SlideShare uma empresa Scribd logo
ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA
História, Perspectivas e Desafios
Brasília
2005
• Ministério da Saúde desenvolvia ações de promoção da
saúde e prevenção de doenças. A assistência médica era
de responsabilidade do Instituto Nacional de Assistência
Médica da Previdência Social – INAMPS.
• 1986 – a VIII Conferência Nacional de Saúde consagrou o
direito à saúde como um direto de cidadania universal,
garantido pelo Estado e expressão das lutas e conquistas
sociais.
Política de Saúde Histórico
• 1988 - Nova Constituição Federal – garantiu a saúde como
direito de todos e dever do Estado. Princípios: universalidade,
integralidade, equidade, descentralização da assistência e
participação social.
• 1990 - Lei 8.080 – instituiu o Sistema Único de Saúde, com
comando único em cada esfera de governo. Municípios como
executores das ações e serviços de saúde, com cooperação
técnica e financeira dos Estados e da União.
• Normas Operacionais Básicas da Saúde NOB – SUS/91 e NOB
– SUS/92 – tratam do repasse condicionado à produção de
serviços e igualam o pagamento do prestador público ao
privado.
Política de Saúde - Histórico
• NOB - SUS/93 – definiu os mecanismos de transferência de
recursos fundo a fundo.
• NOB – SUS/96 – modificou as condições de gestão e ampliou a
transferência fundo a fundo; utiliza o per capita para o
financiamento da atenção básica; definiu o pagamento de
incentivos; e propôs a elaboração da Programação Pactuada
Integrada.
• Normas Operacionais de Assistência à Saúde - NOAS 01/02 –
reorganizam o SUS, por meio da regionalização da assistência, e
modificaram critérios para a habilitação dos estados e municípios,
fortalecendo o processo de descentralização da gestão.
Política de Saúde - Histórico
A Atenção Básica à Saúde compreende um
conjunto de ações, de caráter individual e
coletivo, que engloba a promoção da saúde, a
prevenção de agravos, o tratamento e a
reabilitação e constitui o primeiro nível da
atenção do Sistema Único de Saúde.
Atenção Básica à Saúde
ABS organizada pela estratégia
SAÚDE DA FAMÍLIA
ABS organizada pela estratégia
SAÚDE DA FAMÍLIA
Possibilita a organização do Sistema Municipal
de Saúde para contemplar os pontos essenciais
de qualidade na Atenção Básica
A Saúde da Família constitui uma estratégia para a
organização e fortalecimento da Atenção Básica como o
primeiro nível de atenção à saúde no SUS
Procura o fortalecimento da atenção por meio da ampliação
do acesso, a qualificação e reorientação das práticas de
saúde embasadas na Promoção da Saúde
Organização dos Serviços
Princípios da estratégia de
Saúde da Família
ADSCRIÇÃO DE CLIENTELA
Definição precisa do território de atuação
TERRITORIALIZAÇÃO
Mapeamento da área, compreendendo segmento populacional determinado
DIAGNÓSTICO DA SITUAÇÃO DE SAÚDE DA POPULAÇÃO
Cadastramento das famílias e dos indivíduos, gerando dados que possibilitem a análise
da situação de saúde do território
PLANEJAMENTO BASEADO NA REALIDADE LOCAL
Programação das atividades segundo critérios de risco à saúde, priorizando solução
dos problemas
INTERDISCIPLINARIDADE
Trabalho interdisciplinar, integrando áreas técnicas e profissionais de
diferentes formações
VINCULAÇÃO
Participação na dinâmica social das famílias assistidas e da própria
comunidade
COMPETÊNCIA CULTURAL
Valorização dos diversos saberes e práticas na perspectiva de uma
abordagem integral e resolutiva, possibilitando a criação de vínculos de
confiança com ética, compromisso e respeito
Características do processo de
trabalho da SF
PARTICIPAÇÃO SOCIAL
Participação da comunidade no planejamento, execução e avaliação
das ações
INTERSETORIALIDADE
Trabalho intersetorial, integrando projetos sociais e setores afins,
voltados para a promoção da saúde
FORTALECIMENTO DA GESTÃO LOCAL
Apoio a estratégias de fortalecimento da gestão local.
Características do processo de
trabalho da SF
Composição Básica:
• Médico
• Enfermeiro
• Auxiliares de enfermagem
• Agentes comunitários de saúde
• Cirurgião-Dentista
• Auxiliar de consultório dentário e/ou
• Técnico de higiene dental
SAÚDE DA FAMÍLIA
Dirigido aos municípios com mais de 100 mil habitantes
apoiando a ampliação da SF e de serviços públicos de média
complexidade ambulatorial;
 Educação permanente de RH;
Estudos de linha de base e projeto de Avaliação para
Melhoria da Qualidade;
 Monitoramento e Avaliação – recursos fundo a fundo para as
SES – Pacto de Redução da Mortalidade Materna e Neonatal.
Expansão e qualificação da
Atenção Básica
• 550 milhões de dólares em 6 anos
• 231 municípios – 55% da população
• Alcançar 60% de cobertura do PSF
• Infraestrutura da rede básica
• Ampliação da oferta pública de atenção especializada e diagnóstico
• Fortalecimento da capacidade de gestão – regulação
• Superar a precarização na contratação de RH
• Incorporação das ações programáticas prioritárias
• Dificuldades:
• mudança da rede tradicional
• competir com o mercado privado
• enfrentar modelo hospitalocêntrico
PROESF
Objetivos
Qualificar e ampliar resolubilidade e integralidade da Estratégia
de Saúde da Família
Modalidades
Atividade física, saúde mental, reabilitação, alimentação e
nutrição e serviço social
Implantação
O município poderá implantar o Núcleo com todas as suas
modalidades ou implantá-las separadamente
Núcleo de Atenção Integral
na Saúde da Família
Avaliação para melhoria da Qualidade
Qualificação da estratégia Saúde da Família
Criar as bases para um sistema de melhoria
contínua da qualidade e da promoção da cultura da
avaliação no âmbito da Atenção Básica em Saúde
Ministério da Saúde:
 Medicamentos - hipertensão, diabetes, asma, anemias,
hipovitaminose A, contraceptivos e reposição de nicotina.
Vacinas e tratamento das endemias.
 Insumos – Saúde bucal e planejamento familiar.
 Revisão do PAB para Assist. Farmacêutica Básica - R$ 3,50.
 Compra centralizada: R$ 681 milhões.
 Valor orçamentário para o Piso da Assistência Farmacêutica
Básica/2005: R$ 281milhões.
Nova política de Assistência
Farmacêutica para a Atenção Básica
Financiamento Eqüitativo em Saúde
Port. GM/MS nº 1.434, de 14/07/04
Objetivo
Ampliar o acesso à saúde de populações em situação de
desigualdade social, por meio da estratégia Saúde da
Família, considerando as diversidades regionais e
utilizando uma política de financiamento apoiada no
princípio da eqüidade.
Financiamento da Atenção Básica
BLOCO 1
Revisão dos parâmetros de cobertura dos ACS na zona rural dos municípios
da Amazônia Legal
Mudança: Redução do número de pessoas acompanhadas por Agente
Comunitário de Saúde
Nº de pessoas acompanhadas por ACS
Situação Atual Mudança
Mínimo 400 280
Média 575 300
Máximo 750 320
Impacto previsto: 7.435 novos ACS, com
incremento de R$ 1.784.400,00 mensais
BLOCO 4
Alvo: Pop. remanescente de quilombos ou residente em
assentamentos de municípios não selecionados pelos critérios
dos BLOCOS 2 e 3
Mudança: Acrescer em 50% o valor dos Incentivos Saúde
da Família e Saúde Bucal pagos atualmente, em
correspondência à faixa de cobertura, de acordo com o nº
máximo de equipes necessárias e implantadas para assistir a
essas populações
Número de Municípios contemplados: 385
Amazônia Legal Demais Regiões
IDH ≤ 0,7 ≤ 0,7
Porte Pop. ≤ 50 mil hab ≤ 30 mil hab
BLOCO 3
Alvo: Municípios incluídos no PITS não selecionados pelos critérios do
BLOCO 2
Mudança: Acrescer em 50% o valor dos Incentivos Saúde da Família e
Saúde Bucal, transferidos mensalmente, pagos em correspondência à faixa
de cobertura
BLOCO 2
Municípios com as seguintes características
Recursos destinados à Atenção Básica
Dezembro de 2002/Dezembro de 2004 - Brasil
Dezembro/2002 16.815 69.794.307,00
Dezembro/2004 21.239 123.101.347,00
% Variação 26,31 76,38
Número Valor (R$)
Dezembro/2002 175.469 35.093.800,00
Dezembro/2004 192.756 50.111.100,00
% Variação 9,85 42,79
Número Valor (R$)
Dezembro/2002 4.278 5.308.495,45
Dezembro/2004 8.955 19.154.650,00
% Variação 109,33 260,83
Agentes Comunitários de Saúde
Equipes Saúde Bucal
Total Mensal (R$) Total Per Capita (R$)
Dezembro/2002 325.218.798,30 22,44
Dezembro/2004 457.318.091,64 30,80
% Variação 40,62 37,26
Recursos Totais Destinados à
Atenção Básica
Dezembro de 2002/Dezembro de 2004
ANO ORÇAMENTO EXECUÇÃO % EXECUTADO
1998 R$ 201.000.000,00 R$ 143.763.058,42 71,52
1999 R$ 378.999.286,00 R$ 306.583.162,50 80,89
2000 R$ 680.000.000,00 R$ 648.500.575,97 95,37
2001 R$ 970.000.000,00 R$ 857.778.827,63 88,43
2002 R$ 1.350.000.000,00 R$ 1.204.978.139,88 89,25
2003 R$ 1.680.000.000,00 R$ 1.655.722.702,97 98,55
2004 R$ 2.071.000.000,00 R$ 2.071.000.000,00 100,00
2005 R$ 2.349.794.994,00
Incentivos Financeiros Transferidos à Saúde
da Família, Agentes Comunitários de Saúde
e Saúde Bucal
Priorização política do investimento – o financiamento
Responsabilização de todos os gestores e trabalhadores municipais na
(re)organização da ABS
Otimização da utilização dos recursos disponíveis com inserção da
estratégia Saúde da Família nas redes de serviços
Implantação dos instrumentos de gestão disponíveis (SIAB, PPI, Pacto
da Atenção Básica)
Capacitação, formação e contratação de recursos humanos
Avaliação e acompanhamento permanente
Desafios para a Atenção Básica
1. Na Gestão:
 Falta de priorização no financiamento para ABS
 Distorção do conceito de Integralidade - aplicado à formulação de
políticas de “ação programática” e “campanhista”
 Pouco compromisso dos serviços/gestores com a Resolubilidade –
priorização das ações curativas/emergenciais
 Fragmentação da Atenção à Saúde onde persiste o equívoco de
que “ABS faz apenas promoção e prevenção”
 Rede constituída que necessita de adequações estruturais
 Instrumentos gerenciais de Avaliação e Monitoramento
inadequados à nova prática
2. Nos Recursos Humanos:
 Contratação – precarização e limites legais
 Formação – pautada na biomedicina
Desafio 1 – ESTRUTURAL
 Constituir-se efetivamente como o primeiro nível de atenção no SUS;
 Romper com o modelo hospitalocêntrico e privatista;
 Caracterizar-se como a principal “porta de entrada” do SUS;
 Atenção da equipe ao cidadão, por meio do vínculo e a co-
responsabilização do processo saúde-doença da comunidade.
Desafio 2 - CONJUNTURAL
 Organizar a ABS e conseqüentemente o SUS
Mudança na prática e na concepção dos sujeitos,
por meio:
 Humanização, Acolhimento e Vínculo;
Integralidade (sistema hierarquizado e assistência integral, contínua e
organizada, à população adscrita, com garantia de acesso a recursos
complementares);
 Prevenção, promoção, tratamento, recuperação e manutenção da
saúde;
 Território e comunidade adstrita;
 Foco na Família;
Cuidado ao longo do tempo.
Indicadores que apontamIndicadores que apontam
para a melhoria dapara a melhoria da
qualidade de vida, a partirqualidade de vida, a partir
da organização dada organização da
Atenção BásicaAtenção Básica
Prevalência de Aleitamento Materno
Exclusivo e Desnutrição Infantil, nas áreas
cobertas pela SF Brasil, 1999 - 2003
10,1
63,3
67,2
4,8
57,4
8,1
60,8
7,0
65,8
6,1
-
10
20
30
40
50
60
70
80
% cças até 4 meses aleitamento materno
exclusivo
% de crianças menores de 1 ano
desnutridas
%
1999 (2.218 mum) 2000 (2.964 Mun) 2001 (3.864 Mun) 2002 (4.496 Mun) 2003 (4.780 Mun)
Fonte: Sistema de Informação da Atenção Básica - SIAB - Base limpa
Taxa de Mortalidade Infantil* nas áreas
cobertas pela SF. Brasil, 1999 - 2003
40,8
36,1
33,0 31,3
29,5
6,1
3,5
5,5 5,1 4,0
27,2
25,2 23,9 23,6 22,9
5,1
4,4
8,0
3,13,3-
5,0
10,0
15,0
20,0
25,0
30,0
35,0
40,0
45,0
50,0
1999 (2.317 Mun) 2000 (3.270 mun) 2001 (3.364 Mun) 2002 (4.496 Mun) 2003 (4.781 Mun)
p/1000NV
TMI TMI por diarréia TMI por IRA TMIpor outras causas
Fonte : Si s te ma de Inf or ma ção da A te nção B ás i c a - SIA B - B a s e l i mpa
* D a dos r e f e r i dos .
6,6
8,8
17,4
25,4
31,9
35,7
39,7
0,0
5,0
10,0
15,0
20,0
25,0
30,0
35,0
40,0
45,0
1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004
ANO
%
Cobertura Populacional do SF - Brasil
dezembro de 1998 a dezembro de 2004
• 1 bilhão de procedimentos de Atenção Básica
• 251 milhões de exames laboratoriais
• 8,1 milhões de exames de ultra-sonografia
• 132,5 milhões de atendimentos de alta complexidade
• 2,6 milhões de partos
• 83 mil cirurgias cardíacas
• 60 mil cirurgias oncológicas
• 97% da oferta de hemodiálise
Assistência Ambulatorial e Hospitalar
Sistema de Saúde BrasileiroSistema de Saúde Brasileiro
73,7
76,1
83,4
52,4
55,6
79,8
85,7
59,9
68,2
64,6
82,6
84,3
90,786,2
89,0
40,0
50,0
60,0
70,0
80,0
90,0
1999 (2.318
Mun)
2000 (3.268
Mun)
2001 (3.865
Mun)
2002 (4.493
Mun)
2003 (4.780
Mun)
%
pré-natal na unidade pré-natal no 1º trimestre vacina em dia
Fonte : Si s te ma de Inf or ma ção da A te nção B ás i c a - SIA B
% de Gestantes acompanhadas pelos ACS
nas áreas cobertas pela SF – Brasil
1999 - 2003
AFRA SUASSUNA FERNANDES
Diretora Departamento de Atenção Básica
Secretaria de Atenção à Saúde
Ministério da Saúde
MUITO OBRIGADA!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Redes de atenção em saúde (ras)
Redes de atenção em saúde (ras)Redes de atenção em saúde (ras)
Redes de atenção em saúde (ras)
Kellen Medina
 
Aula saude do idoso
Aula saude do idosoAula saude do idoso
Aula saude do idoso
morgausesp
 
Aula 1 politicas de saude no brasil
Aula 1   politicas de saude no brasilAula 1   politicas de saude no brasil
Aula 1 politicas de saude no brasil
kellyschorro18
 
Reforma sanitaria e a consolidação
Reforma sanitaria e a consolidaçãoReforma sanitaria e a consolidação
Reforma sanitaria e a consolidação
Luanapqt
 
Aula 1 saúde coletiva i slides aula - cópia
Aula 1 saúde coletiva i   slides aula - cópiaAula 1 saúde coletiva i   slides aula - cópia
Aula 1 saúde coletiva i slides aula - cópia
Karla Toledo
 
Aula promoao a saude
Aula promoao a saudeAula promoao a saude
Aula promoao a saude
davinci ras
 
Programa de Saúde da Família (PSF
Programa de Saúde da Família (PSFPrograma de Saúde da Família (PSF
Programa de Saúde da Família (PSF
Faculdade União das Américas
 
Saúde pública no Brasil
Saúde pública no BrasilSaúde pública no Brasil
Saúde pública no Brasil
Andreia Morais
 
Aula 6 Políticas Públicas de Saúde
Aula 6 Políticas Públicas de SaúdeAula 6 Políticas Públicas de Saúde
Aula 6 Políticas Públicas de Saúde
Jesiele Spindler
 
Apresentação - Redes - João Batista - Ministério Saúde
Apresentação - Redes - João Batista - Ministério SaúdeApresentação - Redes - João Batista - Ministério Saúde
Apresentação - Redes - João Batista - Ministério Saúde
Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG)
 
Princípios e diretrizes do sus
Princípios e diretrizes do susPrincípios e diretrizes do sus
Princípios e diretrizes do sus
Marcos Nery
 
SISTEMA UNICO DE SAUDE - RESUMAO
SISTEMA UNICO DE SAUDE - RESUMAOSISTEMA UNICO DE SAUDE - RESUMAO
SISTEMA UNICO DE SAUDE - RESUMAO
Jorge Samuel Lima
 
Evolução histórica das políticas de saúde no brasil
Evolução histórica das políticas de saúde no brasilEvolução histórica das políticas de saúde no brasil
Evolução histórica das políticas de saúde no brasil
Fisioterapeuta
 
Assistencia domiciliar
Assistencia domiciliarAssistencia domiciliar
Assistencia domiciliar
jorge luiz dos santos de souza
 
Saúde Pública - História Natural da Doença
Saúde Pública - História Natural da DoençaSaúde Pública - História Natural da Doença
Saúde Pública - História Natural da Doença
Welisson Porto
 
Slides sus
Slides susSlides sus
Programa saúde da família
Programa saúde da famíliaPrograma saúde da família
Programa saúde da família
Sandro Sans
 
Saúde da Mulher na APS
Saúde da Mulher na APSSaúde da Mulher na APS
SAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEM
SAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEMSAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEM
SAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEM
Centro Universitário Ages
 
História da saúde pública no brasill
História da saúde pública no brasillHistória da saúde pública no brasill
História da saúde pública no brasill
Universidade Norte do Paraná
 

Mais procurados (20)

Redes de atenção em saúde (ras)
Redes de atenção em saúde (ras)Redes de atenção em saúde (ras)
Redes de atenção em saúde (ras)
 
Aula saude do idoso
Aula saude do idosoAula saude do idoso
Aula saude do idoso
 
Aula 1 politicas de saude no brasil
Aula 1   politicas de saude no brasilAula 1   politicas de saude no brasil
Aula 1 politicas de saude no brasil
 
Reforma sanitaria e a consolidação
Reforma sanitaria e a consolidaçãoReforma sanitaria e a consolidação
Reforma sanitaria e a consolidação
 
Aula 1 saúde coletiva i slides aula - cópia
Aula 1 saúde coletiva i   slides aula - cópiaAula 1 saúde coletiva i   slides aula - cópia
Aula 1 saúde coletiva i slides aula - cópia
 
Aula promoao a saude
Aula promoao a saudeAula promoao a saude
Aula promoao a saude
 
Programa de Saúde da Família (PSF
Programa de Saúde da Família (PSFPrograma de Saúde da Família (PSF
Programa de Saúde da Família (PSF
 
Saúde pública no Brasil
Saúde pública no BrasilSaúde pública no Brasil
Saúde pública no Brasil
 
Aula 6 Políticas Públicas de Saúde
Aula 6 Políticas Públicas de SaúdeAula 6 Políticas Públicas de Saúde
Aula 6 Políticas Públicas de Saúde
 
Apresentação - Redes - João Batista - Ministério Saúde
Apresentação - Redes - João Batista - Ministério SaúdeApresentação - Redes - João Batista - Ministério Saúde
Apresentação - Redes - João Batista - Ministério Saúde
 
Princípios e diretrizes do sus
Princípios e diretrizes do susPrincípios e diretrizes do sus
Princípios e diretrizes do sus
 
SISTEMA UNICO DE SAUDE - RESUMAO
SISTEMA UNICO DE SAUDE - RESUMAOSISTEMA UNICO DE SAUDE - RESUMAO
SISTEMA UNICO DE SAUDE - RESUMAO
 
Evolução histórica das políticas de saúde no brasil
Evolução histórica das políticas de saúde no brasilEvolução histórica das políticas de saúde no brasil
Evolução histórica das políticas de saúde no brasil
 
Assistencia domiciliar
Assistencia domiciliarAssistencia domiciliar
Assistencia domiciliar
 
Saúde Pública - História Natural da Doença
Saúde Pública - História Natural da DoençaSaúde Pública - História Natural da Doença
Saúde Pública - História Natural da Doença
 
Slides sus
Slides susSlides sus
Slides sus
 
Programa saúde da família
Programa saúde da famíliaPrograma saúde da família
Programa saúde da família
 
Saúde da Mulher na APS
Saúde da Mulher na APSSaúde da Mulher na APS
Saúde da Mulher na APS
 
SAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEM
SAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEMSAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEM
SAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEM
 
História da saúde pública no brasill
História da saúde pública no brasillHistória da saúde pública no brasill
História da saúde pública no brasill
 

Destaque

Aula saúde-da-família[1][1]
Aula saúde-da-família[1][1]Aula saúde-da-família[1][1]
Aula saúde-da-família[1][1]
Monica Mamedes
 
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
Luis Dantas
 
Programa psf
Programa psfPrograma psf
Programa psf
joselene beatriz
 
Slides grupo8
Slides grupo8Slides grupo8
Slides grupo8
Marcos Nery
 
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
apemfc
 
Sp4 hupe-psf
Sp4 hupe-psfSp4 hupe-psf
Sp4 hupe-psf
Ismael Costa
 
Atenção básica e redes de atenção à saúde
Atenção básica e redes de atenção à saúdeAtenção básica e redes de atenção à saúde
Atenção básica e redes de atenção à saúde
Felipe Assan Remondi
 
Educação em saúde na Estratégia saúde da Família.
Educação em saúde na Estratégia saúde da Família.Educação em saúde na Estratégia saúde da Família.
Educação em saúde na Estratégia saúde da Família.
Guilherme Maria
 
Curso Introduorio ESF - Conteudo teorico modulo 2 - Aula 2
Curso Introduorio ESF - Conteudo teorico modulo 2 - Aula 2Curso Introduorio ESF - Conteudo teorico modulo 2 - Aula 2
Curso Introduorio ESF - Conteudo teorico modulo 2 - Aula 2
eadsantamarcelina
 
Nasf power point
Nasf power pointNasf power point
Nasf power point
hosanacardosodebrito
 
Aula nasf
Aula nasfAula nasf
Aula nasf
enfgabi
 
O trabalho do agente comunitário de saúde
O trabalho do agente comunitário de saúdeO trabalho do agente comunitário de saúde
O trabalho do agente comunitário de saúde
Alinebrauna Brauna
 
Saúde da Família: Uma estratégia para a reorientação do modelo assistencial
Saúde da Família: Uma estratégia para a reorientação do modelo assistencialSaúde da Família: Uma estratégia para a reorientação do modelo assistencial
Saúde da Família: Uma estratégia para a reorientação do modelo assistencial
Instituto Consciência GO
 
Apresentação reuniao nasf psf
Apresentação reuniao nasf psfApresentação reuniao nasf psf
Apresentação reuniao nasf psf
Alinebrauna Brauna
 
Território e o Processo Saúde - Doença
Território e o Processo Saúde - DoençaTerritório e o Processo Saúde - Doença
Território e o Processo Saúde - Doença
feraps
 
Estrategiade saudefamília
Estrategiade saudefamíliaEstrategiade saudefamília
Estrategiade saudefamília
Marcos Nery
 
nasf
nasfnasf
Agente comunitário de saúde
Agente comunitário de saúdeAgente comunitário de saúde
Agente comunitário de saúde
Sheilla Sandes
 
Capacitação aos agentes comnunitários de saúde do município
Capacitação aos agentes comnunitários de saúde do municípioCapacitação aos agentes comnunitários de saúde do município
Capacitação aos agentes comnunitários de saúde do município
Alinebrauna Brauna
 
Aula 01 - O Processo Saúde e Doença
Aula 01 - O Processo Saúde e DoençaAula 01 - O Processo Saúde e Doença
Aula 01 - O Processo Saúde e Doença
Ghiordanno Bruno
 

Destaque (20)

Aula saúde-da-família[1][1]
Aula saúde-da-família[1][1]Aula saúde-da-família[1][1]
Aula saúde-da-família[1][1]
 
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
 
Programa psf
Programa psfPrograma psf
Programa psf
 
Slides grupo8
Slides grupo8Slides grupo8
Slides grupo8
 
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
 
Sp4 hupe-psf
Sp4 hupe-psfSp4 hupe-psf
Sp4 hupe-psf
 
Atenção básica e redes de atenção à saúde
Atenção básica e redes de atenção à saúdeAtenção básica e redes de atenção à saúde
Atenção básica e redes de atenção à saúde
 
Educação em saúde na Estratégia saúde da Família.
Educação em saúde na Estratégia saúde da Família.Educação em saúde na Estratégia saúde da Família.
Educação em saúde na Estratégia saúde da Família.
 
Curso Introduorio ESF - Conteudo teorico modulo 2 - Aula 2
Curso Introduorio ESF - Conteudo teorico modulo 2 - Aula 2Curso Introduorio ESF - Conteudo teorico modulo 2 - Aula 2
Curso Introduorio ESF - Conteudo teorico modulo 2 - Aula 2
 
Nasf power point
Nasf power pointNasf power point
Nasf power point
 
Aula nasf
Aula nasfAula nasf
Aula nasf
 
O trabalho do agente comunitário de saúde
O trabalho do agente comunitário de saúdeO trabalho do agente comunitário de saúde
O trabalho do agente comunitário de saúde
 
Saúde da Família: Uma estratégia para a reorientação do modelo assistencial
Saúde da Família: Uma estratégia para a reorientação do modelo assistencialSaúde da Família: Uma estratégia para a reorientação do modelo assistencial
Saúde da Família: Uma estratégia para a reorientação do modelo assistencial
 
Apresentação reuniao nasf psf
Apresentação reuniao nasf psfApresentação reuniao nasf psf
Apresentação reuniao nasf psf
 
Território e o Processo Saúde - Doença
Território e o Processo Saúde - DoençaTerritório e o Processo Saúde - Doença
Território e o Processo Saúde - Doença
 
Estrategiade saudefamília
Estrategiade saudefamíliaEstrategiade saudefamília
Estrategiade saudefamília
 
nasf
nasfnasf
nasf
 
Agente comunitário de saúde
Agente comunitário de saúdeAgente comunitário de saúde
Agente comunitário de saúde
 
Capacitação aos agentes comnunitários de saúde do município
Capacitação aos agentes comnunitários de saúde do municípioCapacitação aos agentes comnunitários de saúde do município
Capacitação aos agentes comnunitários de saúde do município
 
Aula 01 - O Processo Saúde e Doença
Aula 01 - O Processo Saúde e DoençaAula 01 - O Processo Saúde e Doença
Aula 01 - O Processo Saúde e Doença
 

Semelhante a Saude da familia

Pacto pela saude
Pacto pela saudePacto pela saude
Pacto pela saude
karensuelen
 
Pnab
PnabPnab
Pnab
PnabPnab
Aula atenção básica geral, saúde da família e
Aula atenção básica geral, saúde da família eAula atenção básica geral, saúde da família e
Aula atenção básica geral, saúde da família e
Franzinha2
 
Pnab
PnabPnab
PNAB - ATENÇÃO PRIMÁRIA.pdf
PNAB - ATENÇÃO PRIMÁRIA.pdfPNAB - ATENÇÃO PRIMÁRIA.pdf
PNAB - ATENÇÃO PRIMÁRIA.pdf
MANOELMESSIASSANTOSS1
 
Atenção básica e financiamento heider pinto
Atenção básica e financiamento   heider pintoAtenção básica e financiamento   heider pinto
Atenção básica e financiamento heider pinto
Hêider Aurélio Pinto
 
Modelos assistenciais
Modelos assistenciaisModelos assistenciais
Modelos assistenciais
Jairo da Silva
 
Atenção Básica e seu financiamento - Heider Pinto
 Atenção Básica e seu financiamento - Heider Pinto Atenção Básica e seu financiamento - Heider Pinto
Atenção Básica e seu financiamento - Heider Pinto
Hêider Aurélio Pinto
 
Bases legais na saúde pública
Bases legais na saúde públicaBases legais na saúde pública
Bases legais na saúde pública
bel_c
 
Planejamento II plano municipal Santa Rosa
Planejamento II  plano municipal Santa RosaPlanejamento II  plano municipal Santa Rosa
Planejamento II plano municipal Santa Rosa
Bi_Oliveira
 
PNAB apresentação em power point....pptx
PNAB apresentação em power point....pptxPNAB apresentação em power point....pptx
PNAB apresentação em power point....pptx
Jssica597589
 
Apostila sus
Apostila susApostila sus
Apostila sus
amanda cristina
 
Ap. nova pnab junho 2011 - dab sas - ms
Ap. nova pnab   junho 2011 - dab sas - msAp. nova pnab   junho 2011 - dab sas - ms
Ap. nova pnab junho 2011 - dab sas - ms
gerenciaeq
 
PNAB principais ações
PNAB principais açõesPNAB principais ações
PNAB principais ações
tmunicipal
 
Programa brasil sorridente
Programa brasil sorridentePrograma brasil sorridente
Programa brasil sorridente
Felipe Ferreira
 
Breve história da mfc, diagnóstico comunitário e planejamento do diagnóstico ...
Breve história da mfc, diagnóstico comunitário e planejamento do diagnóstico ...Breve história da mfc, diagnóstico comunitário e planejamento do diagnóstico ...
Breve história da mfc, diagnóstico comunitário e planejamento do diagnóstico ...
Ricardo Alexandre
 
Caderno atencao basica_n1_p1
Caderno atencao basica_n1_p1Caderno atencao basica_n1_p1
Caderno atencao basica_n1_p1
Sara Américo
 
Apresentação - 8ª Conferência Estadual de Saúde
Apresentação - 8ª Conferência Estadual de SaúdeApresentação - 8ª Conferência Estadual de Saúde
Apresentação - 8ª Conferência Estadual de Saúde
Wander Veroni Maia
 
Trabalho plano municipal
Trabalho plano municipalTrabalho plano municipal
Trabalho plano municipal
Bi_Oliveira
 

Semelhante a Saude da familia (20)

Pacto pela saude
Pacto pela saudePacto pela saude
Pacto pela saude
 
Pnab
PnabPnab
Pnab
 
Pnab
PnabPnab
Pnab
 
Aula atenção básica geral, saúde da família e
Aula atenção básica geral, saúde da família eAula atenção básica geral, saúde da família e
Aula atenção básica geral, saúde da família e
 
Pnab
PnabPnab
Pnab
 
PNAB - ATENÇÃO PRIMÁRIA.pdf
PNAB - ATENÇÃO PRIMÁRIA.pdfPNAB - ATENÇÃO PRIMÁRIA.pdf
PNAB - ATENÇÃO PRIMÁRIA.pdf
 
Atenção básica e financiamento heider pinto
Atenção básica e financiamento   heider pintoAtenção básica e financiamento   heider pinto
Atenção básica e financiamento heider pinto
 
Modelos assistenciais
Modelos assistenciaisModelos assistenciais
Modelos assistenciais
 
Atenção Básica e seu financiamento - Heider Pinto
 Atenção Básica e seu financiamento - Heider Pinto Atenção Básica e seu financiamento - Heider Pinto
Atenção Básica e seu financiamento - Heider Pinto
 
Bases legais na saúde pública
Bases legais na saúde públicaBases legais na saúde pública
Bases legais na saúde pública
 
Planejamento II plano municipal Santa Rosa
Planejamento II  plano municipal Santa RosaPlanejamento II  plano municipal Santa Rosa
Planejamento II plano municipal Santa Rosa
 
PNAB apresentação em power point....pptx
PNAB apresentação em power point....pptxPNAB apresentação em power point....pptx
PNAB apresentação em power point....pptx
 
Apostila sus
Apostila susApostila sus
Apostila sus
 
Ap. nova pnab junho 2011 - dab sas - ms
Ap. nova pnab   junho 2011 - dab sas - msAp. nova pnab   junho 2011 - dab sas - ms
Ap. nova pnab junho 2011 - dab sas - ms
 
PNAB principais ações
PNAB principais açõesPNAB principais ações
PNAB principais ações
 
Programa brasil sorridente
Programa brasil sorridentePrograma brasil sorridente
Programa brasil sorridente
 
Breve história da mfc, diagnóstico comunitário e planejamento do diagnóstico ...
Breve história da mfc, diagnóstico comunitário e planejamento do diagnóstico ...Breve história da mfc, diagnóstico comunitário e planejamento do diagnóstico ...
Breve história da mfc, diagnóstico comunitário e planejamento do diagnóstico ...
 
Caderno atencao basica_n1_p1
Caderno atencao basica_n1_p1Caderno atencao basica_n1_p1
Caderno atencao basica_n1_p1
 
Apresentação - 8ª Conferência Estadual de Saúde
Apresentação - 8ª Conferência Estadual de SaúdeApresentação - 8ª Conferência Estadual de Saúde
Apresentação - 8ª Conferência Estadual de Saúde
 
Trabalho plano municipal
Trabalho plano municipalTrabalho plano municipal
Trabalho plano municipal
 

Saude da familia

  • 1.
  • 2. ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA História, Perspectivas e Desafios Brasília 2005
  • 3. • Ministério da Saúde desenvolvia ações de promoção da saúde e prevenção de doenças. A assistência médica era de responsabilidade do Instituto Nacional de Assistência Médica da Previdência Social – INAMPS. • 1986 – a VIII Conferência Nacional de Saúde consagrou o direito à saúde como um direto de cidadania universal, garantido pelo Estado e expressão das lutas e conquistas sociais. Política de Saúde Histórico
  • 4. • 1988 - Nova Constituição Federal – garantiu a saúde como direito de todos e dever do Estado. Princípios: universalidade, integralidade, equidade, descentralização da assistência e participação social. • 1990 - Lei 8.080 – instituiu o Sistema Único de Saúde, com comando único em cada esfera de governo. Municípios como executores das ações e serviços de saúde, com cooperação técnica e financeira dos Estados e da União. • Normas Operacionais Básicas da Saúde NOB – SUS/91 e NOB – SUS/92 – tratam do repasse condicionado à produção de serviços e igualam o pagamento do prestador público ao privado. Política de Saúde - Histórico
  • 5. • NOB - SUS/93 – definiu os mecanismos de transferência de recursos fundo a fundo. • NOB – SUS/96 – modificou as condições de gestão e ampliou a transferência fundo a fundo; utiliza o per capita para o financiamento da atenção básica; definiu o pagamento de incentivos; e propôs a elaboração da Programação Pactuada Integrada. • Normas Operacionais de Assistência à Saúde - NOAS 01/02 – reorganizam o SUS, por meio da regionalização da assistência, e modificaram critérios para a habilitação dos estados e municípios, fortalecendo o processo de descentralização da gestão. Política de Saúde - Histórico
  • 6. A Atenção Básica à Saúde compreende um conjunto de ações, de caráter individual e coletivo, que engloba a promoção da saúde, a prevenção de agravos, o tratamento e a reabilitação e constitui o primeiro nível da atenção do Sistema Único de Saúde. Atenção Básica à Saúde
  • 7. ABS organizada pela estratégia SAÚDE DA FAMÍLIA
  • 8. ABS organizada pela estratégia SAÚDE DA FAMÍLIA Possibilita a organização do Sistema Municipal de Saúde para contemplar os pontos essenciais de qualidade na Atenção Básica
  • 9. A Saúde da Família constitui uma estratégia para a organização e fortalecimento da Atenção Básica como o primeiro nível de atenção à saúde no SUS Procura o fortalecimento da atenção por meio da ampliação do acesso, a qualificação e reorientação das práticas de saúde embasadas na Promoção da Saúde Organização dos Serviços
  • 10. Princípios da estratégia de Saúde da Família ADSCRIÇÃO DE CLIENTELA Definição precisa do território de atuação TERRITORIALIZAÇÃO Mapeamento da área, compreendendo segmento populacional determinado DIAGNÓSTICO DA SITUAÇÃO DE SAÚDE DA POPULAÇÃO Cadastramento das famílias e dos indivíduos, gerando dados que possibilitem a análise da situação de saúde do território PLANEJAMENTO BASEADO NA REALIDADE LOCAL Programação das atividades segundo critérios de risco à saúde, priorizando solução dos problemas
  • 11. INTERDISCIPLINARIDADE Trabalho interdisciplinar, integrando áreas técnicas e profissionais de diferentes formações VINCULAÇÃO Participação na dinâmica social das famílias assistidas e da própria comunidade COMPETÊNCIA CULTURAL Valorização dos diversos saberes e práticas na perspectiva de uma abordagem integral e resolutiva, possibilitando a criação de vínculos de confiança com ética, compromisso e respeito Características do processo de trabalho da SF
  • 12. PARTICIPAÇÃO SOCIAL Participação da comunidade no planejamento, execução e avaliação das ações INTERSETORIALIDADE Trabalho intersetorial, integrando projetos sociais e setores afins, voltados para a promoção da saúde FORTALECIMENTO DA GESTÃO LOCAL Apoio a estratégias de fortalecimento da gestão local. Características do processo de trabalho da SF
  • 13. Composição Básica: • Médico • Enfermeiro • Auxiliares de enfermagem • Agentes comunitários de saúde • Cirurgião-Dentista • Auxiliar de consultório dentário e/ou • Técnico de higiene dental SAÚDE DA FAMÍLIA
  • 14. Dirigido aos municípios com mais de 100 mil habitantes apoiando a ampliação da SF e de serviços públicos de média complexidade ambulatorial;  Educação permanente de RH; Estudos de linha de base e projeto de Avaliação para Melhoria da Qualidade;  Monitoramento e Avaliação – recursos fundo a fundo para as SES – Pacto de Redução da Mortalidade Materna e Neonatal. Expansão e qualificação da Atenção Básica
  • 15. • 550 milhões de dólares em 6 anos • 231 municípios – 55% da população • Alcançar 60% de cobertura do PSF • Infraestrutura da rede básica • Ampliação da oferta pública de atenção especializada e diagnóstico • Fortalecimento da capacidade de gestão – regulação • Superar a precarização na contratação de RH • Incorporação das ações programáticas prioritárias • Dificuldades: • mudança da rede tradicional • competir com o mercado privado • enfrentar modelo hospitalocêntrico PROESF
  • 16. Objetivos Qualificar e ampliar resolubilidade e integralidade da Estratégia de Saúde da Família Modalidades Atividade física, saúde mental, reabilitação, alimentação e nutrição e serviço social Implantação O município poderá implantar o Núcleo com todas as suas modalidades ou implantá-las separadamente Núcleo de Atenção Integral na Saúde da Família
  • 17. Avaliação para melhoria da Qualidade Qualificação da estratégia Saúde da Família Criar as bases para um sistema de melhoria contínua da qualidade e da promoção da cultura da avaliação no âmbito da Atenção Básica em Saúde
  • 18. Ministério da Saúde:  Medicamentos - hipertensão, diabetes, asma, anemias, hipovitaminose A, contraceptivos e reposição de nicotina. Vacinas e tratamento das endemias.  Insumos – Saúde bucal e planejamento familiar.  Revisão do PAB para Assist. Farmacêutica Básica - R$ 3,50.  Compra centralizada: R$ 681 milhões.  Valor orçamentário para o Piso da Assistência Farmacêutica Básica/2005: R$ 281milhões. Nova política de Assistência Farmacêutica para a Atenção Básica
  • 19. Financiamento Eqüitativo em Saúde Port. GM/MS nº 1.434, de 14/07/04 Objetivo Ampliar o acesso à saúde de populações em situação de desigualdade social, por meio da estratégia Saúde da Família, considerando as diversidades regionais e utilizando uma política de financiamento apoiada no princípio da eqüidade. Financiamento da Atenção Básica
  • 20. BLOCO 1 Revisão dos parâmetros de cobertura dos ACS na zona rural dos municípios da Amazônia Legal Mudança: Redução do número de pessoas acompanhadas por Agente Comunitário de Saúde Nº de pessoas acompanhadas por ACS Situação Atual Mudança Mínimo 400 280 Média 575 300 Máximo 750 320 Impacto previsto: 7.435 novos ACS, com incremento de R$ 1.784.400,00 mensais
  • 21. BLOCO 4 Alvo: Pop. remanescente de quilombos ou residente em assentamentos de municípios não selecionados pelos critérios dos BLOCOS 2 e 3 Mudança: Acrescer em 50% o valor dos Incentivos Saúde da Família e Saúde Bucal pagos atualmente, em correspondência à faixa de cobertura, de acordo com o nº máximo de equipes necessárias e implantadas para assistir a essas populações Número de Municípios contemplados: 385
  • 22. Amazônia Legal Demais Regiões IDH ≤ 0,7 ≤ 0,7 Porte Pop. ≤ 50 mil hab ≤ 30 mil hab BLOCO 3 Alvo: Municípios incluídos no PITS não selecionados pelos critérios do BLOCO 2 Mudança: Acrescer em 50% o valor dos Incentivos Saúde da Família e Saúde Bucal, transferidos mensalmente, pagos em correspondência à faixa de cobertura BLOCO 2 Municípios com as seguintes características
  • 23. Recursos destinados à Atenção Básica Dezembro de 2002/Dezembro de 2004 - Brasil Dezembro/2002 16.815 69.794.307,00 Dezembro/2004 21.239 123.101.347,00 % Variação 26,31 76,38 Número Valor (R$) Dezembro/2002 175.469 35.093.800,00 Dezembro/2004 192.756 50.111.100,00 % Variação 9,85 42,79 Número Valor (R$) Dezembro/2002 4.278 5.308.495,45 Dezembro/2004 8.955 19.154.650,00 % Variação 109,33 260,83 Agentes Comunitários de Saúde Equipes Saúde Bucal
  • 24. Total Mensal (R$) Total Per Capita (R$) Dezembro/2002 325.218.798,30 22,44 Dezembro/2004 457.318.091,64 30,80 % Variação 40,62 37,26 Recursos Totais Destinados à Atenção Básica Dezembro de 2002/Dezembro de 2004
  • 25. ANO ORÇAMENTO EXECUÇÃO % EXECUTADO 1998 R$ 201.000.000,00 R$ 143.763.058,42 71,52 1999 R$ 378.999.286,00 R$ 306.583.162,50 80,89 2000 R$ 680.000.000,00 R$ 648.500.575,97 95,37 2001 R$ 970.000.000,00 R$ 857.778.827,63 88,43 2002 R$ 1.350.000.000,00 R$ 1.204.978.139,88 89,25 2003 R$ 1.680.000.000,00 R$ 1.655.722.702,97 98,55 2004 R$ 2.071.000.000,00 R$ 2.071.000.000,00 100,00 2005 R$ 2.349.794.994,00 Incentivos Financeiros Transferidos à Saúde da Família, Agentes Comunitários de Saúde e Saúde Bucal
  • 26. Priorização política do investimento – o financiamento Responsabilização de todos os gestores e trabalhadores municipais na (re)organização da ABS Otimização da utilização dos recursos disponíveis com inserção da estratégia Saúde da Família nas redes de serviços Implantação dos instrumentos de gestão disponíveis (SIAB, PPI, Pacto da Atenção Básica) Capacitação, formação e contratação de recursos humanos Avaliação e acompanhamento permanente Desafios para a Atenção Básica
  • 27. 1. Na Gestão:  Falta de priorização no financiamento para ABS  Distorção do conceito de Integralidade - aplicado à formulação de políticas de “ação programática” e “campanhista”  Pouco compromisso dos serviços/gestores com a Resolubilidade – priorização das ações curativas/emergenciais  Fragmentação da Atenção à Saúde onde persiste o equívoco de que “ABS faz apenas promoção e prevenção”  Rede constituída que necessita de adequações estruturais  Instrumentos gerenciais de Avaliação e Monitoramento inadequados à nova prática
  • 28. 2. Nos Recursos Humanos:  Contratação – precarização e limites legais  Formação – pautada na biomedicina Desafio 1 – ESTRUTURAL  Constituir-se efetivamente como o primeiro nível de atenção no SUS;  Romper com o modelo hospitalocêntrico e privatista;  Caracterizar-se como a principal “porta de entrada” do SUS;  Atenção da equipe ao cidadão, por meio do vínculo e a co- responsabilização do processo saúde-doença da comunidade.
  • 29. Desafio 2 - CONJUNTURAL  Organizar a ABS e conseqüentemente o SUS Mudança na prática e na concepção dos sujeitos, por meio:  Humanização, Acolhimento e Vínculo; Integralidade (sistema hierarquizado e assistência integral, contínua e organizada, à população adscrita, com garantia de acesso a recursos complementares);  Prevenção, promoção, tratamento, recuperação e manutenção da saúde;  Território e comunidade adstrita;  Foco na Família; Cuidado ao longo do tempo.
  • 30. Indicadores que apontamIndicadores que apontam para a melhoria dapara a melhoria da qualidade de vida, a partirqualidade de vida, a partir da organização dada organização da Atenção BásicaAtenção Básica
  • 31. Prevalência de Aleitamento Materno Exclusivo e Desnutrição Infantil, nas áreas cobertas pela SF Brasil, 1999 - 2003 10,1 63,3 67,2 4,8 57,4 8,1 60,8 7,0 65,8 6,1 - 10 20 30 40 50 60 70 80 % cças até 4 meses aleitamento materno exclusivo % de crianças menores de 1 ano desnutridas % 1999 (2.218 mum) 2000 (2.964 Mun) 2001 (3.864 Mun) 2002 (4.496 Mun) 2003 (4.780 Mun) Fonte: Sistema de Informação da Atenção Básica - SIAB - Base limpa
  • 32. Taxa de Mortalidade Infantil* nas áreas cobertas pela SF. Brasil, 1999 - 2003 40,8 36,1 33,0 31,3 29,5 6,1 3,5 5,5 5,1 4,0 27,2 25,2 23,9 23,6 22,9 5,1 4,4 8,0 3,13,3- 5,0 10,0 15,0 20,0 25,0 30,0 35,0 40,0 45,0 50,0 1999 (2.317 Mun) 2000 (3.270 mun) 2001 (3.364 Mun) 2002 (4.496 Mun) 2003 (4.781 Mun) p/1000NV TMI TMI por diarréia TMI por IRA TMIpor outras causas Fonte : Si s te ma de Inf or ma ção da A te nção B ás i c a - SIA B - B a s e l i mpa * D a dos r e f e r i dos .
  • 33. 6,6 8,8 17,4 25,4 31,9 35,7 39,7 0,0 5,0 10,0 15,0 20,0 25,0 30,0 35,0 40,0 45,0 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 ANO % Cobertura Populacional do SF - Brasil dezembro de 1998 a dezembro de 2004
  • 34. • 1 bilhão de procedimentos de Atenção Básica • 251 milhões de exames laboratoriais • 8,1 milhões de exames de ultra-sonografia • 132,5 milhões de atendimentos de alta complexidade • 2,6 milhões de partos • 83 mil cirurgias cardíacas • 60 mil cirurgias oncológicas • 97% da oferta de hemodiálise Assistência Ambulatorial e Hospitalar Sistema de Saúde BrasileiroSistema de Saúde Brasileiro
  • 35. 73,7 76,1 83,4 52,4 55,6 79,8 85,7 59,9 68,2 64,6 82,6 84,3 90,786,2 89,0 40,0 50,0 60,0 70,0 80,0 90,0 1999 (2.318 Mun) 2000 (3.268 Mun) 2001 (3.865 Mun) 2002 (4.493 Mun) 2003 (4.780 Mun) % pré-natal na unidade pré-natal no 1º trimestre vacina em dia Fonte : Si s te ma de Inf or ma ção da A te nção B ás i c a - SIA B % de Gestantes acompanhadas pelos ACS nas áreas cobertas pela SF – Brasil 1999 - 2003
  • 36. AFRA SUASSUNA FERNANDES Diretora Departamento de Atenção Básica Secretaria de Atenção à Saúde Ministério da Saúde MUITO OBRIGADA!