SlideShare uma empresa Scribd logo
Política Nacional de Atenção BásicaPortaria Inicial n. 2488, de 21 de outubro de 2011.
Atualização: Portaria nº 2.436/2017
Facilitadora:
Enfª Emergencista Jarquineide da Silva
• PMAQ – Programa de Melhoria do Acesso e Qualidade na Atenção Básica
• RequalificaUBS – Construção, Reforma (147 – 29,63%) e Ampliação
• Telessaúde – Informatização, conectividade e segunda opinião formativa (421 municípios – 84,9%)
• Programa de Valorização dos Profissionais da Atenção Básica
• Ações para Provimento e Fixação de Profissionais Médicos na Atenção Básica – FIES (154 municípios)
• PROESF – Projeto de Expansão e Consolidação da Saúde da Família
• Programa Saúde na Escola – PSE (58 municípios)
• Política Nacional de Alimentação e Nutrição – (139 UBS)
SF 6 composições
NASF
ESFR
ESFF
UBS - Fluviais
Pnab -programa nacional da Atenção básica
Política Nacional de Atenção Básica
A Atenção Básica caracteriza-se por um conjunto de ações de saúde,
no âmbito individual e coletivo, que abrange a promoção e a
proteção da saúde, a prevenção de agravos, o diagnóstico, o
tratamento, a reabilitação, redução de danos e a manutenção da
saúde com o objetivo de desenvolver uma atenção integral que
impacte na situação de saúde e autonomia das pessoas e nos
determinantes e condicionantes de saúde das coletividades
Política Nacional de Atenção Básica
Política Nacional de Atenção Básica
PNAB – PRINCÍPIOS
Política Nacional de Atenção Básica
PNAB – DIRETRIZES
Regionalização e Hierarquização
Territorialização;
População Adscrita;
Cuidado centrado na pessoa;
Resolutividade;
Longitudinalidade do cuidado;
Coordenação do cuidado;
Ordenação da rede;
Participação da comunidade
Regionalização e Hierarquização
Territorialização;
População Adscrita;
Cuidado centrado na pessoa;
Resolutividade;
Longitudinalidade do cuidado;
Coordenação do cuidado;
Ordenação da rede;
Participação da comunidade
Política Nacional de Atenção Básica
Características da atenção básica:
É desenvolvida com mais alto grau de descentralização
e atua diretamente na vida da pessoa;
Principal porta de entrada da RAS – Rede de
Assistência a Saúde;
Baseia-se na Universalidade, acessibilidade, do vínvulo,
continuidade do cuidado, na integralidade da atenção,
na responsabilização, da humanização, da equidade e da
participação social.
Considera sujeito em sua singularidade e iserção
sociocultural e promovendo atenção integral.
Política Nacional de Atenção Básica
Política Nacional de Atenção Básica
Funções da AB na RAS:
I - Ser base: ser a modalidade de atenção
e de serviço de saúde com o mais elevado
grau de descentralização e capilaridade,
cuja participação no cuidado se faz sempre
necessária
II - Ser resolutiva: identificar riscos,
necessidades e demandas de saúde,
utilizando e articulando diferentes
tecnologias de cuidado individual e
coletivo
Política Nacional de Atenção Básica
Política Nacional de Atenção Básica
Funções da AB na RAS:
III - Coordenar o cuidado: elaborar, acompanhar e
gerir projetos terapêuticos singulares, bem como
acompanhar e organizar o fluxo dos usuários entre
os pontos de atenção das RAS
IV - Ordenar as redes: reconhecer as necessidades
de saúde da população sob sua responsabilidade,
organizando as necessidades desta população em
relação aos outros pontos de atenção à saúde,
contribuindo para que a programação dos serviços
de saúde parta das necessidades de saúde dos
usuários
Política Nacional de Atenção Básica
Política Nacional de Atenção Básica
Equipes da Estratégia Saúde da Família
Equipes de Estratégia de Saúde Bucal
Equipes dos Núcleos de Apoio à Saúde da Família -
NASF
Equipes de Saúde Bucal dos Centros de Especialidades
Odontológicas - CEO
Equipes de Atenção Básica da Saúde Prisional
Equipes de Atenção Básica do Consultório na Rua
Equipes de Saúde Bucal das Unidades Odontológicas
Móveis - UOM
ESF para populações Ribeirinhas
ESF em UBS Fluviais
Agentes Comunitários de Saúde
Equipes da Estratégia Saúde da Família
Equipes de Estratégia de Saúde Bucal
Equipes dos Núcleos de Apoio à Saúde da Família -
NASF
Equipes de Saúde Bucal dos Centros de Especialidades
Odontológicas - CEO
Equipes de Atenção Básica da Saúde Prisional
Equipes de Atenção Básica do Consultório na Rua
Equipes de Saúde Bucal das Unidades Odontológicas
Móveis - UOM
ESF para populações Ribeirinhas
ESF em UBS Fluviais
Agentes Comunitários de Saúde
PNAB - EQUIPES
Política Nacional de Atenção Básica
PNAB - DAS RESPONSABILIDADES DO
GOVERNO
I – Reorientar o modelo de atenção e de gestão;
II - Apoiar e estimular a adoção da Estratégia Saúde da Família - ESF
III -Garantir a infraestrutura adequada e com boas condições para o funcionamento
das UBS;
IV -Contribuir com o financiamento tripartite para fortalecimento AB;
V - Assegurar ao usuário o acesso universal, equânime e ordenado;
VI -Estabelecer, nos respectivos Planos Municipais, Estaduais e Nacional de Saúde,
prioridades, estratégias e metas para a organização da Atenção Básica;
VII -Desenvolver mecanismos técnicos e estratégias organizacionais de qualificação
da força de trabalho;
VIII -Garantir provimento e estratégias de fixação de profissionais de saúde para a
Atenção Básica com vistas a promover ofertas de cuidado e o vínculo;
IX -Desenvolver, disponibilizar e implantar os Sistemas de Informação da Atenção
Básica;
X -Garantir, de forma tripartite, dispositivos para transporte em saúde,
compreendendo as equipes, pessoas para realização de procedimentos eletivos,
exames, dentre outros, buscando assegurar a resolutividade e a integralidade do
cuidado na RAS, conforme necessidade do território e planejamento de saúde;
Política Nacional de Atenção Básica
PNAB - DAS RESPONSABILIDADES DO
GOVERNO
XI- Planejar, apoiar, monitorar e avaliar as ações da Atenção Básica;
XII- Estabelecer mecanismos de autoavaliação, controle, regulação e
acompanhamento sistemático dos resultados alcançados;
XIII- Divulgar as informações e os resultados alcançados pela AB;
XIV- Promover o intercâmbio de experiências entre gestores e entre
trabalhadores, por meio de cooperação horizontal;
XV- Estimular a participação popular e o controle social;
XVI- Garantir espaços físicos e ambientes adequados para a formação
de estudantes e trabalhadores de saúde;
XVII- Desenvolver as ações de assistência farmacêutica e do uso
racional de medicamentos, garantindo a disponibilidade e acesso a
medicamentos e insumos;
XVIII- Adotar estratégias para garantir um amplo escopo de ações e
serviços a serem ofertados na Atenção Básica;
XIX- Estabelecer mecanismos regulares de auto avaliação para as
equipes que atuam na Atenção Básica
XX- Articulação com o subsistema Indígena nas ações de Educação
Permanente e gestão da rede assistencial.
Política Nacional de Atenção Básica
PNAB - DAS RESPONSABILIDADES DO
MINISTÉRIO DA SAÚDE / UNIÃO
I - Definir e rever periodicamente, de forma pactuada, na Comissão
Intergestores Tripartite ;
II - Garantir fontes de recursos federais para compor o financiamento AB ;
III - Destinar recurso federal para compor o financiamento tripartite ;
IV - Prestar apoio integrado aos gestores dos Estados, do Distrito Federal e dos
municípios no processo de qualificação e de consolidação da Atenção Básica;
V - Definir, de forma tripartite, estratégias de articulação junto às gestões; VI -
Estabelecer, de forma tripartite, diretrizes nacionais e disponibilizar
instrumentos técnicos e pedagógicos que facilitem o processo de gestão,
formação e educação permanente dos gestores e profissionais da Atenção
Básica;
VII - Articular com o Ministério da Educação estratégias de indução às
mudanças curriculares nos cursos de graduação e pós graduação na área da
saúde, visando à formação de profissionais e gestores com perfil adequado à
Atenção Básica;
VIII - apoiar a articulação de instituições, em parceria com as Secretarias de
Saúde Municipais, Estaduais e do Distrito Federal, para formação e garantia de
educação permanente e continuada para os profissionais de saúde da Atenção
Básica, de acordo com as necessidades locais.
Política Nacional de Atenção Básica
PNAB - DAS RESPONSABILIDADES DAS
SECRETARIAS ESTADUAIS
I - Pactuar, na Comissão Intergestores Bipartite (CIB) e Colegiado de Gestão no
Distrito Federal, estratégias, diretrizes e normas para a implantação e
implementação da Política Nacional de Atenção Básica vigente nos Estados e Distrito
Federal;
II - Destinar recursos estaduais para compor o financiamento tripartite;
III -Ser corresponsável pelo monitoramento das ações de Atenção Básica nos
municípios;
IV - Analisar os dados de interesse estadual gerados pelos sistemas de informação,
utilizá-los no planejamento e divulgar os resultados obtidos;
V - Verificar a qualidade e a consistência de arquivos dos sistemas de informação;
VI -Divulgar periodicamente os relatórios de indicadores da Atenção Básica;
VII -Prestar apoio institucional aos municípios no processo de implantação,
acompanhamento e qualificação da Atenção Básica;
VIII -Definir estratégias de articulação com as gestões municipais;
IX - Disponibilizar aos municípios instrumentos técnicos e pedagógicos que facilitem
o processo de formação e educação permanente dos membros das equipes de
gestão e de atenção;
X -Articular instituições de ensino e serviço, em parceria com as Secretarias
Municipais de Saúde, para formação e garantia de educação permanente aos
profissionais de saúde das equipes que atuam na Atenção Básica;
XI - fortalecer a Estratégia Saúde da Família na rede .
Política Nacional de Atenção Básica
PNAB - DAS RESPONSABILIDADES DAS
SECRETARIAS MUNICIPAIS
I - Organizar, executar e gerenciar os serviços e ações de Atenção Básica;
II -Programar as ações da Atenção Básica a partir de sua base;
III -Organizar o fluxo de pessoas, inserindo-as em linhas de cuidado, instituindo e
garantindo os fluxos definidos na Rede de Atenção à Saúde entre os diversos pontos
de atenção de diferentes configurações tecnológicas, integrados por serviços de
apoio logístico, técnico e de gestão, para garantir a integralidade do cuidado.
IV -Estabelecer e adotar mecanismos de encaminhamento responsável pelas equipes
que atuam na Atenção Básica de acordo com as necessidades de saúde das pessoas,
mantendo a vinculação e coordenação do cuidado;
V -Manter atualizado mensalmente o cadastro de equipes, profissionais, carga
horária, serviços disponibilizados, equipamentos e outros no Sistema de Cadastro
Nacional de Estabelecimentos de Saúde vigente, conforme regulamentação
específica;
VI - Organizar os serviços para permitir que a Atenção Básica atue como a porta de
entrada preferencial e ordenadora da RAS;
VII - Fomentar a mobilização das equipes e garantir espaços para a participação da
comunidade no exercício do controle social;
VIII - Destinar recursos municipais para compor o financiamento tripartite
Política Nacional de Atenção Básica
PNAB - DAS RESPONSABILIDADES DAS
SECRETARIAS MUNICIPAIS
IX - Ser corresponsável, junto ao Ministério da Saúde, e Secretaria Estadual de Saúde
pelo monitoramento da utilização dos recursos da Atenção;
XI -Prestar apoio institucional às equipes e serviços no processo de implantação,
acompanhamento, e qualificação da Atenção Básica e de ampliação e consolidação
da Estratégia Saúde da Família;
XII - Definir estratégias de institucionalização da avaliação da Atenção Básica;
XIII - Desenvolver ações, articular instituições e promover acesso aos trabalhadores,
para formação e garantia de educação permanente continuada aos profissionais de
saúde de todas as equipes que atuam na Atenção Básica implantadas;
XIV -Selecionar, contratar e remunerar os profissionais que compõem as equipes
multiprofissionais de Atenção Básica, em conformidade com a legislação vigente;
XV -Garantir recursos materiais, equipamentos e insumos suficientes para o
funcionamento das UBS e equipes, para a execução do conjunto de ações propostas;
XVI -Garantir acesso ao apoio diagnóstico e laboratorial necessário ao cuidado;
XVII -Alimentar, analisar e verificar a qualidade e a consistência dos dados;
XVIII -Organizar o fluxo de pessoas, visando à garantia das referências a serviços;
IX - Assegurar o cumprimento da carga horária integral de todos os profissionais que
compõem as equipes que atuam na Atenção Básica, de acordo com as jornadas de
trabalho especificadas no Sistema de Cadastro Nacional de Estabelecimentos de
Saúde vigente e a modalidade de atenção
Política Nacional de Atenção Básica
Política Nacional de Atenção Básica
Infraestrutura, Ambiência e Funcionamento da Atenção
•Deve funciomar 40 hs semanais 5 dias por semana;
•04 equipes por UBS (AB ou SF)
População adstrita Superior a 2000 habitantes em município ou
território.
Política Nacional de Atenção Básica
Política Nacional de Atenção Básica
Infraestrutura, Ambiência e Funcionamento da Atenção
Política Nacional de Atenção Básica
Política Nacional de Atenção Básica
Política Nacional de Atenção Básica
PNAB - ESF
É considerada como estratégia de
expansão, qualificação e consolidação da
Atenção Básica, por favorecer uma
reorientação do processo de trabalho com
maior potencial de ampliar a
resolutividade e impactar na situação de
saúde das pessoas e coletividades, além
de propiciar uma importante relação
custo-efetividade.
Política Nacional de Atenção Básica
Política Nacional de Atenção Básica
Política Nacional de Atenção Básica
Política Nacional de Atenção Básica
Política Nacional de Atenção Básica
Política Nacional de Atenção Básica
Política Nacional de Atenção Básica
Política Nacional de Atenção Básica
Política Nacional de Atenção Básica
Política Nacional de Atenção Básica
Política Nacional de Atenção Básica
Política Nacional de Atenção Básica
Política Nacional de Atenção Básica
Política Nacional de Atenção Básica
Política Nacional de Atenção Básica
Política Nacional de Atenção Básica
Política Nacional de Atenção Básica
Política Nacional de Atenção Básica
Equipe de Saúde da Família Ribeirinha (eSFR): São equipes que desempenham
parte significativa de suas funções em UBS construídas e/ou localizadas nas
comunidades pertencentes à área adstrita e cujo acesso se dá por meio fluvial e
que, pela grande dispersão territorial, necessitam de embarcações para atender as
comunidades dispersas no território. As eSFR são vinculadas a uma UBS, que pode
estar localizada na sede do Município ou em alguma comunidade ribeirinha
localizada na área adstrita.
Política Nacional de Atenção Básica
Política Nacional de Atenção Básica
Equipes de Saúde da Família Fluviais (eSFF): São equipes que desempenham suas
funções em Unidades Básicas de Saúde Fluviais (UBSF), responsáveis por
comunidades dispersas, ribeirinhas e pertencentes à área adstrita, cujo acesso se dá
por meio fluvial. A eSFR será formada por equipe multiprofissional composta por,
no mínimo: 1 (um) médico, preferencialmente da especialidade de Família e
Comunidade, 1 (um) enfermeiro, preferencialmente especialista em Saúde da
Família e 1 (um) auxiliar ou técnico de enfermagem, podendo acrescentar a esta
composição, como parte da equipe multiprofissional, o ACS e ACE e os profissionais
de saúde bucal:1 (um) cirurgião dentista, preferencialmente especialista em saúde
da família e 1 (um) técnico ou auxiliar em saúde bucal. Devem contar também, com
um (01) técnico de laboratório e/ou bioquímico. Estas equipes poderão incluir, na
composição mínima, os profissionais de saúde bucal, um (1) cirurgião dentista,
preferencialmente especialista em saúde da família, e um (01) Técnico ou Auxiliar
em Saúde Bucal.
Política Nacional de Atenção Básica
PNAB .....Se ligue enfermeiro!
Política Nacional de Atenção Básica
PNAB .....Se ligue enfermeiro!
Política Nacional de Atenção Básica
PNAB
Política Nacional de Atenção Básica
PNAB
Política Nacional de Atenção Básica
A Política Nacional de Atenção Básica tem na Saúde da Família sua estratégia
prioritária para expansão e consolidação da atenção básica.
A estratégia de Saúde da Família visa à reorganização da Atenção Básica no País, de
acordo com os preceitos do Sistema Único de Saúde, e é tida pelo Ministério da
Saúde e gestores estaduais e municipais, representados respectivamente pelo
CONASS e CONASEMS, como estratégia de expansão, qualificação e consolidação da
Atenção Básica por favorecer uma reorientação do processo de trabalho com maior
potencial de aprofundar os princípios, diretrizes e fundamentos da atenção básica,
de ampliar a resolutividade e impacto na situação de saúde das pessoas e
coletividades, além de propiciar uma importante relação custo-efetividade.
Política Nacional de Atenção Básica
Política Nacional de Atenção Básica
Fundamentos e Diretrizes
Política Nacional de Atenção Básica
1. Ter território .
2. Possibilitar o acesso universal e contínuo a serviços de saúde de qualidade e
resolutivos, caracterizados como a porta de entrada aberta e preferencial da rede de
atenção, acolhendo os usuários e promovendo a vinculação e corresponsabilização
pela atenção às suas necessidades de saúde.
3. Adscrever os usuários e desenvolver relações de vínculo e responsabilização entre as
equipes e a população adscrita garantindo a continuidade das ações de saúde e a
longitudinalidade do cuidado.
4. Estimular a participação dos usuários como forma de ampliar sua autonomia e
capacidade na construção do cuidado à sua saúde e das pessoas e coletividades do
território, no enfrentamento dos determinantes e condicionantes de saúde, na
organização e orientação dos serviços de saúde a partir de lógicas mais centradas no
usuário e no exercício do controle social.
Política Nacional de Atenção Básica
Fundamentos e Diretrizes
Política Nacional de Atenção Básica
5. Coordenar a integralidade em seus vários aspectos, a saber: integração de ações
programáticas e demanda espontânea; articulação das ações de promoção à saúde,
prevenção de agravos, vigilância à saúde, tratamento e reabilitação e manejo das
diversas tecnologias de cuidado e de gestão necessárias a estes fins e à ampliação da
autonomia dos usuários e coletividades; trabalhando de forma multiprofissional,
interdisciplinar e em equipe; realizando a gestão do cuidado integral do usuário e
coordenando-o no conjunto da rede de atenção.
A presença de diferentes formações profissionais assim como um alto grau de
articulação entre os profissionais é essencial, de forma que não só as ações sejam
compartilhadas, mas também tenha lugar um processo interdisciplinar no qual
progressivamente os núcleos de competência profissionais específicos vão
enriquecendo o campo comum de competências ampliando assim a capacidade de
cuidado de toda a equipe.
Política Nacional de Atenção Básica
PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA - PSE
O PSE é uma estratégia de integração da saúde e
educação para o desenvolvimento da cidadania
e da qualificação das políticas públicas
brasileiras. Sua sustentabilidade e qualidade
dependem de todos nós!
O PSE é uma estratégia de integração da saúde e
educação para o desenvolvimento da cidadania
e da qualificação das políticas públicas
brasileiras. Sua sustentabilidade e qualidade
dependem de todos nós!
O Programa Saúde na Escola (PSE), política
intersetorial da Saúde e da Educação, foi instituído
em 2007. As políticas de saúde e educação voltadas
às crianças, adolescentes, jovens e adultos da
educação pública brasileira se unem para promover
saúde e educação integral.
O Programa Saúde na Escola (PSE), política
intersetorial da Saúde e da Educação, foi instituído
em 2007. As políticas de saúde e educação voltadas
às crianças, adolescentes, jovens e adultos da
educação pública brasileira se unem para promover
saúde e educação integral.
Política Nacional de Atenção Básica
PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA - PSE
Quem pode participar?
A partir de 2013, todos os Municípios do País
estão aptos a participar do Programa Saúde na
Escola. Podem participar todas as equipes de
Atenção Básica e as ações foram expandidas para
as creches e pré-escolas, assim todos os níveis de
ensino passam a fazer parte do Programa.
Quem pode participar?
A partir de 2013, todos os Municípios do País
estão aptos a participar do Programa Saúde na
Escola. Podem participar todas as equipes de
Atenção Básica e as ações foram expandidas para
as creches e pré-escolas, assim todos os níveis de
ensino passam a fazer parte do Programa.
Política Nacional de Atenção Básica
PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA - PSE
Quem pode participar?
A partir de 2013, todos os Municípios do País
estão aptos a participar do Programa Saúde na
Escola. Podem participar todas as equipes de
Atenção Básica e as ações foram expandidas para
as creches e pré-escolas, assim todos os níveis de
ensino passam a fazer parte do Programa.
Quem pode participar?
A partir de 2013, todos os Municípios do País
estão aptos a participar do Programa Saúde na
Escola. Podem participar todas as equipes de
Atenção Básica e as ações foram expandidas para
as creches e pré-escolas, assim todos os níveis de
ensino passam a fazer parte do Programa.
Política Nacional de Atenção Básica
PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA - PSE
A proposta do PSE é centrada na gestão compartilhada por
meio dos Grupos de Trabalho Intersetoriais (GTI), numa
construção em que tanto o planejamento quanto a execução,
monitoramento e a avaliação das ações são realizados
coletivamente, de forma a atender às necessidades e
demandas locais. O trabalho no GTI pressupõe, dessa forma,
interação com troca de saberes, compartilhamento de poderes
e afetos entre profissionais da saúde e da educação,
educandos, comunidade e demais redes sociais.
A proposta do PSE é centrada na gestão compartilhada por
meio dos Grupos de Trabalho Intersetoriais (GTI), numa
construção em que tanto o planejamento quanto a execução,
monitoramento e a avaliação das ações são realizados
coletivamente, de forma a atender às necessidades e
demandas locais. O trabalho no GTI pressupõe, dessa forma,
interação com troca de saberes, compartilhamento de poderes
e afetos entre profissionais da saúde e da educação,
educandos, comunidade e demais redes sociais.
BOM ESTÁGIO TURMA!!!
Enfª Jarquineide da Silva
Contato: (71)98778-9138 (Zap)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)
Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)
Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)
Patrícia Cruz Rodrigues Marion
 
Saúde Coletiva - 1. introdução e conceitos fundamentais
Saúde Coletiva - 1. introdução e conceitos fundamentaisSaúde Coletiva - 1. introdução e conceitos fundamentais
Saúde Coletiva - 1. introdução e conceitos fundamentais
Mario Gandra
 
Aula Introdutória de Saúde Coletiva
Aula Introdutória de Saúde ColetivaAula Introdutória de Saúde Coletiva
Aula Introdutória de Saúde Coletiva
Karynne Alves do Nascimento
 
Sus
SusSus
SAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEM
SAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEMSAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEM
SAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEM
Centro Universitário Ages
 
Programa de Saúde da Família (PSF
Programa de Saúde da Família (PSFPrograma de Saúde da Família (PSF
Programa de Saúde da Família (PSF
Faculdade União das Américas
 
Atenção Primária à Saúde
Atenção Primária à SaúdeAtenção Primária à Saúde
Processo saúde doença
Processo saúde doençaProcesso saúde doença
Processo saúde doença
ilanaseixasladeia
 
Portaria 2.436 21 de setembro 2017 nova pnab
Portaria 2.436 21 de setembro 2017 nova pnabPortaria 2.436 21 de setembro 2017 nova pnab
Portaria 2.436 21 de setembro 2017 nova pnab
Nadja Salgueiro
 
Aula saude do idoso
Aula saude do idosoAula saude do idoso
Aula saude do idoso
morgausesp
 
POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE
POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE  POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE
POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE
Valdirene1977
 
EDUCAÇÃO EM SAÚDE
EDUCAÇÃO EM SAÚDEEDUCAÇÃO EM SAÚDE
EDUCAÇÃO EM SAÚDE
Centro Universitário Ages
 
Redes de atenção à saúde
Redes de atenção à saúdeRedes de atenção à saúde
Redes de atenção à saúde
Felipe Assan Remondi
 
Estrategia de Saúde da Família (ESF) e Núcleo de Apoio a Saúde da Família (NA...
Estrategia de Saúde da Família (ESF) e Núcleo de Apoio a Saúde da Família (NA...Estrategia de Saúde da Família (ESF) e Núcleo de Apoio a Saúde da Família (NA...
Estrategia de Saúde da Família (ESF) e Núcleo de Apoio a Saúde da Família (NA...
Mateus Clemente
 
Aula 2 saúde e doença
Aula 2   saúde e doençaAula 2   saúde e doença
Aula 2 saúde e doença
Jesiele Spindler
 
Modelo de atenção à saúde
Modelo de atenção à saúdeModelo de atenção à saúde
Modelo de atenção à saúde
Fisioterapia/ Gerencia em Saúde
 
SAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEM
SAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEMSAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEM
SAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEM
Centro Universitário Ages
 
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Princípios e diretrizes do sus
Princípios e diretrizes do susPrincípios e diretrizes do sus
Princípios e diretrizes do sus
Marcos Nery
 
Vigilância em saúde
Vigilância em saúdeVigilância em saúde
Vigilância em saúde
Anderson da Silva
 

Mais procurados (20)

Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)
Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)
Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)
 
Saúde Coletiva - 1. introdução e conceitos fundamentais
Saúde Coletiva - 1. introdução e conceitos fundamentaisSaúde Coletiva - 1. introdução e conceitos fundamentais
Saúde Coletiva - 1. introdução e conceitos fundamentais
 
Aula Introdutória de Saúde Coletiva
Aula Introdutória de Saúde ColetivaAula Introdutória de Saúde Coletiva
Aula Introdutória de Saúde Coletiva
 
Sus
SusSus
Sus
 
SAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEM
SAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEMSAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEM
SAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEM
 
Programa de Saúde da Família (PSF
Programa de Saúde da Família (PSFPrograma de Saúde da Família (PSF
Programa de Saúde da Família (PSF
 
Atenção Primária à Saúde
Atenção Primária à SaúdeAtenção Primária à Saúde
Atenção Primária à Saúde
 
Processo saúde doença
Processo saúde doençaProcesso saúde doença
Processo saúde doença
 
Portaria 2.436 21 de setembro 2017 nova pnab
Portaria 2.436 21 de setembro 2017 nova pnabPortaria 2.436 21 de setembro 2017 nova pnab
Portaria 2.436 21 de setembro 2017 nova pnab
 
Aula saude do idoso
Aula saude do idosoAula saude do idoso
Aula saude do idoso
 
POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE
POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE  POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE
POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE
 
EDUCAÇÃO EM SAÚDE
EDUCAÇÃO EM SAÚDEEDUCAÇÃO EM SAÚDE
EDUCAÇÃO EM SAÚDE
 
Redes de atenção à saúde
Redes de atenção à saúdeRedes de atenção à saúde
Redes de atenção à saúde
 
Estrategia de Saúde da Família (ESF) e Núcleo de Apoio a Saúde da Família (NA...
Estrategia de Saúde da Família (ESF) e Núcleo de Apoio a Saúde da Família (NA...Estrategia de Saúde da Família (ESF) e Núcleo de Apoio a Saúde da Família (NA...
Estrategia de Saúde da Família (ESF) e Núcleo de Apoio a Saúde da Família (NA...
 
Aula 2 saúde e doença
Aula 2   saúde e doençaAula 2   saúde e doença
Aula 2 saúde e doença
 
Modelo de atenção à saúde
Modelo de atenção à saúdeModelo de atenção à saúde
Modelo de atenção à saúde
 
SAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEM
SAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEMSAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEM
SAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEM
 
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)
 
Princípios e diretrizes do sus
Princípios e diretrizes do susPrincípios e diretrizes do sus
Princípios e diretrizes do sus
 
Vigilância em saúde
Vigilância em saúdeVigilância em saúde
Vigilância em saúde
 

Semelhante a Pnab -programa nacional da Atenção básica

POLITICA NACIONAL DE ATENÇÃO BASICA- PNAB atualizada.pptx
POLITICA NACIONAL DE ATENÇÃO BASICA- PNAB atualizada.pptxPOLITICA NACIONAL DE ATENÇÃO BASICA- PNAB atualizada.pptx
POLITICA NACIONAL DE ATENÇÃO BASICA- PNAB atualizada.pptx
LucianaSousa469679
 
ANOTAÇÕES E EVOLUÇÃO DE ENF (1).pptx
ANOTAÇÕES E EVOLUÇÃO DE ENF (1).pptxANOTAÇÕES E EVOLUÇÃO DE ENF (1).pptx
ANOTAÇÕES E EVOLUÇÃO DE ENF (1).pptx
contatofelipearaujos
 
PNAB- POLITICA NACIONAL DE ATENÇAO BASICA
PNAB- POLITICA NACIONAL DE ATENÇAO BASICAPNAB- POLITICA NACIONAL DE ATENÇAO BASICA
PNAB- POLITICA NACIONAL DE ATENÇAO BASICA
KaiannyFelix
 
Slides grupo8
Slides grupo8Slides grupo8
Slides grupo8
Marcos Nery
 
Ciclo i 02
Ciclo i 02Ciclo i 02
Ciclo i 02
Rodrigo Abreu
 
Politica nacional atencao basica
Politica nacional atencao basicaPolitica nacional atencao basica
Politica nacional atencao basica
EDSON ALAN QUEIROZ
 
Seminário da saúde mandato ver Ricardo PCdoB
Seminário da saúde  mandato ver Ricardo PCdoBSeminário da saúde  mandato ver Ricardo PCdoB
Seminário da saúde mandato ver Ricardo PCdoB
Wladimir Crippa
 
Pns2012 2015 07jun
Pns2012 2015 07junPns2012 2015 07jun
Pns2012 2015 07jun
tccardoso
 
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagem
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagemAula PNAB.... curso técnico de enfermagem
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagem
Jssica597589
 
8ª Assembleia do CONASS – Plano Diretor dos Hospitais - Programa de Apoio ao ...
8ª Assembleia do CONASS – Plano Diretor dos Hospitais - Programa de Apoio ao ...8ª Assembleia do CONASS – Plano Diretor dos Hospitais - Programa de Apoio ao ...
8ª Assembleia do CONASS – Plano Diretor dos Hospitais - Programa de Apoio ao ...
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
Ações prioritárias para a saúde brasileira - Ministro Ricardo Barros
Ações prioritárias para a saúde brasileira - Ministro Ricardo BarrosAções prioritárias para a saúde brasileira - Ministro Ricardo Barros
Ações prioritárias para a saúde brasileira - Ministro Ricardo Barros
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
Atenção Especializada no Paraná
Atenção Especializada no ParanáAtenção Especializada no Paraná
Atenção Especializada no Paraná
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
21 portaria 1886_de_18_12_1997
21 portaria 1886_de_18_12_199721 portaria 1886_de_18_12_1997
21 portaria 1886_de_18_12_1997
Alinebrauna Brauna
 
AULA 2 - PNAB.pptx
AULA 2 - PNAB.pptxAULA 2 - PNAB.pptx
AULA 2 - PNAB.pptx
CarlaAlves362153
 
Beltrame evora claunara
Beltrame evora claunaraBeltrame evora claunara
Beltrame evora claunara
jorge luiz dos santos de souza
 
PALESTRA USP_ANA VALERIA-30.11.22.pptx
PALESTRA USP_ANA VALERIA-30.11.22.pptxPALESTRA USP_ANA VALERIA-30.11.22.pptx
PALESTRA USP_ANA VALERIA-30.11.22.pptx
Ana Mendonca
 
academia da saude
 academia da saude academia da saude
academia da saude
Karina Lira
 
Pnab
PnabPnab
Pnab
PnabPnab
Introdução em saúde do trabalhador
Introdução  em saúde do trabalhadorIntrodução  em saúde do trabalhador
Introdução em saúde do trabalhador
rafasillva
 

Semelhante a Pnab -programa nacional da Atenção básica (20)

POLITICA NACIONAL DE ATENÇÃO BASICA- PNAB atualizada.pptx
POLITICA NACIONAL DE ATENÇÃO BASICA- PNAB atualizada.pptxPOLITICA NACIONAL DE ATENÇÃO BASICA- PNAB atualizada.pptx
POLITICA NACIONAL DE ATENÇÃO BASICA- PNAB atualizada.pptx
 
ANOTAÇÕES E EVOLUÇÃO DE ENF (1).pptx
ANOTAÇÕES E EVOLUÇÃO DE ENF (1).pptxANOTAÇÕES E EVOLUÇÃO DE ENF (1).pptx
ANOTAÇÕES E EVOLUÇÃO DE ENF (1).pptx
 
PNAB- POLITICA NACIONAL DE ATENÇAO BASICA
PNAB- POLITICA NACIONAL DE ATENÇAO BASICAPNAB- POLITICA NACIONAL DE ATENÇAO BASICA
PNAB- POLITICA NACIONAL DE ATENÇAO BASICA
 
Slides grupo8
Slides grupo8Slides grupo8
Slides grupo8
 
Ciclo i 02
Ciclo i 02Ciclo i 02
Ciclo i 02
 
Politica nacional atencao basica
Politica nacional atencao basicaPolitica nacional atencao basica
Politica nacional atencao basica
 
Seminário da saúde mandato ver Ricardo PCdoB
Seminário da saúde  mandato ver Ricardo PCdoBSeminário da saúde  mandato ver Ricardo PCdoB
Seminário da saúde mandato ver Ricardo PCdoB
 
Pns2012 2015 07jun
Pns2012 2015 07junPns2012 2015 07jun
Pns2012 2015 07jun
 
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagem
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagemAula PNAB.... curso técnico de enfermagem
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagem
 
8ª Assembleia do CONASS – Plano Diretor dos Hospitais - Programa de Apoio ao ...
8ª Assembleia do CONASS – Plano Diretor dos Hospitais - Programa de Apoio ao ...8ª Assembleia do CONASS – Plano Diretor dos Hospitais - Programa de Apoio ao ...
8ª Assembleia do CONASS – Plano Diretor dos Hospitais - Programa de Apoio ao ...
 
Ações prioritárias para a saúde brasileira - Ministro Ricardo Barros
Ações prioritárias para a saúde brasileira - Ministro Ricardo BarrosAções prioritárias para a saúde brasileira - Ministro Ricardo Barros
Ações prioritárias para a saúde brasileira - Ministro Ricardo Barros
 
Atenção Especializada no Paraná
Atenção Especializada no ParanáAtenção Especializada no Paraná
Atenção Especializada no Paraná
 
21 portaria 1886_de_18_12_1997
21 portaria 1886_de_18_12_199721 portaria 1886_de_18_12_1997
21 portaria 1886_de_18_12_1997
 
AULA 2 - PNAB.pptx
AULA 2 - PNAB.pptxAULA 2 - PNAB.pptx
AULA 2 - PNAB.pptx
 
Beltrame evora claunara
Beltrame evora claunaraBeltrame evora claunara
Beltrame evora claunara
 
PALESTRA USP_ANA VALERIA-30.11.22.pptx
PALESTRA USP_ANA VALERIA-30.11.22.pptxPALESTRA USP_ANA VALERIA-30.11.22.pptx
PALESTRA USP_ANA VALERIA-30.11.22.pptx
 
academia da saude
 academia da saude academia da saude
academia da saude
 
Pnab
PnabPnab
Pnab
 
Pnab
PnabPnab
Pnab
 
Introdução em saúde do trabalhador
Introdução  em saúde do trabalhadorIntrodução  em saúde do trabalhador
Introdução em saúde do trabalhador
 

Pnab -programa nacional da Atenção básica

  • 1. Política Nacional de Atenção BásicaPortaria Inicial n. 2488, de 21 de outubro de 2011. Atualização: Portaria nº 2.436/2017 Facilitadora: Enfª Emergencista Jarquineide da Silva
  • 2. • PMAQ – Programa de Melhoria do Acesso e Qualidade na Atenção Básica • RequalificaUBS – Construção, Reforma (147 – 29,63%) e Ampliação • Telessaúde – Informatização, conectividade e segunda opinião formativa (421 municípios – 84,9%) • Programa de Valorização dos Profissionais da Atenção Básica • Ações para Provimento e Fixação de Profissionais Médicos na Atenção Básica – FIES (154 municípios) • PROESF – Projeto de Expansão e Consolidação da Saúde da Família • Programa Saúde na Escola – PSE (58 municípios) • Política Nacional de Alimentação e Nutrição – (139 UBS) SF 6 composições NASF ESFR ESFF UBS - Fluviais
  • 4. Política Nacional de Atenção Básica A Atenção Básica caracteriza-se por um conjunto de ações de saúde, no âmbito individual e coletivo, que abrange a promoção e a proteção da saúde, a prevenção de agravos, o diagnóstico, o tratamento, a reabilitação, redução de danos e a manutenção da saúde com o objetivo de desenvolver uma atenção integral que impacte na situação de saúde e autonomia das pessoas e nos determinantes e condicionantes de saúde das coletividades Política Nacional de Atenção Básica
  • 5. Política Nacional de Atenção Básica PNAB – PRINCÍPIOS
  • 6. Política Nacional de Atenção Básica PNAB – DIRETRIZES Regionalização e Hierarquização Territorialização; População Adscrita; Cuidado centrado na pessoa; Resolutividade; Longitudinalidade do cuidado; Coordenação do cuidado; Ordenação da rede; Participação da comunidade Regionalização e Hierarquização Territorialização; População Adscrita; Cuidado centrado na pessoa; Resolutividade; Longitudinalidade do cuidado; Coordenação do cuidado; Ordenação da rede; Participação da comunidade
  • 7. Política Nacional de Atenção Básica Características da atenção básica: É desenvolvida com mais alto grau de descentralização e atua diretamente na vida da pessoa; Principal porta de entrada da RAS – Rede de Assistência a Saúde; Baseia-se na Universalidade, acessibilidade, do vínvulo, continuidade do cuidado, na integralidade da atenção, na responsabilização, da humanização, da equidade e da participação social. Considera sujeito em sua singularidade e iserção sociocultural e promovendo atenção integral. Política Nacional de Atenção Básica
  • 8. Política Nacional de Atenção Básica Funções da AB na RAS: I - Ser base: ser a modalidade de atenção e de serviço de saúde com o mais elevado grau de descentralização e capilaridade, cuja participação no cuidado se faz sempre necessária II - Ser resolutiva: identificar riscos, necessidades e demandas de saúde, utilizando e articulando diferentes tecnologias de cuidado individual e coletivo Política Nacional de Atenção Básica
  • 9. Política Nacional de Atenção Básica Funções da AB na RAS: III - Coordenar o cuidado: elaborar, acompanhar e gerir projetos terapêuticos singulares, bem como acompanhar e organizar o fluxo dos usuários entre os pontos de atenção das RAS IV - Ordenar as redes: reconhecer as necessidades de saúde da população sob sua responsabilidade, organizando as necessidades desta população em relação aos outros pontos de atenção à saúde, contribuindo para que a programação dos serviços de saúde parta das necessidades de saúde dos usuários Política Nacional de Atenção Básica
  • 10. Política Nacional de Atenção Básica Equipes da Estratégia Saúde da Família Equipes de Estratégia de Saúde Bucal Equipes dos Núcleos de Apoio à Saúde da Família - NASF Equipes de Saúde Bucal dos Centros de Especialidades Odontológicas - CEO Equipes de Atenção Básica da Saúde Prisional Equipes de Atenção Básica do Consultório na Rua Equipes de Saúde Bucal das Unidades Odontológicas Móveis - UOM ESF para populações Ribeirinhas ESF em UBS Fluviais Agentes Comunitários de Saúde Equipes da Estratégia Saúde da Família Equipes de Estratégia de Saúde Bucal Equipes dos Núcleos de Apoio à Saúde da Família - NASF Equipes de Saúde Bucal dos Centros de Especialidades Odontológicas - CEO Equipes de Atenção Básica da Saúde Prisional Equipes de Atenção Básica do Consultório na Rua Equipes de Saúde Bucal das Unidades Odontológicas Móveis - UOM ESF para populações Ribeirinhas ESF em UBS Fluviais Agentes Comunitários de Saúde PNAB - EQUIPES
  • 11. Política Nacional de Atenção Básica PNAB - DAS RESPONSABILIDADES DO GOVERNO I – Reorientar o modelo de atenção e de gestão; II - Apoiar e estimular a adoção da Estratégia Saúde da Família - ESF III -Garantir a infraestrutura adequada e com boas condições para o funcionamento das UBS; IV -Contribuir com o financiamento tripartite para fortalecimento AB; V - Assegurar ao usuário o acesso universal, equânime e ordenado; VI -Estabelecer, nos respectivos Planos Municipais, Estaduais e Nacional de Saúde, prioridades, estratégias e metas para a organização da Atenção Básica; VII -Desenvolver mecanismos técnicos e estratégias organizacionais de qualificação da força de trabalho; VIII -Garantir provimento e estratégias de fixação de profissionais de saúde para a Atenção Básica com vistas a promover ofertas de cuidado e o vínculo; IX -Desenvolver, disponibilizar e implantar os Sistemas de Informação da Atenção Básica; X -Garantir, de forma tripartite, dispositivos para transporte em saúde, compreendendo as equipes, pessoas para realização de procedimentos eletivos, exames, dentre outros, buscando assegurar a resolutividade e a integralidade do cuidado na RAS, conforme necessidade do território e planejamento de saúde;
  • 12. Política Nacional de Atenção Básica PNAB - DAS RESPONSABILIDADES DO GOVERNO XI- Planejar, apoiar, monitorar e avaliar as ações da Atenção Básica; XII- Estabelecer mecanismos de autoavaliação, controle, regulação e acompanhamento sistemático dos resultados alcançados; XIII- Divulgar as informações e os resultados alcançados pela AB; XIV- Promover o intercâmbio de experiências entre gestores e entre trabalhadores, por meio de cooperação horizontal; XV- Estimular a participação popular e o controle social; XVI- Garantir espaços físicos e ambientes adequados para a formação de estudantes e trabalhadores de saúde; XVII- Desenvolver as ações de assistência farmacêutica e do uso racional de medicamentos, garantindo a disponibilidade e acesso a medicamentos e insumos; XVIII- Adotar estratégias para garantir um amplo escopo de ações e serviços a serem ofertados na Atenção Básica; XIX- Estabelecer mecanismos regulares de auto avaliação para as equipes que atuam na Atenção Básica XX- Articulação com o subsistema Indígena nas ações de Educação Permanente e gestão da rede assistencial.
  • 13. Política Nacional de Atenção Básica PNAB - DAS RESPONSABILIDADES DO MINISTÉRIO DA SAÚDE / UNIÃO I - Definir e rever periodicamente, de forma pactuada, na Comissão Intergestores Tripartite ; II - Garantir fontes de recursos federais para compor o financiamento AB ; III - Destinar recurso federal para compor o financiamento tripartite ; IV - Prestar apoio integrado aos gestores dos Estados, do Distrito Federal e dos municípios no processo de qualificação e de consolidação da Atenção Básica; V - Definir, de forma tripartite, estratégias de articulação junto às gestões; VI - Estabelecer, de forma tripartite, diretrizes nacionais e disponibilizar instrumentos técnicos e pedagógicos que facilitem o processo de gestão, formação e educação permanente dos gestores e profissionais da Atenção Básica; VII - Articular com o Ministério da Educação estratégias de indução às mudanças curriculares nos cursos de graduação e pós graduação na área da saúde, visando à formação de profissionais e gestores com perfil adequado à Atenção Básica; VIII - apoiar a articulação de instituições, em parceria com as Secretarias de Saúde Municipais, Estaduais e do Distrito Federal, para formação e garantia de educação permanente e continuada para os profissionais de saúde da Atenção Básica, de acordo com as necessidades locais.
  • 14. Política Nacional de Atenção Básica PNAB - DAS RESPONSABILIDADES DAS SECRETARIAS ESTADUAIS I - Pactuar, na Comissão Intergestores Bipartite (CIB) e Colegiado de Gestão no Distrito Federal, estratégias, diretrizes e normas para a implantação e implementação da Política Nacional de Atenção Básica vigente nos Estados e Distrito Federal; II - Destinar recursos estaduais para compor o financiamento tripartite; III -Ser corresponsável pelo monitoramento das ações de Atenção Básica nos municípios; IV - Analisar os dados de interesse estadual gerados pelos sistemas de informação, utilizá-los no planejamento e divulgar os resultados obtidos; V - Verificar a qualidade e a consistência de arquivos dos sistemas de informação; VI -Divulgar periodicamente os relatórios de indicadores da Atenção Básica; VII -Prestar apoio institucional aos municípios no processo de implantação, acompanhamento e qualificação da Atenção Básica; VIII -Definir estratégias de articulação com as gestões municipais; IX - Disponibilizar aos municípios instrumentos técnicos e pedagógicos que facilitem o processo de formação e educação permanente dos membros das equipes de gestão e de atenção; X -Articular instituições de ensino e serviço, em parceria com as Secretarias Municipais de Saúde, para formação e garantia de educação permanente aos profissionais de saúde das equipes que atuam na Atenção Básica; XI - fortalecer a Estratégia Saúde da Família na rede .
  • 15. Política Nacional de Atenção Básica PNAB - DAS RESPONSABILIDADES DAS SECRETARIAS MUNICIPAIS I - Organizar, executar e gerenciar os serviços e ações de Atenção Básica; II -Programar as ações da Atenção Básica a partir de sua base; III -Organizar o fluxo de pessoas, inserindo-as em linhas de cuidado, instituindo e garantindo os fluxos definidos na Rede de Atenção à Saúde entre os diversos pontos de atenção de diferentes configurações tecnológicas, integrados por serviços de apoio logístico, técnico e de gestão, para garantir a integralidade do cuidado. IV -Estabelecer e adotar mecanismos de encaminhamento responsável pelas equipes que atuam na Atenção Básica de acordo com as necessidades de saúde das pessoas, mantendo a vinculação e coordenação do cuidado; V -Manter atualizado mensalmente o cadastro de equipes, profissionais, carga horária, serviços disponibilizados, equipamentos e outros no Sistema de Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde vigente, conforme regulamentação específica; VI - Organizar os serviços para permitir que a Atenção Básica atue como a porta de entrada preferencial e ordenadora da RAS; VII - Fomentar a mobilização das equipes e garantir espaços para a participação da comunidade no exercício do controle social; VIII - Destinar recursos municipais para compor o financiamento tripartite
  • 16. Política Nacional de Atenção Básica PNAB - DAS RESPONSABILIDADES DAS SECRETARIAS MUNICIPAIS IX - Ser corresponsável, junto ao Ministério da Saúde, e Secretaria Estadual de Saúde pelo monitoramento da utilização dos recursos da Atenção; XI -Prestar apoio institucional às equipes e serviços no processo de implantação, acompanhamento, e qualificação da Atenção Básica e de ampliação e consolidação da Estratégia Saúde da Família; XII - Definir estratégias de institucionalização da avaliação da Atenção Básica; XIII - Desenvolver ações, articular instituições e promover acesso aos trabalhadores, para formação e garantia de educação permanente continuada aos profissionais de saúde de todas as equipes que atuam na Atenção Básica implantadas; XIV -Selecionar, contratar e remunerar os profissionais que compõem as equipes multiprofissionais de Atenção Básica, em conformidade com a legislação vigente; XV -Garantir recursos materiais, equipamentos e insumos suficientes para o funcionamento das UBS e equipes, para a execução do conjunto de ações propostas; XVI -Garantir acesso ao apoio diagnóstico e laboratorial necessário ao cuidado; XVII -Alimentar, analisar e verificar a qualidade e a consistência dos dados; XVIII -Organizar o fluxo de pessoas, visando à garantia das referências a serviços; IX - Assegurar o cumprimento da carga horária integral de todos os profissionais que compõem as equipes que atuam na Atenção Básica, de acordo com as jornadas de trabalho especificadas no Sistema de Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde vigente e a modalidade de atenção
  • 17. Política Nacional de Atenção Básica Política Nacional de Atenção Básica Infraestrutura, Ambiência e Funcionamento da Atenção •Deve funciomar 40 hs semanais 5 dias por semana; •04 equipes por UBS (AB ou SF) População adstrita Superior a 2000 habitantes em município ou território.
  • 18. Política Nacional de Atenção Básica Política Nacional de Atenção Básica Infraestrutura, Ambiência e Funcionamento da Atenção
  • 19. Política Nacional de Atenção Básica Política Nacional de Atenção Básica
  • 20. Política Nacional de Atenção Básica PNAB - ESF É considerada como estratégia de expansão, qualificação e consolidação da Atenção Básica, por favorecer uma reorientação do processo de trabalho com maior potencial de ampliar a resolutividade e impactar na situação de saúde das pessoas e coletividades, além de propiciar uma importante relação custo-efetividade.
  • 21. Política Nacional de Atenção Básica Política Nacional de Atenção Básica
  • 22. Política Nacional de Atenção Básica Política Nacional de Atenção Básica
  • 23. Política Nacional de Atenção Básica Política Nacional de Atenção Básica
  • 24. Política Nacional de Atenção Básica Política Nacional de Atenção Básica
  • 25. Política Nacional de Atenção Básica Política Nacional de Atenção Básica
  • 26. Política Nacional de Atenção Básica Política Nacional de Atenção Básica
  • 27. Política Nacional de Atenção Básica Política Nacional de Atenção Básica
  • 28. Política Nacional de Atenção Básica Política Nacional de Atenção Básica
  • 29. Política Nacional de Atenção Básica Política Nacional de Atenção Básica Equipe de Saúde da Família Ribeirinha (eSFR): São equipes que desempenham parte significativa de suas funções em UBS construídas e/ou localizadas nas comunidades pertencentes à área adstrita e cujo acesso se dá por meio fluvial e que, pela grande dispersão territorial, necessitam de embarcações para atender as comunidades dispersas no território. As eSFR são vinculadas a uma UBS, que pode estar localizada na sede do Município ou em alguma comunidade ribeirinha localizada na área adstrita.
  • 30. Política Nacional de Atenção Básica Política Nacional de Atenção Básica Equipes de Saúde da Família Fluviais (eSFF): São equipes que desempenham suas funções em Unidades Básicas de Saúde Fluviais (UBSF), responsáveis por comunidades dispersas, ribeirinhas e pertencentes à área adstrita, cujo acesso se dá por meio fluvial. A eSFR será formada por equipe multiprofissional composta por, no mínimo: 1 (um) médico, preferencialmente da especialidade de Família e Comunidade, 1 (um) enfermeiro, preferencialmente especialista em Saúde da Família e 1 (um) auxiliar ou técnico de enfermagem, podendo acrescentar a esta composição, como parte da equipe multiprofissional, o ACS e ACE e os profissionais de saúde bucal:1 (um) cirurgião dentista, preferencialmente especialista em saúde da família e 1 (um) técnico ou auxiliar em saúde bucal. Devem contar também, com um (01) técnico de laboratório e/ou bioquímico. Estas equipes poderão incluir, na composição mínima, os profissionais de saúde bucal, um (1) cirurgião dentista, preferencialmente especialista em saúde da família, e um (01) Técnico ou Auxiliar em Saúde Bucal.
  • 31. Política Nacional de Atenção Básica PNAB .....Se ligue enfermeiro!
  • 32. Política Nacional de Atenção Básica PNAB .....Se ligue enfermeiro!
  • 33. Política Nacional de Atenção Básica PNAB
  • 34. Política Nacional de Atenção Básica PNAB
  • 35. Política Nacional de Atenção Básica A Política Nacional de Atenção Básica tem na Saúde da Família sua estratégia prioritária para expansão e consolidação da atenção básica. A estratégia de Saúde da Família visa à reorganização da Atenção Básica no País, de acordo com os preceitos do Sistema Único de Saúde, e é tida pelo Ministério da Saúde e gestores estaduais e municipais, representados respectivamente pelo CONASS e CONASEMS, como estratégia de expansão, qualificação e consolidação da Atenção Básica por favorecer uma reorientação do processo de trabalho com maior potencial de aprofundar os princípios, diretrizes e fundamentos da atenção básica, de ampliar a resolutividade e impacto na situação de saúde das pessoas e coletividades, além de propiciar uma importante relação custo-efetividade. Política Nacional de Atenção Básica
  • 36. Política Nacional de Atenção Básica Fundamentos e Diretrizes Política Nacional de Atenção Básica 1. Ter território . 2. Possibilitar o acesso universal e contínuo a serviços de saúde de qualidade e resolutivos, caracterizados como a porta de entrada aberta e preferencial da rede de atenção, acolhendo os usuários e promovendo a vinculação e corresponsabilização pela atenção às suas necessidades de saúde. 3. Adscrever os usuários e desenvolver relações de vínculo e responsabilização entre as equipes e a população adscrita garantindo a continuidade das ações de saúde e a longitudinalidade do cuidado. 4. Estimular a participação dos usuários como forma de ampliar sua autonomia e capacidade na construção do cuidado à sua saúde e das pessoas e coletividades do território, no enfrentamento dos determinantes e condicionantes de saúde, na organização e orientação dos serviços de saúde a partir de lógicas mais centradas no usuário e no exercício do controle social.
  • 37. Política Nacional de Atenção Básica Fundamentos e Diretrizes Política Nacional de Atenção Básica 5. Coordenar a integralidade em seus vários aspectos, a saber: integração de ações programáticas e demanda espontânea; articulação das ações de promoção à saúde, prevenção de agravos, vigilância à saúde, tratamento e reabilitação e manejo das diversas tecnologias de cuidado e de gestão necessárias a estes fins e à ampliação da autonomia dos usuários e coletividades; trabalhando de forma multiprofissional, interdisciplinar e em equipe; realizando a gestão do cuidado integral do usuário e coordenando-o no conjunto da rede de atenção. A presença de diferentes formações profissionais assim como um alto grau de articulação entre os profissionais é essencial, de forma que não só as ações sejam compartilhadas, mas também tenha lugar um processo interdisciplinar no qual progressivamente os núcleos de competência profissionais específicos vão enriquecendo o campo comum de competências ampliando assim a capacidade de cuidado de toda a equipe.
  • 38. Política Nacional de Atenção Básica PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA - PSE O PSE é uma estratégia de integração da saúde e educação para o desenvolvimento da cidadania e da qualificação das políticas públicas brasileiras. Sua sustentabilidade e qualidade dependem de todos nós! O PSE é uma estratégia de integração da saúde e educação para o desenvolvimento da cidadania e da qualificação das políticas públicas brasileiras. Sua sustentabilidade e qualidade dependem de todos nós! O Programa Saúde na Escola (PSE), política intersetorial da Saúde e da Educação, foi instituído em 2007. As políticas de saúde e educação voltadas às crianças, adolescentes, jovens e adultos da educação pública brasileira se unem para promover saúde e educação integral. O Programa Saúde na Escola (PSE), política intersetorial da Saúde e da Educação, foi instituído em 2007. As políticas de saúde e educação voltadas às crianças, adolescentes, jovens e adultos da educação pública brasileira se unem para promover saúde e educação integral.
  • 39. Política Nacional de Atenção Básica PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA - PSE Quem pode participar? A partir de 2013, todos os Municípios do País estão aptos a participar do Programa Saúde na Escola. Podem participar todas as equipes de Atenção Básica e as ações foram expandidas para as creches e pré-escolas, assim todos os níveis de ensino passam a fazer parte do Programa. Quem pode participar? A partir de 2013, todos os Municípios do País estão aptos a participar do Programa Saúde na Escola. Podem participar todas as equipes de Atenção Básica e as ações foram expandidas para as creches e pré-escolas, assim todos os níveis de ensino passam a fazer parte do Programa.
  • 40. Política Nacional de Atenção Básica PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA - PSE Quem pode participar? A partir de 2013, todos os Municípios do País estão aptos a participar do Programa Saúde na Escola. Podem participar todas as equipes de Atenção Básica e as ações foram expandidas para as creches e pré-escolas, assim todos os níveis de ensino passam a fazer parte do Programa. Quem pode participar? A partir de 2013, todos os Municípios do País estão aptos a participar do Programa Saúde na Escola. Podem participar todas as equipes de Atenção Básica e as ações foram expandidas para as creches e pré-escolas, assim todos os níveis de ensino passam a fazer parte do Programa.
  • 41. Política Nacional de Atenção Básica PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA - PSE A proposta do PSE é centrada na gestão compartilhada por meio dos Grupos de Trabalho Intersetoriais (GTI), numa construção em que tanto o planejamento quanto a execução, monitoramento e a avaliação das ações são realizados coletivamente, de forma a atender às necessidades e demandas locais. O trabalho no GTI pressupõe, dessa forma, interação com troca de saberes, compartilhamento de poderes e afetos entre profissionais da saúde e da educação, educandos, comunidade e demais redes sociais. A proposta do PSE é centrada na gestão compartilhada por meio dos Grupos de Trabalho Intersetoriais (GTI), numa construção em que tanto o planejamento quanto a execução, monitoramento e a avaliação das ações são realizados coletivamente, de forma a atender às necessidades e demandas locais. O trabalho no GTI pressupõe, dessa forma, interação com troca de saberes, compartilhamento de poderes e afetos entre profissionais da saúde e da educação, educandos, comunidade e demais redes sociais.
  • 42. BOM ESTÁGIO TURMA!!! Enfª Jarquineide da Silva Contato: (71)98778-9138 (Zap)