SlideShare uma empresa Scribd logo
O QUE É
CONHECIMENTO?
O que é conhecimento
• Esforço psicológico pelo qual procuramos
nos apropriar intelectualmente dos
objetos;
• Quando falamos em conhecimento,
podemos nos referir ao ato de conhecer
ou ao produto do conhecimento;
O que é conhecimento
Ato de Conhecer:
• Diz respeito à relação que se estabelece
entre a consciência que conhece e o
objeto a ser conhecido;
Produto do Conhecimento:
• É o que resulta do ato de conhecer, ou
seja, o conjunto de saberes acumulados e
recebidos pela tradição.
O que é conhecimento
• Por enquanto nos ocuparemos com o ato
de conhecer, ou seja:
• O que é conhecer? Como conhecemos?
O que é possível conhecer? O que é a
verdade do conhecimento? Qual é o
critério da verdade?
O que é conhecimento
• É importante frisar, entretanto, que o que
se entende por conhecimento e verdade
tem assumido formas diferentes,
dependendo da maneira pela qual os
filósofos explicam como se dá nosso
contato com as coisas que nos cercam
para tentar compreendê-las. Isso significa
que a razão é histórica.
O que é conhecimento
1. FORMAS POSSÍVEIS DE CONHECER:
Intuição e Conhecimento discursivo.
1.1. Intuição:
• Nós conhecemos não apenas pela
razão, pelo discurso capaz de encadear
juízos e chegar a uma conclusão mas,
apreendemos também o real pela
intuição;
O que é conhecimento
• A intuição é uma forma de conhecimento
imediato;
• Como a própria palavra indica (tueri em
latim significa “ver”), intuição é uma visão
súbita. Enquanto o raciocínio é discursivo
e se faz por meio da palavra, a intuição é
inefável, inexprimível;
O que é conhecimento
• A intuição é o ponto de partida do
conhecimento, a possibilidade da
invenção, da descoberta, dos grandes
saltos do saber humano;
O que é conhecimento
A Intuição pode ser de vários tipos:
a) Intuição Sensível: é o conhecimento
imediato dado pelos órgãos dos
sentidos: sentimos calor; vemos a blusa
azul; ouvimos os sons; percebemos o
paladar das frutas.
O que é conhecimento
b) Intuição Inventiva: é a intuição do sábio,
do artista, do cientista, quando criam
novas hipóteses; também na vida diária,
enfrentamos situações que exigem
soluções criativas, verdadeiras
invenções súbitas.
O que é conhecimento
c) Intuição Intelectual: é a que se esforça
por captar diretamente a essência do
objeto; por exemplo, a descoberta de
Descartes do cogito (eu pensante), como
primeira verdade indubitável.
O que é conhecimento
1.2. Conhecimento Discursivo:
• Para compreender o mundo, não “entrar
no caos” a razão supera as informações
concretas e imediatas que recebe,
organizando-as em conceitos e idéias
gerais que, articulados, podem levar à
demonstração e a conclusões
consideradas válidas.
O que é conhecimento
• Chamamos conhecimento discursivo ao
conhecimento mediato, isto é, aquele que
se dá por meio de conceitos.
• Esse tipo de pensamento opera por
etapas, por encadeamento de idéias,
juízos e raciocínios que levam a
determinada conclusão.
O que é conhecimento
• Para tanto, a razão precisa realizar abstrações.
Abstrair significa “isolar”, “separar de”.
• Ex.: quando vemos um cinzeiro de forma
hexagonal e de cristal, ao abstrairmos, isolamos
essas características por serem secundárias, e
consideramos apenas o “ser cinzeiro”,
representação intelectual do objeto. Se refere a
qualquer objeto que sirva para recolher cinzas.
O que é conhecimento
• O matemático reduz as coisas que têm peso,
dureza e cor à pura quantidade. Quando
dizemos 2, consideramos apenas o número,
sem nos importarmos se são duas pessoas ou
duas frutas.
• A lei científica também é abstrata. Quando
concluímos que o calor dilata os corpos,
abstraímos as características que distinguem
cada corpo.
O que é conhecimento
• Quanto mais abstrato um conceito, mais nos
distanciamos da realidade concreta. No entanto,
toda vez que a razão se distancia do vivido, o
conhecimento se empobrece, sob algum
aspecto.
• Da mesma maneira, permanecer no nível do
vivido e da intuição impede o distanciamento
fecundo da razão que interpreta e critica.
O que é conhecimento
• Assim, o conhecimento se faz pela
relação contínua entre intuição e razão,
entre vivência e teoria, entre concreto e
abstrato.
O que é conhecimento
2. A VERDADE:
• Todo conhecimento coloca o problema
da verdade, quando nos perguntamos se
o que está sendo enunciado
corresponde ou não à realidade.
O que é conhecimento
Verdade x Realidade:
• No cotidiano os dois conceitos tendem a
se confundir;
• Se dizemos que um determinado colar é
falso, devemos reconhecer que o “falso”
colar é uma verdadeira bijuteria;
O que é conhecimento
• O falso e o verdadeiro não estão na coisa mesma, mas
no juízo, e portanto no valor da afirmação;
• Há verdade ou não, dependendo de como a coisa
aparece para o sujeito que conhece;
• Algo é verdadeiro quando é o que parece ser;
• A verdade ou falsidade existe apenas no juízo no qual
se estabelece o vínculo entre sujeito e objeto, típico do
processo do conhecimento.
O que é conhecimento
2.1 O critério da verdade:
• Qual o sinal que permite reconhecer a
verdade e distingui-la do erro? A resposta
a essa pergunta tem variado no tempo;
• Para os gregos a verdade é o que se
desvela, o que é visto, o que é evidente;
O que é conhecimento
• Os escolásticos, filósofos medievais,
seguindo a tradição aristotélica, repetem
que “a verdade é a adequação do nosso
pensamento às coisas”;
• Ou seja, o juízo seria verdadeiro quando a
representação é cópia fiel do objeto
representado.
O que é conhecimento
• Na Idade Moderna a questão do
conhecimento passa a ser mais complexa:
como saber se a definição de verdade é
verdadeira?;
• Os filósofos da modernidade questionam
a possibilidade mesma de conhecimento
do real;
O que é conhecimento
• Para Descartes (século XVII), o critério de
verdade é também a evidência. Para ele
trata-se de uma evidência resultante da
intuição intelectual;
• No século XIX há uma crítica a esses
critérios puramente intelectuais e teóricos;
O que é conhecimento
• Para Nietzsche, é verdadeiro o que
contribui para fomentar a vida da espécie
e falso tudo o que é obstáculo ao seu
desenvolvimento;
• Para o pragmatismo norte-americano, a
prática é o critério da verdade. Ou seja, a
verdade de uma proposição se estabelece
a partir de seus efeitos;
O que é conhecimento
• No pensamento contemporâneo, a filosofia
analítica se volta para os estudos da linguagem
e da lógica e buscam o critério da verdade na
coerência interna do argumento;
• Seria válido o raciocínio que não encerra
contradições e é coerente com um sistema de
princípios estabelecidos;
• A verdade pode ainda ser entendida como
resultado do consenso, como conjunto de
crenças aceitas pelos indivíduos em
determinado tempo e lugar e que os ajuda a
compreender o real e agir sobre ele;
O que é conhecimento
3. Ceticismo e dogmatismo:
Tendências do conhecimento humano para
atingir a certeza.
• Dogmatikós em grego, significa “o que se
funda em princípios”;
• Do ponto de vista religioso, dogma é a
verdade fundamental;
O que é conhecimento
• Na religião cristã, por exemplo, segundo o
dogma da Santíssima Trindade, as três
pessoas (Pai, Filho e Espírito Santo) são
apenas um, Deus;
• Não importa se a razão não consegue
entender, porque esse princípio deve ser
aceito pela fé e o seu fundamento é a
revelação divina.
O que é conhecimento
• Quando a idéia de dogma é transposta para o
campo não-religioso, ela passa a designar as
verdades não-questionadas e inquestionáveis;
• A pessoa fixa-se nela e abdica de continuar a
busca;
• Nietzsche disse que “as convicções são
prisões”. Resistindo ao diálogo, o dogmático
teme o novo e não raro torna-se intransigente e
prepotente.
O que é conhecimento
• São também dogmáticos os seguidores de
escolas e tendências quando se recusam a
discutir suas verdades, permanecendo
refratários às críticas;
• Quando o dogmatismo atinge a política, assume
um caráter ideológico que nega o pluralismo e
abre caminho para a imposição da doutrina
oficial do Estado ou do partido único.
Conseqüência: censura e repressão;
O que é conhecimento
• Ceticismo vem do grego sképsis, que
significa “investigação”, “procura”: a
sabedoria não consiste em alcançar a
verdade, mas somente em procurá-la;
• O cético tanto observa e tanto considera
que conclui, nos casos mais radicais, pela
impossibilidade do conhecimento.
O que é conhecimento
4. A crítica do conceito tradicional de verdade:
• Diz-se que o conhecimento resulta da relação
entre sujeito e objeto, pela qual alcançaríamos a
verdade das coisas;
• Embora o critério da evidência tenha sofrido
variações, por muito tempo permaneceu a
convicção – excetuando-se os céticos – de que
o sujeito teria a capacidade de conhecer a
verdade.
O que é conhecimento
• A partir do positivismo, no século XIX, admitiu-
se que a ciência é por excelência o modelo do
saber. As ciências da natureza nos levam a
conclusões seguras, objetivas;
• Entretanto esse racionalismo exacerbado pelo
qual haveria um mundo “objetivo” a ser
desvendado pela razão, começa a sofrer críticas
a partir do século XIX.
O que é conhecimento
• Para Nietzsche, por exemplo, não há fatos mas
apenas interpretações;
• Marx procede a uma crítica da razão ao
denunciar a ideologia como um discurso ilusório
a serviço da dominação;
• Freud mostra que a consciência não está no
centro do sujeito, descobrindo nos sintomas as
determinações do inconsciente;
O que é conhecimento
• Assim, não há discurso neutro, uma vez que o
mesmo é um lugar onde se exprimem de modo
disfarçado interesses inconscientes - de tal
modo que esse discurso deveria ser por sua vez
interpretado e assim sucessivamente, até ao
infinito;
• Consequentemente, nunca haverá verdade
última que esteja absolutamente certa;
O que é conhecimento
Conclusão:
• Vimos que, no correr da história humana,
existiram várias formas de compreender a
verdade;
• O importante é não sucumbir ao ceticismo
radical – que em última instância recusa a
filosofia - nem ao dogmatismo – que se aloja na
comodidade das verdades absolutas;
O que é conhecimento
• Deve-se aceitar o movimento contínuo
entre certeza e incerteza. O que não
significa renunciar à busca do
conhecimento, porque conhecer é dar
sentido ao mundo e interpretar a
realidade, é descobrir formas para nela
poder agir.
A busca pela verdade
• Os filósofos modernos tinham uma
enorme preocupação em achar um
método que viabilizasse o conhecimento.
• Entre eles estão: Locke, Descartes e
Kant.
Descartes
• Buscava encontrar uma fonte segura para a
construção do conhecimento, baseando-se na
razão em detrimento dos sentidos, que para ele
era uma fonte de engano.
• Descartes acreditava que existiam ideias e
característica que já nascem com o ser humano
(inatismo cartesiano).
• Seu objetivo era encontrar uma verdade
incontestável da qual as demais derivavam.
Para isso criou o método do Cogito, que
consistia em duvidar de tudo a sua volta.
Método Cartesiano
• Para evitar o erro e ter certeza do
conhecimento verdadeiro, sem se deixar
enganar pelos sentidos, Descartes cria
um sistema universal de regras, baseado
na Matemática, que busca evitar enganos
e produzir resultados práticos: o Método
Cartesiano.
Fundamentos do Método
Cartesiano
• Evidência – estabelece que jamais se deve admitir
algo como verdadeiro, se este não se mostrar fora
de qualquer possibilidade de dúvida.
• Análise – divide-se o problema em várias partes a
fim de torná-lo compreensível.
• Síntese – organiza-se o pensamento reordenando-
o do mais simples ao mais complexo.
• Revisão – verifica-se todas as etapas do processo
de conhecimento para que não fique nada de fora.
John Locke e o Empirismo
• Enquanto Descartes a razão em primeiro plano,
Locke privilegiou a experiência, ou seja, os dados
obtidos da percepção sensorial, principal fonte de
apreensão da realidade, contrariando o inatismo
cartesiano.
• Para Locke a mente humana é como um papel em
branco sem nenhuma ideia escrita. Só passamos a
preenchê-la com dados e informações a partir da
experiência dos sentidos.
• A reflexão nasce da troca e da combinação de
sensações com as pessoas e coisas a nossa volta.
Apriorismo de Kant
• Para Kant existem dois tipos de conhecimento:
• Conhecimento a priori (puro) – vinculado ao
racionalismo de Descartes (conhecimento
anterior à experiência). Ex: uma fórmula
matemática como o Teorema de Pitágoras
(soma dos catetos igual ao quadrado da
hipotenusa).
• Conhecimento a posteriori (empírico) – remete a
Locke e ao conhecimento derivado dos
sentidos, posterior a experiência. Ex: quando
dizemos “o vento está gelado”.
Formas de juízos em Kant
• A verdade e o conhecimento se dão nas
afirmações, que ele chama de juízos.
• Um juízo é um julgamento sobre algo ou
alguém. Para Kant existem dois tipos de
juízos: juízo analítico e juízo sintético.
Juízo analítico e Juízo sintético
• Analítico - é aquele que numa preposição,
o predicado apenas esclarece algo que já
está contido no sujeito. Ex: “o triângulo
tem três lados”.
• Sintético – é aquele que numa preposição
o predicado esclarece ou acrescenta algo
novo ao sujeito. Ex: “a água aumenta de
volume ao se solidificar”.
Juízo analítico e Juízo sintético
• Kant chegou as seguintes constatações:
• 1º - os juízos analíticos são conhecimentos a
priori, enquanto os sintéticos são
conhecimentos a posteriori.
• 2º - os juízos analíticos são universais e
pertencem ao racionalismo (de Descartes),
enquanto os juízos sintéticos trazem o novo por
meio da experiência sensível (de Locke).
Juízos sintéticos a priori
• Kant então concluiu que ambos os juízos não
contribuem isoladamente para a construção do
verdadeiro conhecimento.
• O analítico, por ser a priori, afirma mas não
agrega conhecimento.
• O sintético, por ser a posteriori, agrega
conhecimento mas não explica.
• Mas se combinarmos ambos na forma de juízos
sintéticos a priori, ampliaremos o conhecimento,
ao apurar seus fundamentos e validade (como os
juízos sintéticos a posteriori), ao mesmo tempo que
se tornam necessários e universais (como os juízos
analíticos a priori).
Idealismo transcendental
• Kant conclui então que o conhecimento deve
conter juízos necessários e universais (a priori)
e, ao mesmo tempo, começar com a
experiência sensível (a posteriori). Ou seja, o
conhecimento é o resultado de um elemento
externo com um elemento interno à mente.
• De nada adiantaria a experiência sensível se
não fosse organizada pela razão, da mesma
forma que de nada adiantaria a pura razão sem
a experiência.
Dogmatismo e Ceticismo
• São correntes teóricas que não se
preocupam tanto com o modo como o
conhecimento ocorre ou com a busca pela
verdade. Nem se é a priori ou a
posteriori. Mas se o conhecimento é ou
não possível, se a verdade pode ou não
ser atingida.
Dogmatismo
• Para o dogmatismo, o conhecimento é possível e a
certeza pode ser alcançada. As crenças derivadas
dai são consideradas absolutas e verdadeiras. Seus
adeptos acreditam que existe uma realidade
exterior já dada e que pode ser conhecida pela
religião ou pela ciência.
• Baseado em suas crenças, o dogmático que impor
suas verdades e despreza o diálogo.
• O dogmatismo pode ser observado na religião
(Igreja católica na Idade Média), na política (regimes
totalitários: nazismo e socialismo soviético) e no
comportamento cotidiano (futebol, partidarismo
politico, crença religiosa)
Ceticismo
• O ceticismo duvida da possibilidade de se chegar
ao conhecimento verdadeiro e nega a capacidade
de se atingir a verdade. Para o cético, mais
importante do que encontrar a verdade é procurá-la.
• O ceticismo costuma ser dividido segundo o grau da
crença na impossibilidade do conhecimento: para
os radicais, a verdade é inalcançável, para os
moderados ela é relativa pois depende da
perspectiva que se adota.
• Na antiguidade, o ceticismo começou com os
sofistas. Na era moderna, o francês Michel de
Montaigne a retomou para criticar os dogmas
cristãos.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Trabalho teoria do conhecimento
Trabalho teoria do conhecimentoTrabalho teoria do conhecimento
Trabalho teoria do conhecimento
João Bastos
 
Teoria Do Conhecimento
Teoria Do ConhecimentoTeoria Do Conhecimento
Teoria Do Conhecimento
rodrigomagarinus
 
Teoria racionalista de Descartes
Teoria racionalista de DescartesTeoria racionalista de Descartes
Teoria racionalista de Descartes
Elisabete Silva
 
O racionalismo
O racionalismoO racionalismo
O racionalismo
Alison Nunes
 
Aula 21 filosofia da ciência
Aula 21   filosofia da ciênciaAula 21   filosofia da ciência
Aula 21 filosofia da ciência
professorleo1989
 
O empirismo e o racionalismo
O empirismo e o racionalismoO empirismo e o racionalismo
O empirismo e o racionalismo
Joaquim Melro
 
Teorias Explicativas do Conhecimento - Descartes
Teorias Explicativas do Conhecimento - DescartesTeorias Explicativas do Conhecimento - Descartes
Teorias Explicativas do Conhecimento - Descartes
Jorge Barbosa
 
O que é filosofia
O que é filosofiaO que é filosofia
O que é filosofia
Professor Sypriano
 
Empirismo
EmpirismoEmpirismo
Empirismo
Joel Nóbrega
 
Filosofia e Conhecimento 1
Filosofia e Conhecimento 1Filosofia e Conhecimento 1
Filosofia e Conhecimento 1
Jorge Barbosa
 
Racionalismo e Empirismo
Racionalismo e EmpirismoRacionalismo e Empirismo
Racionalismo e Empirismo
lipexleal
 
Aula02 - Metafísica
Aula02 - MetafísicaAula02 - Metafísica
Aula02 - Metafísica
William Ananias
 
Kant
KantKant
Lógica filosófica
Lógica filosóficaLógica filosófica
Lógica filosófica
Italo Colares
 
Racionalismo x Empirismo
Racionalismo x EmpirismoRacionalismo x Empirismo
Racionalismo x Empirismo
Leonardo Leitão
 
Descartes
DescartesDescartes
Descartes
norberto faria
 
5 filosofia e ciencia
5 filosofia e ciencia 5 filosofia e ciencia
5 filosofia e ciencia
Erica Frau
 
O dualismo cartesiano
O dualismo cartesianoO dualismo cartesiano
O dualismo cartesiano
Caio Maximino
 
Quadro_hume vs descartes
Quadro_hume vs descartesQuadro_hume vs descartes
Quadro_hume vs descartes
Isabel Moura
 
Epicuro
EpicuroEpicuro

Mais procurados (20)

Trabalho teoria do conhecimento
Trabalho teoria do conhecimentoTrabalho teoria do conhecimento
Trabalho teoria do conhecimento
 
Teoria Do Conhecimento
Teoria Do ConhecimentoTeoria Do Conhecimento
Teoria Do Conhecimento
 
Teoria racionalista de Descartes
Teoria racionalista de DescartesTeoria racionalista de Descartes
Teoria racionalista de Descartes
 
O racionalismo
O racionalismoO racionalismo
O racionalismo
 
Aula 21 filosofia da ciência
Aula 21   filosofia da ciênciaAula 21   filosofia da ciência
Aula 21 filosofia da ciência
 
O empirismo e o racionalismo
O empirismo e o racionalismoO empirismo e o racionalismo
O empirismo e o racionalismo
 
Teorias Explicativas do Conhecimento - Descartes
Teorias Explicativas do Conhecimento - DescartesTeorias Explicativas do Conhecimento - Descartes
Teorias Explicativas do Conhecimento - Descartes
 
O que é filosofia
O que é filosofiaO que é filosofia
O que é filosofia
 
Empirismo
EmpirismoEmpirismo
Empirismo
 
Filosofia e Conhecimento 1
Filosofia e Conhecimento 1Filosofia e Conhecimento 1
Filosofia e Conhecimento 1
 
Racionalismo e Empirismo
Racionalismo e EmpirismoRacionalismo e Empirismo
Racionalismo e Empirismo
 
Aula02 - Metafísica
Aula02 - MetafísicaAula02 - Metafísica
Aula02 - Metafísica
 
Kant
KantKant
Kant
 
Lógica filosófica
Lógica filosóficaLógica filosófica
Lógica filosófica
 
Racionalismo x Empirismo
Racionalismo x EmpirismoRacionalismo x Empirismo
Racionalismo x Empirismo
 
Descartes
DescartesDescartes
Descartes
 
5 filosofia e ciencia
5 filosofia e ciencia 5 filosofia e ciencia
5 filosofia e ciencia
 
O dualismo cartesiano
O dualismo cartesianoO dualismo cartesiano
O dualismo cartesiano
 
Quadro_hume vs descartes
Quadro_hume vs descartesQuadro_hume vs descartes
Quadro_hume vs descartes
 
Epicuro
EpicuroEpicuro
Epicuro
 

Destaque

Os Tipos de Conhecimento
Os Tipos de ConhecimentoOs Tipos de Conhecimento
Os Tipos de Conhecimento
Jonathan Nascyn
 
Por que a palavra conhecimento assuta tanto
Por que a palavra conhecimento assuta tantoPor que a palavra conhecimento assuta tanto
Por que a palavra conhecimento assuta tanto
Jose Claudio Terra
 
Poder e legitimidade
Poder e legitimidadePoder e legitimidade
Poder e legitimidade
Luiz Cotias
 
Civilização Persa
Civilização PersaCivilização Persa
Civilização Persa
Monica Alves
 
Hebreus fenicios e persas
Hebreus fenicios e persasHebreus fenicios e persas
Hebreus fenicios e persas
Marcelo Ferreira Boia
 
Os persas
Os persasOs persas
Os persas
Dirair
 
Racionalismo e empirismo
Racionalismo e empirismoRacionalismo e empirismo
Racionalismo e empirismo
Estácio Dourado
 
Fenicios slide
Fenicios slideFenicios slide
Fenicios slide
Isabel Aguiar
 
Os pré-socráticos
Os pré-socráticosOs pré-socráticos
Os pré-socráticos
João Paulo Rodrigues
 
Independência do brasil
Independência do brasilIndependência do brasil
Independência do brasil
Marco Santos
 
Pré socráticos
Pré socráticosPré socráticos
Pré socráticos
Gustavo Cuin
 
Racionalismo x Empirismo - Filosofia
Racionalismo x Empirismo - FilosofiaRacionalismo x Empirismo - Filosofia
Racionalismo x Empirismo - Filosofia
Carson Souza
 
Brasil Colônia I
Brasil Colônia IBrasil Colônia I
Brasil Colônia I
José Augusto Fiorin
 
Brasil colônia
Brasil colônia Brasil colônia
Brasil colônia
Elaine Bogo Pavani
 
Implícito e explícito
Implícito e explícitoImplícito e explícito
Implícito e explícito
Danii Lopes
 
Inserçao da criança na creche
Inserçao da criança na crecheInserçao da criança na creche
Inserçao da criança na creche
Fatinha Bretas
 
Wallon - aula de psicologia
Wallon  -  aula de  psicologiaWallon  -  aula de  psicologia
Wallon - aula de psicologia
Fatinha Bretas
 

Destaque (17)

Os Tipos de Conhecimento
Os Tipos de ConhecimentoOs Tipos de Conhecimento
Os Tipos de Conhecimento
 
Por que a palavra conhecimento assuta tanto
Por que a palavra conhecimento assuta tantoPor que a palavra conhecimento assuta tanto
Por que a palavra conhecimento assuta tanto
 
Poder e legitimidade
Poder e legitimidadePoder e legitimidade
Poder e legitimidade
 
Civilização Persa
Civilização PersaCivilização Persa
Civilização Persa
 
Hebreus fenicios e persas
Hebreus fenicios e persasHebreus fenicios e persas
Hebreus fenicios e persas
 
Os persas
Os persasOs persas
Os persas
 
Racionalismo e empirismo
Racionalismo e empirismoRacionalismo e empirismo
Racionalismo e empirismo
 
Fenicios slide
Fenicios slideFenicios slide
Fenicios slide
 
Os pré-socráticos
Os pré-socráticosOs pré-socráticos
Os pré-socráticos
 
Independência do brasil
Independência do brasilIndependência do brasil
Independência do brasil
 
Pré socráticos
Pré socráticosPré socráticos
Pré socráticos
 
Racionalismo x Empirismo - Filosofia
Racionalismo x Empirismo - FilosofiaRacionalismo x Empirismo - Filosofia
Racionalismo x Empirismo - Filosofia
 
Brasil Colônia I
Brasil Colônia IBrasil Colônia I
Brasil Colônia I
 
Brasil colônia
Brasil colônia Brasil colônia
Brasil colônia
 
Implícito e explícito
Implícito e explícitoImplícito e explícito
Implícito e explícito
 
Inserçao da criança na creche
Inserçao da criança na crecheInserçao da criança na creche
Inserçao da criança na creche
 
Wallon - aula de psicologia
Wallon  -  aula de  psicologiaWallon  -  aula de  psicologia
Wallon - aula de psicologia
 

Semelhante a O que é conhecimento

O que podemos conhecer teoria do conhecimento
O que podemos conhecer teoria do conhecimentoO que podemos conhecer teoria do conhecimento
O que podemos conhecer teoria do conhecimento
LucianaCosta9469
 
Apostila do 1º ano 3º e 4º bimestre
Apostila do 1º ano   3º e 4º bimestreApostila do 1º ano   3º e 4º bimestre
Apostila do 1º ano 3º e 4º bimestre
Duzg
 
Consciência e verdade
Consciência e verdadeConsciência e verdade
Consciência e verdade
Adeilsa Ferreira
 
Teoria do conhecimento
Teoria do conhecimentoTeoria do conhecimento
Teoria do conhecimento
Estude Mais
 
Apostila do projeto integrador i
Apostila do projeto integrador iApostila do projeto integrador i
Apostila do projeto integrador i
Elizabete Dias
 
Sem título 1
Sem título 1Sem título 1
Sem título 1
Lair Melo
 
Conhecimento cientifico
Conhecimento cientificoConhecimento cientifico
Conhecimento cientifico
Lavinia de Queiroz
 
Resumo filosofia (3)
Resumo filosofia (3)Resumo filosofia (3)
Resumo filosofia (3)
Mateus Ferraz
 
Estudo dirigido (3) de ética e filosofia na ci
Estudo dirigido (3) de ética e filosofia na ciEstudo dirigido (3) de ética e filosofia na ci
Estudo dirigido (3) de ética e filosofia na ci
Rita Gonçalves
 
Projetos Experimentais I - Aula 2
Projetos Experimentais I - Aula 2Projetos Experimentais I - Aula 2
Projetos Experimentais I - Aula 2
Ricardo Americo
 
Racionalismo, empirismo e iluminismo brenda 22 mp
Racionalismo, empirismo e iluminismo brenda 22 mpRacionalismo, empirismo e iluminismo brenda 22 mp
Racionalismo, empirismo e iluminismo brenda 22 mp
alemisturini
 
Introdução disciplina Teoria do Conhecimento
Introdução disciplina Teoria do ConhecimentoIntrodução disciplina Teoria do Conhecimento
Introdução disciplina Teoria do Conhecimento
LucianoEnes1
 
01 o conhecimento
01 o conhecimento01 o conhecimento
01 o conhecimento
Joao Balbi
 
01 o conhecimento
01 o conhecimento01 o conhecimento
01 o conhecimento
Joao Balbi
 
Teoria do conhecimento empirismo e racionalismo pdf
Teoria do conhecimento empirismo e racionalismo   pdfTeoria do conhecimento empirismo e racionalismo   pdf
Teoria do conhecimento empirismo e racionalismo pdf
firminomaissociologiafilosofia2019
 
Filosofia 11ºano
Filosofia 11ºanoFilosofia 11ºano
Filosofia 11ºano
barbarapinto1997
 
Ae ci11 prep_exame_nacional
Ae ci11 prep_exame_nacionalAe ci11 prep_exame_nacional
Ae ci11 prep_exame_nacional
j_sdias
 
resumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdf
resumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdfresumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdf
resumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdf
TamraSilva
 
O conhecimento e a lógica
O conhecimento e a lógicaO conhecimento e a lógica
O conhecimento e a lógica
Arlindo Picoli
 
Resumos filosofia 2
Resumos filosofia 2Resumos filosofia 2
Resumos filosofia 2
starlightmimi
 

Semelhante a O que é conhecimento (20)

O que podemos conhecer teoria do conhecimento
O que podemos conhecer teoria do conhecimentoO que podemos conhecer teoria do conhecimento
O que podemos conhecer teoria do conhecimento
 
Apostila do 1º ano 3º e 4º bimestre
Apostila do 1º ano   3º e 4º bimestreApostila do 1º ano   3º e 4º bimestre
Apostila do 1º ano 3º e 4º bimestre
 
Consciência e verdade
Consciência e verdadeConsciência e verdade
Consciência e verdade
 
Teoria do conhecimento
Teoria do conhecimentoTeoria do conhecimento
Teoria do conhecimento
 
Apostila do projeto integrador i
Apostila do projeto integrador iApostila do projeto integrador i
Apostila do projeto integrador i
 
Sem título 1
Sem título 1Sem título 1
Sem título 1
 
Conhecimento cientifico
Conhecimento cientificoConhecimento cientifico
Conhecimento cientifico
 
Resumo filosofia (3)
Resumo filosofia (3)Resumo filosofia (3)
Resumo filosofia (3)
 
Estudo dirigido (3) de ética e filosofia na ci
Estudo dirigido (3) de ética e filosofia na ciEstudo dirigido (3) de ética e filosofia na ci
Estudo dirigido (3) de ética e filosofia na ci
 
Projetos Experimentais I - Aula 2
Projetos Experimentais I - Aula 2Projetos Experimentais I - Aula 2
Projetos Experimentais I - Aula 2
 
Racionalismo, empirismo e iluminismo brenda 22 mp
Racionalismo, empirismo e iluminismo brenda 22 mpRacionalismo, empirismo e iluminismo brenda 22 mp
Racionalismo, empirismo e iluminismo brenda 22 mp
 
Introdução disciplina Teoria do Conhecimento
Introdução disciplina Teoria do ConhecimentoIntrodução disciplina Teoria do Conhecimento
Introdução disciplina Teoria do Conhecimento
 
01 o conhecimento
01 o conhecimento01 o conhecimento
01 o conhecimento
 
01 o conhecimento
01 o conhecimento01 o conhecimento
01 o conhecimento
 
Teoria do conhecimento empirismo e racionalismo pdf
Teoria do conhecimento empirismo e racionalismo   pdfTeoria do conhecimento empirismo e racionalismo   pdf
Teoria do conhecimento empirismo e racionalismo pdf
 
Filosofia 11ºano
Filosofia 11ºanoFilosofia 11ºano
Filosofia 11ºano
 
Ae ci11 prep_exame_nacional
Ae ci11 prep_exame_nacionalAe ci11 prep_exame_nacional
Ae ci11 prep_exame_nacional
 
resumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdf
resumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdfresumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdf
resumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdf
 
O conhecimento e a lógica
O conhecimento e a lógicaO conhecimento e a lógica
O conhecimento e a lógica
 
Resumos filosofia 2
Resumos filosofia 2Resumos filosofia 2
Resumos filosofia 2
 

Mais de Marcelo Ferreira Boia

Africa antes-dos-europeus
Africa antes-dos-europeusAfrica antes-dos-europeus
Africa antes-dos-europeus
Marcelo Ferreira Boia
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
Marcelo Ferreira Boia
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
Marcelo Ferreira Boia
 
Era Vargas 1
Era Vargas 1Era Vargas 1
Era Vargas 1
Marcelo Ferreira Boia
 
Era Vargas
Era Vargas Era Vargas
O nazi fascismo
O nazi fascismo O nazi fascismo
O nazi fascismo
Marcelo Ferreira Boia
 
O nazi fascismo
O nazi fascismo O nazi fascismo
O nazi fascismo
Marcelo Ferreira Boia
 
Crise de 1929 oficial
Crise de 1929 oficial Crise de 1929 oficial
Crise de 1929 oficial
Marcelo Ferreira Boia
 
Brasil colonia 2
Brasil colonia 2 Brasil colonia 2
Brasil colonia 2
Marcelo Ferreira Boia
 
Processo de colonização do brasil
Processo de colonização do brasilProcesso de colonização do brasil
Processo de colonização do brasil
Marcelo Ferreira Boia
 
Brasil colnia 2
Brasil colnia 2 Brasil colnia 2
Brasil colnia 2
Marcelo Ferreira Boia
 
America espanhola
America espanhola America espanhola
America espanhola
Marcelo Ferreira Boia
 
America espanhola (1)
America espanhola (1)America espanhola (1)
America espanhola (1)
Marcelo Ferreira Boia
 
Reformas religiosas
Reformas religiosas Reformas religiosas
Reformas religiosas
Marcelo Ferreira Boia
 
Renascimento cultural
Renascimento culturalRenascimento cultural
Renascimento cultural
Marcelo Ferreira Boia
 
A formacao das monarquias nacionais
A formacao das monarquias nacionais A formacao das monarquias nacionais
A formacao das monarquias nacionais
Marcelo Ferreira Boia
 
Primeira guerra-mundial
Primeira guerra-mundialPrimeira guerra-mundial
Primeira guerra-mundial
Marcelo Ferreira Boia
 
Mesopotamia
MesopotamiaMesopotamia
Mesopotamia
MesopotamiaMesopotamia
O antigo regime
O antigo regime O antigo regime
O antigo regime
Marcelo Ferreira Boia
 

Mais de Marcelo Ferreira Boia (20)

Africa antes-dos-europeus
Africa antes-dos-europeusAfrica antes-dos-europeus
Africa antes-dos-europeus
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
 
Era Vargas 1
Era Vargas 1Era Vargas 1
Era Vargas 1
 
Era Vargas
Era Vargas Era Vargas
Era Vargas
 
O nazi fascismo
O nazi fascismo O nazi fascismo
O nazi fascismo
 
O nazi fascismo
O nazi fascismo O nazi fascismo
O nazi fascismo
 
Crise de 1929 oficial
Crise de 1929 oficial Crise de 1929 oficial
Crise de 1929 oficial
 
Brasil colonia 2
Brasil colonia 2 Brasil colonia 2
Brasil colonia 2
 
Processo de colonização do brasil
Processo de colonização do brasilProcesso de colonização do brasil
Processo de colonização do brasil
 
Brasil colnia 2
Brasil colnia 2 Brasil colnia 2
Brasil colnia 2
 
America espanhola
America espanhola America espanhola
America espanhola
 
America espanhola (1)
America espanhola (1)America espanhola (1)
America espanhola (1)
 
Reformas religiosas
Reformas religiosas Reformas religiosas
Reformas religiosas
 
Renascimento cultural
Renascimento culturalRenascimento cultural
Renascimento cultural
 
A formacao das monarquias nacionais
A formacao das monarquias nacionais A formacao das monarquias nacionais
A formacao das monarquias nacionais
 
Primeira guerra-mundial
Primeira guerra-mundialPrimeira guerra-mundial
Primeira guerra-mundial
 
Mesopotamia
MesopotamiaMesopotamia
Mesopotamia
 
Mesopotamia
MesopotamiaMesopotamia
Mesopotamia
 
O antigo regime
O antigo regime O antigo regime
O antigo regime
 

Último

Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
katbrochier1
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
SidneySilva523387
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
sjcelsorocha
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
MARCELARUBIAGAVA
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
Manuais Formação
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....pptA Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
WilianeBarbosa2
 
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptxTudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
IACEMCASA
 

Último (20)

Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....pptA Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
 
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptxTudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
 

O que é conhecimento

  • 2. O que é conhecimento • Esforço psicológico pelo qual procuramos nos apropriar intelectualmente dos objetos; • Quando falamos em conhecimento, podemos nos referir ao ato de conhecer ou ao produto do conhecimento;
  • 3. O que é conhecimento Ato de Conhecer: • Diz respeito à relação que se estabelece entre a consciência que conhece e o objeto a ser conhecido; Produto do Conhecimento: • É o que resulta do ato de conhecer, ou seja, o conjunto de saberes acumulados e recebidos pela tradição.
  • 4.
  • 5. O que é conhecimento • Por enquanto nos ocuparemos com o ato de conhecer, ou seja: • O que é conhecer? Como conhecemos? O que é possível conhecer? O que é a verdade do conhecimento? Qual é o critério da verdade?
  • 6. O que é conhecimento • É importante frisar, entretanto, que o que se entende por conhecimento e verdade tem assumido formas diferentes, dependendo da maneira pela qual os filósofos explicam como se dá nosso contato com as coisas que nos cercam para tentar compreendê-las. Isso significa que a razão é histórica.
  • 7. O que é conhecimento 1. FORMAS POSSÍVEIS DE CONHECER: Intuição e Conhecimento discursivo. 1.1. Intuição: • Nós conhecemos não apenas pela razão, pelo discurso capaz de encadear juízos e chegar a uma conclusão mas, apreendemos também o real pela intuição;
  • 8. O que é conhecimento • A intuição é uma forma de conhecimento imediato; • Como a própria palavra indica (tueri em latim significa “ver”), intuição é uma visão súbita. Enquanto o raciocínio é discursivo e se faz por meio da palavra, a intuição é inefável, inexprimível;
  • 9. O que é conhecimento • A intuição é o ponto de partida do conhecimento, a possibilidade da invenção, da descoberta, dos grandes saltos do saber humano;
  • 10. O que é conhecimento A Intuição pode ser de vários tipos: a) Intuição Sensível: é o conhecimento imediato dado pelos órgãos dos sentidos: sentimos calor; vemos a blusa azul; ouvimos os sons; percebemos o paladar das frutas.
  • 11. O que é conhecimento b) Intuição Inventiva: é a intuição do sábio, do artista, do cientista, quando criam novas hipóteses; também na vida diária, enfrentamos situações que exigem soluções criativas, verdadeiras invenções súbitas.
  • 12. O que é conhecimento c) Intuição Intelectual: é a que se esforça por captar diretamente a essência do objeto; por exemplo, a descoberta de Descartes do cogito (eu pensante), como primeira verdade indubitável.
  • 13. O que é conhecimento 1.2. Conhecimento Discursivo: • Para compreender o mundo, não “entrar no caos” a razão supera as informações concretas e imediatas que recebe, organizando-as em conceitos e idéias gerais que, articulados, podem levar à demonstração e a conclusões consideradas válidas.
  • 14. O que é conhecimento • Chamamos conhecimento discursivo ao conhecimento mediato, isto é, aquele que se dá por meio de conceitos. • Esse tipo de pensamento opera por etapas, por encadeamento de idéias, juízos e raciocínios que levam a determinada conclusão.
  • 15. O que é conhecimento • Para tanto, a razão precisa realizar abstrações. Abstrair significa “isolar”, “separar de”. • Ex.: quando vemos um cinzeiro de forma hexagonal e de cristal, ao abstrairmos, isolamos essas características por serem secundárias, e consideramos apenas o “ser cinzeiro”, representação intelectual do objeto. Se refere a qualquer objeto que sirva para recolher cinzas.
  • 16. O que é conhecimento • O matemático reduz as coisas que têm peso, dureza e cor à pura quantidade. Quando dizemos 2, consideramos apenas o número, sem nos importarmos se são duas pessoas ou duas frutas. • A lei científica também é abstrata. Quando concluímos que o calor dilata os corpos, abstraímos as características que distinguem cada corpo.
  • 17. O que é conhecimento • Quanto mais abstrato um conceito, mais nos distanciamos da realidade concreta. No entanto, toda vez que a razão se distancia do vivido, o conhecimento se empobrece, sob algum aspecto. • Da mesma maneira, permanecer no nível do vivido e da intuição impede o distanciamento fecundo da razão que interpreta e critica.
  • 18. O que é conhecimento • Assim, o conhecimento se faz pela relação contínua entre intuição e razão, entre vivência e teoria, entre concreto e abstrato.
  • 19. O que é conhecimento 2. A VERDADE: • Todo conhecimento coloca o problema da verdade, quando nos perguntamos se o que está sendo enunciado corresponde ou não à realidade.
  • 20. O que é conhecimento Verdade x Realidade: • No cotidiano os dois conceitos tendem a se confundir; • Se dizemos que um determinado colar é falso, devemos reconhecer que o “falso” colar é uma verdadeira bijuteria;
  • 21. O que é conhecimento • O falso e o verdadeiro não estão na coisa mesma, mas no juízo, e portanto no valor da afirmação; • Há verdade ou não, dependendo de como a coisa aparece para o sujeito que conhece; • Algo é verdadeiro quando é o que parece ser; • A verdade ou falsidade existe apenas no juízo no qual se estabelece o vínculo entre sujeito e objeto, típico do processo do conhecimento.
  • 22. O que é conhecimento 2.1 O critério da verdade: • Qual o sinal que permite reconhecer a verdade e distingui-la do erro? A resposta a essa pergunta tem variado no tempo; • Para os gregos a verdade é o que se desvela, o que é visto, o que é evidente;
  • 23.
  • 24. O que é conhecimento • Os escolásticos, filósofos medievais, seguindo a tradição aristotélica, repetem que “a verdade é a adequação do nosso pensamento às coisas”; • Ou seja, o juízo seria verdadeiro quando a representação é cópia fiel do objeto representado.
  • 25. O que é conhecimento • Na Idade Moderna a questão do conhecimento passa a ser mais complexa: como saber se a definição de verdade é verdadeira?; • Os filósofos da modernidade questionam a possibilidade mesma de conhecimento do real;
  • 26. O que é conhecimento • Para Descartes (século XVII), o critério de verdade é também a evidência. Para ele trata-se de uma evidência resultante da intuição intelectual; • No século XIX há uma crítica a esses critérios puramente intelectuais e teóricos;
  • 27. O que é conhecimento • Para Nietzsche, é verdadeiro o que contribui para fomentar a vida da espécie e falso tudo o que é obstáculo ao seu desenvolvimento; • Para o pragmatismo norte-americano, a prática é o critério da verdade. Ou seja, a verdade de uma proposição se estabelece a partir de seus efeitos;
  • 28. O que é conhecimento • No pensamento contemporâneo, a filosofia analítica se volta para os estudos da linguagem e da lógica e buscam o critério da verdade na coerência interna do argumento; • Seria válido o raciocínio que não encerra contradições e é coerente com um sistema de princípios estabelecidos; • A verdade pode ainda ser entendida como resultado do consenso, como conjunto de crenças aceitas pelos indivíduos em determinado tempo e lugar e que os ajuda a compreender o real e agir sobre ele;
  • 29. O que é conhecimento 3. Ceticismo e dogmatismo: Tendências do conhecimento humano para atingir a certeza. • Dogmatikós em grego, significa “o que se funda em princípios”; • Do ponto de vista religioso, dogma é a verdade fundamental;
  • 30. O que é conhecimento • Na religião cristã, por exemplo, segundo o dogma da Santíssima Trindade, as três pessoas (Pai, Filho e Espírito Santo) são apenas um, Deus; • Não importa se a razão não consegue entender, porque esse princípio deve ser aceito pela fé e o seu fundamento é a revelação divina.
  • 31. O que é conhecimento • Quando a idéia de dogma é transposta para o campo não-religioso, ela passa a designar as verdades não-questionadas e inquestionáveis; • A pessoa fixa-se nela e abdica de continuar a busca; • Nietzsche disse que “as convicções são prisões”. Resistindo ao diálogo, o dogmático teme o novo e não raro torna-se intransigente e prepotente.
  • 32. O que é conhecimento • São também dogmáticos os seguidores de escolas e tendências quando se recusam a discutir suas verdades, permanecendo refratários às críticas; • Quando o dogmatismo atinge a política, assume um caráter ideológico que nega o pluralismo e abre caminho para a imposição da doutrina oficial do Estado ou do partido único. Conseqüência: censura e repressão;
  • 33. O que é conhecimento • Ceticismo vem do grego sképsis, que significa “investigação”, “procura”: a sabedoria não consiste em alcançar a verdade, mas somente em procurá-la; • O cético tanto observa e tanto considera que conclui, nos casos mais radicais, pela impossibilidade do conhecimento.
  • 34. O que é conhecimento 4. A crítica do conceito tradicional de verdade: • Diz-se que o conhecimento resulta da relação entre sujeito e objeto, pela qual alcançaríamos a verdade das coisas; • Embora o critério da evidência tenha sofrido variações, por muito tempo permaneceu a convicção – excetuando-se os céticos – de que o sujeito teria a capacidade de conhecer a verdade.
  • 35. O que é conhecimento • A partir do positivismo, no século XIX, admitiu- se que a ciência é por excelência o modelo do saber. As ciências da natureza nos levam a conclusões seguras, objetivas; • Entretanto esse racionalismo exacerbado pelo qual haveria um mundo “objetivo” a ser desvendado pela razão, começa a sofrer críticas a partir do século XIX.
  • 36. O que é conhecimento • Para Nietzsche, por exemplo, não há fatos mas apenas interpretações; • Marx procede a uma crítica da razão ao denunciar a ideologia como um discurso ilusório a serviço da dominação; • Freud mostra que a consciência não está no centro do sujeito, descobrindo nos sintomas as determinações do inconsciente;
  • 37. O que é conhecimento • Assim, não há discurso neutro, uma vez que o mesmo é um lugar onde se exprimem de modo disfarçado interesses inconscientes - de tal modo que esse discurso deveria ser por sua vez interpretado e assim sucessivamente, até ao infinito; • Consequentemente, nunca haverá verdade última que esteja absolutamente certa;
  • 38. O que é conhecimento Conclusão: • Vimos que, no correr da história humana, existiram várias formas de compreender a verdade; • O importante é não sucumbir ao ceticismo radical – que em última instância recusa a filosofia - nem ao dogmatismo – que se aloja na comodidade das verdades absolutas;
  • 39. O que é conhecimento • Deve-se aceitar o movimento contínuo entre certeza e incerteza. O que não significa renunciar à busca do conhecimento, porque conhecer é dar sentido ao mundo e interpretar a realidade, é descobrir formas para nela poder agir.
  • 40. A busca pela verdade • Os filósofos modernos tinham uma enorme preocupação em achar um método que viabilizasse o conhecimento. • Entre eles estão: Locke, Descartes e Kant.
  • 41. Descartes • Buscava encontrar uma fonte segura para a construção do conhecimento, baseando-se na razão em detrimento dos sentidos, que para ele era uma fonte de engano. • Descartes acreditava que existiam ideias e característica que já nascem com o ser humano (inatismo cartesiano). • Seu objetivo era encontrar uma verdade incontestável da qual as demais derivavam. Para isso criou o método do Cogito, que consistia em duvidar de tudo a sua volta.
  • 42. Método Cartesiano • Para evitar o erro e ter certeza do conhecimento verdadeiro, sem se deixar enganar pelos sentidos, Descartes cria um sistema universal de regras, baseado na Matemática, que busca evitar enganos e produzir resultados práticos: o Método Cartesiano.
  • 43. Fundamentos do Método Cartesiano • Evidência – estabelece que jamais se deve admitir algo como verdadeiro, se este não se mostrar fora de qualquer possibilidade de dúvida. • Análise – divide-se o problema em várias partes a fim de torná-lo compreensível. • Síntese – organiza-se o pensamento reordenando- o do mais simples ao mais complexo. • Revisão – verifica-se todas as etapas do processo de conhecimento para que não fique nada de fora.
  • 44. John Locke e o Empirismo • Enquanto Descartes a razão em primeiro plano, Locke privilegiou a experiência, ou seja, os dados obtidos da percepção sensorial, principal fonte de apreensão da realidade, contrariando o inatismo cartesiano. • Para Locke a mente humana é como um papel em branco sem nenhuma ideia escrita. Só passamos a preenchê-la com dados e informações a partir da experiência dos sentidos. • A reflexão nasce da troca e da combinação de sensações com as pessoas e coisas a nossa volta.
  • 45. Apriorismo de Kant • Para Kant existem dois tipos de conhecimento: • Conhecimento a priori (puro) – vinculado ao racionalismo de Descartes (conhecimento anterior à experiência). Ex: uma fórmula matemática como o Teorema de Pitágoras (soma dos catetos igual ao quadrado da hipotenusa). • Conhecimento a posteriori (empírico) – remete a Locke e ao conhecimento derivado dos sentidos, posterior a experiência. Ex: quando dizemos “o vento está gelado”.
  • 46. Formas de juízos em Kant • A verdade e o conhecimento se dão nas afirmações, que ele chama de juízos. • Um juízo é um julgamento sobre algo ou alguém. Para Kant existem dois tipos de juízos: juízo analítico e juízo sintético.
  • 47. Juízo analítico e Juízo sintético • Analítico - é aquele que numa preposição, o predicado apenas esclarece algo que já está contido no sujeito. Ex: “o triângulo tem três lados”. • Sintético – é aquele que numa preposição o predicado esclarece ou acrescenta algo novo ao sujeito. Ex: “a água aumenta de volume ao se solidificar”.
  • 48. Juízo analítico e Juízo sintético • Kant chegou as seguintes constatações: • 1º - os juízos analíticos são conhecimentos a priori, enquanto os sintéticos são conhecimentos a posteriori. • 2º - os juízos analíticos são universais e pertencem ao racionalismo (de Descartes), enquanto os juízos sintéticos trazem o novo por meio da experiência sensível (de Locke).
  • 49. Juízos sintéticos a priori • Kant então concluiu que ambos os juízos não contribuem isoladamente para a construção do verdadeiro conhecimento. • O analítico, por ser a priori, afirma mas não agrega conhecimento. • O sintético, por ser a posteriori, agrega conhecimento mas não explica. • Mas se combinarmos ambos na forma de juízos sintéticos a priori, ampliaremos o conhecimento, ao apurar seus fundamentos e validade (como os juízos sintéticos a posteriori), ao mesmo tempo que se tornam necessários e universais (como os juízos analíticos a priori).
  • 50. Idealismo transcendental • Kant conclui então que o conhecimento deve conter juízos necessários e universais (a priori) e, ao mesmo tempo, começar com a experiência sensível (a posteriori). Ou seja, o conhecimento é o resultado de um elemento externo com um elemento interno à mente. • De nada adiantaria a experiência sensível se não fosse organizada pela razão, da mesma forma que de nada adiantaria a pura razão sem a experiência.
  • 51. Dogmatismo e Ceticismo • São correntes teóricas que não se preocupam tanto com o modo como o conhecimento ocorre ou com a busca pela verdade. Nem se é a priori ou a posteriori. Mas se o conhecimento é ou não possível, se a verdade pode ou não ser atingida.
  • 52. Dogmatismo • Para o dogmatismo, o conhecimento é possível e a certeza pode ser alcançada. As crenças derivadas dai são consideradas absolutas e verdadeiras. Seus adeptos acreditam que existe uma realidade exterior já dada e que pode ser conhecida pela religião ou pela ciência. • Baseado em suas crenças, o dogmático que impor suas verdades e despreza o diálogo. • O dogmatismo pode ser observado na religião (Igreja católica na Idade Média), na política (regimes totalitários: nazismo e socialismo soviético) e no comportamento cotidiano (futebol, partidarismo politico, crença religiosa)
  • 53. Ceticismo • O ceticismo duvida da possibilidade de se chegar ao conhecimento verdadeiro e nega a capacidade de se atingir a verdade. Para o cético, mais importante do que encontrar a verdade é procurá-la. • O ceticismo costuma ser dividido segundo o grau da crença na impossibilidade do conhecimento: para os radicais, a verdade é inalcançável, para os moderados ela é relativa pois depende da perspectiva que se adota. • Na antiguidade, o ceticismo começou com os sofistas. Na era moderna, o francês Michel de Montaigne a retomou para criticar os dogmas cristãos.