SlideShare uma empresa Scribd logo
IMPLANTAÇÃO DE UM POMAR
(LIMÃO)
2016
 PRODUÇÃO DE MUDAS
 Porta enxertos mais recomendados
Rugoso’ e o ‘Cravo’
 Para a produção de mudas certificadas, as borbulhas devem ser obtidas de
plantas matrizes ou de borbulheiras registradas, cultivadas em ambiente
protegido e inspecionadas, periodicamente, com relação a mutações e à
sanidade, principalmente clorose variegada dos citros, cancro cítrico,
tristeza e outras viroses
 A enxertia é feita a 25-30 cm de altura, possuir três a
quatros ramos (galhos) a 60 cm do solo e raízes
desenvolvidas, sem estarem enoveladas.
 O indicado é sempre procurar adquirir mudas produzidas sob
telado de viveiros certificados.
 PREPARO DA ÁREA
• Roçagem
• Destoca
• Enleiramento do mato
• Aração
• Gradagens
 SISTEMA DE PLANTIO
 Linhas retas
 Em nível
Implantação de um pomar
Implantação de um pomar
 ESPAÇAMENTO
A escolha do espaçamento é influenciada pelo tipo de solo (fertilidade e textura),
pelo porta-enxerto, pelo clima e pelos tratos que se pretende dar ao pomar.
• Na região Nordeste do Brasil, em geral, adotam-se as distâncias de : 7,0m
x 6,0m – 238 plantas/há
• ou de 7,0m x 5,0m – 285 plantas/ha.
 Preparo das covas
• As covas podem ser abertas à mão ou com implementos;
• Devem ter dimensões: 40 cm x 40 cm x 40 cm a 60 cm x 60 cm x 60 cm;
• Na abertura separar a terra dos primeiros 15-20 cm de altura;
Uma boa opção é o uso de leguminosas (feijão ‘carioca’, feijão-de-porco, leucena,
crotalaria e soja), pelo fato de essas plantas fixarem nitrogênio atmosférico,
contribuindo para a redução dos adubos nitrogenados, normalmente fornecidos via
solo, ou outras culturas, como abacaxi, amendoim, batata-doce, mandioca e milho.
Cada cova deve
receber 20 litros de
esterco de curral,
250 g de calcário
dolomítico, 300 g
de superfosfato
simples e 50 g de
micronutrientes
(FTE ou Fritas).
Implantação de um pomar
Implantação de um pomar
Implantação de um pomar
 PLANTIO
• Deve -se usar régua de plantio para bom alinhamento. Ajusta-se a muda
na cova de modo que o colo da planta fique ligeiramente acima do nível
do solo e os espaçamentos entre raízes cheios com terra. Após plantio
fazer uma "bacia" com distância de 50 cm do tronco e, a seguir, regar
com abundância sem encharcar e cobrir solo com capim seco (sem
sementes) ou com palha.
• Deve-se evitar o plantio nos dias de muito sol;
• deixar o colo da muda em torno de 5 cm acima
do nível do solo;
• Fazer uma bacia em torno da muda e rega-se
com 10 a 20 litros de água;
Implantação de um pomar
 ADUBAÇÃO
Dos dezessete elementos considerados essenciais na cultura do limão, apenas oito
devem ser motivos de preocupação do produtor: nitrogênio, fósforo e potássio, que
são fornecidos por adubações químicas via solo, em doses parceladas na época das
chuvas; cálcio e magnésio, que são fornecido a planta através das calagens realizadas
no pomar; e, finalmente, os micronutrientes boro, zinco e manganês, fornecidos
através de adubações foliares realizadas no decorrer do ano.
 Adubação de formação (até primeira
produção)
 A adubação de formação deve ser realizada nos primeiros 3
anos de idade.
 Do plantio até o 1° ano, recomenda-se aplicar os
fertilizantes ao redor da coroa, em toda a volta da planta,
num raio de aproximadamente 0,5 m
Implantação de um pomar
 ADUBAÇÃO DE PRODUÇÃO
 Deve ser realizada quando as plantas estiverem em plena época de
produção. Nesse período, a adubação visa a atender às exigências
nutricionais, tanto para a manutenção da planta como para a exportação de
nutrientes para os frutos.
• Idade das plantas
• Tipo de solo
• Índice pluviométrico
• Produção esperada.
 As folhas coletadas para a amostra devem:
 Ter idade entre 6-7 meses, apresentar tamanho médio
e estarem livres de pragas e doenças;
 Ser coletadas nos horários mais frescos do dia;
 Ser coletadas ao redor da planta, na parte mediana da
copa;
 Ser coletadas de ramos frutíferos da brotação mais
nova, na 3° ou 4° folha a partir do fruto, ou de ramos
novos que não contenham fruto;
 Ser condicionadas em sacos de papel ou plástico e, se
as folhas não forem levadas no mesmo dia para o
laboratório de análise foliar, armazenar em geladeira
até o dia seguinte;
 ADUBAÇÃO FOLIAR
Implantação de um pomar
 ADUBAÇÃO ORGÂNICA
 A adubação orgânica traz inúmeros benefícios em
propriedades químicas, físicas e biológicas ao solo,
além de fornecer nutrientes essenciais para a cultura,
principalmente o nitrogênio. Essa prática melhora a
retenção de umidade e a aeração do solo.
DEFICIÊNCIA DE NITROGÊNIO= As folhas com sintomas apresentam coloração
verde-clara e verde-amarelada. Em casos extremos de deficiência, ocorre
diminuição ou até paralisação do crescimento das plantas.
EXCESSO DE NITROGÊNIO= Sintomas de excesso de nitrogênio são refletidos na planta
por aumento exagerado do tamanho das folhas com coloração verde-escura (Fig. 2),
folhas com tecidos mais flácidos ou suculentos, frutos menores, com casca grossa,
portanto de baixo valor comercial
DEFICIÊNCIA DE FÓSFORO= A falta acentuada de fósforo causa perda do brilho com
bronzeamento da folhagem, redução do tamanho das folhas com seca nas extremidades e
Bordas. E os frutos, em número reduzido, apresentam casca com espessura aumentada e
miolo ou columela oca (Fig. 3)
DEFICIÊNCIA DE POTÁSSIO=As folhas das extremidades dos ramos são reduzidas, verde-
amarelas, com a lâmina foliar ondulada e as extremidades encurvadas. Os frutos são
pequenos e apresentam casca fina.
DEFICIÊNCIA DE CÁLCIO=Os sintomas de deficiência aparecem nas folhas maduras com
clorose inicial ao longo das margens, atingindo gradualmente as áreas internervais, com
necrose das áreas afetadas.
DEFICIÊNCIA DE MAGNÉSIO=Os sintomas de deficiência de magnésio se manifestam nas
folhas maduras, através de áreas cloróticas internervais ao longo da nervura principal.
Em
estágios avançados, toda a folha pode se tornar clorótica, permanecendo verde uma
pequena área próxima ao pecíolo (Fig. 6).
DEFICIÊNCIA DE BORO=Em plantas com deficiência de boro, nas folhas novas
aparecem áreas aquosas que se tornam translúcidas com o amadurecimento. Há
encarquilhamento das folhas maduras, pontuações amarelas nas folhas mais
novas, morte da gema terminal
e ausência de flores. Frutos de tamanho reduzido, duros, com albedo espesso.
DEFICIÊNCIA DE MANGANÊS= Os sintomas de deficiência de manganês ocorrem nas
folhas novas, cujo tamanho praticamente permanece normal, com a perda de
brilho e clorose entre as nervuras que permanecem verdes.
DEFICIÊNCIA DE ZINCO= Nas plantas com sintomas de carência de zinco, as folhas
novas são pequenas, alongadas, pontiagudas e eretas, com clorose internerval,
com abundante formação de ramos finos com entrenós curtos e morte prematura
desses ramos.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Apresentação Aspectos Fisiológicos da Cultura da Soja
Apresentação   Aspectos Fisiológicos da Cultura da SojaApresentação   Aspectos Fisiológicos da Cultura da Soja
Apresentação Aspectos Fisiológicos da Cultura da Soja
Gustavo Avila
 
Manejo de plantas daninhas na cultura do mamoeiro
Manejo de plantas daninhas na cultura do mamoeiroManejo de plantas daninhas na cultura do mamoeiro
Manejo de plantas daninhas na cultura do mamoeiro
Ítalo Arrais
 
Fenologia e Fisiologia da soja
Fenologia e Fisiologia da sojaFenologia e Fisiologia da soja
Fenologia e Fisiologia da soja
Geagra UFG
 
Tecnologia e Produção de Sementes Forrageiras no Brasil
Tecnologia e Produção de Sementes Forrageiras no BrasilTecnologia e Produção de Sementes Forrageiras no Brasil
Tecnologia e Produção de Sementes Forrageiras no Brasil
Alice Melo Candido
 
Palestra de fertiirrigação do cafeiro adolfo moura - fenicafé 2015
Palestra de fertiirrigação do cafeiro   adolfo moura  - fenicafé 2015Palestra de fertiirrigação do cafeiro   adolfo moura  - fenicafé 2015
Palestra de fertiirrigação do cafeiro adolfo moura - fenicafé 2015
Revista Cafeicultura
 
Cultura do Feijão Caupi e Cultura do Milho
Cultura do Feijão Caupi e Cultura do MilhoCultura do Feijão Caupi e Cultura do Milho
Cultura do Feijão Caupi e Cultura do Milho
Ítalo Arrais
 
Apresentação abacaxi
Apresentação abacaxiApresentação abacaxi
Apresentação abacaxi
Geraldo Henrique
 
Alface (Lactuca sativa)
Alface (Lactuca sativa)Alface (Lactuca sativa)
Alface (Lactuca sativa)
éltoon yagami
 
Cultivo de bananeiras notas de aula.
Cultivo de bananeiras   notas de aula. Cultivo de bananeiras   notas de aula.
Cultivo de bananeiras notas de aula.
CETEP, FTC, FASA..
 
Origem e importância econômica e classificação botânica do Feijão
Origem e importância econômica e classificação botânica do FeijãoOrigem e importância econômica e classificação botânica do Feijão
Origem e importância econômica e classificação botânica do Feijão
Killer Max
 
Produção de Mandioca
Produção de MandiocaProdução de Mandioca
Produção de Mandioca
Ítalo Arrais
 
Fenologia e fisiologia da cultura da soja
Fenologia e fisiologia da cultura da soja Fenologia e fisiologia da cultura da soja
Fenologia e fisiologia da cultura da soja
Geagra UFG
 
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJAMORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
Geagra UFG
 
INTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃO
INTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃOINTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃO
INTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃO
Geagra UFG
 
Panorama da fruticultura brasileira
Panorama da fruticultura brasileiraPanorama da fruticultura brasileira
Panorama da fruticultura brasileira
Barreiras Comerciais
 
Nutrição mineral e adubação do milho
Nutrição mineral e adubação do milhoNutrição mineral e adubação do milho
Nutrição mineral e adubação do milho
Geagra UFG
 
Apresentação Culturas Anuais Caxias - MA, MILHO, ARROZ, FEIJÃO E MANDIOCA
Apresentação Culturas Anuais Caxias - MA, MILHO, ARROZ, FEIJÃO E MANDIOCAApresentação Culturas Anuais Caxias - MA, MILHO, ARROZ, FEIJÃO E MANDIOCA
Apresentação Culturas Anuais Caxias - MA, MILHO, ARROZ, FEIJÃO E MANDIOCA
Marcos Fontes
 
Introdução à cultura e aspectos econômicos do milho
Introdução à cultura e aspectos econômicos do milhoIntrodução à cultura e aspectos econômicos do milho
Introdução à cultura e aspectos econômicos do milho
Geagra UFG
 
A cultura da banana minicurso
A cultura da banana   minicursoA cultura da banana   minicurso
A cultura da banana minicurso
Ernane Nogueira Nunes
 
Cultura do arroz
Cultura do arrozCultura do arroz
Cultura do arroz
Killer Max
 

Mais procurados (20)

Apresentação Aspectos Fisiológicos da Cultura da Soja
Apresentação   Aspectos Fisiológicos da Cultura da SojaApresentação   Aspectos Fisiológicos da Cultura da Soja
Apresentação Aspectos Fisiológicos da Cultura da Soja
 
Manejo de plantas daninhas na cultura do mamoeiro
Manejo de plantas daninhas na cultura do mamoeiroManejo de plantas daninhas na cultura do mamoeiro
Manejo de plantas daninhas na cultura do mamoeiro
 
Fenologia e Fisiologia da soja
Fenologia e Fisiologia da sojaFenologia e Fisiologia da soja
Fenologia e Fisiologia da soja
 
Tecnologia e Produção de Sementes Forrageiras no Brasil
Tecnologia e Produção de Sementes Forrageiras no BrasilTecnologia e Produção de Sementes Forrageiras no Brasil
Tecnologia e Produção de Sementes Forrageiras no Brasil
 
Palestra de fertiirrigação do cafeiro adolfo moura - fenicafé 2015
Palestra de fertiirrigação do cafeiro   adolfo moura  - fenicafé 2015Palestra de fertiirrigação do cafeiro   adolfo moura  - fenicafé 2015
Palestra de fertiirrigação do cafeiro adolfo moura - fenicafé 2015
 
Cultura do Feijão Caupi e Cultura do Milho
Cultura do Feijão Caupi e Cultura do MilhoCultura do Feijão Caupi e Cultura do Milho
Cultura do Feijão Caupi e Cultura do Milho
 
Apresentação abacaxi
Apresentação abacaxiApresentação abacaxi
Apresentação abacaxi
 
Alface (Lactuca sativa)
Alface (Lactuca sativa)Alface (Lactuca sativa)
Alface (Lactuca sativa)
 
Cultivo de bananeiras notas de aula.
Cultivo de bananeiras   notas de aula. Cultivo de bananeiras   notas de aula.
Cultivo de bananeiras notas de aula.
 
Origem e importância econômica e classificação botânica do Feijão
Origem e importância econômica e classificação botânica do FeijãoOrigem e importância econômica e classificação botânica do Feijão
Origem e importância econômica e classificação botânica do Feijão
 
Produção de Mandioca
Produção de MandiocaProdução de Mandioca
Produção de Mandioca
 
Fenologia e fisiologia da cultura da soja
Fenologia e fisiologia da cultura da soja Fenologia e fisiologia da cultura da soja
Fenologia e fisiologia da cultura da soja
 
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJAMORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
 
INTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃO
INTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃOINTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃO
INTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃO
 
Panorama da fruticultura brasileira
Panorama da fruticultura brasileiraPanorama da fruticultura brasileira
Panorama da fruticultura brasileira
 
Nutrição mineral e adubação do milho
Nutrição mineral e adubação do milhoNutrição mineral e adubação do milho
Nutrição mineral e adubação do milho
 
Apresentação Culturas Anuais Caxias - MA, MILHO, ARROZ, FEIJÃO E MANDIOCA
Apresentação Culturas Anuais Caxias - MA, MILHO, ARROZ, FEIJÃO E MANDIOCAApresentação Culturas Anuais Caxias - MA, MILHO, ARROZ, FEIJÃO E MANDIOCA
Apresentação Culturas Anuais Caxias - MA, MILHO, ARROZ, FEIJÃO E MANDIOCA
 
Introdução à cultura e aspectos econômicos do milho
Introdução à cultura e aspectos econômicos do milhoIntrodução à cultura e aspectos econômicos do milho
Introdução à cultura e aspectos econômicos do milho
 
A cultura da banana minicurso
A cultura da banana   minicursoA cultura da banana   minicurso
A cultura da banana minicurso
 
Cultura do arroz
Cultura do arrozCultura do arroz
Cultura do arroz
 

Semelhante a Implantação de um pomar

Cultivo de mandioca macaxeira
Cultivo de mandioca macaxeiraCultivo de mandioca macaxeira
Cultivo de mandioca macaxeira
Josimar Oliveira
 
PLANTAS AMAZONICAS.ppt
PLANTAS AMAZONICAS.pptPLANTAS AMAZONICAS.ppt
PLANTAS AMAZONICAS.ppt
rickriordan
 
Cultivo de morangos
Cultivo de morangosCultivo de morangos
Cultivo de morangos
marcosrscrok
 
Green Simple Healthy Lifestyle Presentation_20231002_175546_0000.pdf
Green Simple Healthy Lifestyle Presentation_20231002_175546_0000.pdfGreen Simple Healthy Lifestyle Presentation_20231002_175546_0000.pdf
Green Simple Healthy Lifestyle Presentation_20231002_175546_0000.pdf
CarlosEvaristo5
 
Pimenta Capsicum
Pimenta CapsicumPimenta Capsicum
Pimenta Capsicum
Tayza Taveira
 
Slide-Couve.pptx
Slide-Couve.pptxSlide-Couve.pptx
Slide-Couve.pptx
IvanildoCalixto3
 
Limão tahiti
Limão tahitiLimão tahiti
Limão tahiti
Geraldomresende
 
Pimentão apresentação
Pimentão   apresentaçãoPimentão   apresentação
Pimentão apresentação
James Nascimento
 
Viveiricultura
Viveiricultura Viveiricultura
Viveiricultura
Amanda Letícia
 
Cultivo asteraceae julio
Cultivo asteraceae julioCultivo asteraceae julio
Cultivo asteraceae julio
Flavio Alves
 
Apresentação feijao paty e vinicius
Apresentação feijao   paty e viniciusApresentação feijao   paty e vinicius
Apresentação feijao paty e vinicius
Vinicius Vieira Cursino
 
AULA 1 Produção de mudas.ppt
AULA 1 Produção de mudas.pptAULA 1 Produção de mudas.ppt
AULA 1 Produção de mudas.ppt
UFV
 
Pessegueiro
PessegueiroPessegueiro
a cultura da Manga - cultura perene - fruta - técnico em Agropecuária: João A...
a cultura da Manga - cultura perene - fruta - técnico em Agropecuária: João A...a cultura da Manga - cultura perene - fruta - técnico em Agropecuária: João A...
a cultura da Manga - cultura perene - fruta - técnico em Agropecuária: João A...
João Antonio Pires
 
Cultura da Cenoura
Cultura da CenouraCultura da Cenoura
Cultura da Cenoura
Sabrina Nascimento
 
Apresentação plantas ornamentais.ppt
Apresentação plantas ornamentais.pptApresentação plantas ornamentais.ppt
Apresentação plantas ornamentais.ppt
gestrudes123
 
Cultura do tomate alexandre garcia santaella
Cultura do tomate   alexandre garcia santaellaCultura do tomate   alexandre garcia santaella
Cultura do tomate alexandre garcia santaella
Rodrigo Caetano
 
Cultivo do maxixe
Cultivo do maxixeCultivo do maxixe
Cultivo do maxixe
pauloweimann
 
TRATOS CULTURAIS DO DENDÊ - APRESENTAÇÃO VITÓRIA-1.pptx
TRATOS CULTURAIS DO DENDÊ - APRESENTAÇÃO VITÓRIA-1.pptxTRATOS CULTURAIS DO DENDÊ - APRESENTAÇÃO VITÓRIA-1.pptx
TRATOS CULTURAIS DO DENDÊ - APRESENTAÇÃO VITÓRIA-1.pptx
AntonioGonalves89
 
Manejo Sustentável e Nutrição Mineral do Nim Indiano
Manejo Sustentável e  Nutrição Mineral do Nim  IndianoManejo Sustentável e  Nutrição Mineral do Nim  Indiano
Manejo Sustentável e Nutrição Mineral do Nim Indiano
Marcio V. O. Motta
 

Semelhante a Implantação de um pomar (20)

Cultivo de mandioca macaxeira
Cultivo de mandioca macaxeiraCultivo de mandioca macaxeira
Cultivo de mandioca macaxeira
 
PLANTAS AMAZONICAS.ppt
PLANTAS AMAZONICAS.pptPLANTAS AMAZONICAS.ppt
PLANTAS AMAZONICAS.ppt
 
Cultivo de morangos
Cultivo de morangosCultivo de morangos
Cultivo de morangos
 
Green Simple Healthy Lifestyle Presentation_20231002_175546_0000.pdf
Green Simple Healthy Lifestyle Presentation_20231002_175546_0000.pdfGreen Simple Healthy Lifestyle Presentation_20231002_175546_0000.pdf
Green Simple Healthy Lifestyle Presentation_20231002_175546_0000.pdf
 
Pimenta Capsicum
Pimenta CapsicumPimenta Capsicum
Pimenta Capsicum
 
Slide-Couve.pptx
Slide-Couve.pptxSlide-Couve.pptx
Slide-Couve.pptx
 
Limão tahiti
Limão tahitiLimão tahiti
Limão tahiti
 
Pimentão apresentação
Pimentão   apresentaçãoPimentão   apresentação
Pimentão apresentação
 
Viveiricultura
Viveiricultura Viveiricultura
Viveiricultura
 
Cultivo asteraceae julio
Cultivo asteraceae julioCultivo asteraceae julio
Cultivo asteraceae julio
 
Apresentação feijao paty e vinicius
Apresentação feijao   paty e viniciusApresentação feijao   paty e vinicius
Apresentação feijao paty e vinicius
 
AULA 1 Produção de mudas.ppt
AULA 1 Produção de mudas.pptAULA 1 Produção de mudas.ppt
AULA 1 Produção de mudas.ppt
 
Pessegueiro
PessegueiroPessegueiro
Pessegueiro
 
a cultura da Manga - cultura perene - fruta - técnico em Agropecuária: João A...
a cultura da Manga - cultura perene - fruta - técnico em Agropecuária: João A...a cultura da Manga - cultura perene - fruta - técnico em Agropecuária: João A...
a cultura da Manga - cultura perene - fruta - técnico em Agropecuária: João A...
 
Cultura da Cenoura
Cultura da CenouraCultura da Cenoura
Cultura da Cenoura
 
Apresentação plantas ornamentais.ppt
Apresentação plantas ornamentais.pptApresentação plantas ornamentais.ppt
Apresentação plantas ornamentais.ppt
 
Cultura do tomate alexandre garcia santaella
Cultura do tomate   alexandre garcia santaellaCultura do tomate   alexandre garcia santaella
Cultura do tomate alexandre garcia santaella
 
Cultivo do maxixe
Cultivo do maxixeCultivo do maxixe
Cultivo do maxixe
 
TRATOS CULTURAIS DO DENDÊ - APRESENTAÇÃO VITÓRIA-1.pptx
TRATOS CULTURAIS DO DENDÊ - APRESENTAÇÃO VITÓRIA-1.pptxTRATOS CULTURAIS DO DENDÊ - APRESENTAÇÃO VITÓRIA-1.pptx
TRATOS CULTURAIS DO DENDÊ - APRESENTAÇÃO VITÓRIA-1.pptx
 
Manejo Sustentável e Nutrição Mineral do Nim Indiano
Manejo Sustentável e  Nutrição Mineral do Nim  IndianoManejo Sustentável e  Nutrição Mineral do Nim  Indiano
Manejo Sustentável e Nutrição Mineral do Nim Indiano
 

Mais de Sabrina Nascimento

MorfologiaVegetal.ppt
MorfologiaVegetal.pptMorfologiaVegetal.ppt
MorfologiaVegetal.ppt
Sabrina Nascimento
 
Máquinas de aplicação de corretivos e adubos
Máquinas de aplicação de corretivos e adubosMáquinas de aplicação de corretivos e adubos
Máquinas de aplicação de corretivos e adubos
Sabrina Nascimento
 
Jardim Contemporâneo
Jardim ContemporâneoJardim Contemporâneo
Jardim Contemporâneo
Sabrina Nascimento
 
Métodos de determinação da erodibilidade do solo
Métodos de determinação da erodibilidade do soloMétodos de determinação da erodibilidade do solo
Métodos de determinação da erodibilidade do solo
Sabrina Nascimento
 
Industrialização da carne (Produtos cozidos, enlatado e fermentados)
Industrialização da carne (Produtos cozidos, enlatado e fermentados)Industrialização da carne (Produtos cozidos, enlatado e fermentados)
Industrialização da carne (Produtos cozidos, enlatado e fermentados)
Sabrina Nascimento
 
Produção de Rosas
Produção de RosasProdução de Rosas
Produção de Rosas
Sabrina Nascimento
 
Aplicação de Biossólidos
Aplicação de BiossólidosAplicação de Biossólidos
Aplicação de Biossólidos
Sabrina Nascimento
 
Reserva mineral do solo
Reserva mineral do soloReserva mineral do solo
Reserva mineral do solo
Sabrina Nascimento
 
Erodibilidade do solo
Erodibilidade do soloErodibilidade do solo
Erodibilidade do solo
Sabrina Nascimento
 

Mais de Sabrina Nascimento (9)

MorfologiaVegetal.ppt
MorfologiaVegetal.pptMorfologiaVegetal.ppt
MorfologiaVegetal.ppt
 
Máquinas de aplicação de corretivos e adubos
Máquinas de aplicação de corretivos e adubosMáquinas de aplicação de corretivos e adubos
Máquinas de aplicação de corretivos e adubos
 
Jardim Contemporâneo
Jardim ContemporâneoJardim Contemporâneo
Jardim Contemporâneo
 
Métodos de determinação da erodibilidade do solo
Métodos de determinação da erodibilidade do soloMétodos de determinação da erodibilidade do solo
Métodos de determinação da erodibilidade do solo
 
Industrialização da carne (Produtos cozidos, enlatado e fermentados)
Industrialização da carne (Produtos cozidos, enlatado e fermentados)Industrialização da carne (Produtos cozidos, enlatado e fermentados)
Industrialização da carne (Produtos cozidos, enlatado e fermentados)
 
Produção de Rosas
Produção de RosasProdução de Rosas
Produção de Rosas
 
Aplicação de Biossólidos
Aplicação de BiossólidosAplicação de Biossólidos
Aplicação de Biossólidos
 
Reserva mineral do solo
Reserva mineral do soloReserva mineral do solo
Reserva mineral do solo
 
Erodibilidade do solo
Erodibilidade do soloErodibilidade do solo
Erodibilidade do solo
 

Último

EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
deboracorrea21
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
Sandra Pratas
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
SupervisoEMAC
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 

Último (20)

EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 

Implantação de um pomar

  • 1. IMPLANTAÇÃO DE UM POMAR (LIMÃO) 2016
  • 2.  PRODUÇÃO DE MUDAS  Porta enxertos mais recomendados Rugoso’ e o ‘Cravo’  Para a produção de mudas certificadas, as borbulhas devem ser obtidas de plantas matrizes ou de borbulheiras registradas, cultivadas em ambiente protegido e inspecionadas, periodicamente, com relação a mutações e à sanidade, principalmente clorose variegada dos citros, cancro cítrico, tristeza e outras viroses  A enxertia é feita a 25-30 cm de altura, possuir três a quatros ramos (galhos) a 60 cm do solo e raízes desenvolvidas, sem estarem enoveladas.  O indicado é sempre procurar adquirir mudas produzidas sob telado de viveiros certificados.
  • 3.  PREPARO DA ÁREA • Roçagem • Destoca • Enleiramento do mato • Aração • Gradagens  SISTEMA DE PLANTIO  Linhas retas  Em nível
  • 6.  ESPAÇAMENTO A escolha do espaçamento é influenciada pelo tipo de solo (fertilidade e textura), pelo porta-enxerto, pelo clima e pelos tratos que se pretende dar ao pomar. • Na região Nordeste do Brasil, em geral, adotam-se as distâncias de : 7,0m x 6,0m – 238 plantas/há • ou de 7,0m x 5,0m – 285 plantas/ha.  Preparo das covas • As covas podem ser abertas à mão ou com implementos; • Devem ter dimensões: 40 cm x 40 cm x 40 cm a 60 cm x 60 cm x 60 cm; • Na abertura separar a terra dos primeiros 15-20 cm de altura; Uma boa opção é o uso de leguminosas (feijão ‘carioca’, feijão-de-porco, leucena, crotalaria e soja), pelo fato de essas plantas fixarem nitrogênio atmosférico, contribuindo para a redução dos adubos nitrogenados, normalmente fornecidos via solo, ou outras culturas, como abacaxi, amendoim, batata-doce, mandioca e milho. Cada cova deve receber 20 litros de esterco de curral, 250 g de calcário dolomítico, 300 g de superfosfato simples e 50 g de micronutrientes (FTE ou Fritas).
  • 10.  PLANTIO • Deve -se usar régua de plantio para bom alinhamento. Ajusta-se a muda na cova de modo que o colo da planta fique ligeiramente acima do nível do solo e os espaçamentos entre raízes cheios com terra. Após plantio fazer uma "bacia" com distância de 50 cm do tronco e, a seguir, regar com abundância sem encharcar e cobrir solo com capim seco (sem sementes) ou com palha. • Deve-se evitar o plantio nos dias de muito sol; • deixar o colo da muda em torno de 5 cm acima do nível do solo; • Fazer uma bacia em torno da muda e rega-se com 10 a 20 litros de água;
  • 12.  ADUBAÇÃO Dos dezessete elementos considerados essenciais na cultura do limão, apenas oito devem ser motivos de preocupação do produtor: nitrogênio, fósforo e potássio, que são fornecidos por adubações químicas via solo, em doses parceladas na época das chuvas; cálcio e magnésio, que são fornecido a planta através das calagens realizadas no pomar; e, finalmente, os micronutrientes boro, zinco e manganês, fornecidos através de adubações foliares realizadas no decorrer do ano.  Adubação de formação (até primeira produção)  A adubação de formação deve ser realizada nos primeiros 3 anos de idade.  Do plantio até o 1° ano, recomenda-se aplicar os fertilizantes ao redor da coroa, em toda a volta da planta, num raio de aproximadamente 0,5 m
  • 14.  ADUBAÇÃO DE PRODUÇÃO  Deve ser realizada quando as plantas estiverem em plena época de produção. Nesse período, a adubação visa a atender às exigências nutricionais, tanto para a manutenção da planta como para a exportação de nutrientes para os frutos. • Idade das plantas • Tipo de solo • Índice pluviométrico • Produção esperada.
  • 15.  As folhas coletadas para a amostra devem:  Ter idade entre 6-7 meses, apresentar tamanho médio e estarem livres de pragas e doenças;  Ser coletadas nos horários mais frescos do dia;  Ser coletadas ao redor da planta, na parte mediana da copa;  Ser coletadas de ramos frutíferos da brotação mais nova, na 3° ou 4° folha a partir do fruto, ou de ramos novos que não contenham fruto;  Ser condicionadas em sacos de papel ou plástico e, se as folhas não forem levadas no mesmo dia para o laboratório de análise foliar, armazenar em geladeira até o dia seguinte;  ADUBAÇÃO FOLIAR
  • 17.  ADUBAÇÃO ORGÂNICA  A adubação orgânica traz inúmeros benefícios em propriedades químicas, físicas e biológicas ao solo, além de fornecer nutrientes essenciais para a cultura, principalmente o nitrogênio. Essa prática melhora a retenção de umidade e a aeração do solo.
  • 18. DEFICIÊNCIA DE NITROGÊNIO= As folhas com sintomas apresentam coloração verde-clara e verde-amarelada. Em casos extremos de deficiência, ocorre diminuição ou até paralisação do crescimento das plantas.
  • 19. EXCESSO DE NITROGÊNIO= Sintomas de excesso de nitrogênio são refletidos na planta por aumento exagerado do tamanho das folhas com coloração verde-escura (Fig. 2), folhas com tecidos mais flácidos ou suculentos, frutos menores, com casca grossa, portanto de baixo valor comercial
  • 20. DEFICIÊNCIA DE FÓSFORO= A falta acentuada de fósforo causa perda do brilho com bronzeamento da folhagem, redução do tamanho das folhas com seca nas extremidades e Bordas. E os frutos, em número reduzido, apresentam casca com espessura aumentada e miolo ou columela oca (Fig. 3)
  • 21. DEFICIÊNCIA DE POTÁSSIO=As folhas das extremidades dos ramos são reduzidas, verde- amarelas, com a lâmina foliar ondulada e as extremidades encurvadas. Os frutos são pequenos e apresentam casca fina.
  • 22. DEFICIÊNCIA DE CÁLCIO=Os sintomas de deficiência aparecem nas folhas maduras com clorose inicial ao longo das margens, atingindo gradualmente as áreas internervais, com necrose das áreas afetadas.
  • 23. DEFICIÊNCIA DE MAGNÉSIO=Os sintomas de deficiência de magnésio se manifestam nas folhas maduras, através de áreas cloróticas internervais ao longo da nervura principal. Em estágios avançados, toda a folha pode se tornar clorótica, permanecendo verde uma pequena área próxima ao pecíolo (Fig. 6).
  • 24. DEFICIÊNCIA DE BORO=Em plantas com deficiência de boro, nas folhas novas aparecem áreas aquosas que se tornam translúcidas com o amadurecimento. Há encarquilhamento das folhas maduras, pontuações amarelas nas folhas mais novas, morte da gema terminal e ausência de flores. Frutos de tamanho reduzido, duros, com albedo espesso.
  • 25. DEFICIÊNCIA DE MANGANÊS= Os sintomas de deficiência de manganês ocorrem nas folhas novas, cujo tamanho praticamente permanece normal, com a perda de brilho e clorose entre as nervuras que permanecem verdes.
  • 26. DEFICIÊNCIA DE ZINCO= Nas plantas com sintomas de carência de zinco, as folhas novas são pequenas, alongadas, pontiagudas e eretas, com clorose internerval, com abundante formação de ramos finos com entrenós curtos e morte prematura desses ramos.