SlideShare uma empresa Scribd logo
ONCOLOGIA
DOSCENTE : GIRLLANE KARLA
TUMOR BENIGNO X TUMOR MALIGNO
• Benigno – protegido por uma capa celular,
morfologicamente com tipo de tecido
parecido, crescimento lente, sem fonte de
nutriente
• Maligno- agressivo , desprendimento e
levando o fragmento fazendo o
comprometimento, morfologicamente com
diferencialmente do tecido, vaso sanguíneo
que alimenta tendo ação rápida
METAPLASIA /DISPLASIA
/BENIGNA /NEOPLASIA MALIGNA
• A principal diferença entre metaplasia e displasia é que o A metaplasia é a
alteração inicial das células normais para um tipo celular diferente, enquanto
a displasia é o aumento do grau de crescimento desordenado e maturação de
um tecido. Além disso, a metaplasia é não-cancerosa, enquanto a displasia
pode ser cancerosa.
Observação celular através
de lâminas ( microscópio)
O que é câncer?
• Quando a divisão celular se torna
• descontrolada por alguma razão , as células se
• dividem de forma desordenada formando um
• tumor.
• Tumor benigno – não se dissemina para outras
• partes do corpo
• Tumor maligno – se disseminam além do sítio
• original , por via hematológica ou linfática.
Oncogênese
• Carcinógenos- elementos
lesivos que
• acarretam um aumento na
probabilidade
• de lesões no DNA( radiação ,
inflamação
• crônica , fumo,alguns vírus
Oncogênese
• Estágio de iniciação -Alteração no DNA
• causada por vários
• fatores
Estágio de promoção
• a célula
• geneticamente
• alterada sofre a ação
• de fatores
• cancerígenos
Oncogênese
• Estágio de progressão - último estágio que se
• caracteriza pela multiplicação descontrolada e
• irreversível das células alteradas
• MULTIPLICACAO DESCONTROLADA DAS CELULAS ALTERADAS
• ACUMULO DE CELULAS CANCEROSAS
• TUMOR
Tipos de câncer
• Carcinomas - 85 % dos tumores são
• carcinomas, se originam do tecido que
• cobre os órgãos ou a pele .
• Sarcomas- 6% dos tumores se originam
• de tecidos como ossos, músculo e tecido
• gorduroso.
• Leucemias e linfomas – 5% , se originam
• na medula óssea e no sistema linfático
O que causa o câncer?
• Pode ser causado por fatores externos
• (substâncias químicas , irradiação e vírus) e
• internos (hormônios , condições imunológicas e
• mutações genéticas). Os fatores causais podem
• agir em conjunto ou em seqüência para iniciar
• ou promover o processo de carcinogênese. Em
• geral 10 ou mais anos se passam entre
• exposições ou mutações e a detecção do câncer
O câncer é hereditário ?
• Em geral, o câncer não é hereditário.
• Alguns raros casos são herdados . No
• entanto existem alguns fatores genéticos
• que tornam determinadas pessoas mais
• sensíveis a ação de carcinógenos ambientais.
Fatores biológicos
• Pessoas que não herdaram genes mutados
• podem desenvolver câncer em razão de
• alterações genéticas provocadas por certas
• infecções por vírus ou bactérias .
• EX: -câncer de fígado por hepatite B ou C .
• - câncer de colo de útero e pênis -
• relacionado ao papiloma vírus
Fatores químicos
• Agrotóxicos
• Poluentes atmosféricos
• Alcoolismo e tabagismo
• Alimentação (rica em gorduras e frituras e
• pobre em verduras , frutas e cereais)
• Exposição prolongada ao sol
• Estilo de vida :tensões emocionais , pressões ,
• má alimentação, sono, traumas, episódios
• prolongados de depressão podem contribuir
• para que os fatores acima causem mutação
• Genética uma em cada três pessoas
Como o câncer é tratado ?
• Cirurgia
• Tecido para diagnóstico histológico
• Redução do volume tumoral
• Ressecção com intenção de cura
• Tratamento de emergências oncológicas
• Tratamento primário para doença localizada
• Reconstrução ou reabilitação
• Paliação de sintomas relacionados ao tumor
• Uso profilático em pacientes de alto-risco
Como o câncer é tratado ?
• Cirurgico
• Quimioterapia
• Radiotrepia
• Curativa
• Paliativa
Cont.
• Quimio, hormonio e imunoterapia
• Curativa
• Adjuvante
• Neoadjuvante
• Paliativa
Cura?
• Muitas pessoas com câncer podem ser
• curadas desde que tratados em estágios
• iniciais. Mesmo quando não podem ser
• curadas pode ser controlado por meses o anos.
Principais tipos de
câncer no RN
• HOMENS
• 1° próstata
• 2° pele
• 3° estômago
• 4° pulmão
• 5° leucemias
• 6° cólon e reto /
• boca
• MULHERES
1° mama
2° pele
3° colo de útero
4° estômago
5° cólon e reto
/leucemia
6° pulmão
APRESENTAÇÃO CLÍNICA
• mal estar
• infecções
• palidez
• equimoses
• hepatoesplenomegalias
• linfadenopatia
• dor óssea
Abordagem do paciente com
câncer
• Biópsia
• Achados clínicos
• Exames de imagem
• Diagnóstico de Câncer
• estadiamento
• Intenções
• Terapêutica
• Decisão terapêutica
Câncer de próstata
PSA
Câncer de
testículo
AFP, hCG
Câncer pancreático
CA 19-9
Câncer
de
mama
CA 15-3
Câncer de ovário
CA 125
Marcadores tumorais
OBJETIVO DO
ESTADIAMENTO
• Ajudar o medico no planejamento
• Dar alguma indicação do prognostico
• Ajudar na avaliação dos resultado dos tratamentos
• Facilitar a troca de informações entre o centro de tratamento
• Contribuir para a pesquisa continua sobre o câncer humano
• O principal proposito a ser conseguido pela concordância internacional na classificação dos
casos de câncer pela extensão da doença é fornecer um método que permita comparações
entre experiencias clinicas.
• Avaliação do inicio para o fim do tratamento , fazendo com que seja feita avaliação se esta
sendo eficaz o ttt ou não . Tratamento clinico, quimio, radio., a classificação independente
onde o paciente vá , vai ser o mesmo.
CONT..
ESTADIAMENTO
• Uma avaliação diagnostica que determina o tamanho do tumor e a existência
de invasão local , mestástase e a distância.
• Existem vários sistemas de estadiamento do tumor, porem vamos nos ater a
avaliação mais utilizada e conhecida internacionalmente que é o TMN.
• T- Para o tumor primário
• N- para linfonodos, o câncer que se disseminou para os linfonodos próximos.
• M- para metástase, o câncer que se disseminou para partes distantes do
organismo.
T PARA TUMOR PRIMÁRIO
• Categoria T fornece informações sobre aspectos do tumor primário , como seu tamanho ,
quão profundamente se desenvolveu no órgão em que se originou e quanto invadiu os
tecidos adjacentes.
• TX- significa que o tumor não pode ser avaliado ou não existe.
• T0- significa que não existe evidencia de tumor primário ( não pode ser encontrado )
• Tis- significa que as células cancerígenas estão se desenvolvendo apenas na camada mais
superficial do tecido, sem invadir tecidos mais profundos, podendo ser chamado de câncer
in situ.( não invadiu os tecidos próximos mas existe superficialmente e localizado )
• os números que aparecem após o T ( como T1,T2,T3 e T4 ) descreve o tamanho do tumor
ou disseminação da doença nas proximidades. Quanto mais alto o numero atribuído a T
maior é a disseminação nos tecido próximos.
N PARA LINFONODOS. DISSEMINAÇÃO
PARA OS LINFONOSDOS PRÓXIMOS
• NX- significa que os linfonodos não podem ser avaliados
• N0- significa que os linfonodos vizinhos não contem câncer
• Os números que aparecem após o N ( N1,N2 e N3) descrevem o
tamanho, localização , numero de linfonodos com a doença. Quanto
mais alto o numero atribuído a N, mais o câncer está disseminado
para os linfonodos.
M – AUSÊNCIA OU PRESENÇA DE
METÁSTASE Á DISTÂNCIA
• M0- significa que nenhuma disseminação foi encontrada
• M1- significa que o câncer se disseminou para tecidos e órgãos distante (
metástase á distância forma encontradas)
AGRUPAMENTO DOS ESTÁGIOS
• A gradação refere-se à classificação da células tumorais.
• Para a maioria dos cânceres , o estágio utiliza um numero de I a IV, onde o
estágio IV (4) é o mais elevado do que a fase imediatamente anterior e assim
sucessivamente.
Biópsia
• Avaliar expansão , infiltração, tamanho ( exames de
imagem ressonância/tc/ultra)
• Para fechar diagnóstico de câncer só a biópsia
• ( marcador tumoral , TNM, metástase )
• Tipos de biópsia- excisional/incisional /punch
• ( por via cirúrgica)
aspirativa ou por agulha
( mamas/tiréoide/fígado/rins)
SINAIS DE ALERTA PARA CÂNCER
• Feridas que não cicatrizam
• Hemorragias
• Rouquidão
• Alterações de pintas, verrugas e outro sinais
• Caroços ou áreas intumescidas
• disfagia., anorexia
• Alterações intestinais e urinárias
• Emagrecimento sem explicações
QUIMIOTERAPIA/ ANTINEOPLÁSICO
CONCEITO: é o uso de medicamento, que se mistura no sangue para destruir as células
doentes que formam o tumor, pode ser por via oral através Comprimido, capsula ou liquido ,
intravenosa na veia, por cateter, dentro do soro, por via IM, SC, em casos raros intracranial,
espinha dorsal, via tópica .
MECANISMO: os agentes utilizado tanto afetam as células normais como as neoplásicas
( boas como as ruins) .Acarretando maior dano as malignas .
Vai ser planejada de acordo com o tumor
CRITÉRIO PARA ADMINISTRAÇÃO
• Para evitar os efeitos tóxicos intoleráveis dos quimioterápicos e eles ponham e risco
a vida do paciente, são obedecidos critérios para indicação da quimio.
• Esses critérios são variáveis e dependem das condições clinicas e das drogas
selecionadas para o tratamento.
• Criterios : menos de 10% de perda de peso corporal desde do inicio da doença,
ausência de infecção ou infecção presente mas sob controle, hemoglobina menor
que 10g/dl, leucócitos menor que 4000/mm3, plaquetas menor que 150.00/mm3,
neutrófilos 2.000/mm3, dosagem séricas , ureia maior que 50mg/dl, creatinina
maior 1,5mg/dl, acido úrico maior que 5,0 ui/ml.
CLASSIFICAÇÃO
• A classificação é conforme a sua atuação sobre o ciclo celular.
• 1° ciclo-inespecífico- atuam nas células que estão ou não no ciclo
proliferativo, ex: a mostarda nitrogenada.
• 2° ciclo –inespecífico- atuam somente na células que se encontram em
proliferação. Ex : ciclofosfamida.
• 3° fase- específicos- atuam em determinadas fases do ciclo celular, ex:
metotrexato, etoposídeo e a vincristina.
FINALIDADE
• Finalidade da Quimioterapia –
• adjuvante ou proliferativa
• Indicada após o tratamento cirúrgico, curativo, , quando o paciente não apresenta qualquer
evidência de neoplasia maligna detectável por exame físico e exames complementares.
• Controle temporário da doença ( reincidiva)
• Indicada para o tratamento de tumores sólidos, avançados ou recidivados. Permitindo longa
sobrevida ( meses ou anos) mas sem possibilidade de cura, sendo porem possível obter-se o
aumento da sobrevida global do paciente.
• Paliativa
• Paliação dos sinais e sintomas que comprometem a capacidade funcional do paciente, não
repercutindo na sobrevida incurabilidade do tumor.
TOXIDADE
• Quimioterápicos não atuam exclusivamente sobre as
células tumorais. As estruturas que se renovam
constantemente, como medula óssea, pelos e a
mucosas do tubo digestivo, são também atingidos pela
ação do quimioterápicos.
• É possível que a quimio seja aplicada repetidamente,
desde que observado o intervalo de tempo necessário
para a recuperação da medula óssea e da mucosa do
tubo digestivo, por esse motivo a quimio é aplicada em
ciclo periódicos. ( definidos pelo oncologista)
• Nem todo quimioterápicos tem efeitos indesejados.
ONCOLOGIA
EQUIPE MULTIDISCIPLINAR
• MEDICO RADIOTERAPEUTA
• FISICO MEDICO
• TECNICO OU TECNOLOGO EM RADIOTERAPIA
MÉDICO
Avalia o paciente , decide a dose de radiação a ser
aplicada, planeja o tratamento, acompanha o paciente
durante sua evolução.
FISICO
• Calcula a dose a ser aplicada em cada paciente, acompanha o planejamento,
realiza o controle de qualidade na ausência do dosimetrista
TECNICO/ TECNOLOGO EM
RADIOLOGIA
• Verificar e conferir diagnostico
• Explicar ao paciente como sera realizado o tratamento
• Prepara a sala de tratamento
• Manter as marcações do paciente
• Colaborar na simulação e planejamento
• Observar possíveis reações
RADIOTERAPIA ( curativa/paliativa)
• Radioterapia é uma forma de tratamento que usa radiação ionizante,( destruir ou
impedir celular tumorais para não desenvolver)
• quando a radiação é proveniente de um aparelho com uma unidade de cobalto 60
ou acelerador linear, nos quais as fontes encontra-se em uma distancia mínima de 15
a 20 cm e máximo de 1,20 a 5 metros do paciente essa forma de tratamento é
conhecida como TELETERAPIA.
• A maneira de elevar esta dose é empregar pequenas fontes de radiação em contato
direto com o tumor, esse segundo método é chamado de BRAQUITERAPIA.
• De 1 a 2 x por semana pode ser combinada com quimio .de acordo com extenção e
localização.
Teleterapia x Braquiterapia
• Reduzindo pressão devido ao tumor/
hemorragias.
• Simulador através do exame de
imagem o medico delimita a região a
ser tratada delimitando a área com
uma tinta vermelha ou molde de
plástico , pra que a radiação atinja só
a região marcada. Sendo externa
teleterapia 2 a 7
semanas/braquiterapia interna,
cobalto 60, césio 137, ou acelerador
linear, trasmitido do aparelho para
aplicadores.
RADIOTERAPIA
Teleterapia braquiterapia
Terapia a distancia
Aceleradores lineares
Cobaltoterapia 60°co
Terapia de contato
Low dose
High dose
ACELERADOR LINEAR
ONCOLOGIA
TRANSPLANTE DE MÉDULA
O transplante de células-tronco
hematopoéticas, comumente
chamado de transplante de medula
óssea, consiste na substituição de
uma medula óssea doente ou
deficitária por células-tronco
hematopoéticas normais obtidas
da medula óssea, do sangue
periférico ou de sangue de cordão
umbilical e placentário, com o
objetivo de normalizar a formação
e desenvolvimento celular.
CIRURGIAS
As biópsias realizadas durante a cirurgia
são denominadas biópsias cirúrgicas.
Cirurgia para estadiamento do câncer. É
realizada para diagnosticar o tipo de
câncer e se existe disseminação da
doença. Durante o procedimento, a área
em torno do tumor, incluindo os
linfonodos e órgãos adjacentes, é
examinada minuciosamente.
EQUIPE DE ENFERMAGEM
• Os principais objetivos :
• Cura , prolongamento da vida útil, melhora na qualidade de vida.
• Promover, manter e estabelecer a saúde do paciente oncológico.
• Equipe multiprofissional- médicos , enfermeiros, técnicos de enfermagem,
nutricionista , fisioterapeuta, assistência social e psicólogos.
EPI’s
• Cuidados ao Paciente em Tratamento de
• Quimioterápico e radioterápicos EPI’s
• Administração
• 1 par de luvas de procedimentos
• Capa descartável, capote de chumbo, proteção tireoide
• Mascara descartável Excretas
• Gorro Óculos Máscara de carvão ativado
• Capa descartável 2 pares de luvas de procedimentos
Cuidados de enfemagem
• Riscos de infecção , avaliação de locais para medicações intravenosa( troca de
sistemas 72/96 hrs), evitar administração de medicamentos por via
intramuscular ( devido a plaquetopenia, extravasamento tecidual,
sangramento, porta de entrada para infecções)
• Integridade da pele prejudicada –eritemas ( evitar cosméticos, perfumes,
talcos, desodorantes, evitar arranhões , efregar, preferir água morna, usar
roupas confortáveis de algodão, pomadas a base de vitamina A e D, não
romper bolhas,
Cont.
• Avaliar cavidade oral- índices de mucosites , estomatites, consultar médico adm de
analgésico e anestésicos tópicos .
• Perda do cabelo- minimizar a queda, cortar longos antes do tratamento, usar boné,
filtro solar ao se expor ao sol, evitar pentear excessivamente, lubrificar o couro
cabeludo com pomadas vitamina A e D.
• Comprar perucas, apliques, usar boné, cachecol ou turbante, com retorno do
crescimento pós terapia.
• Nutrição- ajustar dieta, refeições menores, limitar líquidos na hora da refeição,
alimentos preferidos, evitar alimentos processados, com alto teor em açúcar.
DOR CRÔNICA
• Usar escala de dor 0 a 10.
• Acreditar na dor do paciente.
• Estratégias para alivio da dor,
manipulação de frio e calor,
massagens, atividade física.
CUIDADOS PALIATIVOS
Cuidados paliativos
• Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), os cuidados paliativos são um conjunto de
cuidados, feitos para a pessoa que sofre de uma doença grave ou incurável, e também sua família,
com o objetivo de aliviar o seu sofrimento, melhorando o bem-estar e a qualidade de vida.
• Físicos: servem para tratar os sintomas físicos que podem ser incômodos como dor, falta de ar,
vômitos, fraqueza ou insônia, por exemplo;
• Psicológicos: cuidam dos sentimentos e de outros sintomas psicológicos negativos, como
angústia ou tristeza;
• Sociais: oferecem apoio na gestão de conflitos ou obstáculos sociais, que podem prejudicar o
cuidado, como falta de alguém para prestar os cuidados;
• Espirituais: reconhecer e apoiar em relação a questões como oferecer auxílio religioso ou
orientações em relação ao sentido da vida e da morte.
AGENTES FARMACOLOGICOS
• CONTROLE DA DOR:
• Analise de prescrição medica, interações medicamento
ENFERMAGEM/ PRESCRIÇÃO
• Ansiedade, produz medo e mais dor.
• Fontes de dor no CA: metástase óssea,
• compressão nervosa e infiltração,
• obstrução linfática e venosa, isquemia,
• obstrução orgânica, inflamação,
• ulceração, infecção.
• Administrar analgésicos, com medicamento auxiliares – cpm –
• antieméticos, antidepressivos,
• ansiolíticos, anestésicos locais...
Promover a nutrição:
• Preparar alimentos que pareçam ter paladar
• agradável.
• Membros da família são incluídos para encorajar a
• ingesta de alimentos.
• Respeitar a preferência do paciente.
• Refeições pequenas e freqüentes.
• Higiene oral e medidas de controle de dor
• Reposição de enzimas e vitaminas.
• SNG/SNE/NTP – Nutrição parenteral total. cateter central de inserção
periférica (PICC) acesso venoso delonga duração
Aliviando a dor:
• Dor aguda ligado à cirurgia.
• Síndrome crônicas – neuropatias pós cirúrgicas.
• Alguns agentes quimioterápicos causam necrose
• tecidual, neuropatias periféricas, estomatites.
• Radioterapia causa dor cutânea ou orgânica.
• Comumente a dor do CA é irreversível e não resolve
• rapidamente.
• Sinal que o TU está crescendo e a morte está chegando.
Diminuindo a fadiga:
• Auxiliar o paciente em como lidar com a fadiga:
• Alternância de períodos de repouso e atividades,
• Exercício regular e leve – tira o repouso excessivo,
• Priorização das atividades necessárias, Monitorar oxigenação e equilíbrio
hidroeletrolítico.
• Pacientes que trabalham fora podem necessitar de redução de carga
• horária, Refeições em pequenas quantidades e mais vezes ao dia
• Auxiliar nas mudanças de função e responsabilidades,
• Aconselhamento nutricional,
• Alívio da dor, o Monitorização das deficiências hematológicas,
Fisioterapia,
Melhorando a imagem corporal:
• Realizar abordagem positiva,
• Encorajar a independência e participação no auto-cuidado.
• Discutir sobre os sentimentos negativos e angústias,
• Grupos de apoio,
• Encorajar uso de peruca, chapéu, maquiagem,
• Se a sexualidade está sendo comprometida, encorajar a
• buscar ajuda adicional com o cônjuge.
Auxiliando no processo de luto:
• Um diagnóstico de CA não é necessariamente um
• resultado fatal.
• O luto é uma resposta normal.
• Perda de planos para o futuro.
• Apoio da equipe multidisciplinar.
• Estar pronto para responder perguntas.
• Grupos de apoio.
• Paciente terminal – passam por vários estágios de luto,
• a equipe tenta coordenar sentimentos e reações.
• Suporte físico
Agora vamos estudar!!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Paciente oncológico - Assistência de Enfermagem
Paciente oncológico - Assistência de EnfermagemPaciente oncológico - Assistência de Enfermagem
Paciente oncológico - Assistência de Enfermagem
Bruna Guimarães
 
Carcinogenese e Bases Moleculares Da Oncologia
Carcinogenese e Bases  Moleculares Da OncologiaCarcinogenese e Bases  Moleculares Da Oncologia
Carcinogenese e Bases Moleculares Da Oncologia
Carlos Frederico Pinto
 
Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2
Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2
Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2
Aline Bandeira
 
Oncologia básica
Oncologia básicaOncologia básica
Oncologia básica
Letícia Spina Tapia
 
10. quimioterápicos 20 e 21 maio
10. quimioterápicos 20 e 21 maio 10. quimioterápicos 20 e 21 maio
10. quimioterápicos 20 e 21 maio
Luiz Gonçalves Mendes Jr
 
Aula do centro cirurgico
Aula do centro cirurgicoAula do centro cirurgico
Aula do centro cirurgico
Zeca Ribeiro
 
Cancer
CancerCancer
Introdução à semiologia
Introdução à semiologiaIntrodução à semiologia
Introdução à semiologia
Lucimar Campos
 
Oncologia +i
Oncologia +iOncologia +i
Saúde da Mulher
Saúde da MulherSaúde da Mulher
Saúde da Mulher
Stefanny Corrêa
 
Saúde Coletiva.pptx
Saúde Coletiva.pptxSaúde Coletiva.pptx
Saúde Coletiva.pptx
Juliana Cavalcante
 
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIA
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIADOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIA
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIA
Ana Carolina Costa
 
Sae
SaeSae
Pnab -programa nacional da Atenção básica
Pnab -programa nacional da Atenção básicaPnab -programa nacional da Atenção básica
Pnab -programa nacional da Atenção básica
Jarquineide Silva
 
câncer
câncercâncer
Assistencia de Enfermagem ao Cliente Terminal
Assistencia de Enfermagem ao Cliente TerminalAssistencia de Enfermagem ao Cliente Terminal
Assistencia de Enfermagem ao Cliente Terminal
Karla Ntz
 
Palestra tce 2
Palestra tce 2Palestra tce 2
Palestra tce 2
neuroliga-nortemineira
 
Cancer colo do utero
Cancer colo do uteroCancer colo do utero
Cancer colo do utero
jessica sanielly
 
Cuidados de Enfermagem pre e pos operatorios
Cuidados de Enfermagem pre e pos operatoriosCuidados de Enfermagem pre e pos operatorios
Cuidados de Enfermagem pre e pos operatorios
Eduardo Bernardino
 
Neoplasias do Sistema Reprodutor Feminino
Neoplasias do Sistema Reprodutor Feminino Neoplasias do Sistema Reprodutor Feminino
Neoplasias do Sistema Reprodutor Feminino
Jorge Luiz de Souza Neto
 

Mais procurados (20)

Paciente oncológico - Assistência de Enfermagem
Paciente oncológico - Assistência de EnfermagemPaciente oncológico - Assistência de Enfermagem
Paciente oncológico - Assistência de Enfermagem
 
Carcinogenese e Bases Moleculares Da Oncologia
Carcinogenese e Bases  Moleculares Da OncologiaCarcinogenese e Bases  Moleculares Da Oncologia
Carcinogenese e Bases Moleculares Da Oncologia
 
Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2
Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2
Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2
 
Oncologia básica
Oncologia básicaOncologia básica
Oncologia básica
 
10. quimioterápicos 20 e 21 maio
10. quimioterápicos 20 e 21 maio 10. quimioterápicos 20 e 21 maio
10. quimioterápicos 20 e 21 maio
 
Aula do centro cirurgico
Aula do centro cirurgicoAula do centro cirurgico
Aula do centro cirurgico
 
Cancer
CancerCancer
Cancer
 
Introdução à semiologia
Introdução à semiologiaIntrodução à semiologia
Introdução à semiologia
 
Oncologia +i
Oncologia +iOncologia +i
Oncologia +i
 
Saúde da Mulher
Saúde da MulherSaúde da Mulher
Saúde da Mulher
 
Saúde Coletiva.pptx
Saúde Coletiva.pptxSaúde Coletiva.pptx
Saúde Coletiva.pptx
 
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIA
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIADOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIA
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIA
 
Sae
SaeSae
Sae
 
Pnab -programa nacional da Atenção básica
Pnab -programa nacional da Atenção básicaPnab -programa nacional da Atenção básica
Pnab -programa nacional da Atenção básica
 
câncer
câncercâncer
câncer
 
Assistencia de Enfermagem ao Cliente Terminal
Assistencia de Enfermagem ao Cliente TerminalAssistencia de Enfermagem ao Cliente Terminal
Assistencia de Enfermagem ao Cliente Terminal
 
Palestra tce 2
Palestra tce 2Palestra tce 2
Palestra tce 2
 
Cancer colo do utero
Cancer colo do uteroCancer colo do utero
Cancer colo do utero
 
Cuidados de Enfermagem pre e pos operatorios
Cuidados de Enfermagem pre e pos operatoriosCuidados de Enfermagem pre e pos operatorios
Cuidados de Enfermagem pre e pos operatorios
 
Neoplasias do Sistema Reprodutor Feminino
Neoplasias do Sistema Reprodutor Feminino Neoplasias do Sistema Reprodutor Feminino
Neoplasias do Sistema Reprodutor Feminino
 

Semelhante a ONCOLOGIA

Estadiamento do Câncer.pptx
Estadiamento do Câncer.pptxEstadiamento do Câncer.pptx
Estadiamento do Câncer.pptx
MIRIAN FARIA
 
Câncer
CâncerCâncer
Câncer
portoseguro
 
Câncer e o ciclo celular
Câncer e o ciclo celularCâncer e o ciclo celular
Câncer e o ciclo celular
Luane Carenina
 
Câncer e o ciclo celular
Câncer e o ciclo celularCâncer e o ciclo celular
Câncer e o ciclo celular
Luane Carenina
 
oncologia aula 1.pptx
oncologia aula 1.pptxoncologia aula 1.pptx
oncologia aula 1.pptx
KarinyNayara1
 
[c7s] Desvendando fisiopatologias
[c7s] Desvendando fisiopatologias[c7s] Desvendando fisiopatologias
[c7s] Desvendando fisiopatologias
7 de Setembro
 
CâNcer
CâNcerCâNcer
CâNcer
ISJ
 
Cancro
CancroCancro
Cancro
NeinhaARMR
 
Apresentação.pptx
Apresentação.pptxApresentação.pptx
Apresentação.pptx
ArtthurPereira2
 
Apresentação-1.pptx
Apresentação-1.pptxApresentação-1.pptx
Apresentação-1.pptx
ArtthurPereira2
 
O Cancro
O CancroO Cancro
O Cancro
AnaGomes40
 
Câncer de Testículo
Câncer de TestículoCâncer de Testículo
Câncer de Testículo
Oncoguia
 
Câncer de ânus
Câncer de ânusCâncer de ânus
Câncer de ânus
Elís Souza
 
Tumores em pediatria (ppt)
Tumores em pediatria (ppt)Tumores em pediatria (ppt)
Tumores em pediatria (ppt)
Universidade Norte do Paraná
 
Pink Black Illustrative The Human Body Presentation.pdf
Pink Black Illustrative The Human Body Presentation.pdfPink Black Illustrative The Human Body Presentation.pdf
Pink Black Illustrative The Human Body Presentation.pdf
xps5hcdkg8
 
Pink Black Illustrative The Human Body Presentation.pdf
Pink Black Illustrative The Human Body Presentation.pdfPink Black Illustrative The Human Body Presentation.pdf
Pink Black Illustrative The Human Body Presentation.pdf
xps5hcdkg8
 
Pink Black Illustrative The Human Body Presentation.pdf
Pink Black Illustrative The Human Body Presentation.pdfPink Black Illustrative The Human Body Presentation.pdf
Pink Black Illustrative The Human Body Presentation.pdf
xps5hcdkg8
 
ESTETICAEMONCOLOGIA
ESTETICAEMONCOLOGIAESTETICAEMONCOLOGIA
ESTETICAEMONCOLOGIA
RogerioJR3
 
Ca De Mama
Ca De MamaCa De Mama
Ca De Mama
Dezao Eta nois
 
Câncer de Pênis
Câncer de PênisCâncer de Pênis
Câncer de Pênis
Oncoguia
 

Semelhante a ONCOLOGIA (20)

Estadiamento do Câncer.pptx
Estadiamento do Câncer.pptxEstadiamento do Câncer.pptx
Estadiamento do Câncer.pptx
 
Câncer
CâncerCâncer
Câncer
 
Câncer e o ciclo celular
Câncer e o ciclo celularCâncer e o ciclo celular
Câncer e o ciclo celular
 
Câncer e o ciclo celular
Câncer e o ciclo celularCâncer e o ciclo celular
Câncer e o ciclo celular
 
oncologia aula 1.pptx
oncologia aula 1.pptxoncologia aula 1.pptx
oncologia aula 1.pptx
 
[c7s] Desvendando fisiopatologias
[c7s] Desvendando fisiopatologias[c7s] Desvendando fisiopatologias
[c7s] Desvendando fisiopatologias
 
CâNcer
CâNcerCâNcer
CâNcer
 
Cancro
CancroCancro
Cancro
 
Apresentação.pptx
Apresentação.pptxApresentação.pptx
Apresentação.pptx
 
Apresentação-1.pptx
Apresentação-1.pptxApresentação-1.pptx
Apresentação-1.pptx
 
O Cancro
O CancroO Cancro
O Cancro
 
Câncer de Testículo
Câncer de TestículoCâncer de Testículo
Câncer de Testículo
 
Câncer de ânus
Câncer de ânusCâncer de ânus
Câncer de ânus
 
Tumores em pediatria (ppt)
Tumores em pediatria (ppt)Tumores em pediatria (ppt)
Tumores em pediatria (ppt)
 
Pink Black Illustrative The Human Body Presentation.pdf
Pink Black Illustrative The Human Body Presentation.pdfPink Black Illustrative The Human Body Presentation.pdf
Pink Black Illustrative The Human Body Presentation.pdf
 
Pink Black Illustrative The Human Body Presentation.pdf
Pink Black Illustrative The Human Body Presentation.pdfPink Black Illustrative The Human Body Presentation.pdf
Pink Black Illustrative The Human Body Presentation.pdf
 
Pink Black Illustrative The Human Body Presentation.pdf
Pink Black Illustrative The Human Body Presentation.pdfPink Black Illustrative The Human Body Presentation.pdf
Pink Black Illustrative The Human Body Presentation.pdf
 
ESTETICAEMONCOLOGIA
ESTETICAEMONCOLOGIAESTETICAEMONCOLOGIA
ESTETICAEMONCOLOGIA
 
Ca De Mama
Ca De MamaCa De Mama
Ca De Mama
 
Câncer de Pênis
Câncer de PênisCâncer de Pênis
Câncer de Pênis
 

ONCOLOGIA

  • 2. TUMOR BENIGNO X TUMOR MALIGNO • Benigno – protegido por uma capa celular, morfologicamente com tipo de tecido parecido, crescimento lente, sem fonte de nutriente • Maligno- agressivo , desprendimento e levando o fragmento fazendo o comprometimento, morfologicamente com diferencialmente do tecido, vaso sanguíneo que alimenta tendo ação rápida
  • 3. METAPLASIA /DISPLASIA /BENIGNA /NEOPLASIA MALIGNA • A principal diferença entre metaplasia e displasia é que o A metaplasia é a alteração inicial das células normais para um tipo celular diferente, enquanto a displasia é o aumento do grau de crescimento desordenado e maturação de um tecido. Além disso, a metaplasia é não-cancerosa, enquanto a displasia pode ser cancerosa.
  • 4. Observação celular através de lâminas ( microscópio)
  • 5. O que é câncer? • Quando a divisão celular se torna • descontrolada por alguma razão , as células se • dividem de forma desordenada formando um • tumor. • Tumor benigno – não se dissemina para outras • partes do corpo • Tumor maligno – se disseminam além do sítio • original , por via hematológica ou linfática.
  • 6. Oncogênese • Carcinógenos- elementos lesivos que • acarretam um aumento na probabilidade • de lesões no DNA( radiação , inflamação • crônica , fumo,alguns vírus
  • 7. Oncogênese • Estágio de iniciação -Alteração no DNA • causada por vários • fatores Estágio de promoção • a célula • geneticamente • alterada sofre a ação • de fatores • cancerígenos
  • 8. Oncogênese • Estágio de progressão - último estágio que se • caracteriza pela multiplicação descontrolada e • irreversível das células alteradas • MULTIPLICACAO DESCONTROLADA DAS CELULAS ALTERADAS • ACUMULO DE CELULAS CANCEROSAS • TUMOR
  • 9. Tipos de câncer • Carcinomas - 85 % dos tumores são • carcinomas, se originam do tecido que • cobre os órgãos ou a pele . • Sarcomas- 6% dos tumores se originam • de tecidos como ossos, músculo e tecido • gorduroso. • Leucemias e linfomas – 5% , se originam • na medula óssea e no sistema linfático
  • 10. O que causa o câncer? • Pode ser causado por fatores externos • (substâncias químicas , irradiação e vírus) e • internos (hormônios , condições imunológicas e • mutações genéticas). Os fatores causais podem • agir em conjunto ou em seqüência para iniciar • ou promover o processo de carcinogênese. Em • geral 10 ou mais anos se passam entre • exposições ou mutações e a detecção do câncer
  • 11. O câncer é hereditário ? • Em geral, o câncer não é hereditário. • Alguns raros casos são herdados . No • entanto existem alguns fatores genéticos • que tornam determinadas pessoas mais • sensíveis a ação de carcinógenos ambientais.
  • 12. Fatores biológicos • Pessoas que não herdaram genes mutados • podem desenvolver câncer em razão de • alterações genéticas provocadas por certas • infecções por vírus ou bactérias . • EX: -câncer de fígado por hepatite B ou C . • - câncer de colo de útero e pênis - • relacionado ao papiloma vírus
  • 13. Fatores químicos • Agrotóxicos • Poluentes atmosféricos • Alcoolismo e tabagismo • Alimentação (rica em gorduras e frituras e • pobre em verduras , frutas e cereais) • Exposição prolongada ao sol • Estilo de vida :tensões emocionais , pressões , • má alimentação, sono, traumas, episódios • prolongados de depressão podem contribuir • para que os fatores acima causem mutação • Genética uma em cada três pessoas
  • 14. Como o câncer é tratado ? • Cirurgia • Tecido para diagnóstico histológico • Redução do volume tumoral • Ressecção com intenção de cura • Tratamento de emergências oncológicas • Tratamento primário para doença localizada • Reconstrução ou reabilitação • Paliação de sintomas relacionados ao tumor • Uso profilático em pacientes de alto-risco
  • 15. Como o câncer é tratado ? • Cirurgico • Quimioterapia • Radiotrepia • Curativa • Paliativa
  • 16. Cont. • Quimio, hormonio e imunoterapia • Curativa • Adjuvante • Neoadjuvante • Paliativa
  • 17. Cura? • Muitas pessoas com câncer podem ser • curadas desde que tratados em estágios • iniciais. Mesmo quando não podem ser • curadas pode ser controlado por meses o anos.
  • 18. Principais tipos de câncer no RN • HOMENS • 1° próstata • 2° pele • 3° estômago • 4° pulmão • 5° leucemias • 6° cólon e reto / • boca • MULHERES 1° mama 2° pele 3° colo de útero 4° estômago 5° cólon e reto /leucemia 6° pulmão
  • 19. APRESENTAÇÃO CLÍNICA • mal estar • infecções • palidez • equimoses • hepatoesplenomegalias • linfadenopatia • dor óssea
  • 20. Abordagem do paciente com câncer • Biópsia • Achados clínicos • Exames de imagem • Diagnóstico de Câncer • estadiamento • Intenções • Terapêutica • Decisão terapêutica
  • 21. Câncer de próstata PSA Câncer de testículo AFP, hCG Câncer pancreático CA 19-9 Câncer de mama CA 15-3 Câncer de ovário CA 125 Marcadores tumorais
  • 22. OBJETIVO DO ESTADIAMENTO • Ajudar o medico no planejamento • Dar alguma indicação do prognostico • Ajudar na avaliação dos resultado dos tratamentos • Facilitar a troca de informações entre o centro de tratamento • Contribuir para a pesquisa continua sobre o câncer humano • O principal proposito a ser conseguido pela concordância internacional na classificação dos casos de câncer pela extensão da doença é fornecer um método que permita comparações entre experiencias clinicas. • Avaliação do inicio para o fim do tratamento , fazendo com que seja feita avaliação se esta sendo eficaz o ttt ou não . Tratamento clinico, quimio, radio., a classificação independente onde o paciente vá , vai ser o mesmo.
  • 24. ESTADIAMENTO • Uma avaliação diagnostica que determina o tamanho do tumor e a existência de invasão local , mestástase e a distância. • Existem vários sistemas de estadiamento do tumor, porem vamos nos ater a avaliação mais utilizada e conhecida internacionalmente que é o TMN. • T- Para o tumor primário • N- para linfonodos, o câncer que se disseminou para os linfonodos próximos. • M- para metástase, o câncer que se disseminou para partes distantes do organismo.
  • 25. T PARA TUMOR PRIMÁRIO • Categoria T fornece informações sobre aspectos do tumor primário , como seu tamanho , quão profundamente se desenvolveu no órgão em que se originou e quanto invadiu os tecidos adjacentes. • TX- significa que o tumor não pode ser avaliado ou não existe. • T0- significa que não existe evidencia de tumor primário ( não pode ser encontrado ) • Tis- significa que as células cancerígenas estão se desenvolvendo apenas na camada mais superficial do tecido, sem invadir tecidos mais profundos, podendo ser chamado de câncer in situ.( não invadiu os tecidos próximos mas existe superficialmente e localizado ) • os números que aparecem após o T ( como T1,T2,T3 e T4 ) descreve o tamanho do tumor ou disseminação da doença nas proximidades. Quanto mais alto o numero atribuído a T maior é a disseminação nos tecido próximos.
  • 26. N PARA LINFONODOS. DISSEMINAÇÃO PARA OS LINFONOSDOS PRÓXIMOS • NX- significa que os linfonodos não podem ser avaliados • N0- significa que os linfonodos vizinhos não contem câncer • Os números que aparecem após o N ( N1,N2 e N3) descrevem o tamanho, localização , numero de linfonodos com a doença. Quanto mais alto o numero atribuído a N, mais o câncer está disseminado para os linfonodos.
  • 27. M – AUSÊNCIA OU PRESENÇA DE METÁSTASE Á DISTÂNCIA • M0- significa que nenhuma disseminação foi encontrada • M1- significa que o câncer se disseminou para tecidos e órgãos distante ( metástase á distância forma encontradas)
  • 28. AGRUPAMENTO DOS ESTÁGIOS • A gradação refere-se à classificação da células tumorais. • Para a maioria dos cânceres , o estágio utiliza um numero de I a IV, onde o estágio IV (4) é o mais elevado do que a fase imediatamente anterior e assim sucessivamente.
  • 29. Biópsia • Avaliar expansão , infiltração, tamanho ( exames de imagem ressonância/tc/ultra) • Para fechar diagnóstico de câncer só a biópsia • ( marcador tumoral , TNM, metástase ) • Tipos de biópsia- excisional/incisional /punch • ( por via cirúrgica) aspirativa ou por agulha ( mamas/tiréoide/fígado/rins)
  • 30. SINAIS DE ALERTA PARA CÂNCER • Feridas que não cicatrizam • Hemorragias • Rouquidão • Alterações de pintas, verrugas e outro sinais • Caroços ou áreas intumescidas • disfagia., anorexia • Alterações intestinais e urinárias • Emagrecimento sem explicações
  • 31. QUIMIOTERAPIA/ ANTINEOPLÁSICO CONCEITO: é o uso de medicamento, que se mistura no sangue para destruir as células doentes que formam o tumor, pode ser por via oral através Comprimido, capsula ou liquido , intravenosa na veia, por cateter, dentro do soro, por via IM, SC, em casos raros intracranial, espinha dorsal, via tópica . MECANISMO: os agentes utilizado tanto afetam as células normais como as neoplásicas ( boas como as ruins) .Acarretando maior dano as malignas . Vai ser planejada de acordo com o tumor
  • 32. CRITÉRIO PARA ADMINISTRAÇÃO • Para evitar os efeitos tóxicos intoleráveis dos quimioterápicos e eles ponham e risco a vida do paciente, são obedecidos critérios para indicação da quimio. • Esses critérios são variáveis e dependem das condições clinicas e das drogas selecionadas para o tratamento. • Criterios : menos de 10% de perda de peso corporal desde do inicio da doença, ausência de infecção ou infecção presente mas sob controle, hemoglobina menor que 10g/dl, leucócitos menor que 4000/mm3, plaquetas menor que 150.00/mm3, neutrófilos 2.000/mm3, dosagem séricas , ureia maior que 50mg/dl, creatinina maior 1,5mg/dl, acido úrico maior que 5,0 ui/ml.
  • 33. CLASSIFICAÇÃO • A classificação é conforme a sua atuação sobre o ciclo celular. • 1° ciclo-inespecífico- atuam nas células que estão ou não no ciclo proliferativo, ex: a mostarda nitrogenada. • 2° ciclo –inespecífico- atuam somente na células que se encontram em proliferação. Ex : ciclofosfamida. • 3° fase- específicos- atuam em determinadas fases do ciclo celular, ex: metotrexato, etoposídeo e a vincristina.
  • 34. FINALIDADE • Finalidade da Quimioterapia – • adjuvante ou proliferativa • Indicada após o tratamento cirúrgico, curativo, , quando o paciente não apresenta qualquer evidência de neoplasia maligna detectável por exame físico e exames complementares. • Controle temporário da doença ( reincidiva) • Indicada para o tratamento de tumores sólidos, avançados ou recidivados. Permitindo longa sobrevida ( meses ou anos) mas sem possibilidade de cura, sendo porem possível obter-se o aumento da sobrevida global do paciente. • Paliativa • Paliação dos sinais e sintomas que comprometem a capacidade funcional do paciente, não repercutindo na sobrevida incurabilidade do tumor.
  • 35. TOXIDADE • Quimioterápicos não atuam exclusivamente sobre as células tumorais. As estruturas que se renovam constantemente, como medula óssea, pelos e a mucosas do tubo digestivo, são também atingidos pela ação do quimioterápicos. • É possível que a quimio seja aplicada repetidamente, desde que observado o intervalo de tempo necessário para a recuperação da medula óssea e da mucosa do tubo digestivo, por esse motivo a quimio é aplicada em ciclo periódicos. ( definidos pelo oncologista) • Nem todo quimioterápicos tem efeitos indesejados.
  • 37. EQUIPE MULTIDISCIPLINAR • MEDICO RADIOTERAPEUTA • FISICO MEDICO • TECNICO OU TECNOLOGO EM RADIOTERAPIA
  • 38. MÉDICO Avalia o paciente , decide a dose de radiação a ser aplicada, planeja o tratamento, acompanha o paciente durante sua evolução.
  • 39. FISICO • Calcula a dose a ser aplicada em cada paciente, acompanha o planejamento, realiza o controle de qualidade na ausência do dosimetrista
  • 40. TECNICO/ TECNOLOGO EM RADIOLOGIA • Verificar e conferir diagnostico • Explicar ao paciente como sera realizado o tratamento • Prepara a sala de tratamento • Manter as marcações do paciente • Colaborar na simulação e planejamento • Observar possíveis reações
  • 41. RADIOTERAPIA ( curativa/paliativa) • Radioterapia é uma forma de tratamento que usa radiação ionizante,( destruir ou impedir celular tumorais para não desenvolver) • quando a radiação é proveniente de um aparelho com uma unidade de cobalto 60 ou acelerador linear, nos quais as fontes encontra-se em uma distancia mínima de 15 a 20 cm e máximo de 1,20 a 5 metros do paciente essa forma de tratamento é conhecida como TELETERAPIA. • A maneira de elevar esta dose é empregar pequenas fontes de radiação em contato direto com o tumor, esse segundo método é chamado de BRAQUITERAPIA. • De 1 a 2 x por semana pode ser combinada com quimio .de acordo com extenção e localização.
  • 42. Teleterapia x Braquiterapia • Reduzindo pressão devido ao tumor/ hemorragias. • Simulador através do exame de imagem o medico delimita a região a ser tratada delimitando a área com uma tinta vermelha ou molde de plástico , pra que a radiação atinja só a região marcada. Sendo externa teleterapia 2 a 7 semanas/braquiterapia interna, cobalto 60, césio 137, ou acelerador linear, trasmitido do aparelho para aplicadores.
  • 43. RADIOTERAPIA Teleterapia braquiterapia Terapia a distancia Aceleradores lineares Cobaltoterapia 60°co Terapia de contato Low dose High dose
  • 46. TRANSPLANTE DE MÉDULA O transplante de células-tronco hematopoéticas, comumente chamado de transplante de medula óssea, consiste na substituição de uma medula óssea doente ou deficitária por células-tronco hematopoéticas normais obtidas da medula óssea, do sangue periférico ou de sangue de cordão umbilical e placentário, com o objetivo de normalizar a formação e desenvolvimento celular.
  • 47. CIRURGIAS As biópsias realizadas durante a cirurgia são denominadas biópsias cirúrgicas. Cirurgia para estadiamento do câncer. É realizada para diagnosticar o tipo de câncer e se existe disseminação da doença. Durante o procedimento, a área em torno do tumor, incluindo os linfonodos e órgãos adjacentes, é examinada minuciosamente.
  • 48. EQUIPE DE ENFERMAGEM • Os principais objetivos : • Cura , prolongamento da vida útil, melhora na qualidade de vida. • Promover, manter e estabelecer a saúde do paciente oncológico. • Equipe multiprofissional- médicos , enfermeiros, técnicos de enfermagem, nutricionista , fisioterapeuta, assistência social e psicólogos.
  • 49. EPI’s • Cuidados ao Paciente em Tratamento de • Quimioterápico e radioterápicos EPI’s • Administração • 1 par de luvas de procedimentos • Capa descartável, capote de chumbo, proteção tireoide • Mascara descartável Excretas • Gorro Óculos Máscara de carvão ativado • Capa descartável 2 pares de luvas de procedimentos
  • 50. Cuidados de enfemagem • Riscos de infecção , avaliação de locais para medicações intravenosa( troca de sistemas 72/96 hrs), evitar administração de medicamentos por via intramuscular ( devido a plaquetopenia, extravasamento tecidual, sangramento, porta de entrada para infecções) • Integridade da pele prejudicada –eritemas ( evitar cosméticos, perfumes, talcos, desodorantes, evitar arranhões , efregar, preferir água morna, usar roupas confortáveis de algodão, pomadas a base de vitamina A e D, não romper bolhas,
  • 51. Cont. • Avaliar cavidade oral- índices de mucosites , estomatites, consultar médico adm de analgésico e anestésicos tópicos . • Perda do cabelo- minimizar a queda, cortar longos antes do tratamento, usar boné, filtro solar ao se expor ao sol, evitar pentear excessivamente, lubrificar o couro cabeludo com pomadas vitamina A e D. • Comprar perucas, apliques, usar boné, cachecol ou turbante, com retorno do crescimento pós terapia. • Nutrição- ajustar dieta, refeições menores, limitar líquidos na hora da refeição, alimentos preferidos, evitar alimentos processados, com alto teor em açúcar.
  • 52. DOR CRÔNICA • Usar escala de dor 0 a 10. • Acreditar na dor do paciente. • Estratégias para alivio da dor, manipulação de frio e calor, massagens, atividade física.
  • 54. Cuidados paliativos • Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), os cuidados paliativos são um conjunto de cuidados, feitos para a pessoa que sofre de uma doença grave ou incurável, e também sua família, com o objetivo de aliviar o seu sofrimento, melhorando o bem-estar e a qualidade de vida. • Físicos: servem para tratar os sintomas físicos que podem ser incômodos como dor, falta de ar, vômitos, fraqueza ou insônia, por exemplo; • Psicológicos: cuidam dos sentimentos e de outros sintomas psicológicos negativos, como angústia ou tristeza; • Sociais: oferecem apoio na gestão de conflitos ou obstáculos sociais, que podem prejudicar o cuidado, como falta de alguém para prestar os cuidados; • Espirituais: reconhecer e apoiar em relação a questões como oferecer auxílio religioso ou orientações em relação ao sentido da vida e da morte.
  • 55. AGENTES FARMACOLOGICOS • CONTROLE DA DOR: • Analise de prescrição medica, interações medicamento
  • 56. ENFERMAGEM/ PRESCRIÇÃO • Ansiedade, produz medo e mais dor. • Fontes de dor no CA: metástase óssea, • compressão nervosa e infiltração, • obstrução linfática e venosa, isquemia, • obstrução orgânica, inflamação, • ulceração, infecção. • Administrar analgésicos, com medicamento auxiliares – cpm – • antieméticos, antidepressivos, • ansiolíticos, anestésicos locais...
  • 57. Promover a nutrição: • Preparar alimentos que pareçam ter paladar • agradável. • Membros da família são incluídos para encorajar a • ingesta de alimentos. • Respeitar a preferência do paciente. • Refeições pequenas e freqüentes. • Higiene oral e medidas de controle de dor • Reposição de enzimas e vitaminas. • SNG/SNE/NTP – Nutrição parenteral total. cateter central de inserção periférica (PICC) acesso venoso delonga duração
  • 58. Aliviando a dor: • Dor aguda ligado à cirurgia. • Síndrome crônicas – neuropatias pós cirúrgicas. • Alguns agentes quimioterápicos causam necrose • tecidual, neuropatias periféricas, estomatites. • Radioterapia causa dor cutânea ou orgânica. • Comumente a dor do CA é irreversível e não resolve • rapidamente. • Sinal que o TU está crescendo e a morte está chegando.
  • 59. Diminuindo a fadiga: • Auxiliar o paciente em como lidar com a fadiga: • Alternância de períodos de repouso e atividades, • Exercício regular e leve – tira o repouso excessivo, • Priorização das atividades necessárias, Monitorar oxigenação e equilíbrio hidroeletrolítico. • Pacientes que trabalham fora podem necessitar de redução de carga • horária, Refeições em pequenas quantidades e mais vezes ao dia • Auxiliar nas mudanças de função e responsabilidades, • Aconselhamento nutricional, • Alívio da dor, o Monitorização das deficiências hematológicas, Fisioterapia,
  • 60. Melhorando a imagem corporal: • Realizar abordagem positiva, • Encorajar a independência e participação no auto-cuidado. • Discutir sobre os sentimentos negativos e angústias, • Grupos de apoio, • Encorajar uso de peruca, chapéu, maquiagem, • Se a sexualidade está sendo comprometida, encorajar a • buscar ajuda adicional com o cônjuge.
  • 61. Auxiliando no processo de luto: • Um diagnóstico de CA não é necessariamente um • resultado fatal. • O luto é uma resposta normal. • Perda de planos para o futuro. • Apoio da equipe multidisciplinar. • Estar pronto para responder perguntas. • Grupos de apoio. • Paciente terminal – passam por vários estágios de luto, • a equipe tenta coordenar sentimentos e reações. • Suporte físico