SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 27
Agravios e Controle de Doencas
Conceitos
É freqüente, em saúde pública, o uso do termo
controle como sinônimo de redução da
incidência de uma doença a níveis tais que
deixe de ser um problema para a população.

Entende-se, aqui como agravos à saúde os
danos à integridade física, mental e social dos
indivíduos, provocados por doenças ou
circunstâncias nocivas, como acidentes,
intoxicações, abuso de drogas e lesões auto ou
heteroinfligidas.
Objetivos

1. Erradicação;

2. Eliminação;

3. Redução da incidência;

4. Redução da gravidade;

5. Redução da letalidade.
Objetivos

 Os objetivos são definidos em função do grau
de conhecimento técnico-científico que se tem
do agravo, tanto no que se refere à sua
produção como ao seu tratamento. São,
portanto, passíveis de mudança, dependendo
do avanço do conhecimento científico e
tecnológico. A definição de objetivos depende
ainda da disponibilidade de recursos financeiros
e materiais e de decisão política das
autoridades de um país.
Eradicação

Redução a zero da sua incidência e a
manutenção deste valor independentemente da
continuidade da aplicação das medidas de
prevenção.
Variola
Há mais de 20 anos não há registro de caso
novo no mundo, mesmo após a suspensão das
atividades de vacinação, medida utilizada na
campanha mundial de erradicação da doença.

Quando este objetivo foi formulado, houve uma
alteração na estratégia de aplicação da medida
de prevenção adotada: a vacinação.
Variola

Quando este objetivo foi formulado, houve uma
alteração na estratégia de aplicação da medida
de prevenção adotada: a vacinação.

A vacina contra a doença era conhecida há
quase 200 anos (Ienner, 1796), porém era
aplicado com vista à redução da sua incidência.
A busca de cobertura universal desta medida
preventiva foi adotada quando o objetivo da
campanha passou a ser o de erradicação.
Eliminação
A redução a zero de sua incidência, mas com
manutenção, indefinidamente no tempo, das
medidas de controle.
Sarampo
O programa atual de controle do sarampo tem
como objetivo a sua eliminação, porém com a
manutenção de altas coberturas vacinais por
tempo indeterminado.
Poliomelite
Tem como objetivo a eliminação da doença,
porém sem suspender a vacinação, que deve
manter altas coberturas, indefinidamente no
Tempo.
Poliomelite
Tétano umbilical
Estabeleceu como objetivo sua eliminação, por
meio da vacinação permanente de mulheres
em idade fértil.
Eliminação
Alguns autores adotam o termo eliminação para
redução da incidência a zero de uma doença
em um país, região ou continente e erradicação
para a eliminação que atinge todos os
continentes. Não entram no mérito da
manutenção ou não de atividades de controle
específicas.
Redução da incidência
Para muitos agravos, os conhecimentos atuais
ainda não permitem que se estabeleçam
atividades de controle com objetivos tão
ambiciosos como os anteriores.

Assim, muitas vezes, é possível apenas a
redução    da    incidência  a     níveis tão
suficientemente baixos que os agravos deixem
de ser problemas de saúde pública.

Ex.: controle do calazar, da doença de Chagas
e da coqueluche.
Redução da gravidade
Para outros agravos, no momento, só se pode
almejar programas de controle com objetivos de
redução da gravidade, por meio de diagnóstico
e tratamento precoces.

 Ex.:    leishmaniose   tegumentar     e   da
esquistossomose
Esquistossomose
Tem resistido à diminuição de sua incidência,
 mas tem havido redução de suas formas
 graves, hépato-esplênicas, pelo tratamento em
 massa de população de escolares em áreas de
 alta prevalência.
Esquistossomose
Reduzir a letalidade
 As vezes, o único objetivo possível é o de
reduzir a letalidade de um agravo, como é o
caso do programa de controle do câncer de
mama, que utiliza o diagnóstico e o tratamento
precoces, com a finalidade de diminuir o
número de óbitos pela doença.
Organizacao de Objetivos

O controle de um agravo pode ter mais de um
dos objetivos acima referidos. Se o objetivo é
erradicar a doença, está claro que os outros
objetivos, hierarquicamente inferiores, serão
atingidos quando aquele for alcançado.

 Pode ainda ocorrer a mudança dos objetivos
das atividades de controle em conseqüência de
novos recursos científicos, tecnológicos e
financeiros.
Poliomielite

O programa de controle da poliomielite passou a
buscar a eliminação da doença e não apenas a
redução de sua incidência.
Hanseníase
O da hanseníase busca hoje, além da menor
gravidade dos casos, a redução da sua
incidência pela diminuição das fontes de
infecção, conseguida pela multiquimioterapia
precoce.
Dicotomia simplista entre
       erradicação e controle


Não permite distinguir os outros objetivos de
controle de um agravo. A importância desta
abordagem não é somente de natureza
semântica. O estabelecimento de objetivos bem
claros, precisos e explícitos, leva à formulação
de metodologias e estratégias adequadas ao
que é proposto.
Malária
A estratégia global de luta contra a malária estabeleceu
 diferentes objetivos ao longo deste século. Antes da
 era do DDT, falava-se em controle da doença, Abr/Jun,
 1998.
Malária
Com a descoberta do efeito inseticida do DDT, o
programa adotou o objetivo de erradicação. De fato, a
incidência da transmissão natural da doença foi
eliminada nos países desenvolvidos. Porém, após
verificar-se que os princípios em que se baseava a
proposta de erradicação não eram aplicáveis em áreas
subdesenvolvidas e de população instável, o programa
voltou a adotar objetivos de redução da letalidade,
redução da gravidade ou redução da incidência,
dependendo      das    condições   socioeconômicas,
culturais, ambientais, epidemiológicas e biológicas
locais.
Controle

O termo controle é muito amplo e engloba todas
as medidas de luta contra um agravo. Os
objetivos das atividades de controle devem
estar coerentes com as medidas preventivas
adotadas.
Poliomielite

Quando o programa objetivou a eliminação da
doença, modificou sua estratégia de vacinação,
criando os dias nacionais de vacinação, com
intensa mobilização popular.

Modificou ainda as atividades de vigilância
epidemiológica da doença, estendendo a inves-
tigação de casos a todos os de paralisia flácida
e não apenas àqueles suspeitos de poliomielite
nas suas formas clássicas.
Conclusão


 A definição de objetivos precisos é de
fundamental importância para a identificação
das medidas preventivas a serem adotadas e
na forma como devem ser aplicadas. É também
de muito valor na avaliação dos resultados
alcançados no controle de doenças e de outros
agravos à saúde.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

vigilância epidemiológica
vigilância epidemiológica vigilância epidemiológica
vigilância epidemiológica Gladyanny Veras
 
Saude da familia
Saude da familiaSaude da familia
Saude da familiakarensuelen
 
Vigilância hospitalar
Vigilância hospitalarVigilância hospitalar
Vigilância hospitalarnuiashrl
 
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIA
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIADOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIA
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIAAna Carolina Costa
 
Aula Vig Epidemiologica Res Med
Aula Vig Epidemiologica Res MedAula Vig Epidemiologica Res Med
Aula Vig Epidemiologica Res MedSandra Flôr
 
Distribuição das doenças no espaço e no tempo
Distribuição das doenças no espaço e no tempoDistribuição das doenças no espaço e no tempo
Distribuição das doenças no espaço e no temporoseanecordeiro
 
Aula 02 - A construção do SUS no contexto das políticas públicas
Aula 02 - A construção do SUS no contexto das políticas públicasAula 02 - A construção do SUS no contexto das políticas públicas
Aula 02 - A construção do SUS no contexto das políticas públicasGhiordanno Bruno
 
Epidemiologia conceitos basicos
Epidemiologia   conceitos basicosEpidemiologia   conceitos basicos
Epidemiologia conceitos basicoselisreis0601
 

Mais procurados (20)

vigilância epidemiológica
vigilância epidemiológica vigilância epidemiológica
vigilância epidemiológica
 
Aula 2 saúde e doença
Aula 2   saúde e doençaAula 2   saúde e doença
Aula 2 saúde e doença
 
Sp4 hupe-psf
Sp4 hupe-psfSp4 hupe-psf
Sp4 hupe-psf
 
Saude da familia
Saude da familiaSaude da familia
Saude da familia
 
Poliomielite
PoliomielitePoliomielite
Poliomielite
 
CHIKUNGUNYA
CHIKUNGUNYACHIKUNGUNYA
CHIKUNGUNYA
 
Epidemiologia ris
Epidemiologia risEpidemiologia ris
Epidemiologia ris
 
Vigilância hospitalar
Vigilância hospitalarVigilância hospitalar
Vigilância hospitalar
 
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIA
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIADOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIA
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIA
 
Surto, Epidemia, Pandemia e Endemia
Surto, Epidemia, Pandemia e EndemiaSurto, Epidemia, Pandemia e Endemia
Surto, Epidemia, Pandemia e Endemia
 
Programa de Saúde da Família (PSF
Programa de Saúde da Família (PSFPrograma de Saúde da Família (PSF
Programa de Saúde da Família (PSF
 
Leptospirose
LeptospiroseLeptospirose
Leptospirose
 
Aula Vig Epidemiologica Res Med
Aula Vig Epidemiologica Res MedAula Vig Epidemiologica Res Med
Aula Vig Epidemiologica Res Med
 
Imunização
ImunizaçãoImunização
Imunização
 
Aula 1 de epidemiologia
Aula 1 de epidemiologiaAula 1 de epidemiologia
Aula 1 de epidemiologia
 
Distribuição das doenças no espaço e no tempo
Distribuição das doenças no espaço e no tempoDistribuição das doenças no espaço e no tempo
Distribuição das doenças no espaço e no tempo
 
Vigilancia Epidemiologica - parte02
Vigilancia Epidemiologica - parte02Vigilancia Epidemiologica - parte02
Vigilancia Epidemiologica - parte02
 
Vigilância em saúde
Vigilância em saúdeVigilância em saúde
Vigilância em saúde
 
Aula 02 - A construção do SUS no contexto das políticas públicas
Aula 02 - A construção do SUS no contexto das políticas públicasAula 02 - A construção do SUS no contexto das políticas públicas
Aula 02 - A construção do SUS no contexto das políticas públicas
 
Epidemiologia conceitos basicos
Epidemiologia   conceitos basicosEpidemiologia   conceitos basicos
Epidemiologia conceitos basicos
 

Destaque

Destaque (20)

Imunodeficiências emc
Imunodeficiências emcImunodeficiências emc
Imunodeficiências emc
 
Seminario micro geral_doencas_interpessoal
Seminario micro geral_doencas_interpessoalSeminario micro geral_doencas_interpessoal
Seminario micro geral_doencas_interpessoal
 
Hepatites virais aula 04 junio
Hepatites virais aula 04 junioHepatites virais aula 04 junio
Hepatites virais aula 04 junio
 
Tumores osseos malignos
Tumores osseos malignosTumores osseos malignos
Tumores osseos malignos
 
Transplante renal final
Transplante renal finalTransplante renal final
Transplante renal final
 
Proteção gravida
Proteção gravidaProteção gravida
Proteção gravida
 
Difteria e Tétano - Imunização
Difteria e Tétano - ImunizaçãoDifteria e Tétano - Imunização
Difteria e Tétano - Imunização
 
Tipos de Hepatites: A, B, C, D e E
Tipos de Hepatites: A, B, C, D e ETipos de Hepatites: A, B, C, D e E
Tipos de Hepatites: A, B, C, D e E
 
04 aula tétano
04 aula   tétano04 aula   tétano
04 aula tétano
 
Coqueluche doença
Coqueluche doença Coqueluche doença
Coqueluche doença
 
Varíola, rubéola, sarampo e caxumba
Varíola, rubéola, sarampo e caxumbaVaríola, rubéola, sarampo e caxumba
Varíola, rubéola, sarampo e caxumba
 
Depressão geriatria
Depressão geriatriaDepressão geriatria
Depressão geriatria
 
Difteria
Difteria Difteria
Difteria
 
10 doenças de notificação compulsória
10  doenças de notificação compulsória10  doenças de notificação compulsória
10 doenças de notificação compulsória
 
Varicela
VaricelaVaricela
Varicela
 
Poliomielite
PoliomielitePoliomielite
Poliomielite
 
Hepatites
HepatitesHepatites
Hepatites
 
Febre amarela e Rubéola
Febre amarela e RubéolaFebre amarela e Rubéola
Febre amarela e Rubéola
 
Aula 7 endemias brasileiras e controle de vetores
Aula 7   endemias brasileiras e controle de vetoresAula 7   endemias brasileiras e controle de vetores
Aula 7 endemias brasileiras e controle de vetores
 
Raiva.
Raiva.Raiva.
Raiva.
 

Semelhante a Agravios controle doencas

Anexo 03- Boletim-Especial-do-COE---Atualizacao-da-Avaliacao-de-Risco.pdf
Anexo 03- Boletim-Especial-do-COE---Atualizacao-da-Avaliacao-de-Risco.pdfAnexo 03- Boletim-Especial-do-COE---Atualizacao-da-Avaliacao-de-Risco.pdf
Anexo 03- Boletim-Especial-do-COE---Atualizacao-da-Avaliacao-de-Risco.pdfProfFranciscoArapira
 
Nathalia Belletato faz um alerta sobre o aumento dos casos de dengue
Nathalia Belletato faz um alerta sobre o aumento dos casos de dengueNathalia Belletato faz um alerta sobre o aumento dos casos de dengue
Nathalia Belletato faz um alerta sobre o aumento dos casos de dengueNathalia Belletato
 
Dia Mundial de Luta Contra a Sida
Dia Mundial de Luta Contra a SidaDia Mundial de Luta Contra a Sida
Dia Mundial de Luta Contra a SidaPESES
 
aula de biossegurança laboratorial e epidemiologica
aula de biossegurança laboratorial e epidemiologicaaula de biossegurança laboratorial e epidemiologica
aula de biossegurança laboratorial e epidemiologicaArtthurPereira2
 
Tema 1 MOdi. Conferência. Atividade 1 [Recuperado].ppt
Tema 1 MOdi. Conferência. Atividade 1 [Recuperado].pptTema 1 MOdi. Conferência. Atividade 1 [Recuperado].ppt
Tema 1 MOdi. Conferência. Atividade 1 [Recuperado].pptEliezer48
 
Tuberculose guia de vigilancia epidemiologica]
Tuberculose guia de vigilancia epidemiologica]Tuberculose guia de vigilancia epidemiologica]
Tuberculose guia de vigilancia epidemiologica]GIBSON AUGUSTO BITTENCOURT
 
Questões saúde pública
Questões saúde públicaQuestões saúde pública
Questões saúde públicaIsmael Costa
 
Acoes de controle de endemias malaria
Acoes de controle de endemias malariaAcoes de controle de endemias malaria
Acoes de controle de endemias malariaConceicao Santos
 
Saúde e atividades diárias. Medidas Gerais de Prevenção da COVID-19
Saúde e atividades diárias. Medidas Gerais de Prevenção da COVID-19  Saúde e atividades diárias. Medidas Gerais de Prevenção da COVID-19
Saúde e atividades diárias. Medidas Gerais de Prevenção da COVID-19 Carla Crespo
 
Manual de diagnostico_e_tratamento_das_dda
Manual de diagnostico_e_tratamento_das_ddaManual de diagnostico_e_tratamento_das_dda
Manual de diagnostico_e_tratamento_das_ddaAndressa Giovanni
 
Dengue no Brasil em 2024: Desafios e Estratégias de Prevenção
Dengue no Brasil em 2024: Desafios e Estratégias de PrevençãoDengue no Brasil em 2024: Desafios e Estratégias de Prevenção
Dengue no Brasil em 2024: Desafios e Estratégias de PrevençãoMr. Johnny Bispo
 
Promocao da saude
Promocao da saudePromocao da saude
Promocao da saudePaulo Gomes
 
Doenças infecto contagiosas
Doenças infecto contagiosasDoenças infecto contagiosas
Doenças infecto contagiosasflavialoli
 
Dengue - controle de pragas
Dengue - controle de pragasDengue - controle de pragas
Dengue - controle de pragasadrianomedico
 

Semelhante a Agravios controle doencas (20)

Sus
SusSus
Sus
 
Anexo 03- Boletim-Especial-do-COE---Atualizacao-da-Avaliacao-de-Risco.pdf
Anexo 03- Boletim-Especial-do-COE---Atualizacao-da-Avaliacao-de-Risco.pdfAnexo 03- Boletim-Especial-do-COE---Atualizacao-da-Avaliacao-de-Risco.pdf
Anexo 03- Boletim-Especial-do-COE---Atualizacao-da-Avaliacao-de-Risco.pdf
 
Nathalia Belletato faz um alerta sobre o aumento dos casos de dengue
Nathalia Belletato faz um alerta sobre o aumento dos casos de dengueNathalia Belletato faz um alerta sobre o aumento dos casos de dengue
Nathalia Belletato faz um alerta sobre o aumento dos casos de dengue
 
Abertura do Curso de Aprimoramento da Gestão de Vigilância em Saúde
Abertura do Curso de Aprimoramento da Gestão de Vigilância em SaúdeAbertura do Curso de Aprimoramento da Gestão de Vigilância em Saúde
Abertura do Curso de Aprimoramento da Gestão de Vigilância em Saúde
 
Dia Mundial de Luta Contra a Sida
Dia Mundial de Luta Contra a SidaDia Mundial de Luta Contra a Sida
Dia Mundial de Luta Contra a Sida
 
aula de biossegurança laboratorial e epidemiologica
aula de biossegurança laboratorial e epidemiologicaaula de biossegurança laboratorial e epidemiologica
aula de biossegurança laboratorial e epidemiologica
 
Tema 1 MOdi. Conferência. Atividade 1 [Recuperado].ppt
Tema 1 MOdi. Conferência. Atividade 1 [Recuperado].pptTema 1 MOdi. Conferência. Atividade 1 [Recuperado].ppt
Tema 1 MOdi. Conferência. Atividade 1 [Recuperado].ppt
 
Saúde coletiva
Saúde coletivaSaúde coletiva
Saúde coletiva
 
Tuberculose guia de vigilancia epidemiologica]
Tuberculose guia de vigilancia epidemiologica]Tuberculose guia de vigilancia epidemiologica]
Tuberculose guia de vigilancia epidemiologica]
 
Joana_Prevençao_quartenaria
Joana_Prevençao_quartenariaJoana_Prevençao_quartenaria
Joana_Prevençao_quartenaria
 
Questões saúde pública
Questões saúde públicaQuestões saúde pública
Questões saúde pública
 
Acoes de controle de endemias malaria
Acoes de controle de endemias malariaAcoes de controle de endemias malaria
Acoes de controle de endemias malaria
 
Saúde e atividades diárias. Medidas Gerais de Prevenção da COVID-19
Saúde e atividades diárias. Medidas Gerais de Prevenção da COVID-19  Saúde e atividades diárias. Medidas Gerais de Prevenção da COVID-19
Saúde e atividades diárias. Medidas Gerais de Prevenção da COVID-19
 
Manual de diagnostico_e_tratamento_das_dda
Manual de diagnostico_e_tratamento_das_ddaManual de diagnostico_e_tratamento_das_dda
Manual de diagnostico_e_tratamento_das_dda
 
Dengue no Brasil em 2024: Desafios e Estratégias de Prevenção
Dengue no Brasil em 2024: Desafios e Estratégias de PrevençãoDengue no Brasil em 2024: Desafios e Estratégias de Prevenção
Dengue no Brasil em 2024: Desafios e Estratégias de Prevenção
 
Promocao da saude
Promocao da saudePromocao da saude
Promocao da saude
 
Vigilância em Saúde.pdf
Vigilância em Saúde.pdfVigilância em Saúde.pdf
Vigilância em Saúde.pdf
 
Doenças infecto contagiosas
Doenças infecto contagiosasDoenças infecto contagiosas
Doenças infecto contagiosas
 
Dengue - controle de pragas
Dengue - controle de pragasDengue - controle de pragas
Dengue - controle de pragas
 
Vigilância em Saúde
Vigilância em SaúdeVigilância em Saúde
Vigilância em Saúde
 

Mais de TesisMaster

promocion de la salud
promocion de la saludpromocion de la salud
promocion de la saludTesisMaster
 
Educacion para la salud
Educacion para la saludEducacion para la salud
Educacion para la saludTesisMaster
 
1. estion del talento humano
1. estion del talento humano1. estion del talento humano
1. estion del talento humanoTesisMaster
 
1. gestion del talento humano
1. gestion del talento humano1. gestion del talento humano
1. gestion del talento humanoTesisMaster
 
2. gerencia conocimiento
2.  gerencia conocimiento2.  gerencia conocimiento
2. gerencia conocimientoTesisMaster
 
1. gestion del talento humano
1. gestion del talento humano1. gestion del talento humano
1. gestion del talento humanoTesisMaster
 
Disciplina de seminário saúde coletiva
Disciplina de seminário saúde coletivaDisciplina de seminário saúde coletiva
Disciplina de seminário saúde coletivaTesisMaster
 
Prevencao controle doencas
Prevencao controle doencasPrevencao controle doencas
Prevencao controle doencasTesisMaster
 
1. evaluacion de riesgo de la salud
1. evaluacion de riesgo de la salud1. evaluacion de riesgo de la salud
1. evaluacion de riesgo de la saludTesisMaster
 
Pensamento crítico
Pensamento críticoPensamento crítico
Pensamento críticoTesisMaster
 
1. varila , viruela y sarampion
1. varila , viruela y sarampion1. varila , viruela y sarampion
1. varila , viruela y sarampionTesisMaster
 
2. tipos de investigacion
2. tipos de investigacion2. tipos de investigacion
2. tipos de investigacionTesisMaster
 
1. introd a la invest clase 1
1.  introd a la invest clase 11.  introd a la invest clase 1
1. introd a la invest clase 1TesisMaster
 
2. evaluacion de riesgo de la salud
2. evaluacion de riesgo de la salud2. evaluacion de riesgo de la salud
2. evaluacion de riesgo de la saludTesisMaster
 

Mais de TesisMaster (20)

promocion de la salud
promocion de la saludpromocion de la salud
promocion de la salud
 
Educacion para la salud
Educacion para la saludEducacion para la salud
Educacion para la salud
 
1. estion del talento humano
1. estion del talento humano1. estion del talento humano
1. estion del talento humano
 
1. gestion del talento humano
1. gestion del talento humano1. gestion del talento humano
1. gestion del talento humano
 
2. gerencia conocimiento
2.  gerencia conocimiento2.  gerencia conocimiento
2. gerencia conocimiento
 
1. gestion del talento humano
1. gestion del talento humano1. gestion del talento humano
1. gestion del talento humano
 
Saude da mulher
Saude da mulherSaude da mulher
Saude da mulher
 
Disciplina de seminário saúde coletiva
Disciplina de seminário saúde coletivaDisciplina de seminário saúde coletiva
Disciplina de seminário saúde coletiva
 
Prevencao controle doencas
Prevencao controle doencasPrevencao controle doencas
Prevencao controle doencas
 
Saude Mercosur
Saude MercosurSaude Mercosur
Saude Mercosur
 
Mercosur2
Mercosur2Mercosur2
Mercosur2
 
1. evaluacion de riesgo de la salud
1. evaluacion de riesgo de la salud1. evaluacion de riesgo de la salud
1. evaluacion de riesgo de la salud
 
Analise f.o.d.a
Analise f.o.d.aAnalise f.o.d.a
Analise f.o.d.a
 
Pensamento crítico
Pensamento críticoPensamento crítico
Pensamento crítico
 
1. varila , viruela y sarampion
1. varila , viruela y sarampion1. varila , viruela y sarampion
1. varila , viruela y sarampion
 
Abnt resumo
Abnt resumo Abnt resumo
Abnt resumo
 
2. tipos de investigacion
2. tipos de investigacion2. tipos de investigacion
2. tipos de investigacion
 
1. introd a la invest clase 1
1.  introd a la invest clase 11.  introd a la invest clase 1
1. introd a la invest clase 1
 
1. metodologia
1. metodologia1. metodologia
1. metodologia
 
2. evaluacion de riesgo de la salud
2. evaluacion de riesgo de la salud2. evaluacion de riesgo de la salud
2. evaluacion de riesgo de la salud
 

Agravios controle doencas

  • 1. Agravios e Controle de Doencas
  • 2. Conceitos É freqüente, em saúde pública, o uso do termo controle como sinônimo de redução da incidência de uma doença a níveis tais que deixe de ser um problema para a população. Entende-se, aqui como agravos à saúde os danos à integridade física, mental e social dos indivíduos, provocados por doenças ou circunstâncias nocivas, como acidentes, intoxicações, abuso de drogas e lesões auto ou heteroinfligidas.
  • 3. Objetivos 1. Erradicação; 2. Eliminação; 3. Redução da incidência; 4. Redução da gravidade; 5. Redução da letalidade.
  • 4. Objetivos Os objetivos são definidos em função do grau de conhecimento técnico-científico que se tem do agravo, tanto no que se refere à sua produção como ao seu tratamento. São, portanto, passíveis de mudança, dependendo do avanço do conhecimento científico e tecnológico. A definição de objetivos depende ainda da disponibilidade de recursos financeiros e materiais e de decisão política das autoridades de um país.
  • 5. Eradicação Redução a zero da sua incidência e a manutenção deste valor independentemente da continuidade da aplicação das medidas de prevenção.
  • 6. Variola Há mais de 20 anos não há registro de caso novo no mundo, mesmo após a suspensão das atividades de vacinação, medida utilizada na campanha mundial de erradicação da doença. Quando este objetivo foi formulado, houve uma alteração na estratégia de aplicação da medida de prevenção adotada: a vacinação.
  • 7. Variola Quando este objetivo foi formulado, houve uma alteração na estratégia de aplicação da medida de prevenção adotada: a vacinação. A vacina contra a doença era conhecida há quase 200 anos (Ienner, 1796), porém era aplicado com vista à redução da sua incidência. A busca de cobertura universal desta medida preventiva foi adotada quando o objetivo da campanha passou a ser o de erradicação.
  • 8. Eliminação A redução a zero de sua incidência, mas com manutenção, indefinidamente no tempo, das medidas de controle.
  • 9. Sarampo O programa atual de controle do sarampo tem como objetivo a sua eliminação, porém com a manutenção de altas coberturas vacinais por tempo indeterminado.
  • 10. Poliomelite Tem como objetivo a eliminação da doença, porém sem suspender a vacinação, que deve manter altas coberturas, indefinidamente no Tempo.
  • 12. Tétano umbilical Estabeleceu como objetivo sua eliminação, por meio da vacinação permanente de mulheres em idade fértil.
  • 13. Eliminação Alguns autores adotam o termo eliminação para redução da incidência a zero de uma doença em um país, região ou continente e erradicação para a eliminação que atinge todos os continentes. Não entram no mérito da manutenção ou não de atividades de controle específicas.
  • 14. Redução da incidência Para muitos agravos, os conhecimentos atuais ainda não permitem que se estabeleçam atividades de controle com objetivos tão ambiciosos como os anteriores. Assim, muitas vezes, é possível apenas a redução da incidência a níveis tão suficientemente baixos que os agravos deixem de ser problemas de saúde pública. Ex.: controle do calazar, da doença de Chagas e da coqueluche.
  • 15. Redução da gravidade Para outros agravos, no momento, só se pode almejar programas de controle com objetivos de redução da gravidade, por meio de diagnóstico e tratamento precoces. Ex.: leishmaniose tegumentar e da esquistossomose
  • 16. Esquistossomose Tem resistido à diminuição de sua incidência, mas tem havido redução de suas formas graves, hépato-esplênicas, pelo tratamento em massa de população de escolares em áreas de alta prevalência.
  • 18. Reduzir a letalidade As vezes, o único objetivo possível é o de reduzir a letalidade de um agravo, como é o caso do programa de controle do câncer de mama, que utiliza o diagnóstico e o tratamento precoces, com a finalidade de diminuir o número de óbitos pela doença.
  • 19. Organizacao de Objetivos O controle de um agravo pode ter mais de um dos objetivos acima referidos. Se o objetivo é erradicar a doença, está claro que os outros objetivos, hierarquicamente inferiores, serão atingidos quando aquele for alcançado. Pode ainda ocorrer a mudança dos objetivos das atividades de controle em conseqüência de novos recursos científicos, tecnológicos e financeiros.
  • 20. Poliomielite O programa de controle da poliomielite passou a buscar a eliminação da doença e não apenas a redução de sua incidência.
  • 21. Hanseníase O da hanseníase busca hoje, além da menor gravidade dos casos, a redução da sua incidência pela diminuição das fontes de infecção, conseguida pela multiquimioterapia precoce.
  • 22. Dicotomia simplista entre erradicação e controle Não permite distinguir os outros objetivos de controle de um agravo. A importância desta abordagem não é somente de natureza semântica. O estabelecimento de objetivos bem claros, precisos e explícitos, leva à formulação de metodologias e estratégias adequadas ao que é proposto.
  • 23. Malária A estratégia global de luta contra a malária estabeleceu diferentes objetivos ao longo deste século. Antes da era do DDT, falava-se em controle da doença, Abr/Jun, 1998.
  • 24. Malária Com a descoberta do efeito inseticida do DDT, o programa adotou o objetivo de erradicação. De fato, a incidência da transmissão natural da doença foi eliminada nos países desenvolvidos. Porém, após verificar-se que os princípios em que se baseava a proposta de erradicação não eram aplicáveis em áreas subdesenvolvidas e de população instável, o programa voltou a adotar objetivos de redução da letalidade, redução da gravidade ou redução da incidência, dependendo das condições socioeconômicas, culturais, ambientais, epidemiológicas e biológicas locais.
  • 25. Controle O termo controle é muito amplo e engloba todas as medidas de luta contra um agravo. Os objetivos das atividades de controle devem estar coerentes com as medidas preventivas adotadas.
  • 26. Poliomielite Quando o programa objetivou a eliminação da doença, modificou sua estratégia de vacinação, criando os dias nacionais de vacinação, com intensa mobilização popular. Modificou ainda as atividades de vigilância epidemiológica da doença, estendendo a inves- tigação de casos a todos os de paralisia flácida e não apenas àqueles suspeitos de poliomielite nas suas formas clássicas.
  • 27. Conclusão A definição de objetivos precisos é de fundamental importância para a identificação das medidas preventivas a serem adotadas e na forma como devem ser aplicadas. É também de muito valor na avaliação dos resultados alcançados no controle de doenças e de outros agravos à saúde.