SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 51
Processos
O QUE É A MENTE?
Qual a natureza da mente?
• A mente é uma colecção de
pensamentos e sentimentos
particulares ou é uma entidade
superior aos mesmos?
• Se a mente for uma entidade,
ela é uma entidade física?
• Qual a relação entre a mente e
o corpo?
Ver definições de mente para Confúcio, Buda, Sólon
• Etimologicamente, o termo vem do latim
mèntem, que tem o significado de pensar,
conhecer, entender, e significa também medir,
visto que alguém que pensa não faz outro que
medir, ponderar as ideias. Os gregos
utilizavam o termo nous para indicar a mente,
a razão, o pensamento, a intuição.
Durante muito tempo, associou-se a mente apenas à dimensão cognitiva:
• Raciocínio, dedução, abstracção juízos, conceitos
• Manifestação da racionalidade humana
• Actividade consciente
Durante o século XX…
•Chegou-se à conclusão de que o
funcionamento da mente não se reduz à
produção racional, abstracta de
conhecimentos.
•A mente implica também:
•Emoções
•Sentimentos
•Afectividade
•Acção
•Motivação
•Intencionalidade
•A mente começou assim a ser vista como
um SISTEMA que integra vários processos
(cognitivos, amocionais, conativos).
•A mente passou a ser entendida como a
manifestação total de processos dinâmicos
que interagem entre si de forma complexa,
implicando-se mutuamente.
PROCESSOS COGNITIVOS
SABER
O QUÊ?
Percepção
Aprendizagem
Memória
PROCESSOS EMOCIONAIS
SENTIR
COMO?
Emoção
Afecto
Sentimento
PROCESSOS CONATIVOS
FAZER
PORQUÊ?
Intencionalidade
Motivação
Esforço de realização
PercepçãoPercepção
• Função cerebral que atribui significado a
estímulos sensoriais.
• É a aquisição, interpretação, selecção e
organização das informações obtidas pelos
sentidos.
• Permite-nos contactar com o mundo.
• É um processo complexo e mediato.
Sensação ≠ Percepção
Recepção de informações sensoriais
Matéria Prima
Exemplos:
Hertz e décibéis
Intensidades, ondas luminosas
Interpretação, organização,
descodificação dos dados sensíveis
Produto final
Melodias
Objectos/pessoas
Estudar a percepção é importante…
• O comportamento das pessoas é baseado na
interpretação que fazem da realidade e não
na realidade em si.
• A percepção não nos fornece uma cópia da
realidade, mas sim uma representação
construída a partir da realidade,
condicionada por diferentes factores.
O que percepcionamos está
condicionado por…
Limitações sensoriais
• Factores sócio-
culturais
– A cultura influencia
certos aspectos da
nossa percepção
visual (ex. noção de
profundidade).
– A cultura e a
sociedade em que
vivemos criam em nós
predisposições
perceptivas,
estereótipos e
preconceitos que
condicionam as nossas
percepções. – ver p.
27 do manual.
O que percepcionamos está condicionado por…
Factores Psicológicos:
• Expectativas
• Estado mental
• Experiência anterior
• Contexto
• Interesse/motivação
O que percepcionamos está
condicionado por…
““É no cérebro que a papoila se tornaÉ no cérebro que a papoila se torna
vermelha, que a maçã se torna aromática,vermelha, que a maçã se torna aromática,
que a cotovia canta.”que a cotovia canta.”
Oscar WildeOscar Wilde
• A imagem que temos do mundo é construída.
• Corrigimos o conteúdo das nossas sensações
para mantermos a regularidade de um mundo
externo visto como um todo, unificado,
contínuo.
• Qualquer observação implica, assim, um
julgamento por parte do cérebro, de acordo
com todos os factores condicionantes
referidos, que funcionam como filtros para a
percepção da realidade.
PercepçãoPercepção
Tipos de percepção
• 1. Visual
• 2. Auditiva
• 3. Olfactiva
• 4. Gustativa
• 5. Táctil
• 6. Temporal/Movimento
• 7. Espacial
Percepção Visual
Componentes da percepção
Constância perceptiva
Percepção da profundidade
• Indicadores Binoculares
Convergência
Disparidade retinal
• Indicadores Monoculares
Percepção da profundidade
• Interposição
Teoria da Gestalt e as leis que
organizam a percepção
• Gestalt significa forma, padrão, configuração
• Esta teoria surgiu foi formulada no início do
século XX por um grupo de Psicólogos
alemães (Wertheimer, Kolher e Koffka).
• A maior contribuição destes psicólogos
verificou-se no plano da percepção.
O princípio da totalidade: o todo não é
igual à simples soma das suas partes.
• Organizamos naturalmente a nossa percepção
de acordo com certos padrões.
• Exemplo: Quando vemos um filme, o
movimento que percepcionamos não pode ser
encontrado no próprio filme, na película a
partir da qual é projectado. O que vemos são
quadros separados e estáticos, como
fotografias.
• A forma global que percepcionamos é
diferente das fotografias que são as suas
partes.
Lei da figura-fundo: Quando percepcionamos, a
primeira coisa que fazemos é separar a figura do
fundo. A nossa atenção selecciona partes da imagem
e forma a percepção consoante a escolha feita
Leis do agrupamento perceptivo: tendência para
agrupar os estímulos recebidos num todo coerente.
Proximidade
Semelhança
Fechamento
Simetria
Percepção e cultura
• Esta ilusão baseia-se em indicadores
de profundidade como a perspectiva
linear, que não se encontram em
todas as culturas. Pessoas que vivem
em regiões sem estradas, cujas linhas
convergem num certo ponto, sem
casa rectangulares com telhados que
fazem ângulos, não estão
familiarizadas com o tipo de
indicadores que dão origem a esta
ilusão perceptiva.
Percepção e cultura
• Os pigmeus que vivem nas densas florestas do
Congo raramente vêem objectos a longa
distância. O antropólogo Colin Turnbull observou
que, quando os pigmeus dessas áreas viajavam
para as savanas e viam búfalos no horizonte,
pensavam que os animais eram pequenos
insectos e não volumosos mamíferos. A falta de
experiência com objectos distantes explica a sua
incapacidade para percepcionar a permanência
do tamanho dos objectos.
Percepção
• Processo cognitivo complexo em que
intervêm: as nossas estruturas fisiológicas e as
nossas experiências pessoais.
• Selectiva
• Subjectiva / Relativa
• Condicionada
• Uma construção/representação

Mais conteúdo relacionado

Destaque (20)

Watson e o behaviourismo
Watson e o behaviourismoWatson e o behaviourismo
Watson e o behaviourismo
 
Relações interpessoais
Relações interpessoaisRelações interpessoais
Relações interpessoais
 
Correcção da ficha formativa 4
Correcção da ficha formativa 4Correcção da ficha formativa 4
Correcção da ficha formativa 4
 
Damásio - a hipótese do marcador somático
Damásio - a hipótese do marcador somáticoDamásio - a hipótese do marcador somático
Damásio - a hipótese do marcador somático
 
para o teste de Março de 2011
para o teste de Março de 2011para o teste de Março de 2011
para o teste de Março de 2011
 
Correcção do teste de psicologia nº 3
Correcção do teste de psicologia nº 3Correcção do teste de psicologia nº 3
Correcção do teste de psicologia nº 3
 
Freud
FreudFreud
Freud
 
Correcção da ficha formativa
Correcção da ficha formativaCorrecção da ficha formativa
Correcção da ficha formativa
 
Os processos conativos
Os processos conativosOs processos conativos
Os processos conativos
 
Correcção do teste de psicologia nº 4
Correcção do teste de psicologia nº 4Correcção do teste de psicologia nº 4
Correcção do teste de psicologia nº 4
 
Cultura
CulturaCultura
Cultura
 
Ficha Formativa de Psicologia B
Ficha Formativa de Psicologia BFicha Formativa de Psicologia B
Ficha Formativa de Psicologia B
 
Teste formativo 2 de psicologia B
Teste formativo 2 de psicologia BTeste formativo 2 de psicologia B
Teste formativo 2 de psicologia B
 
Influencia social
Influencia socialInfluencia social
Influencia social
 
Ft.relações. interpessoais
Ft.relações. interpessoaisFt.relações. interpessoais
Ft.relações. interpessoais
 
Piaget Desenvolvimento
Piaget DesenvolvimentoPiaget Desenvolvimento
Piaget Desenvolvimento
 
Watson.conclusões
Watson.conclusõesWatson.conclusões
Watson.conclusões
 
Wunt.associacionismo
Wunt.associacionismoWunt.associacionismo
Wunt.associacionismo
 
Ficha de trabalho
Ficha de trabalho Ficha de trabalho
Ficha de trabalho
 
Relações.interpessoais.agressão
Relações.interpessoais.agressãoRelações.interpessoais.agressão
Relações.interpessoais.agressão
 

Semelhante a O que é a mente? Processos cognitivos, emocionais e conativos

PERCEPÇÃO. Processos Psicológicos Básicos Thaís Vectore Pavanin.pdf
PERCEPÇÃO. Processos Psicológicos Básicos Thaís Vectore Pavanin.pdfPERCEPÇÃO. Processos Psicológicos Básicos Thaís Vectore Pavanin.pdf
PERCEPÇÃO. Processos Psicológicos Básicos Thaís Vectore Pavanin.pdfDamarisBezerradeLima
 
JUNG E A FORMAÇÃO DA IDENTIDADE personalidade.ppt
JUNG E A FORMAÇÃO DA IDENTIDADE personalidade.pptJUNG E A FORMAÇÃO DA IDENTIDADE personalidade.ppt
JUNG E A FORMAÇÃO DA IDENTIDADE personalidade.pptalinerabelo31
 
Funções psíquicas
Funções psíquicas Funções psíquicas
Funções psíquicas thaissamaia
 
sodapdf-converted.pptx
sodapdf-converted.pptxsodapdf-converted.pptx
sodapdf-converted.pptxAdrianaMeiado2
 
percepçao estudos da percepçao e sensaçao
percepçao estudos da percepçao e sensaçaopercepçao estudos da percepçao e sensaçao
percepçao estudos da percepçao e sensaçaokadrikasecomerce
 
Apresentação Peter Berger cap. 5
Apresentação Peter Berger cap. 5 Apresentação Peter Berger cap. 5
Apresentação Peter Berger cap. 5 luciaguaranys
 
Apresentação percepção
Apresentação percepçãoApresentação percepção
Apresentação percepçãoMariana Rezende
 
Introdução à Psicologia: Elementos e Ciência
Introdução à Psicologia: Elementos e CiênciaIntrodução à Psicologia: Elementos e Ciência
Introdução à Psicologia: Elementos e CiênciaEdgard Lombardi
 
A consciência filo 1 ano avaliação semanal..pptx
A consciência filo 1 ano avaliação semanal..pptxA consciência filo 1 ano avaliação semanal..pptx
A consciência filo 1 ano avaliação semanal..pptxLuziane Santos
 
Faceli - Direito - 2° Período - Curso de Psicologia Jurídica - 03
Faceli - Direito - 2° Período - Curso de Psicologia Jurídica - 03Faceli - Direito - 2° Período - Curso de Psicologia Jurídica - 03
Faceli - Direito - 2° Período - Curso de Psicologia Jurídica - 03Jordano Santos Cerqueira
 

Semelhante a O que é a mente? Processos cognitivos, emocionais e conativos (20)

A mente
A menteA mente
A mente
 
PERCEPÇÃO. Processos Psicológicos Básicos Thaís Vectore Pavanin.pdf
PERCEPÇÃO. Processos Psicológicos Básicos Thaís Vectore Pavanin.pdfPERCEPÇÃO. Processos Psicológicos Básicos Thaís Vectore Pavanin.pdf
PERCEPÇÃO. Processos Psicológicos Básicos Thaís Vectore Pavanin.pdf
 
Atendimento ao cliente
Atendimento ao clienteAtendimento ao cliente
Atendimento ao cliente
 
Percepção
PercepçãoPercepção
Percepção
 
JUNG E A FORMAÇÃO DA IDENTIDADE personalidade.ppt
JUNG E A FORMAÇÃO DA IDENTIDADE personalidade.pptJUNG E A FORMAÇÃO DA IDENTIDADE personalidade.ppt
JUNG E A FORMAÇÃO DA IDENTIDADE personalidade.ppt
 
Funções psíquicas
Funções psíquicas Funções psíquicas
Funções psíquicas
 
sodapdf-converted.pptx
sodapdf-converted.pptxsodapdf-converted.pptx
sodapdf-converted.pptx
 
Sensação e Percepção
Sensação e PercepçãoSensação e Percepção
Sensação e Percepção
 
percepçao estudos da percepçao e sensaçao
percepçao estudos da percepçao e sensaçaopercepçao estudos da percepçao e sensaçao
percepçao estudos da percepçao e sensaçao
 
Apresentação Peter Berger cap. 5
Apresentação Peter Berger cap. 5 Apresentação Peter Berger cap. 5
Apresentação Peter Berger cap. 5
 
Slide Ana Bock 1.pdf
Slide Ana Bock 1.pdfSlide Ana Bock 1.pdf
Slide Ana Bock 1.pdf
 
Slide Ana Bock 1.pdf
Slide Ana Bock 1.pdfSlide Ana Bock 1.pdf
Slide Ana Bock 1.pdf
 
Apresentação percepção
Apresentação percepçãoApresentação percepção
Apresentação percepção
 
Introdução à Psicologia: Elementos e Ciência
Introdução à Psicologia: Elementos e CiênciaIntrodução à Psicologia: Elementos e Ciência
Introdução à Psicologia: Elementos e Ciência
 
Cognição social
Cognição socialCognição social
Cognição social
 
Documento
DocumentoDocumento
Documento
 
Tecendo o amanhã
Tecendo o amanhãTecendo o amanhã
Tecendo o amanhã
 
A consciência filo 1 ano avaliação semanal..pptx
A consciência filo 1 ano avaliação semanal..pptxA consciência filo 1 ano avaliação semanal..pptx
A consciência filo 1 ano avaliação semanal..pptx
 
Faceli - Direito - 2° Período - Curso de Psicologia Jurídica - 03
Faceli - Direito - 2° Período - Curso de Psicologia Jurídica - 03Faceli - Direito - 2° Período - Curso de Psicologia Jurídica - 03
Faceli - Direito - 2° Período - Curso de Psicologia Jurídica - 03
 
Percepcao visual
Percepcao visualPercepcao visual
Percepcao visual
 

Mais de Silvia Revez

Watson e o behaviourismo
Watson e o behaviourismoWatson e o behaviourismo
Watson e o behaviourismoSilvia Revez
 
Relações interpessoais
Relações interpessoaisRelações interpessoais
Relações interpessoaisSilvia Revez
 
Relações interpessoais
Relações interpessoaisRelações interpessoais
Relações interpessoaisSilvia Revez
 
Relações interpessoais
Relações interpessoaisRelações interpessoais
Relações interpessoaisSilvia Revez
 
Processos emocionais
Processos emocionaisProcessos emocionais
Processos emocionaisSilvia Revez
 
Correcção da ficha formativa1
Correcção da ficha formativa1Correcção da ficha formativa1
Correcção da ficha formativa1Silvia Revez
 
Funcionamento global do cérebro
Funcionamento global do cérebroFuncionamento global do cérebro
Funcionamento global do cérebroSilvia Revez
 

Mais de Silvia Revez (8)

Watson e o behaviourismo
Watson e o behaviourismoWatson e o behaviourismo
Watson e o behaviourismo
 
Relações interpessoais
Relações interpessoaisRelações interpessoais
Relações interpessoais
 
Relações interpessoais
Relações interpessoaisRelações interpessoais
Relações interpessoais
 
Relações interpessoais
Relações interpessoaisRelações interpessoais
Relações interpessoais
 
Processos emocionais
Processos emocionaisProcessos emocionais
Processos emocionais
 
Correcção da ficha formativa1
Correcção da ficha formativa1Correcção da ficha formativa1
Correcção da ficha formativa1
 
Funcionamento global do cérebro
Funcionamento global do cérebroFuncionamento global do cérebro
Funcionamento global do cérebro
 
Psicofisiologia
Psicofisiologia Psicofisiologia
Psicofisiologia
 

O que é a mente? Processos cognitivos, emocionais e conativos

  • 2. O QUE É A MENTE? Qual a natureza da mente?
  • 3. • A mente é uma colecção de pensamentos e sentimentos particulares ou é uma entidade superior aos mesmos? • Se a mente for uma entidade, ela é uma entidade física? • Qual a relação entre a mente e o corpo?
  • 4. Ver definições de mente para Confúcio, Buda, Sólon
  • 5. • Etimologicamente, o termo vem do latim mèntem, que tem o significado de pensar, conhecer, entender, e significa também medir, visto que alguém que pensa não faz outro que medir, ponderar as ideias. Os gregos utilizavam o termo nous para indicar a mente, a razão, o pensamento, a intuição.
  • 6. Durante muito tempo, associou-se a mente apenas à dimensão cognitiva: • Raciocínio, dedução, abstracção juízos, conceitos • Manifestação da racionalidade humana • Actividade consciente
  • 7. Durante o século XX… •Chegou-se à conclusão de que o funcionamento da mente não se reduz à produção racional, abstracta de conhecimentos. •A mente implica também: •Emoções •Sentimentos •Afectividade •Acção •Motivação •Intencionalidade •A mente começou assim a ser vista como um SISTEMA que integra vários processos (cognitivos, amocionais, conativos). •A mente passou a ser entendida como a manifestação total de processos dinâmicos que interagem entre si de forma complexa, implicando-se mutuamente.
  • 8. PROCESSOS COGNITIVOS SABER O QUÊ? Percepção Aprendizagem Memória PROCESSOS EMOCIONAIS SENTIR COMO? Emoção Afecto Sentimento PROCESSOS CONATIVOS FAZER PORQUÊ? Intencionalidade Motivação Esforço de realização
  • 9. PercepçãoPercepção • Função cerebral que atribui significado a estímulos sensoriais. • É a aquisição, interpretação, selecção e organização das informações obtidas pelos sentidos. • Permite-nos contactar com o mundo. • É um processo complexo e mediato.
  • 10. Sensação ≠ Percepção Recepção de informações sensoriais Matéria Prima Exemplos: Hertz e décibéis Intensidades, ondas luminosas Interpretação, organização, descodificação dos dados sensíveis Produto final Melodias Objectos/pessoas
  • 11. Estudar a percepção é importante… • O comportamento das pessoas é baseado na interpretação que fazem da realidade e não na realidade em si. • A percepção não nos fornece uma cópia da realidade, mas sim uma representação construída a partir da realidade, condicionada por diferentes factores.
  • 12. O que percepcionamos está condicionado por… Limitações sensoriais
  • 13. • Factores sócio- culturais – A cultura influencia certos aspectos da nossa percepção visual (ex. noção de profundidade). – A cultura e a sociedade em que vivemos criam em nós predisposições perceptivas, estereótipos e preconceitos que condicionam as nossas percepções. – ver p. 27 do manual. O que percepcionamos está condicionado por…
  • 14. Factores Psicológicos: • Expectativas • Estado mental • Experiência anterior • Contexto • Interesse/motivação O que percepcionamos está condicionado por…
  • 15.
  • 16.
  • 17.
  • 18.
  • 19. ““É no cérebro que a papoila se tornaÉ no cérebro que a papoila se torna vermelha, que a maçã se torna aromática,vermelha, que a maçã se torna aromática, que a cotovia canta.”que a cotovia canta.” Oscar WildeOscar Wilde
  • 20. • A imagem que temos do mundo é construída. • Corrigimos o conteúdo das nossas sensações para mantermos a regularidade de um mundo externo visto como um todo, unificado, contínuo. • Qualquer observação implica, assim, um julgamento por parte do cérebro, de acordo com todos os factores condicionantes referidos, que funcionam como filtros para a percepção da realidade. PercepçãoPercepção
  • 21. Tipos de percepção • 1. Visual • 2. Auditiva • 3. Olfactiva • 4. Gustativa • 5. Táctil • 6. Temporal/Movimento • 7. Espacial
  • 24.
  • 25.
  • 26.
  • 27.
  • 28. Percepção da profundidade • Indicadores Binoculares Convergência Disparidade retinal
  • 30.
  • 32.
  • 33. Teoria da Gestalt e as leis que organizam a percepção • Gestalt significa forma, padrão, configuração • Esta teoria surgiu foi formulada no início do século XX por um grupo de Psicólogos alemães (Wertheimer, Kolher e Koffka). • A maior contribuição destes psicólogos verificou-se no plano da percepção.
  • 34. O princípio da totalidade: o todo não é igual à simples soma das suas partes. • Organizamos naturalmente a nossa percepção de acordo com certos padrões. • Exemplo: Quando vemos um filme, o movimento que percepcionamos não pode ser encontrado no próprio filme, na película a partir da qual é projectado. O que vemos são quadros separados e estáticos, como fotografias. • A forma global que percepcionamos é diferente das fotografias que são as suas partes.
  • 35.
  • 36.
  • 37.
  • 38. Lei da figura-fundo: Quando percepcionamos, a primeira coisa que fazemos é separar a figura do fundo. A nossa atenção selecciona partes da imagem e forma a percepção consoante a escolha feita
  • 39.
  • 40.
  • 41.
  • 42.
  • 43. Leis do agrupamento perceptivo: tendência para agrupar os estímulos recebidos num todo coerente. Proximidade
  • 47.
  • 48. Percepção e cultura • Esta ilusão baseia-se em indicadores de profundidade como a perspectiva linear, que não se encontram em todas as culturas. Pessoas que vivem em regiões sem estradas, cujas linhas convergem num certo ponto, sem casa rectangulares com telhados que fazem ângulos, não estão familiarizadas com o tipo de indicadores que dão origem a esta ilusão perceptiva.
  • 49. Percepção e cultura • Os pigmeus que vivem nas densas florestas do Congo raramente vêem objectos a longa distância. O antropólogo Colin Turnbull observou que, quando os pigmeus dessas áreas viajavam para as savanas e viam búfalos no horizonte, pensavam que os animais eram pequenos insectos e não volumosos mamíferos. A falta de experiência com objectos distantes explica a sua incapacidade para percepcionar a permanência do tamanho dos objectos.
  • 50.
  • 51. Percepção • Processo cognitivo complexo em que intervêm: as nossas estruturas fisiológicas e as nossas experiências pessoais. • Selectiva • Subjectiva / Relativa • Condicionada • Uma construção/representação