SlideShare uma empresa Scribd logo
RELAÇÕES
INTERPESSOAIS
Questões a abordar…

O que pensamos dos outros?

Por que razão agimos de
determinada maneira face a
uma dada situação social?

Como os influenciamos?

Como nos influenciam a nós?

Como nos relacionamos com
os outros?

Como formamos as nossas
impressões? E as atitudes? E
os preconceitos?
RELAÇÕES INTERPESSOAIS

      Temas a abordar:
Processos de cognição social
•



Processos de influência entre indivíduos
•



Processos de relação entre os indivíduos e os grupos
•
O desconhecido é incómodo.
Lemos o mundo social através dos…

    Processos de cognição social
Ver definição de cognição social no
        manual p. 150
As relações que estabelecemos com os outros
estão envoltas em diversos factores de ordem cognitiva
que nos ajudam a:

Interpretar as situações
•



Procurar as respostas mais adequadas a essas situações
•
Processos de cognição social

   Impressões
   Expectativas
   Atitudes
   Representações sociais
IMPRESSÕES – O QUE SÃO?
IMPRESSÕES
   A partir do primeiro contacto com alguém
    construimos uma imagem/ideia sobre essa pessoa a
    partir de algumas características, indícios que
    seleccionamos e consideramos mais significativos.

   Noções criadas espontaneamente a partir do
    contacto com as pessoas e que nos fornecem um
    quadro interpretativo para as julgarmos quanto às
    suas características principais e comportamento.
Impressões
Como se formam as impressões?

   Através da categorização
      permite simplificar a complexidade do mundo
      social; conjunto de processos psicológicos a partir
      dos quais ordenamos o ambiente em categorias
         grupos de pessoas, objectos, acontecimentos,
         etc.
Categorização – 3 tipos


   Afectiva


   Moral


   Instrumental
Indícios para a formação das
primeiras impressões

   Físicos

   Verbais

   Não verbais

   Comportamentais
   Através da impressão formamos um esboço
    psicológico da pessoa.
Qual a importância das primeiras
impressões?

       A ordem com que
         conhecemos as
     características de uma
     pessoa é importante?
Primeiras impressões
   Persistência das primeiras impressões –
    resistência em integrar informações que
    contrariam as primeiras impressões.

   Efeito de halo - Thurnstone
EXPECTATIVAS
Expectativa
   Representação interna mental das regularidades
    do mundo exterior ou das relações entre as acções
    do sujeito e o mundo exterior.
Funções das expectativas
   Permitem prever os comportamentos e atitudes e
    estabelecer relações duradouras entre as pessoas.
   Afectam o modo como interagimos com os outros,
    como interagem connosco.
   Influenciam a nossa identidade.
   Expectativas positivas – comportamentos positivos e
    vice-versa.
Como formamos as expectativas?
   Indução – incluimos a pessoa numa dada categoria.



   Dedução – atribuimos-lhe certas características não
    observadas.
Relações interpessoais
Relações interpessoais
   Importância do processo de socialização na
    formação das expectativas (valores, crenças,
    princípios, história pessoal)
Efeitos das expectativas
   Dos professores sobre os alunos – efeito de
    pigmalião.



   Dos investigadores.
ATITUDES
ATITUDES
   Predisposições adquiridas e relativamente estáveis
    que levam as pessoas a reagir de forma positiva
    ou negativa a certos objectos sociais.
Atitudes
   Em relação

    À   religião

     Às   pessoas do sexo oposto

     Ao   governo

    À   psicologia
As atitudes são observáveis?
As atitudes são observáveis?
   Não.



   Podemos inferi-las através dos comportamentos e
    medi-las através de questionários e testes.
Componentes das atitudes
   Cognitiva/intelectual
       Crenças tomadas como verdadeiras/plausíveis, com base em
        observações e informação a que acedemos:
           A leitura desenvolve as escrita; o tabaco provoca o cancro
   Afectiva
       Sentimentos que nutrimos em relação a pessoas, objectos, pessoas,
        ideias
           Gostar de ler, de fumar, etc.
   Comportamental
       Resultado das interacções entre as componentes anteriores;
        predisposição para agir de determinada forma; o que estamos
        dispostos a fazer face ao que gostamos/acreditamos
           Desejo/intenção de adquirir livros
Nem sempre as três componentes se
harmonizam…
   Por vezes existem dissonâncias.
   DISSONÂNCIA COGNITIVA
     Defender    que se deve pagar impostos para garantir a
      justiça social e cometer fraudes na declaração do IRS.
     Amar os filhos e desejar o seu bem-estar, mas aplicar-
      lhes castigos violentos.

     Contradição  entre o que se acredita e o que se está
      disposto a fazer; na maior parte das vezes domina o
      elemento afectivo.
Como se formam as atitudes?
   Através do processo de socialização
     Agentes     de socialização:
       pais,
       escola,
       pares,
       meios    de comunicação social
É possível alterarmos as atitudes?
   Sim, embora uma das características das atitudes
    seja a sua estabilidade, é possível mudar as
    atitudes.
   Meios para alterar atitudes:
     experiências vividas pelo indivíduo que provoquem
      dissonâncias cognitivas
       Influência
                dos meios de comunicação social, da publicidade,
        propaganda, etc.
Representações sociais
Representações sociais
Conjunto de conceitos, proposições e explicações
criado na vida quotidiana no decurso da
comunicação interindividual. São o equivalente,
na nossa sociedade, dos mitos e sistemas de
crenças das sociedades tradicionais, podem
ainda ser vistas como a versão contemporânea
do senso comum.
Como se elaboram as representações
sociais?
   Objectivação

   Ancoragem
Funções das representações sociais
   Saber

   Orientar

   Formação da identidade

   Justificar
   http://www.youtube.com/watch?v=hnOPu0_YWhw
    &
   http://www.youtube.com/watch?v=5EzhUfxjiW0&f
    eature=relatedfeature=fvwrel

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Processos Emocionais
Processos EmocionaisProcessos Emocionais
Processos Emocionais
Jorge Barbosa
 
Papéis e estatutos sociais
Papéis e estatutos sociaisPapéis e estatutos sociais
Papéis e estatutos sociais
Núriaa Gourgel
 
Representações Sociais
Representações SociaisRepresentações Sociais
Representações Sociais
Sara Afonso
 
Cognição Social
Cognição SocialCognição Social
Cognição Social
nockinhas22
 
Relações precoces
Relações precocesRelações precoces
Relações precoces
norberto faria
 
Psicologia - a mente, as emoções e a conação
Psicologia - a mente, as emoções e a conaçãoPsicologia - a mente, as emoções e a conação
Psicologia - a mente, as emoções e a conação
Joana Filipa Rodrigues
 
Relações interpessoais: Conformismo e Obediência
Relações interpessoais: Conformismo e ObediênciaRelações interpessoais: Conformismo e Obediência
Relações interpessoais: Conformismo e Obediência
Universidade Católica Portuguesa
 
O conformismo
O conformismoO conformismo
A motivação
A motivaçãoA motivação
A motivação
psicologiaazambuja
 
Influência social
Influência social Influência social
Influência social
Flávia Oliveira
 
Psicologia 12º
Psicologia 12ºPsicologia 12º
Psicologia 12º
Joana Filipa Rodrigues
 
Obstáculos Epistemológicos
Obstáculos EpistemológicosObstáculos Epistemológicos
Obstáculos Epistemológicos
António Silvano
 
Cognição social
Cognição socialCognição social
Cognição social
Josevânia Silva
 
Resumo Psicologia 2º P
Resumo Psicologia 2º PResumo Psicologia 2º P
Resumo Psicologia 2º P
Jorge Barbosa
 
António Damásio
António DamásioAntónio Damásio
António Damásio
Yanick Santos
 
Psicologia - A memória
Psicologia - A memóriaPsicologia - A memória
Psicologia - A memória
Olena Kolodiy
 
Interação social e papéis sociais
Interação social e papéis sociaisInteração social e papéis sociais
Interação social e papéis sociais
turma12c
 
Sociologia: Interação social
Sociologia: Interação socialSociologia: Interação social
Sociologia: Interação social
hap99
 
Grupos sociais
Grupos sociaisGrupos sociais
Grupos sociais
mikto
 
Relações precoces psicologia 12º
Relações precoces psicologia 12º Relações precoces psicologia 12º
Relações precoces psicologia 12º
Maria Oliveira
 

Mais procurados (20)

Processos Emocionais
Processos EmocionaisProcessos Emocionais
Processos Emocionais
 
Papéis e estatutos sociais
Papéis e estatutos sociaisPapéis e estatutos sociais
Papéis e estatutos sociais
 
Representações Sociais
Representações SociaisRepresentações Sociais
Representações Sociais
 
Cognição Social
Cognição SocialCognição Social
Cognição Social
 
Relações precoces
Relações precocesRelações precoces
Relações precoces
 
Psicologia - a mente, as emoções e a conação
Psicologia - a mente, as emoções e a conaçãoPsicologia - a mente, as emoções e a conação
Psicologia - a mente, as emoções e a conação
 
Relações interpessoais: Conformismo e Obediência
Relações interpessoais: Conformismo e ObediênciaRelações interpessoais: Conformismo e Obediência
Relações interpessoais: Conformismo e Obediência
 
O conformismo
O conformismoO conformismo
O conformismo
 
A motivação
A motivaçãoA motivação
A motivação
 
Influência social
Influência social Influência social
Influência social
 
Psicologia 12º
Psicologia 12ºPsicologia 12º
Psicologia 12º
 
Obstáculos Epistemológicos
Obstáculos EpistemológicosObstáculos Epistemológicos
Obstáculos Epistemológicos
 
Cognição social
Cognição socialCognição social
Cognição social
 
Resumo Psicologia 2º P
Resumo Psicologia 2º PResumo Psicologia 2º P
Resumo Psicologia 2º P
 
António Damásio
António DamásioAntónio Damásio
António Damásio
 
Psicologia - A memória
Psicologia - A memóriaPsicologia - A memória
Psicologia - A memória
 
Interação social e papéis sociais
Interação social e papéis sociaisInteração social e papéis sociais
Interação social e papéis sociais
 
Sociologia: Interação social
Sociologia: Interação socialSociologia: Interação social
Sociologia: Interação social
 
Grupos sociais
Grupos sociaisGrupos sociais
Grupos sociais
 
Relações precoces psicologia 12º
Relações precoces psicologia 12º Relações precoces psicologia 12º
Relações precoces psicologia 12º
 

Destaque

RelaçõEs Interpessoais
RelaçõEs InterpessoaisRelaçõEs Interpessoais
RelaçõEs Interpessoais
Rolando Almeida
 
Relacionalmento interpessoal
Relacionalmento interpessoalRelacionalmento interpessoal
Relacionalmento interpessoal
Leandro Lopes
 
Relações Interpessoais 4
Relações Interpessoais 4Relações Interpessoais 4
Relações Interpessoais 4
Jorge Barbosa
 
Relações.interpessoais.agressão
Relações.interpessoais.agressãoRelações.interpessoais.agressão
Relações.interpessoais.agressão
Universidade Católica Portuguesa
 
Relações precoces
Relações precocesRelações precoces
Relações precoces
Vitor Manuel de Carvalho
 
Fontes de Preconceito
Fontes de PreconceitoFontes de Preconceito
Fontes de Preconceito
Universidade Católica Portuguesa
 
Relacionamento Interpessoal no Ambiente de Trabalho
Relacionamento Interpessoal no Ambiente de TrabalhoRelacionamento Interpessoal no Ambiente de Trabalho
Relacionamento Interpessoal no Ambiente de Trabalho
Luis Paulo Barros
 
Relacionamento interpessoal
Relacionamento interpessoalRelacionamento interpessoal
Relacionamento interpessoal
Renata Feol
 
Relacionamento interpessoal
Relacionamento interpessoalRelacionamento interpessoal
Relacionamento interpessoal
Fernando Pinheiro
 
Resumo Relações Interpessoais
Resumo Relações InterpessoaisResumo Relações Interpessoais
Resumo Relações Interpessoais
Jorge Barbosa
 
As relações precoces
As relações precoces As relações precoces
As relações precoces
Luis De Sousa Rodrigues
 
Relações Interpessoais: Trabalho em Equipe
Relações Interpessoais: Trabalho em EquipeRelações Interpessoais: Trabalho em Equipe
Relações Interpessoais: Trabalho em Equipe
Rosangella Bermanelly
 
Relações Interpessoais
Relações InterpessoaisRelações Interpessoais
Relações Interpessoais
Jorge Barbosa
 
Ficha Formativa de Psicologia B
Ficha Formativa de Psicologia BFicha Formativa de Psicologia B
Ficha Formativa de Psicologia B
Silvia Revez
 
Ficha de trabalho
Ficha de trabalho Ficha de trabalho
Piaget Desenvolvimento
Piaget DesenvolvimentoPiaget Desenvolvimento
Piaget Desenvolvimento
Universidade Católica Portuguesa
 
Piaget - construtivismo
Piaget - construtivismoPiaget - construtivismo
Piaget - construtivismo
Universidade Católica Portuguesa
 
Relações interpessoais na organização e gestão de conflitos
Relações interpessoais na organização e gestão de conflitosRelações interpessoais na organização e gestão de conflitos
Relações interpessoais na organização e gestão de conflitos
Janaina Becker
 
O conflito
O conflitoO conflito
Ft.relações. interpessoais
Ft.relações. interpessoaisFt.relações. interpessoais
Ft.relações. interpessoais
Universidade Católica Portuguesa
 

Destaque (20)

RelaçõEs Interpessoais
RelaçõEs InterpessoaisRelaçõEs Interpessoais
RelaçõEs Interpessoais
 
Relacionalmento interpessoal
Relacionalmento interpessoalRelacionalmento interpessoal
Relacionalmento interpessoal
 
Relações Interpessoais 4
Relações Interpessoais 4Relações Interpessoais 4
Relações Interpessoais 4
 
Relações.interpessoais.agressão
Relações.interpessoais.agressãoRelações.interpessoais.agressão
Relações.interpessoais.agressão
 
Relações precoces
Relações precocesRelações precoces
Relações precoces
 
Fontes de Preconceito
Fontes de PreconceitoFontes de Preconceito
Fontes de Preconceito
 
Relacionamento Interpessoal no Ambiente de Trabalho
Relacionamento Interpessoal no Ambiente de TrabalhoRelacionamento Interpessoal no Ambiente de Trabalho
Relacionamento Interpessoal no Ambiente de Trabalho
 
Relacionamento interpessoal
Relacionamento interpessoalRelacionamento interpessoal
Relacionamento interpessoal
 
Relacionamento interpessoal
Relacionamento interpessoalRelacionamento interpessoal
Relacionamento interpessoal
 
Resumo Relações Interpessoais
Resumo Relações InterpessoaisResumo Relações Interpessoais
Resumo Relações Interpessoais
 
As relações precoces
As relações precoces As relações precoces
As relações precoces
 
Relações Interpessoais: Trabalho em Equipe
Relações Interpessoais: Trabalho em EquipeRelações Interpessoais: Trabalho em Equipe
Relações Interpessoais: Trabalho em Equipe
 
Relações Interpessoais
Relações InterpessoaisRelações Interpessoais
Relações Interpessoais
 
Ficha Formativa de Psicologia B
Ficha Formativa de Psicologia BFicha Formativa de Psicologia B
Ficha Formativa de Psicologia B
 
Ficha de trabalho
Ficha de trabalho Ficha de trabalho
Ficha de trabalho
 
Piaget Desenvolvimento
Piaget DesenvolvimentoPiaget Desenvolvimento
Piaget Desenvolvimento
 
Piaget - construtivismo
Piaget - construtivismoPiaget - construtivismo
Piaget - construtivismo
 
Relações interpessoais na organização e gestão de conflitos
Relações interpessoais na organização e gestão de conflitosRelações interpessoais na organização e gestão de conflitos
Relações interpessoais na organização e gestão de conflitos
 
O conflito
O conflitoO conflito
O conflito
 
Ft.relações. interpessoais
Ft.relações. interpessoaisFt.relações. interpessoais
Ft.relações. interpessoais
 

Semelhante a Relações interpessoais

Relações interpessoais
Relações interpessoaisRelações interpessoais
Relações interpessoais
Silvia Revez
 
Relações interpessoais
Relações interpessoaisRelações interpessoais
Relações interpessoais
Silvia Revez
 
Ficha de trabalho nâº7
Ficha de trabalho nâº7Ficha de trabalho nâº7
Ficha de trabalho nâº7
jorge2_santos
 
Relações interpessoais
Relações interpessoaisRelações interpessoais
Relações interpessoais
Marcelo Anjos
 
aula-psicologiasocial-140317210229-phpapp02-convertido.pptx
aula-psicologiasocial-140317210229-phpapp02-convertido.pptxaula-psicologiasocial-140317210229-phpapp02-convertido.pptx
aula-psicologiasocial-140317210229-phpapp02-convertido.pptx
matheuschagas71
 
Os processos fundamentais de cognição social
Os processos fundamentais de cognição socialOs processos fundamentais de cognição social
Os processos fundamentais de cognição social
Marcelo Anjos
 
A categorização impressões, expectativas, estereótipos
A  categorização   impressões, expectativas, estereótiposA  categorização   impressões, expectativas, estereótipos
A categorização impressões, expectativas, estereótipos
Marcelo Anjos
 
Resumo relações interpessoais
Resumo relações interpessoaisResumo relações interpessoais
Resumo relações interpessoais
Jorge Barbosa
 
A organização como contexto social e desenvolvimento cognitivo
A organização como contexto social e desenvolvimento cognitivoA organização como contexto social e desenvolvimento cognitivo
A organização como contexto social e desenvolvimento cognitivo
Anderson Cássio Oliveira
 
Assistente Administrativo
Assistente AdministrativoAssistente Administrativo
Assistente Administrativo
Liberty Ensino
 
Relações Interpessoais
Relações InterpessoaisRelações Interpessoais
Relações Interpessoais
Pedro Oliveira
 
Início da Vida
Início da VidaInício da Vida
Início da Vida
cincodarazao
 
Modulo3
Modulo3Modulo3
Modulo3
carlossono
 
Cognição social
Cognição socialCognição social
Cognição social
Marcelo Anjos
 
12.2 relaes interpessoais
12.2 relaes interpessoais12.2 relaes interpessoais
12.2 relaes interpessoais
cleilza sales
 
Atitude Social
Atitude SocialAtitude Social
Atitude Social
Psicologia_2015
 
Identidade Pessoal Personalidade
Identidade Pessoal   PersonalidadeIdentidade Pessoal   Personalidade
Identidade Pessoal Personalidade
Carlos Pessoa
 
Aula de dinâmica de grupos
Aula de dinâmica de gruposAula de dinâmica de grupos
Aula de dinâmica de grupos
Rudolf Rotchild Costa Cavalcante
 
Sessao 1 pso ecm d pl
Sessao 1 pso ecm d plSessao 1 pso ecm d pl
Sessao 1 pso ecm d pl
Andreecm
 
Introdução Psicologia
Introdução Psicologia Introdução Psicologia
Introdução Psicologia
João Carlos Gomes
 

Semelhante a Relações interpessoais (20)

Relações interpessoais
Relações interpessoaisRelações interpessoais
Relações interpessoais
 
Relações interpessoais
Relações interpessoaisRelações interpessoais
Relações interpessoais
 
Ficha de trabalho nâº7
Ficha de trabalho nâº7Ficha de trabalho nâº7
Ficha de trabalho nâº7
 
Relações interpessoais
Relações interpessoaisRelações interpessoais
Relações interpessoais
 
aula-psicologiasocial-140317210229-phpapp02-convertido.pptx
aula-psicologiasocial-140317210229-phpapp02-convertido.pptxaula-psicologiasocial-140317210229-phpapp02-convertido.pptx
aula-psicologiasocial-140317210229-phpapp02-convertido.pptx
 
Os processos fundamentais de cognição social
Os processos fundamentais de cognição socialOs processos fundamentais de cognição social
Os processos fundamentais de cognição social
 
A categorização impressões, expectativas, estereótipos
A  categorização   impressões, expectativas, estereótiposA  categorização   impressões, expectativas, estereótipos
A categorização impressões, expectativas, estereótipos
 
Resumo relações interpessoais
Resumo relações interpessoaisResumo relações interpessoais
Resumo relações interpessoais
 
A organização como contexto social e desenvolvimento cognitivo
A organização como contexto social e desenvolvimento cognitivoA organização como contexto social e desenvolvimento cognitivo
A organização como contexto social e desenvolvimento cognitivo
 
Assistente Administrativo
Assistente AdministrativoAssistente Administrativo
Assistente Administrativo
 
Relações Interpessoais
Relações InterpessoaisRelações Interpessoais
Relações Interpessoais
 
Início da Vida
Início da VidaInício da Vida
Início da Vida
 
Modulo3
Modulo3Modulo3
Modulo3
 
Cognição social
Cognição socialCognição social
Cognição social
 
12.2 relaes interpessoais
12.2 relaes interpessoais12.2 relaes interpessoais
12.2 relaes interpessoais
 
Atitude Social
Atitude SocialAtitude Social
Atitude Social
 
Identidade Pessoal Personalidade
Identidade Pessoal   PersonalidadeIdentidade Pessoal   Personalidade
Identidade Pessoal Personalidade
 
Aula de dinâmica de grupos
Aula de dinâmica de gruposAula de dinâmica de grupos
Aula de dinâmica de grupos
 
Sessao 1 pso ecm d pl
Sessao 1 pso ecm d plSessao 1 pso ecm d pl
Sessao 1 pso ecm d pl
 
Introdução Psicologia
Introdução Psicologia Introdução Psicologia
Introdução Psicologia
 

Mais de Silvia Revez

Freud
FreudFreud
Watson e o behaviourismo
Watson e o behaviourismoWatson e o behaviourismo
Watson e o behaviourismo
Silvia Revez
 
Watson e o behaviourismo
Watson e o behaviourismoWatson e o behaviourismo
Watson e o behaviourismo
Silvia Revez
 
Correcção da ficha formativa 4
Correcção da ficha formativa 4Correcção da ficha formativa 4
Correcção da ficha formativa 4
Silvia Revez
 
Correcção do teste de psicologia nº 4
Correcção do teste de psicologia nº 4Correcção do teste de psicologia nº 4
Correcção do teste de psicologia nº 4
Silvia Revez
 
para o teste de Março de 2011
para o teste de Março de 2011para o teste de Março de 2011
para o teste de Março de 2011
Silvia Revez
 
Relações interpessoais
Relações interpessoaisRelações interpessoais
Relações interpessoais
Silvia Revez
 
Correcção do teste de psicologia nº 3
Correcção do teste de psicologia nº 3Correcção do teste de psicologia nº 3
Correcção do teste de psicologia nº 3
Silvia Revez
 
Damásio - a hipótese do marcador somático
Damásio - a hipótese do marcador somáticoDamásio - a hipótese do marcador somático
Damásio - a hipótese do marcador somático
Silvia Revez
 
Os processos conativos
Os processos conativosOs processos conativos
Os processos conativos
Silvia Revez
 
Processos emocionais
Processos emocionaisProcessos emocionais
Processos emocionais
Silvia Revez
 
Correcção da ficha formativa1
Correcção da ficha formativa1Correcção da ficha formativa1
Correcção da ficha formativa1
Silvia Revez
 
Correcção da ficha formativa
Correcção da ficha formativaCorrecção da ficha formativa
Correcção da ficha formativa
Silvia Revez
 
Teste formativo 2 de psicologia B
Teste formativo 2 de psicologia BTeste formativo 2 de psicologia B
Teste formativo 2 de psicologia B
Silvia Revez
 
Psicologia b – tema 2 percepção
Psicologia b – tema 2 percepçãoPsicologia b – tema 2 percepção
Psicologia b – tema 2 percepção
Silvia Revez
 
Psicologia b – tema 2 percepção
Psicologia b – tema 2 percepçãoPsicologia b – tema 2 percepção
Psicologia b – tema 2 percepção
Silvia Revez
 
Cultura
CulturaCultura
Cultura
Silvia Revez
 
Funcionamento global do cérebro
Funcionamento global do cérebroFuncionamento global do cérebro
Funcionamento global do cérebro
Silvia Revez
 
Psicofisiologia
Psicofisiologia Psicofisiologia
Psicofisiologia
Silvia Revez
 

Mais de Silvia Revez (19)

Freud
FreudFreud
Freud
 
Watson e o behaviourismo
Watson e o behaviourismoWatson e o behaviourismo
Watson e o behaviourismo
 
Watson e o behaviourismo
Watson e o behaviourismoWatson e o behaviourismo
Watson e o behaviourismo
 
Correcção da ficha formativa 4
Correcção da ficha formativa 4Correcção da ficha formativa 4
Correcção da ficha formativa 4
 
Correcção do teste de psicologia nº 4
Correcção do teste de psicologia nº 4Correcção do teste de psicologia nº 4
Correcção do teste de psicologia nº 4
 
para o teste de Março de 2011
para o teste de Março de 2011para o teste de Março de 2011
para o teste de Março de 2011
 
Relações interpessoais
Relações interpessoaisRelações interpessoais
Relações interpessoais
 
Correcção do teste de psicologia nº 3
Correcção do teste de psicologia nº 3Correcção do teste de psicologia nº 3
Correcção do teste de psicologia nº 3
 
Damásio - a hipótese do marcador somático
Damásio - a hipótese do marcador somáticoDamásio - a hipótese do marcador somático
Damásio - a hipótese do marcador somático
 
Os processos conativos
Os processos conativosOs processos conativos
Os processos conativos
 
Processos emocionais
Processos emocionaisProcessos emocionais
Processos emocionais
 
Correcção da ficha formativa1
Correcção da ficha formativa1Correcção da ficha formativa1
Correcção da ficha formativa1
 
Correcção da ficha formativa
Correcção da ficha formativaCorrecção da ficha formativa
Correcção da ficha formativa
 
Teste formativo 2 de psicologia B
Teste formativo 2 de psicologia BTeste formativo 2 de psicologia B
Teste formativo 2 de psicologia B
 
Psicologia b – tema 2 percepção
Psicologia b – tema 2 percepçãoPsicologia b – tema 2 percepção
Psicologia b – tema 2 percepção
 
Psicologia b – tema 2 percepção
Psicologia b – tema 2 percepçãoPsicologia b – tema 2 percepção
Psicologia b – tema 2 percepção
 
Cultura
CulturaCultura
Cultura
 
Funcionamento global do cérebro
Funcionamento global do cérebroFuncionamento global do cérebro
Funcionamento global do cérebro
 
Psicofisiologia
Psicofisiologia Psicofisiologia
Psicofisiologia
 

Último

Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Falcão Brasil
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LEDPlano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
luggio9854
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Luzia Gabriele
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdfgestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
Maria das Graças Machado Rodrigues
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Falcão Brasil
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
Marcelo Botura
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
Ceiça Martins Vital
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
reforma trabalhista - direto e deveresss
reforma trabalhista - direto e deveresssreforma trabalhista - direto e deveresss
reforma trabalhista - direto e deveresss
adequacaocontabil
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
Falcão Brasil
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
SheylaAlves6
 
Qualidade do Ar interior nas escolas.pptx
Qualidade do Ar interior nas escolas.pptxQualidade do Ar interior nas escolas.pptx
Qualidade do Ar interior nas escolas.pptx
MariaJooSilva58
 

Último (20)

Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LEDPlano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdfgestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
reforma trabalhista - direto e deveresss
reforma trabalhista - direto e deveresssreforma trabalhista - direto e deveresss
reforma trabalhista - direto e deveresss
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
 
Qualidade do Ar interior nas escolas.pptx
Qualidade do Ar interior nas escolas.pptxQualidade do Ar interior nas escolas.pptx
Qualidade do Ar interior nas escolas.pptx
 

Relações interpessoais

  • 2. Questões a abordar… O que pensamos dos outros? Por que razão agimos de determinada maneira face a uma dada situação social? Como os influenciamos? Como nos influenciam a nós? Como nos relacionamos com os outros? Como formamos as nossas impressões? E as atitudes? E os preconceitos?
  • 3. RELAÇÕES INTERPESSOAIS Temas a abordar: Processos de cognição social • Processos de influência entre indivíduos • Processos de relação entre os indivíduos e os grupos •
  • 4. O desconhecido é incómodo.
  • 5. Lemos o mundo social através dos… Processos de cognição social
  • 6. Ver definição de cognição social no manual p. 150 As relações que estabelecemos com os outros estão envoltas em diversos factores de ordem cognitiva que nos ajudam a: Interpretar as situações • Procurar as respostas mais adequadas a essas situações •
  • 7. Processos de cognição social  Impressões  Expectativas  Atitudes  Representações sociais
  • 8. IMPRESSÕES – O QUE SÃO?
  • 9. IMPRESSÕES  A partir do primeiro contacto com alguém construimos uma imagem/ideia sobre essa pessoa a partir de algumas características, indícios que seleccionamos e consideramos mais significativos.  Noções criadas espontaneamente a partir do contacto com as pessoas e que nos fornecem um quadro interpretativo para as julgarmos quanto às suas características principais e comportamento.
  • 11. Como se formam as impressões?  Através da categorização  permite simplificar a complexidade do mundo social; conjunto de processos psicológicos a partir dos quais ordenamos o ambiente em categorias  grupos de pessoas, objectos, acontecimentos, etc.
  • 12. Categorização – 3 tipos  Afectiva  Moral  Instrumental
  • 13. Indícios para a formação das primeiras impressões  Físicos  Verbais  Não verbais  Comportamentais
  • 14. Através da impressão formamos um esboço psicológico da pessoa.
  • 15. Qual a importância das primeiras impressões? A ordem com que conhecemos as características de uma pessoa é importante?
  • 16. Primeiras impressões  Persistência das primeiras impressões – resistência em integrar informações que contrariam as primeiras impressões.  Efeito de halo - Thurnstone
  • 18. Expectativa  Representação interna mental das regularidades do mundo exterior ou das relações entre as acções do sujeito e o mundo exterior.
  • 19. Funções das expectativas  Permitem prever os comportamentos e atitudes e estabelecer relações duradouras entre as pessoas.  Afectam o modo como interagimos com os outros, como interagem connosco.  Influenciam a nossa identidade.  Expectativas positivas – comportamentos positivos e vice-versa.
  • 20. Como formamos as expectativas?  Indução – incluimos a pessoa numa dada categoria.  Dedução – atribuimos-lhe certas características não observadas.
  • 23. Importância do processo de socialização na formação das expectativas (valores, crenças, princípios, história pessoal)
  • 24. Efeitos das expectativas  Dos professores sobre os alunos – efeito de pigmalião.  Dos investigadores.
  • 26. ATITUDES  Predisposições adquiridas e relativamente estáveis que levam as pessoas a reagir de forma positiva ou negativa a certos objectos sociais.
  • 27. Atitudes  Em relação À religião  Às pessoas do sexo oposto  Ao governo À psicologia
  • 28. As atitudes são observáveis?
  • 29. As atitudes são observáveis?  Não.  Podemos inferi-las através dos comportamentos e medi-las através de questionários e testes.
  • 30. Componentes das atitudes  Cognitiva/intelectual  Crenças tomadas como verdadeiras/plausíveis, com base em observações e informação a que acedemos:  A leitura desenvolve as escrita; o tabaco provoca o cancro  Afectiva  Sentimentos que nutrimos em relação a pessoas, objectos, pessoas, ideias  Gostar de ler, de fumar, etc.  Comportamental  Resultado das interacções entre as componentes anteriores; predisposição para agir de determinada forma; o que estamos dispostos a fazer face ao que gostamos/acreditamos  Desejo/intenção de adquirir livros
  • 31. Nem sempre as três componentes se harmonizam…  Por vezes existem dissonâncias.  DISSONÂNCIA COGNITIVA  Defender que se deve pagar impostos para garantir a justiça social e cometer fraudes na declaração do IRS.  Amar os filhos e desejar o seu bem-estar, mas aplicar- lhes castigos violentos.  Contradição entre o que se acredita e o que se está disposto a fazer; na maior parte das vezes domina o elemento afectivo.
  • 32. Como se formam as atitudes?  Através do processo de socialização  Agentes de socialização:  pais,  escola,  pares,  meios de comunicação social
  • 33. É possível alterarmos as atitudes?  Sim, embora uma das características das atitudes seja a sua estabilidade, é possível mudar as atitudes.  Meios para alterar atitudes:  experiências vividas pelo indivíduo que provoquem dissonâncias cognitivas  Influência dos meios de comunicação social, da publicidade, propaganda, etc.
  • 35. Representações sociais Conjunto de conceitos, proposições e explicações criado na vida quotidiana no decurso da comunicação interindividual. São o equivalente, na nossa sociedade, dos mitos e sistemas de crenças das sociedades tradicionais, podem ainda ser vistas como a versão contemporânea do senso comum.
  • 36. Como se elaboram as representações sociais?  Objectivação  Ancoragem
  • 37. Funções das representações sociais  Saber  Orientar  Formação da identidade  Justificar
  • 38. http://www.youtube.com/watch?v=hnOPu0_YWhw &  http://www.youtube.com/watch?v=5EzhUfxjiW0&f eature=relatedfeature=fvwrel