SlideShare uma empresa Scribd logo
Psicologia	
  B	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  As	
  relações	
  interpessoais:	
  os	
  estereótipos	
  e	
  os	
  preconceitos	
  
                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                     	
  


                                                                                                                                                     FONTES	
  DE	
  PRECONCEITO	
  
                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                     	
  

                                                                                                                                                         A	
   tendência	
   para	
   a	
   afiliação	
   sobretudo	
   com	
   pessoas	
   que	
  
                              DISSEMELHANÇA	
                                                                                                            têm	
  atitudes	
  semelhantes	
  às	
  nossas.	
  Pessoas	
  de	
  diferentes	
  
                                        DE	
  ATITUDES	
                                                                                                 religiões	
   e	
   raças	
   têm	
   diferentes	
   raízes	
   culturais.	
   Isso	
   pode	
  
                                                                                                                                                         determinar	
  diferentes	
  atitudes.	
  
                                                                          	
                                                                             O	
   conflito	
   social	
   e	
   económico	
   pode	
   desencadear	
  
                                                                                                                                                         preconceitos.	
   Pessoas	
   de	
   diferentes	
   grupos	
   étnicos	
   e	
  
                             CONFLITO	
  SOCIAL	
                                                                                                        religiosos	
   competem	
   frequentemente	
   por	
   empregos	
   e	
  
                                                                                                                                                         outros	
   bens,	
   podendo	
   nesse	
   contexto	
   surgir	
   sentimentos	
  
                                                                                                                                                         preconceituosos.	
  	
  
                                       	
                                                                                                                As	
   crianças	
   adquirem	
   atitudes	
   mediante	
   a	
   observação	
   de	
  
                                 APRENDIZAGEM	
  	
                                                                                                      outras	
   pessoas,	
   especial	
   dos	
   pais.	
   Estes	
   reforçam	
   com	
  
                                                                                                                                                         frequência	
   os	
   seus	
   filhos	
   por	
   se	
   comportarem	
   de	
   acordo	
  
                                                        SOCIAL	
  
                                                                                                                                                         com	
  as	
  suas	
  atitudes,	
  preconceitos	
  incluídos.	
  	
  	
  	
  
	
                                                                                                                                                       Os	
   preconceitos	
   servem	
   como	
   esquemas	
   cognitivos	
   ou	
  
                                                                                                                                                         âncoras.	
   São	
   filtros	
   através	
   dos	
   quais	
   se	
   percepciona	
   o	
  
                           REPRESENTAÇÕES	
  	
                                                                                                          mundo	
  social	
  de	
  forma	
  simplificada	
  e	
  esquemática.	
  É	
  mais	
  
                                                      SOCIAIS	
                                                                                          fácil	
   recordar	
   comportamentos	
   que	
   são	
   consistentes	
   com	
  
                                                                                                                                                         os	
  nossos	
  preconceitos	
  do	
  que	
  comportamentos	
  que	
  podem	
  
                                                                                                                                                         exigir	
  que	
  reconstruamos	
  as	
  nossas	
  categorias	
  mentais.	
  	
  	
  
	
               	
                                                                                                                                      Temos	
   a	
   tendência	
   para	
   dividir	
   o	
   nosso	
   mundo	
   social	
   em	
  
                                  CATEGORIAÇÃO	
  	
                                                                                                     dois	
  grupos:	
  “nós”	
  e	
  “outros”.	
  Em	
  geral,	
  temos	
  atitudes	
  mais	
  
                                     SOCIAL	
                                                                                                            favoráveis	
   em	
   relação	
   às	
   pessoas	
   que	
   pertencem	
   ao	
   nosso	
  
                                                                                                                                                         grupo	
  social	
  do	
  que	
  às	
  dos	
  outros	
  grupos.	
  	
  
                                                                          	
                                                                             As	
   pessoas	
   que	
   foram	
   vítimas	
   de	
   preconceitos	
   tendem	
   a	
  
                                        VITIMIZAÇÃO	
                                                                                                    recuperar	
   o	
   orgulho	
   ferido,	
   afirmando-­‐se	
   superiores	
   a	
  
                                                                                                                                                         outros	
  grupos	
  e	
  tornando-­‐se	
  elas	
  mesmas	
  preconceituosas.	
  	
  	
  
                                                                                                                                                                                                                             Rodrigues,	
  L.	
  (2009),	
  Psicologia	
  B.	
  Lisboa:	
  Platano,	
  p.	
  215.	
  
                                                                                                                                                         	
  
                                                                                                                                      DO	
  ESTEREÓTIPO	
  AO	
  PRECONCEITO	
  

           Baseados	
  em	
  estereótipos	
  tendemos	
  a	
  tratar	
  cada	
  elemento	
  de	
  um	
  grupo	
  como	
  se	
  fosse	
  
           a	
   reprodução	
   individual	
   exata	
   das	
   características	
   do	
   grupo,	
   tenha	
   ou	
   não	
   essas	
  
           características	
   do	
   grupo.	
   Assim,	
   por	
   exemplo,	
   se	
   julgamos	
   que	
   é	
   próprio	
   das	
   mulheres	
  
           serem	
   meigas,	
   sensíveis,	
   compreensíveis,	
   fracas	
   e	
   mais	
   solidárias,	
   poderemos	
   reagir	
  
           ridicularizando,	
   censurando	
   ou	
   considerando	
   como	
   fugindo	
   à	
   regra	
   mulheres	
   que	
  
           manifestam	
   capacidade	
   competitiva,	
   agressividade,	
   força,	
   ambição	
   e	
   contenção	
  
           emocional.	
   Entre	
   o	
   estereótipo	
   e	
   a	
   estreiteza	
   mental,	
   a	
   linha	
   divisória	
   é	
   muito	
  
           ténue.	
  	
  
	
  
                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                          Professora	
  Joana	
  Inês	
  Pontes	
  

Mais conteúdo relacionado

Destaque

Objectivos.teste.3 12 b
Objectivos.teste.3 12 bObjectivos.teste.3 12 b
Objectivos.teste.3 12 b
Universidade Católica Portuguesa
 
Piaget Desenvolvimento
Piaget DesenvolvimentoPiaget Desenvolvimento
Piaget Desenvolvimento
Universidade Católica Portuguesa
 
Piaget - construtivismo
Piaget - construtivismoPiaget - construtivismo
Piaget - construtivismo
Universidade Católica Portuguesa
 
Freud e a Psicanálise I
Freud e a Psicanálise IFreud e a Psicanálise I
Freud e a Psicanálise I
Universidade Católica Portuguesa
 
Watson e o Behaviorismo
Watson e o BehaviorismoWatson e o Behaviorismo
Watson e o Behaviorismo
Universidade Católica Portuguesa
 
ensaio - sinestesia (Carlos)
ensaio - sinestesia (Carlos)ensaio - sinestesia (Carlos)
ensaio - sinestesia (Carlos)
Universidade Católica Portuguesa
 
Psicologia-b Serial Killer
Psicologia-b Serial KillerPsicologia-b Serial Killer
Psicologia-b Serial Killer
Universidade Católica Portuguesa
 
Transtornos cerebrais 10_k
Transtornos cerebrais 10_kTranstornos cerebrais 10_k
Transtornos cerebrais 10_k
Universidade Católica Portuguesa
 
Teste formativo 2 de psicologia B
Teste formativo 2 de psicologia BTeste formativo 2 de psicologia B
Teste formativo 2 de psicologia B
Silvia Revez
 
Psi b.ensaio.francisco
Psi b.ensaio.franciscoPsi b.ensaio.francisco
Psi b.ensaio.francisco
Universidade Católica Portuguesa
 
Ensaio "Cisne negro" - Catarina
Ensaio "Cisne negro" - CatarinaEnsaio "Cisne negro" - Catarina
Ensaio "Cisne negro" - Catarina
Universidade Católica Portuguesa
 
Ensaio do filme, psicologia
Ensaio do filme, psicologiaEnsaio do filme, psicologia
Ensaio do filme, psicologia
Universidade Católica Portuguesa
 
Ensaio Cisne Negro (Gonçalo)
Ensaio Cisne Negro (Gonçalo)Ensaio Cisne Negro (Gonçalo)
Ensaio Cisne Negro (Gonçalo)
Universidade Católica Portuguesa
 
Sugestões de filmes
Sugestões de filmesSugestões de filmes
Sugestões de filmes
josemilia17
 
Ficha Formativa de Psicologia B
Ficha Formativa de Psicologia BFicha Formativa de Psicologia B
Ficha Formativa de Psicologia B
Silvia Revez
 
Correcção do teste de psicologia nº 4
Correcção do teste de psicologia nº 4Correcção do teste de psicologia nº 4
Correcção do teste de psicologia nº 4
Silvia Revez
 
Psicologia 12º
Psicologia 12ºPsicologia 12º
Psicologia 12º
Joana Filipa Rodrigues
 

Destaque (17)

Objectivos.teste.3 12 b
Objectivos.teste.3 12 bObjectivos.teste.3 12 b
Objectivos.teste.3 12 b
 
Piaget Desenvolvimento
Piaget DesenvolvimentoPiaget Desenvolvimento
Piaget Desenvolvimento
 
Piaget - construtivismo
Piaget - construtivismoPiaget - construtivismo
Piaget - construtivismo
 
Freud e a Psicanálise I
Freud e a Psicanálise IFreud e a Psicanálise I
Freud e a Psicanálise I
 
Watson e o Behaviorismo
Watson e o BehaviorismoWatson e o Behaviorismo
Watson e o Behaviorismo
 
ensaio - sinestesia (Carlos)
ensaio - sinestesia (Carlos)ensaio - sinestesia (Carlos)
ensaio - sinestesia (Carlos)
 
Psicologia-b Serial Killer
Psicologia-b Serial KillerPsicologia-b Serial Killer
Psicologia-b Serial Killer
 
Transtornos cerebrais 10_k
Transtornos cerebrais 10_kTranstornos cerebrais 10_k
Transtornos cerebrais 10_k
 
Teste formativo 2 de psicologia B
Teste formativo 2 de psicologia BTeste formativo 2 de psicologia B
Teste formativo 2 de psicologia B
 
Psi b.ensaio.francisco
Psi b.ensaio.franciscoPsi b.ensaio.francisco
Psi b.ensaio.francisco
 
Ensaio "Cisne negro" - Catarina
Ensaio "Cisne negro" - CatarinaEnsaio "Cisne negro" - Catarina
Ensaio "Cisne negro" - Catarina
 
Ensaio do filme, psicologia
Ensaio do filme, psicologiaEnsaio do filme, psicologia
Ensaio do filme, psicologia
 
Ensaio Cisne Negro (Gonçalo)
Ensaio Cisne Negro (Gonçalo)Ensaio Cisne Negro (Gonçalo)
Ensaio Cisne Negro (Gonçalo)
 
Sugestões de filmes
Sugestões de filmesSugestões de filmes
Sugestões de filmes
 
Ficha Formativa de Psicologia B
Ficha Formativa de Psicologia BFicha Formativa de Psicologia B
Ficha Formativa de Psicologia B
 
Correcção do teste de psicologia nº 4
Correcção do teste de psicologia nº 4Correcção do teste de psicologia nº 4
Correcção do teste de psicologia nº 4
 
Psicologia 12º
Psicologia 12ºPsicologia 12º
Psicologia 12º
 

Mais de Universidade Católica Portuguesa

Ética do Dever (Kant)
Ética do Dever (Kant)Ética do Dever (Kant)
Ética do Dever (Kant)
Universidade Católica Portuguesa
 
Utilitarismo - Stuart Mill (texto)
Utilitarismo - Stuart Mill (texto)Utilitarismo - Stuart Mill (texto)
Utilitarismo - Stuart Mill (texto)
Universidade Católica Portuguesa
 
Egoísmo Ético (texto)
Egoísmo Ético (texto)Egoísmo Ético (texto)
Egoísmo Ético (texto)
Universidade Católica Portuguesa
 
Guião de Visionamento Gran Torino
Guião de Visionamento Gran TorinoGuião de Visionamento Gran Torino
Guião de Visionamento Gran Torino
Universidade Católica Portuguesa
 
Argumento teleológico - William Paley
Argumento teleológico - William PaleyArgumento teleológico - William Paley
Argumento teleológico - William Paley
Universidade Católica Portuguesa
 
Argumento a favor da Existência de Deus
Argumento a favor da Existência de DeusArgumento a favor da Existência de Deus
Argumento a favor da Existência de Deus
Universidade Católica Portuguesa
 
O que é a religião?
O que é a religião?O que é a religião?
O que é a religião?
Universidade Católica Portuguesa
 
Tolstoi - Confissão
Tolstoi - Confissão Tolstoi - Confissão
Tolstoi - Confissão
Universidade Católica Portuguesa
 
Kurt Baier - Sentido da vida
Kurt Baier - Sentido da vidaKurt Baier - Sentido da vida
Kurt Baier - Sentido da vida
Universidade Católica Portuguesa
 
Ficha de Trabalho Psicologia B
Ficha de Trabalho Psicologia BFicha de Trabalho Psicologia B
Ficha de Trabalho Psicologia B
Universidade Católica Portuguesa
 
Objectivos 10 C, H, E
Objectivos 10 C, H, E Objectivos 10 C, H, E
Objectivos 10 C, H, E
Universidade Católica Portuguesa
 
Problema.mal
Problema.malProblema.mal
Problema do mal
Problema do malProblema do mal
Ensaio "Inception"
Ensaio "Inception"Ensaio "Inception"
Ensaio cisne
Ensaio cisneEnsaio cisne
Ensaio
EnsaioEnsaio
Guião ensaio filosófico
Guião ensaio filosóficoGuião ensaio filosófico
Guião ensaio filosófico
Universidade Católica Portuguesa
 

Mais de Universidade Católica Portuguesa (17)

Ética do Dever (Kant)
Ética do Dever (Kant)Ética do Dever (Kant)
Ética do Dever (Kant)
 
Utilitarismo - Stuart Mill (texto)
Utilitarismo - Stuart Mill (texto)Utilitarismo - Stuart Mill (texto)
Utilitarismo - Stuart Mill (texto)
 
Egoísmo Ético (texto)
Egoísmo Ético (texto)Egoísmo Ético (texto)
Egoísmo Ético (texto)
 
Guião de Visionamento Gran Torino
Guião de Visionamento Gran TorinoGuião de Visionamento Gran Torino
Guião de Visionamento Gran Torino
 
Argumento teleológico - William Paley
Argumento teleológico - William PaleyArgumento teleológico - William Paley
Argumento teleológico - William Paley
 
Argumento a favor da Existência de Deus
Argumento a favor da Existência de DeusArgumento a favor da Existência de Deus
Argumento a favor da Existência de Deus
 
O que é a religião?
O que é a religião?O que é a religião?
O que é a religião?
 
Tolstoi - Confissão
Tolstoi - Confissão Tolstoi - Confissão
Tolstoi - Confissão
 
Kurt Baier - Sentido da vida
Kurt Baier - Sentido da vidaKurt Baier - Sentido da vida
Kurt Baier - Sentido da vida
 
Ficha de Trabalho Psicologia B
Ficha de Trabalho Psicologia BFicha de Trabalho Psicologia B
Ficha de Trabalho Psicologia B
 
Objectivos 10 C, H, E
Objectivos 10 C, H, E Objectivos 10 C, H, E
Objectivos 10 C, H, E
 
Problema.mal
Problema.malProblema.mal
Problema.mal
 
Problema do mal
Problema do malProblema do mal
Problema do mal
 
Ensaio "Inception"
Ensaio "Inception"Ensaio "Inception"
Ensaio "Inception"
 
Ensaio cisne
Ensaio cisneEnsaio cisne
Ensaio cisne
 
Ensaio
EnsaioEnsaio
Ensaio
 
Guião ensaio filosófico
Guião ensaio filosóficoGuião ensaio filosófico
Guião ensaio filosófico
 

Último

Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
vinibolado86
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
JoanaFigueira11
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 

Último (20)

Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 

Fontes de Preconceito

  • 1. Psicologia  B                                                                                                                                                                              As  relações  interpessoais:  os  estereótipos  e  os  preconceitos     FONTES  DE  PRECONCEITO     A   tendência   para   a   afiliação   sobretudo   com   pessoas   que   DISSEMELHANÇA   têm  atitudes  semelhantes  às  nossas.  Pessoas  de  diferentes   DE  ATITUDES   religiões   e   raças   têm   diferentes   raízes   culturais.   Isso   pode   determinar  diferentes  atitudes.     O   conflito   social   e   económico   pode   desencadear   preconceitos.   Pessoas   de   diferentes   grupos   étnicos   e   CONFLITO  SOCIAL   religiosos   competem   frequentemente   por   empregos   e   outros   bens,   podendo   nesse   contexto   surgir   sentimentos   preconceituosos.       As   crianças   adquirem   atitudes   mediante   a   observação   de   APRENDIZAGEM     outras   pessoas,   especial   dos   pais.   Estes   reforçam   com   frequência   os   seus   filhos   por   se   comportarem   de   acordo   SOCIAL   com  as  suas  atitudes,  preconceitos  incluídos.           Os   preconceitos   servem   como   esquemas   cognitivos   ou   âncoras.   São   filtros   através   dos   quais   se   percepciona   o   REPRESENTAÇÕES     mundo  social  de  forma  simplificada  e  esquemática.  É  mais   SOCIAIS   fácil   recordar   comportamentos   que   são   consistentes   com   os  nossos  preconceitos  do  que  comportamentos  que  podem   exigir  que  reconstruamos  as  nossas  categorias  mentais.           Temos   a   tendência   para   dividir   o   nosso   mundo   social   em   CATEGORIAÇÃO     dois  grupos:  “nós”  e  “outros”.  Em  geral,  temos  atitudes  mais   SOCIAL   favoráveis   em   relação   às   pessoas   que   pertencem   ao   nosso   grupo  social  do  que  às  dos  outros  grupos.       As   pessoas   que   foram   vítimas   de   preconceitos   tendem   a   VITIMIZAÇÃO   recuperar   o   orgulho   ferido,   afirmando-­‐se   superiores   a   outros  grupos  e  tornando-­‐se  elas  mesmas  preconceituosas.       Rodrigues,  L.  (2009),  Psicologia  B.  Lisboa:  Platano,  p.  215.     DO  ESTEREÓTIPO  AO  PRECONCEITO   Baseados  em  estereótipos  tendemos  a  tratar  cada  elemento  de  um  grupo  como  se  fosse   a   reprodução   individual   exata   das   características   do   grupo,   tenha   ou   não   essas   características   do   grupo.   Assim,   por   exemplo,   se   julgamos   que   é   próprio   das   mulheres   serem   meigas,   sensíveis,   compreensíveis,   fracas   e   mais   solidárias,   poderemos   reagir   ridicularizando,   censurando   ou   considerando   como   fugindo   à   regra   mulheres   que   manifestam   capacidade   competitiva,   agressividade,   força,   ambição   e   contenção   emocional.   Entre   o   estereótipo   e   a   estreiteza   mental,   a   linha   divisória   é   muito   ténue.       Professora  Joana  Inês  Pontes