TRANSTORNO BIPOLAR

3.574 visualizações

Publicada em

Transtorno Bipolar
Seminário apresentado à disciplina de Saúde e Sanidade, curso de Tecnologia em segurança no Trabalho da FATESP

Publicada em: Educação
0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.574
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
144
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

TRANSTORNO BIPOLAR

  1. 1. FACULDADE DE TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR PROFISSIONAL TECNOLOGIA EM SEGURANÇA NO TRABALHO DISC.:SAÚDE E SANIDADE PROFª.:ADRIANA SOUZA COMPONENTES: ADELANA FERNANDES ANA MARIA LIMA DANIELE ALVES JEANE LIMA LETÍCIA COSTA
  2. 2. DISTÚRBIO BIPOLAR O QUE É ? • É uma doença mental em que o paciente alterna estados de euforia e depressão, além de fases de "normalidade" intercaladas. • Também conhecido como mania e depressão, é uma desordem do cérebro que causa mudanças não previstas no estado mental da pessoa, no humor, na energia e na habilidade de funcionar corretamente; • O distúrbio bipolar é sério, pode destruir relacionamentos, torna a performance ruim no trabalho e escola, e até mesmo levar ao suicídio • Se desenvolve no final da adolescência ou início da idade adulta; • Pode ser tratado e pessoas com esta doença podem viver uma vida produtiva e feliz.
  3. 3. TIPOS DE DISTÚRBIOS BIPOLARES DISTURBIO BIPOLAR I • É considerado o “clássico”. Os pacientes sofrem um ou mais episódios maníacos com duração de pelo menos uma semana, e quase sempre um ou mais episódios depressivos. • Os sintomas são intensos e provocam profundas mudanças comportamentais e de conduta; • O quadro pode ser grave a ponto de exigir internação hospitalar por causa do risco aumentado de suicídios e da incidência de complicações psiquiátricas.
  4. 4. TIPOS DE DISTÚRBIOS BIPOLARES DISTURBIO BIPOLAR II • Há uma alternância entre os episódios de depressão e os de hipomania (estado mais leve de euforia, excitação, otimismo e, às vezes, de agressividade), sem prejuízo maior para o comportamento e as atividades do portador TRANSTORNO BIPOLAR NÃO ESPECIFICADO OU MISTO • Os sintomas sugerem o diagnóstico de transtorno bipolar, mas não são suficientes nem em número nem no tempo de duração para classificar a doença em um dos dois tipos anteriores.
  5. 5. TIPOS DE DISTÚRBIOS BIPOLARES TRANSTORNO CICLOTÍMICO • É o quadro mais leve do transtorno bipolar, marcado por oscilações crônicas do humor, que podem ocorrer até no mesmo dia; • O paciente alterna sintomas de hipomania e de depressão leve que, muitas vezes, são entendidos como próprios de um temperamento instável ou irresponsável..
  6. 6. FATORES PREDISPONENTES • Os fatores predisponentes são compostos por Teorias Biológicas, Influências Bioquímicas, Influências Fisiológicas e Teorias Psicossociais. ESTUDOS DE FAMÍLIAS Os estudos mostram que se um membro de uma família tem o distúrbio bipolar, então os outros membros têm uma probabilidade de também apresentar o distúrbio bipolar. TEORIAS BIOLÓLIGAS ESTUDOS DE GÊMEOS Esses estudos indicaram que, se um dos gêmeos apresentar o distúrbio bipolar, o outro tem um probabilidade quanto a cinco vezes maior de também ter o distúrbio.
  7. 7. FATORES PREDISPONENTES ELETRÓLITOS Alguns estudos indicaram que a doença bipolar se acompanha de um aumento de sódio e cálcio intracelulares. Esses desequilíbrios eletrolíticos podem estar relacionados a anormalidades da função de membrana celular do distúrbio bipolar. INFLUÊNCIAS BIOQUÍMICAS AMINAS BIOGÊNICAS Os primeiros estudos associaram os sintomas de depressão a uma deficiência funcional de norepinefrina e dopamina e mania a um excesso funcional dessas aminas. O neurotransmissor serotonina parece permanecer baixo em ambos os estudos.
  8. 8. FATORES PREDISPONENTES EFEITOS COLATERAIS DE MEDICAÇÕES Medicações usadas no tratamento de doenças somáticas foram demonstradas como desencadeando uma resposta maníaca. As mais comuns delas são esteroides, frequentemente usados no tratamento de doenças crônicas, como esclerose múltipla e LES. INFLUÊNCIAS FISIOLÓGICAS LESÕES CEREBRAIS As sequelas afetivas mais comuns das lesões cerebrais constituem as depressões pós-acidente vascular cerebral, cuja gravidade aumenta quanto mais próxima do polo frontal esquerdo for a lesão.
  9. 9. FATORES PREDISPONENTES TEORIAS PSICOSSOCIAIS A credibilidade das teorias psicossociais diminuiu nos últimos anos. Condições como esquizofrenia e distúrbio bipolar estão sendo consideradas por muitos como doenças do cérebro, com etiologia biológica. A etiologia porem ainda não foi esclarecida e é possível que fatores tanto biológicas quanto psicossociais possam ter influencia. TEORIAS PSICANALÍTICAS Foi desenvolvida por Freud no século XIX e esta intimamente relacionada a sua prática psicoterapêutica. É uma teoria que procura descrever a etiologia dos transtornos mentais , o desenvolvimento do homem e de sua personalidade, além de explicar a motivação humana.
  10. 10. FATORES PREDISPONENTES TEORIA DA DINÂMICA FAMILIAR Um individuo com distúrbios provavelmente começará a vida num ambiente de amor e carinho. Todas as necessidades físicas e emocionais eram satisfeitas pelo prestador principal de cuidados que assumia a imagem do “bem” na mente da criança. Na medida que a criança se desenvolvia e se torna cada vez mais independente, parte do carinho era retirada. A criança que não obtido a Constância do objeto nesta ocasião, não conseguia incorporar no prestador principal de cuidados os conceitos tanto de “bom” como de “mau”.
  11. 11. ESTAGIO I - HIPOMANIA • Não é suficientemente grave para causar uma grande alteração no funcionamento social ou ocupacional ou para tornar necessária a hospitalização • Humor : é alegre e expansiva ,há porém uma irritabilidade subjacente que vem a tona rapidamente quando os desejos da pessoa não são satisfeito; • A natureza da pessoa hipomaníaca é muito volúvel e flutuante.
  12. 12. ESTAGIO I - HIPOMANIA COGNIÇÃO E PERCEPÇÃO : • As percepções do eu são exaltadas; • Ideia de grande valor e capacidade; • O pensamento está mais rápido, com um rápido fluxo de ideias; • A percepção do ambiente aumenta, mas o individuo é tão facilmente distraído por estímulos irrelevantes que as atividades dirigidas e subjetivas são difíceis.
  13. 13. ESTAGIO I - HIPOMANIA ATIVIDADES E COMPORTAMENTOS: • Os indivíduos hipomaníacos apresentam um aumento da atividade motora. Eles são percebidos como sendo muito extrovertidos e sociáveis, atraem numerosos conhecidos .entretanto eles não tem a profundidade de personalidade e calor humano suficiente para estabelecer amizades intimas . • Falam riem muito geralmente muito alto e com frequência de maneira impropria; • A percepção exaltada da própria pessoa leva alguns hipomaníacos a apresentar comportamentos inadequados tais como telefonar para o presidente do pais ou fazer uma grande compra com o cartão de credito sem recurso para pagá-la .
  14. 14. ESTAGIO II- MANIA AGUDA • Progressão de um nível mais intenso do que os da hipomania; • Sintomas mais diretos e acentuados e necessitam de internação; • Humor: Euforia e alegria; Barato contínuo; Humor sujeito a variações. COGNIÇÃO E PERCEPÇÃO: • Se mostram fragmentados e frequentemente psicóticos; • O Pensamento que antes era rápido, passa a ser acelerado e desconexo; • Fala desorganizado e incoerente; • A distrabilidade é predominante; • Delírios paranoides e de grandeza, alucinações e ilusões; ATIVIDADES DE COMPORTAMENTO: • Interesse sexual aumentado; • O indivíduo discreto pode mostra-se social e sexualmente desinibido; • Gastos excessivos; • Mania de manipular os outros para satisfazer seus desejos; • Muitos dias sem dormir mas não se cansam; • Higiene e aparência descuidadas; • Jóias e maquiagens em excesso.
  15. 15. ESTAGIO III- MANIA DELIRANTE • Forma grave do distúrbio; Grave turvação da consciência e intensificação dos sintomas. • Humor: É muito lábil: sentimentos de desespero rapidamente convertidos em alegria ou êxtase sem limites; Mostra -se irritável ou totalmente indiferente ao ambiente; Ansiedade ao nível do pânico
  16. 16. ESTAGIO III- MANIA DELIRANTE .ATIVIDADE E COMPORTAMENTO: • Atividade psicomotora frenética, com movimentos agitados e sem finalidade; • Segurança em risco se os movimentos não forem controlados; • Exaustão, danos a si mesmo e aos outros; • Morte,se não houver internação. COGNIÇÃO E PERCEPÇÃO: • Turvação da consciência; • Confusão mental, desorientação, as vezes torpor; • Outras manifestações: religiosidade, delírios de grandeza, alucinações auditivos ou visuais; • Extrema distraibilidade e incoerência;
  17. 17. MODALIDADES DE TRATAMENTO PARA OS DISTÚRBIOS AFETIVOS TRATAMENTOS PSICOLÓGICOS DEPRESSÃO é uma doença psiquiátrica, crônica e recorrente, que produz uma alteração do humor caracterizada por uma tristeza profunda, sem fim, associada a sentimentos de dor, amargura, desencanto, desesperança, baixa autoestima. MANIA : é um distúrbio mental definido como um período distinto, durante o qual existe um humor anormal e persistentemente elevado, expansivo ou irritável.
  18. 18. MODALIDADES DE TRATAMENTO PARA OS DISTÚRBIOS AFETIVOS TRATAMENTOS PSICOLÓGICOS FASE I. • O cliente é avaliado para se determinar a extensão da doença. • Então fornecidas ao individuo informações completas quanto á natureza da depressão, padrão dos sintomas, frequência, evolução clinica e tratamentos alternativos. • Em casos de depressão grave, a psicoterapia interpessoal foi demonstrada como sendo mais eficaz quando realizada em combinação à medicação antidepressiva. PSICOTERAPIA INDIVIDUAL A psicoterapia interpessoal de pessoas deprimidas passa pelas seguintes fases e intervenções: PARA DEPRESSÃO
  19. 19. MODALIDADES DE TRATAMENTO PARA OS DISTÚRBIOS AFETIVOS TRATAMENTOS PSICOLÓGICOS FASE II. • O tratamento nesta fase focaliza ajudar o cliente a resolver reações de pesar disfuncionais. • Outras áreas de foco do tratamento podem incluir disputas interpessoais entre o cliente e um ente querido, transições de papel difíceis em diversos ciclos vitais do desenvolvimento e correção déficits interpessoais que podem interferir na capacidade do cliente em iniciar ou manter relações interpessoais.
  20. 20. MODALIDADES DE TRATAMENTO PARA OS DISTÚRBIOS AFETIVOS TRATAMENTOS PSICOLÓGICOS FASE III. • Durante a fase final da psicoterapia interpessoal põe-se fim á aliança terapêutica. Com ênfase no reconforto, esclarecimento de estados emocionais, melhora da comunicação interpessoal, teste das percepções e desempenho em contextos interpessoal, a psicoterapia interpessoal tem conseguido ajudar pessoas deprimidas a recuperar um melhor funcionalmente social.
  21. 21. MODALIDADES DE TRATAMENTO PARA OS DISTÚRBIOS AFETIVOS TRATAMENTOS PSICOLÓGICOS PARA MANIA • Os clientes maníacos têm sido tradicionalmente candidatos difíceis á psicoterapia. Eles estabelecem com facilidade uma relação terapêutica, pois estão ansiosos por agradar e gratos pelo interesse do terapeuta.
  22. 22. MODALIDADES DE TRATAMENTO PARA OS DISTÚRBIOS AFETIVOS TRATAMENTOS PSICOLÓGICOS • A terapia de grupo constitui uma dimensão importante do tratamento multimodal de clientes maníacos ou deprimidos. Alguns grupos têm outros propósitos específicos, como ajudar a monitorar problemas relacionados a medicações ou ser uma via para a promoção de orientação relativamente ao distúrbio afetivo e seu tratamento. TERAPIA DE GRUPO PARA DEPRESSÃO E MANIA
  23. 23. MODALIDADES DE TRATAMENTO PARA OS DISTÚRBIOS AFETIVOS TRATAMENTOS PSICOLÓGICOS TERAPIA DE FAMÍLIA PARA DEPRESSÃO E MANIA • O objetivo final do trabalho com famílias de clientes com distúrbios afetivos é sintetizar os dados disponíveis para formular um plano terapêutico com dois objetiva-chave: resolução dos sintomas e restauração ou criação de um funcionamento familiar adaptativo. A terapia de família é indicada caso o distúrbio coloquem em risco o casamento ou o funcionamento familiar do paciente ou caso o distúrbio afetivo seja promovido ou mantido pela situação familiar.
  24. 24. MODALIDADES DE TRATAMENTO PARA OS DISTÚRBIOS AFETIVOS TRATAMENTOS PSICOLÓGICOS TERAPIA COGNITIVA PARA DEPRESSÃO E MANIA • O individuo é ensinado a controlar as distorções de pensamento que são consideradas como sendo um fator no desenvolvimento e na manutenção dos distúrbios afetivos. • Os objetivos gerais da terapia cognitivas são obter o mais rapidamente possível o alivio dos sintomas, ajudarem o cliente a identificar padrões disfuncionais de pensamento e comportamento e orientar o cliente quanto a evidencias e uma lógica que testem efetivamente a validade do pensamento disfuncional.
  25. 25. MODALIDADES DE TRATAMENTO PARA OS DISTÚRBIOS AFETIVOS TRATAMENTOS PSICOLÓGICOS TRATAMENTOS ORGÂNICOS PARA DEPRESSÃO – Os antidepressivos tricíclicos; Os sintomas podem ocorrer somente após ate 4 semanas do inicio da terapia com medicações antidepressivas. Alguns exemplos de antidepressivos: O trazadone, bupropion, mirtazapina. PARA MANIA – O carbonato de lítio é a droga de escolha para episódios maníacos agudos, assim como na terapia de manutenção, para prevenir episódios maníacos subsequentes ou diminuir sua intensidade. Os efeitos colaterais incluem sonolência, tonteiras, cefaleia, boca seca, sede, mal-estar gastrointestinal e ganho de peso.
  26. 26. OBRIGADO(A)!

×