eu quero, ou precise trabalhar demais e por muito tempo para satisfazer meus desejos!’ b. ‘não tolero a vida quando exige mais de mim do que quero dar! Não é só difícil, mas difícil demais; e não deve ser assim!’ c. ‘Minha vida é profundamente infeliz quando as coisas dão errado e não obtenho exatamente o que quero e quando quero! Quero isto! É tão insuportável que não vale a pena viver, e posso até me mata para evitar essas circunstâncias terríveis!’ Becker & Ellis – “A Conquista da Felicidade”. 1982.
  • 37. Fuga do Desprazer  “A idéia irracional número três quase inevitavelmente resulta em sentimentos de autocomiseração, ressentimento, depressão, apatia e alienação; e no que respeita ao comportamento, costuma levar à baixa tolerância a frustração, inércia, procrastinação, preguiça, fuga de responsabilidade e recolhimento”. Becker & Ellis – “A Conquista da Felicidade”. 1982.
  • 38. Karen Horney  Em “Nossos conflitos interiores” divide as pessoas neuróticas em três grupos:  As que se aproximam das pessoas.  As que se opõe as pessoas.  As que se afastam das pessoas.
  • 39. As três crenças principais... Porque seria muitíssimo importante que eu fosse excepcionalmente competente e amado pelos outros, eu devo fazer de tudo para ser assim, e tenho absolutamente que conseguir isto a qualquer preço.
  • 40. As três crenças principais... Porque é muito importante que os outros me tratem com consideração e lealdade, assim eles devem absolutamente fazê-lo e têm que fazer, do contrário são pessoas detestáveis ou execráveis, e merecem ser literalmente condenadas quando não me tratam assim.
  • 41. As três crenças principais... Porque é preferível experimentar prazer do que dor, o mundo tem absolutamente de me proporcionar prazer e não dor, e a vida é horrenda, e não consigo suportar, quando o mundo não é desta maneira.