SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 21
Baixar para ler offline
Etiologia
Um tumor é definido como um novo crescimento ou
hiperplasia das células.
Este crescimento pode ser resposta a uma inflamação
ou traumatismo.
O tipo de tumor é determinado e classificado segundo o
tecido de origem.

Em geral, os tumores malignos tendem a causar mais
destruição óssea, invasão dos tecidos circundantes e
metástases.
Os locais comuns de metástases são:
 Coluna vertebral
 Costelas
 Pelve
 Anca
 Ossos longos proximais.
Os cancros da mama, próstata, rim, tiróide e pulmão
metastizam frequentemente para os ossos.
Epidemiologia
 A incidência dos tumores ósseos variam com a
idade:
 adultos com 30-35 anos: baixa incidência;
 adolescentes e adultos com mais de 60 anos:
alta incidência;

 O osteosarcoma é o tipo de tumor ósseo
primário mais comum, representando 20 % da
totalidade dos casos.
Fisiopatologia
 Os tumores ósseos geralmente causam degenerência
óssea e erosão do córtex.
 No caso dos tumores malignos, há a destruição do osso
normal por reabsorção ou por bloqueio da passagem de
sangue.

A degenerência é classificada em 3 padrões:

 Geográfica: tumores de crescimento lento, benignos,
com uma margem identificável entre o osso normal e
anormal;
 Carcomido pela traça: comum em tumores de
proliferação rápida. as margens são menos definidas.

 Permeação: tumor e osso normal estão misturados sem
nenhumas margens percetíveis.
Tumor

Osteosarcoma

Condrossarcoma

Fibrosarcoma

Origem

Incidência

Fisiopatologia

Dor

Osso

Apresenta um padrão de
destruição “carcomido
pela traça”, co margens
mal definidas. Desenvolvese através do córtex e
periósteo e acaba por
invadir os tecidos moles.
Metástase pulmonar.

Cartilagem

Pessoas com idades
compreendidas
entre 50-70 anos.
Afeta mais o sexo
masculino que
feminino.

Crescimento lento,
aparecimento insidioso.
Comum no úmero, fémur e
pelve. Pode haver massa
palpável, pode infiltrar-se
no espaço articular e
tecidos moles. Recidiva.
Metástase pulmonar.

Local, grave
e persistente.

Tecido
Fibroso

Pessoas com idades
compreendidas
entre 30-50 anos.
Afeta mais o sexo
feminino do que
masculino.

Ocorre no tecido fibroso
ósseo do fémur e tíbia.
Pode causar fraturas
patológicas. Edema e
possível massa palpável.
Metástase pulmonar.

Dor noturna
Tumor

Mieloma

Sarcoma de
Ewing

Origem

Medúla Ossea

Medúla Ossea

Incidência

Fisiopatologia

Dor

Pessoas com
mais de 40 anos.
Afeta mais o sexo
masculino do
que feminino.
Afro-americanos.

Proliferação neoplásica de
células plasmáticas. Causa
a lise do osso compacto e
medular e infiltra-se na
medula óssea. Causa
fraturas patológicas,
anorexia. Mau prognóstico.

Dor
generalizada.
Intermitente na
coluna, pelve,
costelas, ou
esterno.
Aumenta com a
carga de peso.

É mais frequente
nas crianças e
adolescentes. O
pico de
incidência é na
segunda década
de vida. Afeta
mais o sexo
masculino do
que feminino.

Tumor ósseo de células
pequenas, altamente
vascular, em que as células
anaplásicas se aglutinam
em ilhotas separadas por
septos de tecido fibroso.
Caracteristicamente, ocorre
nos ossos longos do corpo,
como o fémur, pélvis e
úmero. Atinge as diáfises
dos ossos, estendendo-se
para as metáfises. Pode
atingir estruturas extraósseas, como os tecidos
moles, aparelho digestivo,
rim, pulmão, supra-renais.
Metastiza rapidamente
para os pulmões, fígado e
medula óssea.

Dor localizada
no osso atingido.
Osteossarcoma no fémur
Sarcoma de Ewing
Manifestações Clínicas
 Dor:
 Inicialmente imprecisa, generalizada e intermitente;
 Rapidamente aumenta de intensidade e duração.

 Dor noturna;
 Edema;
 Mal estar geral;
 Anorexia / perda de peso;
 Se houver fratura: dor é aguda;
 Se houver compressão de raízes nervosas: poderá
haver sintomas neurológicas;
Manifestações Clínicas
(cont.)
 Tumefação;
 limitação dos movimentos;

 derrame articular;
 Achados físicos:


Massa óssea fixa, sensível e palpável



Aumento da temperatura da pele sobre a massa.



Veias superficiais dilatadas e proeminentes
Diagnóstico
São utilizadas:
 Radiografias:
 Confirmam a presença de metástases;


Tem uma utilização limitada devido a destruição do osso
trabecular;

 TAC;
 RMN;
 Análises ao sangue:


Revelam um nível elevado de fosfatasse alcalina sérica;
Tratamento
O objectivo básico consiste em interromper a evolução
do tumor por meio da sua destruição ou remoção da
lesão.
O tratamento da lesões primarias depende das dimensões
e localização do tumor, presença de metástases e idade,
estado de saúde geral, estilo de vida e preferências do
doente.
Dependendo do tipo de tumor, são utilizados:
Quimioterapia

Cirurgia

Radioterapia

Terapia Hormonal

Amputação

Ressecção

Procedimentos de recuperação de membros
Cirurgia da Recuperação do Membro
 Não tem contraindicações histológicas;
 Usada no tratamento do osteossarcoma, sarcoma de
ewing, condrosarcoma e outros;
 Normalmente usada como fim de linha da quimioterapia;
 As contra indicações:
 Tumor grande invasivo;
 Envolvimento do feixe neuro vascular;
 Incapacidade de retirar totalmente o tumor ou uma bordagem cirúrgica
tecnicamente difícil;
 Tem como complicações:

 Hemorragia
 TVP
 Infecção profunda
 Necrose da ferida e da pele
Diagnósticos de Enfermagem
 Dor aguda relacionada com os efeitos
do tumor;
 Risco de lesão relacionado com a
alteração da estrutura do osso;
 Incapacidade de lidar com a situação
ineficaz relacionada com o
diagnostico e as opções de
tratamento;
Intervenções de Enfermagem
Dor aguda
 Reduzir o desconforto;
 Administrar analgesia;
 Apoiar os membros doloridos sobre travesseiros;
Risco de lesão
 Ajudar o paciente quando este se movimenta;
 Apoiar as articulações;
 Proteger o paciente para evitar quedas;
 Criar um ambiente sem riscos;
Incapacidade de lidar com a
situação ineficaz
 Criar um ambiente de apoio;
 Recorrer a serviços de apoio psicológico, conforme
necessário;
Resultados Esperados
 Diminuição da dor associada á
deambulação;
 Ausência de sinais e sintomas de
fractura;
 Verbaliza compreensão das opções de
tratamento e força para a tomada de
decisões;
Bibliografia
 Sarcoma de Ewing, in http://www.alertonline.com/pt/medical-guide/sarcoma-de-ewing;
Fev/2014;
 PHIPS. Enfermagem Médico-Cirúrgica; 8ª Edição;
Lusociência, Loures, 2010.
ESS Jean Piaget / Gaia


Unidade Currícular: Enfermagem Médico-Cirúrigica e
Especialidades II



Professora: Margarida Ferreira



Trabalho elaborado por:
 Cláudia Sofia Santos nº 48308
 Joana Nunes nº 49140
 Marlene Magalhães nº 48546
 Sara Mota nº 48428
 Rita nº

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Avaliação sistemática da radiografia do tórax
Avaliação sistemática da radiografia do tóraxAvaliação sistemática da radiografia do tórax
Avaliação sistemática da radiografia do tóraxBruna Cesário
 
Câncer de Bexiga
Câncer de BexigaCâncer de Bexiga
Câncer de BexigaOncoguia
 
Anatomia radiológica, tipos de fraturas, achados radiográficos.
Anatomia radiológica, tipos de fraturas, achados radiográficos.Anatomia radiológica, tipos de fraturas, achados radiográficos.
Anatomia radiológica, tipos de fraturas, achados radiográficos.Wendesor Oliveira
 
Patologias do tórax
Patologias do tóraxPatologias do tórax
Patologias do tóraxDébora Souto
 
Câncer gástrico
Câncer gástrico Câncer gástrico
Câncer gástrico gabrielrb87
 
Bi rads - mamografia
Bi rads - mamografiaBi rads - mamografia
Bi rads - mamografiadapab
 
Anatomia radiológica da coluna vertebral
Anatomia radiológica da coluna vertebral Anatomia radiológica da coluna vertebral
Anatomia radiológica da coluna vertebral Tony Parente
 
Tumores malignos de cólon e reto
Tumores malignos de cólon e retoTumores malignos de cólon e reto
Tumores malignos de cólon e retoJacqueline Menezes
 
Apostila sobre a aula de incidências do ombro
Apostila sobre a aula de incidências do ombroApostila sobre a aula de incidências do ombro
Apostila sobre a aula de incidências do ombroRobson Rocha
 
6. aula patrícia juan sobre trauma de face
6. aula patrícia juan sobre trauma de face6. aula patrícia juan sobre trauma de face
6. aula patrícia juan sobre trauma de faceJuan Zambon
 

Mais procurados (20)

Patologias da Coluna Vertebral
Patologias da Coluna VertebralPatologias da Coluna Vertebral
Patologias da Coluna Vertebral
 
Avaliação sistemática da radiografia do tórax
Avaliação sistemática da radiografia do tóraxAvaliação sistemática da radiografia do tórax
Avaliação sistemática da radiografia do tórax
 
Câncer de Bexiga
Câncer de BexigaCâncer de Bexiga
Câncer de Bexiga
 
Anatomia radiológica, tipos de fraturas, achados radiográficos.
Anatomia radiológica, tipos de fraturas, achados radiográficos.Anatomia radiológica, tipos de fraturas, achados radiográficos.
Anatomia radiológica, tipos de fraturas, achados radiográficos.
 
Laparotomia e fechamento
Laparotomia e fechamentoLaparotomia e fechamento
Laparotomia e fechamento
 
Patologias do tórax
Patologias do tóraxPatologias do tórax
Patologias do tórax
 
Câncer gástrico
Câncer gástrico Câncer gástrico
Câncer gástrico
 
Bi rads - mamografia
Bi rads - mamografiaBi rads - mamografia
Bi rads - mamografia
 
Anatomia radiológica da coluna vertebral
Anatomia radiológica da coluna vertebral Anatomia radiológica da coluna vertebral
Anatomia radiológica da coluna vertebral
 
Conduta no carcinoma microinvasivo do colo uterino lpjn
Conduta no carcinoma microinvasivo do colo uterino   lpjnConduta no carcinoma microinvasivo do colo uterino   lpjn
Conduta no carcinoma microinvasivo do colo uterino lpjn
 
Melanoma Maligno
Melanoma MalignoMelanoma Maligno
Melanoma Maligno
 
Tumores malignos de cólon e reto
Tumores malignos de cólon e retoTumores malignos de cólon e reto
Tumores malignos de cólon e reto
 
Abdome agudo
Abdome agudoAbdome agudo
Abdome agudo
 
Mielomas
MielomasMielomas
Mielomas
 
Estudo de imagens ortopédicas na radiologia
Estudo de imagens ortopédicas na radiologiaEstudo de imagens ortopédicas na radiologia
Estudo de imagens ortopédicas na radiologia
 
Apostila sobre a aula de incidências do ombro
Apostila sobre a aula de incidências do ombroApostila sobre a aula de incidências do ombro
Apostila sobre a aula de incidências do ombro
 
Fraturas do Anel Pélvico
Fraturas do Anel Pélvico Fraturas do Anel Pélvico
Fraturas do Anel Pélvico
 
Bi rads 3, 4 e 5 – como conduzir
Bi rads 3, 4 e 5 – como conduzirBi rads 3, 4 e 5 – como conduzir
Bi rads 3, 4 e 5 – como conduzir
 
Aula figado
Aula figadoAula figado
Aula figado
 
6. aula patrícia juan sobre trauma de face
6. aula patrícia juan sobre trauma de face6. aula patrícia juan sobre trauma de face
6. aula patrícia juan sobre trauma de face
 

Destaque (20)

Aula de Tumores Ósseos. Medicina UFPA
Aula de Tumores Ósseos. Medicina UFPAAula de Tumores Ósseos. Medicina UFPA
Aula de Tumores Ósseos. Medicina UFPA
 
Tumores ósseos malignos
Tumores ósseos malignosTumores ósseos malignos
Tumores ósseos malignos
 
Tumores ósseos benignos i e ii
Tumores ósseos benignos i e iiTumores ósseos benignos i e ii
Tumores ósseos benignos i e ii
 
Aula 2: Dr. Daniel Vidal (Pesquisador Científico)
Aula 2: Dr. Daniel Vidal (Pesquisador Científico) Aula 2: Dr. Daniel Vidal (Pesquisador Científico)
Aula 2: Dr. Daniel Vidal (Pesquisador Científico)
 
Tumores malignos y benignos
Tumores malignos y benignosTumores malignos y benignos
Tumores malignos y benignos
 
Sarcoma de ewing
Sarcoma de ewing Sarcoma de ewing
Sarcoma de ewing
 
02 osteoma osteoide
02  osteoma osteoide02  osteoma osteoide
02 osteoma osteoide
 
Câncer de Ovário
Câncer de OvárioCâncer de Ovário
Câncer de Ovário
 
Tumor de Ewing
Tumor de EwingTumor de Ewing
Tumor de Ewing
 
Agravios controle doencas
Agravios controle doencasAgravios controle doencas
Agravios controle doencas
 
DIAGNOSTICO EN TUMORES OSEOS
DIAGNOSTICO EN TUMORES OSEOSDIAGNOSTICO EN TUMORES OSEOS
DIAGNOSTICO EN TUMORES OSEOS
 
Imunodeficiências emc
Imunodeficiências emcImunodeficiências emc
Imunodeficiências emc
 
Doença de Crohn
Doença de CrohnDoença de Crohn
Doença de Crohn
 
Imaging in malignant bone tumors
Imaging in malignant bone tumorsImaging in malignant bone tumors
Imaging in malignant bone tumors
 
Seminario micro geral_doencas_interpessoal
Seminario micro geral_doencas_interpessoalSeminario micro geral_doencas_interpessoal
Seminario micro geral_doencas_interpessoal
 
Hepatites virais aula 04 junio
Hepatites virais aula 04 junioHepatites virais aula 04 junio
Hepatites virais aula 04 junio
 
Sarcoma de Ewing
Sarcoma de EwingSarcoma de Ewing
Sarcoma de Ewing
 
Transplante renal final
Transplante renal finalTransplante renal final
Transplante renal final
 
Proteção gravida
Proteção gravidaProteção gravida
Proteção gravida
 
Aproach to bone tumours
Aproach to bone   tumoursAproach to bone   tumours
Aproach to bone tumours
 

Semelhante a Tumores osseos malignos

Semelhante a Tumores osseos malignos (20)

CâNcer
CâNcerCâNcer
CâNcer
 
Apresentação_grupo 4.pptx
Apresentação_grupo 4.pptxApresentação_grupo 4.pptx
Apresentação_grupo 4.pptx
 
Oncologia Enfermagem
Oncologia EnfermagemOncologia Enfermagem
Oncologia Enfermagem
 
A mama
A mamaA mama
A mama
 
Câncer 1 D
Câncer 1 DCâncer 1 D
Câncer 1 D
 
Osteossarcoma
OsteossarcomaOsteossarcoma
Osteossarcoma
 
Neoplasia slide
Neoplasia slideNeoplasia slide
Neoplasia slide
 
Seminário tumores ósseos - Melorreostose, hiperparatireoidismo, mieloma múlti...
Seminário tumores ósseos - Melorreostose, hiperparatireoidismo, mieloma múlti...Seminário tumores ósseos - Melorreostose, hiperparatireoidismo, mieloma múlti...
Seminário tumores ósseos - Melorreostose, hiperparatireoidismo, mieloma múlti...
 
Tumor Intradural ntramedular
Tumor Intradural ntramedularTumor Intradural ntramedular
Tumor Intradural ntramedular
 
Tumor Medular
Tumor MedularTumor Medular
Tumor Medular
 
Tumores do Sistema Nervoso Central aula ufpa
Tumores do Sistema Nervoso Central aula ufpaTumores do Sistema Nervoso Central aula ufpa
Tumores do Sistema Nervoso Central aula ufpa
 
Cancro
Cancro Cancro
Cancro
 
carcinoma espinocelular
carcinoma espinocelularcarcinoma espinocelular
carcinoma espinocelular
 
Avaliação-dos-linfonodos_2016.pptx
Avaliação-dos-linfonodos_2016.pptxAvaliação-dos-linfonodos_2016.pptx
Avaliação-dos-linfonodos_2016.pptx
 
Tumores da bexiga
Tumores da bexigaTumores da bexiga
Tumores da bexiga
 
Câncer
CâncerCâncer
Câncer
 
Câncer e Metástases Ósseas
Câncer e Metástases ÓsseasCâncer e Metástases Ósseas
Câncer e Metástases Ósseas
 
Sarcoma de Partes Moles
Sarcoma de Partes MolesSarcoma de Partes Moles
Sarcoma de Partes Moles
 
Aula Novembro Azul Câncer de Prostata.pptx
Aula Novembro Azul Câncer de Prostata.pptxAula Novembro Azul Câncer de Prostata.pptx
Aula Novembro Azul Câncer de Prostata.pptx
 
Síndromes Respiratórias PL 03
Síndromes Respiratórias PL 03Síndromes Respiratórias PL 03
Síndromes Respiratórias PL 03
 

Mais de Cláudia Sofia

Infertilidade masculina (2) final
Infertilidade masculina (2) finalInfertilidade masculina (2) final
Infertilidade masculina (2) finalCláudia Sofia
 
Apa mudancas 6a_edicao
Apa mudancas 6a_edicaoApa mudancas 6a_edicao
Apa mudancas 6a_edicaoCláudia Sofia
 
Guia de boas_praticas_em_investigacao_c_linica_do_chp
Guia de boas_praticas_em_investigacao_c_linica_do_chpGuia de boas_praticas_em_investigacao_c_linica_do_chp
Guia de boas_praticas_em_investigacao_c_linica_do_chpCláudia Sofia
 
Trabalho defini+º+úo e etiologia do cancro
Trabalho   defini+º+úo e etiologia do cancroTrabalho   defini+º+úo e etiologia do cancro
Trabalho defini+º+úo e etiologia do cancroCláudia Sofia
 
Endoscopia colonoscopia
Endoscopia colonoscopiaEndoscopia colonoscopia
Endoscopia colonoscopiaCláudia Sofia
 
Power point anestesia (1) (1)
Power point anestesia (1) (1)Power point anestesia (1) (1)
Power point anestesia (1) (1)Cláudia Sofia
 
Apresentação1 vaginite
Apresentação1 vaginiteApresentação1 vaginite
Apresentação1 vaginiteCláudia Sofia
 
Folheto para prevenção das dislipidemias
Folheto para prevenção das dislipidemiasFolheto para prevenção das dislipidemias
Folheto para prevenção das dislipidemiasCláudia Sofia
 
Aconselhamento alimentar na dislipidemia
Aconselhamento alimentar na dislipidemiaAconselhamento alimentar na dislipidemia
Aconselhamento alimentar na dislipidemiaCláudia Sofia
 

Mais de Cláudia Sofia (14)

Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 
Infertilidade masculina (2) final
Infertilidade masculina (2) finalInfertilidade masculina (2) final
Infertilidade masculina (2) final
 
Apa mudancas 6a_edicao
Apa mudancas 6a_edicaoApa mudancas 6a_edicao
Apa mudancas 6a_edicao
 
Guia de boas_praticas_em_investigacao_c_linica_do_chp
Guia de boas_praticas_em_investigacao_c_linica_do_chpGuia de boas_praticas_em_investigacao_c_linica_do_chp
Guia de boas_praticas_em_investigacao_c_linica_do_chp
 
Depressão geriatria
Depressão geriatriaDepressão geriatria
Depressão geriatria
 
Trabalho defini+º+úo e etiologia do cancro
Trabalho   defini+º+úo e etiologia do cancroTrabalho   defini+º+úo e etiologia do cancro
Trabalho defini+º+úo e etiologia do cancro
 
Endoscopia colonoscopia
Endoscopia colonoscopiaEndoscopia colonoscopia
Endoscopia colonoscopia
 
Power point anestesia (1) (1)
Power point anestesia (1) (1)Power point anestesia (1) (1)
Power point anestesia (1) (1)
 
Hérnias
HérniasHérnias
Hérnias
 
Apresentação1 vaginite
Apresentação1 vaginiteApresentação1 vaginite
Apresentação1 vaginite
 
Folheto para prevenção das dislipidemias
Folheto para prevenção das dislipidemiasFolheto para prevenção das dislipidemias
Folheto para prevenção das dislipidemias
 
Aconselhamento alimentar na dislipidemia
Aconselhamento alimentar na dislipidemiaAconselhamento alimentar na dislipidemia
Aconselhamento alimentar na dislipidemia
 
Assepsia cirúrgica
Assepsia cirúrgica  Assepsia cirúrgica
Assepsia cirúrgica
 
Anorexia e Bulimia
Anorexia e BulimiaAnorexia e Bulimia
Anorexia e Bulimia
 

Tumores osseos malignos

  • 1.
  • 2. Etiologia Um tumor é definido como um novo crescimento ou hiperplasia das células. Este crescimento pode ser resposta a uma inflamação ou traumatismo. O tipo de tumor é determinado e classificado segundo o tecido de origem. Em geral, os tumores malignos tendem a causar mais destruição óssea, invasão dos tecidos circundantes e metástases.
  • 3. Os locais comuns de metástases são:  Coluna vertebral  Costelas  Pelve  Anca  Ossos longos proximais. Os cancros da mama, próstata, rim, tiróide e pulmão metastizam frequentemente para os ossos.
  • 4. Epidemiologia  A incidência dos tumores ósseos variam com a idade:  adultos com 30-35 anos: baixa incidência;  adolescentes e adultos com mais de 60 anos: alta incidência;  O osteosarcoma é o tipo de tumor ósseo primário mais comum, representando 20 % da totalidade dos casos.
  • 5. Fisiopatologia  Os tumores ósseos geralmente causam degenerência óssea e erosão do córtex.  No caso dos tumores malignos, há a destruição do osso normal por reabsorção ou por bloqueio da passagem de sangue. A degenerência é classificada em 3 padrões:  Geográfica: tumores de crescimento lento, benignos, com uma margem identificável entre o osso normal e anormal;  Carcomido pela traça: comum em tumores de proliferação rápida. as margens são menos definidas.  Permeação: tumor e osso normal estão misturados sem nenhumas margens percetíveis.
  • 6. Tumor Osteosarcoma Condrossarcoma Fibrosarcoma Origem Incidência Fisiopatologia Dor Osso Apresenta um padrão de destruição “carcomido pela traça”, co margens mal definidas. Desenvolvese através do córtex e periósteo e acaba por invadir os tecidos moles. Metástase pulmonar. Cartilagem Pessoas com idades compreendidas entre 50-70 anos. Afeta mais o sexo masculino que feminino. Crescimento lento, aparecimento insidioso. Comum no úmero, fémur e pelve. Pode haver massa palpável, pode infiltrar-se no espaço articular e tecidos moles. Recidiva. Metástase pulmonar. Local, grave e persistente. Tecido Fibroso Pessoas com idades compreendidas entre 30-50 anos. Afeta mais o sexo feminino do que masculino. Ocorre no tecido fibroso ósseo do fémur e tíbia. Pode causar fraturas patológicas. Edema e possível massa palpável. Metástase pulmonar. Dor noturna
  • 7. Tumor Mieloma Sarcoma de Ewing Origem Medúla Ossea Medúla Ossea Incidência Fisiopatologia Dor Pessoas com mais de 40 anos. Afeta mais o sexo masculino do que feminino. Afro-americanos. Proliferação neoplásica de células plasmáticas. Causa a lise do osso compacto e medular e infiltra-se na medula óssea. Causa fraturas patológicas, anorexia. Mau prognóstico. Dor generalizada. Intermitente na coluna, pelve, costelas, ou esterno. Aumenta com a carga de peso. É mais frequente nas crianças e adolescentes. O pico de incidência é na segunda década de vida. Afeta mais o sexo masculino do que feminino. Tumor ósseo de células pequenas, altamente vascular, em que as células anaplásicas se aglutinam em ilhotas separadas por septos de tecido fibroso. Caracteristicamente, ocorre nos ossos longos do corpo, como o fémur, pélvis e úmero. Atinge as diáfises dos ossos, estendendo-se para as metáfises. Pode atingir estruturas extraósseas, como os tecidos moles, aparelho digestivo, rim, pulmão, supra-renais. Metastiza rapidamente para os pulmões, fígado e medula óssea. Dor localizada no osso atingido.
  • 10. Manifestações Clínicas  Dor:  Inicialmente imprecisa, generalizada e intermitente;  Rapidamente aumenta de intensidade e duração.  Dor noturna;  Edema;  Mal estar geral;  Anorexia / perda de peso;  Se houver fratura: dor é aguda;  Se houver compressão de raízes nervosas: poderá haver sintomas neurológicas;
  • 11. Manifestações Clínicas (cont.)  Tumefação;  limitação dos movimentos;  derrame articular;  Achados físicos:  Massa óssea fixa, sensível e palpável  Aumento da temperatura da pele sobre a massa.  Veias superficiais dilatadas e proeminentes
  • 12. Diagnóstico São utilizadas:  Radiografias:  Confirmam a presença de metástases;  Tem uma utilização limitada devido a destruição do osso trabecular;  TAC;  RMN;  Análises ao sangue:  Revelam um nível elevado de fosfatasse alcalina sérica;
  • 13. Tratamento O objectivo básico consiste em interromper a evolução do tumor por meio da sua destruição ou remoção da lesão. O tratamento da lesões primarias depende das dimensões e localização do tumor, presença de metástases e idade, estado de saúde geral, estilo de vida e preferências do doente. Dependendo do tipo de tumor, são utilizados: Quimioterapia Cirurgia Radioterapia Terapia Hormonal Amputação Ressecção Procedimentos de recuperação de membros
  • 14. Cirurgia da Recuperação do Membro  Não tem contraindicações histológicas;  Usada no tratamento do osteossarcoma, sarcoma de ewing, condrosarcoma e outros;  Normalmente usada como fim de linha da quimioterapia;  As contra indicações:  Tumor grande invasivo;  Envolvimento do feixe neuro vascular;  Incapacidade de retirar totalmente o tumor ou uma bordagem cirúrgica tecnicamente difícil;  Tem como complicações:  Hemorragia  TVP  Infecção profunda  Necrose da ferida e da pele
  • 15. Diagnósticos de Enfermagem  Dor aguda relacionada com os efeitos do tumor;  Risco de lesão relacionado com a alteração da estrutura do osso;  Incapacidade de lidar com a situação ineficaz relacionada com o diagnostico e as opções de tratamento;
  • 16. Intervenções de Enfermagem Dor aguda  Reduzir o desconforto;  Administrar analgesia;  Apoiar os membros doloridos sobre travesseiros;
  • 17. Risco de lesão  Ajudar o paciente quando este se movimenta;  Apoiar as articulações;  Proteger o paciente para evitar quedas;  Criar um ambiente sem riscos;
  • 18. Incapacidade de lidar com a situação ineficaz  Criar um ambiente de apoio;  Recorrer a serviços de apoio psicológico, conforme necessário;
  • 19. Resultados Esperados  Diminuição da dor associada á deambulação;  Ausência de sinais e sintomas de fractura;  Verbaliza compreensão das opções de tratamento e força para a tomada de decisões;
  • 20. Bibliografia  Sarcoma de Ewing, in http://www.alertonline.com/pt/medical-guide/sarcoma-de-ewing; Fev/2014;  PHIPS. Enfermagem Médico-Cirúrgica; 8ª Edição; Lusociência, Loures, 2010.
  • 21. ESS Jean Piaget / Gaia  Unidade Currícular: Enfermagem Médico-Cirúrigica e Especialidades II  Professora: Margarida Ferreira  Trabalho elaborado por:  Cláudia Sofia Santos nº 48308  Joana Nunes nº 49140  Marlene Magalhães nº 48546  Sara Mota nº 48428  Rita nº