SlideShare uma empresa Scribd logo
DOCÊNCIA DO ENSINO
FUNDAMENTAL E MÉDIO

Dinâmica de Grupo
Prof. Igor Delatorre
Trabalho em equipe
Diferenças individuais

Cada um de nós representa uma unidade.
Apresentamos características físicas,
emocionais e sociais comuns, mas temos
outras diferentes. Essas são as diferenças
individuais, com as quais deparamos no
dia-a-dia, no convívio social
Trabalho em equipe
Diferenças individuais

Sabemos que:
 Somos diferentes;
 Mudamos todos durante toda a nossa existência;
 Tudo muda no universo em que vivemos;
Por que então :
 Buscamos a padronização ?
 Cobramos ao outro que:
 opere como operamos?
 produza no ritmo que produzimos?
 saiba o que sabemos?
Porque procuramos a todo custo a estabilidade e não nos
conformamos com os inesperados que teimam em nos
surpreender?
Trabalho em equipe
Diferenças individuais

SERÁ ....
 Porque nossas reações se baseiam em nosso
modo de perceber a realidade, que é
influenciado por fatores internos, externos, por
nossa personalidade e autoconceito ?
 Porque esquecemos que nossa percepção
pode estar vendo a realidade de forma
distorcida ?
Trabalho em equipe
Diferenças individuais

Para sermos mais eficazes em nossa relação com
o outro precisamos:
 Estar consciente das diversas maneiras como
influenciamos e distorcemos as informações sobre
o outro e o ambiente que nos cerca.
 Estar consciente e respeitar as diferenças
individuais.
Trabalho em equipe
Percepção
 Sensação

refere-se ao estímulo físico dos
sentidos: visão; audição; olfato; paladar e
tato.
 Percepção refere-se ao modo como
interpretamos as mensagens de nossos
órgãos dos sentidos para darmos alguma
ordem e significado ao nosso meio
ambiente.
Trabalho em equipe
Percepção

A percepção é determinada pela interação
entre os fatores fisiológicos; psicológicos e
culturais.
Ao mesmo tempo em que esses fatores
agem como determinantes de nossa
percepção, também, agem como fontes de
variação perceptiva, podendo inclusive
limitá-la.
Trabalho em equipe
Percepção
 Os

estímulos externos são selecionados e
organizados internamente em dois níveis
básico: consciente e inconsciente.



A interpretação das informações é realizada
de um modo congruente com seu conjunto
de crenças, valores e atitudes, moldados por
experiências culturais e ambientais.
Trabalho em equipe
Percepção
 Para

alguns autores a percepção pode ser
considerada como uma variável
interventora, que influencia o processo de
motivação, já que pessoas diferentes podem
ver e interpretar a mesma situação de
maneiras diferentes.

A

interpretação do significado de um
evento determina sua reação.
Trabalho em equipe
Percepção

Fenômenos da percepção:
 Figura-fundo;
 Fechamento;
 Fatores

externos: Intensidade; contraste;
tamanho; proximidade; semelhança
repetição; movimento e a familiaridade.
Trabalho em equipe
Percepção
Percepção Social e Interpessoal
Distorção Perceptiva: É quando vemos as pessoas de uma forma bem diferente das que elas são,
ou, daquela como estas nos são objetivamente apresentadas. Entre tais distorções podemos
citar:

Estereotipagem: É o processo de usar uma impressão padronizada de um grupo de pessoas
para influenciar a nossa percepção de um indivíduo em particular. Estigma.

Efeito Halo: Consiste em deixar que uma característica da pessoa encubra todas as demais,
influenciando a sua avaliação . É o chamado “julgamento à primeira vista”.

Expectativa: Consiste em "vermos" e "ouvirmos" o que esperamos ver e ouvir e não o que
realmente está acontecendo.

Teoria da Atribuição: Os teóricos dessa teoria pressupõem que o homem é motivado para
descobrir as causas dos eventos e entender seu ambiente, presumem que as relações que
estabelecemos (acreditamos), existentes entre o indivíduo e o meio ambiente influem em nossa
forma de nos comportarmos.
Segundo essa teoria, os alunos tem suas ações influenciadas por suas explicações causais e
expectativas, gerando em muitos casos sucesso ou fracasso. Se, por exemplo, diante de uma
disciplina, o aluno considerar que sua aprovação dependerá apenas do que fizer, sua forma de
agir será consideravelmente diferente do que se considerar que o professor o persegue e tudo
fará para reprová-lo.
Trabalho em equipe
Comportamento humano

O comportamento humano não deve,
portanto, ser concebido como
mecanicista nem determinístico,
mas deve ser entendido como uma
probabilidade de comportamentos.
Trabalho em equipe
O processo de interação
O ser humano não funciona como uma máquina que produz sem sofrer
interferências emocionais. Para viver em sociedade e para produzir os
homens interagem uns com os outros de forma racional e emocional
podendo, em várias situações, causar desconforto ou perplexidade em
função de respostas ou atos não esperados.
A interação humana, que ocorre em dois níveis distintos e
interdependentes: o da tarefa e sócio-emocional, afeta o funcionamento de
cada um e de todos , interferindo no desempenho do grupo.
Assim, podemos deduzir que não basta qualificar tecnicamente a mão-de
obra quando não nos preocupamos com a interação humana do grupo de
trabalho.
Trabalho em equipe
Relações interpessoal
Relações
interpessoais

Clima do Grupo

Sinergia
Ambiente
estimulante

averso

monótono

1

COMPETÊNCIA INTERPESSOAL DOS MEMBROS DO GRUPO
Trabalho em equipe
Competência interpessoal


É a habilidade de lidar eficazmente com relações
interpessoais, de lidar com outras pessoas de forma
adequada às necessidades de cada uma e às exigências da
situação.
( Fela Moscovici)



É a habilidade de lidar eficazmente com relações
interpessoais de acordo com três critérios:
Percepção da situação interpessoal e de suas interrelações;
Habilidade para resolver problemas interpessoais sem
retrocesso;
Encontrar soluções sem causar danos as relações afetivas.
( C. Argyris)
Trabalho em equipe
Competência interpessoal
Você concorda com esta sentença?
Competência interpessoal é resultante de percepção
acurada realística das situações interpessoais e de
habilidades específicas comportamentais que
conduzem a conseqüências significativas no
relacionamento duradouro e autêntico,
satisfatório para as pessoas envolvidas.
Trabalho em equipe
Competência interpessoal
Competência interpessoal não é simplesmente evitar o
conflito.
Segundo Cris Argyris, utilizar a competência interpessoal para
evitar o conflito pode levar uma equipe á resultados
ineficientes ou “incompetentes”
“Como ações hábeis podem ser contraproducentes?”
Quando utilizamos nossa habilidade para produzir os resultados
que desejamos;
Quando não dizemos o que realmente pensamos e não conferimos
nossas suposições;
Quando optamos por lidar com as tensões fingindo que elas não
existem;
Trabalho em equipe
Será que...

Competência interpessoal

Quando utilizamos nossa habilidade para produzir os resultados que
desejamos;
Estamos percebendo isso? O contexto permite outro tipo de ação?Esse é
um comportamento ético? O que podemos fazer para evitar essa
situação?


Quando não dizemos o que realmente pensamos e não conferimos nossas
suposições;
Estamos sendo habilidosos ou temos receio de falar a verdade? A cultura
do grupo permite que sejamos sinceros?Estamos preparados para dar
e receber feedback?


Quando optamos por lidar com as tensões fingindo que elas não existem;
Não podemos estar gerando um conflito maior? Existem situações em que
o conflito deve ser evitado? Perceber isso não é uma habilidade?

Trabalho em equipe
Benefícios potenciais dos grupos:
•
•
•
•
•
•
•

Melhorar a criatividade;
Melhorar o processo decisório e ampliar o compromisso com
as decisões;
Controlar seus membros e exercem impacto substancial sobre
as atitudes de seus membros;
Melhorar o desempenho dos membros;
Reduzir os impactos do tamanho da organização;
Oferecer potencial para a sinergia;
Oferecer condições para o desenvolvimento de competências e
superação das dificuldades individuais.
Trabalho em equipe
Modelos de grupo
Um modelo é uma abstração da realidade para fins de análise e
estudo. É uma representação simbólica que simplifica a
realidade e ajuda a compreensão de uma situação complexa.
Assim, um modelo que apresenta a realidade de forma
simplificada dificilmente apresentará todas as variáveis dessa
realidade, portanto, devemos ter cuidado ao escolhermos as
variáveis que deverão ser observadas no estudo do
funcionamento do grupo.
As variáveis que compõem um modelo indicam a importância
que lhe é atribuída por seus autores. Entretanto, não existe o
“melhor modelo” ou o “modelo certo”, todos têm sua
utilidade.
Trabalho em equipe
MODELOS DE ESTUDO DE PEQUENOS GRUPOS
HUMANOS
MODELO SEMIMECÂNICO:
Dentro dessa abordagem o grupo é considerado como uma máquina
na qual a interação do grupo obedece a princípios universais e
imutáveis. Os atos, as normas e os membros podem ser substituídos
sem que haja alteração fundamental do sistema.
O foco de interesse está nas semelhanças e tem utilidade para mostrar
que os processos interpessoais são mais sistemáticos do que supõe o
senso comum.
MODELO ORGÂNICO:
Nessa abordagem o grupo é semelhante a um organismo biológico:
nasce cresce, alcança a maturidade. Com objetivo interno indefinido,
relaciona -se com o mundo externo protegendo-se e explorando o
ambiente no sentido de assegurar suas necessidades de
autopreservação.
Reconhece que há mudanças de fatores internos que influenciam o
desenvolvimento do grupo e que cada grupo tem seu modo natural.
Trabalho em equipe
MODELOS DE ESTUDO DE PEQUENOS GRUPOS
HUMANOS
MODELO DE CONFLITO:
Dentro dessa abordagem toda experiência grupal é conflito. É a
constatação de que em nenhum grupo há recursos para atender todas
as necessidades internas e as exigências externas.Há escassez do que
as pessoas necessitam e desejam: liberdade, poder, atatus.
A escassez gera o conflito e as mudanças no grupo são decorrentes
da forma de resolução dos conflitos de interesses e desejos.
MODELO DE EQUILÍBRIO:
Nessa abordagem o grupo é entendido como um sistema em equilíbrio.
Qualquer distúrbio, interno ou externo, tende a ser neutralizado por
forças opostas de modo que o sistema seja reequilibrado.
Trabalho em equipe
MODELOS DE ESTUDO DE PEQUENOS GRUPOS HUMANOS
MODELO ESTRUTURAL- FUNCIONAL:
O grupo é visto como um sistema com objetivos e com problemas de
sobrevivência.
Segundo os teóricos deste modelo, as exigências e as capacidades de
atendê-las podem ser apresentadas em quatro áreas: adaptação,
consecução dos objetivos, integração e manutenção de padrões.
A mudança é determinada pela inter-relação das quatro áreas e pela
aprendizagem relativa às exigências reais.
MODELO CIBERNÉTICO DE CRESCIMENTO:
Na concepção dessa abordagem o grupo é um sistema de processamento
de informações potencialmente capaz de aumentar sua capacidade.
O crescimento, que não significa o aumento do número de membros
e sim do aumento da capacidade para atender exigências, depende da
crescente complexificação dos tipos de feedback : dirigido ao objetivo;
reconstituição e conscientização. Os indicadores de crescimento
seguem a mesma classificação do modelo Estrutural-funcional: adaptação,
consecução de objetivos, integração, manutenção de padrões.
Trabalho em equipe
Dimensões do grupo
•

Dimensão Intrapessoal / relação eu-eu: reações, motivação e
ideologia que influenciam na percepção, análise e compreensão
dos processos grupais.O equilíbrio eu-eu facilita a aceitação,
confiança e cooperação, já as dificuldades intrapessoais podem
gerar muito problemas de participação no grupo.

•

Dimensão Interpessoal / relação eu-outro: é mais visível e
central na vida dos seres gregários. Pode assumir várias formas:
afetuosa; cooperativa; superficial; conflituosa, competitiva ou
agressiva.As relações entre os membros do grupo constituem o
clima do grupo que afeta a tarefa e o desempenho global .

•

Dimensão Intragrupal / relação do todo: modo de operação
com características de unidade autônoma regida pelas leis
constituídas pelo grupo e percebidas pelo coordenador.
Trabalho em equipe
Fases do grupo


Inicial – é o momento em que o grupo está na expectativa, faz
perguntas quanto as normas e as regras do jogo. As atitudes são
torpes e mal coordenadas, também denominadas Infância Grupal.



Intermediária – momento de confrontação e conflitos de
dependência e contradependência, pode ser uma fase
dificultadora. Aborda o movimento e o momento do grupo,
denominada de Adolescência Grupal.



Final – apóia a idéia do outro, pode ser também uma fase
dificultadora, se os membros do grupo formarem relações duais,
desfalecendo o grupo. Aqui temos a Maturidade Grupal.
Trabalho em equipe
Modalidades
Todas as fases despertam emoções básicas, também chamadas de
modalidades.
 Fase inicial – dependência – onde se busca apoio ou direção do poder ou
autoridade externa. Pode ser facilitadora ou dificultadora para o processo
grupal.
 Fase intermediária – luta/fuga – na luta temos interações confrontativas,
zangadas e insistentes. É facilitadora quando expressa e aborda os
conflitos, enfrentando-os e prevenindo a fuga do problema. É dificultadora
quando o ataque deprecia membros específicos ou o grupo. Na fuga temos
o desligamento, retirada ou envolvimento diminuído. Devaneio, teorização
inoportuna, mudança de assunto. É facilitadora quando é temporária e
existe a intenção de retornar ao problema. É dificultadora quando não há
intenção de retornar ao problema.
 Fase final – união ou acasalamento – apóia a idéia do outro, expressão de
intimidade, apóia o outro membro ou o grupo significando
comprometimento. Facilita quando constrói clima de encorajamento e de
permissividade. Dificulta quando constrói subgrupos que se tornam
antagônicos, quando negam os conflitos que podem ameaçar a amizade do
grupo.
Trabalho em equipe
Conflito no grupo


Os conflitos, na realidade, fazem parte da vida em grupo. A
escassez de recursos para satisfazer todas as necessidades e
desejos individuais, especialmente de poder e afetividade,
geram vários conflitos intra e intergrupal.



As mudanças no grupo, seu crescimento e desenvolvimento
resultam do modo como os conflitos são enfrentados e
resolvidos.



O conflito, embora haja uma tendência de se atribuir-lhe
conotações negativas, não é necessariamente danoso.É uma
constante na dinâmica interpessoal e suas conseqüências
poderão ser positivas ou negativas, construtivas ou destrutivas
em decorrência da intensidade, da duração, do contexto, do
modo como é administrado.
Trabalho em equipe
Modalidades para lidar com o conflito
TÁTICAS DE LUTA:
•

Competição

TÁTICAS DE FUGA:
• Repressão;
• Evasão.
TÁTICAS DE DIÁLOGO:
•
•
•

Apaziguamento;
Negociação;
Confrontação;
Trabalho em equipe
Motivação
Motivação se refere às forças dentro de
uma pessoa responsáveis pelo nível,
direção e persistência do esforço
dispendido no trabalho.
Trabalho em equipe
Teorias de motivação


Teorias de Conteúdo
Focalizam as necessidades do indivíduo e sugerem que
a chave para a motivação no trabalho é um ambiente
que atenda as necessidades dos trabalhadores.



Teorias de Processos
Focalizam o pensamento ou processos cognitvos que
influenciam a decisão quanto ao comportamento no
trabalho defendem que a motivação está relacionada a
crenças individuais sobre esforço-desempenho –
resultados.
Trabalho em equipe
Teorias de motivação


Teoria de Hierarquia das Necessidades de Maslow
identifica cinco níveis de necessidades individuais :
auto-realização; auto-estima; necessidades sociais; de
segurança e fisiológicas.



Teoria ERC de Alderfer:
reconhece três tipos de necessidades: as necessidades
existenciais; as necessidades de relacionamentos e as
necessidades de crescimento e inclui um outro
componente de frustração e regressão.
Trabalho em equipe
Teorias de motivação


Teoria das Necessidades Adquiridas de McClelland
Destaca três importantes necessidades humanas que
podem ser adquiridas no decorrer do tempo como
resultado das experiências de vida de cada um:
necessidade de realização; necessidade de associação e
necessidade de poder.



Teoria dos Dois Fatores de Herzberg
Identifica fatores diferentes no contexto do trabalho:
fatores higiênicos ou satisfacientes, relacionados ao
ambiente de trabalho e fatores motivacionais ou
insatisfacientes, relacionados ao conteúdo do trabalho.
Trabalho em equipe
Teorias de processo


Teoria da Equidade de Adams
Baseada na noção de comparação social aplicada ao
ambiente de trabalho onde a alocação de recompensa gera
um impacto no receptor que avaliam seus resultados e
recompensas comparando-os com as dos outros.



Teoria da expectação de Vroom
Afirma que a motivação está relacionada à três dimensões
fundamentais e relacionadas entre si: expectativa,
instrumentalidade e valência.
Trabalho em equipe
Componentes da satisfação no trabalho








Possibilidade de Carreira com critérios claros e
justos;
Maior autonomia e redução do trabalho prescrito;
Equilíbrio entre Recompensas e responsabilidades;
Bom relacionamento com colegas e superiores;
Reconhecimento social de sua atividade;
Adequação a cultura organizacional.
Trabalho em equipe
Agora é com vocês!!!
 Como

diminuir o absenteísmo e a
rotatividade?
 Como aumentar a satisfação?
 Como melhorar o desempenho?
 Qual o papel das recompensas?
Trabalho em equipe
Liderança


Os primeiros estudos sobre liderança baseavam-se em traços e características
pessoais dos líderes eficazes, negando possibilidades da ocorrência de um
processo de aprendizagem quanto ao comportamento de liderança.



Identificação da características que diferenciam o “grande homem” das
massas.



Rompendo com essa visão determinista, os estudos de liderança passaram a
enfatizar os diversos estilos e padrões comportamentais do líder.



A abordagem comportamental considera os comportamentos e ações, em vez de
características e traços.
Trabalho em equipe
Liderança: Principais estudos


Estudos de Michigam: identificação de padrões de liderança
com desempenho eficaz, que em termos gerais identificam
duas formas de comportamento: orientados para as relações
humanas e orientados para a tarefa.



Estudos de Ohio: medindo a percepção dos subordinados em
relação ao comportamento de seus superiores. Os
pesquisadores Também identificam duas dimensões:
consideração e estrutura de iniciação.
Trabalho em equipe
A grade de liderança
Matriz desenvolvida para medir o interesse de
um gerente com as pessoas e com a produção.
Formada por dois eixos, no vertical estará
representado o interesse pelas pessoas e no
horizontal o interesse na produção.
 Os pesquisadores afirmam que a posição ideal
é 9/9 – “gerente de equipe”.

Trabalho em equipe
Teoria de intercâmbio membro-líder


Destaca comportamentos de lideres e seguidores para definir se estes fazem
parte do “intragrupo” ou “extragrupo”.



Avalia as trocas entre os lideres e os membros intra e extragrupos.



a eficácia dos estilos de liderança está condicionada à situação específica
de ocorrência das ações; isto é, um único estilo não será eficaz em todas as
circunstâncias. Isso pode levar à dedução de que o contingencialismo se
aproxima mais do estilo desejável para um líder que queira manter o
desempenho em diferentes situações.
Trabalho em equipe
Abordagem Contigencial de liderança

•

A teoria contingencial de Fred Friedler, prega "que a liderança
eficaz é baseada no grau de ajuste entre o estilo de um líder e o ponto
até o qual uma situação específica permite que ele exerça influência
sobre o grupo".

•

A teoria do caminho-meta é "baseada na teoria das expectativas (...)
O conceito provém da capacidade de um líder esclarecer o caminho do
subordinado para uma meta ou resultado desejados".

•

A liderança situacional, "enfoca três fatores básicos: (1) a quantidade
de comportamento orientado para o trabalho (orientação e direção) de
um líder; (2) a quantidade de comportamento voltado para os
relacionamentos (apoio sócio-emocional) que um líder oferece; (3) o
nível de disposição que os membros da organização demonstram ao
realizar uma certa tarefa, função ou objetivo".

•

A teoria da atribuição, segundo a qual "se um subordinado (ou um
observador) tiver uma idéia implícita do que constitui a "boa" (ou
"má") liderança e seus efeitos comportamentais, as características de
liderança poderão ser então atribuídas a uma pessoa que esteja
relacionada com a situação".
Trabalho em equipe
Todas essas teorias, antes de trazerem
respostas definitivas às indagações
sobre liderança, têm antes gerado
novos questionamentos, revelando
importantes perspectivas de análise.
Trabalho em equipe
A maioria dos autores que têm discutido a questão liderança, deixa
transparecer que liderança não é algo determinista, estático e
minimalista. Isso leva a crer que o líder que age por contingências
está mais próximo do cumprimento dos propósitos naturais do líder,
que é, dentre outros, o de maximizar resultados através de equipes.
O líder deve ter sensibilidade também. Deve saber "lidar com a
precisão da lógica binária dos computadores, ao mesmo tempo em
que se envolvem com a abstração e a sutileza de sentimentos sempre
presentes nas interações humanas e decisões organizacionais"
(Vergara & Branco, 1993, p.22).

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

01. Dinâmica das Relações Interpessoais: O Indivíduo e o Grupo
01. Dinâmica das Relações Interpessoais: O Indivíduo e o Grupo01. Dinâmica das Relações Interpessoais: O Indivíduo e o Grupo
01. Dinâmica das Relações Interpessoais: O Indivíduo e o Grupo
Debora Miceli
 
Cultura organizacional
Cultura organizacionalCultura organizacional
Cultura organizacional
Michael Silva
 
Relações humanas
Relações humanasRelações humanas
Relações humanas
Jose Silvio Damacena Damacena
 
Apresentação tema trabalho em equipe
Apresentação tema trabalho em equipeApresentação tema trabalho em equipe
Apresentação tema trabalho em equipe
Renan Kaltenegger
 
Treinamento & Desenvolvimento
Treinamento & DesenvolvimentoTreinamento & Desenvolvimento
Treinamento & Desenvolvimento
Wandick Rocha de Aquino
 
Cultura Organizacional
Cultura OrganizacionalCultura Organizacional
Cultura Organizacional
Marcela Montalvão Teti
 
Trabalho em Equipe
Trabalho em EquipeTrabalho em Equipe
Trabalho em Equipe
Andrea Dalforno
 
Relações interpessoais
Relações interpessoaisRelações interpessoais
Relações interpessoais
PedroLinno1
 
Motivação
MotivaçãoMotivação
Motivação
Camila Prada
 
Dinamicas de-grupo
Dinamicas de-grupoDinamicas de-grupo
Dinamicas de-grupo
Jorge Luciano
 
Aula 5 - Teoria das Relações Humanas
Aula 5  - Teoria das Relações HumanasAula 5  - Teoria das Relações Humanas
Aula 5 - Teoria das Relações Humanas
Prof. Leonardo Rocha
 
Motivação e trabalho em equipe
Motivação e trabalho em equipeMotivação e trabalho em equipe
Motivação e trabalho em equipe
Rúbian Fátima
 
Cultura organizacional
Cultura organizacionalCultura organizacional
Cultura organizacional
MiguelCarapinha94
 
Palestra Ituporanga Motivação, Liderança e Trabalho em Equipe
Palestra Ituporanga Motivação, Liderança e Trabalho em EquipePalestra Ituporanga Motivação, Liderança e Trabalho em Equipe
Palestra Ituporanga Motivação, Liderança e Trabalho em Equipe
Eduardo Maróstica
 
TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS
TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS
TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS
Sonia Rodrigues
 
Etiqueta profissional
Etiqueta profissionalEtiqueta profissional
Etiqueta profissional
Natali Carvalho
 
Treinamento & Desenvolvimento de Equipes: Modelos, Feramentas e estratégias
Treinamento & Desenvolvimento de Equipes: Modelos, Feramentas e estratégiasTreinamento & Desenvolvimento de Equipes: Modelos, Feramentas e estratégias
Treinamento & Desenvolvimento de Equipes: Modelos, Feramentas e estratégias
Ricardo Silva Coqueiro
 
Gestão de Pessoas - Aula 1
Gestão de Pessoas - Aula 1Gestão de Pessoas - Aula 1
Gestão de Pessoas - Aula 1
Ernandes Rodrigues Do Nascimento
 
Trabalho em equipe.Karla Rh
Trabalho em equipe.Karla RhTrabalho em equipe.Karla Rh
Trabalho em equipe.Karla Rh
Alexandre Cavalcanti
 
Relações Interpessoais: Trabalho em Equipe
Relações Interpessoais: Trabalho em EquipeRelações Interpessoais: Trabalho em Equipe
Relações Interpessoais: Trabalho em Equipe
Rosangella Bermanelly
 

Mais procurados (20)

01. Dinâmica das Relações Interpessoais: O Indivíduo e o Grupo
01. Dinâmica das Relações Interpessoais: O Indivíduo e o Grupo01. Dinâmica das Relações Interpessoais: O Indivíduo e o Grupo
01. Dinâmica das Relações Interpessoais: O Indivíduo e o Grupo
 
Cultura organizacional
Cultura organizacionalCultura organizacional
Cultura organizacional
 
Relações humanas
Relações humanasRelações humanas
Relações humanas
 
Apresentação tema trabalho em equipe
Apresentação tema trabalho em equipeApresentação tema trabalho em equipe
Apresentação tema trabalho em equipe
 
Treinamento & Desenvolvimento
Treinamento & DesenvolvimentoTreinamento & Desenvolvimento
Treinamento & Desenvolvimento
 
Cultura Organizacional
Cultura OrganizacionalCultura Organizacional
Cultura Organizacional
 
Trabalho em Equipe
Trabalho em EquipeTrabalho em Equipe
Trabalho em Equipe
 
Relações interpessoais
Relações interpessoaisRelações interpessoais
Relações interpessoais
 
Motivação
MotivaçãoMotivação
Motivação
 
Dinamicas de-grupo
Dinamicas de-grupoDinamicas de-grupo
Dinamicas de-grupo
 
Aula 5 - Teoria das Relações Humanas
Aula 5  - Teoria das Relações HumanasAula 5  - Teoria das Relações Humanas
Aula 5 - Teoria das Relações Humanas
 
Motivação e trabalho em equipe
Motivação e trabalho em equipeMotivação e trabalho em equipe
Motivação e trabalho em equipe
 
Cultura organizacional
Cultura organizacionalCultura organizacional
Cultura organizacional
 
Palestra Ituporanga Motivação, Liderança e Trabalho em Equipe
Palestra Ituporanga Motivação, Liderança e Trabalho em EquipePalestra Ituporanga Motivação, Liderança e Trabalho em Equipe
Palestra Ituporanga Motivação, Liderança e Trabalho em Equipe
 
TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS
TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS
TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS
 
Etiqueta profissional
Etiqueta profissionalEtiqueta profissional
Etiqueta profissional
 
Treinamento & Desenvolvimento de Equipes: Modelos, Feramentas e estratégias
Treinamento & Desenvolvimento de Equipes: Modelos, Feramentas e estratégiasTreinamento & Desenvolvimento de Equipes: Modelos, Feramentas e estratégias
Treinamento & Desenvolvimento de Equipes: Modelos, Feramentas e estratégias
 
Gestão de Pessoas - Aula 1
Gestão de Pessoas - Aula 1Gestão de Pessoas - Aula 1
Gestão de Pessoas - Aula 1
 
Trabalho em equipe.Karla Rh
Trabalho em equipe.Karla RhTrabalho em equipe.Karla Rh
Trabalho em equipe.Karla Rh
 
Relações Interpessoais: Trabalho em Equipe
Relações Interpessoais: Trabalho em EquipeRelações Interpessoais: Trabalho em Equipe
Relações Interpessoais: Trabalho em Equipe
 

Destaque

1. DinâMica De Grupo
1. DinâMica De Grupo1. DinâMica De Grupo
1. DinâMica De Grupo
mari2010
 
10 dinâmicas divertidas e envolventes
10 dinâmicas divertidas e envolventes10 dinâmicas divertidas e envolventes
10 dinâmicas divertidas e envolventes
Seduc MT
 
Oficina dinamica de grupo
Oficina dinamica de grupoOficina dinamica de grupo
Oficina dinamica de grupo
Anelita Costa Dos Santos
 
Teoria e técnica de dinâmica de grupo
Teoria e técnica de dinâmica de grupoTeoria e técnica de dinâmica de grupo
Teoria e técnica de dinâmica de grupo
Silvio Custódio Souza Júnior
 
Memória dinâmica dos grupos
Memória dinâmica dos gruposMemória dinâmica dos grupos
Memória dinâmica dos grupos
Lívia Willborn
 
02. Dinâmica das Relações Interpessoais: Motivação
02. Dinâmica das Relações Interpessoais: Motivação02. Dinâmica das Relações Interpessoais: Motivação
02. Dinâmica das Relações Interpessoais: Motivação
Debora Miceli
 
20 dinamicas pedagogicas
20 dinamicas pedagogicas20 dinamicas pedagogicas
20 dinamicas pedagogicas
Silvana
 
23545 dinamica e_animacao_de_grupos___m_formador (1)
23545 dinamica e_animacao_de_grupos___m_formador (1)23545 dinamica e_animacao_de_grupos___m_formador (1)
23545 dinamica e_animacao_de_grupos___m_formador (1)
tania m f contrim
 
BLOG DE DIPLOMADO PSICOLOGÍA Y DINÁMICA DE GRUPOS - PASAJES MAS RELEVANTES
BLOG DE DIPLOMADO PSICOLOGÍA Y DINÁMICA DE GRUPOS - PASAJES MAS RELEVANTESBLOG DE DIPLOMADO PSICOLOGÍA Y DINÁMICA DE GRUPOS - PASAJES MAS RELEVANTES
BLOG DE DIPLOMADO PSICOLOGÍA Y DINÁMICA DE GRUPOS - PASAJES MAS RELEVANTES
GOOGLE
 
Convite De Amigo
Convite De AmigoConvite De Amigo
Convite De Amigo
Eliezer Almeida
 
Dinamicas
DinamicasDinamicas
Dinamicas
Rogério Barbosa
 
Reunião APL de Fundição 22.01.2013
Reunião APL de Fundição 22.01.2013Reunião APL de Fundição 22.01.2013
Reunião APL de Fundição 22.01.2013
sifumg
 
APRENDIZAJE COOPERATIVO Y DINÁMICA DE AULA:
APRENDIZAJE COOPERATIVO Y DINÁMICA DE AULA:APRENDIZAJE COOPERATIVO Y DINÁMICA DE AULA:
APRENDIZAJE COOPERATIVO Y DINÁMICA DE AULA:
José Moraga Campos
 
Palestra evangelização
Palestra evangelizaçãoPalestra evangelização
Palestra evangelização
Márcio Cerbella Freire
 
Mulheres ao Deitar
Mulheres ao DeitarMulheres ao Deitar
Mulheres ao Deitar
ritarbrandao
 
Tijela de madeira
Tijela de madeiraTijela de madeira
Tijela de madeira
Sonia Costa
 
A princesa baixinha
A princesa baixinhaA princesa baixinha
A princesa baixinha
cristinamlcoelho
 
Politica Contemporanea em Bom Jardim - Maranhão
Politica Contemporanea em Bom Jardim - MaranhãoPolitica Contemporanea em Bom Jardim - Maranhão
Politica Contemporanea em Bom Jardim - Maranhão
Adilson P Motta Motta
 
Planejamento Pedagógico - EE República do Suriname 2015
Planejamento Pedagógico - EE República do Suriname 2015Planejamento Pedagógico - EE República do Suriname 2015
Planejamento Pedagógico - EE República do Suriname 2015
jeffcezanne
 
10 Dinamicas DE GRUPO
10 Dinamicas DE GRUPO10 Dinamicas DE GRUPO
10 Dinamicas DE GRUPO
Rogério Barbosa
 

Destaque (20)

1. DinâMica De Grupo
1. DinâMica De Grupo1. DinâMica De Grupo
1. DinâMica De Grupo
 
10 dinâmicas divertidas e envolventes
10 dinâmicas divertidas e envolventes10 dinâmicas divertidas e envolventes
10 dinâmicas divertidas e envolventes
 
Oficina dinamica de grupo
Oficina dinamica de grupoOficina dinamica de grupo
Oficina dinamica de grupo
 
Teoria e técnica de dinâmica de grupo
Teoria e técnica de dinâmica de grupoTeoria e técnica de dinâmica de grupo
Teoria e técnica de dinâmica de grupo
 
Memória dinâmica dos grupos
Memória dinâmica dos gruposMemória dinâmica dos grupos
Memória dinâmica dos grupos
 
02. Dinâmica das Relações Interpessoais: Motivação
02. Dinâmica das Relações Interpessoais: Motivação02. Dinâmica das Relações Interpessoais: Motivação
02. Dinâmica das Relações Interpessoais: Motivação
 
20 dinamicas pedagogicas
20 dinamicas pedagogicas20 dinamicas pedagogicas
20 dinamicas pedagogicas
 
23545 dinamica e_animacao_de_grupos___m_formador (1)
23545 dinamica e_animacao_de_grupos___m_formador (1)23545 dinamica e_animacao_de_grupos___m_formador (1)
23545 dinamica e_animacao_de_grupos___m_formador (1)
 
BLOG DE DIPLOMADO PSICOLOGÍA Y DINÁMICA DE GRUPOS - PASAJES MAS RELEVANTES
BLOG DE DIPLOMADO PSICOLOGÍA Y DINÁMICA DE GRUPOS - PASAJES MAS RELEVANTESBLOG DE DIPLOMADO PSICOLOGÍA Y DINÁMICA DE GRUPOS - PASAJES MAS RELEVANTES
BLOG DE DIPLOMADO PSICOLOGÍA Y DINÁMICA DE GRUPOS - PASAJES MAS RELEVANTES
 
Convite De Amigo
Convite De AmigoConvite De Amigo
Convite De Amigo
 
Dinamicas
DinamicasDinamicas
Dinamicas
 
Reunião APL de Fundição 22.01.2013
Reunião APL de Fundição 22.01.2013Reunião APL de Fundição 22.01.2013
Reunião APL de Fundição 22.01.2013
 
APRENDIZAJE COOPERATIVO Y DINÁMICA DE AULA:
APRENDIZAJE COOPERATIVO Y DINÁMICA DE AULA:APRENDIZAJE COOPERATIVO Y DINÁMICA DE AULA:
APRENDIZAJE COOPERATIVO Y DINÁMICA DE AULA:
 
Palestra evangelização
Palestra evangelizaçãoPalestra evangelização
Palestra evangelização
 
Mulheres ao Deitar
Mulheres ao DeitarMulheres ao Deitar
Mulheres ao Deitar
 
Tijela de madeira
Tijela de madeiraTijela de madeira
Tijela de madeira
 
A princesa baixinha
A princesa baixinhaA princesa baixinha
A princesa baixinha
 
Politica Contemporanea em Bom Jardim - Maranhão
Politica Contemporanea em Bom Jardim - MaranhãoPolitica Contemporanea em Bom Jardim - Maranhão
Politica Contemporanea em Bom Jardim - Maranhão
 
Planejamento Pedagógico - EE República do Suriname 2015
Planejamento Pedagógico - EE República do Suriname 2015Planejamento Pedagógico - EE República do Suriname 2015
Planejamento Pedagógico - EE República do Suriname 2015
 
10 Dinamicas DE GRUPO
10 Dinamicas DE GRUPO10 Dinamicas DE GRUPO
10 Dinamicas DE GRUPO
 

Semelhante a Aula de dinâmica de grupos

Psicologia ciência do comportamento.pdf
Psicologia ciência do comportamento.pdfPsicologia ciência do comportamento.pdf
Psicologia ciência do comportamento.pdf
KellyCristianyRodrig
 
12.2 relaes interpessoais
12.2 relaes interpessoais12.2 relaes interpessoais
12.2 relaes interpessoais
cleilza sales
 
relacionalmentointerpessoal-110530140603-phpapp01.pptx
relacionalmentointerpessoal-110530140603-phpapp01.pptxrelacionalmentointerpessoal-110530140603-phpapp01.pptx
relacionalmentointerpessoal-110530140603-phpapp01.pptx
ProfYasminBlanco
 
A organização como contexto social e desenvolvimento cognitivo
A organização como contexto social e desenvolvimento cognitivoA organização como contexto social e desenvolvimento cognitivo
A organização como contexto social e desenvolvimento cognitivo
Anderson Cássio Oliveira
 
Aspectos comportamentais e éticos na gestão de pessoas
Aspectos comportamentais e éticos na gestão de pessoasAspectos comportamentais e éticos na gestão de pessoas
Aspectos comportamentais e éticos na gestão de pessoas
Turma_do_Marketing
 
Modulo3
Modulo3Modulo3
Modulo3
carlossono
 
Aula Avaliação de Desempenho 4
Aula Avaliação de Desempenho 4Aula Avaliação de Desempenho 4
Aula Avaliação de Desempenho 4
Juliana Baino
 
Relacionamento Interpessoal
Relacionamento Interpessoal Relacionamento Interpessoal
Relacionamento Interpessoal
Carmen Pinto
 
Apostila relações interpessoais e ética profissional
Apostila relações interpessoais e ética profissionalApostila relações interpessoais e ética profissional
Apostila relações interpessoais e ética profissional
mgmedeiros
 
Relacionamento Interpessoal 20h
Relacionamento Interpessoal 20hRelacionamento Interpessoal 20h
Relacionamento Interpessoal 20h
UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO
 
Os 7 Hábitos das Pessoas Altamente Eficazes
Os 7 Hábitos das Pessoas Altamente EficazesOs 7 Hábitos das Pessoas Altamente Eficazes
Os 7 Hábitos das Pessoas Altamente Eficazes
Eduardo Braz
 
nicolas quebra galho
nicolas quebra galhonicolas quebra galho
nicolas quebra galho
nikiin
 
2020 07 -_arley_perfis_comportamentais
2020 07 -_arley_perfis_comportamentais2020 07 -_arley_perfis_comportamentais
2020 07 -_arley_perfis_comportamentais
Thayane Victoriano
 
Marketing pessoal e_etiqueta_03
Marketing pessoal e_etiqueta_03Marketing pessoal e_etiqueta_03
Marketing pessoal e_etiqueta_03
anthoniocastro
 
Psicologia Organizacional
Psicologia OrganizacionalPsicologia Organizacional
Psicologia Organizacional
Dharana Ventura
 
ARTIGO_relacoes-interpessoais-e-qualidade-de-vida-no-trabalho_IESDE.pdf
ARTIGO_relacoes-interpessoais-e-qualidade-de-vida-no-trabalho_IESDE.pdfARTIGO_relacoes-interpessoais-e-qualidade-de-vida-no-trabalho_IESDE.pdf
ARTIGO_relacoes-interpessoais-e-qualidade-de-vida-no-trabalho_IESDE.pdf
imonilps
 
Aula 02 auxiliar de escritório
Aula 02 auxiliar de escritórioAula 02 auxiliar de escritório
Aula 02 auxiliar de escritório
Homero Alves de Lima
 
Sessao 1 pso ecm d pl
Sessao 1 pso ecm d plSessao 1 pso ecm d pl
Sessao 1 pso ecm d pl
Andreecm
 
Relacão Interpessoal
Relacão InterpessoalRelacão Interpessoal
Relacão Interpessoal
Valdenir Pereira
 
Conduta Ética - Prof. Reinaldo Bulgarelli
Conduta Ética - Prof. Reinaldo BulgarelliConduta Ética - Prof. Reinaldo Bulgarelli
Conduta Ética - Prof. Reinaldo Bulgarelli
Sustentare Escola de Negócios
 

Semelhante a Aula de dinâmica de grupos (20)

Psicologia ciência do comportamento.pdf
Psicologia ciência do comportamento.pdfPsicologia ciência do comportamento.pdf
Psicologia ciência do comportamento.pdf
 
12.2 relaes interpessoais
12.2 relaes interpessoais12.2 relaes interpessoais
12.2 relaes interpessoais
 
relacionalmentointerpessoal-110530140603-phpapp01.pptx
relacionalmentointerpessoal-110530140603-phpapp01.pptxrelacionalmentointerpessoal-110530140603-phpapp01.pptx
relacionalmentointerpessoal-110530140603-phpapp01.pptx
 
A organização como contexto social e desenvolvimento cognitivo
A organização como contexto social e desenvolvimento cognitivoA organização como contexto social e desenvolvimento cognitivo
A organização como contexto social e desenvolvimento cognitivo
 
Aspectos comportamentais e éticos na gestão de pessoas
Aspectos comportamentais e éticos na gestão de pessoasAspectos comportamentais e éticos na gestão de pessoas
Aspectos comportamentais e éticos na gestão de pessoas
 
Modulo3
Modulo3Modulo3
Modulo3
 
Aula Avaliação de Desempenho 4
Aula Avaliação de Desempenho 4Aula Avaliação de Desempenho 4
Aula Avaliação de Desempenho 4
 
Relacionamento Interpessoal
Relacionamento Interpessoal Relacionamento Interpessoal
Relacionamento Interpessoal
 
Apostila relações interpessoais e ética profissional
Apostila relações interpessoais e ética profissionalApostila relações interpessoais e ética profissional
Apostila relações interpessoais e ética profissional
 
Relacionamento Interpessoal 20h
Relacionamento Interpessoal 20hRelacionamento Interpessoal 20h
Relacionamento Interpessoal 20h
 
Os 7 Hábitos das Pessoas Altamente Eficazes
Os 7 Hábitos das Pessoas Altamente EficazesOs 7 Hábitos das Pessoas Altamente Eficazes
Os 7 Hábitos das Pessoas Altamente Eficazes
 
nicolas quebra galho
nicolas quebra galhonicolas quebra galho
nicolas quebra galho
 
2020 07 -_arley_perfis_comportamentais
2020 07 -_arley_perfis_comportamentais2020 07 -_arley_perfis_comportamentais
2020 07 -_arley_perfis_comportamentais
 
Marketing pessoal e_etiqueta_03
Marketing pessoal e_etiqueta_03Marketing pessoal e_etiqueta_03
Marketing pessoal e_etiqueta_03
 
Psicologia Organizacional
Psicologia OrganizacionalPsicologia Organizacional
Psicologia Organizacional
 
ARTIGO_relacoes-interpessoais-e-qualidade-de-vida-no-trabalho_IESDE.pdf
ARTIGO_relacoes-interpessoais-e-qualidade-de-vida-no-trabalho_IESDE.pdfARTIGO_relacoes-interpessoais-e-qualidade-de-vida-no-trabalho_IESDE.pdf
ARTIGO_relacoes-interpessoais-e-qualidade-de-vida-no-trabalho_IESDE.pdf
 
Aula 02 auxiliar de escritório
Aula 02 auxiliar de escritórioAula 02 auxiliar de escritório
Aula 02 auxiliar de escritório
 
Sessao 1 pso ecm d pl
Sessao 1 pso ecm d plSessao 1 pso ecm d pl
Sessao 1 pso ecm d pl
 
Relacão Interpessoal
Relacão InterpessoalRelacão Interpessoal
Relacão Interpessoal
 
Conduta Ética - Prof. Reinaldo Bulgarelli
Conduta Ética - Prof. Reinaldo BulgarelliConduta Ética - Prof. Reinaldo Bulgarelli
Conduta Ética - Prof. Reinaldo Bulgarelli
 

Mais de Rudolf Rotchild Costa Cavalcante

Quiz sobre corrupção
Quiz sobre corrupçãoQuiz sobre corrupção
Quiz sobre corrupção
Rudolf Rotchild Costa Cavalcante
 
Scrapbook Train Travel
Scrapbook Train TravelScrapbook Train Travel
Scrapbook Train Travel
Rudolf Rotchild Costa Cavalcante
 
Scrapbook baby girl
Scrapbook baby girlScrapbook baby girl
Scrap de casamento
Scrap de casamentoScrap de casamento
Quem você pensa que é o índio
Quem você pensa  que é o índio Quem você pensa  que é o índio
Quem você pensa que é o índio
Rudolf Rotchild Costa Cavalcante
 
Questões do Enem de Sociologia
Questões do Enem de SociologiaQuestões do Enem de Sociologia
Questões do Enem de Sociologia
Rudolf Rotchild Costa Cavalcante
 
Trabalho informalidade, mercado e escravidão
Trabalho  informalidade, mercado e escravidãoTrabalho  informalidade, mercado e escravidão
Trabalho informalidade, mercado e escravidão
Rudolf Rotchild Costa Cavalcante
 
Sociologia NEJA I
Sociologia NEJA ISociologia NEJA I
Criminalidade e Violência
Criminalidade e ViolênciaCriminalidade e Violência
Criminalidade e Violência
Rudolf Rotchild Costa Cavalcante
 
Capítulo 9 do livro de Sociologia
Capítulo 9 do livro de Sociologia Capítulo 9 do livro de Sociologia
Capítulo 9 do livro de Sociologia
Rudolf Rotchild Costa Cavalcante
 
Corrupção
CorrupçãoCorrupção
O MUNDO DO TRABALHO
O MUNDO DO TRABALHO O MUNDO DO TRABALHO
O MUNDO DO TRABALHO
Rudolf Rotchild Costa Cavalcante
 
DEMOCRACIA DIRETA E SUAS IMPLICAÇÕES
DEMOCRACIA DIRETA E SUAS IMPLICAÇÕESDEMOCRACIA DIRETA E SUAS IMPLICAÇÕES
DEMOCRACIA DIRETA E SUAS IMPLICAÇÕES
Rudolf Rotchild Costa Cavalcante
 
Direitos humanos
Direitos humanosDireitos humanos
Cidade sustentavel 4
Cidade sustentavel 4Cidade sustentavel 4
Cidade sustentavel 4
Rudolf Rotchild Costa Cavalcante
 
Cidade sustentavel 3
Cidade sustentavel  3Cidade sustentavel  3
Cidade sustentavel 3
Rudolf Rotchild Costa Cavalcante
 
Cidade alegria cr
Cidade alegria crCidade alegria cr
Cidade alegria 2002
Cidade alegria 2002Cidade alegria 2002
Cidadania
CidadaniaCidadania
C emiteŕio dos pretos novos
C emiteŕio dos pretos novos C emiteŕio dos pretos novos
C emiteŕio dos pretos novos
Rudolf Rotchild Costa Cavalcante
 

Mais de Rudolf Rotchild Costa Cavalcante (20)

Quiz sobre corrupção
Quiz sobre corrupçãoQuiz sobre corrupção
Quiz sobre corrupção
 
Scrapbook Train Travel
Scrapbook Train TravelScrapbook Train Travel
Scrapbook Train Travel
 
Scrapbook baby girl
Scrapbook baby girlScrapbook baby girl
Scrapbook baby girl
 
Scrap de casamento
Scrap de casamentoScrap de casamento
Scrap de casamento
 
Quem você pensa que é o índio
Quem você pensa  que é o índio Quem você pensa  que é o índio
Quem você pensa que é o índio
 
Questões do Enem de Sociologia
Questões do Enem de SociologiaQuestões do Enem de Sociologia
Questões do Enem de Sociologia
 
Trabalho informalidade, mercado e escravidão
Trabalho  informalidade, mercado e escravidãoTrabalho  informalidade, mercado e escravidão
Trabalho informalidade, mercado e escravidão
 
Sociologia NEJA I
Sociologia NEJA ISociologia NEJA I
Sociologia NEJA I
 
Criminalidade e Violência
Criminalidade e ViolênciaCriminalidade e Violência
Criminalidade e Violência
 
Capítulo 9 do livro de Sociologia
Capítulo 9 do livro de Sociologia Capítulo 9 do livro de Sociologia
Capítulo 9 do livro de Sociologia
 
Corrupção
CorrupçãoCorrupção
Corrupção
 
O MUNDO DO TRABALHO
O MUNDO DO TRABALHO O MUNDO DO TRABALHO
O MUNDO DO TRABALHO
 
DEMOCRACIA DIRETA E SUAS IMPLICAÇÕES
DEMOCRACIA DIRETA E SUAS IMPLICAÇÕESDEMOCRACIA DIRETA E SUAS IMPLICAÇÕES
DEMOCRACIA DIRETA E SUAS IMPLICAÇÕES
 
Direitos humanos
Direitos humanosDireitos humanos
Direitos humanos
 
Cidade sustentavel 4
Cidade sustentavel 4Cidade sustentavel 4
Cidade sustentavel 4
 
Cidade sustentavel 3
Cidade sustentavel  3Cidade sustentavel  3
Cidade sustentavel 3
 
Cidade alegria cr
Cidade alegria crCidade alegria cr
Cidade alegria cr
 
Cidade alegria 2002
Cidade alegria 2002Cidade alegria 2002
Cidade alegria 2002
 
Cidadania
CidadaniaCidadania
Cidadania
 
C emiteŕio dos pretos novos
C emiteŕio dos pretos novos C emiteŕio dos pretos novos
C emiteŕio dos pretos novos
 

Aula de dinâmica de grupos

  • 1. DOCÊNCIA DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO Dinâmica de Grupo Prof. Igor Delatorre
  • 2. Trabalho em equipe Diferenças individuais Cada um de nós representa uma unidade. Apresentamos características físicas, emocionais e sociais comuns, mas temos outras diferentes. Essas são as diferenças individuais, com as quais deparamos no dia-a-dia, no convívio social
  • 3. Trabalho em equipe Diferenças individuais Sabemos que:  Somos diferentes;  Mudamos todos durante toda a nossa existência;  Tudo muda no universo em que vivemos; Por que então :  Buscamos a padronização ?  Cobramos ao outro que:  opere como operamos?  produza no ritmo que produzimos?  saiba o que sabemos? Porque procuramos a todo custo a estabilidade e não nos conformamos com os inesperados que teimam em nos surpreender?
  • 4. Trabalho em equipe Diferenças individuais SERÁ ....  Porque nossas reações se baseiam em nosso modo de perceber a realidade, que é influenciado por fatores internos, externos, por nossa personalidade e autoconceito ?  Porque esquecemos que nossa percepção pode estar vendo a realidade de forma distorcida ?
  • 5. Trabalho em equipe Diferenças individuais Para sermos mais eficazes em nossa relação com o outro precisamos:  Estar consciente das diversas maneiras como influenciamos e distorcemos as informações sobre o outro e o ambiente que nos cerca.  Estar consciente e respeitar as diferenças individuais.
  • 6. Trabalho em equipe Percepção  Sensação refere-se ao estímulo físico dos sentidos: visão; audição; olfato; paladar e tato.  Percepção refere-se ao modo como interpretamos as mensagens de nossos órgãos dos sentidos para darmos alguma ordem e significado ao nosso meio ambiente.
  • 7. Trabalho em equipe Percepção A percepção é determinada pela interação entre os fatores fisiológicos; psicológicos e culturais. Ao mesmo tempo em que esses fatores agem como determinantes de nossa percepção, também, agem como fontes de variação perceptiva, podendo inclusive limitá-la.
  • 8. Trabalho em equipe Percepção  Os estímulos externos são selecionados e organizados internamente em dois níveis básico: consciente e inconsciente.  A interpretação das informações é realizada de um modo congruente com seu conjunto de crenças, valores e atitudes, moldados por experiências culturais e ambientais.
  • 9. Trabalho em equipe Percepção  Para alguns autores a percepção pode ser considerada como uma variável interventora, que influencia o processo de motivação, já que pessoas diferentes podem ver e interpretar a mesma situação de maneiras diferentes. A interpretação do significado de um evento determina sua reação.
  • 10. Trabalho em equipe Percepção Fenômenos da percepção:  Figura-fundo;  Fechamento;  Fatores externos: Intensidade; contraste; tamanho; proximidade; semelhança repetição; movimento e a familiaridade.
  • 11. Trabalho em equipe Percepção Percepção Social e Interpessoal Distorção Perceptiva: É quando vemos as pessoas de uma forma bem diferente das que elas são, ou, daquela como estas nos são objetivamente apresentadas. Entre tais distorções podemos citar:  Estereotipagem: É o processo de usar uma impressão padronizada de um grupo de pessoas para influenciar a nossa percepção de um indivíduo em particular. Estigma.  Efeito Halo: Consiste em deixar que uma característica da pessoa encubra todas as demais, influenciando a sua avaliação . É o chamado “julgamento à primeira vista”.  Expectativa: Consiste em "vermos" e "ouvirmos" o que esperamos ver e ouvir e não o que realmente está acontecendo.  Teoria da Atribuição: Os teóricos dessa teoria pressupõem que o homem é motivado para descobrir as causas dos eventos e entender seu ambiente, presumem que as relações que estabelecemos (acreditamos), existentes entre o indivíduo e o meio ambiente influem em nossa forma de nos comportarmos. Segundo essa teoria, os alunos tem suas ações influenciadas por suas explicações causais e expectativas, gerando em muitos casos sucesso ou fracasso. Se, por exemplo, diante de uma disciplina, o aluno considerar que sua aprovação dependerá apenas do que fizer, sua forma de agir será consideravelmente diferente do que se considerar que o professor o persegue e tudo fará para reprová-lo.
  • 12. Trabalho em equipe Comportamento humano O comportamento humano não deve, portanto, ser concebido como mecanicista nem determinístico, mas deve ser entendido como uma probabilidade de comportamentos.
  • 13. Trabalho em equipe O processo de interação O ser humano não funciona como uma máquina que produz sem sofrer interferências emocionais. Para viver em sociedade e para produzir os homens interagem uns com os outros de forma racional e emocional podendo, em várias situações, causar desconforto ou perplexidade em função de respostas ou atos não esperados. A interação humana, que ocorre em dois níveis distintos e interdependentes: o da tarefa e sócio-emocional, afeta o funcionamento de cada um e de todos , interferindo no desempenho do grupo. Assim, podemos deduzir que não basta qualificar tecnicamente a mão-de obra quando não nos preocupamos com a interação humana do grupo de trabalho.
  • 14. Trabalho em equipe Relações interpessoal Relações interpessoais Clima do Grupo Sinergia Ambiente estimulante averso monótono 1 COMPETÊNCIA INTERPESSOAL DOS MEMBROS DO GRUPO
  • 15. Trabalho em equipe Competência interpessoal  É a habilidade de lidar eficazmente com relações interpessoais, de lidar com outras pessoas de forma adequada às necessidades de cada uma e às exigências da situação. ( Fela Moscovici)  É a habilidade de lidar eficazmente com relações interpessoais de acordo com três critérios: Percepção da situação interpessoal e de suas interrelações; Habilidade para resolver problemas interpessoais sem retrocesso; Encontrar soluções sem causar danos as relações afetivas. ( C. Argyris)
  • 16. Trabalho em equipe Competência interpessoal Você concorda com esta sentença? Competência interpessoal é resultante de percepção acurada realística das situações interpessoais e de habilidades específicas comportamentais que conduzem a conseqüências significativas no relacionamento duradouro e autêntico, satisfatório para as pessoas envolvidas.
  • 17. Trabalho em equipe Competência interpessoal Competência interpessoal não é simplesmente evitar o conflito. Segundo Cris Argyris, utilizar a competência interpessoal para evitar o conflito pode levar uma equipe á resultados ineficientes ou “incompetentes” “Como ações hábeis podem ser contraproducentes?” Quando utilizamos nossa habilidade para produzir os resultados que desejamos; Quando não dizemos o que realmente pensamos e não conferimos nossas suposições; Quando optamos por lidar com as tensões fingindo que elas não existem;
  • 18. Trabalho em equipe Será que... Competência interpessoal Quando utilizamos nossa habilidade para produzir os resultados que desejamos; Estamos percebendo isso? O contexto permite outro tipo de ação?Esse é um comportamento ético? O que podemos fazer para evitar essa situação?  Quando não dizemos o que realmente pensamos e não conferimos nossas suposições; Estamos sendo habilidosos ou temos receio de falar a verdade? A cultura do grupo permite que sejamos sinceros?Estamos preparados para dar e receber feedback?  Quando optamos por lidar com as tensões fingindo que elas não existem; Não podemos estar gerando um conflito maior? Existem situações em que o conflito deve ser evitado? Perceber isso não é uma habilidade? 
  • 19. Trabalho em equipe Benefícios potenciais dos grupos: • • • • • • • Melhorar a criatividade; Melhorar o processo decisório e ampliar o compromisso com as decisões; Controlar seus membros e exercem impacto substancial sobre as atitudes de seus membros; Melhorar o desempenho dos membros; Reduzir os impactos do tamanho da organização; Oferecer potencial para a sinergia; Oferecer condições para o desenvolvimento de competências e superação das dificuldades individuais.
  • 20. Trabalho em equipe Modelos de grupo Um modelo é uma abstração da realidade para fins de análise e estudo. É uma representação simbólica que simplifica a realidade e ajuda a compreensão de uma situação complexa. Assim, um modelo que apresenta a realidade de forma simplificada dificilmente apresentará todas as variáveis dessa realidade, portanto, devemos ter cuidado ao escolhermos as variáveis que deverão ser observadas no estudo do funcionamento do grupo. As variáveis que compõem um modelo indicam a importância que lhe é atribuída por seus autores. Entretanto, não existe o “melhor modelo” ou o “modelo certo”, todos têm sua utilidade.
  • 21. Trabalho em equipe MODELOS DE ESTUDO DE PEQUENOS GRUPOS HUMANOS MODELO SEMIMECÂNICO: Dentro dessa abordagem o grupo é considerado como uma máquina na qual a interação do grupo obedece a princípios universais e imutáveis. Os atos, as normas e os membros podem ser substituídos sem que haja alteração fundamental do sistema. O foco de interesse está nas semelhanças e tem utilidade para mostrar que os processos interpessoais são mais sistemáticos do que supõe o senso comum. MODELO ORGÂNICO: Nessa abordagem o grupo é semelhante a um organismo biológico: nasce cresce, alcança a maturidade. Com objetivo interno indefinido, relaciona -se com o mundo externo protegendo-se e explorando o ambiente no sentido de assegurar suas necessidades de autopreservação. Reconhece que há mudanças de fatores internos que influenciam o desenvolvimento do grupo e que cada grupo tem seu modo natural.
  • 22. Trabalho em equipe MODELOS DE ESTUDO DE PEQUENOS GRUPOS HUMANOS MODELO DE CONFLITO: Dentro dessa abordagem toda experiência grupal é conflito. É a constatação de que em nenhum grupo há recursos para atender todas as necessidades internas e as exigências externas.Há escassez do que as pessoas necessitam e desejam: liberdade, poder, atatus. A escassez gera o conflito e as mudanças no grupo são decorrentes da forma de resolução dos conflitos de interesses e desejos. MODELO DE EQUILÍBRIO: Nessa abordagem o grupo é entendido como um sistema em equilíbrio. Qualquer distúrbio, interno ou externo, tende a ser neutralizado por forças opostas de modo que o sistema seja reequilibrado.
  • 23. Trabalho em equipe MODELOS DE ESTUDO DE PEQUENOS GRUPOS HUMANOS MODELO ESTRUTURAL- FUNCIONAL: O grupo é visto como um sistema com objetivos e com problemas de sobrevivência. Segundo os teóricos deste modelo, as exigências e as capacidades de atendê-las podem ser apresentadas em quatro áreas: adaptação, consecução dos objetivos, integração e manutenção de padrões. A mudança é determinada pela inter-relação das quatro áreas e pela aprendizagem relativa às exigências reais. MODELO CIBERNÉTICO DE CRESCIMENTO: Na concepção dessa abordagem o grupo é um sistema de processamento de informações potencialmente capaz de aumentar sua capacidade. O crescimento, que não significa o aumento do número de membros e sim do aumento da capacidade para atender exigências, depende da crescente complexificação dos tipos de feedback : dirigido ao objetivo; reconstituição e conscientização. Os indicadores de crescimento seguem a mesma classificação do modelo Estrutural-funcional: adaptação, consecução de objetivos, integração, manutenção de padrões.
  • 24. Trabalho em equipe Dimensões do grupo • Dimensão Intrapessoal / relação eu-eu: reações, motivação e ideologia que influenciam na percepção, análise e compreensão dos processos grupais.O equilíbrio eu-eu facilita a aceitação, confiança e cooperação, já as dificuldades intrapessoais podem gerar muito problemas de participação no grupo. • Dimensão Interpessoal / relação eu-outro: é mais visível e central na vida dos seres gregários. Pode assumir várias formas: afetuosa; cooperativa; superficial; conflituosa, competitiva ou agressiva.As relações entre os membros do grupo constituem o clima do grupo que afeta a tarefa e o desempenho global . • Dimensão Intragrupal / relação do todo: modo de operação com características de unidade autônoma regida pelas leis constituídas pelo grupo e percebidas pelo coordenador.
  • 25. Trabalho em equipe Fases do grupo  Inicial – é o momento em que o grupo está na expectativa, faz perguntas quanto as normas e as regras do jogo. As atitudes são torpes e mal coordenadas, também denominadas Infância Grupal.  Intermediária – momento de confrontação e conflitos de dependência e contradependência, pode ser uma fase dificultadora. Aborda o movimento e o momento do grupo, denominada de Adolescência Grupal.  Final – apóia a idéia do outro, pode ser também uma fase dificultadora, se os membros do grupo formarem relações duais, desfalecendo o grupo. Aqui temos a Maturidade Grupal.
  • 26. Trabalho em equipe Modalidades Todas as fases despertam emoções básicas, também chamadas de modalidades.  Fase inicial – dependência – onde se busca apoio ou direção do poder ou autoridade externa. Pode ser facilitadora ou dificultadora para o processo grupal.  Fase intermediária – luta/fuga – na luta temos interações confrontativas, zangadas e insistentes. É facilitadora quando expressa e aborda os conflitos, enfrentando-os e prevenindo a fuga do problema. É dificultadora quando o ataque deprecia membros específicos ou o grupo. Na fuga temos o desligamento, retirada ou envolvimento diminuído. Devaneio, teorização inoportuna, mudança de assunto. É facilitadora quando é temporária e existe a intenção de retornar ao problema. É dificultadora quando não há intenção de retornar ao problema.  Fase final – união ou acasalamento – apóia a idéia do outro, expressão de intimidade, apóia o outro membro ou o grupo significando comprometimento. Facilita quando constrói clima de encorajamento e de permissividade. Dificulta quando constrói subgrupos que se tornam antagônicos, quando negam os conflitos que podem ameaçar a amizade do grupo.
  • 27. Trabalho em equipe Conflito no grupo  Os conflitos, na realidade, fazem parte da vida em grupo. A escassez de recursos para satisfazer todas as necessidades e desejos individuais, especialmente de poder e afetividade, geram vários conflitos intra e intergrupal.  As mudanças no grupo, seu crescimento e desenvolvimento resultam do modo como os conflitos são enfrentados e resolvidos.  O conflito, embora haja uma tendência de se atribuir-lhe conotações negativas, não é necessariamente danoso.É uma constante na dinâmica interpessoal e suas conseqüências poderão ser positivas ou negativas, construtivas ou destrutivas em decorrência da intensidade, da duração, do contexto, do modo como é administrado.
  • 28. Trabalho em equipe Modalidades para lidar com o conflito TÁTICAS DE LUTA: • Competição TÁTICAS DE FUGA: • Repressão; • Evasão. TÁTICAS DE DIÁLOGO: • • • Apaziguamento; Negociação; Confrontação;
  • 29. Trabalho em equipe Motivação Motivação se refere às forças dentro de uma pessoa responsáveis pelo nível, direção e persistência do esforço dispendido no trabalho.
  • 30. Trabalho em equipe Teorias de motivação  Teorias de Conteúdo Focalizam as necessidades do indivíduo e sugerem que a chave para a motivação no trabalho é um ambiente que atenda as necessidades dos trabalhadores.  Teorias de Processos Focalizam o pensamento ou processos cognitvos que influenciam a decisão quanto ao comportamento no trabalho defendem que a motivação está relacionada a crenças individuais sobre esforço-desempenho – resultados.
  • 31. Trabalho em equipe Teorias de motivação  Teoria de Hierarquia das Necessidades de Maslow identifica cinco níveis de necessidades individuais : auto-realização; auto-estima; necessidades sociais; de segurança e fisiológicas.  Teoria ERC de Alderfer: reconhece três tipos de necessidades: as necessidades existenciais; as necessidades de relacionamentos e as necessidades de crescimento e inclui um outro componente de frustração e regressão.
  • 32. Trabalho em equipe Teorias de motivação  Teoria das Necessidades Adquiridas de McClelland Destaca três importantes necessidades humanas que podem ser adquiridas no decorrer do tempo como resultado das experiências de vida de cada um: necessidade de realização; necessidade de associação e necessidade de poder.  Teoria dos Dois Fatores de Herzberg Identifica fatores diferentes no contexto do trabalho: fatores higiênicos ou satisfacientes, relacionados ao ambiente de trabalho e fatores motivacionais ou insatisfacientes, relacionados ao conteúdo do trabalho.
  • 33. Trabalho em equipe Teorias de processo  Teoria da Equidade de Adams Baseada na noção de comparação social aplicada ao ambiente de trabalho onde a alocação de recompensa gera um impacto no receptor que avaliam seus resultados e recompensas comparando-os com as dos outros.  Teoria da expectação de Vroom Afirma que a motivação está relacionada à três dimensões fundamentais e relacionadas entre si: expectativa, instrumentalidade e valência.
  • 34. Trabalho em equipe Componentes da satisfação no trabalho       Possibilidade de Carreira com critérios claros e justos; Maior autonomia e redução do trabalho prescrito; Equilíbrio entre Recompensas e responsabilidades; Bom relacionamento com colegas e superiores; Reconhecimento social de sua atividade; Adequação a cultura organizacional.
  • 35. Trabalho em equipe Agora é com vocês!!!  Como diminuir o absenteísmo e a rotatividade?  Como aumentar a satisfação?  Como melhorar o desempenho?  Qual o papel das recompensas?
  • 36. Trabalho em equipe Liderança  Os primeiros estudos sobre liderança baseavam-se em traços e características pessoais dos líderes eficazes, negando possibilidades da ocorrência de um processo de aprendizagem quanto ao comportamento de liderança.  Identificação da características que diferenciam o “grande homem” das massas.  Rompendo com essa visão determinista, os estudos de liderança passaram a enfatizar os diversos estilos e padrões comportamentais do líder.  A abordagem comportamental considera os comportamentos e ações, em vez de características e traços.
  • 37. Trabalho em equipe Liderança: Principais estudos  Estudos de Michigam: identificação de padrões de liderança com desempenho eficaz, que em termos gerais identificam duas formas de comportamento: orientados para as relações humanas e orientados para a tarefa.  Estudos de Ohio: medindo a percepção dos subordinados em relação ao comportamento de seus superiores. Os pesquisadores Também identificam duas dimensões: consideração e estrutura de iniciação.
  • 38. Trabalho em equipe A grade de liderança Matriz desenvolvida para medir o interesse de um gerente com as pessoas e com a produção. Formada por dois eixos, no vertical estará representado o interesse pelas pessoas e no horizontal o interesse na produção.  Os pesquisadores afirmam que a posição ideal é 9/9 – “gerente de equipe”. 
  • 39. Trabalho em equipe Teoria de intercâmbio membro-líder  Destaca comportamentos de lideres e seguidores para definir se estes fazem parte do “intragrupo” ou “extragrupo”.  Avalia as trocas entre os lideres e os membros intra e extragrupos.  a eficácia dos estilos de liderança está condicionada à situação específica de ocorrência das ações; isto é, um único estilo não será eficaz em todas as circunstâncias. Isso pode levar à dedução de que o contingencialismo se aproxima mais do estilo desejável para um líder que queira manter o desempenho em diferentes situações.
  • 40. Trabalho em equipe Abordagem Contigencial de liderança • A teoria contingencial de Fred Friedler, prega "que a liderança eficaz é baseada no grau de ajuste entre o estilo de um líder e o ponto até o qual uma situação específica permite que ele exerça influência sobre o grupo". • A teoria do caminho-meta é "baseada na teoria das expectativas (...) O conceito provém da capacidade de um líder esclarecer o caminho do subordinado para uma meta ou resultado desejados". • A liderança situacional, "enfoca três fatores básicos: (1) a quantidade de comportamento orientado para o trabalho (orientação e direção) de um líder; (2) a quantidade de comportamento voltado para os relacionamentos (apoio sócio-emocional) que um líder oferece; (3) o nível de disposição que os membros da organização demonstram ao realizar uma certa tarefa, função ou objetivo". • A teoria da atribuição, segundo a qual "se um subordinado (ou um observador) tiver uma idéia implícita do que constitui a "boa" (ou "má") liderança e seus efeitos comportamentais, as características de liderança poderão ser então atribuídas a uma pessoa que esteja relacionada com a situação".
  • 41. Trabalho em equipe Todas essas teorias, antes de trazerem respostas definitivas às indagações sobre liderança, têm antes gerado novos questionamentos, revelando importantes perspectivas de análise.
  • 42. Trabalho em equipe A maioria dos autores que têm discutido a questão liderança, deixa transparecer que liderança não é algo determinista, estático e minimalista. Isso leva a crer que o líder que age por contingências está mais próximo do cumprimento dos propósitos naturais do líder, que é, dentre outros, o de maximizar resultados através de equipes. O líder deve ter sensibilidade também. Deve saber "lidar com a precisão da lógica binária dos computadores, ao mesmo tempo em que se envolvem com a abstração e a sutileza de sentimentos sempre presentes nas interações humanas e decisões organizacionais" (Vergara & Branco, 1993, p.22).