SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 24
PROCESSO
SAÚDE-DOENÇA
Joanna D’Castro
Patricia Esteves
Thamires Ladeia Moreira
Verônica Hartuique Oliveira
03/11/2015 1Footer Text
Definição de Saúde
Durante muito tempo, predominou o entendimento de que saúde
era sinônimo de ausência de doenças físicas e mentais. Com
isso os serviços de saúde privilegiavam na sua organização a
atenção médica curativa.
A OMS define que "saúde é o completo bem-estar físico,
mental e social e não a simples ausência de doença".
Essa definição aponta para a complexidade do tema, e a
reflexão mais aprofundada sobre seu significado nos leva a
considerar a necessidade de ações intersetoriais e
interdisciplinares no sentido de criar condições de vida
saudáveis.
03/11/2015Footer Text 2
DIREITO À SAÚDELEI Nº 8080, DE 19 de SETEMBRO de 1990
Art. 2º A saúde é um direito fundamental do ser humano, devendo o Estado prover as
condições indispensáveis ao seu pleno exercício.
o § 1º O dever do Estado de garantir a saúde consiste na formulação e execução de políticas
econômicas e sociais que visem à redução de riscos de doenças e de outros agravos e no
estabelecimento de condições que assegurem acesso universal e igualitário às ações e aos
serviços para a sua promoção, proteção e recuperação.
o § 2º O dever do Estado não exclui o das pessoas, da família, das empresas e da sociedade.
Art. 3o Os níveis de saúde expressam a organização social e econômica do País, tendo a
saúde como determinantes e condicionantes, entre outros, a alimentação, a moradia, o
saneamento básico, o meio ambiente, o trabalho, a renda, a educação, a atividade física, o
transporte, o lazer e o acesso aos bens e serviços essenciais.
Parágrafo único. Dizem respeito também à saúde as ações que, por força do disposto no
artigo anterior, se destinam a garantir às pessoas e à coletividade condições de bem-estar
físico, mental e social.
8/27/2017Footer Text 3
Definição de Doença
• A doença não pode ser compreendida apenas por meio
das medições fisiopatológicas, pois quem estabelece o
estado da doença é o sofrimento, a dor, o prazer, enfim
os valores e sentimentos expressos pelo corpo subjetivo
que adoece (CANGUILHEM; CAPONI apud BRÊTAS e
GAMBA, 2006).
03/11/2015Footer Text 4
Processo Saúde-Doença
Em síntese, pode-se dizer que ele representa o conjunto
de relações e variáveis que produzem e condicionam o
estado de saúde e doença de uma população, que varia
nos diversos momentos históricos e do desenvolvimento
científico da humanidade.
03/11/2015Footer Text 5
HISTÓRIA DO PROCESSO
SAÚDE-DOENÇA
• TEORIA MÁGICO/RELIGIOSO – IDADE ANTIGA
o Doença era resultado de forças externas que invadiam o corpo por algum pecado
cometido ou maldição;
o Cura se dava por Líderes espirituais que mantinham contato com o universo sobrenatural
e com as forças da natureza.
o Atualmente se mantém resquícios na sociedade com os chás curativos, simpatias,
benzedeiras, superstições...
• TEORIA MEDICINA HIPOCRÁTICA – IMPÉRIO GREGO
o Hipócrates defendia que a saúde resultava do bom equilíbrio entre o homem e o meio, e
a doença surgiria a partir de um desequilíbrio dos quatro elementos naturais com os
quatro humores do organismo.
03/11/2015Footer Text 6
HISTÓRIA DO PROCESSO
SAÚDE-DOENÇA
• TEORIA MIASMÁTICA – IMPÉRIO GREGO-ROMANO
o Explicava o surgimento das doenças a partir da emanação do ar de regiões insalubres.
o Roma deu o primeiro importante passo na promoção da saúde quando tornou a higiene
pessoal acessível através dos banhos públicos
• TEORIA DO CASTIGO E REDENÇÃO – IDADE MÉDIA
o Cristianismo  conexão entre a doença e o pecado.
o Mantinha a teoria miasmática.
o Cura: atribuição de religiosos.
o Proibição de novas descobertas da ciência pela Igreja.
o Descritas várias epidemias: varíola, difteria, sarampo, influenza, tuberculose, escabiose,
erisipela, a lepra e a peste bubônica.
o Utilizavam a prática da quarentena.
03/11/2015Footer Text 7
HISTÓRIA DO PROCESSO
SAÚDE-DOENÇA
• TEORIA RENASCENTISTA – RENASCIMENTO
o Fracastoro propõe existência de agentes específicos para cada doença.
o Transmissão das doenças de pessoa a pessoa  partículas imperceptíveis ou
germes de contágio.
o Desenvolvimento de anatomia, fisiologia, e de individualização da descrição das doenças 
observação clínica e epidemiológica
• TEORIA DOS MICROORGANISMOS – SEC. XIX
o Investigação das doenças infecciosas e da microbiologia
 Louis Pasteur
 Joseph Lister
o Vetores ou hospedeiros intermediários na transmissão de doenças
o os portadores sadios na manutenção da cadeia epidemiológica.
o Várias vacinas e soros imunes foram produzidos para um número expressivo de doenças.
03/11/2015Footer Text 8
HISTÓRIA DO PROCESSO
SAÚDE-DOENÇA
• TEORIA ONTOLÓGICA – Unicausalidade
o Existência de apenas uma causa (agente) para um agravo ou doença.
o Permitiu o sucesso na prevenção de diversas doenças.
o Prática médica é curativa e biologicista.
o Fonte:
Fonte:
03/11/2015Footer Text 9
HISTÓRIA DO PROCESSO
SAÚDE-DOENÇA
• TEORIA MULTICASUALIDADE
o O modelo Unicausal não explica doenças com múltiplos fatores de risco
 modelos multicausais.
o Transição epidemiológica: diminuição das doenças infecto-parasitárias
e incremento das doenças crônico-degenerativas.
o Tríade ecológica: doença  desequilíbrio da auto-regulação do sistema
• Permitiu a investigação e avanços na prevenção de doenças.
Fonte:
03/11/2015Footer Text 10
HISTÓRIA DO PROCESSO
SAÚDE-DOENÇA
• Leavell & Clark (1976)
o tríade ecológica que define o modelo de causalidade das doenças a
partir das relações entre agente, hospedeiro e meio-ambiente.
o O conceito de história natural das doenças é definido como “todas as
interrelações do agente, do hospedeiro e do meio ambiente que
afetam o processo global e seu desenvolvimento, desde as primeiras
forças que criam o estímulo patológico no meio ambiente ou em
qualquer outro lugar (pré-patogênese), passando pela resposta do
homem ao estímulo, até as alterações que levam a um defeito,
invalidez, recuperação ou morte (patogênese).
03/11/2015Footer Text 11
DETERMINANTES
SOCIAIS DA SAÚDE
Os Determinantes Sociais da Saúde (DSS) são os fatores
sociais, econômicos, culturais, étnicos/raciais, psicológicos
e comportamentais que influenciam a ocorrência de problemas
de saúde e seus fatores de risco na população.
Evidências mostram que a maioria da carga das doenças e
grande parte das desigualdades de saúde são causadas pelos
determinantes sociais.
(Comissão Nacional sobre os Determinantes Sociais da Saúde - CNDSS )
03/11/2015Footer Text 12
DETERMINANTES
SOCIAIS DA SAÚDE
• Auxiliam à produzir conhecimentos e informações sobre o
Brasil;
• Apoiar o desenvolvimento de políticas e programas para a
promoção da equidade em saúde;
• O principal desafio dos estudos sobre as relações entre
determinantes sociais e saúde consiste em:
 Estabelecer uma hierarquia de determinações entre os fatores mais gerais de
natureza social, econômica e política;
 Compreender o modo no qual esses fatores incidem sobre a situação de
saúde de grupos e pessoas.
03/11/2015Footer Text 13
DETERMINANTES
SOCIAIS DA SAÚDE
• Deve ser feito a distinção entre os determinantes de saúde dos
indivíduos e os de grupos e populações.
• Como fatores que são importantes para explicar as diferenças no
estado de saúde dos indivíduos não explicam as diferenças entre
grupos de uma sociedade ou entre sociedades diversas.
• Existem diversos modelos que procuram esquematizar os diversos
fatores que influenciam o processo saúde doença.
03/11/2015Footer Text 14
O modelo de
Dahlgren - Whitehead
Explica como as desigualdades sociais na saúde são
resultado das interações entre os diferentes níveis de
condições, desde o nível individual até o de comunidades
afetadas por políticas de saúde.
03/11/2015 15
O modelo de
Didericksen - Hallqvist
Este modelo enfatiza a criação da estratificação social pelo
contexto social, que delega aos indivíduos posições sociais
distintas. A posição social das pessoas determina suas
oportunidades de saúde
03/11/2015Footer Text 16
Determinantes Sociais da
Saúde
A saúde possui muitos tipos de determinantes. A estrutura
genética é altamente influente, tendo evoluído por milhões
de anos, e determina os limites dentro do que os serviços
de saúde podem alcançar na melhora da saúde.
03/11/2015Footer Text 17
O
03/11/2015Footer Text 18
Promoção da Saúde
A educação em saúde procura desencadear mudanças
de comportamento individual, enquanto a promoção em
saúde, muito embora inclua sempre a educação em
saúde, visa a provocar mudanças de comportamento
organizacional, capazes de beneficiar a saúde de camadas
mais amplas da população.
03/11/2015Footer Text 19
Promoção da Saúde
• Conferência de Alma Ata (1978):
o metas para a promoção da saúde, que persistem até os dias atuais:
compromisso de “Saúde para Todos no ano 2000”oito elementos
essenciais para atingir tal meta:
1. Educação dirigida aos problemas de saúde prevalentes e métodos para sua
prevenção e controle;
2. Promoção do suprimento de alimentos e nutrição adequada;
3. Abastecimento de água e saneamento básico apropriados;
4. Atenção materno-infantil, incluindo o planejamento familiar;
5. Imunização contra as principais doenças infecciosas;
6. Prevenção e controle de doenças endêmicas;
7. Tratamento apropriado de doenças comuns e acidentes;
8. Distribuição de medicamentos básicos.
03/11/2015Footer Text 20
Promoção da Saúde
• Iª Conferência Internacional sobre Promoção da Saúde
realizada em Ottawa, no Canadá, em 1986:
o Carta de Ottawa: referência para as demais Conferências
Internacionais de Promoção da Saúde realizadas pela OMS.
• A promoção da saúde é assumida pelo SUS no texto da
Lei 8080 (1990):
o Art. 2º § 1º O dever do Estado de garantir a saúde consiste na
formulação e execução de políticas econômicas e sociais que
visem à redução de riscos de doenças e de outros agravos e no
estabelecimento de condições que assegurem acesso universal e
igualitário às ações e aos serviços para a sua promoção, proteção
e recuperação.
03/11/2015Footer Text 21
PREVENÇÃO
• Prevenção é definido como “ação antecipada, baseada
no conhecimento da história natural a fim de tornar
improvável o progresso posterior da doença”.
• A prevenção apresenta-se em quatro fases:
03/11/2015Footer Text 22
O Território e a
Promoção da Saúde
• O objetivo da promoção da saúde é adicionar anos à
vida e vida aos anos.
• Ela não é responsabilidade exclusiva do setor de saúde,
e vai para além de um estilo de vida saudável, na
direção de um bem-estar global.
03/11/2015Footer Text 23
Referências Bibliográficas
• VIANNA, Lucila. Processo Saúde-Doença. Una-SUS Unifesp
• BUSS, Paulo. Promoção da Saúde da Família. Programa Saúde da
Família, 2002
• ARANTES, Rosalba et al. Processo Saúde-doença e Promoção da
Saúde: Aspectos Históricos e Conceituais. Rev APS, 2008
• CÂMARA, Ana Maria et al. Percepção do Processo Saúde-doença:
Significados e Valores da Educação em Saúde. Rev Bras de
Educação Médica, 2012
• http://cmdss2011.org/site/experiencias
• STARFIELD, Barbara. Atenção Primária: Equilíbrio entre
Necessidades de Saúde, Serviços e Tecnologia. UNESCO, 2002
• BUSS, Paulo; BELEGRINI, Alberto. A Saúde e seus Determinantes
Sociais. Rev Saúde Coletiva, 2007
• BARROS, José. Pensando o Processo Saúde Doença: A Que
Responde o Modelo Biomédico?. Saúde e Sociedade, 2002
• SILVA, Jorge. O Processo Saúde-doença e Sua Importância Para a
Promoção Da Saúde. Informe-se em Promoção da Saúde, 2006
03/11/2015Footer Text 24

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 1 saúde coletiva i slides aula - cópia
Aula 1 saúde coletiva i   slides aula - cópiaAula 1 saúde coletiva i   slides aula - cópia
Aula 1 saúde coletiva i slides aula - cópiaKarla Toledo
 
Saúde Coletica - 5. vigilância epidemiológica
Saúde Coletica - 5. vigilância epidemiológicaSaúde Coletica - 5. vigilância epidemiológica
Saúde Coletica - 5. vigilância epidemiológicaMario Gandra
 
Comissão de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH)
 Comissão de  Controle de Infecção Hospitalar (CCIH) Comissão de  Controle de Infecção Hospitalar (CCIH)
Comissão de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH)ivanaferraz
 
Princípios e diretrizes do sus
Princípios e diretrizes do susPrincípios e diretrizes do sus
Princípios e diretrizes do susMarcos Nery
 
Pnab -programa nacional da Atenção básica
Pnab -programa nacional da Atenção básicaPnab -programa nacional da Atenção básica
Pnab -programa nacional da Atenção básicaJarquineide Silva
 
SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptx
SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptxSAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptx
SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptxWellingtonTeixeira24
 
POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE
POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE  POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE
POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE Valdirene1977
 
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher (PNAISM)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher (PNAISM)Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher (PNAISM)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher (PNAISM)Sanny Pereira
 
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIA
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIADOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIA
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIAAna Carolina Costa
 
Indicadores de saúde, distribuição de doenças no tempo e no espaço, vigilânci...
Indicadores de saúde, distribuição de doenças no tempo e no espaço, vigilânci...Indicadores de saúde, distribuição de doenças no tempo e no espaço, vigilânci...
Indicadores de saúde, distribuição de doenças no tempo e no espaço, vigilânci...Ricardo Alexandre
 
1ª aula introducao de-enfermagem
1ª aula introducao de-enfermagem1ª aula introducao de-enfermagem
1ª aula introducao de-enfermagemElter Alves
 

Mais procurados (20)

Aula 1 saúde coletiva i slides aula - cópia
Aula 1 saúde coletiva i   slides aula - cópiaAula 1 saúde coletiva i   slides aula - cópia
Aula 1 saúde coletiva i slides aula - cópia
 
Saúde Coletica - 5. vigilância epidemiológica
Saúde Coletica - 5. vigilância epidemiológicaSaúde Coletica - 5. vigilância epidemiológica
Saúde Coletica - 5. vigilância epidemiológica
 
Comissão de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH)
 Comissão de  Controle de Infecção Hospitalar (CCIH) Comissão de  Controle de Infecção Hospitalar (CCIH)
Comissão de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH)
 
Processo saúde doença
Processo saúde doençaProcesso saúde doença
Processo saúde doença
 
Atenção Primária à Saúde
Atenção Primária à SaúdeAtenção Primária à Saúde
Atenção Primária à Saúde
 
Princípios e diretrizes do sus
Princípios e diretrizes do susPrincípios e diretrizes do sus
Princípios e diretrizes do sus
 
Pnab -programa nacional da Atenção básica
Pnab -programa nacional da Atenção básicaPnab -programa nacional da Atenção básica
Pnab -programa nacional da Atenção básica
 
SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptx
SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptxSAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptx
SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptx
 
POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE
POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE  POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE
POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE
 
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher (PNAISM)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher (PNAISM)Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher (PNAISM)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher (PNAISM)
 
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIA
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIADOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIA
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIA
 
SUS - Aula
SUS - AulaSUS - Aula
SUS - Aula
 
Indicadores de saúde, distribuição de doenças no tempo e no espaço, vigilânci...
Indicadores de saúde, distribuição de doenças no tempo e no espaço, vigilânci...Indicadores de saúde, distribuição de doenças no tempo e no espaço, vigilânci...
Indicadores de saúde, distribuição de doenças no tempo e no espaço, vigilânci...
 
Aula processo-saude-doenca
Aula processo-saude-doencaAula processo-saude-doenca
Aula processo-saude-doenca
 
EPIDEMIOLOGIA
EPIDEMIOLOGIAEPIDEMIOLOGIA
EPIDEMIOLOGIA
 
BIOÉTICA EM ENFERMAGEM
BIOÉTICA EM ENFERMAGEMBIOÉTICA EM ENFERMAGEM
BIOÉTICA EM ENFERMAGEM
 
1ª aula introducao de-enfermagem
1ª aula introducao de-enfermagem1ª aula introducao de-enfermagem
1ª aula introducao de-enfermagem
 
História da Saúde Pública no Brasil
História da Saúde Pública no BrasilHistória da Saúde Pública no Brasil
História da Saúde Pública no Brasil
 
Saúde da Mulher na APS
Saúde da Mulher na APSSaúde da Mulher na APS
Saúde da Mulher na APS
 
Aula 3 - SUS
Aula 3 - SUSAula 3 - SUS
Aula 3 - SUS
 

Semelhante a Processo saúde doença

BIOÉTICA E O SER HUMANO NO PROCESSO SAÚDE 1.pptx
BIOÉTICA E O SER HUMANO NO PROCESSO SAÚDE 1.pptxBIOÉTICA E O SER HUMANO NO PROCESSO SAÚDE 1.pptx
BIOÉTICA E O SER HUMANO NO PROCESSO SAÚDE 1.pptxJessiellyGuimares
 
Aula_1_-_Visão_Holística_da_Saúde.pptx
Aula_1_-_Visão_Holística_da_Saúde.pptxAula_1_-_Visão_Holística_da_Saúde.pptx
Aula_1_-_Visão_Holística_da_Saúde.pptxWellyson Rocha
 
Saúde Pública - História Natural da Doença
Saúde Pública - História Natural da DoençaSaúde Pública - História Natural da Doença
Saúde Pública - História Natural da DoençaWelisson Porto
 
1 Noções de saúde coletiva - Copia.pptx
1 Noções de saúde coletiva - Copia.pptx1 Noções de saúde coletiva - Copia.pptx
1 Noções de saúde coletiva - Copia.pptxklenio2
 
Saude publica ..
Saude  publica ..Saude  publica ..
Saude publica ..KaahHSantos
 
Definição de Saúde Pública - A Saúde P[ublica no Brasil
Definição de Saúde Pública - A Saúde P[ublica no BrasilDefinição de Saúde Pública - A Saúde P[ublica no Brasil
Definição de Saúde Pública - A Saúde P[ublica no BrasilKaahHSantos
 
Saúde Pública 2.0
Saúde Pública 2.0Saúde Pública 2.0
Saúde Pública 2.0KaahHSantos
 
SaúDe Ambiental E VigilâNcia SanitáRia – SaúDe
SaúDe Ambiental E VigilâNcia     SanitáRia – SaúDeSaúDe Ambiental E VigilâNcia     SanitáRia – SaúDe
SaúDe Ambiental E VigilâNcia SanitáRia – SaúDejhony
 
SaúDe Ambiental E VigilâNcia SanitáRia – SaúDe[1]
SaúDe Ambiental E VigilâNcia     SanitáRia – SaúDe[1]SaúDe Ambiental E VigilâNcia     SanitáRia – SaúDe[1]
SaúDe Ambiental E VigilâNcia SanitáRia – SaúDe[1]jhony
 
Medicalização na infância
Medicalização na infância Medicalização na infância
Medicalização na infância CENAT Cursos
 
Artigo determinantes de_saúde
Artigo determinantes de_saúdeArtigo determinantes de_saúde
Artigo determinantes de_saúdeJuanito Florentino
 
Especialização em Saúde da Família UNA - SUS
Especialização em Saúde da Família UNA - SUSEspecialização em Saúde da Família UNA - SUS
Especialização em Saúde da Família UNA - SUSSebástian Freire
 
UNIDADE 1-Saúde Coletiva.pptx
UNIDADE 1-Saúde Coletiva.pptxUNIDADE 1-Saúde Coletiva.pptx
UNIDADE 1-Saúde Coletiva.pptxPatriciaNoro1
 

Semelhante a Processo saúde doença (20)

BIOÉTICA E O SER HUMANO NO PROCESSO SAÚDE 1.pptx
BIOÉTICA E O SER HUMANO NO PROCESSO SAÚDE 1.pptxBIOÉTICA E O SER HUMANO NO PROCESSO SAÚDE 1.pptx
BIOÉTICA E O SER HUMANO NO PROCESSO SAÚDE 1.pptx
 
Aula_1_-_Visão_Holística_da_Saúde.pptx
Aula_1_-_Visão_Holística_da_Saúde.pptxAula_1_-_Visão_Holística_da_Saúde.pptx
Aula_1_-_Visão_Holística_da_Saúde.pptx
 
Saúde Pública - História Natural da Doença
Saúde Pública - História Natural da DoençaSaúde Pública - História Natural da Doença
Saúde Pública - História Natural da Doença
 
1 Noções de saúde coletiva - Copia.pptx
1 Noções de saúde coletiva - Copia.pptx1 Noções de saúde coletiva - Copia.pptx
1 Noções de saúde coletiva - Copia.pptx
 
Saúde Pública
Saúde PúblicaSaúde Pública
Saúde Pública
 
Saude publica ..
Saude  publica ..Saude  publica ..
Saude publica ..
 
Saude Publica
Saude  PublicaSaude  Publica
Saude Publica
 
Definição de Saúde Pública - A Saúde P[ublica no Brasil
Definição de Saúde Pública - A Saúde P[ublica no BrasilDefinição de Saúde Pública - A Saúde P[ublica no Brasil
Definição de Saúde Pública - A Saúde P[ublica no Brasil
 
Saúde Pública 2.0
Saúde Pública 2.0Saúde Pública 2.0
Saúde Pública 2.0
 
SaúDe Ambiental E VigilâNcia SanitáRia – SaúDe
SaúDe Ambiental E VigilâNcia     SanitáRia – SaúDeSaúDe Ambiental E VigilâNcia     SanitáRia – SaúDe
SaúDe Ambiental E VigilâNcia SanitáRia – SaúDe
 
SaúDe Ambiental E VigilâNcia SanitáRia – SaúDe[1]
SaúDe Ambiental E VigilâNcia     SanitáRia – SaúDe[1]SaúDe Ambiental E VigilâNcia     SanitáRia – SaúDe[1]
SaúDe Ambiental E VigilâNcia SanitáRia – SaúDe[1]
 
Medicalização na infância
Medicalização na infância Medicalização na infância
Medicalização na infância
 
Artigo determinantes de_saúde
Artigo determinantes de_saúdeArtigo determinantes de_saúde
Artigo determinantes de_saúde
 
Saúde pública
Saúde públicaSaúde pública
Saúde pública
 
Saúde Coletiva.pptx
Saúde Coletiva.pptxSaúde Coletiva.pptx
Saúde Coletiva.pptx
 
Saúde pública
Saúde públicaSaúde pública
Saúde pública
 
Especialização em Saúde da Família UNA - SUS
Especialização em Saúde da Família UNA - SUSEspecialização em Saúde da Família UNA - SUS
Especialização em Saúde da Família UNA - SUS
 
UNIDADE 1-Saúde Coletiva.pptx
UNIDADE 1-Saúde Coletiva.pptxUNIDADE 1-Saúde Coletiva.pptx
UNIDADE 1-Saúde Coletiva.pptx
 
Promoção+..
Promoção+..Promoção+..
Promoção+..
 
Texto 3 determinantes sociais
Texto 3   determinantes sociaisTexto 3   determinantes sociais
Texto 3 determinantes sociais
 

Mais de ilanaseixasladeia

Mais de ilanaseixasladeia (12)

Síndromes demênciais
Síndromes demênciaisSíndromes demênciais
Síndromes demênciais
 
Sepse
SepseSepse
Sepse
 
Cartilha hipertensao sbhas
Cartilha hipertensao sbhasCartilha hipertensao sbhas
Cartilha hipertensao sbhas
 
Homeopatia 3 pratica
Homeopatia 3 praticaHomeopatia 3 pratica
Homeopatia 3 pratica
 
Homeopatia 3 teórica
Homeopatia 3 teóricaHomeopatia 3 teórica
Homeopatia 3 teórica
 
Homeopatia 2 teórica
Homeopatia   2 teóricaHomeopatia   2 teórica
Homeopatia 2 teórica
 
Homeopatia 1 teórica
Homeopatia   1 teóricaHomeopatia   1 teórica
Homeopatia 1 teórica
 
Farmacologia
FarmacologiaFarmacologia
Farmacologia
 
Exercícios físicos para diabéticos
Exercícios físicos para diabéticosExercícios físicos para diabéticos
Exercícios físicos para diabéticos
 
Síndrome coronária. aguda e crônica miguel modificado
Síndrome coronária. aguda e crônica miguel modificadoSíndrome coronária. aguda e crônica miguel modificado
Síndrome coronária. aguda e crônica miguel modificado
 
Consulta de pre natal
Consulta de pre natalConsulta de pre natal
Consulta de pre natal
 
Apresentação diabetes
Apresentação diabetesApresentação diabetes
Apresentação diabetes
 

Processo saúde doença

  • 1. PROCESSO SAÚDE-DOENÇA Joanna D’Castro Patricia Esteves Thamires Ladeia Moreira Verônica Hartuique Oliveira 03/11/2015 1Footer Text
  • 2. Definição de Saúde Durante muito tempo, predominou o entendimento de que saúde era sinônimo de ausência de doenças físicas e mentais. Com isso os serviços de saúde privilegiavam na sua organização a atenção médica curativa. A OMS define que "saúde é o completo bem-estar físico, mental e social e não a simples ausência de doença". Essa definição aponta para a complexidade do tema, e a reflexão mais aprofundada sobre seu significado nos leva a considerar a necessidade de ações intersetoriais e interdisciplinares no sentido de criar condições de vida saudáveis. 03/11/2015Footer Text 2
  • 3. DIREITO À SAÚDELEI Nº 8080, DE 19 de SETEMBRO de 1990 Art. 2º A saúde é um direito fundamental do ser humano, devendo o Estado prover as condições indispensáveis ao seu pleno exercício. o § 1º O dever do Estado de garantir a saúde consiste na formulação e execução de políticas econômicas e sociais que visem à redução de riscos de doenças e de outros agravos e no estabelecimento de condições que assegurem acesso universal e igualitário às ações e aos serviços para a sua promoção, proteção e recuperação. o § 2º O dever do Estado não exclui o das pessoas, da família, das empresas e da sociedade. Art. 3o Os níveis de saúde expressam a organização social e econômica do País, tendo a saúde como determinantes e condicionantes, entre outros, a alimentação, a moradia, o saneamento básico, o meio ambiente, o trabalho, a renda, a educação, a atividade física, o transporte, o lazer e o acesso aos bens e serviços essenciais. Parágrafo único. Dizem respeito também à saúde as ações que, por força do disposto no artigo anterior, se destinam a garantir às pessoas e à coletividade condições de bem-estar físico, mental e social. 8/27/2017Footer Text 3
  • 4. Definição de Doença • A doença não pode ser compreendida apenas por meio das medições fisiopatológicas, pois quem estabelece o estado da doença é o sofrimento, a dor, o prazer, enfim os valores e sentimentos expressos pelo corpo subjetivo que adoece (CANGUILHEM; CAPONI apud BRÊTAS e GAMBA, 2006). 03/11/2015Footer Text 4
  • 5. Processo Saúde-Doença Em síntese, pode-se dizer que ele representa o conjunto de relações e variáveis que produzem e condicionam o estado de saúde e doença de uma população, que varia nos diversos momentos históricos e do desenvolvimento científico da humanidade. 03/11/2015Footer Text 5
  • 6. HISTÓRIA DO PROCESSO SAÚDE-DOENÇA • TEORIA MÁGICO/RELIGIOSO – IDADE ANTIGA o Doença era resultado de forças externas que invadiam o corpo por algum pecado cometido ou maldição; o Cura se dava por Líderes espirituais que mantinham contato com o universo sobrenatural e com as forças da natureza. o Atualmente se mantém resquícios na sociedade com os chás curativos, simpatias, benzedeiras, superstições... • TEORIA MEDICINA HIPOCRÁTICA – IMPÉRIO GREGO o Hipócrates defendia que a saúde resultava do bom equilíbrio entre o homem e o meio, e a doença surgiria a partir de um desequilíbrio dos quatro elementos naturais com os quatro humores do organismo. 03/11/2015Footer Text 6
  • 7. HISTÓRIA DO PROCESSO SAÚDE-DOENÇA • TEORIA MIASMÁTICA – IMPÉRIO GREGO-ROMANO o Explicava o surgimento das doenças a partir da emanação do ar de regiões insalubres. o Roma deu o primeiro importante passo na promoção da saúde quando tornou a higiene pessoal acessível através dos banhos públicos • TEORIA DO CASTIGO E REDENÇÃO – IDADE MÉDIA o Cristianismo  conexão entre a doença e o pecado. o Mantinha a teoria miasmática. o Cura: atribuição de religiosos. o Proibição de novas descobertas da ciência pela Igreja. o Descritas várias epidemias: varíola, difteria, sarampo, influenza, tuberculose, escabiose, erisipela, a lepra e a peste bubônica. o Utilizavam a prática da quarentena. 03/11/2015Footer Text 7
  • 8. HISTÓRIA DO PROCESSO SAÚDE-DOENÇA • TEORIA RENASCENTISTA – RENASCIMENTO o Fracastoro propõe existência de agentes específicos para cada doença. o Transmissão das doenças de pessoa a pessoa  partículas imperceptíveis ou germes de contágio. o Desenvolvimento de anatomia, fisiologia, e de individualização da descrição das doenças  observação clínica e epidemiológica • TEORIA DOS MICROORGANISMOS – SEC. XIX o Investigação das doenças infecciosas e da microbiologia  Louis Pasteur  Joseph Lister o Vetores ou hospedeiros intermediários na transmissão de doenças o os portadores sadios na manutenção da cadeia epidemiológica. o Várias vacinas e soros imunes foram produzidos para um número expressivo de doenças. 03/11/2015Footer Text 8
  • 9. HISTÓRIA DO PROCESSO SAÚDE-DOENÇA • TEORIA ONTOLÓGICA – Unicausalidade o Existência de apenas uma causa (agente) para um agravo ou doença. o Permitiu o sucesso na prevenção de diversas doenças. o Prática médica é curativa e biologicista. o Fonte: Fonte: 03/11/2015Footer Text 9
  • 10. HISTÓRIA DO PROCESSO SAÚDE-DOENÇA • TEORIA MULTICASUALIDADE o O modelo Unicausal não explica doenças com múltiplos fatores de risco  modelos multicausais. o Transição epidemiológica: diminuição das doenças infecto-parasitárias e incremento das doenças crônico-degenerativas. o Tríade ecológica: doença  desequilíbrio da auto-regulação do sistema • Permitiu a investigação e avanços na prevenção de doenças. Fonte: 03/11/2015Footer Text 10
  • 11. HISTÓRIA DO PROCESSO SAÚDE-DOENÇA • Leavell & Clark (1976) o tríade ecológica que define o modelo de causalidade das doenças a partir das relações entre agente, hospedeiro e meio-ambiente. o O conceito de história natural das doenças é definido como “todas as interrelações do agente, do hospedeiro e do meio ambiente que afetam o processo global e seu desenvolvimento, desde as primeiras forças que criam o estímulo patológico no meio ambiente ou em qualquer outro lugar (pré-patogênese), passando pela resposta do homem ao estímulo, até as alterações que levam a um defeito, invalidez, recuperação ou morte (patogênese). 03/11/2015Footer Text 11
  • 12. DETERMINANTES SOCIAIS DA SAÚDE Os Determinantes Sociais da Saúde (DSS) são os fatores sociais, econômicos, culturais, étnicos/raciais, psicológicos e comportamentais que influenciam a ocorrência de problemas de saúde e seus fatores de risco na população. Evidências mostram que a maioria da carga das doenças e grande parte das desigualdades de saúde são causadas pelos determinantes sociais. (Comissão Nacional sobre os Determinantes Sociais da Saúde - CNDSS ) 03/11/2015Footer Text 12
  • 13. DETERMINANTES SOCIAIS DA SAÚDE • Auxiliam à produzir conhecimentos e informações sobre o Brasil; • Apoiar o desenvolvimento de políticas e programas para a promoção da equidade em saúde; • O principal desafio dos estudos sobre as relações entre determinantes sociais e saúde consiste em:  Estabelecer uma hierarquia de determinações entre os fatores mais gerais de natureza social, econômica e política;  Compreender o modo no qual esses fatores incidem sobre a situação de saúde de grupos e pessoas. 03/11/2015Footer Text 13
  • 14. DETERMINANTES SOCIAIS DA SAÚDE • Deve ser feito a distinção entre os determinantes de saúde dos indivíduos e os de grupos e populações. • Como fatores que são importantes para explicar as diferenças no estado de saúde dos indivíduos não explicam as diferenças entre grupos de uma sociedade ou entre sociedades diversas. • Existem diversos modelos que procuram esquematizar os diversos fatores que influenciam o processo saúde doença. 03/11/2015Footer Text 14
  • 15. O modelo de Dahlgren - Whitehead Explica como as desigualdades sociais na saúde são resultado das interações entre os diferentes níveis de condições, desde o nível individual até o de comunidades afetadas por políticas de saúde. 03/11/2015 15
  • 16. O modelo de Didericksen - Hallqvist Este modelo enfatiza a criação da estratificação social pelo contexto social, que delega aos indivíduos posições sociais distintas. A posição social das pessoas determina suas oportunidades de saúde 03/11/2015Footer Text 16
  • 17. Determinantes Sociais da Saúde A saúde possui muitos tipos de determinantes. A estrutura genética é altamente influente, tendo evoluído por milhões de anos, e determina os limites dentro do que os serviços de saúde podem alcançar na melhora da saúde. 03/11/2015Footer Text 17
  • 19. Promoção da Saúde A educação em saúde procura desencadear mudanças de comportamento individual, enquanto a promoção em saúde, muito embora inclua sempre a educação em saúde, visa a provocar mudanças de comportamento organizacional, capazes de beneficiar a saúde de camadas mais amplas da população. 03/11/2015Footer Text 19
  • 20. Promoção da Saúde • Conferência de Alma Ata (1978): o metas para a promoção da saúde, que persistem até os dias atuais: compromisso de “Saúde para Todos no ano 2000”oito elementos essenciais para atingir tal meta: 1. Educação dirigida aos problemas de saúde prevalentes e métodos para sua prevenção e controle; 2. Promoção do suprimento de alimentos e nutrição adequada; 3. Abastecimento de água e saneamento básico apropriados; 4. Atenção materno-infantil, incluindo o planejamento familiar; 5. Imunização contra as principais doenças infecciosas; 6. Prevenção e controle de doenças endêmicas; 7. Tratamento apropriado de doenças comuns e acidentes; 8. Distribuição de medicamentos básicos. 03/11/2015Footer Text 20
  • 21. Promoção da Saúde • Iª Conferência Internacional sobre Promoção da Saúde realizada em Ottawa, no Canadá, em 1986: o Carta de Ottawa: referência para as demais Conferências Internacionais de Promoção da Saúde realizadas pela OMS. • A promoção da saúde é assumida pelo SUS no texto da Lei 8080 (1990): o Art. 2º § 1º O dever do Estado de garantir a saúde consiste na formulação e execução de políticas econômicas e sociais que visem à redução de riscos de doenças e de outros agravos e no estabelecimento de condições que assegurem acesso universal e igualitário às ações e aos serviços para a sua promoção, proteção e recuperação. 03/11/2015Footer Text 21
  • 22. PREVENÇÃO • Prevenção é definido como “ação antecipada, baseada no conhecimento da história natural a fim de tornar improvável o progresso posterior da doença”. • A prevenção apresenta-se em quatro fases: 03/11/2015Footer Text 22
  • 23. O Território e a Promoção da Saúde • O objetivo da promoção da saúde é adicionar anos à vida e vida aos anos. • Ela não é responsabilidade exclusiva do setor de saúde, e vai para além de um estilo de vida saudável, na direção de um bem-estar global. 03/11/2015Footer Text 23
  • 24. Referências Bibliográficas • VIANNA, Lucila. Processo Saúde-Doença. Una-SUS Unifesp • BUSS, Paulo. Promoção da Saúde da Família. Programa Saúde da Família, 2002 • ARANTES, Rosalba et al. Processo Saúde-doença e Promoção da Saúde: Aspectos Históricos e Conceituais. Rev APS, 2008 • CÂMARA, Ana Maria et al. Percepção do Processo Saúde-doença: Significados e Valores da Educação em Saúde. Rev Bras de Educação Médica, 2012 • http://cmdss2011.org/site/experiencias • STARFIELD, Barbara. Atenção Primária: Equilíbrio entre Necessidades de Saúde, Serviços e Tecnologia. UNESCO, 2002 • BUSS, Paulo; BELEGRINI, Alberto. A Saúde e seus Determinantes Sociais. Rev Saúde Coletiva, 2007 • BARROS, José. Pensando o Processo Saúde Doença: A Que Responde o Modelo Biomédico?. Saúde e Sociedade, 2002 • SILVA, Jorge. O Processo Saúde-doença e Sua Importância Para a Promoção Da Saúde. Informe-se em Promoção da Saúde, 2006 03/11/2015Footer Text 24