SlideShare uma empresa Scribd logo
 
Prof. Enf. Jesiele Spindler
Na saúde, a passagem do século dezenove para
o século vinte é marcada pelos interesses
econômicos das elites em manter o trabalhador
sadio para manutenção da produção,
principalmente naquele contexto agrário
explorador.
Final séc. XIX começou um processo de
urbanização e modernização das cidades, e neste
período, o antigo e o moderno buscavam
conviver na formação de um novo Brasil, agora
republicano.
A medicina teria de se empenhar na luta contra
os males da nação, o que justificariam as medidas
intervencionistas e autoritárias utilizadas na
época.
As medidas de reforma urbana e higienização da
cidade do Rio de Janeiro, assim como as
campanhas para a vacinação da população,
marcaram este período. No entanto, o caráter
severo das medidas governamentais teve como
consequência a Revolta daVacina ocorrida em
1904.
A sociedade ainda era rural, mas iniciava-se um
período de transformações sociais que seria
acelerado na primeira metade do século XX.
EraVargas: Grandes obras, industrialização,
posicionamento no mercado.

Prof. Enf. Jesiele Spindler
O SUS pode ser entendido, em primeiro lugar,
como uma “Política de Estado”, materialização
de uma decisão adotada pelo Congresso
Nacional, em 1988, na chamada Constituição
cidadã, de considerar a Saúde como um “Direito
de Cidadania e um dever do Estado”.
Surge em contraposto à perspectiva liberal e
neoliberal, que defende a redução do papel do
Estado na garantia das condições de vida (e
saúde) da população brasileira.
O SUS é um projeto que assume e consagra os
princípios da Universalidade, Equidade e
Integralidade da atenção à saúde da população
brasileira.
Lei 8.080 de 19 de setembro de 1990 – dispõe
sobre as condições para a organização e o
funcionamento dos serviços.
Lei 8142 de 28 de dezembro de 1990 – dispõe
sobre a participação da comunidade e das
transferências
1953 – Ministério da Saúde
1986 - 8ª Conferência Nacional da Saúde
1987 - Sistema Unificado e Descentralizado de
Saúde (SUDS)
Em 19 DE SETEMBRO DE 1990 – É assinada a
Lei 8080, que regulamenta o SUS em todo
território nacional, a lei estabelece as diretrizes
da ação do SUS em âmbito nacional.
Art. 2º.: A saúde é um direito
fundamental do ser humano,
devendo o Estado prover as
condições indispensáveis ao seu
pleno exercício.
Principio fundamental do SUS está no artigo 196 da
Constituição Federal (1988), que afirma:
“A saúde é direito de todos
e dever do Estado, garantido
mediante políticas sociais e
econômicas que visem a
redução do risco de doença e
de outros agravos e ao
acesso igualitário às ações
e serviços para sua
promoção, proteção e
recuperação”.
A UNIVERSALIDADE, é um ideal a ser
alcançado, indicando, portanto, uma das
características do sistema que se pretende
construir e um caminho para sua construção. É
preciso eliminar barreiras jurídicas, econômicas,
culturais e sociais que se interpõem entre a
população e os serviços.
A EQUIDADE é um princípio de justiça
social porque busca diminuir desigualdades. Isto
significa tratar desigualmente os desiguais,
investindo mais onde a carência é maior.
Aula 6 Políticas Públicas de Saúde
A INTEGRALIDADE diz respeito ao conjunto
de ações de promoção da saúde, prevenção de
riscos e agravos, assistência e recuperação.
A DESCENTRALIZAÇÃO da gestão do sistema
implica na transferência de poder de decisão
sobre a política de saúde do nível federal (MS)
para os estados (SES) e municípios (SMS).
 
Prof. Enf. Jesiele Spindler
 O SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE (SUS) segue a
mesma doutrina e os mesmos princípios
organizativos em todo o território nacional, sob a
responsabilidade das três esferas autônomas de
governo: federal, estadual e municipal.
 Não é uma instituição ou serviço, é um conjunto de
ambos, que oferece diferentes níveis de atenção à
população.
Para ofertar uma atenção em saúde mais
específica e adequada à saúde foi
descentralizada para melhor triar os casos
e desafogar centros especializados de alta
complexidade de casos de menor urgência
ou de fácil resolução.
Nível Primário: as Unidades Básicas de
Saúde, ou Postos de Saúde, onde se
configura a porta de entrada do Sistema
Único de Saúde. Nesse nível de atenção
são marcados exames e consultas além
da realização de procedimentos básicos
como troca de curativos.
Nível Secundário: as Clínicas e
Unidades de Pronto Atendimento, bem
como Hospitais Escolas. Nesses são
realizados procedimentos de intervenção
bem como tratamentos a casos crônicos
e agudos de doenças.
NíveisTerciários: os Hospitais de Grande
Porte, sejam mantidos pelo estado seja pela
rede privada, são realizadas manobras mais
invasivas e de maior risco à vida, bem como
são realizadas condutas de manutenção dos
sinais vitais, como suporte básico à vida.
Nesses hospitais, também podem funcionar
serviços.
Nível Quaternários: os transplante de
tecidos, como Pulmão, Coração, Fígado,
Rins, dentre outros. Dessa maneira
seccionada, pelo menos em tese, a
garantia ao acesso em consonância com a
gravidade e urgência ficam garantidos ao
usuário.
A atenção básica caracteriza-se por um
conjunto de ações de saúde, no âmbito
individual e coletivo, que abrange a promoção
e a proteção da saúde, a prevenção de agravos,
o diagnóstico, o tratamento, a reabilitação, a
redução de danos e a manutenção da saúde
com o objetivo de desenvolver uma atenção
integral que impacte na situação de saúde e
autonomia das pessoas e nos determinantes e
condicionantes de saúde das coletividades.
Utiliza tecnologias de cuidado complexas e
variadas que devem auxiliar no manejo das
demandas e necessidades de saúde de
maior frequência e relevância em seu
território.
PSF
PROGRAMA SAÚDE
DA FAMÍLIA
Prof. Enf. Jesiele Spindler
PSF – PROGRAMA SAÚDE DA
FAMÍLIA
A Estratégia Saúde da
Família visa à
reorganização da
atenção básica no País,
de acordo com os
preceitos do Sistema
Único de Saúde
PSF – PROGRAMA SAÚDE DA
FAMÍLIA
Funciona como estratégia de
expansão, qualificação e consolidação
da atenção básica por favorecer uma
reorientação do processo de trabalho
com maior potencial de aprofundar os
princípios, diretrizes e fundamentos da
atenção básica, de ampliar a
resolutividade e impacto na situação de
saúde das pessoas e coletividades,
além de propiciar uma importante
relação custo-efetividade.
Aula 6 Políticas Públicas de Saúde
O Brasil hoje é considerado um estado
democrático de direitos. Em outras palavras um
estado que não só guia as suas ações e
responsabilidades com base na democracia, mas
também pela igualdade de direitos. Somos
todos iguais em direitos, responsabilidades e
oportunidades.
O Portanto podem haver diferenciações entre as
pessoas sem que haja lesão ao princípio da
igualdade, desde que tenha uma justificativa e
uma finalidade.
As pessoas são diferentes, possuem
necessidades diferentes, precisam do Estado
tratamentos diferentes, com o intuito não de
aumentar as diferenças, mas sim de reduzi-las.
Algumas etnias apresentam maior
vulnerabilidade e maior déficit no acesso à
saúde e nas condições de vida. Neste caso foram
previstas legislações que preveem atenção
especial a estes grupos.
Política Nacional de Atenção à Saúde dos Povos
Indígenas (regulamentada pelo Decreto n.º:
3.156, de 27 de agosto de 1999), faz parte da
nossa Política Nacional de Saúde que reconhece
aos povos indígenas suas especificidades étnicas
e culturais e seus direitos territoriais.
Para sua efetivação, deverá ser criada uma rede
de serviços nas terras indígenas, de forma a
superar as deficiências de cobertura, acesso e
aceitabilidade do Sistema Único de Saúde para
essa população.
Para que os princípios do SUS possam ser
efetivados, é necessário que a atenção à saúde
se dê de forma diferenciada, levando-se em
consideração as especificidades culturais,
epidemiológicas e operacionais desses povos.
Com o propósito de garantir participação
indígena em todas as etapas de formulação,
implantação, avaliação e aperfeiçoamento da
Política, a elaboração desta proposta contou
com a participação de representante das
organizações indígenas, com experiência de
execução de projetos no campo da atenção à
saúde junto a seu povo.
EDUCAÇÃO AMBIENTAL
Prof Enf Jesiele Spindler
EDUCAÇÃO AMBIENTAL
Com a preocupação com o esgotamento
dos recursos naturais, e a consolidação da
compreensão do papel central dos
processos produtivos como fontes de risco
para o ambiente e, consequentemente,
para a saúde humana, a Epidemiologia vem
contribuir para tornar evidente a relação
entre ambiente e agravos à saúde.
EDUCAÇÃO AMBIENTAL
A partir de 1972, na primeira conferência
da ONU sobre o meio ambiente, as
questões ambientais foram alçadas as
merecedoras de preocupação e intervenção
dos estados e de articulação internacional.
Desde então, assiste-se a um processo de
tomada de consciência gradual e global – o
uso predatório dos recursos naturais pode
inviabilizar a vida no planeta.
EDUCAÇÃO AMBIENTAL
Neste processo, ganham visibilidade
questões relacionadas à pobreza, aos
custos do uso racional dos recursos
naturais, do desenvolvimento de novas
tecnologias não poluentes e poupadoras
desses recursos.
EDUCAÇÃO AMBIENTAL
A Conferência das Nações Unidas sobre o
Meio Ambiente e Desenvolvimento,
realizada em 1992, no Rio de Janeiro,
consolidou na “Declaração do Rio sobre o
Meio Ambiente e o Desenvolvimento”
alguns pontos importantes já apontados
em 1972 veremos a seguir:
EDUCAÇÃO AMBIENTAL
a) o da sobrevivência do planeta
b) os seres humanos ocupam o centro das
preocupações – o que coloca a saúde
humana no centro das preocupações
articulada ao ambiente e ao
desenvolvimento
c) o desenvolvimento sustentável almeja
“garantir o direito a uma vida saudável e
produtiva em harmonia com a natureza”
para as gerações presentes e futuras
EDUCAÇÃO AMBIENTAL
A prática da saúde ambiental compreende
uma ampla gama de disciplinas que
estudam o impacto do ambiente sobre a
saúde das populações e que executam
ações de prevenção e controle para reduzir
ou eliminar este impacto.
cuidar do meio ambiente e de suma
importância para a vida do cidadão,
visto que saúde e meio ambiente
anda ligados intimamente
RELAÇÃO SANEAMENTO E SAÚDE PÚBLICA
A Declaração do Rio sobre o Meio Ambiente e o
Desenvolvimento, detalha que o dever do
Estado consiste na formulação e execução de
políticas econômicas e sociais que visem à
redução dos riscos de doenças e outros agravos
e no estabelecimento de condições que
assegurem o acesso universal e igualitário às
ações e serviços de saúde para a sua promoção,
proteção e recuperação.
RELAÇÃO SANEAMENTO E SAÚDE PÚBLICA
Além disso a Declaração defende a
proibição de agrotóxicos já banidos em
outros países e que apresentam graves
riscos à saúde humana e ao meio
ambiente assim como proibir a
pulverização aérea de agrotóxicos.
PADRÕES DE QUALIDADE EM
PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EM SAÚDE
Qualidade, segundo o dicionário Aurélio, é a
“propriedade, atributo ou condição das coisas
ou das pessoas que as distingue das outras e
lhes determina a natureza. Dote, virtude”.
Significa que os envolvidos nos atos de saúde
estão constantemente preocupados quanto às
propriedades, benefícios e malefícios dos
serviços prestados, desenvolvem atividades de
aferição e aperfeiçoamento, para uma maior
satisfação dos que necessitam desses serviços.
PADRÕES DE QUALIDADE EM
PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EM SAÚDE
A gestão da qualidade é a adoção de
programas desenvolvidos internamente ou
segundo padrões externos, capazes de
comprovar um padrão de excelência
assistencial, a partir da melhoria contínua da
estrutura, dos processos e resultados.
PADRÕES DE QUALIDADE EM
PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EM SAÚDE
Os especialistas em qualidade sugerem que a
adequada procura da qualidade não é uma questão
de inspeção, padrões, limiares; não é uma série de
decisões para aceitar ou rejeitar um funcionário, ou
um médico, mas, ao contrário, é uma busca contínua
de pequenas oportunidades para valorização da mão
de obra, redução da complexidade desnecessária, do
desperdício e do trabalho em vão, que permitirão,
com o uso de métodos de melhoria da qualidade,
atingir novos níveis de eficiência, satisfação do
paciente, segurança, efetividade clínica e
lucratividade.
PADRÕES DE QUALIDADE EM
PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EM SAÚDE
Para dirigir e operar uma organização com
sucesso é necessário que sua gestão seja
sistemática e transparente. As orientações
para essa gestão são baseadas em oito
princípios de gestão da qualidade.
PADRÕES DE QUALIDADE EM
PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EM SAÚDE
Princípio 1 – Organização Focada no Cliente
“As organizações dependem de seus clientes
e, portanto, deveriam entender as
necessidades atuais e futuras, atender os
requisitos e se esforçarem para exceder as
expectativas dos seus clientes.
PADRÕES DE QUALIDADE EM
PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EM SAÚDE
Princípio 2 – Liderança
“Líderes estabelecem a unidade de propósitos
e a direção da organização. Eles deveriam criar
e manter um ambiente interno no qual as
pessoas possam se tornar plenamente
envolvidas no alcance dos objetivos da
organização.”
PADRÕES DE QUALIDADE EM
PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EM SAÚDE
Princípio 3 – Envolvimento de Pessoas
“Pessoas de todos os níveis são a essência de
uma organização e o pleno envolvimento
delas permite que suas capacidades sejam
usadas para o benefício da
organização.”
PADRÕES DE QUALIDADE EM
PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EM SAÚDE
Princípio 4 – Enfoque de Processo
“Um resultado desejado é alcançado mais
eficientemente quando as atividades e
recursos relacionados são gerenciados como
um processo.”
PADRÕES DE QUALIDADE EM
PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EM SAÚDE
Princípio 5 – Enfoque Sistêmico para a Gestão
“Identificar, compreender e gerenciar um
sistema de processos inter-relacionados para
um dado objetivo melhora a eficácia e a
eficiência da organização.”
PADRÕES DE QUALIDADE EM
PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EM SAÚDE
Princípio 6 – Melhoria Contínua
“A melhoria contínua deveria ser um objetivo
permanente na organização.”
PADRÕES DE QUALIDADE EM
PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EM SAÚDE
Princípio 7 – Enfoque Factual para a Tomada
de Decisão
“Decisões eficazes são baseadas em análises
de dados e informações.”
PADRÕES DE QUALIDADE EM
PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EM SAÚDE
Princípio 8 – Relacionamento Mutuamente
Benéfico com o Fornecedor
“Uma organização e seus fornecedores são
interdependentes, e um relacionamento
mutuamente benéfico aumenta a capacidade
de ambos criarem valor.”
PADRÕES DE QUALIDADE EM
PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EM SAÚDE

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Pnab -programa nacional da Atenção básica
Pnab -programa nacional da Atenção básicaPnab -programa nacional da Atenção básica
Pnab -programa nacional da Atenção básica
Jarquineide Silva
 
Princípios e diretrizes do sus
Princípios e diretrizes do susPrincípios e diretrizes do sus
Princípios e diretrizes do sus
Marcos Nery
 
História da Saúde Pública no Brasil
História da Saúde Pública no BrasilHistória da Saúde Pública no Brasil
História da Saúde Pública no Brasil
Rilva Lopes de Sousa Muñoz
 
Aula 1 saúde coletiva i slides aula - cópia
Aula 1 saúde coletiva i   slides aula - cópiaAula 1 saúde coletiva i   slides aula - cópia
Aula 1 saúde coletiva i slides aula - cópia
Karla Toledo
 
Atenção Primária à Saúde
Atenção Primária à SaúdeAtenção Primária à Saúde
Vigilancia em saude
Vigilancia em saude Vigilancia em saude
Evolução histórica das políticas de saúde no brasil
Evolução histórica das políticas de saúde no brasilEvolução histórica das políticas de saúde no brasil
Evolução histórica das políticas de saúde no brasil
Fisioterapeuta
 
Política nacional de humanização
Política nacional de humanizaçãoPolítica nacional de humanização
Política nacional de humanização
Priscila Tenório
 
Aula saude do idoso
Aula saude do idosoAula saude do idoso
Aula saude do idoso
morgausesp
 
SAÚDE COLETIVA
SAÚDE COLETIVASAÚDE COLETIVA
SAÚDE COLETIVA
Cláudia Hellena Ribeiro
 
Aula 3 - SUS
Aula 3 - SUSAula 3 - SUS
Aula 3 - SUS
Ghiordanno Bruno
 
Processo saúde doença
Processo saúde doençaProcesso saúde doença
Processo saúde doença
ilanaseixasladeia
 
Aula 01 - O Processo Saúde e Doença
Aula 01 - O Processo Saúde e DoençaAula 01 - O Processo Saúde e Doença
Aula 01 - O Processo Saúde e Doença
Ghiordanno Bruno
 
Modelos assistenciais de saúde
Modelos assistenciais de saúdeModelos assistenciais de saúde
Modelos assistenciais de saúde
Leticia Passos
 
Saúde Coletiva - 1. introdução e conceitos fundamentais
Saúde Coletiva - 1. introdução e conceitos fundamentaisSaúde Coletiva - 1. introdução e conceitos fundamentais
Saúde Coletiva - 1. introdução e conceitos fundamentais
Mario Gandra
 
Saúde pública no Brasil
Saúde pública no BrasilSaúde pública no Brasil
Saúde pública no Brasil
Andreia Morais
 
1ª aula introducao de-enfermagem
1ª aula introducao de-enfermagem1ª aula introducao de-enfermagem
1ª aula introducao de-enfermagem
Elter Alves
 
EPIDEMIOLOGIA
EPIDEMIOLOGIAEPIDEMIOLOGIA
EPIDEMIOLOGIA
Ana Carolina Costa
 
Programa nacional de atenção integral à saúde da Mulher
Programa nacional de atenção integral à saúde da MulherPrograma nacional de atenção integral à saúde da Mulher
Programa nacional de atenção integral à saúde da Mulher
Fernanda Marinho
 
Estrategia de Saúde da Família (ESF) e Núcleo de Apoio a Saúde da Família (NA...
Estrategia de Saúde da Família (ESF) e Núcleo de Apoio a Saúde da Família (NA...Estrategia de Saúde da Família (ESF) e Núcleo de Apoio a Saúde da Família (NA...
Estrategia de Saúde da Família (ESF) e Núcleo de Apoio a Saúde da Família (NA...
Mateus Clemente
 

Mais procurados (20)

Pnab -programa nacional da Atenção básica
Pnab -programa nacional da Atenção básicaPnab -programa nacional da Atenção básica
Pnab -programa nacional da Atenção básica
 
Princípios e diretrizes do sus
Princípios e diretrizes do susPrincípios e diretrizes do sus
Princípios e diretrizes do sus
 
História da Saúde Pública no Brasil
História da Saúde Pública no BrasilHistória da Saúde Pública no Brasil
História da Saúde Pública no Brasil
 
Aula 1 saúde coletiva i slides aula - cópia
Aula 1 saúde coletiva i   slides aula - cópiaAula 1 saúde coletiva i   slides aula - cópia
Aula 1 saúde coletiva i slides aula - cópia
 
Atenção Primária à Saúde
Atenção Primária à SaúdeAtenção Primária à Saúde
Atenção Primária à Saúde
 
Vigilancia em saude
Vigilancia em saude Vigilancia em saude
Vigilancia em saude
 
Evolução histórica das políticas de saúde no brasil
Evolução histórica das políticas de saúde no brasilEvolução histórica das políticas de saúde no brasil
Evolução histórica das políticas de saúde no brasil
 
Política nacional de humanização
Política nacional de humanizaçãoPolítica nacional de humanização
Política nacional de humanização
 
Aula saude do idoso
Aula saude do idosoAula saude do idoso
Aula saude do idoso
 
SAÚDE COLETIVA
SAÚDE COLETIVASAÚDE COLETIVA
SAÚDE COLETIVA
 
Aula 3 - SUS
Aula 3 - SUSAula 3 - SUS
Aula 3 - SUS
 
Processo saúde doença
Processo saúde doençaProcesso saúde doença
Processo saúde doença
 
Aula 01 - O Processo Saúde e Doença
Aula 01 - O Processo Saúde e DoençaAula 01 - O Processo Saúde e Doença
Aula 01 - O Processo Saúde e Doença
 
Modelos assistenciais de saúde
Modelos assistenciais de saúdeModelos assistenciais de saúde
Modelos assistenciais de saúde
 
Saúde Coletiva - 1. introdução e conceitos fundamentais
Saúde Coletiva - 1. introdução e conceitos fundamentaisSaúde Coletiva - 1. introdução e conceitos fundamentais
Saúde Coletiva - 1. introdução e conceitos fundamentais
 
Saúde pública no Brasil
Saúde pública no BrasilSaúde pública no Brasil
Saúde pública no Brasil
 
1ª aula introducao de-enfermagem
1ª aula introducao de-enfermagem1ª aula introducao de-enfermagem
1ª aula introducao de-enfermagem
 
EPIDEMIOLOGIA
EPIDEMIOLOGIAEPIDEMIOLOGIA
EPIDEMIOLOGIA
 
Programa nacional de atenção integral à saúde da Mulher
Programa nacional de atenção integral à saúde da MulherPrograma nacional de atenção integral à saúde da Mulher
Programa nacional de atenção integral à saúde da Mulher
 
Estrategia de Saúde da Família (ESF) e Núcleo de Apoio a Saúde da Família (NA...
Estrategia de Saúde da Família (ESF) e Núcleo de Apoio a Saúde da Família (NA...Estrategia de Saúde da Família (ESF) e Núcleo de Apoio a Saúde da Família (NA...
Estrategia de Saúde da Família (ESF) e Núcleo de Apoio a Saúde da Família (NA...
 

Semelhante a Aula 6 Políticas Públicas de Saúde

Apostila sus para concursos
Apostila   sus para concursosApostila   sus para concursos
Apostila sus para concursos
Diario de Assistente Social
 
Apostila sus para concursos
Apostila   sus para concursosApostila   sus para concursos
Apostila sus para concursos
Barbara Duarte
 
Apostila sus para concursos
Apostila   sus para concursosApostila   sus para concursos
Apostila sus para concursos
Rayanethaynarasantos2
 
Aapostila de saúde publica no Brasil: breve restrospectiva
Aapostila de saúde publica no Brasil: breve restrospectivaAapostila de saúde publica no Brasil: breve restrospectiva
Aapostila de saúde publica no Brasil: breve restrospectiva
KarinaMartins88
 
Aula do sus
Aula do susAula do sus
Medicalização na infância
Medicalização na infância Medicalização na infância
Medicalização na infância
CENAT Cursos
 
Apostila+sus
Apostila+susApostila+sus
Apostila+sus
Tatiana Abreu
 
Cartilha saude-materna-rede-feminista
Cartilha saude-materna-rede-feministaCartilha saude-materna-rede-feminista
Cartilha saude-materna-rede-feminista
deborawilbert
 
Aula 1 - Introdução a Saúde Coletiva.pdf
Aula 1 - Introdução a Saúde Coletiva.pdfAula 1 - Introdução a Saúde Coletiva.pdf
Aula 1 - Introdução a Saúde Coletiva.pdf
Giza Carla Nitz
 
Slides sus aspectos historicos
Slides sus aspectos historicos Slides sus aspectos historicos
Slides sus aspectos historicos
Chico Douglas
 
1 Noções de saúde coletiva - Copia.pptx
1 Noções de saúde coletiva - Copia.pptx1 Noções de saúde coletiva - Copia.pptx
1 Noções de saúde coletiva - Copia.pptx
klenio2
 
Políticas e práticas em saúde coletiva (2)
Políticas e práticas em saúde coletiva (2)Políticas e práticas em saúde coletiva (2)
Políticas e práticas em saúde coletiva (2)
Feernascimento
 
Direito ao serviços de saúde
Direito ao serviços de saúdeDireito ao serviços de saúde
Direito ao serviços de saúde
Enf° M.e Fernando Henrique Apolinário
 
SAÚDE COLETIVA AULA1.pdf
SAÚDE COLETIVA AULA1.pdfSAÚDE COLETIVA AULA1.pdf
SAÚDE COLETIVA AULA1.pdf
AlinneFreitas4
 
Saúde pública
Saúde públicaSaúde pública
Saúde pública
ANDRESSA-LOPES
 
Série CF 2012 - Saúde e cidadania
Série CF 2012 - Saúde e cidadaniaSérie CF 2012 - Saúde e cidadania
Série CF 2012 - Saúde e cidadania
Jornal Santuário de Aparecida
 
Série CF 2012 - Saúde e Cidadania
Série CF 2012 - Saúde e CidadaniaSérie CF 2012 - Saúde e Cidadania
Série CF 2012 - Saúde e Cidadania
Jornal Santuario
 
SUS - Dos Aspectos Históricos à Rrealidade
SUS - Dos Aspectos Históricos à RrealidadeSUS - Dos Aspectos Históricos à Rrealidade
SUS - Dos Aspectos Históricos à Rrealidade
PLATAFORMA1CURSOS
 
Saúde pública
Saúde públicaSaúde pública
Saúde pública
ANDRESSA-LOPES
 
Cartilha Luta Pela Saude CNTE
Cartilha Luta Pela Saude CNTECartilha Luta Pela Saude CNTE
Cartilha Luta Pela Saude CNTE
SINTE Regional
 

Semelhante a Aula 6 Políticas Públicas de Saúde (20)

Apostila sus para concursos
Apostila   sus para concursosApostila   sus para concursos
Apostila sus para concursos
 
Apostila sus para concursos
Apostila   sus para concursosApostila   sus para concursos
Apostila sus para concursos
 
Apostila sus para concursos
Apostila   sus para concursosApostila   sus para concursos
Apostila sus para concursos
 
Aapostila de saúde publica no Brasil: breve restrospectiva
Aapostila de saúde publica no Brasil: breve restrospectivaAapostila de saúde publica no Brasil: breve restrospectiva
Aapostila de saúde publica no Brasil: breve restrospectiva
 
Aula do sus
Aula do susAula do sus
Aula do sus
 
Medicalização na infância
Medicalização na infância Medicalização na infância
Medicalização na infância
 
Apostila+sus
Apostila+susApostila+sus
Apostila+sus
 
Cartilha saude-materna-rede-feminista
Cartilha saude-materna-rede-feministaCartilha saude-materna-rede-feminista
Cartilha saude-materna-rede-feminista
 
Aula 1 - Introdução a Saúde Coletiva.pdf
Aula 1 - Introdução a Saúde Coletiva.pdfAula 1 - Introdução a Saúde Coletiva.pdf
Aula 1 - Introdução a Saúde Coletiva.pdf
 
Slides sus aspectos historicos
Slides sus aspectos historicos Slides sus aspectos historicos
Slides sus aspectos historicos
 
1 Noções de saúde coletiva - Copia.pptx
1 Noções de saúde coletiva - Copia.pptx1 Noções de saúde coletiva - Copia.pptx
1 Noções de saúde coletiva - Copia.pptx
 
Políticas e práticas em saúde coletiva (2)
Políticas e práticas em saúde coletiva (2)Políticas e práticas em saúde coletiva (2)
Políticas e práticas em saúde coletiva (2)
 
Direito ao serviços de saúde
Direito ao serviços de saúdeDireito ao serviços de saúde
Direito ao serviços de saúde
 
SAÚDE COLETIVA AULA1.pdf
SAÚDE COLETIVA AULA1.pdfSAÚDE COLETIVA AULA1.pdf
SAÚDE COLETIVA AULA1.pdf
 
Saúde pública
Saúde públicaSaúde pública
Saúde pública
 
Série CF 2012 - Saúde e cidadania
Série CF 2012 - Saúde e cidadaniaSérie CF 2012 - Saúde e cidadania
Série CF 2012 - Saúde e cidadania
 
Série CF 2012 - Saúde e Cidadania
Série CF 2012 - Saúde e CidadaniaSérie CF 2012 - Saúde e Cidadania
Série CF 2012 - Saúde e Cidadania
 
SUS - Dos Aspectos Históricos à Rrealidade
SUS - Dos Aspectos Históricos à RrealidadeSUS - Dos Aspectos Históricos à Rrealidade
SUS - Dos Aspectos Históricos à Rrealidade
 
Saúde pública
Saúde públicaSaúde pública
Saúde pública
 
Cartilha Luta Pela Saude CNTE
Cartilha Luta Pela Saude CNTECartilha Luta Pela Saude CNTE
Cartilha Luta Pela Saude CNTE
 

Aula 6 Políticas Públicas de Saúde

  • 1.   Prof. Enf. Jesiele Spindler
  • 2. Na saúde, a passagem do século dezenove para o século vinte é marcada pelos interesses econômicos das elites em manter o trabalhador sadio para manutenção da produção, principalmente naquele contexto agrário explorador.
  • 3. Final séc. XIX começou um processo de urbanização e modernização das cidades, e neste período, o antigo e o moderno buscavam conviver na formação de um novo Brasil, agora republicano.
  • 4. A medicina teria de se empenhar na luta contra os males da nação, o que justificariam as medidas intervencionistas e autoritárias utilizadas na época.
  • 5. As medidas de reforma urbana e higienização da cidade do Rio de Janeiro, assim como as campanhas para a vacinação da população, marcaram este período. No entanto, o caráter severo das medidas governamentais teve como consequência a Revolta daVacina ocorrida em 1904.
  • 6. A sociedade ainda era rural, mas iniciava-se um período de transformações sociais que seria acelerado na primeira metade do século XX. EraVargas: Grandes obras, industrialização, posicionamento no mercado.
  • 8. O SUS pode ser entendido, em primeiro lugar, como uma “Política de Estado”, materialização de uma decisão adotada pelo Congresso Nacional, em 1988, na chamada Constituição cidadã, de considerar a Saúde como um “Direito de Cidadania e um dever do Estado”.
  • 9. Surge em contraposto à perspectiva liberal e neoliberal, que defende a redução do papel do Estado na garantia das condições de vida (e saúde) da população brasileira.
  • 10. O SUS é um projeto que assume e consagra os princípios da Universalidade, Equidade e Integralidade da atenção à saúde da população brasileira.
  • 11. Lei 8.080 de 19 de setembro de 1990 – dispõe sobre as condições para a organização e o funcionamento dos serviços. Lei 8142 de 28 de dezembro de 1990 – dispõe sobre a participação da comunidade e das transferências
  • 12. 1953 – Ministério da Saúde 1986 - 8ª Conferência Nacional da Saúde 1987 - Sistema Unificado e Descentralizado de Saúde (SUDS)
  • 13. Em 19 DE SETEMBRO DE 1990 – É assinada a Lei 8080, que regulamenta o SUS em todo território nacional, a lei estabelece as diretrizes da ação do SUS em âmbito nacional. Art. 2º.: A saúde é um direito fundamental do ser humano, devendo o Estado prover as condições indispensáveis ao seu pleno exercício.
  • 14. Principio fundamental do SUS está no artigo 196 da Constituição Federal (1988), que afirma: “A saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas que visem a redução do risco de doença e de outros agravos e ao acesso igualitário às ações e serviços para sua promoção, proteção e recuperação”.
  • 15. A UNIVERSALIDADE, é um ideal a ser alcançado, indicando, portanto, uma das características do sistema que se pretende construir e um caminho para sua construção. É preciso eliminar barreiras jurídicas, econômicas, culturais e sociais que se interpõem entre a população e os serviços.
  • 16. A EQUIDADE é um princípio de justiça social porque busca diminuir desigualdades. Isto significa tratar desigualmente os desiguais, investindo mais onde a carência é maior.
  • 18. A INTEGRALIDADE diz respeito ao conjunto de ações de promoção da saúde, prevenção de riscos e agravos, assistência e recuperação.
  • 19. A DESCENTRALIZAÇÃO da gestão do sistema implica na transferência de poder de decisão sobre a política de saúde do nível federal (MS) para os estados (SES) e municípios (SMS).
  • 20.   Prof. Enf. Jesiele Spindler
  • 21.  O SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE (SUS) segue a mesma doutrina e os mesmos princípios organizativos em todo o território nacional, sob a responsabilidade das três esferas autônomas de governo: federal, estadual e municipal.  Não é uma instituição ou serviço, é um conjunto de ambos, que oferece diferentes níveis de atenção à população.
  • 22. Para ofertar uma atenção em saúde mais específica e adequada à saúde foi descentralizada para melhor triar os casos e desafogar centros especializados de alta complexidade de casos de menor urgência ou de fácil resolução.
  • 23. Nível Primário: as Unidades Básicas de Saúde, ou Postos de Saúde, onde se configura a porta de entrada do Sistema Único de Saúde. Nesse nível de atenção são marcados exames e consultas além da realização de procedimentos básicos como troca de curativos.
  • 24. Nível Secundário: as Clínicas e Unidades de Pronto Atendimento, bem como Hospitais Escolas. Nesses são realizados procedimentos de intervenção bem como tratamentos a casos crônicos e agudos de doenças.
  • 25. NíveisTerciários: os Hospitais de Grande Porte, sejam mantidos pelo estado seja pela rede privada, são realizadas manobras mais invasivas e de maior risco à vida, bem como são realizadas condutas de manutenção dos sinais vitais, como suporte básico à vida. Nesses hospitais, também podem funcionar serviços.
  • 26. Nível Quaternários: os transplante de tecidos, como Pulmão, Coração, Fígado, Rins, dentre outros. Dessa maneira seccionada, pelo menos em tese, a garantia ao acesso em consonância com a gravidade e urgência ficam garantidos ao usuário.
  • 27. A atenção básica caracteriza-se por um conjunto de ações de saúde, no âmbito individual e coletivo, que abrange a promoção e a proteção da saúde, a prevenção de agravos, o diagnóstico, o tratamento, a reabilitação, a redução de danos e a manutenção da saúde com o objetivo de desenvolver uma atenção integral que impacte na situação de saúde e autonomia das pessoas e nos determinantes e condicionantes de saúde das coletividades.
  • 28. Utiliza tecnologias de cuidado complexas e variadas que devem auxiliar no manejo das demandas e necessidades de saúde de maior frequência e relevância em seu território.
  • 29. PSF PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA Prof. Enf. Jesiele Spindler
  • 30. PSF – PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA A Estratégia Saúde da Família visa à reorganização da atenção básica no País, de acordo com os preceitos do Sistema Único de Saúde
  • 31. PSF – PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA Funciona como estratégia de expansão, qualificação e consolidação da atenção básica por favorecer uma reorientação do processo de trabalho com maior potencial de aprofundar os princípios, diretrizes e fundamentos da atenção básica, de ampliar a resolutividade e impacto na situação de saúde das pessoas e coletividades, além de propiciar uma importante relação custo-efetividade.
  • 33. O Brasil hoje é considerado um estado democrático de direitos. Em outras palavras um estado que não só guia as suas ações e responsabilidades com base na democracia, mas também pela igualdade de direitos. Somos todos iguais em direitos, responsabilidades e oportunidades.
  • 34. O Portanto podem haver diferenciações entre as pessoas sem que haja lesão ao princípio da igualdade, desde que tenha uma justificativa e uma finalidade. As pessoas são diferentes, possuem necessidades diferentes, precisam do Estado tratamentos diferentes, com o intuito não de aumentar as diferenças, mas sim de reduzi-las.
  • 35. Algumas etnias apresentam maior vulnerabilidade e maior déficit no acesso à saúde e nas condições de vida. Neste caso foram previstas legislações que preveem atenção especial a estes grupos.
  • 36. Política Nacional de Atenção à Saúde dos Povos Indígenas (regulamentada pelo Decreto n.º: 3.156, de 27 de agosto de 1999), faz parte da nossa Política Nacional de Saúde que reconhece aos povos indígenas suas especificidades étnicas e culturais e seus direitos territoriais.
  • 37. Para sua efetivação, deverá ser criada uma rede de serviços nas terras indígenas, de forma a superar as deficiências de cobertura, acesso e aceitabilidade do Sistema Único de Saúde para essa população.
  • 38. Para que os princípios do SUS possam ser efetivados, é necessário que a atenção à saúde se dê de forma diferenciada, levando-se em consideração as especificidades culturais, epidemiológicas e operacionais desses povos.
  • 39. Com o propósito de garantir participação indígena em todas as etapas de formulação, implantação, avaliação e aperfeiçoamento da Política, a elaboração desta proposta contou com a participação de representante das organizações indígenas, com experiência de execução de projetos no campo da atenção à saúde junto a seu povo.
  • 40. EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prof Enf Jesiele Spindler
  • 41. EDUCAÇÃO AMBIENTAL Com a preocupação com o esgotamento dos recursos naturais, e a consolidação da compreensão do papel central dos processos produtivos como fontes de risco para o ambiente e, consequentemente, para a saúde humana, a Epidemiologia vem contribuir para tornar evidente a relação entre ambiente e agravos à saúde.
  • 42. EDUCAÇÃO AMBIENTAL A partir de 1972, na primeira conferência da ONU sobre o meio ambiente, as questões ambientais foram alçadas as merecedoras de preocupação e intervenção dos estados e de articulação internacional. Desde então, assiste-se a um processo de tomada de consciência gradual e global – o uso predatório dos recursos naturais pode inviabilizar a vida no planeta.
  • 43. EDUCAÇÃO AMBIENTAL Neste processo, ganham visibilidade questões relacionadas à pobreza, aos custos do uso racional dos recursos naturais, do desenvolvimento de novas tecnologias não poluentes e poupadoras desses recursos.
  • 44. EDUCAÇÃO AMBIENTAL A Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento, realizada em 1992, no Rio de Janeiro, consolidou na “Declaração do Rio sobre o Meio Ambiente e o Desenvolvimento” alguns pontos importantes já apontados em 1972 veremos a seguir:
  • 45. EDUCAÇÃO AMBIENTAL a) o da sobrevivência do planeta b) os seres humanos ocupam o centro das preocupações – o que coloca a saúde humana no centro das preocupações articulada ao ambiente e ao desenvolvimento c) o desenvolvimento sustentável almeja “garantir o direito a uma vida saudável e produtiva em harmonia com a natureza” para as gerações presentes e futuras
  • 46. EDUCAÇÃO AMBIENTAL A prática da saúde ambiental compreende uma ampla gama de disciplinas que estudam o impacto do ambiente sobre a saúde das populações e que executam ações de prevenção e controle para reduzir ou eliminar este impacto.
  • 47. cuidar do meio ambiente e de suma importância para a vida do cidadão, visto que saúde e meio ambiente anda ligados intimamente
  • 48. RELAÇÃO SANEAMENTO E SAÚDE PÚBLICA A Declaração do Rio sobre o Meio Ambiente e o Desenvolvimento, detalha que o dever do Estado consiste na formulação e execução de políticas econômicas e sociais que visem à redução dos riscos de doenças e outros agravos e no estabelecimento de condições que assegurem o acesso universal e igualitário às ações e serviços de saúde para a sua promoção, proteção e recuperação.
  • 49. RELAÇÃO SANEAMENTO E SAÚDE PÚBLICA Além disso a Declaração defende a proibição de agrotóxicos já banidos em outros países e que apresentam graves riscos à saúde humana e ao meio ambiente assim como proibir a pulverização aérea de agrotóxicos.
  • 50. PADRÕES DE QUALIDADE EM PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EM SAÚDE Qualidade, segundo o dicionário Aurélio, é a “propriedade, atributo ou condição das coisas ou das pessoas que as distingue das outras e lhes determina a natureza. Dote, virtude”.
  • 51. Significa que os envolvidos nos atos de saúde estão constantemente preocupados quanto às propriedades, benefícios e malefícios dos serviços prestados, desenvolvem atividades de aferição e aperfeiçoamento, para uma maior satisfação dos que necessitam desses serviços. PADRÕES DE QUALIDADE EM PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EM SAÚDE
  • 52. A gestão da qualidade é a adoção de programas desenvolvidos internamente ou segundo padrões externos, capazes de comprovar um padrão de excelência assistencial, a partir da melhoria contínua da estrutura, dos processos e resultados. PADRÕES DE QUALIDADE EM PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EM SAÚDE
  • 53. Os especialistas em qualidade sugerem que a adequada procura da qualidade não é uma questão de inspeção, padrões, limiares; não é uma série de decisões para aceitar ou rejeitar um funcionário, ou um médico, mas, ao contrário, é uma busca contínua de pequenas oportunidades para valorização da mão de obra, redução da complexidade desnecessária, do desperdício e do trabalho em vão, que permitirão, com o uso de métodos de melhoria da qualidade, atingir novos níveis de eficiência, satisfação do paciente, segurança, efetividade clínica e lucratividade. PADRÕES DE QUALIDADE EM PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EM SAÚDE
  • 54. Para dirigir e operar uma organização com sucesso é necessário que sua gestão seja sistemática e transparente. As orientações para essa gestão são baseadas em oito princípios de gestão da qualidade. PADRÕES DE QUALIDADE EM PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EM SAÚDE
  • 55. Princípio 1 – Organização Focada no Cliente “As organizações dependem de seus clientes e, portanto, deveriam entender as necessidades atuais e futuras, atender os requisitos e se esforçarem para exceder as expectativas dos seus clientes. PADRÕES DE QUALIDADE EM PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EM SAÚDE
  • 56. Princípio 2 – Liderança “Líderes estabelecem a unidade de propósitos e a direção da organização. Eles deveriam criar e manter um ambiente interno no qual as pessoas possam se tornar plenamente envolvidas no alcance dos objetivos da organização.” PADRÕES DE QUALIDADE EM PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EM SAÚDE
  • 57. Princípio 3 – Envolvimento de Pessoas “Pessoas de todos os níveis são a essência de uma organização e o pleno envolvimento delas permite que suas capacidades sejam usadas para o benefício da organização.” PADRÕES DE QUALIDADE EM PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EM SAÚDE
  • 58. Princípio 4 – Enfoque de Processo “Um resultado desejado é alcançado mais eficientemente quando as atividades e recursos relacionados são gerenciados como um processo.” PADRÕES DE QUALIDADE EM PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EM SAÚDE
  • 59. Princípio 5 – Enfoque Sistêmico para a Gestão “Identificar, compreender e gerenciar um sistema de processos inter-relacionados para um dado objetivo melhora a eficácia e a eficiência da organização.” PADRÕES DE QUALIDADE EM PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EM SAÚDE
  • 60. Princípio 6 – Melhoria Contínua “A melhoria contínua deveria ser um objetivo permanente na organização.” PADRÕES DE QUALIDADE EM PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EM SAÚDE
  • 61. Princípio 7 – Enfoque Factual para a Tomada de Decisão “Decisões eficazes são baseadas em análises de dados e informações.” PADRÕES DE QUALIDADE EM PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EM SAÚDE
  • 62. Princípio 8 – Relacionamento Mutuamente Benéfico com o Fornecedor “Uma organização e seus fornecedores são interdependentes, e um relacionamento mutuamente benéfico aumenta a capacidade de ambos criarem valor.” PADRÕES DE QUALIDADE EM PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EM SAÚDE