SlideShare uma empresa Scribd logo
O ANTIGO REGIME
O ANTIGO REGIME
Período histórico que vai desde o
século XVI ao século XVIII
A economia europeia


Nos séculos XVI e XVII assistiu-se ao
nascimento de uma economia à escala mundial,
marcada pelo desenvolvimento do comércio.



Contudo, apesar da intensificação dos tráficos
comerciais a principal actividade económica do
Antigo regime continuou a ser a agricultura.
O antigo regime
O mundo rural encontrava-se
mergulhado numa profunda
estagnação. Porquê?
O peso da agricultura
 Os sistemas de cultivo eram pouco eficazes

(ainda vigorava o pousio) e as alfaias agrícolas
arcaicas (muitas ainda eram de madeira).


As terras estavam nas
mãos da nobreza e do
clero, proprietários com
pouca propensão para
investir e modernizar as
explorações.



A carga fiscal sobre os
camponeses era elevada.



Os camponeses ao
trabalharem em terras que
não eram suas levava-os a
não fazerem investimentos.
A principal actividade económica de Portugal ,
no século XVII, era a agricultura.
-Esta apresentava baixos níveis de
produtividade porque:
- utilizava técnicas e instrumentos agrícolas
arcaicos;
- a maior parte das terras pertencia ao rei , ao
clero ou à nobreza e não eram
convenientemente exploradas.


O mercantilismo
O meu objectivo é tornar o
país mais opulento…
abundante em mercadorias e
rico nas artes…


Os reis absolutistas empenharam-se em
desenvolver a riqueza dos seus países para
imporem a grandeza dos estado aos seus
súbditos e aos Estados Estrangeiros.



Com esse objectivo desenvolveram o
mercantilismo.


Doutrina económica proteccionista que defendia
a ideia que a riqueza de um país dependia da
quantidade de metal precioso que a Coroa
retinha nos seus cofres.
O antigo regime
Era necessário…








Desenvolver o fabrico nacional dos produtos mais
importados;
Alterar as taxas aduaneiras , para que os produtos
importados pagassem altos impostos, elevando o seu
preço no mercado, favorecendo a produção interna;
Isenção de impostos a determinadas empresas;
Contratação de técnicos estrangeiros especializados,
Criação e protecção de manufacturas.
O Mercantilismo em Portugal


Portugal estava a atravessar uma crise económica.



Por volta de 1670, o país foi afectado por uma crise
comercial.



O açúcar brasileiro enfrentou a concorrência directa do
açúcar das Antilhas , o que fez cair o seu custo e
diminuir as vendas.
Face a esta crise comercial o conde da
Ericeira, ministro do rei D. Pedro II promove
algumas medidas mercantilistas


Desenvolveu as manufacturas dos lanifícios , na
Covilhã, no Fundão e em Portalegre, e a indústria da
seda, em Lisboa;



Concedeu subsídios a quem instalasse uma manufactura
em Portugal;



Incentivou a vinda de técnicos estrangeiros
especializados;



Publicou leis pragmáticas.
As pragmáticas
«Nenhuma pessoa se poderá vestir de pano que
não seja fabricado neste reino; como também
não poderá usar de voltas, de rendas, cintos,
talins, e chapéus que não sejam feitos nele.»
Pragmática de 25 de Janeiro de 1677
Distribuição das manufacturas em Portugal, na primeira metade do século
XVII
No norte da Europa ,a Inglaterra e os Países
Baixos tinham uma agricultura mais

.

desenvolvida
A sociedade de ordens


A sociedade do Antigo Regime era
hierarquizada e estratificada em ordens.
O Clero


Ocupava-se do culto, do ensino e da assistência.



Os bispos e os abades viviam de forma faustosa com
privilégios de verdadeiros senhores.



Recebia doações, quer do rei, quer de particulares; a dízima.



Os párocos e os monges viviam modestamente, por vezes
com inúmeras dificuldades.



Os rendimentos do clero provinham das suas terras e das
rendas que cobravam.



Os seus membros eram julgados em tribunais próprios
(direito canónico) e não cumpriam serviço militar.
A nobreza


Tinha funções militares e ocupava cargos na
administração e na política.



Possuía extensas propriedades.



Recebia rendas e prestação de serviço dos
camponeses que trabalhavam nas suas terras.


Dividia-se em vários estratos:



Nobreza de espada (guerreira, rural, tradicional), que
vivia nas suas terras, perdendo cada vez mais prestígios.



Nobreza de toga (corte), que exercia os mais cargos da
administração pública , dependia do rei e vivia
faustosamente na corte.
Terceiro Estado


Não possuía quaisquer privilégios e era ele que
assegurava as actividades produtivas.






O povo era constituído por muitos estratos sociais,
entre eles destacava-se a burguesia.
A alta burguesia estava ligada ao comércio e aos
negócios do ultramar.
A média e a baixa burguesia era composta pelos
comerciantes e artesãos.
Abaixo deste estavam os camponeses e os assalariados
rurais ou urbanos.
Na base da sociedade estavam os mendigos e o terceiro
estado.






Na sociedade do Antigo regime havia fraca
mobilidade social.
A ascensão da sociedade, embora fosse possível,
era muito rara.
Alguns elementos do terceiro estado podiam
passar à nobreza comprando os títulos como
recompensa pelos serviços prestados ao reino.
O antigo regime
“O ESTADO SOU EU”
O poder absoluto






O rei concentrava em si todos os poderes e funções do
Estado: a política, a justiça, a administração e a
economia.
Todos os grupos sociais estavam subjugados ao poder
do rei.
A ideia do direito divino dos reis, defendia-se que,
como o rei recebia o poder directamente de Deus ,
todos os súbitos lhe deviam respeito total e obediência.
O antigo regime
Reis absolutistas portugueses

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O Antigo Regime Francês
O Antigo Regime FrancêsO Antigo Regime Francês
O Antigo Regime Francês
Lucas Aguiar Ximenes
 
O Antigo Regime.
O Antigo Regime.O Antigo Regime.
O Antigo Regime.
MarceloFreitas
 
2 O Antigo Regime Em Portugal Na 1ª Metade SéC. Xviii
2   O Antigo Regime Em Portugal Na 1ª Metade SéC. Xviii2   O Antigo Regime Em Portugal Na 1ª Metade SéC. Xviii
2 O Antigo Regime Em Portugal Na 1ª Metade SéC. Xviii
Hist8
 
Antigo Regime
Antigo RegimeAntigo Regime
30 absolutismo e mercantilismo numa sociedade de ordens
30   absolutismo e mercantilismo numa sociedade de ordens30   absolutismo e mercantilismo numa sociedade de ordens
30 absolutismo e mercantilismo numa sociedade de ordens
Carla Freitas
 
Antigo Regime
Antigo RegimeAntigo Regime
Antigo Regime
Rodrigo Vaz Rui
 
O Antigo Regime
O Antigo RegimeO Antigo Regime
O Antigo Regime
Giana Araujo
 
Hegemonia inglesa
Hegemonia inglesaHegemonia inglesa
Hegemonia inglesa
cattonia
 
Política económica - século XVIII
Política económica - século XVIIIPolítica económica - século XVIII
Política económica - século XVIII
Maria Gomes
 
Apontamentos HistóRia 8º Ano
Apontamentos HistóRia 8º AnoApontamentos HistóRia 8º Ano
Apontamentos HistóRia 8º Ano
turma8bjoaofranco
 
Mercantilismo
MercantilismoMercantilismo
Mercantilismo
harlissoncarvalho
 
Portugal na Europa do Antigo Regime
Portugal na Europa do Antigo RegimePortugal na Europa do Antigo Regime
Portugal na Europa do Antigo Regime
Carlos Pinheiro
 
ABSOLUTISMO-MERCANTILISMO-BARROCO
ABSOLUTISMO-MERCANTILISMO-BARROCOABSOLUTISMO-MERCANTILISMO-BARROCO
ABSOLUTISMO-MERCANTILISMO-BARROCO
osemprefixe
 
Antigo regime e iluminismo
Antigo regime e iluminismo Antigo regime e iluminismo
Antigo regime e iluminismo
inessalgado
 
3. hesitações do crescimento
3. hesitações do crescimento3. hesitações do crescimento
3. hesitações do crescimento
cattonia
 
Mineração e Crise do Sistema Colonial
Mineração e Crise do Sistema ColonialMineração e Crise do Sistema Colonial
Mineração e Crise do Sistema Colonial
João Medeiros
 
Mercantilismo
MercantilismoMercantilismo
Mercantilismo
cattonia
 
29 crise, união ibérica, restauração
29   crise, união ibérica, restauração29   crise, união ibérica, restauração
29 crise, união ibérica, restauração
Carla Freitas
 
O Equilã­Brio Europeu E A Disputa Das ãReas
O Equilã­Brio Europeu E A Disputa Das ãReasO Equilã­Brio Europeu E A Disputa Das ãReas
O Equilã­Brio Europeu E A Disputa Das ãReas
josepedrosilva
 
Rebelioes coloniais
Rebelioes coloniaisRebelioes coloniais
Rebelioes coloniais
Aparecido Alcântara
 

Mais procurados (20)

O Antigo Regime Francês
O Antigo Regime FrancêsO Antigo Regime Francês
O Antigo Regime Francês
 
O Antigo Regime.
O Antigo Regime.O Antigo Regime.
O Antigo Regime.
 
2 O Antigo Regime Em Portugal Na 1ª Metade SéC. Xviii
2   O Antigo Regime Em Portugal Na 1ª Metade SéC. Xviii2   O Antigo Regime Em Portugal Na 1ª Metade SéC. Xviii
2 O Antigo Regime Em Portugal Na 1ª Metade SéC. Xviii
 
Antigo Regime
Antigo RegimeAntigo Regime
Antigo Regime
 
30 absolutismo e mercantilismo numa sociedade de ordens
30   absolutismo e mercantilismo numa sociedade de ordens30   absolutismo e mercantilismo numa sociedade de ordens
30 absolutismo e mercantilismo numa sociedade de ordens
 
Antigo Regime
Antigo RegimeAntigo Regime
Antigo Regime
 
O Antigo Regime
O Antigo RegimeO Antigo Regime
O Antigo Regime
 
Hegemonia inglesa
Hegemonia inglesaHegemonia inglesa
Hegemonia inglesa
 
Política económica - século XVIII
Política económica - século XVIIIPolítica económica - século XVIII
Política económica - século XVIII
 
Apontamentos HistóRia 8º Ano
Apontamentos HistóRia 8º AnoApontamentos HistóRia 8º Ano
Apontamentos HistóRia 8º Ano
 
Mercantilismo
MercantilismoMercantilismo
Mercantilismo
 
Portugal na Europa do Antigo Regime
Portugal na Europa do Antigo RegimePortugal na Europa do Antigo Regime
Portugal na Europa do Antigo Regime
 
ABSOLUTISMO-MERCANTILISMO-BARROCO
ABSOLUTISMO-MERCANTILISMO-BARROCOABSOLUTISMO-MERCANTILISMO-BARROCO
ABSOLUTISMO-MERCANTILISMO-BARROCO
 
Antigo regime e iluminismo
Antigo regime e iluminismo Antigo regime e iluminismo
Antigo regime e iluminismo
 
3. hesitações do crescimento
3. hesitações do crescimento3. hesitações do crescimento
3. hesitações do crescimento
 
Mineração e Crise do Sistema Colonial
Mineração e Crise do Sistema ColonialMineração e Crise do Sistema Colonial
Mineração e Crise do Sistema Colonial
 
Mercantilismo
MercantilismoMercantilismo
Mercantilismo
 
29 crise, união ibérica, restauração
29   crise, união ibérica, restauração29   crise, união ibérica, restauração
29 crise, união ibérica, restauração
 
O Equilã­Brio Europeu E A Disputa Das ãReas
O Equilã­Brio Europeu E A Disputa Das ãReasO Equilã­Brio Europeu E A Disputa Das ãReas
O Equilã­Brio Europeu E A Disputa Das ãReas
 
Rebelioes coloniais
Rebelioes coloniaisRebelioes coloniais
Rebelioes coloniais
 

Semelhante a O antigo regime

Antigo regime - história
Antigo regime - históriaAntigo regime - história
Antigo regime - história
baixinha tareca
 
Antigo regime
Antigo regimeAntigo regime
Antigo regime
helenacompleto
 
O feudalismo e o mercantilismo
O feudalismo e o mercantilismoO feudalismo e o mercantilismo
O feudalismo e o mercantilismo
Eryka Fernanda
 
O Feudalismo.pptx
O Feudalismo.pptxO Feudalismo.pptx
O Feudalismo.pptx
RafaelyLeite1
 
Absolutismo 8
Absolutismo 8Absolutismo 8
Absolutismo 8
Jorge Basílio
 
Absolutismo e rev. burguesa
Absolutismo e rev. burguesaAbsolutismo e rev. burguesa
Absolutismo e rev. burguesa
Dirair
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
Aulas de História
 
o mercantilismo, a uniao iberica e o ouro do brasil e a falencia do mercantil...
o mercantilismo, a uniao iberica e o ouro do brasil e a falencia do mercantil...o mercantilismo, a uniao iberica e o ouro do brasil e a falencia do mercantil...
o mercantilismo, a uniao iberica e o ouro do brasil e a falencia do mercantil...
qpsarahslide
 
Revolução..
Revolução..Revolução..
Revolução..
Isabella Silva
 
REVOLUÇÕES INGLESAS_Revolução puritana; Revolução Gloriosa
REVOLUÇÕES INGLESAS_Revolução puritana; Revolução GloriosaREVOLUÇÕES INGLESAS_Revolução puritana; Revolução Gloriosa
REVOLUÇÕES INGLESAS_Revolução puritana; Revolução Gloriosa
profektananuska
 
Revoluã§ã£o francesa
Revoluã§ã£o francesaRevoluã§ã£o francesa
Revoluã§ã£o francesa
alunoitv
 
Antigo regime
Antigo regimeAntigo regime
Antigo regime
dmflores21
 
O Antigo Regime em Portugal - Raquel Bruno nº25; Rosianne Raimundo nº28.pptx
O Antigo Regime em Portugal - Raquel Bruno nº25; Rosianne Raimundo nº28.pptxO Antigo Regime em Portugal - Raquel Bruno nº25; Rosianne Raimundo nº28.pptx
O Antigo Regime em Portugal - Raquel Bruno nº25; Rosianne Raimundo nº28.pptx
RosianneRaimundo
 
Brasil Colonial
Brasil ColonialBrasil Colonial
Absolutismo
AbsolutismoAbsolutismo
Absolutismo
Carlos Vieira
 
O sistema colonial português na américa
O sistema colonial português na américaO sistema colonial português na américa
O sistema colonial português na américa
Daniel IX
 
Portugal no contexto europeu do Século XII a XIV
Portugal no contexto europeu do Século XII a XIVPortugal no contexto europeu do Século XII a XIV
Portugal no contexto europeu do Século XII a XIV
Carlos Vieira
 
História 11ºano ( matéria do 1º período)
 História 11ºano ( matéria do 1º período) História 11ºano ( matéria do 1º período)
História 11ºano ( matéria do 1º período)
Andreia Pacheco
 
Resumo sobre a a matéria (O antigo regime) de 8ºano.
Resumo sobre a a matéria (O antigo regime) de 8ºano. Resumo sobre a a matéria (O antigo regime) de 8ºano.
Resumo sobre a a matéria (O antigo regime) de 8ºano.
HizqeelMajoka
 
Rev francesa 1ª parte
Rev francesa  1ª parteRev francesa  1ª parte
Rev francesa 1ª parte
Carla Teixeira
 

Semelhante a O antigo regime (20)

Antigo regime - história
Antigo regime - históriaAntigo regime - história
Antigo regime - história
 
Antigo regime
Antigo regimeAntigo regime
Antigo regime
 
O feudalismo e o mercantilismo
O feudalismo e o mercantilismoO feudalismo e o mercantilismo
O feudalismo e o mercantilismo
 
O Feudalismo.pptx
O Feudalismo.pptxO Feudalismo.pptx
O Feudalismo.pptx
 
Absolutismo 8
Absolutismo 8Absolutismo 8
Absolutismo 8
 
Absolutismo e rev. burguesa
Absolutismo e rev. burguesaAbsolutismo e rev. burguesa
Absolutismo e rev. burguesa
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
 
o mercantilismo, a uniao iberica e o ouro do brasil e a falencia do mercantil...
o mercantilismo, a uniao iberica e o ouro do brasil e a falencia do mercantil...o mercantilismo, a uniao iberica e o ouro do brasil e a falencia do mercantil...
o mercantilismo, a uniao iberica e o ouro do brasil e a falencia do mercantil...
 
Revolução..
Revolução..Revolução..
Revolução..
 
REVOLUÇÕES INGLESAS_Revolução puritana; Revolução Gloriosa
REVOLUÇÕES INGLESAS_Revolução puritana; Revolução GloriosaREVOLUÇÕES INGLESAS_Revolução puritana; Revolução Gloriosa
REVOLUÇÕES INGLESAS_Revolução puritana; Revolução Gloriosa
 
Revoluã§ã£o francesa
Revoluã§ã£o francesaRevoluã§ã£o francesa
Revoluã§ã£o francesa
 
Antigo regime
Antigo regimeAntigo regime
Antigo regime
 
O Antigo Regime em Portugal - Raquel Bruno nº25; Rosianne Raimundo nº28.pptx
O Antigo Regime em Portugal - Raquel Bruno nº25; Rosianne Raimundo nº28.pptxO Antigo Regime em Portugal - Raquel Bruno nº25; Rosianne Raimundo nº28.pptx
O Antigo Regime em Portugal - Raquel Bruno nº25; Rosianne Raimundo nº28.pptx
 
Brasil Colonial
Brasil ColonialBrasil Colonial
Brasil Colonial
 
Absolutismo
AbsolutismoAbsolutismo
Absolutismo
 
O sistema colonial português na américa
O sistema colonial português na américaO sistema colonial português na américa
O sistema colonial português na américa
 
Portugal no contexto europeu do Século XII a XIV
Portugal no contexto europeu do Século XII a XIVPortugal no contexto europeu do Século XII a XIV
Portugal no contexto europeu do Século XII a XIV
 
História 11ºano ( matéria do 1º período)
 História 11ºano ( matéria do 1º período) História 11ºano ( matéria do 1º período)
História 11ºano ( matéria do 1º período)
 
Resumo sobre a a matéria (O antigo regime) de 8ºano.
Resumo sobre a a matéria (O antigo regime) de 8ºano. Resumo sobre a a matéria (O antigo regime) de 8ºano.
Resumo sobre a a matéria (O antigo regime) de 8ºano.
 
Rev francesa 1ª parte
Rev francesa  1ª parteRev francesa  1ª parte
Rev francesa 1ª parte
 

Mais de Marcelo Ferreira Boia

Hebreus fenicios e persas
Hebreus fenicios e persasHebreus fenicios e persas
Hebreus fenicios e persas
Marcelo Ferreira Boia
 
Africa antes-dos-europeus
Africa antes-dos-europeusAfrica antes-dos-europeus
Africa antes-dos-europeus
Marcelo Ferreira Boia
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
Marcelo Ferreira Boia
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
Marcelo Ferreira Boia
 
Era Vargas 1
Era Vargas 1Era Vargas 1
Era Vargas 1
Marcelo Ferreira Boia
 
Era Vargas
Era Vargas Era Vargas
O nazi fascismo
O nazi fascismo O nazi fascismo
O nazi fascismo
Marcelo Ferreira Boia
 
O nazi fascismo
O nazi fascismo O nazi fascismo
O nazi fascismo
Marcelo Ferreira Boia
 
Crise de 1929 oficial
Crise de 1929 oficial Crise de 1929 oficial
Crise de 1929 oficial
Marcelo Ferreira Boia
 
O que é conhecimento
O que é conhecimentoO que é conhecimento
O que é conhecimento
Marcelo Ferreira Boia
 
Brasil colonia 2
Brasil colonia 2 Brasil colonia 2
Brasil colonia 2
Marcelo Ferreira Boia
 
Processo de colonização do brasil
Processo de colonização do brasilProcesso de colonização do brasil
Processo de colonização do brasil
Marcelo Ferreira Boia
 
Brasil colnia 2
Brasil colnia 2 Brasil colnia 2
Brasil colnia 2
Marcelo Ferreira Boia
 
America espanhola
America espanhola America espanhola
America espanhola
Marcelo Ferreira Boia
 
America espanhola (1)
America espanhola (1)America espanhola (1)
America espanhola (1)
Marcelo Ferreira Boia
 
Reformas religiosas
Reformas religiosas Reformas religiosas
Reformas religiosas
Marcelo Ferreira Boia
 
Renascimento cultural
Renascimento culturalRenascimento cultural
Renascimento cultural
Marcelo Ferreira Boia
 
A formacao das monarquias nacionais
A formacao das monarquias nacionais A formacao das monarquias nacionais
A formacao das monarquias nacionais
Marcelo Ferreira Boia
 
Primeira guerra-mundial
Primeira guerra-mundialPrimeira guerra-mundial
Primeira guerra-mundial
Marcelo Ferreira Boia
 
Mesopotamia
MesopotamiaMesopotamia

Mais de Marcelo Ferreira Boia (20)

Hebreus fenicios e persas
Hebreus fenicios e persasHebreus fenicios e persas
Hebreus fenicios e persas
 
Africa antes-dos-europeus
Africa antes-dos-europeusAfrica antes-dos-europeus
Africa antes-dos-europeus
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
 
Era Vargas 1
Era Vargas 1Era Vargas 1
Era Vargas 1
 
Era Vargas
Era Vargas Era Vargas
Era Vargas
 
O nazi fascismo
O nazi fascismo O nazi fascismo
O nazi fascismo
 
O nazi fascismo
O nazi fascismo O nazi fascismo
O nazi fascismo
 
Crise de 1929 oficial
Crise de 1929 oficial Crise de 1929 oficial
Crise de 1929 oficial
 
O que é conhecimento
O que é conhecimentoO que é conhecimento
O que é conhecimento
 
Brasil colonia 2
Brasil colonia 2 Brasil colonia 2
Brasil colonia 2
 
Processo de colonização do brasil
Processo de colonização do brasilProcesso de colonização do brasil
Processo de colonização do brasil
 
Brasil colnia 2
Brasil colnia 2 Brasil colnia 2
Brasil colnia 2
 
America espanhola
America espanhola America espanhola
America espanhola
 
America espanhola (1)
America espanhola (1)America espanhola (1)
America espanhola (1)
 
Reformas religiosas
Reformas religiosas Reformas religiosas
Reformas religiosas
 
Renascimento cultural
Renascimento culturalRenascimento cultural
Renascimento cultural
 
A formacao das monarquias nacionais
A formacao das monarquias nacionais A formacao das monarquias nacionais
A formacao das monarquias nacionais
 
Primeira guerra-mundial
Primeira guerra-mundialPrimeira guerra-mundial
Primeira guerra-mundial
 
Mesopotamia
MesopotamiaMesopotamia
Mesopotamia
 

Último

Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docxPlanejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
marcos oliveira
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
DirceuSilva26
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
pattyhsilva271204
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 

Último (20)

FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docxPlanejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 

O antigo regime

  • 2. O ANTIGO REGIME Período histórico que vai desde o século XVI ao século XVIII
  • 3. A economia europeia  Nos séculos XVI e XVII assistiu-se ao nascimento de uma economia à escala mundial, marcada pelo desenvolvimento do comércio.  Contudo, apesar da intensificação dos tráficos comerciais a principal actividade económica do Antigo regime continuou a ser a agricultura.
  • 5. O mundo rural encontrava-se mergulhado numa profunda estagnação. Porquê?
  • 6. O peso da agricultura
  • 7.  Os sistemas de cultivo eram pouco eficazes (ainda vigorava o pousio) e as alfaias agrícolas arcaicas (muitas ainda eram de madeira).
  • 8.  As terras estavam nas mãos da nobreza e do clero, proprietários com pouca propensão para investir e modernizar as explorações.  A carga fiscal sobre os camponeses era elevada.  Os camponeses ao trabalharem em terras que não eram suas levava-os a não fazerem investimentos.
  • 9. A principal actividade económica de Portugal , no século XVII, era a agricultura. -Esta apresentava baixos níveis de produtividade porque: - utilizava técnicas e instrumentos agrícolas arcaicos; - a maior parte das terras pertencia ao rei , ao clero ou à nobreza e não eram convenientemente exploradas. 
  • 10. O mercantilismo O meu objectivo é tornar o país mais opulento… abundante em mercadorias e rico nas artes…
  • 11.  Os reis absolutistas empenharam-se em desenvolver a riqueza dos seus países para imporem a grandeza dos estado aos seus súbditos e aos Estados Estrangeiros.  Com esse objectivo desenvolveram o mercantilismo.
  • 12.  Doutrina económica proteccionista que defendia a ideia que a riqueza de um país dependia da quantidade de metal precioso que a Coroa retinha nos seus cofres.
  • 14. Era necessário…      Desenvolver o fabrico nacional dos produtos mais importados; Alterar as taxas aduaneiras , para que os produtos importados pagassem altos impostos, elevando o seu preço no mercado, favorecendo a produção interna; Isenção de impostos a determinadas empresas; Contratação de técnicos estrangeiros especializados, Criação e protecção de manufacturas.
  • 15. O Mercantilismo em Portugal  Portugal estava a atravessar uma crise económica.  Por volta de 1670, o país foi afectado por uma crise comercial.  O açúcar brasileiro enfrentou a concorrência directa do açúcar das Antilhas , o que fez cair o seu custo e diminuir as vendas.
  • 16. Face a esta crise comercial o conde da Ericeira, ministro do rei D. Pedro II promove algumas medidas mercantilistas
  • 17.  Desenvolveu as manufacturas dos lanifícios , na Covilhã, no Fundão e em Portalegre, e a indústria da seda, em Lisboa;  Concedeu subsídios a quem instalasse uma manufactura em Portugal;  Incentivou a vinda de técnicos estrangeiros especializados;  Publicou leis pragmáticas.
  • 18. As pragmáticas «Nenhuma pessoa se poderá vestir de pano que não seja fabricado neste reino; como também não poderá usar de voltas, de rendas, cintos, talins, e chapéus que não sejam feitos nele.» Pragmática de 25 de Janeiro de 1677
  • 19. Distribuição das manufacturas em Portugal, na primeira metade do século XVII
  • 20. No norte da Europa ,a Inglaterra e os Países Baixos tinham uma agricultura mais . desenvolvida
  • 21. A sociedade de ordens  A sociedade do Antigo Regime era hierarquizada e estratificada em ordens.
  • 23.  Ocupava-se do culto, do ensino e da assistência.  Os bispos e os abades viviam de forma faustosa com privilégios de verdadeiros senhores.  Recebia doações, quer do rei, quer de particulares; a dízima.  Os párocos e os monges viviam modestamente, por vezes com inúmeras dificuldades.  Os rendimentos do clero provinham das suas terras e das rendas que cobravam.  Os seus membros eram julgados em tribunais próprios (direito canónico) e não cumpriam serviço militar.
  • 25.  Tinha funções militares e ocupava cargos na administração e na política.  Possuía extensas propriedades.  Recebia rendas e prestação de serviço dos camponeses que trabalhavam nas suas terras.
  • 26.  Dividia-se em vários estratos:  Nobreza de espada (guerreira, rural, tradicional), que vivia nas suas terras, perdendo cada vez mais prestígios.  Nobreza de toga (corte), que exercia os mais cargos da administração pública , dependia do rei e vivia faustosamente na corte.
  • 28.  Não possuía quaisquer privilégios e era ele que assegurava as actividades produtivas.
  • 29.      O povo era constituído por muitos estratos sociais, entre eles destacava-se a burguesia. A alta burguesia estava ligada ao comércio e aos negócios do ultramar. A média e a baixa burguesia era composta pelos comerciantes e artesãos. Abaixo deste estavam os camponeses e os assalariados rurais ou urbanos. Na base da sociedade estavam os mendigos e o terceiro estado.
  • 30.    Na sociedade do Antigo regime havia fraca mobilidade social. A ascensão da sociedade, embora fosse possível, era muito rara. Alguns elementos do terceiro estado podiam passar à nobreza comprando os títulos como recompensa pelos serviços prestados ao reino.
  • 33. O poder absoluto    O rei concentrava em si todos os poderes e funções do Estado: a política, a justiça, a administração e a economia. Todos os grupos sociais estavam subjugados ao poder do rei. A ideia do direito divino dos reis, defendia-se que, como o rei recebia o poder directamente de Deus , todos os súbitos lhe deviam respeito total e obediência.