SlideShare uma empresa Scribd logo
Liderança	
  
Rosário	
  Cação	
  
h1p://www.evolui.com/curso/	
  
lideranca_ser_lider_criar_lideres	
  
O	
  Top	
  das	
  Reclamações	
  
Contra	
  os	
  Líderes	
  
•  Não	
  reconhecer	
  os	
  sucessos	
  dos	
  colaboradores	
  (63%)	
  
•  Não	
  fornecer	
  instruções	
  claras	
  (57%)	
  
•  Não	
  ter	
  tempo	
  para	
  se	
  reunir	
  com	
  os	
  colaboradores	
  (52%)	
  
•  Recursar-­‐se	
  a	
  falar	
  com	
  os	
  colaboradores	
  (51%)	
  
•  Apropriar-­‐se	
  das	
  ideias	
  dos	
  outros	
  (47%)	
  
•  Não	
  fazer	
  críFcas	
  construFvas	
  (39%)	
  
•  Não	
  saber	
  o	
  nome	
  dos	
  colaboradores	
  (36%)	
  
•  Recursar-­‐se	
  a	
  falar	
  com	
  as	
  pessoas	
  ao	
  telefone	
  ou	
  ao	
  vivo	
  (34%)	
  
•  Não	
  perguntar	
  pela	
  vida	
  das	
  pessoas	
  além	
  do	
  trabalho	
  (23%)	
  
Solomon,	
  L.	
  (2015).	
  The	
  Top	
  Complaints	
  from	
  Employees	
  About	
  Their	
  Leaders.	
  Disponível	
  em	
  hUps://hbr.org/2015/06/the-­‐top-­‐complaints-­‐
from-­‐employees-­‐about-­‐their-­‐leaders	
  
Saber	
  Liderar	
  
Grande	
  parte	
  dos	
  insucessos	
  
empresariais	
  são	
  fruto	
  de	
  uma	
  
liderança	
  ineficaz	
  
Saber	
  liderar	
  é	
  uma	
  
competência	
  fundamental	
  
Para	
  as	
  empresas	
  	
   Para	
  as	
  carreiras	
  
Ênfase	
  nas	
  pessoas	
  e	
  não	
  nas	
  tarefas	
  
Terry	
  (1960):	
  
	
  
A	
  liderança	
  é	
  a	
  acFvidade	
  de	
  
influenciar	
  as	
  pessoas	
  fazendo-­‐as	
  
empenhar-­‐se	
  voluntariamente	
  nos	
  
objecFvos	
  de	
  grupo.	
  
	
  
Hersey	
  e	
  Blanchard	
  (1969):	
  
	
  
A	
  liderança	
  ocorre	
  sempre	
  que	
  
alguém	
  procura	
  influenciar	
  o	
  
comportamento	
  de	
  um	
  indivíduo	
  ou	
  
de	
  um	
  grupo,	
  qualquer	
  que	
  seja	
  a	
  
finalidade.	
  
	
  
Northouse	
  (2010):	
  
	
  
A	
  liderança	
  é	
  o	
  processo	
  pelo	
  qual	
  
um	
  indivíduo	
  influência	
  um	
  grupo	
  
de	
  indivíduos	
  de	
  forma	
  a	
  aFngir	
  um	
  
objecFvo	
  comum.	
  
	
  
Atributos	
  dos	
  líderes	
  	
  
necessários	
  numa	
  economia	
  global	
  e	
  digital	
  
	
  
• 	
  Adaptabilidade	
  
• 	
  Competência	
  cultural	
  (a	
  capacidade	
  de	
  pensar,	
  agir	
  e	
  mover-­‐se	
  entre	
  fronteiras)	
  
• 	
  Pensamento	
  360º	
  (compreensão	
  holísFca,	
  capacidade	
  de	
  reconhecer	
  padrões	
  de	
  problemas	
  e	
  as	
  
suas	
  soluções)	
  
• 	
  Curiosidade	
  intelectual	
  
• 	
  EmpaFa	
  (a	
  capacidade	
  de	
  ver	
  o	
  mundo	
  pelos	
  olhos	
  dos	
  outros	
  e	
  compreender	
  a	
  sua	
  perspecFva)	
  
	
  
Wilson	
  III,	
  E.	
  J.	
  (2015).	
  Empathy	
  Is	
  SFll	
  Lacking	
  in	
  the	
  Leaders	
  Who	
  Need	
  It	
  Most.	
  Harvard	
  Business	
  Review,	
  	
  disponível	
  em	
  hUps://hbr.org/2015/09/
empathy-­‐is-­‐sFll-­‐lacking-­‐in-­‐the-­‐leaders-­‐who-­‐need-­‐it-­‐most	
  
A	
  Arte	
  de	
  Ser	
  Seguidor	
  
Kelley,	
  R.	
  E.	
  (1988).	
  In	
  praise	
  of	
  followers.	
  Harvard	
  Business	
  Review,	
  66,	
  142-­‐148.	
  
Podem	
  os	
  seguidores	
  
tornarem-­‐se	
  líderes?	
  	
  
O	
  owership	
  ou	
  propriedade	
  psicológica	
  e	
  a	
  
importância	
  de	
  deixar	
  de	
  dar	
  ordens	
  
Competência	
  técnica	
  	
  +	
  	
  Clareza	
  organizacional	
  
A	
  liderança	
  é	
  o	
  processo	
  de	
  influenciar	
  outros	
  
de	
  forma	
  a	
  aFngir	
  os	
  resultados	
  pré-­‐definidos.	
  
A	
  autoridade	
  é	
  o	
  direito	
  legíFmo	
  para	
  dirigir	
  
ou	
  influenciar	
  outras	
  pessoas.	
  	
  
O	
  poder	
  é	
  o	
  controlo	
  das	
  principais	
  estratégias	
  
ou	
  processos	
  considerados	
  nucleares.	
  	
  
Liderança,	
  Autoridade	
  e	
  Poder	
  
Tipos	
  de	
  Poder	
  
•  Poder	
  formal	
  
•  Poder	
  do	
  objecFvo,	
  do	
  bem	
  comum	
  
•  Poder	
  do	
  conhecimento,	
  apFdões	
  ou	
  recursos	
  
•  Poder	
  da	
  história	
  pessoal,	
  histórico	
  de	
  sucessos	
  pessoais	
  na	
  organização	
  
•  Poder	
  da	
  fé	
  em	
  si,	
  integridade	
  e	
  compromisso	
  
•  Poder	
  de	
  falar	
  a	
  verdade	
  
•  Poder	
  de	
  estabelecer	
  um	
  standard	
  que	
  influencia	
  os	
  outros	
  
•  Poder	
  de	
  escolher	
  como	
  reagir	
  em	
  situações	
  	
  
•  Poder	
  de	
  seguir	
  (ou	
  não)	
  
•  Poder	
  das	
  relações	
  e	
  redes	
  de	
  contactos	
  
•  Poder	
  de	
  comunicar	
  através	
  de	
  vários	
  canais	
  
•  Poder	
  de	
  organizar	
  os	
  outros	
  
•  Poder	
  de	
  reFrar	
  apoio	
  
Challeff	
  	
  (1995)	
  
Seguidores	
  
Teorias	
  de	
  Liderança	
  
As	
  Primeiras	
  Teorias	
  de	
  Liderança	
  	
  
As	
  Teorias	
  Baseadas	
  em	
  ApFdões	
  
As	
  Primeiras	
  Teorias	
  Comportamentais	
  
Outras	
  Teorias	
  Comportamentais	
  
As	
  Teorias	
  ConFngenciais	
  e	
  Situacionais	
  
A	
  Liderança	
  Transacional	
  
As	
  Teorias	
  de	
  Liderança	
  Transformacionais	
  
A	
  Teoria	
  do	
  Líder	
  Servente	
  
As	
  Teorias	
  Contemporâneas	
  de	
  Liderança	
  
Avaliação	
  de	
  Lideranças	
  
Auto-­‐avaliação	
  
Avaliação	
  de	
  terceiros	
  
Liderança	
  
As	
  Primeiras	
  Teorias	
  	
  
de	
  Liderança	
  
Teoria	
  dos	
  Grandes	
  Homens	
  
As	
  qualidades	
  inerentes	
  aos	
  líderes	
  são	
  pessoais	
  e	
  
nascem	
  com	
  a	
  pessoa	
  –	
  não	
  são	
  criadas.	
  	
  
O	
  líder	
  possuí	
  traços	
  e	
  caracterísFcas	
  que	
  o	
  
idenFficam	
  e	
  que	
  o	
  tornam	
  o	
  grande	
  homem.	
  
Teoria	
  contestada	
  por	
  Lindzey	
  (1948)	
  e	
  Spencer	
  (1960s).	
  
Carlyle,	
  T.	
  (1841).	
  On	
  heros,	
  hero	
  worship	
  and	
  the	
  heroic	
  in	
  history.	
  Boston:	
  Adams.	
  
	
  
Ponto	
  de	
  parFda	
  para	
  a	
  compreensão	
  dos	
  traços	
  
humanos	
  que	
  são	
  comuns	
  aos	
  líderes.	
  
Thomas	
  Carlyle	
  (1941)	
  
Teoria	
  dos	
  Traços	
  Pessoais	
  
As	
  pessoas	
  ora	
  nascem	
  ou	
  desenvolvem	
  certas	
  
qualidades	
  que	
  os	
  tornam	
  excelentes	
  líderes.	
  
Teoria	
  baseada	
  no	
  estudo	
  das	
  caracterísRcas	
  
mentais,	
  psicológicas	
  e	
  sociais	
  comuns	
  aos	
  grandes	
  
líderes.	
  
Teoria	
  contestada	
  apenas	
  conseguir	
  provar	
  que	
  os	
  
líderes	
  eram	
  mais	
  inteligentes	
  e	
  altos	
  (!)	
  do	
  que	
  as	
  
restantes	
  pessoas	
  e	
  não	
  atender	
  ao	
  contexto.	
  
Allport,	
  G.	
  W.	
  (1937).	
  Personality:	
  a	
  psychological	
  interpretaFon.	
  New	
  York:	
  Holt,	
  Rinehart,	
  &	
  Winston.	
  
Stogdill,	
  R.M.	
  (1974).	
  Handbook	
  of	
  leadership:	
  A	
  survey	
  of	
  the	
  literature,	
  New	
  York:	
  Free	
  Press	
  
	
  
Ponto	
  de	
  parFda	
  para	
  discussão	
  da	
  
*situação*	
  de	
  liderança.	
  
Allport	
  (1937)	
  e	
  Stogdill	
  (1974)	
  
Liderança	
  
As	
  Teorias	
  Baseadas	
  
em	
  ApRdões	
  
A	
  Abordagem	
  das	
  Três	
  
ApRdões	
  de	
  Katz	
  
Katz	
  idenFfica	
  três	
  apFdões:	
  
•  ApRdões	
  técnicas,	
  relacionadas	
  com	
  a	
  área	
  de	
  
trabalho	
  
•  ApRdões	
  humanas,	
  relacionadas	
  com	
  a	
  
comunicação	
  e	
  	
  a	
  interacção	
  com	
  as	
  pessoas	
  
•  ApRdões	
  conceptuais,	
  relacionadas	
  com	
  a	
  
capacidade	
  de	
  estabelecer	
  uma	
  visão	
  
Katz	
  (1955;	
  1974)	
  
A	
  importância	
  de	
  cada	
  apFdão	
  varia	
  de	
  acordo	
  com	
  
o	
  nível	
  de	
  gestão.	
  
Katz,	
  Robert	
  (1955).	
  The	
  Skills	
  of	
  an	
  EffecFve	
  Administrator,	
  Harvard	
  Business	
  Review,	
  January-­‐
February.	
  
Katz,	
  Robert	
  (1974).	
  The	
  Skills	
  of	
  the	
  EffecFve	
  Administrator.	
  Harvard	
  Business	
  Review.	
  52:5,	
  
90-­‐102,	
  Sep-­‐Oct	
  74Boston,	
  MA..	
  
O	
  Modelo	
  de	
  Mumford	
  
Baseiam-­‐se	
  no	
  trabalho	
  de	
  Katz	
  mas	
  propõem	
  um	
  
modelo	
  baseado	
  em	
  5	
  componentes:	
  Atributos	
  
individuais,	
  competências,	
  resultados	
  da	
  liderança,	
  
experiências	
  de	
  carreira	
  e	
  influências	
  ambientais.	
  
Mumford,	
  M.	
  D.,	
  Zaccaro,	
  S.	
  J.,	
  Harding,	
  F.	
  D.,	
  Jacobs,	
  T.	
  O.,	
  Fleishman,	
  E.	
  A.	
  	
  (2000)	
  Leadership	
  
Skills	
  for	
  a	
  Changing	
  World:	
  Solving	
  Complex	
  Social	
  Problems	
  Leadership	
  Quarterly,	
  11(1),	
  11-­‐35	
  
disponível	
  em	
  hUp://www.sciencedirect.com/science/arFcle/pii/S1048984399000417	
  
Mumford,	
  M.	
  D.,	
  Zaccaro,	
  S.	
  J.,	
  Connelly,	
  M.	
  S.,	
  &	
  Marks,	
  M.	
  A.	
  (2000).	
  Leadership	
  skills:	
  
Conclusions	
  and	
  future	
  direcFons.	
  Leadership	
  Quarterly,	
  11(1),	
  155–170	
  disponível	
  em	
  hUp://
www.sciencedirect.com/science/arFcle/pii/S1048984399000478	
  
Mumford	
  et	
  al.	
  (2000;	
  2007)	
  
Posteriormente,	
  idenFficaram	
  4	
  apFdões	
  necessárias	
  
em	
  diferentes	
  níveis	
  de	
  gestão:	
  cogniRvas,	
  
interpessoais,	
  de	
  negócio	
  e	
  estratégicas.	
  
Liderança	
  
As	
  Primeiras	
  Teorias	
  
Comportamentais	
  
Teoria	
  dos	
  Papéis	
  
Cada	
  pessoa	
  representa	
  um	
  papel	
  como	
  se	
  fosse	
  
um	
  actor	
  a	
  desempenhar	
  em	
  cenário	
  real	
  
Mintzberg	
  definiu	
  10	
  papéis	
  do	
  gestor:	
  
	
  
Monitor 	
   	
   	
  Disseminador	
  
Porta-­‐voz	
   	
   	
  Figurehead	
  
Líder 	
   	
   	
  Relação	
  
Empreendedor 	
   	
  	
  
Solucionador	
  de	
  problemas	
  
Alocador	
  de	
  recursos 	
  Negociador	
  
	
  
Mintzberg	
  (1975)	
  
Mintzberg,	
  H,	
  (1975).	
  The	
  manager's	
  job:	
  Folklore	
  and	
  fact.	
  Harvard	
  Business	
  Review,	
  53(4),	
  49-­‐61
QuesRonário	
  de	
  Descrição	
  de	
  
Comportamentos	
  do	
  Líder	
  
Mede	
  várias	
  dimensões	
  do	
  comportamento	
  de	
  
liderança	
  (representação,	
  tolerância	
  à	
  incerteza,	
  
capacidade	
  de	
  persuasão,	
  exacFdão	
  das	
  
previsões,	
  etc.).	
  
Determinou	
  dois	
  grupos	
  de	
  comportamento:	
  
“Consideração”	
  (orientação	
  para	
  as	
  pessoas)	
  e	
  
“Estrutura”	
  (orientação	
  para	
  a	
  tarefa).	
  
The	
  Ohio	
  State	
  University	
  (s/n).	
  Leader	
  Behavior	
  DescripFon	
  QuesFonnaire	
  (LBDQ),	
  disponível	
  em	
  hUp://
fisher.osu.edu/research/lbdq	
  
Ohio	
  State	
  University	
  (1940s)	
  
Teoria	
  dos	
  Quatro	
  	
  
Sistemas	
  de	
  Likert	
  
Define	
  o	
  esFlo	
  de	
  liderança	
  baseado	
  no	
  grau	
  de	
  
parFcipação	
  em	
  seis	
  dimensões:	
  liderança	
  
parFcipada,	
  moFvação,	
  comunicação,	
  tomada	
  de	
  
decisão,	
  definição	
  de	
  objecFvos	
  e	
  controlo.	
  
Com	
  base	
  nos	
  resultados,	
  a	
  organização	
  era	
  
considerada	
  um	
  sistema	
  autoritário	
  exploratório,	
  
um	
  sistema	
  autoritário	
  benevolente,	
  um	
  sistema	
  
consulRvo	
  ou	
  um	
  sistema	
  parRcipaRvo.	
  
The	
  Ohio	
  State	
  University	
  (s/n).	
  Leader	
  Behavior	
  DescripFon	
  QuesFonnaire	
  (LBDQ),	
  
disponível	
  em	
  hUp://fisher.osu.edu/research/lbdq	
  
Universidade	
  de	
  Michigan	
  (1950s)	
  
Teorias	
  X	
  e	
  Y	
  
Teoria	
  de	
  desenvolvimento	
  organizacional,	
  
moFvacional	
  e	
  de	
  liderança	
  que	
  contrasta	
  duas	
  
abordagens:	
  a	
  teoria	
  X	
  e	
  a	
  Y.	
  
A	
  teoria	
  X	
  	
  aponta	
  para	
  um	
  esFlo	
  de	
  liderança	
  
autoritário,	
  com	
  controlo	
  apertado	
  e	
  uma	
  cultura	
  
depressiva.	
  
McGregor,	
  D.	
  (1960).	
  The	
  Human	
  Side	
  of	
  Enterprise,	
  Annotated	
  Edi>on.	
  New	
  York:	
  McGraw-­‐Hill	
  EducaFon.	
  
McGregor	
  (1960)	
  
A	
  teoria	
  Y	
  está	
  associada	
  ao	
  empoderamento	
  das	
  
pessoas,	
  a	
  distribuição	
  de	
  responsabilidade	
  e	
  
uma	
  liderança	
  parFcipaFva.	
  
Teoria	
  dos	
  EsRlos	
  de	
  
Liderança	
  
Define	
  três	
  Fpos	
  de	
  liderança:	
  	
  
	
  
•  	
  A	
  liderança	
  autocráRca	
  
•  A	
  liderança	
  democráRca	
  
•  A	
  liderança	
  liberal	
  ou	
  laissez-­‐faire	
  
White,	
  R.	
  K.,	
  &	
  LippiU,	
  R.	
  O.	
  (1960).	
  Autocracy	
  and	
  democracy:	
  An	
  experimental	
  
inquiry.	
  New	
  York:	
  Harper	
  &	
  Brothers.	
  
White	
  e	
  LippiU	
  (1960)	
  
Liderança	
  
Outras	
  Teorias	
  
Comportamentais	
  
O	
  Modelo	
  da	
  Grelha	
  	
  
de	
  Liderança	
  
Define	
  uma	
  grelha	
  com	
  esFlos	
  de	
  liderança	
  
em	
  função	
  da	
  preocupação	
  com	
  as	
  pessoas	
  
vs.	
  a	
  preocupação	
  com	
  a	
  produção	
  (a	
  tarefa)	
  
e	
  a	
  moRvação.	
  
Blake,	
  Robert	
  R.,	
  Mouton,	
  Jane	
  S.,	
  (1972).	
  The	
  Managerial	
  Grid	
  -­‐	
  Key	
  OrientaFons	
  
For	
  Achieving	
  ProducFon	
  Through	
  People,	
  Gulf	
  Publishing	
  Company	
  
Blake	
  &	
  Mouton	
  (1964)	
  
A	
  grelha	
  define	
  5	
  esFlos	
  de	
  liderança.	
  
Posteriormente	
  foram	
  adicionados	
  dois	
  
outros	
  esFlos.	
  
A	
  Liderança	
  Camaleão	
  
Baseia-­‐se	
  na	
  profecia	
  auto-­‐realizadora	
  ou	
  
efeito	
  Camaleão:	
  o	
  efeito	
  moFvacional	
  das	
  
expectaFvas	
  posiFvas.	
  	
  
Livingston	
  (2003),	
  Pygmalion	
  in	
  Management,	
  Harvard	
  Business	
  Review,	
  disponível	
  
em	
  hUps://hbr.org/2003/01/pygmalion-­‐in-­‐management	
  
Livingston	
  (1969)	
  
As	
  expectaFvas	
  que	
  o	
  	
  líder	
  tem	
  sobre	
  as	
  
pessoas	
  influencia	
  o	
  comportamento	
  delas.	
  
Existem	
  dois	
  efeitos	
  associados:	
  	
  
•  O	
  efeito	
  Golem	
  (baixas	
  expectaFvas,	
  baixo	
  desempenho)	
  
•  O	
  efeito	
  Galatea	
  (expectaFvas	
  auto-­‐realizadoras)	
  
Modelo	
  de	
  Liderança	
  	
  
de	
  Base	
  	
  
A	
  consultora	
  definiu	
  uma	
  lista	
  de	
  17	
  
competências	
  que	
  as	
  pessoas	
  frequentemente	
  
associam	
  à	
  liderança.	
  	
  
Russ-­‐E€,	
  D.,	
  Berrey,	
  C.,	
  Hurson,	
  K.	
  &	
  Brennen,	
  K.	
  (1996)	
  UpdaFng	
  the	
  meaning	
  of	
  
leadership:	
  	
  a	
  grass	
  roots	
  model	
  for	
  the	
  new	
  workplace,	
  An	
  Essay	
  from	
  Zenger	
  Miller,	
  
M2021	
  V.1.1	
  (7/96)	
  Zenger	
  Miller	
  Inc:	
  71-­‐72.	
  
Zenger-­‐Miller	
  (1996)	
  
Exemplos:	
  gerir	
  a	
  mudança,	
  focar	
  no	
  cliente,	
  
resolver	
  problemas,	
  gerir	
  o	
  tempo	
  e	
  os	
  
recursos,	
  lidar	
  com	
  as	
  emoções,	
  demonstrar	
  
compaixão,	
  fazer	
  apresentações	
  credíveis,	
  etc..	
  	
  
A	
  Teoria	
  da	
  Liderança	
  
Emocional	
  
O	
  coeficiente	
  de	
  inteligência	
  não	
  é	
  suficiente	
  
para	
  caracterizar	
  um	
  líder	
  e	
  a	
  inteligência	
  
emocional	
  ajuda	
  a	
  explicar	
  o	
  seu	
  desempenho.	
  
Goleman,	
  D.	
  (1995).	
  EmoFonal	
  intelligence.	
  New	
  York:	
  Bantam	
  Books.	
  	
  
Goleman	
  (1995)	
  
Existem	
  5	
  componentes	
  da	
  inteligência	
  
emocional:	
  auto-­‐consciência,	
  auto-­‐regulação,	
  
moRvação,	
  empaRa	
  e	
  apRdão	
  social.	
  
Liderança	
  
Teorias	
  ConRngenciais	
  
ou	
  Situacionais	
  
A	
  Teoria	
  da	
  Liderança	
  
Situacional	
  
Não	
  existe	
  uma	
  forma	
  única	
  de	
  liderança.	
  O	
  
esFlo	
  de	
  liderança	
  deve	
  basear-­‐se	
  na	
  situação	
  
em	
  causa.	
  O	
  esRlo	
  de	
  liderança	
  depende	
  mais	
  
da	
  situação	
  do	
  que	
  da	
  personalidade	
  do	
  líder.	
  	
  
	
  
Hersey,	
  P.,	
  and	
  Blanchard,K.,	
  Management	
  of	
  Organiza>onal	
  Behavior:	
  U>lizing	
  Human	
  
Resources	
  (Englewood	
  Cliffs,	
  NJ:	
  PrenFce	
  Hall,	
  1996)	
  	
  
Hersey	
  e	
  Blanchard	
  (1995)	
  
Existem	
  4	
  esRlos:	
  dizer	
  (tarefa),	
  vender	
  (tarefa	
  
e	
  relação),	
  parFcipar	
  ou	
  apoiar	
  (relação)	
  e	
  
delegar	
  (baixas	
  relação	
  e	
  tarefa).	
  
A	
  Teoria	
  do	
  ConRnuum	
  
de	
  Liderança	
  
Tannenbaum,	
  R.,	
  Schmidt,	
  W.	
  H.,	
  (2009).	
  How	
  to	
  Choose	
  a	
  Leadership	
  PaUern.	
  Harvard	
  
Business	
  Review	
  Classics.	
  Paperback	
  Harvard	
  Business	
  Review	
  -­‐	
  1	
  Sep	
  2009	
  	
  	
  
Existe	
  um	
  condnuum	
  de	
  
comportamentos	
  que	
  oscila	
  entre	
  
dois	
  extremos:	
  um	
  centrado	
  no	
  
líder	
  (orientado	
  para	
  a	
  tarefa)	
  e	
  
outro	
  centrado	
  nos	
  colaboradores	
  
(orientado	
  para	
  a	
  relação).	
  
O	
  líder	
  escolha	
  um	
  destes	
  esFlos	
  
de	
  acordo	
  com	
  a	
  situação.	
  	
  
Tannenbaum	
  (2009)	
  
A	
  Teoria	
  da	
  Eficácia	
  da	
  
Liderança	
  
Também	
  se	
  baseia	
  na	
  disFnção	
  entre	
  
tarefa	
  e	
  relacionamento.	
  
	
  
Fiedler,	
  F.	
  E.	
  (1967).	
  A	
  Theory	
  of	
  Leadership	
  EffecFvenes,	
  New	
  York:	
  McGraw-­‐Hill	
  
Fiedler	
  (1967)	
  
UFliza	
  a	
  escala	
  LPC.	
  	
  
(colega	
  menos	
  preferido)	
  
A	
  favorabilidade	
  situacional	
  é	
  o	
  grau	
  
com	
  que	
  a	
  situação	
  permite	
  ao	
  líder	
  
exercer	
  a	
  sua	
  influência	
  sobre	
  o	
  grupo.	
  
A	
  Teoria	
  Caminho-­‐	
  
-­‐ObjecRvo	
  
O	
  líder	
  deve	
  deixar	
  claro	
  qual	
  o	
  caminho	
  a	
  
percorrer	
  para	
  aFngir	
  os	
  objecFvos.	
  
	
  
Evans,	
  M.G.	
  (1970).	
  The	
  effect	
  of	
  supervisory	
  behavior	
  on	
  the	
  path-­‐goal	
  
relaFonship.	
  Organiza>onal	
  Behavior	
  and	
  Human	
  Performance,	
  5,	
  277-­‐298	
  
House,	
  R.J.	
  (1971).	
  A	
  path-­‐goal	
  theory	
  of	
  leader	
  effecFveness.	
  Administra>ve	
  Science	
  
Quarterly,	
  16,	
  321-­‐339	
  
House,	
  R.J.	
  and	
  Mitchell,	
  T.R.	
  (1974).	
  Path-­‐goal	
  theory	
  of	
  leadership.	
  Contemporary	
  
Business,	
  3,	
  Fall,	
  81-­‐98	
  
Evans	
  (1970),	
  House	
  (1971)	
  e	
  Mitchell	
  (1974)	
  
Existem	
  4	
  esRlos:	
  liderança	
  de	
  apoio,	
  liderança	
  
de	
  direcção,	
  liderança	
  parFcipaFva	
  e	
  liderança	
  
orientada	
  para	
  os	
  resultados.	
  
O	
  Modelo	
  de	
  Decisão	
  
NormaRva	
  
É	
  a	
  única	
  teoria	
  conFngencial	
  focada	
  na	
  
opRmização	
  do	
  processo	
  de	
  tomada	
  de	
  
decisão.	
  
	
  
Vroom,	
  V.	
  H.	
  &	
  YeUon,	
  P.	
  W.	
  (1973).	
  Leadership	
  and	
  decision-­‐making.	
  PiUsburgh:	
  
University	
  of	
  PiUsburgh	
  Press.	
  
Vroom,	
  V.	
  H.	
  &	
  Jago,	
  A.	
  G.	
  (1988).	
  The	
  new	
  leadership:	
  Managing	
  parFcipaFon	
  in	
  
organizaFons.	
  Englewood	
  Cliffs,	
  N.	
  J.:	
  PrenFce	
  Hall.	
  
	
  
Vroom,	
  YeUon	
  e	
  Jago	
  (1973)	
  
Define	
  5	
  esRlos:	
  autocráFco	
  Fpo	
  1,	
  autocráFco	
  
Fpo	
  2,	
  consulFvo	
  Fpo	
  1,	
  consulFvo	
  Fpo	
  2	
  e	
  
grupo	
  2.	
  
Teoria	
  dos	
  Recursos	
  
CogniRvos	
  
As	
  capacidades	
  cogniFvas,	
  embora	
  
significaFvas,	
  não	
  são	
  suficientes	
  para	
  prever	
  o	
  
sucesso	
  da	
  liderança.	
  
Fiedler,	
  F.E.	
  (1986).	
  The	
  contribuFon	
  of	
  cogniFve	
  resources	
  ot	
  leadership	
  performance.	
  
In	
  L.	
  Berkowitz	
  (ed),	
  Advances	
  in	
  experimental	
  social	
  psychology.	
  NY:	
  Academic	
  Press	
  
Fiedler,	
  F.E.	
  and	
  Garcia,	
  J.E.	
  (1987).	
  New	
  approaches	
  to	
  leadership:	
  Cogni>ve	
  resources	
  
and	
  organiza>onal	
  performance,	
  NY:	
  Wiley	
  
Fiedler	
  (1986)	
  
A	
  inteligência	
  e	
  a	
  experiência,	
  a	
  par	
  de	
  outros	
  
recursos	
  cogniFvos,	
  são	
  factores	
  de	
  eficácia	
  da	
  
liderança.	
  
Teoria	
  das	
  ConRngências	
  
Estratégicas	
  
Foca-­‐se	
  no	
  poder	
  intra-­‐organizacional.	
  
Hickson,	
  D.J.,	
  Hinigs,	
  C.R.,	
  Lee,	
  C.A.,	
  Schneck,	
  R.S.,	
  and	
  Pennings,	
  J.M.	
  (1971).	
  A	
  strategic	
  
conFngencies	
  theory	
  of	
  intra-­‐organizaFonal	
  power.	
  Administra>ve	
  Science	
  Quarterly,	
  16,	
  216-­‐22	
  
Hickson	
  et	
  al.	
  (1971)	
  
Esse	
  poder	
  depende	
  de	
  três	
  factores:	
  
•  Competências	
  de	
  problemas	
  
•  Competências	
  de	
  actor	
  
•  Originalidade	
  da	
  apFdão	
  
Liderança	
  
Teorias	
  de	
  Liderança	
  
Transaccional	
  
Teoria	
  da	
  Troca	
  Líder-­‐	
  
-­‐Membro	
  (LMX)	
  
Quanto	
  mais	
  apoio	
  os	
  colaboradores	
  dão	
  ao	
  
líder,	
  maior	
  a	
  probabilidade	
  de	
  fazerem	
  parte	
  
do	
  ciclo	
  próximo	
  do	
  líder.	
  
Dansereau,	
  Graen,	
  and	
  Haga,	
  1975,	
  "A	
  VerFcal	
  Dyad	
  approach	
  to	
  leadership	
  within	
  
formal	
  organizaFons.	
  
Dansereau,	
  Graen	
  e	
  Haga	
  (1975)	
  
Existem	
  três	
  estados	
  de	
  desenvolvimento	
  da	
  
relação	
  do	
  líder	
  com	
  o	
  membro:	
  
organizacional,	
  desenvolvimento	
  de	
  papéis	
  e	
  
estabelecimento	
  da	
  relação.	
  
Liderança	
  
Teorias	
  de	
  Liderança	
  
Transformacionais	
  
Teoria	
  da	
  Liderança	
  
Transformacional	
  I	
  
DisFngue	
  a	
  liderança	
  transformacional	
  da	
  
liderança	
  transaccional.	
  
Burns,	
  J.M.	
  (1978).	
  Leadership.	
  New	
  York,	
  Harper	
  &	
  Row	
  
Burns	
  (1978)	
  
Os	
  líderes	
  transformacionais	
  não	
  só	
  mudam	
  os	
  
colaboradores,	
  os	
  grupos,	
  as	
  organizações	
  e	
  a	
  
sociedade	
  como	
  também	
  se	
  transformam	
  a	
  
eles	
  próprios.	
  	
  
EsRlos	
  de	
  Autoridade	
  e	
  
Liderança	
  
É	
  uma	
  teoria	
  situacional	
  e	
  de	
  esFlos	
  de	
  
liderança.	
  
Weber,	
  M.	
  (1958).	
  "The	
  three	
  types	
  of	
  legiFmate	
  rule".	
  Berkeley	
  PublicaFons	
  in	
  Society	
  
and	
  InsFtuFons,	
  4	
  (1):	
  1-­‐11.	
  	
  
Weber	
  (1958)	
  
Existem	
  três	
  Fpos	
  de	
  líder:	
  	
  
•  O	
  burocráFco	
  
•  O	
  tradicional	
  e	
  	
  
•  O	
  carismáFco	
  
Definiu	
  o	
  conceito	
  de	
  autoridade	
  legíRma.	
  
Teoria	
  da	
  Liderança	
  
CarismáRca	
  
Foca-­‐se	
  nas	
  caracterísFcas	
  pessoais	
  do	
  líder	
  e	
  
nos	
  comportamentos	
  específicos	
  do	
  líder.	
  
House,	
  R.J.	
  (1977).	
  A	
  1976	
  theory	
  of	
  charismaFc	
  leadership.	
  In	
  J.G.	
  Hunt,	
  &	
  L.L.	
  Larson	
  
(Eds.),	
  Leadership:	
  The	
  cu…ng	
  edge	
  (pp.	
  189–204).	
  Carbondale,	
  IL:	
  Southern	
  Illinois	
  
University	
  Press.	
  
House,	
  R.J.,	
  &	
  Shamir,	
  B.	
  (1993).	
  Toward	
  the	
  integraFon	
  of	
  transformaFonal,	
  charismaFc	
  
and	
  visionary	
  theories.	
  In	
  M.M.	
  Chemers,	
  &	
  R.	
  Ayman	
  (Eds.),	
  Leadership	
  theory	
  and	
  
research:	
  PerspecFves	
  and	
  direcFons	
  (pp.	
  81–107)	
  
House	
  (1977)	
  e	
  House	
  e	
  Shamir	
  (1993)	
  
•  ArFcular	
  uma	
  visão	
  
•  Comunicar	
  elevadas	
  expectaFvas	
  
•  Demonstrar	
  elevado	
  grau	
  de	
  confiança	
  
•  EnfaFzar	
  o	
  valor	
  e	
  a	
  idenFficação	
  colecFva	
  
•  Tomar	
  riscos	
  extraordinários	
  
•  Fazer	
  sacri†cios	
  pessoais	
  substanciais	
  
Teoria	
  da	
  Liderança	
  
Transformacional	
  II	
  
IdenFficam	
  4	
  caracterísRcas	
  da	
  liderança	
  
transformacional:	
  	
  
•  Carisma	
  ou	
  influência	
  idealizada	
  
•  MoFvação	
  inspiradora	
  
•  EsFmulação	
  intelectual	
  
•  Consideração	
  individualizada	
  
Bass,	
  B.M.	
  (1985).	
  Leadership	
  and	
  performance	
  beyond	
  expectaFons.	
  New	
  York:	
  The	
  
Free	
  Press.	
  
Bass,	
  B.M.,	
  Avolio,	
  B.J.,	
  &	
  Goodheim,	
  L.	
  (1987).	
  Biography	
  and	
  the	
  assessment	
  of	
  
transformaFonal	
  leadership	
  at	
  the	
  world	
  class	
  level.	
  Journal	
  of	
  Management,	
  13,	
  7-­‐19.	
  
Bass,	
  B.M.,	
  &	
  Yammarino,	
  F.J.	
  (1991).	
  Congruence	
  of	
  self	
  and	
  others'	
  leadership	
  raFngs	
  of	
  
naval	
  officers	
  for	
  understanding	
  successful	
  performance.	
  Applied	
  Psychology:	
  An	
  
InternaFonal	
  Review,	
  40(4),	
  437-­‐454.	
  
	
  	
  
Bass	
  (1985)	
  e	
  Bass	
  et	
  al.	
  (1987)	
  
Teoria	
  da	
  Liderança	
  
Eficaz	
  	
  
IdenFficam	
  4	
  estratégias	
  para	
  uma	
  liderança	
  
eficaz:	
  	
  
•  Desenvolver	
  uma	
  visão	
  clara	
  e	
  
compreensível	
  da	
  organização	
  
•  Agir	
  como	
  arquitecto	
  social	
  da	
  organização	
  
•  Criar	
  confiança	
  explicitando	
  valores	
  e	
  
visões	
  
•  IdenFficar	
  as	
  suas	
  forças	
  e	
  fraquezas	
  e	
  
promover	
  uma	
  imagem	
  posiFva	
  
Bennis,	
  Warren	
  and	
  Burt	
  Nanus.	
  Leaders,	
  The	
  Strategies	
  for	
  Taking	
  Charge.	
  New	
  York:	
  
Harper	
  and	
  Rowe.	
  1985.	
  
	
  	
  
Bennis	
  e	
  Nanus	
  (1985)	
  
Liderança	
  
Teoria	
  do	
  Líder	
  
Servente	
  
Teoria	
  do	
  Líder	
  Servente	
  
O	
  líder	
  é	
  acima	
  de	
  tudo	
  um	
  servente	
  cujas	
  
prioridades	
  são	
  as	
  necessidades	
  dos	
  outros.	
  
Greenleaf,	
  R.K.	
  (1969),	
  “Leadership	
  and	
  the	
  individual:	
  the	
  Dartmouth	
  lectures”,	
  in	
  Frick,	
  
D.M.	
  
and	
  Spears,	
  L.C.	
  (Eds),	
  On	
  Becoming	
  a	
  Servant	
  Leader,	
  Jossey-­‐Bass	
  Publishers,	
  San	
  
Francisco,	
  CA,	
  pp.	
  284-­‐338.	
  
Greenleaf,	
  R.K.	
  (1970).	
  The	
  Servant	
  as	
  Leader.	
  Indianapolis,	
  IN:	
  Robert	
  K.	
  Greenleaf	
  
Center.	
  
Greenleaf	
  (1969,	
  1970)	
  
Ao	
  contrário	
  dos	
  líderes	
  transformacionais	
  que	
  
se	
  focam	
  nos	
  objecFvos	
  organizacionais,	
  os	
  
líderes	
  serventes	
  consideram	
  os	
  objecFvos	
  
organizacionais	
  secundários	
  	
  face	
  aos	
  
objecFvos	
  dos	
  seguidores.	
  
Liderança	
  
O	
  Inventário	
  de	
  
ParRcipação	
  da	
  
Liderança	
  
Inventário	
  de	
  
ParRcipação	
  de	
  Liderança	
  
Define	
  5	
  práRcas	
  de	
  liderança	
  exemplar:	
  
	
  
•  Modelar	
  o	
  caminho	
  
•  Inspirar	
  uma	
  visão	
  parFlhada	
  
•  Desafiar	
  o	
  processo	
  
•  PermiFr	
  que	
  os	
  outros	
  actuem	
  
•  Encorajar	
  o	
  coração	
  
Kouzes,	
  M.,	
  &	
  Posner,	
  B.	
  Z.	
  (1987).	
  The	
  leadership	
  challenge:	
  How	
  to	
  get	
  extraordinary	
  
things	
  done	
  in	
  organiza>ons.	
  San	
  Francisco:	
  Jossey-­‐Bass.	
  	
  
Kouzes	
  e	
  Posner	
  (1987)	
  
Liderança	
  
Teorias	
  
Contemporâneas	
  
Teoria	
  do	
  Líder	
  AutênRco	
  
A	
  liderança	
  autênFca	
  foca-­‐se	
  no	
  
comportamento	
  transparente	
  e	
  éRco	
  do	
  líder	
  
e	
  encoraja	
  a	
  parRlha	
  de	
  informação	
  necessária	
  
para	
  tomar	
  decisões	
  ao	
  mesmo	
  tempo	
  que	
  
aceita	
  os	
  contributos	
  dos	
  seguidores.	
  	
  
Avolio,	
  B.,	
  &	
  Gardner,	
  W.	
  L.	
  (2005).	
  AuthenFc	
  leadership	
  development:	
  ge…ng	
  to	
  the	
  
root	
  of	
  posiFve	
  forms	
  of	
  leadership.	
  Leadership	
  quarterly,	
  16,	
  315–338.	
  
George,	
  B.	
  (2003).	
  Authen>c	
  Leadership:	
  Rediscovering	
  the	
  Secrets	
  to	
  Crea>ng	
  Las>ng	
  
Value.	
  San	
  Francisco,	
  CA:	
  Jossey-­‐Bass.	
  
	
  
George	
  (2003),	
  Avolio	
  &	
  Gardner	
  (2005)	
  
Componentes	
  chave:	
  processamento	
  
equilibrado,	
  perspecFva	
  moral	
  internalizada,	
  
transparência	
  relacional	
  e	
  auto-­‐consciência.	
  
Liderança	
  da	
  
Complexidade	
  
Enquadra	
  a	
  liderança	
  nas	
  teorias	
  dos	
  sistemas	
  
adaptaRvos	
  complexos	
  para	
  fazer	
  face	
  à	
  
dinâmica	
  empresarial	
  actual.	
  
Lichtenstein,	
  B.	
  et	
  al.,	
  2006.	
  Complexity	
  leadership	
  theory:	
  An	
  interacFve	
  perspecFve	
  on	
  
leading	
  in	
  complex	
  adapFve	
  systems.	
  disponível	
  em	
  hUp://digitalcommons.unl.edu/
managemenˆacpub/8	
  
Mary	
  Uhl-­‐Bien,	
  Russ	
  Marion	
  &	
  Bill	
  McKelvey,	
  (2007).	
  Complexity	
  Leadership	
  Theory:	
  
Shi€ing	
  leadership	
  from	
  the	
  industrial	
  age	
  to	
  the	
  knowledge	
  era.	
  The	
  Leadership	
  
Quarterly	
  18:4.	
  	
  
Lichtenstein	
  et	
  al.	
  (2006),	
  Uhl-­‐Bien	
  et	
  al.	
  (2007)	
  
Define	
  três	
  papéis	
  da	
  liderança	
  em	
  
organizações	
  burocráFcas:	
  adaptaFvo,	
  
administraFvo	
  e	
  facilitador.	
  
A	
  liderança	
  não	
  é	
  uma	
  posição	
  mas	
  uma	
  
práRca	
  de	
  mobilizar	
  as	
  pessoas	
  para	
  enfrentar	
  
os	
  desafios	
  di†ceis	
  e	
  prosperar.	
  
Teoria	
  da	
  Liderança	
  
AdaptaRva	
  
Heifetz,	
  R.,	
  Grashow,	
  A.,	
  &	
  Linsky,	
  M.	
  (2009).	
  The	
  Prac>ce	
  of	
  Adap>ve	
  Leadership:	
  Tools	
  
and	
  Tac>cs	
  for	
  Changing	
  Your	
  Organiza>on	
  and	
  the	
  World:	
  Harvard	
  Business	
  Press.	
  
Heifetz	
  et	
  al.	
  (2009)	
  
A	
  liderança	
  adaptaFva	
  foca-­‐se	
  na	
  liderança	
  
como	
  uma	
  práFca	
  a	
  ser	
  usada	
  em	
  situações	
  
que	
  não	
  têm	
  uma	
  situação	
  conhecida	
  à	
  parFda.	
  
Teoria	
  da	
  	
  
Neuro-­‐Liderança	
  
A	
  neuro-­‐liderança	
  resulta	
  da	
  aplicação	
  da	
  
neurociência	
  à	
  liderança	
  e	
  pretende	
  melhorar	
  a	
  
eficácia	
  da	
  liderança	
  tendo	
  em	
  conta	
  a	
  
acFvidade	
  fisiológica	
  cerebral.	
  
Rock	
  &	
  Schwartz	
  (2006);	
  Ringleb	
  &	
  Rock	
  (2008)	
  
Baseia-­‐se	
  na	
  acRvidade	
  cerebral	
  relacionada	
  
com	
  a	
  tomada	
  de	
  decisão,	
  resolução	
  de	
  
problemas,	
  regulação	
  emocional	
  e	
  facilitação	
  
da	
  mudança,	
  entre	
  outros.	
  	
  
David	
  Rock	
  &	
  Jeffrey	
  Schwartz	
  (	
  2006).	
  ‘The	
  Neuroscience	
  of	
  Leadership’	
  in	
  Strategy	
  +	
  
Business,	
  Issue	
  43.	
  
Ringleb,	
  A.,	
  &	
  Rock,	
  D.	
  (2008).	
  The	
  emerging	
  field	
  of	
  NeuroLeadership.	
  
NeuroLeadership	
  Journal,	
  1,	
  3-­‐19.	
  
Teoria	
  da	
  IdenRficação	
  
Social	
  da	
  Liderança	
  
Os	
  líderes	
  eficazes	
  são	
  os	
  que	
  conseguem	
  criar	
  
uma	
  visão	
  de	
  futuro	
  orientada	
  para	
  o	
  grupo	
  e	
  
com	
  a	
  qual	
  os	
  seguidores	
  se	
  idenFficam.	
  
Haslam,	
  S.	
  A.,	
  Reicher,	
  S.	
  D.,	
  &	
  Platow,	
  M.	
  J.	
  (2010).	
  The	
  New	
  Psychology	
  of	
  Leadership:	
  
IdenFty,	
  Influence	
  and	
  Power.	
  New	
  York:	
  Psychology	
  Press.	
  
	
  
Haslam	
  et	
  al.	
  (2010)	
  
Isso	
  passa	
  por	
  priorizar	
  o	
  papel	
  dos	
  seguidores	
  
como	
  elementos	
  chave	
  do	
  futuro	
  colecFvo,	
  
fazer	
  sacrijcios	
  pessoais	
  em	
  nome	
  do	
  grupo	
  e	
  
uFlizar	
  o	
  ''nós''	
  e	
  o	
  ''nosso''	
  para	
  encorajar	
  os	
  
seguidores	
  a	
  reverem-­‐se	
  na	
  visão	
  do	
  líder.	
  	
  
Teoria	
  da	
  Liderança	
  
Intercultural	
  ou	
  Global	
  
Destaca-­‐se	
  das	
  restantes	
  teorias,	
  que	
  só	
  foram	
  
testadas	
  em	
  contextos	
  ocidentais	
  específicos.	
  
Gelfand	
  et	
  al.	
  (2007),	
  House	
  et	
  al.	
  (2004),	
  
Hofstede	
  (2001)	
  	
  
Tem	
  em	
  consideração	
  	
  a	
  globalização	
  dos	
  
negócios,	
  o	
  mindset	
  global	
  e	
  a	
  inteligência	
  
cultural.	
  
Gelfand,	
  M.	
  J.,	
  Erez,	
  M.,	
  &	
  Aycan,	
  Z.	
  (2007).	
  Crosscultural	
  organizaFonal	
  behavior.	
  Annual	
  
Rev.	
  Psychology,	
  58,	
  479–514.	
  
House,	
  R.	
  J.,	
  Hanges,	
  P.	
  J.,	
  Javidan,	
  M.,	
  Dorfman,	
  P.	
  W.,	
  &	
  Gupta,	
  V.	
  (2004).	
  Culture,	
  
Leadership,	
  and	
  Organiza>ons:	
  The	
  GLOBE	
  Study	
  of	
  62	
  Socie>es.	
  Thousand	
  Oaks,	
  CA::	
  Sage.	
  
Hofstede,	
  G.	
  H.	
  (2001).	
  Culture’s	
  Consequences:	
  Comparing	
  Values,	
  Behaviors,	
  Ins>tu>ons,	
  
and	
  Organiza>ons	
  Across	
  Na>ons.	
  Thousand	
  Oaks,	
  CA:	
  Sage.	
  
Teoria	
  da	
  e-­‐Liderança	
  
À	
  semelhança	
  da	
  liderança	
  intercultural,	
  
envolve	
  liderar	
  pessoas	
  em	
  diferentes	
  
localizações	
  e	
  equipas	
  virtuais	
  e	
  em	
  diferentes	
  
contextos.	
  
	
  
Zigurs	
  (2003),	
  Heckman	
  et	
  al.	
  (s/d),	
  Leidner	
  (s/d)	
  
Heckman,	
  R.,	
  Crowston,	
  K.,	
  &	
  Misiolek,	
  N.	
  (s/d).	
  A	
  StructuraFonal	
  PerspecFve	
  on	
  
Leadership	
  in	
  Virtual	
  Teams.	
  Retrieved	
  from	
  hUp://crowston.syr.edu/system/files/
AStructuraFonalPerspecFveOnLeadership.pdf	
  Leidner,	
  D.	
  (s/d).	
  Leadership	
  
EffecFveness	
  in	
  Global	
  Virtual	
  Teams.	
  Retrieved	
  from	
  hUp://www.insead.edu/
facultyresearch/research/doc.cfm?did=880	
  
Zigurs,	
  I.	
  (2003).	
  Leadership	
  in	
  virtual	
  teams:	
  oxymoron	
  or	
  opportunity?	
  .	
  
Organiza>onal	
  Dynamics,	
  31,	
  339–351.	
  
Avalia	
  o	
  impacto	
  da	
  tecnologia	
  e	
  da	
  distância	
  
no	
  esFlo	
  de	
  liderança,	
  na	
  idenFficação	
  com	
  o	
  
líder	
  e	
  na	
  influência	
  sobre	
  os	
  seguidores.	
  
	
  
h1p://www.evolui.com/curso/	
  
lideranca_ser_lider_criar_lideres	
  

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Tomada de decisão
Tomada de decisãoTomada de decisão
Tomada de decisão
Leila Oliva
 
Aula chefia e liderança - 24.04.2010
Aula   chefia e liderança - 24.04.2010Aula   chefia e liderança - 24.04.2010
Aula chefia e liderança - 24.04.2010
Michel Moreira
 
Trabalho em equipe
Trabalho em equipeTrabalho em equipe
Trabalho em equipe
Giselli Espindola Boemer
 
Gestão de Pessoas - Aula 1
Gestão de Pessoas - Aula 1Gestão de Pessoas - Aula 1
Gestão de Pessoas - Aula 1
Ernandes Rodrigues Do Nascimento
 
Liderança e Motivação
Liderança e  MotivaçãoLiderança e  Motivação
Liderança e Motivação
Vania Cardoso
 
LiderançA & GestãO De Equipes 1º Passo Como Ser LíDer
LiderançA & GestãO De Equipes   1º Passo   Como Ser LíDerLiderançA & GestãO De Equipes   1º Passo   Como Ser LíDer
LiderançA & GestãO De Equipes 1º Passo Como Ser LíDer
Carlos Silva
 
Liderança
LiderançaLiderança
Relacionamento Interpessoal no Ambiente de Trabalho
Relacionamento Interpessoal no Ambiente de TrabalhoRelacionamento Interpessoal no Ambiente de Trabalho
Relacionamento Interpessoal no Ambiente de Trabalho
Luis Paulo Barros
 
Clima organizacional
Clima organizacionalClima organizacional
Clima organizacional
Larissa Estevão
 
Liderança
LiderançaLiderança
Liderança
Hesau Monteiro
 
O Papel Do Novo LíDer
O Papel Do Novo LíDerO Papel Do Novo LíDer
O Papel Do Novo LíDer
tati_spazziano
 
Motivação e trabalho em equipe
Motivação e trabalho em equipeMotivação e trabalho em equipe
Motivação e trabalho em equipe
Rúbian Fátima
 
Avaliação de desempenho ppt
Avaliação de desempenho pptAvaliação de desempenho ppt
Avaliação de desempenho ppt
Estevam Pires
 
Relacionalmento interpessoal
Relacionalmento interpessoalRelacionalmento interpessoal
Relacionalmento interpessoal
Leandro Lopes
 
Gestão de Equipes de Alta Performance
Gestão de Equipes de Alta PerformanceGestão de Equipes de Alta Performance
Gestão de Equipes de Alta Performance
Thiago Villaça
 
Gestão conflitos
Gestão conflitosGestão conflitos
Gestão conflitos
Hélder Santos
 
Gestão de Pessoas
 Gestão de Pessoas Gestão de Pessoas
Gestão de Pessoas
Celso Alfaia Barbosa
 
Apresentação Inteligência Emocional
Apresentação Inteligência EmocionalApresentação Inteligência Emocional
Apresentação Inteligência Emocional
anaediteaires
 
Grupos e Equipes
Grupos e EquipesGrupos e Equipes
Grupos e Equipes
JOSUE DIAS
 
Treinamento & Desenvolvimento de Equipes: Modelos, Feramentas e estratégias
Treinamento & Desenvolvimento de Equipes: Modelos, Feramentas e estratégiasTreinamento & Desenvolvimento de Equipes: Modelos, Feramentas e estratégias
Treinamento & Desenvolvimento de Equipes: Modelos, Feramentas e estratégias
Ricardo Silva Coqueiro
 

Mais procurados (20)

Tomada de decisão
Tomada de decisãoTomada de decisão
Tomada de decisão
 
Aula chefia e liderança - 24.04.2010
Aula   chefia e liderança - 24.04.2010Aula   chefia e liderança - 24.04.2010
Aula chefia e liderança - 24.04.2010
 
Trabalho em equipe
Trabalho em equipeTrabalho em equipe
Trabalho em equipe
 
Gestão de Pessoas - Aula 1
Gestão de Pessoas - Aula 1Gestão de Pessoas - Aula 1
Gestão de Pessoas - Aula 1
 
Liderança e Motivação
Liderança e  MotivaçãoLiderança e  Motivação
Liderança e Motivação
 
LiderançA & GestãO De Equipes 1º Passo Como Ser LíDer
LiderançA & GestãO De Equipes   1º Passo   Como Ser LíDerLiderançA & GestãO De Equipes   1º Passo   Como Ser LíDer
LiderançA & GestãO De Equipes 1º Passo Como Ser LíDer
 
Liderança
LiderançaLiderança
Liderança
 
Relacionamento Interpessoal no Ambiente de Trabalho
Relacionamento Interpessoal no Ambiente de TrabalhoRelacionamento Interpessoal no Ambiente de Trabalho
Relacionamento Interpessoal no Ambiente de Trabalho
 
Clima organizacional
Clima organizacionalClima organizacional
Clima organizacional
 
Liderança
LiderançaLiderança
Liderança
 
O Papel Do Novo LíDer
O Papel Do Novo LíDerO Papel Do Novo LíDer
O Papel Do Novo LíDer
 
Motivação e trabalho em equipe
Motivação e trabalho em equipeMotivação e trabalho em equipe
Motivação e trabalho em equipe
 
Avaliação de desempenho ppt
Avaliação de desempenho pptAvaliação de desempenho ppt
Avaliação de desempenho ppt
 
Relacionalmento interpessoal
Relacionalmento interpessoalRelacionalmento interpessoal
Relacionalmento interpessoal
 
Gestão de Equipes de Alta Performance
Gestão de Equipes de Alta PerformanceGestão de Equipes de Alta Performance
Gestão de Equipes de Alta Performance
 
Gestão conflitos
Gestão conflitosGestão conflitos
Gestão conflitos
 
Gestão de Pessoas
 Gestão de Pessoas Gestão de Pessoas
Gestão de Pessoas
 
Apresentação Inteligência Emocional
Apresentação Inteligência EmocionalApresentação Inteligência Emocional
Apresentação Inteligência Emocional
 
Grupos e Equipes
Grupos e EquipesGrupos e Equipes
Grupos e Equipes
 
Treinamento & Desenvolvimento de Equipes: Modelos, Feramentas e estratégias
Treinamento & Desenvolvimento de Equipes: Modelos, Feramentas e estratégiasTreinamento & Desenvolvimento de Equipes: Modelos, Feramentas e estratégias
Treinamento & Desenvolvimento de Equipes: Modelos, Feramentas e estratégias
 

Semelhante a Liderança

Liderança
LiderançaLiderança
Liderança
TI Infnet
 
Liderancatrabalho
LiderancatrabalhoLiderancatrabalho
Liderancatrabalho
Roberto Possarle
 
Lideranca
LiderancaLideranca
Liderança
LiderançaLiderança
Liderança
humberto145
 
SemináRio LiderançA
SemináRio LiderançASemináRio LiderançA
SemináRio LiderançA
OCWillians
 
Liderança: Conceitos e Perfis 20150323
Liderança: Conceitos e Perfis 20150323Liderança: Conceitos e Perfis 20150323
Liderança: Conceitos e Perfis 20150323
HOPE Serviços
 
Aula 3 lgc
Aula 3 lgcAula 3 lgc
Aula 3 lgc
Tuane Paixão
 
Liderança | chefias
Liderança | chefiasLiderança | chefias
Apresentacao dd1
Apresentacao dd1Apresentacao dd1
Apresentacao dd1
José Carlos Araújo Santos
 
Aula 4 comportamento mesoorganizacional
Aula 4   comportamento mesoorganizacionalAula 4   comportamento mesoorganizacional
Aula 4 comportamento mesoorganizacional
Felipe Saraiva Nunes de Pinho
 
Apostila administração 1
Apostila administração 1Apostila administração 1
Apostila administração 1
Maria Teresa Vasconcelos
 
Liderança
LiderançaLiderança
Liderança
Tiago Reis
 
Liderança e Comportamento Humano no Trabalho
Liderança e Comportamento Humano no TrabalhoLiderança e Comportamento Humano no Trabalho
Liderança e Comportamento Humano no Trabalho
RaquelFaria42
 
A liderança
A liderançaA liderança
A liderança
Filipe Simão Kembo
 
A liderança
A liderançaA liderança
A liderança
Filipe Simão Kembo
 
Inovar no interior da escola capitulo 5
Inovar no interior da escola   capitulo 5Inovar no interior da escola   capitulo 5
Inovar no interior da escola capitulo 5
MarisaJesus9
 
S1_Aula 1_Liderança para negocioas e empresas
S1_Aula 1_Liderança para negocioas e empresasS1_Aula 1_Liderança para negocioas e empresas
S1_Aula 1_Liderança para negocioas e empresas
BrunoSilva13534
 
A essência da liderança.pptx
A essência da liderança.pptxA essência da liderança.pptx
A essência da liderança.pptx
VanildaCapinam
 
Lideranca-coaching
Lideranca-coachingLideranca-coaching
Lideranca-coaching
thiagobss
 
Liderança.pptx
Liderança.pptxLiderança.pptx
Liderança.pptx
EricaMartins40
 

Semelhante a Liderança (20)

Liderança
LiderançaLiderança
Liderança
 
Liderancatrabalho
LiderancatrabalhoLiderancatrabalho
Liderancatrabalho
 
Lideranca
LiderancaLideranca
Lideranca
 
Liderança
LiderançaLiderança
Liderança
 
SemináRio LiderançA
SemináRio LiderançASemináRio LiderançA
SemináRio LiderançA
 
Liderança: Conceitos e Perfis 20150323
Liderança: Conceitos e Perfis 20150323Liderança: Conceitos e Perfis 20150323
Liderança: Conceitos e Perfis 20150323
 
Aula 3 lgc
Aula 3 lgcAula 3 lgc
Aula 3 lgc
 
Liderança | chefias
Liderança | chefiasLiderança | chefias
Liderança | chefias
 
Apresentacao dd1
Apresentacao dd1Apresentacao dd1
Apresentacao dd1
 
Aula 4 comportamento mesoorganizacional
Aula 4   comportamento mesoorganizacionalAula 4   comportamento mesoorganizacional
Aula 4 comportamento mesoorganizacional
 
Apostila administração 1
Apostila administração 1Apostila administração 1
Apostila administração 1
 
Liderança
LiderançaLiderança
Liderança
 
Liderança e Comportamento Humano no Trabalho
Liderança e Comportamento Humano no TrabalhoLiderança e Comportamento Humano no Trabalho
Liderança e Comportamento Humano no Trabalho
 
A liderança
A liderançaA liderança
A liderança
 
A liderança
A liderançaA liderança
A liderança
 
Inovar no interior da escola capitulo 5
Inovar no interior da escola   capitulo 5Inovar no interior da escola   capitulo 5
Inovar no interior da escola capitulo 5
 
S1_Aula 1_Liderança para negocioas e empresas
S1_Aula 1_Liderança para negocioas e empresasS1_Aula 1_Liderança para negocioas e empresas
S1_Aula 1_Liderança para negocioas e empresas
 
A essência da liderança.pptx
A essência da liderança.pptxA essência da liderança.pptx
A essência da liderança.pptx
 
Lideranca-coaching
Lideranca-coachingLideranca-coaching
Lideranca-coaching
 
Liderança.pptx
Liderança.pptxLiderança.pptx
Liderança.pptx
 

Mais de Rosario Cação

Legislacao da formação profissional
Legislacao da formação profissionalLegislacao da formação profissional
Legislacao da formação profissional
Rosario Cação
 
Theories of Motivation and Other Inspiring Theories
Theories of Motivation and Other Inspiring TheoriesTheories of Motivation and Other Inspiring Theories
Theories of Motivation and Other Inspiring Theories
Rosario Cação
 
Flipped Conferences
Flipped ConferencesFlipped Conferences
Flipped Conferences
Rosario Cação
 
Criatividade Pedagógica
Criatividade PedagógicaCriatividade Pedagógica
Criatividade Pedagógica
Rosario Cação
 
Análise de Sobrevivência de Kaplan-Meier
Análise de Sobrevivência de Kaplan-MeierAnálise de Sobrevivência de Kaplan-Meier
Análise de Sobrevivência de Kaplan-Meier
Rosario Cação
 
Indicadores de Maturidade no E-learning @TicEDUCA2014
Indicadores de Maturidade no E-learning @TicEDUCA2014Indicadores de Maturidade no E-learning @TicEDUCA2014
Indicadores de Maturidade no E-learning @TicEDUCA2014
Rosario Cação
 
Evolution and Trauma in Corporate e-Learning @ ICERI 2014 Seville
Evolution and Trauma in Corporate e-Learning @ ICERI 2014 SevilleEvolution and Trauma in Corporate e-Learning @ ICERI 2014 Seville
Evolution and Trauma in Corporate e-Learning @ ICERI 2014 Seville
Rosario Cação
 
Gestão e Formação de Expatriados e Quadros Internacionais
Gestão e Formação de Expatriados e Quadros InternacionaisGestão e Formação de Expatriados e Quadros Internacionais
Gestão e Formação de Expatriados e Quadros Internacionais
Rosario Cação
 
Qualidade no e-Learning @ Congresso Nacional de Formação Profissional 2014
Qualidade no e-Learning @ Congresso Nacional de Formação Profissional 2014Qualidade no e-Learning @ Congresso Nacional de Formação Profissional 2014
Qualidade no e-Learning @ Congresso Nacional de Formação Profissional 2014
Rosario Cação
 
Tipos de eventos
Tipos de eventosTipos de eventos
Tipos de eventos
Rosario Cação
 
Forcing Disruption in b‐Learning Workgroups
Forcing Disruption in b‐Learning WorkgroupsForcing Disruption in b‐Learning Workgroups
Forcing Disruption in b‐Learning Workgroups
Rosario Cação
 
Tools for learning and teaching rosario cacao
Tools for learning and teaching rosario cacaoTools for learning and teaching rosario cacao
Tools for learning and teaching rosario cacao
Rosario Cação
 
Dimensions of Quality in e-Learning
Dimensions of Quality in e-LearningDimensions of Quality in e-Learning
Dimensions of Quality in e-Learning
Rosario Cação
 
B-learning: Expectativas, comportamentos e impactos
B-learning: Expectativas, comportamentos e impactosB-learning: Expectativas, comportamentos e impactos
B-learning: Expectativas, comportamentos e impactos
Rosario Cação
 
Modeling Critical Factors of Quality in e-Learning - A Structural Equations M...
Modeling Critical Factors of Quality in e-Learning - A Structural Equations M...Modeling Critical Factors of Quality in e-Learning - A Structural Equations M...
Modeling Critical Factors of Quality in e-Learning - A Structural Equations M...
Rosario Cação
 
Planos de Formação
Planos de FormaçãoPlanos de Formação
Planos de Formação
Rosario Cação
 
Manuais de qualidade
Manuais de qualidadeManuais de qualidade
Manuais de qualidade
Rosario Cação
 
Escalas para Medição de Atitudes - Com Exemplos Práticos Aplicados à Educação...
Escalas para Medição de Atitudes - Com Exemplos Práticos Aplicados à Educação...Escalas para Medição de Atitudes - Com Exemplos Práticos Aplicados à Educação...
Escalas para Medição de Atitudes - Com Exemplos Práticos Aplicados à Educação...
Rosario Cação
 
Taxonomia de Anderson
Taxonomia de AndersonTaxonomia de Anderson
Taxonomia de Anderson
Rosario Cação
 
Requisitos Certificação de Entidades Formadoras
Requisitos Certificação de Entidades FormadorasRequisitos Certificação de Entidades Formadoras
Requisitos Certificação de Entidades Formadoras
Rosario Cação
 

Mais de Rosario Cação (20)

Legislacao da formação profissional
Legislacao da formação profissionalLegislacao da formação profissional
Legislacao da formação profissional
 
Theories of Motivation and Other Inspiring Theories
Theories of Motivation and Other Inspiring TheoriesTheories of Motivation and Other Inspiring Theories
Theories of Motivation and Other Inspiring Theories
 
Flipped Conferences
Flipped ConferencesFlipped Conferences
Flipped Conferences
 
Criatividade Pedagógica
Criatividade PedagógicaCriatividade Pedagógica
Criatividade Pedagógica
 
Análise de Sobrevivência de Kaplan-Meier
Análise de Sobrevivência de Kaplan-MeierAnálise de Sobrevivência de Kaplan-Meier
Análise de Sobrevivência de Kaplan-Meier
 
Indicadores de Maturidade no E-learning @TicEDUCA2014
Indicadores de Maturidade no E-learning @TicEDUCA2014Indicadores de Maturidade no E-learning @TicEDUCA2014
Indicadores de Maturidade no E-learning @TicEDUCA2014
 
Evolution and Trauma in Corporate e-Learning @ ICERI 2014 Seville
Evolution and Trauma in Corporate e-Learning @ ICERI 2014 SevilleEvolution and Trauma in Corporate e-Learning @ ICERI 2014 Seville
Evolution and Trauma in Corporate e-Learning @ ICERI 2014 Seville
 
Gestão e Formação de Expatriados e Quadros Internacionais
Gestão e Formação de Expatriados e Quadros InternacionaisGestão e Formação de Expatriados e Quadros Internacionais
Gestão e Formação de Expatriados e Quadros Internacionais
 
Qualidade no e-Learning @ Congresso Nacional de Formação Profissional 2014
Qualidade no e-Learning @ Congresso Nacional de Formação Profissional 2014Qualidade no e-Learning @ Congresso Nacional de Formação Profissional 2014
Qualidade no e-Learning @ Congresso Nacional de Formação Profissional 2014
 
Tipos de eventos
Tipos de eventosTipos de eventos
Tipos de eventos
 
Forcing Disruption in b‐Learning Workgroups
Forcing Disruption in b‐Learning WorkgroupsForcing Disruption in b‐Learning Workgroups
Forcing Disruption in b‐Learning Workgroups
 
Tools for learning and teaching rosario cacao
Tools for learning and teaching rosario cacaoTools for learning and teaching rosario cacao
Tools for learning and teaching rosario cacao
 
Dimensions of Quality in e-Learning
Dimensions of Quality in e-LearningDimensions of Quality in e-Learning
Dimensions of Quality in e-Learning
 
B-learning: Expectativas, comportamentos e impactos
B-learning: Expectativas, comportamentos e impactosB-learning: Expectativas, comportamentos e impactos
B-learning: Expectativas, comportamentos e impactos
 
Modeling Critical Factors of Quality in e-Learning - A Structural Equations M...
Modeling Critical Factors of Quality in e-Learning - A Structural Equations M...Modeling Critical Factors of Quality in e-Learning - A Structural Equations M...
Modeling Critical Factors of Quality in e-Learning - A Structural Equations M...
 
Planos de Formação
Planos de FormaçãoPlanos de Formação
Planos de Formação
 
Manuais de qualidade
Manuais de qualidadeManuais de qualidade
Manuais de qualidade
 
Escalas para Medição de Atitudes - Com Exemplos Práticos Aplicados à Educação...
Escalas para Medição de Atitudes - Com Exemplos Práticos Aplicados à Educação...Escalas para Medição de Atitudes - Com Exemplos Práticos Aplicados à Educação...
Escalas para Medição de Atitudes - Com Exemplos Práticos Aplicados à Educação...
 
Taxonomia de Anderson
Taxonomia de AndersonTaxonomia de Anderson
Taxonomia de Anderson
 
Requisitos Certificação de Entidades Formadoras
Requisitos Certificação de Entidades FormadorasRequisitos Certificação de Entidades Formadoras
Requisitos Certificação de Entidades Formadoras
 

Último

REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
LEANDROSPANHOL1
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert EinsteinA Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
WelberMerlinCardoso
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
YeniferGarcia36
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 

Último (20)

REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert EinsteinA Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 

Liderança

  • 3. O  Top  das  Reclamações   Contra  os  Líderes   •  Não  reconhecer  os  sucessos  dos  colaboradores  (63%)   •  Não  fornecer  instruções  claras  (57%)   •  Não  ter  tempo  para  se  reunir  com  os  colaboradores  (52%)   •  Recursar-­‐se  a  falar  com  os  colaboradores  (51%)   •  Apropriar-­‐se  das  ideias  dos  outros  (47%)   •  Não  fazer  críFcas  construFvas  (39%)   •  Não  saber  o  nome  dos  colaboradores  (36%)   •  Recursar-­‐se  a  falar  com  as  pessoas  ao  telefone  ou  ao  vivo  (34%)   •  Não  perguntar  pela  vida  das  pessoas  além  do  trabalho  (23%)   Solomon,  L.  (2015).  The  Top  Complaints  from  Employees  About  Their  Leaders.  Disponível  em  hUps://hbr.org/2015/06/the-­‐top-­‐complaints-­‐ from-­‐employees-­‐about-­‐their-­‐leaders  
  • 4. Saber  Liderar   Grande  parte  dos  insucessos   empresariais  são  fruto  de  uma   liderança  ineficaz  
  • 5. Saber  liderar  é  uma   competência  fundamental   Para  as  empresas     Para  as  carreiras   Ênfase  nas  pessoas  e  não  nas  tarefas  
  • 6. Terry  (1960):     A  liderança  é  a  acFvidade  de   influenciar  as  pessoas  fazendo-­‐as   empenhar-­‐se  voluntariamente  nos   objecFvos  de  grupo.    
  • 7. Hersey  e  Blanchard  (1969):     A  liderança  ocorre  sempre  que   alguém  procura  influenciar  o   comportamento  de  um  indivíduo  ou   de  um  grupo,  qualquer  que  seja  a   finalidade.    
  • 8. Northouse  (2010):     A  liderança  é  o  processo  pelo  qual   um  indivíduo  influência  um  grupo   de  indivíduos  de  forma  a  aFngir  um   objecFvo  comum.    
  • 9. Atributos  dos  líderes     necessários  numa  economia  global  e  digital     •   Adaptabilidade   •   Competência  cultural  (a  capacidade  de  pensar,  agir  e  mover-­‐se  entre  fronteiras)   •   Pensamento  360º  (compreensão  holísFca,  capacidade  de  reconhecer  padrões  de  problemas  e  as   suas  soluções)   •   Curiosidade  intelectual   •   EmpaFa  (a  capacidade  de  ver  o  mundo  pelos  olhos  dos  outros  e  compreender  a  sua  perspecFva)     Wilson  III,  E.  J.  (2015).  Empathy  Is  SFll  Lacking  in  the  Leaders  Who  Need  It  Most.  Harvard  Business  Review,    disponível  em  hUps://hbr.org/2015/09/ empathy-­‐is-­‐sFll-­‐lacking-­‐in-­‐the-­‐leaders-­‐who-­‐need-­‐it-­‐most  
  • 10. A  Arte  de  Ser  Seguidor   Kelley,  R.  E.  (1988).  In  praise  of  followers.  Harvard  Business  Review,  66,  142-­‐148.  
  • 11. Podem  os  seguidores   tornarem-­‐se  líderes?     O  owership  ou  propriedade  psicológica  e  a   importância  de  deixar  de  dar  ordens   Competência  técnica    +    Clareza  organizacional  
  • 12. A  liderança  é  o  processo  de  influenciar  outros   de  forma  a  aFngir  os  resultados  pré-­‐definidos.   A  autoridade  é  o  direito  legíFmo  para  dirigir   ou  influenciar  outras  pessoas.     O  poder  é  o  controlo  das  principais  estratégias   ou  processos  considerados  nucleares.     Liderança,  Autoridade  e  Poder  
  • 13. Tipos  de  Poder   •  Poder  formal   •  Poder  do  objecFvo,  do  bem  comum   •  Poder  do  conhecimento,  apFdões  ou  recursos   •  Poder  da  história  pessoal,  histórico  de  sucessos  pessoais  na  organização   •  Poder  da  fé  em  si,  integridade  e  compromisso   •  Poder  de  falar  a  verdade   •  Poder  de  estabelecer  um  standard  que  influencia  os  outros   •  Poder  de  escolher  como  reagir  em  situações     •  Poder  de  seguir  (ou  não)   •  Poder  das  relações  e  redes  de  contactos   •  Poder  de  comunicar  através  de  vários  canais   •  Poder  de  organizar  os  outros   •  Poder  de  reFrar  apoio   Challeff    (1995)   Seguidores  
  • 14. Teorias  de  Liderança   As  Primeiras  Teorias  de  Liderança     As  Teorias  Baseadas  em  ApFdões   As  Primeiras  Teorias  Comportamentais   Outras  Teorias  Comportamentais   As  Teorias  ConFngenciais  e  Situacionais   A  Liderança  Transacional   As  Teorias  de  Liderança  Transformacionais   A  Teoria  do  Líder  Servente   As  Teorias  Contemporâneas  de  Liderança  
  • 15. Avaliação  de  Lideranças   Auto-­‐avaliação   Avaliação  de  terceiros  
  • 16. Liderança   As  Primeiras  Teorias     de  Liderança  
  • 17. Teoria  dos  Grandes  Homens   As  qualidades  inerentes  aos  líderes  são  pessoais  e   nascem  com  a  pessoa  –  não  são  criadas.     O  líder  possuí  traços  e  caracterísFcas  que  o   idenFficam  e  que  o  tornam  o  grande  homem.   Teoria  contestada  por  Lindzey  (1948)  e  Spencer  (1960s).   Carlyle,  T.  (1841).  On  heros,  hero  worship  and  the  heroic  in  history.  Boston:  Adams.     Ponto  de  parFda  para  a  compreensão  dos  traços   humanos  que  são  comuns  aos  líderes.   Thomas  Carlyle  (1941)  
  • 18. Teoria  dos  Traços  Pessoais   As  pessoas  ora  nascem  ou  desenvolvem  certas   qualidades  que  os  tornam  excelentes  líderes.   Teoria  baseada  no  estudo  das  caracterísRcas   mentais,  psicológicas  e  sociais  comuns  aos  grandes   líderes.   Teoria  contestada  apenas  conseguir  provar  que  os   líderes  eram  mais  inteligentes  e  altos  (!)  do  que  as   restantes  pessoas  e  não  atender  ao  contexto.   Allport,  G.  W.  (1937).  Personality:  a  psychological  interpretaFon.  New  York:  Holt,  Rinehart,  &  Winston.   Stogdill,  R.M.  (1974).  Handbook  of  leadership:  A  survey  of  the  literature,  New  York:  Free  Press     Ponto  de  parFda  para  discussão  da   *situação*  de  liderança.   Allport  (1937)  e  Stogdill  (1974)  
  • 19. Liderança   As  Teorias  Baseadas   em  ApRdões  
  • 20. A  Abordagem  das  Três   ApRdões  de  Katz   Katz  idenFfica  três  apFdões:   •  ApRdões  técnicas,  relacionadas  com  a  área  de   trabalho   •  ApRdões  humanas,  relacionadas  com  a   comunicação  e    a  interacção  com  as  pessoas   •  ApRdões  conceptuais,  relacionadas  com  a   capacidade  de  estabelecer  uma  visão   Katz  (1955;  1974)   A  importância  de  cada  apFdão  varia  de  acordo  com   o  nível  de  gestão.   Katz,  Robert  (1955).  The  Skills  of  an  EffecFve  Administrator,  Harvard  Business  Review,  January-­‐ February.   Katz,  Robert  (1974).  The  Skills  of  the  EffecFve  Administrator.  Harvard  Business  Review.  52:5,   90-­‐102,  Sep-­‐Oct  74Boston,  MA..  
  • 21. O  Modelo  de  Mumford   Baseiam-­‐se  no  trabalho  de  Katz  mas  propõem  um   modelo  baseado  em  5  componentes:  Atributos   individuais,  competências,  resultados  da  liderança,   experiências  de  carreira  e  influências  ambientais.   Mumford,  M.  D.,  Zaccaro,  S.  J.,  Harding,  F.  D.,  Jacobs,  T.  O.,  Fleishman,  E.  A.    (2000)  Leadership   Skills  for  a  Changing  World:  Solving  Complex  Social  Problems  Leadership  Quarterly,  11(1),  11-­‐35   disponível  em  hUp://www.sciencedirect.com/science/arFcle/pii/S1048984399000417   Mumford,  M.  D.,  Zaccaro,  S.  J.,  Connelly,  M.  S.,  &  Marks,  M.  A.  (2000).  Leadership  skills:   Conclusions  and  future  direcFons.  Leadership  Quarterly,  11(1),  155–170  disponível  em  hUp:// www.sciencedirect.com/science/arFcle/pii/S1048984399000478   Mumford  et  al.  (2000;  2007)   Posteriormente,  idenFficaram  4  apFdões  necessárias   em  diferentes  níveis  de  gestão:  cogniRvas,   interpessoais,  de  negócio  e  estratégicas.  
  • 22. Liderança   As  Primeiras  Teorias   Comportamentais  
  • 23. Teoria  dos  Papéis   Cada  pessoa  representa  um  papel  como  se  fosse   um  actor  a  desempenhar  em  cenário  real   Mintzberg  definiu  10  papéis  do  gestor:     Monitor      Disseminador   Porta-­‐voz      Figurehead   Líder      Relação   Empreendedor       Solucionador  de  problemas   Alocador  de  recursos  Negociador     Mintzberg  (1975)   Mintzberg,  H,  (1975).  The  manager's  job:  Folklore  and  fact.  Harvard  Business  Review,  53(4),  49-­‐61
  • 24. QuesRonário  de  Descrição  de   Comportamentos  do  Líder   Mede  várias  dimensões  do  comportamento  de   liderança  (representação,  tolerância  à  incerteza,   capacidade  de  persuasão,  exacFdão  das   previsões,  etc.).   Determinou  dois  grupos  de  comportamento:   “Consideração”  (orientação  para  as  pessoas)  e   “Estrutura”  (orientação  para  a  tarefa).   The  Ohio  State  University  (s/n).  Leader  Behavior  DescripFon  QuesFonnaire  (LBDQ),  disponível  em  hUp:// fisher.osu.edu/research/lbdq   Ohio  State  University  (1940s)  
  • 25. Teoria  dos  Quatro     Sistemas  de  Likert   Define  o  esFlo  de  liderança  baseado  no  grau  de   parFcipação  em  seis  dimensões:  liderança   parFcipada,  moFvação,  comunicação,  tomada  de   decisão,  definição  de  objecFvos  e  controlo.   Com  base  nos  resultados,  a  organização  era   considerada  um  sistema  autoritário  exploratório,   um  sistema  autoritário  benevolente,  um  sistema   consulRvo  ou  um  sistema  parRcipaRvo.   The  Ohio  State  University  (s/n).  Leader  Behavior  DescripFon  QuesFonnaire  (LBDQ),   disponível  em  hUp://fisher.osu.edu/research/lbdq   Universidade  de  Michigan  (1950s)  
  • 26. Teorias  X  e  Y   Teoria  de  desenvolvimento  organizacional,   moFvacional  e  de  liderança  que  contrasta  duas   abordagens:  a  teoria  X  e  a  Y.   A  teoria  X    aponta  para  um  esFlo  de  liderança   autoritário,  com  controlo  apertado  e  uma  cultura   depressiva.   McGregor,  D.  (1960).  The  Human  Side  of  Enterprise,  Annotated  Edi>on.  New  York:  McGraw-­‐Hill  EducaFon.   McGregor  (1960)   A  teoria  Y  está  associada  ao  empoderamento  das   pessoas,  a  distribuição  de  responsabilidade  e   uma  liderança  parFcipaFva.  
  • 27. Teoria  dos  EsRlos  de   Liderança   Define  três  Fpos  de  liderança:       •   A  liderança  autocráRca   •  A  liderança  democráRca   •  A  liderança  liberal  ou  laissez-­‐faire   White,  R.  K.,  &  LippiU,  R.  O.  (1960).  Autocracy  and  democracy:  An  experimental   inquiry.  New  York:  Harper  &  Brothers.   White  e  LippiU  (1960)  
  • 28. Liderança   Outras  Teorias   Comportamentais  
  • 29. O  Modelo  da  Grelha     de  Liderança   Define  uma  grelha  com  esFlos  de  liderança   em  função  da  preocupação  com  as  pessoas   vs.  a  preocupação  com  a  produção  (a  tarefa)   e  a  moRvação.   Blake,  Robert  R.,  Mouton,  Jane  S.,  (1972).  The  Managerial  Grid  -­‐  Key  OrientaFons   For  Achieving  ProducFon  Through  People,  Gulf  Publishing  Company   Blake  &  Mouton  (1964)   A  grelha  define  5  esFlos  de  liderança.   Posteriormente  foram  adicionados  dois   outros  esFlos.  
  • 30. A  Liderança  Camaleão   Baseia-­‐se  na  profecia  auto-­‐realizadora  ou   efeito  Camaleão:  o  efeito  moFvacional  das   expectaFvas  posiFvas.     Livingston  (2003),  Pygmalion  in  Management,  Harvard  Business  Review,  disponível   em  hUps://hbr.org/2003/01/pygmalion-­‐in-­‐management   Livingston  (1969)   As  expectaFvas  que  o    líder  tem  sobre  as   pessoas  influencia  o  comportamento  delas.   Existem  dois  efeitos  associados:     •  O  efeito  Golem  (baixas  expectaFvas,  baixo  desempenho)   •  O  efeito  Galatea  (expectaFvas  auto-­‐realizadoras)  
  • 31. Modelo  de  Liderança     de  Base     A  consultora  definiu  uma  lista  de  17   competências  que  as  pessoas  frequentemente   associam  à  liderança.     Russ-­‐E€,  D.,  Berrey,  C.,  Hurson,  K.  &  Brennen,  K.  (1996)  UpdaFng  the  meaning  of   leadership:    a  grass  roots  model  for  the  new  workplace,  An  Essay  from  Zenger  Miller,   M2021  V.1.1  (7/96)  Zenger  Miller  Inc:  71-­‐72.   Zenger-­‐Miller  (1996)   Exemplos:  gerir  a  mudança,  focar  no  cliente,   resolver  problemas,  gerir  o  tempo  e  os   recursos,  lidar  com  as  emoções,  demonstrar   compaixão,  fazer  apresentações  credíveis,  etc..    
  • 32. A  Teoria  da  Liderança   Emocional   O  coeficiente  de  inteligência  não  é  suficiente   para  caracterizar  um  líder  e  a  inteligência   emocional  ajuda  a  explicar  o  seu  desempenho.   Goleman,  D.  (1995).  EmoFonal  intelligence.  New  York:  Bantam  Books.     Goleman  (1995)   Existem  5  componentes  da  inteligência   emocional:  auto-­‐consciência,  auto-­‐regulação,   moRvação,  empaRa  e  apRdão  social.  
  • 33. Liderança   Teorias  ConRngenciais   ou  Situacionais  
  • 34. A  Teoria  da  Liderança   Situacional   Não  existe  uma  forma  única  de  liderança.  O   esFlo  de  liderança  deve  basear-­‐se  na  situação   em  causa.  O  esRlo  de  liderança  depende  mais   da  situação  do  que  da  personalidade  do  líder.       Hersey,  P.,  and  Blanchard,K.,  Management  of  Organiza>onal  Behavior:  U>lizing  Human   Resources  (Englewood  Cliffs,  NJ:  PrenFce  Hall,  1996)     Hersey  e  Blanchard  (1995)   Existem  4  esRlos:  dizer  (tarefa),  vender  (tarefa   e  relação),  parFcipar  ou  apoiar  (relação)  e   delegar  (baixas  relação  e  tarefa).  
  • 35. A  Teoria  do  ConRnuum   de  Liderança   Tannenbaum,  R.,  Schmidt,  W.  H.,  (2009).  How  to  Choose  a  Leadership  PaUern.  Harvard   Business  Review  Classics.  Paperback  Harvard  Business  Review  -­‐  1  Sep  2009       Existe  um  condnuum  de   comportamentos  que  oscila  entre   dois  extremos:  um  centrado  no   líder  (orientado  para  a  tarefa)  e   outro  centrado  nos  colaboradores   (orientado  para  a  relação).   O  líder  escolha  um  destes  esFlos   de  acordo  com  a  situação.     Tannenbaum  (2009)  
  • 36. A  Teoria  da  Eficácia  da   Liderança   Também  se  baseia  na  disFnção  entre   tarefa  e  relacionamento.     Fiedler,  F.  E.  (1967).  A  Theory  of  Leadership  EffecFvenes,  New  York:  McGraw-­‐Hill   Fiedler  (1967)   UFliza  a  escala  LPC.     (colega  menos  preferido)   A  favorabilidade  situacional  é  o  grau   com  que  a  situação  permite  ao  líder   exercer  a  sua  influência  sobre  o  grupo.  
  • 37. A  Teoria  Caminho-­‐   -­‐ObjecRvo   O  líder  deve  deixar  claro  qual  o  caminho  a   percorrer  para  aFngir  os  objecFvos.     Evans,  M.G.  (1970).  The  effect  of  supervisory  behavior  on  the  path-­‐goal   relaFonship.  Organiza>onal  Behavior  and  Human  Performance,  5,  277-­‐298   House,  R.J.  (1971).  A  path-­‐goal  theory  of  leader  effecFveness.  Administra>ve  Science   Quarterly,  16,  321-­‐339   House,  R.J.  and  Mitchell,  T.R.  (1974).  Path-­‐goal  theory  of  leadership.  Contemporary   Business,  3,  Fall,  81-­‐98   Evans  (1970),  House  (1971)  e  Mitchell  (1974)   Existem  4  esRlos:  liderança  de  apoio,  liderança   de  direcção,  liderança  parFcipaFva  e  liderança   orientada  para  os  resultados.  
  • 38. O  Modelo  de  Decisão   NormaRva   É  a  única  teoria  conFngencial  focada  na   opRmização  do  processo  de  tomada  de   decisão.     Vroom,  V.  H.  &  YeUon,  P.  W.  (1973).  Leadership  and  decision-­‐making.  PiUsburgh:   University  of  PiUsburgh  Press.   Vroom,  V.  H.  &  Jago,  A.  G.  (1988).  The  new  leadership:  Managing  parFcipaFon  in   organizaFons.  Englewood  Cliffs,  N.  J.:  PrenFce  Hall.     Vroom,  YeUon  e  Jago  (1973)   Define  5  esRlos:  autocráFco  Fpo  1,  autocráFco   Fpo  2,  consulFvo  Fpo  1,  consulFvo  Fpo  2  e   grupo  2.  
  • 39. Teoria  dos  Recursos   CogniRvos   As  capacidades  cogniFvas,  embora   significaFvas,  não  são  suficientes  para  prever  o   sucesso  da  liderança.   Fiedler,  F.E.  (1986).  The  contribuFon  of  cogniFve  resources  ot  leadership  performance.   In  L.  Berkowitz  (ed),  Advances  in  experimental  social  psychology.  NY:  Academic  Press   Fiedler,  F.E.  and  Garcia,  J.E.  (1987).  New  approaches  to  leadership:  Cogni>ve  resources   and  organiza>onal  performance,  NY:  Wiley   Fiedler  (1986)   A  inteligência  e  a  experiência,  a  par  de  outros   recursos  cogniFvos,  são  factores  de  eficácia  da   liderança.  
  • 40. Teoria  das  ConRngências   Estratégicas   Foca-­‐se  no  poder  intra-­‐organizacional.   Hickson,  D.J.,  Hinigs,  C.R.,  Lee,  C.A.,  Schneck,  R.S.,  and  Pennings,  J.M.  (1971).  A  strategic   conFngencies  theory  of  intra-­‐organizaFonal  power.  Administra>ve  Science  Quarterly,  16,  216-­‐22   Hickson  et  al.  (1971)   Esse  poder  depende  de  três  factores:   •  Competências  de  problemas   •  Competências  de  actor   •  Originalidade  da  apFdão  
  • 41. Liderança   Teorias  de  Liderança   Transaccional  
  • 42. Teoria  da  Troca  Líder-­‐   -­‐Membro  (LMX)   Quanto  mais  apoio  os  colaboradores  dão  ao   líder,  maior  a  probabilidade  de  fazerem  parte   do  ciclo  próximo  do  líder.   Dansereau,  Graen,  and  Haga,  1975,  "A  VerFcal  Dyad  approach  to  leadership  within   formal  organizaFons.   Dansereau,  Graen  e  Haga  (1975)   Existem  três  estados  de  desenvolvimento  da   relação  do  líder  com  o  membro:   organizacional,  desenvolvimento  de  papéis  e   estabelecimento  da  relação.  
  • 43. Liderança   Teorias  de  Liderança   Transformacionais  
  • 44. Teoria  da  Liderança   Transformacional  I   DisFngue  a  liderança  transformacional  da   liderança  transaccional.   Burns,  J.M.  (1978).  Leadership.  New  York,  Harper  &  Row   Burns  (1978)   Os  líderes  transformacionais  não  só  mudam  os   colaboradores,  os  grupos,  as  organizações  e  a   sociedade  como  também  se  transformam  a   eles  próprios.    
  • 45. EsRlos  de  Autoridade  e   Liderança   É  uma  teoria  situacional  e  de  esFlos  de   liderança.   Weber,  M.  (1958).  "The  three  types  of  legiFmate  rule".  Berkeley  PublicaFons  in  Society   and  InsFtuFons,  4  (1):  1-­‐11.     Weber  (1958)   Existem  três  Fpos  de  líder:     •  O  burocráFco   •  O  tradicional  e     •  O  carismáFco   Definiu  o  conceito  de  autoridade  legíRma.  
  • 46. Teoria  da  Liderança   CarismáRca   Foca-­‐se  nas  caracterísFcas  pessoais  do  líder  e   nos  comportamentos  específicos  do  líder.   House,  R.J.  (1977).  A  1976  theory  of  charismaFc  leadership.  In  J.G.  Hunt,  &  L.L.  Larson   (Eds.),  Leadership:  The  cu…ng  edge  (pp.  189–204).  Carbondale,  IL:  Southern  Illinois   University  Press.   House,  R.J.,  &  Shamir,  B.  (1993).  Toward  the  integraFon  of  transformaFonal,  charismaFc   and  visionary  theories.  In  M.M.  Chemers,  &  R.  Ayman  (Eds.),  Leadership  theory  and   research:  PerspecFves  and  direcFons  (pp.  81–107)   House  (1977)  e  House  e  Shamir  (1993)   •  ArFcular  uma  visão   •  Comunicar  elevadas  expectaFvas   •  Demonstrar  elevado  grau  de  confiança   •  EnfaFzar  o  valor  e  a  idenFficação  colecFva   •  Tomar  riscos  extraordinários   •  Fazer  sacri†cios  pessoais  substanciais  
  • 47. Teoria  da  Liderança   Transformacional  II   IdenFficam  4  caracterísRcas  da  liderança   transformacional:     •  Carisma  ou  influência  idealizada   •  MoFvação  inspiradora   •  EsFmulação  intelectual   •  Consideração  individualizada   Bass,  B.M.  (1985).  Leadership  and  performance  beyond  expectaFons.  New  York:  The   Free  Press.   Bass,  B.M.,  Avolio,  B.J.,  &  Goodheim,  L.  (1987).  Biography  and  the  assessment  of   transformaFonal  leadership  at  the  world  class  level.  Journal  of  Management,  13,  7-­‐19.   Bass,  B.M.,  &  Yammarino,  F.J.  (1991).  Congruence  of  self  and  others'  leadership  raFngs  of   naval  officers  for  understanding  successful  performance.  Applied  Psychology:  An   InternaFonal  Review,  40(4),  437-­‐454.       Bass  (1985)  e  Bass  et  al.  (1987)  
  • 48. Teoria  da  Liderança   Eficaz     IdenFficam  4  estratégias  para  uma  liderança   eficaz:     •  Desenvolver  uma  visão  clara  e   compreensível  da  organização   •  Agir  como  arquitecto  social  da  organização   •  Criar  confiança  explicitando  valores  e   visões   •  IdenFficar  as  suas  forças  e  fraquezas  e   promover  uma  imagem  posiFva   Bennis,  Warren  and  Burt  Nanus.  Leaders,  The  Strategies  for  Taking  Charge.  New  York:   Harper  and  Rowe.  1985.       Bennis  e  Nanus  (1985)  
  • 49. Liderança   Teoria  do  Líder   Servente  
  • 50. Teoria  do  Líder  Servente   O  líder  é  acima  de  tudo  um  servente  cujas   prioridades  são  as  necessidades  dos  outros.   Greenleaf,  R.K.  (1969),  “Leadership  and  the  individual:  the  Dartmouth  lectures”,  in  Frick,   D.M.   and  Spears,  L.C.  (Eds),  On  Becoming  a  Servant  Leader,  Jossey-­‐Bass  Publishers,  San   Francisco,  CA,  pp.  284-­‐338.   Greenleaf,  R.K.  (1970).  The  Servant  as  Leader.  Indianapolis,  IN:  Robert  K.  Greenleaf   Center.   Greenleaf  (1969,  1970)   Ao  contrário  dos  líderes  transformacionais  que   se  focam  nos  objecFvos  organizacionais,  os   líderes  serventes  consideram  os  objecFvos   organizacionais  secundários    face  aos   objecFvos  dos  seguidores.  
  • 51. Liderança   O  Inventário  de   ParRcipação  da   Liderança  
  • 52. Inventário  de   ParRcipação  de  Liderança   Define  5  práRcas  de  liderança  exemplar:     •  Modelar  o  caminho   •  Inspirar  uma  visão  parFlhada   •  Desafiar  o  processo   •  PermiFr  que  os  outros  actuem   •  Encorajar  o  coração   Kouzes,  M.,  &  Posner,  B.  Z.  (1987).  The  leadership  challenge:  How  to  get  extraordinary   things  done  in  organiza>ons.  San  Francisco:  Jossey-­‐Bass.     Kouzes  e  Posner  (1987)  
  • 54. Teoria  do  Líder  AutênRco   A  liderança  autênFca  foca-­‐se  no   comportamento  transparente  e  éRco  do  líder   e  encoraja  a  parRlha  de  informação  necessária   para  tomar  decisões  ao  mesmo  tempo  que   aceita  os  contributos  dos  seguidores.     Avolio,  B.,  &  Gardner,  W.  L.  (2005).  AuthenFc  leadership  development:  ge…ng  to  the   root  of  posiFve  forms  of  leadership.  Leadership  quarterly,  16,  315–338.   George,  B.  (2003).  Authen>c  Leadership:  Rediscovering  the  Secrets  to  Crea>ng  Las>ng   Value.  San  Francisco,  CA:  Jossey-­‐Bass.     George  (2003),  Avolio  &  Gardner  (2005)   Componentes  chave:  processamento   equilibrado,  perspecFva  moral  internalizada,   transparência  relacional  e  auto-­‐consciência.  
  • 55. Liderança  da   Complexidade   Enquadra  a  liderança  nas  teorias  dos  sistemas   adaptaRvos  complexos  para  fazer  face  à   dinâmica  empresarial  actual.   Lichtenstein,  B.  et  al.,  2006.  Complexity  leadership  theory:  An  interacFve  perspecFve  on   leading  in  complex  adapFve  systems.  disponível  em  hUp://digitalcommons.unl.edu/ managemenˆacpub/8   Mary  Uhl-­‐Bien,  Russ  Marion  &  Bill  McKelvey,  (2007).  Complexity  Leadership  Theory:   Shi€ing  leadership  from  the  industrial  age  to  the  knowledge  era.  The  Leadership   Quarterly  18:4.     Lichtenstein  et  al.  (2006),  Uhl-­‐Bien  et  al.  (2007)   Define  três  papéis  da  liderança  em   organizações  burocráFcas:  adaptaFvo,   administraFvo  e  facilitador.  
  • 56. A  liderança  não  é  uma  posição  mas  uma   práRca  de  mobilizar  as  pessoas  para  enfrentar   os  desafios  di†ceis  e  prosperar.   Teoria  da  Liderança   AdaptaRva   Heifetz,  R.,  Grashow,  A.,  &  Linsky,  M.  (2009).  The  Prac>ce  of  Adap>ve  Leadership:  Tools   and  Tac>cs  for  Changing  Your  Organiza>on  and  the  World:  Harvard  Business  Press.   Heifetz  et  al.  (2009)   A  liderança  adaptaFva  foca-­‐se  na  liderança   como  uma  práFca  a  ser  usada  em  situações   que  não  têm  uma  situação  conhecida  à  parFda.  
  • 57. Teoria  da     Neuro-­‐Liderança   A  neuro-­‐liderança  resulta  da  aplicação  da   neurociência  à  liderança  e  pretende  melhorar  a   eficácia  da  liderança  tendo  em  conta  a   acFvidade  fisiológica  cerebral.   Rock  &  Schwartz  (2006);  Ringleb  &  Rock  (2008)   Baseia-­‐se  na  acRvidade  cerebral  relacionada   com  a  tomada  de  decisão,  resolução  de   problemas,  regulação  emocional  e  facilitação   da  mudança,  entre  outros.     David  Rock  &  Jeffrey  Schwartz  (  2006).  ‘The  Neuroscience  of  Leadership’  in  Strategy  +   Business,  Issue  43.   Ringleb,  A.,  &  Rock,  D.  (2008).  The  emerging  field  of  NeuroLeadership.   NeuroLeadership  Journal,  1,  3-­‐19.  
  • 58. Teoria  da  IdenRficação   Social  da  Liderança   Os  líderes  eficazes  são  os  que  conseguem  criar   uma  visão  de  futuro  orientada  para  o  grupo  e   com  a  qual  os  seguidores  se  idenFficam.   Haslam,  S.  A.,  Reicher,  S.  D.,  &  Platow,  M.  J.  (2010).  The  New  Psychology  of  Leadership:   IdenFty,  Influence  and  Power.  New  York:  Psychology  Press.     Haslam  et  al.  (2010)   Isso  passa  por  priorizar  o  papel  dos  seguidores   como  elementos  chave  do  futuro  colecFvo,   fazer  sacrijcios  pessoais  em  nome  do  grupo  e   uFlizar  o  ''nós''  e  o  ''nosso''  para  encorajar  os   seguidores  a  reverem-­‐se  na  visão  do  líder.    
  • 59. Teoria  da  Liderança   Intercultural  ou  Global   Destaca-­‐se  das  restantes  teorias,  que  só  foram   testadas  em  contextos  ocidentais  específicos.   Gelfand  et  al.  (2007),  House  et  al.  (2004),   Hofstede  (2001)     Tem  em  consideração    a  globalização  dos   negócios,  o  mindset  global  e  a  inteligência   cultural.   Gelfand,  M.  J.,  Erez,  M.,  &  Aycan,  Z.  (2007).  Crosscultural  organizaFonal  behavior.  Annual   Rev.  Psychology,  58,  479–514.   House,  R.  J.,  Hanges,  P.  J.,  Javidan,  M.,  Dorfman,  P.  W.,  &  Gupta,  V.  (2004).  Culture,   Leadership,  and  Organiza>ons:  The  GLOBE  Study  of  62  Socie>es.  Thousand  Oaks,  CA::  Sage.   Hofstede,  G.  H.  (2001).  Culture’s  Consequences:  Comparing  Values,  Behaviors,  Ins>tu>ons,   and  Organiza>ons  Across  Na>ons.  Thousand  Oaks,  CA:  Sage.  
  • 60. Teoria  da  e-­‐Liderança   À  semelhança  da  liderança  intercultural,   envolve  liderar  pessoas  em  diferentes   localizações  e  equipas  virtuais  e  em  diferentes   contextos.     Zigurs  (2003),  Heckman  et  al.  (s/d),  Leidner  (s/d)   Heckman,  R.,  Crowston,  K.,  &  Misiolek,  N.  (s/d).  A  StructuraFonal  PerspecFve  on   Leadership  in  Virtual  Teams.  Retrieved  from  hUp://crowston.syr.edu/system/files/ AStructuraFonalPerspecFveOnLeadership.pdf  Leidner,  D.  (s/d).  Leadership   EffecFveness  in  Global  Virtual  Teams.  Retrieved  from  hUp://www.insead.edu/ facultyresearch/research/doc.cfm?did=880   Zigurs,  I.  (2003).  Leadership  in  virtual  teams:  oxymoron  or  opportunity?  .   Organiza>onal  Dynamics,  31,  339–351.   Avalia  o  impacto  da  tecnologia  e  da  distância   no  esFlo  de  liderança,  na  idenFficação  com  o   líder  e  na  influência  sobre  os  seguidores.