Cap. 4 - A industrialização brasileira

20.573 visualizações

Publicada em

0 comentários
18 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
20.573
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1.289
Comentários
0
Gostaram
18
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Cap. 4 - A industrialização brasileira

  1. 1. A industrialização brasileira Prof.º Acácio Martins
  2. 2. O café como base da industrialização• Período Colonial (1500-1822): a agricultura era a base da economia brasileira, já que era proibido a instalação de estabelecimentos comerciais e industriais na Colônia, para evitar a concorrência com a Metrópole.• Império (século XIX): o café se tornou o principal responsável pelas mudanças sociais e econômicas do país  grandes exportações e substituição da mão de obra escrava pela assalariada.• 1850: fim do tráfico negreiro para o Brasil.• Atração de imigrantes europeus.
  3. 3. O café como base da industrialização• São Paulo: torna-se o centro econômico e financeiro do País e por causa da urbanização, surgem outras atividades ligadas ao setor terciário, como comércio, escolas, hospitais, redes de água e esgoto, iluminação pública, transportes, bancos, além de indústrias.• Lucros do café  investimento na industrialização.• Final do séc. XIX: poucas indústrias (cerâmicas, tijolos, móveis, tecidos, roupas, etc.) que não exigiam grandes investimentos para serem instaladas.
  4. 4. O café como base da industrialização• Séc. XX: exportação de produtos agrícolas (menos valorizados) e importação de máquinas e equipamentos industriais (mais caros).• Expansão do café para o interior paulista  necessidade de mão de obra  incentivo à imigração.
  5. 5. As crises favoreceram o processo industrial• Primeira Guerra Mundial (1914-1918): Envolveu os países europeus, dificultando as importações  Substituição das importações  estímulo do mercado interno.• 1929 e década de 1930: Crise mundial  latifundiários e banqueiros passam a investir na produção de mercadorias para vender no mercado interno – Primeira Revolução Industrial Brasileira.
  6. 6. As crises favoreceram o processo industrial• Industrialização tardia ou retardatária.• Industrialização  estimulou a urbanização  bairros industriais  migração do campo para a cidade  aumento da oferta de empregos nas cidades e o aparecimento de novas profissões.
  7. 7. A Primeira e a Segunda Revolução Industrial brasileira• 1930: consolidação da 1ª Revolução industrial  início do processo de passagem da sociedade economicamente agrária para a urbano- industrial;• Governo de Getúlio Vargas (1920-1945 e 1950- 1954): Insuficiência de fontes de energia  carvão mineral de baixa qualidade e petróleo só seria descoberto em 1939;• 1941: Início da construção da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN), localizada em Volta Redonda (RJ)  produção de aço;
  8. 8. A Primeira e a Segunda Revolução Industrial brasileira• 1942: Criação da Companhia Vale do Rio Doce (CVRD) para a exploração do Quadrilátero Ferrífero de Minas Gerais  exploração de minério de ferro;• Governo de Juscelino Kubitschek (1956-1961): incentivou a internacionalização da economia com a instalação de transnacionais (empresas de outros países que abrem filiais em várias nações)  eram atraídas pela mão de obra barata e pela abundância de matérias-primas  concentraram- se principalmente em São Paulo;
  9. 9. A Primeira e a Segunda Revolução Industrial brasileira• Desenvolvimento dos parques industriais paulistas: Santo André, São Bernardo, São Caetano do Sul e Diadema (ABCD paulista) e Baixada Santista (Santos, Cubatão, etc.).• 1964: início da ditadura no Brasil  os militares priorizam as indústrias de bens de produção e de bens de capital, extração de minério, construção de hidrelétricas, rodovias e telecomunicações.
  10. 10. A Primeira e a Segunda Revolução Industrial brasileira• O Brasil recebeu uma grande quantidade de empréstimos internacionais que favoreceram o crescimento econômico e industrial.• Final da década de 1970 e início de 1980: Consolidação da 2ª Revolução industrial com a implantação das indústrias de bens de produção.
  11. 11. Os tipos de indústrias• Indústrias de bens de produção ou indústria de base (indústrias pesadas): são indústrias que gastam muita energia transformando as matérias- primas para outras indústrias. Geralmente são instaladas próximas aos locais fornecedores de matérias-primas e dependem de boa rede de transportes. Exs: siderúrgicas, petroquímicas, indústrias de cimento.
  12. 12. Os tipos de indústrias• Indústrias de bens de capital, de equipamentos ou intermediárias: É o mais importante tipo de indústria, pois é o que fornece máquinas, equipamentos e ferramentas ou autopeças para outras indústrias e também para os transportes. Exs: indústrias de material de componentes eletrônicos, as de máquinas, as de motores para carros ou aviões, etc.
  13. 13. Os tipos de indústrias• Indústria de bens de consumo (indústrias leves): são as que produzem diretamente para o mercado consumidor.• a. duráveis: são as que fabricam mercadorias de grande vida útil. Exs: automóveis, eletrodomésticos e móveis.• b. não-duráveis: Produzem bens de consumo rápido que exigem reposição constante. Exs: produtos alimentícios, vestuários, bebidas, remédios, etc.
  14. 14. Concentração e desconcentração industrial• 1930: A concentração espacial da indústria do Brasil encontrava-se na Região Sudeste.• Sudeste (80,7%), Sul (12%), Nordeste (5,7%), Norte (1%) e Centro-Oeste (0,6%).• 1970: Desconcentração no sentido das capitais para o interior de cada Estado e no sentido Sudeste para as outras regiões.
  15. 15. Concentração e desconcentração industrial• Sudeste e Sul (próximo à Argentina, Paraguai e Uruguai) são as duas regiões com o maior número de empresas e trabalhadores empregados do Brasil.• Hoje: Sudeste (49,6%), Sul (28,9%), Nordeste (12,1%), Norte (3,1%) e Centro-Oeste (6,3%).
  16. 16. Fatores responsáveis pela desconcentração• a oferta de mão de obra qualificada fora da Região Sudeste, geralmente com menores salários;• os incentivos fiscais ofertados por outros estados e municípios (guerra fiscal);• o abandono de áreas tradicionais, de elevados custos de produção;• uma menor organização sindical dos trabalhadores nas cidades de pequeno e médio porte (o que permite manter baixos salários ou concentração sem registro em carteira de trabalho).

×