SlideShare uma empresa Scribd logo
TEORIA RACIONALISTA
A ORIGEM DO CONHECIMENTO
“A origem do conhecimento é a razão”
R. Descartes
A teoria racionalista
Esta teoria utiliza como fonte de conhecimento a razão/ pensamento.
É utilizada a razão pois esta garante uma aquisição/ justificação do
conhecimento sem recorrer à experiência ( a priori ).
Nesta teoria os sentidos são desprezados como fonte de conhecimento,
visto que este tem de satisfazer dois critérios: lógica e universalidade.
O ideal do conhecimento pressupõe a natureza dedutiva do saber (a
partir de premissas claras e disjuntivas), onde o que é descoberto é
consequência do que já foi encontrado e admitido como sendo verdadeiro
e evidente.
Quando a razão julga que uma coisa tem de ser assim é porque é assim
e, portanto, é um conhecimento verdadeiro.
Sabias que…
A preferência pela utilização da razão
começou na Grécia antiga com
Parménides e os eleatas.
Os filósofos racionalistas da
modernidade mais relevantes são,
entre outros, Descartes, Espinosa,
Leibniz.
“A razão por si só constrói um
conhecimento universalmente válido ”
R.Descartes
René Descartes (1596-1650)
Filósofo, físico e matemático francês que estabeleceu os fundamentos
filosóficos do que hoje se denomina ciência moderna.
A sua obra “ discurso do método ” descreve todas as suas principais
ideias, sendo uma delas a conceção tradicional do mundo.
 Principais ideias: “Se nada é seguro, então só o erro é certo” .
Descartes tenta combater o ceticismo, procurando um
método que conduzisse a razão à verdade.
Racionalismo Cartesiano
 Como procede o espirito para construir um conhecimento verdadeiro?
 Qual o critério que permite identificar um conhecimento como
verdadeiro?
 Quem garante esse critério?
Como procede o espirito para construir
um conhecimento verdadeiro?
O esprito deve proceder de forma metódica, de modo a eliminar
qualquer dúvida que possa haver.
Se p é duvidoso, então p é falso.
Se p é evidente, então p é verdadeiro.
Dúvida
Provisória
Hiperbólica
Metódica
Universal
Dúvida Cartesiana
 Metódica : meio utilizado para descobrir o absolutamente certo; é uma
ferramenta da razão que permite evitar o erro.
 Provisória : duvidar tem por finalidade alcançar uma verdade que
resiste à duvida.
 Universal
 Hiperbólica : apenas o certo é indiscutível , sendo que tudo o que não
resiste á dúvida é falso e, por isso, deve ser rejeitado.
Primeiro princípio: cogito
 Rejeitou toda a informação que tem por base os sentidos
 Rejeitou o conhecimento racional
 Rejeitou tudo o que estava na sua mente
Surge uma certeza incontestável: existência do sujeito que duvida.
“Penso, logo existo” Cogito
O Cogito é…
 Uma verdade absolutamente primeira
 Uma verdade estritamente racional
 Uma verdade exclusivamente a priori
 Uma verdade indubitável
 Uma verdade evidente, uma ideia clara e distinta
Qual o critério que permite identificar
um conhecimento como verdadeiro?
Para um conhecimento ser verdadeiro tem de ser evidente.
Todas as coisas que são concebidas distinta e claramente são verdadeiras.
Tipos de ideias
Ideias
o que está na
mente de
qualquer ser
pensante
Adventícias
Surgem através do
mundo exterior
(experiência)
Inatas
Nascemos com
elas
Factícias
São originadas
na imaginação
Quem garante esse critério?
Sendo que ninguém é perfeito, a ideia de perfeição só pode surgir de
uma fonte, Deus! Logo, como Deus é perfeito tem de existir.
Existe um Deus e tudo depende Dele. Ele não é enganador, portanto,
tudo o que Descartes considera distinta e claramente, é verdadeiro (pois ele
não se pode enganar no que acha de evidência). Assim, a certeza e a
verdade de toda a ciência depende de Deus.
Pilares principais da teoria do
conhecimento
Cogito
 Primeiro conhecimento certo e
distinto que encontra
Deus
 Garante que sempre que
encontrar algo mais com carater
de evidência, pode considera-lo
verdadeiro
O que o pensamento descobre como evidente existe
Críticas ao racionalismo cartesiano
 Exclusivista
A razão é a única fonte de conhecimento, visto que a experiência
não é fidedigna. Tendo em conta isto, Descartes afirma que pessoas sem
experiência nenhuma têm ponto de partida para o conhecimento, mas os
seus critérios defendem que não.
 Dogmático
Aceita-se tudo depois de chegar à conclusão daquilo que acredita.
Com a razão pode-se conhecer tudo.
 Circular
É acusado de petição de princípio.
 Afirma a existência como predicado
Descartes deduz a sua existência a partir de Deus, mas Kant
considera este argumento falso, visto que a “existência” não é uma
qualidade. Ou seja, há uma passagem da ordem da lógica para a
ontológica.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A filosofia moral de kant
A filosofia moral de kantA filosofia moral de kant
A filosofia moral de kant
Filazambuja
 
Hume
HumeHume
11º b final
11º b   final11º b   final
11º b final
j_sdias
 
O empirismo de david hume
O empirismo de david humeO empirismo de david hume
O empirismo de david hume
Joana Filipa Rodrigues
 
Sermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesSermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos Peixes
Paula Oliveira Cruz
 
A definição tradicional de conhecimento
A definição tradicional de conhecimentoA definição tradicional de conhecimento
A definição tradicional de conhecimento
Luis De Sousa Rodrigues
 
Listas das falácias informais
Listas das falácias informaisListas das falácias informais
Listas das falácias informais
Isabel Moura
 
Teorias Explicativas do Conhecimento - Descartes
Teorias Explicativas do Conhecimento - DescartesTeorias Explicativas do Conhecimento - Descartes
Teorias Explicativas do Conhecimento - Descartes
Jorge Barbosa
 
Teorias Explicativas do Conhecimento - Hume
Teorias Explicativas do Conhecimento - HumeTeorias Explicativas do Conhecimento - Hume
Teorias Explicativas do Conhecimento - Hume
Jorge Barbosa
 
falácias informais
falácias informaisfalácias informais
falácias informais
Isabel Moura
 
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Alexandra Madail
 
Descartes críticas
Descartes críticasDescartes críticas
Descartes críticas
Helena Serrão
 
Objectividade científica e racionalidade científica
Objectividade científica e racionalidade científicaObjectividade científica e racionalidade científica
Objectividade científica e racionalidade científica
AMLDRP
 
A crença na ideia de conexão necessária
A crença na ideia de conexão necessáriaA crença na ideia de conexão necessária
A crença na ideia de conexão necessária
Luis De Sousa Rodrigues
 
Frei Luís de Sousa, síntese
Frei Luís de Sousa, sínteseFrei Luís de Sousa, síntese
Frei Luís de Sousa, síntese
Maria Teresa Soveral
 
David hume e o Empirismo
David hume e o EmpirismoDavid hume e o Empirismo
David hume e o Empirismo
Joana Filipa Rodrigues
 
Estrutura do Sermão de Santo António aos Peixes
Estrutura do Sermão de Santo António aos PeixesEstrutura do Sermão de Santo António aos Peixes
Estrutura do Sermão de Santo António aos Peixes
António Fernandes
 
Argumento a favor da existência de deus
Argumento a favor da existência de deusArgumento a favor da existência de deus
Argumento a favor da existência de deus
Isabel Moura
 
Cap v repreensões particular
Cap v repreensões particularCap v repreensões particular
Cap v repreensões particular
Helena Coutinho
 
Cap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geralCap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geral
Helena Coutinho
 

Mais procurados (20)

A filosofia moral de kant
A filosofia moral de kantA filosofia moral de kant
A filosofia moral de kant
 
Hume
HumeHume
Hume
 
11º b final
11º b   final11º b   final
11º b final
 
O empirismo de david hume
O empirismo de david humeO empirismo de david hume
O empirismo de david hume
 
Sermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesSermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos Peixes
 
A definição tradicional de conhecimento
A definição tradicional de conhecimentoA definição tradicional de conhecimento
A definição tradicional de conhecimento
 
Listas das falácias informais
Listas das falácias informaisListas das falácias informais
Listas das falácias informais
 
Teorias Explicativas do Conhecimento - Descartes
Teorias Explicativas do Conhecimento - DescartesTeorias Explicativas do Conhecimento - Descartes
Teorias Explicativas do Conhecimento - Descartes
 
Teorias Explicativas do Conhecimento - Hume
Teorias Explicativas do Conhecimento - HumeTeorias Explicativas do Conhecimento - Hume
Teorias Explicativas do Conhecimento - Hume
 
falácias informais
falácias informaisfalácias informais
falácias informais
 
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
 
Descartes críticas
Descartes críticasDescartes críticas
Descartes críticas
 
Objectividade científica e racionalidade científica
Objectividade científica e racionalidade científicaObjectividade científica e racionalidade científica
Objectividade científica e racionalidade científica
 
A crença na ideia de conexão necessária
A crença na ideia de conexão necessáriaA crença na ideia de conexão necessária
A crença na ideia de conexão necessária
 
Frei Luís de Sousa, síntese
Frei Luís de Sousa, sínteseFrei Luís de Sousa, síntese
Frei Luís de Sousa, síntese
 
David hume e o Empirismo
David hume e o EmpirismoDavid hume e o Empirismo
David hume e o Empirismo
 
Estrutura do Sermão de Santo António aos Peixes
Estrutura do Sermão de Santo António aos PeixesEstrutura do Sermão de Santo António aos Peixes
Estrutura do Sermão de Santo António aos Peixes
 
Argumento a favor da existência de deus
Argumento a favor da existência de deusArgumento a favor da existência de deus
Argumento a favor da existência de deus
 
Cap v repreensões particular
Cap v repreensões particularCap v repreensões particular
Cap v repreensões particular
 
Cap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geralCap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geral
 

Semelhante a Teoria racionalista de Descartes

Racionalismo - Filosofia
Racionalismo - FilosofiaRacionalismo - Filosofia
Racionalismo - Filosofia
Carson Souza
 
Racionalismo
RacionalismoRacionalismo
Racionalismo
Pelo Siro
 
Racionalismo
RacionalismoRacionalismo
Racionalismo
Pelo Siro
 
Racionalismo - Descartes
Racionalismo - Descartes  Racionalismo - Descartes
Racionalismo - Descartes
Daniela Filipa Sousa
 
O racionalismo de Descartes.pptx
O racionalismo de Descartes.pptxO racionalismo de Descartes.pptx
O racionalismo de Descartes.pptx
IaraCaldeira2
 
Descartes - Trab grupo III
Descartes - Trab grupo IIIDescartes - Trab grupo III
Descartes - Trab grupo III
mluisavalente
 
Resumo filosofia (3)
Resumo filosofia (3)Resumo filosofia (3)
Resumo filosofia (3)
Mateus Ferraz
 
resumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdf
resumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdfresumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdf
resumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdf
TamraSilva
 
Sem título 1
Sem título 1Sem título 1
Sem título 1
Lair Melo
 
René Descartes
René DescartesRené Descartes
René Descartes
Iga Almeida
 
Ae ci11 prep_exame_nacional
Ae ci11 prep_exame_nacionalAe ci11 prep_exame_nacional
Ae ci11 prep_exame_nacional
j_sdias
 
Resumos de Filosofia- Racionalismo e Empirismo
Resumos de Filosofia- Racionalismo e EmpirismoResumos de Filosofia- Racionalismo e Empirismo
Resumos de Filosofia- Racionalismo e Empirismo
Ana Catarina
 
Descartes - Trab. Grupo IV
Descartes - Trab. Grupo IVDescartes - Trab. Grupo IV
Descartes - Trab. Grupo IV
mluisavalente
 
O racionalismo
O racionalismoO racionalismo
O racionalismo
Alison Nunes
 
Ppt o racionalismo de descartes
Ppt o racionalismo de descartesPpt o racionalismo de descartes
Ppt o racionalismo de descartes
AnaKlein1
 
Aula 07 - Descartes e o Racionalismo
Aula 07 - Descartes e o RacionalismoAula 07 - Descartes e o Racionalismo
Aula 07 - Descartes e o Racionalismo
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Unidade2 capiiteoriasexplicativasdoconhecimento-110227081909-phpapp01
Unidade2 capiiteoriasexplicativasdoconhecimento-110227081909-phpapp01Unidade2 capiiteoriasexplicativasdoconhecimento-110227081909-phpapp01
Unidade2 capiiteoriasexplicativasdoconhecimento-110227081909-phpapp01
gildapirescosta
 
Filosofia do conhecimento; síntese
Filosofia do conhecimento; sínteseFilosofia do conhecimento; síntese
Filosofia do conhecimento; síntese
Ana Felizardo
 
Princípios da Filosofia de Descartes
 Princípios da Filosofia de Descartes Princípios da Filosofia de Descartes
Princípios da Filosofia de Descartes
martinho_nuno
 
A Dúvida Cartesiana/metódica
A Dúvida Cartesiana/metódicaA Dúvida Cartesiana/metódica
A Dúvida Cartesiana/metódica
Pedro Rocha Da Silva
 

Semelhante a Teoria racionalista de Descartes (20)

Racionalismo - Filosofia
Racionalismo - FilosofiaRacionalismo - Filosofia
Racionalismo - Filosofia
 
Racionalismo
RacionalismoRacionalismo
Racionalismo
 
Racionalismo
RacionalismoRacionalismo
Racionalismo
 
Racionalismo - Descartes
Racionalismo - Descartes  Racionalismo - Descartes
Racionalismo - Descartes
 
O racionalismo de Descartes.pptx
O racionalismo de Descartes.pptxO racionalismo de Descartes.pptx
O racionalismo de Descartes.pptx
 
Descartes - Trab grupo III
Descartes - Trab grupo IIIDescartes - Trab grupo III
Descartes - Trab grupo III
 
Resumo filosofia (3)
Resumo filosofia (3)Resumo filosofia (3)
Resumo filosofia (3)
 
resumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdf
resumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdfresumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdf
resumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdf
 
Sem título 1
Sem título 1Sem título 1
Sem título 1
 
René Descartes
René DescartesRené Descartes
René Descartes
 
Ae ci11 prep_exame_nacional
Ae ci11 prep_exame_nacionalAe ci11 prep_exame_nacional
Ae ci11 prep_exame_nacional
 
Resumos de Filosofia- Racionalismo e Empirismo
Resumos de Filosofia- Racionalismo e EmpirismoResumos de Filosofia- Racionalismo e Empirismo
Resumos de Filosofia- Racionalismo e Empirismo
 
Descartes - Trab. Grupo IV
Descartes - Trab. Grupo IVDescartes - Trab. Grupo IV
Descartes - Trab. Grupo IV
 
O racionalismo
O racionalismoO racionalismo
O racionalismo
 
Ppt o racionalismo de descartes
Ppt o racionalismo de descartesPpt o racionalismo de descartes
Ppt o racionalismo de descartes
 
Aula 07 - Descartes e o Racionalismo
Aula 07 - Descartes e o RacionalismoAula 07 - Descartes e o Racionalismo
Aula 07 - Descartes e o Racionalismo
 
Unidade2 capiiteoriasexplicativasdoconhecimento-110227081909-phpapp01
Unidade2 capiiteoriasexplicativasdoconhecimento-110227081909-phpapp01Unidade2 capiiteoriasexplicativasdoconhecimento-110227081909-phpapp01
Unidade2 capiiteoriasexplicativasdoconhecimento-110227081909-phpapp01
 
Filosofia do conhecimento; síntese
Filosofia do conhecimento; sínteseFilosofia do conhecimento; síntese
Filosofia do conhecimento; síntese
 
Princípios da Filosofia de Descartes
 Princípios da Filosofia de Descartes Princípios da Filosofia de Descartes
Princípios da Filosofia de Descartes
 
A Dúvida Cartesiana/metódica
A Dúvida Cartesiana/metódicaA Dúvida Cartesiana/metódica
A Dúvida Cartesiana/metódica
 

Último

escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
antonio carlos
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
jetroescola
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
marcos oliveira
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
Mary Alvarenga
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p..._jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
marcos oliveira
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Falcão Brasil
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p..._jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
 

Teoria racionalista de Descartes

  • 2. “A origem do conhecimento é a razão” R. Descartes
  • 3. A teoria racionalista Esta teoria utiliza como fonte de conhecimento a razão/ pensamento. É utilizada a razão pois esta garante uma aquisição/ justificação do conhecimento sem recorrer à experiência ( a priori ). Nesta teoria os sentidos são desprezados como fonte de conhecimento, visto que este tem de satisfazer dois critérios: lógica e universalidade.
  • 4. O ideal do conhecimento pressupõe a natureza dedutiva do saber (a partir de premissas claras e disjuntivas), onde o que é descoberto é consequência do que já foi encontrado e admitido como sendo verdadeiro e evidente. Quando a razão julga que uma coisa tem de ser assim é porque é assim e, portanto, é um conhecimento verdadeiro.
  • 5. Sabias que… A preferência pela utilização da razão começou na Grécia antiga com Parménides e os eleatas. Os filósofos racionalistas da modernidade mais relevantes são, entre outros, Descartes, Espinosa, Leibniz.
  • 6. “A razão por si só constrói um conhecimento universalmente válido ” R.Descartes
  • 7. René Descartes (1596-1650) Filósofo, físico e matemático francês que estabeleceu os fundamentos filosóficos do que hoje se denomina ciência moderna. A sua obra “ discurso do método ” descreve todas as suas principais ideias, sendo uma delas a conceção tradicional do mundo.  Principais ideias: “Se nada é seguro, então só o erro é certo” . Descartes tenta combater o ceticismo, procurando um método que conduzisse a razão à verdade.
  • 8. Racionalismo Cartesiano  Como procede o espirito para construir um conhecimento verdadeiro?  Qual o critério que permite identificar um conhecimento como verdadeiro?  Quem garante esse critério?
  • 9. Como procede o espirito para construir um conhecimento verdadeiro? O esprito deve proceder de forma metódica, de modo a eliminar qualquer dúvida que possa haver. Se p é duvidoso, então p é falso. Se p é evidente, então p é verdadeiro.
  • 11. Dúvida Cartesiana  Metódica : meio utilizado para descobrir o absolutamente certo; é uma ferramenta da razão que permite evitar o erro.  Provisória : duvidar tem por finalidade alcançar uma verdade que resiste à duvida.  Universal  Hiperbólica : apenas o certo é indiscutível , sendo que tudo o que não resiste á dúvida é falso e, por isso, deve ser rejeitado.
  • 12. Primeiro princípio: cogito  Rejeitou toda a informação que tem por base os sentidos  Rejeitou o conhecimento racional  Rejeitou tudo o que estava na sua mente Surge uma certeza incontestável: existência do sujeito que duvida. “Penso, logo existo” Cogito
  • 13. O Cogito é…  Uma verdade absolutamente primeira  Uma verdade estritamente racional  Uma verdade exclusivamente a priori  Uma verdade indubitável  Uma verdade evidente, uma ideia clara e distinta
  • 14. Qual o critério que permite identificar um conhecimento como verdadeiro? Para um conhecimento ser verdadeiro tem de ser evidente. Todas as coisas que são concebidas distinta e claramente são verdadeiras.
  • 15. Tipos de ideias Ideias o que está na mente de qualquer ser pensante Adventícias Surgem através do mundo exterior (experiência) Inatas Nascemos com elas Factícias São originadas na imaginação
  • 16. Quem garante esse critério? Sendo que ninguém é perfeito, a ideia de perfeição só pode surgir de uma fonte, Deus! Logo, como Deus é perfeito tem de existir. Existe um Deus e tudo depende Dele. Ele não é enganador, portanto, tudo o que Descartes considera distinta e claramente, é verdadeiro (pois ele não se pode enganar no que acha de evidência). Assim, a certeza e a verdade de toda a ciência depende de Deus.
  • 17. Pilares principais da teoria do conhecimento Cogito  Primeiro conhecimento certo e distinto que encontra Deus  Garante que sempre que encontrar algo mais com carater de evidência, pode considera-lo verdadeiro O que o pensamento descobre como evidente existe
  • 18. Críticas ao racionalismo cartesiano  Exclusivista A razão é a única fonte de conhecimento, visto que a experiência não é fidedigna. Tendo em conta isto, Descartes afirma que pessoas sem experiência nenhuma têm ponto de partida para o conhecimento, mas os seus critérios defendem que não.  Dogmático Aceita-se tudo depois de chegar à conclusão daquilo que acredita. Com a razão pode-se conhecer tudo.
  • 19.  Circular É acusado de petição de princípio.  Afirma a existência como predicado Descartes deduz a sua existência a partir de Deus, mas Kant considera este argumento falso, visto que a “existência” não é uma qualidade. Ou seja, há uma passagem da ordem da lógica para a ontológica.

Notas do Editor

  1. beta
  2. Beta Tendo isto em conta, os racionalistas consideram a matemática como sendo o modelo de todo o conhecimento. Por exemplo… quando eu te digo que 2+2=4 tu achas que é verdadeiro ou falso?? Sabes que é verdadeiro porque o teu pensamento te diz que é assim.
  3. beta
  4. É possível conhecer mas não de forma absoluta (Hume)
  5. Estas perguntas irão nos explicar em que consiste o racionalismo cartesiano
  6. Descartes utiliza a duvida como método e instrumento de trabalho na procura de verdades incontestáveis
  7. Beta Fazer pág 155
  8. beta
  9. Para chegar ao primeiro princípio utilizou o seu método da dúvida. Esta é aplicação do seu método Pois os sentidos são enganadores Para não haver erros de raciocínio Porque às vezes os sonhos confundem-se com a vigília Tu para poderes pensar é porque estás vivo.
  10. Pg 158
  11. Beta
  12. beta
  13. Pq para saber que as ideias claras e distintas são vdd tem de saber que deus existe, e vice versa. Lógica- ciência do raciocínio ; Ontológica- estudo do ser