SlideShare uma empresa Scribd logo
DOENÇAS DE
NOTIFICAÇÃO
COMPULSÓRIA.
Doenças de notificação compulsória



Notificação compulsória:
É um registro que obriga e universaliza as
notificações, visando o rápido controle de eventos
que requerem pronta intervenção. Para a
construir o Sistema de Doenças de Notificação
Compulsória (SDNC), cria-se uma Lista de
Doenças de Notificação Compulsória (LDNC),
cujas doenças são selecionadas através de
determinados critérios como: magnitude,
potencial de disseminação, transcendência,
vulnerabilidade, disponibilidade de medidas
de controle, compromisso internacional com
programas de erradicação, etc.
Doenças de notificação compulsória
Obs.
Devido as alterações no perfil epidemiológico, a
implementação de outras técnicas para o
monitoramento de doenças, o conhecimento de
novas doenças ou a re-emergência de outras, tem a
necessidade de constantes revisões periódicas na
LDNC no sentido de mantê-la atualizada.
Lista Nacional das Doenças de Notificação
Compulsória foi ampliada – Violência Doméstica e
Transtornos Mentais Relacionados ao Trabalho
foram incluídos.

Doenças de notificação compulsória
Vigilância Epidemiológica:
A vigilância epidemiológica tema finalidade de
conhecer a ocorrência de doenças e outros
agravos considerados prioritários, seus fatores de
risco e suas tendências, além de planejar, executar
e avaliar medidas de prevenção e de controle.
 Vigilância Epidemiológica Atribuições das
esferas de governo:
 Esfera Federal-Ministério da Saúde
 Esfera Estadual
 Esfera municipal Doenças de Notificação

Doenças de notificação compulsória
Lista de Notificação Compulsória – LNC


1. Acidentes por
animais peçonhentos;
2. Atendimento
antirrábico;
3. Botulismo;
4. Carbúnculo ou
Antraz;(peste da
Manqueira)
5. Cólera;
6. Coqueluche;
7. Dengue;
8. Difteria;
9. Doença de
Creutzfeldt-Jakob;



10. Doença
Meningocócica e
outras Meningites;
11. Doenças de
Chagas Aguda;
12. Esquistossomose;
13. Eventos Adversos
Pós-Vacinação;
14. Febre Amarela;
15. Febre do Nilo
Ocidental;
16. Febre Maculosa;
17. Febre Tifóide;
Doenças de notificação compulsória
Lista de Notificação Compulsória – LNC
18. Hanseníase;
19. Hantavirose;
20. Hepatites Virais;
21. Infecção pelo vírus
da imunodeficiência
humana -HIV em
gestantes e crianças
expostas ao risco de
transmissão vertical;
22. Influenza humana
por novo subtipo;
23. Intoxicações
Exógenas (por
substâncias químicas,
incluindo agrotóxicos,
gases tóxicos e metais
pesados);

24. Leishmaniose
Tegumentar Americana;
25. Leishmaniose
Visceral;
26. Leptospirose;
27. Malária;
28. Paralisia Flácida
Aguda;
29. Peste;
30. Poliomielite;
31. Raiva Humana;
32. Rubéola;
33. Sarampo;
34. Sífilis Adquirida;
Doenças de notificação compulsória
Lista de Notificação Compulsória – LNC


35. Sífilis Congênita;
36. Sífilis em
Gestante;
37. Síndrome da
Imunodeficiência
Adquirida – AIDS;
38. Síndrome da
Rubéola Congênita;
39. Síndrome do
Corrimento Uretral
Masculino;
40. Síndrome
Respiratória Aguda
Grave associada ao
Coronavírus (SARSCoV);



41. Tétano;
42. Tuberculose;
43. Tularemia;
44. Varíola; e
45. Violência
doméstica, sexual e/ou
outras violências.
Doenças de notificação compulsória
Lista de Notificação Compulsória Imediata – LNCI

Subtopicos:
I – Caso suspeito ou confirmado;
II – Surto ou agregação de casos ou óbitos;
III – Doença, morte ou evidência de animais
com agente etiológico que podem acarretar a
ocorrência de doenças em humanos, destaca-se
entre outras classes de animais.

Doenças de notificação compulsória
Lista de Notificação Compulsória Imediata – LNCI




I – Caso suspeito ou confirmado de:
1. Botulismo;
2. Carbúnculo ou Antraz;
3. Cólera;
4. Dengue nas seguintes situações:
- Dengue com complicações (DCC),
- Síndrome do Choque da Dengue (SCD),
- Febre Hemorrágica da Dengue (FHD),
- Óbito por Dengue
- Dengue pelo sorotipo DENV 4 nos estados
sem transmissão endêmica desse sorotipo;
5. Doença de Chagas Aguda;
Doenças de notificação compulsória
Lista de Notificação Compulsória Imediata – LNCI


6. Doença conhecida sem circulação ou com circulação esporádica
no território nacional que não constam no Anexo I desta Portaria, 7.
Febre Amarela;
8. Febre do Nilo Ocidental;
9. Hantavirose;
10. Influenza humana por novo subtipo;
11. Peste;
12. Poliomielite;
13. Raiva Humana;
14. Sarampo;
15. Rubéola;
16. Síndrome Respiratória Aguda Grave associada ao Coronavírus
(SARS-CoV);
17. Varíola;
18. Tularemia; e
19. Síndrome de Rubéola Congênita (SRC).
Doenças de notificação compulsória
Lista de Notificação Compulsória Imediata – LNCI


II – Surto ou agregação de casos ou óbitos por:
1. Difteria;
2. Doença Meningocócica;
3. Doença Transmitida por Alimentos (DTA) em
embarcações ou aeronaves;
4. Influenza Humana;
5. Meningites Virais;
6. Outros eventos de potencial relevância em saúde
pública, após a avaliação de risco de acordo com o
Anexo II do RSI 2005, destacando-se:
a. Alteração no padrão epidemiológico de doença
conhecida, independente de constar no Anexo I desta
Portaria;
Doenças de notificação compulsória
Lista de Notificação Compulsória Imediata – LNCI


b. Doença de origem desconhecida;
c. Exposição a contaminantes químicos;
d. Exposição à água para consumo humano fora dos padrões
preconizados pela SVS;
e. Exposição ao ar contaminado, fora dos padrões
preconizados pela Resolução do CONAMA;
f. Acidentes envolvendo radiações ionizantes e não ionizantes
por fontes não controladas, por fontes utilizadas nas atividades
industriais ou médicas e acidentes de transporte com produtos
radioativos da classe 7 da ONU.
g. Desastres de origem natural ou antropogênica quando
houver desalojados ou desabrigados;
h. Desastres de origem natural ou antropogênica quando
houver comprometimento da capacidade de funcionamento e
infraestrutura das unidades de saude.
Doenças de notificação compulsória
Lista de Notificação Compulsória Imediata – LNCI


III – Doença, morte ou evidência de animais com
agente etiológico que podem acarretar a ocorrência
de doenças em humanos, destaca-se entre outras
classes de animais:
1. Primatas não humanos
2. Eqüinos
3. Aves
4. Morcegos
Raiva: Morcego morto sem causa definida ou
encontrado em situação não usual, tais como: vôos
diurnos, atividade alimentar diurna, incoordenação de
movimentos, agressividade, contrações musculares,
paralisias, encontrado durante o dia no chão ou em
paredes.
Doenças de notificação compulsória
Lista de Notificação Compulsória Imediata – LNCI


5. Canídeos
Raiva: canídeos domésticos ou silvestres que
apresentaram doença com sintomatologia neurológica e
evoluíram para morte num período de até 10 dias ou
confirmado laboratorialmente para raiva. Leishmaniose
visceral: primeiro registro de canídeo doméstico em
área indene, confirmado por meio da identificação
laboratorial da espécie Leishmania chagasi.
6. Roedores silvestres
Peste: Roedores silvestres mortos em áreas de focos
naturais de peste.
Doenças de notificação compulsória
Lista de Notificação Compulsória em Unidades Sentinelas LNCS


1. Acidente com exposição a material biológico
relacionado ao trabalho;
2. Acidente de trabalho com mutilações;
3. Acidente de trabalho em crianças e adolescentes;
4. Acidente de trabalho fatal;
5. Câncer Relacionado ao Trabalho;
6. Dermatoses ocupacionais;
7. Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao
Trabalho (DORT)
8. Influenza humana;
Doenças de notificação compulsória
Lista de Notificação Compulsória em Unidades Sentinelas LNCS


9. Perda Auditiva Induzida por Ruído – PAIR
relacionada ao trabalho;
10. Pneumoconioses relacionadas ao trabalho;
11. Pneumonias;
12. Rotavírus;
13. oxoplasmose adquirida na gestação e congênita; e
14. Transtornos Mentais Relacionados ao Trabalho.
Doenças de notificação compulsória
Lista de Notificação Compulsória em Unidades Sentinelas LNCS

Rede Sentinela
É composta por unidades de saúde (chamadas
de unidades sentinela) que identificam,
investigam e notificam, quando confirmados, os
casos de doenças, agravos e/ou acidentes
relacionados ao trabalho . Criado pelo Ministro
da Saúde, no art. 2º da Portaria GM/777, de
2004, criou a Rede Sentinela de Notificação
Compulsória de Acidentes e Doenças
Relacionados ao Trabalho.

Doenças de notificação compulsória
Lista de Notificação Compulsória em Unidades Sentinelas LNCS



O que é unidade sentinela?
As unidades sentinelas (notificadoras) são
aquelas unidades de saúde que realizam a
notificação no Sistema de Informação de
Notificação de Agravos (SINAN). O SINAN é
alimentado, principalmente, pela notificação e
investigação de casos de doenças e agravos que
constam da lista nacional de doenças de
notificação compulsória (Portaria GM/MS Nº 2325
de 08 de dezembro de 2003), mas é facultado a
estados e municípios incluir outros problemas de
saúde importantes em sua região.
Doenças de notificação compulsória
Lista de Notificação Compulsória em Unidades Sentinelas LNCS


Para que servem a notificação?



Sua utilização efetiva permite a realização do diagnóstico
dinâmico da ocorrência de um evento na população; podendo
fornecer subsídios para explicações causais dos agravos de
notificação compulsória, além de vir a indicar riscos aos quais
as pessoas estão sujeitas, contribuindo assim, para a
identificação da realidade epidemiológica de determinada
área geográfica.
O seu uso sistemático, de forma descentralizada, contribui
para a democratização da informação, permitindo que todos
os profissionais de saúde tenham acesso à informação e as
tornem disponíveis para a comunidade.


Doenças de notificação compulsória
Lista de Notificação Compulsória em Unidades Sentinelas LNCS


Como funciona esse Sistema?



O SINAN pode ser operacionalizado no nível
administrativo periférico, ou seja, nas unidades de saúde,
seguindo a orientação de descentralização do SUS.
A Ficha Individual de Notificação (FIN) deve ser
preenchida pelas unidades assistenciais para cada
paciente quando da suspeita da ocorrência de problema
de saúde de notificação compulsória ou de interesse
nacional, estadual ou municipal.
Este instrumento deve ser encaminhado aos serviços
responsáveis pela informação e/ou vigilância
epidemiológica das Secretarias Municipais, que precisam
repassar semanalmente os arquivos para as Secretarias
Estaduais de Saúde (SES).




Doenças de notificação compulsória
Lista de Notificação Compulsória em Unidades Sentinelas LNCS





Como funciona esse Sistema?
Caso não ocorra nenhuma suspeita de doença, as
unidades precisam preencher o formulário de
notificação negativa, que tem os mesmos prazos de
entrega. Esta é uma estratégia criada para
demonstrar que os profissionais e o sistema de
vigilância da área estão alerta para a ocorrência de
tais eventos e evitar a subnotificação.
Se os municípios não alimentarem o banco de dados
do Sinan, por dois meses consecutivos, são
suspensos os recursos do Piso de Assistência Básica
(PAB), conforme Portaria N.º 1882/GM de 16/12/1997.
Doenças de notificação compulsória
Lista de Notificação Compulsória em Unidades Sentinelas LNCS





Por que a notificação é “compulsória”?
A notificação é um instrumento indispensável
para o planejamento da saúde, definir
prioridades de intervenção, além de permitir
que seja avaliado o impacto das intervenções.
Deixar de notificar pode gerar a perpetuação
de situações graves (acidentes e doenças
decorrentes do trabalho).
Está prevista no Código Penal Brasileiro:
Decreto-Lei nº 2.848, de 7/12/40.
Doenças de notificação compulsória




O Ministério da Saúde ampliou a Lista de
Doenças de Notificação Compulsória incluindo
mais seis doenças, agravos e eventos de
importância para a saúde pública entre as que
devem ser notificadas quando houver suspeita e
confirmação.
De acordo com a Portaria 2472, publicada em
primeiro de novembro de 2010 no Diário Oficial
da União, a lista inclui acidentes com animais
peçonhentos, atendimento antirrábico decorrente
de ataques de cães, gatos e morcegos. A referida
portaria de janeiro de 2011 também proporciona a
definição de termos estabelecidos pelo RSI em
relação às doenças, agravos e eventos graves
em saúde pública.
Doenças de notificação compulsória


A portaria define: Evento em saúde,
Emergência de Saúde Pública de Importância
Nacional (ESPIN) e Emergência de Saúde
Pública de Importância Internacional (ESPII).
Além disso, a 2472 estabelece fluxos, critérios
para as notificações, responsabilidades e
atribuições dos profissionais e serviços de
saúde.
Doenças de notificação compulsória


As doenças listadas abaixo foram definidas como
de notificação obrigatória à Secretaria de
Vigilância em Saúde através do Sinan que é
alimentado, principalmente, pela notificação e
investigação de casos de doenças e agravos que
constam da lista nacional de doenças de
notificação compulsória (Portaria GM/MS Nº 104,
DE 25 DE JANEIRO DE 2011), mas é facultado a
estados e municípios incluir outros problemas de
saúde importantes em sua região, como varicela
no estado de Minas Gerais ou difilobotríase no
município de São Paulo.
Doenças de notificação compulsória


Funcionamento – O Sinan pode ser
operacionalizado no nível administrativo mais
periférico, ou seja, nas unidades de saúde,
seguindo a orientação de descentralização do
SUS. A maioria das notificações é digitada nas
Secretarias municipais de saúde. Se o
município não dispõe de computadores, os
dados são incluídos no sistema nas regionais
de Saúde.
Doenças de notificação compulsória
DOENÇAS EMERGENTES:
São doenças novas, desconhecidas da população. São
causadas por vírus ou bactéria nunca antes descritos ou
por mutação de um vírus já existente. Também é
possível que sejam causadas por um agente que só
atingia animais, e que agora afeta também seres
humanos. Dentro desse conceito, a Aids aparece como
a mais importante doença emergente. Até o início da
década de 80, era completamente desconhecida no
mundo . DOENÇAS REEMERGENTES doença
conhecida cuja incidência esteja aumentando em um
dado lugar ou entre uma população específica. É
preciso levar em consideração fatores específicos de
cada doença e o local onde ela aparece.

Reflexão

Paciência e
perseverança
tem o efeito
mágico de fazer
as dificuldades
desaparecerem
e os obstáculos
sumirem...

Se o plano
"A" não
deu certo,
não se
preocupe.
O alfabeto
tem mais 25
letras para
você tentar.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Urgência e emergência
Urgência e emergênciaUrgência e emergência
Urgência e emergência
Alexandre Donha
 
PAISM - PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER
PAISM - PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER PAISM - PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER
PAISM - PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER
Karen Lira
 
Aula Programa Nacional de Imunizacao
Aula Programa Nacional de ImunizacaoAula Programa Nacional de Imunizacao
Aula Programa Nacional de Imunizacao
Erivaldo Rosendo
 
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher (PNAISM)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher (PNAISM)Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher (PNAISM)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher (PNAISM)
Sanny Pereira
 
SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptx
SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptxSAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptx
SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptx
WellingtonTeixeira24
 
Lei 8080.90
Lei 8080.90Lei 8080.90
Lei 8080.90
Flávio Rocha
 
Aula 3 - SUS
Aula 3 - SUSAula 3 - SUS
Aula 3 - SUS
Ghiordanno Bruno
 
Vigilância em saúde
Vigilância em saúdeVigilância em saúde
Vigilância em saúde
Anderson da Silva
 
Aula 1 saúde coletiva i slides aula - cópia
Aula 1 saúde coletiva i   slides aula - cópiaAula 1 saúde coletiva i   slides aula - cópia
Aula 1 saúde coletiva i slides aula - cópia
Karla Toledo
 
Apresentação atenção básica esf
Apresentação atenção básica   esfApresentação atenção básica   esf
Apresentação atenção básica esf
jorge luiz dos santos de souza
 
Anotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagemAnotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagem
Ivanete Dias
 
Saúde Coletiva - 1. introdução e conceitos fundamentais
Saúde Coletiva - 1. introdução e conceitos fundamentaisSaúde Coletiva - 1. introdução e conceitos fundamentais
Saúde Coletiva - 1. introdução e conceitos fundamentais
Mario Gandra
 
Aula saude do idoso
Aula saude do idosoAula saude do idoso
Aula saude do idoso
morgausesp
 
Aula promoao a saude
Aula promoao a saudeAula promoao a saude
Aula promoao a saude
davinci ras
 
Aula biossegurança
Aula biossegurançaAula biossegurança
Aula biossegurança
Renatbar
 
Aula 1 politicas de saude no brasil
Aula 1   politicas de saude no brasilAula 1   politicas de saude no brasil
Aula 1 politicas de saude no brasil
kellyschorro18
 
Aula 01 - Sistemas de informação em saúde para gestão do SUS
Aula 01 - Sistemas de informação em saúde para gestão do SUSAula 01 - Sistemas de informação em saúde para gestão do SUS
Aula 01 - Sistemas de informação em saúde para gestão do SUS
Ghiordanno Bruno
 
vigilância epidemiológica
vigilância epidemiológica vigilância epidemiológica
vigilância epidemiológica
Gladyanny Veras
 
1ª aula introducao de-enfermagem
1ª aula introducao de-enfermagem1ª aula introducao de-enfermagem
1ª aula introducao de-enfermagem
Elter Alves
 

Mais procurados (20)

Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)
 
Urgência e emergência
Urgência e emergênciaUrgência e emergência
Urgência e emergência
 
PAISM - PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER
PAISM - PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER PAISM - PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER
PAISM - PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER
 
Aula Programa Nacional de Imunizacao
Aula Programa Nacional de ImunizacaoAula Programa Nacional de Imunizacao
Aula Programa Nacional de Imunizacao
 
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher (PNAISM)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher (PNAISM)Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher (PNAISM)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher (PNAISM)
 
SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptx
SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptxSAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptx
SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptx
 
Lei 8080.90
Lei 8080.90Lei 8080.90
Lei 8080.90
 
Aula 3 - SUS
Aula 3 - SUSAula 3 - SUS
Aula 3 - SUS
 
Vigilância em saúde
Vigilância em saúdeVigilância em saúde
Vigilância em saúde
 
Aula 1 saúde coletiva i slides aula - cópia
Aula 1 saúde coletiva i   slides aula - cópiaAula 1 saúde coletiva i   slides aula - cópia
Aula 1 saúde coletiva i slides aula - cópia
 
Apresentação atenção básica esf
Apresentação atenção básica   esfApresentação atenção básica   esf
Apresentação atenção básica esf
 
Anotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagemAnotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagem
 
Saúde Coletiva - 1. introdução e conceitos fundamentais
Saúde Coletiva - 1. introdução e conceitos fundamentaisSaúde Coletiva - 1. introdução e conceitos fundamentais
Saúde Coletiva - 1. introdução e conceitos fundamentais
 
Aula saude do idoso
Aula saude do idosoAula saude do idoso
Aula saude do idoso
 
Aula promoao a saude
Aula promoao a saudeAula promoao a saude
Aula promoao a saude
 
Aula biossegurança
Aula biossegurançaAula biossegurança
Aula biossegurança
 
Aula 1 politicas de saude no brasil
Aula 1   politicas de saude no brasilAula 1   politicas de saude no brasil
Aula 1 politicas de saude no brasil
 
Aula 01 - Sistemas de informação em saúde para gestão do SUS
Aula 01 - Sistemas de informação em saúde para gestão do SUSAula 01 - Sistemas de informação em saúde para gestão do SUS
Aula 01 - Sistemas de informação em saúde para gestão do SUS
 
vigilância epidemiológica
vigilância epidemiológica vigilância epidemiológica
vigilância epidemiológica
 
1ª aula introducao de-enfermagem
1ª aula introducao de-enfermagem1ª aula introducao de-enfermagem
1ª aula introducao de-enfermagem
 

Destaque

10 doenças de notificação compulsória
10  doenças de notificação compulsória10  doenças de notificação compulsória
10 doenças de notificação compulsória
danilo oliveira
 
Slide Vigilância Epidemiológica
Slide Vigilância EpidemiológicaSlide Vigilância Epidemiológica
Slide Vigilância Epidemiológica
Ilca Rocha
 
Webinar proqualis setembro Detecção precoce e manejo clínico da Sepse
Webinar proqualis setembro Detecção precoce e manejo clínico da SepseWebinar proqualis setembro Detecção precoce e manejo clínico da Sepse
Webinar proqualis setembro Detecção precoce e manejo clínico da Sepse
Proqualis
 
Prevenção e controle de infecções- Tópico 9_Guia curricular da OMS
Prevenção e controle de infecções- Tópico 9_Guia curricular da OMSPrevenção e controle de infecções- Tópico 9_Guia curricular da OMS
Prevenção e controle de infecções- Tópico 9_Guia curricular da OMS
Proqualis
 
Envolver pacientes e cuidadores- Tópico 8_Guia curricular da OMS
Envolver pacientes e cuidadores- Tópico 8_Guia curricular da OMSEnvolver pacientes e cuidadores- Tópico 8_Guia curricular da OMS
Envolver pacientes e cuidadores- Tópico 8_Guia curricular da OMS
Proqualis
 
Implementação do Check List de Cirurgia Segura Hospital Alemão Oswaldo Cruz
Implementação do Check List de Cirurgia Segura Hospital Alemão Oswaldo CruzImplementação do Check List de Cirurgia Segura Hospital Alemão Oswaldo Cruz
Implementação do Check List de Cirurgia Segura Hospital Alemão Oswaldo Cruz
Proqualis
 
Medicação sem danos: o terceiro desafio global da OMS
Medicação sem danos: o terceiro desafio global da OMSMedicação sem danos: o terceiro desafio global da OMS
Medicação sem danos: o terceiro desafio global da OMS
Proqualis
 
Apresentação webinar Proqualis Higienização das mãos e prevenção de IRAS
Apresentação webinar Proqualis Higienização das mãos e prevenção de IRASApresentação webinar Proqualis Higienização das mãos e prevenção de IRAS
Apresentação webinar Proqualis Higienização das mãos e prevenção de IRAS
Proqualis
 
Segurança do doente e saúde e segurança do profissional de saúde
Segurança do doente e saúde e segurança do profissional de saúdeSegurança do doente e saúde e segurança do profissional de saúde
Segurança do doente e saúde e segurança do profissional de saúde
Proqualis
 
Prevenção de lesões por pressão
Prevenção de lesões por pressãoPrevenção de lesões por pressão
Prevenção de lesões por pressão
Proqualis
 
Aula Vigilância Epidemiológica
Aula Vigilância EpidemiológicaAula Vigilância Epidemiológica
Aula Vigilância Epidemiológica
Igor Alves
 
Aula prevenção de lesão por pressão (LP)
Aula prevenção de lesão por pressão (LP)Aula prevenção de lesão por pressão (LP)
Aula prevenção de lesão por pressão (LP)
Proqualis
 

Destaque (12)

10 doenças de notificação compulsória
10  doenças de notificação compulsória10  doenças de notificação compulsória
10 doenças de notificação compulsória
 
Slide Vigilância Epidemiológica
Slide Vigilância EpidemiológicaSlide Vigilância Epidemiológica
Slide Vigilância Epidemiológica
 
Webinar proqualis setembro Detecção precoce e manejo clínico da Sepse
Webinar proqualis setembro Detecção precoce e manejo clínico da SepseWebinar proqualis setembro Detecção precoce e manejo clínico da Sepse
Webinar proqualis setembro Detecção precoce e manejo clínico da Sepse
 
Prevenção e controle de infecções- Tópico 9_Guia curricular da OMS
Prevenção e controle de infecções- Tópico 9_Guia curricular da OMSPrevenção e controle de infecções- Tópico 9_Guia curricular da OMS
Prevenção e controle de infecções- Tópico 9_Guia curricular da OMS
 
Envolver pacientes e cuidadores- Tópico 8_Guia curricular da OMS
Envolver pacientes e cuidadores- Tópico 8_Guia curricular da OMSEnvolver pacientes e cuidadores- Tópico 8_Guia curricular da OMS
Envolver pacientes e cuidadores- Tópico 8_Guia curricular da OMS
 
Implementação do Check List de Cirurgia Segura Hospital Alemão Oswaldo Cruz
Implementação do Check List de Cirurgia Segura Hospital Alemão Oswaldo CruzImplementação do Check List de Cirurgia Segura Hospital Alemão Oswaldo Cruz
Implementação do Check List de Cirurgia Segura Hospital Alemão Oswaldo Cruz
 
Medicação sem danos: o terceiro desafio global da OMS
Medicação sem danos: o terceiro desafio global da OMSMedicação sem danos: o terceiro desafio global da OMS
Medicação sem danos: o terceiro desafio global da OMS
 
Apresentação webinar Proqualis Higienização das mãos e prevenção de IRAS
Apresentação webinar Proqualis Higienização das mãos e prevenção de IRASApresentação webinar Proqualis Higienização das mãos e prevenção de IRAS
Apresentação webinar Proqualis Higienização das mãos e prevenção de IRAS
 
Segurança do doente e saúde e segurança do profissional de saúde
Segurança do doente e saúde e segurança do profissional de saúdeSegurança do doente e saúde e segurança do profissional de saúde
Segurança do doente e saúde e segurança do profissional de saúde
 
Prevenção de lesões por pressão
Prevenção de lesões por pressãoPrevenção de lesões por pressão
Prevenção de lesões por pressão
 
Aula Vigilância Epidemiológica
Aula Vigilância EpidemiológicaAula Vigilância Epidemiológica
Aula Vigilância Epidemiológica
 
Aula prevenção de lesão por pressão (LP)
Aula prevenção de lesão por pressão (LP)Aula prevenção de lesão por pressão (LP)
Aula prevenção de lesão por pressão (LP)
 

Semelhante a DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIA

DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS - slide.pptx
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS - slide.pptxDOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS - slide.pptx
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS - slide.pptx
DiegoFernandes857616
 
Vigilância epidemiológico aluno
Vigilância epidemiológico alunoVigilância epidemiológico aluno
Vigilância epidemiológico aluno
Inapex
 
Vigilância em Saúde.pdf
Vigilância em Saúde.pdfVigilância em Saúde.pdf
Vigilância em Saúde.pdf
MichelMarcossiCintra
 
DOENÇAS NOTIFICAÇÃO EPIDEMIOLOGIA SAUDEPUBLICA.pptx
DOENÇAS NOTIFICAÇÃO EPIDEMIOLOGIA SAUDEPUBLICA.pptxDOENÇAS NOTIFICAÇÃO EPIDEMIOLOGIA SAUDEPUBLICA.pptx
DOENÇAS NOTIFICAÇÃO EPIDEMIOLOGIA SAUDEPUBLICA.pptx
MarianaSavyasp
 
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÃO COMPULSÓRIAEPIEDMIOLOGIA SUS.pdf
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÃO COMPULSÓRIAEPIEDMIOLOGIA SUS.pdfDOENÇAS DE NOTIFICAÇÃO COMPULSÓRIAEPIEDMIOLOGIA SUS.pdf
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÃO COMPULSÓRIAEPIEDMIOLOGIA SUS.pdf
MarianaSavyasp
 
Portaria nº 5 de 21 de fevereiro de 2006 ok
Portaria nº 5 de 21 de fevereiro de 2006 okPortaria nº 5 de 21 de fevereiro de 2006 ok
Portaria nº 5 de 21 de fevereiro de 2006 ok
Madona Lopes
 
Vigilancia Epidemiologica - parte02
Vigilancia Epidemiologica - parte02Vigilancia Epidemiologica - parte02
Vigilancia Epidemiologica - parte02
Instituto Consciência GO
 
PROTOCOLO PARA VIGILÂNCIA E ASSISTÊNCIA DE CASOS SUSPEITOS OU CONFIRMADOS DE ...
PROTOCOLO PARA VIGILÂNCIA E ASSISTÊNCIA DE CASOS SUSPEITOS OU CONFIRMADOS DE ...PROTOCOLO PARA VIGILÂNCIA E ASSISTÊNCIA DE CASOS SUSPEITOS OU CONFIRMADOS DE ...
PROTOCOLO PARA VIGILÂNCIA E ASSISTÊNCIA DE CASOS SUSPEITOS OU CONFIRMADOS DE ...
Centro Universitário Ages
 
Apresentação psf dt(07.12.07)
Apresentação psf dt(07.12.07)Apresentação psf dt(07.12.07)
Apresentação psf dt(07.12.07)
Luis Carlos Silva
 
Emergencias saude - RSI - Plano de resposta
Emergencias saude - RSI - Plano de respostaEmergencias saude - RSI - Plano de resposta
Emergencias saude - RSI - Plano de resposta
gsdimech
 
Vigilância Epidemiológica
Vigilância EpidemiológicaVigilância Epidemiológica
Vigilância Epidemiológica
Frankly Eudes
 
Aula Vig Epidemiologica Res Med
Aula Vig Epidemiologica Res MedAula Vig Epidemiologica Res Med
Aula Vig Epidemiologica Res Med
Sandra Flôr
 
Saúde Pública
Saúde PúblicaSaúde Pública
Saúde Pública
Denise Selegato
 
PLANO-COVID-epidemilogia.coleta.transporte.pptx
PLANO-COVID-epidemilogia.coleta.transporte.pptxPLANO-COVID-epidemilogia.coleta.transporte.pptx
PLANO-COVID-epidemilogia.coleta.transporte.pptx
ssuser6ab917
 
Vigilancia
VigilanciaVigilancia
Vigilancia
Rodrigo Bruno
 
Vigilância epidemiológica
Vigilância epidemiológicaVigilância epidemiológica
Vigilância epidemiológica
jurunet
 
Risco Ocupacional Elcio 2008
Risco Ocupacional Elcio 2008Risco Ocupacional Elcio 2008
Risco Ocupacional Elcio 2008
galegoo
 
Aids.2
Aids.2Aids.2
Campus Party Portugal 2020 - Vigilância em Saúde
Campus Party Portugal 2020 - Vigilância em SaúdeCampus Party Portugal 2020 - Vigilância em Saúde
Campus Party Portugal 2020 - Vigilância em Saúde
Hospital das Forças Armadas/Ministério da Defesa
 
NOTIFICAÇÃO DE DOENÇAS INFECTOCONTAGIOSAS
NOTIFICAÇÃO DE DOENÇAS INFECTOCONTAGIOSASNOTIFICAÇÃO DE DOENÇAS INFECTOCONTAGIOSAS
NOTIFICAÇÃO DE DOENÇAS INFECTOCONTAGIOSAS
RegisKennedy
 

Semelhante a DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIA (20)

DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS - slide.pptx
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS - slide.pptxDOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS - slide.pptx
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS - slide.pptx
 
Vigilância epidemiológico aluno
Vigilância epidemiológico alunoVigilância epidemiológico aluno
Vigilância epidemiológico aluno
 
Vigilância em Saúde.pdf
Vigilância em Saúde.pdfVigilância em Saúde.pdf
Vigilância em Saúde.pdf
 
DOENÇAS NOTIFICAÇÃO EPIDEMIOLOGIA SAUDEPUBLICA.pptx
DOENÇAS NOTIFICAÇÃO EPIDEMIOLOGIA SAUDEPUBLICA.pptxDOENÇAS NOTIFICAÇÃO EPIDEMIOLOGIA SAUDEPUBLICA.pptx
DOENÇAS NOTIFICAÇÃO EPIDEMIOLOGIA SAUDEPUBLICA.pptx
 
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÃO COMPULSÓRIAEPIEDMIOLOGIA SUS.pdf
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÃO COMPULSÓRIAEPIEDMIOLOGIA SUS.pdfDOENÇAS DE NOTIFICAÇÃO COMPULSÓRIAEPIEDMIOLOGIA SUS.pdf
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÃO COMPULSÓRIAEPIEDMIOLOGIA SUS.pdf
 
Portaria nº 5 de 21 de fevereiro de 2006 ok
Portaria nº 5 de 21 de fevereiro de 2006 okPortaria nº 5 de 21 de fevereiro de 2006 ok
Portaria nº 5 de 21 de fevereiro de 2006 ok
 
Vigilancia Epidemiologica - parte02
Vigilancia Epidemiologica - parte02Vigilancia Epidemiologica - parte02
Vigilancia Epidemiologica - parte02
 
PROTOCOLO PARA VIGILÂNCIA E ASSISTÊNCIA DE CASOS SUSPEITOS OU CONFIRMADOS DE ...
PROTOCOLO PARA VIGILÂNCIA E ASSISTÊNCIA DE CASOS SUSPEITOS OU CONFIRMADOS DE ...PROTOCOLO PARA VIGILÂNCIA E ASSISTÊNCIA DE CASOS SUSPEITOS OU CONFIRMADOS DE ...
PROTOCOLO PARA VIGILÂNCIA E ASSISTÊNCIA DE CASOS SUSPEITOS OU CONFIRMADOS DE ...
 
Apresentação psf dt(07.12.07)
Apresentação psf dt(07.12.07)Apresentação psf dt(07.12.07)
Apresentação psf dt(07.12.07)
 
Emergencias saude - RSI - Plano de resposta
Emergencias saude - RSI - Plano de respostaEmergencias saude - RSI - Plano de resposta
Emergencias saude - RSI - Plano de resposta
 
Vigilância Epidemiológica
Vigilância EpidemiológicaVigilância Epidemiológica
Vigilância Epidemiológica
 
Aula Vig Epidemiologica Res Med
Aula Vig Epidemiologica Res MedAula Vig Epidemiologica Res Med
Aula Vig Epidemiologica Res Med
 
Saúde Pública
Saúde PúblicaSaúde Pública
Saúde Pública
 
PLANO-COVID-epidemilogia.coleta.transporte.pptx
PLANO-COVID-epidemilogia.coleta.transporte.pptxPLANO-COVID-epidemilogia.coleta.transporte.pptx
PLANO-COVID-epidemilogia.coleta.transporte.pptx
 
Vigilancia
VigilanciaVigilancia
Vigilancia
 
Vigilância epidemiológica
Vigilância epidemiológicaVigilância epidemiológica
Vigilância epidemiológica
 
Risco Ocupacional Elcio 2008
Risco Ocupacional Elcio 2008Risco Ocupacional Elcio 2008
Risco Ocupacional Elcio 2008
 
Aids.2
Aids.2Aids.2
Aids.2
 
Campus Party Portugal 2020 - Vigilância em Saúde
Campus Party Portugal 2020 - Vigilância em SaúdeCampus Party Portugal 2020 - Vigilância em Saúde
Campus Party Portugal 2020 - Vigilância em Saúde
 
NOTIFICAÇÃO DE DOENÇAS INFECTOCONTAGIOSAS
NOTIFICAÇÃO DE DOENÇAS INFECTOCONTAGIOSASNOTIFICAÇÃO DE DOENÇAS INFECTOCONTAGIOSAS
NOTIFICAÇÃO DE DOENÇAS INFECTOCONTAGIOSAS
 

Último

OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
LEANDROSPANHOL1
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
PatriciaZanoli
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 

Último (20)

OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 

DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIA

  • 2. Doenças de notificação compulsória   Notificação compulsória: É um registro que obriga e universaliza as notificações, visando o rápido controle de eventos que requerem pronta intervenção. Para a construir o Sistema de Doenças de Notificação Compulsória (SDNC), cria-se uma Lista de Doenças de Notificação Compulsória (LDNC), cujas doenças são selecionadas através de determinados critérios como: magnitude, potencial de disseminação, transcendência, vulnerabilidade, disponibilidade de medidas de controle, compromisso internacional com programas de erradicação, etc.
  • 3. Doenças de notificação compulsória Obs. Devido as alterações no perfil epidemiológico, a implementação de outras técnicas para o monitoramento de doenças, o conhecimento de novas doenças ou a re-emergência de outras, tem a necessidade de constantes revisões periódicas na LDNC no sentido de mantê-la atualizada. Lista Nacional das Doenças de Notificação Compulsória foi ampliada – Violência Doméstica e Transtornos Mentais Relacionados ao Trabalho foram incluídos. 
  • 4. Doenças de notificação compulsória Vigilância Epidemiológica: A vigilância epidemiológica tema finalidade de conhecer a ocorrência de doenças e outros agravos considerados prioritários, seus fatores de risco e suas tendências, além de planejar, executar e avaliar medidas de prevenção e de controle.  Vigilância Epidemiológica Atribuições das esferas de governo:  Esfera Federal-Ministério da Saúde  Esfera Estadual  Esfera municipal Doenças de Notificação 
  • 5. Doenças de notificação compulsória Lista de Notificação Compulsória – LNC  1. Acidentes por animais peçonhentos; 2. Atendimento antirrábico; 3. Botulismo; 4. Carbúnculo ou Antraz;(peste da Manqueira) 5. Cólera; 6. Coqueluche; 7. Dengue; 8. Difteria; 9. Doença de Creutzfeldt-Jakob;  10. Doença Meningocócica e outras Meningites; 11. Doenças de Chagas Aguda; 12. Esquistossomose; 13. Eventos Adversos Pós-Vacinação; 14. Febre Amarela; 15. Febre do Nilo Ocidental; 16. Febre Maculosa; 17. Febre Tifóide;
  • 6. Doenças de notificação compulsória Lista de Notificação Compulsória – LNC 18. Hanseníase; 19. Hantavirose; 20. Hepatites Virais; 21. Infecção pelo vírus da imunodeficiência humana -HIV em gestantes e crianças expostas ao risco de transmissão vertical; 22. Influenza humana por novo subtipo; 23. Intoxicações Exógenas (por substâncias químicas, incluindo agrotóxicos, gases tóxicos e metais pesados); 24. Leishmaniose Tegumentar Americana; 25. Leishmaniose Visceral; 26. Leptospirose; 27. Malária; 28. Paralisia Flácida Aguda; 29. Peste; 30. Poliomielite; 31. Raiva Humana; 32. Rubéola; 33. Sarampo; 34. Sífilis Adquirida;
  • 7. Doenças de notificação compulsória Lista de Notificação Compulsória – LNC  35. Sífilis Congênita; 36. Sífilis em Gestante; 37. Síndrome da Imunodeficiência Adquirida – AIDS; 38. Síndrome da Rubéola Congênita; 39. Síndrome do Corrimento Uretral Masculino; 40. Síndrome Respiratória Aguda Grave associada ao Coronavírus (SARSCoV);  41. Tétano; 42. Tuberculose; 43. Tularemia; 44. Varíola; e 45. Violência doméstica, sexual e/ou outras violências.
  • 8. Doenças de notificação compulsória Lista de Notificação Compulsória Imediata – LNCI Subtopicos: I – Caso suspeito ou confirmado; II – Surto ou agregação de casos ou óbitos; III – Doença, morte ou evidência de animais com agente etiológico que podem acarretar a ocorrência de doenças em humanos, destaca-se entre outras classes de animais. 
  • 9. Doenças de notificação compulsória Lista de Notificação Compulsória Imediata – LNCI   I – Caso suspeito ou confirmado de: 1. Botulismo; 2. Carbúnculo ou Antraz; 3. Cólera; 4. Dengue nas seguintes situações: - Dengue com complicações (DCC), - Síndrome do Choque da Dengue (SCD), - Febre Hemorrágica da Dengue (FHD), - Óbito por Dengue - Dengue pelo sorotipo DENV 4 nos estados sem transmissão endêmica desse sorotipo; 5. Doença de Chagas Aguda;
  • 10. Doenças de notificação compulsória Lista de Notificação Compulsória Imediata – LNCI  6. Doença conhecida sem circulação ou com circulação esporádica no território nacional que não constam no Anexo I desta Portaria, 7. Febre Amarela; 8. Febre do Nilo Ocidental; 9. Hantavirose; 10. Influenza humana por novo subtipo; 11. Peste; 12. Poliomielite; 13. Raiva Humana; 14. Sarampo; 15. Rubéola; 16. Síndrome Respiratória Aguda Grave associada ao Coronavírus (SARS-CoV); 17. Varíola; 18. Tularemia; e 19. Síndrome de Rubéola Congênita (SRC).
  • 11. Doenças de notificação compulsória Lista de Notificação Compulsória Imediata – LNCI  II – Surto ou agregação de casos ou óbitos por: 1. Difteria; 2. Doença Meningocócica; 3. Doença Transmitida por Alimentos (DTA) em embarcações ou aeronaves; 4. Influenza Humana; 5. Meningites Virais; 6. Outros eventos de potencial relevância em saúde pública, após a avaliação de risco de acordo com o Anexo II do RSI 2005, destacando-se: a. Alteração no padrão epidemiológico de doença conhecida, independente de constar no Anexo I desta Portaria;
  • 12. Doenças de notificação compulsória Lista de Notificação Compulsória Imediata – LNCI  b. Doença de origem desconhecida; c. Exposição a contaminantes químicos; d. Exposição à água para consumo humano fora dos padrões preconizados pela SVS; e. Exposição ao ar contaminado, fora dos padrões preconizados pela Resolução do CONAMA; f. Acidentes envolvendo radiações ionizantes e não ionizantes por fontes não controladas, por fontes utilizadas nas atividades industriais ou médicas e acidentes de transporte com produtos radioativos da classe 7 da ONU. g. Desastres de origem natural ou antropogênica quando houver desalojados ou desabrigados; h. Desastres de origem natural ou antropogênica quando houver comprometimento da capacidade de funcionamento e infraestrutura das unidades de saude.
  • 13. Doenças de notificação compulsória Lista de Notificação Compulsória Imediata – LNCI  III – Doença, morte ou evidência de animais com agente etiológico que podem acarretar a ocorrência de doenças em humanos, destaca-se entre outras classes de animais: 1. Primatas não humanos 2. Eqüinos 3. Aves 4. Morcegos Raiva: Morcego morto sem causa definida ou encontrado em situação não usual, tais como: vôos diurnos, atividade alimentar diurna, incoordenação de movimentos, agressividade, contrações musculares, paralisias, encontrado durante o dia no chão ou em paredes.
  • 14. Doenças de notificação compulsória Lista de Notificação Compulsória Imediata – LNCI  5. Canídeos Raiva: canídeos domésticos ou silvestres que apresentaram doença com sintomatologia neurológica e evoluíram para morte num período de até 10 dias ou confirmado laboratorialmente para raiva. Leishmaniose visceral: primeiro registro de canídeo doméstico em área indene, confirmado por meio da identificação laboratorial da espécie Leishmania chagasi. 6. Roedores silvestres Peste: Roedores silvestres mortos em áreas de focos naturais de peste.
  • 15. Doenças de notificação compulsória Lista de Notificação Compulsória em Unidades Sentinelas LNCS  1. Acidente com exposição a material biológico relacionado ao trabalho; 2. Acidente de trabalho com mutilações; 3. Acidente de trabalho em crianças e adolescentes; 4. Acidente de trabalho fatal; 5. Câncer Relacionado ao Trabalho; 6. Dermatoses ocupacionais; 7. Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho (DORT) 8. Influenza humana;
  • 16. Doenças de notificação compulsória Lista de Notificação Compulsória em Unidades Sentinelas LNCS  9. Perda Auditiva Induzida por Ruído – PAIR relacionada ao trabalho; 10. Pneumoconioses relacionadas ao trabalho; 11. Pneumonias; 12. Rotavírus; 13. oxoplasmose adquirida na gestação e congênita; e 14. Transtornos Mentais Relacionados ao Trabalho.
  • 17. Doenças de notificação compulsória Lista de Notificação Compulsória em Unidades Sentinelas LNCS Rede Sentinela É composta por unidades de saúde (chamadas de unidades sentinela) que identificam, investigam e notificam, quando confirmados, os casos de doenças, agravos e/ou acidentes relacionados ao trabalho . Criado pelo Ministro da Saúde, no art. 2º da Portaria GM/777, de 2004, criou a Rede Sentinela de Notificação Compulsória de Acidentes e Doenças Relacionados ao Trabalho. 
  • 18. Doenças de notificação compulsória Lista de Notificação Compulsória em Unidades Sentinelas LNCS   O que é unidade sentinela? As unidades sentinelas (notificadoras) são aquelas unidades de saúde que realizam a notificação no Sistema de Informação de Notificação de Agravos (SINAN). O SINAN é alimentado, principalmente, pela notificação e investigação de casos de doenças e agravos que constam da lista nacional de doenças de notificação compulsória (Portaria GM/MS Nº 2325 de 08 de dezembro de 2003), mas é facultado a estados e municípios incluir outros problemas de saúde importantes em sua região.
  • 19. Doenças de notificação compulsória Lista de Notificação Compulsória em Unidades Sentinelas LNCS  Para que servem a notificação?  Sua utilização efetiva permite a realização do diagnóstico dinâmico da ocorrência de um evento na população; podendo fornecer subsídios para explicações causais dos agravos de notificação compulsória, além de vir a indicar riscos aos quais as pessoas estão sujeitas, contribuindo assim, para a identificação da realidade epidemiológica de determinada área geográfica. O seu uso sistemático, de forma descentralizada, contribui para a democratização da informação, permitindo que todos os profissionais de saúde tenham acesso à informação e as tornem disponíveis para a comunidade. 
  • 20. Doenças de notificação compulsória Lista de Notificação Compulsória em Unidades Sentinelas LNCS  Como funciona esse Sistema?  O SINAN pode ser operacionalizado no nível administrativo periférico, ou seja, nas unidades de saúde, seguindo a orientação de descentralização do SUS. A Ficha Individual de Notificação (FIN) deve ser preenchida pelas unidades assistenciais para cada paciente quando da suspeita da ocorrência de problema de saúde de notificação compulsória ou de interesse nacional, estadual ou municipal. Este instrumento deve ser encaminhado aos serviços responsáveis pela informação e/ou vigilância epidemiológica das Secretarias Municipais, que precisam repassar semanalmente os arquivos para as Secretarias Estaduais de Saúde (SES).  
  • 21. Doenças de notificação compulsória Lista de Notificação Compulsória em Unidades Sentinelas LNCS    Como funciona esse Sistema? Caso não ocorra nenhuma suspeita de doença, as unidades precisam preencher o formulário de notificação negativa, que tem os mesmos prazos de entrega. Esta é uma estratégia criada para demonstrar que os profissionais e o sistema de vigilância da área estão alerta para a ocorrência de tais eventos e evitar a subnotificação. Se os municípios não alimentarem o banco de dados do Sinan, por dois meses consecutivos, são suspensos os recursos do Piso de Assistência Básica (PAB), conforme Portaria N.º 1882/GM de 16/12/1997.
  • 22. Doenças de notificação compulsória Lista de Notificação Compulsória em Unidades Sentinelas LNCS    Por que a notificação é “compulsória”? A notificação é um instrumento indispensável para o planejamento da saúde, definir prioridades de intervenção, além de permitir que seja avaliado o impacto das intervenções. Deixar de notificar pode gerar a perpetuação de situações graves (acidentes e doenças decorrentes do trabalho). Está prevista no Código Penal Brasileiro: Decreto-Lei nº 2.848, de 7/12/40.
  • 23. Doenças de notificação compulsória   O Ministério da Saúde ampliou a Lista de Doenças de Notificação Compulsória incluindo mais seis doenças, agravos e eventos de importância para a saúde pública entre as que devem ser notificadas quando houver suspeita e confirmação. De acordo com a Portaria 2472, publicada em primeiro de novembro de 2010 no Diário Oficial da União, a lista inclui acidentes com animais peçonhentos, atendimento antirrábico decorrente de ataques de cães, gatos e morcegos. A referida portaria de janeiro de 2011 também proporciona a definição de termos estabelecidos pelo RSI em relação às doenças, agravos e eventos graves em saúde pública.
  • 24. Doenças de notificação compulsória  A portaria define: Evento em saúde, Emergência de Saúde Pública de Importância Nacional (ESPIN) e Emergência de Saúde Pública de Importância Internacional (ESPII). Além disso, a 2472 estabelece fluxos, critérios para as notificações, responsabilidades e atribuições dos profissionais e serviços de saúde.
  • 25. Doenças de notificação compulsória  As doenças listadas abaixo foram definidas como de notificação obrigatória à Secretaria de Vigilância em Saúde através do Sinan que é alimentado, principalmente, pela notificação e investigação de casos de doenças e agravos que constam da lista nacional de doenças de notificação compulsória (Portaria GM/MS Nº 104, DE 25 DE JANEIRO DE 2011), mas é facultado a estados e municípios incluir outros problemas de saúde importantes em sua região, como varicela no estado de Minas Gerais ou difilobotríase no município de São Paulo.
  • 26. Doenças de notificação compulsória  Funcionamento – O Sinan pode ser operacionalizado no nível administrativo mais periférico, ou seja, nas unidades de saúde, seguindo a orientação de descentralização do SUS. A maioria das notificações é digitada nas Secretarias municipais de saúde. Se o município não dispõe de computadores, os dados são incluídos no sistema nas regionais de Saúde.
  • 27. Doenças de notificação compulsória DOENÇAS EMERGENTES: São doenças novas, desconhecidas da população. São causadas por vírus ou bactéria nunca antes descritos ou por mutação de um vírus já existente. Também é possível que sejam causadas por um agente que só atingia animais, e que agora afeta também seres humanos. Dentro desse conceito, a Aids aparece como a mais importante doença emergente. Até o início da década de 80, era completamente desconhecida no mundo . DOENÇAS REEMERGENTES doença conhecida cuja incidência esteja aumentando em um dado lugar ou entre uma população específica. É preciso levar em consideração fatores específicos de cada doença e o local onde ela aparece. 
  • 28. Reflexão Paciência e perseverança tem o efeito mágico de fazer as dificuldades desaparecerem e os obstáculos sumirem... Se o plano "A" não deu certo, não se preocupe. O alfabeto tem mais 25 letras para você tentar.