SlideShare uma empresa Scribd logo
 (Arachis hypogaea L.) é uma planta da
família Fabaceae como o feijão e a
ervilha. E seu fruto é do tipo fruto ou
vagem.
A planta do amendoim é uma erva,
com um caule pequeno e folhas
trifolioladas, com abundante
indumento, raiz aprumada (A Raiz Que
apresenta UMA Raiz diretor de Onde partem
raízes secundárias), medindo entre 30–50
cm de altura.
Suas vagens, no entanto, se desenvolvem dentro do solo. O
pedúnculo floral, após a polinização, curva-se para baixo,
continuando a crescer até enterrar o ovário da flor. No solo, as
vagens se desenvolvem e amadurecem.
O amendoim é uma oleaginosa originada da América,
sendo utilizada como planta domesticada pelas civilizações
indígenas sul-americanas há 3800 anos;
Os exploradores Espanhóis e Portugueses que descobriram
o amendoim no Novo Mundo, levaram-no para a África.
Plantado em diversos países Africanos, floresceu e passou
a fazer parte das culturas alimentares locais;
No século 19, o amendoim aumentou muito a sua
popularidade nos E.U.A graças a George Washington, que
sugere que os agricultores passem a plantar amendoim
nos seus campos de algodão destruídos após a Guerra
Civil;
A produção de amendoim no Brasil teve grande importância
até o início dos anos 70, ocupando papel de destaque no
suprimento interno de óleo vegetal e na exportação de
subprodutos.
Além da política agrícola brasileira diminuir os recursos
investidos na cultura do amendoim, outros aspectos
favoreceram seu declínio, como crescentes custos de produção,
baixo rendimento por área, susceptibilidade às variações
climáticas e intensas variações nos preços durantes a
comercialização. Pequenos e médios produtores continuaram a
produzir amendoim devido ao baixo nível tecnológico exigido.
O cultivo e a produção de amendoim são atividades agrícolas
importantes em diversas regiões do estado de São Paulo, que
concentra 80% da produção brasileira. O produto destina-se
principalmente à indústria de confeitaria, venda e consumo
in-natura, exportação e fabricação de óleo.
Segundo a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), o
Brasil possui 90 mil hectares de plantação de amendoim
distribuídos entre as lavouras conduzidas neste novo padrão
tecnológico (São Paulo, Minas Gerais, Mato Grosso, Goiás e
Bahia) e os pequenos cultivos familiars em diversos estados,
de norte a sul.
As cultivares utilizadas são a do tipo rasteiro (runner) e ereto
do tipo Tatu ST.
 Runner - Os grãos desse amendoim são de pele rosada e de
tamanho maior que os tradicionais, mais conhecidos no Brasil. É de
hábito de crescimento rasteiro tem um ciclo de 125 a 130 dias, do
plantio à colheita. Em condições favoráveis, sua produtividade
máxima é de 6.500kg/hectare de amendoim em casca.
 Tatu ST - Cultivar de vagens alongadas com mais de duas sementes
ou grãos, caracteriza-se pelo porte ereto, de pele vermelha e sabor
ligeiramente adocicado.
 Pesquisas agronômicas mostraram que a rotação da cultura da
cana-de-açúcar com o amendoim é uma prática benéfica e que
reduz os custos de produção agrícola. Fazendo assim a renovação
do solo e controle de pragas.
 Ultimamente, mudanças tecnológicas no cultivo e no
beneficiamento do produto estão trazendo um aumento no volume
produzido de grãos e nas características do mercado. O sistema
mecanizado de produção é um exemplo;
 A maior produção ocorreu em 1972, com 970 mil toneladas, sendo
que o principal produto era o óleo, muito utilizado na culinária.
 Da produção de 142 mil t em 1995 chegamos aos atuais 300 mil t
em 2005, enquanto que a produtividade passou de 1.740 kg/ha em
1994-96 para 2.330 kg/ha em 2005.
 O uso de cultivares de porte rasteiro e mecanização das operações
de plantio e colheita são tecnologias que também refletiram em
maior produtividade.
 Em termos produtivos, a produção do amendoim brasileiro é
oriunda, em maior escala, da região Sudeste, seguida pela Centro-
Oeste e Nordeste.
 O estado de São Paulo é o maior produtor, responsável por cerca de
80% da produção nacional conforme falado anteriormente.
 Considerada pelos produtores como uma cultura que proporciona
boa remuneração, o amendoim é cultivado praticamente sem a
utilização de insumos, em cultivos convencionais ou consorciado
com milho.
O objetivo do zoneamento agroclimático é orientar os
agricultores sobre os riscos de adversidades climáticas
coincidentes com as fases mais sensíveis da cultura. Através
da correlação entre as séries climáticas históricas, com o ciclo
das cultivares e o tipo de solo faz-se a recomendação da
época de plantio para cada município.
O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA)
possui portarias referentes ao zoneamento climático da
cultura do amendoim para diversos estados brasileiros.
 O amendoim é cultivado em mais de 80 países nos dois hemisférios,
principalmente em regiões tropicais. Apesar desta ampla
adaptabilidade, a produtividade é fortemente influenciada por
fatores ambientais, especialmente temperatura, disponibilidade de
água e radiação, como qualquer outra cultura.
 A temperatura é o fator ambiental com maior efeito no
desenvolvimento crescimento do amendoim. A cultura de
amendoim desenvolve-se melhor, com produtividade mais elevada,
em climas quentes.
 O amendoim pode ser cultivado em regiões que apresentam
temperaturas médias entre 20°C e 30°C durante todo o ciclo de
cultivo da planta. A planta não suporta baixas temperaturas. Como
a chuva prejudica a polinização, o ideal é que o clima permaneça
seco durante o período de floração.
 O amendoim necessita de alta luminosidade, com luz solar direta
pelo menos algumas horas por dia.
 SOLO
 Cultivar de preferência em solo bem drenado, leve, solto, fértil e rico em
matéria orgânica. O pH do solo ideal para o cultivo de amendoim situa-se
entre 5,5 e 6,5. A planta pode formar em suas raízes uma associação
simbiótica com bactérias conhecidas como rizóbios, capazes de fixar o
nitrogênio do ar no solo como amônia ou nitrato, provendo pelo menos
parte do nitrogênio necessário para as plantas.
 PLANTIO
 As sementes geralmente são plantadas direto no local definitivo. As
sementes também podem ser plantadas em pequenos vasos ou copinhos
de papel jornal com 10 cm de altura. As mudas são transplantadas quando
têm de 10 a 15 cm de altura.
 A semeadura pode ser feita manualmente, por tração animal ou mecânica,
mantendo a profundidade no máximo em 5 cm
 O arranjo espacial da cultura no campo deverá considerar a cultivar, uma
vez que cada variedade tem um comportamento de crescimento diferente
O espaçamento recomendado é de 15 a 30 cm entre as plantas e de 60 a
80 cm entre as linhas de plantio.
COLHEITA
A colheita das vagens pode ser feita de 100 dias a quase seis
meses após a semeadura, variando conforme o cultivar
plantado e as condições de cultivo.
A colheita do amendoim é realizada quando as folhas das
plantas estão amareladas. Retire algumas vagens da terra e
verifique se a parte interna da vagem apresenta veios mais
escuros, o que indica que estão maduras e prontas para a
colheita.
Em pequenas propriedades, normalmente utiliza-se a mão-
de-obra familiar nas operações de colheita e pós-colheita.
Após o arranquio manual, as plantas são enleiradas
para secagem de modo a reduzir a umidade das sementes.
COLHEITA
Se a colheita for atrasada, ao arrancar a planta, as vagens
podem se destacar da planta e ficar no solo. Após a secagem,
as vagens se soltam da planta facilmente e podem ser
recolhidas e armazenadas em local fresco e seco por vários
meses, ou os amendoins podem ser retirados e utilizados.
No sistema semi-mecanizado, é realizado o corte das raízes
previamente ao arranquio com posterior enleiramento
manual, utilizando implemento tracionado por trator, que
possui duas lâminas cortantes em forma de V aberto que
cortam quatro linhas por vez. A passagem da lâmina
proporciona no arranquio uma redução nas perdas em torno
de 6%.
As principais doenças foliares do amendoim são a mancha
castanha e a pinta preta. Apesar da semelhança, as manchas
causadas pelo fungo Cercospora arachidicola, agente causal
da mancha castanha, são geralmente circundadas por um halo
de coloração Amarelada. A pinta preta é causada pelo fungo
Cercosporidium personatum, com lesões mais escuras
 Geralmente, a mancha castanha ocorre no início do florescimento,
enquanto que a pinta preta é mais freqüente a partir do final do
período de florescimento. As perdas causadas por estas doenças
são estimadas em torno de 50% quando não controladas
eficientemente, havendo relatos de perdas de 70% no nordeste do
Brasil. As perdas são decorrentes da desfolha precoce provocada,
principalmente em cultivares suscetíveis plantadas em regiões onde
as condições ambientais são favoráveis ao desenvolvimento de
epidemias.
 A micotoxina mais importante é a aflatoxina. Metabólitos tóxicos
produzidos por algumas espécies de fungos. No caso específico do
amendoim produzida por Aspergillus flavus. Muitos fatores, desde a
produção até o armazenamento, contribuem para a contaminação
por aflatoxina no amendoim. O primeiro ponto de controle
encontra-se na produção, monitorando a umidade do solo, pragas e
doenças que causem estresse às plantas, favorecendo a infecção
porAspergillus.
Aspergillus
flavus em grãos de
amendoim
colocados em meio
salino.
 Vários são os insetos e ácaros que ocorrem durante o ciclo fenológico da
cultura, atacando tanto a parte subterrânea quanto a parte aérea da
planta. Entretanto, nem sempre a ocorrência destes organismos na cultura
representa um risco à sua produtividade, dependendo principalmente do
nível populacional da praga e dos danos provocados. Lagarta elasmo
(Elasmopalpus lignosellus) é considerada uma das mais severas pragas
para o amendoinzeiro. A lagarta apresenta listras transversais e coloração
verde-azulada e produz uma teia característica. Os adultos apresentam
coloração pardo-avermelhada, pardo-escuro a cinza. Este inseto ataca
principalmente as vagens. Além do dano direto, seu ataque facilita a
penetração de patógenos.
Quanto aos aspectos nutricionais, o amendoim é rico em óleo.
O óleo pode ser extraído por prensagem mecânica, resultando
em uma torta gorda, ou por solvente. O óleo bruto é amarelo
claro, com odor e sabor agradáveis.
A torta ou farelo, resultantes da extração do óleo, possui
elevado valor comercial, sendo destinado à alimentação
animal dado seu alto teor protéico. O problema da aflatoxina
é um empecilho na utilização como ração fazendo com que
seja utilizado como adubo orgânico em culturas perenes.
Da soja, pode-se extrair 20% de óleo para fabricação de
biodiesel. Do amendoim, algumas variedades produzem até
50% de óleo para a mesma finalidade. A diferença é que, hoje,
a soja é o principal vegetal utilizado no País para fabricação de
biodiesel.
Quando o mercado deixar de focar o volume de produção e se
voltar para a qualidade, o óleo de amendoim poderá ser uma
das principais fontes de biodiesel. Seu óleo é de alta
qualidade para a produção de biocombustível.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Soja
SojaSoja
Cultura da Cenoura
Cultura da CenouraCultura da Cenoura
Cultura da Cenoura
Sabrina Nascimento
 
Classificação de doenças de McNew
Classificação de doenças de McNewClassificação de doenças de McNew
Classificação de doenças de McNew
Giovani de Oliveira Arieira
 
Identificação de plantas daninhas
Identificação de plantas daninhasIdentificação de plantas daninhas
Identificação de plantas daninhas
Geagra UFG
 
Implantação da Cultura do Feijão
Implantação da Cultura do FeijãoImplantação da Cultura do Feijão
Implantação da Cultura do Feijão
Killer Max
 
MORFOLOGIA E FISIOLOGIA DO ALGODOEIRO
MORFOLOGIA E FISIOLOGIA DO ALGODOEIROMORFOLOGIA E FISIOLOGIA DO ALGODOEIRO
MORFOLOGIA E FISIOLOGIA DO ALGODOEIRO
Geagra UFG
 
Apresentação abacaxi
Apresentação abacaxiApresentação abacaxi
Apresentação abacaxi
Geraldo Henrique
 
Morfologia e Fenologia do Feijão
Morfologia e Fenologia do FeijãoMorfologia e Fenologia do Feijão
Morfologia e Fenologia do Feijão
Killer Max
 
5 botânica e morfologia da cana
5 botânica e morfologia da cana5 botânica e morfologia da cana
5 botânica e morfologia da cana
Cristóvão Lopes
 
Aula girassol 2-2012
Aula girassol 2-2012Aula girassol 2-2012
Aula girassol 2-2012
Governo do Estado do Paraná
 
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DO FEIJOEIRO
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DO FEIJOEIROFENOLOGIA E FISIOLOGIA DO FEIJOEIRO
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DO FEIJOEIRO
Geagra UFG
 
Princiapais doenças do algodoeiro
Princiapais doenças do algodoeiroPrinciapais doenças do algodoeiro
Princiapais doenças do algodoeiro
David Rodrigues
 
Cultura da Soja
Cultura da SojaCultura da Soja
Cultura do Feijão Caupi e Cultura do Milho
Cultura do Feijão Caupi e Cultura do MilhoCultura do Feijão Caupi e Cultura do Milho
Cultura do Feijão Caupi e Cultura do Milho
Ítalo Arrais
 
Fenologia e Fisiologia do Sorgo e Milheto
Fenologia e Fisiologia do Sorgo e MilhetoFenologia e Fisiologia do Sorgo e Milheto
Fenologia e Fisiologia do Sorgo e Milheto
Geagra UFG
 
A cultura do Milho
A cultura do MilhoA cultura do Milho
A cultura do Milho
Killer Max
 
Fenologia e Fisiologia do Girassol
Fenologia e Fisiologia do GirassolFenologia e Fisiologia do Girassol
Fenologia e Fisiologia do Girassol
Geagra UFG
 
Pós-colheita e Beneficiamento do Arroz
Pós-colheita e Beneficiamento do ArrozPós-colheita e Beneficiamento do Arroz
Pós-colheita e Beneficiamento do Arroz
Geagra UFG
 
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DA SOJA
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DA SOJA MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DA SOJA
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DA SOJA
Geagra UFG
 
Nutrição mineral na cultura do milho
Nutrição mineral na cultura do milhoNutrição mineral na cultura do milho
Nutrição mineral na cultura do milho
Geagra UFG
 

Mais procurados (20)

Soja
SojaSoja
Soja
 
Cultura da Cenoura
Cultura da CenouraCultura da Cenoura
Cultura da Cenoura
 
Classificação de doenças de McNew
Classificação de doenças de McNewClassificação de doenças de McNew
Classificação de doenças de McNew
 
Identificação de plantas daninhas
Identificação de plantas daninhasIdentificação de plantas daninhas
Identificação de plantas daninhas
 
Implantação da Cultura do Feijão
Implantação da Cultura do FeijãoImplantação da Cultura do Feijão
Implantação da Cultura do Feijão
 
MORFOLOGIA E FISIOLOGIA DO ALGODOEIRO
MORFOLOGIA E FISIOLOGIA DO ALGODOEIROMORFOLOGIA E FISIOLOGIA DO ALGODOEIRO
MORFOLOGIA E FISIOLOGIA DO ALGODOEIRO
 
Apresentação abacaxi
Apresentação abacaxiApresentação abacaxi
Apresentação abacaxi
 
Morfologia e Fenologia do Feijão
Morfologia e Fenologia do FeijãoMorfologia e Fenologia do Feijão
Morfologia e Fenologia do Feijão
 
5 botânica e morfologia da cana
5 botânica e morfologia da cana5 botânica e morfologia da cana
5 botânica e morfologia da cana
 
Aula girassol 2-2012
Aula girassol 2-2012Aula girassol 2-2012
Aula girassol 2-2012
 
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DO FEIJOEIRO
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DO FEIJOEIROFENOLOGIA E FISIOLOGIA DO FEIJOEIRO
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DO FEIJOEIRO
 
Princiapais doenças do algodoeiro
Princiapais doenças do algodoeiroPrinciapais doenças do algodoeiro
Princiapais doenças do algodoeiro
 
Cultura da Soja
Cultura da SojaCultura da Soja
Cultura da Soja
 
Cultura do Feijão Caupi e Cultura do Milho
Cultura do Feijão Caupi e Cultura do MilhoCultura do Feijão Caupi e Cultura do Milho
Cultura do Feijão Caupi e Cultura do Milho
 
Fenologia e Fisiologia do Sorgo e Milheto
Fenologia e Fisiologia do Sorgo e MilhetoFenologia e Fisiologia do Sorgo e Milheto
Fenologia e Fisiologia do Sorgo e Milheto
 
A cultura do Milho
A cultura do MilhoA cultura do Milho
A cultura do Milho
 
Fenologia e Fisiologia do Girassol
Fenologia e Fisiologia do GirassolFenologia e Fisiologia do Girassol
Fenologia e Fisiologia do Girassol
 
Pós-colheita e Beneficiamento do Arroz
Pós-colheita e Beneficiamento do ArrozPós-colheita e Beneficiamento do Arroz
Pós-colheita e Beneficiamento do Arroz
 
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DA SOJA
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DA SOJA MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DA SOJA
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DA SOJA
 
Nutrição mineral na cultura do milho
Nutrição mineral na cultura do milhoNutrição mineral na cultura do milho
Nutrição mineral na cultura do milho
 

Destaque

Cultura do Amendoim - Potencial para Produção de Óleo
Cultura do Amendoim - Potencial para Produção de ÓleoCultura do Amendoim - Potencial para Produção de Óleo
Cultura do Amendoim - Potencial para Produção de Óleo
Agricultura Sao Paulo
 
Plantio Direto de Amendoim
Plantio Direto de AmendoimPlantio Direto de Amendoim
Plantio Direto de Amendoim
Agricultura Sao Paulo
 
Amendoim forrageiro embrapa
Amendoim forrageiro   embrapaAmendoim forrageiro   embrapa
Amendoim forrageiro embrapa
Alexandre Panerai
 
Fungos e micotoxinas em graos armazenados
Fungos e micotoxinas em graos armazenadosFungos e micotoxinas em graos armazenados
Fungos e micotoxinas em graos armazenados
Pelo Siro
 
Cultura o amendoim na Guiné
Cultura o amendoim na GuinéCultura o amendoim na Guiné
Cultura o amendoim na Guiné
Cantacunda
 
Treinamento em 5s e BPF - Boas Práticas de Fabricação
Treinamento em 5s e BPF - Boas Práticas de FabricaçãoTreinamento em 5s e BPF - Boas Práticas de Fabricação
Treinamento em 5s e BPF - Boas Práticas de Fabricação
Daniel de Carvalho Luz
 
72945760 trabalho-de-toxicologia-as
72945760 trabalho-de-toxicologia-as72945760 trabalho-de-toxicologia-as
72945760 trabalho-de-toxicologia-as
Mariana Costa
 
Aflatoxinas
AflatoxinasAflatoxinas
Aflatoxinas
Lola Boss
 
Apostila microbiologia como fazer analise microbiologica
Apostila microbiologia como fazer analise microbiologicaApostila microbiologia como fazer analise microbiologica
Apostila microbiologia como fazer analise microbiologica
Cleber Lima
 
Aflatoxinas e Ocratoxina A
Aflatoxinas e Ocratoxina AAflatoxinas e Ocratoxina A
Aflatoxinas e Ocratoxina A
Patrícia Prates
 
Slide 01 análises microbiológicas de alimentos
Slide 01 análises microbiológicas de alimentosSlide 01 análises microbiológicas de alimentos
Slide 01 análises microbiológicas de alimentos
uagno
 
Estudo do solo
Estudo do soloEstudo do solo
Estudo do solo
ee
 
BOAS PRATICAS DE FABRICAÇÃO E POP'S
BOAS PRATICAS DE FABRICAÇÃO E POP'SBOAS PRATICAS DE FABRICAÇÃO E POP'S
BOAS PRATICAS DE FABRICAÇÃO E POP'S
Celina Martins
 
Artigo Adubação do Milho safrinha - Revista A granja
Artigo Adubação do Milho safrinha - Revista A granjaArtigo Adubação do Milho safrinha - Revista A granja
Artigo Adubação do Milho safrinha - Revista A granja
Agricultura Sao Paulo
 
Rotacao de culturas
Rotacao de culturasRotacao de culturas
Rotacao de culturas
mvezzone
 
Boas Práticas de Fabricação
Boas Práticas de FabricaçãoBoas Práticas de Fabricação
Boas Práticas de Fabricação
Bruno Andrade
 
Qualidade de produtos armazenados
Qualidade de produtos armazenadosQualidade de produtos armazenados
Qualidade de produtos armazenados
Marcos Ferreira
 
Rotação de culturas
Rotação de culturasRotação de culturas
Rotação de culturas
Mário Pereira
 
Aula melhoramento (2)
Aula melhoramento (2)Aula melhoramento (2)
Aula melhoramento (2)
Taís Leandro
 
Boas Práticas de Fabricação - Um breve resumo
Boas Práticas de Fabricação - Um breve resumoBoas Práticas de Fabricação - Um breve resumo
Boas Práticas de Fabricação - Um breve resumo
Luis Antonio Cezar Junior
 

Destaque (20)

Cultura do Amendoim - Potencial para Produção de Óleo
Cultura do Amendoim - Potencial para Produção de ÓleoCultura do Amendoim - Potencial para Produção de Óleo
Cultura do Amendoim - Potencial para Produção de Óleo
 
Plantio Direto de Amendoim
Plantio Direto de AmendoimPlantio Direto de Amendoim
Plantio Direto de Amendoim
 
Amendoim forrageiro embrapa
Amendoim forrageiro   embrapaAmendoim forrageiro   embrapa
Amendoim forrageiro embrapa
 
Fungos e micotoxinas em graos armazenados
Fungos e micotoxinas em graos armazenadosFungos e micotoxinas em graos armazenados
Fungos e micotoxinas em graos armazenados
 
Cultura o amendoim na Guiné
Cultura o amendoim na GuinéCultura o amendoim na Guiné
Cultura o amendoim na Guiné
 
Treinamento em 5s e BPF - Boas Práticas de Fabricação
Treinamento em 5s e BPF - Boas Práticas de FabricaçãoTreinamento em 5s e BPF - Boas Práticas de Fabricação
Treinamento em 5s e BPF - Boas Práticas de Fabricação
 
72945760 trabalho-de-toxicologia-as
72945760 trabalho-de-toxicologia-as72945760 trabalho-de-toxicologia-as
72945760 trabalho-de-toxicologia-as
 
Aflatoxinas
AflatoxinasAflatoxinas
Aflatoxinas
 
Apostila microbiologia como fazer analise microbiologica
Apostila microbiologia como fazer analise microbiologicaApostila microbiologia como fazer analise microbiologica
Apostila microbiologia como fazer analise microbiologica
 
Aflatoxinas e Ocratoxina A
Aflatoxinas e Ocratoxina AAflatoxinas e Ocratoxina A
Aflatoxinas e Ocratoxina A
 
Slide 01 análises microbiológicas de alimentos
Slide 01 análises microbiológicas de alimentosSlide 01 análises microbiológicas de alimentos
Slide 01 análises microbiológicas de alimentos
 
Estudo do solo
Estudo do soloEstudo do solo
Estudo do solo
 
BOAS PRATICAS DE FABRICAÇÃO E POP'S
BOAS PRATICAS DE FABRICAÇÃO E POP'SBOAS PRATICAS DE FABRICAÇÃO E POP'S
BOAS PRATICAS DE FABRICAÇÃO E POP'S
 
Artigo Adubação do Milho safrinha - Revista A granja
Artigo Adubação do Milho safrinha - Revista A granjaArtigo Adubação do Milho safrinha - Revista A granja
Artigo Adubação do Milho safrinha - Revista A granja
 
Rotacao de culturas
Rotacao de culturasRotacao de culturas
Rotacao de culturas
 
Boas Práticas de Fabricação
Boas Práticas de FabricaçãoBoas Práticas de Fabricação
Boas Práticas de Fabricação
 
Qualidade de produtos armazenados
Qualidade de produtos armazenadosQualidade de produtos armazenados
Qualidade de produtos armazenados
 
Rotação de culturas
Rotação de culturasRotação de culturas
Rotação de culturas
 
Aula melhoramento (2)
Aula melhoramento (2)Aula melhoramento (2)
Aula melhoramento (2)
 
Boas Práticas de Fabricação - Um breve resumo
Boas Práticas de Fabricação - Um breve resumoBoas Práticas de Fabricação - Um breve resumo
Boas Práticas de Fabricação - Um breve resumo
 

Semelhante a Amendoim

97a64e07.pptx
97a64e07.pptx97a64e07.pptx
97a64e07.pptx
JosGuilhermeNogueira1
 
Green Simple Healthy Lifestyle Presentation_20231002_175546_0000.pdf
Green Simple Healthy Lifestyle Presentation_20231002_175546_0000.pdfGreen Simple Healthy Lifestyle Presentation_20231002_175546_0000.pdf
Green Simple Healthy Lifestyle Presentation_20231002_175546_0000.pdf
CarlosEvaristo5
 
A cultura do mamão (carica papaya L.)
A cultura do mamão (carica papaya L.)A cultura do mamão (carica papaya L.)
A cultura do mamão (carica papaya L.)
Killer Max
 
Mandioca no RS.
Mandioca no RS.Mandioca no RS.
Mandioca no RS.
Denifer Teixeira
 
Cultivo da mandioca.
Cultivo da mandioca.Cultivo da mandioca.
Cultivo da mandioca.
Denifer Teixeira
 
Slide Cultura do Algodao.pptx
Slide Cultura do Algodao.pptxSlide Cultura do Algodao.pptx
Slide Cultura do Algodao.pptx
MilenaAlmeida74
 
Pimentão apresentação
Pimentão   apresentaçãoPimentão   apresentação
Pimentão apresentação
James Nascimento
 
Cultura da melancia
Cultura da melanciaCultura da melancia
Cultura da melancia
IFRO
 
Manejo Sustentável e Nutrição Mineral do Nim Indiano
Manejo Sustentável e  Nutrição Mineral do Nim  IndianoManejo Sustentável e  Nutrição Mineral do Nim  Indiano
Manejo Sustentável e Nutrição Mineral do Nim Indiano
Marcio V. O. Motta
 
Apostila de hortaliças orgânicas
Apostila de hortaliças orgânicasApostila de hortaliças orgânicas
Apostila de hortaliças orgânicas
VALDECIR QUEIROZ
 
Cultura do arroz
Cultura do arrozCultura do arroz
Cultura do arroz
Killer Max
 
Uso sustentável do Umbuzeiro
Uso sustentável do UmbuzeiroUso sustentável do Umbuzeiro
Pera.
Pera.Pera.
Cultura do feijoeiro II.pptx
Cultura do feijoeiro II.pptxCultura do feijoeiro II.pptx
Cultura do feijoeiro II.pptx
ValderlandiaOliveira1
 
Livro banana cap_5_id-oidu1fw5tr
Livro banana cap_5_id-oidu1fw5trLivro banana cap_5_id-oidu1fw5tr
Livro banana cap_5_id-oidu1fw5tr
Alex Slobodian
 
GR junho2018
GR junho2018GR junho2018
GR junho2018
Agricultura Sao Paulo
 
Cana de-açucar
Cana de-açucarCana de-açucar
Cana de-açucar
Philipe Assunção
 
Viveiricultura
Viveiricultura Viveiricultura
Viveiricultura
Amanda Letícia
 
Limão tahiti
Limão tahitiLimão tahiti
Limão tahiti
Geraldomresende
 
Adubação verde: Girassol
Adubação verde: Girassol Adubação verde: Girassol
Adubação verde: Girassol
Az. O.
 

Semelhante a Amendoim (20)

97a64e07.pptx
97a64e07.pptx97a64e07.pptx
97a64e07.pptx
 
Green Simple Healthy Lifestyle Presentation_20231002_175546_0000.pdf
Green Simple Healthy Lifestyle Presentation_20231002_175546_0000.pdfGreen Simple Healthy Lifestyle Presentation_20231002_175546_0000.pdf
Green Simple Healthy Lifestyle Presentation_20231002_175546_0000.pdf
 
A cultura do mamão (carica papaya L.)
A cultura do mamão (carica papaya L.)A cultura do mamão (carica papaya L.)
A cultura do mamão (carica papaya L.)
 
Mandioca no RS.
Mandioca no RS.Mandioca no RS.
Mandioca no RS.
 
Cultivo da mandioca.
Cultivo da mandioca.Cultivo da mandioca.
Cultivo da mandioca.
 
Slide Cultura do Algodao.pptx
Slide Cultura do Algodao.pptxSlide Cultura do Algodao.pptx
Slide Cultura do Algodao.pptx
 
Pimentão apresentação
Pimentão   apresentaçãoPimentão   apresentação
Pimentão apresentação
 
Cultura da melancia
Cultura da melanciaCultura da melancia
Cultura da melancia
 
Manejo Sustentável e Nutrição Mineral do Nim Indiano
Manejo Sustentável e  Nutrição Mineral do Nim  IndianoManejo Sustentável e  Nutrição Mineral do Nim  Indiano
Manejo Sustentável e Nutrição Mineral do Nim Indiano
 
Apostila de hortaliças orgânicas
Apostila de hortaliças orgânicasApostila de hortaliças orgânicas
Apostila de hortaliças orgânicas
 
Cultura do arroz
Cultura do arrozCultura do arroz
Cultura do arroz
 
Uso sustentável do Umbuzeiro
Uso sustentável do UmbuzeiroUso sustentável do Umbuzeiro
Uso sustentável do Umbuzeiro
 
Pera.
Pera.Pera.
Pera.
 
Cultura do feijoeiro II.pptx
Cultura do feijoeiro II.pptxCultura do feijoeiro II.pptx
Cultura do feijoeiro II.pptx
 
Livro banana cap_5_id-oidu1fw5tr
Livro banana cap_5_id-oidu1fw5trLivro banana cap_5_id-oidu1fw5tr
Livro banana cap_5_id-oidu1fw5tr
 
GR junho2018
GR junho2018GR junho2018
GR junho2018
 
Cana de-açucar
Cana de-açucarCana de-açucar
Cana de-açucar
 
Viveiricultura
Viveiricultura Viveiricultura
Viveiricultura
 
Limão tahiti
Limão tahitiLimão tahiti
Limão tahiti
 
Adubação verde: Girassol
Adubação verde: Girassol Adubação verde: Girassol
Adubação verde: Girassol
 

Amendoim

  • 1.
  • 2.  (Arachis hypogaea L.) é uma planta da família Fabaceae como o feijão e a ervilha. E seu fruto é do tipo fruto ou vagem. A planta do amendoim é uma erva, com um caule pequeno e folhas trifolioladas, com abundante indumento, raiz aprumada (A Raiz Que apresenta UMA Raiz diretor de Onde partem raízes secundárias), medindo entre 30–50 cm de altura.
  • 3. Suas vagens, no entanto, se desenvolvem dentro do solo. O pedúnculo floral, após a polinização, curva-se para baixo, continuando a crescer até enterrar o ovário da flor. No solo, as vagens se desenvolvem e amadurecem.
  • 4.
  • 5. O amendoim é uma oleaginosa originada da América, sendo utilizada como planta domesticada pelas civilizações indígenas sul-americanas há 3800 anos; Os exploradores Espanhóis e Portugueses que descobriram o amendoim no Novo Mundo, levaram-no para a África. Plantado em diversos países Africanos, floresceu e passou a fazer parte das culturas alimentares locais; No século 19, o amendoim aumentou muito a sua popularidade nos E.U.A graças a George Washington, que sugere que os agricultores passem a plantar amendoim nos seus campos de algodão destruídos após a Guerra Civil;
  • 6. A produção de amendoim no Brasil teve grande importância até o início dos anos 70, ocupando papel de destaque no suprimento interno de óleo vegetal e na exportação de subprodutos. Além da política agrícola brasileira diminuir os recursos investidos na cultura do amendoim, outros aspectos favoreceram seu declínio, como crescentes custos de produção, baixo rendimento por área, susceptibilidade às variações climáticas e intensas variações nos preços durantes a comercialização. Pequenos e médios produtores continuaram a produzir amendoim devido ao baixo nível tecnológico exigido.
  • 7. O cultivo e a produção de amendoim são atividades agrícolas importantes em diversas regiões do estado de São Paulo, que concentra 80% da produção brasileira. O produto destina-se principalmente à indústria de confeitaria, venda e consumo in-natura, exportação e fabricação de óleo. Segundo a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), o Brasil possui 90 mil hectares de plantação de amendoim distribuídos entre as lavouras conduzidas neste novo padrão tecnológico (São Paulo, Minas Gerais, Mato Grosso, Goiás e Bahia) e os pequenos cultivos familiars em diversos estados, de norte a sul. As cultivares utilizadas são a do tipo rasteiro (runner) e ereto do tipo Tatu ST.
  • 8.  Runner - Os grãos desse amendoim são de pele rosada e de tamanho maior que os tradicionais, mais conhecidos no Brasil. É de hábito de crescimento rasteiro tem um ciclo de 125 a 130 dias, do plantio à colheita. Em condições favoráveis, sua produtividade máxima é de 6.500kg/hectare de amendoim em casca.  Tatu ST - Cultivar de vagens alongadas com mais de duas sementes ou grãos, caracteriza-se pelo porte ereto, de pele vermelha e sabor ligeiramente adocicado.  Pesquisas agronômicas mostraram que a rotação da cultura da cana-de-açúcar com o amendoim é uma prática benéfica e que reduz os custos de produção agrícola. Fazendo assim a renovação do solo e controle de pragas.  Ultimamente, mudanças tecnológicas no cultivo e no beneficiamento do produto estão trazendo um aumento no volume produzido de grãos e nas características do mercado. O sistema mecanizado de produção é um exemplo;
  • 9.  A maior produção ocorreu em 1972, com 970 mil toneladas, sendo que o principal produto era o óleo, muito utilizado na culinária.  Da produção de 142 mil t em 1995 chegamos aos atuais 300 mil t em 2005, enquanto que a produtividade passou de 1.740 kg/ha em 1994-96 para 2.330 kg/ha em 2005.  O uso de cultivares de porte rasteiro e mecanização das operações de plantio e colheita são tecnologias que também refletiram em maior produtividade.  Em termos produtivos, a produção do amendoim brasileiro é oriunda, em maior escala, da região Sudeste, seguida pela Centro- Oeste e Nordeste.  O estado de São Paulo é o maior produtor, responsável por cerca de 80% da produção nacional conforme falado anteriormente.  Considerada pelos produtores como uma cultura que proporciona boa remuneração, o amendoim é cultivado praticamente sem a utilização de insumos, em cultivos convencionais ou consorciado com milho.
  • 10.
  • 11. O objetivo do zoneamento agroclimático é orientar os agricultores sobre os riscos de adversidades climáticas coincidentes com as fases mais sensíveis da cultura. Através da correlação entre as séries climáticas históricas, com o ciclo das cultivares e o tipo de solo faz-se a recomendação da época de plantio para cada município. O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) possui portarias referentes ao zoneamento climático da cultura do amendoim para diversos estados brasileiros.
  • 12.  O amendoim é cultivado em mais de 80 países nos dois hemisférios, principalmente em regiões tropicais. Apesar desta ampla adaptabilidade, a produtividade é fortemente influenciada por fatores ambientais, especialmente temperatura, disponibilidade de água e radiação, como qualquer outra cultura.  A temperatura é o fator ambiental com maior efeito no desenvolvimento crescimento do amendoim. A cultura de amendoim desenvolve-se melhor, com produtividade mais elevada, em climas quentes.  O amendoim pode ser cultivado em regiões que apresentam temperaturas médias entre 20°C e 30°C durante todo o ciclo de cultivo da planta. A planta não suporta baixas temperaturas. Como a chuva prejudica a polinização, o ideal é que o clima permaneça seco durante o período de floração.  O amendoim necessita de alta luminosidade, com luz solar direta pelo menos algumas horas por dia.
  • 13.  SOLO  Cultivar de preferência em solo bem drenado, leve, solto, fértil e rico em matéria orgânica. O pH do solo ideal para o cultivo de amendoim situa-se entre 5,5 e 6,5. A planta pode formar em suas raízes uma associação simbiótica com bactérias conhecidas como rizóbios, capazes de fixar o nitrogênio do ar no solo como amônia ou nitrato, provendo pelo menos parte do nitrogênio necessário para as plantas.  PLANTIO  As sementes geralmente são plantadas direto no local definitivo. As sementes também podem ser plantadas em pequenos vasos ou copinhos de papel jornal com 10 cm de altura. As mudas são transplantadas quando têm de 10 a 15 cm de altura.  A semeadura pode ser feita manualmente, por tração animal ou mecânica, mantendo a profundidade no máximo em 5 cm  O arranjo espacial da cultura no campo deverá considerar a cultivar, uma vez que cada variedade tem um comportamento de crescimento diferente O espaçamento recomendado é de 15 a 30 cm entre as plantas e de 60 a 80 cm entre as linhas de plantio.
  • 14. COLHEITA A colheita das vagens pode ser feita de 100 dias a quase seis meses após a semeadura, variando conforme o cultivar plantado e as condições de cultivo. A colheita do amendoim é realizada quando as folhas das plantas estão amareladas. Retire algumas vagens da terra e verifique se a parte interna da vagem apresenta veios mais escuros, o que indica que estão maduras e prontas para a colheita. Em pequenas propriedades, normalmente utiliza-se a mão- de-obra familiar nas operações de colheita e pós-colheita. Após o arranquio manual, as plantas são enleiradas para secagem de modo a reduzir a umidade das sementes.
  • 15. COLHEITA Se a colheita for atrasada, ao arrancar a planta, as vagens podem se destacar da planta e ficar no solo. Após a secagem, as vagens se soltam da planta facilmente e podem ser recolhidas e armazenadas em local fresco e seco por vários meses, ou os amendoins podem ser retirados e utilizados. No sistema semi-mecanizado, é realizado o corte das raízes previamente ao arranquio com posterior enleiramento manual, utilizando implemento tracionado por trator, que possui duas lâminas cortantes em forma de V aberto que cortam quatro linhas por vez. A passagem da lâmina proporciona no arranquio uma redução nas perdas em torno de 6%.
  • 16. As principais doenças foliares do amendoim são a mancha castanha e a pinta preta. Apesar da semelhança, as manchas causadas pelo fungo Cercospora arachidicola, agente causal da mancha castanha, são geralmente circundadas por um halo de coloração Amarelada. A pinta preta é causada pelo fungo Cercosporidium personatum, com lesões mais escuras
  • 17.  Geralmente, a mancha castanha ocorre no início do florescimento, enquanto que a pinta preta é mais freqüente a partir do final do período de florescimento. As perdas causadas por estas doenças são estimadas em torno de 50% quando não controladas eficientemente, havendo relatos de perdas de 70% no nordeste do Brasil. As perdas são decorrentes da desfolha precoce provocada, principalmente em cultivares suscetíveis plantadas em regiões onde as condições ambientais são favoráveis ao desenvolvimento de epidemias.
  • 18.  A micotoxina mais importante é a aflatoxina. Metabólitos tóxicos produzidos por algumas espécies de fungos. No caso específico do amendoim produzida por Aspergillus flavus. Muitos fatores, desde a produção até o armazenamento, contribuem para a contaminação por aflatoxina no amendoim. O primeiro ponto de controle encontra-se na produção, monitorando a umidade do solo, pragas e doenças que causem estresse às plantas, favorecendo a infecção porAspergillus. Aspergillus flavus em grãos de amendoim colocados em meio salino.
  • 19.  Vários são os insetos e ácaros que ocorrem durante o ciclo fenológico da cultura, atacando tanto a parte subterrânea quanto a parte aérea da planta. Entretanto, nem sempre a ocorrência destes organismos na cultura representa um risco à sua produtividade, dependendo principalmente do nível populacional da praga e dos danos provocados. Lagarta elasmo (Elasmopalpus lignosellus) é considerada uma das mais severas pragas para o amendoinzeiro. A lagarta apresenta listras transversais e coloração verde-azulada e produz uma teia característica. Os adultos apresentam coloração pardo-avermelhada, pardo-escuro a cinza. Este inseto ataca principalmente as vagens. Além do dano direto, seu ataque facilita a penetração de patógenos.
  • 20. Quanto aos aspectos nutricionais, o amendoim é rico em óleo. O óleo pode ser extraído por prensagem mecânica, resultando em uma torta gorda, ou por solvente. O óleo bruto é amarelo claro, com odor e sabor agradáveis. A torta ou farelo, resultantes da extração do óleo, possui elevado valor comercial, sendo destinado à alimentação animal dado seu alto teor protéico. O problema da aflatoxina é um empecilho na utilização como ração fazendo com que seja utilizado como adubo orgânico em culturas perenes.
  • 21. Da soja, pode-se extrair 20% de óleo para fabricação de biodiesel. Do amendoim, algumas variedades produzem até 50% de óleo para a mesma finalidade. A diferença é que, hoje, a soja é o principal vegetal utilizado no País para fabricação de biodiesel. Quando o mercado deixar de focar o volume de produção e se voltar para a qualidade, o óleo de amendoim poderá ser uma das principais fontes de biodiesel. Seu óleo é de alta qualidade para a produção de biocombustível.