SlideShare uma empresa Scribd logo
Aula 08 - O Empirismo
Aula 8 – O Empirismo
O papel em branco.
Façamos um exercício: desenhe algo que não existe!
Eu tentei em casa e deu isso:
O EMPIRISMO
Fundadores do Empirismo
 Os Fundadores do Empirismo são John Locke e David
Hume.
 David Hume nasceu em Edimburgo 1711 e morreu em
Edimburgo em 1776. Foi um filósofo e historiador que
ficou conhecido pelo seu empirismo radical e cepticismo
filosófico.
 John Locke nasceu em Wrington em 1632 e morreu em
Harlow em 1704. Foi um filósofo inglês e um ideólogo
do liberismo, foi considerado o principal representante
do empirismo britânico.
Empirismo
 O que é?
Experiências
Conhecimen
to
Corrente
Filosófica
Empirismo
Como funciona?
O empirismo acredita que o homem nasce sem
conhecimento, vazio de conhecimento. O princípio deste
modelo são as impressões.
Impressões
Impressã
o
Complex
a
Empirismo
 Como funciona?
Hume verifica que o homem tem por um lado
impressões e por outro lado ideias.
Podemos dizer que a impressão é a sensação
original e a ideia é apenas uma cópia pálida.
Homem
Impressõe
s
Ideias
Sensação
Recordaç
ão
da
sensação
Empirismo
 Como funciona?
A ideia principal do empirismo é que não há
nada na nossa mente que não tenha passado
pelos nossos sentidos. Isto é, temos de usar os
nossos sentidos para obtermos conhecimento.
Empirismo
 Como funciona?
A nossa razão é capaz de juntar ideias resultantes de diferentes
impressões, criando assim uma ideia complexa de algo que não
existe. Por isso Hume teve a preocupação de examinar essas
ideias complexas para:
 Descobrir as ideias simples que as constituem;
 Verificar se essas ideias simples têm ou não uma impressão
correspondente;
 Decidir se são ideias falsas de coisas que não existem na realidade,
por não terem fundamento numa impressão correspondente.
Empirismo
 Como funciona?
Por exemplo nunca ninguém observou Deus, nunca
ninguém teve nenhuma experiência sensível Dele, temos
sim experiência das ideias simples que o constituem, como
"inteligência", "bondade", "sabedoria", etc.. Assim podemos
perceber que a ideia de Deus segundo Hume e falsa pois
não temos nenhuma impressão sensível que lhe
corresponda.
O Empirismo moderno
David Hume
(Escócia, 1711 – 1776)
John Locke
(Inglaterra, 1632 – 1704)
Continuando nossos estudos em teoria do conhecimento
passaremos pelos filósofos da ilha para dar uma “olhada”
na tradição do empirismo.
JOHN LOCKE
John Locke
Nem só de teoria do conhecimento vive o
homem.
 Escreve importantes obras sobre
política, em especial os Dois Tratados
Sobre o Governo, onde questiona as
bases do poder absolutista. Influencia
assim a revolução burguesa e até
mesmo a posterior Revolução Francesa.
É notável sua discussão sobre a luta
pela liberdade individual.
 A partir de sua atuação como médico
acaba ingressando em importantes
círculos políticos da Inglaterra
Ensaio Sobre o Entendimento Humano (1690).
Questão de fundo: seria a nossa mente como um papel em
branco? Como ela é preenchida?
Vamos supor que nossa mente não tenha ideias em si, tal
como um papel em branco onde não haja nada escrito.
Como se pode então escrever algo aí? De onde ela
obtém o vasto estoque que a ocupada e ilimitada
imaginação do homem aí pintou – todos os materiais da
razão e da experiência? A isso respondo em uma
palavra: da experiência. Nossos entendimentos derivam
todos os materiais do pensamento de observações que
fazemos dos objetos externos que podem ser percebidos
através dos sentidos e das operações internas de nossas
mentes, as quais percebemos ao olharmos para dentro
de nós mesmos. Essas são as duas fontes do
conhecimento, das quais emergem todas as ideias que
temos ou que podemos naturalmente ter.
(LOCKE, ECHU, Livro II, cap. 1, §2)
O processo de conhecimento.
Experiência
Objetos exteriores
sensíveis
Percebidos pela SENSAÇÃO:
Percepções dos objetos
externos
Ex: A dureza e frieza do gelo.
O aroma e brancura de uma
flor.
Objetos internos da
mente
Percebidos pela REFLEXÃO:
Operação da mente sobre
si mesma (O que a mente
faz e como faz)
Ex: percepção, dúvida,
vontade
A experiência fornece nossas ideias.
É a partir da experiência que obtemos as ideias, ou seja, aquilo que forma o
nosso entendimento do mundo a partir das qualidades dos objetos.
Estas ideias se dividem em dois tipos maiores:
Ideias simples: qualidades obtidas através da sensação e/ou da reflexão.
Ideias Complexas: produto da combinação e relação de ideias simples.
Façamos a experiência
Quais ideias vêm
à nossa mente
pela experiência
das seguintes?
DAVID HUME
David Hume
Hume é também autor de vasta obra:
Teoria do Conhecimento
 Tratado da Natureza Humana (a obra que nasceu
morta)
 Investigações Sobre o Entendimento Humano.
Além de escritos em outros
campos:
História da Inglaterra
Investigação Sobre os Princípios
da Moral
História Natural da Religião
Como conhecemos as coisas?
PERCEPÇÕES – a experiência é a única fonte de conhecimentos.
Impressões: dados fornecidos pelos sentidos e produções
mentais.
 externas: visão de uma paisagem; audição de um ruído.
 internas: estados emocionais.
Ideias: cópias modificadas das impressões.
 Memória: lembrança enfraquecida de impressões já vividas.
 Imaginação: associação aleatória de impressões já vividas.
Investigações sobre o entendimento
humano (1748)
Que diz o autor?
Todos admitirão sem hesitar que existe uma considerável diferença entre
as percepções da mente quando o homem sente a dor de um calor
excessivo ou o prazer de um ar moderadamente tépido e quando
relembra mais tarde essa sensação ou a antecipa pela imaginação. Essas
faculdades podem remedar ou copiar as percepções dos sentidos, mas
jamais atingirão a força e a vivacidade do sentimento original. O máximo
que podemos dizer delas, mesmo quando operam com todo o seu vigor,
é que representam o objeto de maneira tão viva que quase se poderia
dizer que os vemos ou sentimos. (...)“Todas as cores da poesia, por mais
esplêndidas, jamais poderão pintar os objetos naturais de tal modo que a
descrição seja tomada por uma verdadeira paisagem. O mais vivo
pensamento é ainda inferior à mais embotada das sensações”.
HUME, D. Investigação sobre o entendimento humano. São Paulo: Abril
Cultural, 1973.
Crítica à noção de causalidade
Analisemos a seguinte sentença:
A pedra esquenta porque os raios de sol incidem sobre ela
Quais impressões ela nos fornece?
- Tátil: a pedra esquenta
- Visual: os raios de sol incidem sobre ela
 Mas os sentidos não conseguem provar a vinculação necessária
entre estes eventos.
A conexão entre impressões é produto da crença fundada no hábito.
Pense, como podemos ter certeza de que o sol nascerá amanhã?
As ciências naturais se constroem sobre o hábito. Elas estão baseadas
na frequência e repetição de certos fenômenos, e não na certeza de
que certos efeitos derivam necessariamente de certas causas.
Que diz o autor?
Quando olhamos os objetos exteriores à nossa volta e
consideramos a operação das causas, nunca podemos
descobrir, num único exemplo, qualquer poder ou conexão
necessária, qualquer qualidade que ligue o efeito à causa e
faça com que um deles seja consequência infalível do outro.
Observamos, apenas, que um deles se segue realmente ao
outro. O impulso de uma bola de bilhar é seguido pelo
movimento da segunda. Isso é tudo que se apresenta aos
nossos sentidos exteriores. Essa sucessão de objetos não
produz nenhum sentimento ou impressão interior na mente:
por conseguinte, num exemplo único e particular de causa e
efeito nada existe que possa sugerir a ideia de poder ou
conexão necessária.
HUME, D. Investigação Sobre o Entendimento Humano. São Paulo: Abril Cultural, 1973.
Hume produz então um poderoso ataque à metafísica:
não é possível afirmar nada sobre o que não pode ser
percebido pelas impressões
Não é possível afirmar que há uma causa primeira
que originou a tudo e mantém e ordena o universo.
(ideia de causalidade)
Não é possível afirmar a existência real de algo
perfeito, como Deus. (ideias inatas)
A filosofia de Hume apresenta-se como forte
contraposição à René Descartes.
Que diz o autor?
[...] quando analisamos nossos pensamentos ou ideias, por
mais complexos e sublimes que sejam, sempre descobrimos
que se resolvem em ideias simples que são cópias de uma
sensação ou sentimento anterior. Mesmo as ideias que, a
primeira vista, parecem mais afastadas dessa origem
mostram, a um exame mais atento, ser derivadas dela. A
ideia de Deus, correspondendo a um Ser infinitamente
inteligente, sábio e bom, surge das reflexões que fazemos
das operações de nossa própria mente, aumentando sem
limites essas qualidades de bondade e sabedoria. Podemos
prosseguir esse exame tanto quanto desejarmos, e sempre
descobriremos que todas as ideias que examinamos são
copiadas de uma impressão semelhante.
HUME, D. Investigação acerca do entendimento humano, seção II, pg. 14, apud
COTRIM, G.; FERNANDES, M. Fundamentos de Filosofia. São Paulo: Saraiva, 2010.
P. 163.
A LIÇÃO DA MOSCA
CONCLUSÃO
Vimos que no século XVII, a partir dos problemas gnosiológicos
(relativo ao conhecimento), surgem duas correntes opostas: O
RACIONALISMO E O EMPIRISMO. Exagerando, poderíamos dizer que
o racionalismo é o sistema que consiste em limitar o homem ao
âmbito da própria razão, e o empirismo é que limita ao âmbito da
experiência sensível. Isso não quer dizer que o racionalismo exclua
a experiência sensível, mas esta é apenas a ocasião do
conhecimento e está sujeito a enganos. A verdadeira ciência se
perfaz no espírito. Para o empirismo, ao contrário, a experiência é
fundamental, e o trabalho posterior a razão está a ela subordinado.
Como consequencia, os racionalistas confiam na capacidade do
homem de atingir verdades universais, eternas, enquanto os
empiristas terminam por questionar o caráter absoluto da verdade,
já que o conhecimento parte de uma realidade in fieri (isto é, em
transformação constante), sendo tudo relativo ao espaço, ao
tempo, ao humano
Certa vez, duas moscas
caíram num copo de leite...
A primeira era forte e
valente. Assim, logo ao cair,
nadou até a borda do copo.
Como a superfície era muito
lisa e suas asas estavam
molhadas, não conseguiu
escapar. Acreditando que
não havia saída, a mosca
desanimou, parou
de se debater e afundou.
Sua companheira de
infortúnio, apesar de não
ser tão forte, era tenaz e,
por isso, continuou a se
debater e a lutar. Aos
poucos com tanta agitação,
o leite ao seu redor formou
um pequeno nódulo de
manteiga no qual ela subiu.
Dali, conseguiu levantar
vôo e sair do copo.
Tempos depois, a mosca tenaz, por
descuido, novamente caiu num copo,
desta vez cheio de água. Como pensou
que já conhecia a solução daquele
problema, começou a se debater na
esperança de que, no devido tempo, se
salvasse.
Outra mosca, passando por ali e vendo a
aflição da companheira de espécie,
pousou na beira do copo e gritou:
SOLUÇÕES DO PASSADO, EM
CONTEXTOS DIFERENTES,
PODEM TRANSFORMAR-SE
EM PROBLEMAS.
SE A SITUAÇÃO SE MODIFICOU,
DÊ UM JEITO DE MUDAR.
"Tem um
canudo ali,
nade até
lá e suba".
A mosca tenaz respondeu:
"Pode deixar que eu sei como
resolver este problema."
E continuou a se debater mais
e mais até que, exausta,
afundou na água.
Quantos de nós, baseados
em experiências anteriores,
deixamos de observar as
mudanças ao redor e
ficamos lutando inutilmente
até afundar em nossa própria
falta de visão!
Criamos uma confiança equivocada e
perdemos a oportunidade de repensar nossas
experiências. Ficamos presos a velhos
hábitos que nos levaram ao sucesso e
perdemos a oportunidade de evoluir.
É por isso que os japoneses dizem
que na garupa do sucesso vem
sempre o fracasso. Os dois estão
tão próximos que a arrogância pelo
sucesso pode levar à displicência
que conduz ao fracasso.
Os donos do futuro sabem
reconhecer essas transformações
e fazer as mudanças necessárias
para acompanhar a nova situação.
(De: Os Donos do Futuro-Roberto Shinyashiki)
Se a única ferramenta que você conhece é o martelo, todo problema
que aparece você pensa que é prego.
CONCLUSÃO
Essas regras auxiliam-nos a adquirir a
certeza da verdade. Parte da dúvida
metódica
René Descartes
MÉTODO CARTESIANO
1) Só admitir como verdadeiro o que parece
evidente, evitar a precipitação e a prevenção
2) Dividir o problema em tantas partes quantas as
possíveis - análise
3) Recompor a totalidade subindo por degraus -
síntese
4) Rever o todo para se ter a certeza de não há
erro.
”A única certeza que tenho é a
dúvida”. Descartes.
Racionalista
“Cogito ergo sum = eu
penso, logo existo”.
Descartes
David HumeEmpirismo
o fenomenismo empíricoDesenvolveu
Sua filosofia, portanto, é de caráter empírico
Ele parte de duas idéias fundamentais:
Para ele, todo conhecimento humano é combinação de
sensações. A impressão de que a percepção atual das
coisas é a idéia, de que a imagem é a impressão deixa
após ser, i.e., apenas uma cópia pálida do original.
Para ele o homem possui impressões e idéias.
Impressões são as percepções imediatas da realidade
e as idéias são as lembranças de tais impressões.
Escocês - (1711-1776)
Ex: A junção de uma idéia simples de um cavalo e outra
de asas formariam uma idéia complexa de um cavalo
alado.
A filosofia de Hume assume que todo conhecimento é reduzido
ao sentido, que nos proporciona os fenômenos, as aparências
das coisas.
Se um livro sobre doutrina divina, não é
baseado na experiência atira-o no fogo.
Immanuel Kant
O último grande filósofo da era moderna, Kant fez
uma síntese entre o racionalismo de René Descartes, onde
prevalece a forma de raciocínio dedutivo, e a tradição
empírica inglesa de David Hume, que valoriza a indução.
Para os racionalistas a base de todo o
conhecimento humano está na consciência do homem.
Para os empiristas o conhecimento do homem
se baseia na experiência, isto é, derivam das impressões
dos sentidos.
Kant acreditava que tanto os sentidos quanto a
razão eram muito importantes, porém não se poderia
supervalorizar um ou outro atributo. "Só a crítica pode cortar pela raiz o
materialismo, o fatalismo, o ateísmo, a
incredulidade dos espíritos fortes, o
fanatismo e a superstição, que se
podem tornar nocivos a todos e, por
último, também o idealismo e o
cepticismo, que são sobretudo
perigosos para as escolas e
dificilmente se propagam no público"
Kant, Crítica da razão pura, B XXXIV[1]
teoria do conhecimento. Deseja saber, mas sem erro. Para tanto, elabora a relação
entre os juízos sintéticos "a priori" e os juízos sintéticos "a posteriori". Aos primeiros, são chamados de
puros, que caberia à matemática desvendá-los; aos segundos, de fenômenos, influenciados pela
percepção sensorial.
Epistemologia
A sua teoria é chamada de
criticismo kantiano e é postulada nos
esforços para aproximar o fenômeno a
"coisa em si".
 BIBLIOGRAFIA
CHAUI, Marilena. Convite à Filosofia. 7ª ed. 2ª imp. editora ática, 2000.
ARANHA, M. L de A. & MARTINS, M. H. P. Filosofando. São Paulo, Moderna,
1986.
Aula 08 - O Empirismo

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Existencialismo
ExistencialismoExistencialismo
Existencialismo
Portal do Vestibulando
 
Aula de filosofia antiga, tema: Santo Agostinho de Hipona
Aula de filosofia antiga, tema: Santo Agostinho de HiponaAula de filosofia antiga, tema: Santo Agostinho de Hipona
Aula de filosofia antiga, tema: Santo Agostinho de Hipona
Leandro Nazareth Souto
 
Platão
PlatãoPlatão
Filosofia medieval
Filosofia medievalFilosofia medieval
Filosofia medieval
Juliana Corvino de Araújo
 
Teoria do conhecimento
Teoria do conhecimentoTeoria do conhecimento
Teoria do conhecimento
Isabella Silva
 
Introdução à filosofia
Introdução à filosofiaIntrodução à filosofia
Introdução à filosofia
José Aristides Silva Gamito
 
Racionalismo e Empirismo
Racionalismo e EmpirismoRacionalismo e Empirismo
Racionalismo e Empirismo
lipexleal
 
Spinoza slides
Spinoza slidesSpinoza slides
Spinoza slides
chirlei ferreira
 
Aula 07 - Descartes e o Racionalismo
Aula 07 - Descartes e o RacionalismoAula 07 - Descartes e o Racionalismo
Aula 07 - Descartes e o Racionalismo
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Francis Bacon
Francis BaconFrancis Bacon
Francis Bacon
Lara Luisa
 
Platão e a teoria das ideias
Platão e a teoria das ideiasPlatão e a teoria das ideias
Platão e a teoria das ideias
Italo Colares
 
Os pré-socráticos
Os pré-socráticosOs pré-socráticos
Os pré-socráticos
João Paulo Rodrigues
 
Filosofia contemporânea
Filosofia contemporâneaFilosofia contemporânea
Filosofia contemporânea
Lucas Sousa
 
Aula02 - Metafísica
Aula02 - MetafísicaAula02 - Metafísica
Aula02 - Metafísica
William Ananias
 
Teorias do conhecimento
Teorias do conhecimentoTeorias do conhecimento
Teorias do conhecimento
Felipe Saraiva Nunes de Pinho
 
Filosofia Política
Filosofia PolíticaFilosofia Política
Filosofia Política
José Ferreira Júnior
 
3 Descartes
3 Descartes 3 Descartes
3 Descartes
Erica Frau
 
Existencialismo e humanismo
Existencialismo e humanismoExistencialismo e humanismo
Existencialismo e humanismo
João Marcelo
 
7 positivismo comte slide
7 positivismo comte slide7 positivismo comte slide
7 positivismo comte slide
Erica Frau
 
Santo Agostinho
Santo AgostinhoSanto Agostinho
Santo Agostinho
Elisama Lopes
 

Mais procurados (20)

Existencialismo
ExistencialismoExistencialismo
Existencialismo
 
Aula de filosofia antiga, tema: Santo Agostinho de Hipona
Aula de filosofia antiga, tema: Santo Agostinho de HiponaAula de filosofia antiga, tema: Santo Agostinho de Hipona
Aula de filosofia antiga, tema: Santo Agostinho de Hipona
 
Platão
PlatãoPlatão
Platão
 
Filosofia medieval
Filosofia medievalFilosofia medieval
Filosofia medieval
 
Teoria do conhecimento
Teoria do conhecimentoTeoria do conhecimento
Teoria do conhecimento
 
Introdução à filosofia
Introdução à filosofiaIntrodução à filosofia
Introdução à filosofia
 
Racionalismo e Empirismo
Racionalismo e EmpirismoRacionalismo e Empirismo
Racionalismo e Empirismo
 
Spinoza slides
Spinoza slidesSpinoza slides
Spinoza slides
 
Aula 07 - Descartes e o Racionalismo
Aula 07 - Descartes e o RacionalismoAula 07 - Descartes e o Racionalismo
Aula 07 - Descartes e o Racionalismo
 
Francis Bacon
Francis BaconFrancis Bacon
Francis Bacon
 
Platão e a teoria das ideias
Platão e a teoria das ideiasPlatão e a teoria das ideias
Platão e a teoria das ideias
 
Os pré-socráticos
Os pré-socráticosOs pré-socráticos
Os pré-socráticos
 
Filosofia contemporânea
Filosofia contemporâneaFilosofia contemporânea
Filosofia contemporânea
 
Aula02 - Metafísica
Aula02 - MetafísicaAula02 - Metafísica
Aula02 - Metafísica
 
Teorias do conhecimento
Teorias do conhecimentoTeorias do conhecimento
Teorias do conhecimento
 
Filosofia Política
Filosofia PolíticaFilosofia Política
Filosofia Política
 
3 Descartes
3 Descartes 3 Descartes
3 Descartes
 
Existencialismo e humanismo
Existencialismo e humanismoExistencialismo e humanismo
Existencialismo e humanismo
 
7 positivismo comte slide
7 positivismo comte slide7 positivismo comte slide
7 positivismo comte slide
 
Santo Agostinho
Santo AgostinhoSanto Agostinho
Santo Agostinho
 

Destaque

Maureen Bisilliat
Maureen BisilliatMaureen Bisilliat
Maureen Bisilliat
Fernanda W. S. Arruda
 
Criticismo
CriticismoCriticismo
Criticismo
Victoria Perdomo
 
Cristiano Mascaro
Cristiano MascaroCristiano Mascaro
Cristiano Mascaro
bianca jansen
 
Filosofia moderna
Filosofia modernaFilosofia moderna
Filosofia moderna
Fernanda Carvalho
 
Filosofia Moderna- Prof.Altair Aguilar.
Filosofia Moderna- Prof.Altair Aguilar.Filosofia Moderna- Prof.Altair Aguilar.
Filosofia Moderna- Prof.Altair Aguilar.
Altair Moisés Aguilar
 
Slide De Cubismo
Slide De CubismoSlide De Cubismo
Slide De Cubismo
babelisa
 
Filosofia moderna 22 444444
Filosofia moderna 22 444444Filosofia moderna 22 444444
Filosofia moderna 22 444444
Alexandre Misturini
 
Fotografia de Arquitetura - Cristiano Mascaro
Fotografia de Arquitetura - Cristiano MascaroFotografia de Arquitetura - Cristiano Mascaro
Fotografia de Arquitetura - Cristiano Mascaro
Amanda Petry
 
Cubismo
CubismoCubismo
Cubismo
guestd19f54b
 
O empirismo e o racionalismo
O empirismo e o racionalismoO empirismo e o racionalismo
O empirismo e o racionalismo
Joaquim Melro
 
O empirismo
O empirismoO empirismo
O empirismo
Isabella Silva
 
5 criticismo kantiano slide
5 criticismo kantiano slide5 criticismo kantiano slide
5 criticismo kantiano slide
Erica Frau
 
3 filosofia moderna e iluminista filosofia
3 filosofia moderna e iluminista   filosofia3 filosofia moderna e iluminista   filosofia
3 filosofia moderna e iluminista filosofia
Daniele Rubim
 
O racionalismo
O racionalismoO racionalismo
O racionalismo
Alison Nunes
 
Empirismo
EmpirismoEmpirismo
Empirismo
Ana Bea Morales
 
Filosofia moderna 22 33333
Filosofia moderna 22 33333Filosofia moderna 22 33333
Filosofia moderna 22 33333
Alexandre Misturini
 
Criticismo
CriticismoCriticismo
Criticismo
Isa Pitanga
 
Racionalismo - Filosofia
Racionalismo - FilosofiaRacionalismo - Filosofia
Racionalismo - Filosofia
Carson Souza
 
Filosofia moderna
Filosofia modernaFilosofia moderna
Filosofia moderna
Alexandre Misturini
 
Racionalismo e empirismo
Racionalismo e empirismoRacionalismo e empirismo
Racionalismo e empirismo
Estácio Dourado
 

Destaque (20)

Maureen Bisilliat
Maureen BisilliatMaureen Bisilliat
Maureen Bisilliat
 
Criticismo
CriticismoCriticismo
Criticismo
 
Cristiano Mascaro
Cristiano MascaroCristiano Mascaro
Cristiano Mascaro
 
Filosofia moderna
Filosofia modernaFilosofia moderna
Filosofia moderna
 
Filosofia Moderna- Prof.Altair Aguilar.
Filosofia Moderna- Prof.Altair Aguilar.Filosofia Moderna- Prof.Altair Aguilar.
Filosofia Moderna- Prof.Altair Aguilar.
 
Slide De Cubismo
Slide De CubismoSlide De Cubismo
Slide De Cubismo
 
Filosofia moderna 22 444444
Filosofia moderna 22 444444Filosofia moderna 22 444444
Filosofia moderna 22 444444
 
Fotografia de Arquitetura - Cristiano Mascaro
Fotografia de Arquitetura - Cristiano MascaroFotografia de Arquitetura - Cristiano Mascaro
Fotografia de Arquitetura - Cristiano Mascaro
 
Cubismo
CubismoCubismo
Cubismo
 
O empirismo e o racionalismo
O empirismo e o racionalismoO empirismo e o racionalismo
O empirismo e o racionalismo
 
O empirismo
O empirismoO empirismo
O empirismo
 
5 criticismo kantiano slide
5 criticismo kantiano slide5 criticismo kantiano slide
5 criticismo kantiano slide
 
3 filosofia moderna e iluminista filosofia
3 filosofia moderna e iluminista   filosofia3 filosofia moderna e iluminista   filosofia
3 filosofia moderna e iluminista filosofia
 
O racionalismo
O racionalismoO racionalismo
O racionalismo
 
Empirismo
EmpirismoEmpirismo
Empirismo
 
Filosofia moderna 22 33333
Filosofia moderna 22 33333Filosofia moderna 22 33333
Filosofia moderna 22 33333
 
Criticismo
CriticismoCriticismo
Criticismo
 
Racionalismo - Filosofia
Racionalismo - FilosofiaRacionalismo - Filosofia
Racionalismo - Filosofia
 
Filosofia moderna
Filosofia modernaFilosofia moderna
Filosofia moderna
 
Racionalismo e empirismo
Racionalismo e empirismoRacionalismo e empirismo
Racionalismo e empirismo
 

Semelhante a Aula 08 - O Empirismo

FILOSOFIA EMPIRISMO MÉTODO DE ANÁLISE FILOSÓFICA
FILOSOFIA EMPIRISMO MÉTODO DE ANÁLISE FILOSÓFICAFILOSOFIA EMPIRISMO MÉTODO DE ANÁLISE FILOSÓFICA
FILOSOFIA EMPIRISMO MÉTODO DE ANÁLISE FILOSÓFICA
AurelianoFerreirades2
 
A filosofia de john locke
A filosofia de john lockeA filosofia de john locke
A filosofia de john locke
Jorge Miklos
 
Empirismo 26 tp
Empirismo 26 tpEmpirismo 26 tp
Empirismo 26 tp
Alexandre Misturini
 
Hume_problemas_existência_eu_mundo_Deus
Hume_problemas_existência_eu_mundo_DeusHume_problemas_existência_eu_mundo_Deus
Hume_problemas_existência_eu_mundo_Deus
Isabel Moura
 
Empirismo e racionalismo
Empirismo e racionalismoEmpirismo e racionalismo
Empirismo e racionalismo
Isabel Aguiar
 
Empirismo 26 tp
Empirismo 26 tpEmpirismo 26 tp
Empirismo 26 tp
Alexandre Misturini
 
Trabalho de filosofia
Trabalho de filosofiaTrabalho de filosofia
Trabalho de filosofia
Alexandre Misturini
 
1 ano razao empirismo
1 ano razao empirismo1 ano razao empirismo
1 ano razao empirismo
Sandra Wirthmann
 
Professora Vanúcia: Hume e os empiristas
Professora Vanúcia: Hume e os empiristasProfessora Vanúcia: Hume e os empiristas
Professora Vanúcia: Hume e os empiristas
Vanúcia Moreira
 
David hume e a critica à causalidade
David hume e a critica à causalidadeDavid hume e a critica à causalidade
David hume e a critica à causalidade
Francis Mary Rosa
 
A teoria do conhecimento
A teoria do conhecimentoA teoria do conhecimento
A teoria do conhecimento
Paulo Gama
 
Filosofia david hume hugoseverino
Filosofia david hume hugoseverino Filosofia david hume hugoseverino
Filosofia david hume hugoseverino
Hugo Bmac
 
Teoria do conhecimento da aula filosófica
Teoria do conhecimento da aula filosóficaTeoria do conhecimento da aula filosófica
Teoria do conhecimento da aula filosófica
juliomatheusaquino1
 
Importancia da cultura
Importancia da culturaImportancia da cultura
Importancia da cultura
Ricardo Lima
 
Introdução à Filosofia
Introdução à FilosofiaIntrodução à Filosofia
Introdução à Filosofia
PriscillaTomazi2015
 
SLIDES_empirismo e racionalismo.ppt
SLIDES_empirismo e racionalismo.pptSLIDES_empirismo e racionalismo.ppt
SLIDES_empirismo e racionalismo.ppt
FernandoPilan4
 
John Locke
John LockeJohn Locke
John Locke
acheiotexto
 
Hume.pptx
Hume.pptxHume.pptx
David Hume - Trab Grupo VI
David Hume - Trab Grupo VIDavid Hume - Trab Grupo VI
David Hume - Trab Grupo VI
mluisavalente
 
Filosofos
FilosofosFilosofos
Filosofos
Antonio Justino
 

Semelhante a Aula 08 - O Empirismo (20)

FILOSOFIA EMPIRISMO MÉTODO DE ANÁLISE FILOSÓFICA
FILOSOFIA EMPIRISMO MÉTODO DE ANÁLISE FILOSÓFICAFILOSOFIA EMPIRISMO MÉTODO DE ANÁLISE FILOSÓFICA
FILOSOFIA EMPIRISMO MÉTODO DE ANÁLISE FILOSÓFICA
 
A filosofia de john locke
A filosofia de john lockeA filosofia de john locke
A filosofia de john locke
 
Empirismo 26 tp
Empirismo 26 tpEmpirismo 26 tp
Empirismo 26 tp
 
Hume_problemas_existência_eu_mundo_Deus
Hume_problemas_existência_eu_mundo_DeusHume_problemas_existência_eu_mundo_Deus
Hume_problemas_existência_eu_mundo_Deus
 
Empirismo e racionalismo
Empirismo e racionalismoEmpirismo e racionalismo
Empirismo e racionalismo
 
Empirismo 26 tp
Empirismo 26 tpEmpirismo 26 tp
Empirismo 26 tp
 
Trabalho de filosofia
Trabalho de filosofiaTrabalho de filosofia
Trabalho de filosofia
 
1 ano razao empirismo
1 ano razao empirismo1 ano razao empirismo
1 ano razao empirismo
 
Professora Vanúcia: Hume e os empiristas
Professora Vanúcia: Hume e os empiristasProfessora Vanúcia: Hume e os empiristas
Professora Vanúcia: Hume e os empiristas
 
David hume e a critica à causalidade
David hume e a critica à causalidadeDavid hume e a critica à causalidade
David hume e a critica à causalidade
 
A teoria do conhecimento
A teoria do conhecimentoA teoria do conhecimento
A teoria do conhecimento
 
Filosofia david hume hugoseverino
Filosofia david hume hugoseverino Filosofia david hume hugoseverino
Filosofia david hume hugoseverino
 
Teoria do conhecimento da aula filosófica
Teoria do conhecimento da aula filosóficaTeoria do conhecimento da aula filosófica
Teoria do conhecimento da aula filosófica
 
Importancia da cultura
Importancia da culturaImportancia da cultura
Importancia da cultura
 
Introdução à Filosofia
Introdução à FilosofiaIntrodução à Filosofia
Introdução à Filosofia
 
SLIDES_empirismo e racionalismo.ppt
SLIDES_empirismo e racionalismo.pptSLIDES_empirismo e racionalismo.ppt
SLIDES_empirismo e racionalismo.ppt
 
John Locke
John LockeJohn Locke
John Locke
 
Hume.pptx
Hume.pptxHume.pptx
Hume.pptx
 
David Hume - Trab Grupo VI
David Hume - Trab Grupo VIDavid Hume - Trab Grupo VI
David Hume - Trab Grupo VI
 
Filosofos
FilosofosFilosofos
Filosofos
 

Mais de Claudio Henrique Ramos Sales

Capitulo 02 - Elementos da Cartografia - caderno de exercícios
Capitulo 02 - Elementos da Cartografia - caderno de exercíciosCapitulo 02 - Elementos da Cartografia - caderno de exercícios
Capitulo 02 - Elementos da Cartografia - caderno de exercícios
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Capitulo 01 - Globalização 01 (Slides) - gabarito
Capitulo 01 - Globalização 01 (Slides) - gabaritoCapitulo 01 - Globalização 01 (Slides) - gabarito
Capitulo 01 - Globalização 01 (Slides) - gabarito
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Aula 04 - A desigualdade social e econômica no mundo globalizado
Aula 04 - A desigualdade social e econômica no mundo globalizadoAula 04 - A desigualdade social e econômica no mundo globalizado
Aula 04 - A desigualdade social e econômica no mundo globalizado
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Aulas 05 e 06 - Movimento de rotação: os fusos horários
Aulas 05 e 06 - Movimento de rotação: os fusos horáriosAulas 05 e 06 - Movimento de rotação: os fusos horários
Aulas 05 e 06 - Movimento de rotação: os fusos horários
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Aula 04 Movimento de Translação -As Estações do Ano (sem vídeos)
Aula 04   Movimento de Translação -As Estações do Ano (sem vídeos)Aula 04   Movimento de Translação -As Estações do Ano (sem vídeos)
Aula 04 Movimento de Translação -As Estações do Ano (sem vídeos)
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Aulas 05 e 06 - Elementos da Cartográfia - II
Aulas 05 e 06 - Elementos da Cartográfia - IIAulas 05 e 06 - Elementos da Cartográfia - II
Aulas 05 e 06 - Elementos da Cartográfia - II
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Aula 04 - Elementos da Cartográfia - I
Aula 04 - Elementos da Cartográfia - IAula 04 - Elementos da Cartográfia - I
Aula 04 - Elementos da Cartográfia - I
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Modulo 02 - Economia rural - a pecuária
Modulo 02 - Economia rural - a pecuáriaModulo 02 - Economia rural - a pecuária
Modulo 02 - Economia rural - a pecuária
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Aulas 02 e 03 - Blocos econômicos
Aulas 02 e 03 - Blocos econômicosAulas 02 e 03 - Blocos econômicos
Aulas 02 e 03 - Blocos econômicos
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Aula 01 Elementos da orientação (Sistema Anglo)
Aula 01   Elementos da orientação (Sistema Anglo)Aula 01   Elementos da orientação (Sistema Anglo)
Aula 01 Elementos da orientação (Sistema Anglo)
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Aulas 02 e 03 Elementos da Cartografia (Sistema Anglo)
Aulas 02 e 03 Elementos da Cartografia (Sistema Anglo)Aulas 02 e 03 Elementos da Cartografia (Sistema Anglo)
Aulas 02 e 03 Elementos da Cartografia (Sistema Anglo)
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Aulas 02 e 03 - As coordenadas geográficas (Sistema Anglo)
Aulas 02 e 03 - As coordenadas geográficas (Sistema Anglo)Aulas 02 e 03 - As coordenadas geográficas (Sistema Anglo)
Aulas 02 e 03 - As coordenadas geográficas (Sistema Anglo)
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Modulo 01 - Economia rural - extrativismo vegetal (sem vídeos) - Sistema Anglo
Modulo 01 - Economia rural - extrativismo vegetal (sem vídeos) - Sistema AngloModulo 01 - Economia rural - extrativismo vegetal (sem vídeos) - Sistema Anglo
Modulo 01 - Economia rural - extrativismo vegetal (sem vídeos) - Sistema Anglo
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Aula 01 - Globalização da economia (Apostila Anglo)
Aula 01 - Globalização da economia (Apostila Anglo)Aula 01 - Globalização da economia (Apostila Anglo)
Aula 01 - Globalização da economia (Apostila Anglo)
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Aula 01 - Os pontos de orientação (Sistema Anglo)
Aula 01 - Os pontos de orientação (Sistema Anglo)Aula 01 - Os pontos de orientação (Sistema Anglo)
Aula 01 - Os pontos de orientação (Sistema Anglo)
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Modulo 18 - A população brasileira - os brancos (apostila Anglo)
Modulo 18 - A população brasileira - os brancos (apostila Anglo)Modulo 18 - A população brasileira - os brancos (apostila Anglo)
Modulo 18 - A população brasileira - os brancos (apostila Anglo)
Claudio Henrique Ramos Sales
 
O outro lado do fem
O outro lado do femO outro lado do fem
O outro lado do fem
Claudio Henrique Ramos Sales
 
[Sociologia] PEC 241 - PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO 241/2016
[Sociologia] PEC 241 - PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO 241/2016[Sociologia] PEC 241 - PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO 241/2016
[Sociologia] PEC 241 - PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO 241/2016
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Modulo 16 - Brasil - um país multicultural
Modulo 16 - Brasil - um país multiculturalModulo 16 - Brasil - um país multicultural
Modulo 16 - Brasil - um país multicultural
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Modulo 17 - População brasileira - os indígenas (Apostila Anglo)
Modulo 17 - População brasileira - os indígenas (Apostila Anglo)Modulo 17 - População brasileira - os indígenas (Apostila Anglo)
Modulo 17 - População brasileira - os indígenas (Apostila Anglo)
Claudio Henrique Ramos Sales
 

Mais de Claudio Henrique Ramos Sales (20)

Capitulo 02 - Elementos da Cartografia - caderno de exercícios
Capitulo 02 - Elementos da Cartografia - caderno de exercíciosCapitulo 02 - Elementos da Cartografia - caderno de exercícios
Capitulo 02 - Elementos da Cartografia - caderno de exercícios
 
Capitulo 01 - Globalização 01 (Slides) - gabarito
Capitulo 01 - Globalização 01 (Slides) - gabaritoCapitulo 01 - Globalização 01 (Slides) - gabarito
Capitulo 01 - Globalização 01 (Slides) - gabarito
 
Aula 04 - A desigualdade social e econômica no mundo globalizado
Aula 04 - A desigualdade social e econômica no mundo globalizadoAula 04 - A desigualdade social e econômica no mundo globalizado
Aula 04 - A desigualdade social e econômica no mundo globalizado
 
Aulas 05 e 06 - Movimento de rotação: os fusos horários
Aulas 05 e 06 - Movimento de rotação: os fusos horáriosAulas 05 e 06 - Movimento de rotação: os fusos horários
Aulas 05 e 06 - Movimento de rotação: os fusos horários
 
Aula 04 Movimento de Translação -As Estações do Ano (sem vídeos)
Aula 04   Movimento de Translação -As Estações do Ano (sem vídeos)Aula 04   Movimento de Translação -As Estações do Ano (sem vídeos)
Aula 04 Movimento de Translação -As Estações do Ano (sem vídeos)
 
Aulas 05 e 06 - Elementos da Cartográfia - II
Aulas 05 e 06 - Elementos da Cartográfia - IIAulas 05 e 06 - Elementos da Cartográfia - II
Aulas 05 e 06 - Elementos da Cartográfia - II
 
Aula 04 - Elementos da Cartográfia - I
Aula 04 - Elementos da Cartográfia - IAula 04 - Elementos da Cartográfia - I
Aula 04 - Elementos da Cartográfia - I
 
Modulo 02 - Economia rural - a pecuária
Modulo 02 - Economia rural - a pecuáriaModulo 02 - Economia rural - a pecuária
Modulo 02 - Economia rural - a pecuária
 
Aulas 02 e 03 - Blocos econômicos
Aulas 02 e 03 - Blocos econômicosAulas 02 e 03 - Blocos econômicos
Aulas 02 e 03 - Blocos econômicos
 
Aula 01 Elementos da orientação (Sistema Anglo)
Aula 01   Elementos da orientação (Sistema Anglo)Aula 01   Elementos da orientação (Sistema Anglo)
Aula 01 Elementos da orientação (Sistema Anglo)
 
Aulas 02 e 03 Elementos da Cartografia (Sistema Anglo)
Aulas 02 e 03 Elementos da Cartografia (Sistema Anglo)Aulas 02 e 03 Elementos da Cartografia (Sistema Anglo)
Aulas 02 e 03 Elementos da Cartografia (Sistema Anglo)
 
Aulas 02 e 03 - As coordenadas geográficas (Sistema Anglo)
Aulas 02 e 03 - As coordenadas geográficas (Sistema Anglo)Aulas 02 e 03 - As coordenadas geográficas (Sistema Anglo)
Aulas 02 e 03 - As coordenadas geográficas (Sistema Anglo)
 
Modulo 01 - Economia rural - extrativismo vegetal (sem vídeos) - Sistema Anglo
Modulo 01 - Economia rural - extrativismo vegetal (sem vídeos) - Sistema AngloModulo 01 - Economia rural - extrativismo vegetal (sem vídeos) - Sistema Anglo
Modulo 01 - Economia rural - extrativismo vegetal (sem vídeos) - Sistema Anglo
 
Aula 01 - Globalização da economia (Apostila Anglo)
Aula 01 - Globalização da economia (Apostila Anglo)Aula 01 - Globalização da economia (Apostila Anglo)
Aula 01 - Globalização da economia (Apostila Anglo)
 
Aula 01 - Os pontos de orientação (Sistema Anglo)
Aula 01 - Os pontos de orientação (Sistema Anglo)Aula 01 - Os pontos de orientação (Sistema Anglo)
Aula 01 - Os pontos de orientação (Sistema Anglo)
 
Modulo 18 - A população brasileira - os brancos (apostila Anglo)
Modulo 18 - A população brasileira - os brancos (apostila Anglo)Modulo 18 - A população brasileira - os brancos (apostila Anglo)
Modulo 18 - A população brasileira - os brancos (apostila Anglo)
 
O outro lado do fem
O outro lado do femO outro lado do fem
O outro lado do fem
 
[Sociologia] PEC 241 - PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO 241/2016
[Sociologia] PEC 241 - PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO 241/2016[Sociologia] PEC 241 - PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO 241/2016
[Sociologia] PEC 241 - PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO 241/2016
 
Modulo 16 - Brasil - um país multicultural
Modulo 16 - Brasil - um país multiculturalModulo 16 - Brasil - um país multicultural
Modulo 16 - Brasil - um país multicultural
 
Modulo 17 - População brasileira - os indígenas (Apostila Anglo)
Modulo 17 - População brasileira - os indígenas (Apostila Anglo)Modulo 17 - População brasileira - os indígenas (Apostila Anglo)
Modulo 17 - População brasileira - os indígenas (Apostila Anglo)
 

Último

P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
Ceiça Martins Vital
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
portaladministradores
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
ESCOLAS LITERÁRIAS OU ESTILOS DE ÉPOCA- resumo
ESCOLAS LITERÁRIAS OU ESTILOS  DE ÉPOCA- resumoESCOLAS LITERÁRIAS OU ESTILOS  DE ÉPOCA- resumo
ESCOLAS LITERÁRIAS OU ESTILOS DE ÉPOCA- resumo
SolangeWaltre
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Falcão Brasil
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
Construção Aeronáutica no Brasil. Embraer.pdf
Construção Aeronáutica no Brasil. Embraer.pdfConstrução Aeronáutica no Brasil. Embraer.pdf
Construção Aeronáutica no Brasil. Embraer.pdf
Falcão Brasil
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Luzia Gabriele
 
Correio Aéreo Nacional (CAN) e Aviação de Transporte na FAB.pdf
Correio Aéreo Nacional (CAN) e Aviação de Transporte na FAB.pdfCorreio Aéreo Nacional (CAN) e Aviação de Transporte na FAB.pdf
Correio Aéreo Nacional (CAN) e Aviação de Transporte na FAB.pdf
Falcão Brasil
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
Marcelo Botura
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Falcão Brasil
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
Manuais Formação
 
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LEDPlano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
luggio9854
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
ESCOLAS LITERÁRIAS OU ESTILOS DE ÉPOCA- resumo
ESCOLAS LITERÁRIAS OU ESTILOS  DE ÉPOCA- resumoESCOLAS LITERÁRIAS OU ESTILOS  DE ÉPOCA- resumo
ESCOLAS LITERÁRIAS OU ESTILOS DE ÉPOCA- resumo
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
Construção Aeronáutica no Brasil. Embraer.pdf
Construção Aeronáutica no Brasil. Embraer.pdfConstrução Aeronáutica no Brasil. Embraer.pdf
Construção Aeronáutica no Brasil. Embraer.pdf
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
 
Correio Aéreo Nacional (CAN) e Aviação de Transporte na FAB.pdf
Correio Aéreo Nacional (CAN) e Aviação de Transporte na FAB.pdfCorreio Aéreo Nacional (CAN) e Aviação de Transporte na FAB.pdf
Correio Aéreo Nacional (CAN) e Aviação de Transporte na FAB.pdf
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
 
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LEDPlano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
 
Festa dos Finalistas .
Festa dos Finalistas                    .Festa dos Finalistas                    .
Festa dos Finalistas .
 

Aula 08 - O Empirismo

  • 2. Aula 8 – O Empirismo
  • 3. O papel em branco. Façamos um exercício: desenhe algo que não existe! Eu tentei em casa e deu isso:
  • 5. Fundadores do Empirismo  Os Fundadores do Empirismo são John Locke e David Hume.  David Hume nasceu em Edimburgo 1711 e morreu em Edimburgo em 1776. Foi um filósofo e historiador que ficou conhecido pelo seu empirismo radical e cepticismo filosófico.  John Locke nasceu em Wrington em 1632 e morreu em Harlow em 1704. Foi um filósofo inglês e um ideólogo do liberismo, foi considerado o principal representante do empirismo britânico.
  • 6. Empirismo  O que é? Experiências Conhecimen to Corrente Filosófica
  • 7. Empirismo Como funciona? O empirismo acredita que o homem nasce sem conhecimento, vazio de conhecimento. O princípio deste modelo são as impressões. Impressões Impressã o Complex a
  • 8. Empirismo  Como funciona? Hume verifica que o homem tem por um lado impressões e por outro lado ideias. Podemos dizer que a impressão é a sensação original e a ideia é apenas uma cópia pálida. Homem Impressõe s Ideias Sensação Recordaç ão da sensação
  • 9. Empirismo  Como funciona? A ideia principal do empirismo é que não há nada na nossa mente que não tenha passado pelos nossos sentidos. Isto é, temos de usar os nossos sentidos para obtermos conhecimento.
  • 10. Empirismo  Como funciona? A nossa razão é capaz de juntar ideias resultantes de diferentes impressões, criando assim uma ideia complexa de algo que não existe. Por isso Hume teve a preocupação de examinar essas ideias complexas para:  Descobrir as ideias simples que as constituem;  Verificar se essas ideias simples têm ou não uma impressão correspondente;  Decidir se são ideias falsas de coisas que não existem na realidade, por não terem fundamento numa impressão correspondente.
  • 11. Empirismo  Como funciona? Por exemplo nunca ninguém observou Deus, nunca ninguém teve nenhuma experiência sensível Dele, temos sim experiência das ideias simples que o constituem, como "inteligência", "bondade", "sabedoria", etc.. Assim podemos perceber que a ideia de Deus segundo Hume e falsa pois não temos nenhuma impressão sensível que lhe corresponda.
  • 12. O Empirismo moderno David Hume (Escócia, 1711 – 1776) John Locke (Inglaterra, 1632 – 1704) Continuando nossos estudos em teoria do conhecimento passaremos pelos filósofos da ilha para dar uma “olhada” na tradição do empirismo.
  • 14. John Locke Nem só de teoria do conhecimento vive o homem.  Escreve importantes obras sobre política, em especial os Dois Tratados Sobre o Governo, onde questiona as bases do poder absolutista. Influencia assim a revolução burguesa e até mesmo a posterior Revolução Francesa. É notável sua discussão sobre a luta pela liberdade individual.  A partir de sua atuação como médico acaba ingressando em importantes círculos políticos da Inglaterra
  • 15. Ensaio Sobre o Entendimento Humano (1690). Questão de fundo: seria a nossa mente como um papel em branco? Como ela é preenchida? Vamos supor que nossa mente não tenha ideias em si, tal como um papel em branco onde não haja nada escrito. Como se pode então escrever algo aí? De onde ela obtém o vasto estoque que a ocupada e ilimitada imaginação do homem aí pintou – todos os materiais da razão e da experiência? A isso respondo em uma palavra: da experiência. Nossos entendimentos derivam todos os materiais do pensamento de observações que fazemos dos objetos externos que podem ser percebidos através dos sentidos e das operações internas de nossas mentes, as quais percebemos ao olharmos para dentro de nós mesmos. Essas são as duas fontes do conhecimento, das quais emergem todas as ideias que temos ou que podemos naturalmente ter. (LOCKE, ECHU, Livro II, cap. 1, §2)
  • 16. O processo de conhecimento. Experiência Objetos exteriores sensíveis Percebidos pela SENSAÇÃO: Percepções dos objetos externos Ex: A dureza e frieza do gelo. O aroma e brancura de uma flor. Objetos internos da mente Percebidos pela REFLEXÃO: Operação da mente sobre si mesma (O que a mente faz e como faz) Ex: percepção, dúvida, vontade
  • 17. A experiência fornece nossas ideias. É a partir da experiência que obtemos as ideias, ou seja, aquilo que forma o nosso entendimento do mundo a partir das qualidades dos objetos. Estas ideias se dividem em dois tipos maiores: Ideias simples: qualidades obtidas através da sensação e/ou da reflexão. Ideias Complexas: produto da combinação e relação de ideias simples.
  • 18. Façamos a experiência Quais ideias vêm à nossa mente pela experiência das seguintes?
  • 20. David Hume Hume é também autor de vasta obra: Teoria do Conhecimento  Tratado da Natureza Humana (a obra que nasceu morta)  Investigações Sobre o Entendimento Humano. Além de escritos em outros campos: História da Inglaterra Investigação Sobre os Princípios da Moral História Natural da Religião
  • 21. Como conhecemos as coisas? PERCEPÇÕES – a experiência é a única fonte de conhecimentos. Impressões: dados fornecidos pelos sentidos e produções mentais.  externas: visão de uma paisagem; audição de um ruído.  internas: estados emocionais. Ideias: cópias modificadas das impressões.  Memória: lembrança enfraquecida de impressões já vividas.  Imaginação: associação aleatória de impressões já vividas. Investigações sobre o entendimento humano (1748)
  • 22. Que diz o autor? Todos admitirão sem hesitar que existe uma considerável diferença entre as percepções da mente quando o homem sente a dor de um calor excessivo ou o prazer de um ar moderadamente tépido e quando relembra mais tarde essa sensação ou a antecipa pela imaginação. Essas faculdades podem remedar ou copiar as percepções dos sentidos, mas jamais atingirão a força e a vivacidade do sentimento original. O máximo que podemos dizer delas, mesmo quando operam com todo o seu vigor, é que representam o objeto de maneira tão viva que quase se poderia dizer que os vemos ou sentimos. (...)“Todas as cores da poesia, por mais esplêndidas, jamais poderão pintar os objetos naturais de tal modo que a descrição seja tomada por uma verdadeira paisagem. O mais vivo pensamento é ainda inferior à mais embotada das sensações”. HUME, D. Investigação sobre o entendimento humano. São Paulo: Abril Cultural, 1973.
  • 23. Crítica à noção de causalidade Analisemos a seguinte sentença: A pedra esquenta porque os raios de sol incidem sobre ela Quais impressões ela nos fornece? - Tátil: a pedra esquenta - Visual: os raios de sol incidem sobre ela  Mas os sentidos não conseguem provar a vinculação necessária entre estes eventos. A conexão entre impressões é produto da crença fundada no hábito. Pense, como podemos ter certeza de que o sol nascerá amanhã? As ciências naturais se constroem sobre o hábito. Elas estão baseadas na frequência e repetição de certos fenômenos, e não na certeza de que certos efeitos derivam necessariamente de certas causas.
  • 24. Que diz o autor? Quando olhamos os objetos exteriores à nossa volta e consideramos a operação das causas, nunca podemos descobrir, num único exemplo, qualquer poder ou conexão necessária, qualquer qualidade que ligue o efeito à causa e faça com que um deles seja consequência infalível do outro. Observamos, apenas, que um deles se segue realmente ao outro. O impulso de uma bola de bilhar é seguido pelo movimento da segunda. Isso é tudo que se apresenta aos nossos sentidos exteriores. Essa sucessão de objetos não produz nenhum sentimento ou impressão interior na mente: por conseguinte, num exemplo único e particular de causa e efeito nada existe que possa sugerir a ideia de poder ou conexão necessária. HUME, D. Investigação Sobre o Entendimento Humano. São Paulo: Abril Cultural, 1973.
  • 25. Hume produz então um poderoso ataque à metafísica: não é possível afirmar nada sobre o que não pode ser percebido pelas impressões Não é possível afirmar que há uma causa primeira que originou a tudo e mantém e ordena o universo. (ideia de causalidade) Não é possível afirmar a existência real de algo perfeito, como Deus. (ideias inatas) A filosofia de Hume apresenta-se como forte contraposição à René Descartes.
  • 26. Que diz o autor? [...] quando analisamos nossos pensamentos ou ideias, por mais complexos e sublimes que sejam, sempre descobrimos que se resolvem em ideias simples que são cópias de uma sensação ou sentimento anterior. Mesmo as ideias que, a primeira vista, parecem mais afastadas dessa origem mostram, a um exame mais atento, ser derivadas dela. A ideia de Deus, correspondendo a um Ser infinitamente inteligente, sábio e bom, surge das reflexões que fazemos das operações de nossa própria mente, aumentando sem limites essas qualidades de bondade e sabedoria. Podemos prosseguir esse exame tanto quanto desejarmos, e sempre descobriremos que todas as ideias que examinamos são copiadas de uma impressão semelhante. HUME, D. Investigação acerca do entendimento humano, seção II, pg. 14, apud COTRIM, G.; FERNANDES, M. Fundamentos de Filosofia. São Paulo: Saraiva, 2010. P. 163.
  • 27. A LIÇÃO DA MOSCA
  • 28. CONCLUSÃO Vimos que no século XVII, a partir dos problemas gnosiológicos (relativo ao conhecimento), surgem duas correntes opostas: O RACIONALISMO E O EMPIRISMO. Exagerando, poderíamos dizer que o racionalismo é o sistema que consiste em limitar o homem ao âmbito da própria razão, e o empirismo é que limita ao âmbito da experiência sensível. Isso não quer dizer que o racionalismo exclua a experiência sensível, mas esta é apenas a ocasião do conhecimento e está sujeito a enganos. A verdadeira ciência se perfaz no espírito. Para o empirismo, ao contrário, a experiência é fundamental, e o trabalho posterior a razão está a ela subordinado. Como consequencia, os racionalistas confiam na capacidade do homem de atingir verdades universais, eternas, enquanto os empiristas terminam por questionar o caráter absoluto da verdade, já que o conhecimento parte de uma realidade in fieri (isto é, em transformação constante), sendo tudo relativo ao espaço, ao tempo, ao humano
  • 29. Certa vez, duas moscas caíram num copo de leite... A primeira era forte e valente. Assim, logo ao cair, nadou até a borda do copo. Como a superfície era muito lisa e suas asas estavam molhadas, não conseguiu escapar. Acreditando que não havia saída, a mosca desanimou, parou de se debater e afundou.
  • 30. Sua companheira de infortúnio, apesar de não ser tão forte, era tenaz e, por isso, continuou a se debater e a lutar. Aos poucos com tanta agitação, o leite ao seu redor formou um pequeno nódulo de manteiga no qual ela subiu. Dali, conseguiu levantar vôo e sair do copo.
  • 31. Tempos depois, a mosca tenaz, por descuido, novamente caiu num copo, desta vez cheio de água. Como pensou que já conhecia a solução daquele problema, começou a se debater na esperança de que, no devido tempo, se salvasse. Outra mosca, passando por ali e vendo a aflição da companheira de espécie, pousou na beira do copo e gritou:
  • 32. SOLUÇÕES DO PASSADO, EM CONTEXTOS DIFERENTES, PODEM TRANSFORMAR-SE EM PROBLEMAS. SE A SITUAÇÃO SE MODIFICOU, DÊ UM JEITO DE MUDAR. "Tem um canudo ali, nade até lá e suba". A mosca tenaz respondeu: "Pode deixar que eu sei como resolver este problema." E continuou a se debater mais e mais até que, exausta, afundou na água.
  • 33. Quantos de nós, baseados em experiências anteriores, deixamos de observar as mudanças ao redor e ficamos lutando inutilmente até afundar em nossa própria falta de visão! Criamos uma confiança equivocada e perdemos a oportunidade de repensar nossas experiências. Ficamos presos a velhos hábitos que nos levaram ao sucesso e perdemos a oportunidade de evoluir.
  • 34. É por isso que os japoneses dizem que na garupa do sucesso vem sempre o fracasso. Os dois estão tão próximos que a arrogância pelo sucesso pode levar à displicência que conduz ao fracasso. Os donos do futuro sabem reconhecer essas transformações e fazer as mudanças necessárias para acompanhar a nova situação. (De: Os Donos do Futuro-Roberto Shinyashiki) Se a única ferramenta que você conhece é o martelo, todo problema que aparece você pensa que é prego.
  • 36. Essas regras auxiliam-nos a adquirir a certeza da verdade. Parte da dúvida metódica René Descartes MÉTODO CARTESIANO 1) Só admitir como verdadeiro o que parece evidente, evitar a precipitação e a prevenção 2) Dividir o problema em tantas partes quantas as possíveis - análise 3) Recompor a totalidade subindo por degraus - síntese 4) Rever o todo para se ter a certeza de não há erro. ”A única certeza que tenho é a dúvida”. Descartes. Racionalista “Cogito ergo sum = eu penso, logo existo”. Descartes
  • 37. David HumeEmpirismo o fenomenismo empíricoDesenvolveu Sua filosofia, portanto, é de caráter empírico Ele parte de duas idéias fundamentais: Para ele, todo conhecimento humano é combinação de sensações. A impressão de que a percepção atual das coisas é a idéia, de que a imagem é a impressão deixa após ser, i.e., apenas uma cópia pálida do original. Para ele o homem possui impressões e idéias. Impressões são as percepções imediatas da realidade e as idéias são as lembranças de tais impressões. Escocês - (1711-1776) Ex: A junção de uma idéia simples de um cavalo e outra de asas formariam uma idéia complexa de um cavalo alado. A filosofia de Hume assume que todo conhecimento é reduzido ao sentido, que nos proporciona os fenômenos, as aparências das coisas. Se um livro sobre doutrina divina, não é baseado na experiência atira-o no fogo.
  • 38. Immanuel Kant O último grande filósofo da era moderna, Kant fez uma síntese entre o racionalismo de René Descartes, onde prevalece a forma de raciocínio dedutivo, e a tradição empírica inglesa de David Hume, que valoriza a indução. Para os racionalistas a base de todo o conhecimento humano está na consciência do homem. Para os empiristas o conhecimento do homem se baseia na experiência, isto é, derivam das impressões dos sentidos. Kant acreditava que tanto os sentidos quanto a razão eram muito importantes, porém não se poderia supervalorizar um ou outro atributo. "Só a crítica pode cortar pela raiz o materialismo, o fatalismo, o ateísmo, a incredulidade dos espíritos fortes, o fanatismo e a superstição, que se podem tornar nocivos a todos e, por último, também o idealismo e o cepticismo, que são sobretudo perigosos para as escolas e dificilmente se propagam no público" Kant, Crítica da razão pura, B XXXIV[1] teoria do conhecimento. Deseja saber, mas sem erro. Para tanto, elabora a relação entre os juízos sintéticos "a priori" e os juízos sintéticos "a posteriori". Aos primeiros, são chamados de puros, que caberia à matemática desvendá-los; aos segundos, de fenômenos, influenciados pela percepção sensorial. Epistemologia A sua teoria é chamada de criticismo kantiano e é postulada nos esforços para aproximar o fenômeno a "coisa em si".
  • 39.  BIBLIOGRAFIA CHAUI, Marilena. Convite à Filosofia. 7ª ed. 2ª imp. editora ática, 2000. ARANHA, M. L de A. & MARTINS, M. H. P. Filosofando. São Paulo, Moderna, 1986.