SlideShare uma empresa Scribd logo
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO 
SERVIÇO PÚBLICO 
FEDERAL 
CULTURA DO 
FEIJOEIRO 
Prof. Laerton 
laerton.leite@bol.com.br
Cultura do Feijoeiro 
•Origem 
•Importância Econômica 
•Situação atual do feijoeiro 
•Classificação Botânica 
•Origem e Evolução
Origem e Evolução 
Diversas hipóteses tentam explicar a origem e 
domesticação do feijoeiro; 
• 1ª - O feijoeiro teria sido domesticado na 
Mesoamérica e transportado para a América do Sul 
(tipos selvagens encontradas México); 
• 2ª - O feijoeiro teria sido domesticado na 
América do Sul e transportado para a América do Norte 
(Achados arqueológicos de feijões domesticados no 
Peru são mais antigos do que os da Mesoamérica); 
• 3ª - O feijoeiro teria sofrido domesticações 
independentes ao longo da área de ocorrência do feijão 
selvagem (Peru e México)
Origem e Evolução 
Dados mais recentes, com base em padrões 
eletroforéticos de faseolina (proteína de reserva 
do feijão), tem sustentado a 3ª hipótese – 
existência de 2 centros primários de 
domesticação; 
INTRODUÇÃO DO FEIJOEIRO NO BRASIL ?
Europa 
Feijões 
pqn. 
Feijões 
grande 
s
Estudos baseados em variações de características morfológicas levaram a 
propor 2 conjuntos gênicos primários, e posteriormente, em 6 raças
Importância Econômica 
• Constitui um dos alimentos básicos da população 
brasileira. 
• Leguminosa rica em proteínas (entre 22 a 25%). 
• No Brasil, o consumo atual de feijão é de 16 
kg/habitante/ano (EMBRAPA, 2013), existindo 
preferências de cor, tipo de grão e qualidade culinária 
em algumas regiões do País. 
• A cultura do feijão vem enfrentando altos e baixos nos 
últimos anos.
Importância Econômica 
• A instabilidade dos preços, a baixa liquidez, os 
estoques do produto e os problemas climáticos, 
fizeram os produtores migrar parte da lavoura para 
outros cultivos. 
• No cultivo de feijão 1ª safra, parte da lavoura perdeu 
área para o Milho e a Soja.
Situação Atual 
• O Brasil é o primeiro produtor mundial de feijoeiros do 
gênero Phaseolus e o primeiro na espécie Phaseolus 
vulgaris L. 
• Apesar da grande importância do feijão para o Brasil, o 
seu rendimento médio é muito baixo, se comparado a 
outros países produtores, como os Estados Unidos que 
a média chega mais de 1800 kg/ha. 
• Segundo a CONAB (2014), a produtividade média 
nacional na três safras foi de 1061 kg/ha (2013/14), 
superior a de 2012/13, que foi de 913 kg/ha.
Panorama Mundial – média de 2002 a 2006 (Embrapa, 
2008) 
Países Produção (milhões t) Produtividade (kg ha-1) 
Brasil 3.158(3.767,5 2010/11) 791 (941kg/ha 2010/11) 
Índia 3.070 375 
China 1.902 1.506 
Myanmar 1.595 935 
México 1.340 789 
EUA 1.096 1.825 
Uganda 483 602 
Indonésia 322 1.009
PRINCIPAIS FATORES RESPONSÁVEIS 
PELO BAIXO RENDIMENTO MÉDIO NO 
BRASIL 
• É uma planta muito atacada por uma infinidade de 
doenças e pragas; 
• O feijão é uma cultura sensível a qualquer oscilação 
climática, por isso apresenta um elevado risco climático 
em cultivá-lo. 
• Predominância de culturas consorciadas, onde 70 - 80% 
são plantados em consórcio, e em boa parte não são 
utilizados corretivos e fertilizantes, o que explica 
também a baixa produção, devido ser uma planta 
dominada pela outra que está sendo consorciada;
PRINCIPAIS FATORES RESPONSÁVEIS 
PELO BAIXO RENDIMENTO MÉDIO NO 
BRASIL 
• Uso de variedades pouco produtivas e uso de 
sementes com baixo poder germinativo; 
• Baixo investimento em pesquisa; 
• Os pequenos produtores são responsáveis por 
80% a 90% da produção nacional; utilizam pouca 
técnica em uma área de 4,0 milhões de hectares. 
Safra: 2011/2012).
Classificação Botânica 
• A cultura do feijão é uma planta herbácea, 
anual, trepadeira ou não. 
• Classe Dicotiledonae, 
• Família das Leguminosas 
• Gênero Phaseolus
Classificação Botânica 
A planta do feijão é classificada em várias espécies 
cultivadas como: 
a) Phaseolus vulgaris L. ( feijão comum), 
b) Phaseolus lunatus ( feijão fava ), 
c) Vigna radiata ( feijão mungo ) 
d) Vigna unguiculata { feijão caupi, macassar ou 
fradinho (feijão-de-corda) } 
e) Vigna angulares ( feijão adzulki ).
Panorama Nacional 
Os dois gêneros de feijões cultivados no 
Brasil são: 
•Phaseolus vulgaris - mais cultivado na 
região Centro Sul (carioca e preto); 
•Vigna unguiculata - na região 
Norte/Nordeste (macassar/caupi).
Participação percentual das safras de feijoeiro(*) 
Brasil - 2007 
Fonte: IBGE - Levantamento Sistemático da Produção Agrícola. 
(Elaborado p/ SILVA, O. F. da) 
(*) Inclui Vigna
Preferência de consumo 
Gênero Phaseolus 
•Phaseolus vulgaris (80%) 
Gênero Vigna 
•Vigna unguiculata (20%)
feijão-caupi, feijão-de-corda ou feijão-macassar (Vigna unguiculata (L.) Walp.)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A cultura do Milho
A cultura do MilhoA cultura do Milho
A cultura do MilhoKiller Max
 
INTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃO.pptx
INTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃO.pptxINTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃO.pptx
INTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃO.pptxGeagra UFG
 
Cultura de feijão biotecnologia
Cultura de feijão biotecnologia Cultura de feijão biotecnologia
Cultura de feijão biotecnologia UNIVAG
 
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DO FEIJOEIRO
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DO FEIJOEIROFENOLOGIA E FISIOLOGIA DO FEIJOEIRO
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DO FEIJOEIROGeagra UFG
 
Plantas daninhas e seu controle
Plantas daninhas e seu controlePlantas daninhas e seu controle
Plantas daninhas e seu controleGeagra UFG
 
Fenologia e Fisiologia do Girassol
Fenologia e Fisiologia do GirassolFenologia e Fisiologia do Girassol
Fenologia e Fisiologia do GirassolGeagra UFG
 
Fenologia da soja, milho e algodão
Fenologia da soja, milho e algodãoFenologia da soja, milho e algodão
Fenologia da soja, milho e algodãoGeagra UFG
 
Correção do solo e adubação da soja
Correção do solo e adubação da soja Correção do solo e adubação da soja
Correção do solo e adubação da soja Geagra UFG
 
Adubação verde GOMES RP
Adubação verde GOMES RPAdubação verde GOMES RP
Adubação verde GOMES RPRomario Gomes
 
MORFOLOGIA E FISIOLOGIA DO ALGODOEIRO
MORFOLOGIA E FISIOLOGIA DO ALGODOEIROMORFOLOGIA E FISIOLOGIA DO ALGODOEIRO
MORFOLOGIA E FISIOLOGIA DO ALGODOEIROGeagra UFG
 
Fenologia e fisiologia da cultura da soja
Fenologia e fisiologia da cultura da soja Fenologia e fisiologia da cultura da soja
Fenologia e fisiologia da cultura da soja Geagra UFG
 
Normas de Produção de Sementes
Normas de Produção de SementesNormas de Produção de Sementes
Normas de Produção de SementesAz. O.
 
Preparo do Solo e Plantio do Milho
Preparo do Solo e Plantio do MilhoPreparo do Solo e Plantio do Milho
Preparo do Solo e Plantio do MilhoGeagra UFG
 
Cultura do Amendoim
Cultura do AmendoimCultura do Amendoim
Cultura do AmendoimKiller Max
 
Cultivo do tomate orgânico (Olericultura)
Cultivo do tomate orgânico (Olericultura)Cultivo do tomate orgânico (Olericultura)
Cultivo do tomate orgânico (Olericultura)Ariana Francielle
 
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORESREGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORESGeagra UFG
 
Fiscalização em campo de produção de sementes
Fiscalização em campo de produção de sementesFiscalização em campo de produção de sementes
Fiscalização em campo de produção de sementesGeraldo Henrique
 
Cultura do arroz
Cultura do arrozCultura do arroz
Cultura do arrozKiller Max
 

Mais procurados (20)

A cultura do Milho
A cultura do MilhoA cultura do Milho
A cultura do Milho
 
INTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃO.pptx
INTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃO.pptxINTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃO.pptx
INTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃO.pptx
 
Cultura de feijão biotecnologia
Cultura de feijão biotecnologia Cultura de feijão biotecnologia
Cultura de feijão biotecnologia
 
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DO FEIJOEIRO
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DO FEIJOEIROFENOLOGIA E FISIOLOGIA DO FEIJOEIRO
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DO FEIJOEIRO
 
Plantas daninhas e seu controle
Plantas daninhas e seu controlePlantas daninhas e seu controle
Plantas daninhas e seu controle
 
Fenologia e Fisiologia do Girassol
Fenologia e Fisiologia do GirassolFenologia e Fisiologia do Girassol
Fenologia e Fisiologia do Girassol
 
Fenologia da soja, milho e algodão
Fenologia da soja, milho e algodãoFenologia da soja, milho e algodão
Fenologia da soja, milho e algodão
 
Correção do solo e adubação da soja
Correção do solo e adubação da soja Correção do solo e adubação da soja
Correção do solo e adubação da soja
 
Adubação verde GOMES RP
Adubação verde GOMES RPAdubação verde GOMES RP
Adubação verde GOMES RP
 
MORFOLOGIA E FISIOLOGIA DO ALGODOEIRO
MORFOLOGIA E FISIOLOGIA DO ALGODOEIROMORFOLOGIA E FISIOLOGIA DO ALGODOEIRO
MORFOLOGIA E FISIOLOGIA DO ALGODOEIRO
 
Fenologia e fisiologia da cultura da soja
Fenologia e fisiologia da cultura da soja Fenologia e fisiologia da cultura da soja
Fenologia e fisiologia da cultura da soja
 
Cultura da Soja
Cultura da SojaCultura da Soja
Cultura da Soja
 
Normas de Produção de Sementes
Normas de Produção de SementesNormas de Produção de Sementes
Normas de Produção de Sementes
 
Preparo do Solo e Plantio do Milho
Preparo do Solo e Plantio do MilhoPreparo do Solo e Plantio do Milho
Preparo do Solo e Plantio do Milho
 
Manejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhasManejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhas
 
Cultura do Amendoim
Cultura do AmendoimCultura do Amendoim
Cultura do Amendoim
 
Cultivo do tomate orgânico (Olericultura)
Cultivo do tomate orgânico (Olericultura)Cultivo do tomate orgânico (Olericultura)
Cultivo do tomate orgânico (Olericultura)
 
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORESREGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES
 
Fiscalização em campo de produção de sementes
Fiscalização em campo de produção de sementesFiscalização em campo de produção de sementes
Fiscalização em campo de produção de sementes
 
Cultura do arroz
Cultura do arrozCultura do arroz
Cultura do arroz
 

Semelhante a Origem e importância econômica e classificação botânica do Feijão

AULA CULTURA DO ARROZ 2º ANO (1)-1.pptx
AULA CULTURA DO ARROZ 2º ANO (1)-1.pptxAULA CULTURA DO ARROZ 2º ANO (1)-1.pptx
AULA CULTURA DO ARROZ 2º ANO (1)-1.pptxDaiaraMendes
 
Como cultivar mirtilo
Como cultivar mirtiloComo cultivar mirtilo
Como cultivar mirtiloPedro Sampaio
 
apostila texto agronegocio soja 2011
  apostila texto  agronegocio soja 2011  apostila texto  agronegocio soja 2011
apostila texto agronegocio soja 2011Jullyane12
 
Importância da manutenção de variabilidade genética para os produtores rurais
Importância da manutenção de variabilidade genética para os produtores ruraisImportância da manutenção de variabilidade genética para os produtores rurais
Importância da manutenção de variabilidade genética para os produtores ruraisRural Pecuária
 
Origem, evolução e domesticação das plantas aula 2
Origem, evolução e domesticação das plantas aula 2Origem, evolução e domesticação das plantas aula 2
Origem, evolução e domesticação das plantas aula 2UERGS
 
Ipni + prod soja 16 143
Ipni + prod soja  16 143Ipni + prod soja  16 143
Ipni + prod soja 16 143Cézar Guerra
 
Fundamentos SituaçãO Atual E Perspectiva Da Soja
Fundamentos SituaçãO Atual E Perspectiva Da SojaFundamentos SituaçãO Atual E Perspectiva Da Soja
Fundamentos SituaçãO Atual E Perspectiva Da SojaGustavo Avila
 
Apostila produção de bovinos
Apostila   produção de bovinosApostila   produção de bovinos
Apostila produção de bovinosCutrim Junior
 
Sorgo: Comercialização e Logística
Sorgo:  Comercialização e LogísticaSorgo:  Comercialização e Logística
Sorgo: Comercialização e LogísticaGeagra UFG
 
Poaceae Sistemática Vegetal
Poaceae Sistemática Vegetal Poaceae Sistemática Vegetal
Poaceae Sistemática Vegetal Giovanna Martins
 
Cana - de - Açucar
Cana - de - AçucarCana - de - Açucar
Cana - de - Açucarwenderson24
 

Semelhante a Origem e importância econômica e classificação botânica do Feijão (20)

A cultura do_feij_o
A cultura do_feij_oA cultura do_feij_o
A cultura do_feij_o
 
O Milho Crioulo
O Milho CriouloO Milho Crioulo
O Milho Crioulo
 
AULA CULTURA DO ARROZ 2º ANO (1)-1.pptx
AULA CULTURA DO ARROZ 2º ANO (1)-1.pptxAULA CULTURA DO ARROZ 2º ANO (1)-1.pptx
AULA CULTURA DO ARROZ 2º ANO (1)-1.pptx
 
Como cultivar mirtilo
Como cultivar mirtiloComo cultivar mirtilo
Como cultivar mirtilo
 
apostila texto agronegocio soja 2011
  apostila texto  agronegocio soja 2011  apostila texto  agronegocio soja 2011
apostila texto agronegocio soja 2011
 
Trabalhos científicos
Trabalhos científicosTrabalhos científicos
Trabalhos científicos
 
Importância da manutenção de variabilidade genética para os produtores rurais
Importância da manutenção de variabilidade genética para os produtores ruraisImportância da manutenção de variabilidade genética para os produtores rurais
Importância da manutenção de variabilidade genética para os produtores rurais
 
Origem, evolução e domesticação das plantas aula 2
Origem, evolução e domesticação das plantas aula 2Origem, evolução e domesticação das plantas aula 2
Origem, evolução e domesticação das plantas aula 2
 
Ipni + prod soja 16 143
Ipni + prod soja  16 143Ipni + prod soja  16 143
Ipni + prod soja 16 143
 
Resumo arroz
Resumo arrozResumo arroz
Resumo arroz
 
Aula batata-doce
Aula batata-doceAula batata-doce
Aula batata-doce
 
Fundamentos SituaçãO Atual E Perspectiva Da Soja
Fundamentos SituaçãO Atual E Perspectiva Da SojaFundamentos SituaçãO Atual E Perspectiva Da Soja
Fundamentos SituaçãO Atual E Perspectiva Da Soja
 
Soja
SojaSoja
Soja
 
Apostila produção de bovinos
Apostila   produção de bovinosApostila   produção de bovinos
Apostila produção de bovinos
 
Sorgo: Comercialização e Logística
Sorgo:  Comercialização e LogísticaSorgo:  Comercialização e Logística
Sorgo: Comercialização e Logística
 
Importancia Sementes
Importancia SementesImportancia Sementes
Importancia Sementes
 
Poaceae Sistemática Vegetal
Poaceae Sistemática Vegetal Poaceae Sistemática Vegetal
Poaceae Sistemática Vegetal
 
Cana - de - Açucar
Cana - de - AçucarCana - de - Açucar
Cana - de - Açucar
 
CULTURA DO TRIGO.pptx
CULTURA DO TRIGO.pptxCULTURA DO TRIGO.pptx
CULTURA DO TRIGO.pptx
 
Proooontoooo
ProooontooooProooontoooo
Proooontoooo
 

Mais de Killer Max

Canola, uma cultura promissora
Canola, uma cultura promissoraCanola, uma cultura promissora
Canola, uma cultura promissoraKiller Max
 
Introdução à técnicas experimentais
Introdução à técnicas experimentaisIntrodução à técnicas experimentais
Introdução à técnicas experimentaisKiller Max
 
Manejo reprodutivo de bovinos
Manejo reprodutivo de bovinosManejo reprodutivo de bovinos
Manejo reprodutivo de bovinosKiller Max
 
Vacinação aftosa e brucelose
Vacinação aftosa e bruceloseVacinação aftosa e brucelose
Vacinação aftosa e bruceloseKiller Max
 
A cultura do mamão (carica papaya L.)
A cultura do mamão (carica papaya L.)A cultura do mamão (carica papaya L.)
A cultura do mamão (carica papaya L.)Killer Max
 
Irrigação de pastagem: atualidade e recomendações para uso e manejo
Irrigação de pastagem: atualidade e recomendações para uso e manejoIrrigação de pastagem: atualidade e recomendações para uso e manejo
Irrigação de pastagem: atualidade e recomendações para uso e manejoKiller Max
 
Moscas das-frutas
Moscas das-frutasMoscas das-frutas
Moscas das-frutasKiller Max
 
Defesa de Estágio
Defesa de EstágioDefesa de Estágio
Defesa de EstágioKiller Max
 
Léxico Comum e Léxico Específico dentro da Olericultura
Léxico Comum e Léxico Específico dentro da OlericulturaLéxico Comum e Léxico Específico dentro da Olericultura
Léxico Comum e Léxico Específico dentro da OlericulturaKiller Max
 
Fruticultura Do Tocantins
Fruticultura Do TocantinsFruticultura Do Tocantins
Fruticultura Do TocantinsKiller Max
 
Projeto de Irrigação no Tocantins
Projeto de Irrigação no TocantinsProjeto de Irrigação no Tocantins
Projeto de Irrigação no TocantinsKiller Max
 
Força Eletromagnética
Força EletromagnéticaForça Eletromagnética
Força EletromagnéticaKiller Max
 
Raças de gado de leite
Raças de gado de leiteRaças de gado de leite
Raças de gado de leiteKiller Max
 
Guia de raças de bovinos
Guia de raças de bovinosGuia de raças de bovinos
Guia de raças de bovinosKiller Max
 
Manejo sanitário para caprinos e ovinos
Manejo sanitário para caprinos e ovinosManejo sanitário para caprinos e ovinos
Manejo sanitário para caprinos e ovinosKiller Max
 
Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos
Manejo reprodutivo de caprinos e ovinosManejo reprodutivo de caprinos e ovinos
Manejo reprodutivo de caprinos e ovinosKiller Max
 
Diferenças entre ovinos e caprinos
Diferenças entre ovinos e caprinosDiferenças entre ovinos e caprinos
Diferenças entre ovinos e caprinosKiller Max
 
Sistemas de criação para ovinos e caprinos
Sistemas de criação para ovinos e caprinosSistemas de criação para ovinos e caprinos
Sistemas de criação para ovinos e caprinosKiller Max
 
Raças Equinas
Raças EquinasRaças Equinas
Raças EquinasKiller Max
 

Mais de Killer Max (20)

Canola, uma cultura promissora
Canola, uma cultura promissoraCanola, uma cultura promissora
Canola, uma cultura promissora
 
Introdução à técnicas experimentais
Introdução à técnicas experimentaisIntrodução à técnicas experimentais
Introdução à técnicas experimentais
 
Manejo reprodutivo de bovinos
Manejo reprodutivo de bovinosManejo reprodutivo de bovinos
Manejo reprodutivo de bovinos
 
Vacinação aftosa e brucelose
Vacinação aftosa e bruceloseVacinação aftosa e brucelose
Vacinação aftosa e brucelose
 
A cultura do mamão (carica papaya L.)
A cultura do mamão (carica papaya L.)A cultura do mamão (carica papaya L.)
A cultura do mamão (carica papaya L.)
 
Irrigação de pastagem: atualidade e recomendações para uso e manejo
Irrigação de pastagem: atualidade e recomendações para uso e manejoIrrigação de pastagem: atualidade e recomendações para uso e manejo
Irrigação de pastagem: atualidade e recomendações para uso e manejo
 
Moscas das-frutas
Moscas das-frutasMoscas das-frutas
Moscas das-frutas
 
Defesa de Estágio
Defesa de EstágioDefesa de Estágio
Defesa de Estágio
 
Léxico Comum e Léxico Específico dentro da Olericultura
Léxico Comum e Léxico Específico dentro da OlericulturaLéxico Comum e Léxico Específico dentro da Olericultura
Léxico Comum e Léxico Específico dentro da Olericultura
 
Fruticultura Do Tocantins
Fruticultura Do TocantinsFruticultura Do Tocantins
Fruticultura Do Tocantins
 
Projeto de Irrigação no Tocantins
Projeto de Irrigação no TocantinsProjeto de Irrigação no Tocantins
Projeto de Irrigação no Tocantins
 
Força Eletromagnética
Força EletromagnéticaForça Eletromagnética
Força Eletromagnética
 
Raças de gado de leite
Raças de gado de leiteRaças de gado de leite
Raças de gado de leite
 
Guia de raças de bovinos
Guia de raças de bovinosGuia de raças de bovinos
Guia de raças de bovinos
 
Manejo sanitário para caprinos e ovinos
Manejo sanitário para caprinos e ovinosManejo sanitário para caprinos e ovinos
Manejo sanitário para caprinos e ovinos
 
Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos
Manejo reprodutivo de caprinos e ovinosManejo reprodutivo de caprinos e ovinos
Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos
 
Diferenças entre ovinos e caprinos
Diferenças entre ovinos e caprinosDiferenças entre ovinos e caprinos
Diferenças entre ovinos e caprinos
 
Sistemas de criação para ovinos e caprinos
Sistemas de criação para ovinos e caprinosSistemas de criação para ovinos e caprinos
Sistemas de criação para ovinos e caprinos
 
Democracia
DemocraciaDemocracia
Democracia
 
Raças Equinas
Raças EquinasRaças Equinas
Raças Equinas
 

Último

O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaCludiaRodrigues693635
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_AssisMemórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assisbrunocali007
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalcarlamgalves5
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaIlda Bicacro
 
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaaCarolineFrancielle
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteLeonel Morgado
 
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docxCONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docxEduardaMedeiros18
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorialNeuroppIsnayaLciaMar
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfssuserbb4ac2
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfssuser06ee57
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilMariaHelena293800
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Rosana Andrea Miranda
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxMartin M Flynn
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...Manuais Formação
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfPastor Robson Colaço
 
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdfedjailmax
 
O carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
O carteiro chegou - Janet & Allan AhlbergO carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
O carteiro chegou - Janet & Allan AhlbergBrenda Fritz
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"Ilda Bicacro
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
 
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_AssisMemórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
 
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docxCONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
 
O carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
O carteiro chegou - Janet & Allan AhlbergO carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
O carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 

Origem e importância econômica e classificação botânica do Feijão

  • 1. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CULTURA DO FEIJOEIRO Prof. Laerton laerton.leite@bol.com.br
  • 2. Cultura do Feijoeiro •Origem •Importância Econômica •Situação atual do feijoeiro •Classificação Botânica •Origem e Evolução
  • 3. Origem e Evolução Diversas hipóteses tentam explicar a origem e domesticação do feijoeiro; • 1ª - O feijoeiro teria sido domesticado na Mesoamérica e transportado para a América do Sul (tipos selvagens encontradas México); • 2ª - O feijoeiro teria sido domesticado na América do Sul e transportado para a América do Norte (Achados arqueológicos de feijões domesticados no Peru são mais antigos do que os da Mesoamérica); • 3ª - O feijoeiro teria sofrido domesticações independentes ao longo da área de ocorrência do feijão selvagem (Peru e México)
  • 4. Origem e Evolução Dados mais recentes, com base em padrões eletroforéticos de faseolina (proteína de reserva do feijão), tem sustentado a 3ª hipótese – existência de 2 centros primários de domesticação; INTRODUÇÃO DO FEIJOEIRO NO BRASIL ?
  • 5. Europa Feijões pqn. Feijões grande s
  • 6. Estudos baseados em variações de características morfológicas levaram a propor 2 conjuntos gênicos primários, e posteriormente, em 6 raças
  • 7. Importância Econômica • Constitui um dos alimentos básicos da população brasileira. • Leguminosa rica em proteínas (entre 22 a 25%). • No Brasil, o consumo atual de feijão é de 16 kg/habitante/ano (EMBRAPA, 2013), existindo preferências de cor, tipo de grão e qualidade culinária em algumas regiões do País. • A cultura do feijão vem enfrentando altos e baixos nos últimos anos.
  • 8.
  • 9.
  • 10. Importância Econômica • A instabilidade dos preços, a baixa liquidez, os estoques do produto e os problemas climáticos, fizeram os produtores migrar parte da lavoura para outros cultivos. • No cultivo de feijão 1ª safra, parte da lavoura perdeu área para o Milho e a Soja.
  • 11. Situação Atual • O Brasil é o primeiro produtor mundial de feijoeiros do gênero Phaseolus e o primeiro na espécie Phaseolus vulgaris L. • Apesar da grande importância do feijão para o Brasil, o seu rendimento médio é muito baixo, se comparado a outros países produtores, como os Estados Unidos que a média chega mais de 1800 kg/ha. • Segundo a CONAB (2014), a produtividade média nacional na três safras foi de 1061 kg/ha (2013/14), superior a de 2012/13, que foi de 913 kg/ha.
  • 12. Panorama Mundial – média de 2002 a 2006 (Embrapa, 2008) Países Produção (milhões t) Produtividade (kg ha-1) Brasil 3.158(3.767,5 2010/11) 791 (941kg/ha 2010/11) Índia 3.070 375 China 1.902 1.506 Myanmar 1.595 935 México 1.340 789 EUA 1.096 1.825 Uganda 483 602 Indonésia 322 1.009
  • 13. PRINCIPAIS FATORES RESPONSÁVEIS PELO BAIXO RENDIMENTO MÉDIO NO BRASIL • É uma planta muito atacada por uma infinidade de doenças e pragas; • O feijão é uma cultura sensível a qualquer oscilação climática, por isso apresenta um elevado risco climático em cultivá-lo. • Predominância de culturas consorciadas, onde 70 - 80% são plantados em consórcio, e em boa parte não são utilizados corretivos e fertilizantes, o que explica também a baixa produção, devido ser uma planta dominada pela outra que está sendo consorciada;
  • 14. PRINCIPAIS FATORES RESPONSÁVEIS PELO BAIXO RENDIMENTO MÉDIO NO BRASIL • Uso de variedades pouco produtivas e uso de sementes com baixo poder germinativo; • Baixo investimento em pesquisa; • Os pequenos produtores são responsáveis por 80% a 90% da produção nacional; utilizam pouca técnica em uma área de 4,0 milhões de hectares. Safra: 2011/2012).
  • 15. Classificação Botânica • A cultura do feijão é uma planta herbácea, anual, trepadeira ou não. • Classe Dicotiledonae, • Família das Leguminosas • Gênero Phaseolus
  • 16. Classificação Botânica A planta do feijão é classificada em várias espécies cultivadas como: a) Phaseolus vulgaris L. ( feijão comum), b) Phaseolus lunatus ( feijão fava ), c) Vigna radiata ( feijão mungo ) d) Vigna unguiculata { feijão caupi, macassar ou fradinho (feijão-de-corda) } e) Vigna angulares ( feijão adzulki ).
  • 17. Panorama Nacional Os dois gêneros de feijões cultivados no Brasil são: •Phaseolus vulgaris - mais cultivado na região Centro Sul (carioca e preto); •Vigna unguiculata - na região Norte/Nordeste (macassar/caupi).
  • 18.
  • 19.
  • 20. Participação percentual das safras de feijoeiro(*) Brasil - 2007 Fonte: IBGE - Levantamento Sistemático da Produção Agrícola. (Elaborado p/ SILVA, O. F. da) (*) Inclui Vigna
  • 21.
  • 22. Preferência de consumo Gênero Phaseolus •Phaseolus vulgaris (80%) Gênero Vigna •Vigna unguiculata (20%)
  • 23. feijão-caupi, feijão-de-corda ou feijão-macassar (Vigna unguiculata (L.) Walp.)