SlideShare uma empresa Scribd logo
Princípios e Técnicas da Propagaçao de Plantas Profa. Luciane Vilela Resende DAG/UFLA
10ª Aula:
Propagaçao Assexuada: Enxertia
2a Parte: Tipos de enxertia
Princípios e Técnicas da Propagaçao de Plantas Profa. Luciane Vilela Resende DAG/UFLA
Sementes
Propagação assexuada
Obtenção do Porta-Enxerto
Sementes
Facilidade de obtenção de um grande número
de plantas
Plantas sadias e vigorosas
Tipo de sistema radicular
Pouca exigencia em tratos culturais
Baixo Custo
Desvantagem: Grande desuniformidade (Por
que?)
Princípios e Técnicas da Propagaçao de Plantas Profa. Luciane Vilela Resende DAG/UFLA
Propagação Assexuada
Mantem as características genéticas da planta-
matriz
Plantas uniformes
Custo elevado
Estaquia, mergulhia, microestacas
A escolha depende:
Facilidade de obtenção das sementes
Capacidade de enraizamento
Variabilidade genética
custo
sucetibilidade a pragas e doenças
Princípios e Técnicas da Propagaçao de Plantas Profa. Luciane Vilela Resende DAG/UFLA
Tipos de enxertia:
Borbulhia:
T Normal
T Invertido
Placa ou escudo
Anel
Gema com lenho
Garfagem
Fenda cheia
Fenda simples
Fenda dupla
Encostia
Lateral simples
Lingueta ou lateral inglesa
Topo
Princípios e Técnicas da Propagaçao de Plantas Profa. Luciane Vilela Resende DAG/UFLA
Borbulhia
Borbulha: gema com pedaço de casca
T Normal;
diâmetro porta-enxerto: 6 a 8 mm
incisão na forma de T
altura do corte: 5 a 23 cm do solo
corte so da casca que será desprendida do
lenho
gema com a casca sem o lenho
Cuidados com a oxidação e desidratação no
corte do porta enxerto
Princípios e Técnicas da Propagaçao de Plantas Profa. Luciane Vilela Resende DAG/UFLA
Borbulhia em T normal
Retirada da borbulha Corte em T
Abertura da janela Encaixe da borbulha
Amarrio do enxerto
Princípios e Técnicas da Propagaçao de Plantas Profa. Luciane Vilela Resende DAG/UFLA
Borbulhia em T invertido:
Difere da anterior apenas na posição do corte horizontal
Princípios e Técnicas da Propagaçao de Plantas Profa. Luciane Vilela Resende DAG/UFLA
Borbulhia em placa ou escudo
Utilizado em espécies que apresentam casca grossa ( goiabeira)
Porta enxerto com diâmetro de 15 a 25 mm
Princípios e Técnicas da Propagaçao de Plantas Profa. Luciane Vilela Resende DAG/UFLA
Borbulhia em anel
Borbulhia de gema com lenho
Utilizada quando a casca não se
desprende facilmente, dificultando
a enxertia em T.
Retira-se a gema com uma
porção de lenho, a qual é
introduzida no porta-enxerto em
uma incisão de mesmo tamanho
da borbulha
.
Princípios e Técnicas da Propagaçao de Plantas Profa. Luciane Vilela Resende DAG/UFLA
Enxertia por garfagem
Quando o enxerto consiste em um garfo, ou
segmento de ramo contendo duas ou mais
gemas.
Tipos:
Fenda cheia:
Princípios e Técnicas da Propagaçao de Plantas Profa. Luciane Vilela Resende DAG/UFLA
Fenda Simples ou ingles simples
Princípios e Técnicas da Propagaçao de Plantas Profa. Luciane Vilela Resende DAG/UFLA
Fenda dupla ou ingles complicado
Princípios e Técnicas da Propagaçao de Plantas Profa. Luciane Vilela Resende DAG/UFLA
Enxertia Por Encostia
União lateral de plantas com sistemas
radiculares diferentes,
Após a união do enxerto, separar uma das
plantas do seu sistema radicular e a outra, da
sua parte aérea
Tem pouco uso em nível comercial
.Tipos:
Encostia Lateral
Princípios e Técnicas da Propagaçao de Plantas Profa. Luciane Vilela Resende DAG/UFLA
Encostia em lingüeta
Encostia de topo:
Princípios e Técnicas da Propagaçao de Plantas Profa. Luciane Vilela Resende DAG/UFLA
Tipos de Enxertia quanto a época de realização
Enxertia de inverno:
Plantas estão no período de repouso vegetativo,
característico em espécies de clima temperado.
Mais comum garfagem, embora possa também ser
utilizada a borbulhia em placa.
Por se trabalhar, normalmente, com tecidos mais
lignificados, o risco de desidratação é menor,
ocasionando bons índices de pegamento
.
Enxertia de primavera-verão:
Realizada no período de crescimento vegetativo intenso.
Como as células estão em plena atividade metabólica e
mitótica, os tecidos cicatrizam com mais facilidade
Bom e rápido pegamento.
Maior facilidade em se desprender a casca para
introdução da gema.
Princípios e Técnicas da Propagaçao de Plantas Profa. Luciane Vilela Resende DAG/UFLA
Enxertia de verão-outono:
Enxertia de gema dormente
Este tipo de enxertia é adotado quando os
porta-enxertos não atingem diâmetro suficiente
para a enxertia de primavera-verão.
Princípios e Técnicas da Propagaçao de Plantas Profa. Luciane Vilela Resende DAG/UFLA
Formas especiais de enxertia
Sobre-enxertia,
porta-enxerto é uma planta adulta,
útil em casos em que a copa foi seriamente danificada
por pragas ou doenças,
necessidade de troca da cultivar-copa
falta de plantas polinizadoras em um pomar.
Normalmente é feita por garfagem (fenda cheia ou fenda
dupla), substituindo total ou parcialmente a copa.
é possível produzir em uma mesma planta, diferentes
cultivares
Princípios e Técnicas da Propagaçao de Plantas Profa. Luciane Vilela Resende DAG/UFLA
Interenxertia
enxerto intermediário entre o porta-enxerto e o enxerto,
garfagem.
Usado quando enxerto e o porta-enxerto são
incompatíveis entre si, devendo-se utilizar um interenxerto
compatível com ambos,
E quando há necessidade de controlar o vigor da copa
devido ao porta-enxerto induzir elevado vigor
Formas especiais de enxertia
Princípios e Técnicas da Propagaçao de Plantas Profa. Luciane Vilela Resende DAG/UFLA
Sub-enxertia,
Realizada quando houve um dano significativo no
sistema radicular da planta.
Consiste em se enxertar, na copa, um novo porta-
enxerto,
Garfagem, especialmente de fenda dupla, é o sistema
mais adotado neste caso.
Formas especiais de enxertia
Princípios e Técnicas da Propagaçao de Plantas Profa. Luciane Vilela Resende DAG/UFLA

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Unidade 04 germinação das sementes
Unidade 04 germinação das sementesUnidade 04 germinação das sementes
Unidade 04 germinação das sementes
Bruno Rodrigues
 
Apostila de enxertia
Apostila de enxertiaApostila de enxertia
Apostila de enxertia
jrturra
 
Propagacão de plantas frutiferas
Propagacão de plantas frutiferasPropagacão de plantas frutiferas
Propagacão de plantas frutiferas
paisagista
 
Poda de árvores frutíferas
Poda  de árvores frutíferasPoda  de árvores frutíferas
Poda de árvores frutíferas
Amillima
 
Aula 7 olericultura
Aula 7 olericulturaAula 7 olericultura
Aula 7 olericultura
Jadson Belem de Moura
 
A cultura da banana minicurso
A cultura da banana   minicursoA cultura da banana   minicurso
A cultura da banana minicurso
Ernane Nogueira Nunes
 
Olericultura e hortaliças
Olericultura e hortaliçasOlericultura e hortaliças
Olericultura e hortaliças
Rafael Soares Dias
 
Unidade 03 composição química e maturação das sementes
Unidade 03 composição química e maturação das sementesUnidade 03 composição química e maturação das sementes
Unidade 03 composição química e maturação das sementes
Bruno Rodrigues
 
GERMINAÇÃO E DORMÊNCIA DE SEMENTES
GERMINAÇÃO E DORMÊNCIA DE SEMENTESGERMINAÇÃO E DORMÊNCIA DE SEMENTES
GERMINAÇÃO E DORMÊNCIA DE SEMENTES
carlinhosmatos
 
Morfologia e Ecofisiologia da Soja
Morfologia e Ecofisiologia da SojaMorfologia e Ecofisiologia da Soja
Morfologia e Ecofisiologia da Soja
Geagra UFG
 
COMPOSICAO QUIMICA DA SEMENTE
COMPOSICAO QUIMICA DA SEMENTECOMPOSICAO QUIMICA DA SEMENTE
Técnicas de Propagação Vegetativa
Técnicas de Propagação Vegetativa Técnicas de Propagação Vegetativa
Técnicas de Propagação Vegetativa
Leandro A. Machado de Moura
 
Aula 10 plantas c3 c4 cam pdf
Aula 10 plantas c3 c4 cam pdfAula 10 plantas c3 c4 cam pdf
Aula 10 plantas c3 c4 cam pdf
Erica Oliveira
 
Aula 2 introdução floricultura
Aula 2   introdução floriculturaAula 2   introdução floricultura
Aula 2 introdução floricultura
siterra
 
Fiscalização em campo de produção de sementes
Fiscalização em campo de produção de sementesFiscalização em campo de produção de sementes
Fiscalização em campo de produção de sementes
Geraldo Henrique
 
Apostila propagacao de arvores frutiferas
Apostila propagacao de arvores frutiferasApostila propagacao de arvores frutiferas
Apostila propagacao de arvores frutiferas
Lenildo Araujo
 
Panorama da fruticultura brasileira
Panorama da fruticultura brasileiraPanorama da fruticultura brasileira
Panorama da fruticultura brasileira
Barreiras Comerciais
 
Implantação da Cultura do Feijão
Implantação da Cultura do FeijãoImplantação da Cultura do Feijão
Implantação da Cultura do Feijão
Killer Max
 
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJAMORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
Geagra UFG
 
Semente e germinação
Semente e germinaçãoSemente e germinação
Semente e germinação
Marcos Albuquerque
 

Mais procurados (20)

Unidade 04 germinação das sementes
Unidade 04 germinação das sementesUnidade 04 germinação das sementes
Unidade 04 germinação das sementes
 
Apostila de enxertia
Apostila de enxertiaApostila de enxertia
Apostila de enxertia
 
Propagacão de plantas frutiferas
Propagacão de plantas frutiferasPropagacão de plantas frutiferas
Propagacão de plantas frutiferas
 
Poda de árvores frutíferas
Poda  de árvores frutíferasPoda  de árvores frutíferas
Poda de árvores frutíferas
 
Aula 7 olericultura
Aula 7 olericulturaAula 7 olericultura
Aula 7 olericultura
 
A cultura da banana minicurso
A cultura da banana   minicursoA cultura da banana   minicurso
A cultura da banana minicurso
 
Olericultura e hortaliças
Olericultura e hortaliçasOlericultura e hortaliças
Olericultura e hortaliças
 
Unidade 03 composição química e maturação das sementes
Unidade 03 composição química e maturação das sementesUnidade 03 composição química e maturação das sementes
Unidade 03 composição química e maturação das sementes
 
GERMINAÇÃO E DORMÊNCIA DE SEMENTES
GERMINAÇÃO E DORMÊNCIA DE SEMENTESGERMINAÇÃO E DORMÊNCIA DE SEMENTES
GERMINAÇÃO E DORMÊNCIA DE SEMENTES
 
Morfologia e Ecofisiologia da Soja
Morfologia e Ecofisiologia da SojaMorfologia e Ecofisiologia da Soja
Morfologia e Ecofisiologia da Soja
 
COMPOSICAO QUIMICA DA SEMENTE
COMPOSICAO QUIMICA DA SEMENTECOMPOSICAO QUIMICA DA SEMENTE
COMPOSICAO QUIMICA DA SEMENTE
 
Técnicas de Propagação Vegetativa
Técnicas de Propagação Vegetativa Técnicas de Propagação Vegetativa
Técnicas de Propagação Vegetativa
 
Aula 10 plantas c3 c4 cam pdf
Aula 10 plantas c3 c4 cam pdfAula 10 plantas c3 c4 cam pdf
Aula 10 plantas c3 c4 cam pdf
 
Aula 2 introdução floricultura
Aula 2   introdução floriculturaAula 2   introdução floricultura
Aula 2 introdução floricultura
 
Fiscalização em campo de produção de sementes
Fiscalização em campo de produção de sementesFiscalização em campo de produção de sementes
Fiscalização em campo de produção de sementes
 
Apostila propagacao de arvores frutiferas
Apostila propagacao de arvores frutiferasApostila propagacao de arvores frutiferas
Apostila propagacao de arvores frutiferas
 
Panorama da fruticultura brasileira
Panorama da fruticultura brasileiraPanorama da fruticultura brasileira
Panorama da fruticultura brasileira
 
Implantação da Cultura do Feijão
Implantação da Cultura do FeijãoImplantação da Cultura do Feijão
Implantação da Cultura do Feijão
 
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJAMORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
 
Semente e germinação
Semente e germinaçãoSemente e germinação
Semente e germinação
 

Semelhante a Enxertia

10a aula
10a aula10a aula
10a aula
Fouad Paracat
 
PLANTAS AMAZONICAS.ppt
PLANTAS AMAZONICAS.pptPLANTAS AMAZONICAS.ppt
PLANTAS AMAZONICAS.ppt
rickriordan
 
Slide zoologia agrícola thysanoptera tripes
Slide zoologia agrícola  thysanoptera tripesSlide zoologia agrícola  thysanoptera tripes
Slide zoologia agrícola thysanoptera tripes
adrielly sena dos santos
 
1- Importância das sementes.pptx
1- Importância das sementes.pptx1- Importância das sementes.pptx
1- Importância das sementes.pptx
VitorOliveiraRodrigu
 
aulapropagacao de plantas frutíferas.pdf
aulapropagacao de plantas frutíferas.pdfaulapropagacao de plantas frutíferas.pdf
aulapropagacao de plantas frutíferas.pdf
GilsonRibeiroNachtig
 
Pepino
PepinoPepino
Guia de campo de orquídeas
Guia de campo de orquídeasGuia de campo de orquídeas
Guia de campo de orquídeas
Emerson Silva
 
Aula Nativas do Brasil frutas naturais do pais
Aula Nativas do Brasil frutas naturais do paisAula Nativas do Brasil frutas naturais do pais
Aula Nativas do Brasil frutas naturais do pais
GilsonRibeiroNachtig
 
Silvicultura da erva mate
Silvicultura da erva mateSilvicultura da erva mate
Silvicultura da erva mate
Taís Leandro
 
Coveamento, plantio e replantio de povoamentos florestais
Coveamento, plantio e replantio de povoamentos florestaisCoveamento, plantio e replantio de povoamentos florestais
Coveamento, plantio e replantio de povoamentos florestais
Taís Leandro
 
3.2 producao demudasporviaassexuada
3.2 producao demudasporviaassexuada3.2 producao demudasporviaassexuada
3.2 producao demudasporviaassexuada
Lucas Couto de Oliveira
 
Mogno - Swietenia Macrophylla King.
Mogno - Swietenia Macrophylla King.Mogno - Swietenia Macrophylla King.
Mogno - Swietenia Macrophylla King.
mboninna
 
01 propagação vegetativa altorodes
01 propagação vegetativa altorodes01 propagação vegetativa altorodes
01 propagação vegetativa altorodes
genarui
 
Cultura do tomate alexandre garcia santaella
Cultura do tomate   alexandre garcia santaellaCultura do tomate   alexandre garcia santaella
Cultura do tomate alexandre garcia santaella
Rodrigo Caetano
 
Plantas daninhas definicao_embrapa
Plantas daninhas definicao_embrapaPlantas daninhas definicao_embrapa
Plantas daninhas definicao_embrapa
gizelebaldo
 
Frutas De Caroço (1)
Frutas De Caroço (1)Frutas De Caroço (1)
Frutas De Caroço (1)
Agricultura Sao Paulo
 
A cultura do mamão (carica papaya L.)
A cultura do mamão (carica papaya L.)A cultura do mamão (carica papaya L.)
A cultura do mamão (carica papaya L.)
Killer Max
 
Doc5
Doc5Doc5
Livro banana cap_5_id-oidu1fw5tr
Livro banana cap_5_id-oidu1fw5trLivro banana cap_5_id-oidu1fw5tr
Livro banana cap_5_id-oidu1fw5tr
Alex Slobodian
 
CANA DE AÇÚCAR-ANTONIO INACIO FERRAZ PESQUISADOR E TÉCNICO EM ELETRONICA, AGR...
CANA DE AÇÚCAR-ANTONIO INACIO FERRAZ PESQUISADOR E TÉCNICO EM ELETRONICA, AGR...CANA DE AÇÚCAR-ANTONIO INACIO FERRAZ PESQUISADOR E TÉCNICO EM ELETRONICA, AGR...
CANA DE AÇÚCAR-ANTONIO INACIO FERRAZ PESQUISADOR E TÉCNICO EM ELETRONICA, AGR...
ANTONIO INACIO FERRAZ
 

Semelhante a Enxertia (20)

10a aula
10a aula10a aula
10a aula
 
PLANTAS AMAZONICAS.ppt
PLANTAS AMAZONICAS.pptPLANTAS AMAZONICAS.ppt
PLANTAS AMAZONICAS.ppt
 
Slide zoologia agrícola thysanoptera tripes
Slide zoologia agrícola  thysanoptera tripesSlide zoologia agrícola  thysanoptera tripes
Slide zoologia agrícola thysanoptera tripes
 
1- Importância das sementes.pptx
1- Importância das sementes.pptx1- Importância das sementes.pptx
1- Importância das sementes.pptx
 
aulapropagacao de plantas frutíferas.pdf
aulapropagacao de plantas frutíferas.pdfaulapropagacao de plantas frutíferas.pdf
aulapropagacao de plantas frutíferas.pdf
 
Pepino
PepinoPepino
Pepino
 
Guia de campo de orquídeas
Guia de campo de orquídeasGuia de campo de orquídeas
Guia de campo de orquídeas
 
Aula Nativas do Brasil frutas naturais do pais
Aula Nativas do Brasil frutas naturais do paisAula Nativas do Brasil frutas naturais do pais
Aula Nativas do Brasil frutas naturais do pais
 
Silvicultura da erva mate
Silvicultura da erva mateSilvicultura da erva mate
Silvicultura da erva mate
 
Coveamento, plantio e replantio de povoamentos florestais
Coveamento, plantio e replantio de povoamentos florestaisCoveamento, plantio e replantio de povoamentos florestais
Coveamento, plantio e replantio de povoamentos florestais
 
3.2 producao demudasporviaassexuada
3.2 producao demudasporviaassexuada3.2 producao demudasporviaassexuada
3.2 producao demudasporviaassexuada
 
Mogno - Swietenia Macrophylla King.
Mogno - Swietenia Macrophylla King.Mogno - Swietenia Macrophylla King.
Mogno - Swietenia Macrophylla King.
 
01 propagação vegetativa altorodes
01 propagação vegetativa altorodes01 propagação vegetativa altorodes
01 propagação vegetativa altorodes
 
Cultura do tomate alexandre garcia santaella
Cultura do tomate   alexandre garcia santaellaCultura do tomate   alexandre garcia santaella
Cultura do tomate alexandre garcia santaella
 
Plantas daninhas definicao_embrapa
Plantas daninhas definicao_embrapaPlantas daninhas definicao_embrapa
Plantas daninhas definicao_embrapa
 
Frutas De Caroço (1)
Frutas De Caroço (1)Frutas De Caroço (1)
Frutas De Caroço (1)
 
A cultura do mamão (carica papaya L.)
A cultura do mamão (carica papaya L.)A cultura do mamão (carica papaya L.)
A cultura do mamão (carica papaya L.)
 
Doc5
Doc5Doc5
Doc5
 
Livro banana cap_5_id-oidu1fw5tr
Livro banana cap_5_id-oidu1fw5trLivro banana cap_5_id-oidu1fw5tr
Livro banana cap_5_id-oidu1fw5tr
 
CANA DE AÇÚCAR-ANTONIO INACIO FERRAZ PESQUISADOR E TÉCNICO EM ELETRONICA, AGR...
CANA DE AÇÚCAR-ANTONIO INACIO FERRAZ PESQUISADOR E TÉCNICO EM ELETRONICA, AGR...CANA DE AÇÚCAR-ANTONIO INACIO FERRAZ PESQUISADOR E TÉCNICO EM ELETRONICA, AGR...
CANA DE AÇÚCAR-ANTONIO INACIO FERRAZ PESQUISADOR E TÉCNICO EM ELETRONICA, AGR...
 

Enxertia

  • 1. Princípios e Técnicas da Propagaçao de Plantas Profa. Luciane Vilela Resende DAG/UFLA 10ª Aula: Propagaçao Assexuada: Enxertia 2a Parte: Tipos de enxertia
  • 2. Princípios e Técnicas da Propagaçao de Plantas Profa. Luciane Vilela Resende DAG/UFLA Sementes Propagação assexuada Obtenção do Porta-Enxerto Sementes Facilidade de obtenção de um grande número de plantas Plantas sadias e vigorosas Tipo de sistema radicular Pouca exigencia em tratos culturais Baixo Custo Desvantagem: Grande desuniformidade (Por que?)
  • 3. Princípios e Técnicas da Propagaçao de Plantas Profa. Luciane Vilela Resende DAG/UFLA Propagação Assexuada Mantem as características genéticas da planta- matriz Plantas uniformes Custo elevado Estaquia, mergulhia, microestacas A escolha depende: Facilidade de obtenção das sementes Capacidade de enraizamento Variabilidade genética custo sucetibilidade a pragas e doenças
  • 4. Princípios e Técnicas da Propagaçao de Plantas Profa. Luciane Vilela Resende DAG/UFLA Tipos de enxertia: Borbulhia: T Normal T Invertido Placa ou escudo Anel Gema com lenho Garfagem Fenda cheia Fenda simples Fenda dupla Encostia Lateral simples Lingueta ou lateral inglesa Topo
  • 5. Princípios e Técnicas da Propagaçao de Plantas Profa. Luciane Vilela Resende DAG/UFLA Borbulhia Borbulha: gema com pedaço de casca T Normal; diâmetro porta-enxerto: 6 a 8 mm incisão na forma de T altura do corte: 5 a 23 cm do solo corte so da casca que será desprendida do lenho gema com a casca sem o lenho Cuidados com a oxidação e desidratação no corte do porta enxerto
  • 6. Princípios e Técnicas da Propagaçao de Plantas Profa. Luciane Vilela Resende DAG/UFLA Borbulhia em T normal Retirada da borbulha Corte em T Abertura da janela Encaixe da borbulha Amarrio do enxerto
  • 7. Princípios e Técnicas da Propagaçao de Plantas Profa. Luciane Vilela Resende DAG/UFLA Borbulhia em T invertido: Difere da anterior apenas na posição do corte horizontal
  • 8. Princípios e Técnicas da Propagaçao de Plantas Profa. Luciane Vilela Resende DAG/UFLA Borbulhia em placa ou escudo Utilizado em espécies que apresentam casca grossa ( goiabeira) Porta enxerto com diâmetro de 15 a 25 mm
  • 9. Princípios e Técnicas da Propagaçao de Plantas Profa. Luciane Vilela Resende DAG/UFLA Borbulhia em anel Borbulhia de gema com lenho Utilizada quando a casca não se desprende facilmente, dificultando a enxertia em T. Retira-se a gema com uma porção de lenho, a qual é introduzida no porta-enxerto em uma incisão de mesmo tamanho da borbulha .
  • 10. Princípios e Técnicas da Propagaçao de Plantas Profa. Luciane Vilela Resende DAG/UFLA Enxertia por garfagem Quando o enxerto consiste em um garfo, ou segmento de ramo contendo duas ou mais gemas. Tipos: Fenda cheia:
  • 11. Princípios e Técnicas da Propagaçao de Plantas Profa. Luciane Vilela Resende DAG/UFLA Fenda Simples ou ingles simples
  • 12. Princípios e Técnicas da Propagaçao de Plantas Profa. Luciane Vilela Resende DAG/UFLA Fenda dupla ou ingles complicado
  • 13. Princípios e Técnicas da Propagaçao de Plantas Profa. Luciane Vilela Resende DAG/UFLA Enxertia Por Encostia União lateral de plantas com sistemas radiculares diferentes, Após a união do enxerto, separar uma das plantas do seu sistema radicular e a outra, da sua parte aérea Tem pouco uso em nível comercial .Tipos: Encostia Lateral
  • 14. Princípios e Técnicas da Propagaçao de Plantas Profa. Luciane Vilela Resende DAG/UFLA Encostia em lingüeta Encostia de topo:
  • 15. Princípios e Técnicas da Propagaçao de Plantas Profa. Luciane Vilela Resende DAG/UFLA Tipos de Enxertia quanto a época de realização Enxertia de inverno: Plantas estão no período de repouso vegetativo, característico em espécies de clima temperado. Mais comum garfagem, embora possa também ser utilizada a borbulhia em placa. Por se trabalhar, normalmente, com tecidos mais lignificados, o risco de desidratação é menor, ocasionando bons índices de pegamento . Enxertia de primavera-verão: Realizada no período de crescimento vegetativo intenso. Como as células estão em plena atividade metabólica e mitótica, os tecidos cicatrizam com mais facilidade Bom e rápido pegamento. Maior facilidade em se desprender a casca para introdução da gema.
  • 16. Princípios e Técnicas da Propagaçao de Plantas Profa. Luciane Vilela Resende DAG/UFLA Enxertia de verão-outono: Enxertia de gema dormente Este tipo de enxertia é adotado quando os porta-enxertos não atingem diâmetro suficiente para a enxertia de primavera-verão.
  • 17. Princípios e Técnicas da Propagaçao de Plantas Profa. Luciane Vilela Resende DAG/UFLA Formas especiais de enxertia Sobre-enxertia, porta-enxerto é uma planta adulta, útil em casos em que a copa foi seriamente danificada por pragas ou doenças, necessidade de troca da cultivar-copa falta de plantas polinizadoras em um pomar. Normalmente é feita por garfagem (fenda cheia ou fenda dupla), substituindo total ou parcialmente a copa. é possível produzir em uma mesma planta, diferentes cultivares
  • 18. Princípios e Técnicas da Propagaçao de Plantas Profa. Luciane Vilela Resende DAG/UFLA Interenxertia enxerto intermediário entre o porta-enxerto e o enxerto, garfagem. Usado quando enxerto e o porta-enxerto são incompatíveis entre si, devendo-se utilizar um interenxerto compatível com ambos, E quando há necessidade de controlar o vigor da copa devido ao porta-enxerto induzir elevado vigor Formas especiais de enxertia
  • 19. Princípios e Técnicas da Propagaçao de Plantas Profa. Luciane Vilela Resende DAG/UFLA Sub-enxertia, Realizada quando houve um dano significativo no sistema radicular da planta. Consiste em se enxertar, na copa, um novo porta- enxerto, Garfagem, especialmente de fenda dupla, é o sistema mais adotado neste caso. Formas especiais de enxertia
  • 20. Princípios e Técnicas da Propagaçao de Plantas Profa. Luciane Vilela Resende DAG/UFLA