Definição
A palavra cancro vem do grego karkínos, que
quer dizer caranguejo, é uma referência à
proliferação de células ca...
ETIOLOGIA DO CANCRO
O cancro não é uma doença nova. O fato de ter
sido detectado em múmias egípcias comprova
que ele já co...
ETIOLOGIA DO CANCRO (CONT)
O cancro pode afectar pessoas de todas as
idades, mas o risco para a maioria dos tipos de
cancr...
CANCRO COMO DOENÇA GENÉTICA




O cancro é fundamentalmente uma doença genética.
Em células normais, o crescimento celul...
CANCRO COMO DOENÇA GENÉTICA
(C0NT)
Cancro é a designação genérica dada a um
grande número de doenças que envolvem
crescime...
CANCRO COMO DOENÇA GENÉTICA
(CONT)
 Mutações

noutros genes poderão então dar
às células neoplásicas novas capacidades
in...
CANCRO COMO DOENÇA GENÉTICA
(CONT)
 Assim,

uma célula da cartilagem
(condrócito) neoplásica pode sofrer
mutação que lhe ...
DNA E MUTAÇÕES
Uma célula normal sofre uma mutação
genética, ou seja, alterações no DNA dos
genes.
 As células cujo mater...
DNA E MUTAÇÕES (CONT)
 Nenhuma

célula se torna neoplásica
apenas com uma mutação. Normalmente
são necessárias várias par...
Quase todos os cancros são causados por anomalias no material genético de
células transformadas
Efeitos
Carcinogénic
os

A...
Exemplo de progressão do
cancro

FIGURA A) Células normais danificadas de modo irreversível são eliminadas
através de um m...
CLASSIFICAÇÃO DAS NEOPLASIAS


Metástases



Benignas



Malignas
CLASSIFICAÇÃO DAS NEOPLASIAS (CONT)

Metástases:
Migração do tumor primário originando
tumores secundários (diferencia o m...
CLASSIFICAÇÃO DAS NEOPLASIAS
(CONT)
Benignas

Potencial de crescimento limitado
 Localizadas
 Cápsula Fibrosa
 Rarament...
CLASSIFICAÇÃO DAS NEOPLASIAS
(CONT)
Malignas
Podem proliferar rapidamente ou crescer
lentamente
 Disseminação (metastizaç...
CLASSIFICAÇÃO TNM DOS TUMORES MALIGNOS,
SEGUNDO A UNIÃO INTERNACIONAL CONTRA O CANCRO

T – Tumor Primário









...
N-Linfonodos












Nx linfonodos regionais não podem ser avaliados
N0 - ausência de metástases em linfonodos ...
M –metastase
Mx - presença de metástase à distância não
pode ser avaliada
 M0 - ausência de metástase à distância
 M1 - ...
TRABALHO REALIZADO POR:
Cátia Teixeira Nº 48501
 Cláudia Nº
 Isabel Pinto Nº 48484
 Patrícia Silva Nº 46334

BIBLIOGRAFIA




BRUNNER & SUDDART. Tratado de Enfermagem
Médico-Cirúrgica.
PHIPPS W, SANDS J, MAREK J. Enfermagem
Médic...
Trabalho   defini+º+úo e etiologia do cancro
Trabalho   defini+º+úo e etiologia do cancro
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Trabalho defini+º+úo e etiologia do cancro

400 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
400
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
6
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Trabalho defini+º+úo e etiologia do cancro

  1. 1. Definição A palavra cancro vem do grego karkínos, que quer dizer caranguejo, é uma referência à proliferação de células cancerosas no organismo (metástase), que se espalham pelo corpo como as patas e pinças do caranguejo se irradiam do seu cefalotórax ( Figura 1), e foi utilizada pela primeira vez por Hipócrates, o pai da medicina (Figura 2), que viveu entre 460 e 377 a.C.
  2. 2. ETIOLOGIA DO CANCRO O cancro não é uma doença nova. O fato de ter sido detectado em múmias egípcias comprova que ele já comprometia o homem há mais de 3 mil anos antes de Cristo. Actualmente, cancro é o nome geral dado a um conjunto de mais de 100 doenças, que têm em comum o crescimento desordenado de células (Figura 3), que tendem a invadir tecidos e órgãos vizinhos.
  3. 3. ETIOLOGIA DO CANCRO (CONT) O cancro pode afectar pessoas de todas as idades, mas o risco para a maioria dos tipos de cancro aumenta com o acréscimo da idade. O cancro causa cerca de 13% de todas as mortes no mundo, sendo os cancros de pulmão, estômago, fígado, cólon e mama os que mais matam.
  4. 4. CANCRO COMO DOENÇA GENÉTICA   O cancro é fundamentalmente uma doença genética. Em células normais, o crescimento celular é controlado por diversos factores, ou hormonas, libertadas por células adjacentes ou distantes. Deste modo um tecido consegue crescer ou atrofiar em resposta a demandas aumentadas ou diminuídas da sua função. Há vários factores que promovem o crescimento e multiplicação celulares, sistémicos como a hormona do crescimento, hormonas da tiróide (t3/t4), insulina, e factores locais como citocinas.
  5. 5. CANCRO COMO DOENÇA GENÉTICA (C0NT) Cancro é a designação genérica dada a um grande número de doenças que envolvem crescimento celular não controlado, destruição de tecidos saudáveis e risco de morte.  A progressão do cancro não é mais que a inactivação de determinados genes e a hiperexpressão de outros, dando origem a células largamente independentes da regulação local e central do organismo, que se dividem sem inibição. 
  6. 6. CANCRO COMO DOENÇA GENÉTICA (CONT)  Mutações noutros genes poderão então dar às células neoplásicas novas capacidades invasivas, já que todas as células do organismo possuem o genoma completo e portanto a capacidade de produzir qualquer proteína, desde que os genes correspondentes sejam activados (neste caso por mutação).
  7. 7. CANCRO COMO DOENÇA GENÉTICA (CONT)  Assim, uma célula da cartilagem (condrócito) neoplásica pode sofrer mutação que lhe permite formar proteínas que provocam a formação de novos vasos sanguíneos, apesar de este gene nunca ser expressado na célula normal.
  8. 8. DNA E MUTAÇÕES Uma célula normal sofre uma mutação genética, ou seja, alterações no DNA dos genes.  As células cujo material genético foi alterado passam a receber instruções erradas para as suas actividades.  Independentemente da exposição a agentes cancerígenos ou carcinogénicos, as células sofrem processos de mutação espontânea, que não alteram seu desenvolvimento normal. 
  9. 9. DNA E MUTAÇÕES (CONT)  Nenhuma célula se torna neoplásica apenas com uma mutação. Normalmente são necessárias várias para haver desregulação do ciclo celular e proliferação excessiva, e ainda mais outras para que haja invasão dos órgãos adjacentes ou distantes.  A mutação não-letal do DNA constitui a origem do cancro.
  10. 10. Quase todos os cancros são causados por anomalias no material genético de células transformadas Efeitos Carcinogénic os Anormalidade s Genéticas Tabagismo Adquiridas Radiação Herdadas Substâncias Químicas Agentes Infecciosos Através de erros na replicação do DNA, Os genes promotores do cancro, oncogenes, activados nas células cancerígenas, fornecem- lhes novas propriedades, como o crescimento e divisão hiperactiva, protecção contra morte celular programada, perda do respeito aos limites teciduais normais e a habilidade de se tornarem estáveis em diversos ambientes teciduais. Presentes em todas as células ao nascimento supressores de tumor Os genes estão geralmente inactivados nas células cancerígenas, resultando na perda das funções normais destas células, como uma replicação de DNA acurada, controle sobre o ciclo celular, orientação e aderência nos tecidos e interacção com as células protectoras do sistema imune.
  11. 11. Exemplo de progressão do cancro FIGURA A) Células normais danificadas de modo irreversível são eliminadas através de um mecanismo conhecido como apoptose. (FIGURA B) Células cancerígenas evitam a apoptose e continuam a multiplicar-se de maneira desregulada .
  12. 12. CLASSIFICAÇÃO DAS NEOPLASIAS  Metástases  Benignas  Malignas
  13. 13. CLASSIFICAÇÃO DAS NEOPLASIAS (CONT) Metástases: Migração do tumor primário originando tumores secundários (diferencia o maligno do benigno)  Principal causa de morte 
  14. 14. CLASSIFICAÇÃO DAS NEOPLASIAS (CONT) Benignas Potencial de crescimento limitado  Localizadas  Cápsula Fibrosa  Raramente recidivam depois de removidas  Geralmente tem forma regular  Células são semelhantes às células do tecido de origem (bem diferenciadas) 
  15. 15. CLASSIFICAÇÃO DAS NEOPLASIAS (CONT) Malignas Podem proliferar rapidamente ou crescer lentamente  Disseminação (metastização) pelo corpo  Não são encapsuladas  Podem recidivar mesmo depois do tratamento  Tem forma irregular com bordos mal definidos  Células muito diferentes das células de origem (mal diferenciadas)  Crescimento infiltrativo 
  16. 16. CLASSIFICAÇÃO TNM DOS TUMORES MALIGNOS, SEGUNDO A UNIÃO INTERNACIONAL CONTRA O CANCRO T – Tumor Primário        Tx - tumor primário não pode ser avaliado T - 0 não há evidência de tumor primário Tis - carcinoma in situ T1 - tumor com 2cm ou menos em sua maior dimensão T2 - tumor com mais de 2cm e até 4cm em sua maior dimensão T3 - tumor com mais de 4 cm em sua maior dimensão T4 - tumor invade as estruturas adjacentes
  17. 17. N-Linfonodos        Nx linfonodos regionais não podem ser avaliados N0 - ausência de metástases em linfonodos regionais N1 - metástase em um único linfonodo homolateral, com 3 cm ou menos em sua maior dimensão N2a - metástase em um único linfonodo homolateral, com mais de 3 cm e até 6 cm em sua maior dimensão N2b - metástases em linfonodos homolaterais múltiplos, onde nenhum tenha mais de 6 cm em sua maior dimensão N2c - metástases em linfonodos bilaterais ou contralaterais, onde nenhum tenha mais de 6 cm em sua maior dimensão N3 - metástase em linfonodo com mais de 6 cm em sua maior dimensão
  18. 18. M –metastase Mx - presença de metástase à distância não pode ser avaliada  M0 - ausência de metástase à distância  M1 - metástase à distância 
  19. 19. TRABALHO REALIZADO POR: Cátia Teixeira Nº 48501  Cláudia Nº  Isabel Pinto Nº 48484  Patrícia Silva Nº 46334 
  20. 20. BIBLIOGRAFIA   BRUNNER & SUDDART. Tratado de Enfermagem Médico-Cirúrgica. PHIPPS W, SANDS J, MAREK J. Enfermagem Médico-Cirúrgica: Perspectivas de Saúde Doença. 8º Ed, Lusiciência, Loures 2010.

×