SlideShare uma empresa Scribd logo
Revolução Francesa
Prof. Marcelo Boia
1.Suaimportância
• A revolução marcou a passado do mundo moderno
para o contemporâneo
• Influência dos ideais:
 Liberdade
 Igualdade
 Fraternidade
Impactos:
• Politicamente:
 Fim do absolutismo
• Socialmente:
 Alteração nos grupos sociais e de poder
 Fim do feudalismo
• Econômico:
 Era do capitalismo industrial
2.Antecedentes
• Enquanto os reis de outras nações europeias eram influenciados
pelas ideias do iluminismo
 Na França o absolutismo prevaleceu
• As condições socioeconômicos da nação não permitiam mais a
manutenção desse sistema (absolutismo)
 Tensões internas dos grupos sociais
• Na Inglaterra, a Revolução Industrial provocou muitas mudanças
na sociedade
Cidades cresciam e aumentava a produção fabril
• Na França: 80% dos habitantes estavam diretamente ligados ao
campo
Início do processorevolucionário:
• Tempos difíceis:
 Problemas agrícolas (clima e aumento do preço)
 Vida urbana difícil (não havia oferte de empregos)
 Cofres públicos estavam esgotados (nação francesa tinha muitas
dívidas)
ApoionaindependênciadasTrezeColôniasInglesasdaAmérica
• França “ajudou” financeiramente a independência
• Os gastos com essa “ajuda” tornaram a situação financeira interna muito
difícil – Resultado:
Aumento da carga tributária:
Os pobres já pagavam demais e não tinha como elevar as taxas
ainda mais. Como resolver?
Incluir classes privilegiadas no
sistema de pagamento de imposto
Divisãoda sociedadepré-revolução
• PRIMEIRO ESTADO:
• Alto clero – altos cargos eclesiásticos, bispos, enorme poder econômico e
político (protegidos pelo rei)
• Baixo clero – padres de paróquias mais humildes
• SEGUNDO ESTADO
• Nobreza
• nobreza cortesã – pessoas que viviam em torno do rei
• nobreza provincial – nobres que viviam nas províncias
• nobreza de toga – burgueses ricos que compravam títulos de nobreza
• TERCEIRO ESTADO
• Alta burguesia: banqueiros, grandes empresários
• Média burguesia: médicos, advogados, professores
• Pequena burguesia: pequenos comerciantes e artesãos – “sans-culotte”
• Camponeses – trabalhadores rurais
• Independente das diferenças entre o Primeiro e o Segundo estado, seus
membros mantinham alguns interesses em comum:
Carga tributária
• Mesmo representando a parte da sociedade que mais teria condições de colaborar
com tributos, estavam dispensados dessa obrigação!
• Representavam cerce de 2% de uma população de 25 milhões.
• Faziam sua vontade prevalecer na sociedade francesa
Pirâmide social pré-revolução
Revolução francesa
• Situação:
Miséria e fome
Crise no setor têxtil
Crise nas finanças públicas – maior cobrança de impostos da burguesia
Terceiro Estado sustentava economicamente, por meio do pagamento de impostos,
os outros dois Estados. Ao mesmo tempo, era ignorado nas decisões políticas.
• Os membros do Terceiro Estado passaram a reivindicar a igualdade de todos os setores:
• Combater o absolutismo
• Reestruturação no Estado que favorecesse o desenvolvimento do
capitalismo
• A excessiva intervenção na economia
• Acabar com os privilégios da nobreza e do clero
3.AFaseAristocrática
• Em 1786, governo francês assinou um tratado que “piorou a sua
situação”:
 Os franceses garantem a entrada de produtos ingleses e vice-versa
 A indústria francesa não conseguiu concorrer com a qualidade do produto
inglês
• Para “melhorar” a situação, o rei (Luís XVI) determinou o início de
um processo de reforma:
Cobrar impostos dos que não contribuíam anteriormente
• Após muitos conflitos e brigas por parte do primeiro e segundo
estado, ocorreu a convocação da Assembleia dos Estados Gerais:
(representantes dos três estados se reuniram para solucionar o problema)
RESULTADO:
• A convocação não teve bons resultados e o terceiro
estado demonstrou interesse em elaborar uma
constituição
(reunião de uma Assembleia Nacional Constituinte)
• O rei foi obrigado a ceder e ordenou ao clero e à nobreza
(primeiro e segundo estado) que se juntassem ao
terceiro estado
4.AFaseBurguesa
• A Assembleia Nacional Constituinte reuniu-se de
meados de 1789 a 1871
• Rapidamente a burguesia tomou consciência de
que as intenções do rei não eram a de submissão
para uma nova constituição
• Burguesia toma uma atitude radical:
 Queda da Bastilha (14 de julho de 1789)
Tomada da BastilhaUma multidão invadiu e tomou a
prisão da Bastilha (símbolo do
poder absoluto do rei).
Libertaram os presos (inimigos
políticos da monarquia francesa)
Se apropriaram das armas
Diante da enorme manifestação
popular o rei reconheceu a
legitimidade da Assembleia
Nacional Constituinte
• A Assembleia Nacional Constituinte foi forçada a tomar
medidas imediatas para acalmar o ânimo dos grupos
revolucionários.
• Massacre aos nobres e tomada de seus bens.
• Castigo aos nobres: tortura, enforcamento.
 Esses episódios ficaram conhecidos como Grande Medo
• Medidas:
• Fim dos direitos senhoriais sobre os camponeses
• Fim dos privilégios tributários do clero e da nobreza
• Extinção do regime feudal na França
• Redução do poder clero
 A Assembleia Nacional Constituinte confiscou terras da Igreja e
subordinou o clero à autoridade do Estado.
• Pouco mais de um mês do famoso “14 de julho”, a
Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão foi
aprovada:
 Documento considerado o símbolo máximo da ideologia sobre a qual se
estabelecem os direitos de liberdade e igualdade para o ser humano
 Respeito pela dignidade das pessoas
 Liberdade e igualdade dos cidadãos
 Direito à propriedade individual
 Direito de resistência à opressão política
 Liberdade de pensamento e opinião
5.AFaseRepublicanaeo “períododo terror”
• Fim da monarquia
 22 de setembro de 1792: início da República
O rei foi preso e acusado de traição
• O Terceiro Estado assumiu o poder efetivamente:
 Formação da “Convenção Nacional”
 Divisão em três grupos:
1º) Lado direito: girondinos (alta burguesia)
2º) Centro: planície (grupo sem posição política definida)
3º) Lado esquerdo: jacobinos (média e pequena burguesia; proletariado rural e urbano)
• O sistema republicano exigia uma nova Constituição
A Convenção Nacional deveria elaborar
RepúblicaJacobina(junhode1793–julhode1794)
• Em junho de 1793, tem início a REPÚBLICA JACOBINA (“o Terror”)
Os sans-culottes e os jacobinos, invadiram a Convenção e prenderam os líderes
girondinos
O rei foi julgado e condenado à morte – guilhotina
• Criação do Tribunal Revolucionário, que julgava os
opositores da Revolução e condenava-os à morte
na guilhotina;
• Houve a criação do ensino público e gratuito,
abolição da escravidão nas colônias, tabelamento
dos preços dos alimentos;
• Os jacobinos perderam popularidade por causa do
terror e, graças a um golpe, os girondinos voltam ao
poder na França (Golpe de 9 Termidor).
6.AReaçãodaAltaBurguesia
• O fim do “período do terror” deu lugar à fase da reação termidoriana
• Promulgação de uma nova Constituição, que estabelecia que o Poder
Executivo seria exercido pelo Diretório, além do retorno do voto
censitário.
 Diretório: cinco pessoas que exercem o poder executivo
 Censitário: dar direito de voto somente a pessoas com certa condição financeira.
• Em agosto de 1795, foi criado o Diretório - Esta fase encerrou em 1799.
• A crise econômica agravava-se a cada dia, a corrupção aumentava e faltavam
alimentos. Com o passar do tempo, o governo do Diretório foi ficando cada vez
mais enfraquecido.
• Com a França imersa no caos, e sob a ameaça de ataques internos e externos, a
burguesia articulou entregar o poder a alguém influente e poderoso.
• Esse alguém foi o jovem general Napoleão Bonaparte, que, a partir de 1799,
começou a governar a França.
• Para consolidar sua República burguesa, os girondinos apoiaram o Golpe do 18
Brumário (Bonaparte derrubou o Diretório e instituiu o Consulado).
Fases da Revolução Francesa
1ª fase: Assembleia Nacional Constituinte
(1789-91)
2ª fase: A Convenção (1792-93)
3ª fase: O Diretório (1795-99)
 Reação termidoriana (1794-95)
Fim do módulo 25 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Revolucão Francesa
Revolucão FrancesaRevolucão Francesa
Revolucão Francesa
eiprofessor
 
A revolução francesa de 1789
A revolução francesa de 1789A revolução francesa de 1789
A revolução francesa de 1789
JulianaGimenes
 
Questões sobre a rev francesa
Questões sobre a rev francesaQuestões sobre a rev francesa
Questões sobre a rev francesa
Funvic - Fundação de Ensino de Mococa
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
Maria Gomes
 
Revolução Francesa - Prof André Teixeira 1º A,B,C E D
Revolução Francesa - Prof André Teixeira 1º A,B,C E DRevolução Francesa - Prof André Teixeira 1º A,B,C E D
Revolução Francesa - Prof André Teixeira 1º A,B,C E D
Tâmara Almeida
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
alunoitv
 
11. revolução francesa
11. revolução francesa11. revolução francesa
11. revolução francesa
José Augusto Fiorin
 
_Resumo Revolução Francesa
_Resumo Revolução Francesa_Resumo Revolução Francesa
_Resumo Revolução Francesa
Lela Leite
 
Aula - Revolução Francesa
Aula - Revolução FrancesaAula - Revolução Francesa
Aula - Revolução Francesa
marciamcq
 
Resumo revolucao francesa
Resumo revolucao francesaResumo revolucao francesa
Resumo revolucao francesa
David Muniz
 
As fases da revolução francesa profnelia
As fases da revolução francesa profneliaAs fases da revolução francesa profnelia
As fases da revolução francesa profnelia
historiando
 
Revolucao francesa
Revolucao francesaRevolucao francesa
Revolucao francesa
junior santiago
 
Revoluções liberais (1) - História 8º ano
Revoluções liberais (1) - História 8º anoRevoluções liberais (1) - História 8º ano
Revoluções liberais (1) - História 8º ano
Gabriel Lima
 
Período pombalino e inconfidência mineira
Período pombalino e inconfidência mineiraPeríodo pombalino e inconfidência mineira
Período pombalino e inconfidência mineira
Kamylla Rodrigues
 
O atraso português entre finais do século xix angela
O atraso português entre finais do século xix angelaO atraso português entre finais do século xix angela
O atraso português entre finais do século xix angela
Carla Teixeira
 
Revolucao francesa 1
Revolucao francesa 1Revolucao francesa 1
Revolucao francesa 1
sesi8
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
Janaína Tavares
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
Fábio José Oliveira
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
Leide Soares Matoso
 
Revolução francesa - Antecedentes, causas e suas fases
Revolução francesa - Antecedentes, causas e suas fasesRevolução francesa - Antecedentes, causas e suas fases
Revolução francesa - Antecedentes, causas e suas fases
Matheus Alves
 

Mais procurados (20)

Revolucão Francesa
Revolucão FrancesaRevolucão Francesa
Revolucão Francesa
 
A revolução francesa de 1789
A revolução francesa de 1789A revolução francesa de 1789
A revolução francesa de 1789
 
Questões sobre a rev francesa
Questões sobre a rev francesaQuestões sobre a rev francesa
Questões sobre a rev francesa
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
 
Revolução Francesa - Prof André Teixeira 1º A,B,C E D
Revolução Francesa - Prof André Teixeira 1º A,B,C E DRevolução Francesa - Prof André Teixeira 1º A,B,C E D
Revolução Francesa - Prof André Teixeira 1º A,B,C E D
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
 
11. revolução francesa
11. revolução francesa11. revolução francesa
11. revolução francesa
 
_Resumo Revolução Francesa
_Resumo Revolução Francesa_Resumo Revolução Francesa
_Resumo Revolução Francesa
 
Aula - Revolução Francesa
Aula - Revolução FrancesaAula - Revolução Francesa
Aula - Revolução Francesa
 
Resumo revolucao francesa
Resumo revolucao francesaResumo revolucao francesa
Resumo revolucao francesa
 
As fases da revolução francesa profnelia
As fases da revolução francesa profneliaAs fases da revolução francesa profnelia
As fases da revolução francesa profnelia
 
Revolucao francesa
Revolucao francesaRevolucao francesa
Revolucao francesa
 
Revoluções liberais (1) - História 8º ano
Revoluções liberais (1) - História 8º anoRevoluções liberais (1) - História 8º ano
Revoluções liberais (1) - História 8º ano
 
Período pombalino e inconfidência mineira
Período pombalino e inconfidência mineiraPeríodo pombalino e inconfidência mineira
Período pombalino e inconfidência mineira
 
O atraso português entre finais do século xix angela
O atraso português entre finais do século xix angelaO atraso português entre finais do século xix angela
O atraso português entre finais do século xix angela
 
Revolucao francesa 1
Revolucao francesa 1Revolucao francesa 1
Revolucao francesa 1
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
 
Revolução francesa - Antecedentes, causas e suas fases
Revolução francesa - Antecedentes, causas e suas fasesRevolução francesa - Antecedentes, causas e suas fases
Revolução francesa - Antecedentes, causas e suas fases
 

Semelhante a Revolução francesa

Revolução Francesa - Completo
Revolução Francesa - CompletoRevolução Francesa - Completo
Revolução Francesa - Completo
Aline Oliveira
 
As fases da revolução francesa profnelia
As fases da revolução francesa profneliaAs fases da revolução francesa profnelia
As fases da revolução francesa profnelia
Nelia Salles Nantes
 
Revolução francesa - Prof. Elvis John
Revolução francesa - Prof. Elvis JohnRevolução francesa - Prof. Elvis John
Revolução francesa - Prof. Elvis John
ElvisJohnR
 
Revolução francesa. liberdade igualdade fraternidade
Revolução francesa. liberdade  igualdade  fraternidadeRevolução francesa. liberdade  igualdade  fraternidade
Revolução francesa. liberdade igualdade fraternidade
Ricardo Diniz campos
 
Revolução francesa.liberdade igualde fraternidade
Revolução francesa.liberdade igualde fraternidadeRevolução francesa.liberdade igualde fraternidade
Revolução francesa.liberdade igualde fraternidade
Ricardo Diniz campos
 
REVOLUÇÃO FRANCESA
REVOLUÇÃO FRANCESAREVOLUÇÃO FRANCESA
REVOLUÇÃO FRANCESA
FelipeBicudo1
 
Historia
HistoriaHistoria
Historia
nadinefs
 
REVOLUÇÃO FRANCESA.pptxmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm
REVOLUÇÃO FRANCESA.pptxmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmREVOLUÇÃO FRANCESA.pptxmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm
REVOLUÇÃO FRANCESA.pptxmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm
AdrianiSaleteMokfaPa
 
A revolução francesa
A revolução francesaA revolução francesa
A revolução francesa
Nelia Salles Nantes
 
A revolução francesa
A revolução francesaA revolução francesa
A revolução francesa
Nelia Salles Nantes
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
MarceloFreitas
 
A revolução francesa prof nélia
A revolução francesa prof néliaA revolução francesa prof nélia
A revolução francesa prof nélia
historiando
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
Luiz Henrique Ferreira
 
Revolucao francesa
Revolucao francesaRevolucao francesa
Revolucao francesa
mesmoeumesmo
 
Apostilabjutfourdhutsvhtdtuibfringgujjft
ApostilabjutfourdhutsvhtdtuibfringgujjftApostilabjutfourdhutsvhtdtuibfringgujjft
Apostilabjutfourdhutsvhtdtuibfringgujjft
science0philosophy
 
Revolução Inglesa, Revolução Industrial, Iluminismos, Revolução Francesa e In...
Revolução Inglesa, Revolução Industrial, Iluminismos, Revolução Francesa e In...Revolução Inglesa, Revolução Industrial, Iluminismos, Revolução Francesa e In...
Revolução Inglesa, Revolução Industrial, Iluminismos, Revolução Francesa e In...
daviprofessor
 
Revolucao francesa 2014
Revolucao francesa 2014Revolucao francesa 2014
Revolucao francesa 2014
Priscila Azeredo
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
Débora Rodrigues
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
João Fernandes
 
Revolucaofrancesa 1789 1799
Revolucaofrancesa 1789 1799Revolucaofrancesa 1789 1799
Revolucaofrancesa 1789 1799
Rondinelly Silva
 

Semelhante a Revolução francesa (20)

Revolução Francesa - Completo
Revolução Francesa - CompletoRevolução Francesa - Completo
Revolução Francesa - Completo
 
As fases da revolução francesa profnelia
As fases da revolução francesa profneliaAs fases da revolução francesa profnelia
As fases da revolução francesa profnelia
 
Revolução francesa - Prof. Elvis John
Revolução francesa - Prof. Elvis JohnRevolução francesa - Prof. Elvis John
Revolução francesa - Prof. Elvis John
 
Revolução francesa. liberdade igualdade fraternidade
Revolução francesa. liberdade  igualdade  fraternidadeRevolução francesa. liberdade  igualdade  fraternidade
Revolução francesa. liberdade igualdade fraternidade
 
Revolução francesa.liberdade igualde fraternidade
Revolução francesa.liberdade igualde fraternidadeRevolução francesa.liberdade igualde fraternidade
Revolução francesa.liberdade igualde fraternidade
 
REVOLUÇÃO FRANCESA
REVOLUÇÃO FRANCESAREVOLUÇÃO FRANCESA
REVOLUÇÃO FRANCESA
 
Historia
HistoriaHistoria
Historia
 
REVOLUÇÃO FRANCESA.pptxmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm
REVOLUÇÃO FRANCESA.pptxmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmREVOLUÇÃO FRANCESA.pptxmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm
REVOLUÇÃO FRANCESA.pptxmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm
 
A revolução francesa
A revolução francesaA revolução francesa
A revolução francesa
 
A revolução francesa
A revolução francesaA revolução francesa
A revolução francesa
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
 
A revolução francesa prof nélia
A revolução francesa prof néliaA revolução francesa prof nélia
A revolução francesa prof nélia
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
 
Revolucao francesa
Revolucao francesaRevolucao francesa
Revolucao francesa
 
Apostilabjutfourdhutsvhtdtuibfringgujjft
ApostilabjutfourdhutsvhtdtuibfringgujjftApostilabjutfourdhutsvhtdtuibfringgujjft
Apostilabjutfourdhutsvhtdtuibfringgujjft
 
Revolução Inglesa, Revolução Industrial, Iluminismos, Revolução Francesa e In...
Revolução Inglesa, Revolução Industrial, Iluminismos, Revolução Francesa e In...Revolução Inglesa, Revolução Industrial, Iluminismos, Revolução Francesa e In...
Revolução Inglesa, Revolução Industrial, Iluminismos, Revolução Francesa e In...
 
Revolucao francesa 2014
Revolucao francesa 2014Revolucao francesa 2014
Revolucao francesa 2014
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
 
Revolucaofrancesa 1789 1799
Revolucaofrancesa 1789 1799Revolucaofrancesa 1789 1799
Revolucaofrancesa 1789 1799
 

Mais de Marcelo Ferreira Boia

Hebreus fenicios e persas
Hebreus fenicios e persasHebreus fenicios e persas
Hebreus fenicios e persas
Marcelo Ferreira Boia
 
Africa antes-dos-europeus
Africa antes-dos-europeusAfrica antes-dos-europeus
Africa antes-dos-europeus
Marcelo Ferreira Boia
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
Marcelo Ferreira Boia
 
Era Vargas 1
Era Vargas 1Era Vargas 1
Era Vargas 1
Marcelo Ferreira Boia
 
Era Vargas
Era Vargas Era Vargas
O nazi fascismo
O nazi fascismo O nazi fascismo
O nazi fascismo
Marcelo Ferreira Boia
 
O nazi fascismo
O nazi fascismo O nazi fascismo
O nazi fascismo
Marcelo Ferreira Boia
 
Crise de 1929 oficial
Crise de 1929 oficial Crise de 1929 oficial
Crise de 1929 oficial
Marcelo Ferreira Boia
 
O que é conhecimento
O que é conhecimentoO que é conhecimento
O que é conhecimento
Marcelo Ferreira Boia
 
Brasil colonia 2
Brasil colonia 2 Brasil colonia 2
Brasil colonia 2
Marcelo Ferreira Boia
 
Processo de colonização do brasil
Processo de colonização do brasilProcesso de colonização do brasil
Processo de colonização do brasil
Marcelo Ferreira Boia
 
Brasil colnia 2
Brasil colnia 2 Brasil colnia 2
Brasil colnia 2
Marcelo Ferreira Boia
 
America espanhola
America espanhola America espanhola
America espanhola
Marcelo Ferreira Boia
 
America espanhola (1)
America espanhola (1)America espanhola (1)
America espanhola (1)
Marcelo Ferreira Boia
 
Reformas religiosas
Reformas religiosas Reformas religiosas
Reformas religiosas
Marcelo Ferreira Boia
 
Renascimento cultural
Renascimento culturalRenascimento cultural
Renascimento cultural
Marcelo Ferreira Boia
 
A formacao das monarquias nacionais
A formacao das monarquias nacionais A formacao das monarquias nacionais
A formacao das monarquias nacionais
Marcelo Ferreira Boia
 
Primeira guerra-mundial
Primeira guerra-mundialPrimeira guerra-mundial
Primeira guerra-mundial
Marcelo Ferreira Boia
 
Mesopotamia
MesopotamiaMesopotamia
Mesopotamia
MesopotamiaMesopotamia

Mais de Marcelo Ferreira Boia (20)

Hebreus fenicios e persas
Hebreus fenicios e persasHebreus fenicios e persas
Hebreus fenicios e persas
 
Africa antes-dos-europeus
Africa antes-dos-europeusAfrica antes-dos-europeus
Africa antes-dos-europeus
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
Era Vargas 1
Era Vargas 1Era Vargas 1
Era Vargas 1
 
Era Vargas
Era Vargas Era Vargas
Era Vargas
 
O nazi fascismo
O nazi fascismo O nazi fascismo
O nazi fascismo
 
O nazi fascismo
O nazi fascismo O nazi fascismo
O nazi fascismo
 
Crise de 1929 oficial
Crise de 1929 oficial Crise de 1929 oficial
Crise de 1929 oficial
 
O que é conhecimento
O que é conhecimentoO que é conhecimento
O que é conhecimento
 
Brasil colonia 2
Brasil colonia 2 Brasil colonia 2
Brasil colonia 2
 
Processo de colonização do brasil
Processo de colonização do brasilProcesso de colonização do brasil
Processo de colonização do brasil
 
Brasil colnia 2
Brasil colnia 2 Brasil colnia 2
Brasil colnia 2
 
America espanhola
America espanhola America espanhola
America espanhola
 
America espanhola (1)
America espanhola (1)America espanhola (1)
America espanhola (1)
 
Reformas religiosas
Reformas religiosas Reformas religiosas
Reformas religiosas
 
Renascimento cultural
Renascimento culturalRenascimento cultural
Renascimento cultural
 
A formacao das monarquias nacionais
A formacao das monarquias nacionais A formacao das monarquias nacionais
A formacao das monarquias nacionais
 
Primeira guerra-mundial
Primeira guerra-mundialPrimeira guerra-mundial
Primeira guerra-mundial
 
Mesopotamia
MesopotamiaMesopotamia
Mesopotamia
 
Mesopotamia
MesopotamiaMesopotamia
Mesopotamia
 

Último

EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
deboracorrea21
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
Guerra e Paz Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Guerra e Paz Maria Inês Aroeira Braga.ppsxGuerra e Paz Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Guerra e Paz Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Instituto Walter Alencar
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
jetroescola
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdfPERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
EsterGabriiela1
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
orquestrasinfonicaam
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
SupervisoEMAC
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 

Último (20)

EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
Guerra e Paz Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Guerra e Paz Maria Inês Aroeira Braga.ppsxGuerra e Paz Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Guerra e Paz Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdfPERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 

Revolução francesa

  • 2. 1.Suaimportância • A revolução marcou a passado do mundo moderno para o contemporâneo • Influência dos ideais:  Liberdade  Igualdade  Fraternidade
  • 3. Impactos: • Politicamente:  Fim do absolutismo • Socialmente:  Alteração nos grupos sociais e de poder  Fim do feudalismo • Econômico:  Era do capitalismo industrial
  • 4. 2.Antecedentes • Enquanto os reis de outras nações europeias eram influenciados pelas ideias do iluminismo  Na França o absolutismo prevaleceu • As condições socioeconômicos da nação não permitiam mais a manutenção desse sistema (absolutismo)  Tensões internas dos grupos sociais • Na Inglaterra, a Revolução Industrial provocou muitas mudanças na sociedade Cidades cresciam e aumentava a produção fabril • Na França: 80% dos habitantes estavam diretamente ligados ao campo
  • 5. Início do processorevolucionário: • Tempos difíceis:  Problemas agrícolas (clima e aumento do preço)  Vida urbana difícil (não havia oferte de empregos)  Cofres públicos estavam esgotados (nação francesa tinha muitas dívidas)
  • 6. ApoionaindependênciadasTrezeColôniasInglesasdaAmérica • França “ajudou” financeiramente a independência • Os gastos com essa “ajuda” tornaram a situação financeira interna muito difícil – Resultado: Aumento da carga tributária: Os pobres já pagavam demais e não tinha como elevar as taxas ainda mais. Como resolver? Incluir classes privilegiadas no sistema de pagamento de imposto
  • 7. Divisãoda sociedadepré-revolução • PRIMEIRO ESTADO: • Alto clero – altos cargos eclesiásticos, bispos, enorme poder econômico e político (protegidos pelo rei) • Baixo clero – padres de paróquias mais humildes • SEGUNDO ESTADO • Nobreza • nobreza cortesã – pessoas que viviam em torno do rei • nobreza provincial – nobres que viviam nas províncias • nobreza de toga – burgueses ricos que compravam títulos de nobreza
  • 8. • TERCEIRO ESTADO • Alta burguesia: banqueiros, grandes empresários • Média burguesia: médicos, advogados, professores • Pequena burguesia: pequenos comerciantes e artesãos – “sans-culotte” • Camponeses – trabalhadores rurais • Independente das diferenças entre o Primeiro e o Segundo estado, seus membros mantinham alguns interesses em comum: Carga tributária • Mesmo representando a parte da sociedade que mais teria condições de colaborar com tributos, estavam dispensados dessa obrigação! • Representavam cerce de 2% de uma população de 25 milhões. • Faziam sua vontade prevalecer na sociedade francesa
  • 11. • Situação: Miséria e fome Crise no setor têxtil Crise nas finanças públicas – maior cobrança de impostos da burguesia Terceiro Estado sustentava economicamente, por meio do pagamento de impostos, os outros dois Estados. Ao mesmo tempo, era ignorado nas decisões políticas. • Os membros do Terceiro Estado passaram a reivindicar a igualdade de todos os setores: • Combater o absolutismo • Reestruturação no Estado que favorecesse o desenvolvimento do capitalismo • A excessiva intervenção na economia • Acabar com os privilégios da nobreza e do clero
  • 12. 3.AFaseAristocrática • Em 1786, governo francês assinou um tratado que “piorou a sua situação”:  Os franceses garantem a entrada de produtos ingleses e vice-versa  A indústria francesa não conseguiu concorrer com a qualidade do produto inglês • Para “melhorar” a situação, o rei (Luís XVI) determinou o início de um processo de reforma: Cobrar impostos dos que não contribuíam anteriormente • Após muitos conflitos e brigas por parte do primeiro e segundo estado, ocorreu a convocação da Assembleia dos Estados Gerais: (representantes dos três estados se reuniram para solucionar o problema)
  • 13. RESULTADO: • A convocação não teve bons resultados e o terceiro estado demonstrou interesse em elaborar uma constituição (reunião de uma Assembleia Nacional Constituinte) • O rei foi obrigado a ceder e ordenou ao clero e à nobreza (primeiro e segundo estado) que se juntassem ao terceiro estado
  • 14. 4.AFaseBurguesa • A Assembleia Nacional Constituinte reuniu-se de meados de 1789 a 1871 • Rapidamente a burguesia tomou consciência de que as intenções do rei não eram a de submissão para uma nova constituição • Burguesia toma uma atitude radical:  Queda da Bastilha (14 de julho de 1789)
  • 15. Tomada da BastilhaUma multidão invadiu e tomou a prisão da Bastilha (símbolo do poder absoluto do rei). Libertaram os presos (inimigos políticos da monarquia francesa) Se apropriaram das armas Diante da enorme manifestação popular o rei reconheceu a legitimidade da Assembleia Nacional Constituinte
  • 16. • A Assembleia Nacional Constituinte foi forçada a tomar medidas imediatas para acalmar o ânimo dos grupos revolucionários. • Massacre aos nobres e tomada de seus bens. • Castigo aos nobres: tortura, enforcamento.  Esses episódios ficaram conhecidos como Grande Medo
  • 17. • Medidas: • Fim dos direitos senhoriais sobre os camponeses • Fim dos privilégios tributários do clero e da nobreza • Extinção do regime feudal na França • Redução do poder clero  A Assembleia Nacional Constituinte confiscou terras da Igreja e subordinou o clero à autoridade do Estado.
  • 18. • Pouco mais de um mês do famoso “14 de julho”, a Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão foi aprovada:  Documento considerado o símbolo máximo da ideologia sobre a qual se estabelecem os direitos de liberdade e igualdade para o ser humano  Respeito pela dignidade das pessoas  Liberdade e igualdade dos cidadãos  Direito à propriedade individual  Direito de resistência à opressão política  Liberdade de pensamento e opinião
  • 19. 5.AFaseRepublicanaeo “períododo terror” • Fim da monarquia  22 de setembro de 1792: início da República O rei foi preso e acusado de traição • O Terceiro Estado assumiu o poder efetivamente:  Formação da “Convenção Nacional”  Divisão em três grupos: 1º) Lado direito: girondinos (alta burguesia) 2º) Centro: planície (grupo sem posição política definida) 3º) Lado esquerdo: jacobinos (média e pequena burguesia; proletariado rural e urbano) • O sistema republicano exigia uma nova Constituição A Convenção Nacional deveria elaborar
  • 20. RepúblicaJacobina(junhode1793–julhode1794) • Em junho de 1793, tem início a REPÚBLICA JACOBINA (“o Terror”) Os sans-culottes e os jacobinos, invadiram a Convenção e prenderam os líderes girondinos O rei foi julgado e condenado à morte – guilhotina • Criação do Tribunal Revolucionário, que julgava os opositores da Revolução e condenava-os à morte na guilhotina; • Houve a criação do ensino público e gratuito, abolição da escravidão nas colônias, tabelamento dos preços dos alimentos; • Os jacobinos perderam popularidade por causa do terror e, graças a um golpe, os girondinos voltam ao poder na França (Golpe de 9 Termidor).
  • 21. 6.AReaçãodaAltaBurguesia • O fim do “período do terror” deu lugar à fase da reação termidoriana • Promulgação de uma nova Constituição, que estabelecia que o Poder Executivo seria exercido pelo Diretório, além do retorno do voto censitário.  Diretório: cinco pessoas que exercem o poder executivo  Censitário: dar direito de voto somente a pessoas com certa condição financeira. • Em agosto de 1795, foi criado o Diretório - Esta fase encerrou em 1799. • A crise econômica agravava-se a cada dia, a corrupção aumentava e faltavam alimentos. Com o passar do tempo, o governo do Diretório foi ficando cada vez mais enfraquecido.
  • 22. • Com a França imersa no caos, e sob a ameaça de ataques internos e externos, a burguesia articulou entregar o poder a alguém influente e poderoso. • Esse alguém foi o jovem general Napoleão Bonaparte, que, a partir de 1799, começou a governar a França. • Para consolidar sua República burguesa, os girondinos apoiaram o Golpe do 18 Brumário (Bonaparte derrubou o Diretório e instituiu o Consulado).
  • 23. Fases da Revolução Francesa 1ª fase: Assembleia Nacional Constituinte (1789-91) 2ª fase: A Convenção (1792-93) 3ª fase: O Diretório (1795-99)  Reação termidoriana (1794-95)
  • 24. Fim do módulo 25 