SlideShare uma empresa Scribd logo
RECUPERAÇÃO DE
ÁREAS DEGRADADAS
Gestão	
  Ambiental	
  –	
  2014	
  
	
  
Aula	
  12	
  
Prof.	
  Biól.	
  Leandro	
  A.	
  Machado	
  de	
  Moura	
  
lammoura@uol.com.br	
  
Solo	
  
	
  
•  É	
  um	
  meio	
  complexo	
  e	
  heterogêneo,	
  produto	
  de	
  alteração	
  do	
  remanejamento	
  
e	
  da	
  organização	
  do	
  material	
  original	
  (rocha,	
  sedimento	
  ou	
  outro	
  solo),	
  sob	
  a	
  
ação	
  da	
  vida,	
  da	
  atmosfera	
  e	
  das	
  trocas	
  de	
  energia	
  que	
  aí	
  se	
  manifestam.	
  É	
  
consItuído	
  por	
  quanIdades	
  variáveis	
  de	
  minerais,	
  matéria	
  orgânica,	
  água,	
  ar	
  
e	
   organismos	
   vivos,	
   incluindo	
   plantas,	
   bactérias,	
   fungos,	
   protozoários,	
  
invertebrados	
  e	
  outros	
  animais.	
  
	
  
Principais	
  funções:	
  
	
  
•  Sustentação	
  da	
  vida	
  e	
  do	
  habitat	
  	
  
•  Manutenção	
  do	
  ciclo	
  da	
  água	
  e	
  dos	
  nutrientes;	
  	
  
•  Proteção	
  da	
  água	
  subterrânea;	
  
•  Manutenção	
  do	
  patrimônio	
  histórico,	
  natural	
  e	
  cultural;	
  
•  Conservação	
  das	
  reservas	
  minerais	
  e	
  de	
  matérias	
  primas,	
  
•  Produção	
  de	
  alimentos;	
  	
  
•  Meio	
  para	
  manutenção	
  da	
  aIvidade	
  sócio-­‐econômica.	
  
SOLOS	
  
(Fonte:	
  CETESB,	
  2014)	
  
Pedogênese	
  
	
  
•  É	
   o	
   processo	
   químico	
   e	
   Usico	
   de	
   alteração	
   (adição,	
   remoção,	
   transporte	
   e	
  
modificação)	
  que	
  atua	
  sobre	
  um	
  material	
  litológico,	
  originando	
  um	
  solo.	
  
•  Solos	
  estão	
  constantemente	
  em	
  desenvolvimento,	
  nunca	
  estando	
  estáIcos,	
  
por	
  mais	
  curto	
  que	
  seja	
  o	
  tempo	
  considerado.	
  	
  
•  Um	
   solo	
   é	
   o	
   produto	
   de	
   uma	
   ação	
   combinada	
   e	
   concomitante	
   de	
   diversos	
  
fatores.	
  A	
  maior	
  ou	
  menor	
  intensidade	
  de	
  algum	
  fator	
  pode	
  ser	
  determinante	
  
na	
   criação	
   de	
   um	
   ou	
   outro	
   solo.	
   São	
   comumente	
   ditos	
   como	
   fatores	
   da	
  
formação	
  de	
  solo	
  2	
  :	
  clima,	
  material	
  de	
  origem,	
  organismos,	
  tempo	
  e	
  relevo.	
  
	
  
SOLOS	
  
Morfologia	
  –	
  classificação	
  	
  
	
  
A	
  úlIma	
  versão	
  do	
  Sistema	
  Brasileiro	
  de	
  Classificação	
  de	
  Solos	
  (SiBCS)	
  é	
  dividida	
  
em	
  13	
  ordens	
  de	
  solo:	
  
	
  
1.  Argissolo,	
  	
  
2.  Cambissolo,	
  	
  
3.  Chernossolo,	
  	
  
4.  Espodossolo,	
  	
  
5.  Gleissolo,	
  	
  
6.  Latossolo,	
  	
  
7.  Luvissolo,	
  	
  
8.  Neossolo,	
  	
  
9.  Nitossolo,	
  	
  
10.  Organossolo,	
  	
  
11.  Planossolo,	
  	
  
12.  Plintossolo	
  e	
  
13.  VerIssolo.	
  
SOLOS	
  
Morfologia	
  –	
  Classificação	
  Taxonômica	
  	
  
	
  
Ex.:	
  
	
  
Argilosolo	
  
	
  
São	
   solos	
   consItuídos	
   por	
   material	
   mineral,	
   caracterizado	
   pela	
   argila,	
  
apresentando	
  horizonte	
  B	
  textural	
  imediatamente	
  abaixo	
  do	
  A	
  ou	
  E,	
  com	
  argila	
  
de	
  aIvidade	
  baixa	
  ou	
  com	
  argila	
  de	
  aIvidade	
  alta	
  conjugada	
  com	
  saturação	
  por	
  
bases	
  baixa	
  e/ou	
  caráter	
  alíIco	
  na	
  maior	
  parte	
  do	
  horizonte	
  B.	
  
	
  
	
  
	
  
REFERÊNCIA	
  PARA	
  A	
  CLASSIFICAÇÃO	
  DE	
  SOLOS:	
  
	
  
EMBRAPA	
  -­‐	
  CNPS.	
  Sistema	
  Brasileiro	
  de	
  Classificação	
  de	
  Solos.	
  Brasília:	
  Embrapa-­‐
SPI;	
  Rio	
  de	
  Janeiro:	
  Embrapa-­‐Solos,	
  2006.	
  
SOLOS	
  
Morfologia	
  –	
  Horizontes	
  e	
  Perfis	
  
SOLOS	
  
Um	
   solo	
   possuí	
   camadas	
   horizontais	
   de	
   morfologia	
  
diferente	
   entre	
   si.	
   Essas	
   camadas	
   são	
   chamadas	
   de	
  
horizontes.	
   Essas	
   camadas,	
   apesar	
   de	
   todos	
   as	
  
normas	
   e	
   técnicas,	
   dependem	
   para	
   sua	
   delimitação	
  
em	
  campo	
  estritamente	
  dos	
  senIdos	
  do	
  pedólogo.	
  
	
  
A	
  soma	
  destas	
  camadas	
  define	
  o	
  perfil	
  do	
  solo.	
  Com	
  a	
  
ação	
   pedogenéIca,	
   tal	
   como	
   perturbação	
   de	
   seres	
  
vivos,	
  infiltração	
  de	
  água,	
  entre	
  outros,	
  é	
  variável	
  ao	
  
perfil.	
  
	
  
Diz-­‐se	
  que	
  quanto	
  mais	
  distante	
  da	
  rocha	
  mãe,	
  mais	
  
intensa	
  e/ou	
  anIga	
  foi	
  a	
  ação	
  pedogenéIca.	
  
Pedogênese	
  
	
  
	
  
SOLOS	
  
Pedogênese	
  
	
  
	
  
SOLOS	
  
Morfologia	
  –	
  Classificação	
  Granulométrica	
  	
  
	
  
Solos	
  arenosos	
  
São	
   aqueles	
   que	
   tem	
   grande	
   parte	
   de	
   suas	
   parkculas	
   classificadas	
   na	
   fração	
  
areia,formado	
  principalmente	
  por	
  cristais	
  de	
  quartzo	
  e	
  minerais	
  primários.	
  
	
  
Solos	
  siltosos	
  
São	
  aqueles	
  que	
  tem	
  grande	
  parte	
  de	
  suas	
  parkculas	
  classificadas	
  na	
  fração	
  silte,	
  
de	
  tamanho	
  entre	
  0,05	
  e	
  0,002mm,	
  geralmente	
  são	
  muito	
  erosíveis.	
  O	
  silte	
  não	
  
se	
  agrega	
  como	
  as	
  argilas	
  e	
  ao	
  mesmo	
  tempo	
  suas	
  parkculas	
  são	
  muito	
  pequenas	
  
e	
  leves.	
  São	
  geralmente	
  finos.	
  
	
  
Solos	
  argilosos	
  
São	
   aqueles	
   que	
   tem	
   grande	
   parte	
   de	
   suas	
   parkculas	
   classificadas	
   na	
   fração	
  
argila,	
  de	
  tamanho	
  menor	
  que	
  0,002mm.	
  Não	
  são	
  tão	
  arejados,	
  mas	
  armazenam	
  
mais	
   água	
   quando	
   bem	
   estruturados.	
   São	
   geralmente	
   menos	
   permeáveis,	
  
embora	
   alguns	
   solos	
   brasileiros	
   muito	
   argilosos	
   apresentam	
   grande	
  
permeabilidade	
  -­‐	
  graças	
  aos	
  poros	
  de	
  origem	
  biológica.	
  Formam	
  pequenos	
  grãos	
  
que	
  lembram	
  a	
  sensação	
  tácIl	
  de	
  pó-­‐de-­‐café	
  e	
  isso	
  lhes	
  dá	
  certas	
  caraterísIcas	
  
similares	
  ao	
  arenoso.	
  
SOLOS	
  
Morfologia	
  –	
  Classificação	
  Granulométrica	
  	
  
SOLOS	
  
Morfologia	
  –	
  Classificação	
  Granulométrica	
  	
  
SOLOS	
  
Morfologia	
  –	
  Classificação	
  Granulométrica	
  	
  
	
  
Solos	
  humosos	
  ou	
  orgânicos	
  
	
  
Composto	
   de	
   materiais	
   orgânicos	
   (restos	
   de	
  
organismos	
  mortos	
  e	
  em	
  decomposição),	
  além	
  da	
  
areia	
   e	
   da	
   argila.	
   O	
   húmus	
   é	
   o	
   resíduo	
   ou	
  
composto	
   solúvel	
   originado	
   pela	
   biodegradação	
  
da	
  matéria	
  orgânica,	
  que	
  o	
  torna	
  disponível	
  para	
  
as	
  plantas	
  nutrientes	
  minerais	
  e	
  gasosos	
  como	
  o	
  
nitrogênio	
  (N).	
  
SOLOS	
  
Morfologia	
  –	
  Classificação	
  Granulométrica	
  	
  
	
  
Latossolos	
  
Geralmente	
  são	
  solos	
  muito	
  profundos	
  (maior	
  que	
  2	
  m),	
  bem	
  desenvolvidos,	
  
localizados	
  em	
  terrenos	
  planos	
  ou	
  pouco	
  ondulados,	
  tem	
  textura	
  granular	
  e	
  
coloração	
   amarela	
   a	
   vermelha	
   escura.	
   São	
   solos	
   kpicos	
   de	
   regiões	
   de	
   clima	
  
tropical	
   úmido	
   e	
   semi-­‐úmido,	
   como	
   Brasil	
   e	
   a	
   África	
   central.	
   Sua	
   coloração	
  
pode	
  ser	
  avermelhada,	
  alaranjada	
  ou	
  amarelada.	
  Isso	
  evidencia	
  concentração	
  
de	
  óxidos	
  de	
  Fe	
  e	
  Al	
  em	
  tais	
  solos.	
  	
  
	
  
Solos	
  lixiviados	
  
São	
   aqueles	
   que	
   a	
   grande	
   quanIdade	
   de	
   chuva	
   carrega	
   seus	
   nutrientes,	
  
tornando	
  o	
  solo	
  pobre	
  (pobre	
  em	
  potássio	
  e	
  nitrogênio).	
  
	
  
Solos	
  Áridos	
  
São	
  aqueles	
  que	
  pela	
  ausência	
  de	
  chuva	
  não	
  desenvolvem	
  seu	
  solo.	
  
	
  
Solos	
  de	
  Montanhas	
  
São	
  solos	
  é	
  jovens,	
  pouco	
  inteperizados.	
  
SOLOS	
  
Análise	
  do	
  solo	
  
	
  
Textura	
  
Depende	
  da	
  proporção	
  de	
  areia,	
  do	
  silte	
  ou	
  argila	
  na	
  sua	
  composição.	
  
As	
   porcentagens	
   de	
   argila,	
   silte	
   e	
   areia	
   mudam	
   bastante	
   ao	
   longo	
   da	
  
extensão	
  de	
  um	
  terreno.	
  A	
  maneira	
  em	
  que	
  esses	
  diferentes	
  Ipos	
  de	
  grãos	
  
se	
  distribuem	
  é	
  de	
  extrema	
  importância	
  na	
  disseminação	
  da	
  água	
  no	
  solo.	
  A	
  
textura	
  modifica	
  o	
  movimento	
  da	
  água.	
  
	
  
Cor	
  
Como	
  a	
  cor	
  é	
  algo	
  bastante	
  subjeIvo,	
  geralmente	
  em	
  todo	
  o	
  mundo	
  se	
  uIliza	
  
uma	
   tabela	
   de	
   cor	
   padrão,	
   chamada	
   de	
   Münsell.	
   Esta	
   tabela	
   consiste	
   em	
  
aproximadamente	
  170	
  cores	
  arranjadas	
  de	
  formas	
  diversas.	
  
A	
   cor	
   implica	
   diversas	
   considerações	
   imediatas	
   sobre	
   o	
   solo.	
   Geralmente,	
  
quanto	
   mais	
   escura,	
   maior	
   será	
   o	
   conteúdo	
   de	
   matéria	
   orgânica.	
   Já	
   a	
  
presença	
  de	
  óxidos	
  de	
  ferro	
  dão	
  tons	
  avermelhados	
  para	
  o	
  solos.	
  A	
  cor	
  preto-­‐
azulado	
  pode	
  determinar	
  magnésios.	
  
SOLOS	
  
Análise	
  do	
  solo	
  
	
  
Estrutura	
  
As	
   parkculas	
   da	
   textura	
   podem	
   se	
   encontrar	
   agregadas	
   (porém	
   não	
   como	
  
rochas).	
  A	
  estrutura	
  é	
  então	
  referente	
  ao	
  tamanho,	
  forma	
  e	
  aspecto	
  destes	
  
agregados.	
  
	
  
Consistência	
  
Os	
  agregados,	
  por	
  sua	
  vez,	
  têm	
  diversos	
  graus	
  de	
  adesão,	
  podendo	
  ser	
  mais	
  
friáveis	
  (macios)	
  ou	
  mais	
  brandos	
  (duros).	
  A	
  resistência	
  desses	
  agregados	
  é	
  
conhecida	
   como	
   consistência,	
   e,	
   como	
   depende	
   da	
   textura,	
   porosidade	
   e	
  
outros	
  fatores,	
  é	
  também	
  testada	
  em	
  amostras	
  
	
  
Porosidade	
  
Poros	
  são	
  os	
  ”espaços"	
  dentro	
  do	
  solo.	
  O	
  maior	
  fator	
  de	
  criação	
  de	
  tais	
  poros	
  
é	
  o	
  bioma	
  compostos	
  pela	
  fauna	
  edáfica,	
  em	
  especial	
  minhocas,	
  vermes	
  e	
  
insetos.	
  Os	
  poros	
  ajudam	
  a	
  penetração	
  de	
  água	
  e	
  sua	
  permeabilidade,	
  que,	
  
por	
   sua	
   vez,	
   transporta	
   material	
   para	
   dentro	
   do	
   solo,	
   dos	
   horizontes	
   mais	
  
superficiais	
  para	
  os	
  mais	
  profundos.	
  
	
  
SOLOS	
  
Análise	
  do	
  solo	
  
	
  
Feralidade	
  e	
  erosão	
  
	
  
O	
  solo	
  funciona	
  como	
  alicerce	
  da	
  vida	
  terrestre.	
  Os	
  micro	
  e	
  macro	
  nutrientes,	
  
assim	
  como	
  boa	
  porção	
  da	
  água	
  que	
  plantas	
  necessitam,	
  estão	
  nos	
  solos.	
  
	
  
Para	
  essa	
  vida	
  exisIr,	
  o	
  equilíbrio	
  dentro	
  solo	
  -­‐	
  que	
  age	
  desta	
  forma	
  como	
  
um	
  corpo	
  mediator	
  entre	
  litosfera,	
  hidrosfera,	
  biosfera	
  e	
  atmosfera	
  -­‐	
  deve	
  
estar	
  preservado	
  e	
  adequado.	
  Quando	
  isto	
  ocorre,	
  diz	
  se	
  que	
  o	
  solos	
  está	
  
férIl.	
   Se	
   um	
   dos	
   elementos	
   necessários	
   à	
   vida	
   não	
   esIver	
   presente,	
   ou	
  
esIver	
  em	
  número	
  insuficiente	
  para	
  aquele	
  bioma,	
  o	
  solo	
  está	
  inférIl	
  e	
  deve	
  
ser	
  arIficialmente	
  corrigido.	
  Muitas	
  vezes,	
  é	
  o	
  próprio	
  homem	
  que	
  torna	
  seu	
  
solo	
  inférIl,	
  através	
  da	
  erosão	
  ou	
  exploração	
  acelerada.	
  
SOLOS	
  
Erosão	
  	
  
•  É	
  um	
  processo	
  de	
  deslocamento	
  de	
  terra	
  ou	
  de	
  rochas	
  de	
  uma	
  superUcie.	
  	
  
•  Pode	
  ocorrer	
  por	
  ação	
  de	
  fenômenos	
  naturais	
  ou	
  antrópicos.	
  
	
  
Ações	
  Antrópicas	
  	
  
	
  
Muitas	
  ações	
  devidas	
  ao	
  homem	
  apressam	
  o	
  processo	
  de	
  erosão,	
  como	
  por	
  
exemplo:	
  
•  os	
  desmatamentos	
  desprotegem	
  os	
  solos	
  das	
  chuvas.	
  
•  o	
  avanço	
  imobiliário	
  em	
  encostas	
  que,	
  além	
  de	
  desflorestar,	
  provocam	
  a	
  
erosão	
  acelerada	
  devido	
  ao	
  declive	
  do	
  terreno.	
  
•  as	
  técnicas	
  agrícolas	
  inadequadas,	
  quando	
  se	
  promovem	
  desflorestações	
  
extensivas	
  para	
  dar	
  lugar	
  a	
  áreas	
  plantadas.	
  
•  a	
  ocupação	
  do	
  solo,	
  impedindo	
  grandes	
  áreas	
  de	
  terrenos	
  de	
  cumprirem	
  o	
  
seu	
   papel	
   de	
   absorvedor	
   de	
   águas	
   e	
   aumentando,	
   com	
   isso,	
   a	
  
potencialidade	
   do	
   transporte	
   de	
   materiais,	
   devido	
   ao	
   escoamento	
  
superficial.	
  
•  aIvidades	
  de	
  mineração,	
  de	
  forma	
  desordenada,	
  onde	
  os	
  solos	
  próximos	
  
podem	
  perder	
  sua	
  estrutura	
  de	
  sustentação.	
  	
  
SOLOS	
  
Ações	
  Naturais	
  
	
  
Geológica:	
  consiste	
  no	
  movimento	
  de	
  rochas	
  e	
  sedimentos	
  montanha	
  abaixo	
  
principalmente	
  devido	
  à	
  força	
  da	
  gravidade.	
  	
  
•  Glacial:	
   as	
   geleiras	
   (glaciares)	
   deslocam-­‐se	
   lentamente,	
   no	
   senIdo	
  
descendente	
  e	
  o	
  longo	
  dos	
  anos,	
  o	
  gelo	
  pode	
  desaparecer	
  das	
  geleiras,	
  
deixando	
  um	
  vale	
  em	
  forma	
  de	
  U	
  ou	
  um	
  fiorde,	
  se	
  junto	
  ao	
  mar.	
  
SOLOS	
  
Ações	
  Naturais	
  
	
  
Eólica:	
   ocorre	
   quando	
   o	
   vento	
   transporta	
   parkculas	
   diminutas	
   que	
   se	
  
chocam	
  contra	
  rochas	
  e	
  se	
  dividem	
  em	
  mais	
  parkculas	
  que	
  se	
  chocam	
  contra	
  
outras	
   rochas.	
   Podem	
   ser	
   vistas	
   nos	
   desertos	
   na	
   forma	
   de	
   dunas	
   e	
   de	
  
montanhas	
  retangulares	
  ou	
  também	
  em	
  zonas	
  relaIvamente	
  secas.	
  
SOLOS	
  
Ações	
  Naturais	
  
	
  
Hídrica:	
  Pode	
  ser:	
  
	
  
•  Fluvial:	
  é	
  o	
  desgaste	
  do	
  leito	
  e	
  das	
  margens	
  dos	
  rios	
  pelas	
  suas	
  águas.	
  Este	
  
processo	
  pode	
  levar	
  a	
  alterações	
  no	
  curso	
  do	
  rio.	
  	
  
•  Marinha:	
  processo	
  de	
  atrito	
  da	
  água	
  do	
  mar	
  com	
  as	
  rochas	
  que	
  acabam	
  
cedendo	
  transformando-­‐se	
  em	
  grãos.	
  
SOLOS	
  
Erosão	
  Hídrica	
  
	
  
Pluvial:	
  provocada	
  pela	
  reIrada	
  de	
  material	
  da	
  parte	
  superficial	
  do	
  solo	
  pelas	
  
águas	
  da	
  chuva.	
  	
  
	
  
-­‐  Laminar:	
  lavagem	
  superficial	
  ou	
  entre	
  sulcos	
  -­‐	
  remoção	
  uniforme	
  de	
  uma	
  
camada	
  superior	
  de	
  todo	
  o	
  terreno.	
  	
  
-­‐  Em	
   sulcos:	
   resulta	
   de	
   irregularidades	
   na	
   superUcie	
   do	
   solo	
   devido	
   à	
  
concentração	
  da	
  enxurrada	
  em	
  determinados	
  locais.	
  	
  
-­‐  Voçorocas:	
  (Ravinas):	
  vales	
  de	
  erosão	
  onde	
  a	
  remoção	
  é	
  rápida	
  a	
  ponto	
  
de	
  não	
  permiIr	
  o	
  desenvolvimento	
  da	
  vegetação.	
  	
  
FATORES	
  ASSOCIADOS	
  	
  
	
  
•  Clima:	
  chuvas,	
  ventos,	
  sol	
  -­‐	
  distribuição,	
  quanIdade	
  e	
  intensidade	
  	
  
•  Topografia:	
  declividade	
  do	
  terrenos	
  
•  Cobertura	
  vegetal	
  
•  Composição	
  do	
  solo	
  (textura,	
  permeabilidade	
  e	
  profundidade)	
  
SOLOS	
  
Erosão	
  Laminar	
  
SOLOS	
  
Erosão	
  em	
  Sulcos	
  
SOLOS	
  
Voçoroca	
  
SOLOS	
  
Ações	
  Antropogênicas	
  	
  
	
  
•  Compactação	
  do	
  solo	
  (pecuária	
  e	
  urbanização),	
  	
  
•  Desmatamento,	
  
•  Queimadas,	
  	
  
•  Monocultura,	
  	
  
•  Uso	
  incorreto	
  de	
  correIvos	
  de	
  solo,	
  ferIlizantes...	
  	
  
SOLOS	
  

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Morfologia do solo
Morfologia do soloMorfologia do solo
Morfologia do solo
Elvio Giasson
 
Rochas e minerais
Rochas e mineraisRochas e minerais
Rochas e minerais
Fabrício Almeida
 
10 Propriedades Físicas do Solo-aula
10 Propriedades Físicas do Solo-aula10 Propriedades Físicas do Solo-aula
10 Propriedades Físicas do Solo-aula
Romulo Vinicius Tio Rominho
 
Aula propriedades solo
Aula propriedades  soloAula propriedades  solo
Aula propriedades solo
Elton Mendes
 
Classificação geral dos solos e solos do brasil
Classificação geral dos solos e solos do brasilClassificação geral dos solos e solos do brasil
Classificação geral dos solos e solos do brasil
Thamires Bragança
 
Erosão
ErosãoErosão
Solos 2
Solos 2Solos 2
Solos
SolosSolos
Aula 1 ciencia do solo na agronomia
Aula 1   ciencia do solo na agronomiaAula 1   ciencia do solo na agronomia
Aula 1 ciencia do solo na agronomia
Jadson Belem de Moura
 
Hidrografia - oceanos e mares
Hidrografia - oceanos e maresHidrografia - oceanos e mares
Hidrografia - oceanos e mares
André Luiz Marques
 
Ciêcias- A Erosão , tipos de erosão
Ciêcias- A Erosão , tipos de erosãoCiêcias- A Erosão , tipos de erosão
Ciêcias- A Erosão , tipos de erosão
Jaicinha
 
Manejo e Conservação do Solo
Manejo e Conservação do SoloManejo e Conservação do Solo
Ciclo das rochas
Ciclo das rochasCiclo das rochas
Ciclo das rochas
Fabrício Almeida
 
Manejo e conservação dos solos
Manejo e conservação dos solosManejo e conservação dos solos
Manejo e conservação dos solos
Jadson Belem de Moura
 
Erosões
ErosõesErosões
Apresentação aula 9
Apresentação aula 9Apresentação aula 9
Apresentação aula 9
IF Baiano - Campus Catu
 
Propriedadesfsicasdosolo 110218164754-phpapp02
Propriedadesfsicasdosolo 110218164754-phpapp02Propriedadesfsicasdosolo 110218164754-phpapp02
Propriedadesfsicasdosolo 110218164754-phpapp02
IF Baiano - Campus Catu
 
Aula 05 sistema brasileiro de classificação de solos
Aula 05   sistema brasileiro de classificação de solosAula 05   sistema brasileiro de classificação de solos
Aula 05 sistema brasileiro de classificação de solos
Jadson Belem de Moura
 
Morfologia do solo
Morfologia do soloMorfologia do solo
Morfologia do solo
Leandro Araujo
 
Teoria da deriva dos continentes
Teoria da deriva dos continentesTeoria da deriva dos continentes
Teoria da deriva dos continentes
catiacsantos
 

Mais procurados (20)

Morfologia do solo
Morfologia do soloMorfologia do solo
Morfologia do solo
 
Rochas e minerais
Rochas e mineraisRochas e minerais
Rochas e minerais
 
10 Propriedades Físicas do Solo-aula
10 Propriedades Físicas do Solo-aula10 Propriedades Físicas do Solo-aula
10 Propriedades Físicas do Solo-aula
 
Aula propriedades solo
Aula propriedades  soloAula propriedades  solo
Aula propriedades solo
 
Classificação geral dos solos e solos do brasil
Classificação geral dos solos e solos do brasilClassificação geral dos solos e solos do brasil
Classificação geral dos solos e solos do brasil
 
Erosão
ErosãoErosão
Erosão
 
Solos 2
Solos 2Solos 2
Solos 2
 
Solos
SolosSolos
Solos
 
Aula 1 ciencia do solo na agronomia
Aula 1   ciencia do solo na agronomiaAula 1   ciencia do solo na agronomia
Aula 1 ciencia do solo na agronomia
 
Hidrografia - oceanos e mares
Hidrografia - oceanos e maresHidrografia - oceanos e mares
Hidrografia - oceanos e mares
 
Ciêcias- A Erosão , tipos de erosão
Ciêcias- A Erosão , tipos de erosãoCiêcias- A Erosão , tipos de erosão
Ciêcias- A Erosão , tipos de erosão
 
Manejo e Conservação do Solo
Manejo e Conservação do SoloManejo e Conservação do Solo
Manejo e Conservação do Solo
 
Ciclo das rochas
Ciclo das rochasCiclo das rochas
Ciclo das rochas
 
Manejo e conservação dos solos
Manejo e conservação dos solosManejo e conservação dos solos
Manejo e conservação dos solos
 
Erosões
ErosõesErosões
Erosões
 
Apresentação aula 9
Apresentação aula 9Apresentação aula 9
Apresentação aula 9
 
Propriedadesfsicasdosolo 110218164754-phpapp02
Propriedadesfsicasdosolo 110218164754-phpapp02Propriedadesfsicasdosolo 110218164754-phpapp02
Propriedadesfsicasdosolo 110218164754-phpapp02
 
Aula 05 sistema brasileiro de classificação de solos
Aula 05   sistema brasileiro de classificação de solosAula 05   sistema brasileiro de classificação de solos
Aula 05 sistema brasileiro de classificação de solos
 
Morfologia do solo
Morfologia do soloMorfologia do solo
Morfologia do solo
 
Teoria da deriva dos continentes
Teoria da deriva dos continentesTeoria da deriva dos continentes
Teoria da deriva dos continentes
 

Destaque

Intemperismo, erosão e formação dos solos
Intemperismo, erosão e formação dos solosIntemperismo, erosão e formação dos solos
Intemperismo, erosão e formação dos solos
Juarez Cavalcante
 
Rochas e solos
Rochas e solosRochas e solos
Rochas e solos
Guilherme Ribeiro
 
Powerpoint Solo
Powerpoint   SoloPowerpoint   Solo
Powerpoint Solo
Rosa Pereira
 
Aula 4
Aula 4Aula 4
Aula 2
Aula 2Aula 2
REBIO Mogi Guaçu
REBIO Mogi GuaçuREBIO Mogi Guaçu
REBIO Mogi Guaçu
Leandro A. Machado de Moura
 
Solo, Contaminação, PNGRS
Solo, Contaminação, PNGRSSolo, Contaminação, PNGRS
Solo, Contaminação, PNGRS
Leandro A. Machado de Moura
 
SNUC 2 - Pontos relevantes
SNUC 2 - Pontos relevantes SNUC 2 - Pontos relevantes
SNUC 2 - Pontos relevantes
Leandro A. Machado de Moura
 
Aula 6
Aula 6Aula 6
APP / REBIO de Mogi Guaçu
APP / REBIO de Mogi GuaçuAPP / REBIO de Mogi Guaçu
APP / REBIO de Mogi Guaçu
Leandro A. Machado de Moura
 
Cadeia Trófica
Cadeia TróficaCadeia Trófica
Aula 3
Aula 3Aula 3
Aula 5
Aula 5Aula 5
Tipos de solos
Tipos de solosTipos de solos
Tipos de solos
dela28
 
Slide 1 ano solo
Slide 1 ano soloSlide 1 ano solo
Slide 1 ano solo
Sílvia Almada
 
Relações Ecológicas
Relações EcológicasRelações Ecológicas
Relações Ecológicas
Leandro A. Machado de Moura
 
Solos
SolosSolos
Solos
gdw147
 
Conservação X Extinção
Conservação X  ExtinçãoConservação X  Extinção
Conservação X Extinção
Leandro A. Machado de Moura
 
Japão resumo a potencia do oriente
Japão resumo a potencia do orienteJapão resumo a potencia do oriente
Japão resumo a potencia do oriente
Judson Malta
 
Intemperismo
IntemperismoIntemperismo
Intemperismo
Fabrício Almeida
 

Destaque (20)

Intemperismo, erosão e formação dos solos
Intemperismo, erosão e formação dos solosIntemperismo, erosão e formação dos solos
Intemperismo, erosão e formação dos solos
 
Rochas e solos
Rochas e solosRochas e solos
Rochas e solos
 
Powerpoint Solo
Powerpoint   SoloPowerpoint   Solo
Powerpoint Solo
 
Aula 4
Aula 4Aula 4
Aula 4
 
Aula 2
Aula 2Aula 2
Aula 2
 
REBIO Mogi Guaçu
REBIO Mogi GuaçuREBIO Mogi Guaçu
REBIO Mogi Guaçu
 
Solo, Contaminação, PNGRS
Solo, Contaminação, PNGRSSolo, Contaminação, PNGRS
Solo, Contaminação, PNGRS
 
SNUC 2 - Pontos relevantes
SNUC 2 - Pontos relevantes SNUC 2 - Pontos relevantes
SNUC 2 - Pontos relevantes
 
Aula 6
Aula 6Aula 6
Aula 6
 
APP / REBIO de Mogi Guaçu
APP / REBIO de Mogi GuaçuAPP / REBIO de Mogi Guaçu
APP / REBIO de Mogi Guaçu
 
Cadeia Trófica
Cadeia TróficaCadeia Trófica
Cadeia Trófica
 
Aula 3
Aula 3Aula 3
Aula 3
 
Aula 5
Aula 5Aula 5
Aula 5
 
Tipos de solos
Tipos de solosTipos de solos
Tipos de solos
 
Slide 1 ano solo
Slide 1 ano soloSlide 1 ano solo
Slide 1 ano solo
 
Relações Ecológicas
Relações EcológicasRelações Ecológicas
Relações Ecológicas
 
Solos
SolosSolos
Solos
 
Conservação X Extinção
Conservação X  ExtinçãoConservação X  Extinção
Conservação X Extinção
 
Japão resumo a potencia do oriente
Japão resumo a potencia do orienteJapão resumo a potencia do oriente
Japão resumo a potencia do oriente
 
Intemperismo
IntemperismoIntemperismo
Intemperismo
 

Semelhante a Solo - Pedogênese

Classificaogeraldossolosesolosdobrasil 120821200540-phpapp02
Classificaogeraldossolosesolosdobrasil 120821200540-phpapp02Classificaogeraldossolosesolosdobrasil 120821200540-phpapp02
Classificaogeraldossolosesolosdobrasil 120821200540-phpapp02
Bárbara Ruth
 
GÊNESE DO SOLO
GÊNESE DO SOLO GÊNESE DO SOLO
GÊNESE DO SOLO
AnaClaudiaHonorio
 
Origem dos Solos
Origem dos SolosOrigem dos Solos
Origem dos Solos
Murilo Sierro
 
Trabalho de pedologia
Trabalho de pedologia Trabalho de pedologia
Trabalho de pedologia
ufmt
 
Solos E Ocupação Rural No Mundo
Solos E Ocupação Rural No MundoSolos E Ocupação Rural No Mundo
Solos E Ocupação Rural No Mundo
ProfMario De Mori
 
Tipos de solo 1 c
Tipos de solo 1 cTipos de solo 1 c
Tipos de solo 1 c
Maria Teresa Iannaco Grego
 
agricultura_principios_de_form_cons_nutri_de_solos_e_qualid_da_agua.pdf
agricultura_principios_de_form_cons_nutri_de_solos_e_qualid_da_agua.pdfagricultura_principios_de_form_cons_nutri_de_solos_e_qualid_da_agua.pdf
agricultura_principios_de_form_cons_nutri_de_solos_e_qualid_da_agua.pdf
nnat3
 
Relatorio
RelatorioRelatorio
Relatorio
RelatorioRelatorio
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃOSOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
Conceição Fontolan
 
origem dos solos!
origem dos solos!origem dos solos!
origem dos solos!
LucAs Oliveira
 
Pedologia- Geografia - Geologia - aula_01.pptx
Pedologia- Geografia - Geologia - aula_01.pptxPedologia- Geografia - Geologia - aula_01.pptx
Pedologia- Geografia - Geologia - aula_01.pptx
leandropereira983288
 
Brozura solos bie
Brozura solos bieBrozura solos bie
Brozura solos bie
Lóide Chivinda
 
Pedologia
PedologiaPedologia
Pedologia
Alfai Bene
 
Ciências do Ambiente - Cap 4 - Meio terrestre: características e poluição
Ciências do Ambiente - Cap 4 - Meio terrestre: características e poluiçãoCiências do Ambiente - Cap 4 - Meio terrestre: características e poluição
Ciências do Ambiente - Cap 4 - Meio terrestre: características e poluição
elonvila
 
Aula 3 propriedades morfológicas
Aula 3 propriedades morfológicasAula 3 propriedades morfológicas
Aula 3 propriedades morfológicas
karolpoa
 
Aula propriedades morfológicas
Aula  propriedades morfológicasAula  propriedades morfológicas
Aula propriedades morfológicas
Carolina Corrêa
 
Solos
SolosSolos
Solos
Neila
 
química da litosfera. Poluição ambientalpptx
química da litosfera. Poluição ambientalpptxquímica da litosfera. Poluição ambientalpptx
química da litosfera. Poluição ambientalpptx
crislania1
 
antonio inacio ferraz-,Solo
antonio inacio ferraz-,Soloantonio inacio ferraz-,Solo
antonio inacio ferraz-,Solo
Antonio Inácio Ferraz
 

Semelhante a Solo - Pedogênese (20)

Classificaogeraldossolosesolosdobrasil 120821200540-phpapp02
Classificaogeraldossolosesolosdobrasil 120821200540-phpapp02Classificaogeraldossolosesolosdobrasil 120821200540-phpapp02
Classificaogeraldossolosesolosdobrasil 120821200540-phpapp02
 
GÊNESE DO SOLO
GÊNESE DO SOLO GÊNESE DO SOLO
GÊNESE DO SOLO
 
Origem dos Solos
Origem dos SolosOrigem dos Solos
Origem dos Solos
 
Trabalho de pedologia
Trabalho de pedologia Trabalho de pedologia
Trabalho de pedologia
 
Solos E Ocupação Rural No Mundo
Solos E Ocupação Rural No MundoSolos E Ocupação Rural No Mundo
Solos E Ocupação Rural No Mundo
 
Tipos de solo 1 c
Tipos de solo 1 cTipos de solo 1 c
Tipos de solo 1 c
 
agricultura_principios_de_form_cons_nutri_de_solos_e_qualid_da_agua.pdf
agricultura_principios_de_form_cons_nutri_de_solos_e_qualid_da_agua.pdfagricultura_principios_de_form_cons_nutri_de_solos_e_qualid_da_agua.pdf
agricultura_principios_de_form_cons_nutri_de_solos_e_qualid_da_agua.pdf
 
Relatorio
RelatorioRelatorio
Relatorio
 
Relatorio
RelatorioRelatorio
Relatorio
 
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃOSOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
 
origem dos solos!
origem dos solos!origem dos solos!
origem dos solos!
 
Pedologia- Geografia - Geologia - aula_01.pptx
Pedologia- Geografia - Geologia - aula_01.pptxPedologia- Geografia - Geologia - aula_01.pptx
Pedologia- Geografia - Geologia - aula_01.pptx
 
Brozura solos bie
Brozura solos bieBrozura solos bie
Brozura solos bie
 
Pedologia
PedologiaPedologia
Pedologia
 
Ciências do Ambiente - Cap 4 - Meio terrestre: características e poluição
Ciências do Ambiente - Cap 4 - Meio terrestre: características e poluiçãoCiências do Ambiente - Cap 4 - Meio terrestre: características e poluição
Ciências do Ambiente - Cap 4 - Meio terrestre: características e poluição
 
Aula 3 propriedades morfológicas
Aula 3 propriedades morfológicasAula 3 propriedades morfológicas
Aula 3 propriedades morfológicas
 
Aula propriedades morfológicas
Aula  propriedades morfológicasAula  propriedades morfológicas
Aula propriedades morfológicas
 
Solos
SolosSolos
Solos
 
química da litosfera. Poluição ambientalpptx
química da litosfera. Poluição ambientalpptxquímica da litosfera. Poluição ambientalpptx
química da litosfera. Poluição ambientalpptx
 
antonio inacio ferraz-,Solo
antonio inacio ferraz-,Soloantonio inacio ferraz-,Solo
antonio inacio ferraz-,Solo
 

Mais de Leandro A. Machado de Moura

Princípios da Evolução
Princípios da EvoluçãoPrincípios da Evolução
Princípios da Evolução
Leandro A. Machado de Moura
 
Medicina Veterinária da Conservação
Medicina Veterinária da ConservaçãoMedicina Veterinária da Conservação
Medicina Veterinária da Conservação
Leandro A. Machado de Moura
 
Introdução á Ecologia
Introdução á EcologiaIntrodução á Ecologia
Introdução á Ecologia
Leandro A. Machado de Moura
 
Recuperação de Áreas Degradadas por Mineração
Recuperação de Áreas Degradadas por MineraçãoRecuperação de Áreas Degradadas por Mineração
Recuperação de Áreas Degradadas por Mineração
Leandro A. Machado de Moura
 
UC's - Conservação de Espécies e Populações
UC's - Conservação de Espécies e Populações UC's - Conservação de Espécies e Populações
UC's - Conservação de Espécies e Populações
Leandro A. Machado de Moura
 
SNUC - Sistema Nacional de Unidades de Conservação
SNUC - Sistema Nacional de Unidades de Conservação SNUC - Sistema Nacional de Unidades de Conservação
SNUC - Sistema Nacional de Unidades de Conservação
Leandro A. Machado de Moura
 
Unidades de Conservação - Conceituação e Classificação
Unidades de Conservação - Conceituação e Classificação Unidades de Conservação - Conceituação e Classificação
Unidades de Conservação - Conceituação e Classificação
Leandro A. Machado de Moura
 
Desenvolvimento, Conservação e Sustentabilidade
Desenvolvimento, Conservação e Sustentabilidade Desenvolvimento, Conservação e Sustentabilidade
Desenvolvimento, Conservação e Sustentabilidade
Leandro A. Machado de Moura
 
Controle de Pragas na Jardinagem
Controle de Pragas na JardinagemControle de Pragas na Jardinagem
Controle de Pragas na Jardinagem
Leandro A. Machado de Moura
 
Adubação
AdubaçãoAdubação
Classificação das Plantas
Classificação das PlantasClassificação das Plantas
Classificação das Plantas
Leandro A. Machado de Moura
 
Técnicas de Poda
Técnicas de PodaTécnicas de Poda
Técnicas de Poda
Leandro A. Machado de Moura
 
Biomas Brasileiros
Biomas Brasileiros Biomas Brasileiros
Biomas Brasileiros
Leandro A. Machado de Moura
 
Classificação dos Seres Vivos
Classificação dos Seres Vivos Classificação dos Seres Vivos
Classificação dos Seres Vivos
Leandro A. Machado de Moura
 
Técnicas de Propagação Vegetativa
Técnicas de Propagação Vegetativa Técnicas de Propagação Vegetativa
Técnicas de Propagação Vegetativa
Leandro A. Machado de Moura
 
Manual de RAD - SP
Manual de RAD - SPManual de RAD - SP
Manual de RAD - SP
Leandro A. Machado de Moura
 

Mais de Leandro A. Machado de Moura (16)

Princípios da Evolução
Princípios da EvoluçãoPrincípios da Evolução
Princípios da Evolução
 
Medicina Veterinária da Conservação
Medicina Veterinária da ConservaçãoMedicina Veterinária da Conservação
Medicina Veterinária da Conservação
 
Introdução á Ecologia
Introdução á EcologiaIntrodução á Ecologia
Introdução á Ecologia
 
Recuperação de Áreas Degradadas por Mineração
Recuperação de Áreas Degradadas por MineraçãoRecuperação de Áreas Degradadas por Mineração
Recuperação de Áreas Degradadas por Mineração
 
UC's - Conservação de Espécies e Populações
UC's - Conservação de Espécies e Populações UC's - Conservação de Espécies e Populações
UC's - Conservação de Espécies e Populações
 
SNUC - Sistema Nacional de Unidades de Conservação
SNUC - Sistema Nacional de Unidades de Conservação SNUC - Sistema Nacional de Unidades de Conservação
SNUC - Sistema Nacional de Unidades de Conservação
 
Unidades de Conservação - Conceituação e Classificação
Unidades de Conservação - Conceituação e Classificação Unidades de Conservação - Conceituação e Classificação
Unidades de Conservação - Conceituação e Classificação
 
Desenvolvimento, Conservação e Sustentabilidade
Desenvolvimento, Conservação e Sustentabilidade Desenvolvimento, Conservação e Sustentabilidade
Desenvolvimento, Conservação e Sustentabilidade
 
Controle de Pragas na Jardinagem
Controle de Pragas na JardinagemControle de Pragas na Jardinagem
Controle de Pragas na Jardinagem
 
Adubação
AdubaçãoAdubação
Adubação
 
Classificação das Plantas
Classificação das PlantasClassificação das Plantas
Classificação das Plantas
 
Técnicas de Poda
Técnicas de PodaTécnicas de Poda
Técnicas de Poda
 
Biomas Brasileiros
Biomas Brasileiros Biomas Brasileiros
Biomas Brasileiros
 
Classificação dos Seres Vivos
Classificação dos Seres Vivos Classificação dos Seres Vivos
Classificação dos Seres Vivos
 
Técnicas de Propagação Vegetativa
Técnicas de Propagação Vegetativa Técnicas de Propagação Vegetativa
Técnicas de Propagação Vegetativa
 
Manual de RAD - SP
Manual de RAD - SPManual de RAD - SP
Manual de RAD - SP
 

Último

Muro Relatório de Fiscalização SPU 2024.pdf
Muro Relatório de Fiscalização SPU 2024.pdfMuro Relatório de Fiscalização SPU 2024.pdf
Muro Relatório de Fiscalização SPU 2024.pdf
Marco Zero Conteúdo
 
Melhoramento animal genética e estatística
Melhoramento animal genética e estatísticaMelhoramento animal genética e estatística
Melhoramento animal genética e estatística
tyciavilela
 
CIGAROSS DRA_SANDRA_DA_SILVA_MARQUES.pdf
CIGAROSS DRA_SANDRA_DA_SILVA_MARQUES.pdfCIGAROSS DRA_SANDRA_DA_SILVA_MARQUES.pdf
CIGAROSS DRA_SANDRA_DA_SILVA_MARQUES.pdf
viictorrkk
 
Muro Auto de Infração Sec. Patrimônio da União.pdf
Muro Auto de Infração Sec. Patrimônio da União.pdfMuro Auto de Infração Sec. Patrimônio da União.pdf
Muro Auto de Infração Sec. Patrimônio da União.pdf
Marco Zero Conteúdo
 
Apostila FEV-2008 - Micromorfologia de Solos.pdf
Apostila FEV-2008 - Micromorfologia de Solos.pdfApostila FEV-2008 - Micromorfologia de Solos.pdf
Apostila FEV-2008 - Micromorfologia de Solos.pdf
Ademir36
 
Economia Circular na Produção de Filmes e Revestimentos Comestíveis.pdf
Economia Circular na Produção de Filmes e Revestimentos Comestíveis.pdfEconomia Circular na Produção de Filmes e Revestimentos Comestíveis.pdf
Economia Circular na Produção de Filmes e Revestimentos Comestíveis.pdf
DeboraGomes73
 
Manejo de insetos-pragas sugadores .pptx
Manejo de insetos-pragas sugadores .pptxManejo de insetos-pragas sugadores .pptx
Manejo de insetos-pragas sugadores .pptx
Geagra UFG
 

Último (7)

Muro Relatório de Fiscalização SPU 2024.pdf
Muro Relatório de Fiscalização SPU 2024.pdfMuro Relatório de Fiscalização SPU 2024.pdf
Muro Relatório de Fiscalização SPU 2024.pdf
 
Melhoramento animal genética e estatística
Melhoramento animal genética e estatísticaMelhoramento animal genética e estatística
Melhoramento animal genética e estatística
 
CIGAROSS DRA_SANDRA_DA_SILVA_MARQUES.pdf
CIGAROSS DRA_SANDRA_DA_SILVA_MARQUES.pdfCIGAROSS DRA_SANDRA_DA_SILVA_MARQUES.pdf
CIGAROSS DRA_SANDRA_DA_SILVA_MARQUES.pdf
 
Muro Auto de Infração Sec. Patrimônio da União.pdf
Muro Auto de Infração Sec. Patrimônio da União.pdfMuro Auto de Infração Sec. Patrimônio da União.pdf
Muro Auto de Infração Sec. Patrimônio da União.pdf
 
Apostila FEV-2008 - Micromorfologia de Solos.pdf
Apostila FEV-2008 - Micromorfologia de Solos.pdfApostila FEV-2008 - Micromorfologia de Solos.pdf
Apostila FEV-2008 - Micromorfologia de Solos.pdf
 
Economia Circular na Produção de Filmes e Revestimentos Comestíveis.pdf
Economia Circular na Produção de Filmes e Revestimentos Comestíveis.pdfEconomia Circular na Produção de Filmes e Revestimentos Comestíveis.pdf
Economia Circular na Produção de Filmes e Revestimentos Comestíveis.pdf
 
Manejo de insetos-pragas sugadores .pptx
Manejo de insetos-pragas sugadores .pptxManejo de insetos-pragas sugadores .pptx
Manejo de insetos-pragas sugadores .pptx
 

Solo - Pedogênese

  • 1. RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS Gestão  Ambiental  –  2014     Aula  12   Prof.  Biól.  Leandro  A.  Machado  de  Moura   lammoura@uol.com.br  
  • 2. Solo     •  É  um  meio  complexo  e  heterogêneo,  produto  de  alteração  do  remanejamento   e  da  organização  do  material  original  (rocha,  sedimento  ou  outro  solo),  sob  a   ação  da  vida,  da  atmosfera  e  das  trocas  de  energia  que  aí  se  manifestam.  É   consItuído  por  quanIdades  variáveis  de  minerais,  matéria  orgânica,  água,  ar   e   organismos   vivos,   incluindo   plantas,   bactérias,   fungos,   protozoários,   invertebrados  e  outros  animais.     Principais  funções:     •  Sustentação  da  vida  e  do  habitat     •  Manutenção  do  ciclo  da  água  e  dos  nutrientes;     •  Proteção  da  água  subterrânea;   •  Manutenção  do  patrimônio  histórico,  natural  e  cultural;   •  Conservação  das  reservas  minerais  e  de  matérias  primas,   •  Produção  de  alimentos;     •  Meio  para  manutenção  da  aIvidade  sócio-­‐econômica.   SOLOS   (Fonte:  CETESB,  2014)  
  • 3. Pedogênese     •  É   o   processo   químico   e   Usico   de   alteração   (adição,   remoção,   transporte   e   modificação)  que  atua  sobre  um  material  litológico,  originando  um  solo.   •  Solos  estão  constantemente  em  desenvolvimento,  nunca  estando  estáIcos,   por  mais  curto  que  seja  o  tempo  considerado.     •  Um   solo   é   o   produto   de   uma   ação   combinada   e   concomitante   de   diversos   fatores.  A  maior  ou  menor  intensidade  de  algum  fator  pode  ser  determinante   na   criação   de   um   ou   outro   solo.   São   comumente   ditos   como   fatores   da   formação  de  solo  2  :  clima,  material  de  origem,  organismos,  tempo  e  relevo.     SOLOS  
  • 4. Morfologia  –  classificação       A  úlIma  versão  do  Sistema  Brasileiro  de  Classificação  de  Solos  (SiBCS)  é  dividida   em  13  ordens  de  solo:     1.  Argissolo,     2.  Cambissolo,     3.  Chernossolo,     4.  Espodossolo,     5.  Gleissolo,     6.  Latossolo,     7.  Luvissolo,     8.  Neossolo,     9.  Nitossolo,     10.  Organossolo,     11.  Planossolo,     12.  Plintossolo  e   13.  VerIssolo.   SOLOS  
  • 5. Morfologia  –  Classificação  Taxonômica       Ex.:     Argilosolo     São   solos   consItuídos   por   material   mineral,   caracterizado   pela   argila,   apresentando  horizonte  B  textural  imediatamente  abaixo  do  A  ou  E,  com  argila   de  aIvidade  baixa  ou  com  argila  de  aIvidade  alta  conjugada  com  saturação  por   bases  baixa  e/ou  caráter  alíIco  na  maior  parte  do  horizonte  B.         REFERÊNCIA  PARA  A  CLASSIFICAÇÃO  DE  SOLOS:     EMBRAPA  -­‐  CNPS.  Sistema  Brasileiro  de  Classificação  de  Solos.  Brasília:  Embrapa-­‐ SPI;  Rio  de  Janeiro:  Embrapa-­‐Solos,  2006.   SOLOS  
  • 6. Morfologia  –  Horizontes  e  Perfis   SOLOS   Um   solo   possuí   camadas   horizontais   de   morfologia   diferente   entre   si.   Essas   camadas   são   chamadas   de   horizontes.   Essas   camadas,   apesar   de   todos   as   normas   e   técnicas,   dependem   para   sua   delimitação   em  campo  estritamente  dos  senIdos  do  pedólogo.     A  soma  destas  camadas  define  o  perfil  do  solo.  Com  a   ação   pedogenéIca,   tal   como   perturbação   de   seres   vivos,  infiltração  de  água,  entre  outros,  é  variável  ao   perfil.     Diz-­‐se  que  quanto  mais  distante  da  rocha  mãe,  mais   intensa  e/ou  anIga  foi  a  ação  pedogenéIca.  
  • 7. Pedogênese       SOLOS  
  • 8. Pedogênese       SOLOS  
  • 9. Morfologia  –  Classificação  Granulométrica       Solos  arenosos   São   aqueles   que   tem   grande   parte   de   suas   parkculas   classificadas   na   fração   areia,formado  principalmente  por  cristais  de  quartzo  e  minerais  primários.     Solos  siltosos   São  aqueles  que  tem  grande  parte  de  suas  parkculas  classificadas  na  fração  silte,   de  tamanho  entre  0,05  e  0,002mm,  geralmente  são  muito  erosíveis.  O  silte  não   se  agrega  como  as  argilas  e  ao  mesmo  tempo  suas  parkculas  são  muito  pequenas   e  leves.  São  geralmente  finos.     Solos  argilosos   São   aqueles   que   tem   grande   parte   de   suas   parkculas   classificadas   na   fração   argila,  de  tamanho  menor  que  0,002mm.  Não  são  tão  arejados,  mas  armazenam   mais   água   quando   bem   estruturados.   São   geralmente   menos   permeáveis,   embora   alguns   solos   brasileiros   muito   argilosos   apresentam   grande   permeabilidade  -­‐  graças  aos  poros  de  origem  biológica.  Formam  pequenos  grãos   que  lembram  a  sensação  tácIl  de  pó-­‐de-­‐café  e  isso  lhes  dá  certas  caraterísIcas   similares  ao  arenoso.   SOLOS  
  • 10. Morfologia  –  Classificação  Granulométrica     SOLOS  
  • 11. Morfologia  –  Classificação  Granulométrica     SOLOS  
  • 12. Morfologia  –  Classificação  Granulométrica       Solos  humosos  ou  orgânicos     Composto   de   materiais   orgânicos   (restos   de   organismos  mortos  e  em  decomposição),  além  da   areia   e   da   argila.   O   húmus   é   o   resíduo   ou   composto   solúvel   originado   pela   biodegradação   da  matéria  orgânica,  que  o  torna  disponível  para   as  plantas  nutrientes  minerais  e  gasosos  como  o   nitrogênio  (N).   SOLOS  
  • 13. Morfologia  –  Classificação  Granulométrica       Latossolos   Geralmente  são  solos  muito  profundos  (maior  que  2  m),  bem  desenvolvidos,   localizados  em  terrenos  planos  ou  pouco  ondulados,  tem  textura  granular  e   coloração   amarela   a   vermelha   escura.   São   solos   kpicos   de   regiões   de   clima   tropical   úmido   e   semi-­‐úmido,   como   Brasil   e   a   África   central.   Sua   coloração   pode  ser  avermelhada,  alaranjada  ou  amarelada.  Isso  evidencia  concentração   de  óxidos  de  Fe  e  Al  em  tais  solos.       Solos  lixiviados   São   aqueles   que   a   grande   quanIdade   de   chuva   carrega   seus   nutrientes,   tornando  o  solo  pobre  (pobre  em  potássio  e  nitrogênio).     Solos  Áridos   São  aqueles  que  pela  ausência  de  chuva  não  desenvolvem  seu  solo.     Solos  de  Montanhas   São  solos  é  jovens,  pouco  inteperizados.   SOLOS  
  • 14. Análise  do  solo     Textura   Depende  da  proporção  de  areia,  do  silte  ou  argila  na  sua  composição.   As   porcentagens   de   argila,   silte   e   areia   mudam   bastante   ao   longo   da   extensão  de  um  terreno.  A  maneira  em  que  esses  diferentes  Ipos  de  grãos   se  distribuem  é  de  extrema  importância  na  disseminação  da  água  no  solo.  A   textura  modifica  o  movimento  da  água.     Cor   Como  a  cor  é  algo  bastante  subjeIvo,  geralmente  em  todo  o  mundo  se  uIliza   uma   tabela   de   cor   padrão,   chamada   de   Münsell.   Esta   tabela   consiste   em   aproximadamente  170  cores  arranjadas  de  formas  diversas.   A   cor   implica   diversas   considerações   imediatas   sobre   o   solo.   Geralmente,   quanto   mais   escura,   maior   será   o   conteúdo   de   matéria   orgânica.   Já   a   presença  de  óxidos  de  ferro  dão  tons  avermelhados  para  o  solos.  A  cor  preto-­‐ azulado  pode  determinar  magnésios.   SOLOS  
  • 15. Análise  do  solo     Estrutura   As   parkculas   da   textura   podem   se   encontrar   agregadas   (porém   não   como   rochas).  A  estrutura  é  então  referente  ao  tamanho,  forma  e  aspecto  destes   agregados.     Consistência   Os  agregados,  por  sua  vez,  têm  diversos  graus  de  adesão,  podendo  ser  mais   friáveis  (macios)  ou  mais  brandos  (duros).  A  resistência  desses  agregados  é   conhecida   como   consistência,   e,   como   depende   da   textura,   porosidade   e   outros  fatores,  é  também  testada  em  amostras     Porosidade   Poros  são  os  ”espaços"  dentro  do  solo.  O  maior  fator  de  criação  de  tais  poros   é  o  bioma  compostos  pela  fauna  edáfica,  em  especial  minhocas,  vermes  e   insetos.  Os  poros  ajudam  a  penetração  de  água  e  sua  permeabilidade,  que,   por   sua   vez,   transporta   material   para   dentro   do   solo,   dos   horizontes   mais   superficiais  para  os  mais  profundos.     SOLOS  
  • 16. Análise  do  solo     Feralidade  e  erosão     O  solo  funciona  como  alicerce  da  vida  terrestre.  Os  micro  e  macro  nutrientes,   assim  como  boa  porção  da  água  que  plantas  necessitam,  estão  nos  solos.     Para  essa  vida  exisIr,  o  equilíbrio  dentro  solo  -­‐  que  age  desta  forma  como   um  corpo  mediator  entre  litosfera,  hidrosfera,  biosfera  e  atmosfera  -­‐  deve   estar  preservado  e  adequado.  Quando  isto  ocorre,  diz  se  que  o  solos  está   férIl.   Se   um   dos   elementos   necessários   à   vida   não   esIver   presente,   ou   esIver  em  número  insuficiente  para  aquele  bioma,  o  solo  está  inférIl  e  deve   ser  arIficialmente  corrigido.  Muitas  vezes,  é  o  próprio  homem  que  torna  seu   solo  inférIl,  através  da  erosão  ou  exploração  acelerada.   SOLOS  
  • 17. Erosão     •  É  um  processo  de  deslocamento  de  terra  ou  de  rochas  de  uma  superUcie.     •  Pode  ocorrer  por  ação  de  fenômenos  naturais  ou  antrópicos.     Ações  Antrópicas       Muitas  ações  devidas  ao  homem  apressam  o  processo  de  erosão,  como  por   exemplo:   •  os  desmatamentos  desprotegem  os  solos  das  chuvas.   •  o  avanço  imobiliário  em  encostas  que,  além  de  desflorestar,  provocam  a   erosão  acelerada  devido  ao  declive  do  terreno.   •  as  técnicas  agrícolas  inadequadas,  quando  se  promovem  desflorestações   extensivas  para  dar  lugar  a  áreas  plantadas.   •  a  ocupação  do  solo,  impedindo  grandes  áreas  de  terrenos  de  cumprirem  o   seu   papel   de   absorvedor   de   águas   e   aumentando,   com   isso,   a   potencialidade   do   transporte   de   materiais,   devido   ao   escoamento   superficial.   •  aIvidades  de  mineração,  de  forma  desordenada,  onde  os  solos  próximos   podem  perder  sua  estrutura  de  sustentação.     SOLOS  
  • 18. Ações  Naturais     Geológica:  consiste  no  movimento  de  rochas  e  sedimentos  montanha  abaixo   principalmente  devido  à  força  da  gravidade.     •  Glacial:   as   geleiras   (glaciares)   deslocam-­‐se   lentamente,   no   senIdo   descendente  e  o  longo  dos  anos,  o  gelo  pode  desaparecer  das  geleiras,   deixando  um  vale  em  forma  de  U  ou  um  fiorde,  se  junto  ao  mar.   SOLOS  
  • 19. Ações  Naturais     Eólica:   ocorre   quando   o   vento   transporta   parkculas   diminutas   que   se   chocam  contra  rochas  e  se  dividem  em  mais  parkculas  que  se  chocam  contra   outras   rochas.   Podem   ser   vistas   nos   desertos   na   forma   de   dunas   e   de   montanhas  retangulares  ou  também  em  zonas  relaIvamente  secas.   SOLOS  
  • 20. Ações  Naturais     Hídrica:  Pode  ser:     •  Fluvial:  é  o  desgaste  do  leito  e  das  margens  dos  rios  pelas  suas  águas.  Este   processo  pode  levar  a  alterações  no  curso  do  rio.     •  Marinha:  processo  de  atrito  da  água  do  mar  com  as  rochas  que  acabam   cedendo  transformando-­‐se  em  grãos.   SOLOS  
  • 21. Erosão  Hídrica     Pluvial:  provocada  pela  reIrada  de  material  da  parte  superficial  do  solo  pelas   águas  da  chuva.       -­‐  Laminar:  lavagem  superficial  ou  entre  sulcos  -­‐  remoção  uniforme  de  uma   camada  superior  de  todo  o  terreno.     -­‐  Em   sulcos:   resulta   de   irregularidades   na   superUcie   do   solo   devido   à   concentração  da  enxurrada  em  determinados  locais.     -­‐  Voçorocas:  (Ravinas):  vales  de  erosão  onde  a  remoção  é  rápida  a  ponto   de  não  permiIr  o  desenvolvimento  da  vegetação.     FATORES  ASSOCIADOS       •  Clima:  chuvas,  ventos,  sol  -­‐  distribuição,  quanIdade  e  intensidade     •  Topografia:  declividade  do  terrenos   •  Cobertura  vegetal   •  Composição  do  solo  (textura,  permeabilidade  e  profundidade)   SOLOS  
  • 23. Erosão  em  Sulcos   SOLOS  
  • 25. Ações  Antropogênicas       •  Compactação  do  solo  (pecuária  e  urbanização),     •  Desmatamento,   •  Queimadas,     •  Monocultura,     •  Uso  incorreto  de  correIvos  de  solo,  ferIlizantes...     SOLOS