SlideShare uma empresa Scribd logo
PROJETO:
HORTA BIOLÓGICA
Professora: Carla Vitor de Oliveira Abreu
Setembro/2013
"NÃO É NO SILÊNCIO QUE OS
HOMENS SE FAZEM, MAS NA
PALAVRA, NO TRABALHO, NA
AÇÃO-REFLEXÃO."
                                                           
                                                         
PAULO FREIRE
1. DE QUE A PLANTA NECESSITA?
 Além da água, uma planta retira do solo,
nutrientes importantes para seu crescimento,
são: o nitrogênio, o fósforo e o potássio. Para
que a planta sobreviva é necessário que o solo
contenha ar, ou seja, é preciso a aeração do solo.
 Para se desenvolver perfeitamente a
 planta necessita de luz, água, temperatura
 adequada e de elementos minerais. O solo
 não é essencial a vida dos vegetais,
 entretanto, é fato que este tem papel
 fundamental em seu cultivo, pois, além de
 abrigar e fixar as plantas permite cultivos em
 escala comercial viabilizando
 economicamente à agricultura.
Apresentação horta
2. O QUE É O SOLO?
 O solo, também chamado terra, camada
superficial da crosta terrestre que resulta da
decomposição das rochas subsolo e contém
substâncias orgânicas derivadas da decomposição
de vegetais e de animais, tem grande importância
na vida de todos os seres vivos do nosso planta,
assim como o ar, a água, o fogo e o vento. É do
solo que retiramos parte nos nossos alimentos e
que sobre ele, na maioria das vezes, construímos
as nossas casas.
3. FORMAÇÃO DO SOLO
 O solo é formado a partir da rocha (material duro
que também conhecemos como pedra), através da
participação dos elementos do clima (chuva, gelo,
vento e temperatura), que como o tempo, e a
ajuda dos organismos vivos (fungos, liquens e
outros) vão transformando as rochas, diminuindo
o seu tamanho, até transformá-la em um
material mais ou menos solto e macio, também
chamado de parte mineral. O solo é resultado
de diversas transformações que ocorrem numa
rocha dura, por vários processos naturais,
também chamados de intemperismo.
FORMAÇÃO DO SOLO
4. SOLO FÉRTIL
 Solo fértil é aquele em que as plantas
conseguem se desenvolver. Se fizermos uma
escavação num solo fértil, podemos observar
como os seres vivos ajudam na formação dos
solos, logo que a rocha é alterada e é formado o
material mais ou menos solto e macio, os seres
vivos animais e vegetais, com insetos, minhocas,
plantas e muitos outros, assim como o próprio
homem, passam a ajudar no desenvolvimento do
solo. Eles atuam misturando a matéria orgânica
(restos de vegetais e de animais mortos) com
material solto e macio em que se transformou a
rocha. Esta mistura faz com que o material que
veio do desgaste das rochas forneça alimentos a
todas as plantas que vivem no nosso planeta.
 Além disso os seres vivos quando morrem também vão
sendo misturados com o material macio e solto, formando o
verdadeiro solo.
 Solos = rocha + clima + tempo + relevo + organismos
 HÚMUS
 Húmus é conhecido também como componente
orgânico do solo, pois ele se forma a partir de restos de
organismo. Ele ajuda no crescimento de novas plantas. Pois
possui importantes propriedades. O húmus:
 Evita que o solo perca água, deixando-a mais disponível
para as plantas;
 Fornece às plantas nutrientes necessários, que
estavam presentes nos restos de organismos dos quais o
húmus se originou;
 Ajuda o solo a ficar mais poroso e, portanto, ajuda na
aeração.
Apresentação horta
 Húmus  é um componente orgânico, resultante da
decomposição microbiana de resíduos de animais e plantas.
Com aspecto macio acastanhado, essa substância amorfa traz
muitos benefícios ao solo, tais como:
 Melhora muito as propriedades físicas do solo.
 Promove a liberação de nutrientes lentamente, tornando a
adubação mais eficaz e duradoura.
 Contribui para o aumento da capacidade de tamponamento do
solo.
 Retém a umidade do solo por mais tempo.
 Funciona como reservatório fixo de nitrogênio, que é
fundamental para manter a fertilidade do solo.
 Impede a compactação de solos argilosos e promove a
agregação de solos arenosos.
 O húmus diluído na água funciona como um adubo foliar
suave além de contribuir na prevenção de várias pragas
agrícolas.
 O processo de formação do húmus, denominado
humificação, pode ser natural (produzida por fungos e
bactérias) ou artificial (induzida através da adição de produtos
químicos e água em solo pouco produtivo).
 O húmus é composto por frações de ácido húmico, ácido fúlvico
e humina.
COMPOSTAGEM
 Compostagem são técnicas de tratamento dos
resíduos sólidos orgânicos. É um processo natural de
decomposição dos resíduos orgânicos (folhas,
grama, vegetais, frutas, etc.) em partes menores,
produzindo o húmus.
 Através da respiração aeróbica, os microorganismos
conseguem decompor o material e para isso
necessitam do oxigênio presente no ar. A água é um
importante fator para estes microorganismos viverem
e se proliferarem. Ainda no processo da respiração,
estes microorganismos expelem dióxido de carbono e
calor. Este processo é conhecido como compostagem
aeróbica.
 No processo de compostagem anaeróbica, os
microorganismos conseguem decompor a matéria sem
a presença de oxigênio. Esta compostagem é mais
demorada, ocorre em baixas temperaturas e exala
odores fortes
 Compostagem aeróbica.
Apresentação horta
VERMICOMPOSTAGEM
 Vermicompostagem é o nome do processo de
produção de húmus ou vermicomposto por meio
de utilização das minhocas. Esses anelídeos
pertencentes à classe Oligoqueta, decompõem
resíduos orgânicos como restos de cozinha,
estrumes, resíduos de jardim, entre outros.
 As minhocas digerem estas substâncias que são
excretadas sob a forma de húmus ou
vermicomposto, que é um rico fertilizante,
inodoro, contendo micronutrientes (ferro, zinco,
cloro, boro, molibdênio, cobre) e macronutrientes
(nitrogênio, fósforo, potássio).
 Vermicompostagem
UTILIZAÇÃO DO HÚMUS
 Por ser um fertilizante natural e contribuir para
um crescimento rápido e vigoroso das plantas, o
húmus é muito utilizado em plantios comerciais e
cultivos domésticos.
 Pode ser utilizado sob variadas formas, como:
 Para encher tabuleiros e vasos de germinação, o
húmus pode ser utilizado unicamente ou também
misturado com areia ou turfa.
 Pode-se espalhar o húmus no solo em cima de
plantas, árvores e arbustos.
 Pode-se diluir em água para rega ou
pulverização.
 Sendo um poderoso fertilizante e contendo um
PH neutro, o húmus, não causa nenhuma reação
maléfica como envenenamento, queimaduras ou
apodrecimento de plantas.
Apresentação horta
5. COMPOSIÇÃO DO SOLO
 solo é composto de quatro partes, a saber: ar; água; matéria
orgânica (restos de pequenos animais e plantas); e parte
mineral que veio da alteração das rochas, ou seja e areia
da praia, o barro (argila) que gruda no sapato e o limo
(silte) que faz as crianças escorregarem. Estes quatro
componentes do solo se encontram misturados uns aos
outros. A matéria orgânica está misturada com a parte
mineral e com a água.
 O solo é constituído de materiais inorgânicos e
orgânicos.
 Entre os organismos vivos do solo estão diversos tipos
de plantas e também animais, como caracóis, tatuzinhos-
de-jardim, formigas e minhocas, além de bactérias e
fungos.
 As formigas e as minhocas, ao cavar galerias, arejam
o solo, deixando espaço para a entrada de água e ar,
aumentando a umidade e aeração do solo. As bactérias e os
fungos decompõem os materiais orgânicos do solo, ajudando
a liberar os nutrientes necessários para o desenvolvimento
das plantas.
  
Apresentação horta
6. CARACTERÍSTICAS DO SOLO
 Perfil do solo
 O: Camada de restos de plantas e animais na
superfície do solo, que pode apresentar maior ou
menor grau de decomposição.
 A: Primeiro horizonte mineral do solo, mais escuro,
por conter mais húmus que os horizontes B e C.
 B: Horizonte formado por parte bastante
desagregadas da rocha-mãe, estando abaixo do
horizonte A.
 C: Horizonte formado por partes pouco desagregadas
da rocha-mãe, com presença de materiais que ainda
estão se transformado em solo.
 R: Rocha-mãe que, submetida ao intemperismo, se
desagrega, dando origem ao solo.
Apresentação horta
 A quantidade e a espessura de horizontes podem
variar de solo para solo.
 Porosidade: está relacionada a quantidade e ao
tamanho dos poros ou espaços vazios que existem
entre as partículas. Esses poros formam
depósitos de água e de gases (ar do solo).
 Permeabilidade: está relacionada à
comunicação entre os poros do solo. Quanto maior
a comunicação entre os poros, maior a
permeabilidade.
 Essas duas propriedades são responsáveis
pela infiltração da água nas rochas localizadas
abaixo dos solos,, possibilitando, assim, a
formação de aqüíferos.
 Textura: depende da proporção entre areia, silte
e argila no solo.
 Estrutura: tem relação direta com a agregação
(aglomeração) dos grãos minerais (areia, silte,
argila). A estrutura condiciona o solo ser solto ou
ter torrões.
 Consistência: é a qualidade relacionada ao solo
manter-se solto ou duro quando seco, e pegajoso
ou não quando molhado.
TIPOS DE SOLO SEGUNDO A TEXTURA
 De acordo com a textura, os solos podem ser siltosos, arenosos,
argilosos.
 Siltosos: solos mais jovens, nos quais há maior quantidade de silte
do que areia e argila. São menos comuns no Brasil.
 Arenoso: solos em que predominam grãos minerais da rechã-mãe no
tamanho areia, tendo menos argila e silte. Normalmente são pouco
compactos, soltos, e deixam passar água facilmente para as camadas
mais profundas, pois são muito permeáveis. Por terem pouca
capacidade de reter água e nutrientes, são solos mais secos e pouco
férteis.
 Argiloso: solos em que são predominantes os pequenos grãos de
argila, embora também tenham areia e silte. Compõem a maioria dos
solos brasileiros, e as partículas de argila formam sua estrutura. Por
esse motivo, esses solos costumam ser pouco porosos, ter baixa
permeabilidade, além de ter boa capacidade de reter água e
nutrientes para as plantas.
 Solo silte Solo arenoso
 Solo argiloso
DEGRADAÇÃO DO SOLO
 Erosão: A erosão dos solos é a perda de grãos
minerais e material orgânico do solo, causada
principalmente pelos ventos e pela água. Se
houver retirada da cobertura vegetal para
práticas agropecuárias, industrialização,
mineração e urbanização, a erosão pode ser
facilitada, e os solos podem ser degradados,
perdendo a parte superficial que normalmente é
mais fértil
 Desertificação: degradação da terra, ou declínio
progressivo da produtividade das terras secas,
decorrentes de variações climáticas e atividades
humanas.
 Arenização: processo de retrabalhamento de
depósitos arenosos pouco ou não consolidados que
promove uma dificuldade de fixação da cobertura
vegetal, devido à intensa mobilidade de
sedimentos arenosos pela ação das águas e dos
ventos.
 Queimadas: são incêndios na vegetação local,
frequentemente provocados por agricultores e
pecuaristas.
 Desmatamento: é o processo de retirada da
vegetação nativa para a criação de gado e a
construção de moradias, por exemplo.
 As queimadas e os desmatamentos
diminuem a quantidade de húmus no solo,
expulsam os animais que vivem no local e podem
prejudicar as futuras plantações.
 A aplicação de quantidades crescentes de
adubos químicos e defensivos agrícolas,
como conseqüência de práticas inadequadas de
cultivo, pode poluir o solo. Essa poluição pode, ao
longo do tempo, tornar o solo estéril e atingir os
aqüíferos.
 Compactação: é a redução da porosidade do
solo, que pode ser provocada pelo tráfego de
máquinas, pessoas ou outros animais.
7. O USO E A CONSERVAÇÃO DOS
SOLOS AGRÍCOLAS
 Existem práticas agrícolas simples que podem ser
adotadas para conservar o solo:
 Plantio direto: A plantação é realizada sem
queimar, retirar ou incorporar elementos ao
horizonte orgânico (horizonte O), o qual fica na
superfície protegendo o solo da erosão e da perda
de água por evaporação. É uma das técnicas de
conservação do solo mais usadas atualmente no
Brasil.
 Plantio em nível: A plantação é planejada em
terrenos inclinados. Essa prática evita a erosão
porque as linhas de plantio cortam
perpendicularmente o caminho da água da chuva
e da irrigação morro abaixo. Isso estimula a
infiltração da água no solo e a impede de ganhar
velocidade, o que poderia provocar erosão.
 Plantio direto Plantio em nível
 Estabelecimento de canais escoadouros: O
excesso de água da chuva e da irrigação é
direcionado pra fora dos limites da área plantada
ou a plantar.
 Rotação de culturas: Há a alternância
periódica de culturas vegetais em uma mesma
área agrícola. Essa prática visa evitar o
esgotamento dos nutrientes do solo. Assim, é
muito comum que essa alternância seja realizada
entre plantas leguminosas (fabáceas), como o
feijão, a soja e o amendoim, que enriquecem o
solo, e plantas como o milho e os cereais, que
podem esgotar o solo. Por exemplo, em algumas
regiões do Brasil, planta-se soja e, após sua
colheita, planta-se milho.
Apresentação horta
O QUE É HORTA BIOLÓGICA?
 Horta biológica ou agricultura orgânica é uma
forma de produção, baseada no equilíbrio entre o
solo, a água e a planta, permitindo, de forma
sustentável, a produção sem o uso de produtos
químicos (adubos hidrossolúveis e defensivos
agrícola).(Carvalho, 2009)
ESCOLHA DO LOCAL PARA A
INSTALAÇÃO DA HORTA BIOLÓGICA.
 O primeiro passo não será certamente a seleção
de plantas que mais prazer daria colher, mas sim
conhecer melhor o espaço disponível.
 O local mais adequado para instalação da horta
biológica é conveniente que seja arejada,
recebendo a luz direta do sol. (Brasil, 2007). As
condições de terreno e proteção de ventos fortes e
frios e tem boa qualidade de água para irrigação
e drenagem.
ESCOLHA DAS ESPÉCIES DE
HORTALIÇAS
 A escolha de espécies de hortaliças tem tudo
haver com as exigências climáticas, pois a escolha
de espécies tem que ser adaptadas às condições
locais e a épocas de plantio de cada cultivares.
Algumas espécies se desenvolvem melhor em
períodos frios (outono e inverno), outras em
períodos quentes (primavera e verão) e outras
hortaliças são adaptadas ao ano todo (ex: alface,
cenoura, etc,). (Martins, Pref. De São Paulo)
LIMPEZA E PREPARAÇÃO
 Depois de fazer o reconhecimento do espaço em
que será feito o plantio, deve-se fazer a limpeza,
preparar a terra para o plantio. No espaço
interior da horta, os canteiros devem ter
orientação norte-sul para receberem sol na maior
parte do dia. (Brasil, 2007)
 Finalmente, a qualidade da água para a rega
é extremamente importante, pois a água com
impurezas pode contaminar os alimentos.
FERRAMENTAS INDISPENSÁVEIS
 Para a limpeza e preparação do terreno algumas
ferramentas são indispensáveis como: enxada, regador,
ancinho, Sancho e carrinho-de-mão.
 Os materiais básicos definidos para o manejo adequado e
recomendados pelo Ministério da Educação (Brasil, 2009)
para utilizar em uma horta biológica são:
 Enxada: é utilizada para misturar adubos e terras, capina;
 Enxadão: é utilizado para cavar e revolver a terra;
 Ancinho: é utilizado para retirar mato capinado, nivelar o
terreno;
 Carrinho de mão: é utilizada para transportar ferramentas,
terra adubos;
 Regador: é utilizado para regar a horta;
 Sacho: é utilizado para capinar, afofar a terra, abrir
pequenas covas;
 Estacas de madeira e barbante: é utilizado para demarcar
os canteiros e cercas;
 Pás, sementes, mudas.
Apresentação horta
AGROECOLOGIA
 A agroecologia está baseada na conservação do solo
(terra), que é o suporte para fixação das plantas. É o
solo que alimenta as plantas, fornece os nutrientes de
que necessitam para crescer. Sua composição
apresenta: uma parte porosa (ar + água) e outra
sólida (minerais + matéria orgânica). (Carvalho, 2009)
 Para preparar as áreas para o plantio, recomenda-se
inicialmente retirar algumas amostras do solo do local
onde será implantada a horta e enviá-las a um
laboratório específico para análise de sua fertilidade e
determinação da necessidade de aplicação de adubos e
corretivos. (Brasil, 2007)
 Várias amostras de solo devem ser retiradas na
profundidade de 20cm e misturadas. Apenas uma
pequena parcela de solo (em torno de 200g) deve ser
encaminhada para analise. (Brasil, 2007)
CONSTRUÇÃO DOS CANTEIROS
 O canteiro para sementeira , semeadura direta e
para o transplante de mudas é um canteiro
especial deve ter as seguintes dimensões: largura
entre 0,80 e 1,20; altura de 20 a 25cm de
comprimento variável de acordo com o tamanho
da horta. (Martins, Pref. De São Paulo). Entre os
canteiros, deixar um espaço (corredores) de 60 a
80cm para facilitar as atividades de trabalho com
a horta.
SEMENTEIRA
 A sementeira é um canteiro especial, pois
receberá as sementes que produzirão as mudas.
No seu preparo, aconselhar-se usar a mistura de
duas partes de terra, uma de esterco e meia de
areia. (PESAGRO-Rio, 2007)
 As covas devem ser abertas com 20cm X
20cm X 20cm, tomando-se o cuidado de misturar
o esterco com a terra que foi retirada da cova.
Logo após, encher com esse solo preparado. Já as
leiras são organizadas nas linhas de plantio,
misturando-se e amontoando-se terra e esterco,
de modo a ficar com 40cm de altura e mais ou
menos 60cm na base. (Brasil, 2007).
CORREÇÃO DO SOLO
 A correção do solo (calagem e adubação orgânica)
deve ser feita a partir dos resultados da análise,
será possível identificar necessidade de correção
do solo e quantidades adequadas de adubos para
utilização na horta biológica.
 A correção do solo consiste em melhorar sua
acidez, utilizando principalmente o calcário. A
calagem deve ser feita antecipadamente ao
plantio. (Brasil, 2007)
ADUBAÇÃO
 A adubação Orgânica é uma técnica que permite
melhorar a qualidade da terra através da adição
de um adubo orgânico, isto é, de forma natural.
Para obter um melhor resultado na aplicação
dessa adubação deve-se preferencialmente
aplicar na superfície da terra (solo), ou então,
incorporar a uma profundidade de até 10cm. É
importante não ir, além disso, pois, quando
incorporados a profundidades maiores, irão
apodrecer afetando a vida dos microrganismos.
(Carvalho, 2009)
 A adubação orgânica pode ser feita através de húmus
de minhoca, esterco de animal e composto orgânico,
e este tipo de adubação é muito importante por
cooperar com a saúde da terra, possibilitar a produção
de hortaliças de alta qualidade e ajudar no controle da
erosão do solo. (Brasil, 2007)
 O esterco animal é uma importante fonte de
matéria orgânica para ser utilizada na adubação
orgânica. (Carvalho, 2009) . O esterco animal,
preferencialmente de bois ou aves é um adubo de
excelente qualidade e para que seja utilizado na
horta, deve-se curtir bem o esterco. Esse processo
ocorre no período de 60 a 90 dias, dependendo da
temperatura média da região onde foi construída a
esterqueira, onde o esterco irá fermentar. Depois de
curtido, o esterco dever ser colocado nos canteiros 20
dias antes da semeadura. Recomenda-se, em média,
de4 5 a 10 litros de esterco curtido de boi por metro
quadrado de canteiro, e a metade quando se utilizar
esterco de aves. (Brasil, 2007)
COMPOSTEIRA
 Composteira, o composto é o resultado da
decomposição de restos vegetais pode ser feito na
própria escola a partir da coleta seletiva de lixo:
casca de legumes, de ovos, de frutas, poda de
grama e folhas verdes ou secas, papéis, pó de café
ou chá, serragem, cinzas. O lixo coletado na
escola deverá ser separado em vasilhames
especiais. (Brasil, 2007)
MONTAGEM DE UMA COMPOSTEIRA
 Como Fazer
 1. Quem tem espaço com chão de terra no quintal
pode separar um canteiro para fazer a
compostagem. Quem não tem, pode improvisar
usando um recipiente grande, lembrando de fazer
alguns furos laterais para a saída de ar.
  2. Os resíduos podem ser colocados em camadas
e não precisam ser separados por tipo, mas é
interessante colocar em camadas alternadas de
resíduos (cascas de frutas, legumes, ovos e
outros), com camadas de folhas, palha, serragem
ou mesmo terra. Para acelerar a decomposição e
evitar o aparecimento de moscas, recomenda-se
cobrir tudo com uma lona.
 3. Regar o conteúdo e, de dois em dois dias,
revirar o recipiente com alguma de ferramenta de
jardim. Essa operação é importante para arejar o
material em decomposição. No caso da
composteira feita no chão, ela deve ter mais ou
menos 60 cm de altura e 1 metro de largura. A
cada 15 dias é importante virar o monte,
revolvendo os materiais para facilitar a
decomposicão. Em razão da ação de bactérias e
fungos, o monte pode esquentar a até 60 graus,
por isso devemos molhar de vez em quando, para
diminuir a temperatura e manter a umidade,
porém sem encharcar.
 4. Após algumas semanas o material adquire
uma coloração marrom escura, semelhante ao
marrom café. Dá para perceber que o composto
está pronto quando não se percebe mais um
"cheiro ruim" e sim um "cheiro de terra", além
disso, a aparência é bem homogênea e a
temperatura fica igual à do ambiente (lembre-se
que durante o período de decomposição, com a
ação  das bactérias, a temperatura sobe
bastante).
 5. Depois de pronto o composto orgânico já pode
ser misturado à terra do jardim, da horta e dos
vasos.
 Observação: restos de comida, serão bem-vindos,
mas alimentos de origem animal (carne) podem
atrair ratos e pragas do gênero.
( Administrador/2011)
Apresentação horta
Apresentação horta
"Ninguém educa
ninguém, ninguém
educa a si mesmo, os
homens se educam entre
si, mediatizados pelo
mundo."
Paulo Freire
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICA
 Referências Bibliográficas:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Húmus
http://www.uenf.br/uenf/centros/cct/qambiental/so_comporg.html
http://www.emepa.org.br/anais/volume2/av209.pdf
http://casa.hsw.uol.com.br/compostagem.htm
http://hotsites.sct.embrapa.br/diacampo/programacao/2004/a-
minhocultura-na-producao-de-insumos-para-a-agricultura-organica
 Boletim EMATER/MG – Programa de Hortas – Secretaria do Estado
de Agricultura – MG
 Revista Guia Rural – “Ervas e Temperos” – Editora Abril
 Administrador/2011, fonte: www.jornalnovotempo.com.br
 Marins, Adão Luiz C. Cap. V – Planejamento de uma Horta,
Prefeitura de São Paulo
 http://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/upload/02manualh
orta_1253891788.pdf

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Horta Escolar
Horta EscolarHorta Escolar
Horta Escolar
Elcielle .
 
10 Propriedades Físicas do Solo-aula
10 Propriedades Físicas do Solo-aula10 Propriedades Físicas do Solo-aula
10 Propriedades Físicas do Solo-aula
Romulo Vinicius Tio Rominho
 
Solos 2
Solos 2Solos 2
Degradação do solo
Degradação do soloDegradação do solo
Degradação do solo
Ivan Araujo
 
AGROECOLOGIA
AGROECOLOGIAAGROECOLOGIA
AGROECOLOGIA
Karlla Costa
 
Aula 1 solos
Aula 1 solosAula 1 solos
Aula 1 solos
Giovanna Ortiz
 
apostila-de-olericultura-nad-pdf
apostila-de-olericultura-nad-pdfapostila-de-olericultura-nad-pdf
apostila-de-olericultura-nad-pdf
Saul Ramos
 
Compostagem
CompostagemCompostagem
Compostagem
Josimar Oliveira
 
Preparação do Solo e Aplicação
Preparação do Solo e AplicaçãoPreparação do Solo e Aplicação
Preparação do Solo e Aplicação
Geagra UFG
 
Aula de nutrição mineral
Aula de nutrição mineralAula de nutrição mineral
Aula de nutrição mineral
Bruno Rodrigues
 
Práticas de conservação do solo e recuperação de áreas degradada
Práticas de conservação do solo e recuperação de áreas degradadaPráticas de conservação do solo e recuperação de áreas degradada
Práticas de conservação do solo e recuperação de áreas degradada
Maurício Coelho
 
Fertilidade do solo
Fertilidade do soloFertilidade do solo
Fertilidade do solo
Alfredo Cossa
 
aulas de friticultura
aulas de friticulturaaulas de friticultura
aulas de friticultura
Lafaiete Sousa
 
Aula politicas publicas na agricultura familiar
Aula politicas publicas na agricultura familiarAula politicas publicas na agricultura familiar
Aula politicas publicas na agricultura familiar
Cris Godoy
 
Silvicultura
SilviculturaSilvicultura
Silvicultura
Taís Leandro
 
Origem e formação do solo
Origem e formação do soloOrigem e formação do solo
Origem e formação do solo
Fabíola Mello
 
Olericultura e hortaliças
Olericultura e hortaliçasOlericultura e hortaliças
Olericultura e hortaliças
Rafael Soares Dias
 
Apostila fruticultura
Apostila fruticulturaApostila fruticultura
Apostila fruticultura
Rogger Wins
 
Métodos e técnicas de conservação do solo
Métodos e técnicas de conservação do soloMétodos e técnicas de conservação do solo
Métodos e técnicas de conservação do solo
Girleno Oliveira
 
Adubação
AdubaçãoAdubação

Mais procurados (20)

Horta Escolar
Horta EscolarHorta Escolar
Horta Escolar
 
10 Propriedades Físicas do Solo-aula
10 Propriedades Físicas do Solo-aula10 Propriedades Físicas do Solo-aula
10 Propriedades Físicas do Solo-aula
 
Solos 2
Solos 2Solos 2
Solos 2
 
Degradação do solo
Degradação do soloDegradação do solo
Degradação do solo
 
AGROECOLOGIA
AGROECOLOGIAAGROECOLOGIA
AGROECOLOGIA
 
Aula 1 solos
Aula 1 solosAula 1 solos
Aula 1 solos
 
apostila-de-olericultura-nad-pdf
apostila-de-olericultura-nad-pdfapostila-de-olericultura-nad-pdf
apostila-de-olericultura-nad-pdf
 
Compostagem
CompostagemCompostagem
Compostagem
 
Preparação do Solo e Aplicação
Preparação do Solo e AplicaçãoPreparação do Solo e Aplicação
Preparação do Solo e Aplicação
 
Aula de nutrição mineral
Aula de nutrição mineralAula de nutrição mineral
Aula de nutrição mineral
 
Práticas de conservação do solo e recuperação de áreas degradada
Práticas de conservação do solo e recuperação de áreas degradadaPráticas de conservação do solo e recuperação de áreas degradada
Práticas de conservação do solo e recuperação de áreas degradada
 
Fertilidade do solo
Fertilidade do soloFertilidade do solo
Fertilidade do solo
 
aulas de friticultura
aulas de friticulturaaulas de friticultura
aulas de friticultura
 
Aula politicas publicas na agricultura familiar
Aula politicas publicas na agricultura familiarAula politicas publicas na agricultura familiar
Aula politicas publicas na agricultura familiar
 
Silvicultura
SilviculturaSilvicultura
Silvicultura
 
Origem e formação do solo
Origem e formação do soloOrigem e formação do solo
Origem e formação do solo
 
Olericultura e hortaliças
Olericultura e hortaliçasOlericultura e hortaliças
Olericultura e hortaliças
 
Apostila fruticultura
Apostila fruticulturaApostila fruticultura
Apostila fruticultura
 
Métodos e técnicas de conservação do solo
Métodos e técnicas de conservação do soloMétodos e técnicas de conservação do solo
Métodos e técnicas de conservação do solo
 
Adubação
AdubaçãoAdubação
Adubação
 

Destaque

Matéria e medidas
Matéria e medidasMatéria e medidas
Matéria e medidas
Carlaensino
 
Plantas
PlantasPlantas
Plantas
Carlaensino
 
Citologia
CitologiaCitologia
Citologia
Carlaensino
 
Biologia: ciencias e vida
Biologia: ciencias e vidaBiologia: ciencias e vida
Biologia: ciencias e vida
Carlaensino
 
Seres vivos carla
Seres vivos carlaSeres vivos carla
Seres vivos carla
Carlaensino
 
Sistemática e classificação biológica
Sistemática e classificação biológicaSistemática e classificação biológica
Sistemática e classificação biológica
Carlaensino
 
Solos
SolosSolos
Solos
ceama
 
Factor AbióTico - Solo
Factor AbióTico - SoloFactor AbióTico - Solo
Factor AbióTico - Solo
guest104e3a
 
A1 09 05 16 fei-eng civ-reflexoes e recordacoes de conceitos rochas-solos-srl
A1 09 05 16 fei-eng civ-reflexoes e recordacoes de  conceitos rochas-solos-srlA1 09 05 16 fei-eng civ-reflexoes e recordacoes de  conceitos rochas-solos-srl
A1 09 05 16 fei-eng civ-reflexoes e recordacoes de conceitos rochas-solos-srl
Eduardo Caldeira
 
8ºano ciencias naturais-teste 1-
8ºano ciencias naturais-teste 1-8ºano ciencias naturais-teste 1-
8ºano ciencias naturais-teste 1-
silvia_lfr
 
Tcc perfil da agricultura familiar
Tcc perfil da agricultura familiarTcc perfil da agricultura familiar
Tcc perfil da agricultura familiar
IG CONSULTORIA
 
Conheça os três tipos principais de solo areia, silte e argila fórum da co...
Conheça os três tipos principais de solo  areia, silte e argila   fórum da co...Conheça os três tipos principais de solo  areia, silte e argila   fórum da co...
Conheça os três tipos principais de solo areia, silte e argila fórum da co...
ABC Ambiental
 
Degradação do Solo devido ao Uso de Agrotoxicos
Degradação do Solo devido ao Uso de AgrotoxicosDegradação do Solo devido ao Uso de Agrotoxicos
Degradação do Solo devido ao Uso de Agrotoxicos
Lucash Martins
 
Tipos de solo
Tipos  de  soloTipos  de  solo
Tipos de solo
Andrea Barreto
 
Planejamento do trabalho de conclusão de curso
Planejamento do trabalho de conclusão de cursoPlanejamento do trabalho de conclusão de curso
Planejamento do trabalho de conclusão de curso
Elisângela X. P. dos Santos
 
sistema de classificação dos solos
sistema de classificação dos solossistema de classificação dos solos
sistema de classificação dos solos
Janine Silotti
 
Oficina 10 flutua ou afunda
Oficina 10 flutua ou afundaOficina 10 flutua ou afunda
Oficina 10 flutua ou afunda
Professora Cida
 
Prova bimestral 6 ano 1°bi
Prova bimestral 6 ano   1°biProva bimestral 6 ano   1°bi
Prova bimestral 6 ano 1°bi
Carolina Chiaro Scarpa
 
Slides ciência do solo
Slides   ciência do soloSlides   ciência do solo
Slides ciência do solo
daianeagricola
 
Experimentos Físicos nas aulas de Ciências no Ensino Fundamental
Experimentos Físicos nas aulas de Ciências no Ensino FundamentalExperimentos Físicos nas aulas de Ciências no Ensino Fundamental
Experimentos Físicos nas aulas de Ciências no Ensino Fundamental
Rafaela Siqueira
 

Destaque (20)

Matéria e medidas
Matéria e medidasMatéria e medidas
Matéria e medidas
 
Plantas
PlantasPlantas
Plantas
 
Citologia
CitologiaCitologia
Citologia
 
Biologia: ciencias e vida
Biologia: ciencias e vidaBiologia: ciencias e vida
Biologia: ciencias e vida
 
Seres vivos carla
Seres vivos carlaSeres vivos carla
Seres vivos carla
 
Sistemática e classificação biológica
Sistemática e classificação biológicaSistemática e classificação biológica
Sistemática e classificação biológica
 
Solos
SolosSolos
Solos
 
Factor AbióTico - Solo
Factor AbióTico - SoloFactor AbióTico - Solo
Factor AbióTico - Solo
 
A1 09 05 16 fei-eng civ-reflexoes e recordacoes de conceitos rochas-solos-srl
A1 09 05 16 fei-eng civ-reflexoes e recordacoes de  conceitos rochas-solos-srlA1 09 05 16 fei-eng civ-reflexoes e recordacoes de  conceitos rochas-solos-srl
A1 09 05 16 fei-eng civ-reflexoes e recordacoes de conceitos rochas-solos-srl
 
8ºano ciencias naturais-teste 1-
8ºano ciencias naturais-teste 1-8ºano ciencias naturais-teste 1-
8ºano ciencias naturais-teste 1-
 
Tcc perfil da agricultura familiar
Tcc perfil da agricultura familiarTcc perfil da agricultura familiar
Tcc perfil da agricultura familiar
 
Conheça os três tipos principais de solo areia, silte e argila fórum da co...
Conheça os três tipos principais de solo  areia, silte e argila   fórum da co...Conheça os três tipos principais de solo  areia, silte e argila   fórum da co...
Conheça os três tipos principais de solo areia, silte e argila fórum da co...
 
Degradação do Solo devido ao Uso de Agrotoxicos
Degradação do Solo devido ao Uso de AgrotoxicosDegradação do Solo devido ao Uso de Agrotoxicos
Degradação do Solo devido ao Uso de Agrotoxicos
 
Tipos de solo
Tipos  de  soloTipos  de  solo
Tipos de solo
 
Planejamento do trabalho de conclusão de curso
Planejamento do trabalho de conclusão de cursoPlanejamento do trabalho de conclusão de curso
Planejamento do trabalho de conclusão de curso
 
sistema de classificação dos solos
sistema de classificação dos solossistema de classificação dos solos
sistema de classificação dos solos
 
Oficina 10 flutua ou afunda
Oficina 10 flutua ou afundaOficina 10 flutua ou afunda
Oficina 10 flutua ou afunda
 
Prova bimestral 6 ano 1°bi
Prova bimestral 6 ano   1°biProva bimestral 6 ano   1°bi
Prova bimestral 6 ano 1°bi
 
Slides ciência do solo
Slides   ciência do soloSlides   ciência do solo
Slides ciência do solo
 
Experimentos Físicos nas aulas de Ciências no Ensino Fundamental
Experimentos Físicos nas aulas de Ciências no Ensino FundamentalExperimentos Físicos nas aulas de Ciências no Ensino Fundamental
Experimentos Físicos nas aulas de Ciências no Ensino Fundamental
 

Semelhante a Apresentação horta

Solos
SolosSolos
Powerpointsolo(2)
Powerpointsolo(2)Powerpointsolo(2)
Powerpointsolo(2)
Mario Rui Almeida
 
Tipos de solo
Tipos de soloTipos de solo
Tipos de solo
Rafael Antunes
 
química da litosfera. Poluição ambientalpptx
química da litosfera. Poluição ambientalpptxquímica da litosfera. Poluição ambientalpptx
química da litosfera. Poluição ambientalpptx
crislania1
 
Solo - Ciências do Ambiente.ppt
Solo - Ciências do Ambiente.pptSolo - Ciências do Ambiente.ppt
Solo - Ciências do Ambiente.ppt
Gilson Nachtigall
 
Ciencias 6ano
Ciencias 6anoCiencias 6ano
Ciencias 6ano
julio2012souto
 
Solos
SolosSolos
Powerpoint Solo
Powerpoint   SoloPowerpoint   Solo
Powerpoint Solo
Rosa Pereira
 
Solo
SoloSolo
Ciencias os tipos de solos e suas caracteristicas
Ciencias   os tipos de solos e suas caracteristicasCiencias   os tipos de solos e suas caracteristicas
Ciencias os tipos de solos e suas caracteristicas
Gustavo Soares
 
Solo...
Solo...Solo...
Solo...
Tânia Maria
 
O solo
O soloO solo
antonio inacio ferraz-,Solo
antonio inacio ferraz-,Soloantonio inacio ferraz-,Solo
antonio inacio ferraz-,Solo
Antonio Inácio Ferraz
 
Os solos e seus usos - Aulas 6 e 7 Geografia 2º Ano
Os solos e seus usos - Aulas 6 e 7 Geografia  2º AnoOs solos e seus usos - Aulas 6 e 7 Geografia  2º Ano
Os solos e seus usos - Aulas 6 e 7 Geografia 2º Ano
Fellipe Prado
 
Tipos de solo e suas características
Tipos de solo e suas característicasTipos de solo e suas características
Tipos de solo e suas características
philipe8
 
Solo
SoloSolo
1geo15
1geo151geo15
1geo15
NTE_Itaocara
 
O estudo do solo
O estudo do  soloO estudo do  solo
O estudo do solo
Andre Rodrigues
 
Tipos de solos
Tipos de solosTipos de solos
Tipos de solos
dela28
 
Aula básica sobre pedologia e formação dos solos.pdf
Aula básica sobre pedologia e formação dos solos.pdfAula básica sobre pedologia e formação dos solos.pdf
Aula básica sobre pedologia e formação dos solos.pdf
RodrigoLuizNevesBarr
 

Semelhante a Apresentação horta (20)

Solos
SolosSolos
Solos
 
Powerpointsolo(2)
Powerpointsolo(2)Powerpointsolo(2)
Powerpointsolo(2)
 
Tipos de solo
Tipos de soloTipos de solo
Tipos de solo
 
química da litosfera. Poluição ambientalpptx
química da litosfera. Poluição ambientalpptxquímica da litosfera. Poluição ambientalpptx
química da litosfera. Poluição ambientalpptx
 
Solo - Ciências do Ambiente.ppt
Solo - Ciências do Ambiente.pptSolo - Ciências do Ambiente.ppt
Solo - Ciências do Ambiente.ppt
 
Ciencias 6ano
Ciencias 6anoCiencias 6ano
Ciencias 6ano
 
Solos
SolosSolos
Solos
 
Powerpoint Solo
Powerpoint   SoloPowerpoint   Solo
Powerpoint Solo
 
Solo
SoloSolo
Solo
 
Ciencias os tipos de solos e suas caracteristicas
Ciencias   os tipos de solos e suas caracteristicasCiencias   os tipos de solos e suas caracteristicas
Ciencias os tipos de solos e suas caracteristicas
 
Solo...
Solo...Solo...
Solo...
 
O solo
O soloO solo
O solo
 
antonio inacio ferraz-,Solo
antonio inacio ferraz-,Soloantonio inacio ferraz-,Solo
antonio inacio ferraz-,Solo
 
Os solos e seus usos - Aulas 6 e 7 Geografia 2º Ano
Os solos e seus usos - Aulas 6 e 7 Geografia  2º AnoOs solos e seus usos - Aulas 6 e 7 Geografia  2º Ano
Os solos e seus usos - Aulas 6 e 7 Geografia 2º Ano
 
Tipos de solo e suas características
Tipos de solo e suas característicasTipos de solo e suas características
Tipos de solo e suas características
 
Solo
SoloSolo
Solo
 
1geo15
1geo151geo15
1geo15
 
O estudo do solo
O estudo do  soloO estudo do  solo
O estudo do solo
 
Tipos de solos
Tipos de solosTipos de solos
Tipos de solos
 
Aula básica sobre pedologia e formação dos solos.pdf
Aula básica sobre pedologia e formação dos solos.pdfAula básica sobre pedologia e formação dos solos.pdf
Aula básica sobre pedologia e formação dos solos.pdf
 

Último

A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
portaladministradores
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Falcão Brasil
 
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamasConhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
edusegtrab
 
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdfAdaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
CamilaSouza544051
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Miguel Delamontagne
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 

Último (20)

A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
 
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamasConhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
 
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdfAdaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 

Apresentação horta

  • 1. PROJETO: HORTA BIOLÓGICA Professora: Carla Vitor de Oliveira Abreu Setembro/2013
  • 2. "NÃO É NO SILÊNCIO QUE OS HOMENS SE FAZEM, MAS NA PALAVRA, NO TRABALHO, NA AÇÃO-REFLEXÃO."                                                                                                                       PAULO FREIRE
  • 3. 1. DE QUE A PLANTA NECESSITA?  Além da água, uma planta retira do solo, nutrientes importantes para seu crescimento, são: o nitrogênio, o fósforo e o potássio. Para que a planta sobreviva é necessário que o solo contenha ar, ou seja, é preciso a aeração do solo.  Para se desenvolver perfeitamente a  planta necessita de luz, água, temperatura  adequada e de elementos minerais. O solo  não é essencial a vida dos vegetais,  entretanto, é fato que este tem papel  fundamental em seu cultivo, pois, além de  abrigar e fixar as plantas permite cultivos em  escala comercial viabilizando  economicamente à agricultura.
  • 5. 2. O QUE É O SOLO?  O solo, também chamado terra, camada superficial da crosta terrestre que resulta da decomposição das rochas subsolo e contém substâncias orgânicas derivadas da decomposição de vegetais e de animais, tem grande importância na vida de todos os seres vivos do nosso planta, assim como o ar, a água, o fogo e o vento. É do solo que retiramos parte nos nossos alimentos e que sobre ele, na maioria das vezes, construímos as nossas casas.
  • 6. 3. FORMAÇÃO DO SOLO  O solo é formado a partir da rocha (material duro que também conhecemos como pedra), através da participação dos elementos do clima (chuva, gelo, vento e temperatura), que como o tempo, e a ajuda dos organismos vivos (fungos, liquens e outros) vão transformando as rochas, diminuindo o seu tamanho, até transformá-la em um material mais ou menos solto e macio, também chamado de parte mineral. O solo é resultado de diversas transformações que ocorrem numa rocha dura, por vários processos naturais, também chamados de intemperismo.
  • 8. 4. SOLO FÉRTIL  Solo fértil é aquele em que as plantas conseguem se desenvolver. Se fizermos uma escavação num solo fértil, podemos observar como os seres vivos ajudam na formação dos solos, logo que a rocha é alterada e é formado o material mais ou menos solto e macio, os seres vivos animais e vegetais, com insetos, minhocas, plantas e muitos outros, assim como o próprio homem, passam a ajudar no desenvolvimento do solo. Eles atuam misturando a matéria orgânica (restos de vegetais e de animais mortos) com material solto e macio em que se transformou a rocha. Esta mistura faz com que o material que veio do desgaste das rochas forneça alimentos a todas as plantas que vivem no nosso planeta.
  • 9.  Além disso os seres vivos quando morrem também vão sendo misturados com o material macio e solto, formando o verdadeiro solo.  Solos = rocha + clima + tempo + relevo + organismos  HÚMUS  Húmus é conhecido também como componente orgânico do solo, pois ele se forma a partir de restos de organismo. Ele ajuda no crescimento de novas plantas. Pois possui importantes propriedades. O húmus:  Evita que o solo perca água, deixando-a mais disponível para as plantas;  Fornece às plantas nutrientes necessários, que estavam presentes nos restos de organismos dos quais o húmus se originou;  Ajuda o solo a ficar mais poroso e, portanto, ajuda na aeração.
  • 11.  Húmus  é um componente orgânico, resultante da decomposição microbiana de resíduos de animais e plantas. Com aspecto macio acastanhado, essa substância amorfa traz muitos benefícios ao solo, tais como:  Melhora muito as propriedades físicas do solo.  Promove a liberação de nutrientes lentamente, tornando a adubação mais eficaz e duradoura.  Contribui para o aumento da capacidade de tamponamento do solo.  Retém a umidade do solo por mais tempo.  Funciona como reservatório fixo de nitrogênio, que é fundamental para manter a fertilidade do solo.  Impede a compactação de solos argilosos e promove a agregação de solos arenosos.  O húmus diluído na água funciona como um adubo foliar suave além de contribuir na prevenção de várias pragas agrícolas.  O processo de formação do húmus, denominado humificação, pode ser natural (produzida por fungos e bactérias) ou artificial (induzida através da adição de produtos químicos e água em solo pouco produtivo).  O húmus é composto por frações de ácido húmico, ácido fúlvico e humina.
  • 12. COMPOSTAGEM  Compostagem são técnicas de tratamento dos resíduos sólidos orgânicos. É um processo natural de decomposição dos resíduos orgânicos (folhas, grama, vegetais, frutas, etc.) em partes menores, produzindo o húmus.  Através da respiração aeróbica, os microorganismos conseguem decompor o material e para isso necessitam do oxigênio presente no ar. A água é um importante fator para estes microorganismos viverem e se proliferarem. Ainda no processo da respiração, estes microorganismos expelem dióxido de carbono e calor. Este processo é conhecido como compostagem aeróbica.  No processo de compostagem anaeróbica, os microorganismos conseguem decompor a matéria sem a presença de oxigênio. Esta compostagem é mais demorada, ocorre em baixas temperaturas e exala odores fortes
  • 15. VERMICOMPOSTAGEM  Vermicompostagem é o nome do processo de produção de húmus ou vermicomposto por meio de utilização das minhocas. Esses anelídeos pertencentes à classe Oligoqueta, decompõem resíduos orgânicos como restos de cozinha, estrumes, resíduos de jardim, entre outros.  As minhocas digerem estas substâncias que são excretadas sob a forma de húmus ou vermicomposto, que é um rico fertilizante, inodoro, contendo micronutrientes (ferro, zinco, cloro, boro, molibdênio, cobre) e macronutrientes (nitrogênio, fósforo, potássio).
  • 17. UTILIZAÇÃO DO HÚMUS  Por ser um fertilizante natural e contribuir para um crescimento rápido e vigoroso das plantas, o húmus é muito utilizado em plantios comerciais e cultivos domésticos.  Pode ser utilizado sob variadas formas, como:  Para encher tabuleiros e vasos de germinação, o húmus pode ser utilizado unicamente ou também misturado com areia ou turfa.  Pode-se espalhar o húmus no solo em cima de plantas, árvores e arbustos.  Pode-se diluir em água para rega ou pulverização.  Sendo um poderoso fertilizante e contendo um PH neutro, o húmus, não causa nenhuma reação maléfica como envenenamento, queimaduras ou apodrecimento de plantas.
  • 19. 5. COMPOSIÇÃO DO SOLO  solo é composto de quatro partes, a saber: ar; água; matéria orgânica (restos de pequenos animais e plantas); e parte mineral que veio da alteração das rochas, ou seja e areia da praia, o barro (argila) que gruda no sapato e o limo (silte) que faz as crianças escorregarem. Estes quatro componentes do solo se encontram misturados uns aos outros. A matéria orgânica está misturada com a parte mineral e com a água.  O solo é constituído de materiais inorgânicos e orgânicos.  Entre os organismos vivos do solo estão diversos tipos de plantas e também animais, como caracóis, tatuzinhos- de-jardim, formigas e minhocas, além de bactérias e fungos.  As formigas e as minhocas, ao cavar galerias, arejam o solo, deixando espaço para a entrada de água e ar, aumentando a umidade e aeração do solo. As bactérias e os fungos decompõem os materiais orgânicos do solo, ajudando a liberar os nutrientes necessários para o desenvolvimento das plantas.   
  • 21. 6. CARACTERÍSTICAS DO SOLO  Perfil do solo  O: Camada de restos de plantas e animais na superfície do solo, que pode apresentar maior ou menor grau de decomposição.  A: Primeiro horizonte mineral do solo, mais escuro, por conter mais húmus que os horizontes B e C.  B: Horizonte formado por parte bastante desagregadas da rocha-mãe, estando abaixo do horizonte A.  C: Horizonte formado por partes pouco desagregadas da rocha-mãe, com presença de materiais que ainda estão se transformado em solo.  R: Rocha-mãe que, submetida ao intemperismo, se desagrega, dando origem ao solo.
  • 23.  A quantidade e a espessura de horizontes podem variar de solo para solo.  Porosidade: está relacionada a quantidade e ao tamanho dos poros ou espaços vazios que existem entre as partículas. Esses poros formam depósitos de água e de gases (ar do solo).  Permeabilidade: está relacionada à comunicação entre os poros do solo. Quanto maior a comunicação entre os poros, maior a permeabilidade.  Essas duas propriedades são responsáveis pela infiltração da água nas rochas localizadas abaixo dos solos,, possibilitando, assim, a formação de aqüíferos.
  • 24.  Textura: depende da proporção entre areia, silte e argila no solo.  Estrutura: tem relação direta com a agregação (aglomeração) dos grãos minerais (areia, silte, argila). A estrutura condiciona o solo ser solto ou ter torrões.  Consistência: é a qualidade relacionada ao solo manter-se solto ou duro quando seco, e pegajoso ou não quando molhado.
  • 25. TIPOS DE SOLO SEGUNDO A TEXTURA  De acordo com a textura, os solos podem ser siltosos, arenosos, argilosos.  Siltosos: solos mais jovens, nos quais há maior quantidade de silte do que areia e argila. São menos comuns no Brasil.  Arenoso: solos em que predominam grãos minerais da rechã-mãe no tamanho areia, tendo menos argila e silte. Normalmente são pouco compactos, soltos, e deixam passar água facilmente para as camadas mais profundas, pois são muito permeáveis. Por terem pouca capacidade de reter água e nutrientes, são solos mais secos e pouco férteis.  Argiloso: solos em que são predominantes os pequenos grãos de argila, embora também tenham areia e silte. Compõem a maioria dos solos brasileiros, e as partículas de argila formam sua estrutura. Por esse motivo, esses solos costumam ser pouco porosos, ter baixa permeabilidade, além de ter boa capacidade de reter água e nutrientes para as plantas.
  • 26.  Solo silte Solo arenoso  Solo argiloso
  • 27. DEGRADAÇÃO DO SOLO  Erosão: A erosão dos solos é a perda de grãos minerais e material orgânico do solo, causada principalmente pelos ventos e pela água. Se houver retirada da cobertura vegetal para práticas agropecuárias, industrialização, mineração e urbanização, a erosão pode ser facilitada, e os solos podem ser degradados, perdendo a parte superficial que normalmente é mais fértil
  • 28.  Desertificação: degradação da terra, ou declínio progressivo da produtividade das terras secas, decorrentes de variações climáticas e atividades humanas.  Arenização: processo de retrabalhamento de depósitos arenosos pouco ou não consolidados que promove uma dificuldade de fixação da cobertura vegetal, devido à intensa mobilidade de sedimentos arenosos pela ação das águas e dos ventos.
  • 29.  Queimadas: são incêndios na vegetação local, frequentemente provocados por agricultores e pecuaristas.  Desmatamento: é o processo de retirada da vegetação nativa para a criação de gado e a construção de moradias, por exemplo.  As queimadas e os desmatamentos diminuem a quantidade de húmus no solo, expulsam os animais que vivem no local e podem prejudicar as futuras plantações.
  • 30.  A aplicação de quantidades crescentes de adubos químicos e defensivos agrícolas, como conseqüência de práticas inadequadas de cultivo, pode poluir o solo. Essa poluição pode, ao longo do tempo, tornar o solo estéril e atingir os aqüíferos.
  • 31.  Compactação: é a redução da porosidade do solo, que pode ser provocada pelo tráfego de máquinas, pessoas ou outros animais.
  • 32. 7. O USO E A CONSERVAÇÃO DOS SOLOS AGRÍCOLAS  Existem práticas agrícolas simples que podem ser adotadas para conservar o solo:  Plantio direto: A plantação é realizada sem queimar, retirar ou incorporar elementos ao horizonte orgânico (horizonte O), o qual fica na superfície protegendo o solo da erosão e da perda de água por evaporação. É uma das técnicas de conservação do solo mais usadas atualmente no Brasil.  Plantio em nível: A plantação é planejada em terrenos inclinados. Essa prática evita a erosão porque as linhas de plantio cortam perpendicularmente o caminho da água da chuva e da irrigação morro abaixo. Isso estimula a infiltração da água no solo e a impede de ganhar velocidade, o que poderia provocar erosão.
  • 33.  Plantio direto Plantio em nível
  • 34.  Estabelecimento de canais escoadouros: O excesso de água da chuva e da irrigação é direcionado pra fora dos limites da área plantada ou a plantar.  Rotação de culturas: Há a alternância periódica de culturas vegetais em uma mesma área agrícola. Essa prática visa evitar o esgotamento dos nutrientes do solo. Assim, é muito comum que essa alternância seja realizada entre plantas leguminosas (fabáceas), como o feijão, a soja e o amendoim, que enriquecem o solo, e plantas como o milho e os cereais, que podem esgotar o solo. Por exemplo, em algumas regiões do Brasil, planta-se soja e, após sua colheita, planta-se milho.
  • 36. O QUE É HORTA BIOLÓGICA?  Horta biológica ou agricultura orgânica é uma forma de produção, baseada no equilíbrio entre o solo, a água e a planta, permitindo, de forma sustentável, a produção sem o uso de produtos químicos (adubos hidrossolúveis e defensivos agrícola).(Carvalho, 2009)
  • 37. ESCOLHA DO LOCAL PARA A INSTALAÇÃO DA HORTA BIOLÓGICA.  O primeiro passo não será certamente a seleção de plantas que mais prazer daria colher, mas sim conhecer melhor o espaço disponível.  O local mais adequado para instalação da horta biológica é conveniente que seja arejada, recebendo a luz direta do sol. (Brasil, 2007). As condições de terreno e proteção de ventos fortes e frios e tem boa qualidade de água para irrigação e drenagem.
  • 38. ESCOLHA DAS ESPÉCIES DE HORTALIÇAS  A escolha de espécies de hortaliças tem tudo haver com as exigências climáticas, pois a escolha de espécies tem que ser adaptadas às condições locais e a épocas de plantio de cada cultivares. Algumas espécies se desenvolvem melhor em períodos frios (outono e inverno), outras em períodos quentes (primavera e verão) e outras hortaliças são adaptadas ao ano todo (ex: alface, cenoura, etc,). (Martins, Pref. De São Paulo)
  • 39. LIMPEZA E PREPARAÇÃO  Depois de fazer o reconhecimento do espaço em que será feito o plantio, deve-se fazer a limpeza, preparar a terra para o plantio. No espaço interior da horta, os canteiros devem ter orientação norte-sul para receberem sol na maior parte do dia. (Brasil, 2007)  Finalmente, a qualidade da água para a rega é extremamente importante, pois a água com impurezas pode contaminar os alimentos.
  • 40. FERRAMENTAS INDISPENSÁVEIS  Para a limpeza e preparação do terreno algumas ferramentas são indispensáveis como: enxada, regador, ancinho, Sancho e carrinho-de-mão.  Os materiais básicos definidos para o manejo adequado e recomendados pelo Ministério da Educação (Brasil, 2009) para utilizar em uma horta biológica são:  Enxada: é utilizada para misturar adubos e terras, capina;  Enxadão: é utilizado para cavar e revolver a terra;  Ancinho: é utilizado para retirar mato capinado, nivelar o terreno;  Carrinho de mão: é utilizada para transportar ferramentas, terra adubos;  Regador: é utilizado para regar a horta;  Sacho: é utilizado para capinar, afofar a terra, abrir pequenas covas;  Estacas de madeira e barbante: é utilizado para demarcar os canteiros e cercas;  Pás, sementes, mudas.
  • 42. AGROECOLOGIA  A agroecologia está baseada na conservação do solo (terra), que é o suporte para fixação das plantas. É o solo que alimenta as plantas, fornece os nutrientes de que necessitam para crescer. Sua composição apresenta: uma parte porosa (ar + água) e outra sólida (minerais + matéria orgânica). (Carvalho, 2009)  Para preparar as áreas para o plantio, recomenda-se inicialmente retirar algumas amostras do solo do local onde será implantada a horta e enviá-las a um laboratório específico para análise de sua fertilidade e determinação da necessidade de aplicação de adubos e corretivos. (Brasil, 2007)  Várias amostras de solo devem ser retiradas na profundidade de 20cm e misturadas. Apenas uma pequena parcela de solo (em torno de 200g) deve ser encaminhada para analise. (Brasil, 2007)
  • 43. CONSTRUÇÃO DOS CANTEIROS  O canteiro para sementeira , semeadura direta e para o transplante de mudas é um canteiro especial deve ter as seguintes dimensões: largura entre 0,80 e 1,20; altura de 20 a 25cm de comprimento variável de acordo com o tamanho da horta. (Martins, Pref. De São Paulo). Entre os canteiros, deixar um espaço (corredores) de 60 a 80cm para facilitar as atividades de trabalho com a horta.
  • 44. SEMENTEIRA  A sementeira é um canteiro especial, pois receberá as sementes que produzirão as mudas. No seu preparo, aconselhar-se usar a mistura de duas partes de terra, uma de esterco e meia de areia. (PESAGRO-Rio, 2007)  As covas devem ser abertas com 20cm X 20cm X 20cm, tomando-se o cuidado de misturar o esterco com a terra que foi retirada da cova. Logo após, encher com esse solo preparado. Já as leiras são organizadas nas linhas de plantio, misturando-se e amontoando-se terra e esterco, de modo a ficar com 40cm de altura e mais ou menos 60cm na base. (Brasil, 2007).
  • 45. CORREÇÃO DO SOLO  A correção do solo (calagem e adubação orgânica) deve ser feita a partir dos resultados da análise, será possível identificar necessidade de correção do solo e quantidades adequadas de adubos para utilização na horta biológica.  A correção do solo consiste em melhorar sua acidez, utilizando principalmente o calcário. A calagem deve ser feita antecipadamente ao plantio. (Brasil, 2007)
  • 46. ADUBAÇÃO  A adubação Orgânica é uma técnica que permite melhorar a qualidade da terra através da adição de um adubo orgânico, isto é, de forma natural. Para obter um melhor resultado na aplicação dessa adubação deve-se preferencialmente aplicar na superfície da terra (solo), ou então, incorporar a uma profundidade de até 10cm. É importante não ir, além disso, pois, quando incorporados a profundidades maiores, irão apodrecer afetando a vida dos microrganismos. (Carvalho, 2009)
  • 47.  A adubação orgânica pode ser feita através de húmus de minhoca, esterco de animal e composto orgânico, e este tipo de adubação é muito importante por cooperar com a saúde da terra, possibilitar a produção de hortaliças de alta qualidade e ajudar no controle da erosão do solo. (Brasil, 2007)  O esterco animal é uma importante fonte de matéria orgânica para ser utilizada na adubação orgânica. (Carvalho, 2009) . O esterco animal, preferencialmente de bois ou aves é um adubo de excelente qualidade e para que seja utilizado na horta, deve-se curtir bem o esterco. Esse processo ocorre no período de 60 a 90 dias, dependendo da temperatura média da região onde foi construída a esterqueira, onde o esterco irá fermentar. Depois de curtido, o esterco dever ser colocado nos canteiros 20 dias antes da semeadura. Recomenda-se, em média, de4 5 a 10 litros de esterco curtido de boi por metro quadrado de canteiro, e a metade quando se utilizar esterco de aves. (Brasil, 2007)
  • 48. COMPOSTEIRA  Composteira, o composto é o resultado da decomposição de restos vegetais pode ser feito na própria escola a partir da coleta seletiva de lixo: casca de legumes, de ovos, de frutas, poda de grama e folhas verdes ou secas, papéis, pó de café ou chá, serragem, cinzas. O lixo coletado na escola deverá ser separado em vasilhames especiais. (Brasil, 2007)
  • 49. MONTAGEM DE UMA COMPOSTEIRA  Como Fazer  1. Quem tem espaço com chão de terra no quintal pode separar um canteiro para fazer a compostagem. Quem não tem, pode improvisar usando um recipiente grande, lembrando de fazer alguns furos laterais para a saída de ar.   2. Os resíduos podem ser colocados em camadas e não precisam ser separados por tipo, mas é interessante colocar em camadas alternadas de resíduos (cascas de frutas, legumes, ovos e outros), com camadas de folhas, palha, serragem ou mesmo terra. Para acelerar a decomposição e evitar o aparecimento de moscas, recomenda-se cobrir tudo com uma lona.
  • 50.  3. Regar o conteúdo e, de dois em dois dias, revirar o recipiente com alguma de ferramenta de jardim. Essa operação é importante para arejar o material em decomposição. No caso da composteira feita no chão, ela deve ter mais ou menos 60 cm de altura e 1 metro de largura. A cada 15 dias é importante virar o monte, revolvendo os materiais para facilitar a decomposicão. Em razão da ação de bactérias e fungos, o monte pode esquentar a até 60 graus, por isso devemos molhar de vez em quando, para diminuir a temperatura e manter a umidade, porém sem encharcar.
  • 51.  4. Após algumas semanas o material adquire uma coloração marrom escura, semelhante ao marrom café. Dá para perceber que o composto está pronto quando não se percebe mais um "cheiro ruim" e sim um "cheiro de terra", além disso, a aparência é bem homogênea e a temperatura fica igual à do ambiente (lembre-se que durante o período de decomposição, com a ação  das bactérias, a temperatura sobe bastante).
  • 52.  5. Depois de pronto o composto orgânico já pode ser misturado à terra do jardim, da horta e dos vasos.  Observação: restos de comida, serão bem-vindos, mas alimentos de origem animal (carne) podem atrair ratos e pragas do gênero. ( Administrador/2011)
  • 55. "Ninguém educa ninguém, ninguém educa a si mesmo, os homens se educam entre si, mediatizados pelo mundo." Paulo Freire
  • 56. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICA  Referências Bibliográficas: http://pt.wikipedia.org/wiki/Húmus http://www.uenf.br/uenf/centros/cct/qambiental/so_comporg.html http://www.emepa.org.br/anais/volume2/av209.pdf http://casa.hsw.uol.com.br/compostagem.htm http://hotsites.sct.embrapa.br/diacampo/programacao/2004/a- minhocultura-na-producao-de-insumos-para-a-agricultura-organica  Boletim EMATER/MG – Programa de Hortas – Secretaria do Estado de Agricultura – MG  Revista Guia Rural – “Ervas e Temperos” – Editora Abril  Administrador/2011, fonte: www.jornalnovotempo.com.br  Marins, Adão Luiz C. Cap. V – Planejamento de uma Horta, Prefeitura de São Paulo  http://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/upload/02manualh orta_1253891788.pdf