SlideShare uma empresa Scribd logo
PROCESSO DEPROCESSO DE
COLONIZAÇÃO DO BRASILCOLONIZAÇÃO DO BRASIL
 Brasil até 1530Brasil até 1530 – prática do– prática do escamboescambo
= extração e comércio de pau-brasil em= extração e comércio de pau-brasil em
troca de produtos sem valor para ostroca de produtos sem valor para os
europeus mais super valorizados peloseuropeus mais super valorizados pelos
índios;índios;
 MotivoMotivo: declínio do comércio: declínio do comércio
português de especiarias;português de especiarias;
 Pós 1530Pós 1530 – aumento da concorrência– aumento da concorrência
comercial holandesa e inglesa nacomercial holandesa e inglesa na
Índias;Índias;
 Presença constante de franceses emPresença constante de franceses em
costas brasileiras (contrabando pau-costas brasileiras (contrabando pau-
brasil);brasil);
 Inicia-se no Brasil umInicia-se no Brasil um projeto deprojeto de
colonização e ocupação territorialcolonização e ocupação territorial..
 Atividade econômica:Atividade econômica: produção doprodução do
açúcaraçúcar
 Por que produzir açúcar?Por que produzir açúcar?
 Portugal já possuíaPortugal já possuía experiênciaexperiência
anterior – (ilhas do atlântico);anterior – (ilhas do atlântico);
 Exclusivo colonialExclusivo colonial = comércio= comércio
exclusivo com Portugal;exclusivo com Portugal;
 TrabalhoTrabalho: escravo negro/índio;: escravo negro/índio;
 Recursos financeirosRecursos financeiros = iniciativa= iniciativa
particular;particular;
GovernoGoverno
português:português:
DivideDivide
Brasil emBrasil em
15 lotes de15 lotes de
terrasterras
 D. João III (1534) –D. João III (1534) – capitaniascapitanias
HereditáriasHereditárias
 DonatáriosDonatários – recebiam Carta de– recebiam Carta de
Doação;Doação;
 Donatários não eram donos da terra;Donatários não eram donos da terra;
 Deveriam mantê-la ocupada e rentávelDeveriam mantê-la ocupada e rentável
com recursos próprioscom recursos próprios
(administradores);(administradores);
 As terras passavam de pais para filhosAs terras passavam de pais para filhos
((posse hereditáriaposse hereditária););
 DonatáriosDonatários = doavam= doavam sesmariassesmarias
(Lote menor de terra);(Lote menor de terra);
 SesmeiroSesmeiro = tinha a posse, mas= tinha a posse, mas
deveria torná-la rentável em 2 anos.deveria torná-la rentável em 2 anos.
 O Primeiro sesmeiro do Paraná foiO Primeiro sesmeiro do Paraná foi
Diogo Unhate.Diogo Unhate.
 Financiamento holandêsFinanciamento holandês para opara o
cultivo do açúcar em troca da compracultivo do açúcar em troca da compra
da produção para o refino.da produção para o refino.
 Prosperam: São Vicente eProsperam: São Vicente e
Pernambuco.Pernambuco.
 Motivo do fracasso das demais:Motivo do fracasso das demais:
 Falta de recursos financeiros;Falta de recursos financeiros;
 Falta de apoio da coroa;Falta de apoio da coroa;
 Ataques de índios;Ataques de índios;
 Abandono das terras.Abandono das terras.
 Governo GeralGoverno Geral (1548)(1548)
 ObjetivoObjetivo: centralizar a defesa e a: centralizar a defesa e a
administração do território.administração do território.
 1º - Tomé de Souza;1º - Tomé de Souza;
 2º - Duarte da Costa;2º - Duarte da Costa;
 3º - Mem de Sá.3º - Mem de Sá.
União IbéricaUnião Ibérica (1580 até 1640)(1580 até 1640)
 1.580 – disputa1.580 – disputa
pelo tronopelo trono
português –português –
colocou Filipe IIcolocou Filipe II
como Rei doscomo Rei dos
dois paísesdois países
Portugal ePortugal e
Espanha.Espanha.
 A Espanha não aceitava aA Espanha não aceitava a
independência da Holanda e rompeuindependência da Holanda e rompeu
relações comerciais com ela.relações comerciais com ela.
 Prejudicada em seus interessesPrejudicada em seus interesses
econômicos com o Brasil, aeconômicos com o Brasil, a HolandaHolanda
fundou em 1621, a Cia das Índiasfundou em 1621, a Cia das Índias
OcidentaisOcidentais = conquistar o nordeste= conquistar o nordeste
açucareiroaçucareiro
 1630 – invadem o litoral1630 – invadem o litoral
PernambucoPernambuco
 1637 – chega1637 – chega Maurício de NassauMaurício de Nassau::
• Recupera os engenhos de açúcar;Recupera os engenhos de açúcar;
• Permite a liberdade de culto;Permite a liberdade de culto;
• Realiza a urbanização de Recife;Realiza a urbanização de Recife;
• Desenvolve fazendas de gadoDesenvolve fazendas de gado..
 1640 – Portugal libertou-se da1640 – Portugal libertou-se da
Espanha.Espanha.
 1654 – holandeses são expulsos do1654 – holandeses são expulsos do
Brasil –Brasil – Insurreição PernambucanaInsurreição Pernambucana
A PRODUÇÃO DO AÇÚCARA PRODUÇÃO DO AÇÚCAR
 Produção de Açúcar:Produção de Açúcar:
 Clima, solo propícios;Clima, solo propícios;
 Mercado certo;Mercado certo;
 Grandes propriedades – latifúndios;Grandes propriedades – latifúndios;
 Mão de obra escravaMão de obra escrava (por que não(por que não
mão de obra livre?)mão de obra livre?)
 Engenhos: unidade de produçãoEngenhos: unidade de produção
 1) canavial;1) canavial;
 2) plantações de subsistência;2) plantações de subsistência;
 3) a fábrica de açúcar;3) a fábrica de açúcar;
 4) casa-grande; senzala;4) casa-grande; senzala;
 5) capela, escola;5) capela, escola;
 6) habitações dos trabalhadores6) habitações dos trabalhadores
livres: feitor, mestre do açúcar elivres: feitor, mestre do açúcar e
lavradores contratados paralavradores contratados para
determinados serviços.determinados serviços.
 O senhor de engenhoO senhor de engenho – dono da terra– dono da terra
e dos escravos. Possuía grandee dos escravos. Possuía grande
influência política;influência política;
 Os escravosOs escravos - propriedades do senhor- propriedades do senhor
de engenho (mercadoria);de engenho (mercadoria);
 Homens livresHomens livres – peq. plantadores de– peq. plantadores de
cana, comerciantes, artesãos, padres,cana, comerciantes, artesãos, padres,
militares (moravam em vilas emilitares (moravam em vilas e
pequenas cidades).pequenas cidades).
 Fazendeiros obrigadosFazendeiros obrigados ––
arrendatários, pagavam pelo uso daarrendatários, pagavam pelo uso da
terra e moagem da produção da cana.terra e moagem da produção da cana.
Além do açúcar: tabaco – trocaAlém do açúcar: tabaco – troca
com escravos;com escravos;
Algodão – roupas rústicas paraAlgodão – roupas rústicas para
escravos;escravos;
Pecuário (povoamento do sertão)Pecuário (povoamento do sertão)
Barras de ouro da Casa de FundiçãoBarras de ouro da Casa de Fundição
de Vila Ricade Vila Rica
 OuroOuro
 Primeiro em Paranaguá séc. XVII;Primeiro em Paranaguá séc. XVII;
 Depois: Entradas e Bandeiras –Depois: Entradas e Bandeiras –
Paulistas – Minas Gerais;Paulistas – Minas Gerais;
 Extração ouro:Extração ouro:
 FaisqueiraFaisqueira = ouro de lavagem = uso de= ouro de lavagem = uso de
bateia;bateia;
 LavraLavra = ouro de veio = terreno dado= ouro de veio = terreno dado
pela coroa a proprietários de acordopela coroa a proprietários de acordo
com o nr de escravos (50 a 100).com o nr de escravos (50 a 100).
OURO DE VEIO E FAISQUEIRA-BATÉIAOURO DE VEIO E FAISQUEIRA-BATÉIA
 As Lavras podiam ser divididas emAs Lavras podiam ser divididas em
datas e arrendadas;datas e arrendadas;
 Não havia atividades agrícolas ouNão havia atividades agrícolas ou
industriais, tudo vinha de fora, deindustriais, tudo vinha de fora, de
outras regiões – cria mercado interno.outras regiões – cria mercado interno.
 Fiscalização:Fiscalização:
 Intendência das Minas: cobrança doIntendência das Minas: cobrança do
1/5 = 20% da produção;1/5 = 20% da produção;
 Casa de Fundição = ouro em barra;Casa de Fundição = ouro em barra;
Casa de Fundição de ouro em Iguape,Casa de Fundição de ouro em Iguape,
estabelecida em 1653estabelecida em 1653
 Dependência Econômica deDependência Econômica de
Portugal com a Inglaterra:Portugal com a Inglaterra:
 1703 – Tratado de Metween – “Panos1703 – Tratado de Metween – “Panos
X Vinhos”;X Vinhos”;
 Resistência à escravidão:Resistência à escravidão:
 Suicídio, aborto, banzo, fugas paraSuicídio, aborto, banzo, fugas para
quilombos, luta armada.quilombos, luta armada.
 Palmares - 1630 – 1695.Palmares - 1630 – 1695.
Quilombo dos Palmares e ZumbiQuilombo dos Palmares e Zumbi
FIM.FIM.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Os astecas
Os astecasOs astecas
Os astecas
edna2
 
Colonizacao espanhola-america
Colonizacao espanhola-americaColonizacao espanhola-america
Colonizacao espanhola-america
Marcos Oliveira
 
Pecuária, Entradas & Bandeiras, Tratados de Limites
Pecuária, Entradas & Bandeiras, Tratados de LimitesPecuária, Entradas & Bandeiras, Tratados de Limites
Pecuária, Entradas & Bandeiras, Tratados de Limites
Valéria Shoujofan
 
13 colônias inglesas
13 colônias inglesas13 colônias inglesas
13 colônias inglesas
harlissoncarvalho
 
Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2016)
Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2016)Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2016)
Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2016)
Nefer19
 
Revolução francesa 8º
Revolução francesa 8ºRevolução francesa 8º
Revolução francesa 8º
Vagner Roberto
 
A Formação dos Estados Nacionais
A Formação dos Estados NacionaisA Formação dos Estados Nacionais
A Formação dos Estados Nacionais
Douglas Barraqui
 
O brasil açucareiro
O brasil açucareiroO brasil açucareiro
O brasil açucareiro
Camila Silva Fernandes
 
Período regencial
Período regencialPeríodo regencial
Período regencial
Fabiana Tonsis
 
Expansão colonial na américa portuguesa
Expansão colonial na américa portuguesaExpansão colonial na américa portuguesa
Expansão colonial na américa portuguesa
Professora Natália de Oliveira
 
Colonização do brasil
Colonização do brasilColonização do brasil
Colonização do brasil
ana paula santos molina
 
Conjuração Mineira e Baiana
Conjuração Mineira e BaianaConjuração Mineira e Baiana
Conjuração Mineira e Baiana
Aulas de História
 
Brasil pré colonial (1500-1530).ppt
Brasil pré colonial (1500-1530).pptBrasil pré colonial (1500-1530).ppt
Brasil pré colonial (1500-1530).ppt
dmflores21
 
Brasil invasões estrangeiras - francesas e holandesas
Brasil invasões estrangeiras - francesas e holandesasBrasil invasões estrangeiras - francesas e holandesas
Brasil invasões estrangeiras - francesas e holandesas
Celso Firmino História, Filosofia, Sociologia
 
Tratado de tordesilhas
Tratado de tordesilhasTratado de tordesilhas
Tratado de tordesilhas
KellyCarvalho2011
 
O Processo de Independência do Brasil
O Processo de Independência do BrasilO Processo de Independência do Brasil
O Processo de Independência do Brasil
Felipe de Souza
 
Período regencial (1831 1840)
Período regencial (1831  1840)Período regencial (1831  1840)
Período regencial (1831 1840)
Marilia Pimentel
 
Vinda Da Familia Real Para O Brasil
Vinda Da Familia Real Para O BrasilVinda Da Familia Real Para O Brasil
Vinda Da Familia Real Para O Brasil
henrique.jay
 
Descobrimento Do Brasil
Descobrimento Do  BrasilDescobrimento Do  Brasil
Descobrimento Do Brasil
Alex Ferreira dos Santos
 
Colonizacao inglesa
Colonizacao inglesaColonizacao inglesa
Colonizacao inglesa
Fabiana Tonsis
 

Mais procurados (20)

Os astecas
Os astecasOs astecas
Os astecas
 
Colonizacao espanhola-america
Colonizacao espanhola-americaColonizacao espanhola-america
Colonizacao espanhola-america
 
Pecuária, Entradas & Bandeiras, Tratados de Limites
Pecuária, Entradas & Bandeiras, Tratados de LimitesPecuária, Entradas & Bandeiras, Tratados de Limites
Pecuária, Entradas & Bandeiras, Tratados de Limites
 
13 colônias inglesas
13 colônias inglesas13 colônias inglesas
13 colônias inglesas
 
Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2016)
Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2016)Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2016)
Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2016)
 
Revolução francesa 8º
Revolução francesa 8ºRevolução francesa 8º
Revolução francesa 8º
 
A Formação dos Estados Nacionais
A Formação dos Estados NacionaisA Formação dos Estados Nacionais
A Formação dos Estados Nacionais
 
O brasil açucareiro
O brasil açucareiroO brasil açucareiro
O brasil açucareiro
 
Período regencial
Período regencialPeríodo regencial
Período regencial
 
Expansão colonial na américa portuguesa
Expansão colonial na américa portuguesaExpansão colonial na américa portuguesa
Expansão colonial na américa portuguesa
 
Colonização do brasil
Colonização do brasilColonização do brasil
Colonização do brasil
 
Conjuração Mineira e Baiana
Conjuração Mineira e BaianaConjuração Mineira e Baiana
Conjuração Mineira e Baiana
 
Brasil pré colonial (1500-1530).ppt
Brasil pré colonial (1500-1530).pptBrasil pré colonial (1500-1530).ppt
Brasil pré colonial (1500-1530).ppt
 
Brasil invasões estrangeiras - francesas e holandesas
Brasil invasões estrangeiras - francesas e holandesasBrasil invasões estrangeiras - francesas e holandesas
Brasil invasões estrangeiras - francesas e holandesas
 
Tratado de tordesilhas
Tratado de tordesilhasTratado de tordesilhas
Tratado de tordesilhas
 
O Processo de Independência do Brasil
O Processo de Independência do BrasilO Processo de Independência do Brasil
O Processo de Independência do Brasil
 
Período regencial (1831 1840)
Período regencial (1831  1840)Período regencial (1831  1840)
Período regencial (1831 1840)
 
Vinda Da Familia Real Para O Brasil
Vinda Da Familia Real Para O BrasilVinda Da Familia Real Para O Brasil
Vinda Da Familia Real Para O Brasil
 
Descobrimento Do Brasil
Descobrimento Do  BrasilDescobrimento Do  Brasil
Descobrimento Do Brasil
 
Colonizacao inglesa
Colonizacao inglesaColonizacao inglesa
Colonizacao inglesa
 

Destaque

Colonização do Brasil
Colonização do BrasilColonização do Brasil
Colonização do Brasil
Paulo Alexandre
 
Brasil colnia 2
Brasil colnia 2 Brasil colnia 2
Brasil colnia 2
Marcelo Ferreira Boia
 
O espaço colonial do nordeste
O espaço colonial do nordesteO espaço colonial do nordeste
O espaço colonial do nordeste
FLAVIO TOLEDO DE SOUZA
 
Colonização do brasil
Colonização do brasilColonização do brasil
Colonização do brasil
Jose Ribamar Santos
 
Brasil Colônia
Brasil ColôniaBrasil Colônia
Brasil Colônia
joana71
 
Independência do Brasil
Independência do BrasilIndependência do Brasil
Independência do Brasil
José Roberto
 
Expedições Fiocruz 2012 5/5
Expedições Fiocruz 2012 5/5Expedições Fiocruz 2012 5/5
Expedições Fiocruz 2012 5/5
nextfiocruz
 
Hebreus fenicios e persas
Hebreus fenicios e persasHebreus fenicios e persas
Hebreus fenicios e persas
Marcelo Ferreira Boia
 
Brasil colonia 2
Brasil colonia 2 Brasil colonia 2
Brasil colonia 2
Marcelo Ferreira Boia
 
Crise do café e industrialização do brasil
Crise do café e industrialização do brasilCrise do café e industrialização do brasil
Crise do café e industrialização do brasil
Lilian Damares
 
Brasil colonial
Brasil colonialBrasil colonial
Brasil colonial
Camila Brito
 
Capitalismo comercial
Capitalismo comercialCapitalismo comercial
Capitalismo comercial
Bruno Lisboa
 
Centros urbanos
Centros urbanosCentros urbanos
Centros urbanos
Keila Luiza
 
O quilombo de palmares texto de raquel funari
O quilombo de palmares texto de raquel funariO quilombo de palmares texto de raquel funari
O quilombo de palmares texto de raquel funari
luiskerber2013
 
Aulão de História - 1º ano
Aulão de História - 1º anoAulão de História - 1º ano
Aulão de História - 1º ano
Paulo Alexandre
 
Uniao iberica
Uniao ibericaUniao iberica
Uniao iberica
Dina Pécurto
 
A chegada dos portugueses ao brasil
A chegada dos portugueses ao brasilA chegada dos portugueses ao brasil
A chegada dos portugueses ao brasil
Herlan Ribeiro de Souza
 
História dos desbravadores
História dos desbravadoresHistória dos desbravadores
História dos desbravadores
Guerreiros Cristo
 
Quilombos
QuilombosQuilombos
Quilombos
Laguat
 
Quilombo dos Palmares
Quilombo dos PalmaresQuilombo dos Palmares
Quilombo dos Palmares
Lourdes Grasel
 

Destaque (20)

Colonização do Brasil
Colonização do BrasilColonização do Brasil
Colonização do Brasil
 
Brasil colnia 2
Brasil colnia 2 Brasil colnia 2
Brasil colnia 2
 
O espaço colonial do nordeste
O espaço colonial do nordesteO espaço colonial do nordeste
O espaço colonial do nordeste
 
Colonização do brasil
Colonização do brasilColonização do brasil
Colonização do brasil
 
Brasil Colônia
Brasil ColôniaBrasil Colônia
Brasil Colônia
 
Independência do Brasil
Independência do BrasilIndependência do Brasil
Independência do Brasil
 
Expedições Fiocruz 2012 5/5
Expedições Fiocruz 2012 5/5Expedições Fiocruz 2012 5/5
Expedições Fiocruz 2012 5/5
 
Hebreus fenicios e persas
Hebreus fenicios e persasHebreus fenicios e persas
Hebreus fenicios e persas
 
Brasil colonia 2
Brasil colonia 2 Brasil colonia 2
Brasil colonia 2
 
Crise do café e industrialização do brasil
Crise do café e industrialização do brasilCrise do café e industrialização do brasil
Crise do café e industrialização do brasil
 
Brasil colonial
Brasil colonialBrasil colonial
Brasil colonial
 
Capitalismo comercial
Capitalismo comercialCapitalismo comercial
Capitalismo comercial
 
Centros urbanos
Centros urbanosCentros urbanos
Centros urbanos
 
O quilombo de palmares texto de raquel funari
O quilombo de palmares texto de raquel funariO quilombo de palmares texto de raquel funari
O quilombo de palmares texto de raquel funari
 
Aulão de História - 1º ano
Aulão de História - 1º anoAulão de História - 1º ano
Aulão de História - 1º ano
 
Uniao iberica
Uniao ibericaUniao iberica
Uniao iberica
 
A chegada dos portugueses ao brasil
A chegada dos portugueses ao brasilA chegada dos portugueses ao brasil
A chegada dos portugueses ao brasil
 
História dos desbravadores
História dos desbravadoresHistória dos desbravadores
História dos desbravadores
 
Quilombos
QuilombosQuilombos
Quilombos
 
Quilombo dos Palmares
Quilombo dos PalmaresQuilombo dos Palmares
Quilombo dos Palmares
 

Semelhante a Processo de colonização do brasil

Brasil: Economia Colonial
Brasil: Economia ColonialBrasil: Economia Colonial
Brasil: Economia Colonial
Portal do Vestibulando
 
Brasil colônia
Brasil colôniaBrasil colônia
Brasil colônia
Ana Carolina
 
Brasil Colônia - economia
Brasil Colônia - economiaBrasil Colônia - economia
Brasil Colônia - economia
Portal do Vestibulando
 
Tempo colonia data
Tempo colonia dataTempo colonia data
Tempo colonia data
cursinhoembu
 
2 america portuguesa
2 america portuguesa2 america portuguesa
2 america portuguesa
Paulo Alexandre
 
Brasil século xvi
Brasil   século xviBrasil   século xvi
Brasil século xvi
projrp
 
Brasil: Século XVI
Brasil: Século XVIBrasil: Século XVI
Brasil: Século XVI
Max Rodrigues
 
2 brasil colônia ii
2  brasil colônia ii2  brasil colônia ii
2 brasil colônia ii
José Augusto Fiorin
 
Resumo dos cinco ciclos econômicos no brasil
Resumo dos cinco ciclos econômicos no brasilResumo dos cinco ciclos econômicos no brasil
Resumo dos cinco ciclos econômicos no brasil
Enio Economia & Finanças
 
Industrialização Brasileira - 1° Período (1500 - 1808)
Industrialização Brasileira - 1° Período (1500 - 1808)Industrialização Brasileira - 1° Período (1500 - 1808)
Industrialização Brasileira - 1° Período (1500 - 1808)
Gabriel Resende
 
Economia açucareira na América Portuguesa.
Economia açucareira na América Portuguesa.Economia açucareira na América Portuguesa.
Economia açucareira na América Portuguesa.
Professora Natália de Oliveira
 
A economia açucareira.pptx
A economia açucareira.pptxA economia açucareira.pptx
A economia açucareira.pptx
ArianyMaria2
 
15° expansão marítima e comercial europeia
15° expansão marítima e comercial europeia15° expansão marítima e comercial europeia
15° expansão marítima e comercial europeia
Ajudar Pessoas
 
Colonização Portuguesa no Brasil.pptx
Colonização Portuguesa no Brasil.pptxColonização Portuguesa no Brasil.pptx
Colonização Portuguesa no Brasil.pptx
paulosilva8100
 
BRASIL COLÔNIA - PARTE I
BRASIL COLÔNIA - PARTE IBRASIL COLÔNIA - PARTE I
BRASIL COLÔNIA - PARTE I
Claudenilson da Silva
 
O Império Colonial Português no Séc. XVIII
O Império Colonial Português no Séc. XVIIIO Império Colonial Português no Séc. XVIII
O Império Colonial Português no Séc. XVIII
Beatriz Moscatel
 
Cap. 1 cap 12 1º ano ocupação portuguesa
Cap. 1 cap 12 1º ano ocupação portuguesaCap. 1 cap 12 1º ano ocupação portuguesa
Cap. 1 cap 12 1º ano ocupação portuguesa
Gustavo Cuin
 
Avaliação história 7º ano setembro - gabarito
Avaliação história 7º ano   setembro - gabaritoAvaliação história 7º ano   setembro - gabarito
Avaliação história 7º ano setembro - gabarito
Giselda morais rodrigues do
 
Topicos 7,8,9,10 historia expansão maritima
Topicos 7,8,9,10 historia expansão  maritimaTopicos 7,8,9,10 historia expansão  maritima
Topicos 7,8,9,10 historia expansão maritima
Atividades Diversas Cláudia
 
Brasil colonia
Brasil coloniaBrasil colonia
Brasil colonia
Giselle Lira
 

Semelhante a Processo de colonização do brasil (20)

Brasil: Economia Colonial
Brasil: Economia ColonialBrasil: Economia Colonial
Brasil: Economia Colonial
 
Brasil colônia
Brasil colôniaBrasil colônia
Brasil colônia
 
Brasil Colônia - economia
Brasil Colônia - economiaBrasil Colônia - economia
Brasil Colônia - economia
 
Tempo colonia data
Tempo colonia dataTempo colonia data
Tempo colonia data
 
2 america portuguesa
2 america portuguesa2 america portuguesa
2 america portuguesa
 
Brasil século xvi
Brasil   século xviBrasil   século xvi
Brasil século xvi
 
Brasil: Século XVI
Brasil: Século XVIBrasil: Século XVI
Brasil: Século XVI
 
2 brasil colônia ii
2  brasil colônia ii2  brasil colônia ii
2 brasil colônia ii
 
Resumo dos cinco ciclos econômicos no brasil
Resumo dos cinco ciclos econômicos no brasilResumo dos cinco ciclos econômicos no brasil
Resumo dos cinco ciclos econômicos no brasil
 
Industrialização Brasileira - 1° Período (1500 - 1808)
Industrialização Brasileira - 1° Período (1500 - 1808)Industrialização Brasileira - 1° Período (1500 - 1808)
Industrialização Brasileira - 1° Período (1500 - 1808)
 
Economia açucareira na América Portuguesa.
Economia açucareira na América Portuguesa.Economia açucareira na América Portuguesa.
Economia açucareira na América Portuguesa.
 
A economia açucareira.pptx
A economia açucareira.pptxA economia açucareira.pptx
A economia açucareira.pptx
 
15° expansão marítima e comercial europeia
15° expansão marítima e comercial europeia15° expansão marítima e comercial europeia
15° expansão marítima e comercial europeia
 
Colonização Portuguesa no Brasil.pptx
Colonização Portuguesa no Brasil.pptxColonização Portuguesa no Brasil.pptx
Colonização Portuguesa no Brasil.pptx
 
BRASIL COLÔNIA - PARTE I
BRASIL COLÔNIA - PARTE IBRASIL COLÔNIA - PARTE I
BRASIL COLÔNIA - PARTE I
 
O Império Colonial Português no Séc. XVIII
O Império Colonial Português no Séc. XVIIIO Império Colonial Português no Séc. XVIII
O Império Colonial Português no Séc. XVIII
 
Cap. 1 cap 12 1º ano ocupação portuguesa
Cap. 1 cap 12 1º ano ocupação portuguesaCap. 1 cap 12 1º ano ocupação portuguesa
Cap. 1 cap 12 1º ano ocupação portuguesa
 
Avaliação história 7º ano setembro - gabarito
Avaliação história 7º ano   setembro - gabaritoAvaliação história 7º ano   setembro - gabarito
Avaliação história 7º ano setembro - gabarito
 
Topicos 7,8,9,10 historia expansão maritima
Topicos 7,8,9,10 historia expansão  maritimaTopicos 7,8,9,10 historia expansão  maritima
Topicos 7,8,9,10 historia expansão maritima
 
Brasil colonia
Brasil coloniaBrasil colonia
Brasil colonia
 

Mais de Marcelo Ferreira Boia

Africa antes-dos-europeus
Africa antes-dos-europeusAfrica antes-dos-europeus
Africa antes-dos-europeus
Marcelo Ferreira Boia
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
Marcelo Ferreira Boia
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
Marcelo Ferreira Boia
 
Era Vargas 1
Era Vargas 1Era Vargas 1
Era Vargas 1
Marcelo Ferreira Boia
 
Era Vargas
Era Vargas Era Vargas
O nazi fascismo
O nazi fascismo O nazi fascismo
O nazi fascismo
Marcelo Ferreira Boia
 
O nazi fascismo
O nazi fascismo O nazi fascismo
O nazi fascismo
Marcelo Ferreira Boia
 
Crise de 1929 oficial
Crise de 1929 oficial Crise de 1929 oficial
Crise de 1929 oficial
Marcelo Ferreira Boia
 
O que é conhecimento
O que é conhecimentoO que é conhecimento
O que é conhecimento
Marcelo Ferreira Boia
 
America espanhola
America espanhola America espanhola
America espanhola
Marcelo Ferreira Boia
 
America espanhola (1)
America espanhola (1)America espanhola (1)
America espanhola (1)
Marcelo Ferreira Boia
 
Reformas religiosas
Reformas religiosas Reformas religiosas
Reformas religiosas
Marcelo Ferreira Boia
 
Renascimento cultural
Renascimento culturalRenascimento cultural
Renascimento cultural
Marcelo Ferreira Boia
 
A formacao das monarquias nacionais
A formacao das monarquias nacionais A formacao das monarquias nacionais
A formacao das monarquias nacionais
Marcelo Ferreira Boia
 
Primeira guerra-mundial
Primeira guerra-mundialPrimeira guerra-mundial
Primeira guerra-mundial
Marcelo Ferreira Boia
 
Mesopotamia
MesopotamiaMesopotamia
Mesopotamia
MesopotamiaMesopotamia
O antigo regime
O antigo regime O antigo regime
O antigo regime
Marcelo Ferreira Boia
 
Capitalismo socialismo
Capitalismo socialismoCapitalismo socialismo
Capitalismo socialismo
Marcelo Ferreira Boia
 
segunda revolução industrial a 1 guerra
  segunda revolução industrial a 1 guerra  segunda revolução industrial a 1 guerra
segunda revolução industrial a 1 guerra
Marcelo Ferreira Boia
 

Mais de Marcelo Ferreira Boia (20)

Africa antes-dos-europeus
Africa antes-dos-europeusAfrica antes-dos-europeus
Africa antes-dos-europeus
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
 
Era Vargas 1
Era Vargas 1Era Vargas 1
Era Vargas 1
 
Era Vargas
Era Vargas Era Vargas
Era Vargas
 
O nazi fascismo
O nazi fascismo O nazi fascismo
O nazi fascismo
 
O nazi fascismo
O nazi fascismo O nazi fascismo
O nazi fascismo
 
Crise de 1929 oficial
Crise de 1929 oficial Crise de 1929 oficial
Crise de 1929 oficial
 
O que é conhecimento
O que é conhecimentoO que é conhecimento
O que é conhecimento
 
America espanhola
America espanhola America espanhola
America espanhola
 
America espanhola (1)
America espanhola (1)America espanhola (1)
America espanhola (1)
 
Reformas religiosas
Reformas religiosas Reformas religiosas
Reformas religiosas
 
Renascimento cultural
Renascimento culturalRenascimento cultural
Renascimento cultural
 
A formacao das monarquias nacionais
A formacao das monarquias nacionais A formacao das monarquias nacionais
A formacao das monarquias nacionais
 
Primeira guerra-mundial
Primeira guerra-mundialPrimeira guerra-mundial
Primeira guerra-mundial
 
Mesopotamia
MesopotamiaMesopotamia
Mesopotamia
 
Mesopotamia
MesopotamiaMesopotamia
Mesopotamia
 
O antigo regime
O antigo regime O antigo regime
O antigo regime
 
Capitalismo socialismo
Capitalismo socialismoCapitalismo socialismo
Capitalismo socialismo
 
segunda revolução industrial a 1 guerra
  segunda revolução industrial a 1 guerra  segunda revolução industrial a 1 guerra
segunda revolução industrial a 1 guerra
 

Último

Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Mary Alvarenga
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Centro Jacques Delors
 
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slidesSócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
jbellas2
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
MessiasMarianoG
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
DanielCastro80471
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt
.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt
.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt
IslanderAndrade
 

Último (20)

Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
 
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slidesSócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt
.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt
.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt
 

Processo de colonização do brasil

  • 1. PROCESSO DEPROCESSO DE COLONIZAÇÃO DO BRASILCOLONIZAÇÃO DO BRASIL
  • 2.  Brasil até 1530Brasil até 1530 – prática do– prática do escamboescambo = extração e comércio de pau-brasil em= extração e comércio de pau-brasil em troca de produtos sem valor para ostroca de produtos sem valor para os europeus mais super valorizados peloseuropeus mais super valorizados pelos índios;índios;  MotivoMotivo: declínio do comércio: declínio do comércio português de especiarias;português de especiarias;  Pós 1530Pós 1530 – aumento da concorrência– aumento da concorrência comercial holandesa e inglesa nacomercial holandesa e inglesa na Índias;Índias;
  • 3.  Presença constante de franceses emPresença constante de franceses em costas brasileiras (contrabando pau-costas brasileiras (contrabando pau- brasil);brasil);  Inicia-se no Brasil umInicia-se no Brasil um projeto deprojeto de colonização e ocupação territorialcolonização e ocupação territorial..  Atividade econômica:Atividade econômica: produção doprodução do açúcaraçúcar
  • 4.  Por que produzir açúcar?Por que produzir açúcar?  Portugal já possuíaPortugal já possuía experiênciaexperiência anterior – (ilhas do atlântico);anterior – (ilhas do atlântico);  Exclusivo colonialExclusivo colonial = comércio= comércio exclusivo com Portugal;exclusivo com Portugal;  TrabalhoTrabalho: escravo negro/índio;: escravo negro/índio;  Recursos financeirosRecursos financeiros = iniciativa= iniciativa particular;particular;
  • 6.  D. João III (1534) –D. João III (1534) – capitaniascapitanias HereditáriasHereditárias  DonatáriosDonatários – recebiam Carta de– recebiam Carta de Doação;Doação;  Donatários não eram donos da terra;Donatários não eram donos da terra;  Deveriam mantê-la ocupada e rentávelDeveriam mantê-la ocupada e rentável com recursos próprioscom recursos próprios (administradores);(administradores);  As terras passavam de pais para filhosAs terras passavam de pais para filhos ((posse hereditáriaposse hereditária););
  • 7.
  • 8.  DonatáriosDonatários = doavam= doavam sesmariassesmarias (Lote menor de terra);(Lote menor de terra);  SesmeiroSesmeiro = tinha a posse, mas= tinha a posse, mas deveria torná-la rentável em 2 anos.deveria torná-la rentável em 2 anos.  O Primeiro sesmeiro do Paraná foiO Primeiro sesmeiro do Paraná foi Diogo Unhate.Diogo Unhate.  Financiamento holandêsFinanciamento holandês para opara o cultivo do açúcar em troca da compracultivo do açúcar em troca da compra da produção para o refino.da produção para o refino.
  • 9.  Prosperam: São Vicente eProsperam: São Vicente e Pernambuco.Pernambuco.  Motivo do fracasso das demais:Motivo do fracasso das demais:  Falta de recursos financeiros;Falta de recursos financeiros;  Falta de apoio da coroa;Falta de apoio da coroa;  Ataques de índios;Ataques de índios;  Abandono das terras.Abandono das terras.
  • 10.  Governo GeralGoverno Geral (1548)(1548)  ObjetivoObjetivo: centralizar a defesa e a: centralizar a defesa e a administração do território.administração do território.  1º - Tomé de Souza;1º - Tomé de Souza;  2º - Duarte da Costa;2º - Duarte da Costa;  3º - Mem de Sá.3º - Mem de Sá.
  • 11.
  • 12. União IbéricaUnião Ibérica (1580 até 1640)(1580 até 1640)  1.580 – disputa1.580 – disputa pelo tronopelo trono português –português – colocou Filipe IIcolocou Filipe II como Rei doscomo Rei dos dois paísesdois países Portugal ePortugal e Espanha.Espanha.
  • 13.  A Espanha não aceitava aA Espanha não aceitava a independência da Holanda e rompeuindependência da Holanda e rompeu relações comerciais com ela.relações comerciais com ela.  Prejudicada em seus interessesPrejudicada em seus interesses econômicos com o Brasil, aeconômicos com o Brasil, a HolandaHolanda fundou em 1621, a Cia das Índiasfundou em 1621, a Cia das Índias OcidentaisOcidentais = conquistar o nordeste= conquistar o nordeste açucareiroaçucareiro  1630 – invadem o litoral1630 – invadem o litoral PernambucoPernambuco
  • 14.
  • 15.  1637 – chega1637 – chega Maurício de NassauMaurício de Nassau:: • Recupera os engenhos de açúcar;Recupera os engenhos de açúcar; • Permite a liberdade de culto;Permite a liberdade de culto; • Realiza a urbanização de Recife;Realiza a urbanização de Recife; • Desenvolve fazendas de gadoDesenvolve fazendas de gado..  1640 – Portugal libertou-se da1640 – Portugal libertou-se da Espanha.Espanha.  1654 – holandeses são expulsos do1654 – holandeses são expulsos do Brasil –Brasil – Insurreição PernambucanaInsurreição Pernambucana
  • 16. A PRODUÇÃO DO AÇÚCARA PRODUÇÃO DO AÇÚCAR
  • 17.  Produção de Açúcar:Produção de Açúcar:  Clima, solo propícios;Clima, solo propícios;  Mercado certo;Mercado certo;  Grandes propriedades – latifúndios;Grandes propriedades – latifúndios;  Mão de obra escravaMão de obra escrava (por que não(por que não mão de obra livre?)mão de obra livre?)
  • 18.  Engenhos: unidade de produçãoEngenhos: unidade de produção  1) canavial;1) canavial;  2) plantações de subsistência;2) plantações de subsistência;  3) a fábrica de açúcar;3) a fábrica de açúcar;  4) casa-grande; senzala;4) casa-grande; senzala;  5) capela, escola;5) capela, escola;  6) habitações dos trabalhadores6) habitações dos trabalhadores livres: feitor, mestre do açúcar elivres: feitor, mestre do açúcar e lavradores contratados paralavradores contratados para determinados serviços.determinados serviços.
  • 19.
  • 20.
  • 21.  O senhor de engenhoO senhor de engenho – dono da terra– dono da terra e dos escravos. Possuía grandee dos escravos. Possuía grande influência política;influência política;  Os escravosOs escravos - propriedades do senhor- propriedades do senhor de engenho (mercadoria);de engenho (mercadoria);  Homens livresHomens livres – peq. plantadores de– peq. plantadores de cana, comerciantes, artesãos, padres,cana, comerciantes, artesãos, padres, militares (moravam em vilas emilitares (moravam em vilas e pequenas cidades).pequenas cidades).  Fazendeiros obrigadosFazendeiros obrigados –– arrendatários, pagavam pelo uso daarrendatários, pagavam pelo uso da terra e moagem da produção da cana.terra e moagem da produção da cana.
  • 22. Além do açúcar: tabaco – trocaAlém do açúcar: tabaco – troca com escravos;com escravos;
  • 23. Algodão – roupas rústicas paraAlgodão – roupas rústicas para escravos;escravos;
  • 24. Pecuário (povoamento do sertão)Pecuário (povoamento do sertão)
  • 25. Barras de ouro da Casa de FundiçãoBarras de ouro da Casa de Fundição de Vila Ricade Vila Rica
  • 26.  OuroOuro  Primeiro em Paranaguá séc. XVII;Primeiro em Paranaguá séc. XVII;  Depois: Entradas e Bandeiras –Depois: Entradas e Bandeiras – Paulistas – Minas Gerais;Paulistas – Minas Gerais;  Extração ouro:Extração ouro:  FaisqueiraFaisqueira = ouro de lavagem = uso de= ouro de lavagem = uso de bateia;bateia;  LavraLavra = ouro de veio = terreno dado= ouro de veio = terreno dado pela coroa a proprietários de acordopela coroa a proprietários de acordo com o nr de escravos (50 a 100).com o nr de escravos (50 a 100).
  • 27. OURO DE VEIO E FAISQUEIRA-BATÉIAOURO DE VEIO E FAISQUEIRA-BATÉIA
  • 28.  As Lavras podiam ser divididas emAs Lavras podiam ser divididas em datas e arrendadas;datas e arrendadas;  Não havia atividades agrícolas ouNão havia atividades agrícolas ou industriais, tudo vinha de fora, deindustriais, tudo vinha de fora, de outras regiões – cria mercado interno.outras regiões – cria mercado interno.  Fiscalização:Fiscalização:  Intendência das Minas: cobrança doIntendência das Minas: cobrança do 1/5 = 20% da produção;1/5 = 20% da produção;  Casa de Fundição = ouro em barra;Casa de Fundição = ouro em barra;
  • 29. Casa de Fundição de ouro em Iguape,Casa de Fundição de ouro em Iguape, estabelecida em 1653estabelecida em 1653
  • 30.  Dependência Econômica deDependência Econômica de Portugal com a Inglaterra:Portugal com a Inglaterra:  1703 – Tratado de Metween – “Panos1703 – Tratado de Metween – “Panos X Vinhos”;X Vinhos”;  Resistência à escravidão:Resistência à escravidão:  Suicídio, aborto, banzo, fugas paraSuicídio, aborto, banzo, fugas para quilombos, luta armada.quilombos, luta armada.  Palmares - 1630 – 1695.Palmares - 1630 – 1695.
  • 31. Quilombo dos Palmares e ZumbiQuilombo dos Palmares e Zumbi