SlideShare uma empresa Scribd logo
GESTÃO DE ÁREAS
PROTEGIDAS
Engenharia	
  Ambiental	
  –	
  2014	
  
	
  
Aula	
  11	
  
Prof.	
  Biól.	
  Leandro	
  A.	
  Machado	
  de	
  Moura	
  
lammoura@uol.com.br	
  
SNUC	
  –	
  Sistema	
  Nacional	
  de	
  Unidades	
  de	
  Conservação	
  
MOSAICOS	
  DE	
  UC	
  
	
  
Art.	
  26	
  da	
  Lei	
  No.	
  9.985/2000.	
  	
  
	
  
Quando	
   exis:r	
   um	
   conjunto	
   de	
   unidades	
   de	
   conservação	
   de	
   categorias	
  
diferentes	
  ou	
  não,	
  próximas,	
  justapostas	
  ou	
  sobrepostas,	
  e	
  outras	
  áreas	
  
protegidas	
   públicas	
   ou	
   privadas,	
   cons:tuindo	
   um	
   mosaico,	
   a	
   gestão	
   do	
  
conjunto	
   deverá	
   ser	
   feita	
   de	
   forma	
   integrada	
   e	
   par:cipa:va,	
  
considerando-­‐se	
   os	
   seus	
   dis:ntos	
   obje:vos	
   de	
   conservação,	
   de	
   forma	
   a	
  
compa:bilizar	
   a	
   presença	
   da	
   biodiversidade,	
   a	
   valorização	
   da	
  
sociodiversidade	
  e	
  o	
  desenvolvimento	
  sustentável	
  no	
  contexto	
  regional.	
  	
  
SNUC	
  –	
  Sistema	
  Nacional	
  de	
  Unidades	
  de	
  Conservação	
  
MOSAICOS	
  DE	
  UC	
  
	
  
Auxiliam	
  no	
  ordenamento	
  e	
  na	
  gestão	
  do	
  território,	
  pois	
  compa:bilizam	
  
as	
  questões	
  em	
  comum	
  das	
  UC	
  da	
  região.	
  Trazendo	
  vantagens,	
  como:	
  
	
  
-­‐  A	
   gestão	
   integrada	
   e	
   par:cipa:va	
   das	
   unidades	
   de	
   conservação	
   e	
  
outras	
  áreas	
  protegidas;	
  
	
  
-­‐  A	
   integração	
   de	
   unidades	
   de	
   conservação	
   a	
   paisagens	
   terrestres	
   e	
  
marinhas	
  mais	
  amplas;	
  
-­‐  A	
   integração	
   de	
   ações	
   de	
   fiscalização,	
   combate	
   a	
   incêndios	
   e	
   outros	
  
desastres	
  ambientais;	
  e	
  
-­‐	
   A	
   o:mização	
   de	
   recursos	
   financeiros	
   e	
   humanos	
   das	
   unidades	
   de	
  
conservação.	
  
SNUC	
  –	
  Sistema	
  Nacional	
  de	
  Unidades	
  de	
  Conservação	
  
MOSAICOS	
  DE	
  UC	
  
	
  
Para	
  o	
  processo	
  de	
  reconhecimento	
  de	
  um	
  mosaico:	
  
	
  
•  É	
   indispensável	
   que	
   os	
   órgãos	
   gestores	
   das	
   unidades	
   de	
   conservação	
  
interessadas	
   em	
   compor	
   o	
   mosaico	
   manifestem	
   interesse	
   ao	
   MMA,	
   o	
  
qual	
  é	
  responsável	
  por	
  conduzir	
  todo	
  o	
  processo.	
  	
  
•  Outras	
   áreas	
   protegidas	
   podem	
   compor	
   um	
   mosaico,	
   mas	
   para	
   isso	
  
devem	
   ter	
   limites	
   definidos	
   e	
   apresentar	
   claramente	
   a	
   intenção	
   de	
  
conservação.	
  	
  
SNUC 2 - Pontos relevantes
SNUC 2 - Pontos relevantes
SNUC 2 - Pontos relevantes
SNUC	
  –	
  Sistema	
  Nacional	
  de	
  Unidades	
  de	
  Conservação	
  
CORREDORES	
  ECOLÓGICOS	
  	
  
	
  
Art.	
  27	
  da	
  Lei	
  No.	
  9.985/2000:	
  As	
  unidades	
  de	
  conservação	
  devem	
  dispor	
  
de	
  um	
  Plano	
  de	
  Manejo.	
  
	
  	
  
§	
  1º:	
  O	
  Plano	
  de	
  Manejo	
  deve	
  abranger	
  a	
  área	
  da	
  unidade	
  de	
  conservação,	
  
sua	
   zona	
   de	
   amortecimento	
   e	
   os	
   corredores	
   ecológicos,	
   incluindo	
  
medidas	
  com	
  o	
  fim	
  de	
  promover	
  sua	
  integração	
  à	
  vida	
  econômica	
  e	
  social	
  
das	
  comunidades	
  vizinhas.	
  (grifo	
  nosso)	
  	
  
SNUC	
  –	
  Sistema	
  Nacional	
  de	
  Unidades	
  de	
  Conservação	
  
CORREDORES	
  ECOLÓGICOS	
  	
  
SNUC	
  –	
  Sistema	
  Nacional	
  de	
  Unidades	
  de	
  Conservação	
  
CORREDORES	
  ECOLÓGICOS	
  	
  
SNUC	
  –	
  Sistema	
  Nacional	
  de	
  Unidades	
  de	
  Conservação	
  
COMPENSAÇÃO	
  AMBIENTAL	
  	
  
	
  
Art.	
  36	
  da	
  Lei	
  do	
  SNUC.	
  	
  
	
  
Nos	
   casos	
   de	
   licenciamento	
   ambiental	
   de	
   empreendimentos	
   de	
  
significa:vo	
  impacto	
  ambiental,	
  assim	
  considerado	
  pelo	
  órgão	
  ambiental	
  
competente,	
   com	
   fundamento	
   em	
   estudo	
   de	
   impacto	
   ambiental	
   e	
  
respec:vo	
   relatório	
   -­‐	
   EIA/RIMA,	
   o	
   empreendedor	
   é	
   obrigado	
   a	
   apoiar	
   a	
  
implantação	
   e	
   manutenção	
   de	
   unidade	
   de	
   conservação	
   do	
   Grupo	
   de	
  
Proteção	
   Integral,	
   de	
   acordo	
   com	
   o	
   disposto	
   neste	
   ar:go	
   e	
   no	
  
regulamento	
  desta	
  Lei.	
  	
  
	
  
§	
  1º:	
  O	
  montante	
  de	
  recursos	
  a	
  ser	
  des:nado	
  pelo	
  empreendedor	
  para	
  
esta	
  finalidade	
  não	
  pode	
  ser	
  inferior	
  a	
  meio	
  por	
  cento	
  dos	
  custos	
  totais	
  
previstos	
   para	
   a	
   implantação	
   do	
   empreendimento,	
   sendo	
   o	
   percentual	
  
fixado	
  pelo	
  órgão	
  ambiental	
  licenciador,	
  de	
  acordo	
  com	
  o	
  grau	
  de	
  impacto	
  
ambiental	
  causado	
  pelo	
  empreendimento.	
  	
  
	
  
SNUC	
  –	
  Sistema	
  Nacional	
  de	
  Unidades	
  de	
  Conservação	
  
COMPENSAÇÃO	
  AMBIENTAL	
  	
  
	
  
Art.	
  36	
  da	
  Lei	
  do	
  SNUC.	
  	
  
	
  
§	
   2º:	
   Ao	
   órgão	
   ambiental	
   licenciador	
   compete	
   definir	
   as	
   unidades	
   de	
  
conservação	
   a	
   serem	
   beneficiadas,	
   considerando	
   as	
   propostas	
  
apresentadas	
  no	
  EIA/RIMA	
  e	
  ouvido	
  o	
  empreendedor,	
  podendo	
  inclusive	
  
ser	
  contemplada	
  a	
  criação	
  de	
  novas	
  unidades	
  de	
  conservação.	
  	
  
	
  
§	
   3º:	
   Quando	
   o	
   empreendimento	
   afetar	
   unidade	
   de	
   conservação	
  
específica	
  ou	
  sua	
  zona	
  de	
  amortecimento,	
  o	
  licenciamento	
  a	
  que	
  se	
  refere	
  
o	
   caput	
   deste	
   ar:go	
   só́	
   poderá́	
   ser	
   concedido	
   mediante	
   autorização	
   do	
  
órgão	
   responsável	
   por	
   sua	
   administração,	
   e	
   a	
   unidade	
   afetada,	
   mesmo	
  
que	
  não	
  pertencente	
  ao	
  Grupo	
  de	
  Proteção	
  Integral,	
  deverá	
  ser	
  uma	
  das	
  
beneficiárias	
  da	
  compensação	
  definida	
  neste	
  ar:go.	
  	
  
SNUC	
  –	
  Sistema	
  Nacional	
  de	
  Unidades	
  de	
  Conservação	
  
ZONA	
  DE	
  AMORTECIMENTO	
  	
  	
  
	
  
“Trata-­‐se	
  do	
  entorno	
  de	
  uma	
  unidade	
  de	
  conservação,	
  onde	
  as	
  a:vidades	
  
humanas	
   estão	
   sujeitas	
   a	
   normas	
   e	
   restrições	
   específicas,	
   com	
   o	
  
propósito	
  de	
  minimizar	
  os	
  impactos	
  nega:vos	
  sobre	
  a	
  unidade.”	
  (SNUC,	
  
Art.	
  2o.,	
  XVIII).	
  	
  
	
  
Em	
  outras	
  palavras:	
  Elas	
  têm	
  a	
  função	
  de	
  proteger	
  a	
  periferia	
  (entorno)	
  
das	
  unidades	
  de	
  conservação,	
  criando	
  uma	
  área	
  prote:va	
  que	
  permite,	
  
sob	
  condicionantes,	
  a:vidades	
  antrópicas.	
  Essa	
  porção	
  adjacente	
  visa	
  a	
  
proteger	
   o	
   espaço	
   das	
   a:vidades	
   humanas,	
   prevenindo-­‐se,	
   dessa	
  
maneira,	
   o	
   efeito	
   de	
   borda	
   –	
   que	
   são:	
   modificações	
   ksicas,	
   químicas	
   e	
  
biológicas	
  observadas	
  no	
  espaço	
  de	
  contato	
  do	
  fragmento	
  de	
  vegetação	
  
da	
  unidade	
  com	
  sua	
  área	
  adjacente.	
  	
  
	
  
Assim	
   é	
   que	
   a	
   simples	
   criação	
   de	
   uma	
   UC	
   onde	
   as	
   restrições	
   das	
  
a:vidades	
  humanas	
  fossem	
  fixadas	
  apenas	
  dentro	
  dos	
  seus	
  limites	
  legais	
  
não	
  seria	
  suficiente	
  para	
  alcançar	
  os	
  obje:vos	
  da	
  preservação.	
  
SNUC	
  –	
  Sistema	
  Nacional	
  de	
  Unidades	
  de	
  Conservação	
  
ZONA	
  DE	
  AMORTECIMENTO	
  	
  
	
  
•  Art.	
  25	
  da	
  Lei	
  No.	
  9.985/2000.	
  As	
  unidades	
  de	
  conservação,	
  exceto	
  APA	
  e	
  
RPPN,	
  devem	
  possuir	
  uma	
  zona	
  de	
  amortecimento	
  e,	
  quando	
  conveniente,	
  
corredores	
  ecológicos.	
  
•  §	
   1º:	
   O	
   órgão	
   responsável	
   pela	
   administração	
   da	
   unidade	
   estabelecerá	
  
normas	
   específicas	
   regulamentando	
   a	
   ocupação	
   e	
   o	
   uso	
   dos	
   recursos	
   da	
  
zona	
   de	
   amortecimento	
   e	
   dos	
   corredores	
   ecológicos	
   de	
   uma	
   unidade	
   de	
  
conservação.	
  
•  §	
  2º:	
  Os	
  limites	
  da	
  zona	
  de	
  amortecimento	
  e	
  dos	
  corredores	
  ecológicos	
  e	
  as	
  
respec:vas	
  normas	
  de	
  que	
  trata	
  o	
  parágrafo	
  anterior	
  poderão	
  ser	
  definidas	
  
no	
  ato	
  de	
  criação	
  da	
  unidade	
  ou	
  posteriormente.	
  
SNUC	
  –	
  Sistema	
  Nacional	
  de	
  Unidades	
  de	
  Conservação	
  
ZONA	
  DE	
  AMORTECIMENTO	
  	
  	
  
	
  
Nessa	
  linha,	
  importa	
  salientar	
  que	
  a	
  ZA	
  não	
  integra	
  a	
  área	
  da	
  UC.	
  
	
  	
  
O	
  fato	
  de	
  não	
  ser	
  parte	
  da	
  UC,	
  a	
  zona	
  tampão	
  fica	
  sujeita	
  a	
  uma	
  espécie	
  
de	
   zoneamento	
   obrigatório	
   por	
   força	
   da	
   Lei	
   do	
   SNUC,	
   pela	
   qual	
   certas	
  
a:vidades	
  econômicas	
  são	
  permi:das	
  e	
  regradas.	
  
	
  
Regra	
  geral	
  as	
  áreas	
  englobadas	
  por	
  uma	
  ZA	
  não	
  tem	
  sua	
  dominialidade	
  
afetada,	
   pois	
   há	
   a	
   con:nuidade	
   dos	
   usos	
   econômicos,	
   sofrendo	
   ele	
  
apenas	
  uma	
  regulamentação.	
  Obviamente,	
  as	
  restrições	
  não	
  podem	
  ser	
  
exacerbadas,	
  sob	
  pena	
  de	
  se	
  transformar	
  a	
  limitação	
  administra:va	
  em	
  
um	
  verdadeiro	
  apossamento	
  pelo	
  Poder	
  Público.	
  
	
  
	
  
SNUC	
  –	
  Sistema	
  Nacional	
  de	
  Unidades	
  de	
  Conservação	
  
ÁREAS	
  CIRCUNDANTES	
  	
  
	
  
Decreto	
  no.	
  99.274/90	
  	
  
	
  
Ar:go	
  27:	
  Nas	
  áreas	
  circundantes	
  das	
  Unidades	
  de	
  Conservação,	
  num	
  raio	
  
de	
  10	
  Km	
  (dez	
  quilômetros),	
  qualquer	
  a:vidade	
  que	
  possa	
  afetar	
  a	
  biota	
  
ficará	
  subordinada	
  as	
  normas	
  editadas	
  pelo	
  CONAMA.	
  (grifo	
  nosso)	
  	
  
	
  
Resolução	
  CONAMA	
  13/90	
  	
  
	
  
Art.	
  2º:	
  Nas	
  áreas	
  circundantes	
  das	
  Unidades	
  de	
  Conservação,	
  num	
  raio	
  
de	
  dez	
  quilômetros,	
  qualquer	
  a:vidade	
  que	
  possa	
  afetar	
  a	
  biota,	
  deverá	
  
ser	
  obrigatoriamente	
  licenciada	
  pelo	
  órgão	
  ambiental	
  competente.	
  	
  
	
  
Parágrafo	
  Único	
  -­‐	
  O	
  licenciamento	
  a	
  que	
  se	
  refere	
  o	
  caput	
  deste	
  ar:go	
  só́	
  
será́	
  concedido	
  mediante	
  autorização	
  do	
  responsável	
  pela	
  administração	
  
da	
  Unidade	
  de	
  Conservação.	
  	
  	
  
	
  
	
  
SNUC	
  –	
  Sistema	
  Nacional	
  de	
  Unidades	
  de	
  Conservação	
  
CONCLUSÃO	
  
	
  
•  As	
   Zonas	
   de	
   Amortecimentos	
   previstas	
   na	
   Lei	
   do	
   SNUC	
   (9.985/2000)	
  
não	
   subs_tuem	
   as	
   Áreas	
   Circundantes,	
   prevista	
   no	
   ar:go	
   27	
   do	
  
Decreto	
  99.274/90	
  e	
  regulamentadas	
  pela	
  Resolução	
  CONAMA	
  13/90.	
  	
  
•  Assim,	
   tem-­‐se	
   que	
   todas	
   as	
   categorias	
   de	
   unidade	
   de	
   conservação,	
  
desde	
  que	
  criadas,	
  possuem	
  área	
  circundante,	
  por	
  força	
  da	
  Resolução	
  
n.	
   13/1990,	
   ao	
   passo	
   que	
   todas	
   as	
   categorias,	
   exceto	
   APA	
   e	
   RPPN,	
  
devem	
  possuir	
  zona	
  de	
  amortecimento,	
  como	
  determina	
  a	
  Lei	
  do	
  SNUC	
  
(9.985/2000).	
  
•  Em	
  resumo,	
  a	
  área	
  circundante	
  diz	
  respeito	
  apenas	
  ao	
  licenciamento	
  
de	
   a:vidades	
   potencialmente	
   poluidoras;	
   a	
   zona	
   de	
   amortecimento,	
  
mais	
   do	
   que	
   isso,	
   cons:tui	
   um	
   verdadeiro	
   zoneamento	
   ecológico,	
  
através	
   do	
   qual	
   podem	
   ser	
   restringidas	
   diversas	
   a:vidades	
   humanas	
  
em	
   prol	
   da	
   proteção	
   da	
   respec:va	
   UC	
   sem,	
   necessariamente,	
   serem	
  
concernentes	
  a	
  licenciamento.	
  	
  
SNUC	
  –	
  Sistema	
  Nacional	
  de	
  Unidades	
  de	
  Conservação	
  
CONCLUSÃO	
  
	
  
•  Portanto,	
   a	
   área	
   circundante	
   (prevista	
   pela	
   Resolução	
   CONAMA	
   n.
13/1990)	
  e	
  a	
  zona	
  de	
  amortecimento	
  (prevista	
  pela	
  Lei	
  n.	
  9.985/2000)	
  
são	
   ins:tutos	
   jurídicos	
   dis:ntos	
   e	
   que	
   devem	
   ser	
   aplicados	
  
cumula:vamente,	
   especialmente	
   para	
   proteger	
   as	
   unidades	
   de	
  
conservação	
  do	
  efeito	
  de	
  borda.	
  
•  Qualquer	
   a:vidade	
   impactante	
   nas	
   mesmas,	
   fruto	
   de	
   licenciamento	
  
ambiental,	
  	
  deverá	
  ser	
  compensada,	
  e	
  os	
  corredores	
  ecológicos,	
  desde	
  
que	
   comprovados	
   sua	
   importância	
   para	
   a	
   UC	
   em	
   questão	
   também	
  
podem	
  ser	
  considerados.	
  	
  
SNUC	
  –	
  Sistema	
  Nacional	
  de	
  Unidades	
  de	
  Conservação	
  
ÁREAS	
  CIRCUNDANTES	
  	
  
	
  
CONAMA	
  428/2010	
  –	
  revoga	
  a	
  CONAMA	
  13/90	
  
	
  
Considerando	
   a	
   necessidade	
   de	
   regulamentar	
   os	
   procedimentos	
   de	
  
licenciamento	
   ambiental	
   de	
   empreendimentos	
   de	
   significa:vo	
   impacto	
  
ambiental	
   que	
   afetem	
   as	
   Unidades	
   de	
   Conservação	
   específicas	
   ou	
   suas	
  
zonas	
  de	
  amortecimento,	
  resolve:	
  	
  
	
  
Art.	
   1o	
   O	
   licenciamento	
   de	
   empreendimentos	
   de	
   significa:vo	
   impacto	
  
ambiental	
  que	
  possam	
  afetar	
  Unidade	
  de	
  Conservação	
  (UC)	
  específica	
  ou	
  
sua	
   Zona	
   de	
   Amortecimento	
   (ZA),	
   assim	
   considerados	
   pelo	
   órgão	
  
ambiental	
  licenciador,	
  com	
  fundamento	
  em	
  Estudo	
  de	
  Impacto	
  Ambiental	
  
e	
  respec:vo	
  Relatório	
  de	
  Impacto	
  Ambiental	
  (EIA/RIMA),	
  só	
  poderá	
  ser	
  
concedido	
  após	
  autorização	
  do	
  órgão	
  responsável	
  pela	
  administração	
  da	
  
UC	
  ou,	
  no	
  caso	
  das	
  Reservas	
  Par:culares	
  de	
  Patrimônio	
  Natural	
  (RPPN),	
  
pelo	
  órgão	
  responsável	
  pela	
  sua	
  criação.	
  	
  
	
  
	
  
SNUC	
  –	
  Sistema	
  Nacional	
  de	
  Unidades	
  de	
  Conservação	
  
ÁREAS	
  CIRCUNDANTES	
  	
  
	
  
CONAMA	
  428/2010	
  –	
  revoga	
  a	
  CONAMA	
  13/90	
  
	
  
Art.1º:	
  
	
  
§1º:	
  Para	
  efeitos	
  desta	
  Resolução,	
  entende-­‐se	
  por	
  órgão	
  responsável	
  pela	
  
administração	
   da	
   UC,	
   os	
   órgãos	
   executores	
   do	
   Sistema	
   Nacional	
   de	
  
Unidade	
  de	
  Conservação	
  (SNUC),	
  conforme	
  definido	
  no	
  inciso	
  III,	
  art.	
  6o	
  
da	
  Lei	
  no	
  9.985	
  de	
  18	
  de	
  julho	
  de	
  2000.	
  	
  
	
  
§2º:	
  Durante	
  o	
  prazo	
  de	
  5	
  anos,	
  contados	
  a	
  par:r	
  da	
  publicação	
  desta	
  
Resolução,	
  o	
  licenciamento	
  de	
  empreendimento	
  de	
  significa:vo	
  impacto	
  
ambiental,	
  localizados	
  numa	
  faixa	
  de	
  3	
  mil	
  metros	
  a	
  par:r	
  do	
  limite	
  da	
  
UC,	
   cuja	
   ZA	
   não	
   esteja	
   estabelecida,	
   sujeitar-­‐se-­‐á	
   ao	
   procedimento	
  
previsto	
  no	
  caput,	
  com	
  exceção	
  de	
  RPPNs,	
  Áreas	
  de	
  Proteção	
  Ambiental	
  
(APAs)	
  e	
  Áreas	
  Urbanas	
  Consolidadas	
  (grifo	
  nosso).	
  	
  
	
  
	
  
SNUC	
  –	
  Sistema	
  Nacional	
  de	
  Unidades	
  de	
  Conservação	
  
ÁREAS	
  CIRCUNDANTES	
  	
  
	
  
CONAMA	
  428/2010	
  –	
  revoga	
  a	
  CONAMA	
  13/90	
  
	
  
Art.	
  5o	
  Nos	
  processos	
  de	
  licenciamento	
  ambiental	
  de	
  empreendimentos	
  
não	
  sujeitos	
  a	
  EIA/RIMA	
  o	
  órgão	
  ambiental	
  licenciador	
  deverá	
  dar	
  ciência	
  
ao	
   órgão	
   responsável	
   pela	
   administração	
   da	
   UC,	
   quando	
   o	
  
empreendimento:	
  	
  
	
  
I	
  –	
  puder	
  causar	
  impacto	
  direto	
  em	
  UC;	
  	
  
	
  
II	
  –	
  es:ver	
  localizado	
  na	
  sua	
  ZA;	
  	
  
	
  
III	
  –	
  es:ver	
  localizado	
  no	
  limite	
  de	
  até	
  2	
  mil	
  metros	
  da	
  UC,	
  cuja	
  ZA	
  não	
  
tenha	
   sido	
   estabelecida	
   no	
   prazo	
   de	
   até	
   5	
   anos	
   a	
   par:r	
   da	
   data	
   da	
  
publicação	
  desta	
  Resolução.	
  	
  
	
  
	
  
SNUC	
  –	
  Sistema	
  Nacional	
  de	
  Unidades	
  de	
  Conservação	
  
NOVA	
  CONCLUSÃO	
  
	
  
Atente-­‐se,	
   assim,	
   que	
   deixa	
   de	
   exis:r	
   uma	
   obrigatoriedade	
   de	
  
licenciamento	
   e	
   predecessora	
   autorização	
   para	
   empreendimentos	
   que	
  
afetem	
  a	
  biota	
  de	
  uma	
  unidade	
  num	
  raio	
  de	
  10	
  km.	
  	
  
	
  
Pelo	
  novo	
  ato	
  norma:vo	
  do	
  CONAMA,	
  quem	
  definirá	
  essa	
  necessidade	
  
será	
   o	
   EIA/RIMA.	
   Somente	
   haverá	
   faixa	
   estabelecida	
   (de	
   3	
   km)	
   e	
  
obrigatoriedade	
   de	
   licenciamento	
   para	
   os	
   empreendimentos	
   de	
  
significa:vo	
  impacto	
  ambiental	
  apenas	
  para	
  unidades	
  em	
  que	
  a	
  zona	
  de	
  
amortecimento	
  não	
  esteja	
  estabelecida.	
  	
  
	
  
Mesmo	
  assim,	
  esse	
  disposi:vo	
  tem	
  prazo	
  de	
  vigência	
  definido:	
  5	
  (cinco)	
  
anos	
  contados	
  da	
  publicação	
  da	
  Resolução	
  CONAMA	
  nº	
  428/2010.	
  
	
  
	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  ?	
  
	
  
SNUC	
  –	
  Sistema	
  Nacional	
  de	
  Unidades	
  de	
  Conservação	
  
SANÇÕES	
  CRIMINAIS	
  E	
  ADMINISTRATIVAS	
  	
  
	
  
Lei	
  nº	
  9.605/98	
  –	
  Lei	
  de	
  Crimes	
  Ambientais	
  
	
  
Art.	
  40:	
  Causar	
  dano	
  direto	
  ou	
  indireto	
  às	
  Unidades	
  de	
  Conservação	
  e	
  às	
  
áreas	
   de	
   que	
   trata	
   o	
   art.	
   27	
   do	
   Decreto	
   no	
   99.274/1990,	
  
independentemente	
   de	
   sua	
   localização:	
   Pena	
   -­‐	
   reclusão,	
   de	
   um	
   a	
   cinco	
  
anos.	
  	
  
	
  
Decreto	
  nº	
  6.514/2008	
  
	
  
Art.	
  91:	
  Causar	
  dano	
  à	
  unidade	
  de	
  conservação:	
  	
  
Multa	
  de	
  R$	
  200,00	
  (duzentos	
  reais)	
  a	
  R$	
  100.000,00	
  (cem	
  mil	
  reais).	
  	
  

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Unidades de conservação na amazônia
Unidades de conservação na amazôniaUnidades de conservação na amazônia
Unidades de conservação na amazônia
Universidade Federal Rural da Amazônia
 
Unidades de conservação
Unidades de conservaçãoUnidades de conservação
Unidades de conservação
Maira Egito Barros
 
Lei 9985 2000 - snuc
Lei 9985   2000 - snucLei 9985   2000 - snuc
Lei 9985 2000 - snuc
João Alfredo Telles Melo
 
Palestra unidades de conservação
Palestra unidades de conservaçãoPalestra unidades de conservação
Palestra unidades de conservação
Cristy Handson
 
Sistema nacional de unidades de conservação
Sistema nacional de unidades de conservaçãoSistema nacional de unidades de conservação
Sistema nacional de unidades de conservação
guest0a95ab
 
Unidades de conservação
Unidades de conservaçãoUnidades de conservação
Unidades de conservação
Fatima de Luzie Cavalcante
 
Corredores ecológicos Serra do Cabral
Corredores ecológicos Serra do CabralCorredores ecológicos Serra do Cabral
Corredores ecológicos Serra do Cabral
CBH Rio das Velhas
 
Unidades de Conservação - Por Renato Marchesini
Unidades de Conservação - Por Renato MarchesiniUnidades de Conservação - Por Renato Marchesini
Unidades de Conservação - Por Renato Marchesini
Renato Marchesini
 
Roteiro para Criação de Unidades de Conservação Municipais
Roteiro para Criação de Unidades de Conservação MunicipaisRoteiro para Criação de Unidades de Conservação Municipais
Roteiro para Criação de Unidades de Conservação Municipais
Paranapiacaba
 
A Serra do Cabral no contexto da reserva da biosfera
A Serra do Cabral no contexto da reserva da biosferaA Serra do Cabral no contexto da reserva da biosfera
A Serra do Cabral no contexto da reserva da biosfera
CBH Rio das Velhas
 
Aula Unidades de Conservação
Aula Unidades de ConservaçãoAula Unidades de Conservação
Aula Unidades de Conservação
Diego Igawa
 
Lei 9985 2000 - snuc
Lei 9985   2000 - snucLei 9985   2000 - snuc
Lei 9985 2000 - snuc
João Alfredo Telles Melo
 
Guia para criar e implementar uma rppn – reserva particular de patrimônio nat...
Guia para criar e implementar uma rppn – reserva particular de patrimônio nat...Guia para criar e implementar uma rppn – reserva particular de patrimônio nat...
Guia para criar e implementar uma rppn – reserva particular de patrimônio nat...
EcoHospedagem
 
Manejo de Áreas Silvestres
Manejo de Áreas SilvestresManejo de Áreas Silvestres
Manejo de Áreas Silvestres
Brenno Silva
 
Parque nacional itatiaia_azambuja
Parque nacional itatiaia_azambujaParque nacional itatiaia_azambuja
Parque nacional itatiaia_azambuja
Antonio Azambuja
 
Preservação da Biodiversidade
Preservação da BiodiversidadePreservação da Biodiversidade
Preservação da Biodiversidade
Gabriela Bruno
 
Snuc
SnucSnuc
Ecoturismo Marinho no Brasil
Ecoturismo Marinho no BrasilEcoturismo Marinho no Brasil
Ecoturismo Marinho no Brasil
AlexandredeGusmaoPedrini
 
Parque Floresta Fóssil do Rio Poty, Teresina/PI - Apresentação iv etapa ofici...
Parque Floresta Fóssil do Rio Poty, Teresina/PI - Apresentação iv etapa ofici...Parque Floresta Fóssil do Rio Poty, Teresina/PI - Apresentação iv etapa ofici...
Parque Floresta Fóssil do Rio Poty, Teresina/PI - Apresentação iv etapa ofici...
Islândia Sousa
 
Dia da amazônia 5 09
Dia da amazônia 5 09Dia da amazônia 5 09
Dia da amazônia 5 09
Atividades Diversas Cláudia
 

Mais procurados (20)

Unidades de conservação na amazônia
Unidades de conservação na amazôniaUnidades de conservação na amazônia
Unidades de conservação na amazônia
 
Unidades de conservação
Unidades de conservaçãoUnidades de conservação
Unidades de conservação
 
Lei 9985 2000 - snuc
Lei 9985   2000 - snucLei 9985   2000 - snuc
Lei 9985 2000 - snuc
 
Palestra unidades de conservação
Palestra unidades de conservaçãoPalestra unidades de conservação
Palestra unidades de conservação
 
Sistema nacional de unidades de conservação
Sistema nacional de unidades de conservaçãoSistema nacional de unidades de conservação
Sistema nacional de unidades de conservação
 
Unidades de conservação
Unidades de conservaçãoUnidades de conservação
Unidades de conservação
 
Corredores ecológicos Serra do Cabral
Corredores ecológicos Serra do CabralCorredores ecológicos Serra do Cabral
Corredores ecológicos Serra do Cabral
 
Unidades de Conservação - Por Renato Marchesini
Unidades de Conservação - Por Renato MarchesiniUnidades de Conservação - Por Renato Marchesini
Unidades de Conservação - Por Renato Marchesini
 
Roteiro para Criação de Unidades de Conservação Municipais
Roteiro para Criação de Unidades de Conservação MunicipaisRoteiro para Criação de Unidades de Conservação Municipais
Roteiro para Criação de Unidades de Conservação Municipais
 
A Serra do Cabral no contexto da reserva da biosfera
A Serra do Cabral no contexto da reserva da biosferaA Serra do Cabral no contexto da reserva da biosfera
A Serra do Cabral no contexto da reserva da biosfera
 
Aula Unidades de Conservação
Aula Unidades de ConservaçãoAula Unidades de Conservação
Aula Unidades de Conservação
 
Lei 9985 2000 - snuc
Lei 9985   2000 - snucLei 9985   2000 - snuc
Lei 9985 2000 - snuc
 
Guia para criar e implementar uma rppn – reserva particular de patrimônio nat...
Guia para criar e implementar uma rppn – reserva particular de patrimônio nat...Guia para criar e implementar uma rppn – reserva particular de patrimônio nat...
Guia para criar e implementar uma rppn – reserva particular de patrimônio nat...
 
Manejo de Áreas Silvestres
Manejo de Áreas SilvestresManejo de Áreas Silvestres
Manejo de Áreas Silvestres
 
Parque nacional itatiaia_azambuja
Parque nacional itatiaia_azambujaParque nacional itatiaia_azambuja
Parque nacional itatiaia_azambuja
 
Preservação da Biodiversidade
Preservação da BiodiversidadePreservação da Biodiversidade
Preservação da Biodiversidade
 
Snuc
SnucSnuc
Snuc
 
Ecoturismo Marinho no Brasil
Ecoturismo Marinho no BrasilEcoturismo Marinho no Brasil
Ecoturismo Marinho no Brasil
 
Parque Floresta Fóssil do Rio Poty, Teresina/PI - Apresentação iv etapa ofici...
Parque Floresta Fóssil do Rio Poty, Teresina/PI - Apresentação iv etapa ofici...Parque Floresta Fóssil do Rio Poty, Teresina/PI - Apresentação iv etapa ofici...
Parque Floresta Fóssil do Rio Poty, Teresina/PI - Apresentação iv etapa ofici...
 
Dia da amazônia 5 09
Dia da amazônia 5 09Dia da amazônia 5 09
Dia da amazônia 5 09
 

Destaque

Serie corredores 1
Serie corredores 1Serie corredores 1
Serie corredores 1
EsperancaConduru
 
Task2 sr
Task2 srTask2 sr
Consema 26 04 (1)
Consema 26 04 (1)Consema 26 04 (1)
Consema 26 04 (1)
Projeto Golfinho Rotador
 
Artigo 36 do cpp
Artigo 36 do cppArtigo 36 do cpp
Artigo 36 do cpp
Urbano Felix Pugliese
 
Aula 4
Aula 4Aula 4
Aula 2
Aula 2Aula 2
Solo, Contaminação, PNGRS
Solo, Contaminação, PNGRSSolo, Contaminação, PNGRS
Solo, Contaminação, PNGRS
Leandro A. Machado de Moura
 
REBIO Mogi Guaçu
REBIO Mogi GuaçuREBIO Mogi Guaçu
REBIO Mogi Guaçu
Leandro A. Machado de Moura
 
Aula 6
Aula 6Aula 6
APP / REBIO de Mogi Guaçu
APP / REBIO de Mogi GuaçuAPP / REBIO de Mogi Guaçu
APP / REBIO de Mogi Guaçu
Leandro A. Machado de Moura
 
Cadeia Trófica
Cadeia TróficaCadeia Trófica
Aula 3
Aula 3Aula 3
Aula 5
Aula 5Aula 5
Solo - Pedogênese
Solo - PedogêneseSolo - Pedogênese
Solo - Pedogênese
Leandro A. Machado de Moura
 
Relações Ecológicas
Relações EcológicasRelações Ecológicas
Relações Ecológicas
Leandro A. Machado de Moura
 
Conservação X Extinção
Conservação X  ExtinçãoConservação X  Extinção
Conservação X Extinção
Leandro A. Machado de Moura
 
Sim 2014 - Palestra Mineraçao do futuro (Vânia Lúcia)
Sim 2014 - Palestra Mineraçao do futuro (Vânia Lúcia)Sim 2014 - Palestra Mineraçao do futuro (Vânia Lúcia)
Sim 2014 - Palestra Mineraçao do futuro (Vânia Lúcia)
MetsoBrasil
 
Recuperação de Áreas Degradadas por Mineração
Recuperação de Áreas Degradadas por MineraçãoRecuperação de Áreas Degradadas por Mineração
Recuperação de Áreas Degradadas por Mineração
Leandro A. Machado de Moura
 
Classificação das Plantas
Classificação das PlantasClassificação das Plantas
Classificação das Plantas
Leandro A. Machado de Moura
 
Biomas Brasileiros
Biomas Brasileiros Biomas Brasileiros
Biomas Brasileiros
Leandro A. Machado de Moura
 

Destaque (20)

Serie corredores 1
Serie corredores 1Serie corredores 1
Serie corredores 1
 
Task2 sr
Task2 srTask2 sr
Task2 sr
 
Consema 26 04 (1)
Consema 26 04 (1)Consema 26 04 (1)
Consema 26 04 (1)
 
Artigo 36 do cpp
Artigo 36 do cppArtigo 36 do cpp
Artigo 36 do cpp
 
Aula 4
Aula 4Aula 4
Aula 4
 
Aula 2
Aula 2Aula 2
Aula 2
 
Solo, Contaminação, PNGRS
Solo, Contaminação, PNGRSSolo, Contaminação, PNGRS
Solo, Contaminação, PNGRS
 
REBIO Mogi Guaçu
REBIO Mogi GuaçuREBIO Mogi Guaçu
REBIO Mogi Guaçu
 
Aula 6
Aula 6Aula 6
Aula 6
 
APP / REBIO de Mogi Guaçu
APP / REBIO de Mogi GuaçuAPP / REBIO de Mogi Guaçu
APP / REBIO de Mogi Guaçu
 
Cadeia Trófica
Cadeia TróficaCadeia Trófica
Cadeia Trófica
 
Aula 3
Aula 3Aula 3
Aula 3
 
Aula 5
Aula 5Aula 5
Aula 5
 
Solo - Pedogênese
Solo - PedogêneseSolo - Pedogênese
Solo - Pedogênese
 
Relações Ecológicas
Relações EcológicasRelações Ecológicas
Relações Ecológicas
 
Conservação X Extinção
Conservação X  ExtinçãoConservação X  Extinção
Conservação X Extinção
 
Sim 2014 - Palestra Mineraçao do futuro (Vânia Lúcia)
Sim 2014 - Palestra Mineraçao do futuro (Vânia Lúcia)Sim 2014 - Palestra Mineraçao do futuro (Vânia Lúcia)
Sim 2014 - Palestra Mineraçao do futuro (Vânia Lúcia)
 
Recuperação de Áreas Degradadas por Mineração
Recuperação de Áreas Degradadas por MineraçãoRecuperação de Áreas Degradadas por Mineração
Recuperação de Áreas Degradadas por Mineração
 
Classificação das Plantas
Classificação das PlantasClassificação das Plantas
Classificação das Plantas
 
Biomas Brasileiros
Biomas Brasileiros Biomas Brasileiros
Biomas Brasileiros
 

Semelhante a SNUC 2 - Pontos relevantes

DIREITO AMBIENTAL AULA 05
DIREITO AMBIENTAL AULA 05DIREITO AMBIENTAL AULA 05
DIREITO AMBIENTAL AULA 05
Esdras Arthur Lopes Pessoa
 
Smup
SmupSmup
Arie dunas do cocó
Arie dunas do cocóArie dunas do cocó
Arie dunas do cocó
João Alfredo Telles Melo
 
PDF-AMBIENTAL-OAB-2017.pptx
PDF-AMBIENTAL-OAB-2017.pptxPDF-AMBIENTAL-OAB-2017.pptx
PDF-AMBIENTAL-OAB-2017.pptx
EDMARNEYSERRADESOUZA
 
Quadro comparativo
Quadro comparativoQuadro comparativo
Quadro comparativo
BriefCase
 
Agressões ao Parque e à APA das Dunas da Sabiaguaba
Agressões ao Parque e à APA das Dunas da SabiaguabaAgressões ao Parque e à APA das Dunas da Sabiaguaba
Agressões ao Parque e à APA das Dunas da Sabiaguaba
João Alfredo Telles Melo
 
ARIE do Cerrado
ARIE do CerradoARIE do Cerrado
ARIE do Cerrado
João Alfredo Telles Melo
 
ARIE Prof. Abreu Matos
ARIE Prof. Abreu MatosARIE Prof. Abreu Matos
ARIE Prof. Abreu Matos
João Alfredo Telles Melo
 
In ibamanº 13, de 19 de julho de 2013
In ibamanº 13, de 19 de julho de 2013  In ibamanº 13, de 19 de julho de 2013
In ibamanº 13, de 19 de julho de 2013
Gilvan Mota
 
Direito ambiental _aula_6__slides
Direito ambiental _aula_6__slidesDireito ambiental _aula_6__slides
Direito ambiental _aula_6__slides
Luis Olavo
 
Direito_Ambiental_ETEP.ppt
Direito_Ambiental_ETEP.pptDireito_Ambiental_ETEP.ppt
Direito_Ambiental_ETEP.ppt
Karina Vargas Santos
 
Ecoturismo e Turismo de Aventura: aulas 04 e 05
Ecoturismo e Turismo de Aventura: aulas 04 e 05Ecoturismo e Turismo de Aventura: aulas 04 e 05
Ecoturismo e Turismo de Aventura: aulas 04 e 05
Aristides Faria
 
Avaliacao de impactos ambientais resolucao
Avaliacao de impactos ambientais resolucaoAvaliacao de impactos ambientais resolucao
Avaliacao de impactos ambientais resolucao
mauricio_campos
 
Resolução SMA-086
Resolução SMA-086 Resolução SMA-086
Resolução SMA-086
ONG Instituto Ambiente em Foco
 
Aula SNUC - Introdução
Aula SNUC  - IntroduçãoAula SNUC  - Introdução
Aula SNUC - Introdução
lucianagraciano
 
decreto-4340-22-agosto-2002-451270-normaatualizada-pe.pdf
decreto-4340-22-agosto-2002-451270-normaatualizada-pe.pdfdecreto-4340-22-agosto-2002-451270-normaatualizada-pe.pdf
decreto-4340-22-agosto-2002-451270-normaatualizada-pe.pdf
Universidade Federal da Bahia
 
Cantareira/ação reflorestamento
Cantareira/ação reflorestamentoCantareira/ação reflorestamento
Cantareira/ação reflorestamento
Lia Prado
 
APA COSTA DE SERRA GRANDE / ITACARE- Resolucao de aprovação plano de manejo
APA COSTA DE SERRA GRANDE / ITACARE- Resolucao de aprovação plano de manejoAPA COSTA DE SERRA GRANDE / ITACARE- Resolucao de aprovação plano de manejo
APA COSTA DE SERRA GRANDE / ITACARE- Resolucao de aprovação plano de manejo
EsperancaConduru
 
Apostila do curso de legislacao ambiental
Apostila do curso de legislacao ambientalApostila do curso de legislacao ambiental
Apostila do curso de legislacao ambiental
Elaine Santos
 
Ecos brasil ilha do zeca maio 2013
Ecos brasil ilha do zeca maio 2013Ecos brasil ilha do zeca maio 2013
Ecos brasil ilha do zeca maio 2013
Leonardo Cisneiros
 

Semelhante a SNUC 2 - Pontos relevantes (20)

DIREITO AMBIENTAL AULA 05
DIREITO AMBIENTAL AULA 05DIREITO AMBIENTAL AULA 05
DIREITO AMBIENTAL AULA 05
 
Smup
SmupSmup
Smup
 
Arie dunas do cocó
Arie dunas do cocóArie dunas do cocó
Arie dunas do cocó
 
PDF-AMBIENTAL-OAB-2017.pptx
PDF-AMBIENTAL-OAB-2017.pptxPDF-AMBIENTAL-OAB-2017.pptx
PDF-AMBIENTAL-OAB-2017.pptx
 
Quadro comparativo
Quadro comparativoQuadro comparativo
Quadro comparativo
 
Agressões ao Parque e à APA das Dunas da Sabiaguaba
Agressões ao Parque e à APA das Dunas da SabiaguabaAgressões ao Parque e à APA das Dunas da Sabiaguaba
Agressões ao Parque e à APA das Dunas da Sabiaguaba
 
ARIE do Cerrado
ARIE do CerradoARIE do Cerrado
ARIE do Cerrado
 
ARIE Prof. Abreu Matos
ARIE Prof. Abreu MatosARIE Prof. Abreu Matos
ARIE Prof. Abreu Matos
 
In ibamanº 13, de 19 de julho de 2013
In ibamanº 13, de 19 de julho de 2013  In ibamanº 13, de 19 de julho de 2013
In ibamanº 13, de 19 de julho de 2013
 
Direito ambiental _aula_6__slides
Direito ambiental _aula_6__slidesDireito ambiental _aula_6__slides
Direito ambiental _aula_6__slides
 
Direito_Ambiental_ETEP.ppt
Direito_Ambiental_ETEP.pptDireito_Ambiental_ETEP.ppt
Direito_Ambiental_ETEP.ppt
 
Ecoturismo e Turismo de Aventura: aulas 04 e 05
Ecoturismo e Turismo de Aventura: aulas 04 e 05Ecoturismo e Turismo de Aventura: aulas 04 e 05
Ecoturismo e Turismo de Aventura: aulas 04 e 05
 
Avaliacao de impactos ambientais resolucao
Avaliacao de impactos ambientais resolucaoAvaliacao de impactos ambientais resolucao
Avaliacao de impactos ambientais resolucao
 
Resolução SMA-086
Resolução SMA-086 Resolução SMA-086
Resolução SMA-086
 
Aula SNUC - Introdução
Aula SNUC  - IntroduçãoAula SNUC  - Introdução
Aula SNUC - Introdução
 
decreto-4340-22-agosto-2002-451270-normaatualizada-pe.pdf
decreto-4340-22-agosto-2002-451270-normaatualizada-pe.pdfdecreto-4340-22-agosto-2002-451270-normaatualizada-pe.pdf
decreto-4340-22-agosto-2002-451270-normaatualizada-pe.pdf
 
Cantareira/ação reflorestamento
Cantareira/ação reflorestamentoCantareira/ação reflorestamento
Cantareira/ação reflorestamento
 
APA COSTA DE SERRA GRANDE / ITACARE- Resolucao de aprovação plano de manejo
APA COSTA DE SERRA GRANDE / ITACARE- Resolucao de aprovação plano de manejoAPA COSTA DE SERRA GRANDE / ITACARE- Resolucao de aprovação plano de manejo
APA COSTA DE SERRA GRANDE / ITACARE- Resolucao de aprovação plano de manejo
 
Apostila do curso de legislacao ambiental
Apostila do curso de legislacao ambientalApostila do curso de legislacao ambiental
Apostila do curso de legislacao ambiental
 
Ecos brasil ilha do zeca maio 2013
Ecos brasil ilha do zeca maio 2013Ecos brasil ilha do zeca maio 2013
Ecos brasil ilha do zeca maio 2013
 

Mais de Leandro A. Machado de Moura

Princípios da Evolução
Princípios da EvoluçãoPrincípios da Evolução
Princípios da Evolução
Leandro A. Machado de Moura
 
Medicina Veterinária da Conservação
Medicina Veterinária da ConservaçãoMedicina Veterinária da Conservação
Medicina Veterinária da Conservação
Leandro A. Machado de Moura
 
Introdução á Ecologia
Introdução á EcologiaIntrodução á Ecologia
Introdução á Ecologia
Leandro A. Machado de Moura
 
UC's - Conservação de Espécies e Populações
UC's - Conservação de Espécies e Populações UC's - Conservação de Espécies e Populações
UC's - Conservação de Espécies e Populações
Leandro A. Machado de Moura
 
Desenvolvimento, Conservação e Sustentabilidade
Desenvolvimento, Conservação e Sustentabilidade Desenvolvimento, Conservação e Sustentabilidade
Desenvolvimento, Conservação e Sustentabilidade
Leandro A. Machado de Moura
 
Controle de Pragas na Jardinagem
Controle de Pragas na JardinagemControle de Pragas na Jardinagem
Controle de Pragas na Jardinagem
Leandro A. Machado de Moura
 
Adubação
AdubaçãoAdubação
Técnicas de Poda
Técnicas de PodaTécnicas de Poda
Técnicas de Poda
Leandro A. Machado de Moura
 
Classificação dos Seres Vivos
Classificação dos Seres Vivos Classificação dos Seres Vivos
Classificação dos Seres Vivos
Leandro A. Machado de Moura
 
Técnicas de Propagação Vegetativa
Técnicas de Propagação Vegetativa Técnicas de Propagação Vegetativa
Técnicas de Propagação Vegetativa
Leandro A. Machado de Moura
 
Manual de RAD - SP
Manual de RAD - SPManual de RAD - SP
Manual de RAD - SP
Leandro A. Machado de Moura
 

Mais de Leandro A. Machado de Moura (11)

Princípios da Evolução
Princípios da EvoluçãoPrincípios da Evolução
Princípios da Evolução
 
Medicina Veterinária da Conservação
Medicina Veterinária da ConservaçãoMedicina Veterinária da Conservação
Medicina Veterinária da Conservação
 
Introdução á Ecologia
Introdução á EcologiaIntrodução á Ecologia
Introdução á Ecologia
 
UC's - Conservação de Espécies e Populações
UC's - Conservação de Espécies e Populações UC's - Conservação de Espécies e Populações
UC's - Conservação de Espécies e Populações
 
Desenvolvimento, Conservação e Sustentabilidade
Desenvolvimento, Conservação e Sustentabilidade Desenvolvimento, Conservação e Sustentabilidade
Desenvolvimento, Conservação e Sustentabilidade
 
Controle de Pragas na Jardinagem
Controle de Pragas na JardinagemControle de Pragas na Jardinagem
Controle de Pragas na Jardinagem
 
Adubação
AdubaçãoAdubação
Adubação
 
Técnicas de Poda
Técnicas de PodaTécnicas de Poda
Técnicas de Poda
 
Classificação dos Seres Vivos
Classificação dos Seres Vivos Classificação dos Seres Vivos
Classificação dos Seres Vivos
 
Técnicas de Propagação Vegetativa
Técnicas de Propagação Vegetativa Técnicas de Propagação Vegetativa
Técnicas de Propagação Vegetativa
 
Manual de RAD - SP
Manual de RAD - SPManual de RAD - SP
Manual de RAD - SP
 

SNUC 2 - Pontos relevantes

  • 1. GESTÃO DE ÁREAS PROTEGIDAS Engenharia  Ambiental  –  2014     Aula  11   Prof.  Biól.  Leandro  A.  Machado  de  Moura   lammoura@uol.com.br  
  • 2. SNUC  –  Sistema  Nacional  de  Unidades  de  Conservação   MOSAICOS  DE  UC     Art.  26  da  Lei  No.  9.985/2000.       Quando   exis:r   um   conjunto   de   unidades   de   conservação   de   categorias   diferentes  ou  não,  próximas,  justapostas  ou  sobrepostas,  e  outras  áreas   protegidas   públicas   ou   privadas,   cons:tuindo   um   mosaico,   a   gestão   do   conjunto   deverá   ser   feita   de   forma   integrada   e   par:cipa:va,   considerando-­‐se   os   seus   dis:ntos   obje:vos   de   conservação,   de   forma   a   compa:bilizar   a   presença   da   biodiversidade,   a   valorização   da   sociodiversidade  e  o  desenvolvimento  sustentável  no  contexto  regional.    
  • 3. SNUC  –  Sistema  Nacional  de  Unidades  de  Conservação   MOSAICOS  DE  UC     Auxiliam  no  ordenamento  e  na  gestão  do  território,  pois  compa:bilizam   as  questões  em  comum  das  UC  da  região.  Trazendo  vantagens,  como:     -­‐  A   gestão   integrada   e   par:cipa:va   das   unidades   de   conservação   e   outras  áreas  protegidas;     -­‐  A   integração   de   unidades   de   conservação   a   paisagens   terrestres   e   marinhas  mais  amplas;   -­‐  A   integração   de   ações   de   fiscalização,   combate   a   incêndios   e   outros   desastres  ambientais;  e   -­‐   A   o:mização   de   recursos   financeiros   e   humanos   das   unidades   de   conservação.  
  • 4. SNUC  –  Sistema  Nacional  de  Unidades  de  Conservação   MOSAICOS  DE  UC     Para  o  processo  de  reconhecimento  de  um  mosaico:     •  É   indispensável   que   os   órgãos   gestores   das   unidades   de   conservação   interessadas   em   compor   o   mosaico   manifestem   interesse   ao   MMA,   o   qual  é  responsável  por  conduzir  todo  o  processo.     •  Outras   áreas   protegidas   podem   compor   um   mosaico,   mas   para   isso   devem   ter   limites   definidos   e   apresentar   claramente   a   intenção   de   conservação.    
  • 8. SNUC  –  Sistema  Nacional  de  Unidades  de  Conservação   CORREDORES  ECOLÓGICOS       Art.  27  da  Lei  No.  9.985/2000:  As  unidades  de  conservação  devem  dispor   de  um  Plano  de  Manejo.       §  1º:  O  Plano  de  Manejo  deve  abranger  a  área  da  unidade  de  conservação,   sua   zona   de   amortecimento   e   os   corredores   ecológicos,   incluindo   medidas  com  o  fim  de  promover  sua  integração  à  vida  econômica  e  social   das  comunidades  vizinhas.  (grifo  nosso)    
  • 9. SNUC  –  Sistema  Nacional  de  Unidades  de  Conservação   CORREDORES  ECOLÓGICOS    
  • 10. SNUC  –  Sistema  Nacional  de  Unidades  de  Conservação   CORREDORES  ECOLÓGICOS    
  • 11. SNUC  –  Sistema  Nacional  de  Unidades  de  Conservação   COMPENSAÇÃO  AMBIENTAL       Art.  36  da  Lei  do  SNUC.       Nos   casos   de   licenciamento   ambiental   de   empreendimentos   de   significa:vo  impacto  ambiental,  assim  considerado  pelo  órgão  ambiental   competente,   com   fundamento   em   estudo   de   impacto   ambiental   e   respec:vo   relatório   -­‐   EIA/RIMA,   o   empreendedor   é   obrigado   a   apoiar   a   implantação   e   manutenção   de   unidade   de   conservação   do   Grupo   de   Proteção   Integral,   de   acordo   com   o   disposto   neste   ar:go   e   no   regulamento  desta  Lei.       §  1º:  O  montante  de  recursos  a  ser  des:nado  pelo  empreendedor  para   esta  finalidade  não  pode  ser  inferior  a  meio  por  cento  dos  custos  totais   previstos   para   a   implantação   do   empreendimento,   sendo   o   percentual   fixado  pelo  órgão  ambiental  licenciador,  de  acordo  com  o  grau  de  impacto   ambiental  causado  pelo  empreendimento.      
  • 12. SNUC  –  Sistema  Nacional  de  Unidades  de  Conservação   COMPENSAÇÃO  AMBIENTAL       Art.  36  da  Lei  do  SNUC.       §   2º:   Ao   órgão   ambiental   licenciador   compete   definir   as   unidades   de   conservação   a   serem   beneficiadas,   considerando   as   propostas   apresentadas  no  EIA/RIMA  e  ouvido  o  empreendedor,  podendo  inclusive   ser  contemplada  a  criação  de  novas  unidades  de  conservação.       §   3º:   Quando   o   empreendimento   afetar   unidade   de   conservação   específica  ou  sua  zona  de  amortecimento,  o  licenciamento  a  que  se  refere   o   caput   deste   ar:go   só́   poderá́   ser   concedido   mediante   autorização   do   órgão   responsável   por   sua   administração,   e   a   unidade   afetada,   mesmo   que  não  pertencente  ao  Grupo  de  Proteção  Integral,  deverá  ser  uma  das   beneficiárias  da  compensação  definida  neste  ar:go.    
  • 13. SNUC  –  Sistema  Nacional  de  Unidades  de  Conservação   ZONA  DE  AMORTECIMENTO         “Trata-­‐se  do  entorno  de  uma  unidade  de  conservação,  onde  as  a:vidades   humanas   estão   sujeitas   a   normas   e   restrições   específicas,   com   o   propósito  de  minimizar  os  impactos  nega:vos  sobre  a  unidade.”  (SNUC,   Art.  2o.,  XVIII).       Em  outras  palavras:  Elas  têm  a  função  de  proteger  a  periferia  (entorno)   das  unidades  de  conservação,  criando  uma  área  prote:va  que  permite,   sob  condicionantes,  a:vidades  antrópicas.  Essa  porção  adjacente  visa  a   proteger   o   espaço   das   a:vidades   humanas,   prevenindo-­‐se,   dessa   maneira,   o   efeito   de   borda   –   que   são:   modificações   ksicas,   químicas   e   biológicas  observadas  no  espaço  de  contato  do  fragmento  de  vegetação   da  unidade  com  sua  área  adjacente.       Assim   é   que   a   simples   criação   de   uma   UC   onde   as   restrições   das   a:vidades  humanas  fossem  fixadas  apenas  dentro  dos  seus  limites  legais   não  seria  suficiente  para  alcançar  os  obje:vos  da  preservação.  
  • 14. SNUC  –  Sistema  Nacional  de  Unidades  de  Conservação   ZONA  DE  AMORTECIMENTO       •  Art.  25  da  Lei  No.  9.985/2000.  As  unidades  de  conservação,  exceto  APA  e   RPPN,  devem  possuir  uma  zona  de  amortecimento  e,  quando  conveniente,   corredores  ecológicos.   •  §   1º:   O   órgão   responsável   pela   administração   da   unidade   estabelecerá   normas   específicas   regulamentando   a   ocupação   e   o   uso   dos   recursos   da   zona   de   amortecimento   e   dos   corredores   ecológicos   de   uma   unidade   de   conservação.   •  §  2º:  Os  limites  da  zona  de  amortecimento  e  dos  corredores  ecológicos  e  as   respec:vas  normas  de  que  trata  o  parágrafo  anterior  poderão  ser  definidas   no  ato  de  criação  da  unidade  ou  posteriormente.  
  • 15. SNUC  –  Sistema  Nacional  de  Unidades  de  Conservação   ZONA  DE  AMORTECIMENTO         Nessa  linha,  importa  salientar  que  a  ZA  não  integra  a  área  da  UC.       O  fato  de  não  ser  parte  da  UC,  a  zona  tampão  fica  sujeita  a  uma  espécie   de   zoneamento   obrigatório   por   força   da   Lei   do   SNUC,   pela   qual   certas   a:vidades  econômicas  são  permi:das  e  regradas.     Regra  geral  as  áreas  englobadas  por  uma  ZA  não  tem  sua  dominialidade   afetada,   pois   há   a   con:nuidade   dos   usos   econômicos,   sofrendo   ele   apenas  uma  regulamentação.  Obviamente,  as  restrições  não  podem  ser   exacerbadas,  sob  pena  de  se  transformar  a  limitação  administra:va  em   um  verdadeiro  apossamento  pelo  Poder  Público.      
  • 16. SNUC  –  Sistema  Nacional  de  Unidades  de  Conservação   ÁREAS  CIRCUNDANTES       Decreto  no.  99.274/90       Ar:go  27:  Nas  áreas  circundantes  das  Unidades  de  Conservação,  num  raio   de  10  Km  (dez  quilômetros),  qualquer  a:vidade  que  possa  afetar  a  biota   ficará  subordinada  as  normas  editadas  pelo  CONAMA.  (grifo  nosso)       Resolução  CONAMA  13/90       Art.  2º:  Nas  áreas  circundantes  das  Unidades  de  Conservação,  num  raio   de  dez  quilômetros,  qualquer  a:vidade  que  possa  afetar  a  biota,  deverá   ser  obrigatoriamente  licenciada  pelo  órgão  ambiental  competente.       Parágrafo  Único  -­‐  O  licenciamento  a  que  se  refere  o  caput  deste  ar:go  só́   será́  concedido  mediante  autorização  do  responsável  pela  administração   da  Unidade  de  Conservação.          
  • 17. SNUC  –  Sistema  Nacional  de  Unidades  de  Conservação   CONCLUSÃO     •  As   Zonas   de   Amortecimentos   previstas   na   Lei   do   SNUC   (9.985/2000)   não   subs_tuem   as   Áreas   Circundantes,   prevista   no   ar:go   27   do   Decreto  99.274/90  e  regulamentadas  pela  Resolução  CONAMA  13/90.     •  Assim,   tem-­‐se   que   todas   as   categorias   de   unidade   de   conservação,   desde  que  criadas,  possuem  área  circundante,  por  força  da  Resolução   n.   13/1990,   ao   passo   que   todas   as   categorias,   exceto   APA   e   RPPN,   devem  possuir  zona  de  amortecimento,  como  determina  a  Lei  do  SNUC   (9.985/2000).   •  Em  resumo,  a  área  circundante  diz  respeito  apenas  ao  licenciamento   de   a:vidades   potencialmente   poluidoras;   a   zona   de   amortecimento,   mais   do   que   isso,   cons:tui   um   verdadeiro   zoneamento   ecológico,   através   do   qual   podem   ser   restringidas   diversas   a:vidades   humanas   em   prol   da   proteção   da   respec:va   UC   sem,   necessariamente,   serem   concernentes  a  licenciamento.    
  • 18. SNUC  –  Sistema  Nacional  de  Unidades  de  Conservação   CONCLUSÃO     •  Portanto,   a   área   circundante   (prevista   pela   Resolução   CONAMA   n. 13/1990)  e  a  zona  de  amortecimento  (prevista  pela  Lei  n.  9.985/2000)   são   ins:tutos   jurídicos   dis:ntos   e   que   devem   ser   aplicados   cumula:vamente,   especialmente   para   proteger   as   unidades   de   conservação  do  efeito  de  borda.   •  Qualquer   a:vidade   impactante   nas   mesmas,   fruto   de   licenciamento   ambiental,    deverá  ser  compensada,  e  os  corredores  ecológicos,  desde   que   comprovados   sua   importância   para   a   UC   em   questão   também   podem  ser  considerados.    
  • 19. SNUC  –  Sistema  Nacional  de  Unidades  de  Conservação   ÁREAS  CIRCUNDANTES       CONAMA  428/2010  –  revoga  a  CONAMA  13/90     Considerando   a   necessidade   de   regulamentar   os   procedimentos   de   licenciamento   ambiental   de   empreendimentos   de   significa:vo   impacto   ambiental   que   afetem   as   Unidades   de   Conservação   específicas   ou   suas   zonas  de  amortecimento,  resolve:       Art.   1o   O   licenciamento   de   empreendimentos   de   significa:vo   impacto   ambiental  que  possam  afetar  Unidade  de  Conservação  (UC)  específica  ou   sua   Zona   de   Amortecimento   (ZA),   assim   considerados   pelo   órgão   ambiental  licenciador,  com  fundamento  em  Estudo  de  Impacto  Ambiental   e  respec:vo  Relatório  de  Impacto  Ambiental  (EIA/RIMA),  só  poderá  ser   concedido  após  autorização  do  órgão  responsável  pela  administração  da   UC  ou,  no  caso  das  Reservas  Par:culares  de  Patrimônio  Natural  (RPPN),   pelo  órgão  responsável  pela  sua  criação.        
  • 20. SNUC  –  Sistema  Nacional  de  Unidades  de  Conservação   ÁREAS  CIRCUNDANTES       CONAMA  428/2010  –  revoga  a  CONAMA  13/90     Art.1º:     §1º:  Para  efeitos  desta  Resolução,  entende-­‐se  por  órgão  responsável  pela   administração   da   UC,   os   órgãos   executores   do   Sistema   Nacional   de   Unidade  de  Conservação  (SNUC),  conforme  definido  no  inciso  III,  art.  6o   da  Lei  no  9.985  de  18  de  julho  de  2000.       §2º:  Durante  o  prazo  de  5  anos,  contados  a  par:r  da  publicação  desta   Resolução,  o  licenciamento  de  empreendimento  de  significa:vo  impacto   ambiental,  localizados  numa  faixa  de  3  mil  metros  a  par:r  do  limite  da   UC,   cuja   ZA   não   esteja   estabelecida,   sujeitar-­‐se-­‐á   ao   procedimento   previsto  no  caput,  com  exceção  de  RPPNs,  Áreas  de  Proteção  Ambiental   (APAs)  e  Áreas  Urbanas  Consolidadas  (grifo  nosso).        
  • 21. SNUC  –  Sistema  Nacional  de  Unidades  de  Conservação   ÁREAS  CIRCUNDANTES       CONAMA  428/2010  –  revoga  a  CONAMA  13/90     Art.  5o  Nos  processos  de  licenciamento  ambiental  de  empreendimentos   não  sujeitos  a  EIA/RIMA  o  órgão  ambiental  licenciador  deverá  dar  ciência   ao   órgão   responsável   pela   administração   da   UC,   quando   o   empreendimento:       I  –  puder  causar  impacto  direto  em  UC;       II  –  es:ver  localizado  na  sua  ZA;       III  –  es:ver  localizado  no  limite  de  até  2  mil  metros  da  UC,  cuja  ZA  não   tenha   sido   estabelecida   no   prazo   de   até   5   anos   a   par:r   da   data   da   publicação  desta  Resolução.        
  • 22. SNUC  –  Sistema  Nacional  de  Unidades  de  Conservação   NOVA  CONCLUSÃO     Atente-­‐se,   assim,   que   deixa   de   exis:r   uma   obrigatoriedade   de   licenciamento   e   predecessora   autorização   para   empreendimentos   que   afetem  a  biota  de  uma  unidade  num  raio  de  10  km.       Pelo  novo  ato  norma:vo  do  CONAMA,  quem  definirá  essa  necessidade   será   o   EIA/RIMA.   Somente   haverá   faixa   estabelecida   (de   3   km)   e   obrigatoriedade   de   licenciamento   para   os   empreendimentos   de   significa:vo  impacto  ambiental  apenas  para  unidades  em  que  a  zona  de   amortecimento  não  esteja  estabelecida.       Mesmo  assim,  esse  disposi:vo  tem  prazo  de  vigência  definido:  5  (cinco)   anos  contados  da  publicação  da  Resolução  CONAMA  nº  428/2010.                                                                                                                                    ?    
  • 23. SNUC  –  Sistema  Nacional  de  Unidades  de  Conservação   SANÇÕES  CRIMINAIS  E  ADMINISTRATIVAS       Lei  nº  9.605/98  –  Lei  de  Crimes  Ambientais     Art.  40:  Causar  dano  direto  ou  indireto  às  Unidades  de  Conservação  e  às   áreas   de   que   trata   o   art.   27   do   Decreto   no   99.274/1990,   independentemente   de   sua   localização:   Pena   -­‐   reclusão,   de   um   a   cinco   anos.       Decreto  nº  6.514/2008     Art.  91:  Causar  dano  à  unidade  de  conservação:     Multa  de  R$  200,00  (duzentos  reais)  a  R$  100.000,00  (cem  mil  reais).