SlideShare uma empresa Scribd logo
Dormência de Sementes
Matéria Seca
da Planta
Sementes
ABA
Acúmulo de
Reservas
Seringueira
Dormência
• Dormência não é um defeito da semente
• Falta de germinação não é sinônimo de
dormência
• Dormência é ausência de germinação de uma
semente intacta, viável, sob condições
favoráveis, durante determinado período de
tempo.
Hilhorst, 1995
Dormência de Sementes
Fisiológico
Vantagens
Preservação da continuidade da
espécie;
Distribuição da germinação no
tempo;
Adaptação da germinação às
variações ambientais;
Impede a germinação na planta-
mãe.
Dormência de Sementes
Desvantagens
Redução da percentagem de emergência;
Longos períodos para superação;
Longevidade de plantas invasoras;
Interferência no programa de plantio;
Problemas na avaliação da qualidade da
semente
Fatores Genéticos Indução
Influência do ambiente de
maturação
Diferenças na germinabilidade
(heteroblastia)
Indução da Dormência
Dormência de Sementes
Moringa oleifera
Afetada pelas
condições do
ambiente externo
Microambiente
imposto a semente
pela planta-mãe
Água;
Temperatura;
Fotoperído/Luminosidade;
Dormência de Sementes
Germinabilidade
Dormência de Sementes
Germinabilidade
Efeito da temperatura sobre a manifestação da dormência em sementes de
cevada e de alface (Bewley & Black, 1935)
Dormência de Sementes
Germinabilidade
Germinação de sementes de Chenopodium album, após a maturação sob
dias-longos e dias curtos (Karssen, 1970)
Dormência de Sementes
Germinabilidade
Efeitos da qualidade da luz durante a intensidade
da dormência de sementes de
Dormência de Sementes
Posição da Semente na Planta
Figura 8.2
Fonte: Carvalho;Nakagawa,2000
Tipos de Dormência
Dormência
Primária
Secundária
Dormência de Sementes
Gramíneas,
leguminosas
forrageiras,
trigo,cevada
Sorgo
Arroz
Tipos de Dormência
Dormência
Primária
Dormência
superada
Ciclos de
dormência
Dormência de Sementes
Germinação
Dormência
secundária
Processos para quebra de dormência das
sementes:
• Escarificação química: método químico, feito geralmente com ácidos
(sulfúrico, clorídrico etc.), que possibilita os sementes executar trocas
com o meio, água e/ou gases.
• Escarificação mecânica: abrasão das sementes sobre uma superfície
áspera (lixa, piso áspero etc). É utilizado para facilitar a absorção de
água pela semente.
• Estratificação: consiste num tratamento úmido à baixa temperatura,
auxiliando as sementes na maturação do embrião, trocas gasosas e
embebição por água.
• Choque de temperatura: é feito com alternância de temperaturas
variando em aproximadamente 20ºC, em períodos de 8 a 12 horas.
• Água quente: é utilizado em sementes que apresentam
impermeabilidade do tegumento e consiste em imersão das sementes
em água na temperatura de 76 a 100ºC, com um tempo de tratamento
específico para cada espécie.
IPEF 2012
Calor
• Coletor solar - Superar dormência em TECA
(Tectona grandis)
• germinação normal:
– 25% a 35% no período de 10 a 90 dias
• tratamento no coletor solar :
– 80% ao final da segunda semana.
Embrapa RO - 2008
Diferentes tipos de escarificação
mecânica – Sesbania virgata
Buckeridge, 2008
Tratamentos recomendados para quebrar a
dormência das sementes em algumas espécies
arbóreas.
Instituto de Pesquisas e Estudos Florestais – IPEF
OBRIGADA!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Seminario beneficiamento de sementes
Seminario beneficiamento de sementesSeminario beneficiamento de sementes
Seminario beneficiamento de sementes
Djeison Oliveira
 
Hormonios vegetal
Hormonios vegetalHormonios vegetal
Hormonios vegetal
URCA
 
Aula girassol 2-2012
Aula girassol 2-2012Aula girassol 2-2012
Aula girassol 2-2012
Governo do Estado do Paraná
 
Vigor em semente
Vigor em sementeVigor em semente
Vigor em semente
Geraldo Henrique
 
Fiscalização em campo de produção de sementes
Fiscalização em campo de produção de sementesFiscalização em campo de produção de sementes
Fiscalização em campo de produção de sementes
Geraldo Henrique
 
A cultura do Milho
A cultura do MilhoA cultura do Milho
A cultura do Milho
Killer Max
 
Cultura do Feijão Caupi e Cultura do Milho
Cultura do Feijão Caupi e Cultura do MilhoCultura do Feijão Caupi e Cultura do Milho
Cultura do Feijão Caupi e Cultura do Milho
Ítalo Arrais
 
Desenvolvimento das plantas
Desenvolvimento das plantasDesenvolvimento das plantas
Desenvolvimento das plantas
Joseanny Pereira
 
Origem e importância econômica e classificação botânica do Feijão
Origem e importância econômica e classificação botânica do FeijãoOrigem e importância econômica e classificação botânica do Feijão
Origem e importância econômica e classificação botânica do Feijão
Killer Max
 
aulas de friticultura
aulas de friticulturaaulas de friticultura
aulas de friticultura
Lafaiete Sousa
 
DIFERENÇAS FISIOLÓGICAS
DIFERENÇAS FISIOLÓGICASDIFERENÇAS FISIOLÓGICAS
DIFERENÇAS FISIOLÓGICAS
Geagra UFG
 
GERMINAÇÃO E DORMÊNCIA DE SEMENTES
GERMINAÇÃO E DORMÊNCIA DE SEMENTESGERMINAÇÃO E DORMÊNCIA DE SEMENTES
GERMINAÇÃO E DORMÊNCIA DE SEMENTES
carlinhosmatos
 
Unidade 06 vigor em sementes
Unidade 06 vigor em sementesUnidade 06 vigor em sementes
Unidade 06 vigor em sementes
Bruno Rodrigues
 
P oaceae aula 5jj
P oaceae   aula 5jjP oaceae   aula 5jj
P oaceae aula 5jj
Andréa Vasconcelos
 
Importancia Sementes
Importancia SementesImportancia Sementes
Importancia Sementes
Nathalia Carvalho
 
Citrus de mesa
Citrus de mesaCitrus de mesa
Citrus de mesa
Caroline Esperança
 
Manejo Integrado de Doenças de Plantas
Manejo Integrado de Doenças de PlantasManejo Integrado de Doenças de Plantas
Manejo Integrado de Doenças de Plantas
AgriculturaSustentavel
 
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJAMORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
Geagra UFG
 
Aula 10 plantas c3 c4 cam pdf
Aula 10 plantas c3 c4 cam pdfAula 10 plantas c3 c4 cam pdf
Aula 10 plantas c3 c4 cam pdf
Erica Oliveira
 
Viveiricultura
Viveiricultura Viveiricultura
Viveiricultura
Amanda Letícia
 

Mais procurados (20)

Seminario beneficiamento de sementes
Seminario beneficiamento de sementesSeminario beneficiamento de sementes
Seminario beneficiamento de sementes
 
Hormonios vegetal
Hormonios vegetalHormonios vegetal
Hormonios vegetal
 
Aula girassol 2-2012
Aula girassol 2-2012Aula girassol 2-2012
Aula girassol 2-2012
 
Vigor em semente
Vigor em sementeVigor em semente
Vigor em semente
 
Fiscalização em campo de produção de sementes
Fiscalização em campo de produção de sementesFiscalização em campo de produção de sementes
Fiscalização em campo de produção de sementes
 
A cultura do Milho
A cultura do MilhoA cultura do Milho
A cultura do Milho
 
Cultura do Feijão Caupi e Cultura do Milho
Cultura do Feijão Caupi e Cultura do MilhoCultura do Feijão Caupi e Cultura do Milho
Cultura do Feijão Caupi e Cultura do Milho
 
Desenvolvimento das plantas
Desenvolvimento das plantasDesenvolvimento das plantas
Desenvolvimento das plantas
 
Origem e importância econômica e classificação botânica do Feijão
Origem e importância econômica e classificação botânica do FeijãoOrigem e importância econômica e classificação botânica do Feijão
Origem e importância econômica e classificação botânica do Feijão
 
aulas de friticultura
aulas de friticulturaaulas de friticultura
aulas de friticultura
 
DIFERENÇAS FISIOLÓGICAS
DIFERENÇAS FISIOLÓGICASDIFERENÇAS FISIOLÓGICAS
DIFERENÇAS FISIOLÓGICAS
 
GERMINAÇÃO E DORMÊNCIA DE SEMENTES
GERMINAÇÃO E DORMÊNCIA DE SEMENTESGERMINAÇÃO E DORMÊNCIA DE SEMENTES
GERMINAÇÃO E DORMÊNCIA DE SEMENTES
 
Unidade 06 vigor em sementes
Unidade 06 vigor em sementesUnidade 06 vigor em sementes
Unidade 06 vigor em sementes
 
P oaceae aula 5jj
P oaceae   aula 5jjP oaceae   aula 5jj
P oaceae aula 5jj
 
Importancia Sementes
Importancia SementesImportancia Sementes
Importancia Sementes
 
Citrus de mesa
Citrus de mesaCitrus de mesa
Citrus de mesa
 
Manejo Integrado de Doenças de Plantas
Manejo Integrado de Doenças de PlantasManejo Integrado de Doenças de Plantas
Manejo Integrado de Doenças de Plantas
 
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJAMORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
 
Aula 10 plantas c3 c4 cam pdf
Aula 10 plantas c3 c4 cam pdfAula 10 plantas c3 c4 cam pdf
Aula 10 plantas c3 c4 cam pdf
 
Viveiricultura
Viveiricultura Viveiricultura
Viveiricultura
 

Semelhante a Unidade 05 dormência de sementes

Aulas de Botânica.pdf
Aulas de Botânica.pdfAulas de Botânica.pdf
Aulas de Botânica.pdf
RailsonLima8
 
Apresentação_dormência_de_sementes-2[1]-1.pdf
Apresentação_dormência_de_sementes-2[1]-1.pdfApresentação_dormência_de_sementes-2[1]-1.pdf
Apresentação_dormência_de_sementes-2[1]-1.pdf
mt2sem1920leeisel
 
Sementes recalcitrantes
Sementes recalcitrantesSementes recalcitrantes
Sementes recalcitrantes
Samanta Lacerda
 
Pronto
ProntoPronto
Cultura da Soja
Cultura da SojaCultura da Soja
Cultura da melancia
Cultura da melanciaCultura da melancia
Cultura da melancia
IFRO
 
AULA1 propagação vegetal plantas TEMA 03.pptx
AULA1 propagação vegetal plantas TEMA 03.pptxAULA1 propagação vegetal plantas TEMA 03.pptx
AULA1 propagação vegetal plantas TEMA 03.pptx
ElizangelaPereiraLi
 
Cultura do tomate alexandre garcia santaella
Cultura do tomate   alexandre garcia santaellaCultura do tomate   alexandre garcia santaella
Cultura do tomate alexandre garcia santaella
Rodrigo Caetano
 
AULA - 04 - Tecnologia e produção de sementes.pptx
AULA - 04 - Tecnologia e produção de sementes.pptxAULA - 04 - Tecnologia e produção de sementes.pptx
AULA - 04 - Tecnologia e produção de sementes.pptx
JeanMarcelo21
 
Germinação e dormência de sementes florestais (1)
Germinação e dormência de sementes florestais (1)Germinação e dormência de sementes florestais (1)
Germinação e dormência de sementes florestais (1)
Bruno Rodrigues
 
Fisiologia do estresse em plantas
Fisiologia do estresse em plantasFisiologia do estresse em plantas
Fisiologia do estresse em plantas
Ana Carolina Boa
 
Bancos de germoplasma
Bancos de germoplasma Bancos de germoplasma
Bancos de germoplasma
Diogo Provete
 
Apresentação abacaxi
Apresentação abacaxiApresentação abacaxi
Apresentação abacaxi
Geraldo Henrique
 
Beterraba (beta vulgaris)
Beterraba (beta vulgaris)Beterraba (beta vulgaris)
Beterraba (beta vulgaris)
João Antonio Pires
 
Eapt 2012-903
Eapt 2012-903Eapt 2012-903
Eapt 2012-903
Bruno Rodrigues
 
Reino plantae resumo
Reino plantae resumoReino plantae resumo
Reino plantae resumo
CARMELITAMATOS
 
Aula 1 Introdução a Cultura do Pessegueiro.pdf
Aula 1 Introdução a Cultura do Pessegueiro.pdfAula 1 Introdução a Cultura do Pessegueiro.pdf
Aula 1 Introdução a Cultura do Pessegueiro.pdf
HirlandaBritoFariasd1
 
Introdução1
Introdução1Introdução1
Introdução1
Gerdian Teixeira
 
Estresse por déficit hídrico
Estresse por déficit hídricoEstresse por déficit hídrico
Estresse por déficit hídrico
Dailson Oliveira
 
2 em #10 musgos e samambaias (2016)
2 em #10 musgos e samambaias (2016)2 em #10 musgos e samambaias (2016)
2 em #10 musgos e samambaias (2016)
Professô Kyoshi
 

Semelhante a Unidade 05 dormência de sementes (20)

Aulas de Botânica.pdf
Aulas de Botânica.pdfAulas de Botânica.pdf
Aulas de Botânica.pdf
 
Apresentação_dormência_de_sementes-2[1]-1.pdf
Apresentação_dormência_de_sementes-2[1]-1.pdfApresentação_dormência_de_sementes-2[1]-1.pdf
Apresentação_dormência_de_sementes-2[1]-1.pdf
 
Sementes recalcitrantes
Sementes recalcitrantesSementes recalcitrantes
Sementes recalcitrantes
 
Pronto
ProntoPronto
Pronto
 
Cultura da Soja
Cultura da SojaCultura da Soja
Cultura da Soja
 
Cultura da melancia
Cultura da melanciaCultura da melancia
Cultura da melancia
 
AULA1 propagação vegetal plantas TEMA 03.pptx
AULA1 propagação vegetal plantas TEMA 03.pptxAULA1 propagação vegetal plantas TEMA 03.pptx
AULA1 propagação vegetal plantas TEMA 03.pptx
 
Cultura do tomate alexandre garcia santaella
Cultura do tomate   alexandre garcia santaellaCultura do tomate   alexandre garcia santaella
Cultura do tomate alexandre garcia santaella
 
AULA - 04 - Tecnologia e produção de sementes.pptx
AULA - 04 - Tecnologia e produção de sementes.pptxAULA - 04 - Tecnologia e produção de sementes.pptx
AULA - 04 - Tecnologia e produção de sementes.pptx
 
Germinação e dormência de sementes florestais (1)
Germinação e dormência de sementes florestais (1)Germinação e dormência de sementes florestais (1)
Germinação e dormência de sementes florestais (1)
 
Fisiologia do estresse em plantas
Fisiologia do estresse em plantasFisiologia do estresse em plantas
Fisiologia do estresse em plantas
 
Bancos de germoplasma
Bancos de germoplasma Bancos de germoplasma
Bancos de germoplasma
 
Apresentação abacaxi
Apresentação abacaxiApresentação abacaxi
Apresentação abacaxi
 
Beterraba (beta vulgaris)
Beterraba (beta vulgaris)Beterraba (beta vulgaris)
Beterraba (beta vulgaris)
 
Eapt 2012-903
Eapt 2012-903Eapt 2012-903
Eapt 2012-903
 
Reino plantae resumo
Reino plantae resumoReino plantae resumo
Reino plantae resumo
 
Aula 1 Introdução a Cultura do Pessegueiro.pdf
Aula 1 Introdução a Cultura do Pessegueiro.pdfAula 1 Introdução a Cultura do Pessegueiro.pdf
Aula 1 Introdução a Cultura do Pessegueiro.pdf
 
Introdução1
Introdução1Introdução1
Introdução1
 
Estresse por déficit hídrico
Estresse por déficit hídricoEstresse por déficit hídrico
Estresse por déficit hídrico
 
2 em #10 musgos e samambaias (2016)
2 em #10 musgos e samambaias (2016)2 em #10 musgos e samambaias (2016)
2 em #10 musgos e samambaias (2016)
 

Mais de Bruno Rodrigues

11628 37607-1-pb
11628 37607-1-pb11628 37607-1-pb
11628 37607-1-pb
Bruno Rodrigues
 
Manicoba
ManicobaManicoba
Manicoba
Bruno Rodrigues
 
832 3044-1-pb
832 3044-1-pb832 3044-1-pb
832 3044-1-pb
Bruno Rodrigues
 
Viveiro e-producao-de-mudas-de-algumas-especies-arboreas-nativas-do-cerrado
Viveiro e-producao-de-mudas-de-algumas-especies-arboreas-nativas-do-cerradoViveiro e-producao-de-mudas-de-algumas-especies-arboreas-nativas-do-cerrado
Viveiro e-producao-de-mudas-de-algumas-especies-arboreas-nativas-do-cerrado
Bruno Rodrigues
 
Sementesflorestais guiaparagerminaode100espciesnativas-130806124231-phpapp01
Sementesflorestais guiaparagerminaode100espciesnativas-130806124231-phpapp01Sementesflorestais guiaparagerminaode100espciesnativas-130806124231-phpapp01
Sementesflorestais guiaparagerminaode100espciesnativas-130806124231-phpapp01
Bruno Rodrigues
 
Manual de análise de sementes
Manual de análise de sementesManual de análise de sementes
Manual de análise de sementes
Bruno Rodrigues
 
Guia de sementes_final_203
Guia de sementes_final_203Guia de sementes_final_203
Guia de sementes_final_203
Bruno Rodrigues
 
Documentos -colheita_de_sementes_e_producao_de_mudas_-_noemi
Documentos  -colheita_de_sementes_e_producao_de_mudas_-_noemiDocumentos  -colheita_de_sementes_e_producao_de_mudas_-_noemi
Documentos -colheita_de_sementes_e_producao_de_mudas_-_noemi
Bruno Rodrigues
 
Curation protocol portuguese
Curation protocol portugueseCuration protocol portuguese
Curation protocol portuguese
Bruno Rodrigues
 
12261 sementes -web
12261 sementes -web12261 sementes -web
12261 sementes -web
Bruno Rodrigues
 
2012 05-r1
2012 05-r12012 05-r1
2012 05-r1
Bruno Rodrigues
 
5 producao-de-mudas-de-plantas-nativa-do-cerrado
5 producao-de-mudas-de-plantas-nativa-do-cerrado5 producao-de-mudas-de-plantas-nativa-do-cerrado
5 producao-de-mudas-de-plantas-nativa-do-cerrado
Bruno Rodrigues
 
Genética agropecuária
Genética agropecuáriaGenética agropecuária
Genética agropecuária
Bruno Rodrigues
 
Administração rural
Administração ruralAdministração rural
Administração rural
Bruno Rodrigues
 
Adm. rural 3
Adm. rural 3Adm. rural 3
Adm. rural 3
Bruno Rodrigues
 
Unidade 04 germinação das sementes
Unidade 04 germinação das sementesUnidade 04 germinação das sementes
Unidade 04 germinação das sementes
Bruno Rodrigues
 
Unidade 01 importância das sementes para a agricultura
Unidade 01 importância das sementes para a agriculturaUnidade 01 importância das sementes para a agricultura
Unidade 01 importância das sementes para a agricultura
Bruno Rodrigues
 
Sá et al. 2011 roteiro prático da disciplina de produção e tecnologia de seme...
Sá et al. 2011 roteiro prático da disciplina de produção e tecnologia de seme...Sá et al. 2011 roteiro prático da disciplina de produção e tecnologia de seme...
Sá et al. 2011 roteiro prático da disciplina de produção e tecnologia de seme...
Bruno Rodrigues
 
Peske et al. 2003 sementes fundamentos cientificos e tecnologicos
Peske et al. 2003 sementes   fundamentos cientificos e tecnologicosPeske et al. 2003 sementes   fundamentos cientificos e tecnologicos
Peske et al. 2003 sementes fundamentos cientificos e tecnologicos
Bruno Rodrigues
 
Modelo do resumo
Modelo do resumoModelo do resumo
Modelo do resumo
Bruno Rodrigues
 

Mais de Bruno Rodrigues (20)

11628 37607-1-pb
11628 37607-1-pb11628 37607-1-pb
11628 37607-1-pb
 
Manicoba
ManicobaManicoba
Manicoba
 
832 3044-1-pb
832 3044-1-pb832 3044-1-pb
832 3044-1-pb
 
Viveiro e-producao-de-mudas-de-algumas-especies-arboreas-nativas-do-cerrado
Viveiro e-producao-de-mudas-de-algumas-especies-arboreas-nativas-do-cerradoViveiro e-producao-de-mudas-de-algumas-especies-arboreas-nativas-do-cerrado
Viveiro e-producao-de-mudas-de-algumas-especies-arboreas-nativas-do-cerrado
 
Sementesflorestais guiaparagerminaode100espciesnativas-130806124231-phpapp01
Sementesflorestais guiaparagerminaode100espciesnativas-130806124231-phpapp01Sementesflorestais guiaparagerminaode100espciesnativas-130806124231-phpapp01
Sementesflorestais guiaparagerminaode100espciesnativas-130806124231-phpapp01
 
Manual de análise de sementes
Manual de análise de sementesManual de análise de sementes
Manual de análise de sementes
 
Guia de sementes_final_203
Guia de sementes_final_203Guia de sementes_final_203
Guia de sementes_final_203
 
Documentos -colheita_de_sementes_e_producao_de_mudas_-_noemi
Documentos  -colheita_de_sementes_e_producao_de_mudas_-_noemiDocumentos  -colheita_de_sementes_e_producao_de_mudas_-_noemi
Documentos -colheita_de_sementes_e_producao_de_mudas_-_noemi
 
Curation protocol portuguese
Curation protocol portugueseCuration protocol portuguese
Curation protocol portuguese
 
12261 sementes -web
12261 sementes -web12261 sementes -web
12261 sementes -web
 
2012 05-r1
2012 05-r12012 05-r1
2012 05-r1
 
5 producao-de-mudas-de-plantas-nativa-do-cerrado
5 producao-de-mudas-de-plantas-nativa-do-cerrado5 producao-de-mudas-de-plantas-nativa-do-cerrado
5 producao-de-mudas-de-plantas-nativa-do-cerrado
 
Genética agropecuária
Genética agropecuáriaGenética agropecuária
Genética agropecuária
 
Administração rural
Administração ruralAdministração rural
Administração rural
 
Adm. rural 3
Adm. rural 3Adm. rural 3
Adm. rural 3
 
Unidade 04 germinação das sementes
Unidade 04 germinação das sementesUnidade 04 germinação das sementes
Unidade 04 germinação das sementes
 
Unidade 01 importância das sementes para a agricultura
Unidade 01 importância das sementes para a agriculturaUnidade 01 importância das sementes para a agricultura
Unidade 01 importância das sementes para a agricultura
 
Sá et al. 2011 roteiro prático da disciplina de produção e tecnologia de seme...
Sá et al. 2011 roteiro prático da disciplina de produção e tecnologia de seme...Sá et al. 2011 roteiro prático da disciplina de produção e tecnologia de seme...
Sá et al. 2011 roteiro prático da disciplina de produção e tecnologia de seme...
 
Peske et al. 2003 sementes fundamentos cientificos e tecnologicos
Peske et al. 2003 sementes   fundamentos cientificos e tecnologicosPeske et al. 2003 sementes   fundamentos cientificos e tecnologicos
Peske et al. 2003 sementes fundamentos cientificos e tecnologicos
 
Modelo do resumo
Modelo do resumoModelo do resumo
Modelo do resumo
 

Unidade 05 dormência de sementes

  • 3.
  • 4.
  • 5.
  • 6. Dormência • Dormência não é um defeito da semente • Falta de germinação não é sinônimo de dormência • Dormência é ausência de germinação de uma semente intacta, viável, sob condições favoráveis, durante determinado período de tempo. Hilhorst, 1995
  • 7.
  • 8.
  • 9.
  • 10.
  • 11. Dormência de Sementes Fisiológico Vantagens Preservação da continuidade da espécie; Distribuição da germinação no tempo; Adaptação da germinação às variações ambientais; Impede a germinação na planta- mãe.
  • 12. Dormência de Sementes Desvantagens Redução da percentagem de emergência; Longos períodos para superação; Longevidade de plantas invasoras; Interferência no programa de plantio; Problemas na avaliação da qualidade da semente
  • 13. Fatores Genéticos Indução Influência do ambiente de maturação Diferenças na germinabilidade (heteroblastia) Indução da Dormência Dormência de Sementes Moringa oleifera
  • 14. Afetada pelas condições do ambiente externo Microambiente imposto a semente pela planta-mãe Água; Temperatura; Fotoperído/Luminosidade; Dormência de Sementes Germinabilidade
  • 15. Dormência de Sementes Germinabilidade Efeito da temperatura sobre a manifestação da dormência em sementes de cevada e de alface (Bewley & Black, 1935)
  • 16. Dormência de Sementes Germinabilidade Germinação de sementes de Chenopodium album, após a maturação sob dias-longos e dias curtos (Karssen, 1970)
  • 17. Dormência de Sementes Germinabilidade Efeitos da qualidade da luz durante a intensidade da dormência de sementes de
  • 18. Dormência de Sementes Posição da Semente na Planta Figura 8.2 Fonte: Carvalho;Nakagawa,2000
  • 19. Tipos de Dormência Dormência Primária Secundária Dormência de Sementes Gramíneas, leguminosas forrageiras, trigo,cevada Sorgo Arroz
  • 20.
  • 21.
  • 22. Tipos de Dormência Dormência Primária Dormência superada Ciclos de dormência Dormência de Sementes Germinação Dormência secundária
  • 23.
  • 24.
  • 25.
  • 26.
  • 27.
  • 28.
  • 29.
  • 30. Processos para quebra de dormência das sementes: • Escarificação química: método químico, feito geralmente com ácidos (sulfúrico, clorídrico etc.), que possibilita os sementes executar trocas com o meio, água e/ou gases. • Escarificação mecânica: abrasão das sementes sobre uma superfície áspera (lixa, piso áspero etc). É utilizado para facilitar a absorção de água pela semente. • Estratificação: consiste num tratamento úmido à baixa temperatura, auxiliando as sementes na maturação do embrião, trocas gasosas e embebição por água. • Choque de temperatura: é feito com alternância de temperaturas variando em aproximadamente 20ºC, em períodos de 8 a 12 horas. • Água quente: é utilizado em sementes que apresentam impermeabilidade do tegumento e consiste em imersão das sementes em água na temperatura de 76 a 100ºC, com um tempo de tratamento específico para cada espécie. IPEF 2012
  • 31. Calor • Coletor solar - Superar dormência em TECA (Tectona grandis) • germinação normal: – 25% a 35% no período de 10 a 90 dias • tratamento no coletor solar : – 80% ao final da segunda semana. Embrapa RO - 2008
  • 32. Diferentes tipos de escarificação mecânica – Sesbania virgata Buckeridge, 2008
  • 33. Tratamentos recomendados para quebrar a dormência das sementes em algumas espécies arbóreas. Instituto de Pesquisas e Estudos Florestais – IPEF