SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 32
Baixar para ler offline
TEORIA SÓCIO-HISTÓRICA



    LEV VYGOTSKY
        1896/1934
Dados Biográficos
              - Nasceu em Orsha, Bielorussia,
              em 17 de novembro de 1896.


              - Judeu, pertencente a uma
              família culta e bastante
              numerosa. Era o segundo de oito
              irmãos.


              - Recebeu uma educação
              privilegiada, desenvolvendo a
              capacidade de pensar de forma
              questionadora e crítica.
LEV VYGOTSKY
                      - A obra de Vygotsky pode ser dividida em
                      duas partes. Uma anterior a 1924 e outra a
                      partir deste ano quando apresentou o
                      trabalho “Métodos da pesquisa reflexológica
                      e psicológica” no II Congresso e
                      Psiconeurologia de Leningrado.


                      - A partir daí, Vygotsky inicia uma nova fase
                      de sua vida. Muda-se para Moscou para
                      trabalhar no Instituto de Psicologia.
                      Incorporam-se a sua equipe: Aleksei Leontiev
                      (1904 – 1979) e Aleksander Luria (1902-1977).


                      - Entre 1924 e 1934, Vygotsky realizou uma
                      intensa e incessante atividade acadêmica e
                      científica que pode ser conferida em seus
                      trabalhos publicados.
   Luria e Leontiev
LEV VYGOTSKY

         - Em 1931, Vygotsky muda-se para a Ucrânia para criar o
         Departamento de Psicologia.


         - Junto com seus colaboradores, Luria, Leontiev e
         Galperin, iniciou um estudo comparativo entre o
         funcionamento cognitivo dos grupos que apresentam
         formas culturais tradicionais e grupos que passam por
         uma situação de mudança cultural acelerado.


         - Os resultados desse trabalho provocaram sérias críticas
         ao governo. Em função disso, um ano após sua morte,
         seus escritos foram proibidos e só foram publicados
         quarenta anos depois.
LEV VYGOTSKY




       Vygotsky morreu em 11 de junho de 1934,
      vítima da tuberculose, com apenas 37 anos.
LEV. S. VYGOTSKY


    Preocupação Central


FUNÇÕES PSICOLÓGICAS SUPERIORES




Tipicamente humanas
                      Intencionais

      Voluntárias

     conscientemente controladas
As funções psicológicas superiores são o que distingue os seres humanos
dos animais, estes apresentam apenas funções psicológicas elementares



                                reações automáticas, ações reflexas e
                               associações simples (origem biológica).




      Ao nascer, o ser humano possui apenas as funções
  psicológicas elementares. Na convivência com o meio social
   e cultural a criança vai aprendendo e, conseqüentemente,
      desenvolvendo as funções psicológicas superiores.
FUNÇÕES PSICOLÓGICAS SUPERIORES



 Controle consciente do comportamento

            Atenção e memória voluntária


  Memorização Ativa


                  Pensamento abstrato


Raciocínio dedutivo


              Capacidade de planejamento
Vygotsky se dedicou ao estudo das
   funções psicológicas superiores –
  funcionamento psicológico tipicamente
               humano.



        Mecanismos intencionais, ações
    conscientemente controladas, processos
voluntários que dão ao indivíduo a possibilidade
de independência em relação às características
        do momento e espaço presente.



  Originam-se nas relações entre indivíduos
   humanos e se desenvolvem ao longo do
processo de internalização de formas culturais
             de comportamento.
As funções psicológicas superiores são de
 origem sócio-cultural e emergem de processos
        elementares de origem biológica.




O COMPORTAMENTO HUMANO É HISTÓRICA
    E CULTURALMENTE DETERMINADO
PROCESSOS PSICOLÓGICOS ELEMENTARES




          controlados pelo meio




Relacionado com o modelo estímulo-resposta




   O comportamento é determinado pela
          estimulação do meio
PROCESSOS PSICOLÓGICOS SUPERIORES


             obedecem a uma auto-regulação



    São mais complexos genética e funcionalmente



Acontecem a partir de uma auto-estimulação, criada pela
      nova situação em que o sujeito se encontra



       Ocorrem de forma voluntária e consciente



              INTELECTUALIZAÇÃO
OBJETIVO DE VYGOTSKY



Constatar como as funções psicológicas evoluem de sua
forma primária, ou elementar, para processos psicológicos
superiores.




      O desenvolvimento natural transforma-se em
               desenvolvimento social.
PRINCIPAIS IDÉIAS


O humano não está presente no nascimento – é uma
construção social resultado de interação dialética
entre sujeito e meio sócio-cultural

Integração de fatores biológicos e sociais


Funções psíquicas tem origem cultural


Toda atividade humana é MEDIADA


LINGUAGEM tem um papel central
MEDIAÇÃO



 Enquanto sujeito do conhecimento o homem não tem acesso
direto aos objetos, mas acesso mediado, através de recortes do
    real, operados pelos sistemas simbólicos de que dispõe.




 Enfatiza a construção do conhecimento como uma interação
                 mediada por várias relações.




  O conhecimento não está sendo visto como uma ação do
  sujeito sobre a realidade, assim como no construtivismo e
         sim, pela mediação feita por outros sujeitos.
Para Vygotsky,
  o ser humano
relaciona-se com
  o mundo por
  meio de uma
relação mediada
   e não direta.
A mediação ocorre por meio             de   dois   elementos:   os
 instrumentos e os signos.

                      INSTRUMENTOS


Ferramentas que servem para transformar os objetos ou o meio.



 Vygotsky diferencia os instrumentos utilizados pelos animais dos
 instrumentos utilizados pelo ser humano.




 Diferente dos homens, os animais não produzem instrumentos com
 usos específicos, não guardam instrumentos para uso futuro e também
 não preservam sua função como conquista a ser transmitida a outros
 membros do grupo social.
MEDIAÇÃO SIMBÓLICA



INSTRUMENTO                          SIGNO




 Media a ação                     Regula a ação
sobre os objetos                sobre o psiquismo



     O signo age como um instrumento da
    atividade psicológica de maneira análoga
    ao papel de um instrumento de trabalho.
Característica da mediação

São os instrumentos técnicos e os sistemas de signos, construídos
historicamente, que fazem a mediação dos seres humanos entre si e
deles com o mundo.



Linguagem é um signo mediador – ela carrega em si os conceitos
generalizados e elaborados pela cultura humana.




Capacidade de criar essas “ferramentas” é exclusiva da espécie
humana.




É através dos instrumentos e signos que os processos          de
funcionamento psicológico são fornecidos pela cultura.
A linguagem permite:

    Designar objetos, ações, qualidades dos objetos e ações,
    relações entre objetos e ações

     Mudanças essenciais




Lidar com objetos ausentes

Processo de abstração e generalização

Organizar o real em categorias conceituais

Comunicação entre os homens
O surgimento da linguagem imprime três mudanças
       essenciais nos processos psíquicos do homem:



1.º - a linguagem permite lidar com os objetos do mundo exterior mesmo
quando eles estão ausentes.




2.º - através da linguagem é possível analisar, abstrair e generalizar as
características dos objetos, eventos, situações presentes na realidade.




3.º - a terceira está associada à função de comunicação entre os homens
que garante, como consequência, a preservação, transmissão e assimilação
de experiências acumuladas pela humanidade ao longo da história.
PAPEL DA LINGUAGEM NA
      CONSTRUÇÃO DOS CONCEITOS

 É justamente o poder de nossa linguagem que nos diferencia
dos animais. A linguagem dos animais não tem este poder. Não
     designa coisas, não distingue ações, nem qualidades.
A linguagem, sistema simbólico dos grupos humanos, representa
          um salto qualitativo na evolução da espécie.

 É ela quem fornece os conceitos, as formas de organização do
  real, a mediação entre o sujeito e o objeto do conhecimento.

  É por meio dela que as funções psicológicas superiores são
      socialmente formadas e culturalmente transmitidas.
A principal função da fala é o contato social, a
comunicação, ou seja, o desenvolvimento da linguagem é
impulsionado pela necessidade de comunicação. Desta
forma, mesmo a fala mais primitiva da criança é social.


Os primeiros sons, gestos ou expressões, essas
manifestações bastante difusas, que não indicam nada
específico fazem parte do estágio pré-intelectual do
desenvolvimento da fala.



Antes do falar propriamente dito, a criança demonstra uma
inteligência prática que consiste na sua capacidade de agir
no ambiente e resolver problemas práticos (inclusive com o
uso de instrumentos intermediários), mas sem a mediação
da     linguagem.    É   o   estágio    pré-lingüístico do
desenvolvimento do pensamento.
FASES DA FALA

Apesar de considerar toda fala como uma comunicação social efetiva,
             Vygotsky identificou estágios para a fala:


      FALA EXTERIOR         FALA EGOCÊNTRICA           FALA INTERIOR
   (discurso socializado)     (fala alto consigo      (discurso interior)
                                    mesma)



   Comunicação é            Etapa intermediária.    Função planejadora.
   global com múltiplas     Acompanha a ação.       A fala passa a
   funções.                                         proceder a ação.
                            É dirigida ao próprio
   Não tem função           sujeito da ação.
   planejadora da ação.
ZONA DE DESENVOLVIMENTO PROXIMAL

    Distância entre o nível de desenvolvimento
    real e o nível de desenvolvimento potencial
DESENVOLVIMENTO REAL



 Conquistas já consolidadas. Aquilo que a criança faz
                      sozinha.


              DESENVOLVIMENTO POTENCIAL




Aquilo que a criança é capaz de fazer com ajuda de outro.


           O aprendizado é que possibilita e
               movimenta o processo de
           desenvolvimento e que torna real o
            que antes era apenas potencial.
Zona de
                           desenvolvimento proximal




Zona de desenvolvimento            Distancia entre    Zona de desenvolvimento
          real                                               potencial




Se resolve o problema de                               Se resolve o problema
     forma individual                                        Com ajuda
PAPEL DA ESCOLA NA FORMAÇÃO DO
      PENSAMENTO CONCEITUAL
Conceitos são construções culturais internalizadas pelos indivíduos ao longo
                  de seu processo de desenvolvimento.




 Vygotsky distingue dois tipos de conceitos:


   Conceitos cotidianos ou espontâneos - conhecimentos construídos na
   experiência pessoal, concreta e cotidiana das crianças.




   Conceitos científicos - aqueles elaborados na sala de aula, adquiridos
   por meio do ensino sistemático. São àqueles eventos não diretamente
   acessíveis à observação ou ação imediata da criança.
Na concepção sócio-interacionista, a escola desempenha um papel muito
importante na formação de conceitos de um modo geral e dos científicos
em particular.




Isto porque a escola proporciona ao aluno um conhecimento sistemático
sobre aspectos que não estão associados ao seu campo de visão ou
vivência direta, possibilitando que o indivíduo tenha acesso ao
conhecimento construído e acumulado pela humanidade.




O aprendizado escolar exerce significativa influência no desenvolvimento
das funções psicológicas superiores, justamente na fase em que elas
estão em amadurecimento.
A qualidade do trabalho pedagógico está associada, nessa
abordagem, à capacidade de promoção de avanços no
desenvolvimento do aluno.
O bom ensino é aquele que se adianta ao desenvolvimento, ou
seja, que se dirige às funções psicológicas que estão em vias
de se completarem.



  A escola desempenhará bem seu papel, à medida que,
  partindo daquilo que a criança já sabe, ela for capaz de
ampliar e desafiar a construção de novos conhecimentos, ou
  seja, incidir na zona de desenvolvimento potencial dos
                         educandos.
   Desta forma poderá estimular processos internos que
 acabarão por se efetivar, passando a constituir a base que
            possibilitará novas aprendizagens
O ensino sistemático não é o único responsável               pelo
    desenvolvimento da zona de desenvolvimento proximal.




    O brinquedo é uma importante fonte de promoção de
    desenvolvimento.




Através do brinquedo, a criança projeta-se nas atividades dos adultos
procurando ser coerente com os papéis assumidos. O esforço em
desempenhar com fidelidade aquilo que observa em sua realidade faz
com que ela atue num nível bastante superior ao que na verdade se
encontra: “no brinquedo é como se ela (a criança) fosse maior do que é
na realidade”.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Psicologia Da EducaçãO Aula IntrodutóRia
Psicologia Da EducaçãO  Aula IntrodutóRiaPsicologia Da EducaçãO  Aula IntrodutóRia
Psicologia Da EducaçãO Aula IntrodutóRiaSilvia Marina Anaruma
 
Teorias da aprendizagem
Teorias da aprendizagemTeorias da aprendizagem
Teorias da aprendizagemMarcelo Assis
 
1 - Jean Piaget - Histórias e suas Teorias
1 - Jean Piaget - Histórias e suas Teorias 1 - Jean Piaget - Histórias e suas Teorias
1 - Jean Piaget - Histórias e suas Teorias Bruno Djvan Ramos Barbosa
 
14 piaget vygotsky e wallon ...
14 piaget vygotsky e wallon ...14 piaget vygotsky e wallon ...
14 piaget vygotsky e wallon ...Karina Reimberg
 
Estágios do desenvolvimento cognitivo segundo jean piaget
Estágios do desenvolvimento cognitivo segundo jean piagetEstágios do desenvolvimento cognitivo segundo jean piaget
Estágios do desenvolvimento cognitivo segundo jean piagetAnaí Peña
 
Piaget - Desenvolvimento Cognitivo 1
Piaget - Desenvolvimento Cognitivo 1Piaget - Desenvolvimento Cognitivo 1
Piaget - Desenvolvimento Cognitivo 1Jorge Barbosa
 
Psicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimentoPsicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimentoThiago de Almeida
 
Quadro comparativo das concepções de aprendizagem entre os teóricos piaget, v...
Quadro comparativo das concepções de aprendizagem entre os teóricos piaget, v...Quadro comparativo das concepções de aprendizagem entre os teóricos piaget, v...
Quadro comparativo das concepções de aprendizagem entre os teóricos piaget, v...LD35
 
As Principais Correntes Pedagógicas
As Principais Correntes PedagógicasAs Principais Correntes Pedagógicas
As Principais Correntes PedagógicasJessica Nuvens
 
Fases do desenvolvimento - Piaget
Fases do desenvolvimento -  PiagetFases do desenvolvimento -  Piaget
Fases do desenvolvimento - PiagetElisms88
 

Mais procurados (20)

Psicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimentoPsicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimento
 
Psicologia Da EducaçãO Aula IntrodutóRia
Psicologia Da EducaçãO  Aula IntrodutóRiaPsicologia Da EducaçãO  Aula IntrodutóRia
Psicologia Da EducaçãO Aula IntrodutóRia
 
Aula sobre vygotsky
Aula sobre vygotskyAula sobre vygotsky
Aula sobre vygotsky
 
Henri Wallon e sua teoria
Henri Wallon e sua teoriaHenri Wallon e sua teoria
Henri Wallon e sua teoria
 
Teorias da aprendizagem
Teorias da aprendizagemTeorias da aprendizagem
Teorias da aprendizagem
 
Vygotski
VygotskiVygotski
Vygotski
 
1 - Jean Piaget - Histórias e suas Teorias
1 - Jean Piaget - Histórias e suas Teorias 1 - Jean Piaget - Histórias e suas Teorias
1 - Jean Piaget - Histórias e suas Teorias
 
Jean Piaget
Jean PiagetJean Piaget
Jean Piaget
 
14 piaget vygotsky e wallon ...
14 piaget vygotsky e wallon ...14 piaget vygotsky e wallon ...
14 piaget vygotsky e wallon ...
 
Behaviorismo
BehaviorismoBehaviorismo
Behaviorismo
 
8.teorias psicogeneticas
8.teorias psicogeneticas8.teorias psicogeneticas
8.teorias psicogeneticas
 
Desenvolvimento piaget
Desenvolvimento   piagetDesenvolvimento   piaget
Desenvolvimento piaget
 
Estágios do desenvolvimento cognitivo segundo jean piaget
Estágios do desenvolvimento cognitivo segundo jean piagetEstágios do desenvolvimento cognitivo segundo jean piaget
Estágios do desenvolvimento cognitivo segundo jean piaget
 
BNCC na prática
BNCC na práticaBNCC na prática
BNCC na prática
 
Piaget - Desenvolvimento Cognitivo 1
Piaget - Desenvolvimento Cognitivo 1Piaget - Desenvolvimento Cognitivo 1
Piaget - Desenvolvimento Cognitivo 1
 
HENRI WALLON
HENRI WALLONHENRI WALLON
HENRI WALLON
 
Psicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimentoPsicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimento
 
Quadro comparativo das concepções de aprendizagem entre os teóricos piaget, v...
Quadro comparativo das concepções de aprendizagem entre os teóricos piaget, v...Quadro comparativo das concepções de aprendizagem entre os teóricos piaget, v...
Quadro comparativo das concepções de aprendizagem entre os teóricos piaget, v...
 
As Principais Correntes Pedagógicas
As Principais Correntes PedagógicasAs Principais Correntes Pedagógicas
As Principais Correntes Pedagógicas
 
Fases do desenvolvimento - Piaget
Fases do desenvolvimento -  PiagetFases do desenvolvimento -  Piaget
Fases do desenvolvimento - Piaget
 

Destaque

A Cor da Cultura - Semiótica da Marca
A Cor da Cultura - Semiótica da MarcaA Cor da Cultura - Semiótica da Marca
A Cor da Cultura - Semiótica da MarcaJoão Pinto Barbosa
 
Teorias da psicologia
Teorias da  psicologiaTeorias da  psicologia
Teorias da psicologiaguest277152fb
 
Paratonia expo
Paratonia  expoParatonia  expo
Paratonia expouladech
 
Industrialização brasileira
Industrialização brasileiraIndustrialização brasileira
Industrialização brasileirafernandesrafael
 
A IndustrializaçãO Brasileira
A IndustrializaçãO BrasileiraA IndustrializaçãO Brasileira
A IndustrializaçãO BrasileiraProfMario De Mori
 
CPI Fundos de Pensão - 20 AGO
CPI Fundos de Pensão - 20 AGOCPI Fundos de Pensão - 20 AGO
CPI Fundos de Pensão - 20 AGOfidef2015
 
Tutorial power point
Tutorial power pointTutorial power point
Tutorial power pointMarcia Mendes
 
Teorias da aprendizagem Claudia Mascarenhas PUCRS pós graduação 2015
Teorias da aprendizagem Claudia Mascarenhas PUCRS pós graduação 2015 Teorias da aprendizagem Claudia Mascarenhas PUCRS pós graduação 2015
Teorias da aprendizagem Claudia Mascarenhas PUCRS pós graduação 2015 Claudia Mascarenhas
 
Como criar um power point
Como criar um power pointComo criar um power point
Como criar um power pointRui Cunha
 
Aula 27 a previdência social sob a mira dos fundos de pensão (economia bras...
Aula 27   a previdência social sob a mira dos fundos de pensão (economia bras...Aula 27   a previdência social sob a mira dos fundos de pensão (economia bras...
Aula 27 a previdência social sob a mira dos fundos de pensão (economia bras...petecoslides
 
Soluções para Fundos de Pensão: Como melhorar o relacionamento com o particip...
Soluções para Fundos de Pensão: Como melhorar o relacionamento com o particip...Soluções para Fundos de Pensão: Como melhorar o relacionamento com o particip...
Soluções para Fundos de Pensão: Como melhorar o relacionamento com o particip...iinterativa
 
Industrialização brasileira alterações no espaço
Industrialização brasileira   alterações no espaçoIndustrialização brasileira   alterações no espaço
Industrialização brasileira alterações no espaçoLuciano Pessanha
 
Industrialização do brasil
Industrialização do brasilIndustrialização do brasil
Industrialização do brasilgeozecarlos
 
Cap. 4 - A industrialização brasileira
Cap. 4 - A industrialização brasileiraCap. 4 - A industrialização brasileira
Cap. 4 - A industrialização brasileiraprofacacio
 

Destaque (20)

A Cor da Cultura - Semiótica da Marca
A Cor da Cultura - Semiótica da MarcaA Cor da Cultura - Semiótica da Marca
A Cor da Cultura - Semiótica da Marca
 
Teorias da psicologia
Teorias da  psicologiaTeorias da  psicologia
Teorias da psicologia
 
Avaliacao da criança
Avaliacao da criançaAvaliacao da criança
Avaliacao da criança
 
Paratonia expo
Paratonia  expoParatonia  expo
Paratonia expo
 
Sincinesias
SincinesiasSincinesias
Sincinesias
 
Teoria De Vygotyski
Teoria De VygotyskiTeoria De Vygotyski
Teoria De Vygotyski
 
Paralisia facial
Paralisia facialParalisia facial
Paralisia facial
 
Industrialização brasileira
Industrialização brasileiraIndustrialização brasileira
Industrialização brasileira
 
A IndustrializaçãO Brasileira
A IndustrializaçãO BrasileiraA IndustrializaçãO Brasileira
A IndustrializaçãO Brasileira
 
CPI Fundos de Pensão - 20 AGO
CPI Fundos de Pensão - 20 AGOCPI Fundos de Pensão - 20 AGO
CPI Fundos de Pensão - 20 AGO
 
Tutorial power point
Tutorial power pointTutorial power point
Tutorial power point
 
Teorias da aprendizagem Claudia Mascarenhas PUCRS pós graduação 2015
Teorias da aprendizagem Claudia Mascarenhas PUCRS pós graduação 2015 Teorias da aprendizagem Claudia Mascarenhas PUCRS pós graduação 2015
Teorias da aprendizagem Claudia Mascarenhas PUCRS pós graduação 2015
 
Como criar um power point
Como criar um power pointComo criar um power point
Como criar um power point
 
Aula 27 a previdência social sob a mira dos fundos de pensão (economia bras...
Aula 27   a previdência social sob a mira dos fundos de pensão (economia bras...Aula 27   a previdência social sob a mira dos fundos de pensão (economia bras...
Aula 27 a previdência social sob a mira dos fundos de pensão (economia bras...
 
Soluções para Fundos de Pensão: Como melhorar o relacionamento com o particip...
Soluções para Fundos de Pensão: Como melhorar o relacionamento com o particip...Soluções para Fundos de Pensão: Como melhorar o relacionamento com o particip...
Soluções para Fundos de Pensão: Como melhorar o relacionamento com o particip...
 
Industrialização brasileira alterações no espaço
Industrialização brasileira   alterações no espaçoIndustrialização brasileira   alterações no espaço
Industrialização brasileira alterações no espaço
 
Industrialização do brasil
Industrialização do brasilIndustrialização do brasil
Industrialização do brasil
 
Apresentacao piajet
Apresentacao piajetApresentacao piajet
Apresentacao piajet
 
Cap. 4 - A industrialização brasileira
Cap. 4 - A industrialização brasileiraCap. 4 - A industrialização brasileira
Cap. 4 - A industrialização brasileira
 
Tomas de aquino
Tomas de aquinoTomas de aquino
Tomas de aquino
 

Semelhante a Teoria Sócio-Histórica de Vygotsky

LA TAILLE, Yves et alii. Piaget, Vygotsky, Wallon: Teorias psicogenéticas em ...
LA TAILLE, Yves et alii. Piaget, Vygotsky, Wallon: Teorias psicogenéticas em ...LA TAILLE, Yves et alii. Piaget, Vygotsky, Wallon: Teorias psicogenéticas em ...
LA TAILLE, Yves et alii. Piaget, Vygotsky, Wallon: Teorias psicogenéticas em ...Pedagoga Claudia Oliveira Andrade
 
Teoria sócio historica
Teoria sócio historicaTeoria sócio historica
Teoria sócio historicaCaio Grimberg
 
Oliveira, marta kholl vigostski - aprendizado e desenvolvi
Oliveira, marta kholl   vigostski - aprendizado e desenvolviOliveira, marta kholl   vigostski - aprendizado e desenvolvi
Oliveira, marta kholl vigostski - aprendizado e desenvolvimarcaocampos
 
Vygotsky - Desenvolvimento psicológico
Vygotsky - Desenvolvimento psicológicoVygotsky - Desenvolvimento psicológico
Vygotsky - Desenvolvimento psicológicoNuap Santana
 
Sócio-interacionismo de Vygotsky
Sócio-interacionismo de VygotskySócio-interacionismo de Vygotsky
Sócio-interacionismo de VygotskyLucila Pesce
 
Psicologia da educação
Psicologia da educaçãoPsicologia da educação
Psicologia da educaçãoCarlos Tesch
 
Teóricos
TeóricosTeóricos
TeóricosShopem
 
Minha aula vygotsky33
Minha aula vygotsky33Minha aula vygotsky33
Minha aula vygotsky33Sandra Nasim
 
UMA CONSCIÊNCIA SÓCIO-HISTÓRICA CONSTITUÍDA PELA LINGUAGEM
UMA CONSCIÊNCIA SÓCIO-HISTÓRICA CONSTITUÍDA PELA LINGUAGEMUMA CONSCIÊNCIA SÓCIO-HISTÓRICA CONSTITUÍDA PELA LINGUAGEM
UMA CONSCIÊNCIA SÓCIO-HISTÓRICA CONSTITUÍDA PELA LINGUAGEMFatima Andreia Tamanini
 
AULA SEMANA 1 PPEA.pdf AULA SEMANA 1 PPEA.pdf
AULA SEMANA 1 PPEA.pdf AULA SEMANA 1 PPEA.pdfAULA SEMANA 1 PPEA.pdf AULA SEMANA 1 PPEA.pdf
AULA SEMANA 1 PPEA.pdf AULA SEMANA 1 PPEA.pdfPauloHenriqueBaptist2
 
Capítulo vygotsky
Capítulo vygotskyCapítulo vygotsky
Capítulo vygotskyVygotsky2011
 
Aquicao_da_libguagem_Piaget_x_Vigostski.pptx
Aquicao_da_libguagem_Piaget_x_Vigostski.pptxAquicao_da_libguagem_Piaget_x_Vigostski.pptx
Aquicao_da_libguagem_Piaget_x_Vigostski.pptxLoRocha8
 
Gênese do Pensamento e da Linguagem L. S. Vygotsky.
Gênese do Pensamento e da Linguagem L. S. Vygotsky.Gênese do Pensamento e da Linguagem L. S. Vygotsky.
Gênese do Pensamento e da Linguagem L. S. Vygotsky.ronnymm
 
Teorias psicogenéticas em discussão.pdf
Teorias psicogenéticas em discussão.pdfTeorias psicogenéticas em discussão.pdf
Teorias psicogenéticas em discussão.pdfkarlliny martins
 
Lev Vygotsky - Didática - Licenciatura em Pedagogia.pdf
Lev Vygotsky - Didática - Licenciatura em Pedagogia.pdfLev Vygotsky - Didática - Licenciatura em Pedagogia.pdf
Lev Vygotsky - Didática - Licenciatura em Pedagogia.pdfyarapadilha
 
Seminario Pat Sayonara
Seminario Pat SayonaraSeminario Pat Sayonara
Seminario Pat Sayonarataniamoreirabr
 
Roteiro de aula: Psicologia Social Contemporânea
Roteiro de aula: Psicologia Social ContemporâneaRoteiro de aula: Psicologia Social Contemporânea
Roteiro de aula: Psicologia Social ContemporâneaLucas Rodrigues
 

Semelhante a Teoria Sócio-Histórica de Vygotsky (20)

Vygotsky slides
Vygotsky slidesVygotsky slides
Vygotsky slides
 
LA TAILLE, Yves et alii. Piaget, Vygotsky, Wallon: Teorias psicogenéticas em ...
LA TAILLE, Yves et alii. Piaget, Vygotsky, Wallon: Teorias psicogenéticas em ...LA TAILLE, Yves et alii. Piaget, Vygotsky, Wallon: Teorias psicogenéticas em ...
LA TAILLE, Yves et alii. Piaget, Vygotsky, Wallon: Teorias psicogenéticas em ...
 
Teoria sócio historica
Teoria sócio historicaTeoria sócio historica
Teoria sócio historica
 
Oliveira, marta kholl vigostski - aprendizado e desenvolvi
Oliveira, marta kholl   vigostski - aprendizado e desenvolviOliveira, marta kholl   vigostski - aprendizado e desenvolvi
Oliveira, marta kholl vigostski - aprendizado e desenvolvi
 
Vygotsky - Desenvolvimento psicológico
Vygotsky - Desenvolvimento psicológicoVygotsky - Desenvolvimento psicológico
Vygotsky - Desenvolvimento psicológico
 
Sócio-interacionismo de Vygotsky
Sócio-interacionismo de VygotskySócio-interacionismo de Vygotsky
Sócio-interacionismo de Vygotsky
 
Teoria de vygotyski ed. física
Teoria de vygotyski   ed. físicaTeoria de vygotyski   ed. física
Teoria de vygotyski ed. física
 
Psicologia da educação
Psicologia da educaçãoPsicologia da educação
Psicologia da educação
 
Teóricos
TeóricosTeóricos
Teóricos
 
Minha aula vygotsky33
Minha aula vygotsky33Minha aula vygotsky33
Minha aula vygotsky33
 
Vygotsky
VygotskyVygotsky
Vygotsky
 
UMA CONSCIÊNCIA SÓCIO-HISTÓRICA CONSTITUÍDA PELA LINGUAGEM
UMA CONSCIÊNCIA SÓCIO-HISTÓRICA CONSTITUÍDA PELA LINGUAGEMUMA CONSCIÊNCIA SÓCIO-HISTÓRICA CONSTITUÍDA PELA LINGUAGEM
UMA CONSCIÊNCIA SÓCIO-HISTÓRICA CONSTITUÍDA PELA LINGUAGEM
 
AULA SEMANA 1 PPEA.pdf AULA SEMANA 1 PPEA.pdf
AULA SEMANA 1 PPEA.pdf AULA SEMANA 1 PPEA.pdfAULA SEMANA 1 PPEA.pdf AULA SEMANA 1 PPEA.pdf
AULA SEMANA 1 PPEA.pdf AULA SEMANA 1 PPEA.pdf
 
Capítulo vygotsky
Capítulo vygotskyCapítulo vygotsky
Capítulo vygotsky
 
Aquicao_da_libguagem_Piaget_x_Vigostski.pptx
Aquicao_da_libguagem_Piaget_x_Vigostski.pptxAquicao_da_libguagem_Piaget_x_Vigostski.pptx
Aquicao_da_libguagem_Piaget_x_Vigostski.pptx
 
Gênese do Pensamento e da Linguagem L. S. Vygotsky.
Gênese do Pensamento e da Linguagem L. S. Vygotsky.Gênese do Pensamento e da Linguagem L. S. Vygotsky.
Gênese do Pensamento e da Linguagem L. S. Vygotsky.
 
Teorias psicogenéticas em discussão.pdf
Teorias psicogenéticas em discussão.pdfTeorias psicogenéticas em discussão.pdf
Teorias psicogenéticas em discussão.pdf
 
Lev Vygotsky - Didática - Licenciatura em Pedagogia.pdf
Lev Vygotsky - Didática - Licenciatura em Pedagogia.pdfLev Vygotsky - Didática - Licenciatura em Pedagogia.pdf
Lev Vygotsky - Didática - Licenciatura em Pedagogia.pdf
 
Seminario Pat Sayonara
Seminario Pat SayonaraSeminario Pat Sayonara
Seminario Pat Sayonara
 
Roteiro de aula: Psicologia Social Contemporânea
Roteiro de aula: Psicologia Social ContemporâneaRoteiro de aula: Psicologia Social Contemporânea
Roteiro de aula: Psicologia Social Contemporânea
 

Mais de Vanessa Nogueira

Reconhecimento Intersubjetivo Virtual. Uma Análise a Partir de Honneth
Reconhecimento Intersubjetivo Virtual. Uma Análise a Partir de HonnethReconhecimento Intersubjetivo Virtual. Uma Análise a Partir de Honneth
Reconhecimento Intersubjetivo Virtual. Uma Análise a Partir de HonnethVanessa Nogueira
 
Metodologias Ativas e Tecnologias Educacionais
Metodologias Ativas e Tecnologias EducacionaisMetodologias Ativas e Tecnologias Educacionais
Metodologias Ativas e Tecnologias EducacionaisVanessa Nogueira
 
AUTOETNOGRAFIA VIRTUAL: NARRATIVA DE UMA IMERSÃO ON-LINE A PARTIR DA DOCÊNCI...
AUTOETNOGRAFIA VIRTUAL: NARRATIVA DE UMA IMERSÃO ON-LINE  A PARTIR DA DOCÊNCI...AUTOETNOGRAFIA VIRTUAL: NARRATIVA DE UMA IMERSÃO ON-LINE  A PARTIR DA DOCÊNCI...
AUTOETNOGRAFIA VIRTUAL: NARRATIVA DE UMA IMERSÃO ON-LINE A PARTIR DA DOCÊNCI...Vanessa Nogueira
 
Metodologias Ativas no Ensino Superior
Metodologias Ativas no Ensino SuperiorMetodologias Ativas no Ensino Superior
Metodologias Ativas no Ensino SuperiorVanessa Nogueira
 
Boletim EAD - Setembro de 2017
Boletim EAD -  Setembro de 2017Boletim EAD -  Setembro de 2017
Boletim EAD - Setembro de 2017Vanessa Nogueira
 
Boletim EAD Ulbra Santa Maria - agosto - 2017
Boletim EAD Ulbra Santa Maria - agosto - 2017Boletim EAD Ulbra Santa Maria - agosto - 2017
Boletim EAD Ulbra Santa Maria - agosto - 2017Vanessa Nogueira
 
Boletim do Polo EAD da Ulbra Santa Maria - junho de 2017
Boletim do Polo EAD da Ulbra Santa Maria -  junho de 2017Boletim do Polo EAD da Ulbra Santa Maria -  junho de 2017
Boletim do Polo EAD da Ulbra Santa Maria - junho de 2017Vanessa Nogueira
 
Tecnologias cotidianas e suas consequências
Tecnologias cotidianas e suas consequências Tecnologias cotidianas e suas consequências
Tecnologias cotidianas e suas consequências Vanessa Nogueira
 
Boletim do Polo EAD da Ulbra Santa maria abril/maio de 2017.
Boletim do Polo EAD da Ulbra Santa maria abril/maio de 2017.Boletim do Polo EAD da Ulbra Santa maria abril/maio de 2017.
Boletim do Polo EAD da Ulbra Santa maria abril/maio de 2017.Vanessa Nogueira
 
Boletim Nº 27 Polo EAD ULBRA Santa Maria
Boletim Nº 27 Polo EAD ULBRA Santa MariaBoletim Nº 27 Polo EAD ULBRA Santa Maria
Boletim Nº 27 Polo EAD ULBRA Santa MariaVanessa Nogueira
 
RELAÇÕES SOCIAIS DE RECONHECIMENTO INTERSUBJETIVO VIRTUAL NA FORMAÇÃO DE PROF...
RELAÇÕES SOCIAIS DE RECONHECIMENTO INTERSUBJETIVO VIRTUAL NA FORMAÇÃO DE PROF...RELAÇÕES SOCIAIS DE RECONHECIMENTO INTERSUBJETIVO VIRTUAL NA FORMAÇÃO DE PROF...
RELAÇÕES SOCIAIS DE RECONHECIMENTO INTERSUBJETIVO VIRTUAL NA FORMAÇÃO DE PROF...Vanessa Nogueira
 
Introdução ao uso do Moodle para Professores e Tutores Versão 2.4
Introdução ao uso do Moodle  para Professores e Tutores Versão 2.4Introdução ao uso do Moodle  para Professores e Tutores Versão 2.4
Introdução ao uso do Moodle para Professores e Tutores Versão 2.4Vanessa Nogueira
 
Reconhecimento Intersubjetivo em Redes Sociais na Internet
Reconhecimento Intersubjetivo em Redes Sociais na InternetReconhecimento Intersubjetivo em Redes Sociais na Internet
Reconhecimento Intersubjetivo em Redes Sociais na InternetVanessa Nogueira
 
A LINGUAGEM ESCRITA EM TEMPOS E ESPAÇOS VIRTUAIS
A LINGUAGEM ESCRITA   EM TEMPOS  E  ESPAÇOS  VIRTUAISA LINGUAGEM ESCRITA   EM TEMPOS  E  ESPAÇOS  VIRTUAIS
A LINGUAGEM ESCRITA EM TEMPOS E ESPAÇOS VIRTUAISVanessa Nogueira
 

Mais de Vanessa Nogueira (20)

Reconhecimento Intersubjetivo Virtual. Uma Análise a Partir de Honneth
Reconhecimento Intersubjetivo Virtual. Uma Análise a Partir de HonnethReconhecimento Intersubjetivo Virtual. Uma Análise a Partir de Honneth
Reconhecimento Intersubjetivo Virtual. Uma Análise a Partir de Honneth
 
Metodologias Ativas e Tecnologias Educacionais
Metodologias Ativas e Tecnologias EducacionaisMetodologias Ativas e Tecnologias Educacionais
Metodologias Ativas e Tecnologias Educacionais
 
Direitos fundamentais
Direitos fundamentaisDireitos fundamentais
Direitos fundamentais
 
Plamejamento Educacional
Plamejamento EducacionalPlamejamento Educacional
Plamejamento Educacional
 
AUTOETNOGRAFIA VIRTUAL: NARRATIVA DE UMA IMERSÃO ON-LINE A PARTIR DA DOCÊNCI...
AUTOETNOGRAFIA VIRTUAL: NARRATIVA DE UMA IMERSÃO ON-LINE  A PARTIR DA DOCÊNCI...AUTOETNOGRAFIA VIRTUAL: NARRATIVA DE UMA IMERSÃO ON-LINE  A PARTIR DA DOCÊNCI...
AUTOETNOGRAFIA VIRTUAL: NARRATIVA DE UMA IMERSÃO ON-LINE A PARTIR DA DOCÊNCI...
 
Metodologias Ativas no Ensino Superior
Metodologias Ativas no Ensino SuperiorMetodologias Ativas no Ensino Superior
Metodologias Ativas no Ensino Superior
 
Boletim EAD - Setembro de 2017
Boletim EAD -  Setembro de 2017Boletim EAD -  Setembro de 2017
Boletim EAD - Setembro de 2017
 
Boletim EAD Ulbra Santa Maria - agosto - 2017
Boletim EAD Ulbra Santa Maria - agosto - 2017Boletim EAD Ulbra Santa Maria - agosto - 2017
Boletim EAD Ulbra Santa Maria - agosto - 2017
 
Boletim do Polo EAD da Ulbra Santa Maria - junho de 2017
Boletim do Polo EAD da Ulbra Santa Maria -  junho de 2017Boletim do Polo EAD da Ulbra Santa Maria -  junho de 2017
Boletim do Polo EAD da Ulbra Santa Maria - junho de 2017
 
Tecnologias cotidianas e suas consequências
Tecnologias cotidianas e suas consequências Tecnologias cotidianas e suas consequências
Tecnologias cotidianas e suas consequências
 
Boletim do Polo EAD da Ulbra Santa maria abril/maio de 2017.
Boletim do Polo EAD da Ulbra Santa maria abril/maio de 2017.Boletim do Polo EAD da Ulbra Santa maria abril/maio de 2017.
Boletim do Polo EAD da Ulbra Santa maria abril/maio de 2017.
 
Boletim Nº 27 Polo EAD ULBRA Santa Maria
Boletim Nº 27 Polo EAD ULBRA Santa MariaBoletim Nº 27 Polo EAD ULBRA Santa Maria
Boletim Nº 27 Polo EAD ULBRA Santa Maria
 
RELAÇÕES SOCIAIS DE RECONHECIMENTO INTERSUBJETIVO VIRTUAL NA FORMAÇÃO DE PROF...
RELAÇÕES SOCIAIS DE RECONHECIMENTO INTERSUBJETIVO VIRTUAL NA FORMAÇÃO DE PROF...RELAÇÕES SOCIAIS DE RECONHECIMENTO INTERSUBJETIVO VIRTUAL NA FORMAÇÃO DE PROF...
RELAÇÕES SOCIAIS DE RECONHECIMENTO INTERSUBJETIVO VIRTUAL NA FORMAÇÃO DE PROF...
 
Tecnicas de Estudo
Tecnicas de EstudoTecnicas de Estudo
Tecnicas de Estudo
 
A criança e a infância
A criança e a infância A criança e a infância
A criança e a infância
 
Introdução ao uso do Moodle para Professores e Tutores Versão 2.4
Introdução ao uso do Moodle  para Professores e Tutores Versão 2.4Introdução ao uso do Moodle  para Professores e Tutores Versão 2.4
Introdução ao uso do Moodle para Professores e Tutores Versão 2.4
 
Reconhecimento Intersubjetivo em Redes Sociais na Internet
Reconhecimento Intersubjetivo em Redes Sociais na InternetReconhecimento Intersubjetivo em Redes Sociais na Internet
Reconhecimento Intersubjetivo em Redes Sociais na Internet
 
A LINGUAGEM ESCRITA EM TEMPOS E ESPAÇOS VIRTUAIS
A LINGUAGEM ESCRITA   EM TEMPOS  E  ESPAÇOS  VIRTUAISA LINGUAGEM ESCRITA   EM TEMPOS  E  ESPAÇOS  VIRTUAIS
A LINGUAGEM ESCRITA EM TEMPOS E ESPAÇOS VIRTUAIS
 
Filosofia analitica
Filosofia analiticaFilosofia analitica
Filosofia analitica
 
Redes Sociais na Escola
Redes Sociais na EscolaRedes Sociais na Escola
Redes Sociais na Escola
 

Último

Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOMarcosViniciusLemesL
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOBiatrizGomes1
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxIsabelaRafael2
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfEditoraEnovus
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasCassio Meira Jr.
 
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxDoutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxThye Oliver
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfPastor Robson Colaço
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 anoAdelmaTorres2
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 

Último (20)

Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
 
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxDoutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 

Teoria Sócio-Histórica de Vygotsky

  • 1. TEORIA SÓCIO-HISTÓRICA LEV VYGOTSKY 1896/1934
  • 2. Dados Biográficos - Nasceu em Orsha, Bielorussia, em 17 de novembro de 1896. - Judeu, pertencente a uma família culta e bastante numerosa. Era o segundo de oito irmãos. - Recebeu uma educação privilegiada, desenvolvendo a capacidade de pensar de forma questionadora e crítica.
  • 3. LEV VYGOTSKY - A obra de Vygotsky pode ser dividida em duas partes. Uma anterior a 1924 e outra a partir deste ano quando apresentou o trabalho “Métodos da pesquisa reflexológica e psicológica” no II Congresso e Psiconeurologia de Leningrado. - A partir daí, Vygotsky inicia uma nova fase de sua vida. Muda-se para Moscou para trabalhar no Instituto de Psicologia. Incorporam-se a sua equipe: Aleksei Leontiev (1904 – 1979) e Aleksander Luria (1902-1977). - Entre 1924 e 1934, Vygotsky realizou uma intensa e incessante atividade acadêmica e científica que pode ser conferida em seus trabalhos publicados. Luria e Leontiev
  • 4. LEV VYGOTSKY - Em 1931, Vygotsky muda-se para a Ucrânia para criar o Departamento de Psicologia. - Junto com seus colaboradores, Luria, Leontiev e Galperin, iniciou um estudo comparativo entre o funcionamento cognitivo dos grupos que apresentam formas culturais tradicionais e grupos que passam por uma situação de mudança cultural acelerado. - Os resultados desse trabalho provocaram sérias críticas ao governo. Em função disso, um ano após sua morte, seus escritos foram proibidos e só foram publicados quarenta anos depois.
  • 5. LEV VYGOTSKY Vygotsky morreu em 11 de junho de 1934, vítima da tuberculose, com apenas 37 anos.
  • 6. LEV. S. VYGOTSKY Preocupação Central FUNÇÕES PSICOLÓGICAS SUPERIORES Tipicamente humanas Intencionais Voluntárias conscientemente controladas
  • 7. As funções psicológicas superiores são o que distingue os seres humanos dos animais, estes apresentam apenas funções psicológicas elementares reações automáticas, ações reflexas e associações simples (origem biológica). Ao nascer, o ser humano possui apenas as funções psicológicas elementares. Na convivência com o meio social e cultural a criança vai aprendendo e, conseqüentemente, desenvolvendo as funções psicológicas superiores.
  • 8. FUNÇÕES PSICOLÓGICAS SUPERIORES Controle consciente do comportamento Atenção e memória voluntária Memorização Ativa Pensamento abstrato Raciocínio dedutivo Capacidade de planejamento
  • 9. Vygotsky se dedicou ao estudo das funções psicológicas superiores – funcionamento psicológico tipicamente humano. Mecanismos intencionais, ações conscientemente controladas, processos voluntários que dão ao indivíduo a possibilidade de independência em relação às características do momento e espaço presente. Originam-se nas relações entre indivíduos humanos e se desenvolvem ao longo do processo de internalização de formas culturais de comportamento.
  • 10. As funções psicológicas superiores são de origem sócio-cultural e emergem de processos elementares de origem biológica. O COMPORTAMENTO HUMANO É HISTÓRICA E CULTURALMENTE DETERMINADO
  • 11. PROCESSOS PSICOLÓGICOS ELEMENTARES controlados pelo meio Relacionado com o modelo estímulo-resposta O comportamento é determinado pela estimulação do meio
  • 12. PROCESSOS PSICOLÓGICOS SUPERIORES obedecem a uma auto-regulação São mais complexos genética e funcionalmente Acontecem a partir de uma auto-estimulação, criada pela nova situação em que o sujeito se encontra Ocorrem de forma voluntária e consciente INTELECTUALIZAÇÃO
  • 13. OBJETIVO DE VYGOTSKY Constatar como as funções psicológicas evoluem de sua forma primária, ou elementar, para processos psicológicos superiores. O desenvolvimento natural transforma-se em desenvolvimento social.
  • 14. PRINCIPAIS IDÉIAS O humano não está presente no nascimento – é uma construção social resultado de interação dialética entre sujeito e meio sócio-cultural Integração de fatores biológicos e sociais Funções psíquicas tem origem cultural Toda atividade humana é MEDIADA LINGUAGEM tem um papel central
  • 15. MEDIAÇÃO Enquanto sujeito do conhecimento o homem não tem acesso direto aos objetos, mas acesso mediado, através de recortes do real, operados pelos sistemas simbólicos de que dispõe. Enfatiza a construção do conhecimento como uma interação mediada por várias relações. O conhecimento não está sendo visto como uma ação do sujeito sobre a realidade, assim como no construtivismo e sim, pela mediação feita por outros sujeitos.
  • 16. Para Vygotsky, o ser humano relaciona-se com o mundo por meio de uma relação mediada e não direta.
  • 17. A mediação ocorre por meio de dois elementos: os instrumentos e os signos. INSTRUMENTOS Ferramentas que servem para transformar os objetos ou o meio. Vygotsky diferencia os instrumentos utilizados pelos animais dos instrumentos utilizados pelo ser humano. Diferente dos homens, os animais não produzem instrumentos com usos específicos, não guardam instrumentos para uso futuro e também não preservam sua função como conquista a ser transmitida a outros membros do grupo social.
  • 18. MEDIAÇÃO SIMBÓLICA INSTRUMENTO SIGNO Media a ação Regula a ação sobre os objetos sobre o psiquismo O signo age como um instrumento da atividade psicológica de maneira análoga ao papel de um instrumento de trabalho.
  • 19. Característica da mediação São os instrumentos técnicos e os sistemas de signos, construídos historicamente, que fazem a mediação dos seres humanos entre si e deles com o mundo. Linguagem é um signo mediador – ela carrega em si os conceitos generalizados e elaborados pela cultura humana. Capacidade de criar essas “ferramentas” é exclusiva da espécie humana. É através dos instrumentos e signos que os processos de funcionamento psicológico são fornecidos pela cultura.
  • 20. A linguagem permite: Designar objetos, ações, qualidades dos objetos e ações, relações entre objetos e ações Mudanças essenciais Lidar com objetos ausentes Processo de abstração e generalização Organizar o real em categorias conceituais Comunicação entre os homens
  • 21. O surgimento da linguagem imprime três mudanças essenciais nos processos psíquicos do homem: 1.º - a linguagem permite lidar com os objetos do mundo exterior mesmo quando eles estão ausentes. 2.º - através da linguagem é possível analisar, abstrair e generalizar as características dos objetos, eventos, situações presentes na realidade. 3.º - a terceira está associada à função de comunicação entre os homens que garante, como consequência, a preservação, transmissão e assimilação de experiências acumuladas pela humanidade ao longo da história.
  • 22. PAPEL DA LINGUAGEM NA CONSTRUÇÃO DOS CONCEITOS É justamente o poder de nossa linguagem que nos diferencia dos animais. A linguagem dos animais não tem este poder. Não designa coisas, não distingue ações, nem qualidades.
  • 23. A linguagem, sistema simbólico dos grupos humanos, representa um salto qualitativo na evolução da espécie. É ela quem fornece os conceitos, as formas de organização do real, a mediação entre o sujeito e o objeto do conhecimento. É por meio dela que as funções psicológicas superiores são socialmente formadas e culturalmente transmitidas.
  • 24. A principal função da fala é o contato social, a comunicação, ou seja, o desenvolvimento da linguagem é impulsionado pela necessidade de comunicação. Desta forma, mesmo a fala mais primitiva da criança é social. Os primeiros sons, gestos ou expressões, essas manifestações bastante difusas, que não indicam nada específico fazem parte do estágio pré-intelectual do desenvolvimento da fala. Antes do falar propriamente dito, a criança demonstra uma inteligência prática que consiste na sua capacidade de agir no ambiente e resolver problemas práticos (inclusive com o uso de instrumentos intermediários), mas sem a mediação da linguagem. É o estágio pré-lingüístico do desenvolvimento do pensamento.
  • 25. FASES DA FALA Apesar de considerar toda fala como uma comunicação social efetiva, Vygotsky identificou estágios para a fala: FALA EXTERIOR FALA EGOCÊNTRICA FALA INTERIOR (discurso socializado) (fala alto consigo (discurso interior) mesma) Comunicação é Etapa intermediária. Função planejadora. global com múltiplas Acompanha a ação. A fala passa a funções. proceder a ação. É dirigida ao próprio Não tem função sujeito da ação. planejadora da ação.
  • 26. ZONA DE DESENVOLVIMENTO PROXIMAL Distância entre o nível de desenvolvimento real e o nível de desenvolvimento potencial
  • 27. DESENVOLVIMENTO REAL Conquistas já consolidadas. Aquilo que a criança faz sozinha. DESENVOLVIMENTO POTENCIAL Aquilo que a criança é capaz de fazer com ajuda de outro. O aprendizado é que possibilita e movimenta o processo de desenvolvimento e que torna real o que antes era apenas potencial.
  • 28. Zona de desenvolvimento proximal Zona de desenvolvimento Distancia entre Zona de desenvolvimento real potencial Se resolve o problema de Se resolve o problema forma individual Com ajuda
  • 29. PAPEL DA ESCOLA NA FORMAÇÃO DO PENSAMENTO CONCEITUAL Conceitos são construções culturais internalizadas pelos indivíduos ao longo de seu processo de desenvolvimento. Vygotsky distingue dois tipos de conceitos: Conceitos cotidianos ou espontâneos - conhecimentos construídos na experiência pessoal, concreta e cotidiana das crianças. Conceitos científicos - aqueles elaborados na sala de aula, adquiridos por meio do ensino sistemático. São àqueles eventos não diretamente acessíveis à observação ou ação imediata da criança.
  • 30. Na concepção sócio-interacionista, a escola desempenha um papel muito importante na formação de conceitos de um modo geral e dos científicos em particular. Isto porque a escola proporciona ao aluno um conhecimento sistemático sobre aspectos que não estão associados ao seu campo de visão ou vivência direta, possibilitando que o indivíduo tenha acesso ao conhecimento construído e acumulado pela humanidade. O aprendizado escolar exerce significativa influência no desenvolvimento das funções psicológicas superiores, justamente na fase em que elas estão em amadurecimento.
  • 31. A qualidade do trabalho pedagógico está associada, nessa abordagem, à capacidade de promoção de avanços no desenvolvimento do aluno. O bom ensino é aquele que se adianta ao desenvolvimento, ou seja, que se dirige às funções psicológicas que estão em vias de se completarem. A escola desempenhará bem seu papel, à medida que, partindo daquilo que a criança já sabe, ela for capaz de ampliar e desafiar a construção de novos conhecimentos, ou seja, incidir na zona de desenvolvimento potencial dos educandos. Desta forma poderá estimular processos internos que acabarão por se efetivar, passando a constituir a base que possibilitará novas aprendizagens
  • 32. O ensino sistemático não é o único responsável pelo desenvolvimento da zona de desenvolvimento proximal. O brinquedo é uma importante fonte de promoção de desenvolvimento. Através do brinquedo, a criança projeta-se nas atividades dos adultos procurando ser coerente com os papéis assumidos. O esforço em desempenhar com fidelidade aquilo que observa em sua realidade faz com que ela atue num nível bastante superior ao que na verdade se encontra: “no brinquedo é como se ela (a criança) fosse maior do que é na realidade”.