SlideShare uma empresa Scribd logo
O conhecimento e a lógica
Profº Arlindo Picoli
Campus Itapina
O conhecimento e a lógica
 CONHECER = “SER” “COM”
 CONHECER = “TER NA CONSCIÊNCIA”
SUJEITO OBJETO
RELAÇÃO
CONHECIMENTO
Intuição: etimologia
• Intuição. Do latim intuitio, do verbo
intueor, "olhar atentamente", "observar".
Intuição é portanto uma "visão", uma
percepção sem conceito.
Intuição empírica
• É o conhecimento imediato baseado em
uma experiência que independe de
qualquer conceito.
• Pode ser:
A intuição inventiva
• É a intuição do sábio, do artista, do
cientista, ao descobrirem soluções súbitas,
como uma hipótese fecunda ou uma
inspiração inovadora.
Conhecimento intuitivo
• O conhecimento intuitivo é imediato,
resulta de uma visão súbita, é
inexprimível, independe de
demonstração.
• Compreensão global e instantânea.
A intuição intelectual
• Procura captar diretamente a essência do
objeto.
• Descartes, quando chegou à consciência
do cogito -o eu pensante -, considerou
tratar-se de uma primeira verdade que não
podia ser provada, mas da qual não se
poderia duvidar: Cogito, ergo sum, que em
latim significa "penso, logo existo".
“Por intuição entendo não a confiança flutuante que dão os
sentidos ou o juízo enganador de uma imaginação de más
construções, mas o conceito que a inteligência pura e atenta
forma com tanta facilidade e distinção que não resta
absolutamente nenhuma dúvida sobre aquilo que
compreendemos; [...] Deste modo, cada qual pode ver por
intelectual que existe, que pensa, que um triangulo é limitado
só por três linhas, um corpo esférico por uma única
superfície [...]”.
(DESCARTES In Regras para a direção do Espírito)
Princípios:
• Princípio de identidade
– É o princípio que afirma que uma coisa só é
igual a ela mesma.
• Princípio de não contradição ou de
contradição
– É o princípio afirma que duas afirmações
contraditórias não podem ser verdadeiras ao
mesmo tempo.
• Princípio do Terceiro Excluído.
– Afirma que ou as coisas são ou não são. Não
pode existir um meio termo.
Quadrado das oposições
Lógica
• A palavra lógica vem do grego “logiké”,
está relacionada à palavra “logos”, que
significa razão, palavra, discurso, estudo.
• Segundo Aristóteles, a lógica tem como
objetivo o estudo do pensamento, para
que este seja correto.
• A lógica estuda e define as regras do
raciocínio correto, porém não é de sua
competência estabelecer os princípios
que as proposições devem seguir.
O Conhecimento
discursivo ou lógico
• O conhecimento discursivo é
mediado pela palavra, pelo
encadeamento de ideias,
pelo raciocínio.
• A indução e a dedução são
encadeamentos discursivos
que nos levam a
determinada conclusão.
Dedução ou silogismo
• Do geral para o particular
– Todo metal é dilatado pelo calor. (Premissa maior)
Ora, a prata é um metal. (Premissa menor)
Logo, a prata é dilatada pelo calor. (Conclusão)
– Todo brasileiro é sul-americano. (Premissa maior)
Ora, todo paulista é brasileiro. (Premissa menor)
Logo, todo paulista é sul-americano. (Conclusão)
Silogismo Hipotético
• É uma possibilidade de acontecer ou ser.
• Ele inicia com a condição Se… então…
– Se segunda der sol então vou de moto.
– Segunda amanheceu com sol.
– Logo, vou de moto.
Indução:
• Do particular para o geral
– O cobre é condutor de eletricidade,
assim como a prata, o ouro, o ferro, o zinco e
outros metais,
Logo, todo metal é condutor de eletricidade.
– A galinha tem bico é uma ave. O faisão tem
bico e é uma ave. O avestruz tem bico e é uma
ave.
Portanto todos os seres com bico são aves.
• raciocínio dedutivo válido:
– do geral para o particular;
– premissas verdadeiras garantem uma conclusão
verdadeira;
– não ampliam o conhecimento.
• raciocínio indutivo:
– do particular para o geral;
– premissas verdadeiras não garantem uma conclusão
verdadeira;
– ampliam o conhecimento.
Tipos de raciocínio
indutivo
• Apesar dos argumentos indutivos não
serem válidos, eles são muito utilizados e,
sob certas condições, eles podem fornecer
forte evidência de que estão corretos.
• Argumentos indutivos podem ser dos
seguintes tipos:
– Indução enumerativa;
– Indução analógica;
– Indução hipotética.
Indução enumerativa
• é o tipo de raciocínio que se usa quando se chega a uma
generalização sobre um grupo de coisas, após observar
apenas alguns dos membros desse grupo, e.g.:
• 54 % de seus colegas de classe são mulheres, então, 54
% de todos os estudantes da USP são mulheres.
• O argumento será forte se a amostra for suficientemente
grande e representativa de toda a USP.
A verdade do raciocínio
• O raciocínio dedutivo tem sua validade
determinada pela forma lógica do argumento, e
não pelo conteúdo dos enunciados
• O raciocínio indutivo nem sempre é verdadeiro, e
mesmo quando o é, pode ser questionado.
• Costuma-se dizer que uma inferência é plausível
se a afirmação é verdadeira com “boa”
probabilidade.
Indução analógica
• Quando se argumenta que duas coisas que são
similares sob certos aspectos são também
similares sob outros aspectos, utiliza-se indução
analógica, e.g.:
– A Terra tem ar, água e vida. Marte tem ar e água, logo
deve ter vida.
Indução analógica
• A conclusão tem apenas certa probabilidade de
estar correta; quanto maiores as similaridades,
maior a probabilidade.
• A água de Marte está congelada nos pólos e a
atmosfera é muito menos densa do que a da
Terra.
• Mas no passado Marte foi mais semelhante à
Terra hoje, então é mais provável que Marte
tenha tido vida no passado.
• Outros exemplos: teste de remédios em animais,
sistema de precedente legal americano*.
*resoluções em que a mesma questão jurídica, sobre a qual há que decidir novamente, já foi resolvida
uma vez por um tribunal noutro caso.
Indução hipotética
• Também conhecida por abdução ou inferência
pela melhor explicação.
• Nem todas as explicações para os fenômenos
observados são igualmente boas, assim, deve-se
preferir a melhor explicação:
– O motor pode falhar devido ao uso de combustível
adulterado, velas velhas ou problemas com a injeção
eletrônica. O carro é novo e ontem abasteci num posto
“meia boca”, então é provável que seja devido ao
combustível adulterado.
Indução hipotética
• É a forma de raciocínio usada por médicos,
mecânicos, detetives e pela maioria de nós no
dia a dia.
• Deve-se preferir a hipótese que for mais
simples, trouxer melhor compreensão do
fenômeno e que mais previsões corretas for
capaz de fazer.
Falácia ou sofisma:
• É uma afirmação errônea, erro de raciocínio
ou argumento falso que por sua aparente
veracidade parece sustentar uma
conclusão.
– Não compre nada no Paraguai,
porque lá só tem produto
falsificado.
– Todo mundo é desonesto de vez
em quando.
– Se emprestar um livro a você,
vou ter que emprestar a todo
mundo.
– Se deixar você ir ao banheiro,
terei que deixar todos os alunos
Falácias ou sofismas
Falácias ou sofismas
Falácias ou sofismas
Verdade e Veracidade
• A veracidade nos coloca diante de uma questão moral.
Ex.: Suponhamos que alguém diz que há um lado da lua
que nunca é visto da Terra. Se eu perguntar: - Isto é
verdade?, a indagação pode ter dois sentidos.
• Será verdade ou meu interlocutor está mentindo. O
indivíduo veraz é aquele que não mente.
• O segundo tem sentido epistemológico: quero saber se
a afirmação de meu interlocutor é verdadeira ou falsa:
• A proposição corresponde à realidade?
• Já foi comprovada?
• A fonte da informação é digna de crédito ou não?
Verdade e realidade
 A verdade do conhecimento diz respeito a
uma proposição que pode ser verdadeira
ou falsa.
 Quando afirmamos “Este colar é de ouro”,
a proposição é falsa caso se trate de uma
bijuteria.
 Mas se nos referirmos a coisas (um colar,
um quadro, um dente) só podemos afirmar
que são reais, e não verdadeiras ou falsas.
Verdade e realidade
 O falso ou o verdadeiro não estão na coisa mesma, mas
no JUÍZO, NO VALOR DE VERDADE OU FALSIDADE DE
UMA PROPOSIÇÃO.
 O juízo corresponde à realidade. Um juízo verdadeiro é
aquele que corresponde aos fatos.
O dogmatismo
 O dogmatismo do senso comum
Designa as certezas não questionadas do
nosso cotidiano “sempre foi assim”...
 O dogmatismo filosófico
A razão pode alcançar a certeza absoluta.
Ceticismo
• Um filósofo cético pode ser
radical ou moderado:
– é radical quando conclui que o
conhecimento é impossível.
– nas tendências moderadas, o
cético suspende provisoriamente
qualquer juízo e, mesmo sem
deixar de buscar a verdade,
professa um certo relativismo.
Referências
• ARANHA, Maria Lúcia, MARTINS, Maria Helena Pires.
Filosofando: Introdução á Filosofia. 4° Ed. São Paulo:
Moderna, 2009.
• NETO, Camilo Rodrigues, TADI – Tratamento e Análise de
Dados/Informações. Disponível em:
<http://www.each.usp.br/camiloneto/tadi/tadi.2012.aula8.L
ogica.Deduccao.e.Induccao.pdf>. Acesso em 27 out 2015.
• Vídeo indicado: Aula 2 de Filosofia - Tema: Lógica
(Telecurso 2000)
https://www.youtube.com/watch?v=9eT64p6XJIo

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Avaliação filosofia 1o_bimestre_1oano_2012
Avaliação filosofia 1o_bimestre_1oano_2012Avaliação filosofia 1o_bimestre_1oano_2012
Avaliação filosofia 1o_bimestre_1oano_2012
Rafael Oliveira
 
Conhecimento filosófico
Conhecimento filosóficoConhecimento filosófico
Conhecimento filosófico
Sandro Lôbo
 
Racionalismo e Empirismo
Racionalismo e EmpirismoRacionalismo e Empirismo
Racionalismo e Empirismo
lipexleal
 
Exercicio de filosofia
Exercicio de filosofiaExercicio de filosofia
Exercicio de filosofia
Marcio
 
Razao
RazaoRazao
Filosofia
Filosofia Filosofia
Filosofia
Erica Frau
 
Filosofia Analítica
Filosofia AnalíticaFilosofia Analítica
Filosofia Analítica
Larissa Averna
 
Filosofia e Mito
Filosofia e MitoFilosofia e Mito
Filosofia e Mito
BandeiradeMello
 
Estética - Estudo do Belo
Estética - Estudo do BeloEstética - Estudo do Belo
Estética - Estudo do Belo
Silmara Nogueira
 
Cap 15 Filosofia Estética
Cap 15  Filosofia EstéticaCap 15  Filosofia Estética
Cap 15 Filosofia Estética
José Ferreira Júnior
 
Ensino médio texto- análise de uma obra de arte-
Ensino médio  texto- análise de uma obra de arte-Ensino médio  texto- análise de uma obra de arte-
Ensino médio texto- análise de uma obra de arte-
ArtesElisa
 
Estética
EstéticaEstética
Estética
Edirlene Fraga
 
éTica, moral e valores
éTica, moral e valoreséTica, moral e valores
éTica, moral e valores
Over Lane
 
Dogmatismo, Ceticismo e Criticismo
Dogmatismo, Ceticismo e CriticismoDogmatismo, Ceticismo e Criticismo
Dogmatismo, Ceticismo e Criticismo
Mariana Couto
 
Filosofia 7º ano o conhecimento
Filosofia 7º ano o conhecimentoFilosofia 7º ano o conhecimento
Filosofia 7º ano o conhecimento
Francisco Vasconcelos Silva Júnior
 
Revisão - Filosofia 1 ano (2º Bimestre)
Revisão - Filosofia 1 ano (2º Bimestre)Revisão - Filosofia 1 ano (2º Bimestre)
Revisão - Filosofia 1 ano (2º Bimestre)
João Marcelo
 
Arte e estética
Arte e estéticaArte e estética
Arte e estética
MARISE VON FRUHAUF HUBLARD
 
ÉTICA E AÇÃO MORAL - 3 ANO
ÉTICA  E AÇÃO MORAL - 3 ANOÉTICA  E AÇÃO MORAL - 3 ANO
ÉTICA E AÇÃO MORAL - 3 ANO
Diego Bian Filo Moreira
 
Teoria Do Conhecimento
Teoria Do ConhecimentoTeoria Do Conhecimento
Teoria Do Conhecimento
rodrigomagarinus
 
O Princípio Responsabilidade II
O Princípio Responsabilidade IIO Princípio Responsabilidade II
O Princípio Responsabilidade II
Rodrigo Abrantes
 

Mais procurados (20)

Avaliação filosofia 1o_bimestre_1oano_2012
Avaliação filosofia 1o_bimestre_1oano_2012Avaliação filosofia 1o_bimestre_1oano_2012
Avaliação filosofia 1o_bimestre_1oano_2012
 
Conhecimento filosófico
Conhecimento filosóficoConhecimento filosófico
Conhecimento filosófico
 
Racionalismo e Empirismo
Racionalismo e EmpirismoRacionalismo e Empirismo
Racionalismo e Empirismo
 
Exercicio de filosofia
Exercicio de filosofiaExercicio de filosofia
Exercicio de filosofia
 
Razao
RazaoRazao
Razao
 
Filosofia
Filosofia Filosofia
Filosofia
 
Filosofia Analítica
Filosofia AnalíticaFilosofia Analítica
Filosofia Analítica
 
Filosofia e Mito
Filosofia e MitoFilosofia e Mito
Filosofia e Mito
 
Estética - Estudo do Belo
Estética - Estudo do BeloEstética - Estudo do Belo
Estética - Estudo do Belo
 
Cap 15 Filosofia Estética
Cap 15  Filosofia EstéticaCap 15  Filosofia Estética
Cap 15 Filosofia Estética
 
Ensino médio texto- análise de uma obra de arte-
Ensino médio  texto- análise de uma obra de arte-Ensino médio  texto- análise de uma obra de arte-
Ensino médio texto- análise de uma obra de arte-
 
Estética
EstéticaEstética
Estética
 
éTica, moral e valores
éTica, moral e valoreséTica, moral e valores
éTica, moral e valores
 
Dogmatismo, Ceticismo e Criticismo
Dogmatismo, Ceticismo e CriticismoDogmatismo, Ceticismo e Criticismo
Dogmatismo, Ceticismo e Criticismo
 
Filosofia 7º ano o conhecimento
Filosofia 7º ano o conhecimentoFilosofia 7º ano o conhecimento
Filosofia 7º ano o conhecimento
 
Revisão - Filosofia 1 ano (2º Bimestre)
Revisão - Filosofia 1 ano (2º Bimestre)Revisão - Filosofia 1 ano (2º Bimestre)
Revisão - Filosofia 1 ano (2º Bimestre)
 
Arte e estética
Arte e estéticaArte e estética
Arte e estética
 
ÉTICA E AÇÃO MORAL - 3 ANO
ÉTICA  E AÇÃO MORAL - 3 ANOÉTICA  E AÇÃO MORAL - 3 ANO
ÉTICA E AÇÃO MORAL - 3 ANO
 
Teoria Do Conhecimento
Teoria Do ConhecimentoTeoria Do Conhecimento
Teoria Do Conhecimento
 
O Princípio Responsabilidade II
O Princípio Responsabilidade IIO Princípio Responsabilidade II
O Princípio Responsabilidade II
 

Destaque

Totalitarismo e biopoder
Totalitarismo e biopoderTotalitarismo e biopoder
Totalitarismo e biopoder
Arlindo Picoli
 
Totalitarismo e biopolítica na sociedade de controle
Totalitarismo e biopolítica na sociedade de controleTotalitarismo e biopolítica na sociedade de controle
Totalitarismo e biopolítica na sociedade de controle
Arlindo Picoli
 
Hannah arendt e o totalitarismo
Hannah arendt e o totalitarismoHannah arendt e o totalitarismo
Hannah arendt e o totalitarismo
Arlindo Picoli
 
A ciência e a arte
A ciência e a arteA ciência e a arte
A ciência e a arte
Arlindo Picoli
 
A vida como contrução uma obra de arte
A vida como contrução uma obra de arteA vida como contrução uma obra de arte
A vida como contrução uma obra de arte
Arlindo Picoli
 
éTica por que e para quê
éTica por que e para quêéTica por que e para quê
éTica por que e para quê
Arlindo Picoli
 
Estado sociedade e poder
Estado sociedade e poderEstado sociedade e poder
Estado sociedade e poder
Arlindo Picoli
 
Foucault - Microfisica Do Poder
Foucault - Microfisica Do PoderFoucault - Microfisica Do Poder
Foucault - Microfisica Do Poder
José Augusto Fiorin
 
Reflexao=O Poder De Foucault
Reflexao=O Poder De FoucaultReflexao=O Poder De Foucault
Reflexao=O Poder De Foucault
Jaciara Souza
 
Relações de poder
Relações de poderRelações de poder
Relações de poder
José Amaral
 
Biopoder
BiopoderBiopoder
Biopoder
Kati Pinheiro
 
Os três domínios na obra de michel foucault 1
Os três domínios na obra de michel foucault 1Os três domínios na obra de michel foucault 1
Os três domínios na obra de michel foucault 1
Karla Saraiva
 

Destaque (13)

Totalitarismo e biopoder
Totalitarismo e biopoderTotalitarismo e biopoder
Totalitarismo e biopoder
 
Totalitarismo e biopolítica na sociedade de controle
Totalitarismo e biopolítica na sociedade de controleTotalitarismo e biopolítica na sociedade de controle
Totalitarismo e biopolítica na sociedade de controle
 
Hannah arendt e o totalitarismo
Hannah arendt e o totalitarismoHannah arendt e o totalitarismo
Hannah arendt e o totalitarismo
 
A ciência e a arte
A ciência e a arteA ciência e a arte
A ciência e a arte
 
A vida como contrução uma obra de arte
A vida como contrução uma obra de arteA vida como contrução uma obra de arte
A vida como contrução uma obra de arte
 
éTica por que e para quê
éTica por que e para quêéTica por que e para quê
éTica por que e para quê
 
Estado sociedade e poder
Estado sociedade e poderEstado sociedade e poder
Estado sociedade e poder
 
Foucault - Microfisica Do Poder
Foucault - Microfisica Do PoderFoucault - Microfisica Do Poder
Foucault - Microfisica Do Poder
 
Biopoder
BiopoderBiopoder
Biopoder
 
Reflexao=O Poder De Foucault
Reflexao=O Poder De FoucaultReflexao=O Poder De Foucault
Reflexao=O Poder De Foucault
 
Relações de poder
Relações de poderRelações de poder
Relações de poder
 
Biopoder
BiopoderBiopoder
Biopoder
 
Os três domínios na obra de michel foucault 1
Os três domínios na obra de michel foucault 1Os três domínios na obra de michel foucault 1
Os três domínios na obra de michel foucault 1
 

Semelhante a O conhecimento e a lógica

Lógica
LógicaLógica
Lógica
Elisama Lopes
 
O que é conhecimento
O que é conhecimentoO que é conhecimento
O que é conhecimento
Marcelo Ferreira Boia
 
Resumos filosofia 2
Resumos filosofia 2Resumos filosofia 2
Resumos filosofia 2
starlightmimi
 
O que podemos conhecer teoria do conhecimento
O que podemos conhecer teoria do conhecimentoO que podemos conhecer teoria do conhecimento
O que podemos conhecer teoria do conhecimento
LucianaCosta9469
 
Texto37b P7
Texto37b P7Texto37b P7
Texto37b P7
renatotf
 
11º b final
11º b   final11º b   final
11º b final
j_sdias
 
Resumo filosofia (3)
Resumo filosofia (3)Resumo filosofia (3)
Resumo filosofia (3)
Mateus Ferraz
 
Filosofia do conhecimento; síntese
Filosofia do conhecimento; sínteseFilosofia do conhecimento; síntese
Filosofia do conhecimento; síntese
Ana Felizardo
 
o problema do senso comum
o problema do senso comumo problema do senso comum
o problema do senso comum
Samuel22gladiador
 
Filosofia 11ºano
Filosofia 11ºanoFilosofia 11ºano
Filosofia 11ºano
barbarapinto1997
 
Método Científico em 6 passos
Método Científico em 6 passosMétodo Científico em 6 passos
Método Científico em 6 passos
Thiago Xavier
 
Epistemologia
EpistemologiaEpistemologia
Filosofia
FilosofiaFilosofia
Filosofia
DanielaMoreira84
 
Material de apoio logica 2010 01
Material de apoio logica 2010 01Material de apoio logica 2010 01
Material de apoio logica 2010 01
Mário Efatah
 
Introdução disciplina Teoria do Conhecimento
Introdução disciplina Teoria do ConhecimentoIntrodução disciplina Teoria do Conhecimento
Introdução disciplina Teoria do Conhecimento
LucianoEnes1
 
Logica
LogicaLogica
Logica
Erica Frau
 
Apostila do projeto integrador i
Apostila do projeto integrador iApostila do projeto integrador i
Apostila do projeto integrador i
Elizabete Dias
 
01 o conhecimento
01 o conhecimento01 o conhecimento
01 o conhecimento
Joao Balbi
 
01 o conhecimento
01 o conhecimento01 o conhecimento
01 o conhecimento
Joao Balbi
 
Projetos Experimentais I - Aula 2
Projetos Experimentais I - Aula 2Projetos Experimentais I - Aula 2
Projetos Experimentais I - Aula 2
Ricardo Americo
 

Semelhante a O conhecimento e a lógica (20)

Lógica
LógicaLógica
Lógica
 
O que é conhecimento
O que é conhecimentoO que é conhecimento
O que é conhecimento
 
Resumos filosofia 2
Resumos filosofia 2Resumos filosofia 2
Resumos filosofia 2
 
O que podemos conhecer teoria do conhecimento
O que podemos conhecer teoria do conhecimentoO que podemos conhecer teoria do conhecimento
O que podemos conhecer teoria do conhecimento
 
Texto37b P7
Texto37b P7Texto37b P7
Texto37b P7
 
11º b final
11º b   final11º b   final
11º b final
 
Resumo filosofia (3)
Resumo filosofia (3)Resumo filosofia (3)
Resumo filosofia (3)
 
Filosofia do conhecimento; síntese
Filosofia do conhecimento; sínteseFilosofia do conhecimento; síntese
Filosofia do conhecimento; síntese
 
o problema do senso comum
o problema do senso comumo problema do senso comum
o problema do senso comum
 
Filosofia 11ºano
Filosofia 11ºanoFilosofia 11ºano
Filosofia 11ºano
 
Método Científico em 6 passos
Método Científico em 6 passosMétodo Científico em 6 passos
Método Científico em 6 passos
 
Epistemologia
EpistemologiaEpistemologia
Epistemologia
 
Filosofia
FilosofiaFilosofia
Filosofia
 
Material de apoio logica 2010 01
Material de apoio logica 2010 01Material de apoio logica 2010 01
Material de apoio logica 2010 01
 
Introdução disciplina Teoria do Conhecimento
Introdução disciplina Teoria do ConhecimentoIntrodução disciplina Teoria do Conhecimento
Introdução disciplina Teoria do Conhecimento
 
Logica
LogicaLogica
Logica
 
Apostila do projeto integrador i
Apostila do projeto integrador iApostila do projeto integrador i
Apostila do projeto integrador i
 
01 o conhecimento
01 o conhecimento01 o conhecimento
01 o conhecimento
 
01 o conhecimento
01 o conhecimento01 o conhecimento
01 o conhecimento
 
Projetos Experimentais I - Aula 2
Projetos Experimentais I - Aula 2Projetos Experimentais I - Aula 2
Projetos Experimentais I - Aula 2
 

Mais de Arlindo Picoli

Epiméleia heautoû: A ética do cuidado de si
Epiméleia heautoû: A ética do cuidado de siEpiméleia heautoû: A ética do cuidado de si
Epiméleia heautoû: A ética do cuidado de si
Arlindo Picoli
 
Ética e moral
Ética e moralÉtica e moral
Ética e moral
Arlindo Picoli
 
A vida profissional o tédio
A vida profissional o tédioA vida profissional o tédio
A vida profissional o tédio
Arlindo Picoli
 
2° ano
2° ano2° ano
1º Ano - Fundamentalismo & Terrorismo
1º Ano - Fundamentalismo & Terrorismo 1º Ano - Fundamentalismo & Terrorismo
1º Ano - Fundamentalismo & Terrorismo
Arlindo Picoli
 
2° ano Filosofia Política - Revisão
2° ano Filosofia Política - Revisão2° ano Filosofia Política - Revisão
2° ano Filosofia Política - Revisão
Arlindo Picoli
 
Indústria cultural problematizando
Indústria cultural problematizandoIndústria cultural problematizando
Indústria cultural problematizando
Arlindo Picoli
 
Industria cultural fragmentos
Industria cultural fragmentosIndustria cultural fragmentos
Industria cultural fragmentos
Arlindo Picoli
 
O corpo hierarquia de gênero no brasil
O corpo hierarquia de gênero no brasilO corpo hierarquia de gênero no brasil
O corpo hierarquia de gênero no brasil
Arlindo Picoli
 
Existem mulheres filósofas
Existem mulheres filósofasExistem mulheres filósofas
Existem mulheres filósofas
Arlindo Picoli
 

Mais de Arlindo Picoli (10)

Epiméleia heautoû: A ética do cuidado de si
Epiméleia heautoû: A ética do cuidado de siEpiméleia heautoû: A ética do cuidado de si
Epiméleia heautoû: A ética do cuidado de si
 
Ética e moral
Ética e moralÉtica e moral
Ética e moral
 
A vida profissional o tédio
A vida profissional o tédioA vida profissional o tédio
A vida profissional o tédio
 
2° ano
2° ano2° ano
2° ano
 
1º Ano - Fundamentalismo & Terrorismo
1º Ano - Fundamentalismo & Terrorismo 1º Ano - Fundamentalismo & Terrorismo
1º Ano - Fundamentalismo & Terrorismo
 
2° ano Filosofia Política - Revisão
2° ano Filosofia Política - Revisão2° ano Filosofia Política - Revisão
2° ano Filosofia Política - Revisão
 
Indústria cultural problematizando
Indústria cultural problematizandoIndústria cultural problematizando
Indústria cultural problematizando
 
Industria cultural fragmentos
Industria cultural fragmentosIndustria cultural fragmentos
Industria cultural fragmentos
 
O corpo hierarquia de gênero no brasil
O corpo hierarquia de gênero no brasilO corpo hierarquia de gênero no brasil
O corpo hierarquia de gênero no brasil
 
Existem mulheres filósofas
Existem mulheres filósofasExistem mulheres filósofas
Existem mulheres filósofas
 

Último

Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
Mary Alvarenga
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
beathrizalves131
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Falcão Brasil
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
marcos oliveira
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Mary Alvarenga
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 

Último (20)

Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 

O conhecimento e a lógica

  • 1. O conhecimento e a lógica Profº Arlindo Picoli Campus Itapina
  • 3.  CONHECER = “SER” “COM”  CONHECER = “TER NA CONSCIÊNCIA” SUJEITO OBJETO RELAÇÃO CONHECIMENTO
  • 4. Intuição: etimologia • Intuição. Do latim intuitio, do verbo intueor, "olhar atentamente", "observar". Intuição é portanto uma "visão", uma percepção sem conceito.
  • 5. Intuição empírica • É o conhecimento imediato baseado em uma experiência que independe de qualquer conceito. • Pode ser:
  • 6. A intuição inventiva • É a intuição do sábio, do artista, do cientista, ao descobrirem soluções súbitas, como uma hipótese fecunda ou uma inspiração inovadora.
  • 7. Conhecimento intuitivo • O conhecimento intuitivo é imediato, resulta de uma visão súbita, é inexprimível, independe de demonstração. • Compreensão global e instantânea.
  • 8. A intuição intelectual • Procura captar diretamente a essência do objeto. • Descartes, quando chegou à consciência do cogito -o eu pensante -, considerou tratar-se de uma primeira verdade que não podia ser provada, mas da qual não se poderia duvidar: Cogito, ergo sum, que em latim significa "penso, logo existo".
  • 9. “Por intuição entendo não a confiança flutuante que dão os sentidos ou o juízo enganador de uma imaginação de más construções, mas o conceito que a inteligência pura e atenta forma com tanta facilidade e distinção que não resta absolutamente nenhuma dúvida sobre aquilo que compreendemos; [...] Deste modo, cada qual pode ver por intelectual que existe, que pensa, que um triangulo é limitado só por três linhas, um corpo esférico por uma única superfície [...]”. (DESCARTES In Regras para a direção do Espírito)
  • 10. Princípios: • Princípio de identidade – É o princípio que afirma que uma coisa só é igual a ela mesma. • Princípio de não contradição ou de contradição – É o princípio afirma que duas afirmações contraditórias não podem ser verdadeiras ao mesmo tempo. • Princípio do Terceiro Excluído. – Afirma que ou as coisas são ou não são. Não pode existir um meio termo.
  • 12. Lógica • A palavra lógica vem do grego “logiké”, está relacionada à palavra “logos”, que significa razão, palavra, discurso, estudo. • Segundo Aristóteles, a lógica tem como objetivo o estudo do pensamento, para que este seja correto. • A lógica estuda e define as regras do raciocínio correto, porém não é de sua competência estabelecer os princípios que as proposições devem seguir.
  • 13. O Conhecimento discursivo ou lógico • O conhecimento discursivo é mediado pela palavra, pelo encadeamento de ideias, pelo raciocínio. • A indução e a dedução são encadeamentos discursivos que nos levam a determinada conclusão.
  • 14. Dedução ou silogismo • Do geral para o particular – Todo metal é dilatado pelo calor. (Premissa maior) Ora, a prata é um metal. (Premissa menor) Logo, a prata é dilatada pelo calor. (Conclusão) – Todo brasileiro é sul-americano. (Premissa maior) Ora, todo paulista é brasileiro. (Premissa menor) Logo, todo paulista é sul-americano. (Conclusão)
  • 15. Silogismo Hipotético • É uma possibilidade de acontecer ou ser. • Ele inicia com a condição Se… então… – Se segunda der sol então vou de moto. – Segunda amanheceu com sol. – Logo, vou de moto.
  • 16. Indução: • Do particular para o geral – O cobre é condutor de eletricidade, assim como a prata, o ouro, o ferro, o zinco e outros metais, Logo, todo metal é condutor de eletricidade. – A galinha tem bico é uma ave. O faisão tem bico e é uma ave. O avestruz tem bico e é uma ave. Portanto todos os seres com bico são aves.
  • 17. • raciocínio dedutivo válido: – do geral para o particular; – premissas verdadeiras garantem uma conclusão verdadeira; – não ampliam o conhecimento. • raciocínio indutivo: – do particular para o geral; – premissas verdadeiras não garantem uma conclusão verdadeira; – ampliam o conhecimento.
  • 18. Tipos de raciocínio indutivo • Apesar dos argumentos indutivos não serem válidos, eles são muito utilizados e, sob certas condições, eles podem fornecer forte evidência de que estão corretos. • Argumentos indutivos podem ser dos seguintes tipos: – Indução enumerativa; – Indução analógica; – Indução hipotética.
  • 19. Indução enumerativa • é o tipo de raciocínio que se usa quando se chega a uma generalização sobre um grupo de coisas, após observar apenas alguns dos membros desse grupo, e.g.: • 54 % de seus colegas de classe são mulheres, então, 54 % de todos os estudantes da USP são mulheres. • O argumento será forte se a amostra for suficientemente grande e representativa de toda a USP.
  • 20. A verdade do raciocínio • O raciocínio dedutivo tem sua validade determinada pela forma lógica do argumento, e não pelo conteúdo dos enunciados • O raciocínio indutivo nem sempre é verdadeiro, e mesmo quando o é, pode ser questionado. • Costuma-se dizer que uma inferência é plausível se a afirmação é verdadeira com “boa” probabilidade.
  • 21. Indução analógica • Quando se argumenta que duas coisas que são similares sob certos aspectos são também similares sob outros aspectos, utiliza-se indução analógica, e.g.: – A Terra tem ar, água e vida. Marte tem ar e água, logo deve ter vida.
  • 22. Indução analógica • A conclusão tem apenas certa probabilidade de estar correta; quanto maiores as similaridades, maior a probabilidade. • A água de Marte está congelada nos pólos e a atmosfera é muito menos densa do que a da Terra. • Mas no passado Marte foi mais semelhante à Terra hoje, então é mais provável que Marte tenha tido vida no passado. • Outros exemplos: teste de remédios em animais, sistema de precedente legal americano*. *resoluções em que a mesma questão jurídica, sobre a qual há que decidir novamente, já foi resolvida uma vez por um tribunal noutro caso.
  • 23. Indução hipotética • Também conhecida por abdução ou inferência pela melhor explicação. • Nem todas as explicações para os fenômenos observados são igualmente boas, assim, deve-se preferir a melhor explicação: – O motor pode falhar devido ao uso de combustível adulterado, velas velhas ou problemas com a injeção eletrônica. O carro é novo e ontem abasteci num posto “meia boca”, então é provável que seja devido ao combustível adulterado.
  • 24. Indução hipotética • É a forma de raciocínio usada por médicos, mecânicos, detetives e pela maioria de nós no dia a dia. • Deve-se preferir a hipótese que for mais simples, trouxer melhor compreensão do fenômeno e que mais previsões corretas for capaz de fazer.
  • 25. Falácia ou sofisma: • É uma afirmação errônea, erro de raciocínio ou argumento falso que por sua aparente veracidade parece sustentar uma conclusão. – Não compre nada no Paraguai, porque lá só tem produto falsificado. – Todo mundo é desonesto de vez em quando. – Se emprestar um livro a você, vou ter que emprestar a todo mundo. – Se deixar você ir ao banheiro, terei que deixar todos os alunos
  • 29. Verdade e Veracidade • A veracidade nos coloca diante de uma questão moral. Ex.: Suponhamos que alguém diz que há um lado da lua que nunca é visto da Terra. Se eu perguntar: - Isto é verdade?, a indagação pode ter dois sentidos. • Será verdade ou meu interlocutor está mentindo. O indivíduo veraz é aquele que não mente. • O segundo tem sentido epistemológico: quero saber se a afirmação de meu interlocutor é verdadeira ou falsa: • A proposição corresponde à realidade? • Já foi comprovada? • A fonte da informação é digna de crédito ou não?
  • 30. Verdade e realidade  A verdade do conhecimento diz respeito a uma proposição que pode ser verdadeira ou falsa.  Quando afirmamos “Este colar é de ouro”, a proposição é falsa caso se trate de uma bijuteria.  Mas se nos referirmos a coisas (um colar, um quadro, um dente) só podemos afirmar que são reais, e não verdadeiras ou falsas.
  • 31. Verdade e realidade  O falso ou o verdadeiro não estão na coisa mesma, mas no JUÍZO, NO VALOR DE VERDADE OU FALSIDADE DE UMA PROPOSIÇÃO.  O juízo corresponde à realidade. Um juízo verdadeiro é aquele que corresponde aos fatos.
  • 32. O dogmatismo  O dogmatismo do senso comum Designa as certezas não questionadas do nosso cotidiano “sempre foi assim”...  O dogmatismo filosófico A razão pode alcançar a certeza absoluta.
  • 33. Ceticismo • Um filósofo cético pode ser radical ou moderado: – é radical quando conclui que o conhecimento é impossível. – nas tendências moderadas, o cético suspende provisoriamente qualquer juízo e, mesmo sem deixar de buscar a verdade, professa um certo relativismo.
  • 34. Referências • ARANHA, Maria Lúcia, MARTINS, Maria Helena Pires. Filosofando: Introdução á Filosofia. 4° Ed. São Paulo: Moderna, 2009. • NETO, Camilo Rodrigues, TADI – Tratamento e Análise de Dados/Informações. Disponível em: <http://www.each.usp.br/camiloneto/tadi/tadi.2012.aula8.L ogica.Deduccao.e.Induccao.pdf>. Acesso em 27 out 2015. • Vídeo indicado: Aula 2 de Filosofia - Tema: Lógica (Telecurso 2000) https://www.youtube.com/watch?v=9eT64p6XJIo