SlideShare uma empresa Scribd logo
A FORMAÇÃO DO POVO
BRASILEIRO
Prof. Fernando A Silva
OLHA SÓ QUEM JÁ ERA DONO
DAS TERRAS BRASILEIRA...
RESPOSTA:
OS ÍNDIOS.( OU NATIVOS)
O que a história conta?
Que o povo brasileiro foi formado a partir de mistura de grupos étnicos.
O Brasil é um país de grande miscigenação.
Onde tudo começou?
No século XVI com a chegado dos brancos.
Com a colonização inciou-se a mistura de sangue:
Branco com o Índio = Caboclo
Mais tarde vieram os escravos, negros trazidos da África:
Branco com o Negro = Mulato
Negro com o Índio = Cafuzo
 A população brasileira é bastante
miscigenada.
 São inúmeras as raças que
favoreceram a formação do povo
brasileiro.
 Os principais grupos foram os povos
indígenas, africanos, imigrantes
europeus e asiáticos.
Com o passar do tempo vieram outros imigrantes, vindos das mais variadas
regiões da Terra;
Italianos;
Alemães;
Espanhóis;
Japoneses;
Libaneses;
Chineses;
Etc.
Essa miscigenação pode ser observada no rosto, no corpo, nos hábitos, nas
crenças e nos valores de cada brasileiro.
Não somos um povo idêntico, com características semelhantes,
somos resultado da miscigenação = população mestiça
 Povos indígenas: antes do descobrimento do Brasil, o território
já era habitado por povos nativos, neste caso, os índios.
 Existem diversos grupos indígenas no país, dentre os principais
estão: Karajá, Bororó, Kaigang e Yanomami. No passado, a
população desses índios era de quase 2 milhões de índios.
 Dentre os principais grupos
humanos europeus, destacam-se:
portugueses, espanhóis, italianos
e alemães. Em relação aos povos
asiáticos, podemos destacar
japoneses, sírios e libaneses
Dentre os diversos povos que formaram o Brasil, temos os Europeus.
O primeiro povo europeu a chegar no Brasil foram os Portugueses.
A mais evidente herança portuguesa para a cultura
brasileira é a língua portuguesa
Darcy Ribeiro mostra que a mistura de raças foi sustentada
por 4 pilares:
As matrizes que compuseram o nosso povo;
As proporções que essa mistura tomou em nosso país;
As condições ambientais em que ela ocorreu;
Os objetivos de vida e produção assumidos por cada uma dessas matrizes.
A esses pilares foram somados 3 forças:
A ecologia;
A economia;
A imigração.
Surge no Brasil uma estrutura social totalmente inédita, marcada pelo
genocídio e etinocídio, ideologia sustentada pela igreja, para suprimir
qualquer identidade discrepante da do conquistador.
Conflitos iniciais:
O primeiro foi entre os colonizadores e os índios = choque de mentalidade.
O segundo entre colonos e jesuítas = conflito de interesses e caráter
mercantil da Coroa.
Esse conflito culminou com a expulsão dos jesuítas do Brasil pelo Coroa
que ficou do lado dos colonos.
O estilo de colonização dos Ibéricos foi chamado de barroco:
Baseado o lucro; na riqueza; na opressão; na mistura com o povo local; na
supressão das etnias locais e da implantação na colônia de seu modo de
vida. Tudo sustentado pela igreja.
O que essa forma de colonização fomentou?
A estrutura econômica e social do nosso povo em 3 planos:
Assossiativo: pela escravatura, pela estrutura sócio-política;
Adaptativo: pela tecnologia que se implantava, pelo engenho, pela
introdução de pastagem de gado;
Ideológico: pela igreja, pela língua nova trazida para o Brasil.
Constituímos uma sociedade Bipartida em Rural e Urbana.
Devemos lembrar que a ocupação do Brasil só foi possível através
do cunhadismo.
Neobrasileiros : Esses novos brasileiros sofreram forte rejeição.
Negro escravo: Foram passivos, inicialmente, na formação cultural do
nosso povo. Eram hostis entre si, pois vieram de tribos diferentes e não
falavam a mesma.
Devido a isso foram grandes disseminadores da língua portuguesa que
aprendiam com o capataz.
Vivem nos engenho de açúcar, de algodão e nas áreas de mineração.
Tiveram papel importante na inserção dos recém chegados no modo de
vida vigente, transformando a cultura desses e unificando-os.
Os mulatos que nasciam desses eram 3:
Banda-forra = negro com branco;
Salta-atrás = negro com índio;
Terceirão = negro com banda-forra.
 A partir dos séculos XVI e XIX.
 Nesse período, desembarcaram no Brasil
milhões de negros africanos.
 Os africanos trabalharam especialmente
no cultivo da cana-de-açúcar e do café.
 Mas esses trabalhadores não eram
remunerados e viviam em condições de
vida desumanas.
 Não se esqueçam que essa migração foi
forçada.Eram homens e mulheres que
viviam com suas famílias em suas regiões
na ÁFRICA.
OLÁ GALERA! OBSERVEM OS BANTOS
Estendem-se desde os Camarões até à África
do Sul e ao oceano Índico
Originários do noroeste do continente africano,
onde atualmente são os países da Nigéria, Mali, Mauritânia
e Camarões.
Os povos bantos eram agricultores, conheciam a metalúrgica
e viviam em aldeias comandadas por um chefe, o manicongo
Devido ao tráfico negreiro, esses povos
foram obrigados a cruzarem o Atlântico
e desembarcarem no Brasil para exercer
um trabalho compulsório em um dos períodos
mais catastróficos de nossa historia: a escravidão.
Mistura de raças:
Foi mais intensa na época da mineração aurífera.
A mineração criou uma rede de intercâmbio comercial, proporcionando
riqueza para algumas cidades.
Surgiu nesta época a arte de Aleijadinho, Gonzaga e Cláudio Manuel da
Costa.
Com o esgotamento das jazidas auríferas houve a diáspora por todo o
país.
Iniciou uma série de outras atividades;
Pecuária no sertão;
Algodão no Maranhão;
E café, que reintroduziu o Brasil no mercado externo.
Empresa Brasileira:
Sustentada por quatro pilares:
Escravista = garantia o empreendimento colonial;
Jesuítica = garantia o amansamento dos índios e, consequentemente, suas
reduções;
Banqueiros, portuários, intermediários comerciais e produtos de gêneros
de subsistência = sustentava os outros e incorporavam os mestiços.
Urbanização:
Ocorreu devido ao exôdo do campo, pois o latifúndio rural não oferecia condições
de emprego a todos.
Assim;
Uma grande massa marginalizados formavam favelas nas cidades.
Esse ainda é o nosso maior problema – assentar e incluir essa massa
de marginalizados no sistema.
Disso nasce os estratos de nossa sociedade:
Classe dominante – Ditam as regras e comandam o sistema econômico e
político;
Profissionais liberais – estrato mais ativo, sendo ora atenuadores ora
agravadores de conflitos;
Subalternos – mais combativos, procuram conquistar mais do que têm e
não uma reestruturação social;
Oprimidos – vivem na esperança de entrar no sistema produtivo;
Isso caracteriza o Brasil como uma benfeitoria.
Industrialização:
Tem como embrião a Companhia Siderúrgica Nacional – Gestão de Getúlio
Vargas e das jazidas de ferro de MG.
Kubitchek com a intenção de fazer uma revolução industrial semelhante a
da França concedeu subsídios e incentivos às indústrias que se instalarem
no Brasil
= Favoreceu São Paulo e colocou o centro das decisões na mãos das
grandes corporação e empresariado externo.
Integração Social:
Vimos a integração e a inclusão de diferentes imigrantes que vieram ao
Brasil. Entretanto, isso depende da permeabilidade das barreiras
sócioraciais vigente.
O negro, depois da abolição não tinham mais terra, assim marginalizaram-
se nas cidades, constituindo favelas.
Sua integração na sociedade se deu mais culturalmente, pois,
economicamente, continuava servindo como mão de obra barata.
Vale lembrar que são motivados politicamente pela questão social, e não
racial.
Os brasis:
O Brasil Crioulo: Nasceu nos engenhos nordestinos, sistema baseado no
latinfúndio, na monocultura e no trabalho escravo. Representado pelos
negros e mulatos.
O Brasil Caboclo: Nasceu da mistura de índios com outros mestiços na
região norte do país
O Brasil Sertanejo: Surgiu como dependente da açucareira, pela pastagem
do gado, introduzida no Brasil pelos portugueses e trazidos de Cabo
Verde, que abrigava um certo contingente de mão de obra, o vaqueiro.
A população excedente se dedicava a atividade extrativista.
O sertanejo do interior se dedicava ao garimpo.
O Brasil Caipira: São os homens que dirigiam as Bandeiras e adentravam
ao interior do Brasil e a população paulista (mamelucos).
Cada um possuía uma indiada cativa para o cultivo de mandioca, feijão,
milho, tubérculos, etc.
O Brasil Sulista: Decorrente da expansão paulista que atingiu a região sul
e somou-se a outras influencias para gerar os sulinos.
Principal características é a heterogeneidade cultural:
Lavradores matutos de origem açoriana;
Os gaúchos da zona de campos da fronteira, descentes dos luso-espanhóis
com índios;
Os gringos descendentes de imigrantes (italianos, alemães, poloneses,
japoneses e libaneses, principalmente, entre outros).
Darcy Ribeiro:
“...Todos nós, brasileiros, somos carne da carne daqueles negros e índios
supliciados. Todos nós brasileiros somo, por igual, a mão possessa que os
suplicou. A doçura mais terna e a crueldade mais atroz aqui se conjugaram
para fazer de nós sentida e sofrida que somos e a gente insensível e
brutal que também somos. Como descendentes de escravos e de senhores
de escravos seremos sempre servos da maldade destilada e instilada em
nós, tanto pelo sentimento da dor intencionalmente produzida para doer
mais, quanto pelo exercício da brutalidade sobre homens, sobre mulheres,
sobre crianças convertidas em pasto de nossa fúria.”
“A mais terrível de nossas heranças é esta de levar sempre
conosco a cicatriz de torturador impressa na alma e pronta a explodir na
brutalidade racista e classista.” (1995, p.120)
Darcy Ribeiro, em sua Obra O Povo Brasileiro, estabelece 5 brasis
distintos:
O Brasil sertanejo;
O Brasil crioulo;
O Brasil caboclo;
O Brasil caipira;
O Brasil sulino
 Tendo em vista essa diversidade de raças, culturas e
etnias, o resultado só poderia ser uma miscigenação
 Por esse motivo, encontramos inúmeras manifestações
culturais, costumes, pratos típicos, entre outros
aspectos.
Território significa os limites que
delimitam ou separam um território do
outro formando várias fronteiras em
todo mundo, essas delimitam o mundo
em mais de 190 países, os territórios
são concebidos através de acordos ou
conflitos, esses são estabelecidos de
acordo com os interesses
socioeconômicos e culturais.
 Os seres humanos constroem a
geografia, desenvolvem formas
de relacionamento entre si e
também com os outros grupos
de pessoas do
mundo.Constróem uma
identidade coletiva que as faz
uma nação.
 Em geral, uma nação ocupa um
espaço demarcado, um território.
Esse espaço é chamado país.
Estado, se define como divisão
interna do país, ou seja, os
estados que compõe a
federação (ex. Goiás, Rio de
Janeiro), no entanto alguns
países usam outras expressões
como cantões, repúblicas,
províncias etc., para designar
as divisões internas dos
países.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Conceitos Da Geografia
Conceitos Da GeografiaConceitos Da Geografia
Conceitos Da Geografia
Luciano Pessanha
 
Os fluxos migratórios
Os fluxos migratóriosOs fluxos migratórios
Os fluxos migratórios
Jane Mary Lima Castro
 
A formação do povo brasileiro
A formação do povo brasileiroA formação do povo brasileiro
A formação do povo brasileiro
João Marcelo
 
Migraçoes
MigraçoesMigraçoes
Atividades formação territorial do brasil
Atividades formação territorial do brasil Atividades formação territorial do brasil
Atividades formação territorial do brasil
Doug Caesar
 
Dia Da Consciência Negra
Dia Da Consciência NegraDia Da Consciência Negra
Dia Da Consciência Negra
Paulo Medeiros
 
Diversidade Cultural No Brasil
Diversidade Cultural No BrasilDiversidade Cultural No Brasil
Diversidade Cultural No Brasil
Joemille Leal
 
Unidade 1 6º ano
Unidade 1 6º anoUnidade 1 6º ano
Unidade 1 6º ano
Christie Freitas
 
Aula patrimônio cultural
Aula patrimônio culturalAula patrimônio cultural
Aula patrimônio cultural
Curso Letrados
 
Povos indigenas no Brasil.
Povos indigenas no Brasil.Povos indigenas no Brasil.
Povos indigenas no Brasil.
Jose Ribamar Santos
 
Cultura indígena
Cultura indígenaCultura indígena
Cultura indígena
Karoline Rodrigues de Melo
 
Avaliação 9º ano república velha, guerra de canudos, revolta da vacina
Avaliação 9º ano república velha, guerra de canudos, revolta da vacinaAvaliação 9º ano república velha, guerra de canudos, revolta da vacina
Avaliação 9º ano república velha, guerra de canudos, revolta da vacina
Acrópole - História & Educação
 
A formação do território brasileiro - 7º ano
A formação do território brasileiro - 7º anoA formação do território brasileiro - 7º ano
A formação do território brasileiro - 7º ano
Josi Zanette do Canto
 
Unidade 3 7º ano - População do Brasil
Unidade 3   7º ano - População do BrasilUnidade 3   7º ano - População do Brasil
Unidade 3 7º ano - População do Brasil
Christie Freitas
 
Tipos de mapas
Tipos de mapasTipos de mapas
Tipos de mapas
Hayana Oliveira
 
Cultura indígena
Cultura indígenaCultura indígena
Cultura indígena
Paula Naranjo
 
Escravidão africana no brasil
Escravidão africana no brasilEscravidão africana no brasil
Escravidão africana no brasil
Fatima Freitas
 
Movimentos sociais
Movimentos sociaisMovimentos sociais
Movimentos sociais
Juliana Corvino de Araújo
 
Avaliação de recuperação 9º ano (1)
Avaliação de recuperação 9º ano (1)Avaliação de recuperação 9º ano (1)
Avaliação de recuperação 9º ano (1)
Atividades Diversas Cláudia
 
Dinâmica populacional brasileira
Dinâmica populacional brasileiraDinâmica populacional brasileira
Dinâmica populacional brasileira
Pedro Neves
 

Mais procurados (20)

Conceitos Da Geografia
Conceitos Da GeografiaConceitos Da Geografia
Conceitos Da Geografia
 
Os fluxos migratórios
Os fluxos migratóriosOs fluxos migratórios
Os fluxos migratórios
 
A formação do povo brasileiro
A formação do povo brasileiroA formação do povo brasileiro
A formação do povo brasileiro
 
Migraçoes
MigraçoesMigraçoes
Migraçoes
 
Atividades formação territorial do brasil
Atividades formação territorial do brasil Atividades formação territorial do brasil
Atividades formação territorial do brasil
 
Dia Da Consciência Negra
Dia Da Consciência NegraDia Da Consciência Negra
Dia Da Consciência Negra
 
Diversidade Cultural No Brasil
Diversidade Cultural No BrasilDiversidade Cultural No Brasil
Diversidade Cultural No Brasil
 
Unidade 1 6º ano
Unidade 1 6º anoUnidade 1 6º ano
Unidade 1 6º ano
 
Aula patrimônio cultural
Aula patrimônio culturalAula patrimônio cultural
Aula patrimônio cultural
 
Povos indigenas no Brasil.
Povos indigenas no Brasil.Povos indigenas no Brasil.
Povos indigenas no Brasil.
 
Cultura indígena
Cultura indígenaCultura indígena
Cultura indígena
 
Avaliação 9º ano república velha, guerra de canudos, revolta da vacina
Avaliação 9º ano república velha, guerra de canudos, revolta da vacinaAvaliação 9º ano república velha, guerra de canudos, revolta da vacina
Avaliação 9º ano república velha, guerra de canudos, revolta da vacina
 
A formação do território brasileiro - 7º ano
A formação do território brasileiro - 7º anoA formação do território brasileiro - 7º ano
A formação do território brasileiro - 7º ano
 
Unidade 3 7º ano - População do Brasil
Unidade 3   7º ano - População do BrasilUnidade 3   7º ano - População do Brasil
Unidade 3 7º ano - População do Brasil
 
Tipos de mapas
Tipos de mapasTipos de mapas
Tipos de mapas
 
Cultura indígena
Cultura indígenaCultura indígena
Cultura indígena
 
Escravidão africana no brasil
Escravidão africana no brasilEscravidão africana no brasil
Escravidão africana no brasil
 
Movimentos sociais
Movimentos sociaisMovimentos sociais
Movimentos sociais
 
Avaliação de recuperação 9º ano (1)
Avaliação de recuperação 9º ano (1)Avaliação de recuperação 9º ano (1)
Avaliação de recuperação 9º ano (1)
 
Dinâmica populacional brasileira
Dinâmica populacional brasileiraDinâmica populacional brasileira
Dinâmica populacional brasileira
 

Destaque

A FORMAÇÃO DO POVO BRASILEIRO
A FORMAÇÃO DO POVO BRASILEIROA FORMAÇÃO DO POVO BRASILEIRO
A FORMAÇÃO DO POVO BRASILEIRO
Ronaldo Junio
 
A formação do povo brasileiro
A formação do povo brasileiroA formação do povo brasileiro
A formação do povo brasileiro
gislainegeografiahumanas
 
Formação do povo brasileiro - 7ª série
Formação do povo brasileiro - 7ª sérieFormação do povo brasileiro - 7ª série
Formação do povo brasileiro - 7ª série
Secretaria Municipal de Educação
 
África antes da Escravidão - Africa Befores Slavery
África antes da Escravidão - Africa Befores SlaveryÁfrica antes da Escravidão - Africa Befores Slavery
África antes da Escravidão - Africa Befores Slavery
Gian Gabriel Guglielmelli
 
Africa antes-dos-europeus
Africa antes-dos-europeusAfrica antes-dos-europeus
Africa antes-dos-europeus
Marcelo Ferreira Boia
 
O povo brasileiro
O povo brasileiroO povo brasileiro
O povo brasileiro
Fatima Brambilla
 
Papel
PapelPapel
Papel
Mayjö .
 
Miscigenação Brasileira
Miscigenação BrasileiraMiscigenação Brasileira
Miscigenação Brasileira
Marina Wekid
 
Apostila generos textuais
Apostila generos textuaisApostila generos textuais
Apostila generos textuais
Katia Teixeira Dos Santos
 
Produção do Papel e seus Impactos Ambientais
Produção do Papel e seus Impactos AmbientaisProdução do Papel e seus Impactos Ambientais
Produção do Papel e seus Impactos Ambientais
Marina Godoy
 
Linguagem formal e informal/ variação linguística 6º ano
Linguagem formal e informal/ variação linguística 6º anoLinguagem formal e informal/ variação linguística 6º ano
Linguagem formal e informal/ variação linguística 6º ano
Flavia Barretto Corrêa Catita
 
Plantas
PlantasPlantas
Teste plantas 6ano
Teste plantas 6anoTeste plantas 6ano
Teste plantas 6ano
marcommendes
 
Contribuição da cultura africana no brasil
Contribuição da cultura africana no brasilContribuição da cultura africana no brasil
Contribuição da cultura africana no brasil
Sandra Maria Sousa Ferreia
 
Cultura negra
Cultura negraCultura negra
Cultura negra
Daniele Lino
 
Meninos de todas as cores
Meninos de todas as coresMeninos de todas as cores
Meninos de todas as cores
Lúcia Cruz
 
Influência da-cultura-africana-no-brasil
Influência da-cultura-africana-no-brasilInfluência da-cultura-africana-no-brasil
Influência da-cultura-africana-no-brasil
Nancihorta
 
Atividades avaliativas para o 2º ano
Atividades avaliativas para o 2º anoAtividades avaliativas para o 2º ano
Atividades avaliativas para o 2º ano
Eliete Soares E Soares
 

Destaque (18)

A FORMAÇÃO DO POVO BRASILEIRO
A FORMAÇÃO DO POVO BRASILEIROA FORMAÇÃO DO POVO BRASILEIRO
A FORMAÇÃO DO POVO BRASILEIRO
 
A formação do povo brasileiro
A formação do povo brasileiroA formação do povo brasileiro
A formação do povo brasileiro
 
Formação do povo brasileiro - 7ª série
Formação do povo brasileiro - 7ª sérieFormação do povo brasileiro - 7ª série
Formação do povo brasileiro - 7ª série
 
África antes da Escravidão - Africa Befores Slavery
África antes da Escravidão - Africa Befores SlaveryÁfrica antes da Escravidão - Africa Befores Slavery
África antes da Escravidão - Africa Befores Slavery
 
Africa antes-dos-europeus
Africa antes-dos-europeusAfrica antes-dos-europeus
Africa antes-dos-europeus
 
O povo brasileiro
O povo brasileiroO povo brasileiro
O povo brasileiro
 
Papel
PapelPapel
Papel
 
Miscigenação Brasileira
Miscigenação BrasileiraMiscigenação Brasileira
Miscigenação Brasileira
 
Apostila generos textuais
Apostila generos textuaisApostila generos textuais
Apostila generos textuais
 
Produção do Papel e seus Impactos Ambientais
Produção do Papel e seus Impactos AmbientaisProdução do Papel e seus Impactos Ambientais
Produção do Papel e seus Impactos Ambientais
 
Linguagem formal e informal/ variação linguística 6º ano
Linguagem formal e informal/ variação linguística 6º anoLinguagem formal e informal/ variação linguística 6º ano
Linguagem formal e informal/ variação linguística 6º ano
 
Plantas
PlantasPlantas
Plantas
 
Teste plantas 6ano
Teste plantas 6anoTeste plantas 6ano
Teste plantas 6ano
 
Contribuição da cultura africana no brasil
Contribuição da cultura africana no brasilContribuição da cultura africana no brasil
Contribuição da cultura africana no brasil
 
Cultura negra
Cultura negraCultura negra
Cultura negra
 
Meninos de todas as cores
Meninos de todas as coresMeninos de todas as cores
Meninos de todas as cores
 
Influência da-cultura-africana-no-brasil
Influência da-cultura-africana-no-brasilInfluência da-cultura-africana-no-brasil
Influência da-cultura-africana-no-brasil
 
Atividades avaliativas para o 2º ano
Atividades avaliativas para o 2º anoAtividades avaliativas para o 2º ano
Atividades avaliativas para o 2º ano
 

Semelhante a Formação do povo brasileiro

Web aula 1éder
Web aula 1éderWeb aula 1éder
Web aula 1éder
Dudu1980
 
Web aula 1éder
Web aula 1éderWeb aula 1éder
Web aula 1éder
Dudu1980
 
Identidades Brasileiras
Identidades BrasileirasIdentidades Brasileiras
Identidades Brasileiras
Helio Fagundes
 
Trab. socio miscigenação cultural brasileira
Trab. socio miscigenação cultural brasileiraTrab. socio miscigenação cultural brasileira
Trab. socio miscigenação cultural brasileira
Minguimingui
 
Matrizes culturais iii
Matrizes culturais iiiMatrizes culturais iii
Matrizes culturais iii
geografiafelipe
 
Geografia a
Geografia  aGeografia  a
Sociologia no Brasil
Sociologia no BrasilSociologia no Brasil
Sociologia no Brasil
Bruno Barbosa
 
slides formação da população brasileira.pdf
slides formação da população brasileira.pdfslides formação da população brasileira.pdf
slides formação da população brasileira.pdf
StfaniSousa1
 
Etnias,emigrações,imigrações e nacionalismo
Etnias,emigrações,imigrações e nacionalismoEtnias,emigrações,imigrações e nacionalismo
Etnias,emigrações,imigrações e nacionalismo
Adriana Gomes Messias
 
Diversidade ética e cidadania
Diversidade   ética e cidadaniaDiversidade   ética e cidadania
Diversidade ética e cidadania
Acrópole - História & Educação
 
Cultura brasileira lúcio
Cultura brasileira lúcioCultura brasileira lúcio
Cultura brasileira lúcio
Daniele Lino
 
Escravidão no brasil
Escravidão no brasilEscravidão no brasil
Escravidão no brasil
LaerteCamargo
 
Diversidade Dica e cidadania-110914091508-phpapp02
Diversidade Dica e cidadania-110914091508-phpapp02Diversidade Dica e cidadania-110914091508-phpapp02
Diversidade Dica e cidadania-110914091508-phpapp02
albertoluft
 
Aula 02 - população do brasil6anoEF.pptx
Aula 02 - população do brasil6anoEF.pptxAula 02 - população do brasil6anoEF.pptx
Aula 02 - população do brasil6anoEF.pptx
AlderleyCarvalho1
 
Documento de Helena.pptx
Documento de Helena.pptxDocumento de Helena.pptx
Documento de Helena.pptx
HelenaSaitoAutuori
 
O povo brasileiro
O povo brasileiroO povo brasileiro
O povo brasileiro
Maria Ruth Borges Beserra
 
Hist.3 aula02 (2014)
Hist.3 aula02 (2014)Hist.3 aula02 (2014)
Hist.3 aula02 (2014)
Evanildo Pitombeira
 
Matrizes culturais – 2ª parte
Matrizes culturais – 2ª parteMatrizes culturais – 2ª parte
Matrizes culturais – 2ª parte
felipedacarpereira
 
Discriminação étnico racial atual
Discriminação étnico racial atualDiscriminação étnico racial atual
Discriminação étnico racial atual
Marcia Miranda
 
Discriminação étnico racial
Discriminação étnico racialDiscriminação étnico racial
Discriminação étnico racial
Marcia Miranda
 

Semelhante a Formação do povo brasileiro (20)

Web aula 1éder
Web aula 1éderWeb aula 1éder
Web aula 1éder
 
Web aula 1éder
Web aula 1éderWeb aula 1éder
Web aula 1éder
 
Identidades Brasileiras
Identidades BrasileirasIdentidades Brasileiras
Identidades Brasileiras
 
Trab. socio miscigenação cultural brasileira
Trab. socio miscigenação cultural brasileiraTrab. socio miscigenação cultural brasileira
Trab. socio miscigenação cultural brasileira
 
Matrizes culturais iii
Matrizes culturais iiiMatrizes culturais iii
Matrizes culturais iii
 
Geografia a
Geografia  aGeografia  a
Geografia a
 
Sociologia no Brasil
Sociologia no BrasilSociologia no Brasil
Sociologia no Brasil
 
slides formação da população brasileira.pdf
slides formação da população brasileira.pdfslides formação da população brasileira.pdf
slides formação da população brasileira.pdf
 
Etnias,emigrações,imigrações e nacionalismo
Etnias,emigrações,imigrações e nacionalismoEtnias,emigrações,imigrações e nacionalismo
Etnias,emigrações,imigrações e nacionalismo
 
Diversidade ética e cidadania
Diversidade   ética e cidadaniaDiversidade   ética e cidadania
Diversidade ética e cidadania
 
Cultura brasileira lúcio
Cultura brasileira lúcioCultura brasileira lúcio
Cultura brasileira lúcio
 
Escravidão no brasil
Escravidão no brasilEscravidão no brasil
Escravidão no brasil
 
Diversidade Dica e cidadania-110914091508-phpapp02
Diversidade Dica e cidadania-110914091508-phpapp02Diversidade Dica e cidadania-110914091508-phpapp02
Diversidade Dica e cidadania-110914091508-phpapp02
 
Aula 02 - população do brasil6anoEF.pptx
Aula 02 - população do brasil6anoEF.pptxAula 02 - população do brasil6anoEF.pptx
Aula 02 - população do brasil6anoEF.pptx
 
Documento de Helena.pptx
Documento de Helena.pptxDocumento de Helena.pptx
Documento de Helena.pptx
 
O povo brasileiro
O povo brasileiroO povo brasileiro
O povo brasileiro
 
Hist.3 aula02 (2014)
Hist.3 aula02 (2014)Hist.3 aula02 (2014)
Hist.3 aula02 (2014)
 
Matrizes culturais – 2ª parte
Matrizes culturais – 2ª parteMatrizes culturais – 2ª parte
Matrizes culturais – 2ª parte
 
Discriminação étnico racial atual
Discriminação étnico racial atualDiscriminação étnico racial atual
Discriminação étnico racial atual
 
Discriminação étnico racial
Discriminação étnico racialDiscriminação étnico racial
Discriminação étnico racial
 

Mais de feraps

Etiologia na visão da MTC
Etiologia na visão da MTCEtiologia na visão da MTC
Etiologia na visão da MTC
feraps
 
Corpo energético
Corpo energéticoCorpo energético
Corpo energético
feraps
 
Promação da Saúde
Promação da SaúdePromação da Saúde
Promação da Saúde
feraps
 
Rede de Atenção à Saúde
Rede de Atenção à SaúdeRede de Atenção à Saúde
Rede de Atenção à Saúde
feraps
 
Tuberculose - TB
Tuberculose - TBTuberculose - TB
Tuberculose - TB
feraps
 
Modelo de atenção integral à saúde
Modelo de atenção integral à saúdeModelo de atenção integral à saúde
Modelo de atenção integral à saúde
feraps
 
Risco e Vulnerabilidade
Risco e VulnerabilidadeRisco e Vulnerabilidade
Risco e Vulnerabilidade
feraps
 
Humaniza SUS marco teorico
Humaniza SUS marco teoricoHumaniza SUS marco teorico
Humaniza SUS marco teorico
feraps
 
Carta usuarios saude
Carta usuarios saudeCarta usuarios saude
Carta usuarios saude
feraps
 
Rede - Intersetorialidade - Necessidades em saúde
Rede - Intersetorialidade - Necessidades em saúdeRede - Intersetorialidade - Necessidades em saúde
Rede - Intersetorialidade - Necessidades em saúde
feraps
 
Mapa - territorialização e Papel do TVS
Mapa - territorialização e Papel do TVSMapa - territorialização e Papel do TVS
Mapa - territorialização e Papel do TVS
feraps
 
Trabalho de campo
Trabalho de campoTrabalho de campo
Trabalho de campo
feraps
 
Território e o Processo Saúde - Doença
Território e o Processo Saúde - DoençaTerritório e o Processo Saúde - Doença
Território e o Processo Saúde - Doença
feraps
 
Participação e controle social
Participação e controle socialParticipação e controle social
Participação e controle social
feraps
 
Pacto pela saúde sus
Pacto pela saúde   susPacto pela saúde   sus
Pacto pela saúde sus
feraps
 
Sistema Único de Saúde
Sistema Único de SaúdeSistema Único de Saúde
Sistema Único de Saúde
feraps
 
Políticas públicas no brasil
Políticas públicas no brasilPolíticas públicas no brasil
Políticas públicas no brasil
feraps
 
Vigilância em saúde no Brasil ao longo do tempo
Vigilância em saúde no Brasil ao longo do tempoVigilância em saúde no Brasil ao longo do tempo
Vigilância em saúde no Brasil ao longo do tempo
feraps
 
Raiva e a Importância da Campanha da Vacinação
Raiva e a Importância da Campanha da VacinaçãoRaiva e a Importância da Campanha da Vacinação
Raiva e a Importância da Campanha da Vacinação
feraps
 
Identidade, diferença e desigualdades no brasil
Identidade, diferença e desigualdades no brasilIdentidade, diferença e desigualdades no brasil
Identidade, diferença e desigualdades no brasil
feraps
 

Mais de feraps (20)

Etiologia na visão da MTC
Etiologia na visão da MTCEtiologia na visão da MTC
Etiologia na visão da MTC
 
Corpo energético
Corpo energéticoCorpo energético
Corpo energético
 
Promação da Saúde
Promação da SaúdePromação da Saúde
Promação da Saúde
 
Rede de Atenção à Saúde
Rede de Atenção à SaúdeRede de Atenção à Saúde
Rede de Atenção à Saúde
 
Tuberculose - TB
Tuberculose - TBTuberculose - TB
Tuberculose - TB
 
Modelo de atenção integral à saúde
Modelo de atenção integral à saúdeModelo de atenção integral à saúde
Modelo de atenção integral à saúde
 
Risco e Vulnerabilidade
Risco e VulnerabilidadeRisco e Vulnerabilidade
Risco e Vulnerabilidade
 
Humaniza SUS marco teorico
Humaniza SUS marco teoricoHumaniza SUS marco teorico
Humaniza SUS marco teorico
 
Carta usuarios saude
Carta usuarios saudeCarta usuarios saude
Carta usuarios saude
 
Rede - Intersetorialidade - Necessidades em saúde
Rede - Intersetorialidade - Necessidades em saúdeRede - Intersetorialidade - Necessidades em saúde
Rede - Intersetorialidade - Necessidades em saúde
 
Mapa - territorialização e Papel do TVS
Mapa - territorialização e Papel do TVSMapa - territorialização e Papel do TVS
Mapa - territorialização e Papel do TVS
 
Trabalho de campo
Trabalho de campoTrabalho de campo
Trabalho de campo
 
Território e o Processo Saúde - Doença
Território e o Processo Saúde - DoençaTerritório e o Processo Saúde - Doença
Território e o Processo Saúde - Doença
 
Participação e controle social
Participação e controle socialParticipação e controle social
Participação e controle social
 
Pacto pela saúde sus
Pacto pela saúde   susPacto pela saúde   sus
Pacto pela saúde sus
 
Sistema Único de Saúde
Sistema Único de SaúdeSistema Único de Saúde
Sistema Único de Saúde
 
Políticas públicas no brasil
Políticas públicas no brasilPolíticas públicas no brasil
Políticas públicas no brasil
 
Vigilância em saúde no Brasil ao longo do tempo
Vigilância em saúde no Brasil ao longo do tempoVigilância em saúde no Brasil ao longo do tempo
Vigilância em saúde no Brasil ao longo do tempo
 
Raiva e a Importância da Campanha da Vacinação
Raiva e a Importância da Campanha da VacinaçãoRaiva e a Importância da Campanha da Vacinação
Raiva e a Importância da Campanha da Vacinação
 
Identidade, diferença e desigualdades no brasil
Identidade, diferença e desigualdades no brasilIdentidade, diferença e desigualdades no brasil
Identidade, diferença e desigualdades no brasil
 

Último

A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptxAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AntonioVieira539017
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
edivirgesribeiro1
 

Último (20)

A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptxAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
 

Formação do povo brasileiro

  • 1. A FORMAÇÃO DO POVO BRASILEIRO Prof. Fernando A Silva
  • 2. OLHA SÓ QUEM JÁ ERA DONO DAS TERRAS BRASILEIRA... RESPOSTA: OS ÍNDIOS.( OU NATIVOS)
  • 3. O que a história conta? Que o povo brasileiro foi formado a partir de mistura de grupos étnicos. O Brasil é um país de grande miscigenação. Onde tudo começou? No século XVI com a chegado dos brancos. Com a colonização inciou-se a mistura de sangue: Branco com o Índio = Caboclo Mais tarde vieram os escravos, negros trazidos da África: Branco com o Negro = Mulato Negro com o Índio = Cafuzo
  • 4.  A população brasileira é bastante miscigenada.  São inúmeras as raças que favoreceram a formação do povo brasileiro.  Os principais grupos foram os povos indígenas, africanos, imigrantes europeus e asiáticos.
  • 5. Com o passar do tempo vieram outros imigrantes, vindos das mais variadas regiões da Terra; Italianos; Alemães; Espanhóis; Japoneses; Libaneses; Chineses; Etc. Essa miscigenação pode ser observada no rosto, no corpo, nos hábitos, nas crenças e nos valores de cada brasileiro. Não somos um povo idêntico, com características semelhantes, somos resultado da miscigenação = população mestiça
  • 6.  Povos indígenas: antes do descobrimento do Brasil, o território já era habitado por povos nativos, neste caso, os índios.  Existem diversos grupos indígenas no país, dentre os principais estão: Karajá, Bororó, Kaigang e Yanomami. No passado, a população desses índios era de quase 2 milhões de índios.
  • 7.  Dentre os principais grupos humanos europeus, destacam-se: portugueses, espanhóis, italianos e alemães. Em relação aos povos asiáticos, podemos destacar japoneses, sírios e libaneses
  • 8. Dentre os diversos povos que formaram o Brasil, temos os Europeus. O primeiro povo europeu a chegar no Brasil foram os Portugueses. A mais evidente herança portuguesa para a cultura brasileira é a língua portuguesa
  • 9. Darcy Ribeiro mostra que a mistura de raças foi sustentada por 4 pilares: As matrizes que compuseram o nosso povo; As proporções que essa mistura tomou em nosso país; As condições ambientais em que ela ocorreu; Os objetivos de vida e produção assumidos por cada uma dessas matrizes. A esses pilares foram somados 3 forças: A ecologia; A economia; A imigração. Surge no Brasil uma estrutura social totalmente inédita, marcada pelo genocídio e etinocídio, ideologia sustentada pela igreja, para suprimir qualquer identidade discrepante da do conquistador.
  • 10. Conflitos iniciais: O primeiro foi entre os colonizadores e os índios = choque de mentalidade. O segundo entre colonos e jesuítas = conflito de interesses e caráter mercantil da Coroa. Esse conflito culminou com a expulsão dos jesuítas do Brasil pelo Coroa que ficou do lado dos colonos. O estilo de colonização dos Ibéricos foi chamado de barroco: Baseado o lucro; na riqueza; na opressão; na mistura com o povo local; na supressão das etnias locais e da implantação na colônia de seu modo de vida. Tudo sustentado pela igreja.
  • 11. O que essa forma de colonização fomentou? A estrutura econômica e social do nosso povo em 3 planos: Assossiativo: pela escravatura, pela estrutura sócio-política; Adaptativo: pela tecnologia que se implantava, pelo engenho, pela introdução de pastagem de gado; Ideológico: pela igreja, pela língua nova trazida para o Brasil. Constituímos uma sociedade Bipartida em Rural e Urbana. Devemos lembrar que a ocupação do Brasil só foi possível através do cunhadismo.
  • 12. Neobrasileiros : Esses novos brasileiros sofreram forte rejeição. Negro escravo: Foram passivos, inicialmente, na formação cultural do nosso povo. Eram hostis entre si, pois vieram de tribos diferentes e não falavam a mesma. Devido a isso foram grandes disseminadores da língua portuguesa que aprendiam com o capataz. Vivem nos engenho de açúcar, de algodão e nas áreas de mineração. Tiveram papel importante na inserção dos recém chegados no modo de vida vigente, transformando a cultura desses e unificando-os. Os mulatos que nasciam desses eram 3: Banda-forra = negro com branco; Salta-atrás = negro com índio; Terceirão = negro com banda-forra.
  • 13.  A partir dos séculos XVI e XIX.  Nesse período, desembarcaram no Brasil milhões de negros africanos.  Os africanos trabalharam especialmente no cultivo da cana-de-açúcar e do café.  Mas esses trabalhadores não eram remunerados e viviam em condições de vida desumanas.  Não se esqueçam que essa migração foi forçada.Eram homens e mulheres que viviam com suas famílias em suas regiões na ÁFRICA.
  • 14.
  • 15. OLÁ GALERA! OBSERVEM OS BANTOS Estendem-se desde os Camarões até à África do Sul e ao oceano Índico Originários do noroeste do continente africano, onde atualmente são os países da Nigéria, Mali, Mauritânia e Camarões. Os povos bantos eram agricultores, conheciam a metalúrgica e viviam em aldeias comandadas por um chefe, o manicongo Devido ao tráfico negreiro, esses povos foram obrigados a cruzarem o Atlântico e desembarcarem no Brasil para exercer um trabalho compulsório em um dos períodos mais catastróficos de nossa historia: a escravidão.
  • 16. Mistura de raças: Foi mais intensa na época da mineração aurífera. A mineração criou uma rede de intercâmbio comercial, proporcionando riqueza para algumas cidades. Surgiu nesta época a arte de Aleijadinho, Gonzaga e Cláudio Manuel da Costa. Com o esgotamento das jazidas auríferas houve a diáspora por todo o país. Iniciou uma série de outras atividades; Pecuária no sertão; Algodão no Maranhão; E café, que reintroduziu o Brasil no mercado externo.
  • 17.
  • 18. Empresa Brasileira: Sustentada por quatro pilares: Escravista = garantia o empreendimento colonial; Jesuítica = garantia o amansamento dos índios e, consequentemente, suas reduções; Banqueiros, portuários, intermediários comerciais e produtos de gêneros de subsistência = sustentava os outros e incorporavam os mestiços.
  • 19. Urbanização: Ocorreu devido ao exôdo do campo, pois o latifúndio rural não oferecia condições de emprego a todos. Assim; Uma grande massa marginalizados formavam favelas nas cidades. Esse ainda é o nosso maior problema – assentar e incluir essa massa de marginalizados no sistema.
  • 20. Disso nasce os estratos de nossa sociedade: Classe dominante – Ditam as regras e comandam o sistema econômico e político; Profissionais liberais – estrato mais ativo, sendo ora atenuadores ora agravadores de conflitos; Subalternos – mais combativos, procuram conquistar mais do que têm e não uma reestruturação social; Oprimidos – vivem na esperança de entrar no sistema produtivo; Isso caracteriza o Brasil como uma benfeitoria.
  • 21. Industrialização: Tem como embrião a Companhia Siderúrgica Nacional – Gestão de Getúlio Vargas e das jazidas de ferro de MG. Kubitchek com a intenção de fazer uma revolução industrial semelhante a da França concedeu subsídios e incentivos às indústrias que se instalarem no Brasil = Favoreceu São Paulo e colocou o centro das decisões na mãos das grandes corporação e empresariado externo.
  • 22. Integração Social: Vimos a integração e a inclusão de diferentes imigrantes que vieram ao Brasil. Entretanto, isso depende da permeabilidade das barreiras sócioraciais vigente. O negro, depois da abolição não tinham mais terra, assim marginalizaram- se nas cidades, constituindo favelas. Sua integração na sociedade se deu mais culturalmente, pois, economicamente, continuava servindo como mão de obra barata. Vale lembrar que são motivados politicamente pela questão social, e não racial.
  • 23. Os brasis: O Brasil Crioulo: Nasceu nos engenhos nordestinos, sistema baseado no latinfúndio, na monocultura e no trabalho escravo. Representado pelos negros e mulatos. O Brasil Caboclo: Nasceu da mistura de índios com outros mestiços na região norte do país O Brasil Sertanejo: Surgiu como dependente da açucareira, pela pastagem do gado, introduzida no Brasil pelos portugueses e trazidos de Cabo Verde, que abrigava um certo contingente de mão de obra, o vaqueiro. A população excedente se dedicava a atividade extrativista. O sertanejo do interior se dedicava ao garimpo.
  • 24. O Brasil Caipira: São os homens que dirigiam as Bandeiras e adentravam ao interior do Brasil e a população paulista (mamelucos). Cada um possuía uma indiada cativa para o cultivo de mandioca, feijão, milho, tubérculos, etc. O Brasil Sulista: Decorrente da expansão paulista que atingiu a região sul e somou-se a outras influencias para gerar os sulinos. Principal características é a heterogeneidade cultural: Lavradores matutos de origem açoriana; Os gaúchos da zona de campos da fronteira, descentes dos luso-espanhóis com índios; Os gringos descendentes de imigrantes (italianos, alemães, poloneses, japoneses e libaneses, principalmente, entre outros).
  • 25. Darcy Ribeiro: “...Todos nós, brasileiros, somos carne da carne daqueles negros e índios supliciados. Todos nós brasileiros somo, por igual, a mão possessa que os suplicou. A doçura mais terna e a crueldade mais atroz aqui se conjugaram para fazer de nós sentida e sofrida que somos e a gente insensível e brutal que também somos. Como descendentes de escravos e de senhores de escravos seremos sempre servos da maldade destilada e instilada em nós, tanto pelo sentimento da dor intencionalmente produzida para doer mais, quanto pelo exercício da brutalidade sobre homens, sobre mulheres, sobre crianças convertidas em pasto de nossa fúria.” “A mais terrível de nossas heranças é esta de levar sempre conosco a cicatriz de torturador impressa na alma e pronta a explodir na brutalidade racista e classista.” (1995, p.120)
  • 26. Darcy Ribeiro, em sua Obra O Povo Brasileiro, estabelece 5 brasis distintos: O Brasil sertanejo; O Brasil crioulo; O Brasil caboclo; O Brasil caipira; O Brasil sulino
  • 27.  Tendo em vista essa diversidade de raças, culturas e etnias, o resultado só poderia ser uma miscigenação  Por esse motivo, encontramos inúmeras manifestações culturais, costumes, pratos típicos, entre outros aspectos.
  • 28. Território significa os limites que delimitam ou separam um território do outro formando várias fronteiras em todo mundo, essas delimitam o mundo em mais de 190 países, os territórios são concebidos através de acordos ou conflitos, esses são estabelecidos de acordo com os interesses socioeconômicos e culturais.
  • 29.  Os seres humanos constroem a geografia, desenvolvem formas de relacionamento entre si e também com os outros grupos de pessoas do mundo.Constróem uma identidade coletiva que as faz uma nação.  Em geral, uma nação ocupa um espaço demarcado, um território. Esse espaço é chamado país.
  • 30. Estado, se define como divisão interna do país, ou seja, os estados que compõe a federação (ex. Goiás, Rio de Janeiro), no entanto alguns países usam outras expressões como cantões, repúblicas, províncias etc., para designar as divisões internas dos países.