SlideShare uma empresa Scribd logo
O QUE É A FILOSOFIA?
O Conhecimento Filosófico
PROFESSOR ALAN APARECIDO GONÇALVES
A tarefa da Filosofia
 A filosofia é um modo de pensar, é uma postura
diante do mundo.
 A filosofia não é um conjunto de conhecimentos
prontos, um sistema acabado, fechado em si mesmo.
 Ela é uma pratica de vida que procura pensar os
acontecimentos além da sua pura aparência.
 Pensa valores; ciência; seus métodos, seus mitos;
pensa a religião; pensa a arte; pensa o próprio
homem e sua vida cotidiana.
A tarefa da Filosofia
 A filosofia é um jogo irreverente que parte do que
existe, critica, coloca em dúvida, faz perguntas
importunas, abre a porta das possibilidades, faz-
nos entrever outros mundos e outros modos de
compreender a vida.
A tarefa da Filosofia
 A filosofia incomoda porque questiona o modo de ser
das pessoas, das culturas, do mundo.
 Questiona as práticas política, científica, técnica,
ética, econômica, cultural e artística.
 Não há área onde ela não se meta, não indague, não
perturbe.
 E, nesse sentido, a filosofia é perigosa, subversiva,
pois vira a ordem estabelecida de cabeça para baixo.
Numa visão pragmática, a filosofia é acusada de não
servir para nada.
No entanto, sua importância está na maneira como ela
vai além das necessidades imediatas.
ERICHLESSING/ALBUM/LATINTOCK
Galileu diante do tribunal
da Inquisição, de Joseph-
Nicolas
Robert-Fleury, século XIX.
No século XVII, Galileu foi
levado ao tribunal da
Inquisição porque suas
descobertas na área da
astronomia contrariavam
os dogmas vigentes.
A experiência filosófica
CONCEITOS SOBRE FILOSOFIA
 OBJETIVO
 O conhecimento teórico, contemplativo e
pragmático.
 OBJETO
 Tem por objeto toda a realidade, a totalidade, o
universo tomado globalmente, ao mesmo tempo
em que se detêm numa parte do todo com um
olhar múltiplo.
 MÉTODO
 Essencialmente raciocinativo, sem excluir
aspectos intuitivos da realidade.
PRINCIPAIS CAMPOS DA FILOSOFIA
 Lógica – Exatidão do raciocínio.
 Epistemologia – Valor do conhecimento.
 Metafísica – Fundamento último da existência e
da verdade.
 Cosmologia – Essência, origem e o devir do
mundo material.
 Teodicéia –Existência, natureza de Deus e sua
PRINCIPAIS CAMPOS DA FILOSOFIA
 Ética – Natureza da lei moral e da felicidade.
 Estética – O belo e a função da arte.
 Antropologia – O homem sua cultura, seu ser e
seu universo.
 Axiologia – Problema dos valores.
A Reflexão Filosófica
 O que distingue a reflexão filosófica das demais?
 Dermerval Saviani estrutura um sistema que
determina essa definição.
 RADICAL
 RIGOROSA
 DE CONJUNTO
Radical
 Ou seja, chegar até a raiz dos acontecimentos, isto é,
aos seus fundamentos; à sua origem, não só cro-
nológica, mas no sentido de chegar aos valores
originais que possibilitaram o fato. A reflexão
filosófica, portanto, é uma reflexão em profundidade.
Rigorosa
 Isto é, seguir um método adequado ao objeto em
estudo, com todo o rigor, colocando em questão as
respostas mais superficiais, comuns à sabedoria
popular e a algumas generalizações científicas
apressadas.
De conjunto
 Como já foi dito anteriormente, a filosofia não considera
os problemas isoladamente, mas dentro de um conjunto
de fatos, fatores e valores que estão relacionados entre si.
A reflexão filosófica contextualiza os problemas tanto
verticalmente, dentro do desenvolvimento histórico,
quanto horizontalmente, relacionando-os a outros
aspectos da situação da época.
A singularidade da pesquisa filosófica
 “O TRABALHOVERDADEIROE PRÓPRIODA PESQUISAFILOSÓFICAÉ
REALIZADOAPENAS PELARAZÃO; ESTA, PARA SUBTRAIR-SEA
TODOTIPODE DISTRAÇÃO, ENCERRA-SEEMSEUSAGRADO
RECINTO, LONGEDO BARULHODAS MÁQUINAS, DA SEDUÇÃODOS
PRAZERES, DA PRÁXISE DA CONFUSÃODOS SENTIDOS, EM
SOLITÁRIACOMPANHIACOMO PRÓPRIOOBJETO.”
• MONDIN,Introdução a Filosofia,p.6.
FILOSOFIA DA CIÊNCIA
Ciência, tecnologia e valores
 1 - O senso comum
 *Se trata de um conjunto de crenças de modo
espontâneo e não crítico.
 *Representa um esforço para resolver problemas do
dia a dia, buscando soluções muitas vezes bastante
criativas.

2 – Distinção entre senso comum e ciência.
 2.1Particular /geral
 O conhecimento comum é particular. Os dados
costumam ser selecionados de maneira pouco
rigorosa.
 Já as leis científicas valem para todos os que a eles se
assemelham. As explicações da ciência são
sistemáticas e controláveis pela experiência, o que
permite chegar a conclusões gerais.
 2.2 – Fragmentário/unificador
 O conhecimento espontâneo é fragmentário, pois
não estabelece conexões em situações em que
relações poderiam ser verificadas.
 Já o conhecimento cientifico é unificador, por ter a
capacidade de fazer as referidas conexões, como
ocorreu com Isaac Newton. “A queda da lua” – A Lua
não cai sobre a Terra porque está a uma distância em
que sofre a atração da terra, mas não suficiente para
cair sobre ela: se por acaso se aproximasse um pouco
mais, haveria de cair.
 2.3 – Subjetivo/Objetivo
 O senso comum é frequentemente subjetivo, porque
depende do ponto de vista individual e pessoal, que
pode ser condicionado por sentimentos ou
afirmações arbitrárias.
 Já o mundo construído pela ciência aspira a
Objetividade.
 2.4 – Ambiguidade/rigor
 A ciência dispõe de uma linguagem rigorosa cujos
conceitos são definidos para evitar ambiguidades,
tornando-se cada vez mais precisa a medida que
utiliza a matemática para transformar qualidades em
quantidades.
 O senso comum, as explicações cientificas são
formuladas em enunciados gerais, alcançados pelo
exame das diferenças e semelhanças das
propriedades dos fenômenos.
A verdade do senso comum
*Esfregar uma aliança de ouro até esquentar e por em
cima do “ter-sol” acaba com ele.
*Chá de camomila acalma
*Gatos de três cores são sempre fêmeas
*Cortar os cabelos na lua crescente faz com que os
cabelos cresçam mais rápido
*Chá de boldo cura problemas no fígado.
*Comer leite e manga faz mal
*Maracujá calma
*Gato Preto da Azar
*A voz do povo é a voz de Deus
3 – O método cientifico
 O conhecimento cientifico é uma conquista recente
da humanidade, datando de cerca de 400 anos.
 A ciência moderna nasceu ao determinar seu objeto
especifico de investigação e ao criar métodos
confiáveis pelos quais estabelece o controle desse
conhecimento.
 Métodos rigorosos que possibilitam demarcar um
conhecimento sistemático, preciso e objetivo, a
previsão de acontecimentos e também a ação sobre a
natureza de maneira mais segura.
 "Fatos são os dados do mundo. Teorias são
estruturas de idéias que explicam e
interpretam os fatos." - Stephen Jay Gould
Os cientistas
 ...criam, então, um conjunto de teorias baseadas
nesses estudos e observações, e essas teorias são
sujeitadas a uma seleção natural, até que se chegue a
uma explicação satisfatória para os fatos observados.
 Essa teoria deve ser consistente com os fatos. Deve
poder prever que, em condições e situações idênticas,
os resultados esperados devem se repetir. Qualquer
pessoa, tendo acesso aos experimentos, deve poder
obter os mesmos resultados independentemente.
Vejamos um exemplo,
o surgimento da vida na Terra
 A primeira teoria, a Criacionista, nos conta que um
deus – uma entidade metafísica jamais demonstrada
ou comprovada, criou todos os seres que habitam a
Terra. Algumas mitologias, como a judaico-cristã,
admite que os animais foram criados todos de uma
só vez, que o homem foi criado à semelhança de seu
deus, e que a mulher surgiu num segundo momento,
vinda da costela do primeiro homem. Acontece que
isso não é compatível com as observações.
 Uma nova e promissora área, a Biotecnologia, vem
com toda força, impulsionada pelo seqüenciamento
do DNA e pela Engenharia Genética.
 A Biotecnologia é um exemplo de conquista
proporcionada pela aplicação dos métodos
científicos.
 Um cientista não deve assumir saber a verdade sobre
o que tenta explicar a priori. Quem assume que já
possui a verdade sobre alguma coisa antes de
investigar, tem seu poder de avaliação dos fatos
comprometido com idéias pré-estabelecidas, o que
acaba prejudicando seu julgamento. Preconceitos
nunca são bem vindos quando se busca explicações
científicas.
http://filosofandoehistoriando.blogspot.com.br/2011/03/o-que-e-metodo-
cientifico.html
O Mundo de Beckman
Beakman's
World foi um
programa de
televisão
educativo
estrelado pelo
ator americano
Paul Zaloom no
papel do
Professor
Beakman.
Wikipédia

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aristóteles
AristótelesAristóteles
Aristóteles
julia marcondes
 
Epistemologia introdução
Epistemologia   introduçãoEpistemologia   introdução
Epistemologia introdução
João Paulo Rodrigues
 
Introdução à filosofia
Introdução à filosofiaIntrodução à filosofia
Introdução à filosofia
José Aristides Silva Gamito
 
A Experiência Filosófica - Capítulo 1 - Filosofando
A Experiência Filosófica - Capítulo 1 - FilosofandoA Experiência Filosófica - Capítulo 1 - Filosofando
A Experiência Filosófica - Capítulo 1 - Filosofando
Abraão Carvalho
 
Schopenhauer: a vontade irrracional
Schopenhauer: a vontade irrracionalSchopenhauer: a vontade irrracional
Schopenhauer: a vontade irrracional
Colégio Nova Geração COC
 
1 teoria do conhecimento
1 teoria do conhecimento1 teoria do conhecimento
1 teoria do conhecimento
Erica Frau
 
Dogmatismo, Ceticismo e Criticismo
Dogmatismo, Ceticismo e CriticismoDogmatismo, Ceticismo e Criticismo
Dogmatismo, Ceticismo e Criticismo
Mariana Couto
 
Senso comum x conhecimento científico
Senso comum x conhecimento científicoSenso comum x conhecimento científico
Senso comum x conhecimento científico
José Antonio Ferreira da Silva
 
Aula02 - Metafísica
Aula02 - MetafísicaAula02 - Metafísica
Aula02 - Metafísica
William Ananias
 
Sócrates e Platão
Sócrates e PlatãoSócrates e Platão
Sócrates e Platão
Erica Frau
 
Política antiga e medieval aula - 3º ano
Política antiga e medieval   aula  - 3º anoPolítica antiga e medieval   aula  - 3º ano
Política antiga e medieval aula - 3º ano
José Antonio Ferreira da Silva
 
Aula de filosofia antiga, tema: Sofistas
Aula de filosofia antiga, tema: SofistasAula de filosofia antiga, tema: Sofistas
Aula de filosofia antiga, tema: Sofistas
Leandro Nazareth Souto
 
Filosofia contemporânea
Filosofia contemporâneaFilosofia contemporânea
Filosofia contemporânea
Lucas Sousa
 
O que é ciência
O que é ciênciaO que é ciência
O que é ciência
Italo Colares
 
Racionalismo x Empirismo - Filosofia
Racionalismo x Empirismo - FilosofiaRacionalismo x Empirismo - Filosofia
Racionalismo x Empirismo - Filosofia
Carson Souza
 
Senso comum e conhecimento científico
Senso comum e conhecimento científicoSenso comum e conhecimento científico
Senso comum e conhecimento científico
Helena Serrão
 
Teorias do conhecimento
Teorias do conhecimentoTeorias do conhecimento
Teorias do conhecimento
Felipe Saraiva Nunes de Pinho
 
O racionalismo
O racionalismoO racionalismo
O racionalismo
Alison Nunes
 
Filosofia 02 - Sócrates, Platão e Aristóteles
Filosofia 02 - Sócrates, Platão e  AristótelesFilosofia 02 - Sócrates, Platão e  Aristóteles
Filosofia 02 - Sócrates, Platão e Aristóteles
Diego Bian Filo Moreira
 
Método indutivo vs hipotetico dedutivo
Método indutivo vs hipotetico dedutivoMétodo indutivo vs hipotetico dedutivo
Método indutivo vs hipotetico dedutivo
j_sdias
 

Mais procurados (20)

Aristóteles
AristótelesAristóteles
Aristóteles
 
Epistemologia introdução
Epistemologia   introduçãoEpistemologia   introdução
Epistemologia introdução
 
Introdução à filosofia
Introdução à filosofiaIntrodução à filosofia
Introdução à filosofia
 
A Experiência Filosófica - Capítulo 1 - Filosofando
A Experiência Filosófica - Capítulo 1 - FilosofandoA Experiência Filosófica - Capítulo 1 - Filosofando
A Experiência Filosófica - Capítulo 1 - Filosofando
 
Schopenhauer: a vontade irrracional
Schopenhauer: a vontade irrracionalSchopenhauer: a vontade irrracional
Schopenhauer: a vontade irrracional
 
1 teoria do conhecimento
1 teoria do conhecimento1 teoria do conhecimento
1 teoria do conhecimento
 
Dogmatismo, Ceticismo e Criticismo
Dogmatismo, Ceticismo e CriticismoDogmatismo, Ceticismo e Criticismo
Dogmatismo, Ceticismo e Criticismo
 
Senso comum x conhecimento científico
Senso comum x conhecimento científicoSenso comum x conhecimento científico
Senso comum x conhecimento científico
 
Aula02 - Metafísica
Aula02 - MetafísicaAula02 - Metafísica
Aula02 - Metafísica
 
Sócrates e Platão
Sócrates e PlatãoSócrates e Platão
Sócrates e Platão
 
Política antiga e medieval aula - 3º ano
Política antiga e medieval   aula  - 3º anoPolítica antiga e medieval   aula  - 3º ano
Política antiga e medieval aula - 3º ano
 
Aula de filosofia antiga, tema: Sofistas
Aula de filosofia antiga, tema: SofistasAula de filosofia antiga, tema: Sofistas
Aula de filosofia antiga, tema: Sofistas
 
Filosofia contemporânea
Filosofia contemporâneaFilosofia contemporânea
Filosofia contemporânea
 
O que é ciência
O que é ciênciaO que é ciência
O que é ciência
 
Racionalismo x Empirismo - Filosofia
Racionalismo x Empirismo - FilosofiaRacionalismo x Empirismo - Filosofia
Racionalismo x Empirismo - Filosofia
 
Senso comum e conhecimento científico
Senso comum e conhecimento científicoSenso comum e conhecimento científico
Senso comum e conhecimento científico
 
Teorias do conhecimento
Teorias do conhecimentoTeorias do conhecimento
Teorias do conhecimento
 
O racionalismo
O racionalismoO racionalismo
O racionalismo
 
Filosofia 02 - Sócrates, Platão e Aristóteles
Filosofia 02 - Sócrates, Platão e  AristótelesFilosofia 02 - Sócrates, Platão e  Aristóteles
Filosofia 02 - Sócrates, Platão e Aristóteles
 
Método indutivo vs hipotetico dedutivo
Método indutivo vs hipotetico dedutivoMétodo indutivo vs hipotetico dedutivo
Método indutivo vs hipotetico dedutivo
 

Destaque

O conhecimento filosofico
O conhecimento filosoficoO conhecimento filosofico
O conhecimento filosofico
Lybia Sarraff
 
Conhecimento científico
Conhecimento científicoConhecimento científico
Conhecimento científico
mmartinatti
 
Sociologia: Ciência x Senso comum
Sociologia: Ciência x Senso comumSociologia: Ciência x Senso comum
Sociologia: Ciência x Senso comum
Cintia Dozono
 
2.4. conhecimento filosófico
2.4. conhecimento filosófico2.4. conhecimento filosófico
2.4. conhecimento filosófico
Luiz-Salvador Miranda-Sa
 
Filosofia e Conhecimento 1
Filosofia e Conhecimento 1Filosofia e Conhecimento 1
Filosofia e Conhecimento 1
Jorge Barbosa
 
Resumos filosofia 11
Resumos filosofia 11Resumos filosofia 11
Resumos filosofia 11
Dylan Bonnet
 

Destaque (7)

O conhecimento filosofico
O conhecimento filosoficoO conhecimento filosofico
O conhecimento filosofico
 
Conhecimento científico
Conhecimento científicoConhecimento científico
Conhecimento científico
 
Sociologia: Ciência x Senso comum
Sociologia: Ciência x Senso comumSociologia: Ciência x Senso comum
Sociologia: Ciência x Senso comum
 
2.4. conhecimento filosófico
2.4. conhecimento filosófico2.4. conhecimento filosófico
2.4. conhecimento filosófico
 
Tipos de conhecimento
Tipos de conhecimentoTipos de conhecimento
Tipos de conhecimento
 
Filosofia e Conhecimento 1
Filosofia e Conhecimento 1Filosofia e Conhecimento 1
Filosofia e Conhecimento 1
 
Resumos filosofia 11
Resumos filosofia 11Resumos filosofia 11
Resumos filosofia 11
 

Semelhante a O conhecimento filosófico

Para que filosofia capítulo 1 resenha chauí - atualizado
Para que filosofia   capítulo 1 resenha  chauí -  atualizadoPara que filosofia   capítulo 1 resenha  chauí -  atualizado
Para que filosofia capítulo 1 resenha chauí - atualizado
Rita Gonçalves
 
Aula 01 - Origens da Filosofia
Aula 01 - Origens da FilosofiaAula 01 - Origens da Filosofia
Aula 01 - Origens da Filosofia
William Ananias
 
Filosofia. por que estudar...
Filosofia. por que estudar...Filosofia. por que estudar...
Filosofia. por que estudar...
josivaldopassos
 
Filosofia. por que estudar...
Filosofia. por que estudar...Filosofia. por que estudar...
Filosofia. por que estudar...
josivaldopassos
 
Filosofia. Por que estudar
Filosofia. Por que estudarFilosofia. Por que estudar
Filosofia. Por que estudar
josivaldopassos
 
Filosofia. Por que estudar?
Filosofia. Por que estudar?Filosofia. Por que estudar?
Filosofia. Por que estudar?
josivaldopassos
 
Filosofia da Educação
Filosofia da Educação  Filosofia da Educação
Filosofia da Educação
unieubra
 
Nos ombros dos gigantes mágicos
Nos ombros dos gigantes mágicosNos ombros dos gigantes mágicos
Nos ombros dos gigantes mágicos
Wellington Sampaio
 
5 filosofia e ciencia
5 filosofia e ciencia 5 filosofia e ciencia
5 filosofia e ciencia
Erica Frau
 
Apostila filosofia 6 ano
Apostila filosofia 6 anoApostila filosofia 6 ano
Apostila filosofia 6 ano
David Oliveira
 
Apontamentos de Filosofia
Apontamentos de FilosofiaApontamentos de Filosofia
Apontamentos de Filosofia
Luci Bonini
 
FILOSOFIA E CIÊNCIA - 2 ANO
 FILOSOFIA E CIÊNCIA - 2 ANO FILOSOFIA E CIÊNCIA - 2 ANO
FILOSOFIA E CIÊNCIA - 2 ANO
Diego Bian Filo Moreira
 
Unidade 2 [01] correntes ou concepções filosóficas
Unidade 2 [01]   correntes ou concepções filosóficasUnidade 2 [01]   correntes ou concepções filosóficas
Unidade 2 [01] correntes ou concepções filosóficas
Lucilaine Ignacio da Silva
 
Esdei 01.03 triplice aspecto da doutrina espirita
Esdei 01.03 triplice aspecto da doutrina espiritaEsdei 01.03 triplice aspecto da doutrina espirita
Esdei 01.03 triplice aspecto da doutrina espirita
Denise Aguiar
 
A FILOSOFIA E SUA HISTÓRIA
A FILOSOFIA E SUA HISTÓRIAA FILOSOFIA E SUA HISTÓRIA
A FILOSOFIA E SUA HISTÓRIA
Alexandre Ramos
 
O que é filosofia
O que é filosofiaO que é filosofia
O que é filosofia
Michel Gustavo
 
A filosofia
A filosofiaA filosofia
A filosofia
AnaKlein1
 
1.Filosofia e Filosofar
1.Filosofia e Filosofar1.Filosofia e Filosofar
1.Filosofia e Filosofar
MaraCoelho27
 
Trabalho de filosofia 22mp lepo lepo
Trabalho de filosofia 22mp lepo lepoTrabalho de filosofia 22mp lepo lepo
Trabalho de filosofia 22mp lepo lepo
Alexandre Misturini
 
Passagem do pensamento mítico ao filosófico
Passagem do pensamento mítico ao filosóficoPassagem do pensamento mítico ao filosófico
Passagem do pensamento mítico ao filosófico
Rafael Oliveira
 

Semelhante a O conhecimento filosófico (20)

Para que filosofia capítulo 1 resenha chauí - atualizado
Para que filosofia   capítulo 1 resenha  chauí -  atualizadoPara que filosofia   capítulo 1 resenha  chauí -  atualizado
Para que filosofia capítulo 1 resenha chauí - atualizado
 
Aula 01 - Origens da Filosofia
Aula 01 - Origens da FilosofiaAula 01 - Origens da Filosofia
Aula 01 - Origens da Filosofia
 
Filosofia. por que estudar...
Filosofia. por que estudar...Filosofia. por que estudar...
Filosofia. por que estudar...
 
Filosofia. por que estudar...
Filosofia. por que estudar...Filosofia. por que estudar...
Filosofia. por que estudar...
 
Filosofia. Por que estudar
Filosofia. Por que estudarFilosofia. Por que estudar
Filosofia. Por que estudar
 
Filosofia. Por que estudar?
Filosofia. Por que estudar?Filosofia. Por que estudar?
Filosofia. Por que estudar?
 
Filosofia da Educação
Filosofia da Educação  Filosofia da Educação
Filosofia da Educação
 
Nos ombros dos gigantes mágicos
Nos ombros dos gigantes mágicosNos ombros dos gigantes mágicos
Nos ombros dos gigantes mágicos
 
5 filosofia e ciencia
5 filosofia e ciencia 5 filosofia e ciencia
5 filosofia e ciencia
 
Apostila filosofia 6 ano
Apostila filosofia 6 anoApostila filosofia 6 ano
Apostila filosofia 6 ano
 
Apontamentos de Filosofia
Apontamentos de FilosofiaApontamentos de Filosofia
Apontamentos de Filosofia
 
FILOSOFIA E CIÊNCIA - 2 ANO
 FILOSOFIA E CIÊNCIA - 2 ANO FILOSOFIA E CIÊNCIA - 2 ANO
FILOSOFIA E CIÊNCIA - 2 ANO
 
Unidade 2 [01] correntes ou concepções filosóficas
Unidade 2 [01]   correntes ou concepções filosóficasUnidade 2 [01]   correntes ou concepções filosóficas
Unidade 2 [01] correntes ou concepções filosóficas
 
Esdei 01.03 triplice aspecto da doutrina espirita
Esdei 01.03 triplice aspecto da doutrina espiritaEsdei 01.03 triplice aspecto da doutrina espirita
Esdei 01.03 triplice aspecto da doutrina espirita
 
A FILOSOFIA E SUA HISTÓRIA
A FILOSOFIA E SUA HISTÓRIAA FILOSOFIA E SUA HISTÓRIA
A FILOSOFIA E SUA HISTÓRIA
 
O que é filosofia
O que é filosofiaO que é filosofia
O que é filosofia
 
A filosofia
A filosofiaA filosofia
A filosofia
 
1.Filosofia e Filosofar
1.Filosofia e Filosofar1.Filosofia e Filosofar
1.Filosofia e Filosofar
 
Trabalho de filosofia 22mp lepo lepo
Trabalho de filosofia 22mp lepo lepoTrabalho de filosofia 22mp lepo lepo
Trabalho de filosofia 22mp lepo lepo
 
Passagem do pensamento mítico ao filosófico
Passagem do pensamento mítico ao filosóficoPassagem do pensamento mítico ao filosófico
Passagem do pensamento mítico ao filosófico
 

Mais de Alan

As teorias socialistas 2019
As teorias socialistas 2019As teorias socialistas 2019
As teorias socialistas 2019
Alan
 
Grecia antiga 1 termo a e b
Grecia antiga   1 termo a e bGrecia antiga   1 termo a e b
Grecia antiga 1 termo a e b
Alan
 
Neocolonialismo e primeira guerra mundial
Neocolonialismo e primeira guerra mundialNeocolonialismo e primeira guerra mundial
Neocolonialismo e primeira guerra mundial
Alan
 
Guerra civil espanhola
Guerra civil espanholaGuerra civil espanhola
Guerra civil espanhola
Alan
 
Belle époque parte ii_3º ano
Belle époque parte ii_3º anoBelle époque parte ii_3º ano
Belle époque parte ii_3º ano
Alan
 
Belle epoque
Belle epoqueBelle epoque
Belle epoque
Alan
 
Primeira guerra mundial
Primeira guerra mundialPrimeira guerra mundial
Primeira guerra mundial
Alan
 
Revolução Russa
Revolução RussaRevolução Russa
Revolução Russa
Alan
 
Imperialismo
ImperialismoImperialismo
Imperialismo
Alan
 
Revisão Geral da História da Filosofia
Revisão Geral da História da FilosofiaRevisão Geral da História da Filosofia
Revisão Geral da História da Filosofia
Alan
 
As teorias socialistas 1
As teorias socialistas 1As teorias socialistas 1
As teorias socialistas 1
Alan
 
Filosofia politica de maquiavel a rosseau
Filosofia politica   de maquiavel a rosseauFilosofia politica   de maquiavel a rosseau
Filosofia politica de maquiavel a rosseau
Alan
 
Manual do TCC
Manual do TCCManual do TCC
Manual do TCC
Alan
 
Como fazer uma boa introdução de tcc
Como fazer uma boa introdução de tccComo fazer uma boa introdução de tcc
Como fazer uma boa introdução de tcc
Alan
 
Era dos paradigmas rené descartes
Era dos paradigmas  rené descartesEra dos paradigmas  rené descartes
Era dos paradigmas rené descartes
Alan
 
Paradigmas do Pensamento Ocidental
Paradigmas do Pensamento OcidentalParadigmas do Pensamento Ocidental
Paradigmas do Pensamento Ocidental
Alan
 
A teoria politica de Aristóteles
A teoria politica de AristótelesA teoria politica de Aristóteles
A teoria politica de Aristóteles
Alan
 
As teorias socialistas
As teorias socialistasAs teorias socialistas
As teorias socialistas
Alan
 
Lógica formal
Lógica formalLógica formal
Lógica formal
Alan
 
Dos pré socráticos ao medievais
Dos pré socráticos ao medievaisDos pré socráticos ao medievais
Dos pré socráticos ao medievais
Alan
 

Mais de Alan (20)

As teorias socialistas 2019
As teorias socialistas 2019As teorias socialistas 2019
As teorias socialistas 2019
 
Grecia antiga 1 termo a e b
Grecia antiga   1 termo a e bGrecia antiga   1 termo a e b
Grecia antiga 1 termo a e b
 
Neocolonialismo e primeira guerra mundial
Neocolonialismo e primeira guerra mundialNeocolonialismo e primeira guerra mundial
Neocolonialismo e primeira guerra mundial
 
Guerra civil espanhola
Guerra civil espanholaGuerra civil espanhola
Guerra civil espanhola
 
Belle époque parte ii_3º ano
Belle époque parte ii_3º anoBelle époque parte ii_3º ano
Belle époque parte ii_3º ano
 
Belle epoque
Belle epoqueBelle epoque
Belle epoque
 
Primeira guerra mundial
Primeira guerra mundialPrimeira guerra mundial
Primeira guerra mundial
 
Revolução Russa
Revolução RussaRevolução Russa
Revolução Russa
 
Imperialismo
ImperialismoImperialismo
Imperialismo
 
Revisão Geral da História da Filosofia
Revisão Geral da História da FilosofiaRevisão Geral da História da Filosofia
Revisão Geral da História da Filosofia
 
As teorias socialistas 1
As teorias socialistas 1As teorias socialistas 1
As teorias socialistas 1
 
Filosofia politica de maquiavel a rosseau
Filosofia politica   de maquiavel a rosseauFilosofia politica   de maquiavel a rosseau
Filosofia politica de maquiavel a rosseau
 
Manual do TCC
Manual do TCCManual do TCC
Manual do TCC
 
Como fazer uma boa introdução de tcc
Como fazer uma boa introdução de tccComo fazer uma boa introdução de tcc
Como fazer uma boa introdução de tcc
 
Era dos paradigmas rené descartes
Era dos paradigmas  rené descartesEra dos paradigmas  rené descartes
Era dos paradigmas rené descartes
 
Paradigmas do Pensamento Ocidental
Paradigmas do Pensamento OcidentalParadigmas do Pensamento Ocidental
Paradigmas do Pensamento Ocidental
 
A teoria politica de Aristóteles
A teoria politica de AristótelesA teoria politica de Aristóteles
A teoria politica de Aristóteles
 
As teorias socialistas
As teorias socialistasAs teorias socialistas
As teorias socialistas
 
Lógica formal
Lógica formalLógica formal
Lógica formal
 
Dos pré socráticos ao medievais
Dos pré socráticos ao medievaisDos pré socráticos ao medievais
Dos pré socráticos ao medievais
 

Último

05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
enpfilosofiaufu
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
QUIZ - HISTÓRIA 9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
QUIZ - HISTÓRIA  9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptxQUIZ - HISTÓRIA  9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
QUIZ - HISTÓRIA 9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
AntonioVieira539017
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
sthefanydesr
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
Giovana Gomes da Silva
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
cmeioctaciliabetesch
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
AdrianoMontagna1
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
DeuzinhaAzevedo
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
QUIZ - HISTÓRIA 9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
QUIZ - HISTÓRIA  9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptxQUIZ - HISTÓRIA  9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
QUIZ - HISTÓRIA 9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 

O conhecimento filosófico

  • 1. O QUE É A FILOSOFIA? O Conhecimento Filosófico PROFESSOR ALAN APARECIDO GONÇALVES
  • 2. A tarefa da Filosofia  A filosofia é um modo de pensar, é uma postura diante do mundo.  A filosofia não é um conjunto de conhecimentos prontos, um sistema acabado, fechado em si mesmo.  Ela é uma pratica de vida que procura pensar os acontecimentos além da sua pura aparência.  Pensa valores; ciência; seus métodos, seus mitos; pensa a religião; pensa a arte; pensa o próprio homem e sua vida cotidiana.
  • 3. A tarefa da Filosofia  A filosofia é um jogo irreverente que parte do que existe, critica, coloca em dúvida, faz perguntas importunas, abre a porta das possibilidades, faz- nos entrever outros mundos e outros modos de compreender a vida.
  • 4. A tarefa da Filosofia  A filosofia incomoda porque questiona o modo de ser das pessoas, das culturas, do mundo.  Questiona as práticas política, científica, técnica, ética, econômica, cultural e artística.  Não há área onde ela não se meta, não indague, não perturbe.  E, nesse sentido, a filosofia é perigosa, subversiva, pois vira a ordem estabelecida de cabeça para baixo.
  • 5. Numa visão pragmática, a filosofia é acusada de não servir para nada. No entanto, sua importância está na maneira como ela vai além das necessidades imediatas. ERICHLESSING/ALBUM/LATINTOCK Galileu diante do tribunal da Inquisição, de Joseph- Nicolas Robert-Fleury, século XIX. No século XVII, Galileu foi levado ao tribunal da Inquisição porque suas descobertas na área da astronomia contrariavam os dogmas vigentes. A experiência filosófica
  • 6. CONCEITOS SOBRE FILOSOFIA  OBJETIVO  O conhecimento teórico, contemplativo e pragmático.  OBJETO  Tem por objeto toda a realidade, a totalidade, o universo tomado globalmente, ao mesmo tempo em que se detêm numa parte do todo com um olhar múltiplo.  MÉTODO  Essencialmente raciocinativo, sem excluir aspectos intuitivos da realidade.
  • 7. PRINCIPAIS CAMPOS DA FILOSOFIA  Lógica – Exatidão do raciocínio.  Epistemologia – Valor do conhecimento.  Metafísica – Fundamento último da existência e da verdade.  Cosmologia – Essência, origem e o devir do mundo material.  Teodicéia –Existência, natureza de Deus e sua
  • 8. PRINCIPAIS CAMPOS DA FILOSOFIA  Ética – Natureza da lei moral e da felicidade.  Estética – O belo e a função da arte.  Antropologia – O homem sua cultura, seu ser e seu universo.  Axiologia – Problema dos valores.
  • 9. A Reflexão Filosófica  O que distingue a reflexão filosófica das demais?  Dermerval Saviani estrutura um sistema que determina essa definição.  RADICAL  RIGOROSA  DE CONJUNTO
  • 10. Radical  Ou seja, chegar até a raiz dos acontecimentos, isto é, aos seus fundamentos; à sua origem, não só cro- nológica, mas no sentido de chegar aos valores originais que possibilitaram o fato. A reflexão filosófica, portanto, é uma reflexão em profundidade.
  • 11. Rigorosa  Isto é, seguir um método adequado ao objeto em estudo, com todo o rigor, colocando em questão as respostas mais superficiais, comuns à sabedoria popular e a algumas generalizações científicas apressadas.
  • 12. De conjunto  Como já foi dito anteriormente, a filosofia não considera os problemas isoladamente, mas dentro de um conjunto de fatos, fatores e valores que estão relacionados entre si. A reflexão filosófica contextualiza os problemas tanto verticalmente, dentro do desenvolvimento histórico, quanto horizontalmente, relacionando-os a outros aspectos da situação da época.
  • 13. A singularidade da pesquisa filosófica  “O TRABALHOVERDADEIROE PRÓPRIODA PESQUISAFILOSÓFICAÉ REALIZADOAPENAS PELARAZÃO; ESTA, PARA SUBTRAIR-SEA TODOTIPODE DISTRAÇÃO, ENCERRA-SEEMSEUSAGRADO RECINTO, LONGEDO BARULHODAS MÁQUINAS, DA SEDUÇÃODOS PRAZERES, DA PRÁXISE DA CONFUSÃODOS SENTIDOS, EM SOLITÁRIACOMPANHIACOMO PRÓPRIOOBJETO.” • MONDIN,Introdução a Filosofia,p.6.
  • 15. Ciência, tecnologia e valores  1 - O senso comum  *Se trata de um conjunto de crenças de modo espontâneo e não crítico.  *Representa um esforço para resolver problemas do dia a dia, buscando soluções muitas vezes bastante criativas. 
  • 16. 2 – Distinção entre senso comum e ciência.  2.1Particular /geral  O conhecimento comum é particular. Os dados costumam ser selecionados de maneira pouco rigorosa.  Já as leis científicas valem para todos os que a eles se assemelham. As explicações da ciência são sistemáticas e controláveis pela experiência, o que permite chegar a conclusões gerais.
  • 17.  2.2 – Fragmentário/unificador  O conhecimento espontâneo é fragmentário, pois não estabelece conexões em situações em que relações poderiam ser verificadas.  Já o conhecimento cientifico é unificador, por ter a capacidade de fazer as referidas conexões, como ocorreu com Isaac Newton. “A queda da lua” – A Lua não cai sobre a Terra porque está a uma distância em que sofre a atração da terra, mas não suficiente para cair sobre ela: se por acaso se aproximasse um pouco mais, haveria de cair.
  • 18.  2.3 – Subjetivo/Objetivo  O senso comum é frequentemente subjetivo, porque depende do ponto de vista individual e pessoal, que pode ser condicionado por sentimentos ou afirmações arbitrárias.  Já o mundo construído pela ciência aspira a Objetividade.
  • 19.  2.4 – Ambiguidade/rigor  A ciência dispõe de uma linguagem rigorosa cujos conceitos são definidos para evitar ambiguidades, tornando-se cada vez mais precisa a medida que utiliza a matemática para transformar qualidades em quantidades.  O senso comum, as explicações cientificas são formuladas em enunciados gerais, alcançados pelo exame das diferenças e semelhanças das propriedades dos fenômenos.
  • 20. A verdade do senso comum *Esfregar uma aliança de ouro até esquentar e por em cima do “ter-sol” acaba com ele. *Chá de camomila acalma *Gatos de três cores são sempre fêmeas *Cortar os cabelos na lua crescente faz com que os cabelos cresçam mais rápido *Chá de boldo cura problemas no fígado. *Comer leite e manga faz mal *Maracujá calma *Gato Preto da Azar *A voz do povo é a voz de Deus
  • 21. 3 – O método cientifico  O conhecimento cientifico é uma conquista recente da humanidade, datando de cerca de 400 anos.  A ciência moderna nasceu ao determinar seu objeto especifico de investigação e ao criar métodos confiáveis pelos quais estabelece o controle desse conhecimento.  Métodos rigorosos que possibilitam demarcar um conhecimento sistemático, preciso e objetivo, a previsão de acontecimentos e também a ação sobre a natureza de maneira mais segura.
  • 22.  "Fatos são os dados do mundo. Teorias são estruturas de idéias que explicam e interpretam os fatos." - Stephen Jay Gould
  • 23. Os cientistas  ...criam, então, um conjunto de teorias baseadas nesses estudos e observações, e essas teorias são sujeitadas a uma seleção natural, até que se chegue a uma explicação satisfatória para os fatos observados.  Essa teoria deve ser consistente com os fatos. Deve poder prever que, em condições e situações idênticas, os resultados esperados devem se repetir. Qualquer pessoa, tendo acesso aos experimentos, deve poder obter os mesmos resultados independentemente.
  • 24. Vejamos um exemplo, o surgimento da vida na Terra  A primeira teoria, a Criacionista, nos conta que um deus – uma entidade metafísica jamais demonstrada ou comprovada, criou todos os seres que habitam a Terra. Algumas mitologias, como a judaico-cristã, admite que os animais foram criados todos de uma só vez, que o homem foi criado à semelhança de seu deus, e que a mulher surgiu num segundo momento, vinda da costela do primeiro homem. Acontece que isso não é compatível com as observações.
  • 25.  Uma nova e promissora área, a Biotecnologia, vem com toda força, impulsionada pelo seqüenciamento do DNA e pela Engenharia Genética.  A Biotecnologia é um exemplo de conquista proporcionada pela aplicação dos métodos científicos.
  • 26.  Um cientista não deve assumir saber a verdade sobre o que tenta explicar a priori. Quem assume que já possui a verdade sobre alguma coisa antes de investigar, tem seu poder de avaliação dos fatos comprometido com idéias pré-estabelecidas, o que acaba prejudicando seu julgamento. Preconceitos nunca são bem vindos quando se busca explicações científicas. http://filosofandoehistoriando.blogspot.com.br/2011/03/o-que-e-metodo- cientifico.html
  • 27. O Mundo de Beckman Beakman's World foi um programa de televisão educativo estrelado pelo ator americano Paul Zaloom no papel do Professor Beakman. Wikipédia