SlideShare uma empresa Scribd logo
Biólogo Leandro Machado de Moura
email: lammoura@uol.com.br
TÉCNICAS DE
PROPAGAÇÃO
REPRODUÇÃO VEGETATIVA
A reprodução é feita através do uso de partes vegetativas de uma planta
adulta para fins de propagação
• Folhas
• Caules
• Raízes
A reprodução vegetativa pode ser agrupada em dois tipos:
1. Espontânea
Quando a propagação se dá através de estruturas próprias
2. Induzida
Quando a propagação se dá através de partes específicas da planta que
naturalmente não se propagam
REPRODUÇÃO VEGETATIVA - ESPONTÂNEA
Semente
• Feijão
• Milho
• Soja
• Basicamente todas as plantas com frutos
REPRODUÇÃO VEGETATIVA - ESPONTÂNEA
Estolho
São brotações filamentosas do caule, que de espaço em espaço, fazem surgir
plantas idênticas à planta mãe
• Morango, Hortelã, Grama, Clorófito, etc.
REPRODUÇÃO VEGETATIVA - ESPONTÂNEA
Tubérculos e bulbos
São caules curtos e grossos que acumulam nutrientes para planta.
• Batata
• Beterraba
• Inhame
• Mandioca
• Lírio
• Dália
• Amarílis
• Copo de Leite
REPRODUÇÃO VEGETATIVA - ESPONTÂNEA
Rizomas
São caules semelhantes a raízes para o acumulo de reservas de nutrientes.
• Gengibre
• Aspidistria
• Samambaia
• Cheflera
• Guaimbé
• Filodendro
REPRODUÇÃO VEGETATIVA - INDUZIDA
VANTAGENS:
• Através dela propagam-se plantas dependentes (que não produzem
sementes);
• Acelera-se a produção (geram frutos mais rápidos que a semente);
• Forma-se uma população de indivíduos idênticos (clone), padronizando
o produto e favorecendo a comercialização.
PODE SER:
• Divisão de touceira
• Estaquia
• Mergulhia
• Alporquia
• Enxertia
REPRODUÇÃO VEGETATIVA – INDUZIDA
DIVISÃO DE TOUCEIRA
O caule emite brotações laterais, surgindo filhotes idênticos à mãe:
Ex.: clorofito, bananeira, bromélia, grama etc.
REPRODUÇÃO VEGETATIVA – INDUZIDA
ESTAQUIA
É o processo que utiliza um fragmento da planta, visando a regenerar as partes
faltantes. Nas plantas herbáceas, as partes comumente utilizadas são:
• ramos (gerânio, pingo de ouro, rosas etc.),
• folhas (violeta, folha-da-fortuna, peperômia, etc.) ou
• pedaços de folhas (espada-de-são-jorge, begônia, etc.)
As estacas podem der: simples, de talão ou sapatinho, de cruzeta ou gema.
REPRODUÇÃO VEGETATIVA – INDUZIDA
ESTAQUIA
ÉPOCA DE PROPAGAÇÃO
• Plantas herbáceas:
Durante o ano todo
• Plantas lenhosas:
Durante a fase de repouso vegetativo, quando existe uma maior concentração de
substâncias de reserva. No caso das de folhas caducas, após a queda delas
(período de dormência).
DICA:
• Cortar as folhas da base e deixar apenas as em brotamento no topo.
REPRODUÇÃO VEGETATIVA – INDUZIDA
MERGULHIA
Consiste em mergulhar um ramo no solo, sem separá-lo da planta mãe, com a
finalidade de o mesmo regenerar um novo sistema radicular para depois ser
separado. Ex.: ibísco, camélia, hera, etc.
REPRODUÇÃO VEGETATIVA – INDUZIDA
MERGULHIA
DICAS:
• Cuidado ao deitar o ramos, para não quebrar (usar ramos mais novos)
• Retirar as folhas da parte que será enterrada
• Fazer o anelamento entre as gemas (entrenós)
• Prender a parte enterrada com cuidado (usar estacas de madeira)
• Prender a muda com um pau-guia
REPRODUÇÃO VEGETATIVA – INDUZIDA
ALPORQUIA
Consiste basicamente em interromper o fluxo de seiva em um determinado
ponto da planta, dessa forma estaremos forçando o aparecimento de novas
raízes.
Ex.: Goiabeira, jabuticabeira,
lichia e a maior parte das
frutíferas
REPRODUÇÃO VEGETATIVA – INDUZIDA
ALPORQUIA
DICAS:
• Selecionar um galho mais novo com a grossura de 1 dedo (novo)
• Usar terra adubada com areia ou Sphagno (musgo seco)
• Usar plástico transparente
• Envolver com papel alumínio (luz)
• Checar a cada 15 dias - caso necessite de hidratação usar uma seringa com
agulha e injetar de cima para baixo.
• Retirar a muda depois de 60 – 90 dias
• No replante, cortar próximo ao final da alporquia e não desmanchar o torrão.
• Frutíferas: plantar primeiro no vaso, depois de 3 – 6 meses no solo.
É o processo pelo qual se faz a união íntima entre
duas plantas de maneira que se cria uma
interdependência na qual uma não pode
sobreviver sem a outra.
Uma fica em baixo e é denominada cavalo ou
porta-enxerto; e sua função é fornecer água e
sais minerais, modificar o porte, conferir
resistência, tolerância ou imunidade contra
fatores adversos; a outra fica em cima, é
denominada cavaleiro ou enxerto e tem a
finalidade de produção.
REPRODUÇÃO VEGETATIVA – INDUZIDA
ENXERTIA
REPRODUÇÃO VEGETATIVA – INDUZIDA
ENXERTIA
Tipos de enxertia:
• Borbulhia
• Encostia
• Garfagem
REPRODUÇÃO VEGETATIVA – INDUZIDA
ENXERTIA - BORBULHIA
REPRODUÇÃO VEGETATIVA – INDUZIDA
ENXERTIA - ENCOSTIA
REPRODUÇÃO VEGETATIVA – INDUZIDA
ENXERTIA - GARFAGEM
REPRODUÇÃO VEGETATIVA – INDUZIDA
ENXERTIA - GARFAGEM
DICAS:
• Utilizar sempre a mesma família de plantas (cavalo e enxerto) –
Ex.: cítricos (limão, lima, laranja, pomelo, mexirica etc.)
• Enxerto: cortar nos entrenós
• Enxerto e Cavalo devem ser da mesma espessura (união dos câmbios)
• Cobrir a muda enxertada com saco plástico
• Assepsia das mãos e instrumentos
• Depois de 30 dias verificar o brotamento, se necessário auxiliar o broto
com o rompimento do plástico de proteção.
FIM
OBRIGADO!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Desenvolvimento das plantas
Desenvolvimento das plantasDesenvolvimento das plantas
Desenvolvimento das plantas
Joseanny Pereira
 
1. paisagismo
1. paisagismo1. paisagismo
1. paisagismo
Ana Cunha
 
Relatorio final experimento germinação
Relatorio final  experimento germinaçãoRelatorio final  experimento germinação
Relatorio final experimento germinação
Evelyn Fernandes
 
Aula 8 – fruto e semente Prof. Guth Berger
Aula 8 – fruto e semente Prof. Guth BergerAula 8 – fruto e semente Prof. Guth Berger
Aula 8 – fruto e semente Prof. Guth Berger
Matheus Yuri
 
Olericultura e hortaliças
Olericultura e hortaliçasOlericultura e hortaliças
Olericultura e hortaliças
Rafael Soares Dias
 
Classificação das folhas
Classificação das folhasClassificação das folhas
Classificação das folhas
00367p
 
Simulado manejo de plantas daninhas
Simulado manejo de plantas daninhasSimulado manejo de plantas daninhas
Simulado manejo de plantas daninhas
André Fontana Weber
 
Frutos e sementes
Frutos e sementesFrutos e sementes
Frutos e sementes
UERGS
 
Propagacão de plantas frutiferas
Propagacão de plantas frutiferasPropagacão de plantas frutiferas
Propagacão de plantas frutiferas
paisagista
 
Hormônios Vegetais
Hormônios VegetaisHormônios Vegetais
Hormônios Vegetais
Turma Olímpica
 
Cultivo de bananeiras notas de aula.
Cultivo de bananeiras   notas de aula. Cultivo de bananeiras   notas de aula.
Cultivo de bananeiras notas de aula.
CETEP, FTC, FASA..
 
Enxertia
EnxertiaEnxertia
Enxertia
Janeiro Ousa
 
MORFOLOGIA E FISIOLOGIA DO ALGODOEIRO
MORFOLOGIA E FISIOLOGIA DO ALGODOEIROMORFOLOGIA E FISIOLOGIA DO ALGODOEIRO
MORFOLOGIA E FISIOLOGIA DO ALGODOEIRO
Geagra UFG
 
Aula 7 olericultura
Aula 7 olericulturaAula 7 olericultura
Aula 7 olericultura
Jadson Belem de Moura
 
Fisiologia vegetal
Fisiologia vegetalFisiologia vegetal
Órgãos Vegetativos
Órgãos VegetativosÓrgãos Vegetativos
Órgãos Vegetativos
Jézili Dias
 
Semente e germinação
Semente e germinaçãoSemente e germinação
Semente e germinação
Marcos Albuquerque
 
Apresentação plantas
Apresentação plantasApresentação plantas
Apresentação plantas
Carina Carpinteiro
 
A cultura do Milho
A cultura do MilhoA cultura do Milho
A cultura do Milho
Killer Max
 
V.5 Angiospermas - flor, fruto e semente
V.5 Angiospermas - flor, fruto e sementeV.5 Angiospermas - flor, fruto e semente
V.5 Angiospermas - flor, fruto e semente
Rebeca Vale
 

Mais procurados (20)

Desenvolvimento das plantas
Desenvolvimento das plantasDesenvolvimento das plantas
Desenvolvimento das plantas
 
1. paisagismo
1. paisagismo1. paisagismo
1. paisagismo
 
Relatorio final experimento germinação
Relatorio final  experimento germinaçãoRelatorio final  experimento germinação
Relatorio final experimento germinação
 
Aula 8 – fruto e semente Prof. Guth Berger
Aula 8 – fruto e semente Prof. Guth BergerAula 8 – fruto e semente Prof. Guth Berger
Aula 8 – fruto e semente Prof. Guth Berger
 
Olericultura e hortaliças
Olericultura e hortaliçasOlericultura e hortaliças
Olericultura e hortaliças
 
Classificação das folhas
Classificação das folhasClassificação das folhas
Classificação das folhas
 
Simulado manejo de plantas daninhas
Simulado manejo de plantas daninhasSimulado manejo de plantas daninhas
Simulado manejo de plantas daninhas
 
Frutos e sementes
Frutos e sementesFrutos e sementes
Frutos e sementes
 
Propagacão de plantas frutiferas
Propagacão de plantas frutiferasPropagacão de plantas frutiferas
Propagacão de plantas frutiferas
 
Hormônios Vegetais
Hormônios VegetaisHormônios Vegetais
Hormônios Vegetais
 
Cultivo de bananeiras notas de aula.
Cultivo de bananeiras   notas de aula. Cultivo de bananeiras   notas de aula.
Cultivo de bananeiras notas de aula.
 
Enxertia
EnxertiaEnxertia
Enxertia
 
MORFOLOGIA E FISIOLOGIA DO ALGODOEIRO
MORFOLOGIA E FISIOLOGIA DO ALGODOEIROMORFOLOGIA E FISIOLOGIA DO ALGODOEIRO
MORFOLOGIA E FISIOLOGIA DO ALGODOEIRO
 
Aula 7 olericultura
Aula 7 olericulturaAula 7 olericultura
Aula 7 olericultura
 
Fisiologia vegetal
Fisiologia vegetalFisiologia vegetal
Fisiologia vegetal
 
Órgãos Vegetativos
Órgãos VegetativosÓrgãos Vegetativos
Órgãos Vegetativos
 
Semente e germinação
Semente e germinaçãoSemente e germinação
Semente e germinação
 
Apresentação plantas
Apresentação plantasApresentação plantas
Apresentação plantas
 
A cultura do Milho
A cultura do MilhoA cultura do Milho
A cultura do Milho
 
V.5 Angiospermas - flor, fruto e semente
V.5 Angiospermas - flor, fruto e sementeV.5 Angiospermas - flor, fruto e semente
V.5 Angiospermas - flor, fruto e semente
 

Destaque

2014 setembro - curso mudas teresina - 5 instalações
2014   setembro - curso mudas teresina - 5 instalações2014   setembro - curso mudas teresina - 5 instalações
2014 setembro - curso mudas teresina - 5 instalações
Eduardo Abreu
 
2014 setembro - curso mudas teresina - 4a produçãodemudas
2014   setembro - curso mudas teresina - 4a produçãodemudas2014   setembro - curso mudas teresina - 4a produçãodemudas
2014 setembro - curso mudas teresina - 4a produçãodemudas
Eduardo Abreu
 
2014 setembro - curso mudas teresina - 4 produção de mudas
2014   setembro - curso mudas teresina - 4 produção de mudas2014   setembro - curso mudas teresina - 4 produção de mudas
2014 setembro - curso mudas teresina - 4 produção de mudas
Eduardo Abreu
 
2 okviveiro
2 okviveiro2 okviveiro
Viveiro e-producao-de-mudas-de-algumas-especies-arboreas-nativas-do-cerrado
Viveiro e-producao-de-mudas-de-algumas-especies-arboreas-nativas-do-cerradoViveiro e-producao-de-mudas-de-algumas-especies-arboreas-nativas-do-cerrado
Viveiro e-producao-de-mudas-de-algumas-especies-arboreas-nativas-do-cerrado
Bruno Rodrigues
 
Segurança na coleta de sementes e produção de mudas
Segurança na coleta de sementes e produção de mudasSegurança na coleta de sementes e produção de mudas
Segurança na coleta de sementes e produção de mudas
Roosevelt Almado
 
Reprodução seres vivos 2011
Reprodução seres vivos   2011Reprodução seres vivos   2011
Reprodução seres vivos 2011
Roberto Bagatini
 
Ppt 13 ReproduçãO Assexuada
Ppt 13    ReproduçãO AssexuadaPpt 13    ReproduçãO Assexuada
Ppt 13 ReproduçãO Assexuada
Nuno Correia
 
Reprodução assexuada e sexuada
Reprodução assexuada  e sexuadaReprodução assexuada  e sexuada
Reprodução assexuada e sexuada
Matheus Faria do Valle
 
Reprodução Assexuada
Reprodução AssexuadaReprodução Assexuada
Reprodução Assexuada
Catir
 
Biologia 11 reprodução assexuada
Biologia 11   reprodução assexuadaBiologia 11   reprodução assexuada
Biologia 11 reprodução assexuada
Nuno Correia
 
Biologia 11 reprodução sexuada
Biologia 11   reprodução sexuadaBiologia 11   reprodução sexuada
Biologia 11 reprodução sexuada
Nuno Correia
 

Destaque (12)

2014 setembro - curso mudas teresina - 5 instalações
2014   setembro - curso mudas teresina - 5 instalações2014   setembro - curso mudas teresina - 5 instalações
2014 setembro - curso mudas teresina - 5 instalações
 
2014 setembro - curso mudas teresina - 4a produçãodemudas
2014   setembro - curso mudas teresina - 4a produçãodemudas2014   setembro - curso mudas teresina - 4a produçãodemudas
2014 setembro - curso mudas teresina - 4a produçãodemudas
 
2014 setembro - curso mudas teresina - 4 produção de mudas
2014   setembro - curso mudas teresina - 4 produção de mudas2014   setembro - curso mudas teresina - 4 produção de mudas
2014 setembro - curso mudas teresina - 4 produção de mudas
 
2 okviveiro
2 okviveiro2 okviveiro
2 okviveiro
 
Viveiro e-producao-de-mudas-de-algumas-especies-arboreas-nativas-do-cerrado
Viveiro e-producao-de-mudas-de-algumas-especies-arboreas-nativas-do-cerradoViveiro e-producao-de-mudas-de-algumas-especies-arboreas-nativas-do-cerrado
Viveiro e-producao-de-mudas-de-algumas-especies-arboreas-nativas-do-cerrado
 
Segurança na coleta de sementes e produção de mudas
Segurança na coleta de sementes e produção de mudasSegurança na coleta de sementes e produção de mudas
Segurança na coleta de sementes e produção de mudas
 
Reprodução seres vivos 2011
Reprodução seres vivos   2011Reprodução seres vivos   2011
Reprodução seres vivos 2011
 
Ppt 13 ReproduçãO Assexuada
Ppt 13    ReproduçãO AssexuadaPpt 13    ReproduçãO Assexuada
Ppt 13 ReproduçãO Assexuada
 
Reprodução assexuada e sexuada
Reprodução assexuada  e sexuadaReprodução assexuada  e sexuada
Reprodução assexuada e sexuada
 
Reprodução Assexuada
Reprodução AssexuadaReprodução Assexuada
Reprodução Assexuada
 
Biologia 11 reprodução assexuada
Biologia 11   reprodução assexuadaBiologia 11   reprodução assexuada
Biologia 11 reprodução assexuada
 
Biologia 11 reprodução sexuada
Biologia 11   reprodução sexuadaBiologia 11   reprodução sexuada
Biologia 11 reprodução sexuada
 

Semelhante a Técnicas de Propagação Vegetativa

Apostila completa 2_parte_horticultura[1][1]
Apostila completa 2_parte_horticultura[1][1]Apostila completa 2_parte_horticultura[1][1]
Apostila completa 2_parte_horticultura[1][1]
Antonio Davi Vaz Lima
 
Orgaos vegetais
Orgaos vegetaisOrgaos vegetais
Orgaos vegetais
jonathacioly
 
7º ano cap 12 e 13 angiospermas - órgãos
7º ano cap 12 e 13   angiospermas - órgãos7º ano cap 12 e 13   angiospermas - órgãos
7º ano cap 12 e 13 angiospermas - órgãos
ISJ
 
Morfologia das angiospermas 2ª£
Morfologia das angiospermas 2ª£Morfologia das angiospermas 2ª£
Morfologia das angiospermas 2ª£
Larisse Roberto Rufino
 
Aula 4 Prof. Guth Berger
Aula 4 Prof. Guth BergerAula 4 Prof. Guth Berger
Aula 4 Prof. Guth Berger
Matheus Yuri
 
Classificação das plantas - briófitas, pteridófitas, gimnospermas e angiosper...
Classificação das plantas - briófitas, pteridófitas, gimnospermas e angiosper...Classificação das plantas - briófitas, pteridófitas, gimnospermas e angiosper...
Classificação das plantas - briófitas, pteridófitas, gimnospermas e angiosper...
Bianca Rantin
 
Revisão Raiz Caule
Revisão Raiz CauleRevisão Raiz Caule
Revisão Raiz Caule
Adriana Burghausen
 
Diversidade das plantas
Diversidade das plantasDiversidade das plantas
Diversidade das plantas
Pelo Siro
 
Anexo 4 cartilha sementes
Anexo 4 cartilha sementesAnexo 4 cartilha sementes
Anexo 4 cartilha sementes
Ednaldo Tavares Tavares
 
Morfologia vegetal 2o.m
Morfologia vegetal 2o.mMorfologia vegetal 2o.m
Morfologia vegetal 2o.m
le_firmino
 
PLANTAS AMAZONICAS.ppt
PLANTAS AMAZONICAS.pptPLANTAS AMAZONICAS.ppt
PLANTAS AMAZONICAS.ppt
rickriordan
 
Ctrl aula 2 gabarito avaliação de nivelamento e revisão de anatomia vegeta...
 Ctrl aula 2   gabarito avaliação de nivelamento e revisão de anatomia vegeta... Ctrl aula 2   gabarito avaliação de nivelamento e revisão de anatomia vegeta...
Ctrl aula 2 gabarito avaliação de nivelamento e revisão de anatomia vegeta...
Carol Castro
 
Plantas arbustivas
Plantas arbustivasPlantas arbustivas
Plantas arbustivas
Gonzales2009
 
Caule
CauleCaule
Caule
CauleCaule
Poda de árvores frutíferas
Poda  de árvores frutíferasPoda  de árvores frutíferas
Poda de árvores frutíferas
Amillima
 
Umbuzeiro, características e descrição sobre essa cultura
Umbuzeiro, características e descrição sobre essa culturaUmbuzeiro, características e descrição sobre essa cultura
Umbuzeiro, características e descrição sobre essa cultura
Cristina Lima
 
Raiz
RaizRaiz
Organologia Vegetal - Carlos Eduardo
Organologia Vegetal - Carlos EduardoOrganologia Vegetal - Carlos Eduardo
Organologia Vegetal - Carlos Eduardo
Carlos Eduardo
 
Reino Plantae
Reino PlantaeReino Plantae
Reino Plantae
antonimelo
 

Semelhante a Técnicas de Propagação Vegetativa (20)

Apostila completa 2_parte_horticultura[1][1]
Apostila completa 2_parte_horticultura[1][1]Apostila completa 2_parte_horticultura[1][1]
Apostila completa 2_parte_horticultura[1][1]
 
Orgaos vegetais
Orgaos vegetaisOrgaos vegetais
Orgaos vegetais
 
7º ano cap 12 e 13 angiospermas - órgãos
7º ano cap 12 e 13   angiospermas - órgãos7º ano cap 12 e 13   angiospermas - órgãos
7º ano cap 12 e 13 angiospermas - órgãos
 
Morfologia das angiospermas 2ª£
Morfologia das angiospermas 2ª£Morfologia das angiospermas 2ª£
Morfologia das angiospermas 2ª£
 
Aula 4 Prof. Guth Berger
Aula 4 Prof. Guth BergerAula 4 Prof. Guth Berger
Aula 4 Prof. Guth Berger
 
Classificação das plantas - briófitas, pteridófitas, gimnospermas e angiosper...
Classificação das plantas - briófitas, pteridófitas, gimnospermas e angiosper...Classificação das plantas - briófitas, pteridófitas, gimnospermas e angiosper...
Classificação das plantas - briófitas, pteridófitas, gimnospermas e angiosper...
 
Revisão Raiz Caule
Revisão Raiz CauleRevisão Raiz Caule
Revisão Raiz Caule
 
Diversidade das plantas
Diversidade das plantasDiversidade das plantas
Diversidade das plantas
 
Anexo 4 cartilha sementes
Anexo 4 cartilha sementesAnexo 4 cartilha sementes
Anexo 4 cartilha sementes
 
Morfologia vegetal 2o.m
Morfologia vegetal 2o.mMorfologia vegetal 2o.m
Morfologia vegetal 2o.m
 
PLANTAS AMAZONICAS.ppt
PLANTAS AMAZONICAS.pptPLANTAS AMAZONICAS.ppt
PLANTAS AMAZONICAS.ppt
 
Ctrl aula 2 gabarito avaliação de nivelamento e revisão de anatomia vegeta...
 Ctrl aula 2   gabarito avaliação de nivelamento e revisão de anatomia vegeta... Ctrl aula 2   gabarito avaliação de nivelamento e revisão de anatomia vegeta...
Ctrl aula 2 gabarito avaliação de nivelamento e revisão de anatomia vegeta...
 
Plantas arbustivas
Plantas arbustivasPlantas arbustivas
Plantas arbustivas
 
Caule
CauleCaule
Caule
 
Caule
CauleCaule
Caule
 
Poda de árvores frutíferas
Poda  de árvores frutíferasPoda  de árvores frutíferas
Poda de árvores frutíferas
 
Umbuzeiro, características e descrição sobre essa cultura
Umbuzeiro, características e descrição sobre essa culturaUmbuzeiro, características e descrição sobre essa cultura
Umbuzeiro, características e descrição sobre essa cultura
 
Raiz
RaizRaiz
Raiz
 
Organologia Vegetal - Carlos Eduardo
Organologia Vegetal - Carlos EduardoOrganologia Vegetal - Carlos Eduardo
Organologia Vegetal - Carlos Eduardo
 
Reino Plantae
Reino PlantaeReino Plantae
Reino Plantae
 

Mais de Leandro A. Machado de Moura

Relações Ecológicas
Relações EcológicasRelações Ecológicas
Relações Ecológicas
Leandro A. Machado de Moura
 
Conservação X Extinção
Conservação X  ExtinçãoConservação X  Extinção
Conservação X Extinção
Leandro A. Machado de Moura
 
Cadeia Trófica
Cadeia TróficaCadeia Trófica
Princípios da Evolução
Princípios da EvoluçãoPrincípios da Evolução
Princípios da Evolução
Leandro A. Machado de Moura
 
Medicina Veterinária da Conservação
Medicina Veterinária da ConservaçãoMedicina Veterinária da Conservação
Medicina Veterinária da Conservação
Leandro A. Machado de Moura
 
Introdução á Ecologia
Introdução á EcologiaIntrodução á Ecologia
Introdução á Ecologia
Leandro A. Machado de Moura
 
APP / REBIO de Mogi Guaçu
APP / REBIO de Mogi GuaçuAPP / REBIO de Mogi Guaçu
APP / REBIO de Mogi Guaçu
Leandro A. Machado de Moura
 
Recuperação de Áreas Degradadas por Mineração
Recuperação de Áreas Degradadas por MineraçãoRecuperação de Áreas Degradadas por Mineração
Recuperação de Áreas Degradadas por Mineração
Leandro A. Machado de Moura
 
REBIO Mogi Guaçu
REBIO Mogi GuaçuREBIO Mogi Guaçu
REBIO Mogi Guaçu
Leandro A. Machado de Moura
 
Solo - Pedogênese
Solo - PedogêneseSolo - Pedogênese
Solo - Pedogênese
Leandro A. Machado de Moura
 
UC's - Conservação de Espécies e Populações
UC's - Conservação de Espécies e Populações UC's - Conservação de Espécies e Populações
UC's - Conservação de Espécies e Populações
Leandro A. Machado de Moura
 
SNUC - Sistema Nacional de Unidades de Conservação
SNUC - Sistema Nacional de Unidades de Conservação SNUC - Sistema Nacional de Unidades de Conservação
SNUC - Sistema Nacional de Unidades de Conservação
Leandro A. Machado de Moura
 
Unidades de Conservação - Conceituação e Classificação
Unidades de Conservação - Conceituação e Classificação Unidades de Conservação - Conceituação e Classificação
Unidades de Conservação - Conceituação e Classificação
Leandro A. Machado de Moura
 
Desenvolvimento, Conservação e Sustentabilidade
Desenvolvimento, Conservação e Sustentabilidade Desenvolvimento, Conservação e Sustentabilidade
Desenvolvimento, Conservação e Sustentabilidade
Leandro A. Machado de Moura
 
SNUC 2 - Pontos relevantes
SNUC 2 - Pontos relevantes SNUC 2 - Pontos relevantes
SNUC 2 - Pontos relevantes
Leandro A. Machado de Moura
 
Controle de Pragas na Jardinagem
Controle de Pragas na JardinagemControle de Pragas na Jardinagem
Controle de Pragas na Jardinagem
Leandro A. Machado de Moura
 
Adubação
AdubaçãoAdubação
Classificação das Plantas
Classificação das PlantasClassificação das Plantas
Classificação das Plantas
Leandro A. Machado de Moura
 
Técnicas de Poda
Técnicas de PodaTécnicas de Poda
Técnicas de Poda
Leandro A. Machado de Moura
 
Biomas Brasileiros
Biomas Brasileiros Biomas Brasileiros
Biomas Brasileiros
Leandro A. Machado de Moura
 

Mais de Leandro A. Machado de Moura (20)

Relações Ecológicas
Relações EcológicasRelações Ecológicas
Relações Ecológicas
 
Conservação X Extinção
Conservação X  ExtinçãoConservação X  Extinção
Conservação X Extinção
 
Cadeia Trófica
Cadeia TróficaCadeia Trófica
Cadeia Trófica
 
Princípios da Evolução
Princípios da EvoluçãoPrincípios da Evolução
Princípios da Evolução
 
Medicina Veterinária da Conservação
Medicina Veterinária da ConservaçãoMedicina Veterinária da Conservação
Medicina Veterinária da Conservação
 
Introdução á Ecologia
Introdução á EcologiaIntrodução á Ecologia
Introdução á Ecologia
 
APP / REBIO de Mogi Guaçu
APP / REBIO de Mogi GuaçuAPP / REBIO de Mogi Guaçu
APP / REBIO de Mogi Guaçu
 
Recuperação de Áreas Degradadas por Mineração
Recuperação de Áreas Degradadas por MineraçãoRecuperação de Áreas Degradadas por Mineração
Recuperação de Áreas Degradadas por Mineração
 
REBIO Mogi Guaçu
REBIO Mogi GuaçuREBIO Mogi Guaçu
REBIO Mogi Guaçu
 
Solo - Pedogênese
Solo - PedogêneseSolo - Pedogênese
Solo - Pedogênese
 
UC's - Conservação de Espécies e Populações
UC's - Conservação de Espécies e Populações UC's - Conservação de Espécies e Populações
UC's - Conservação de Espécies e Populações
 
SNUC - Sistema Nacional de Unidades de Conservação
SNUC - Sistema Nacional de Unidades de Conservação SNUC - Sistema Nacional de Unidades de Conservação
SNUC - Sistema Nacional de Unidades de Conservação
 
Unidades de Conservação - Conceituação e Classificação
Unidades de Conservação - Conceituação e Classificação Unidades de Conservação - Conceituação e Classificação
Unidades de Conservação - Conceituação e Classificação
 
Desenvolvimento, Conservação e Sustentabilidade
Desenvolvimento, Conservação e Sustentabilidade Desenvolvimento, Conservação e Sustentabilidade
Desenvolvimento, Conservação e Sustentabilidade
 
SNUC 2 - Pontos relevantes
SNUC 2 - Pontos relevantes SNUC 2 - Pontos relevantes
SNUC 2 - Pontos relevantes
 
Controle de Pragas na Jardinagem
Controle de Pragas na JardinagemControle de Pragas na Jardinagem
Controle de Pragas na Jardinagem
 
Adubação
AdubaçãoAdubação
Adubação
 
Classificação das Plantas
Classificação das PlantasClassificação das Plantas
Classificação das Plantas
 
Técnicas de Poda
Técnicas de PodaTécnicas de Poda
Técnicas de Poda
 
Biomas Brasileiros
Biomas Brasileiros Biomas Brasileiros
Biomas Brasileiros
 

Técnicas de Propagação Vegetativa

  • 1. Biólogo Leandro Machado de Moura email: lammoura@uol.com.br TÉCNICAS DE PROPAGAÇÃO
  • 2. REPRODUÇÃO VEGETATIVA A reprodução é feita através do uso de partes vegetativas de uma planta adulta para fins de propagação • Folhas • Caules • Raízes A reprodução vegetativa pode ser agrupada em dois tipos: 1. Espontânea Quando a propagação se dá através de estruturas próprias 2. Induzida Quando a propagação se dá através de partes específicas da planta que naturalmente não se propagam
  • 3. REPRODUÇÃO VEGETATIVA - ESPONTÂNEA Semente • Feijão • Milho • Soja • Basicamente todas as plantas com frutos
  • 4. REPRODUÇÃO VEGETATIVA - ESPONTÂNEA Estolho São brotações filamentosas do caule, que de espaço em espaço, fazem surgir plantas idênticas à planta mãe • Morango, Hortelã, Grama, Clorófito, etc.
  • 5. REPRODUÇÃO VEGETATIVA - ESPONTÂNEA Tubérculos e bulbos São caules curtos e grossos que acumulam nutrientes para planta. • Batata • Beterraba • Inhame • Mandioca • Lírio • Dália • Amarílis • Copo de Leite
  • 6. REPRODUÇÃO VEGETATIVA - ESPONTÂNEA Rizomas São caules semelhantes a raízes para o acumulo de reservas de nutrientes. • Gengibre • Aspidistria • Samambaia • Cheflera • Guaimbé • Filodendro
  • 7. REPRODUÇÃO VEGETATIVA - INDUZIDA VANTAGENS: • Através dela propagam-se plantas dependentes (que não produzem sementes); • Acelera-se a produção (geram frutos mais rápidos que a semente); • Forma-se uma população de indivíduos idênticos (clone), padronizando o produto e favorecendo a comercialização. PODE SER: • Divisão de touceira • Estaquia • Mergulhia • Alporquia • Enxertia
  • 8. REPRODUÇÃO VEGETATIVA – INDUZIDA DIVISÃO DE TOUCEIRA O caule emite brotações laterais, surgindo filhotes idênticos à mãe: Ex.: clorofito, bananeira, bromélia, grama etc.
  • 9. REPRODUÇÃO VEGETATIVA – INDUZIDA ESTAQUIA É o processo que utiliza um fragmento da planta, visando a regenerar as partes faltantes. Nas plantas herbáceas, as partes comumente utilizadas são: • ramos (gerânio, pingo de ouro, rosas etc.), • folhas (violeta, folha-da-fortuna, peperômia, etc.) ou • pedaços de folhas (espada-de-são-jorge, begônia, etc.) As estacas podem der: simples, de talão ou sapatinho, de cruzeta ou gema.
  • 10. REPRODUÇÃO VEGETATIVA – INDUZIDA ESTAQUIA ÉPOCA DE PROPAGAÇÃO • Plantas herbáceas: Durante o ano todo • Plantas lenhosas: Durante a fase de repouso vegetativo, quando existe uma maior concentração de substâncias de reserva. No caso das de folhas caducas, após a queda delas (período de dormência). DICA: • Cortar as folhas da base e deixar apenas as em brotamento no topo.
  • 11. REPRODUÇÃO VEGETATIVA – INDUZIDA MERGULHIA Consiste em mergulhar um ramo no solo, sem separá-lo da planta mãe, com a finalidade de o mesmo regenerar um novo sistema radicular para depois ser separado. Ex.: ibísco, camélia, hera, etc.
  • 12. REPRODUÇÃO VEGETATIVA – INDUZIDA MERGULHIA DICAS: • Cuidado ao deitar o ramos, para não quebrar (usar ramos mais novos) • Retirar as folhas da parte que será enterrada • Fazer o anelamento entre as gemas (entrenós) • Prender a parte enterrada com cuidado (usar estacas de madeira) • Prender a muda com um pau-guia
  • 13. REPRODUÇÃO VEGETATIVA – INDUZIDA ALPORQUIA Consiste basicamente em interromper o fluxo de seiva em um determinado ponto da planta, dessa forma estaremos forçando o aparecimento de novas raízes. Ex.: Goiabeira, jabuticabeira, lichia e a maior parte das frutíferas
  • 14. REPRODUÇÃO VEGETATIVA – INDUZIDA ALPORQUIA DICAS: • Selecionar um galho mais novo com a grossura de 1 dedo (novo) • Usar terra adubada com areia ou Sphagno (musgo seco) • Usar plástico transparente • Envolver com papel alumínio (luz) • Checar a cada 15 dias - caso necessite de hidratação usar uma seringa com agulha e injetar de cima para baixo. • Retirar a muda depois de 60 – 90 dias • No replante, cortar próximo ao final da alporquia e não desmanchar o torrão. • Frutíferas: plantar primeiro no vaso, depois de 3 – 6 meses no solo.
  • 15. É o processo pelo qual se faz a união íntima entre duas plantas de maneira que se cria uma interdependência na qual uma não pode sobreviver sem a outra. Uma fica em baixo e é denominada cavalo ou porta-enxerto; e sua função é fornecer água e sais minerais, modificar o porte, conferir resistência, tolerância ou imunidade contra fatores adversos; a outra fica em cima, é denominada cavaleiro ou enxerto e tem a finalidade de produção. REPRODUÇÃO VEGETATIVA – INDUZIDA ENXERTIA
  • 16. REPRODUÇÃO VEGETATIVA – INDUZIDA ENXERTIA Tipos de enxertia: • Borbulhia • Encostia • Garfagem
  • 17. REPRODUÇÃO VEGETATIVA – INDUZIDA ENXERTIA - BORBULHIA
  • 18. REPRODUÇÃO VEGETATIVA – INDUZIDA ENXERTIA - ENCOSTIA
  • 19. REPRODUÇÃO VEGETATIVA – INDUZIDA ENXERTIA - GARFAGEM
  • 20. REPRODUÇÃO VEGETATIVA – INDUZIDA ENXERTIA - GARFAGEM DICAS: • Utilizar sempre a mesma família de plantas (cavalo e enxerto) – Ex.: cítricos (limão, lima, laranja, pomelo, mexirica etc.) • Enxerto: cortar nos entrenós • Enxerto e Cavalo devem ser da mesma espessura (união dos câmbios) • Cobrir a muda enxertada com saco plástico • Assepsia das mãos e instrumentos • Depois de 30 dias verificar o brotamento, se necessário auxiliar o broto com o rompimento do plástico de proteção.