SlideShare uma empresa Scribd logo
Estratégia de Saúde da
        Família
   É o modelo de Atenção Primaria a
    Saúde (APS) no país

   ATRIBUTOS:
    - Porta de Entrada do Sistema (Acesso)
       Longitudinalidade
       Integralidade
       Coordenação do Cuidado
SUS
   Universalidade - Todas as pessoas têm direito ao
    atendimento independente da renda, cor, raça, religião,
    etc;

   Equidade - Todo cidadão é igual perante o SUS e será
    atendido conforme as suas necessidades;

   Integralidade - Nas ações, no Sistema de Saúde e na
    atenção ao sujeito (integral);

   Controle Social e Participação Social - Participação
    popular no sistema de saúde, com o foco na gestão
    participativa.
APS – Saúde da Família
   Caracteriza-se por um conjunto de ações de
    saúde, no âmbito individual e coletivo, que
    abrangem a promoção e a proteção de saúde, a
    prevenção de agravos, o diagnóstico, a reabilitação
    e a manutenção da saúde;

   Estas ações são desenvolvidas por uma equipe de
    trabalho multidisciplinar, atuando em um
    território geograficamente definido com uma
    população pertencente a este território.
Estratégia de Saúde da Família

   O objeto de atenção se desloca do
    indivíduo para a família, entendida a partir
    do território/ ambiente em que vive.
Estratégia de Saúde da Família

Equipe:
 Agente Comunitário de Saúde
 Auxiliar de enfermagem
 Médico de Família e Comunidade
 Enfermeiro
Processo de Trabalho das Equipes
                APS/SF

   Definição do Território de Atuação;
   Demanda Espontânea e Programada;
   Desenvolvimento de Ações Educativas(em
    todos os espaços de atuação);
    Desenvolvimento de ações focalizadas sobre
    os Grupos de Risco do Território.
Estratégias de intervenção
             Território da gestão
                            Planejamento
Processo de                 participativo
  trabalho
     ESF



              Capacitação
               Educação
                                              Visita
              Permanente
                                            Domiciliar
   Assistência integral e contínua, dentro das
    necessidades e não só da Demanda;
   Manter atualizado o Cadastramento das famílias;
   Trabalho em Equipe - com reunião de equipe:
    planejamento, monitoramento, avaliação e
    educação permanente;
   Apoio e Estímulo à Participação da
    Comunidade no planejamento, na execução e
    na avaliação das ações de saúde;
   Desenvolvimento de ações Intersetoriais,
    integrando projetos sociais e setores afins.
   Visita Domiciliar;
Estratégias de intervenção
            Território da clínica
 Abordagem de
fatores comuns                      Clínica integral
    de risco


                      Ação
                 multidisciplinar
PARTICIPAÇÃO DA COMUNIDADE
   VALORIZAÇÃO SOCIAL DA APS/SF
                    Educação, informação,
                        comunicação
   Autonomia
      Co-
responsabilização




                                  Mobilização,participação
Estratégias de intervenção
         Território intersetorial
Saúde na cidade
                                      Saúde na escola



                  Saúde no trabalho
ESF na garantia do direito à saúde
O quê garantir?
    Cobertura qualificada

      - Na necessidade de Saúde da população

      Inclusão de grupos mais vulneráveis e de crescente relevância
       social e demográfica
          Idosos, saúde mental, ambiente


      Incremento nas ações precoces de promoção e proteção à
       saúde
      Classificação de risco e definição de prioridades
      Eqüidade – fazer mais por quem mais precisa
      Integralidade – articulação com outros níveis de atenção
RESULTADOS
DA REORGANIZAÇÃO DA APS:


 A Estratégia de Saúde da Família
Evolução da Expansão da Estratégia de Saúde
            da Família no Brasil

                              Fevereiro de 2010

                 2003

 1998
Evidência dos Benefícios de um
    Sistema de Saúde orientado para a Atenção
                    Primária

   Países orientados para a Atenção Primária têm:
   Menos crianças com baixo peso ao nascer
   Menor mortalidade infantil, especialmente pós-
    neonatal
   Menor mortalidade precoce devido a suicídio
   Menor mortalidade precoce relacionada a todas as
    causas “exceto as externas”
   Maior expectativa de vida em todas as faixas de
    idade, exceto aos 80 anos
Resultados da Estratégia Saúde da Família
           Cobertura Vacinal
  Aumento médio anual da homogeneidade da cobertura vacinal
   por tetravalente em menores de um ano segundo estrato de
                cobertura da SF. Brasil, 1998-2006.


                                                      9,46
      10,00                                 8,31

                              6,64

                 4,97

  %    5,00




       0,00

              < 20%     20 |-- 50%   50 |-- 70%    >=70%
REDUÇÃO DA MORTALIDADE INFANTIL
                   Evolução da Taxa de Mortalidade Infantil, Brasil, 1990 a 2006*

50,0
            47,1
45,0
                        42,3
40,0                               38,2

35,0                                             33,7
                                                          30,4
30,0
                                                                   26,8
                                                                            24,3
25,0                                                                                 22,6
                                                                                             20,4
20,0

15,0

10,0

 5,0

 -
         1990        1992        1994        1996       1998     2000     2002      2004    2006*

Fonte: SVS/MS e IBGE
*2006: Dados preliminares, sujeitos a modificações.
Redução de Internações Sensíveis à APS
                 ASMA
                      Taxa de internação por 100.000 habitantes - asma
                                        15 a 19 anos
       180

       160

       140

       120                                                                  Região Norte
                                                                            Região Nordeste
Taxa




       100
                                                                            Região Sudeste
        80                                                                  Região Sul

        60                                                                  Região Centro-Oeste
                                                                            Brasil
        40

        20

        0
             1998   1999   2000   2001   2002   2003   2004   2005   2006

                                         Ano
Internações de homens de 20 a 59 anos, por Asma, no
período de janeiro de 1999 a dezembro de 2009, no Brasil
Internações de homens de 20 a 59 anos, por Insuficiência
Cardíaca, no período de janeiro de 1999 a dezembro de 2009, no
                             Brasil
SAÚDE DO IDOSO

         Atendimento domiciliar a idosos (% ) conforme grau de dependência ou
         dificuldade na realização de atividades relacionadas à mobilidade. ELB,
                                  PROESF-UFPel, 2005.

                                                   46,8                                                     47,5
    50
    45
    40
    35
    30
    25
%




                                                                                                     18,7
    20                                                                         15,8
    15                                      10,3
    10                5,5                                                                      6,9
     5   1,6   3,2                    2,9                                2
                                                                     1
     0
           Tradicional                      PSF                      Tradicional                     PSF
                                SUL                                                NORDESTE

                     Autônomo          Dificuldade moderada e leve           Dependente e/ou muita dificuldade
Em 2008 é lançada a portaria nº 154, que cria
  os NÚCLEOS DE APOIO À SAÚDE DA
                 FAMÍLIA-NASF:

     Surge para APOIAR as equipes de SF com o
   objetivo: Ampliar as ações da APS, bem como sua
                   resolutividade.
O NASF...
   Duas modalidades, vinculadas as Equipes
    de SF;

   13 categorias profissionais;

   Áreas estratégicas- Saúde do Homem;
Categorias Profissionais
Assistente Social;      Médico Ginecologista;
Prof. de Ed. Física;    Médico Pediatra;
Farmacêutico;           Médico Psiquiatra;
Fisioterapeuta;         Nutricionista;
Fonoaudiólogo;          Psicólogo; e
Médico Homeopata;       Terapeuta Ocupacional.
Médico Acupunturista;
Áreas de atuação ESF/ NASF

                 • Território de sua
                   responsabilidade.

                 •Produção de Saúde




                                   Áreas Estratégicas
Necessidade de
Saúde
                                   •Saúde do Homem
Organização do processo de trabalho

Criar espaço rotineiros de:

   Encontro para produzir diálogo e pactuação entre
    gestão e trabalhadores, entre os trabalhadores e
    entre trabalhadores e usuários.

   Reuniões de planejamento em equipe: para definir
    prioridades, critério de avaliação dos trabalhos,
    resolução de conflitos;

   Discussões de casos/situações;
Desafios APS/NASF – Saúde do
                Homem
   Desenvolvimento de ações no território onde está a
    população Masculina;
   Atuar considerando a diversidade, a potencialidades e
    fragilidades do território, em que vive e como vive a
    população Masculina;
   Trabalhar, junto equipe SF, os aspectos culturais que
    envolve o cuidado da saúde do homem;
   Promover a Educação Permanente sobre o cuidado Integral
    da Saúde do Homem.
Potencialidades APS/NASF -
     Saúde do Homem


Ampliar, Aprofundar e Intensificar o
cuidado a Saúde Integral do Homem
      em todos os aspectos.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Atenção Primária à Saúde
Atenção Primária à SaúdeAtenção Primária à Saúde
Aula 1 saúde coletiva i slides aula - cópia
Aula 1 saúde coletiva i   slides aula - cópiaAula 1 saúde coletiva i   slides aula - cópia
Aula 1 saúde coletiva i slides aula - cópia
Karla Toledo
 
Seminário saúde coletiva enfermagem 8º período
Seminário saúde coletiva enfermagem 8º períodoSeminário saúde coletiva enfermagem 8º período
Seminário saúde coletiva enfermagem 8º período
Laíz Coutinho
 
Estrategia de Saúde da Família (ESF) e Núcleo de Apoio a Saúde da Família (NA...
Estrategia de Saúde da Família (ESF) e Núcleo de Apoio a Saúde da Família (NA...Estrategia de Saúde da Família (ESF) e Núcleo de Apoio a Saúde da Família (NA...
Estrategia de Saúde da Família (ESF) e Núcleo de Apoio a Saúde da Família (NA...
Mateus Clemente
 
Princípios e diretrizes do sus
Princípios e diretrizes do susPrincípios e diretrizes do sus
Princípios e diretrizes do sus
Marcos Nery
 
Programa de Saúde da Família (PSF
Programa de Saúde da Família (PSFPrograma de Saúde da Família (PSF
Programa de Saúde da Família (PSF
Faculdade União das Américas
 
História da saúde pública no brasill
História da saúde pública no brasillHistória da saúde pública no brasill
História da saúde pública no brasill
Universidade Norte do Paraná
 
Aula promoao a saude
Aula promoao a saudeAula promoao a saude
Aula promoao a saude
davinci ras
 
Pnab
PnabPnab
Aula 3 - SUS
Aula 3 - SUSAula 3 - SUS
Aula 3 - SUS
Ghiordanno Bruno
 
Política Nacional de Atenção básica
Política Nacional de Atenção básicaPolítica Nacional de Atenção básica
Política Nacional de Atenção básica
Renata Cadidé
 
Política Nacional de Atenção Integral à SAÚDE do HOMEM
Política Nacional de Atenção Integral à SAÚDE do HOMEM Política Nacional de Atenção Integral à SAÚDE do HOMEM
Política Nacional de Atenção Integral à SAÚDE do HOMEM
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
SUS
SUSSUS
O trabalho do agente comunitário de saúde
O trabalho do agente comunitário de saúdeO trabalho do agente comunitário de saúde
O trabalho do agente comunitário de saúde
Alinebrauna Brauna
 
Aula Introdutória de Saúde Coletiva
Aula Introdutória de Saúde ColetivaAula Introdutória de Saúde Coletiva
Aula Introdutória de Saúde Coletiva
Karynne Alves do Nascimento
 
Programa psf
Programa psfPrograma psf
Programa psf
joselene beatriz
 
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
Luis Dantas
 
SUS - Aula
SUS - AulaSUS - Aula
SUS - Aula
Janaína Lassala
 
Historico sus
Historico susHistorico sus
Historico sus
Jorge Samuel Lima
 
Curso Introduorio ESF - Conteudo teorico modulo 2 - Aula 2
Curso Introduorio ESF - Conteudo teorico modulo 2 - Aula 2Curso Introduorio ESF - Conteudo teorico modulo 2 - Aula 2
Curso Introduorio ESF - Conteudo teorico modulo 2 - Aula 2
eadsantamarcelina
 

Mais procurados (20)

Atenção Primária à Saúde
Atenção Primária à SaúdeAtenção Primária à Saúde
Atenção Primária à Saúde
 
Aula 1 saúde coletiva i slides aula - cópia
Aula 1 saúde coletiva i   slides aula - cópiaAula 1 saúde coletiva i   slides aula - cópia
Aula 1 saúde coletiva i slides aula - cópia
 
Seminário saúde coletiva enfermagem 8º período
Seminário saúde coletiva enfermagem 8º períodoSeminário saúde coletiva enfermagem 8º período
Seminário saúde coletiva enfermagem 8º período
 
Estrategia de Saúde da Família (ESF) e Núcleo de Apoio a Saúde da Família (NA...
Estrategia de Saúde da Família (ESF) e Núcleo de Apoio a Saúde da Família (NA...Estrategia de Saúde da Família (ESF) e Núcleo de Apoio a Saúde da Família (NA...
Estrategia de Saúde da Família (ESF) e Núcleo de Apoio a Saúde da Família (NA...
 
Princípios e diretrizes do sus
Princípios e diretrizes do susPrincípios e diretrizes do sus
Princípios e diretrizes do sus
 
Programa de Saúde da Família (PSF
Programa de Saúde da Família (PSFPrograma de Saúde da Família (PSF
Programa de Saúde da Família (PSF
 
História da saúde pública no brasill
História da saúde pública no brasillHistória da saúde pública no brasill
História da saúde pública no brasill
 
Aula promoao a saude
Aula promoao a saudeAula promoao a saude
Aula promoao a saude
 
Pnab
PnabPnab
Pnab
 
Aula 3 - SUS
Aula 3 - SUSAula 3 - SUS
Aula 3 - SUS
 
Política Nacional de Atenção básica
Política Nacional de Atenção básicaPolítica Nacional de Atenção básica
Política Nacional de Atenção básica
 
Política Nacional de Atenção Integral à SAÚDE do HOMEM
Política Nacional de Atenção Integral à SAÚDE do HOMEM Política Nacional de Atenção Integral à SAÚDE do HOMEM
Política Nacional de Atenção Integral à SAÚDE do HOMEM
 
SUS
SUSSUS
SUS
 
O trabalho do agente comunitário de saúde
O trabalho do agente comunitário de saúdeO trabalho do agente comunitário de saúde
O trabalho do agente comunitário de saúde
 
Aula Introdutória de Saúde Coletiva
Aula Introdutória de Saúde ColetivaAula Introdutória de Saúde Coletiva
Aula Introdutória de Saúde Coletiva
 
Programa psf
Programa psfPrograma psf
Programa psf
 
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
 
SUS - Aula
SUS - AulaSUS - Aula
SUS - Aula
 
Historico sus
Historico susHistorico sus
Historico sus
 
Curso Introduorio ESF - Conteudo teorico modulo 2 - Aula 2
Curso Introduorio ESF - Conteudo teorico modulo 2 - Aula 2Curso Introduorio ESF - Conteudo teorico modulo 2 - Aula 2
Curso Introduorio ESF - Conteudo teorico modulo 2 - Aula 2
 

Destaque

Saúde da família
Saúde da famíliaSaúde da família
Saúde da família
dumasgsantos
 
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
apemfc
 
Slides grupo8
Slides grupo8Slides grupo8
Slides grupo8
Marcos Nery
 
História da saúde da família e princípios da mfc
História da saúde da família e princípios da mfcHistória da saúde da família e princípios da mfc
História da saúde da família e princípios da mfc
Ricardo Alexandre
 
Políticas da atenção básica redes aula 2015
Políticas da atenção básica redes aula 2015 Políticas da atenção básica redes aula 2015
Políticas da atenção básica redes aula 2015
Jamessonjr Leite Junior
 
Atenção básica e redes de atenção à saúde
Atenção básica e redes de atenção à saúdeAtenção básica e redes de atenção à saúde
Atenção básica e redes de atenção à saúde
Felipe Assan Remondi
 
INTRODUÇÃO À GERÊNCIA EM SAÚDE
INTRODUÇÃO À GERÊNCIA EM SAÚDEINTRODUÇÃO À GERÊNCIA EM SAÚDE
INTRODUÇÃO À GERÊNCIA EM SAÚDE
Valdirene1977
 
Vigitel 100412
Vigitel 100412Vigitel 100412
Vigitel 100412
Daniela Souza
 
Diagnóstico da situação da implantação do Plano de Ações Estratégicas para En...
Diagnóstico da situação da implantação do Plano de Ações Estratégicas para En...Diagnóstico da situação da implantação do Plano de Ações Estratégicas para En...
Diagnóstico da situação da implantação do Plano de Ações Estratégicas para En...
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
Gestão da Estratégia Saúde da Família
Gestão da Estratégia Saúde da FamíliaGestão da Estratégia Saúde da Família
Gestão da Estratégia Saúde da Família
Ailton Lima Ribeiro
 
Diagnostico e analise de situação de saude
Diagnostico e analise de situação de saudeDiagnostico e analise de situação de saude
Diagnostico e analise de situação de saude
Atri Projetos
 
Agente comunitario de saúde
Agente comunitario de saúdeAgente comunitario de saúde
Agente comunitario de saúde
psfpacaembu
 
PNAB principais ações
PNAB principais açõesPNAB principais ações
PNAB principais ações
tmunicipal
 
Proposta de instrumento para sistematização da visita domiciliar com foco na...
Proposta de instrumento para  sistematização da visita domiciliar com foco na...Proposta de instrumento para  sistematização da visita domiciliar com foco na...
Proposta de instrumento para sistematização da visita domiciliar com foco na...
closeny maria soares soares modesto
 
Politicas sus
Politicas susPoliticas sus
Politicas sus
Marcos Nery
 
Intersetorialidade
IntersetorialidadeIntersetorialidade
Intersetorialidade
Arisson Rocha da Rosa
 
2012 principios da APS UFOP
2012 principios da APS UFOP2012 principios da APS UFOP
2012 principios da APS UFOP
Leonardo Savassi
 
2014 Aula Atenção Domiciliar UFOP
2014 Aula Atenção Domiciliar UFOP2014 Aula Atenção Domiciliar UFOP
2014 Aula Atenção Domiciliar UFOP
Leonardo Savassi
 
Portaria gm 648 2006
Portaria gm 648 2006Portaria gm 648 2006
Portaria gm 648 2006
sindacspb
 
AVALIAÇÃO DA FERRAMENTA VISITA DOMICILIAR POR PROFISSIONAIS DA ESTRATÉGIA SAÚ...
AVALIAÇÃO DA FERRAMENTA VISITA DOMICILIAR POR PROFISSIONAIS DA ESTRATÉGIA SAÚ...AVALIAÇÃO DA FERRAMENTA VISITA DOMICILIAR POR PROFISSIONAIS DA ESTRATÉGIA SAÚ...
AVALIAÇÃO DA FERRAMENTA VISITA DOMICILIAR POR PROFISSIONAIS DA ESTRATÉGIA SAÚ...
Leonardo Savassi
 

Destaque (20)

Saúde da família
Saúde da famíliaSaúde da família
Saúde da família
 
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
 
Slides grupo8
Slides grupo8Slides grupo8
Slides grupo8
 
História da saúde da família e princípios da mfc
História da saúde da família e princípios da mfcHistória da saúde da família e princípios da mfc
História da saúde da família e princípios da mfc
 
Políticas da atenção básica redes aula 2015
Políticas da atenção básica redes aula 2015 Políticas da atenção básica redes aula 2015
Políticas da atenção básica redes aula 2015
 
Atenção básica e redes de atenção à saúde
Atenção básica e redes de atenção à saúdeAtenção básica e redes de atenção à saúde
Atenção básica e redes de atenção à saúde
 
INTRODUÇÃO À GERÊNCIA EM SAÚDE
INTRODUÇÃO À GERÊNCIA EM SAÚDEINTRODUÇÃO À GERÊNCIA EM SAÚDE
INTRODUÇÃO À GERÊNCIA EM SAÚDE
 
Vigitel 100412
Vigitel 100412Vigitel 100412
Vigitel 100412
 
Diagnóstico da situação da implantação do Plano de Ações Estratégicas para En...
Diagnóstico da situação da implantação do Plano de Ações Estratégicas para En...Diagnóstico da situação da implantação do Plano de Ações Estratégicas para En...
Diagnóstico da situação da implantação do Plano de Ações Estratégicas para En...
 
Gestão da Estratégia Saúde da Família
Gestão da Estratégia Saúde da FamíliaGestão da Estratégia Saúde da Família
Gestão da Estratégia Saúde da Família
 
Diagnostico e analise de situação de saude
Diagnostico e analise de situação de saudeDiagnostico e analise de situação de saude
Diagnostico e analise de situação de saude
 
Agente comunitario de saúde
Agente comunitario de saúdeAgente comunitario de saúde
Agente comunitario de saúde
 
PNAB principais ações
PNAB principais açõesPNAB principais ações
PNAB principais ações
 
Proposta de instrumento para sistematização da visita domiciliar com foco na...
Proposta de instrumento para  sistematização da visita domiciliar com foco na...Proposta de instrumento para  sistematização da visita domiciliar com foco na...
Proposta de instrumento para sistematização da visita domiciliar com foco na...
 
Politicas sus
Politicas susPoliticas sus
Politicas sus
 
Intersetorialidade
IntersetorialidadeIntersetorialidade
Intersetorialidade
 
2012 principios da APS UFOP
2012 principios da APS UFOP2012 principios da APS UFOP
2012 principios da APS UFOP
 
2014 Aula Atenção Domiciliar UFOP
2014 Aula Atenção Domiciliar UFOP2014 Aula Atenção Domiciliar UFOP
2014 Aula Atenção Domiciliar UFOP
 
Portaria gm 648 2006
Portaria gm 648 2006Portaria gm 648 2006
Portaria gm 648 2006
 
AVALIAÇÃO DA FERRAMENTA VISITA DOMICILIAR POR PROFISSIONAIS DA ESTRATÉGIA SAÚ...
AVALIAÇÃO DA FERRAMENTA VISITA DOMICILIAR POR PROFISSIONAIS DA ESTRATÉGIA SAÚ...AVALIAÇÃO DA FERRAMENTA VISITA DOMICILIAR POR PROFISSIONAIS DA ESTRATÉGIA SAÚ...
AVALIAÇÃO DA FERRAMENTA VISITA DOMICILIAR POR PROFISSIONAIS DA ESTRATÉGIA SAÚ...
 

Semelhante a Estrategiade saudefamília

apresentacao_laudecy_alvespptx.pptx
apresentacao_laudecy_alvespptx.pptxapresentacao_laudecy_alvespptx.pptx
apresentacao_laudecy_alvespptx.pptx
GiovannaMoura24
 
CNS_estruturacao_da_APS.pptjhvhhgggyuhgffdd
CNS_estruturacao_da_APS.pptjhvhhgggyuhgffddCNS_estruturacao_da_APS.pptjhvhhgggyuhgffdd
CNS_estruturacao_da_APS.pptjhvhhgggyuhgffdd
AngelicaCostaMeirele2
 
Condições Crônicas - Unicesumar.pptx
Condições Crônicas - Unicesumar.pptxCondições Crônicas - Unicesumar.pptx
Condições Crônicas - Unicesumar.pptx
PatriciaNoro1
 
Evolução da mortalidade na infância nos últimos 10 anos (2007 a 2016)
Evolução da mortalidade na infância nos últimos 10 anos (2007 a 2016)Evolução da mortalidade na infância nos últimos 10 anos (2007 a 2016)
Evolução da mortalidade na infância nos últimos 10 anos (2007 a 2016)
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
“A Importância dos Sistemas Logísticos e de Apoio para a Gestão Municipal”.
“A Importância dos Sistemas Logísticos e de Apoio para a Gestão Municipal”.“A Importância dos Sistemas Logísticos e de Apoio para a Gestão Municipal”.
“A Importância dos Sistemas Logísticos e de Apoio para a Gestão Municipal”.
Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG)
 
DRS VI Bauru - Governo do Estado de São Paulo - Secretaria do Estado da Saúde
DRS VI Bauru - Governo do Estado de São Paulo - Secretaria do Estado da SaúdeDRS VI Bauru - Governo do Estado de São Paulo - Secretaria do Estado da Saúde
DRS VI Bauru - Governo do Estado de São Paulo - Secretaria do Estado da Saúde
Pedro Tobias
 
Versão 2 apresenta empresas 02102012
Versão 2   apresenta empresas 02102012Versão 2   apresenta empresas 02102012
Versão 2 apresenta empresas 02102012
Ministério da Saúde
 
8ª Assembleia do CONASS – ENVELHECIMENTO E SAÚDE NO BRASIL DESAFIOS E OPORTUN...
8ª Assembleia do CONASS – ENVELHECIMENTO E SAÚDE NO BRASIL DESAFIOS E OPORTUN...8ª Assembleia do CONASS – ENVELHECIMENTO E SAÚDE NO BRASIL DESAFIOS E OPORTUN...
8ª Assembleia do CONASS – ENVELHECIMENTO E SAÚDE NO BRASIL DESAFIOS E OPORTUN...
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
SP Carinhosa - CRS Centro-oeste
SP Carinhosa - CRS Centro-oesteSP Carinhosa - CRS Centro-oeste
MORTALIDADE-INFANTIL-30-ANOS-DO-SUS-FINAL.pdf
MORTALIDADE-INFANTIL-30-ANOS-DO-SUS-FINAL.pdfMORTALIDADE-INFANTIL-30-ANOS-DO-SUS-FINAL.pdf
MORTALIDADE-INFANTIL-30-ANOS-DO-SUS-FINAL.pdf
AntonioBatysta1
 
Plano de atenção ao idoso
Plano de atenção ao idosoPlano de atenção ao idoso
Plano de atenção ao idoso
Evailson Santos
 
Seminário "Desenvolvimento Infantil e Vínculos Familiares" CRS oeste
Seminário "Desenvolvimento Infantil e Vínculos Familiares"  CRS oesteSeminário "Desenvolvimento Infantil e Vínculos Familiares"  CRS oeste
Seminário "Desenvolvimento Infantil e Vínculos Familiares" CRS oeste
Centro de Desenvolvimento, Ensino e Pesquisa em Saúde - CEDEPS
 
Dados EpidemiolóGicos
Dados EpidemiolóGicosDados EpidemiolóGicos
Dados EpidemiolóGicos
Marcelo Monti Bica
 
Avanço das pesquisas em envelhecimento 2017
Avanço das pesquisas em envelhecimento 2017Avanço das pesquisas em envelhecimento 2017
Avanço das pesquisas em envelhecimento 2017
Angelo Bos
 
Mortalidade Materna e Infantil
Mortalidade Materna e InfantilMortalidade Materna e Infantil
Certamen Internacional de Cine Médico, Salud y Telemedicina Videomed
Certamen Internacional de Cine Médico, Salud y Telemedicina VideomedCertamen Internacional de Cine Médico, Salud y Telemedicina Videomed
Certamen Internacional de Cine Médico, Salud y Telemedicina Videomed
Diário do Comércio - MG
 
Apresenta..
Apresenta..Apresenta..
Apresenta..
Liliane Souza
 
Apresenta..
Apresenta..Apresenta..
Apresenta..
Liliane Souza
 
Apresenta..
Apresenta..Apresenta..
Apresenta..
Liliane Souza
 
Edson Araújo – Desafios para a sustentabilidade do SUS
Edson Araújo  – Desafios para a sustentabilidade do SUSEdson Araújo  – Desafios para a sustentabilidade do SUS
Edson Araújo – Desafios para a sustentabilidade do SUS
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 

Semelhante a Estrategiade saudefamília (20)

apresentacao_laudecy_alvespptx.pptx
apresentacao_laudecy_alvespptx.pptxapresentacao_laudecy_alvespptx.pptx
apresentacao_laudecy_alvespptx.pptx
 
CNS_estruturacao_da_APS.pptjhvhhgggyuhgffdd
CNS_estruturacao_da_APS.pptjhvhhgggyuhgffddCNS_estruturacao_da_APS.pptjhvhhgggyuhgffdd
CNS_estruturacao_da_APS.pptjhvhhgggyuhgffdd
 
Condições Crônicas - Unicesumar.pptx
Condições Crônicas - Unicesumar.pptxCondições Crônicas - Unicesumar.pptx
Condições Crônicas - Unicesumar.pptx
 
Evolução da mortalidade na infância nos últimos 10 anos (2007 a 2016)
Evolução da mortalidade na infância nos últimos 10 anos (2007 a 2016)Evolução da mortalidade na infância nos últimos 10 anos (2007 a 2016)
Evolução da mortalidade na infância nos últimos 10 anos (2007 a 2016)
 
“A Importância dos Sistemas Logísticos e de Apoio para a Gestão Municipal”.
“A Importância dos Sistemas Logísticos e de Apoio para a Gestão Municipal”.“A Importância dos Sistemas Logísticos e de Apoio para a Gestão Municipal”.
“A Importância dos Sistemas Logísticos e de Apoio para a Gestão Municipal”.
 
DRS VI Bauru - Governo do Estado de São Paulo - Secretaria do Estado da Saúde
DRS VI Bauru - Governo do Estado de São Paulo - Secretaria do Estado da SaúdeDRS VI Bauru - Governo do Estado de São Paulo - Secretaria do Estado da Saúde
DRS VI Bauru - Governo do Estado de São Paulo - Secretaria do Estado da Saúde
 
Versão 2 apresenta empresas 02102012
Versão 2   apresenta empresas 02102012Versão 2   apresenta empresas 02102012
Versão 2 apresenta empresas 02102012
 
8ª Assembleia do CONASS – ENVELHECIMENTO E SAÚDE NO BRASIL DESAFIOS E OPORTUN...
8ª Assembleia do CONASS – ENVELHECIMENTO E SAÚDE NO BRASIL DESAFIOS E OPORTUN...8ª Assembleia do CONASS – ENVELHECIMENTO E SAÚDE NO BRASIL DESAFIOS E OPORTUN...
8ª Assembleia do CONASS – ENVELHECIMENTO E SAÚDE NO BRASIL DESAFIOS E OPORTUN...
 
SP Carinhosa - CRS Centro-oeste
SP Carinhosa - CRS Centro-oesteSP Carinhosa - CRS Centro-oeste
SP Carinhosa - CRS Centro-oeste
 
MORTALIDADE-INFANTIL-30-ANOS-DO-SUS-FINAL.pdf
MORTALIDADE-INFANTIL-30-ANOS-DO-SUS-FINAL.pdfMORTALIDADE-INFANTIL-30-ANOS-DO-SUS-FINAL.pdf
MORTALIDADE-INFANTIL-30-ANOS-DO-SUS-FINAL.pdf
 
Plano de atenção ao idoso
Plano de atenção ao idosoPlano de atenção ao idoso
Plano de atenção ao idoso
 
Seminário "Desenvolvimento Infantil e Vínculos Familiares" CRS oeste
Seminário "Desenvolvimento Infantil e Vínculos Familiares"  CRS oesteSeminário "Desenvolvimento Infantil e Vínculos Familiares"  CRS oeste
Seminário "Desenvolvimento Infantil e Vínculos Familiares" CRS oeste
 
Dados EpidemiolóGicos
Dados EpidemiolóGicosDados EpidemiolóGicos
Dados EpidemiolóGicos
 
Avanço das pesquisas em envelhecimento 2017
Avanço das pesquisas em envelhecimento 2017Avanço das pesquisas em envelhecimento 2017
Avanço das pesquisas em envelhecimento 2017
 
Mortalidade Materna e Infantil
Mortalidade Materna e InfantilMortalidade Materna e Infantil
Mortalidade Materna e Infantil
 
Certamen Internacional de Cine Médico, Salud y Telemedicina Videomed
Certamen Internacional de Cine Médico, Salud y Telemedicina VideomedCertamen Internacional de Cine Médico, Salud y Telemedicina Videomed
Certamen Internacional de Cine Médico, Salud y Telemedicina Videomed
 
Apresenta..
Apresenta..Apresenta..
Apresenta..
 
Apresenta..
Apresenta..Apresenta..
Apresenta..
 
Apresenta..
Apresenta..Apresenta..
Apresenta..
 
Edson Araújo – Desafios para a sustentabilidade do SUS
Edson Araújo  – Desafios para a sustentabilidade do SUSEdson Araújo  – Desafios para a sustentabilidade do SUS
Edson Araújo – Desafios para a sustentabilidade do SUS
 

Mais de Marcos Nery

Plano ensinopoliticasepraticas 2013
Plano ensinopoliticasepraticas 2013Plano ensinopoliticasepraticas 2013
Plano ensinopoliticasepraticas 2013
Marcos Nery
 
Slides sistemasdesaude
Slides sistemasdesaudeSlides sistemasdesaude
Slides sistemasdesaude
Marcos Nery
 
Redesatencao
RedesatencaoRedesatencao
Redesatencao
Marcos Nery
 
Promocaosaude políticas
Promocaosaude políticasPromocaosaude políticas
Promocaosaude políticas
Marcos Nery
 
Pactopela saude
Pactopela saudePactopela saude
Pactopela saude
Marcos Nery
 
Apresentacao grupo7
Apresentacao grupo7Apresentacao grupo7
Apresentacao grupo7
Marcos Nery
 
Apresentacao politicanacional atencaoprimaria
Apresentacao politicanacional atencaoprimariaApresentacao politicanacional atencaoprimaria
Apresentacao politicanacional atencaoprimaria
Marcos Nery
 
Slides turma3
Slides turma3Slides turma3
Slides turma3
Marcos Nery
 
Avaliacao pidoc2012
Avaliacao pidoc2012Avaliacao pidoc2012
Avaliacao pidoc2012
Marcos Nery
 
Caso prodoc
Caso prodocCaso prodoc
Caso prodoc
Marcos Nery
 
Apresentacao plano ensino: políticas e praticas de saúde coletiva
Apresentacao plano ensino: políticas e praticas de saúde coletivaApresentacao plano ensino: políticas e praticas de saúde coletiva
Apresentacao plano ensino: políticas e praticas de saúde coletiva
Marcos Nery
 
Tutorial
TutorialTutorial
Tutorial
Marcos Nery
 
Tutorial
TutorialTutorial
Tutorial
Marcos Nery
 
Apresentacao
ApresentacaoApresentacao
Apresentacao
Marcos Nery
 
Mpe U2top1
Mpe U2top1Mpe U2top1
Mpe U2top1
Marcos Nery
 

Mais de Marcos Nery (15)

Plano ensinopoliticasepraticas 2013
Plano ensinopoliticasepraticas 2013Plano ensinopoliticasepraticas 2013
Plano ensinopoliticasepraticas 2013
 
Slides sistemasdesaude
Slides sistemasdesaudeSlides sistemasdesaude
Slides sistemasdesaude
 
Redesatencao
RedesatencaoRedesatencao
Redesatencao
 
Promocaosaude políticas
Promocaosaude políticasPromocaosaude políticas
Promocaosaude políticas
 
Pactopela saude
Pactopela saudePactopela saude
Pactopela saude
 
Apresentacao grupo7
Apresentacao grupo7Apresentacao grupo7
Apresentacao grupo7
 
Apresentacao politicanacional atencaoprimaria
Apresentacao politicanacional atencaoprimariaApresentacao politicanacional atencaoprimaria
Apresentacao politicanacional atencaoprimaria
 
Slides turma3
Slides turma3Slides turma3
Slides turma3
 
Avaliacao pidoc2012
Avaliacao pidoc2012Avaliacao pidoc2012
Avaliacao pidoc2012
 
Caso prodoc
Caso prodocCaso prodoc
Caso prodoc
 
Apresentacao plano ensino: políticas e praticas de saúde coletiva
Apresentacao plano ensino: políticas e praticas de saúde coletivaApresentacao plano ensino: políticas e praticas de saúde coletiva
Apresentacao plano ensino: políticas e praticas de saúde coletiva
 
Tutorial
TutorialTutorial
Tutorial
 
Tutorial
TutorialTutorial
Tutorial
 
Apresentacao
ApresentacaoApresentacao
Apresentacao
 
Mpe U2top1
Mpe U2top1Mpe U2top1
Mpe U2top1
 

Estrategiade saudefamília

  • 1. Estratégia de Saúde da Família
  • 2. É o modelo de Atenção Primaria a Saúde (APS) no país  ATRIBUTOS: - Porta de Entrada do Sistema (Acesso)  Longitudinalidade  Integralidade  Coordenação do Cuidado
  • 3. SUS  Universalidade - Todas as pessoas têm direito ao atendimento independente da renda, cor, raça, religião, etc;  Equidade - Todo cidadão é igual perante o SUS e será atendido conforme as suas necessidades;  Integralidade - Nas ações, no Sistema de Saúde e na atenção ao sujeito (integral);  Controle Social e Participação Social - Participação popular no sistema de saúde, com o foco na gestão participativa.
  • 4. APS – Saúde da Família  Caracteriza-se por um conjunto de ações de saúde, no âmbito individual e coletivo, que abrangem a promoção e a proteção de saúde, a prevenção de agravos, o diagnóstico, a reabilitação e a manutenção da saúde;  Estas ações são desenvolvidas por uma equipe de trabalho multidisciplinar, atuando em um território geograficamente definido com uma população pertencente a este território.
  • 5. Estratégia de Saúde da Família  O objeto de atenção se desloca do indivíduo para a família, entendida a partir do território/ ambiente em que vive.
  • 6. Estratégia de Saúde da Família Equipe:  Agente Comunitário de Saúde  Auxiliar de enfermagem  Médico de Família e Comunidade  Enfermeiro
  • 7. Processo de Trabalho das Equipes APS/SF  Definição do Território de Atuação;  Demanda Espontânea e Programada;  Desenvolvimento de Ações Educativas(em todos os espaços de atuação);  Desenvolvimento de ações focalizadas sobre os Grupos de Risco do Território.
  • 8. Estratégias de intervenção Território da gestão Planejamento Processo de participativo trabalho ESF Capacitação Educação Visita Permanente Domiciliar
  • 9. Assistência integral e contínua, dentro das necessidades e não só da Demanda;  Manter atualizado o Cadastramento das famílias;  Trabalho em Equipe - com reunião de equipe: planejamento, monitoramento, avaliação e educação permanente;
  • 10. Apoio e Estímulo à Participação da Comunidade no planejamento, na execução e na avaliação das ações de saúde;  Desenvolvimento de ações Intersetoriais, integrando projetos sociais e setores afins.  Visita Domiciliar;
  • 11. Estratégias de intervenção Território da clínica Abordagem de fatores comuns Clínica integral de risco Ação multidisciplinar
  • 12. PARTICIPAÇÃO DA COMUNIDADE VALORIZAÇÃO SOCIAL DA APS/SF Educação, informação, comunicação Autonomia Co- responsabilização Mobilização,participação
  • 13. Estratégias de intervenção Território intersetorial Saúde na cidade Saúde na escola Saúde no trabalho
  • 14. ESF na garantia do direito à saúde O quê garantir?  Cobertura qualificada - Na necessidade de Saúde da população  Inclusão de grupos mais vulneráveis e de crescente relevância social e demográfica  Idosos, saúde mental, ambiente  Incremento nas ações precoces de promoção e proteção à saúde  Classificação de risco e definição de prioridades  Eqüidade – fazer mais por quem mais precisa  Integralidade – articulação com outros níveis de atenção
  • 15. RESULTADOS DA REORGANIZAÇÃO DA APS: A Estratégia de Saúde da Família
  • 16. Evolução da Expansão da Estratégia de Saúde da Família no Brasil Fevereiro de 2010 2003 1998
  • 17. Evidência dos Benefícios de um Sistema de Saúde orientado para a Atenção Primária  Países orientados para a Atenção Primária têm:  Menos crianças com baixo peso ao nascer  Menor mortalidade infantil, especialmente pós- neonatal  Menor mortalidade precoce devido a suicídio  Menor mortalidade precoce relacionada a todas as causas “exceto as externas”  Maior expectativa de vida em todas as faixas de idade, exceto aos 80 anos
  • 18. Resultados da Estratégia Saúde da Família Cobertura Vacinal Aumento médio anual da homogeneidade da cobertura vacinal por tetravalente em menores de um ano segundo estrato de cobertura da SF. Brasil, 1998-2006. 9,46 10,00 8,31 6,64 4,97 % 5,00 0,00 < 20% 20 |-- 50% 50 |-- 70% >=70%
  • 19. REDUÇÃO DA MORTALIDADE INFANTIL Evolução da Taxa de Mortalidade Infantil, Brasil, 1990 a 2006* 50,0 47,1 45,0 42,3 40,0 38,2 35,0 33,7 30,4 30,0 26,8 24,3 25,0 22,6 20,4 20,0 15,0 10,0 5,0 - 1990 1992 1994 1996 1998 2000 2002 2004 2006* Fonte: SVS/MS e IBGE *2006: Dados preliminares, sujeitos a modificações.
  • 20. Redução de Internações Sensíveis à APS ASMA Taxa de internação por 100.000 habitantes - asma 15 a 19 anos 180 160 140 120 Região Norte Região Nordeste Taxa 100 Região Sudeste 80 Região Sul 60 Região Centro-Oeste Brasil 40 20 0 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 Ano
  • 21. Internações de homens de 20 a 59 anos, por Asma, no período de janeiro de 1999 a dezembro de 2009, no Brasil
  • 22. Internações de homens de 20 a 59 anos, por Insuficiência Cardíaca, no período de janeiro de 1999 a dezembro de 2009, no Brasil
  • 23. SAÚDE DO IDOSO Atendimento domiciliar a idosos (% ) conforme grau de dependência ou dificuldade na realização de atividades relacionadas à mobilidade. ELB, PROESF-UFPel, 2005. 46,8 47,5 50 45 40 35 30 25 % 18,7 20 15,8 15 10,3 10 5,5 6,9 5 1,6 3,2 2,9 2 1 0 Tradicional PSF Tradicional PSF SUL NORDESTE Autônomo Dificuldade moderada e leve Dependente e/ou muita dificuldade
  • 24. Em 2008 é lançada a portaria nº 154, que cria os NÚCLEOS DE APOIO À SAÚDE DA FAMÍLIA-NASF: Surge para APOIAR as equipes de SF com o objetivo: Ampliar as ações da APS, bem como sua resolutividade.
  • 25. O NASF...  Duas modalidades, vinculadas as Equipes de SF;  13 categorias profissionais;  Áreas estratégicas- Saúde do Homem;
  • 26. Categorias Profissionais Assistente Social; Médico Ginecologista; Prof. de Ed. Física; Médico Pediatra; Farmacêutico; Médico Psiquiatra; Fisioterapeuta; Nutricionista; Fonoaudiólogo; Psicólogo; e Médico Homeopata; Terapeuta Ocupacional. Médico Acupunturista;
  • 27. Áreas de atuação ESF/ NASF • Território de sua responsabilidade. •Produção de Saúde Áreas Estratégicas Necessidade de Saúde •Saúde do Homem
  • 28. Organização do processo de trabalho Criar espaço rotineiros de:  Encontro para produzir diálogo e pactuação entre gestão e trabalhadores, entre os trabalhadores e entre trabalhadores e usuários.  Reuniões de planejamento em equipe: para definir prioridades, critério de avaliação dos trabalhos, resolução de conflitos;  Discussões de casos/situações;
  • 29. Desafios APS/NASF – Saúde do Homem  Desenvolvimento de ações no território onde está a população Masculina;  Atuar considerando a diversidade, a potencialidades e fragilidades do território, em que vive e como vive a população Masculina;  Trabalhar, junto equipe SF, os aspectos culturais que envolve o cuidado da saúde do homem;  Promover a Educação Permanente sobre o cuidado Integral da Saúde do Homem.
  • 30. Potencialidades APS/NASF - Saúde do Homem Ampliar, Aprofundar e Intensificar o cuidado a Saúde Integral do Homem em todos os aspectos.

Notas do Editor