SlideShare uma empresa Scribd logo
Tuberculose
Acadêmicos: Ademir  Adenir Lacerda Diogo Mattos Rafael Lopes Weudes Barbosa Lima
A tuberculose - chamada antigamente de "peste branca“, e conhecida também em português como tísica pulmonar ou "doença do peito" - é uma das doenças infecciosas documentadas desde mais longa data e que continua a afligir a humanidade nos dias atuais. É causada pelo Mycobacterium tuberculosis. Estima-se que a bactéria causadora tenha evoluído há 15.000 ou 20.000 anos, a partir de outras bactérias do gênero Mycobacterium
tuberculose é considerada uma doença socialmente determinada, pois sua ocorrência está diretamente associada à forma como se organizam os processos de produção e de reprodução social, assim como à implementação de políticas de controle da doença. Os processos de produção e reprodução estão diretamente relacionados ao modo de viver e trabalhar do indivíduo.
Classificação Tuberculose pulmonar: Tuberculose primaria:  (é a que aparece consecutivamente após a infecção inicial pelo bacilo tuberculoso) Tuberculose pós-primaria:  (ou secundaria, e se da pela reativação endógena de uma infecção tuberculosa latente)
Tuberculose extra pulmonar: Tuberculose ganglionar Tuberculose pleural Tuberculose das vias respiratórias superiores Tuberculose geniturinária  Tuberculose osteoarticular  Tuberculose digestiva Tuberculose pericárdica Meningite tuberculosa  Tuberculose disseminada
Sintomas mais comuns  : Tosse (por mais de 15 dias)  Febre (mais comumente ao entardecer)  Sudorese noturnos  Falta de apetite  Emagrecimento  Cansaço fácil (fatiga) Dificuldade na respiração (dispnéia), eliminação de sangue e acúmulo de pus na pleura pulmonar são característicos em casos mais graves.
80% dos casos de tuberculose no mundo estão concentrados nos países assinalados em vermelho. Fonte:  OMS
Transmissão:  A tuberculose se dissemina através de gotículas no ar que são expelidas quando pessoas com tuberculose infecciosa tossem, espirram, falam ou cantam. Contactos próximos (pessoas que tem contato freqüente) têm alto risco de se infectarem (taxa de infecção de 22%). A transmissão ocorre somente a partir de pessoas com tuberculose infecciosa ativa (e não de quem tem a doença latente).   A probabilidade da transmissão depende do grau de infecção da pessoa com tuberculose e da quantidade expelida, forma e duração da exposição ao bacilo, e a virulência. A cadeia de transmissão pode ser interrompida isolando-se pacientes com a doença ativa e iniciando-se uma terapia anti-tuberculose eficaz.
Patogenicidade:  A interação do M. Tuberculosis com o hospede começa quando as goticulas infecciosas dos pacientes contagiosos são inalados por uma pessoa. A maior parte dos bacilos ficam retidos na vias respiratórias superiores e são expulsados pelo movimentos ciliar das células da mucosa, e somente uma parte deles chegam aos alvéolos.  Assim s ó 10% dos pacientes infectados  acabam por evoluir para o quadro da doença - uma porcentagem bem reduzida.
Infecção  : A infecção pelo  M. tuberculosis  se inicia quando o bacilo atinge os alvéolos pulmonares e pode se espalhar para os nódulos linfáticos e daí, através da corrente sanguínea para tecidos mais distantes onde a doença pode se desenvolver: a parte superior dos pulmões, os rins, o cérebro e os ossos. A resposta imunológica do organismo mata a maioria dos bacilos, levando à formação de um granuloma. Os "tubérculos", ou nódulos de tuberculose são pequenas lesões que consistem em tecidos mortos de cor acinzentada contendo a bactéria da tuberculose. Normalmente o sistema imunológico é capaz de conter a multiplicação do bacilo, evitando sua disseminação em 90% dos casos.
Evolução:   Entretanto, em algumas pessoas, o bacilo da tuberculose supera as defesas do sistema imunológico e começa a se multiplicar, resultando na progressão de uma simples infecção por tuberculose para a doença em si. Isto pode ocorrer logo após a infecção (tuberculose primária – 1 a 5% dos casos), ou vários anos após a infecção (reativação da doença tuberculosa, ou bacilo dormente – 5 a 9 %).   Cerca de 5% das pessoas infectadas vão desenvolver a doença nos dois primeiros anos, e outras 5% vão desenvolvê-la ainda mais tarde. No total, cerca de 10% dos infectados com sistema imunológico normal desenvolverão a doença durante a vida
Fatores de risco de tuberculose em pessoas infectadas pelos bacilos: Infecção recente (menos de 1 ano) Infecção por HIV Insuficiência renal Diabetes Consumo de drogas intravenosas Tratamento imunossupressor Transplantes  Desnutrição e grandes reduções de peso Gastrectomia Câncer  a cabeça e pescoço
Resistência a medicamentos:   A tuberculose resistente é transmitida da mesma forma que as formas sensíveis a medicamentos. A resistência primária se desenvolve em pessoas infectadas inicialmente com microorganismos resistentes. A resistência secundária (ou adquirida) surge quando a terapia contra a tuberculose é inadequada ou quando não se segue ou se interrompe o regime de tratamento prescrito.
Diagnóstico: Uma avaliação médica completa para a tuberculose inclui um histórico médico, um exame físico, a baciloscopia, o teste subcutâneo de Mantoux, uma radiografia do tórax e culturas microbiológicas.
Teste intradérmico de tuberculina: O teste subcutâneo de Mantoux é usado no Brasil, nos EUA e no Canadá. O teste de Heaf é usado no Reino Unido. Esses testes não têm nenhuma importância diagnóstica. Um resultado positivo indica que houve contato com o bacilo, mas não indica doença, já que, após o contágio, o indivíduo apresenta 5% de chances de desenvolver a doença nos primeiros 2 anos. Este teste é utilizado para fins de controle epidemiológico e profilaxia em contatos de pacientes com tuberculose. O teste de Mantoux envolve injeção subcutânea de tuberculina e a medição do tamanho de qualquer reação após três dias.
Classificação da reação à tuberculina:   Os resultados são classificados como Reator Forte, Reator Fraco ou Não Reator. Um endurecimento de mais de 5-15 mm (dependendo dos fatores de risco da pessoa) a 10 unidades de Mantoux é considerado um resultado positivo, indicando infecção pelo  M. tuberculosis . Um teste negativo não exclui tuberculose ativa, especialmente se o teste foi feito entre 6 e 8 semanas após adquirir-se a infecção; se a infecção for intensa, ou se o paciente tiver comprometimento imunológico. Um teste positivo não indica doença ativa, apenas que o indivíduo teve contato com o bacilo.
Vacinação anti-tuberculosa: A vacina BCG se obteve de uma cepa atenuada de M.  bovis  e foi administrada pela primeira vez no ser humano em 1921. é uma vacina inócua e rara vez causa complicações graves e somente de 1 a 10% da pessoas vacinadas apresentam efeitos secundários. Em estudos aleatórios estimasse que a eficácia chegue a até 80%. Em países com grande prevalência de tuberculose se aconselha a vacinação sistemática com BCG ao nascer.
Tratamento de tuberculose ativa:   Os tratamentos recentes para a tuberculose ativa incluem uma combinação de drogas, às vezes num total de quatro, que são reduzidas após certo tempo, a critério médico. Não se utiliza apenas uma droga, pois, neste caso, todas as bactérias sensíveis a ela morrem, e, três meses depois, o paciente sofrerá infecção de bactérias que conseguiram resistir a esta primeira droga. Alguns medicamentos matam a bactéria, outros agem contra a bactéria infiltrada em células, e outros, ainda, impedem a sua multiplicação. Ressalte-se que o tratamento deve seguir uma continuidade com acompanhamento médico, e não suspenso pelo paciente após uma simples melhora. Com isto evita-se que cepas da bactéria mais resistentes sobrevivam no organismo, e retornem posteriormente com uma infecção mais difícil de curar. O tratamento pode durar até 5 anos, dependendo do caso
Isoniazida (5mg/Kg diário, em ate 3 vezes por semana) Rifampicina (10mg/Kg diário, em ate 3 vezes por semana) Pirazinamida (20 – 25mg/Kg diário, em ate 3 vezes por semana) Etambutol  (15 – 20mg/Kg diário, em ate 3 vezes por semana)
Tuberculose no Brasil e no mundo Considerada por muitos como uma doença do passado, a tuberculose é reconhecida como uma emergência global desde 1993 pela Organização Mundial de Saúde, atingindo particularmente países dominados pelo imperialismo, considerados “atrasados”, “em desenvolvimento”. Emergência silenciosa, com pouco espaço nos meios de comunicação. É uma doença com algumas características bem definidas: atinge principalmente a população mais pobre e, se tratada, tem cura. No mundo, estima-se que um terço da população esteja infectada. No Brasil, atualmente são cerca de 50 milhões de infectados. Entre os 23 países com mais doentes, que respondem por mais de 80% dos casos em todo o mundo, o Brasil encontra-se na 14ª colocação.
Nas Américas, quanto à mortalidade, países como Peru e Equador estão entre os de maiores índices; EUA, Canadá e Cuba apresentam as menores taxas. E o Brasil tem o maior número absoluto de mortes. Cerca de 6.000 brasileiros morrem ao ano por esta doença que, se tratada, tem cura. Se a atual situação não for revertida, prevê-se que até 2020, o número de pessoas infectadas chegue a um bilhão, 200 milhões adoeçam e 35 milhões possam morrer.
No Brasil, o estado campeão é o Rio de Janeiro, com uma alarmante  taxa de incidência  de 89,32 contra uma média nacional de 47,2 por 100.000 habitantes. E, na cidade do Rio de Janeiro, são as comunidades, como Rocinha, Maré as áreas que apresentam maiores índices, conjugando pobreza, acesso inadequado aos serviços de saúde, além de baixa adesão ao tratamento e epidemia HIV/Aids. A falta de informação, o preconceito contra a doença e contra os doentes potencializa o quadro acima descrito
Outro aspecto a ser destacado é que a tuberculose acomete principalmente a população economicamente ativa, com índices maiores entre as pessoas de 19 a 49 anos no Brasil. Muitos pacientes têm receio de que, se identificados no trabalho, possam ser demitidos, mesmo existindo legislação específica que garante o direito ao tratamento. Assim, a estressante intensificação do ritmo e as más condições do trabalho, a ameaça do desemprego, características da atual reconfiguração da formação econômico social brasileira, contribuem para agravar a situação
Referência Bibliográfica SAÚDE E COMUNIDADE, Orientador para estudo, Célio Pedreira-2006. www.google.com.br www.saúde.gov. br
Tuberculose tem cura!!! Obrigado.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula tuberculose
Aula tuberculoseAula tuberculose
Aula tuberculose
Renato Tonay
 
Tuberculose pulmonar
Tuberculose pulmonarTuberculose pulmonar
Tuberculose pulmonar
lukeni2015
 
Módulo Tuberculose- Aula 01
Módulo Tuberculose- Aula 01Módulo Tuberculose- Aula 01
Módulo Tuberculose- Aula 01
Flávia Salame
 
TUBERCULOSE
TUBERCULOSETUBERCULOSE
TUBERCULOSE
Flávia Salame
 
Tuberculose
Tuberculose  Tuberculose
Tuberculose
Fernanda Clara
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
Rui Alves
 
Tuberculose pulmonar
Tuberculose pulmonarTuberculose pulmonar
Tuberculose pulmonar
Erick Bragato
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
DCRDANYLA
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
Inês Santos
 
Varicela
VaricelaVaricela
Varicela
Lílian Reis
 
Sarampo
SarampoSarampo
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
Andrea Pires
 
Tubercolose
TubercoloseTubercolose
Tubercolose
135nanny
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
Maria Eliane Santos
 
Tipos de Hepatites: A, B, C, D e E
Tipos de Hepatites: A, B, C, D e ETipos de Hepatites: A, B, C, D e E
Tipos de Hepatites: A, B, C, D e E
Kelson Oliveira
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
Marco Antonio
 
Hepatite
HepatiteHepatite
Slides rubéola
Slides rubéolaSlides rubéola
Slides rubéola
Guilherme Ferrari
 
Tuberculose dots
Tuberculose dotsTuberculose dots
Tuberculose dots
Dessa Reis
 
Apresentacão meningite
Apresentacão meningiteApresentacão meningite
Apresentacão meningite
Fernanda Marinho
 

Mais procurados (20)

Aula tuberculose
Aula tuberculoseAula tuberculose
Aula tuberculose
 
Tuberculose pulmonar
Tuberculose pulmonarTuberculose pulmonar
Tuberculose pulmonar
 
Módulo Tuberculose- Aula 01
Módulo Tuberculose- Aula 01Módulo Tuberculose- Aula 01
Módulo Tuberculose- Aula 01
 
TUBERCULOSE
TUBERCULOSETUBERCULOSE
TUBERCULOSE
 
Tuberculose
Tuberculose  Tuberculose
Tuberculose
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 
Tuberculose pulmonar
Tuberculose pulmonarTuberculose pulmonar
Tuberculose pulmonar
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 
Varicela
VaricelaVaricela
Varicela
 
Sarampo
SarampoSarampo
Sarampo
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 
Tubercolose
TubercoloseTubercolose
Tubercolose
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 
Tipos de Hepatites: A, B, C, D e E
Tipos de Hepatites: A, B, C, D e ETipos de Hepatites: A, B, C, D e E
Tipos de Hepatites: A, B, C, D e E
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 
Hepatite
HepatiteHepatite
Hepatite
 
Slides rubéola
Slides rubéolaSlides rubéola
Slides rubéola
 
Tuberculose dots
Tuberculose dotsTuberculose dots
Tuberculose dots
 
Apresentacão meningite
Apresentacão meningiteApresentacão meningite
Apresentacão meningite
 

Semelhante a Trab Pronto D Tuberculose

Informativo sobre tuberculose 2011
Informativo sobre tuberculose   2011Informativo sobre tuberculose   2011
Informativo sobre tuberculose 2011
cipasap
 
Tuberculose em hospitais
Tuberculose em hospitaisTuberculose em hospitais
Tuberculose em hospitais
Josy Farias
 
Tuberculose dots
Tuberculose dotsTuberculose dots
Tuberculose dots
Cms Nunes
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
Aline Cristina
 
Renata thays e gabryella damascena 1ºd
Renata thays e gabryella damascena 1ºdRenata thays e gabryella damascena 1ºd
Renata thays e gabryella damascena 1ºd
Catiaprof
 
Renata thays e gabryella damascena 1ºd
Renata thays e gabryella damascena 1ºdRenata thays e gabryella damascena 1ºd
Renata thays e gabryella damascena 1ºd
Catiaprof
 
Renata thays e gabryella damascena 1ºd
Renata thays e gabryella damascena 1ºdRenata thays e gabryella damascena 1ºd
Renata thays e gabryella damascena 1ºd
Catiaprof
 
Kaio
KaioKaio
Kaio
Catiaprof
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
JussaraGranado
 
Slide de tubeculose: apresentando conceitos
Slide de tubeculose: apresentando conceitosSlide de tubeculose: apresentando conceitos
Slide de tubeculose: apresentando conceitos
EZEQUIELALMEIDABARRO1
 
Aula 11 - Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose - Parte II.pdf
Aula 11 - Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose - Parte II.pdfAula 11 - Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose - Parte II.pdf
Aula 11 - Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose - Parte II.pdf
Giza Carla Nitz
 
Emília
EmíliaEmília
Emília
Catiaprof
 
Tuberculose dots
Tuberculose dotsTuberculose dots
Tuberculose dots
Dessa Reis
 
Tuberculose, Hanseníase, Meningites - 2016 - UNIRIO
Tuberculose, Hanseníase, Meningites - 2016 - UNIRIOTuberculose, Hanseníase, Meningites - 2016 - UNIRIO
Tuberculose, Hanseníase, Meningites - 2016 - UNIRIO
Ismael Costa
 
Doença de chagas
Doença de chagas Doença de chagas
Doença de chagas
Fausto Barros
 
Resumo tuberculose grupo 5
Resumo   tuberculose grupo 5Resumo   tuberculose grupo 5
Resumo tuberculose grupo 5
Inês Santos
 
Trabalho De Hepatite B
Trabalho De Hepatite BTrabalho De Hepatite B
Trabalho De Hepatite B
Daniela José Arozi
 
4.tuberculose(03 fev2015) SemOsCasos
4.tuberculose(03 fev2015) SemOsCasos4.tuberculose(03 fev2015) SemOsCasos
4.tuberculose(03 fev2015) SemOsCasos
Mônica Firmida
 
BIOESTATISTICA.pptx para iniciantes de saude
BIOESTATISTICA.pptx para iniciantes de saudeBIOESTATISTICA.pptx para iniciantes de saude
BIOESTATISTICA.pptx para iniciantes de saude
amaroalmeida74
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
Deo Almeida
 

Semelhante a Trab Pronto D Tuberculose (20)

Informativo sobre tuberculose 2011
Informativo sobre tuberculose   2011Informativo sobre tuberculose   2011
Informativo sobre tuberculose 2011
 
Tuberculose em hospitais
Tuberculose em hospitaisTuberculose em hospitais
Tuberculose em hospitais
 
Tuberculose dots
Tuberculose dotsTuberculose dots
Tuberculose dots
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 
Renata thays e gabryella damascena 1ºd
Renata thays e gabryella damascena 1ºdRenata thays e gabryella damascena 1ºd
Renata thays e gabryella damascena 1ºd
 
Renata thays e gabryella damascena 1ºd
Renata thays e gabryella damascena 1ºdRenata thays e gabryella damascena 1ºd
Renata thays e gabryella damascena 1ºd
 
Renata thays e gabryella damascena 1ºd
Renata thays e gabryella damascena 1ºdRenata thays e gabryella damascena 1ºd
Renata thays e gabryella damascena 1ºd
 
Kaio
KaioKaio
Kaio
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 
Slide de tubeculose: apresentando conceitos
Slide de tubeculose: apresentando conceitosSlide de tubeculose: apresentando conceitos
Slide de tubeculose: apresentando conceitos
 
Aula 11 - Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose - Parte II.pdf
Aula 11 - Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose - Parte II.pdfAula 11 - Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose - Parte II.pdf
Aula 11 - Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose - Parte II.pdf
 
Emília
EmíliaEmília
Emília
 
Tuberculose dots
Tuberculose dotsTuberculose dots
Tuberculose dots
 
Tuberculose, Hanseníase, Meningites - 2016 - UNIRIO
Tuberculose, Hanseníase, Meningites - 2016 - UNIRIOTuberculose, Hanseníase, Meningites - 2016 - UNIRIO
Tuberculose, Hanseníase, Meningites - 2016 - UNIRIO
 
Doença de chagas
Doença de chagas Doença de chagas
Doença de chagas
 
Resumo tuberculose grupo 5
Resumo   tuberculose grupo 5Resumo   tuberculose grupo 5
Resumo tuberculose grupo 5
 
Trabalho De Hepatite B
Trabalho De Hepatite BTrabalho De Hepatite B
Trabalho De Hepatite B
 
4.tuberculose(03 fev2015) SemOsCasos
4.tuberculose(03 fev2015) SemOsCasos4.tuberculose(03 fev2015) SemOsCasos
4.tuberculose(03 fev2015) SemOsCasos
 
BIOESTATISTICA.pptx para iniciantes de saude
BIOESTATISTICA.pptx para iniciantes de saudeBIOESTATISTICA.pptx para iniciantes de saude
BIOESTATISTICA.pptx para iniciantes de saude
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 

Mais de ITPAC PORTO

Pre Natal
Pre NatalPre Natal
Pre Natal
ITPAC PORTO
 
HanseníAse Pronto
HanseníAse ProntoHanseníAse Pronto
HanseníAse Pronto
ITPAC PORTO
 
Doença de Chagas
Doença de ChagasDoença de Chagas
Doença de Chagas
ITPAC PORTO
 
Aula 2 Amebiase
Aula 2   AmebiaseAula 2   Amebiase
Aula 2 Amebiase
ITPAC PORTO
 
Aula 3 Giardia Lamblia
Aula 3   Giardia LambliaAula 3   Giardia Lamblia
Aula 3 Giardia Lamblia
ITPAC PORTO
 
Aula 6 Teniase E Cisticercose
Aula 6   Teniase E CisticercoseAula 6   Teniase E Cisticercose
Aula 6 Teniase E Cisticercose
ITPAC PORTO
 
Aula 8 Schistosoma Mansoni 2007 Ok
Aula 8   Schistosoma Mansoni 2007 OkAula 8   Schistosoma Mansoni 2007 Ok
Aula 8 Schistosoma Mansoni 2007 Ok
ITPAC PORTO
 
Aula 5 Ancylostomidae E Larva Migrans Cutanea
Aula 5   Ancylostomidae E Larva Migrans CutaneaAula 5   Ancylostomidae E Larva Migrans Cutanea
Aula 5 Ancylostomidae E Larva Migrans Cutanea
ITPAC PORTO
 
Ascaris Lumbricoides, Trichuris, Enterobios
Ascaris Lumbricoides, Trichuris, EnterobiosAscaris Lumbricoides, Trichuris, Enterobios
Ascaris Lumbricoides, Trichuris, Enterobios
ITPAC PORTO
 
ISC V - ITPAC PORTO
ISC V - ITPAC PORTOISC V - ITPAC PORTO
ISC V - ITPAC PORTO
ITPAC PORTO
 

Mais de ITPAC PORTO (11)

Zoodermatoses
ZoodermatosesZoodermatoses
Zoodermatoses
 
Pre Natal
Pre NatalPre Natal
Pre Natal
 
HanseníAse Pronto
HanseníAse ProntoHanseníAse Pronto
HanseníAse Pronto
 
Doença de Chagas
Doença de ChagasDoença de Chagas
Doença de Chagas
 
Aula 2 Amebiase
Aula 2   AmebiaseAula 2   Amebiase
Aula 2 Amebiase
 
Aula 3 Giardia Lamblia
Aula 3   Giardia LambliaAula 3   Giardia Lamblia
Aula 3 Giardia Lamblia
 
Aula 6 Teniase E Cisticercose
Aula 6   Teniase E CisticercoseAula 6   Teniase E Cisticercose
Aula 6 Teniase E Cisticercose
 
Aula 8 Schistosoma Mansoni 2007 Ok
Aula 8   Schistosoma Mansoni 2007 OkAula 8   Schistosoma Mansoni 2007 Ok
Aula 8 Schistosoma Mansoni 2007 Ok
 
Aula 5 Ancylostomidae E Larva Migrans Cutanea
Aula 5   Ancylostomidae E Larva Migrans CutaneaAula 5   Ancylostomidae E Larva Migrans Cutanea
Aula 5 Ancylostomidae E Larva Migrans Cutanea
 
Ascaris Lumbricoides, Trichuris, Enterobios
Ascaris Lumbricoides, Trichuris, EnterobiosAscaris Lumbricoides, Trichuris, Enterobios
Ascaris Lumbricoides, Trichuris, Enterobios
 
ISC V - ITPAC PORTO
ISC V - ITPAC PORTOISC V - ITPAC PORTO
ISC V - ITPAC PORTO
 

Último

EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
portaladministradores
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Falcão Brasil
 
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptxA Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
tamirissousa11
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
 
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptxA Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
 

Trab Pronto D Tuberculose

  • 2. Acadêmicos: Ademir Adenir Lacerda Diogo Mattos Rafael Lopes Weudes Barbosa Lima
  • 3. A tuberculose - chamada antigamente de "peste branca“, e conhecida também em português como tísica pulmonar ou "doença do peito" - é uma das doenças infecciosas documentadas desde mais longa data e que continua a afligir a humanidade nos dias atuais. É causada pelo Mycobacterium tuberculosis. Estima-se que a bactéria causadora tenha evoluído há 15.000 ou 20.000 anos, a partir de outras bactérias do gênero Mycobacterium
  • 4. tuberculose é considerada uma doença socialmente determinada, pois sua ocorrência está diretamente associada à forma como se organizam os processos de produção e de reprodução social, assim como à implementação de políticas de controle da doença. Os processos de produção e reprodução estão diretamente relacionados ao modo de viver e trabalhar do indivíduo.
  • 5. Classificação Tuberculose pulmonar: Tuberculose primaria: (é a que aparece consecutivamente após a infecção inicial pelo bacilo tuberculoso) Tuberculose pós-primaria: (ou secundaria, e se da pela reativação endógena de uma infecção tuberculosa latente)
  • 6. Tuberculose extra pulmonar: Tuberculose ganglionar Tuberculose pleural Tuberculose das vias respiratórias superiores Tuberculose geniturinária Tuberculose osteoarticular Tuberculose digestiva Tuberculose pericárdica Meningite tuberculosa Tuberculose disseminada
  • 7. Sintomas mais comuns : Tosse (por mais de 15 dias) Febre (mais comumente ao entardecer) Sudorese noturnos Falta de apetite Emagrecimento Cansaço fácil (fatiga) Dificuldade na respiração (dispnéia), eliminação de sangue e acúmulo de pus na pleura pulmonar são característicos em casos mais graves.
  • 8. 80% dos casos de tuberculose no mundo estão concentrados nos países assinalados em vermelho. Fonte: OMS
  • 9. Transmissão: A tuberculose se dissemina através de gotículas no ar que são expelidas quando pessoas com tuberculose infecciosa tossem, espirram, falam ou cantam. Contactos próximos (pessoas que tem contato freqüente) têm alto risco de se infectarem (taxa de infecção de 22%). A transmissão ocorre somente a partir de pessoas com tuberculose infecciosa ativa (e não de quem tem a doença latente). A probabilidade da transmissão depende do grau de infecção da pessoa com tuberculose e da quantidade expelida, forma e duração da exposição ao bacilo, e a virulência. A cadeia de transmissão pode ser interrompida isolando-se pacientes com a doença ativa e iniciando-se uma terapia anti-tuberculose eficaz.
  • 10. Patogenicidade: A interação do M. Tuberculosis com o hospede começa quando as goticulas infecciosas dos pacientes contagiosos são inalados por uma pessoa. A maior parte dos bacilos ficam retidos na vias respiratórias superiores e são expulsados pelo movimentos ciliar das células da mucosa, e somente uma parte deles chegam aos alvéolos. Assim s ó 10% dos pacientes infectados acabam por evoluir para o quadro da doença - uma porcentagem bem reduzida.
  • 11. Infecção : A infecção pelo M. tuberculosis se inicia quando o bacilo atinge os alvéolos pulmonares e pode se espalhar para os nódulos linfáticos e daí, através da corrente sanguínea para tecidos mais distantes onde a doença pode se desenvolver: a parte superior dos pulmões, os rins, o cérebro e os ossos. A resposta imunológica do organismo mata a maioria dos bacilos, levando à formação de um granuloma. Os "tubérculos", ou nódulos de tuberculose são pequenas lesões que consistem em tecidos mortos de cor acinzentada contendo a bactéria da tuberculose. Normalmente o sistema imunológico é capaz de conter a multiplicação do bacilo, evitando sua disseminação em 90% dos casos.
  • 12. Evolução: Entretanto, em algumas pessoas, o bacilo da tuberculose supera as defesas do sistema imunológico e começa a se multiplicar, resultando na progressão de uma simples infecção por tuberculose para a doença em si. Isto pode ocorrer logo após a infecção (tuberculose primária – 1 a 5% dos casos), ou vários anos após a infecção (reativação da doença tuberculosa, ou bacilo dormente – 5 a 9 %). Cerca de 5% das pessoas infectadas vão desenvolver a doença nos dois primeiros anos, e outras 5% vão desenvolvê-la ainda mais tarde. No total, cerca de 10% dos infectados com sistema imunológico normal desenvolverão a doença durante a vida
  • 13. Fatores de risco de tuberculose em pessoas infectadas pelos bacilos: Infecção recente (menos de 1 ano) Infecção por HIV Insuficiência renal Diabetes Consumo de drogas intravenosas Tratamento imunossupressor Transplantes Desnutrição e grandes reduções de peso Gastrectomia Câncer a cabeça e pescoço
  • 14. Resistência a medicamentos: A tuberculose resistente é transmitida da mesma forma que as formas sensíveis a medicamentos. A resistência primária se desenvolve em pessoas infectadas inicialmente com microorganismos resistentes. A resistência secundária (ou adquirida) surge quando a terapia contra a tuberculose é inadequada ou quando não se segue ou se interrompe o regime de tratamento prescrito.
  • 15. Diagnóstico: Uma avaliação médica completa para a tuberculose inclui um histórico médico, um exame físico, a baciloscopia, o teste subcutâneo de Mantoux, uma radiografia do tórax e culturas microbiológicas.
  • 16. Teste intradérmico de tuberculina: O teste subcutâneo de Mantoux é usado no Brasil, nos EUA e no Canadá. O teste de Heaf é usado no Reino Unido. Esses testes não têm nenhuma importância diagnóstica. Um resultado positivo indica que houve contato com o bacilo, mas não indica doença, já que, após o contágio, o indivíduo apresenta 5% de chances de desenvolver a doença nos primeiros 2 anos. Este teste é utilizado para fins de controle epidemiológico e profilaxia em contatos de pacientes com tuberculose. O teste de Mantoux envolve injeção subcutânea de tuberculina e a medição do tamanho de qualquer reação após três dias.
  • 17. Classificação da reação à tuberculina: Os resultados são classificados como Reator Forte, Reator Fraco ou Não Reator. Um endurecimento de mais de 5-15 mm (dependendo dos fatores de risco da pessoa) a 10 unidades de Mantoux é considerado um resultado positivo, indicando infecção pelo M. tuberculosis . Um teste negativo não exclui tuberculose ativa, especialmente se o teste foi feito entre 6 e 8 semanas após adquirir-se a infecção; se a infecção for intensa, ou se o paciente tiver comprometimento imunológico. Um teste positivo não indica doença ativa, apenas que o indivíduo teve contato com o bacilo.
  • 18. Vacinação anti-tuberculosa: A vacina BCG se obteve de uma cepa atenuada de M. bovis e foi administrada pela primeira vez no ser humano em 1921. é uma vacina inócua e rara vez causa complicações graves e somente de 1 a 10% da pessoas vacinadas apresentam efeitos secundários. Em estudos aleatórios estimasse que a eficácia chegue a até 80%. Em países com grande prevalência de tuberculose se aconselha a vacinação sistemática com BCG ao nascer.
  • 19. Tratamento de tuberculose ativa: Os tratamentos recentes para a tuberculose ativa incluem uma combinação de drogas, às vezes num total de quatro, que são reduzidas após certo tempo, a critério médico. Não se utiliza apenas uma droga, pois, neste caso, todas as bactérias sensíveis a ela morrem, e, três meses depois, o paciente sofrerá infecção de bactérias que conseguiram resistir a esta primeira droga. Alguns medicamentos matam a bactéria, outros agem contra a bactéria infiltrada em células, e outros, ainda, impedem a sua multiplicação. Ressalte-se que o tratamento deve seguir uma continuidade com acompanhamento médico, e não suspenso pelo paciente após uma simples melhora. Com isto evita-se que cepas da bactéria mais resistentes sobrevivam no organismo, e retornem posteriormente com uma infecção mais difícil de curar. O tratamento pode durar até 5 anos, dependendo do caso
  • 20. Isoniazida (5mg/Kg diário, em ate 3 vezes por semana) Rifampicina (10mg/Kg diário, em ate 3 vezes por semana) Pirazinamida (20 – 25mg/Kg diário, em ate 3 vezes por semana) Etambutol (15 – 20mg/Kg diário, em ate 3 vezes por semana)
  • 21. Tuberculose no Brasil e no mundo Considerada por muitos como uma doença do passado, a tuberculose é reconhecida como uma emergência global desde 1993 pela Organização Mundial de Saúde, atingindo particularmente países dominados pelo imperialismo, considerados “atrasados”, “em desenvolvimento”. Emergência silenciosa, com pouco espaço nos meios de comunicação. É uma doença com algumas características bem definidas: atinge principalmente a população mais pobre e, se tratada, tem cura. No mundo, estima-se que um terço da população esteja infectada. No Brasil, atualmente são cerca de 50 milhões de infectados. Entre os 23 países com mais doentes, que respondem por mais de 80% dos casos em todo o mundo, o Brasil encontra-se na 14ª colocação.
  • 22. Nas Américas, quanto à mortalidade, países como Peru e Equador estão entre os de maiores índices; EUA, Canadá e Cuba apresentam as menores taxas. E o Brasil tem o maior número absoluto de mortes. Cerca de 6.000 brasileiros morrem ao ano por esta doença que, se tratada, tem cura. Se a atual situação não for revertida, prevê-se que até 2020, o número de pessoas infectadas chegue a um bilhão, 200 milhões adoeçam e 35 milhões possam morrer.
  • 23. No Brasil, o estado campeão é o Rio de Janeiro, com uma alarmante taxa de incidência de 89,32 contra uma média nacional de 47,2 por 100.000 habitantes. E, na cidade do Rio de Janeiro, são as comunidades, como Rocinha, Maré as áreas que apresentam maiores índices, conjugando pobreza, acesso inadequado aos serviços de saúde, além de baixa adesão ao tratamento e epidemia HIV/Aids. A falta de informação, o preconceito contra a doença e contra os doentes potencializa o quadro acima descrito
  • 24. Outro aspecto a ser destacado é que a tuberculose acomete principalmente a população economicamente ativa, com índices maiores entre as pessoas de 19 a 49 anos no Brasil. Muitos pacientes têm receio de que, se identificados no trabalho, possam ser demitidos, mesmo existindo legislação específica que garante o direito ao tratamento. Assim, a estressante intensificação do ritmo e as más condições do trabalho, a ameaça do desemprego, características da atual reconfiguração da formação econômico social brasileira, contribuem para agravar a situação
  • 25. Referência Bibliográfica SAÚDE E COMUNIDADE, Orientador para estudo, Célio Pedreira-2006. www.google.com.br www.saúde.gov. br