SlideShare uma empresa Scribd logo
CASO CLÍNICOCASO CLÍNICO
Aline Rodrigues
Marília Gomes
HISTÓRICOHISTÓRICO
Ficha clínica HV-UFG: 10260-1
Proprietária: Mônica Angélica
Nome: Sadan
Espécie: canina
Raça: fila brasileiro
Sexo: macho
Peso: 24,450kg
Idade: 2 anos
Mora com Nina (SRD – 3 anos)
Job (Pitbull – 10 meses)
Há 1 mês chegou Luli (Fila – 45 dias)
Mora na cidade: quintal com terra e brita
Alimenta-se com ração: bomguy – 2x ao dia
Sempre foi saudável
ANAMNESEANAMNESE
Normorexia, normodipsia e normoúria
Vômitos e diarréias: ausentes
Sem episódios de tosse e de convulsões
Vacinas: antirrábica em 2011
Desverminação: 30 dias atrás - canex
Ectoparasitas: ausentes - sarnatil
Sequência dos fatos: olhos muito vermelhos
pálpebras caídas
lacrimejando constante
feridas nas patas
edemaciamento
secreção purulenta
boca e testículos machucados
Atendimento médico veterinário
Medicamentos: legalon pomada
bisalmin - olho
spray de própolis - boca
aplicação de solução tópica - ouvido
Há 20 dias foi anestesiado para 2° consulta
Começou a emagrecer muito e houve significativa
piora das patas
Um episódio de febre: 10 gotas de dipirona
EXAME CLÍNICOEXAME CLÍNICO
Dia 03 de maio de 2012: Dr. Moisés HV-UFG
Reflexo: presente
Estado de atenção: apático
Linfonodos palpáveis: normais
Mucosas: ocular hiperêmica
pálpebra inferior ectrópica
secreção ocular purulenta
iniciaram-se ferimentos
TPC: 2seg
ECC: 1
Desidratação: 4%
Temperatura: 37,1°C
Testículos muito feridos e doloridos
Muita dor nas patas, principalmente nas traseiras
Sem dor à palpação abdominal
Sistemas cardíaco, respiratório e nervoso: normais
EXAMES COMPLEMENTARESEXAMES COMPLEMENTARES
Hemograma
Leucograma
Bioquímica sérica: ALT, uréia e creatinina
proteínas totais e albumina
Urinálise
Sedimentoscopia
Ultrassonografias: fígado e rins
SUSPEITASSUSPEITAS
Erliquiose
Babesiose
Cinomose
Dermatite fúngica
Piodermatite bacteriana
EXAMES COMPLEMENTARESEXAMES COMPLEMENTARES
Hemograma completoHemograma completo
Eritrograma Resultados Referências
HEMÁCIAS 5,94 5,50 – 8,50 tera/L
HEMATÓCRITO 41,1 36 – 54 %
HEMOGLOBINA 13,2 12 – 18 g/dl
VCM 69,2 60 – 77 fl
HCM 22,2 19 – 23 g/dl
CHCM 32,1 32 – 36 pg
ERITROBLASTOS 0 0 – 1,5 /100 leucócitos
PLAQUETAS* 182 200 – 900 giga/L
*Trombocitopenia leve
Leucograma Resultados (abs) Referências (abs)
LEUCÓCITOS 8.300 6000 – 17000 /mm³
MIELÓCITOS 0 0 /mm³
METAMIELÓCITOS 0 0 /mm³
BASTONETES 249 0 – 510 /mm³
SEGMENTADOS 7.636 3600 – 13090 /mm³
EOSINÓFILOS 0 120 – 1700 /mm³
BASÓFILOS 0 Raros /mm³
LINFÓCITOS* 83 720 – 5100 /mm³
MONÓCITOS 332 180 – 1700 /mm³
PLASMÓCITOS 0 0 /mm³
BLASTOS 0 0 /mm³
* Linfopenia
Bioquímica sérica eBioquímica sérica e
hematozoárioshematozoários
Testes Resultados Referências
ALT/TGP 40 20 – 50 UI/L
CREATININA 0,73 0,5 – 1,5 mg/dl
URÉIA 30 5 – 35 mg/dl
ALBUMINA* 2,23 2,6 – 3,3 g/dl
PROTEÍNA TOTAL 5,6 5,4 – 7,1 g/dl
Hematozoários: Amostra negativa
*Hipoalbuminemia
Urinálise eUrinálise e
sedimentoscopiasedimentoscopia
Exame físico e químico Resultados Referências
VOLUME 10 ml 10 ml
COR amarelo citrino amarelo citrino
CHEIRO sui generis sui generis
ASPECTO* turvo límpido
DEPÓSITO* intenso ausente
DENSIDADE* 1,050 1,015 – 1,045
pH* 7,6 5,0 – 7,0
PROTEÍNAS* ++ ausente
GLICOSE < 40 < 40 mg/dl
UROBILINOGÊNIO ausente < 1 mg/dl
BILIRRUBINA* ++ ausente
* Proteinúria e bilirrubinúria
Sedimentoscopia Resultados Referências
CEL. RENAIS E
PÉLVICAS*
algumas raras
PIÓCITOS* 20 < 6
HEMÁCIAS 04 < 6
MUCO vários ausentes
ESPERMATOZÓIDES ausentes ausentes
MICROBIOTA BACT.* acentuada ausentes
CILIN. HIALINOS* vários ausentes
CILIN. GRAN. FINOS* alguns ausentes
CRISTAIS* bilirrubina+++ ausentes
CRISTAIS OUTROS* + ausentes
* Presença de células renais e pélvicas, muco, bactérias e cilindrúria
DIAGNÓSTICOS PROVÁVEISDIAGNÓSTICOS PROVÁVEIS
Piodermatite bacterianaPiodermatite bacteriana
Infecção porInfecção por Erlichia canisErlichia canis
CinomoseCinomose
CistiteCistite
Piodermite bacterianaPiodermite bacteriana
Lesão bastante profunda e profusa
Pode atingir o tegumento em qualquer nível
Bacteriana – tipo mais grave - produz pus
Staphylococcus intermedius
Proteus mirablis, Pseudomonas sp., Streptococcuss
sp. - maior comprometimendo do tegumento
Espécie canina é mais sensível
Esparsa camada lipídica intercelular epidérmica,
pH elevado da pele, a ausência de um
rolhão escamoso-lipídico
no óstio folicular, e
estrato córneo não
muito compacto
Quanto à profundidade da infecção:
I. Piodermatites de superfície: dermatite úmida aguda,
iodermatite das dobras cutâneas, intertrigo das pregas
labiais, das dobras faciais, da cauda e prega vulvar e do cão
obeso.
II. Piodermatites superficiais: impetigo, foliculite superficial,
piodermatite superficial extensiva.
III.Piodermites profundas:
foliculite bacteriana profunda
e forunculose, piotraumática,
acne canina, pododermatite,
piodermite dos calos de apoio e celulite.
IV.Doenças classificadas como piodermite: celulite juvenil,
hidradenite supurativa(penfigóide bolhoso ou dermatose
ulcerativa do Collie ou Shetland Sheepdog).
Diagnóstico epidemiológico: raça, idade, sexo, manejo
higiênico e dietético, histórica clínica, presença de prurido,
ectoparasitas, sazonalidade, observação das lesões
Diagnóstico diferencial:
o sarna demodécica - raspado de pele
o dermatofitose - cultura, presença de
Trichophyton, Microsporum ou Epidermophyton
Diagnósticos laboratoriais:
o Exame citológico: bactérias livres não fagocitadas e
neutrófilos íntegros indicam colonização
o Biópsia de pele: antes tratar o quadro infeccioso
o Cultura bacteriana e antibiograma
Determinar então qual é o melhor tratamentoDeterminar então qual é o melhor tratamento
Tratamentos:
o Tópico: shampoos a base de clorexidina ou peróxido
de benzoíla
o Antibióticos: cefalosporinas, penicilinas
resistentes às penicilinases e fluoroquinolonas
o Protetor hepático: silimarina
ErliquioseErliquiose
Família: Anaplasmaceae
Gênero: Erlichia
Espécie: Erlichia canis
Bactérias G-
Intracelulares obrigatórios – células brancas
Transmitida por Rhipicephalus sanguineus
Incubação: 8-20 dias
Tipos:
o erliquiose monocítica canina
o erliquiose granulocítica canina
o erliquiose trombocítica canina
o erliquiose felina
Fases:
o Aguda: duração de 2-4 semanas, trombocitopenia e
leucopenia, sinais clínicos inespecíficos
o Subclínica: cura ou permanência, depressão, hemorragia,
edema de membros
o Crônica: trombocitopenia, muitos anticorpos,
comprometimento da medula óssea
 Óbito por hemorragia secundária à trombocitopenia,
trombocitopatias, infecção secundária
Diagnóstico:
o Fase aguda: anemia, trombocitopenia, pancitopenia,
linfocitose granular e leucopenia
o Fase crônica: trombocitopenia, leucopenia e anemia
severas
o Bioquímica sérica: hipoalbuminemia, hiperglobulinemia,
hipergamaglobulinemia, ↑ ALT, ↑ FA
Esfregaço sanguíneo: presença de corpúsculos de
inclusão ou mórulas
PCR: detecção espécie ou cepa variante
Presença do carrapato
Sinais clínicos
Tratamento:
o Antibiótico: diproprionato de imidocarb, doxiciclina
o Fluidoterapia e transfusão sanguínea
o Controle de carrapatos
CinomoseCinomose
Família: Paramixovirus
Gênero: Morbivirus
Espécie: vírus da cinomose canina
Fita simples de RNA, envelopado, pleomórfico
Acomete comumente os jovens (6 e 12 meses)
Altamente infecto-contagiosa e severa
Transmitida por aerossóis, secreções e excreções
Sem preferência por sexo ou raça
Acomete: cães domésticos, raposas, coiotes, lobos, chacais,
furões, visons, texugos, lontras, guaxinins, pandas, quatis e
felinos exóticos
Reservatório: principalmente cães domésticos
Morbidade entre 20% e 75%
Mortalidade entre 50% e 90%
Perde somente para a raiva canina
Uma semana antes dos sintomas o vírus replica
principalmente no tecido linfático, medula óssea,
baço e timo.
Uma semana após infecta os epitélios
gastrointestinal, respiratório, urogenital, pele e SNC.
A doença ocorre após a replicação do vírus nesses
órgãos.
A doença pode evoluir em 4 fases:
Respiratória: tosse seca, pneumonia, secreções nasal e
ocular, febre, aumento de linfonodos
Gastrointestinal: vômito, diarréia, anorexia, febre,
predisposição à infecções secundárias
Nervosa: alterações comportamentais, convulsões,
espasmos, sintomas vestibulares
Cutânea: dermatite com pústulas abdominais,
hiperqueratose nos coxins podais, conjuntivite
DiagnósticoDiagnóstico
Histórico
Sinais clínicos
Isolamento e cultivo viral
PCR
Análise do líquido cefalorraquidiano
Imunofluorescência
Histopatológico
Diagnóstico diferencialDiagnóstico diferencial
Parvovirose
Coronavirose
Parainfluenza
Raiva
Toxoplasmose
Intoxicação por chumbo
Prognóstico e tratamentoPrognóstico e tratamento
Prognóstico: reservado a desfavorável
Tratamento: suporte (antipiréticos, vitaminas do
complexo B, antieméticos, expectorantes, soluções
eletrolíticas, complementos nutricionais)
CistiteCistite
Inflamação da bexiga
Bacteriana, medicamentosa, secundária a outras
doenças, fúngica ou tumores e cálculos
Sinais: polidipsia, febre, prostração, odor
desagradável da urina.
Prognóstico: reservado à favorável
Tratamento: antibiótico, antipirético,
antiinflamatório e antisséptico
PROGNÓSTICO DO SADAN:PROGNÓSTICO DO SADAN:
Reservado à desfavorávelReservado à desfavorável
RECEITARECEITA
HOSPITAL VETERINÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS
Sadan, cão da raça fila brasileiro, 2 anos, 24,5kg
Uso interno
1- Doxiciclina_____________________________200mg___________________1 caixa
Dar via oral 1 comprimido de 12 em 12 horas, durante 21 dias.
2- Silimarina___________________________750mg__________________30 cápsulas
Manipular 30 cápsulas e dar via oral, 1 cápsula de 24 em 24 horas, durante 30 dias.
3- Ribovirina__________________________250mg______________________ 1 caixa
Dar via oral 3 comprimidos de 24 em 24 horas, durante 15 dias.
4- Omeprazol___________________________30mg______________________1 caixa
Dar via oral 1 cápsula de 24 em 24 horas, durante 20 dias.
5- Aminomix___________________________________________________1 envelope
Polvilhar 12,5g do aminomix na ração, de 24 em 24 horas durante 30 dias.
6- Enrofloxacina__________________________50mg_____________________1 caixa
Dar via oral meio comprimido de 12 em 12 horas, durante 7 dias.
7- Flavoxato____________________________100mg_____________________1 caixa
Manipular 7 comprimidos de 100mg e dar via oral de 24 em 24 horas, durante 7 dias.
8- Prednisona______________________________5mg____________________1 caixa
Dar via oral 1 comprimido de 12 em 12 horas, durante 7 dias.
Uso local
1- Eptezan______________________________________________________1 bisnaga
Aplicar 1 cm de pomada nos dois olhos logo após fazer a limpeza com solução
fisiológica, de 12 em 12 horas, durante 15 dias.
Uso tópico
1- Permanganato de potássio_________________________________________1 caixa
Diluir 100mg em 1 litro de água e deixar o animal com os pés imersos, de 24 em 24
horas, por 5 minutos, durante 15 dias.
10 de maio de 2012
DR. MOISÉS
MÉDICO VETERINÁRIO
CRMV 0000-00
Hospital Veterinário UFG - Rodovia GO 00 - Fone: (62) 3521.1587
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICASREFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
 Aguiar, D. M et al. Diagnóstico sorológico de erliquiose canina, com
antígeno brasileiro de Erlichia canis. Ciência Rural, Santa Maria, V. 7, N.
3, 2007.
 Dagnone, A. S. et al. Erliquiose nos animais e no homem. Revista Semina:
Ciências agrárias. V. 22, N.2, 2001.
 Nascimento, D. N. S. Cinomose canina. Universidade Federal Rural do
Semi-árido. 2009.
 www.sovergs.com.br/conbravet2008/anais/cd/resumos/R1162-2.pdf
 www.portaleducacao.com.br/veterinaria/artigos/2517/piodermite-
canina
 www.monografiaac.com.br/veterinaria/piodermite-canina.html
OObbrriiggaaddoo..
....

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Pancreatite felina
Pancreatite felinaPancreatite felina
Pancreatite felina
Carolina Trochmann
 
Exame fisico geral
Exame fisico geralExame fisico geral
Exame fisico geral
Jamile Vitória
 
Principais endocrinopatias em pequenos animais
Principais endocrinopatias em pequenos animaisPrincipais endocrinopatias em pequenos animais
Principais endocrinopatias em pequenos animais
ReginaReiniger
 
FIV e FeLV
FIV e FeLVFIV e FeLV
FIV e FeLV
Carolina Trochmann
 
Doenca de Carbúnculo Hemático e Sintomático de Animal.
Doenca de Carbúnculo Hemático e Sintomático de Animal.Doenca de Carbúnculo Hemático e Sintomático de Animal.
Doenca de Carbúnculo Hemático e Sintomático de Animal.
Alarindo Salvador Dos Santos
 
Doença Inflamatória Intestinal em gatos
Doença Inflamatória Intestinal em gatosDoença Inflamatória Intestinal em gatos
Doença Inflamatória Intestinal em gatos
Carolina Trochmann
 
FeLV - atualizações baseadas no consenso AAFP 2020
FeLV - atualizações baseadas no consenso AAFP 2020FeLV - atualizações baseadas no consenso AAFP 2020
FeLV - atualizações baseadas no consenso AAFP 2020
Carolina Trochmann
 
Leptospirose em cães
Leptospirose em cãesLeptospirose em cães
Leptospirose em cães
Michel Oliveira
 
Gatos não são cães!
Gatos não são cães!Gatos não são cães!
Gatos não são cães!
Carolina Trochmann
 
Medicina de aves selvagens
Medicina de aves selvagensMedicina de aves selvagens
Medicina de aves selvagens
Marília Gomes
 
Protocolos de Vacinação e Vermifugação em Cães e Gatos
Protocolos de Vacinação e Vermifugação em Cães e GatosProtocolos de Vacinação e Vermifugação em Cães e Gatos
Protocolos de Vacinação e Vermifugação em Cães e Gatos
Leonora Mello
 
Aula de digestivo parte 3
Aula de digestivo parte 3Aula de digestivo parte 3
Aula de digestivo parte 3
Raimundo Tostes
 
Introdução a-semiologia-ii
Introdução a-semiologia-iiIntrodução a-semiologia-ii
Introdução a-semiologia-ii
Luana Mara C. Serra
 
Febre aftosa slide de jardson rocha
Febre aftosa slide de jardson rochaFebre aftosa slide de jardson rocha
Febre aftosa slide de jardson rocha
JARDSON ROCHA
 
Apostila - Cardiologia Veterinária
Apostila - Cardiologia VeterináriaApostila - Cardiologia Veterinária
Apostila - Cardiologia Veterinária
Instituto Qualittas de Pós Graduação
 
Mormo.
Mormo.Mormo.
PCR - Benefícios na rotina clínica
PCR - Benefícios na rotina clínica PCR - Benefícios na rotina clínica
PCR - Benefícios na rotina clínica
Carolina Trochmann
 
Dermatofitose x dermatofilose
Dermatofitose x dermatofilose Dermatofitose x dermatofilose
Dermatofitose x dermatofilose
iaavila
 
Exame clínico neurológico de cães pedro augusto cordeiro borges
Exame clínico neurológico de cães   pedro augusto cordeiro borgesExame clínico neurológico de cães   pedro augusto cordeiro borges
Exame clínico neurológico de cães pedro augusto cordeiro borges
Pedro Augusto
 
Aula de Patologia do Sist. Digestório - Parte 1
Aula de Patologia do Sist. Digestório - Parte 1Aula de Patologia do Sist. Digestório - Parte 1
Aula de Patologia do Sist. Digestório - Parte 1
Raimundo Tostes
 

Mais procurados (20)

Pancreatite felina
Pancreatite felinaPancreatite felina
Pancreatite felina
 
Exame fisico geral
Exame fisico geralExame fisico geral
Exame fisico geral
 
Principais endocrinopatias em pequenos animais
Principais endocrinopatias em pequenos animaisPrincipais endocrinopatias em pequenos animais
Principais endocrinopatias em pequenos animais
 
FIV e FeLV
FIV e FeLVFIV e FeLV
FIV e FeLV
 
Doenca de Carbúnculo Hemático e Sintomático de Animal.
Doenca de Carbúnculo Hemático e Sintomático de Animal.Doenca de Carbúnculo Hemático e Sintomático de Animal.
Doenca de Carbúnculo Hemático e Sintomático de Animal.
 
Doença Inflamatória Intestinal em gatos
Doença Inflamatória Intestinal em gatosDoença Inflamatória Intestinal em gatos
Doença Inflamatória Intestinal em gatos
 
FeLV - atualizações baseadas no consenso AAFP 2020
FeLV - atualizações baseadas no consenso AAFP 2020FeLV - atualizações baseadas no consenso AAFP 2020
FeLV - atualizações baseadas no consenso AAFP 2020
 
Leptospirose em cães
Leptospirose em cãesLeptospirose em cães
Leptospirose em cães
 
Gatos não são cães!
Gatos não são cães!Gatos não são cães!
Gatos não são cães!
 
Medicina de aves selvagens
Medicina de aves selvagensMedicina de aves selvagens
Medicina de aves selvagens
 
Protocolos de Vacinação e Vermifugação em Cães e Gatos
Protocolos de Vacinação e Vermifugação em Cães e GatosProtocolos de Vacinação e Vermifugação em Cães e Gatos
Protocolos de Vacinação e Vermifugação em Cães e Gatos
 
Aula de digestivo parte 3
Aula de digestivo parte 3Aula de digestivo parte 3
Aula de digestivo parte 3
 
Introdução a-semiologia-ii
Introdução a-semiologia-iiIntrodução a-semiologia-ii
Introdução a-semiologia-ii
 
Febre aftosa slide de jardson rocha
Febre aftosa slide de jardson rochaFebre aftosa slide de jardson rocha
Febre aftosa slide de jardson rocha
 
Apostila - Cardiologia Veterinária
Apostila - Cardiologia VeterináriaApostila - Cardiologia Veterinária
Apostila - Cardiologia Veterinária
 
Mormo.
Mormo.Mormo.
Mormo.
 
PCR - Benefícios na rotina clínica
PCR - Benefícios na rotina clínica PCR - Benefícios na rotina clínica
PCR - Benefícios na rotina clínica
 
Dermatofitose x dermatofilose
Dermatofitose x dermatofilose Dermatofitose x dermatofilose
Dermatofitose x dermatofilose
 
Exame clínico neurológico de cães pedro augusto cordeiro borges
Exame clínico neurológico de cães   pedro augusto cordeiro borgesExame clínico neurológico de cães   pedro augusto cordeiro borges
Exame clínico neurológico de cães pedro augusto cordeiro borges
 
Aula de Patologia do Sist. Digestório - Parte 1
Aula de Patologia do Sist. Digestório - Parte 1Aula de Patologia do Sist. Digestório - Parte 1
Aula de Patologia do Sist. Digestório - Parte 1
 

Destaque

Caso clínico
Caso clínicoCaso clínico
Caso clínico
Marília Gomes
 
Caso clínico
Caso clínicoCaso clínico
Caso clínico
Marília Gomes
 
Degradação de pastagens em Goiás
Degradação de pastagens em GoiásDegradação de pastagens em Goiás
Degradação de pastagens em Goiás
Marília Gomes
 
Família pteropodidae
Família pteropodidaeFamília pteropodidae
Família pteropodidae
Marília Gomes
 
Nutrição, hormônios metabólicos e restabelecimento da ovulação
Nutrição, hormônios metabólicos e restabelecimento da ovulaçãoNutrição, hormônios metabólicos e restabelecimento da ovulação
Nutrição, hormônios metabólicos e restabelecimento da ovulação
Marília Gomes
 
Bioestimulação de fêmea pelo macho
Bioestimulação de fêmea pelo machoBioestimulação de fêmea pelo macho
Bioestimulação de fêmea pelo macho
Marília Gomes
 
Diarreia viral bovina
Diarreia viral bovinaDiarreia viral bovina
Diarreia viral bovina
Marília Gomes
 
Qualidade da água
Qualidade da águaQualidade da água
Qualidade da água
Marília Gomes
 
Portões de entrada e saída em granjas suinas
Portões de entrada e saída em granjas suinasPortões de entrada e saída em granjas suinas
Portões de entrada e saída em granjas suinas
Marília Gomes
 
Influência da morfologia e anatomia na qualidade de gramíneas tropicais
Influência da morfologia e anatomia na qualidade de gramíneas tropicaisInfluência da morfologia e anatomia na qualidade de gramíneas tropicais
Influência da morfologia e anatomia na qualidade de gramíneas tropicais
Marília Gomes
 
Produção e conservação
Produção e conservaçãoProdução e conservação
Produção e conservação
Marília Gomes
 
Eutanásia em veterinária
Eutanásia em veterináriaEutanásia em veterinária
Eutanásia em veterinária
Marília Gomes
 
Manejo de recria leiteira
Manejo de recria leiteiraManejo de recria leiteira
Manejo de recria leiteira
Marília Gomes
 
Ética e qualificação profissional - bioética e bem-estar animal
Ética e qualificação profissional - bioética e bem-estar animalÉtica e qualificação profissional - bioética e bem-estar animal
Ética e qualificação profissional - bioética e bem-estar animal
Marília Gomes
 
Osteologia animal - anatomia animal I
Osteologia animal - anatomia animal IOsteologia animal - anatomia animal I
Osteologia animal - anatomia animal I
Marília Gomes
 
Degradação de pastagens e a sustentabilidade da produção
Degradação de pastagens e a sustentabilidade da produçãoDegradação de pastagens e a sustentabilidade da produção
Degradação de pastagens e a sustentabilidade da produção
Marília Gomes
 
Histofisiologia tecido epitelial
Histofisiologia tecido epitelialHistofisiologia tecido epitelial
Histofisiologia tecido epitelial
Marília Gomes
 
Introdução ao comportamento animal - etologia e bem-estar animal
Introdução ao comportamento animal - etologia e bem-estar animalIntrodução ao comportamento animal - etologia e bem-estar animal
Introdução ao comportamento animal - etologia e bem-estar animal
Marília Gomes
 
Sustentabilidade á pasto, degradação de pastagem, integração lavoura-pecuária
Sustentabilidade á pasto, degradação de pastagem, integração lavoura-pecuáriaSustentabilidade á pasto, degradação de pastagem, integração lavoura-pecuária
Sustentabilidade á pasto, degradação de pastagem, integração lavoura-pecuária
Marília Gomes
 
Bem-estar e comportamento
Bem-estar e comportamentoBem-estar e comportamento
Bem-estar e comportamento
Marília Gomes
 

Destaque (20)

Caso clínico
Caso clínicoCaso clínico
Caso clínico
 
Caso clínico
Caso clínicoCaso clínico
Caso clínico
 
Degradação de pastagens em Goiás
Degradação de pastagens em GoiásDegradação de pastagens em Goiás
Degradação de pastagens em Goiás
 
Família pteropodidae
Família pteropodidaeFamília pteropodidae
Família pteropodidae
 
Nutrição, hormônios metabólicos e restabelecimento da ovulação
Nutrição, hormônios metabólicos e restabelecimento da ovulaçãoNutrição, hormônios metabólicos e restabelecimento da ovulação
Nutrição, hormônios metabólicos e restabelecimento da ovulação
 
Bioestimulação de fêmea pelo macho
Bioestimulação de fêmea pelo machoBioestimulação de fêmea pelo macho
Bioestimulação de fêmea pelo macho
 
Diarreia viral bovina
Diarreia viral bovinaDiarreia viral bovina
Diarreia viral bovina
 
Qualidade da água
Qualidade da águaQualidade da água
Qualidade da água
 
Portões de entrada e saída em granjas suinas
Portões de entrada e saída em granjas suinasPortões de entrada e saída em granjas suinas
Portões de entrada e saída em granjas suinas
 
Influência da morfologia e anatomia na qualidade de gramíneas tropicais
Influência da morfologia e anatomia na qualidade de gramíneas tropicaisInfluência da morfologia e anatomia na qualidade de gramíneas tropicais
Influência da morfologia e anatomia na qualidade de gramíneas tropicais
 
Produção e conservação
Produção e conservaçãoProdução e conservação
Produção e conservação
 
Eutanásia em veterinária
Eutanásia em veterináriaEutanásia em veterinária
Eutanásia em veterinária
 
Manejo de recria leiteira
Manejo de recria leiteiraManejo de recria leiteira
Manejo de recria leiteira
 
Ética e qualificação profissional - bioética e bem-estar animal
Ética e qualificação profissional - bioética e bem-estar animalÉtica e qualificação profissional - bioética e bem-estar animal
Ética e qualificação profissional - bioética e bem-estar animal
 
Osteologia animal - anatomia animal I
Osteologia animal - anatomia animal IOsteologia animal - anatomia animal I
Osteologia animal - anatomia animal I
 
Degradação de pastagens e a sustentabilidade da produção
Degradação de pastagens e a sustentabilidade da produçãoDegradação de pastagens e a sustentabilidade da produção
Degradação de pastagens e a sustentabilidade da produção
 
Histofisiologia tecido epitelial
Histofisiologia tecido epitelialHistofisiologia tecido epitelial
Histofisiologia tecido epitelial
 
Introdução ao comportamento animal - etologia e bem-estar animal
Introdução ao comportamento animal - etologia e bem-estar animalIntrodução ao comportamento animal - etologia e bem-estar animal
Introdução ao comportamento animal - etologia e bem-estar animal
 
Sustentabilidade á pasto, degradação de pastagem, integração lavoura-pecuária
Sustentabilidade á pasto, degradação de pastagem, integração lavoura-pecuáriaSustentabilidade á pasto, degradação de pastagem, integração lavoura-pecuária
Sustentabilidade á pasto, degradação de pastagem, integração lavoura-pecuária
 
Bem-estar e comportamento
Bem-estar e comportamentoBem-estar e comportamento
Bem-estar e comportamento
 

Semelhante a Caso clínico

Agentes virais 01 cinomose
Agentes virais 01 cinomoseAgentes virais 01 cinomose
Agentes virais 01 cinomose
Núbia Fernanda
 
Aula sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos
Aula   sanidade e enfermidade de caprinos e ovinosAula   sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos
Aula sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos
Cutrim Junior
 
Sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinosSanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Marília Gomes
 
Interpretacao leucograma
Interpretacao leucogramaInterpretacao leucograma
Interpretacao leucograma
ReginaReiniger
 
apresentação estudo de caso LUZA.pptx
apresentação estudo de caso LUZA.pptxapresentação estudo de caso LUZA.pptx
apresentação estudo de caso LUZA.pptx
enfermeiraelainnechr
 
Leptospira spp em gatos: estamos subestimando essa infecção?
Leptospira spp em gatos: estamos subestimando essa infecção? Leptospira spp em gatos: estamos subestimando essa infecção?
Leptospira spp em gatos: estamos subestimando essa infecção?
Carolina Trochmann
 
Em Tempos De Dengue II
Em Tempos De Dengue IIEm Tempos De Dengue II
Em Tempos De Dengue II
marioaugusto
 
Em Tempos De Dengue
Em Tempos De DengueEm Tempos De Dengue
Em Tempos De Dengue
thiagoroberto
 
Leptospirose Rodrigo.pptx
Leptospirose  Rodrigo.pptxLeptospirose  Rodrigo.pptx
Leptospirose Rodrigo.pptx
FilipeBezerra15
 
Doenças de suídeos OIE 2
Doenças de suídeos OIE 2Doenças de suídeos OIE 2
Doenças de suídeos OIE 2
Marília Gomes
 
Aula 4 dermato parte 2
Aula 4 dermato parte 2Aula 4 dermato parte 2
Aula 4 dermato parte 2
ReginaReiniger
 
Adenovírus canino tipo 1
Adenovírus canino tipo 1Adenovírus canino tipo 1
Adenovírus canino tipo 1
karencamargo31
 
Aula sobre Leishmaniose visceral.ppt
Aula sobre Leishmaniose visceral.pptAula sobre Leishmaniose visceral.ppt
Aula sobre Leishmaniose visceral.ppt
GabrielMartinsCabral
 
Caso clínico leishmaniose visceral
Caso clínico leishmaniose visceralCaso clínico leishmaniose visceral
Caso clínico leishmaniose visceral
Professor Robson
 
MEDICINA VETERINÁRIA - DOENÇAS INFECCIOSAS EM CÃES
MEDICINA VETERINÁRIA - DOENÇAS INFECCIOSAS EM CÃESMEDICINA VETERINÁRIA - DOENÇAS INFECCIOSAS EM CÃES
MEDICINA VETERINÁRIA - DOENÇAS INFECCIOSAS EM CÃES
MillaArajo5
 
Fibrose cistica
Fibrose cisticaFibrose cistica
Fibrose cistica
Denise Maria
 
Fibrose cistica Medicina UFT
Fibrose cistica Medicina UFT Fibrose cistica Medicina UFT
Fibrose cistica Medicina UFT
felippehenrique
 
Fibrose cistica
Fibrose cisticaFibrose cistica
Fibrose cistica
Mandydra
 
Exames Infecção Trato Urinário
Exames Infecção Trato UrinárioExames Infecção Trato Urinário
Exames Infecção Trato Urinário
Jucie Vasconcelos
 
Caso Clínico Veterinário: Poliencefalomalácia em Bovino
Caso Clínico Veterinário: Poliencefalomalácia em BovinoCaso Clínico Veterinário: Poliencefalomalácia em Bovino
Caso Clínico Veterinário: Poliencefalomalácia em Bovino
Natália Borges
 

Semelhante a Caso clínico (20)

Agentes virais 01 cinomose
Agentes virais 01 cinomoseAgentes virais 01 cinomose
Agentes virais 01 cinomose
 
Aula sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos
Aula   sanidade e enfermidade de caprinos e ovinosAula   sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos
Aula sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos
 
Sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinosSanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
 
Interpretacao leucograma
Interpretacao leucogramaInterpretacao leucograma
Interpretacao leucograma
 
apresentação estudo de caso LUZA.pptx
apresentação estudo de caso LUZA.pptxapresentação estudo de caso LUZA.pptx
apresentação estudo de caso LUZA.pptx
 
Leptospira spp em gatos: estamos subestimando essa infecção?
Leptospira spp em gatos: estamos subestimando essa infecção? Leptospira spp em gatos: estamos subestimando essa infecção?
Leptospira spp em gatos: estamos subestimando essa infecção?
 
Em Tempos De Dengue II
Em Tempos De Dengue IIEm Tempos De Dengue II
Em Tempos De Dengue II
 
Em Tempos De Dengue
Em Tempos De DengueEm Tempos De Dengue
Em Tempos De Dengue
 
Leptospirose Rodrigo.pptx
Leptospirose  Rodrigo.pptxLeptospirose  Rodrigo.pptx
Leptospirose Rodrigo.pptx
 
Doenças de suídeos OIE 2
Doenças de suídeos OIE 2Doenças de suídeos OIE 2
Doenças de suídeos OIE 2
 
Aula 4 dermato parte 2
Aula 4 dermato parte 2Aula 4 dermato parte 2
Aula 4 dermato parte 2
 
Adenovírus canino tipo 1
Adenovírus canino tipo 1Adenovírus canino tipo 1
Adenovírus canino tipo 1
 
Aula sobre Leishmaniose visceral.ppt
Aula sobre Leishmaniose visceral.pptAula sobre Leishmaniose visceral.ppt
Aula sobre Leishmaniose visceral.ppt
 
Caso clínico leishmaniose visceral
Caso clínico leishmaniose visceralCaso clínico leishmaniose visceral
Caso clínico leishmaniose visceral
 
MEDICINA VETERINÁRIA - DOENÇAS INFECCIOSAS EM CÃES
MEDICINA VETERINÁRIA - DOENÇAS INFECCIOSAS EM CÃESMEDICINA VETERINÁRIA - DOENÇAS INFECCIOSAS EM CÃES
MEDICINA VETERINÁRIA - DOENÇAS INFECCIOSAS EM CÃES
 
Fibrose cistica
Fibrose cisticaFibrose cistica
Fibrose cistica
 
Fibrose cistica Medicina UFT
Fibrose cistica Medicina UFT Fibrose cistica Medicina UFT
Fibrose cistica Medicina UFT
 
Fibrose cistica
Fibrose cisticaFibrose cistica
Fibrose cistica
 
Exames Infecção Trato Urinário
Exames Infecção Trato UrinárioExames Infecção Trato Urinário
Exames Infecção Trato Urinário
 
Caso Clínico Veterinário: Poliencefalomalácia em Bovino
Caso Clínico Veterinário: Poliencefalomalácia em BovinoCaso Clínico Veterinário: Poliencefalomalácia em Bovino
Caso Clínico Veterinário: Poliencefalomalácia em Bovino
 

Mais de Marília Gomes

Possibilidades de tratamentos integrativos na medicina veterinária
Possibilidades de tratamentos integrativos na medicina veterináriaPossibilidades de tratamentos integrativos na medicina veterinária
Possibilidades de tratamentos integrativos na medicina veterinária
Marília Gomes
 
Patologias do sistema reprodutor
Patologias do sistema reprodutorPatologias do sistema reprodutor
Patologias do sistema reprodutor
Marília Gomes
 
Patologias do sistema urinário
Patologias do sistema urinárioPatologias do sistema urinário
Patologias do sistema urinário
Marília Gomes
 
Bem-estar em avicultura e suinocultura
Bem-estar em avicultura e suinoculturaBem-estar em avicultura e suinocultura
Bem-estar em avicultura e suinocultura
Marília Gomes
 
Principais doenças que acometem aves comerciais
Principais doenças que acometem aves comerciaisPrincipais doenças que acometem aves comerciais
Principais doenças que acometem aves comerciais
Marília Gomes
 
Necropsia em aves
Necropsia em avesNecropsia em aves
Necropsia em aves
Marília Gomes
 
Tratamento via água e ração
Tratamento via água e raçãoTratamento via água e ração
Tratamento via água e ração
Marília Gomes
 
Medicina de mamíferos selvagens
Medicina de mamíferos selvagensMedicina de mamíferos selvagens
Medicina de mamíferos selvagens
Marília Gomes
 
Medicina de répteis
Medicina de répteisMedicina de répteis
Medicina de répteis
Marília Gomes
 
Semiologia de animais selvagens
Semiologia de animais selvagensSemiologia de animais selvagens
Semiologia de animais selvagens
Marília Gomes
 
Conceitos, biosseguridade e conservação de animais selvagens
Conceitos, biosseguridade e conservação de animais selvagensConceitos, biosseguridade e conservação de animais selvagens
Conceitos, biosseguridade e conservação de animais selvagens
Marília Gomes
 
Anatomia topográfica das aves
Anatomia topográfica das avesAnatomia topográfica das aves
Anatomia topográfica das aves
Marília Gomes
 
Topografia veterinária - membros torácicos e pélvicos
Topografia veterinária - membros torácicos e pélvicosTopografia veterinária - membros torácicos e pélvicos
Topografia veterinária - membros torácicos e pélvicos
Marília Gomes
 
Patologias do sistema respiratório
Patologias do sistema respiratórioPatologias do sistema respiratório
Patologias do sistema respiratório
Marília Gomes
 
patologias do sistema cardiovascular
patologias do sistema cardiovascularpatologias do sistema cardiovascular
patologias do sistema cardiovascular
Marília Gomes
 
Topografia veterinária - abdômen
Topografia veterinária - abdômenTopografia veterinária - abdômen
Topografia veterinária - abdômen
Marília Gomes
 
Topografia veterinária - tórax
Topografia veterinária - tóraxTopografia veterinária - tórax
Topografia veterinária - tórax
Marília Gomes
 
Pigmentos e pigmentações
Pigmentos e pigmentaçõesPigmentos e pigmentações
Pigmentos e pigmentações
Marília Gomes
 
Calcificações patológicas
Calcificações patológicasCalcificações patológicas
Calcificações patológicas
Marília Gomes
 
Lesões celulares reversíveis e irreversíveis 15.09.21
Lesões celulares reversíveis e irreversíveis 15.09.21Lesões celulares reversíveis e irreversíveis 15.09.21
Lesões celulares reversíveis e irreversíveis 15.09.21
Marília Gomes
 

Mais de Marília Gomes (20)

Possibilidades de tratamentos integrativos na medicina veterinária
Possibilidades de tratamentos integrativos na medicina veterináriaPossibilidades de tratamentos integrativos na medicina veterinária
Possibilidades de tratamentos integrativos na medicina veterinária
 
Patologias do sistema reprodutor
Patologias do sistema reprodutorPatologias do sistema reprodutor
Patologias do sistema reprodutor
 
Patologias do sistema urinário
Patologias do sistema urinárioPatologias do sistema urinário
Patologias do sistema urinário
 
Bem-estar em avicultura e suinocultura
Bem-estar em avicultura e suinoculturaBem-estar em avicultura e suinocultura
Bem-estar em avicultura e suinocultura
 
Principais doenças que acometem aves comerciais
Principais doenças que acometem aves comerciaisPrincipais doenças que acometem aves comerciais
Principais doenças que acometem aves comerciais
 
Necropsia em aves
Necropsia em avesNecropsia em aves
Necropsia em aves
 
Tratamento via água e ração
Tratamento via água e raçãoTratamento via água e ração
Tratamento via água e ração
 
Medicina de mamíferos selvagens
Medicina de mamíferos selvagensMedicina de mamíferos selvagens
Medicina de mamíferos selvagens
 
Medicina de répteis
Medicina de répteisMedicina de répteis
Medicina de répteis
 
Semiologia de animais selvagens
Semiologia de animais selvagensSemiologia de animais selvagens
Semiologia de animais selvagens
 
Conceitos, biosseguridade e conservação de animais selvagens
Conceitos, biosseguridade e conservação de animais selvagensConceitos, biosseguridade e conservação de animais selvagens
Conceitos, biosseguridade e conservação de animais selvagens
 
Anatomia topográfica das aves
Anatomia topográfica das avesAnatomia topográfica das aves
Anatomia topográfica das aves
 
Topografia veterinária - membros torácicos e pélvicos
Topografia veterinária - membros torácicos e pélvicosTopografia veterinária - membros torácicos e pélvicos
Topografia veterinária - membros torácicos e pélvicos
 
Patologias do sistema respiratório
Patologias do sistema respiratórioPatologias do sistema respiratório
Patologias do sistema respiratório
 
patologias do sistema cardiovascular
patologias do sistema cardiovascularpatologias do sistema cardiovascular
patologias do sistema cardiovascular
 
Topografia veterinária - abdômen
Topografia veterinária - abdômenTopografia veterinária - abdômen
Topografia veterinária - abdômen
 
Topografia veterinária - tórax
Topografia veterinária - tóraxTopografia veterinária - tórax
Topografia veterinária - tórax
 
Pigmentos e pigmentações
Pigmentos e pigmentaçõesPigmentos e pigmentações
Pigmentos e pigmentações
 
Calcificações patológicas
Calcificações patológicasCalcificações patológicas
Calcificações patológicas
 
Lesões celulares reversíveis e irreversíveis 15.09.21
Lesões celulares reversíveis e irreversíveis 15.09.21Lesões celulares reversíveis e irreversíveis 15.09.21
Lesões celulares reversíveis e irreversíveis 15.09.21
 

Último

Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
vitorreissouzasilva
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
HelenStefany
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdfConcurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
TathyLopes1
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
GracinhaSantos6
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Nertan Dias
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
ElinarioCosta
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
Manuais Formação
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
samucajaime015
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
WELTONROBERTOFREITAS
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
erssstcontato
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
MatheusSousa716350
 

Último (20)

Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdfConcurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
 

Caso clínico

  • 1. CASO CLÍNICOCASO CLÍNICO Aline Rodrigues Marília Gomes
  • 2. HISTÓRICOHISTÓRICO Ficha clínica HV-UFG: 10260-1 Proprietária: Mônica Angélica Nome: Sadan Espécie: canina Raça: fila brasileiro Sexo: macho Peso: 24,450kg
  • 3. Idade: 2 anos Mora com Nina (SRD – 3 anos) Job (Pitbull – 10 meses) Há 1 mês chegou Luli (Fila – 45 dias) Mora na cidade: quintal com terra e brita Alimenta-se com ração: bomguy – 2x ao dia Sempre foi saudável
  • 4. ANAMNESEANAMNESE Normorexia, normodipsia e normoúria Vômitos e diarréias: ausentes Sem episódios de tosse e de convulsões Vacinas: antirrábica em 2011 Desverminação: 30 dias atrás - canex
  • 5. Ectoparasitas: ausentes - sarnatil Sequência dos fatos: olhos muito vermelhos pálpebras caídas lacrimejando constante feridas nas patas edemaciamento secreção purulenta boca e testículos machucados
  • 6. Atendimento médico veterinário Medicamentos: legalon pomada bisalmin - olho spray de própolis - boca aplicação de solução tópica - ouvido Há 20 dias foi anestesiado para 2° consulta Começou a emagrecer muito e houve significativa piora das patas Um episódio de febre: 10 gotas de dipirona
  • 7. EXAME CLÍNICOEXAME CLÍNICO Dia 03 de maio de 2012: Dr. Moisés HV-UFG Reflexo: presente Estado de atenção: apático Linfonodos palpáveis: normais Mucosas: ocular hiperêmica pálpebra inferior ectrópica secreção ocular purulenta iniciaram-se ferimentos
  • 8. TPC: 2seg ECC: 1 Desidratação: 4% Temperatura: 37,1°C
  • 9. Testículos muito feridos e doloridos Muita dor nas patas, principalmente nas traseiras Sem dor à palpação abdominal Sistemas cardíaco, respiratório e nervoso: normais
  • 10. EXAMES COMPLEMENTARESEXAMES COMPLEMENTARES Hemograma Leucograma Bioquímica sérica: ALT, uréia e creatinina proteínas totais e albumina Urinálise Sedimentoscopia Ultrassonografias: fígado e rins
  • 11.
  • 15. Eritrograma Resultados Referências HEMÁCIAS 5,94 5,50 – 8,50 tera/L HEMATÓCRITO 41,1 36 – 54 % HEMOGLOBINA 13,2 12 – 18 g/dl VCM 69,2 60 – 77 fl HCM 22,2 19 – 23 g/dl CHCM 32,1 32 – 36 pg ERITROBLASTOS 0 0 – 1,5 /100 leucócitos PLAQUETAS* 182 200 – 900 giga/L *Trombocitopenia leve
  • 16. Leucograma Resultados (abs) Referências (abs) LEUCÓCITOS 8.300 6000 – 17000 /mm³ MIELÓCITOS 0 0 /mm³ METAMIELÓCITOS 0 0 /mm³ BASTONETES 249 0 – 510 /mm³ SEGMENTADOS 7.636 3600 – 13090 /mm³ EOSINÓFILOS 0 120 – 1700 /mm³ BASÓFILOS 0 Raros /mm³ LINFÓCITOS* 83 720 – 5100 /mm³ MONÓCITOS 332 180 – 1700 /mm³ PLASMÓCITOS 0 0 /mm³ BLASTOS 0 0 /mm³ * Linfopenia
  • 17. Bioquímica sérica eBioquímica sérica e hematozoárioshematozoários
  • 18. Testes Resultados Referências ALT/TGP 40 20 – 50 UI/L CREATININA 0,73 0,5 – 1,5 mg/dl URÉIA 30 5 – 35 mg/dl ALBUMINA* 2,23 2,6 – 3,3 g/dl PROTEÍNA TOTAL 5,6 5,4 – 7,1 g/dl Hematozoários: Amostra negativa *Hipoalbuminemia
  • 20. Exame físico e químico Resultados Referências VOLUME 10 ml 10 ml COR amarelo citrino amarelo citrino CHEIRO sui generis sui generis ASPECTO* turvo límpido DEPÓSITO* intenso ausente DENSIDADE* 1,050 1,015 – 1,045 pH* 7,6 5,0 – 7,0 PROTEÍNAS* ++ ausente GLICOSE < 40 < 40 mg/dl UROBILINOGÊNIO ausente < 1 mg/dl BILIRRUBINA* ++ ausente * Proteinúria e bilirrubinúria
  • 21. Sedimentoscopia Resultados Referências CEL. RENAIS E PÉLVICAS* algumas raras PIÓCITOS* 20 < 6 HEMÁCIAS 04 < 6 MUCO vários ausentes ESPERMATOZÓIDES ausentes ausentes MICROBIOTA BACT.* acentuada ausentes CILIN. HIALINOS* vários ausentes CILIN. GRAN. FINOS* alguns ausentes CRISTAIS* bilirrubina+++ ausentes CRISTAIS OUTROS* + ausentes * Presença de células renais e pélvicas, muco, bactérias e cilindrúria
  • 22. DIAGNÓSTICOS PROVÁVEISDIAGNÓSTICOS PROVÁVEIS Piodermatite bacterianaPiodermatite bacteriana Infecção porInfecção por Erlichia canisErlichia canis CinomoseCinomose CistiteCistite
  • 23.
  • 24. Piodermite bacterianaPiodermite bacteriana Lesão bastante profunda e profusa Pode atingir o tegumento em qualquer nível Bacteriana – tipo mais grave - produz pus Staphylococcus intermedius Proteus mirablis, Pseudomonas sp., Streptococcuss sp. - maior comprometimendo do tegumento
  • 25. Espécie canina é mais sensível Esparsa camada lipídica intercelular epidérmica, pH elevado da pele, a ausência de um rolhão escamoso-lipídico no óstio folicular, e estrato córneo não muito compacto
  • 26. Quanto à profundidade da infecção: I. Piodermatites de superfície: dermatite úmida aguda, iodermatite das dobras cutâneas, intertrigo das pregas labiais, das dobras faciais, da cauda e prega vulvar e do cão obeso. II. Piodermatites superficiais: impetigo, foliculite superficial, piodermatite superficial extensiva.
  • 27. III.Piodermites profundas: foliculite bacteriana profunda e forunculose, piotraumática, acne canina, pododermatite, piodermite dos calos de apoio e celulite. IV.Doenças classificadas como piodermite: celulite juvenil, hidradenite supurativa(penfigóide bolhoso ou dermatose ulcerativa do Collie ou Shetland Sheepdog).
  • 28. Diagnóstico epidemiológico: raça, idade, sexo, manejo higiênico e dietético, histórica clínica, presença de prurido, ectoparasitas, sazonalidade, observação das lesões Diagnóstico diferencial: o sarna demodécica - raspado de pele o dermatofitose - cultura, presença de Trichophyton, Microsporum ou Epidermophyton
  • 29. Diagnósticos laboratoriais: o Exame citológico: bactérias livres não fagocitadas e neutrófilos íntegros indicam colonização o Biópsia de pele: antes tratar o quadro infeccioso o Cultura bacteriana e antibiograma Determinar então qual é o melhor tratamentoDeterminar então qual é o melhor tratamento
  • 30. Tratamentos: o Tópico: shampoos a base de clorexidina ou peróxido de benzoíla o Antibióticos: cefalosporinas, penicilinas resistentes às penicilinases e fluoroquinolonas o Protetor hepático: silimarina
  • 31. ErliquioseErliquiose Família: Anaplasmaceae Gênero: Erlichia Espécie: Erlichia canis Bactérias G- Intracelulares obrigatórios – células brancas Transmitida por Rhipicephalus sanguineus
  • 32. Incubação: 8-20 dias Tipos: o erliquiose monocítica canina o erliquiose granulocítica canina o erliquiose trombocítica canina o erliquiose felina
  • 33. Fases: o Aguda: duração de 2-4 semanas, trombocitopenia e leucopenia, sinais clínicos inespecíficos o Subclínica: cura ou permanência, depressão, hemorragia, edema de membros o Crônica: trombocitopenia, muitos anticorpos, comprometimento da medula óssea  Óbito por hemorragia secundária à trombocitopenia, trombocitopatias, infecção secundária
  • 34. Diagnóstico: o Fase aguda: anemia, trombocitopenia, pancitopenia, linfocitose granular e leucopenia o Fase crônica: trombocitopenia, leucopenia e anemia severas o Bioquímica sérica: hipoalbuminemia, hiperglobulinemia, hipergamaglobulinemia, ↑ ALT, ↑ FA
  • 35. Esfregaço sanguíneo: presença de corpúsculos de inclusão ou mórulas PCR: detecção espécie ou cepa variante Presença do carrapato Sinais clínicos
  • 36. Tratamento: o Antibiótico: diproprionato de imidocarb, doxiciclina o Fluidoterapia e transfusão sanguínea o Controle de carrapatos
  • 37.
  • 38. CinomoseCinomose Família: Paramixovirus Gênero: Morbivirus Espécie: vírus da cinomose canina Fita simples de RNA, envelopado, pleomórfico Acomete comumente os jovens (6 e 12 meses) Altamente infecto-contagiosa e severa Transmitida por aerossóis, secreções e excreções
  • 39. Sem preferência por sexo ou raça Acomete: cães domésticos, raposas, coiotes, lobos, chacais, furões, visons, texugos, lontras, guaxinins, pandas, quatis e felinos exóticos Reservatório: principalmente cães domésticos Morbidade entre 20% e 75% Mortalidade entre 50% e 90% Perde somente para a raiva canina
  • 40. Uma semana antes dos sintomas o vírus replica principalmente no tecido linfático, medula óssea, baço e timo. Uma semana após infecta os epitélios gastrointestinal, respiratório, urogenital, pele e SNC. A doença ocorre após a replicação do vírus nesses órgãos.
  • 41. A doença pode evoluir em 4 fases: Respiratória: tosse seca, pneumonia, secreções nasal e ocular, febre, aumento de linfonodos Gastrointestinal: vômito, diarréia, anorexia, febre, predisposição à infecções secundárias Nervosa: alterações comportamentais, convulsões, espasmos, sintomas vestibulares Cutânea: dermatite com pústulas abdominais, hiperqueratose nos coxins podais, conjuntivite
  • 42. DiagnósticoDiagnóstico Histórico Sinais clínicos Isolamento e cultivo viral PCR Análise do líquido cefalorraquidiano Imunofluorescência Histopatológico
  • 44. Prognóstico e tratamentoPrognóstico e tratamento Prognóstico: reservado a desfavorável Tratamento: suporte (antipiréticos, vitaminas do complexo B, antieméticos, expectorantes, soluções eletrolíticas, complementos nutricionais)
  • 45. CistiteCistite Inflamação da bexiga Bacteriana, medicamentosa, secundária a outras doenças, fúngica ou tumores e cálculos Sinais: polidipsia, febre, prostração, odor desagradável da urina.
  • 46. Prognóstico: reservado à favorável Tratamento: antibiótico, antipirético, antiinflamatório e antisséptico
  • 47. PROGNÓSTICO DO SADAN:PROGNÓSTICO DO SADAN: Reservado à desfavorávelReservado à desfavorável
  • 49. HOSPITAL VETERINÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Sadan, cão da raça fila brasileiro, 2 anos, 24,5kg Uso interno 1- Doxiciclina_____________________________200mg___________________1 caixa Dar via oral 1 comprimido de 12 em 12 horas, durante 21 dias. 2- Silimarina___________________________750mg__________________30 cápsulas Manipular 30 cápsulas e dar via oral, 1 cápsula de 24 em 24 horas, durante 30 dias. 3- Ribovirina__________________________250mg______________________ 1 caixa Dar via oral 3 comprimidos de 24 em 24 horas, durante 15 dias. 4- Omeprazol___________________________30mg______________________1 caixa Dar via oral 1 cápsula de 24 em 24 horas, durante 20 dias. 5- Aminomix___________________________________________________1 envelope Polvilhar 12,5g do aminomix na ração, de 24 em 24 horas durante 30 dias. 6- Enrofloxacina__________________________50mg_____________________1 caixa Dar via oral meio comprimido de 12 em 12 horas, durante 7 dias. 7- Flavoxato____________________________100mg_____________________1 caixa Manipular 7 comprimidos de 100mg e dar via oral de 24 em 24 horas, durante 7 dias. 8- Prednisona______________________________5mg____________________1 caixa Dar via oral 1 comprimido de 12 em 12 horas, durante 7 dias. Uso local 1- Eptezan______________________________________________________1 bisnaga Aplicar 1 cm de pomada nos dois olhos logo após fazer a limpeza com solução fisiológica, de 12 em 12 horas, durante 15 dias. Uso tópico 1- Permanganato de potássio_________________________________________1 caixa Diluir 100mg em 1 litro de água e deixar o animal com os pés imersos, de 24 em 24 horas, por 5 minutos, durante 15 dias. 10 de maio de 2012 DR. MOISÉS MÉDICO VETERINÁRIO CRMV 0000-00 Hospital Veterinário UFG - Rodovia GO 00 - Fone: (62) 3521.1587
  • 50. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICASREFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS  Aguiar, D. M et al. Diagnóstico sorológico de erliquiose canina, com antígeno brasileiro de Erlichia canis. Ciência Rural, Santa Maria, V. 7, N. 3, 2007.  Dagnone, A. S. et al. Erliquiose nos animais e no homem. Revista Semina: Ciências agrárias. V. 22, N.2, 2001.  Nascimento, D. N. S. Cinomose canina. Universidade Federal Rural do Semi-árido. 2009.  www.sovergs.com.br/conbravet2008/anais/cd/resumos/R1162-2.pdf  www.portaleducacao.com.br/veterinaria/artigos/2517/piodermite- canina  www.monografiaac.com.br/veterinaria/piodermite-canina.html