SlideShare uma empresa Scribd logo
 Epistemologia – o conhecimento
A epistemologia (=teoria do conhecimento) é a área da filosofia que investiga a natureza
e a possibilidade do conhecimento. A palavra epistemologia tem a sua raiz no termo grego
episteme, que significa conhecimento.
Entre as questões principais a que tenta responder estão as seguintes: “O que é o
conhecimento?”; “O que podemos conhecer?”; “Como alcançamos o conhecimento?”; “Como
distinguimos o conhecimento da mera crença?”; “Será o conhecimento possível?”.
As questões epistemológicas são tão antigas quanto a própria filosofia. Filósofos como
Platão,Descartes,Hume e Kant sãoalguns dos pensadoresque se debruçaramsobre esta temática.
 O que é o conhecimento proposicional?
Existem três tipos de conhecimento:
o Conhecimento por contacto
 Conhecimento direto de alguma realidade
 Ex.: “conhecer Paris”
o Saber-fazer (saber como)
 Conhecimento prático ou conhecimento de atividades
 Ex.: “saber cozinhar”
o Saber-que (proposicional)
 Conhecimento de proposições ou pensamentos verdadeiros
 Ex.: “saber que 2+2=4”
 Análise fenomenológica do conhecimento proposicional (saber-que)
CONHECIMENTO:etimologicamente, o termo conhecimento tem a sua raiz na palavra
latina cognitio (cum+gnosco),que significa «captação conjunta». Em termos gerais, refere-se à
relação estabelecida entre um sujeito que conhece (cognoscentes – aquele que conhece) e um
objeto que é conhecido (cognoscido – aquilo que é conhecido). Conheceré,assim, tornar presente
um objeto e formar uma representação dele. O sujeito apreende um objeto.
FENOMENOLOGIA: estuda a estrutura dos fenómenos, procurando evitar quaisquer
pressupostos, sejam eles ideias, teorias ou crenças. Sendo passível de aplicação em vários
domínios, é no campo do conhecimento que a fenomenologia husserliana (de Husserl –
desenvolveu o método fenomenológico) se afirma, descrevendo o fenómeno do conhecimento
como um conjunto de relações entre um sujeito e um objeto.
1. O sujeito sai de si;
2. O sujeito está fora de si e apreende as características do objeto;
3. O sujeito regressa a si, modificado, trazendo uma representação mental do
objeto.
 Definição tradicional de conhecimento
O conhecimento é crença verdadeira justificada.
Segundo Platão,conhecer implica formar uma ideia acerca de algo, crer em algo; implica
que a ideia que temos acerca de algo seja verdadeira; implica poder explicar ou fundamentar o
que acreditamos ser verdade. Porém, segundo Gettier, o conhecimento, para além das três
condições – crença, verdadeira, justificada -, é necessária uma condição extra para que exista
conhecimento.
 Perguntas e respostas sobre a matéria referida atrás:
o O que é a fenomenologia?
 A fenomenologia é um método de análise dos fenómenos, isto é,daquilo
que se dá à consciência, entre os quais se encontra o fenómeno do
conhecimento. O método fenomenológico foi criado e desenvolvido pelo
filósofo Edmund Husserl.
o Em que consiste a análise fenomenológica do conhecimento?
 A fenomenologia encara o conhecimento como o resultado de uma
relação irreversível entre um sujeito e um objeto, em que o sujeito
apreende o objeto e este é apreendido pelo sujeito.
Osujeito, ao apreenderascaracterísticasdoobjeto, constrói uma imagem
ou representação do objeto, que corresponde ao conhecimento. O objeto
é determinante para que haja conhecimento e o sujeito é determinado por
esse conhecimento.
o Como é definido tradicionalmente o conhecimento?
 Tradicionalmente, o conhecimento é definido como uma crença
verdadeira justificada.
A definição foi proposta por Platão há mais de dois milénios.
Inicialmente, parece uma definição plausível. Primeiro, para saber é
preciso acreditar,não há dúvida, pois, se nem sequer acreditar que tenho
teste amanhã como posso saberque tenho teste amanhã? Depois,não faz
sentido saber algo que é falso. Se sei que 2x2 são 22, então não sei,
mesmo que acredite saber. Por fim, faz sentido defender que a crença
verdadeira deve ser sustentada, ou justificada, para que possamos falar
em conhecimento. Um simples palpite não é conhecimento. É
fundamental saber explicar o que sabemos e como sabemos.
o Que problemas levanta a definição tripartida de conhecimento?
 O problema que a definição tripartida levanta, e que foi colocado por
Gettier, relaciona-se com as condições que são exigidas para que o
conhecimento seja definido desta forma. À primeira vista, parecem ser
condições necessárias para definir o conhecimento. O problema reside
em saber se, em conjunto, estas condições são suficientes para definir
conhecimento.
o Como se ultrapassam os problemas levantados por Gettier?
 Vários epistemólogos tentaram ultrapassar as questões levantadas por
Gettier. As teorias contemporâneas centram-se sobretudo na terceira
condição – a justificação. Afirmam que, se o conjunto de factos que
justificam a crença assegurar simultaneamente a necessidade da sua
verdade, o problema desaparece.
 O problema da origem do conhecimento
a priori
vs.
a posteriori
O conhecimento a priori é independente da experiência.
O conhecimento a posteriori é dependente da experiência.
analítico
vs.
sintético
Uma afirmação analítica é aquela em que o predicado está contido no conceito do
sujeito.
Uma afirmação sintética é aquela em que o predicado não está contido no conceito do
sujeito.
necessário
vs.
contingente
Uma verdade necessária tem de ser verdadeira em quaisquer circunstâncias ou em
todos os mundos possíveis.
Uma verdade contingente é verdadeira, tal como as coisas são num dado lugar ou
tempo, mas poderia não o ser.
inato
vs.
a priori
Inato é apenas uma noção temporal que se refere a certos conceitos, crenças ou
capacidades que são possuídos à nascença.
A priori diz-se um conhecimento que, embora possa envolver a intuição, não necessita
da experiência para ser justificado.
 Racionalismo
Para os racionalistas, a razão (entendimento) é a fonte principal do conhecimento. Esta
razão é fonte de um conhecimento totalmente independente da experiência sensível – necessário
e universal. Amatemática constitui o modelo do conhecimento. No racionalismo, o sujeito impõe-
se ao objeto.
Características do racionalismo:
 Ideias inatas: as ideias fundamentais já nascem connosco
 Intuição e dedução: as ideias fundamentais descobrem-se por intuição
intelectual. O conhecimento constrói-se de forma dedutiva
 Desconfiança dos sentidos: eles são fonte de crenças confusase,muitas
vezes, incertas
 Otimismo racionalista: há uma correspondência entre pensamento e
realidade. Toda a realidade pode ser conhecida
 René Descartes e o racionalismo
Para Descartes, o espírito, na procura do conhecimento verdadeiro, deve proceder de
forma metódica, de modo a dissipar toda e qualquer dúvida que possa existir.
Descartes instituiu a dúvida como um método na procura de verdades indubitáveis.
Descartes também disse que, mesmo que haja a menor dúvida, devemos duvidar, pois isso não é
uma verdade absoluta.
Esta dúvida, para Descartese para os racionalistas, deve ser metódicae provisória(meio
para atingir a certeza e a verdade); deve ser hiperbólica (rejeitar como falso aquilo onde existe a
mínima dúvida); deve ser universal e radical (incide no conhecimento geral e nos seus
fundamentos).
Contudo, como não existe conhecimento sem justificação, Descartes justificou esta
dúvida, tendo em conta as seguintes razões: os sentidos são enganadores; alguns homens
enganam-se nas demonstraçõesmatemáticas;não temos um critério que permita discernir o sonho
da vigília; é possível que exista um deus enganador ou um génio maligno que nos iluda a respeito
da verdade, fazendo com que estejamos sempre enganados, seja no que toca às verdades e às
demonstrações da matemática, seja no que se refere à própria existência das coisas.
Porém, causa repugnância imaginar que aquele que duvida possa não existir, pois para
duvidar é preciso pensar e para pensar é preciso existir: penso,logo existo. O cogito é, pois, a
primeira verdade que emerge do método cartesiano e constituir-se-á como pilar central do
conhecimento. Deste modo, o cogito é uma intuição racional, isto é,uma evidência que se impõe
ao espírito humano de forma absolutamente clara e distinta.
Em síntese, o cogito:é uma verdade absolutamente primeira; é uma verdade estritamente
racional; é uma verdade exclusivamente a priori; é uma verdade indubitável; é uma verdade
evidente, uma ideia clara e distinta; revela a natureza ou essência do sujeito – pensamento ou
alma; refere-se a toda a atividade consciente, distinguindo-se do corpo.
Porém, além de existir o método (da dúvida), é necessário um critério que permita
identificar um conhecimento como verdadeiro. Descartes responde a este problema dizendo que
todo o conhecimento, para ser considerado verdadeiro, deve ser claro e distinto, ou seja, deve ser
evidente.
Segundo Descartes,cada indivíduo possui três tipos de ideias: adventícias (as que nos
chegam a partir dos sentidos); factícias (as que são provenientes da imaginação); inatas (as que
possuímos à nascença). Porém,apenas as ideias inatas é que são claras e distintas, ou seja, são
aquelas que se apresentam com talevidência ao espírito humano que não podemos duvidar da sua
verdade, nem as confundir com outras verdades.
Contudo, apesar de existir o critério, precisamos de alguém que o garanta, ou seja,
precisamos de um deus que não seja enganador. Através desta problemática, Descartes tenta
provar a existência de Deus através dos seguintes argumentos:
 Parte da constatação de que na ideia de ser perfeito estão compreendidas todas as
perfeições. A existência é uma dessas perfeições e, por consequência, Deus
existe. O facto de existir é inerente à sua essência, de tal modo que este ser não
pode ser pensado como não existente. A sua existência apresenta um carácter
necessário e eterno. Esta prova é designada argumento ontológico, sendo
desenvolvida a priori, sem recurso à causalidade ou à experiência.
 Toma igualmente, como ponto de partida, a ideia de ser perfeito. Podemos
procurar a causa que faz com que essa ideia se encontre em nós. Tal causa não
pode ser o sujeito pensante: sendo finito, não é a causa da realidade objetiva de
tal ideia. O nada também não pode ser a sua causa, nem qualquer ser imperfeito.
A causa da ideia de Deus é Ele próprio. Com efeito, Deus é uma realidade que
possui todas as perfeições representadas na ideia de ser perfeito; é Ele o próprio
ser perfeito e a causa originária da ideia de perfeição. A este argumento dá-se o
nome de argumento da marca impressa.
 Baseia-se,igualmente, no princípio da causalidade. O que agora se procura saber
é qual a causa da existência do ser pensante, que é um ser finito, contingente e
imperfeito. Essa causa não é o sujeito que pensa. S o fosse, com certeza que ele
daria a si próprio as perfeições das quais possui uma ideia. Ora, isso não se
verifica. Por outro, e partindo do princípio de que a criação é uma ação contínua
– já que a natureza do tempo é descontínua, e nada garante ao sujeito pensante
que existirá no momento a seguir – o sujeito finito apercebe-se de que não possui
o poder de se conservar no seu próprio ser. Tal só aconteceria se ele fosse causa
de si mesmo. Por isso, o Criador (e conservador) do ser imperfeito e finito, assim
como de toda a realidade, é Deus.Por sua vez, sendo perfeito, Deus não necessita
de ser criado por outro ser: Ele é a causa de si mesmo.
Deste modo, sendo perfeito, Deus não é um ser enganador, pelo que nos encontramos
libertos da dimensão hiperbólica e mais corrosiva da dúvida. Deus é garantia da verdade objetiva,
das ideias clarase distintas, pois ele constitui, afinal, a garantia de que não nos enganamos. Sendo
Criador das verdades eternas, a origem do ser e o fundamento da certeza, Deus garante a
adequação entre o pensamento evidente e a realidade, legitimando o valor da ciência e conferindo
objetividade ao conhecimento. Deus é o princípio do ser e do conhecimento.
Além disso, Deusé também infinito, a fonte do bem e da verdade,é omnipotente, é eterno,
é omnisciente e, embora sendo o Criador do Universo, não é autor do mal, nem é responsável
pelos nossos erros.
Uma vez provada a existência de Deus,Descartesirá também provar a existência do corpo
e das coisas exteriores, em geral, apoiado na certeza de que Deus não o engana. Poderá, assim,
superar todos os argumentos dos céticos radicais.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Ppt o racionalismo de descartes
Ppt o racionalismo de descartesPpt o racionalismo de descartes
Ppt o racionalismo de descartes
AnaKlein1
 
Racionalismo - Filosofia
Racionalismo - FilosofiaRacionalismo - Filosofia
Racionalismo - Filosofia
Carson Souza
 
Teorias Explicativas do Conhecimento - Hume
Teorias Explicativas do Conhecimento - HumeTeorias Explicativas do Conhecimento - Hume
Teorias Explicativas do Conhecimento - Hume
Jorge Barbosa
 
Racionalismo - Descartes
Racionalismo - Descartes  Racionalismo - Descartes
Racionalismo - Descartes
Daniela Filipa Sousa
 
O racionalismo de Descartes
O racionalismo de DescartesO racionalismo de Descartes
O racionalismo de Descartes
Joana Filipa Rodrigues
 
A Alegoria Da Caverna 2008 09
A Alegoria Da Caverna 2008 09A Alegoria Da Caverna 2008 09
A Alegoria Da Caverna 2008 09
Luís Filipe Claro
 
Descartes
DescartesDescartes
Descartes
norberto faria
 
Filosofia e Conhecimento 1
Filosofia e Conhecimento 1Filosofia e Conhecimento 1
Filosofia e Conhecimento 1
Jorge Barbosa
 
Teoria racionalista de Descartes
Teoria racionalista de DescartesTeoria racionalista de Descartes
Teoria racionalista de Descartes
Elisabete Silva
 
Crítica ao argumento ontológico
Crítica ao argumento ontológicoCrítica ao argumento ontológico
Crítica ao argumento ontológico
Universidade Católica Portuguesa
 
O cogito cartesiano
O cogito cartesianoO cogito cartesiano
O cogito cartesiano
Lídia Neves
 
Filosofia do conhecimento; síntese
Filosofia do conhecimento; sínteseFilosofia do conhecimento; síntese
Filosofia do conhecimento; síntese
Ana Felizardo
 
Senso Comum e Ciência
Senso Comum e CiênciaSenso Comum e Ciência
Senso Comum e Ciência
Jorge Barbosa
 
Comparação_Popper_kuhn
Comparação_Popper_kuhn Comparação_Popper_kuhn
Comparação_Popper_kuhn
Isabel Moura
 
Objeções_falsificacionismo
Objeções_falsificacionismoObjeções_falsificacionismo
Objeções_falsificacionismo
Isabel Moura
 
A questão da existência de Deus
A questão da existência de DeusA questão da existência de Deus
A questão da existência de Deus
Espaço Emrc
 
Aula 07 - Descartes e o Racionalismo
Aula 07 - Descartes e o RacionalismoAula 07 - Descartes e o Racionalismo
Aula 07 - Descartes e o Racionalismo
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Karl popper - Filosofia 11º ano
Karl popper - Filosofia 11º anoKarl popper - Filosofia 11º ano
Karl popper - Filosofia 11º ano
FilipaFonseca
 
O racionalismo cartesiano
O racionalismo cartesianoO racionalismo cartesiano
O racionalismo cartesiano
Joaquim Melro
 
O indutivismo
O indutivismoO indutivismo

Mais procurados (20)

Ppt o racionalismo de descartes
Ppt o racionalismo de descartesPpt o racionalismo de descartes
Ppt o racionalismo de descartes
 
Racionalismo - Filosofia
Racionalismo - FilosofiaRacionalismo - Filosofia
Racionalismo - Filosofia
 
Teorias Explicativas do Conhecimento - Hume
Teorias Explicativas do Conhecimento - HumeTeorias Explicativas do Conhecimento - Hume
Teorias Explicativas do Conhecimento - Hume
 
Racionalismo - Descartes
Racionalismo - Descartes  Racionalismo - Descartes
Racionalismo - Descartes
 
O racionalismo de Descartes
O racionalismo de DescartesO racionalismo de Descartes
O racionalismo de Descartes
 
A Alegoria Da Caverna 2008 09
A Alegoria Da Caverna 2008 09A Alegoria Da Caverna 2008 09
A Alegoria Da Caverna 2008 09
 
Descartes
DescartesDescartes
Descartes
 
Filosofia e Conhecimento 1
Filosofia e Conhecimento 1Filosofia e Conhecimento 1
Filosofia e Conhecimento 1
 
Teoria racionalista de Descartes
Teoria racionalista de DescartesTeoria racionalista de Descartes
Teoria racionalista de Descartes
 
Crítica ao argumento ontológico
Crítica ao argumento ontológicoCrítica ao argumento ontológico
Crítica ao argumento ontológico
 
O cogito cartesiano
O cogito cartesianoO cogito cartesiano
O cogito cartesiano
 
Filosofia do conhecimento; síntese
Filosofia do conhecimento; sínteseFilosofia do conhecimento; síntese
Filosofia do conhecimento; síntese
 
Senso Comum e Ciência
Senso Comum e CiênciaSenso Comum e Ciência
Senso Comum e Ciência
 
Comparação_Popper_kuhn
Comparação_Popper_kuhn Comparação_Popper_kuhn
Comparação_Popper_kuhn
 
Objeções_falsificacionismo
Objeções_falsificacionismoObjeções_falsificacionismo
Objeções_falsificacionismo
 
A questão da existência de Deus
A questão da existência de DeusA questão da existência de Deus
A questão da existência de Deus
 
Aula 07 - Descartes e o Racionalismo
Aula 07 - Descartes e o RacionalismoAula 07 - Descartes e o Racionalismo
Aula 07 - Descartes e o Racionalismo
 
Karl popper - Filosofia 11º ano
Karl popper - Filosofia 11º anoKarl popper - Filosofia 11º ano
Karl popper - Filosofia 11º ano
 
O racionalismo cartesiano
O racionalismo cartesianoO racionalismo cartesiano
O racionalismo cartesiano
 
O indutivismo
O indutivismoO indutivismo
O indutivismo
 

Semelhante a Resumo filosofia (3)

resumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdf
resumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdfresumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdf
resumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdf
TamraSilva
 
Ae ci11 prep_exame_nacional
Ae ci11 prep_exame_nacionalAe ci11 prep_exame_nacional
Ae ci11 prep_exame_nacional
j_sdias
 
Resumos de Filosofia- Racionalismo e Empirismo
Resumos de Filosofia- Racionalismo e EmpirismoResumos de Filosofia- Racionalismo e Empirismo
Resumos de Filosofia- Racionalismo e Empirismo
Ana Catarina
 
Unidade2 capiiteoriasexplicativasdoconhecimento-110227081909-phpapp01
Unidade2 capiiteoriasexplicativasdoconhecimento-110227081909-phpapp01Unidade2 capiiteoriasexplicativasdoconhecimento-110227081909-phpapp01
Unidade2 capiiteoriasexplicativasdoconhecimento-110227081909-phpapp01
gildapirescosta
 
Filosofia 11ºano
Filosofia 11ºanoFilosofia 11ºano
Filosofia 11ºano
barbarapinto1997
 
Consciência e verdade
Consciência e verdadeConsciência e verdade
Consciência e verdade
Adeilsa Ferreira
 
Descartes - Trab grupo III
Descartes - Trab grupo IIIDescartes - Trab grupo III
Descartes - Trab grupo III
mluisavalente
 
Introdução disciplina Teoria do Conhecimento
Introdução disciplina Teoria do ConhecimentoIntrodução disciplina Teoria do Conhecimento
Introdução disciplina Teoria do Conhecimento
LucianoEnes1
 
Teoria do conhecimento
Teoria do conhecimentoTeoria do conhecimento
Teoria do conhecimento
Estude Mais
 
Racionalismo
RacionalismoRacionalismo
Racionalismo
Pelo Siro
 
Racionalismo
RacionalismoRacionalismo
Racionalismo
Pelo Siro
 
Resumos filosofia 2
Resumos filosofia 2Resumos filosofia 2
Resumos filosofia 2
starlightmimi
 
Ficha de trab + correção descartes
Ficha de trab + correção   descartesFicha de trab + correção   descartes
Ficha de trab + correção descartes
mluisavalente
 
Sem título 1
Sem título 1Sem título 1
Sem título 1
Lair Melo
 
Descartes críticas
Descartes críticasDescartes críticas
Descartes críticas
Helena Serrão
 
Apostila do 1º ano 3º e 4º bimestre
Apostila do 1º ano   3º e 4º bimestreApostila do 1º ano   3º e 4º bimestre
Apostila do 1º ano 3º e 4º bimestre
Duzg
 
Comodescartesultrapassaocepticismo 120217104847-phpapp02
Comodescartesultrapassaocepticismo 120217104847-phpapp02Comodescartesultrapassaocepticismo 120217104847-phpapp02
Comodescartesultrapassaocepticismo 120217104847-phpapp02
Helena Serrão
 
O que é conhecimento
O que é conhecimentoO que é conhecimento
O que é conhecimento
Marcelo Ferreira Boia
 
Merda de filosofia
Merda de filosofiaMerda de filosofia
Merda de filosofia
TONI21benfica
 
O racionalismo de Descartes.pptx
O racionalismo de Descartes.pptxO racionalismo de Descartes.pptx
O racionalismo de Descartes.pptx
IaraCaldeira2
 

Semelhante a Resumo filosofia (3) (20)

resumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdf
resumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdfresumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdf
resumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdf
 
Ae ci11 prep_exame_nacional
Ae ci11 prep_exame_nacionalAe ci11 prep_exame_nacional
Ae ci11 prep_exame_nacional
 
Resumos de Filosofia- Racionalismo e Empirismo
Resumos de Filosofia- Racionalismo e EmpirismoResumos de Filosofia- Racionalismo e Empirismo
Resumos de Filosofia- Racionalismo e Empirismo
 
Unidade2 capiiteoriasexplicativasdoconhecimento-110227081909-phpapp01
Unidade2 capiiteoriasexplicativasdoconhecimento-110227081909-phpapp01Unidade2 capiiteoriasexplicativasdoconhecimento-110227081909-phpapp01
Unidade2 capiiteoriasexplicativasdoconhecimento-110227081909-phpapp01
 
Filosofia 11ºano
Filosofia 11ºanoFilosofia 11ºano
Filosofia 11ºano
 
Consciência e verdade
Consciência e verdadeConsciência e verdade
Consciência e verdade
 
Descartes - Trab grupo III
Descartes - Trab grupo IIIDescartes - Trab grupo III
Descartes - Trab grupo III
 
Introdução disciplina Teoria do Conhecimento
Introdução disciplina Teoria do ConhecimentoIntrodução disciplina Teoria do Conhecimento
Introdução disciplina Teoria do Conhecimento
 
Teoria do conhecimento
Teoria do conhecimentoTeoria do conhecimento
Teoria do conhecimento
 
Racionalismo
RacionalismoRacionalismo
Racionalismo
 
Racionalismo
RacionalismoRacionalismo
Racionalismo
 
Resumos filosofia 2
Resumos filosofia 2Resumos filosofia 2
Resumos filosofia 2
 
Ficha de trab + correção descartes
Ficha de trab + correção   descartesFicha de trab + correção   descartes
Ficha de trab + correção descartes
 
Sem título 1
Sem título 1Sem título 1
Sem título 1
 
Descartes críticas
Descartes críticasDescartes críticas
Descartes críticas
 
Apostila do 1º ano 3º e 4º bimestre
Apostila do 1º ano   3º e 4º bimestreApostila do 1º ano   3º e 4º bimestre
Apostila do 1º ano 3º e 4º bimestre
 
Comodescartesultrapassaocepticismo 120217104847-phpapp02
Comodescartesultrapassaocepticismo 120217104847-phpapp02Comodescartesultrapassaocepticismo 120217104847-phpapp02
Comodescartesultrapassaocepticismo 120217104847-phpapp02
 
O que é conhecimento
O que é conhecimentoO que é conhecimento
O que é conhecimento
 
Merda de filosofia
Merda de filosofiaMerda de filosofia
Merda de filosofia
 
O racionalismo de Descartes.pptx
O racionalismo de Descartes.pptxO racionalismo de Descartes.pptx
O racionalismo de Descartes.pptx
 

Mais de Mateus Ferraz

Resumo filosofia (2)
Resumo filosofia (2)Resumo filosofia (2)
Resumo filosofia (2)
Mateus Ferraz
 
Resumo filosofia (1)
Resumo filosofia (1)Resumo filosofia (1)
Resumo filosofia (1)
Mateus Ferraz
 
Resumo filosofia (0)
Resumo filosofia (0)Resumo filosofia (0)
Resumo filosofia (0)
Mateus Ferraz
 
Educação Física (vários temas)
Educação Física (vários temas)Educação Física (vários temas)
Educação Física (vários temas)
Mateus Ferraz
 
Resumo geologia (1)
Resumo geologia (1)Resumo geologia (1)
Resumo geologia (1)
Mateus Ferraz
 
Resumo geologia (0)
Resumo geologia (0)Resumo geologia (0)
Resumo geologia (0)
Mateus Ferraz
 
Resumo biologia (3)
Resumo biologia (3)Resumo biologia (3)
Resumo biologia (3)
Mateus Ferraz
 
Resumo biologia (2)
Resumo biologia (2)Resumo biologia (2)
Resumo biologia (2)
Mateus Ferraz
 
Resumo biologia (1)
Resumo biologia (1)Resumo biologia (1)
Resumo biologia (1)
Mateus Ferraz
 
Resumo biologia (0)
Resumo biologia (0)Resumo biologia (0)
Resumo biologia (0)
Mateus Ferraz
 
"Regresso às fragas" de Miguel Torga
"Regresso às fragas" de Miguel Torga"Regresso às fragas" de Miguel Torga
"Regresso às fragas" de Miguel Torga
Mateus Ferraz
 
Mito de Sísifo
Mito de SísifoMito de Sísifo
Mito de Sísifo
Mateus Ferraz
 
Mito de Orpheu
Mito de OrpheuMito de Orpheu
Mito de Orpheu
Mateus Ferraz
 
Mito de Anteu
Mito de AnteuMito de Anteu
Mito de Anteu
Mateus Ferraz
 
"A um negrilho" de Miguel Torga
"A um negrilho" de Miguel Torga"A um negrilho" de Miguel Torga
"A um negrilho" de Miguel Torga
Mateus Ferraz
 
Cyberterrorismo
CyberterrorismoCyberterrorismo
Cyberterrorismo
Mateus Ferraz
 
As 24 Horas de Le Mans
As 24 Horas de Le MansAs 24 Horas de Le Mans
As 24 Horas de Le Mans
Mateus Ferraz
 
Adolf Hitler
Adolf HitlerAdolf Hitler
Adolf Hitler
Mateus Ferraz
 

Mais de Mateus Ferraz (20)

Resumo filosofia (2)
Resumo filosofia (2)Resumo filosofia (2)
Resumo filosofia (2)
 
Resumo filosofia (1)
Resumo filosofia (1)Resumo filosofia (1)
Resumo filosofia (1)
 
Resumo filosofia (0)
Resumo filosofia (0)Resumo filosofia (0)
Resumo filosofia (0)
 
Educação Física (vários temas)
Educação Física (vários temas)Educação Física (vários temas)
Educação Física (vários temas)
 
Resumo geologia (1)
Resumo geologia (1)Resumo geologia (1)
Resumo geologia (1)
 
Resumo geologia (0)
Resumo geologia (0)Resumo geologia (0)
Resumo geologia (0)
 
Resumo biologia (3)
Resumo biologia (3)Resumo biologia (3)
Resumo biologia (3)
 
Resumo biologia (2)
Resumo biologia (2)Resumo biologia (2)
Resumo biologia (2)
 
Resumo biologia (1)
Resumo biologia (1)Resumo biologia (1)
Resumo biologia (1)
 
Resumo biologia (0)
Resumo biologia (0)Resumo biologia (0)
Resumo biologia (0)
 
"Regresso às fragas" de Miguel Torga
"Regresso às fragas" de Miguel Torga"Regresso às fragas" de Miguel Torga
"Regresso às fragas" de Miguel Torga
 
Mito de Sísifo
Mito de SísifoMito de Sísifo
Mito de Sísifo
 
Mito de Orpheu
Mito de OrpheuMito de Orpheu
Mito de Orpheu
 
Mito de Anteu
Mito de AnteuMito de Anteu
Mito de Anteu
 
"A um negrilho" de Miguel Torga
"A um negrilho" de Miguel Torga"A um negrilho" de Miguel Torga
"A um negrilho" de Miguel Torga
 
Cyberterrorismo
CyberterrorismoCyberterrorismo
Cyberterrorismo
 
As 24 Horas de Le Mans
As 24 Horas de Le MansAs 24 Horas de Le Mans
As 24 Horas de Le Mans
 
Adolf Hitler
Adolf HitlerAdolf Hitler
Adolf Hitler
 
Jacques ancet
Jacques ancetJacques ancet
Jacques ancet
 
Jacques ancet
Jacques ancetJacques ancet
Jacques ancet
 

Último

Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Pedro Luis Moraes
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIAAPRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
karinenobre2033
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdfJOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
ClaudiaMainoth
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
JoanaFigueira11
 

Último (20)

Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIAAPRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdfJOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
 

Resumo filosofia (3)

  • 1.  Epistemologia – o conhecimento A epistemologia (=teoria do conhecimento) é a área da filosofia que investiga a natureza e a possibilidade do conhecimento. A palavra epistemologia tem a sua raiz no termo grego episteme, que significa conhecimento. Entre as questões principais a que tenta responder estão as seguintes: “O que é o conhecimento?”; “O que podemos conhecer?”; “Como alcançamos o conhecimento?”; “Como distinguimos o conhecimento da mera crença?”; “Será o conhecimento possível?”. As questões epistemológicas são tão antigas quanto a própria filosofia. Filósofos como Platão,Descartes,Hume e Kant sãoalguns dos pensadoresque se debruçaramsobre esta temática.  O que é o conhecimento proposicional? Existem três tipos de conhecimento: o Conhecimento por contacto  Conhecimento direto de alguma realidade  Ex.: “conhecer Paris” o Saber-fazer (saber como)  Conhecimento prático ou conhecimento de atividades  Ex.: “saber cozinhar” o Saber-que (proposicional)  Conhecimento de proposições ou pensamentos verdadeiros  Ex.: “saber que 2+2=4”  Análise fenomenológica do conhecimento proposicional (saber-que) CONHECIMENTO:etimologicamente, o termo conhecimento tem a sua raiz na palavra latina cognitio (cum+gnosco),que significa «captação conjunta». Em termos gerais, refere-se à relação estabelecida entre um sujeito que conhece (cognoscentes – aquele que conhece) e um objeto que é conhecido (cognoscido – aquilo que é conhecido). Conheceré,assim, tornar presente um objeto e formar uma representação dele. O sujeito apreende um objeto. FENOMENOLOGIA: estuda a estrutura dos fenómenos, procurando evitar quaisquer pressupostos, sejam eles ideias, teorias ou crenças. Sendo passível de aplicação em vários domínios, é no campo do conhecimento que a fenomenologia husserliana (de Husserl – desenvolveu o método fenomenológico) se afirma, descrevendo o fenómeno do conhecimento como um conjunto de relações entre um sujeito e um objeto. 1. O sujeito sai de si; 2. O sujeito está fora de si e apreende as características do objeto; 3. O sujeito regressa a si, modificado, trazendo uma representação mental do objeto.  Definição tradicional de conhecimento O conhecimento é crença verdadeira justificada. Segundo Platão,conhecer implica formar uma ideia acerca de algo, crer em algo; implica que a ideia que temos acerca de algo seja verdadeira; implica poder explicar ou fundamentar o que acreditamos ser verdade. Porém, segundo Gettier, o conhecimento, para além das três condições – crença, verdadeira, justificada -, é necessária uma condição extra para que exista conhecimento.  Perguntas e respostas sobre a matéria referida atrás: o O que é a fenomenologia?  A fenomenologia é um método de análise dos fenómenos, isto é,daquilo que se dá à consciência, entre os quais se encontra o fenómeno do
  • 2. conhecimento. O método fenomenológico foi criado e desenvolvido pelo filósofo Edmund Husserl. o Em que consiste a análise fenomenológica do conhecimento?  A fenomenologia encara o conhecimento como o resultado de uma relação irreversível entre um sujeito e um objeto, em que o sujeito apreende o objeto e este é apreendido pelo sujeito. Osujeito, ao apreenderascaracterísticasdoobjeto, constrói uma imagem ou representação do objeto, que corresponde ao conhecimento. O objeto é determinante para que haja conhecimento e o sujeito é determinado por esse conhecimento. o Como é definido tradicionalmente o conhecimento?  Tradicionalmente, o conhecimento é definido como uma crença verdadeira justificada. A definição foi proposta por Platão há mais de dois milénios. Inicialmente, parece uma definição plausível. Primeiro, para saber é preciso acreditar,não há dúvida, pois, se nem sequer acreditar que tenho teste amanhã como posso saberque tenho teste amanhã? Depois,não faz sentido saber algo que é falso. Se sei que 2x2 são 22, então não sei, mesmo que acredite saber. Por fim, faz sentido defender que a crença verdadeira deve ser sustentada, ou justificada, para que possamos falar em conhecimento. Um simples palpite não é conhecimento. É fundamental saber explicar o que sabemos e como sabemos. o Que problemas levanta a definição tripartida de conhecimento?  O problema que a definição tripartida levanta, e que foi colocado por Gettier, relaciona-se com as condições que são exigidas para que o conhecimento seja definido desta forma. À primeira vista, parecem ser condições necessárias para definir o conhecimento. O problema reside em saber se, em conjunto, estas condições são suficientes para definir conhecimento. o Como se ultrapassam os problemas levantados por Gettier?  Vários epistemólogos tentaram ultrapassar as questões levantadas por Gettier. As teorias contemporâneas centram-se sobretudo na terceira condição – a justificação. Afirmam que, se o conjunto de factos que justificam a crença assegurar simultaneamente a necessidade da sua verdade, o problema desaparece.  O problema da origem do conhecimento a priori vs. a posteriori O conhecimento a priori é independente da experiência. O conhecimento a posteriori é dependente da experiência. analítico vs. sintético Uma afirmação analítica é aquela em que o predicado está contido no conceito do sujeito. Uma afirmação sintética é aquela em que o predicado não está contido no conceito do sujeito. necessário vs. contingente Uma verdade necessária tem de ser verdadeira em quaisquer circunstâncias ou em todos os mundos possíveis. Uma verdade contingente é verdadeira, tal como as coisas são num dado lugar ou tempo, mas poderia não o ser. inato vs. a priori Inato é apenas uma noção temporal que se refere a certos conceitos, crenças ou capacidades que são possuídos à nascença. A priori diz-se um conhecimento que, embora possa envolver a intuição, não necessita da experiência para ser justificado.
  • 3.  Racionalismo Para os racionalistas, a razão (entendimento) é a fonte principal do conhecimento. Esta razão é fonte de um conhecimento totalmente independente da experiência sensível – necessário e universal. Amatemática constitui o modelo do conhecimento. No racionalismo, o sujeito impõe- se ao objeto. Características do racionalismo:  Ideias inatas: as ideias fundamentais já nascem connosco  Intuição e dedução: as ideias fundamentais descobrem-se por intuição intelectual. O conhecimento constrói-se de forma dedutiva  Desconfiança dos sentidos: eles são fonte de crenças confusase,muitas vezes, incertas  Otimismo racionalista: há uma correspondência entre pensamento e realidade. Toda a realidade pode ser conhecida  René Descartes e o racionalismo Para Descartes, o espírito, na procura do conhecimento verdadeiro, deve proceder de forma metódica, de modo a dissipar toda e qualquer dúvida que possa existir. Descartes instituiu a dúvida como um método na procura de verdades indubitáveis. Descartes também disse que, mesmo que haja a menor dúvida, devemos duvidar, pois isso não é uma verdade absoluta. Esta dúvida, para Descartese para os racionalistas, deve ser metódicae provisória(meio para atingir a certeza e a verdade); deve ser hiperbólica (rejeitar como falso aquilo onde existe a mínima dúvida); deve ser universal e radical (incide no conhecimento geral e nos seus fundamentos). Contudo, como não existe conhecimento sem justificação, Descartes justificou esta dúvida, tendo em conta as seguintes razões: os sentidos são enganadores; alguns homens enganam-se nas demonstraçõesmatemáticas;não temos um critério que permita discernir o sonho da vigília; é possível que exista um deus enganador ou um génio maligno que nos iluda a respeito da verdade, fazendo com que estejamos sempre enganados, seja no que toca às verdades e às demonstrações da matemática, seja no que se refere à própria existência das coisas. Porém, causa repugnância imaginar que aquele que duvida possa não existir, pois para duvidar é preciso pensar e para pensar é preciso existir: penso,logo existo. O cogito é, pois, a primeira verdade que emerge do método cartesiano e constituir-se-á como pilar central do conhecimento. Deste modo, o cogito é uma intuição racional, isto é,uma evidência que se impõe ao espírito humano de forma absolutamente clara e distinta. Em síntese, o cogito:é uma verdade absolutamente primeira; é uma verdade estritamente racional; é uma verdade exclusivamente a priori; é uma verdade indubitável; é uma verdade evidente, uma ideia clara e distinta; revela a natureza ou essência do sujeito – pensamento ou alma; refere-se a toda a atividade consciente, distinguindo-se do corpo. Porém, além de existir o método (da dúvida), é necessário um critério que permita identificar um conhecimento como verdadeiro. Descartes responde a este problema dizendo que todo o conhecimento, para ser considerado verdadeiro, deve ser claro e distinto, ou seja, deve ser evidente. Segundo Descartes,cada indivíduo possui três tipos de ideias: adventícias (as que nos chegam a partir dos sentidos); factícias (as que são provenientes da imaginação); inatas (as que possuímos à nascença). Porém,apenas as ideias inatas é que são claras e distintas, ou seja, são aquelas que se apresentam com talevidência ao espírito humano que não podemos duvidar da sua verdade, nem as confundir com outras verdades.
  • 4. Contudo, apesar de existir o critério, precisamos de alguém que o garanta, ou seja, precisamos de um deus que não seja enganador. Através desta problemática, Descartes tenta provar a existência de Deus através dos seguintes argumentos:  Parte da constatação de que na ideia de ser perfeito estão compreendidas todas as perfeições. A existência é uma dessas perfeições e, por consequência, Deus existe. O facto de existir é inerente à sua essência, de tal modo que este ser não pode ser pensado como não existente. A sua existência apresenta um carácter necessário e eterno. Esta prova é designada argumento ontológico, sendo desenvolvida a priori, sem recurso à causalidade ou à experiência.  Toma igualmente, como ponto de partida, a ideia de ser perfeito. Podemos procurar a causa que faz com que essa ideia se encontre em nós. Tal causa não pode ser o sujeito pensante: sendo finito, não é a causa da realidade objetiva de tal ideia. O nada também não pode ser a sua causa, nem qualquer ser imperfeito. A causa da ideia de Deus é Ele próprio. Com efeito, Deus é uma realidade que possui todas as perfeições representadas na ideia de ser perfeito; é Ele o próprio ser perfeito e a causa originária da ideia de perfeição. A este argumento dá-se o nome de argumento da marca impressa.  Baseia-se,igualmente, no princípio da causalidade. O que agora se procura saber é qual a causa da existência do ser pensante, que é um ser finito, contingente e imperfeito. Essa causa não é o sujeito que pensa. S o fosse, com certeza que ele daria a si próprio as perfeições das quais possui uma ideia. Ora, isso não se verifica. Por outro, e partindo do princípio de que a criação é uma ação contínua – já que a natureza do tempo é descontínua, e nada garante ao sujeito pensante que existirá no momento a seguir – o sujeito finito apercebe-se de que não possui o poder de se conservar no seu próprio ser. Tal só aconteceria se ele fosse causa de si mesmo. Por isso, o Criador (e conservador) do ser imperfeito e finito, assim como de toda a realidade, é Deus.Por sua vez, sendo perfeito, Deus não necessita de ser criado por outro ser: Ele é a causa de si mesmo. Deste modo, sendo perfeito, Deus não é um ser enganador, pelo que nos encontramos libertos da dimensão hiperbólica e mais corrosiva da dúvida. Deus é garantia da verdade objetiva, das ideias clarase distintas, pois ele constitui, afinal, a garantia de que não nos enganamos. Sendo Criador das verdades eternas, a origem do ser e o fundamento da certeza, Deus garante a adequação entre o pensamento evidente e a realidade, legitimando o valor da ciência e conferindo objetividade ao conhecimento. Deus é o princípio do ser e do conhecimento. Além disso, Deusé também infinito, a fonte do bem e da verdade,é omnipotente, é eterno, é omnisciente e, embora sendo o Criador do Universo, não é autor do mal, nem é responsável pelos nossos erros. Uma vez provada a existência de Deus,Descartesirá também provar a existência do corpo e das coisas exteriores, em geral, apoiado na certeza de que Deus não o engana. Poderá, assim, superar todos os argumentos dos céticos radicais.