SlideShare uma empresa Scribd logo
Universidade Nova de Lisboa-Faculdade de Ciências
                      Médicas




           Hospital do Curry Cabral
             Serviço de Urologia




Cátia Pires
Luciana Fernandes
                                     15.Janeiro.2013
1-Epidemiologia
 Carcinoma da bexiga é o tumor maligno mais comum do
 trato urinário.

 É mais frequente nos homens (2-3:1) e na raça caucasiana.


 Homem:      quarto tumor mais frequente depois dos
 tumores do pulmão, próstata e colonrectal, responsável
 por cerca de 6% de todas as neoplasias.

 Mulher: constitui 2,5% do total.
 A incidência aumenta com a idade, (idade média 60-
 70 anos).



 Desde a década de 1950 até aos dias de hoje, a
 incidência destes tumores tem vindo aumentar apesar
 da redução da mortalidade devido à melhoria dos
 meios de diagnóstico e terapêutica.
2- Factores de risco

                                  TABACO




  Factores ocupacionais: A maioria são aminas aromáticas.



        Outros incluem os nitritos e nitratos da dieta, tintas com anilina e
        outros agentes da indústria automóvel, maquinarias, químicos
        orgânicos, peles, etc.
Abuso de analgésicos: contendo fenacetina.



           Infeções e inflamações crónicas por
        cálculos, catéteters, infeção por Schistosoma
                        haematobium.




                           Radioterapia pélvica




                                       Ciclofosfamida
Acetiladores lentos, transplantados renais, ingestão de arsénio
na água, ingestão crónica de volume reduzido de líquidos.




      Hereditariedade: não existem evidências epidemiológicas para
      causas hereditárias na maioria dos tumores vesicais.
Tabela 1 - Factores etiológicos em relação com carcinoma vesical:


. Aminas aromáticas: indústria
textil                                       Carcinoma de células de transição
. Fenacetinas crónicas                                   (>90%)
. Ciclofosfamida
.Tabaco: ortofenóis, tiptófano

.Irritação crónica do urotélio:
 - Schistosoma haematobium                      Carcinomas Escamosos (8%)
 - Litíase, infecções urinárais crónicas ,
divertículos, catéteres vesicais.



.Cistite glandular
.Extrofia vesical                                 Adenocarcinomas (<2%)
.Infecções crónicas
3-História Natural
• 70%     dos      tumores     vesicais
diagnosticados      de    novo     são
superficiais (limitados à mucosa (Ta)
ou sub-mucosa (T1).

• Os     restantes    são     tumores
invasivos, (≥ T2).




Os locais de metastização mais
frequentes: os gânglios, fígado, pulmão
e ossos. 50% desenvolvem metástases à
distância apesar de tratamento.           Esquema de la Estadificación del tumor vesical

                                                       Manual CTO de Medicina y Cirugía, 2011
4-Tipos histológicos
                                       -Aumento do número de camadas celulares
      Carcinomas do urotélio           (distinguindo-se do urotélio normal).
(carcinoma de células do epitélio de
transição)                             - O urotélio perde a polaridade, e apresenta
(> 90%)                                núcleos grandes, irregulares e hipercromáticos,
                                       com nucléolo proeminente.

                                       - Podem ter crescimento papilar (> 70%), séssil
                                       ou carcinoma in situ.
                                       - Apresenta maior incidência em países onde a
                                       infecção urinária por Schistosoma haematobum é
                                       endémica.
    Carcinoma escamoso (8%)
                                       - Doentes, em média 10 a 20 anos mais novos do
                                       que os doentes com tumores do urotélio.

      Adenocarcinoma (< 2 %)           -Surgem cúpula vesical com aspecto histológico
   (tumores secretores de muco)        semelhante aos adenocarcinomas intestinais.

       Outros tipos (raros)            - Sarcoma, melanoma, tumores carcinóides,
                                       carcinoma de pequenas células.
Carcinoma do urotélio
1-carcinoma de células do epitélio de transição papilar:
 - O mais frequente;
- Crescimento principalmente endocavitário;
- A maioria corresponde a tumores superficiais de baixo grau histológico ( não
invasivos) e recorrentes em 50-70% segundo o grau e estadio.

2-Carcinoma do urotélio séssil:
-lesão mais sólida e com algum grau de invasão.

3-Carcinoma in situ:
-Plano (confinado ao urotélio), eritematoso, geralmente multifocal e de alto grau
(anaplásico)          fácil invasão, mau prognóstico;
-Alta taxa de recidiva;
-Progride para tumor infiltrante em 50-75% dos casos;
-Tumor papilar ou séssil invadem ou recidivam mais quando associados ao
carcinoma in situ.
5-Sinais e Sintomas
 Hematúria
 Sintomas miccionais irritativos
    Polaquiúria, nictúria, urgência, disúria.


 Lombalgia                                      Obstrução do tracto urinário
                                                 superior
 Dores abdominais

 Edema membros inferiores

 Massas pélvicas

 Perda de peso, queda do estado geral
Causas importantes de hematúria

                                   Glomerulares
                                   Glomerolonefrite aguda
                                   Nefrite lúpica


 Hematúria                        Hematúria familiar benigna
                                   Hematúria essencial benigna (Doença de Berger)
                                   Síndrome de Goodpasture
                                   Hematúria pós esforço físico

                                   Renais
                                   Doença renal poliquistica
                                   Rim esponjoso medular


   Sintoma + comum (85%)
                                   Necrose papilar
                                   Enfarte medular
                                   Linfoma
                                   Mieloma múltiplo


   >50 anos                       Amiloidose
                                   Inflamação e infecção
                                   Malformações vasculares



   factores de risco              Urológicas
                                   Neoplasias
                                   Cálculos
                                   Hiperplasia Prostática Benigna
                                   Aperto uretral
                                   Endometriose
                                   Divertículos, apendicite
                                   Aneurisma da aorta abdominal

  -isolada ou associada a outros   Corpos estranhos
                                   Infecção do tracto urinário

                                   Hematológicas

  sintomas                         Coagulopatias
                                   Fármacos anticoagulantes
                                   Anemia de células falciformes
                                   Talassémia
                                   Deficiencia de vitamina C

                                   Factidiosa
                                   Hemorragia vaginal

                                   Falsa
                                   Pigmentos alimentares
                                   Metabolitos de fármacos
 Sintomas Irritativos (30%)

   Isoladamente ou associados a hematúria.




                                     Carcinoma in Situ

                                     Tumor invasivo

                                     ITU concomitante
6- Exame Objectivo
 Pode dar indicação de doença avançada e invasiva.

   Exame rectal/ bimanual
       Massa pélvica/hipogástrica palpável


   Edema membros inferiores
       Suspeita de metásteses ganglionares (com adenopatias
        retroperitoneais).


 Normal nos tumores endoluminais.
7-Exames Complementares
 Urina II (pesquisa de          IVU (urografia
  hematúria)                     intravenosa)

 Citologia Urinária             Uro TAC


 Ecografia (vesical e renal)    TAC abdomino-pélvica


 Cistoscopia                    Rx Tórax
Citologia Urinária
 Sensível para tumores de alto grau


 Sensível para CIS
Ecografia
 Sensível para massas intra-luminais.


 Presença/ausência de
  hidronefrose.




   Ecografia: Tumor vesical com zonas calcificadas

               Manual CTO de Medicina y Cirugía, 2011
Cistoscopia
 Realizada na consulta (instrumento flexível, sem
 anestesia).

   Omitida se tumor visível em eco/outros exames.


 Cistoscopia bloco                          → Biópsias múltiplas (áreas
                                             suspeitas)

                                             Tumor papilar superficial? → RTU


 Tamanho, localização, número e                    Diagnóstico Histológico
 aparência (papilar ou sólida) das lesões.
Urografia Endovenosa
  Obstrução do TUS


  Dilatação do TUS


  Tumores exofíticos.
TAC abdomino pélvica
 Extensão extravesical.


 Envolvimento nodal. (>2cm)


 Metásteses à distância.


 Rx Tórax
• Screening inicial de metásteses
  pulmonares.
Tumores não invasivos ?????????????
 Exames imagiológicos
  IVU (urografia intravenosa)
  TAC com contraste
  Ecografia


 Citologia urinária

 Cistoscopia

 Ressecção Trans-Uretral

 Biópsias da bexiga e da uretra prostática
Sintomas Irritativos                             Hematúria



Sedimento urinário, cultura, ecografia              Ecografia e/ou cistoscopia

                  (-)
                                                          (+)
     Vigilância                          (+)

                                Cistoscopia com biópsia
            (-)
                        (-)        (+)                (+) não           (+) invasivo
                                                     invasivo
   Investigar
                         Carcinoma in Situ          UIV
   hematúria

                                                                         UIV

                                                                       Rx Tórax

                                                                   TAC abdomino-
                                                                      pélvica
8-Tratamento, Prognóstico


 Estabelecimento de estratégias de tratamento e
 avaliação prognóstica:
 •estadiamento (TNM)
 •grau (baixo grau - GI, vs. alto grau – GII/GIII)
Europen Association of Urology - Guidelines
Sistema de classificação da             Características de Grau:
OMS 2004 para tumores
papilares:                              Classificação da OMS de 1973 segundo
                                        diferentes graus de anaplasia:
• Papiloma urotelial (tumor
benigno papilar)                        Grau 1: tumor bem diferenciado

• Neoplasia papilar urotelial de        Grau 2: tumor moderadamente
baixo potencial maligno                 Diferenciado
(PUNLMP)
                                        Grau 3: tumor pouco diferenciado
• Carcinoma urotelial papilar de
baixo grau

• Carcinoma urotelial papilar de
alto grau

 PUNLMPs são lesões que não têm características
 de malignidade .Têm um risco muito baixo de
 invasão mas com grande tendência a recidivar.
8.1 Tumores não músculo-invasivos (Ta, T1,CIS)


    RTU


    Quimioterapia intravesical
   adjuvante (ex: mitomicina)

    Imunoterapia intravesical com BCG


    Cistectomia
Tumores de baixo risco            Tumores de risco intermédio

Ta, de baixo grau, pequeno, sem   Prevenir a recorrência e a
CIS: baixo risco de recorrência     progressão (recorrência mais
                                    frequente)
e de progressão

                                   RTU completa
 RTU completa
                                   2ª RTU após 4-6 semanas
 Quimioterapia intravesical        (quando a resseção inicial é
  pós operatório imediato           incompleta)
 Não recomendados outros tto      Quimioterapia adjuvante
  até nova recorrência              intravesical (não deve > 1ano)
                                           ou
                                     Imunoterapia intravesical com
                                    BCG
Tumores de alto grau

Ta, T1 de alto grau com ou sem
CIS, ou apenas CIS: elevado
risco de progressão

 RTU (Ta, T1)
 Quimioterapia intravesical pós
  operatório imediato
 2ª RTU após 4-6 semanas (pode
  ser necessária)
 Imunoterapia intravesical com
  BCG (eleição para CIS)
 Cistectomia
Follow-up
….tumores múltiplos,
grandes (> 3 cm),                                   Maior risco de recorrência
e altamente recidivantes (> 1 recidiva/ano)


estádio T1,
tumores de alto grau,        Maior risco de progressão
e CIS


•O follow-up clínico desta patologia deverá incluir a devida história clínica
com retenção, hematúria, análise de urina, cistoscopia e citologia de urina.


•O resultado da primeira cistoscopia aos 3 meses após RTU é importante no
prognóstico.
• Cistoscopia aos 3 mês;
BAIXO GRAU   • Cistoscopia aos 9 meses;
             • Anualmente, durante 5 anos.

   GRAU      • Cistoscopia e citologia seguindo um esquema de acordo
INTERMÉDIO     com factores pessoais e subjectivos.

             •   Cistoscopia e citologia urinária aos 3 meses;
             •   2 anos seguintes: citologia e cistoscopia de 3 em 3 meses
ALTO GRAU    •   3º ano: 4 em 4 meses
             •   4º ano: 6 em 6 meses
             •   Anos posteriores: anualmente
8.2 Tumores invasivos locais
 Tratamento
    Quimioterapia neoadjuvante
    Radioterapia pré cirurgia
    Cistectomia e derivação urinária


    Tratamento conservador: radioterapia externa,
    quimioterpia
8.3 Tumores Metastáticos
8.3 Tumores Metastáticos
 Tratamento
    Quimioterapia
       1ª linha (cisplatina)
       Carboplatina
       2ª linha (vinfluvina)


   Bifosfonatos
Follow up
Aspectos essenciais:
•   O carcinoma vesical mais frequente é o urotelial, sendo o tabaco o principal
    factor de risco.

•   O carcinoma escamoso relaciona-se com Schistosoma haematobium

•   O adenocarcinoma vesical relaciona-se com antecedentes de extrofia vesical

•   O carcinoma papilar superficial e o carcinoma in situ são muito recorrentes.

•   Clínica mais frequente do carcinoma urotelial: hematúria macroscópica e sem
    dor.

•   Quando se trata de um carcinoma in situ: síntomas irritativos
    (polaquiúria, disúria, tenesmo, etc.)

•   O melhor método para estadiamento local é a resseção transureteral

•   Prova mais sensível para o diagnóstico de CIS: citologia urinária.
• Conducta ante un CIS: tratar com Bacilo Calmette-Guerin (BCG) e seguimento
com cistoscopia e citologias.

•Atitude ante um tumor superficial: resseção tranureteral.
Posteriormente, seguimento com cistoscopia e citologías.

• Atitude ante um tumor infiltrante (afetação da capa muscular): cistectomía.
Bibliografia
Siroky, Mike B. , Oates, Robert D. e Babayan, Richard K.; Handbook of Urology:
Diagnosis and Therapy; Lippincott Williams & Wilkins Handobook Series, 3º
edição

Silva, Manuel Mendes; Árvores de Decisão em Clínica Urológica; Associação
Portuguesa de Urologia, 2005.

Dias, José Santos, Parada, Belmiro e Vendeira, Pedro A.; Urologia em 10 minutos;
Associação Portuguesa de Urologia, 2007.

Stenzl, Arnulf and others; Treatment of Muscle-Invasive and Metastatic Bladder
Cancer: Update of the EAU Guidelines; European Association of Urology, 2011.

Stenzl, Arnulf and others; Treatment of Non-Muscle-Invasive Carcinoma of the
Bladde, the 2011 Update; European Association of Urology, 2011.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Tumores benignos do fígado
Tumores benignos do fígadoTumores benignos do fígado
Tumores benignos do fígadogabrielrb87
 
Câncer gástrico
Câncer gástrico Câncer gástrico
Câncer gástrico gabrielrb87
 
Tumores Benignos Hepáticos
Tumores Benignos HepáticosTumores Benignos Hepáticos
Tumores Benignos HepáticosFernanda Clara
 
Fundamentos Técnicos da Cirurgia Pancreática
Fundamentos Técnicos da Cirurgia PancreáticaFundamentos Técnicos da Cirurgia Pancreática
Fundamentos Técnicos da Cirurgia PancreáticaOzimo Gama
 
Tumores do pâncreas atualizado
Tumores do pâncreas atualizadoTumores do pâncreas atualizado
Tumores do pâncreas atualizadokalinine
 
Câncer colo retal
Câncer colo retalCâncer colo retal
Câncer colo retalkalinine
 
Massacabecapancreas
MassacabecapancreasMassacabecapancreas
Massacabecapancreaskalinine
 
Aula - "Vias de Acesso à Cavidade Abdominal: laparotomia e videolaparoscopia".
Aula - "Vias de Acesso à Cavidade Abdominal: laparotomia e videolaparoscopia".Aula - "Vias de Acesso à Cavidade Abdominal: laparotomia e videolaparoscopia".
Aula - "Vias de Acesso à Cavidade Abdominal: laparotomia e videolaparoscopia".FACULDADE DE MEDICINA DA UFMG
 
Câncer de Intestino Delgado
Câncer de Intestino DelgadoCâncer de Intestino Delgado
Câncer de Intestino DelgadoOncoguia
 
Câncer de Rim
Câncer de RimCâncer de Rim
Câncer de RimOncoguia
 
Entendendo o câncer colorretal
Entendendo o câncer colorretalEntendendo o câncer colorretal
Entendendo o câncer colorretalOncoguia
 
Tumores hepáticos
Tumores hepáticosTumores hepáticos
Tumores hepáticoskalinine
 
Anatomia clínico cirúrgica de pâncreas e vias biliares
Anatomia clínico cirúrgica de pâncreas e vias biliaresAnatomia clínico cirúrgica de pâncreas e vias biliares
Anatomia clínico cirúrgica de pâncreas e vias biliaresEverton Cazzo
 

Mais procurados (20)

Câncer de Pâncreas
Câncer de PâncreasCâncer de Pâncreas
Câncer de Pâncreas
 
Tumores benignos do fígado
Tumores benignos do fígadoTumores benignos do fígado
Tumores benignos do fígado
 
Câncer gástrico
Câncer gástrico Câncer gástrico
Câncer gástrico
 
Tumores Benignos Hepáticos
Tumores Benignos HepáticosTumores Benignos Hepáticos
Tumores Benignos Hepáticos
 
Fundamentos Técnicos da Cirurgia Pancreática
Fundamentos Técnicos da Cirurgia PancreáticaFundamentos Técnicos da Cirurgia Pancreática
Fundamentos Técnicos da Cirurgia Pancreática
 
Tumores do pâncreas atualizado
Tumores do pâncreas atualizadoTumores do pâncreas atualizado
Tumores do pâncreas atualizado
 
Câncer colo retal
Câncer colo retalCâncer colo retal
Câncer colo retal
 
Massacabecapancreas
MassacabecapancreasMassacabecapancreas
Massacabecapancreas
 
Avaliação pré operatória
Avaliação pré operatóriaAvaliação pré operatória
Avaliação pré operatória
 
Nós Cirúrgicos
Nós CirúrgicosNós Cirúrgicos
Nós Cirúrgicos
 
Aula - "Vias de Acesso à Cavidade Abdominal: laparotomia e videolaparoscopia".
Aula - "Vias de Acesso à Cavidade Abdominal: laparotomia e videolaparoscopia".Aula - "Vias de Acesso à Cavidade Abdominal: laparotomia e videolaparoscopia".
Aula - "Vias de Acesso à Cavidade Abdominal: laparotomia e videolaparoscopia".
 
Câncer de Intestino Delgado
Câncer de Intestino DelgadoCâncer de Intestino Delgado
Câncer de Intestino Delgado
 
Câncer de Rim
Câncer de RimCâncer de Rim
Câncer de Rim
 
Entendendo o câncer colorretal
Entendendo o câncer colorretalEntendendo o câncer colorretal
Entendendo o câncer colorretal
 
Apendicite aguda
Apendicite agudaApendicite aguda
Apendicite aguda
 
Astrocitomas
AstrocitomasAstrocitomas
Astrocitomas
 
Tumores hepáticos
Tumores hepáticosTumores hepáticos
Tumores hepáticos
 
Oncologia +i
Oncologia +iOncologia +i
Oncologia +i
 
Anatomia clínico cirúrgica de pâncreas e vias biliares
Anatomia clínico cirúrgica de pâncreas e vias biliaresAnatomia clínico cirúrgica de pâncreas e vias biliares
Anatomia clínico cirúrgica de pâncreas e vias biliares
 
Câncer colorretal
Câncer colorretalCâncer colorretal
Câncer colorretal
 

Destaque

RTU - Bexiga - Como eu faço
RTU - Bexiga - Como eu façoRTU - Bexiga - Como eu faço
RTU - Bexiga - Como eu façoUrovideo.org
 
Patologias da Bexiga
Patologias da BexigaPatologias da Bexiga
Patologias da Bexigaalleyrand
 
Carcinoma urotelial
Carcinoma urotelialCarcinoma urotelial
Carcinoma urotelialAlien
 
07 cancer bexiga2- parte 2
07 cancer bexiga2- parte 207 cancer bexiga2- parte 2
07 cancer bexiga2- parte 2Arquivo-FClinico
 
ConsideraçõEs Finais
ConsideraçõEs FinaisConsideraçõEs Finais
ConsideraçõEs Finaisgrupo_sigma
 
Câncer de Mama - SIPAT 2013
Câncer de Mama - SIPAT 2013Câncer de Mama - SIPAT 2013
Câncer de Mama - SIPAT 2013Camila Ferreira
 
Câncer de Mama
Câncer de MamaCâncer de Mama
Câncer de MamaOncoguia
 
Ultrassom na cirrose, hepatite crônica e nas anormalidades vasculares hepáticas
Ultrassom na cirrose, hepatite crônica e nas anormalidades vasculares hepáticasUltrassom na cirrose, hepatite crônica e nas anormalidades vasculares hepáticas
Ultrassom na cirrose, hepatite crônica e nas anormalidades vasculares hepáticasFernanda Hiebra Gonçalves
 
Rastreamento e diagnóstico precoce do câncer de mama 19 set2012
Rastreamento e diagnóstico precoce  do câncer de mama 19 set2012Rastreamento e diagnóstico precoce  do câncer de mama 19 set2012
Rastreamento e diagnóstico precoce do câncer de mama 19 set2012Graciela Luongo
 
Câncer de mama rastreamento e diagnostico
Câncer de mama   rastreamento e diagnosticoCâncer de mama   rastreamento e diagnostico
Câncer de mama rastreamento e diagnosticochirlei ferreira
 
Cistoprotatectomía Radical
Cistoprotatectomía RadicalCistoprotatectomía Radical
Cistoprotatectomía RadicalKarla Padilla
 

Destaque (20)

RTU - Bexiga - Como eu faço
RTU - Bexiga - Como eu façoRTU - Bexiga - Como eu faço
RTU - Bexiga - Como eu faço
 
Patologias da Bexiga
Patologias da BexigaPatologias da Bexiga
Patologias da Bexiga
 
Caso clinico ca bexiga
Caso clinico ca bexigaCaso clinico ca bexiga
Caso clinico ca bexiga
 
Carcinoma urotelial
Carcinoma urotelialCarcinoma urotelial
Carcinoma urotelial
 
07 cancer bexiga2- parte 2
07 cancer bexiga2- parte 207 cancer bexiga2- parte 2
07 cancer bexiga2- parte 2
 
Carcinoma Urotelial da bexiga
Carcinoma Urotelial da bexigaCarcinoma Urotelial da bexiga
Carcinoma Urotelial da bexiga
 
Tumores renais
Tumores renaisTumores renais
Tumores renais
 
Câncer Renal
Câncer Renal Câncer Renal
Câncer Renal
 
ConsideraçõEs Finais
ConsideraçõEs FinaisConsideraçõEs Finais
ConsideraçõEs Finais
 
Câncer de Mama - SIPAT 2013
Câncer de Mama - SIPAT 2013Câncer de Mama - SIPAT 2013
Câncer de Mama - SIPAT 2013
 
Bi rads 3, 4 e 5 – como conduzir
Bi rads 3, 4 e 5 – como conduzirBi rads 3, 4 e 5 – como conduzir
Bi rads 3, 4 e 5 – como conduzir
 
Birads- Padrões Mamográficos e Ultrassonográficos
Birads- Padrões Mamográficos e UltrassonográficosBirads- Padrões Mamográficos e Ultrassonográficos
Birads- Padrões Mamográficos e Ultrassonográficos
 
Câncer de Mama
Câncer de MamaCâncer de Mama
Câncer de Mama
 
Ultrassom na cirrose, hepatite crônica e nas anormalidades vasculares hepáticas
Ultrassom na cirrose, hepatite crônica e nas anormalidades vasculares hepáticasUltrassom na cirrose, hepatite crônica e nas anormalidades vasculares hepáticas
Ultrassom na cirrose, hepatite crônica e nas anormalidades vasculares hepáticas
 
Câncer de mama
 Câncer de mama Câncer de mama
Câncer de mama
 
Carcinoma urotelial
Carcinoma urotelialCarcinoma urotelial
Carcinoma urotelial
 
Rastreamento e diagnóstico precoce do câncer de mama 19 set2012
Rastreamento e diagnóstico precoce  do câncer de mama 19 set2012Rastreamento e diagnóstico precoce  do câncer de mama 19 set2012
Rastreamento e diagnóstico precoce do câncer de mama 19 set2012
 
Câncer de mama rastreamento e diagnostico
Câncer de mama   rastreamento e diagnosticoCâncer de mama   rastreamento e diagnostico
Câncer de mama rastreamento e diagnostico
 
Cistoprotatectomía Radical
Cistoprotatectomía RadicalCistoprotatectomía Radical
Cistoprotatectomía Radical
 
Cancer de Mama
Cancer de MamaCancer de Mama
Cancer de Mama
 

Semelhante a Tumores da bexiga

Tumores do pâncreas atualizado
Tumores do pâncreas atualizadoTumores do pâncreas atualizado
Tumores do pâncreas atualizadopedroh.braga
 
6542111 neoplasias-de-tireoide
6542111 neoplasias-de-tireoide6542111 neoplasias-de-tireoide
6542111 neoplasias-de-tireoidedbmtr
 
Avaliação Imaginológica de Massas Adrenais
Avaliação Imaginológica de Massas AdrenaisAvaliação Imaginológica de Massas Adrenais
Avaliação Imaginológica de Massas AdrenaisBrenda Lahlou
 
13 exame proctológico e dst em proctologia
13  exame proctológico e dst em proctologia13  exame proctológico e dst em proctologia
13 exame proctológico e dst em proctologiaitsufpr
 
13 exame proctológico e dst em proctologia
13  exame proctológico e dst em proctologia13  exame proctológico e dst em proctologia
13 exame proctológico e dst em proctologiaitsufpr
 
Tumores+da+ves%c3%a dcula+biliar
Tumores+da+ves%c3%a dcula+biliarTumores+da+ves%c3%a dcula+biliar
Tumores+da+ves%c3%a dcula+biliarMijkail Sanchez
 
NEOBEXIGA ORTOTÓPICA - Como Previnir Complicações
NEOBEXIGA ORTOTÓPICA - Como Previnir Complicações NEOBEXIGA ORTOTÓPICA - Como Previnir Complicações
NEOBEXIGA ORTOTÓPICA - Como Previnir Complicações Urovideo.org
 
Tratamento Cirúrgico dos Tumores Hepáticos
Tratamento Cirúrgico dos Tumores HepáticosTratamento Cirúrgico dos Tumores Hepáticos
Tratamento Cirúrgico dos Tumores HepáticosOzimo Gama
 
Câncer de pulmão novembro 2011
Câncer de pulmão novembro 2011Câncer de pulmão novembro 2011
Câncer de pulmão novembro 2011upload718
 
Cirurgia do câncer pancreático
Cirurgia do câncer pancreáticoCirurgia do câncer pancreático
Cirurgia do câncer pancreáticofedericoestudio
 
Pelve feminina ii 18.10.11 final
Pelve feminina ii 18.10.11 finalPelve feminina ii 18.10.11 final
Pelve feminina ii 18.10.11 finalNorberto Werle
 
DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS
DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEISDOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS
DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEISUrovideo.org
 
Hemorragias Digestiva Baixa.pptx
Hemorragias Digestiva Baixa.pptxHemorragias Digestiva Baixa.pptx
Hemorragias Digestiva Baixa.pptxBernabManuelTepa
 

Semelhante a Tumores da bexiga (20)

Tne tgi
Tne tgiTne tgi
Tne tgi
 
Tumores
TumoresTumores
Tumores
 
Tumores do pâncreas atualizado
Tumores do pâncreas atualizadoTumores do pâncreas atualizado
Tumores do pâncreas atualizado
 
6542111 neoplasias-de-tireoide
6542111 neoplasias-de-tireoide6542111 neoplasias-de-tireoide
6542111 neoplasias-de-tireoide
 
Neoplasias fígado
Neoplasias fígadoNeoplasias fígado
Neoplasias fígado
 
Avaliação Imaginológica de Massas Adrenais
Avaliação Imaginológica de Massas AdrenaisAvaliação Imaginológica de Massas Adrenais
Avaliação Imaginológica de Massas Adrenais
 
13 exame proctológico e dst em proctologia
13  exame proctológico e dst em proctologia13  exame proctológico e dst em proctologia
13 exame proctológico e dst em proctologia
 
13 exame proctológico e dst em proctologia
13  exame proctológico e dst em proctologia13  exame proctológico e dst em proctologia
13 exame proctológico e dst em proctologia
 
Tumores de ovário
Tumores de ovárioTumores de ovário
Tumores de ovário
 
A mama
A mamaA mama
A mama
 
Polipose Adenomatosa Familiar
Polipose Adenomatosa FamiliarPolipose Adenomatosa Familiar
Polipose Adenomatosa Familiar
 
Tumores+da+ves%c3%a dcula+biliar
Tumores+da+ves%c3%a dcula+biliarTumores+da+ves%c3%a dcula+biliar
Tumores+da+ves%c3%a dcula+biliar
 
NEOBEXIGA ORTOTÓPICA - Como Previnir Complicações
NEOBEXIGA ORTOTÓPICA - Como Previnir Complicações NEOBEXIGA ORTOTÓPICA - Como Previnir Complicações
NEOBEXIGA ORTOTÓPICA - Como Previnir Complicações
 
Tratamento Cirúrgico dos Tumores Hepáticos
Tratamento Cirúrgico dos Tumores HepáticosTratamento Cirúrgico dos Tumores Hepáticos
Tratamento Cirúrgico dos Tumores Hepáticos
 
Câncer de pulmão novembro 2011
Câncer de pulmão novembro 2011Câncer de pulmão novembro 2011
Câncer de pulmão novembro 2011
 
Cirurgia do câncer pancreático
Cirurgia do câncer pancreáticoCirurgia do câncer pancreático
Cirurgia do câncer pancreático
 
Pelve feminina ii 18.10.11 final
Pelve feminina ii 18.10.11 finalPelve feminina ii 18.10.11 final
Pelve feminina ii 18.10.11 final
 
Aula esôfago
Aula esôfagoAula esôfago
Aula esôfago
 
DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS
DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEISDOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS
DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS
 
Hemorragias Digestiva Baixa.pptx
Hemorragias Digestiva Baixa.pptxHemorragias Digestiva Baixa.pptx
Hemorragias Digestiva Baixa.pptx
 

Tumores da bexiga

  • 1. Universidade Nova de Lisboa-Faculdade de Ciências Médicas Hospital do Curry Cabral Serviço de Urologia Cátia Pires Luciana Fernandes 15.Janeiro.2013
  • 2. 1-Epidemiologia  Carcinoma da bexiga é o tumor maligno mais comum do trato urinário.  É mais frequente nos homens (2-3:1) e na raça caucasiana.  Homem: quarto tumor mais frequente depois dos tumores do pulmão, próstata e colonrectal, responsável por cerca de 6% de todas as neoplasias.  Mulher: constitui 2,5% do total.
  • 3.  A incidência aumenta com a idade, (idade média 60- 70 anos).  Desde a década de 1950 até aos dias de hoje, a incidência destes tumores tem vindo aumentar apesar da redução da mortalidade devido à melhoria dos meios de diagnóstico e terapêutica.
  • 4. 2- Factores de risco TABACO Factores ocupacionais: A maioria são aminas aromáticas. Outros incluem os nitritos e nitratos da dieta, tintas com anilina e outros agentes da indústria automóvel, maquinarias, químicos orgânicos, peles, etc.
  • 5. Abuso de analgésicos: contendo fenacetina. Infeções e inflamações crónicas por cálculos, catéteters, infeção por Schistosoma haematobium. Radioterapia pélvica Ciclofosfamida
  • 6. Acetiladores lentos, transplantados renais, ingestão de arsénio na água, ingestão crónica de volume reduzido de líquidos. Hereditariedade: não existem evidências epidemiológicas para causas hereditárias na maioria dos tumores vesicais.
  • 7. Tabela 1 - Factores etiológicos em relação com carcinoma vesical: . Aminas aromáticas: indústria textil Carcinoma de células de transição . Fenacetinas crónicas (>90%) . Ciclofosfamida .Tabaco: ortofenóis, tiptófano .Irritação crónica do urotélio: - Schistosoma haematobium Carcinomas Escamosos (8%) - Litíase, infecções urinárais crónicas , divertículos, catéteres vesicais. .Cistite glandular .Extrofia vesical Adenocarcinomas (<2%) .Infecções crónicas
  • 8. 3-História Natural • 70% dos tumores vesicais diagnosticados de novo são superficiais (limitados à mucosa (Ta) ou sub-mucosa (T1). • Os restantes são tumores invasivos, (≥ T2). Os locais de metastização mais frequentes: os gânglios, fígado, pulmão e ossos. 50% desenvolvem metástases à distância apesar de tratamento. Esquema de la Estadificación del tumor vesical Manual CTO de Medicina y Cirugía, 2011
  • 9. 4-Tipos histológicos -Aumento do número de camadas celulares Carcinomas do urotélio (distinguindo-se do urotélio normal). (carcinoma de células do epitélio de transição) - O urotélio perde a polaridade, e apresenta (> 90%) núcleos grandes, irregulares e hipercromáticos, com nucléolo proeminente. - Podem ter crescimento papilar (> 70%), séssil ou carcinoma in situ. - Apresenta maior incidência em países onde a infecção urinária por Schistosoma haematobum é endémica. Carcinoma escamoso (8%) - Doentes, em média 10 a 20 anos mais novos do que os doentes com tumores do urotélio. Adenocarcinoma (< 2 %) -Surgem cúpula vesical com aspecto histológico (tumores secretores de muco) semelhante aos adenocarcinomas intestinais. Outros tipos (raros) - Sarcoma, melanoma, tumores carcinóides, carcinoma de pequenas células.
  • 10. Carcinoma do urotélio 1-carcinoma de células do epitélio de transição papilar: - O mais frequente; - Crescimento principalmente endocavitário; - A maioria corresponde a tumores superficiais de baixo grau histológico ( não invasivos) e recorrentes em 50-70% segundo o grau e estadio. 2-Carcinoma do urotélio séssil: -lesão mais sólida e com algum grau de invasão. 3-Carcinoma in situ: -Plano (confinado ao urotélio), eritematoso, geralmente multifocal e de alto grau (anaplásico) fácil invasão, mau prognóstico; -Alta taxa de recidiva; -Progride para tumor infiltrante em 50-75% dos casos; -Tumor papilar ou séssil invadem ou recidivam mais quando associados ao carcinoma in situ.
  • 11. 5-Sinais e Sintomas  Hematúria  Sintomas miccionais irritativos  Polaquiúria, nictúria, urgência, disúria.  Lombalgia Obstrução do tracto urinário superior  Dores abdominais  Edema membros inferiores  Massas pélvicas  Perda de peso, queda do estado geral
  • 12. Causas importantes de hematúria Glomerulares Glomerolonefrite aguda Nefrite lúpica  Hematúria Hematúria familiar benigna Hematúria essencial benigna (Doença de Berger) Síndrome de Goodpasture Hematúria pós esforço físico Renais Doença renal poliquistica Rim esponjoso medular  Sintoma + comum (85%) Necrose papilar Enfarte medular Linfoma Mieloma múltiplo  >50 anos Amiloidose Inflamação e infecção Malformações vasculares  factores de risco Urológicas Neoplasias Cálculos Hiperplasia Prostática Benigna Aperto uretral Endometriose Divertículos, apendicite Aneurisma da aorta abdominal -isolada ou associada a outros Corpos estranhos Infecção do tracto urinário Hematológicas sintomas Coagulopatias Fármacos anticoagulantes Anemia de células falciformes Talassémia Deficiencia de vitamina C Factidiosa Hemorragia vaginal Falsa Pigmentos alimentares Metabolitos de fármacos
  • 13.  Sintomas Irritativos (30%)  Isoladamente ou associados a hematúria. Carcinoma in Situ Tumor invasivo ITU concomitante
  • 14. 6- Exame Objectivo  Pode dar indicação de doença avançada e invasiva.  Exame rectal/ bimanual  Massa pélvica/hipogástrica palpável  Edema membros inferiores  Suspeita de metásteses ganglionares (com adenopatias retroperitoneais).  Normal nos tumores endoluminais.
  • 15. 7-Exames Complementares  Urina II (pesquisa de  IVU (urografia hematúria) intravenosa)  Citologia Urinária  Uro TAC  Ecografia (vesical e renal)  TAC abdomino-pélvica  Cistoscopia  Rx Tórax
  • 16. Citologia Urinária  Sensível para tumores de alto grau  Sensível para CIS
  • 17. Ecografia  Sensível para massas intra-luminais.  Presença/ausência de hidronefrose. Ecografia: Tumor vesical com zonas calcificadas Manual CTO de Medicina y Cirugía, 2011
  • 18. Cistoscopia  Realizada na consulta (instrumento flexível, sem anestesia).  Omitida se tumor visível em eco/outros exames.  Cistoscopia bloco → Biópsias múltiplas (áreas suspeitas) Tumor papilar superficial? → RTU Tamanho, localização, número e Diagnóstico Histológico aparência (papilar ou sólida) das lesões.
  • 19.
  • 20. Urografia Endovenosa  Obstrução do TUS  Dilatação do TUS  Tumores exofíticos.
  • 21. TAC abdomino pélvica  Extensão extravesical.  Envolvimento nodal. (>2cm)  Metásteses à distância. Rx Tórax • Screening inicial de metásteses pulmonares.
  • 22. Tumores não invasivos ????????????? Exames imagiológicos  IVU (urografia intravenosa)  TAC com contraste  Ecografia Citologia urinária Cistoscopia Ressecção Trans-Uretral Biópsias da bexiga e da uretra prostática
  • 23. Sintomas Irritativos Hematúria Sedimento urinário, cultura, ecografia Ecografia e/ou cistoscopia (-) (+) Vigilância (+) Cistoscopia com biópsia (-) (-) (+) (+) não (+) invasivo invasivo Investigar Carcinoma in Situ UIV hematúria UIV Rx Tórax TAC abdomino- pélvica
  • 24. 8-Tratamento, Prognóstico Estabelecimento de estratégias de tratamento e avaliação prognóstica: •estadiamento (TNM) •grau (baixo grau - GI, vs. alto grau – GII/GIII)
  • 25. Europen Association of Urology - Guidelines
  • 26. Sistema de classificação da Características de Grau: OMS 2004 para tumores papilares: Classificação da OMS de 1973 segundo diferentes graus de anaplasia: • Papiloma urotelial (tumor benigno papilar) Grau 1: tumor bem diferenciado • Neoplasia papilar urotelial de Grau 2: tumor moderadamente baixo potencial maligno Diferenciado (PUNLMP) Grau 3: tumor pouco diferenciado • Carcinoma urotelial papilar de baixo grau • Carcinoma urotelial papilar de alto grau PUNLMPs são lesões que não têm características de malignidade .Têm um risco muito baixo de invasão mas com grande tendência a recidivar.
  • 27. 8.1 Tumores não músculo-invasivos (Ta, T1,CIS)  RTU  Quimioterapia intravesical adjuvante (ex: mitomicina)  Imunoterapia intravesical com BCG  Cistectomia
  • 28. Tumores de baixo risco Tumores de risco intermédio Ta, de baixo grau, pequeno, sem Prevenir a recorrência e a CIS: baixo risco de recorrência progressão (recorrência mais frequente) e de progressão  RTU completa  RTU completa  2ª RTU após 4-6 semanas  Quimioterapia intravesical (quando a resseção inicial é pós operatório imediato incompleta)  Não recomendados outros tto  Quimioterapia adjuvante até nova recorrência intravesical (não deve > 1ano) ou Imunoterapia intravesical com BCG
  • 29. Tumores de alto grau Ta, T1 de alto grau com ou sem CIS, ou apenas CIS: elevado risco de progressão  RTU (Ta, T1)  Quimioterapia intravesical pós operatório imediato  2ª RTU após 4-6 semanas (pode ser necessária)  Imunoterapia intravesical com BCG (eleição para CIS)  Cistectomia
  • 30. Follow-up ….tumores múltiplos, grandes (> 3 cm), Maior risco de recorrência e altamente recidivantes (> 1 recidiva/ano) estádio T1, tumores de alto grau, Maior risco de progressão e CIS •O follow-up clínico desta patologia deverá incluir a devida história clínica com retenção, hematúria, análise de urina, cistoscopia e citologia de urina. •O resultado da primeira cistoscopia aos 3 meses após RTU é importante no prognóstico.
  • 31. • Cistoscopia aos 3 mês; BAIXO GRAU • Cistoscopia aos 9 meses; • Anualmente, durante 5 anos. GRAU • Cistoscopia e citologia seguindo um esquema de acordo INTERMÉDIO com factores pessoais e subjectivos. • Cistoscopia e citologia urinária aos 3 meses; • 2 anos seguintes: citologia e cistoscopia de 3 em 3 meses ALTO GRAU • 3º ano: 4 em 4 meses • 4º ano: 6 em 6 meses • Anos posteriores: anualmente
  • 32. 8.2 Tumores invasivos locais  Tratamento  Quimioterapia neoadjuvante  Radioterapia pré cirurgia  Cistectomia e derivação urinária  Tratamento conservador: radioterapia externa, quimioterpia
  • 34. 8.3 Tumores Metastáticos  Tratamento  Quimioterapia  1ª linha (cisplatina)  Carboplatina  2ª linha (vinfluvina)  Bifosfonatos
  • 36. Aspectos essenciais: • O carcinoma vesical mais frequente é o urotelial, sendo o tabaco o principal factor de risco. • O carcinoma escamoso relaciona-se com Schistosoma haematobium • O adenocarcinoma vesical relaciona-se com antecedentes de extrofia vesical • O carcinoma papilar superficial e o carcinoma in situ são muito recorrentes. • Clínica mais frequente do carcinoma urotelial: hematúria macroscópica e sem dor. • Quando se trata de um carcinoma in situ: síntomas irritativos (polaquiúria, disúria, tenesmo, etc.) • O melhor método para estadiamento local é a resseção transureteral • Prova mais sensível para o diagnóstico de CIS: citologia urinária.
  • 37. • Conducta ante un CIS: tratar com Bacilo Calmette-Guerin (BCG) e seguimento com cistoscopia e citologias. •Atitude ante um tumor superficial: resseção tranureteral. Posteriormente, seguimento com cistoscopia e citologías. • Atitude ante um tumor infiltrante (afetação da capa muscular): cistectomía.
  • 38. Bibliografia Siroky, Mike B. , Oates, Robert D. e Babayan, Richard K.; Handbook of Urology: Diagnosis and Therapy; Lippincott Williams & Wilkins Handobook Series, 3º edição Silva, Manuel Mendes; Árvores de Decisão em Clínica Urológica; Associação Portuguesa de Urologia, 2005. Dias, José Santos, Parada, Belmiro e Vendeira, Pedro A.; Urologia em 10 minutos; Associação Portuguesa de Urologia, 2007. Stenzl, Arnulf and others; Treatment of Muscle-Invasive and Metastatic Bladder Cancer: Update of the EAU Guidelines; European Association of Urology, 2011. Stenzl, Arnulf and others; Treatment of Non-Muscle-Invasive Carcinoma of the Bladde, the 2011 Update; European Association of Urology, 2011.