SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 38
Relações interpessoais
Questões a abordar… O que pensamos dos outros? Por que razão agimos de determinada maneira face a uma dada situação social? Como os influenciamos? Como nos influenciam a nós? Como nos relacionamos com os outros? Como formamos as nossas impressões? E as atitudes? E os preconceitos?
[object Object]
Processos de influência entre indivíduos
Processos de relação entre os indivíduos e os gruposTemas a abordar: RELAÇÕES INTERPESSOAIS
O desconhecido é incómodo.
Lemos o mundo social através dos… Processos de cognição social
Ver definição de cognição social no manual p. 150 As relações que estabelecemos com os outros estão envoltas em diversos factores de ordem cognitiva  que nos ajudam a: ,[object Object]
Procurar as respostas mais adequadas a essas situações,[object Object]
IMPRESSÕES – O QUE SÃO?
IMPRESSÕES A partir do primeiro contacto com alguém construimos uma imagem/ideia sobre essa pessoa a partir de algumas características, indícios que seleccionamos e consideramos mais significativos. Noções criadas espontaneamente a partir do contacto com as pessoas e que nos fornecem um quadro interpretativo para as julgarmos quanto às suas características principais e comportamento.
Impressões
Como se formam as impressões? Através da categorização  permite simplificar a complexidade do mundo social; conjunto de processos psicológicos a partir dos quais ordenamos o ambiente em categorias   grupos de pessoas, objectos, acontecimentos, etc.
Categorização – 3 tipos Afectiva Moral Instrumental
Indícios para a formação das primeiras impressões Físicos  Verbais Não verbais  Comportamentais
Através da impressão formamos um esboço psicológico da pessoa.
Qual a importância das primeiras impressões? A ordem com que conhecemos as características de uma pessoa é importante?
Primeiras impressões Persistência das primeiras impressões – resistência em integrar informações que contrariam as primeiras impressões. Efeito de halo - Thurnstone
EXPECTATIVAS
Expectativa Representação interna mental das regularidades do mundo exterior ou das relações entre as acções do sujeito e o mundo exterior.
Funções das expectativas Permitem prever os comportamentos e atitudes e estabelecer relações duradouras entre as pessoas. Afectam o modo como interagimos com os outros, como interagem connosco. Influenciam a nossa identidade. Expectativas positivas – comportamentos positivos e vice-versa.
Como formamos as expectativas? Indução – incluimos a pessoa numa dada categoria. Dedução – atribuimos-lhe certas características não observadas.
Importância do processo de socialização  na formação das expectativas (valores, crenças, princípios, história pessoal)
Efeitos das expectativas Dos professores sobre os alunos – efeito de pigmalião. Dos investigadores.
ATITUDES
ATITUDES Predisposições adquiridas e relativamente estáveis que levam as pessoas a reagir de forma positiva ou negativa a certos objectos sociais.
Atitudes  Em relação  À religião Às pessoas do sexo oposto Ao governo À psicologia
As atitudes são observáveis?
As atitudes são observáveis? Não.  Podemos inferi-las através dos comportamentos e medi-las através de questionários e testes.
Componentes das atitudes Cognitiva/intelectual Crenças tomadas como verdadeiras/plausíveis, com base em observações e informação a que acedemos: A leitura desenvolve as escrita; o tabaco provoca o cancro Afectiva Sentimentos que nutrimos em relação a pessoas, objectos, pessoas, ideias Gostar de ler, de fumar, etc. Comportamental  Resultado das interacções entre as componentes anteriores; predisposição para agir de determinada forma; o que estamos dispostos a fazer face ao que gostamos/acreditamos Desejo/intenção de adquirir livros
Nem sempre as três componentes se harmonizam… Por vezes existem dissonâncias. DISSONÂNCIA COGNITIVA Defender que se deve pagar impostos para garantir a justiça social e cometer fraudes na declaração do IRS. Amar os filhos e desejar o seu bem-estar, mas aplicar-lhes castigos violentos. Contradição entre o que se acredita e o que se está disposto a fazer; na maior parte das vezes domina o elemento afectivo.
Como se formam as atitudes? Através do processo de socialização Agentes de socialização:  pais,  escola,  pares,  meios de comunicação social
É possível alterarmos as atitudes? Sim, embora uma das características das atitudes seja a sua estabilidade, é possível mudar as atitudes. Meios para alterar atitudes: experiências vividas pelo indivíduo que provoquem dissonâncias cognitivas Influência dos meios de comunicação social, da publicidade, propaganda, etc.
Representações sociais
Conjunto de conceitos, proposições e explicações criado na vida quotidiana no decurso da comunicação interindividual. São o equivalente, na nossa sociedade, dos mitos e sistemas de crenças das sociedades tradicionais, podem ainda ser vistas como a versão contemporânea do senso comum. Representações sociais
Como se elaboram as representações sociais? Objectivação Ancoragem

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Relações interpessoais para o curso Pro-funcionário 21032009
Relações interpessoais para o curso Pro-funcionário 21032009Relações interpessoais para o curso Pro-funcionário 21032009
Relações interpessoais para o curso Pro-funcionário 21032009JUCILANA
 
Relações Interpessoais 4
Relações Interpessoais 4Relações Interpessoais 4
Relações Interpessoais 4Jorge Barbosa
 
Relacionamento interpessoal e trabalho em equipe - Aula 1
Relacionamento interpessoal e trabalho em equipe - Aula 1Relacionamento interpessoal e trabalho em equipe - Aula 1
Relacionamento interpessoal e trabalho em equipe - Aula 1Professor Cristiano Barreto
 
01. Dinâmica das Relações Interpessoais: O Indivíduo e o Grupo
01. Dinâmica das Relações Interpessoais: O Indivíduo e o Grupo01. Dinâmica das Relações Interpessoais: O Indivíduo e o Grupo
01. Dinâmica das Relações Interpessoais: O Indivíduo e o GrupoDebora Miceli
 
Relacionamento interpessoal no ministério educacional pr. andré mourão
Relacionamento interpessoal no ministério educacional   pr. andré mourãoRelacionamento interpessoal no ministério educacional   pr. andré mourão
Relacionamento interpessoal no ministério educacional pr. andré mourãoprvladimir
 
nicolas quebra galho
nicolas quebra galhonicolas quebra galho
nicolas quebra galhonikiin
 
Relacionamento Interpessoal no Ambiente de Trabalho
Relacionamento Interpessoal no Ambiente de TrabalhoRelacionamento Interpessoal no Ambiente de Trabalho
Relacionamento Interpessoal no Ambiente de TrabalhoLuis Paulo Barros
 
Relacionamento Interpessoal - Prof. Guilherme Basso (Projeto INTEGRA)
Relacionamento Interpessoal - Prof. Guilherme Basso (Projeto INTEGRA)Relacionamento Interpessoal - Prof. Guilherme Basso (Projeto INTEGRA)
Relacionamento Interpessoal - Prof. Guilherme Basso (Projeto INTEGRA)Guilherme Basso
 
Relações Interpessoais
Relações InterpessoaisRelações Interpessoais
Relações InterpessoaisDouglas Ramos
 
01 oficina de relações interpessoais-
01 oficina de relações interpessoais-01 oficina de relações interpessoais-
01 oficina de relações interpessoais-Joice cardoso
 
Relacionalmento interpessoal
Relacionalmento interpessoalRelacionalmento interpessoal
Relacionalmento interpessoalLeandro Lopes
 
Aula 3 projovem trabalhador 14.04
Aula 3 projovem trabalhador  14.04Aula 3 projovem trabalhador  14.04
Aula 3 projovem trabalhador 14.04ROMARIO600
 
Relações interpessoais
Relações interpessoaisRelações interpessoais
Relações interpessoaisSilvia Revez
 
Relações interpessoais e diferenças individuais
Relações interpessoais e diferenças individuaisRelações interpessoais e diferenças individuais
Relações interpessoais e diferenças individuaisAdilson P Motta Motta
 
Cinco pilares do relacionamento interpessoal no
Cinco pilares do relacionamento interpessoal noCinco pilares do relacionamento interpessoal no
Cinco pilares do relacionamento interpessoal noNaysa Taboada
 
Relações Humanas Na Família E No Trabalho
Relações  Humanas Na Família E No TrabalhoRelações  Humanas Na Família E No Trabalho
Relações Humanas Na Família E No TrabalhoRodrigo Corrêa Leite
 

Mais procurados (20)

Relações interpessoais para o curso Pro-funcionário 21032009
Relações interpessoais para o curso Pro-funcionário 21032009Relações interpessoais para o curso Pro-funcionário 21032009
Relações interpessoais para o curso Pro-funcionário 21032009
 
Relações Interpessoais 4
Relações Interpessoais 4Relações Interpessoais 4
Relações Interpessoais 4
 
Relacionamento interpessoal e trabalho em equipe - Aula 1
Relacionamento interpessoal e trabalho em equipe - Aula 1Relacionamento interpessoal e trabalho em equipe - Aula 1
Relacionamento interpessoal e trabalho em equipe - Aula 1
 
01. Dinâmica das Relações Interpessoais: O Indivíduo e o Grupo
01. Dinâmica das Relações Interpessoais: O Indivíduo e o Grupo01. Dinâmica das Relações Interpessoais: O Indivíduo e o Grupo
01. Dinâmica das Relações Interpessoais: O Indivíduo e o Grupo
 
Relacionamento interpessoal no ministério educacional pr. andré mourão
Relacionamento interpessoal no ministério educacional   pr. andré mourãoRelacionamento interpessoal no ministério educacional   pr. andré mourão
Relacionamento interpessoal no ministério educacional pr. andré mourão
 
nicolas quebra galho
nicolas quebra galhonicolas quebra galho
nicolas quebra galho
 
Relacão Interpessoal
Relacão InterpessoalRelacão Interpessoal
Relacão Interpessoal
 
Relacionamento Interpessoal 20h
Relacionamento Interpessoal 20hRelacionamento Interpessoal 20h
Relacionamento Interpessoal 20h
 
Relacionamento Interpessoal no Ambiente de Trabalho
Relacionamento Interpessoal no Ambiente de TrabalhoRelacionamento Interpessoal no Ambiente de Trabalho
Relacionamento Interpessoal no Ambiente de Trabalho
 
Relacionamento Interpessoal - Prof. Guilherme Basso (Projeto INTEGRA)
Relacionamento Interpessoal - Prof. Guilherme Basso (Projeto INTEGRA)Relacionamento Interpessoal - Prof. Guilherme Basso (Projeto INTEGRA)
Relacionamento Interpessoal - Prof. Guilherme Basso (Projeto INTEGRA)
 
Relações interpessoais no século xxi
Relações interpessoais no século xxiRelações interpessoais no século xxi
Relações interpessoais no século xxi
 
Relações Interpessoais
Relações InterpessoaisRelações Interpessoais
Relações Interpessoais
 
01 oficina de relações interpessoais-
01 oficina de relações interpessoais-01 oficina de relações interpessoais-
01 oficina de relações interpessoais-
 
Relacionalmento interpessoal
Relacionalmento interpessoalRelacionalmento interpessoal
Relacionalmento interpessoal
 
Aula 3 projovem trabalhador 14.04
Aula 3 projovem trabalhador  14.04Aula 3 projovem trabalhador  14.04
Aula 3 projovem trabalhador 14.04
 
Relações interpessoais
Relações interpessoaisRelações interpessoais
Relações interpessoais
 
Relações interpessoais e diferenças individuais
Relações interpessoais e diferenças individuaisRelações interpessoais e diferenças individuais
Relações interpessoais e diferenças individuais
 
Relações humanas
Relações humanasRelações humanas
Relações humanas
 
Cinco pilares do relacionamento interpessoal no
Cinco pilares do relacionamento interpessoal noCinco pilares do relacionamento interpessoal no
Cinco pilares do relacionamento interpessoal no
 
Relações Humanas Na Família E No Trabalho
Relações  Humanas Na Família E No TrabalhoRelações  Humanas Na Família E No Trabalho
Relações Humanas Na Família E No Trabalho
 

Destaque

Colegas de Trabalho
Colegas de TrabalhoColegas de Trabalho
Colegas de TrabalhoBLOG's REI
 
Estratégias para Projetos de Inovação
Estratégias para Projetos de InovaçãoEstratégias para Projetos de Inovação
Estratégias para Projetos de InovaçãoInovatec JF
 
Impressões e Expectativas
Impressões e ExpectativasImpressões e Expectativas
Impressões e ExpectativasRaQuel Oliveira
 
Brincando a rimar com os colegas de trabalho
Brincando a rimar com os colegas de trabalhoBrincando a rimar com os colegas de trabalho
Brincando a rimar com os colegas de trabalhomargaridamota
 
Tipos de colegas de trabalho
Tipos de colegas de trabalhoTipos de colegas de trabalho
Tipos de colegas de trabalhotontinho
 
Relações Interpessoais - Jorge Gomes
Relações Interpessoais - Jorge GomesRelações Interpessoais - Jorge Gomes
Relações Interpessoais - Jorge GomesADEP Portugal
 
RelaçõEs Interpessoais
RelaçõEs InterpessoaisRelaçõEs Interpessoais
RelaçõEs InterpessoaisRolando Almeida
 
Relações interpessoais2
Relações interpessoais2Relações interpessoais2
Relações interpessoais2Nuno Pereira
 
Comunicação e Ética no Trabalho
Comunicação e Ética no TrabalhoComunicação e Ética no Trabalho
Comunicação e Ética no TrabalhoFrancielle Hilbert
 
Melhorando a comunicação no ambiente de trabalho
Melhorando a comunicação no ambiente de trabalhoMelhorando a comunicação no ambiente de trabalho
Melhorando a comunicação no ambiente de trabalhoDenise Varela
 
Cognição Social
Cognição SocialCognição Social
Cognição Socialnockinhas22
 
Aula 26 assertividade
Aula 26   assertividadeAula 26   assertividade
Aula 26 assertividadeLuiz Siles
 

Destaque (20)

Momentos de Descontração
Momentos de DescontraçãoMomentos de Descontração
Momentos de Descontração
 
Colegas de Trabalho
Colegas de TrabalhoColegas de Trabalho
Colegas de Trabalho
 
Estratégias para Projetos de Inovação
Estratégias para Projetos de InovaçãoEstratégias para Projetos de Inovação
Estratégias para Projetos de Inovação
 
Impressões e Expectativas
Impressões e ExpectativasImpressões e Expectativas
Impressões e Expectativas
 
Brincando a rimar com os colegas de trabalho
Brincando a rimar com os colegas de trabalhoBrincando a rimar com os colegas de trabalho
Brincando a rimar com os colegas de trabalho
 
Tipos de colegas de trabalho
Tipos de colegas de trabalhoTipos de colegas de trabalho
Tipos de colegas de trabalho
 
Relações Interpessoais - Jorge Gomes
Relações Interpessoais - Jorge GomesRelações Interpessoais - Jorge Gomes
Relações Interpessoais - Jorge Gomes
 
Comunicação como processo
Comunicação como processoComunicação como processo
Comunicação como processo
 
RelaçõEs Interpessoais
RelaçõEs InterpessoaisRelaçõEs Interpessoais
RelaçõEs Interpessoais
 
Relações interpessoais2
Relações interpessoais2Relações interpessoais2
Relações interpessoais2
 
Transtornos cerebrais 10_k
Transtornos cerebrais 10_kTranstornos cerebrais 10_k
Transtornos cerebrais 10_k
 
Psicologia-b Serial Killer
Psicologia-b Serial KillerPsicologia-b Serial Killer
Psicologia-b Serial Killer
 
Comunicação e Ética no Trabalho
Comunicação e Ética no TrabalhoComunicação e Ética no Trabalho
Comunicação e Ética no Trabalho
 
ensaio - sinestesia (Carlos)
ensaio - sinestesia (Carlos)ensaio - sinestesia (Carlos)
ensaio - sinestesia (Carlos)
 
Melhorando a comunicação no ambiente de trabalho
Melhorando a comunicação no ambiente de trabalhoMelhorando a comunicação no ambiente de trabalho
Melhorando a comunicação no ambiente de trabalho
 
Assertividade
AssertividadeAssertividade
Assertividade
 
Cognição Social
Cognição SocialCognição Social
Cognição Social
 
Fontes de Preconceito
Fontes de PreconceitoFontes de Preconceito
Fontes de Preconceito
 
Assertividade
AssertividadeAssertividade
Assertividade
 
Aula 26 assertividade
Aula 26   assertividadeAula 26   assertividade
Aula 26 assertividade
 

Semelhante a Relações interpessoais

Relações interpessoais
Relações interpessoaisRelações interpessoais
Relações interpessoaisSilvia Revez
 
Ficha de trabalho nâº7
Ficha de trabalho nâº7Ficha de trabalho nâº7
Ficha de trabalho nâº7jorge2_santos
 
Relações interpessoais
Relações interpessoaisRelações interpessoais
Relações interpessoaisMarcelo Anjos
 
Os processos fundamentais de cognição social
Os processos fundamentais de cognição socialOs processos fundamentais de cognição social
Os processos fundamentais de cognição socialMarcelo Anjos
 
Assistente Administrativo
Assistente AdministrativoAssistente Administrativo
Assistente AdministrativoLiberty Ensino
 
A categorização impressões, expectativas, estereótipos
A  categorização   impressões, expectativas, estereótiposA  categorização   impressões, expectativas, estereótipos
A categorização impressões, expectativas, estereótiposMarcelo Anjos
 
Resumo Psicologia 2º P
Resumo Psicologia 2º PResumo Psicologia 2º P
Resumo Psicologia 2º PJorge Barbosa
 
Resumo Relações Interpessoais
Resumo Relações InterpessoaisResumo Relações Interpessoais
Resumo Relações InterpessoaisJorge Barbosa
 
12.2 relaes interpessoais
12.2 relaes interpessoais12.2 relaes interpessoais
12.2 relaes interpessoaiscleilza sales
 
A organização como contexto social e desenvolvimento cognitivo
A organização como contexto social e desenvolvimento cognitivoA organização como contexto social e desenvolvimento cognitivo
A organização como contexto social e desenvolvimento cognitivoAnderson Cássio Oliveira
 
relacionalmentointerpessoal-110530140603-phpapp01.pptx
relacionalmentointerpessoal-110530140603-phpapp01.pptxrelacionalmentointerpessoal-110530140603-phpapp01.pptx
relacionalmentointerpessoal-110530140603-phpapp01.pptxProfYasminBlanco
 
Identidade Pessoal Personalidade
Identidade Pessoal   PersonalidadeIdentidade Pessoal   Personalidade
Identidade Pessoal PersonalidadeCarlos Pessoa
 

Semelhante a Relações interpessoais (20)

Relações interpessoais
Relações interpessoaisRelações interpessoais
Relações interpessoais
 
Ficha de trabalho nâº7
Ficha de trabalho nâº7Ficha de trabalho nâº7
Ficha de trabalho nâº7
 
Psicologia social
Psicologia socialPsicologia social
Psicologia social
 
Relações interpessoais
Relações interpessoaisRelações interpessoais
Relações interpessoais
 
Os processos fundamentais de cognição social
Os processos fundamentais de cognição socialOs processos fundamentais de cognição social
Os processos fundamentais de cognição social
 
A cognição social
A cognição socialA cognição social
A cognição social
 
Assistente Administrativo
Assistente AdministrativoAssistente Administrativo
Assistente Administrativo
 
A categorização impressões, expectativas, estereótipos
A  categorização   impressões, expectativas, estereótiposA  categorização   impressões, expectativas, estereótipos
A categorização impressões, expectativas, estereótipos
 
Aula de dinâmica de grupos
Aula de dinâmica de gruposAula de dinâmica de grupos
Aula de dinâmica de grupos
 
Modulo3
Modulo3Modulo3
Modulo3
 
Resumo Psicologia 2º P
Resumo Psicologia 2º PResumo Psicologia 2º P
Resumo Psicologia 2º P
 
Início da Vida
Início da VidaInício da Vida
Início da Vida
 
Resumo Relações Interpessoais
Resumo Relações InterpessoaisResumo Relações Interpessoais
Resumo Relações Interpessoais
 
12.2 relaes interpessoais
12.2 relaes interpessoais12.2 relaes interpessoais
12.2 relaes interpessoais
 
Cognição social
Cognição socialCognição social
Cognição social
 
A organização como contexto social e desenvolvimento cognitivo
A organização como contexto social e desenvolvimento cognitivoA organização como contexto social e desenvolvimento cognitivo
A organização como contexto social e desenvolvimento cognitivo
 
Aula 02 auxiliar de escritório
Aula 02 auxiliar de escritórioAula 02 auxiliar de escritório
Aula 02 auxiliar de escritório
 
Atitude Social
Atitude SocialAtitude Social
Atitude Social
 
relacionalmentointerpessoal-110530140603-phpapp01.pptx
relacionalmentointerpessoal-110530140603-phpapp01.pptxrelacionalmentointerpessoal-110530140603-phpapp01.pptx
relacionalmentointerpessoal-110530140603-phpapp01.pptx
 
Identidade Pessoal Personalidade
Identidade Pessoal   PersonalidadeIdentidade Pessoal   Personalidade
Identidade Pessoal Personalidade
 

Mais de Silvia Revez

Watson e o behaviourismo
Watson e o behaviourismoWatson e o behaviourismo
Watson e o behaviourismoSilvia Revez
 
Watson e o behaviourismo
Watson e o behaviourismoWatson e o behaviourismo
Watson e o behaviourismoSilvia Revez
 
Correcção da ficha formativa 4
Correcção da ficha formativa 4Correcção da ficha formativa 4
Correcção da ficha formativa 4Silvia Revez
 
Correcção do teste de psicologia nº 4
Correcção do teste de psicologia nº 4Correcção do teste de psicologia nº 4
Correcção do teste de psicologia nº 4Silvia Revez
 
para o teste de Março de 2011
para o teste de Março de 2011para o teste de Março de 2011
para o teste de Março de 2011Silvia Revez
 
Relações interpessoais
Relações interpessoaisRelações interpessoais
Relações interpessoaisSilvia Revez
 
Ficha Formativa de Psicologia B
Ficha Formativa de Psicologia BFicha Formativa de Psicologia B
Ficha Formativa de Psicologia BSilvia Revez
 
Correcção do teste de psicologia nº 3
Correcção do teste de psicologia nº 3Correcção do teste de psicologia nº 3
Correcção do teste de psicologia nº 3Silvia Revez
 
Damásio - a hipótese do marcador somático
Damásio - a hipótese do marcador somáticoDamásio - a hipótese do marcador somático
Damásio - a hipótese do marcador somáticoSilvia Revez
 
Os processos conativos
Os processos conativosOs processos conativos
Os processos conativosSilvia Revez
 
Processos emocionais
Processos emocionaisProcessos emocionais
Processos emocionaisSilvia Revez
 
Correcção da ficha formativa1
Correcção da ficha formativa1Correcção da ficha formativa1
Correcção da ficha formativa1Silvia Revez
 
Correcção da ficha formativa
Correcção da ficha formativaCorrecção da ficha formativa
Correcção da ficha formativaSilvia Revez
 
Teste formativo 2 de psicologia B
Teste formativo 2 de psicologia BTeste formativo 2 de psicologia B
Teste formativo 2 de psicologia BSilvia Revez
 
Psicologia b – tema 2 percepção
Psicologia b – tema 2 percepçãoPsicologia b – tema 2 percepção
Psicologia b – tema 2 percepçãoSilvia Revez
 
Psicologia b – tema 2 percepção
Psicologia b – tema 2 percepçãoPsicologia b – tema 2 percepção
Psicologia b – tema 2 percepçãoSilvia Revez
 
Funcionamento global do cérebro
Funcionamento global do cérebroFuncionamento global do cérebro
Funcionamento global do cérebroSilvia Revez
 

Mais de Silvia Revez (20)

Freud
FreudFreud
Freud
 
Watson e o behaviourismo
Watson e o behaviourismoWatson e o behaviourismo
Watson e o behaviourismo
 
Watson e o behaviourismo
Watson e o behaviourismoWatson e o behaviourismo
Watson e o behaviourismo
 
Correcção da ficha formativa 4
Correcção da ficha formativa 4Correcção da ficha formativa 4
Correcção da ficha formativa 4
 
Correcção do teste de psicologia nº 4
Correcção do teste de psicologia nº 4Correcção do teste de psicologia nº 4
Correcção do teste de psicologia nº 4
 
para o teste de Março de 2011
para o teste de Março de 2011para o teste de Março de 2011
para o teste de Março de 2011
 
Influencia social
Influencia socialInfluencia social
Influencia social
 
Relações interpessoais
Relações interpessoaisRelações interpessoais
Relações interpessoais
 
Ficha Formativa de Psicologia B
Ficha Formativa de Psicologia BFicha Formativa de Psicologia B
Ficha Formativa de Psicologia B
 
Correcção do teste de psicologia nº 3
Correcção do teste de psicologia nº 3Correcção do teste de psicologia nº 3
Correcção do teste de psicologia nº 3
 
Damásio - a hipótese do marcador somático
Damásio - a hipótese do marcador somáticoDamásio - a hipótese do marcador somático
Damásio - a hipótese do marcador somático
 
Os processos conativos
Os processos conativosOs processos conativos
Os processos conativos
 
Processos emocionais
Processos emocionaisProcessos emocionais
Processos emocionais
 
Correcção da ficha formativa1
Correcção da ficha formativa1Correcção da ficha formativa1
Correcção da ficha formativa1
 
Correcção da ficha formativa
Correcção da ficha formativaCorrecção da ficha formativa
Correcção da ficha formativa
 
Teste formativo 2 de psicologia B
Teste formativo 2 de psicologia BTeste formativo 2 de psicologia B
Teste formativo 2 de psicologia B
 
Psicologia b – tema 2 percepção
Psicologia b – tema 2 percepçãoPsicologia b – tema 2 percepção
Psicologia b – tema 2 percepção
 
Psicologia b – tema 2 percepção
Psicologia b – tema 2 percepçãoPsicologia b – tema 2 percepção
Psicologia b – tema 2 percepção
 
Cultura
CulturaCultura
Cultura
 
Funcionamento global do cérebro
Funcionamento global do cérebroFuncionamento global do cérebro
Funcionamento global do cérebro
 

Último

Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino FundamentalCartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamentalgeone480617
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxIsabelaRafael2
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira partecoletivoddois
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasRicardo Diniz campos
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfangelicass1
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESpatriciasofiacunha18
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfEyshilaKelly1
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdfDemetrio Ccesa Rayme
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOBiatrizGomes1
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfErasmo Portavoz
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 

Último (20)

Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino FundamentalCartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppttreinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 

Relações interpessoais

  • 2. Questões a abordar… O que pensamos dos outros? Por que razão agimos de determinada maneira face a uma dada situação social? Como os influenciamos? Como nos influenciam a nós? Como nos relacionamos com os outros? Como formamos as nossas impressões? E as atitudes? E os preconceitos?
  • 3.
  • 4. Processos de influência entre indivíduos
  • 5. Processos de relação entre os indivíduos e os gruposTemas a abordar: RELAÇÕES INTERPESSOAIS
  • 6. O desconhecido é incómodo.
  • 7. Lemos o mundo social através dos… Processos de cognição social
  • 8.
  • 9.
  • 10. IMPRESSÕES – O QUE SÃO?
  • 11. IMPRESSÕES A partir do primeiro contacto com alguém construimos uma imagem/ideia sobre essa pessoa a partir de algumas características, indícios que seleccionamos e consideramos mais significativos. Noções criadas espontaneamente a partir do contacto com as pessoas e que nos fornecem um quadro interpretativo para as julgarmos quanto às suas características principais e comportamento.
  • 13. Como se formam as impressões? Através da categorização permite simplificar a complexidade do mundo social; conjunto de processos psicológicos a partir dos quais ordenamos o ambiente em categorias grupos de pessoas, objectos, acontecimentos, etc.
  • 14. Categorização – 3 tipos Afectiva Moral Instrumental
  • 15. Indícios para a formação das primeiras impressões Físicos Verbais Não verbais Comportamentais
  • 16. Através da impressão formamos um esboço psicológico da pessoa.
  • 17. Qual a importância das primeiras impressões? A ordem com que conhecemos as características de uma pessoa é importante?
  • 18. Primeiras impressões Persistência das primeiras impressões – resistência em integrar informações que contrariam as primeiras impressões. Efeito de halo - Thurnstone
  • 20. Expectativa Representação interna mental das regularidades do mundo exterior ou das relações entre as acções do sujeito e o mundo exterior.
  • 21. Funções das expectativas Permitem prever os comportamentos e atitudes e estabelecer relações duradouras entre as pessoas. Afectam o modo como interagimos com os outros, como interagem connosco. Influenciam a nossa identidade. Expectativas positivas – comportamentos positivos e vice-versa.
  • 22. Como formamos as expectativas? Indução – incluimos a pessoa numa dada categoria. Dedução – atribuimos-lhe certas características não observadas.
  • 23.
  • 24.
  • 25. Importância do processo de socialização na formação das expectativas (valores, crenças, princípios, história pessoal)
  • 26. Efeitos das expectativas Dos professores sobre os alunos – efeito de pigmalião. Dos investigadores.
  • 28. ATITUDES Predisposições adquiridas e relativamente estáveis que levam as pessoas a reagir de forma positiva ou negativa a certos objectos sociais.
  • 29. Atitudes Em relação À religião Às pessoas do sexo oposto Ao governo À psicologia
  • 30. As atitudes são observáveis?
  • 31. As atitudes são observáveis? Não. Podemos inferi-las através dos comportamentos e medi-las através de questionários e testes.
  • 32. Componentes das atitudes Cognitiva/intelectual Crenças tomadas como verdadeiras/plausíveis, com base em observações e informação a que acedemos: A leitura desenvolve as escrita; o tabaco provoca o cancro Afectiva Sentimentos que nutrimos em relação a pessoas, objectos, pessoas, ideias Gostar de ler, de fumar, etc. Comportamental Resultado das interacções entre as componentes anteriores; predisposição para agir de determinada forma; o que estamos dispostos a fazer face ao que gostamos/acreditamos Desejo/intenção de adquirir livros
  • 33. Nem sempre as três componentes se harmonizam… Por vezes existem dissonâncias. DISSONÂNCIA COGNITIVA Defender que se deve pagar impostos para garantir a justiça social e cometer fraudes na declaração do IRS. Amar os filhos e desejar o seu bem-estar, mas aplicar-lhes castigos violentos. Contradição entre o que se acredita e o que se está disposto a fazer; na maior parte das vezes domina o elemento afectivo.
  • 34. Como se formam as atitudes? Através do processo de socialização Agentes de socialização: pais, escola, pares, meios de comunicação social
  • 35. É possível alterarmos as atitudes? Sim, embora uma das características das atitudes seja a sua estabilidade, é possível mudar as atitudes. Meios para alterar atitudes: experiências vividas pelo indivíduo que provoquem dissonâncias cognitivas Influência dos meios de comunicação social, da publicidade, propaganda, etc.
  • 37. Conjunto de conceitos, proposições e explicações criado na vida quotidiana no decurso da comunicação interindividual. São o equivalente, na nossa sociedade, dos mitos e sistemas de crenças das sociedades tradicionais, podem ainda ser vistas como a versão contemporânea do senso comum. Representações sociais
  • 38. Como se elaboram as representações sociais? Objectivação Ancoragem
  • 39. Funções das representações sociais Saber Orientar Formação da identidade Justificar