SlideShare uma empresa Scribd logo
Rede de Atenção à Saúde 
Prof. Fernando A Silva
INTRODUÇÃO 
Redes de serviços de saúde 
“construções sociais, portanto, é interessante entender como 
isso ocorreu historicamente.” 
 Os desenhos de rede tecidos nos municípios brasileiros apresentam heranças 
históricas da política pública do nosso país, que na década de 70, desenvolveu 
um modelo centralizado e apoiado na divisão dos espaços que produzem cura 
e nos que fazem prevenção. 
 duas redes foram construídas e instaladas nos municípios: uma do Ministério 
da Previdência e outra do Ministéio da Saúde, sem que estes tivessem 
participação na gestão e organização delas, tornando o município apenas 
endereço das instituições de saúde (RIGHI, 2005, p. 75).
Rede de Atenção Integral á Saúde 
Arranjos organizativos onde os serviços de saúde são 
vinculados entre si em prol de objetivos comuns e mútua 
cooperação. 
Buscam garantir a integralidade do cuidado com equidade, 
qualidade, de forma descentralizada e de forma 
humanizada.
Rede de Atenção Integral á Saúde 
Porta de Entrada e Base para sua Organização ? 
UUBBSS 
E, todo o planejamento deve ter como fundamento a 
territorialização que permite a análise da situação do 
território segue as premissas do SUS da descentralização.
Rede de Atenção Integral á Saúde 
Sua constituição: 
Deve levar em consideração instrumentos que 
potencializem, combine e explore os múltiplos saberes e 
práticas de cada um dos atores envolvidos 
Não há expropriação de saberes
 A SITUAÇÃO DEMOGRÁFICA DO PAÍS; 
 A SITUAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA; 
 A SITUAÇÃO ECONÔMICA; 
 O MODELO DE ATENÇÃO À SAÚDE 
VOLTADO ÀS CONDIÇÕES AGUDAS. 
FONTE: MENDES (NO PRELO)
DIFERENÇAS ENTRE AS CONDIÇÕES 
AGUDAS E AS CONDIÇÕES CRÔNICAS DE 
SAÚDE 
CONDIÇÕES AGUDAS 
•DURAÇÃO LIMITADA 
•MANIFESTAÇÃO ABRUPTA 
•AUTOLIMITADAS 
•DIAGNÓSTICO E 
PROGNÓSTICO USUALMENTE 
PRECISOS 
•INTERVENÇÃO 
USUALMENTE EFETIVA 
•RESULTADO: A CURA 
CONDIÇÕES CRÔNICAS 
DURAÇÃO LONGA 
MANIFESTAÇÃO GRADUAL 
NÃO AUTOLIMITADAS 
DIAGNÓSTICO E 
PROGNÓSTICO USUALMENTE 
INCERTOS 
INTERVENÇÃO USUALMENTE 
COM ALGUMA INCERTEZA 
RESULTADO: O CUIDADO 
FONTE: VON KORFF (1997); ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (2003)
 FRAGMENTADO 
 COM CONCEPÇÃO HIERÁRQUICA 
 COM DESALINHAMENTO DOS INCENTIVOS 
ECONÔMICOS 
 INEFICIÊNTE POR DESECONOMIA DE ESCALA 
 COM BAIXA QUALIDADE DOS SERVIÇOS 
 O MODELO DE ATENÇÃO À SAÚDE VOLTADO ÀS 
CONDIÇÕES AGUDAS 
FONTE: MENDES (NO PRELO)
PROBLEMAS DA FRAGMENTAÇÃO DO 
SISTEMA 
• PEQUENA DIVERSIDADE DOS PONTOS DE ATENÇÃO À SAÚDE 
• DESORGANIZAÇÃO POR MEIO DE UM CONJUNTO DE PONTOS DE 
ATENDIMENTO ISOLADOS 
• INCOMUNICAÇÃO DOS PONTOS DE ATENÇÃO À SAÚDE: A CARÊNCIA 
DE SISTEMAS LOGÍSTICOS 
• SEM PRESTAÇÃO DE ATENÇÃO CONTÍNUA A POPULAÇÃO 
• PRECARIEDADE DA FUNÇÃO DE COORDENAÇÃO DA ATENÇÃO 
PRIMÁRIA À SAÚDE 
• A FRAGILIDADE DOS MECANISMOS DE GOVERNANÇA DE REDES DE 
ATENÇÃO À SAÚDE 
• HIERARQUIZAÇÃO COM RELAÇÃO DE ORDEM DE IMPORTÂNCIA
A FRAGMENTAÇÃO NO SUS 
FONTE: MENDES (2002)
Alta 
Compl. 
Média 
Complexidade 
Atenção Básica 
FONTE: MENDES (2002)
PROBLEMAS DA 
HIERARQUIZAÇÃO 
Estabelece erroneamente que a Atenção Primária à Saúde é 
menos importante e complexa do que a Secundária e 
Terciária; 
Leva a desvalorização das ações da At. Primária à Saúde; 
Leva a diferente distribuição de incentivos.
Construção de redes: da hierarquia à 
conectividade 
HOSPITAL 
HOSPITAL/DIA 
CENTRO DE 
ENFERMAGEM 
ATENÇÃO 
DOMICILIAR 
AMBULATÓRIO 
ESPECIALIZADO 
UNIDADE 
BÁSICA DE 
SAÚDE 
UNIDADE 
DE 
GESTÃO 
FONTE: MENDES (NO PRELO) 
SADT SAF
É A ORGANIZAÇÃO HORIZONTAL DE SERVIÇOS 
DE SAÚDE, COM O CENTRO DE COMUNICAÇÃO 
NA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE, QUE 
PERMITE PRESTAR UMA ASSISTÊNCIA 
CONTÍNUA A DETERMINADA POPULAÇÃO - NO 
TEMPO CERTO, NO LUGAR CERTO, COM O 
CUSTO CERTO E COM A QUALIDADE CERTA - E 
QUE SE RESPONSABILIZA PELOS RESULTADOS 
SANITÁRIOS E ECONÔMICOS RELATIVOS A ESSA 
POPULAÇÃO 
FONTE: MENDES (NO PRELO)
Deste modo: 
É de suma importância a articulação e integração com a 
Vigilância em Saúde pois: 
•O processo de trabalho tem que ser condizente com o local; 
•O local, a comunidade, é o espaço da construção da 
intersetorialidade e do planejamento para as ações que visem a 
qualidade de vida; 
•Base da UBS onde temos ACS, ESF e NASF tornando possível a 
construção de um Projeto Terapêutico Singular e as Linhas de 
Cuidado.
Silva, Magalhães Junior, 2008, p. 81, diz: “malha que 
interconecta e integra os estabelecimentos e serviços de 
saúde de determinado território, organizando-os 
sistemicamente para que os diferentes níveis e densidades 
tecnológicas de atenção estejam articulados e adequados para 
o atendimento ao usuário e para a promoção da saúde”. 
Assim: a Atenção Básica deve ser a área estruturante do 
sistema de saúde local, sendo a porta de entrada da população 
ao sistema.
 Tecnologias leve/das relações: 
autonomização,vínculo, acolhimento, gestão como 
forma de governar processos de trabalho; 
 Tecnologia leve-dura: saberes estruturados: clínica 
médica, psicanalítica, epidemiologia; 
 Tecnologias duras: equipamentos, máquinas, normas, 
estruturas organizacionais. (Merhy, 1997)
 a definição do espaço territorial e da população de abrangência; 
 a identificação das ações e serviços de diversas características e 
diferentes densidades tecnológicas integrados e articulados; 
 fluxo que oriente os usuários a caminharem na rede, com ferramentas 
que possibilite identificar o usuário e prontuário que seja possível 
acessar em qualquer ponto do sistema; 
 sistemas de regulação com normas e protocolos que orientem o 
acesso, definam competências, responsabilidades e coordenação dos 
processos de decisão, segundo os mesmos autores. 
 (SILVA, MAGALHÃES JUNIOR, 2008)
 pelo aumento das doenças crônicas; 
 Envelhecimento da população; 
 pela possibilidade da integralidade e vínculo; 
 pelos gastos crescentes com o adoecimento. 
(SILVA, MAGALHÃES JUNIOR, 2008)
Macroestrutura: 
territorialização inadequada; 
Barreiras na organização 
dos serviços básicos; 
Falha na educação 
permanente.
Aspectos relacionais: 
comunicação; 
comunicação; 
questões éticas e morais; 
questões éticas e morais; 
características pessoais e profissionais; 
características pessoais e profissionais; 
falha na linha de cuidado; 
processo de trabalho; 
atendimento fragmentado; 
decisão pessoal dos gestores; 
relacionamento interpessoal. 
falha na linha de cuidado; 
processo de trabalho; 
atendimento fragmentado; 
decisão pessoal dos gestores; 
relacionamento interpessoal.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 1 politicas de saude no brasil
Aula 1   politicas de saude no brasilAula 1   politicas de saude no brasil
Aula 1 politicas de saude no brasil
kellyschorro18
 
Aula 6 Políticas Públicas de Saúde
Aula 6 Políticas Públicas de SaúdeAula 6 Políticas Públicas de Saúde
Aula 6 Políticas Públicas de Saúde
Jesiele Spindler
 
Rede de atenção
Rede de atençãoRede de atenção
Rede de atenção
Ricardo Alexandre
 
SUS - Aula
SUS - AulaSUS - Aula
SUS - Aula
Janaína Lassala
 
Organização e funcionamento do SUS
Organização e funcionamento do SUSOrganização e funcionamento do SUS
Organização e funcionamento do SUS
Jaime Freitas
 
Estratégia saúde da família
Estratégia saúde da famíliaEstratégia saúde da família
Estratégia saúde da família
Ruth Milhomem
 
Atenção Primária à Saúde
Atenção Primária à SaúdeAtenção Primária à Saúde
Estrategia de Saúde da Família (ESF) e Núcleo de Apoio a Saúde da Família (NA...
Estrategia de Saúde da Família (ESF) e Núcleo de Apoio a Saúde da Família (NA...Estrategia de Saúde da Família (ESF) e Núcleo de Apoio a Saúde da Família (NA...
Estrategia de Saúde da Família (ESF) e Núcleo de Apoio a Saúde da Família (NA...
Mateus Clemente
 
Aula 3 - SUS
Aula 3 - SUSAula 3 - SUS
Aula 3 - SUS
Ghiordanno Bruno
 
Paism slider
Paism sliderPaism slider
Paism slider
Dessa Reis
 
Atenção básica e redes de atenção à saúde
Atenção básica e redes de atenção à saúdeAtenção básica e redes de atenção à saúde
Atenção básica e redes de atenção à saúde
Felipe Assan Remondi
 
PACTO PELA SAÚDE
PACTO PELA SAÚDEPACTO PELA SAÚDE
PACTO PELA SAÚDE
Fernanda Marinho
 
O trabalho do agente comunitário de saúde
O trabalho do agente comunitário de saúdeO trabalho do agente comunitário de saúde
O trabalho do agente comunitário de saúde
Alinebrauna Brauna
 
Saude da familia
Saude da familiaSaude da familia
Saude da familia
karensuelen
 
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
Luis Dantas
 
Slides sus
Slides susSlides sus
Lei nº 8.142
Lei nº 8.142Lei nº 8.142
Lei nº 8.142
dantispam
 
Aula Introdutória de Saúde Coletiva
Aula Introdutória de Saúde ColetivaAula Introdutória de Saúde Coletiva
Aula Introdutória de Saúde Coletiva
Karynne Alves do Nascimento
 
Programa nacional de atenção integral à saúde da Mulher
Programa nacional de atenção integral à saúde da MulherPrograma nacional de atenção integral à saúde da Mulher
Programa nacional de atenção integral à saúde da Mulher
Fernanda Marinho
 
Enfermagem em saude_coletiva
Enfermagem em saude_coletivaEnfermagem em saude_coletiva
Enfermagem em saude_coletiva
Kleber de Carvalho
 

Mais procurados (20)

Aula 1 politicas de saude no brasil
Aula 1   politicas de saude no brasilAula 1   politicas de saude no brasil
Aula 1 politicas de saude no brasil
 
Aula 6 Políticas Públicas de Saúde
Aula 6 Políticas Públicas de SaúdeAula 6 Políticas Públicas de Saúde
Aula 6 Políticas Públicas de Saúde
 
Rede de atenção
Rede de atençãoRede de atenção
Rede de atenção
 
SUS - Aula
SUS - AulaSUS - Aula
SUS - Aula
 
Organização e funcionamento do SUS
Organização e funcionamento do SUSOrganização e funcionamento do SUS
Organização e funcionamento do SUS
 
Estratégia saúde da família
Estratégia saúde da famíliaEstratégia saúde da família
Estratégia saúde da família
 
Atenção Primária à Saúde
Atenção Primária à SaúdeAtenção Primária à Saúde
Atenção Primária à Saúde
 
Estrategia de Saúde da Família (ESF) e Núcleo de Apoio a Saúde da Família (NA...
Estrategia de Saúde da Família (ESF) e Núcleo de Apoio a Saúde da Família (NA...Estrategia de Saúde da Família (ESF) e Núcleo de Apoio a Saúde da Família (NA...
Estrategia de Saúde da Família (ESF) e Núcleo de Apoio a Saúde da Família (NA...
 
Aula 3 - SUS
Aula 3 - SUSAula 3 - SUS
Aula 3 - SUS
 
Paism slider
Paism sliderPaism slider
Paism slider
 
Atenção básica e redes de atenção à saúde
Atenção básica e redes de atenção à saúdeAtenção básica e redes de atenção à saúde
Atenção básica e redes de atenção à saúde
 
PACTO PELA SAÚDE
PACTO PELA SAÚDEPACTO PELA SAÚDE
PACTO PELA SAÚDE
 
O trabalho do agente comunitário de saúde
O trabalho do agente comunitário de saúdeO trabalho do agente comunitário de saúde
O trabalho do agente comunitário de saúde
 
Saude da familia
Saude da familiaSaude da familia
Saude da familia
 
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
 
Slides sus
Slides susSlides sus
Slides sus
 
Lei nº 8.142
Lei nº 8.142Lei nº 8.142
Lei nº 8.142
 
Aula Introdutória de Saúde Coletiva
Aula Introdutória de Saúde ColetivaAula Introdutória de Saúde Coletiva
Aula Introdutória de Saúde Coletiva
 
Programa nacional de atenção integral à saúde da Mulher
Programa nacional de atenção integral à saúde da MulherPrograma nacional de atenção integral à saúde da Mulher
Programa nacional de atenção integral à saúde da Mulher
 
Enfermagem em saude_coletiva
Enfermagem em saude_coletivaEnfermagem em saude_coletiva
Enfermagem em saude_coletiva
 

Destaque

Tuberculose - TB
Tuberculose - TBTuberculose - TB
Tuberculose - TB
feraps
 
Aula Inaugural ETSUS - Sudeste
Aula Inaugural ETSUS - SudesteAula Inaugural ETSUS - Sudeste
Aula Inaugural ETSUS - Sudeste
feraps
 
Promação da Saúde
Promação da SaúdePromação da Saúde
Promação da Saúde
feraps
 
Risco e Vulnerabilidade
Risco e VulnerabilidadeRisco e Vulnerabilidade
Risco e Vulnerabilidade
feraps
 
Modelo de atenção integral à saúde
Modelo de atenção integral à saúdeModelo de atenção integral à saúde
Modelo de atenção integral à saúde
feraps
 
Trab Pronto D Tuberculose
Trab Pronto D TuberculoseTrab Pronto D Tuberculose
Trab Pronto D Tuberculose
ITPAC PORTO
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose pulmonar
Tuberculose pulmonarTuberculose pulmonar
Tuberculose pulmonar
lukeni2015
 
Renata thays e gabryella damascena 1ºd
Renata thays e gabryella damascena 1ºdRenata thays e gabryella damascena 1ºd
Renata thays e gabryella damascena 1ºd
Catiaprof
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
Andrea Pires
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
Deo Almeida
 
Tuberculose (trabalho/apresentação ppt) - Ana Margarida Pinto
Tuberculose (trabalho/apresentação ppt) - Ana Margarida PintoTuberculose (trabalho/apresentação ppt) - Ana Margarida Pinto
Tuberculose (trabalho/apresentação ppt) - Ana Margarida Pinto
AMLDRP
 
Aula tuberculose
Aula tuberculoseAula tuberculose
Aula tuberculose
Renato Tonay
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
Cláudia Sofia
 
TUBERCULOSE
TUBERCULOSETUBERCULOSE
TUBERCULOSE
Flávia Salame
 
Tuberculose Aula
Tuberculose   AulaTuberculose   Aula
Tuberculose Aula
douglas silva
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
TAS2214
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
Inês Santos
 
Micobactérias Atípicas, de Crescimento Rápido, Não tuberculosa
Micobactérias Atípicas, de Crescimento Rápido, Não tuberculosaMicobactérias Atípicas, de Crescimento Rápido, Não tuberculosa
Micobactérias Atípicas, de Crescimento Rápido, Não tuberculosa
Euripedes A Barbosa
 
Micobacterias de crecimiento rapido
Micobacterias de crecimiento rapidoMicobacterias de crecimiento rapido
Micobacterias de crecimiento rapido
Rosy Olmos Tufiño
 

Destaque (20)

Tuberculose - TB
Tuberculose - TBTuberculose - TB
Tuberculose - TB
 
Aula Inaugural ETSUS - Sudeste
Aula Inaugural ETSUS - SudesteAula Inaugural ETSUS - Sudeste
Aula Inaugural ETSUS - Sudeste
 
Promação da Saúde
Promação da SaúdePromação da Saúde
Promação da Saúde
 
Risco e Vulnerabilidade
Risco e VulnerabilidadeRisco e Vulnerabilidade
Risco e Vulnerabilidade
 
Modelo de atenção integral à saúde
Modelo de atenção integral à saúdeModelo de atenção integral à saúde
Modelo de atenção integral à saúde
 
Trab Pronto D Tuberculose
Trab Pronto D TuberculoseTrab Pronto D Tuberculose
Trab Pronto D Tuberculose
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 
Tuberculose pulmonar
Tuberculose pulmonarTuberculose pulmonar
Tuberculose pulmonar
 
Renata thays e gabryella damascena 1ºd
Renata thays e gabryella damascena 1ºdRenata thays e gabryella damascena 1ºd
Renata thays e gabryella damascena 1ºd
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 
Tuberculose (trabalho/apresentação ppt) - Ana Margarida Pinto
Tuberculose (trabalho/apresentação ppt) - Ana Margarida PintoTuberculose (trabalho/apresentação ppt) - Ana Margarida Pinto
Tuberculose (trabalho/apresentação ppt) - Ana Margarida Pinto
 
Aula tuberculose
Aula tuberculoseAula tuberculose
Aula tuberculose
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 
TUBERCULOSE
TUBERCULOSETUBERCULOSE
TUBERCULOSE
 
Tuberculose Aula
Tuberculose   AulaTuberculose   Aula
Tuberculose Aula
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 
Micobactérias Atípicas, de Crescimento Rápido, Não tuberculosa
Micobactérias Atípicas, de Crescimento Rápido, Não tuberculosaMicobactérias Atípicas, de Crescimento Rápido, Não tuberculosa
Micobactérias Atípicas, de Crescimento Rápido, Não tuberculosa
 
Micobacterias de crecimiento rapido
Micobacterias de crecimiento rapidoMicobacterias de crecimiento rapido
Micobacterias de crecimiento rapido
 

Semelhante a Rede de Atenção à Saúde

Aula - SUS Princípios Doutrinários e Organizacionais
Aula - SUS Princípios Doutrinários e OrganizacionaisAula - SUS Princípios Doutrinários e Organizacionais
Aula - SUS Princípios Doutrinários e Organizacionais
Rogério de Mesquita Spínola
 
Sergio_Redes_Atencao
Sergio_Redes_AtencaoSergio_Redes_Atencao
Sergio_Redes_Atencao
comunidadedepraticas
 
Redesatencao
RedesatencaoRedesatencao
Redesatencao
Marcos Nery
 
Aula 1 sus resumido
Aula 1 sus resumidoAula 1 sus resumido
Aula 1 sus resumido
Ivia Rodrigues
 
administração hospitalar
administração hospitalaradministração hospitalar
administração hospitalar
biblisaocamilo
 
1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...
1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...
1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...
LuFelype
 
Redes de atenção à saúde
Redes de atenção à saúdeRedes de atenção à saúde
Redes de atenção à saúde
Ricardo Nunes
 
A saúde como política social
A saúde como política socialA saúde como política social
A saúde como política social
Comunidadenegrafm
 
NOTA TÉCNICA-saude-mulher-gestacao-parto-puerperio.pdf
NOTA TÉCNICA-saude-mulher-gestacao-parto-puerperio.pdfNOTA TÉCNICA-saude-mulher-gestacao-parto-puerperio.pdf
NOTA TÉCNICA-saude-mulher-gestacao-parto-puerperio.pdf
Samara165561
 
Apres. carlão
Apres. carlãoApres. carlão
Apres. carlão
Alinebrauna Brauna
 
Anexo i termo_de_referencia_tecnica_2017-11-30_17_10_16
Anexo i termo_de_referencia_tecnica_2017-11-30_17_10_16Anexo i termo_de_referencia_tecnica_2017-11-30_17_10_16
Anexo i termo_de_referencia_tecnica_2017-11-30_17_10_16
Emilio Viegas
 
Anexo i termo_de_referencia_tecnica_2017-11-30_17_10_16
Anexo i termo_de_referencia_tecnica_2017-11-30_17_10_16Anexo i termo_de_referencia_tecnica_2017-11-30_17_10_16
Anexo i termo_de_referencia_tecnica_2017-11-30_17_10_16
Emilio Viegas
 
gabriela_crespi_rede_de_atencao_a_saude.pdf
gabriela_crespi_rede_de_atencao_a_saude.pdfgabriela_crespi_rede_de_atencao_a_saude.pdf
gabriela_crespi_rede_de_atencao_a_saude.pdf
THALLITADEFREITASRAM
 
Organização do sistema de saúde brasileiro, a atenção às urgências e o papel ...
Organização do sistema de saúde brasileiro, a atenção às urgências e o papel ...Organização do sistema de saúde brasileiro, a atenção às urgências e o papel ...
Organização do sistema de saúde brasileiro, a atenção às urgências e o papel ...
Aroldo Gavioli
 
saude coletiva - unidade 2 [Salvo automaticamente].pptx
saude coletiva - unidade 2 [Salvo automaticamente].pptxsaude coletiva - unidade 2 [Salvo automaticamente].pptx
saude coletiva - unidade 2 [Salvo automaticamente].pptx
EmanuellaFreitasDiog
 
Rede - Intersetorialidade - Necessidades em saúde
Rede - Intersetorialidade - Necessidades em saúdeRede - Intersetorialidade - Necessidades em saúde
Rede - Intersetorialidade - Necessidades em saúde
feraps
 
Webpalestra_RededeAtençãoàSaúde.pdf
Webpalestra_RededeAtençãoàSaúde.pdfWebpalestra_RededeAtençãoàSaúde.pdf
Webpalestra_RededeAtençãoàSaúde.pdf
FlaviadosSantosNasci1
 
Modelos assistenciais
Modelos assistenciaisModelos assistenciais
Modelos assistenciais
Jairo da Silva
 
Módulo 1 - aula 1
Módulo 1 - aula 1Módulo 1 - aula 1
Módulo 1 - aula 1
eadsantamarcelina
 
Vera_Redes_de_atencao
Vera_Redes_de_atencaoVera_Redes_de_atencao
Vera_Redes_de_atencao
comunidadedepraticas
 

Semelhante a Rede de Atenção à Saúde (20)

Aula - SUS Princípios Doutrinários e Organizacionais
Aula - SUS Princípios Doutrinários e OrganizacionaisAula - SUS Princípios Doutrinários e Organizacionais
Aula - SUS Princípios Doutrinários e Organizacionais
 
Sergio_Redes_Atencao
Sergio_Redes_AtencaoSergio_Redes_Atencao
Sergio_Redes_Atencao
 
Redesatencao
RedesatencaoRedesatencao
Redesatencao
 
Aula 1 sus resumido
Aula 1 sus resumidoAula 1 sus resumido
Aula 1 sus resumido
 
administração hospitalar
administração hospitalaradministração hospitalar
administração hospitalar
 
1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...
1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...
1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...
 
Redes de atenção à saúde
Redes de atenção à saúdeRedes de atenção à saúde
Redes de atenção à saúde
 
A saúde como política social
A saúde como política socialA saúde como política social
A saúde como política social
 
NOTA TÉCNICA-saude-mulher-gestacao-parto-puerperio.pdf
NOTA TÉCNICA-saude-mulher-gestacao-parto-puerperio.pdfNOTA TÉCNICA-saude-mulher-gestacao-parto-puerperio.pdf
NOTA TÉCNICA-saude-mulher-gestacao-parto-puerperio.pdf
 
Apres. carlão
Apres. carlãoApres. carlão
Apres. carlão
 
Anexo i termo_de_referencia_tecnica_2017-11-30_17_10_16
Anexo i termo_de_referencia_tecnica_2017-11-30_17_10_16Anexo i termo_de_referencia_tecnica_2017-11-30_17_10_16
Anexo i termo_de_referencia_tecnica_2017-11-30_17_10_16
 
Anexo i termo_de_referencia_tecnica_2017-11-30_17_10_16
Anexo i termo_de_referencia_tecnica_2017-11-30_17_10_16Anexo i termo_de_referencia_tecnica_2017-11-30_17_10_16
Anexo i termo_de_referencia_tecnica_2017-11-30_17_10_16
 
gabriela_crespi_rede_de_atencao_a_saude.pdf
gabriela_crespi_rede_de_atencao_a_saude.pdfgabriela_crespi_rede_de_atencao_a_saude.pdf
gabriela_crespi_rede_de_atencao_a_saude.pdf
 
Organização do sistema de saúde brasileiro, a atenção às urgências e o papel ...
Organização do sistema de saúde brasileiro, a atenção às urgências e o papel ...Organização do sistema de saúde brasileiro, a atenção às urgências e o papel ...
Organização do sistema de saúde brasileiro, a atenção às urgências e o papel ...
 
saude coletiva - unidade 2 [Salvo automaticamente].pptx
saude coletiva - unidade 2 [Salvo automaticamente].pptxsaude coletiva - unidade 2 [Salvo automaticamente].pptx
saude coletiva - unidade 2 [Salvo automaticamente].pptx
 
Rede - Intersetorialidade - Necessidades em saúde
Rede - Intersetorialidade - Necessidades em saúdeRede - Intersetorialidade - Necessidades em saúde
Rede - Intersetorialidade - Necessidades em saúde
 
Webpalestra_RededeAtençãoàSaúde.pdf
Webpalestra_RededeAtençãoàSaúde.pdfWebpalestra_RededeAtençãoàSaúde.pdf
Webpalestra_RededeAtençãoàSaúde.pdf
 
Modelos assistenciais
Modelos assistenciaisModelos assistenciais
Modelos assistenciais
 
Módulo 1 - aula 1
Módulo 1 - aula 1Módulo 1 - aula 1
Módulo 1 - aula 1
 
Vera_Redes_de_atencao
Vera_Redes_de_atencaoVera_Redes_de_atencao
Vera_Redes_de_atencao
 

Mais de feraps

Etiologia na visão da MTC
Etiologia na visão da MTCEtiologia na visão da MTC
Etiologia na visão da MTC
feraps
 
Corpo energético
Corpo energéticoCorpo energético
Corpo energético
feraps
 
Humaniza SUS marco teorico
Humaniza SUS marco teoricoHumaniza SUS marco teorico
Humaniza SUS marco teorico
feraps
 
Carta usuarios saude
Carta usuarios saudeCarta usuarios saude
Carta usuarios saude
feraps
 
Mapa - territorialização e Papel do TVS
Mapa - territorialização e Papel do TVSMapa - territorialização e Papel do TVS
Mapa - territorialização e Papel do TVS
feraps
 
Trabalho de campo
Trabalho de campoTrabalho de campo
Trabalho de campo
feraps
 
Território e o Processo Saúde - Doença
Território e o Processo Saúde - DoençaTerritório e o Processo Saúde - Doença
Território e o Processo Saúde - Doença
feraps
 
Participação e controle social
Participação e controle socialParticipação e controle social
Participação e controle social
feraps
 
Pacto pela saúde sus
Pacto pela saúde   susPacto pela saúde   sus
Pacto pela saúde sus
feraps
 
Sistema Único de Saúde
Sistema Único de SaúdeSistema Único de Saúde
Sistema Único de Saúde
feraps
 
Políticas públicas no brasil
Políticas públicas no brasilPolíticas públicas no brasil
Políticas públicas no brasil
feraps
 
Vigilância em saúde no Brasil ao longo do tempo
Vigilância em saúde no Brasil ao longo do tempoVigilância em saúde no Brasil ao longo do tempo
Vigilância em saúde no Brasil ao longo do tempo
feraps
 
Raiva e a Importância da Campanha da Vacinação
Raiva e a Importância da Campanha da VacinaçãoRaiva e a Importância da Campanha da Vacinação
Raiva e a Importância da Campanha da Vacinação
feraps
 
Identidade, diferença e desigualdades no brasil
Identidade, diferença e desigualdades no brasilIdentidade, diferença e desigualdades no brasil
Identidade, diferença e desigualdades no brasil
feraps
 
Formação do povo brasileiro
Formação do povo brasileiroFormação do povo brasileiro
Formação do povo brasileiro
feraps
 
Processo Saúde-Doença e Deterninantes Sociais de Saúde
Processo Saúde-Doença e Deterninantes Sociais de SaúdeProcesso Saúde-Doença e Deterninantes Sociais de Saúde
Processo Saúde-Doença e Deterninantes Sociais de Saúde
feraps
 
Teniase e cisticercose
Teniase e cisticercoseTeniase e cisticercose
Teniase e cisticercose
feraps
 
Tec vig saude saude doença
Tec vig saude saude doençaTec vig saude saude doença
Tec vig saude saude doença
feraps
 
Termo de consentimento livre e esclarecido tcle
Termo de consentimento livre e esclarecido tcleTermo de consentimento livre e esclarecido tcle
Termo de consentimento livre e esclarecido tcle
feraps
 

Mais de feraps (19)

Etiologia na visão da MTC
Etiologia na visão da MTCEtiologia na visão da MTC
Etiologia na visão da MTC
 
Corpo energético
Corpo energéticoCorpo energético
Corpo energético
 
Humaniza SUS marco teorico
Humaniza SUS marco teoricoHumaniza SUS marco teorico
Humaniza SUS marco teorico
 
Carta usuarios saude
Carta usuarios saudeCarta usuarios saude
Carta usuarios saude
 
Mapa - territorialização e Papel do TVS
Mapa - territorialização e Papel do TVSMapa - territorialização e Papel do TVS
Mapa - territorialização e Papel do TVS
 
Trabalho de campo
Trabalho de campoTrabalho de campo
Trabalho de campo
 
Território e o Processo Saúde - Doença
Território e o Processo Saúde - DoençaTerritório e o Processo Saúde - Doença
Território e o Processo Saúde - Doença
 
Participação e controle social
Participação e controle socialParticipação e controle social
Participação e controle social
 
Pacto pela saúde sus
Pacto pela saúde   susPacto pela saúde   sus
Pacto pela saúde sus
 
Sistema Único de Saúde
Sistema Único de SaúdeSistema Único de Saúde
Sistema Único de Saúde
 
Políticas públicas no brasil
Políticas públicas no brasilPolíticas públicas no brasil
Políticas públicas no brasil
 
Vigilância em saúde no Brasil ao longo do tempo
Vigilância em saúde no Brasil ao longo do tempoVigilância em saúde no Brasil ao longo do tempo
Vigilância em saúde no Brasil ao longo do tempo
 
Raiva e a Importância da Campanha da Vacinação
Raiva e a Importância da Campanha da VacinaçãoRaiva e a Importância da Campanha da Vacinação
Raiva e a Importância da Campanha da Vacinação
 
Identidade, diferença e desigualdades no brasil
Identidade, diferença e desigualdades no brasilIdentidade, diferença e desigualdades no brasil
Identidade, diferença e desigualdades no brasil
 
Formação do povo brasileiro
Formação do povo brasileiroFormação do povo brasileiro
Formação do povo brasileiro
 
Processo Saúde-Doença e Deterninantes Sociais de Saúde
Processo Saúde-Doença e Deterninantes Sociais de SaúdeProcesso Saúde-Doença e Deterninantes Sociais de Saúde
Processo Saúde-Doença e Deterninantes Sociais de Saúde
 
Teniase e cisticercose
Teniase e cisticercoseTeniase e cisticercose
Teniase e cisticercose
 
Tec vig saude saude doença
Tec vig saude saude doençaTec vig saude saude doença
Tec vig saude saude doença
 
Termo de consentimento livre e esclarecido tcle
Termo de consentimento livre e esclarecido tcleTermo de consentimento livre e esclarecido tcle
Termo de consentimento livre e esclarecido tcle
 

Último

A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
SupervisoEMAC
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
deboracorrea21
 
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdfAtividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
sesiomzezao
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdfPERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
EsterGabriiela1
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
shirleisousa9166
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Instituto Walter Alencar
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamasConhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
edusegtrab
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
 
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdfAtividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdfPERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamasConhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 

Rede de Atenção à Saúde

  • 1. Rede de Atenção à Saúde Prof. Fernando A Silva
  • 2. INTRODUÇÃO Redes de serviços de saúde “construções sociais, portanto, é interessante entender como isso ocorreu historicamente.”  Os desenhos de rede tecidos nos municípios brasileiros apresentam heranças históricas da política pública do nosso país, que na década de 70, desenvolveu um modelo centralizado e apoiado na divisão dos espaços que produzem cura e nos que fazem prevenção.  duas redes foram construídas e instaladas nos municípios: uma do Ministério da Previdência e outra do Ministéio da Saúde, sem que estes tivessem participação na gestão e organização delas, tornando o município apenas endereço das instituições de saúde (RIGHI, 2005, p. 75).
  • 3. Rede de Atenção Integral á Saúde Arranjos organizativos onde os serviços de saúde são vinculados entre si em prol de objetivos comuns e mútua cooperação. Buscam garantir a integralidade do cuidado com equidade, qualidade, de forma descentralizada e de forma humanizada.
  • 4. Rede de Atenção Integral á Saúde Porta de Entrada e Base para sua Organização ? UUBBSS E, todo o planejamento deve ter como fundamento a territorialização que permite a análise da situação do território segue as premissas do SUS da descentralização.
  • 5. Rede de Atenção Integral á Saúde Sua constituição: Deve levar em consideração instrumentos que potencializem, combine e explore os múltiplos saberes e práticas de cada um dos atores envolvidos Não há expropriação de saberes
  • 6.  A SITUAÇÃO DEMOGRÁFICA DO PAÍS;  A SITUAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA;  A SITUAÇÃO ECONÔMICA;  O MODELO DE ATENÇÃO À SAÚDE VOLTADO ÀS CONDIÇÕES AGUDAS. FONTE: MENDES (NO PRELO)
  • 7. DIFERENÇAS ENTRE AS CONDIÇÕES AGUDAS E AS CONDIÇÕES CRÔNICAS DE SAÚDE CONDIÇÕES AGUDAS •DURAÇÃO LIMITADA •MANIFESTAÇÃO ABRUPTA •AUTOLIMITADAS •DIAGNÓSTICO E PROGNÓSTICO USUALMENTE PRECISOS •INTERVENÇÃO USUALMENTE EFETIVA •RESULTADO: A CURA CONDIÇÕES CRÔNICAS DURAÇÃO LONGA MANIFESTAÇÃO GRADUAL NÃO AUTOLIMITADAS DIAGNÓSTICO E PROGNÓSTICO USUALMENTE INCERTOS INTERVENÇÃO USUALMENTE COM ALGUMA INCERTEZA RESULTADO: O CUIDADO FONTE: VON KORFF (1997); ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (2003)
  • 8.  FRAGMENTADO  COM CONCEPÇÃO HIERÁRQUICA  COM DESALINHAMENTO DOS INCENTIVOS ECONÔMICOS  INEFICIÊNTE POR DESECONOMIA DE ESCALA  COM BAIXA QUALIDADE DOS SERVIÇOS  O MODELO DE ATENÇÃO À SAÚDE VOLTADO ÀS CONDIÇÕES AGUDAS FONTE: MENDES (NO PRELO)
  • 9. PROBLEMAS DA FRAGMENTAÇÃO DO SISTEMA • PEQUENA DIVERSIDADE DOS PONTOS DE ATENÇÃO À SAÚDE • DESORGANIZAÇÃO POR MEIO DE UM CONJUNTO DE PONTOS DE ATENDIMENTO ISOLADOS • INCOMUNICAÇÃO DOS PONTOS DE ATENÇÃO À SAÚDE: A CARÊNCIA DE SISTEMAS LOGÍSTICOS • SEM PRESTAÇÃO DE ATENÇÃO CONTÍNUA A POPULAÇÃO • PRECARIEDADE DA FUNÇÃO DE COORDENAÇÃO DA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE • A FRAGILIDADE DOS MECANISMOS DE GOVERNANÇA DE REDES DE ATENÇÃO À SAÚDE • HIERARQUIZAÇÃO COM RELAÇÃO DE ORDEM DE IMPORTÂNCIA
  • 10. A FRAGMENTAÇÃO NO SUS FONTE: MENDES (2002)
  • 11. Alta Compl. Média Complexidade Atenção Básica FONTE: MENDES (2002)
  • 12. PROBLEMAS DA HIERARQUIZAÇÃO Estabelece erroneamente que a Atenção Primária à Saúde é menos importante e complexa do que a Secundária e Terciária; Leva a desvalorização das ações da At. Primária à Saúde; Leva a diferente distribuição de incentivos.
  • 13. Construção de redes: da hierarquia à conectividade HOSPITAL HOSPITAL/DIA CENTRO DE ENFERMAGEM ATENÇÃO DOMICILIAR AMBULATÓRIO ESPECIALIZADO UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE UNIDADE DE GESTÃO FONTE: MENDES (NO PRELO) SADT SAF
  • 14. É A ORGANIZAÇÃO HORIZONTAL DE SERVIÇOS DE SAÚDE, COM O CENTRO DE COMUNICAÇÃO NA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE, QUE PERMITE PRESTAR UMA ASSISTÊNCIA CONTÍNUA A DETERMINADA POPULAÇÃO - NO TEMPO CERTO, NO LUGAR CERTO, COM O CUSTO CERTO E COM A QUALIDADE CERTA - E QUE SE RESPONSABILIZA PELOS RESULTADOS SANITÁRIOS E ECONÔMICOS RELATIVOS A ESSA POPULAÇÃO FONTE: MENDES (NO PRELO)
  • 15. Deste modo: É de suma importância a articulação e integração com a Vigilância em Saúde pois: •O processo de trabalho tem que ser condizente com o local; •O local, a comunidade, é o espaço da construção da intersetorialidade e do planejamento para as ações que visem a qualidade de vida; •Base da UBS onde temos ACS, ESF e NASF tornando possível a construção de um Projeto Terapêutico Singular e as Linhas de Cuidado.
  • 16. Silva, Magalhães Junior, 2008, p. 81, diz: “malha que interconecta e integra os estabelecimentos e serviços de saúde de determinado território, organizando-os sistemicamente para que os diferentes níveis e densidades tecnológicas de atenção estejam articulados e adequados para o atendimento ao usuário e para a promoção da saúde”. Assim: a Atenção Básica deve ser a área estruturante do sistema de saúde local, sendo a porta de entrada da população ao sistema.
  • 17.  Tecnologias leve/das relações: autonomização,vínculo, acolhimento, gestão como forma de governar processos de trabalho;  Tecnologia leve-dura: saberes estruturados: clínica médica, psicanalítica, epidemiologia;  Tecnologias duras: equipamentos, máquinas, normas, estruturas organizacionais. (Merhy, 1997)
  • 18.  a definição do espaço territorial e da população de abrangência;  a identificação das ações e serviços de diversas características e diferentes densidades tecnológicas integrados e articulados;  fluxo que oriente os usuários a caminharem na rede, com ferramentas que possibilite identificar o usuário e prontuário que seja possível acessar em qualquer ponto do sistema;  sistemas de regulação com normas e protocolos que orientem o acesso, definam competências, responsabilidades e coordenação dos processos de decisão, segundo os mesmos autores.  (SILVA, MAGALHÃES JUNIOR, 2008)
  • 19.  pelo aumento das doenças crônicas;  Envelhecimento da população;  pela possibilidade da integralidade e vínculo;  pelos gastos crescentes com o adoecimento. (SILVA, MAGALHÃES JUNIOR, 2008)
  • 20. Macroestrutura: territorialização inadequada; Barreiras na organização dos serviços básicos; Falha na educação permanente.
  • 21. Aspectos relacionais: comunicação; comunicação; questões éticas e morais; questões éticas e morais; características pessoais e profissionais; características pessoais e profissionais; falha na linha de cuidado; processo de trabalho; atendimento fragmentado; decisão pessoal dos gestores; relacionamento interpessoal. falha na linha de cuidado; processo de trabalho; atendimento fragmentado; decisão pessoal dos gestores; relacionamento interpessoal.