SlideShare uma empresa Scribd logo
Introdução
Introdução
Na crónica de Elísio Macamo (Sociólogo), publicada num jornal em
Moçambique, no dia 2 de Agosto de 2008, intitulada Dicio”nário
político moçambicano: D de dirigente”, pode-se ler o seguinte:
“...dirigente é quem dirige, como é evidente. E quem dirige leva outras
pessoas para um sítio. A palavra dirigente implica rumo, destino e,
naturalmente, seguidores. Implica uma distribuição clara de papéis.
Há os que conhecem o caminho, sabem como ultrapassar obstáculos
e têm a coragem de conduzir outros. Há os que talvez conheçam o
caminho, mas não sabem como ultrapassar obstáculos; há os que
sabem como ultrapassar obstáculos, mas não conhecem o caminho;
há os que não sabem nem uma, nem outra coisa, mas têm coragem
de conduzir outros”.
Dirigente não é chefe, é líder!
“...dirigente é quem dirige, como é evidente. E quem dirige leva outras
pessoas para um sítio. A palavra dirigente implica rumo, destino e,
naturalmente, seguidores. Implica uma distribuição clara de papéis.
Há os que conhecem o caminho, sabem como ultrapassar obstáculos
e têm a coragem de conduzir outros. Há os que talvez conheçam o
caminho, mas não sabem como ultrapassar obstáculos; há os que
sabem como ultrapassar obstáculos, mas não conhecem o caminho;
há os que não sabem nem uma, nem outra coisa, mas têm coragem
de conduzir outros”.
Comentário: “Dirigente não é chefe, é líder!”
Ser dirigente é...
Definição de Liderança
O significado de uma mensagem é a mudança que ela produz na imagem
(Kenneth Boulding, em “Conhecimentos na Vida e na Sociedade”)
Liderança é um processo pelo qual uma pessoa influencia outras
para realizar um objectivo e direccionar uma organização por
forma a torná-la mais coesa e mais coerente.
Esta definição é similar à definição de Northouse (2007, p3), que
diz que “A liderança é um processo pelo qual um indivíduo
influencia um grupo de indivíduos para alcançar um objectivo
comum”.
Os líderes realizam este processo através da aplicação
dos seus conhecimentos e das suas habilidades. Isso
é denominado Process Leadership (i.e. Processo de
liderança) por Jago (1982).
No entanto, sabe-se que existem características que
podem influenciar as acções, ou seja, The Trait
Leadership (i.e. Características da Liderança) de
Jago (1982), porque antes acreditava-se que os
líderes já nascem líderes.
No entanto, as habilidades e os conhecimentos
aplicados podem ser influenciados por atributos e
características (como sejam: crenças, valores, ética e
carácter).
Enquanto os conhecimentos e as habilidades
contribuem, directamente, para o “processo” de
liderança, os outros atributos dão ao líder certas
características que fazem dele (dela) único(a).
Factores de liderança
Segundo o Exército dos EUA (1983),
existem quatro factores de habilidade,
conhecimento e atributo que fazem um
líder:
- O Líder em si
- Os Seguidores
- A Comunicação
- A Situação
1. Líder
Ter uma compreensão honesta de quem é, do que você
sabe, e do pode fazer.
Facto importante:
São os seguidores, e não o líder, que determinam se o
líder é bem-sucedido ou não, pois se não estes não
confiam, haverá pouca inspiração.
Para ter sucesso o líder tem de convencer os seus
seguidores, e não a ele mesmo ou aos seus superiores,
que merece ser seguido.
2. Seguidores
Pessoas diferentes requerem diferentes estilos de
liderança.
O dirigente deve conhecer:
O seu “povo” - o ponto de partida fundamental é ter
uma boa compreensão da natureza humana, como
sendo as necessidades, as emoções e o grau de
motivação;
Os atributos dos seus seguidores, como sendo o seu
SER, SABER e FAZER.
3. Comunicação
Dirigir utilizando uma comunicação bi-direcional.
Muito disso é não-verbal. Ou seja, é necessário
mostrar que tudo o que está a transmitir para ser
realizado, o dirigente estaria disposto a fazer.
A forma e o conteúdo do comunicado pode construir ou
prejudicar o relacionamento.
4. Situação
Cada situação é única. O que se faz numa situação nem
sempre é aplicável numa outra. Deve-se usar o
julgamento para decidir o melhor curso de acção e o estilo
de liderança aplicável em cada situação.
Exemplo: Pode ser necessário enfrentar um seguidor por
comportamento inadequado, mas se o confronto é demasiado tarde
ou cedo, demasiado severo ou fraco, os resultados podem revelar-se
ineficazes.
Entre a situação e as características, normalmente a
situação tem um efeito maior sobre a acção do líder. Isto
porque (Mischel, 1968), enquanto as características
podem ter grande estabilidade ao longo do de tempo, elas
têm pouca consistência nas situações .
Forças que afectam esses
factores
As forças que afectam esses quatro factores são:
- o relacionamento do líder com os seus superiores;
- a habilidade (capacidade) dos seus seguidores;
- os líderes informais na organização, e
- como a sua associação (clube, …) está organizada.
Chefe ou Líder?
Segundo Rowe (2007), apesar de estar na posição de
gerente, supervisor, líder, ou outro, o poder de
autoridade atribuído para realizar determinadas tarefas
e objectivos da organização (Assigned Leadership) não
faz de ninguém líder, mas sim chefe;
Liderança é diferente, pois os adeptos querem alcançar
metas elevadas (Emergent Lidership), e não,
simplesmente, chefiar por chefiar.
Teoria de Liderança de Bass
A teoria de Bass diz que, dos estados de liderança,
existem três maneiras básicas para explicar como as
pessoas se tornaram líderes (Stogdill, 1989; Bass,
1990):
Os dois primeiros explicam o desenvolvimento de
liderança para um pequeno número de pessoas.
Algumas características na personalidade podem
levar as pessoas, naturalmente, a papéis de
liderança - Teoria das características.
Uma crise ou um evento importante pode levar uma
pessoa a subir para a ocasião, que traz à tona as
qualidades de liderança extraordinária de uma
pessoa comum. Esta é a teoria dos grandes
acontecimentos.
As pessoas podem optar por se tornar líderes a
estudar e a aprender habilidades de liderança.
Esta é a Teoria da Liderança TransformacionalEsta é a Teoria da Liderança Transformacional
Modernamente, é a mais aceite.
Modelos de Liderança
Os seguintes modelos ajudam a entender porque os
líderes agem do modo o fazem, com comportamentos
de liderança em quatro tipos de quadros: estrutural,de
recursos humanos, político e simbólico (Bolman e
Deal, 1991).
Nota importante:
Qualquer destes estilos pode ser eficaz ou ineficaz, dependendo da
situação. Basear apenas em uma dessas abordagens seria
inadequado, pois, por exemplo, durante uma mudança numa
organização grande, um estilo de liderança estrutural pode ser mais
eficaz que outro. No entanto, cada um de nós tende a ter uma
abordagem preferida. Precisamos estar conscientes desta em todos
os momentos e estar ciente das limitações de apenas favorecer
uma aproximação.
Modelos de Liderança
Os seguintes modelos ajudam a entender porque os
líderes agem do modo o fazem, com comportamentos
de liderança em quatro tipos de quadros: estrutural,de
recursos humanos, político e simbólico (Bolman e
Deal, 1991).
Nota importante:
Qualquer destes estilos pode ser eficaz ou ineficaz, dependendo da
situação. Basear apenas em uma dessas abordagens seria
inadequado, pois, por exemplo, durante uma mudança numa
organização grande, um estilo de liderança estrutural pode ser mais
eficaz que outro. No entanto, cada um de nós tende a ter uma
abordagem preferida. Precisamos estar conscientes desta em todos
os momentos e estar ciente das limitações de apenas favorecer
uma aproximação.
Quadro Estrutural
Os líderes estruturais centram-se na estrutura,
estratégia, ambiente, execução, experimentação e
adaptação:
Numa situação de liderança eficaz: o líder é um
arquitecto social, cujo estilo de liderança é a análise e
design;
Numa situação de liderança ineficaz: o líder é um
pequeno tirano, cujo estilo de liderança é obter mais
detalhes.
Quadro de Recursos
Humanos
Os dirigentes acreditam nas pessoas, comunicam
essa crença, são visíveis e acessíveis, capacitam,
aumentam a participação, apoiam, compartilham
informações, e a decisão tomada se movimenta a
jusante, na organização.
Numa situação de liderança eficaz, o líder é um
catalisador e servo, cujo estilo de liderança é suporte,
defesa e capacitação;
Numa situação de liderança ineficaz, o líder é uma
tarefa simples, cujo estilo de liderança é a abdicação e
fraude.
Quadro político
Os líderes políticos esclarecer o que eles querem eo
que eles podem obter, eles avaliam a distribuição
de poder e interesses, eles constroem vínculos com
outras partes interessadas, a persuasão da primeira
utilização, então usar a negociação e coerção
somente se necessário.
No caso de liderança eficaz, o líder é um advogado, cujo
estilo de liderança é da coligação e da construção;
Numa situação de liderança ineficaz, o líder é uma
pessoa activa, cujo estilo de liderança é a manipulação.
Quadro Simbólico
A liderança simbólica vê organizações como palcos
ou teatros para encenar e impressionar. Os líderes
usam símbolos para captar a atenção, tentam
enquadrar a experiência através de interpretações
de experiências plausíveis. Eles descobrem e
comunicam uma visão.
Em situação de liderança eficaz, o líder é um profeta,
cujo estilo de liderança é a inspiração;
Em uma situação de liderança ineficaz, o líder é um
fanático ou um idiota, cujo estilo de liderança é fumaça e
espelhos.
Para reflexão, vou deixar a seguinte pergunta:
- Você é dirigente?Você é dirigente?
E, para dar a hipótese de responder, vou utilizar a
simplicidade de uma ferramenta útil:
a Grelha Gerencial.
Grelha Gerencial
Para descrever com simplicidade a Grelha Gerencial, o
quadro Blake and Mouton Managerial (Leadership) Grid
(1985) utiliza dois eixos, com uma amplitude de zero a
nove:
1."A preocupação em pessoas", segundo o eixo vertical;
2."A preocupação em tarefa ou resultados", segundo o
eixo horizontal.
Grelha Gerencial
Para descrever com simplicidade a Grelha Gerencial, o
quadro Blake and Mouton Managerial (Leadership) Grid
(1985) utiliza dois eixos, com uma amplitude de zero a
nove:
1."A preocupação em pessoas", segundo o eixo vertical;
2."A preocupação em tarefa ou resultados", segundo o
eixo horizontal.
Apresentacao dd1
A maioria das pessoas caem em algum dos lugares perto
do centro dos dois eixos - Middle of the Road.
Para os extremos, ou seja, com pontuação no extremo da
balança, existem quatro tipos de líderes:
Autoritário
(Forte nas tarefas, fraco nas habilidades das pessoas )
Clube Privado (“basôf”)
(Forte nas habilidades das pessoas, fraco nas tarefas )
Empobrecido
(Fraco nas tarefas, fraco nas habilidades das pessoas )
Líder de Equipa
(Forte nas tarefas, e forte nas habilidades das pessoas )
Líder Autoritário
(tarefa alta, baixa relação)
Este tipo de liderança é orientada para tarefas e cria
pressão sobre os seus seguidores (autocrático). É
caracterizado por:
- Pouco ou nenhum subsídio para a cooperação ou colaboração;
- Muito fortes sobre horários;
- Esperam que as pessoas fazem o que é dito sem questionar ou
debate;
- Quando algo der errado, procuram culpados;
Intolerantes com o que consideram dissidentes.
Resultado: Para os seguidores, é difícil contribuir ou
desenvolver
Líder de equipa
(missão alta, relação alta)
Esta é a liderança pelo exemplo positivo. Os líderes
esforçam-se para promover um ambiente de
equipe entre todos os membros da equipa, para
poderem atingir o seu potencial máximo, tanto
como os membros da equipe e como pessoas:
incentivam a alcançar as metas da equipe de
forma tão eficaz quanto possível;
trabalham incansavelmente para fortalecer os
vínculos entre os diversos membros.
Líder Clube Privado
(tarefa baixa, relação alta)
Essa pessoa usa predominantemente recompensa
de energia para manter a disciplina e para incentivar
a equipe a atingir seus objectivos.
Por outro lado, eles são quase incapazes de
empregar legitimamente os maiores poderes
punitivos e coercivos. Esta incapacidade resulta do
medo que o uso de tais poderes poderia prejudicar
as relações com os outros membros da equipe.
Líder Empobrecido
(tarefa baixa, relação baixa)
É o líder que usa o estilo de gestão "delegar e
desaparecer".
Quando não está comprometido com a realização de
tarefas ou qualquer manutenção, essencialmente,
permite aos seguidores fazerem o que bem lhes
apetece (“laisser faire”).
Se separar do processo da equipe.
Permite o aparecimento de lutas pelo poder.
Claro que o lugar ideal (desejável, se for o caso) para
um líder a ocupar ao longo dos dois eixos da Grelha
Gerencial, na maioria das vezes, seria um 9 na tarefa e
um 9 sobre as pessoas - o líder de equipa.
No entanto...
...Isso não é assim tãããooo fácil!
Mas, se a resposta à pergunta anterior foi positiva,
qual deles, afinal, é o seu tipo????
Liderança Total
Pergunta:
Mas, o que faz uma pessoa querer seguir “dirigente”?
Resposta:
As pessoas querem ser guiadas pelo respeito que têm
pelo sentido claro de direcção.
Para ganhar o respeito, exigem o que julgam ser ético.
O sentido de direcção é visto quando é transmitido uma
forte visão do futuro.
Quando uma pessoa está decidida se ela te respeita
como um líder:
Ela não pensa nos teus atributos;
Ela observa o que você faz, para que ela possa
saber quem você realmente é;
Ela usa essa observação para saber se você é um
líder honrado e confiável, ou uma pessoa egoísta que
desrespeita a autoridade da boa aparência para ser
promovido.
Conclusão:
Os líderes “sel-service” não são tão eficazes porque os
seus seguidores apenas tendem a obedecê-los, não
segui-los. Tiveram sucesso em detrimento dos seus
seguidores.
As bases de uma boa liderança são carácter, honra e
capacidade para prestar um serviço desinteressado a
uma organização. Aos olhos dos seus seguidores, a sua
liderança é tudo o que você faz para os objectivos e o
bem-estar da organização.
Os líderes respeitados concentram-se em:
o que são [SER] (tais como crenças e carácter);
o que sabem [SABER] (como trabalho, tarefas e natureza
humana);
o que fazem [FAZER ] (como implementar, motivar e fornecer
orientação).
Pergunta:
Mas, o que “raio” faz uma pessoa querer transformar-se
em líder?
Resposta:
As pessoas querem ser guiados por esse respeito por
aqueles que têm um sentido claro (éctico) de direcção.
Isso é aceite quando se transmite uma forte visão do
futuro.
De acordo com um estudo do Hay Group, consultoria
global de gestão nos EUA, existem 75 componentes-
chave da satisfação de seguidores (Lamb, McKee, 2004).
Mas, relata o estudo que:
“a confiança na liderança de topo é o “indicador” mais confiável
de satisfação para os elementos de uma organização”.
Uma comunicação eficaz por parte da liderança com três
áreas críticas é a chave para:
Conquistar a confiança organizacional;
Ajudar os seguidores a entender a estratégia global das
actividades;
Ajudar os colaboradores a entender como contribuir para
os objectivos;
Compartilhar informações com os seguidores, quer na
“performance” do grupo como um todo, quer no que respeita aos
avanços de uma determinada parte do grupo, em relação aos
objectivos estratégicos do negócio a que o grupo está envolvido.
Resumindo:
“O dirigente deve ser confiável e ser capaz de comunicar uma visão clara sobre a
organização: de onde vem, e para onde precisa ir.”
Princípios da Liderança
Segundo o Exército dos EUA (1983), para ajudar ao
SER, SABER e FAZER, devem ser seguidos os
onze princípios de liderança:
1. Conhecer a si mesmo e procurar o auto-
aperfeiçoamento - A fim de conhecer a si mesmo, tem de
compreender o seu ser, saber e fazer, e atributos; Procurar o auto-
aperfeiçoamento reforçando continuamente os seus atributos (Isso
pode ser feito através de auto-estudo, aulas formais, reflexão e
interacção com outras pessoas)
2. Ser tecnicamente competente - Como líder, você deve
conhecer o seu trabalho e ser familiar com as sólidas tarefas dos
seus seguidores;
3. Procura as responsabilidades e assumir a
responsabilidade pelas suas acções - Procurar
estratégias para elevar a organização para novos patamares;
Quando as coisas derem errado (acontece sempre, mais cedo ou
mais tarde) não culpar os outros: analisar a situação, tomar
medidas correctivas, e passar para o próximo desafio;
4. Tomar as decisões acertadas e oportunas – Utilizar
bom problema resolução, tomada de decisão e ferramentas de
planeamento;
5. Dar exemplos - Seja um bom modelo para os
seus seguidores – As pessoas não devem apenas ouvir o
que devem fazer, mas também ver;
6. Conhecer os seus e olhar para o seu bem-estar
- Conhecer a natureza humana e a importância da sinceridade
de cuidar de seus trabalhadores;
7. Manter os seus seguidores informados - Saber
comunicar não só com eles, mas também com os mais idosos
e outras pessoas-chave;
8. Desenvolver o sentido de responsabilidade no
seu trabalho - Ajuda a desenvolver bons traços de carácter
que irão ajudá-los a assumir as suas responsabilidades;
9. Garantir que as tarefas são entendidas,
supervisionadas e realizadas - A comunicação é a
chave para essa responsabilidade;
10. Formar em equipa - Apesar de muitos líderes chamarem
a sua organização, departamento, secção, etc, de “uma equipe”,
não são realmente equipas, são apenas um grupo de pessoas no
seu trabalho;
11. Utilizar os recursos de sua organização - Ao
desenvolver um espírito de equipa, você será capaz de utilizar a
sua organização, departamento, secção, etc, em benefício da sua
plena capacidade.
Atributos da Liderança
Uma estrutura de liderança é guiada por:
SER...
...SABER
...FAZER.
SERSER
Ser profissionalSer profissional (fiel à organização, executar o
serviço altruísta, assumir a responsabilidade
pessoal, honestidade, competência, compromisso,
integridade, coragem, frontalidade, imaginação)
SABERSABER
Conhecer os quatro factores de liderança
(seguidor, líder, comunicação, situação);
Conhecer-se a si mesmo (pontos fortes e fracos do seu
carácter, conhecimento e habilidades);
Conhecer a natureza humana (as necessidades
humanas, as emoções, a reacção ao “stress”);
Conhecer o seu trabalho (competente e capaz de treinar
outros);
Conhecer a organização (onde encontrar ajuda, o clima
e a cultura, quais os líderes não-oficiais);
FAZERFAZER
Dar indicações (definir metas, resolver problemas, tomar
decisão, planificar);
Implementar (comunicar, coordenar, supervisionar, avaliar);
Motivar (desenvolvimento moral e espírito de organização,
formação, guiar, aconselhar).
O processo de boa
Liderança
Os caminhos para uma boa liderança (Kouzes e
Posner, 1987), comuns aos líderes de sucesso,
passam por:
Desafiar o processo - Em primeiro lugar,
encontrar um processo que, na óptica do líder,
precisa ser melhorado;
Inspirar uma visão compartilhada – a
seguir, compartilhar a visão em palavras que
podem ser compreendidos por seus seguidores;
Capacitar os outros para agir - Dê-lhes
as ferramentas e os métodos para resolver o
problema.
Modelar o caminho - Quando o
processo se torna difícil, sujar as mãos.
Um chefe diz aos outros o que fazer, o
líder mostra que pode ser feito;
Motivar - partilhar a glória com o coração
dos seus seguidores, mantendo as dores
dentro do seu próprio.
Mas...
Acreditem que...
Isso não é nada fácil!Isso não é nada fácil!
E, para terminar...
Deixo para reflexão o conteúdo de alguns estratos
de algumas crónicas que tive a oportunidade de ler
e que achei pertinente partilhar.
Considerações finais
Considerações finais
“A crise do dirigismo desportivo popular,
actualmente tão referida, possui contornos
estranhos ou, no mínimo, contraditórios. Desde
há várias décadas, talvez a partir do final da 2.ª
Grande Guerra, que muitos afirmam que o
dirigente desinteressado, eleito pela assembleia
geral do clube, mais ou menos participada, para
gerir os seus destinos, está condenado a
desaparecer”.
(Sublinhado meu)
“É frequente a referência à falta de elementos
para se construir uma direcção de um clube, a
ameaça dos directores em exercício
«entregarem» as chaves e o número de
abandonos em diferentes momentos do mandato
das direcções ser elevado”.
Mas na hora da responsabilidade e ajuda, os
“dirigentes” desaparecem! (Comentário meu)
Semelhança ou coincidência?
“É fundamental que se tome em consideração
que os valores determinantes e justificadores do
associativismo são, em larga medida, comuns
aos do trabalho:
a necessidade de participar e intervir na
definição de objectivos e processos de acção;
a solidariedade que se deve manifestar entre os
indivíduos, a vontade de progredir e melhorar as
condições de vida;
o exercício da justiça assente na igualdade de
direitos tomando em consideração a
desigualdade das situações, etc.”
(Sublinhado meu)
“O estado de espírito que caracteriza o dirigente
desportivo voluntário do clube popular não é
diferente daquele que caracteriza o trabalhador:
inquietação quanto ao futuro, descrença no real
valor das decisões políticas para a resolução dos
problemas, e, acima de tido, falta de meios de
toda a ordem”.
(Sublinhado meu)
MUITOMUITO
OBRIGADOOBRIGADO
PELA VOSSAPELA VOSSA
PACIÊNCIA !PACIÊNCIA !
Ei, Psst! Acorda, lá! Acabou.
Não foi assim tão mau, pois não?

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Lideranca
LiderancaLideranca
Liderança
LiderançaLiderança
Liderança
mauricio souza
 
SemináRio LiderançA
SemináRio LiderançASemináRio LiderançA
SemináRio LiderançA
OCWillians
 
Apostila administração 1
Apostila administração 1Apostila administração 1
Apostila administração 1
Maria Teresa Vasconcelos
 
Competências de liderança
Competências de liderançaCompetências de liderança
Competências de liderança
Jose Soares Lara
 
Modelos de liderança 3a aula 03/03/2011
Modelos de liderança 3a aula 03/03/2011Modelos de liderança 3a aula 03/03/2011
Modelos de liderança 3a aula 03/03/2011
Unip e Uniplan
 
Gestão e Liderança de Pessoas - Aulas 1 e 2
Gestão e Liderança de Pessoas - Aulas 1 e 2Gestão e Liderança de Pessoas - Aulas 1 e 2
Gestão e Liderança de Pessoas - Aulas 1 e 2
Wandick Rocha de Aquino
 
Curso de chefia e liderança parte 1/6
Curso de chefia e liderança   parte 1/6Curso de chefia e liderança   parte 1/6
Curso de chefia e liderança parte 1/6
ABCursos OnLine
 
Liderança
LiderançaLiderança
Liderança
Tiago Reis
 
Conceitos de Liderança
Conceitos de LiderançaConceitos de Liderança
Conceitos de Liderança
Gerente Consciente
 
Gestão e Liderança_Prof. Randes
Gestão e Liderança_Prof. RandesGestão e Liderança_Prof. Randes
Gestão e Liderança_Prof. Randes
Prof. Randes Enes, M.Sc.
 
Teoria Contingencial
Teoria ContingencialTeoria Contingencial
Teoria Contingencial
Adm Unime
 
Lideranca
LiderancaLideranca
Lideranca
Fulgêncio Artur
 
inMBA - Tema Liderança - Aula 2
inMBA - Tema Liderança - Aula 2inMBA - Tema Liderança - Aula 2
inMBA - Tema Liderança - Aula 2
Marcus Pimenta
 
inMBA - Tema Liderança - Aula 1
inMBA - Tema Liderança - Aula 1inMBA - Tema Liderança - Aula 1
inMBA - Tema Liderança - Aula 1
Marcus Pimenta
 
Aula-liderança
Aula-liderançaAula-liderança
Aula-liderança
Aline Covalero
 
Trabalho liderança organizacional
Trabalho liderança organizacional   Trabalho liderança organizacional
Trabalho liderança organizacional
Yane E Rafael Francisco
 
Modelos de liderança 2a aula - 17/02/2011
Modelos de liderança 2a aula - 17/02/2011Modelos de liderança 2a aula - 17/02/2011
Modelos de liderança 2a aula - 17/02/2011
Unip e Uniplan
 
O que é liderança
O que é liderançaO que é liderança
O que é liderança
Márcio Roberto de Mattos
 
Liderança e comportamento organizacional
Liderança e comportamento organizacionalLiderança e comportamento organizacional
Liderança e comportamento organizacional
Ricardo Albuquerque
 

Mais procurados (20)

Lideranca
LiderancaLideranca
Lideranca
 
Liderança
LiderançaLiderança
Liderança
 
SemináRio LiderançA
SemináRio LiderançASemináRio LiderançA
SemináRio LiderançA
 
Apostila administração 1
Apostila administração 1Apostila administração 1
Apostila administração 1
 
Competências de liderança
Competências de liderançaCompetências de liderança
Competências de liderança
 
Modelos de liderança 3a aula 03/03/2011
Modelos de liderança 3a aula 03/03/2011Modelos de liderança 3a aula 03/03/2011
Modelos de liderança 3a aula 03/03/2011
 
Gestão e Liderança de Pessoas - Aulas 1 e 2
Gestão e Liderança de Pessoas - Aulas 1 e 2Gestão e Liderança de Pessoas - Aulas 1 e 2
Gestão e Liderança de Pessoas - Aulas 1 e 2
 
Curso de chefia e liderança parte 1/6
Curso de chefia e liderança   parte 1/6Curso de chefia e liderança   parte 1/6
Curso de chefia e liderança parte 1/6
 
Liderança
LiderançaLiderança
Liderança
 
Conceitos de Liderança
Conceitos de LiderançaConceitos de Liderança
Conceitos de Liderança
 
Gestão e Liderança_Prof. Randes
Gestão e Liderança_Prof. RandesGestão e Liderança_Prof. Randes
Gestão e Liderança_Prof. Randes
 
Teoria Contingencial
Teoria ContingencialTeoria Contingencial
Teoria Contingencial
 
Lideranca
LiderancaLideranca
Lideranca
 
inMBA - Tema Liderança - Aula 2
inMBA - Tema Liderança - Aula 2inMBA - Tema Liderança - Aula 2
inMBA - Tema Liderança - Aula 2
 
inMBA - Tema Liderança - Aula 1
inMBA - Tema Liderança - Aula 1inMBA - Tema Liderança - Aula 1
inMBA - Tema Liderança - Aula 1
 
Aula-liderança
Aula-liderançaAula-liderança
Aula-liderança
 
Trabalho liderança organizacional
Trabalho liderança organizacional   Trabalho liderança organizacional
Trabalho liderança organizacional
 
Modelos de liderança 2a aula - 17/02/2011
Modelos de liderança 2a aula - 17/02/2011Modelos de liderança 2a aula - 17/02/2011
Modelos de liderança 2a aula - 17/02/2011
 
O que é liderança
O que é liderançaO que é liderança
O que é liderança
 
Liderança e comportamento organizacional
Liderança e comportamento organizacionalLiderança e comportamento organizacional
Liderança e comportamento organizacional
 

Destaque

Proyecto II- Bloque 2
Proyecto II- Bloque 2Proyecto II- Bloque 2
Proyecto II- Bloque 2
Claudiia Rosas Ballesteros
 
CV_Prathap (1)
CV_Prathap (1)CV_Prathap (1)
CV_Prathap (1)
prathap reddy
 
informatica forense o Computo forense
informatica forense o Computo forenseinformatica forense o Computo forense
informatica forense o Computo forense
camilo andres
 
Cineclube Bamako - Proposta
Cineclube Bamako - PropostaCineclube Bamako - Proposta
Cineclube Bamako - Proposta
Gabriel Muniz
 
Portafolio de informtica
Portafolio de informticaPortafolio de informtica
Portafolio de informtica
ernestboom
 
O tabuleiro de xadrez
O tabuleiro de xadrezO tabuleiro de xadrez
O tabuleiro de xadrez
070984
 
Historia de la administracion
Historia de la administracionHistoria de la administracion
Historia de la administracion
lindaa2013
 
Presentació ACECCAT ESP
Presentació ACECCAT ESPPresentació ACECCAT ESP
Presentació ACECCAT ESP
aceccat
 
Presentación
PresentaciónPresentación
Presentación
gasumo
 
Conceptos
ConceptosConceptos
Conceptos
sadraa
 
Chapeuzinho vermelho - Patrick e Carolina
Chapeuzinho vermelho - Patrick e  CarolinaChapeuzinho vermelho - Patrick e  Carolina
Chapeuzinho vermelho - Patrick e Carolina
Milena Sampaio
 
Dossie do projecto final
Dossie do projecto finalDossie do projecto final
Dossie do projecto final
Noémia Moreira
 
Buscadoress
BuscadoressBuscadoress
Buscadoress
zoemikaela
 
PROYECTO DE AULA
PROYECTO DE AULA PROYECTO DE AULA
PROYECTO DE AULA
Angie Zambrano
 
Anorexia. Yolanda Arias Prieto.
Anorexia. Yolanda Arias Prieto.Anorexia. Yolanda Arias Prieto.
Anorexia. Yolanda Arias Prieto.
yoliirios
 
Tabela de emolumentos 2010
Tabela de emolumentos 2010Tabela de emolumentos 2010
Tabela de emolumentos 2010
agile7777
 
Andreas Gursky
Andreas GurskyAndreas Gursky
Andreas Gursky
Noémia Moreira
 
Introdução às redes sociais e crowdfunding
Introdução às redes sociais e crowdfundingIntrodução às redes sociais e crowdfunding
Introdução às redes sociais e crowdfunding
Julio Haddad
 
REDES SOCIALES
REDES SOCIALESREDES SOCIALES
REDES SOCIALES
cristianbaquero94
 

Destaque (20)

Proyecto II- Bloque 2
Proyecto II- Bloque 2Proyecto II- Bloque 2
Proyecto II- Bloque 2
 
CV_Prathap (1)
CV_Prathap (1)CV_Prathap (1)
CV_Prathap (1)
 
informatica forense o Computo forense
informatica forense o Computo forenseinformatica forense o Computo forense
informatica forense o Computo forense
 
Cineclube Bamako - Proposta
Cineclube Bamako - PropostaCineclube Bamako - Proposta
Cineclube Bamako - Proposta
 
Portafolio de informtica
Portafolio de informticaPortafolio de informtica
Portafolio de informtica
 
O tabuleiro de xadrez
O tabuleiro de xadrezO tabuleiro de xadrez
O tabuleiro de xadrez
 
Historia de la administracion
Historia de la administracionHistoria de la administracion
Historia de la administracion
 
Presentació ACECCAT ESP
Presentació ACECCAT ESPPresentació ACECCAT ESP
Presentació ACECCAT ESP
 
Presentación
PresentaciónPresentación
Presentación
 
Conceptos
ConceptosConceptos
Conceptos
 
Chapeuzinho vermelho - Patrick e Carolina
Chapeuzinho vermelho - Patrick e  CarolinaChapeuzinho vermelho - Patrick e  Carolina
Chapeuzinho vermelho - Patrick e Carolina
 
Dossie do projecto final
Dossie do projecto finalDossie do projecto final
Dossie do projecto final
 
Inauguração da sede
Inauguração da sedeInauguração da sede
Inauguração da sede
 
Buscadoress
BuscadoressBuscadoress
Buscadoress
 
PROYECTO DE AULA
PROYECTO DE AULA PROYECTO DE AULA
PROYECTO DE AULA
 
Anorexia. Yolanda Arias Prieto.
Anorexia. Yolanda Arias Prieto.Anorexia. Yolanda Arias Prieto.
Anorexia. Yolanda Arias Prieto.
 
Tabela de emolumentos 2010
Tabela de emolumentos 2010Tabela de emolumentos 2010
Tabela de emolumentos 2010
 
Andreas Gursky
Andreas GurskyAndreas Gursky
Andreas Gursky
 
Introdução às redes sociais e crowdfunding
Introdução às redes sociais e crowdfundingIntrodução às redes sociais e crowdfunding
Introdução às redes sociais e crowdfunding
 
REDES SOCIALES
REDES SOCIALESREDES SOCIALES
REDES SOCIALES
 

Semelhante a Apresentacao dd1

Chefia e Liderança.pdf
Chefia e Liderança.pdfChefia e Liderança.pdf
Chefia e Liderança.pdf
Thiago Thome
 
Aula 4 comportamento mesoorganizacional
Aula 4   comportamento mesoorganizacionalAula 4   comportamento mesoorganizacional
Aula 4 comportamento mesoorganizacional
Felipe Saraiva Nunes de Pinho
 
teste
testeteste
A liderança
A liderançaA liderança
A liderança
Filipe Simão Kembo
 
A liderança
A liderançaA liderança
A liderança
Filipe Simão Kembo
 
Aula 3 lgc
Aula 3 lgcAula 3 lgc
Aula 3 lgc
Tuane Paixão
 
Liderança motivação e formaçao de equipes - fabra jan 2014
Liderança   motivação e formaçao de equipes - fabra jan 2014Liderança   motivação e formaçao de equipes - fabra jan 2014
Liderança motivação e formaçao de equipes - fabra jan 2014
Darlan Campos
 
Liderança e sua interferencia no trabalho em equipe nas organizações
Liderança e sua interferencia no trabalho em equipe nas organizaçõesLiderança e sua interferencia no trabalho em equipe nas organizações
Liderança e sua interferencia no trabalho em equipe nas organizações
rtyl
 
Aula 20 desenvolvendo a arte de administrar
Aula 20   desenvolvendo a arte de administrarAula 20   desenvolvendo a arte de administrar
Aula 20 desenvolvendo a arte de administrar
Luiz Siles
 
Liderança.pptx
Liderança.pptxLiderança.pptx
Liderança.pptx
EricaMartins40
 
Liderança - Introdução à Administração (IADM)
Liderança - Introdução à Administração (IADM)Liderança - Introdução à Administração (IADM)
Liderança - Introdução à Administração (IADM)
Erica Byanca
 
Liderança | chefias
Liderança | chefiasLiderança | chefias
PrincíPios De LiderançA
PrincíPios De LiderançAPrincíPios De LiderançA
PrincíPios De LiderançA
Messias Matusse
 
Liderança no século XXI
Liderança no século XXILiderança no século XXI
Liderança no século XXI
sullamyteja
 
AULA 01.pptx
AULA 01.pptxAULA 01.pptx
AULA 01.pptx
cassio franca
 
Liderancatrabalho
LiderancatrabalhoLiderancatrabalho
Liderancatrabalho
Roberto Possarle
 
Uc 8 reflexão_sílvia_fernandes
Uc 8 reflexão_sílvia_fernandesUc 8 reflexão_sílvia_fernandes
Uc 8 reflexão_sílvia_fernandes
SILVIA G. FERNANDES
 
Liderança e seus tipos, apresenta alguns aspectos de líderes.
Liderança e seus tipos, apresenta alguns aspectos de líderes.Liderança e seus tipos, apresenta alguns aspectos de líderes.
Liderança e seus tipos, apresenta alguns aspectos de líderes.
JosianeCrepaldi
 
5) liderança e administração eficaz (resumo do livro)
5) liderança e administração eficaz (resumo do livro)5) liderança e administração eficaz (resumo do livro)
5) liderança e administração eficaz (resumo do livro)
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
Curso de chefia e liderança
Curso de chefia e liderançaCurso de chefia e liderança
Curso de chefia e liderança
Joao Balbi
 

Semelhante a Apresentacao dd1 (20)

Chefia e Liderança.pdf
Chefia e Liderança.pdfChefia e Liderança.pdf
Chefia e Liderança.pdf
 
Aula 4 comportamento mesoorganizacional
Aula 4   comportamento mesoorganizacionalAula 4   comportamento mesoorganizacional
Aula 4 comportamento mesoorganizacional
 
teste
testeteste
teste
 
A liderança
A liderançaA liderança
A liderança
 
A liderança
A liderançaA liderança
A liderança
 
Aula 3 lgc
Aula 3 lgcAula 3 lgc
Aula 3 lgc
 
Liderança motivação e formaçao de equipes - fabra jan 2014
Liderança   motivação e formaçao de equipes - fabra jan 2014Liderança   motivação e formaçao de equipes - fabra jan 2014
Liderança motivação e formaçao de equipes - fabra jan 2014
 
Liderança e sua interferencia no trabalho em equipe nas organizações
Liderança e sua interferencia no trabalho em equipe nas organizaçõesLiderança e sua interferencia no trabalho em equipe nas organizações
Liderança e sua interferencia no trabalho em equipe nas organizações
 
Aula 20 desenvolvendo a arte de administrar
Aula 20   desenvolvendo a arte de administrarAula 20   desenvolvendo a arte de administrar
Aula 20 desenvolvendo a arte de administrar
 
Liderança.pptx
Liderança.pptxLiderança.pptx
Liderança.pptx
 
Liderança - Introdução à Administração (IADM)
Liderança - Introdução à Administração (IADM)Liderança - Introdução à Administração (IADM)
Liderança - Introdução à Administração (IADM)
 
Liderança | chefias
Liderança | chefiasLiderança | chefias
Liderança | chefias
 
PrincíPios De LiderançA
PrincíPios De LiderançAPrincíPios De LiderançA
PrincíPios De LiderançA
 
Liderança no século XXI
Liderança no século XXILiderança no século XXI
Liderança no século XXI
 
AULA 01.pptx
AULA 01.pptxAULA 01.pptx
AULA 01.pptx
 
Liderancatrabalho
LiderancatrabalhoLiderancatrabalho
Liderancatrabalho
 
Uc 8 reflexão_sílvia_fernandes
Uc 8 reflexão_sílvia_fernandesUc 8 reflexão_sílvia_fernandes
Uc 8 reflexão_sílvia_fernandes
 
Liderança e seus tipos, apresenta alguns aspectos de líderes.
Liderança e seus tipos, apresenta alguns aspectos de líderes.Liderança e seus tipos, apresenta alguns aspectos de líderes.
Liderança e seus tipos, apresenta alguns aspectos de líderes.
 
5) liderança e administração eficaz (resumo do livro)
5) liderança e administração eficaz (resumo do livro)5) liderança e administração eficaz (resumo do livro)
5) liderança e administração eficaz (resumo do livro)
 
Curso de chefia e liderança
Curso de chefia e liderançaCurso de chefia e liderança
Curso de chefia e liderança
 

Mais de José Carlos Araújo Santos

Ser dirigente init.pps
Ser dirigente init.ppsSer dirigente init.pps
Ser dirigente init.pps
José Carlos Araújo Santos
 
Formação de agentes desportivos
Formação de agentes desportivosFormação de agentes desportivos
Formação de agentes desportivos
José Carlos Araújo Santos
 
Uma perspectiva economica
Uma perspectiva economicaUma perspectiva economica
Uma perspectiva economica
José Carlos Araújo Santos
 
Conceitos de liderança
Conceitos de liderançaConceitos de liderança
Conceitos de liderança
José Carlos Araújo Santos
 
Relação entre o estado e associações desportivas
Relação entre o estado e associações desportivasRelação entre o estado e associações desportivas
Relação entre o estado e associações desportivas
José Carlos Araújo Santos
 
Regime do mecenato despotivo
Regime do mecenato despotivoRegime do mecenato despotivo
Regime do mecenato despotivo
José Carlos Araújo Santos
 

Mais de José Carlos Araújo Santos (10)

Tomposse
TomposseTomposse
Tomposse
 
Digressão usa 1ª parte
Digressão usa 1ª parteDigressão usa 1ª parte
Digressão usa 1ª parte
 
Inauguração sede
Inauguração sedeInauguração sede
Inauguração sede
 
1ª jornada reflexão
1ª jornada reflexão1ª jornada reflexão
1ª jornada reflexão
 
Ser dirigente init.pps
Ser dirigente init.ppsSer dirigente init.pps
Ser dirigente init.pps
 
Formação de agentes desportivos
Formação de agentes desportivosFormação de agentes desportivos
Formação de agentes desportivos
 
Uma perspectiva economica
Uma perspectiva economicaUma perspectiva economica
Uma perspectiva economica
 
Conceitos de liderança
Conceitos de liderançaConceitos de liderança
Conceitos de liderança
 
Relação entre o estado e associações desportivas
Relação entre o estado e associações desportivasRelação entre o estado e associações desportivas
Relação entre o estado e associações desportivas
 
Regime do mecenato despotivo
Regime do mecenato despotivoRegime do mecenato despotivo
Regime do mecenato despotivo
 

Apresentacao dd1

  • 2. Introdução Na crónica de Elísio Macamo (Sociólogo), publicada num jornal em Moçambique, no dia 2 de Agosto de 2008, intitulada Dicio”nário político moçambicano: D de dirigente”, pode-se ler o seguinte: “...dirigente é quem dirige, como é evidente. E quem dirige leva outras pessoas para um sítio. A palavra dirigente implica rumo, destino e, naturalmente, seguidores. Implica uma distribuição clara de papéis. Há os que conhecem o caminho, sabem como ultrapassar obstáculos e têm a coragem de conduzir outros. Há os que talvez conheçam o caminho, mas não sabem como ultrapassar obstáculos; há os que sabem como ultrapassar obstáculos, mas não conhecem o caminho; há os que não sabem nem uma, nem outra coisa, mas têm coragem de conduzir outros”. Dirigente não é chefe, é líder!
  • 3. “...dirigente é quem dirige, como é evidente. E quem dirige leva outras pessoas para um sítio. A palavra dirigente implica rumo, destino e, naturalmente, seguidores. Implica uma distribuição clara de papéis. Há os que conhecem o caminho, sabem como ultrapassar obstáculos e têm a coragem de conduzir outros. Há os que talvez conheçam o caminho, mas não sabem como ultrapassar obstáculos; há os que sabem como ultrapassar obstáculos, mas não conhecem o caminho; há os que não sabem nem uma, nem outra coisa, mas têm coragem de conduzir outros”. Comentário: “Dirigente não é chefe, é líder!”
  • 5. Definição de Liderança O significado de uma mensagem é a mudança que ela produz na imagem (Kenneth Boulding, em “Conhecimentos na Vida e na Sociedade”) Liderança é um processo pelo qual uma pessoa influencia outras para realizar um objectivo e direccionar uma organização por forma a torná-la mais coesa e mais coerente. Esta definição é similar à definição de Northouse (2007, p3), que diz que “A liderança é um processo pelo qual um indivíduo influencia um grupo de indivíduos para alcançar um objectivo comum”.
  • 6. Os líderes realizam este processo através da aplicação dos seus conhecimentos e das suas habilidades. Isso é denominado Process Leadership (i.e. Processo de liderança) por Jago (1982). No entanto, sabe-se que existem características que podem influenciar as acções, ou seja, The Trait Leadership (i.e. Características da Liderança) de Jago (1982), porque antes acreditava-se que os líderes já nascem líderes.
  • 7. No entanto, as habilidades e os conhecimentos aplicados podem ser influenciados por atributos e características (como sejam: crenças, valores, ética e carácter). Enquanto os conhecimentos e as habilidades contribuem, directamente, para o “processo” de liderança, os outros atributos dão ao líder certas características que fazem dele (dela) único(a).
  • 8. Factores de liderança Segundo o Exército dos EUA (1983), existem quatro factores de habilidade, conhecimento e atributo que fazem um líder: - O Líder em si - Os Seguidores - A Comunicação - A Situação
  • 9. 1. Líder Ter uma compreensão honesta de quem é, do que você sabe, e do pode fazer. Facto importante: São os seguidores, e não o líder, que determinam se o líder é bem-sucedido ou não, pois se não estes não confiam, haverá pouca inspiração. Para ter sucesso o líder tem de convencer os seus seguidores, e não a ele mesmo ou aos seus superiores, que merece ser seguido.
  • 10. 2. Seguidores Pessoas diferentes requerem diferentes estilos de liderança. O dirigente deve conhecer: O seu “povo” - o ponto de partida fundamental é ter uma boa compreensão da natureza humana, como sendo as necessidades, as emoções e o grau de motivação; Os atributos dos seus seguidores, como sendo o seu SER, SABER e FAZER.
  • 11. 3. Comunicação Dirigir utilizando uma comunicação bi-direcional. Muito disso é não-verbal. Ou seja, é necessário mostrar que tudo o que está a transmitir para ser realizado, o dirigente estaria disposto a fazer. A forma e o conteúdo do comunicado pode construir ou prejudicar o relacionamento.
  • 12. 4. Situação Cada situação é única. O que se faz numa situação nem sempre é aplicável numa outra. Deve-se usar o julgamento para decidir o melhor curso de acção e o estilo de liderança aplicável em cada situação. Exemplo: Pode ser necessário enfrentar um seguidor por comportamento inadequado, mas se o confronto é demasiado tarde ou cedo, demasiado severo ou fraco, os resultados podem revelar-se ineficazes. Entre a situação e as características, normalmente a situação tem um efeito maior sobre a acção do líder. Isto porque (Mischel, 1968), enquanto as características podem ter grande estabilidade ao longo do de tempo, elas têm pouca consistência nas situações .
  • 13. Forças que afectam esses factores As forças que afectam esses quatro factores são: - o relacionamento do líder com os seus superiores; - a habilidade (capacidade) dos seus seguidores; - os líderes informais na organização, e - como a sua associação (clube, …) está organizada.
  • 14. Chefe ou Líder? Segundo Rowe (2007), apesar de estar na posição de gerente, supervisor, líder, ou outro, o poder de autoridade atribuído para realizar determinadas tarefas e objectivos da organização (Assigned Leadership) não faz de ninguém líder, mas sim chefe; Liderança é diferente, pois os adeptos querem alcançar metas elevadas (Emergent Lidership), e não, simplesmente, chefiar por chefiar.
  • 15. Teoria de Liderança de Bass A teoria de Bass diz que, dos estados de liderança, existem três maneiras básicas para explicar como as pessoas se tornaram líderes (Stogdill, 1989; Bass, 1990): Os dois primeiros explicam o desenvolvimento de liderança para um pequeno número de pessoas. Algumas características na personalidade podem levar as pessoas, naturalmente, a papéis de liderança - Teoria das características.
  • 16. Uma crise ou um evento importante pode levar uma pessoa a subir para a ocasião, que traz à tona as qualidades de liderança extraordinária de uma pessoa comum. Esta é a teoria dos grandes acontecimentos. As pessoas podem optar por se tornar líderes a estudar e a aprender habilidades de liderança. Esta é a Teoria da Liderança TransformacionalEsta é a Teoria da Liderança Transformacional Modernamente, é a mais aceite.
  • 17. Modelos de Liderança Os seguintes modelos ajudam a entender porque os líderes agem do modo o fazem, com comportamentos de liderança em quatro tipos de quadros: estrutural,de recursos humanos, político e simbólico (Bolman e Deal, 1991). Nota importante: Qualquer destes estilos pode ser eficaz ou ineficaz, dependendo da situação. Basear apenas em uma dessas abordagens seria inadequado, pois, por exemplo, durante uma mudança numa organização grande, um estilo de liderança estrutural pode ser mais eficaz que outro. No entanto, cada um de nós tende a ter uma abordagem preferida. Precisamos estar conscientes desta em todos os momentos e estar ciente das limitações de apenas favorecer uma aproximação.
  • 18. Modelos de Liderança Os seguintes modelos ajudam a entender porque os líderes agem do modo o fazem, com comportamentos de liderança em quatro tipos de quadros: estrutural,de recursos humanos, político e simbólico (Bolman e Deal, 1991). Nota importante: Qualquer destes estilos pode ser eficaz ou ineficaz, dependendo da situação. Basear apenas em uma dessas abordagens seria inadequado, pois, por exemplo, durante uma mudança numa organização grande, um estilo de liderança estrutural pode ser mais eficaz que outro. No entanto, cada um de nós tende a ter uma abordagem preferida. Precisamos estar conscientes desta em todos os momentos e estar ciente das limitações de apenas favorecer uma aproximação.
  • 19. Quadro Estrutural Os líderes estruturais centram-se na estrutura, estratégia, ambiente, execução, experimentação e adaptação: Numa situação de liderança eficaz: o líder é um arquitecto social, cujo estilo de liderança é a análise e design; Numa situação de liderança ineficaz: o líder é um pequeno tirano, cujo estilo de liderança é obter mais detalhes.
  • 20. Quadro de Recursos Humanos Os dirigentes acreditam nas pessoas, comunicam essa crença, são visíveis e acessíveis, capacitam, aumentam a participação, apoiam, compartilham informações, e a decisão tomada se movimenta a jusante, na organização. Numa situação de liderança eficaz, o líder é um catalisador e servo, cujo estilo de liderança é suporte, defesa e capacitação; Numa situação de liderança ineficaz, o líder é uma tarefa simples, cujo estilo de liderança é a abdicação e fraude.
  • 21. Quadro político Os líderes políticos esclarecer o que eles querem eo que eles podem obter, eles avaliam a distribuição de poder e interesses, eles constroem vínculos com outras partes interessadas, a persuasão da primeira utilização, então usar a negociação e coerção somente se necessário. No caso de liderança eficaz, o líder é um advogado, cujo estilo de liderança é da coligação e da construção; Numa situação de liderança ineficaz, o líder é uma pessoa activa, cujo estilo de liderança é a manipulação.
  • 22. Quadro Simbólico A liderança simbólica vê organizações como palcos ou teatros para encenar e impressionar. Os líderes usam símbolos para captar a atenção, tentam enquadrar a experiência através de interpretações de experiências plausíveis. Eles descobrem e comunicam uma visão. Em situação de liderança eficaz, o líder é um profeta, cujo estilo de liderança é a inspiração; Em uma situação de liderança ineficaz, o líder é um fanático ou um idiota, cujo estilo de liderança é fumaça e espelhos.
  • 23. Para reflexão, vou deixar a seguinte pergunta: - Você é dirigente?Você é dirigente? E, para dar a hipótese de responder, vou utilizar a simplicidade de uma ferramenta útil: a Grelha Gerencial.
  • 24. Grelha Gerencial Para descrever com simplicidade a Grelha Gerencial, o quadro Blake and Mouton Managerial (Leadership) Grid (1985) utiliza dois eixos, com uma amplitude de zero a nove: 1."A preocupação em pessoas", segundo o eixo vertical; 2."A preocupação em tarefa ou resultados", segundo o eixo horizontal.
  • 25. Grelha Gerencial Para descrever com simplicidade a Grelha Gerencial, o quadro Blake and Mouton Managerial (Leadership) Grid (1985) utiliza dois eixos, com uma amplitude de zero a nove: 1."A preocupação em pessoas", segundo o eixo vertical; 2."A preocupação em tarefa ou resultados", segundo o eixo horizontal.
  • 27. A maioria das pessoas caem em algum dos lugares perto do centro dos dois eixos - Middle of the Road. Para os extremos, ou seja, com pontuação no extremo da balança, existem quatro tipos de líderes: Autoritário (Forte nas tarefas, fraco nas habilidades das pessoas ) Clube Privado (“basôf”) (Forte nas habilidades das pessoas, fraco nas tarefas ) Empobrecido (Fraco nas tarefas, fraco nas habilidades das pessoas ) Líder de Equipa (Forte nas tarefas, e forte nas habilidades das pessoas )
  • 28. Líder Autoritário (tarefa alta, baixa relação) Este tipo de liderança é orientada para tarefas e cria pressão sobre os seus seguidores (autocrático). É caracterizado por: - Pouco ou nenhum subsídio para a cooperação ou colaboração; - Muito fortes sobre horários; - Esperam que as pessoas fazem o que é dito sem questionar ou debate; - Quando algo der errado, procuram culpados; Intolerantes com o que consideram dissidentes. Resultado: Para os seguidores, é difícil contribuir ou desenvolver
  • 29. Líder de equipa (missão alta, relação alta) Esta é a liderança pelo exemplo positivo. Os líderes esforçam-se para promover um ambiente de equipe entre todos os membros da equipa, para poderem atingir o seu potencial máximo, tanto como os membros da equipe e como pessoas: incentivam a alcançar as metas da equipe de forma tão eficaz quanto possível; trabalham incansavelmente para fortalecer os vínculos entre os diversos membros.
  • 30. Líder Clube Privado (tarefa baixa, relação alta) Essa pessoa usa predominantemente recompensa de energia para manter a disciplina e para incentivar a equipe a atingir seus objectivos. Por outro lado, eles são quase incapazes de empregar legitimamente os maiores poderes punitivos e coercivos. Esta incapacidade resulta do medo que o uso de tais poderes poderia prejudicar as relações com os outros membros da equipe.
  • 31. Líder Empobrecido (tarefa baixa, relação baixa) É o líder que usa o estilo de gestão "delegar e desaparecer". Quando não está comprometido com a realização de tarefas ou qualquer manutenção, essencialmente, permite aos seguidores fazerem o que bem lhes apetece (“laisser faire”). Se separar do processo da equipe. Permite o aparecimento de lutas pelo poder.
  • 32. Claro que o lugar ideal (desejável, se for o caso) para um líder a ocupar ao longo dos dois eixos da Grelha Gerencial, na maioria das vezes, seria um 9 na tarefa e um 9 sobre as pessoas - o líder de equipa. No entanto... ...Isso não é assim tãããooo fácil! Mas, se a resposta à pergunta anterior foi positiva, qual deles, afinal, é o seu tipo????
  • 33. Liderança Total Pergunta: Mas, o que faz uma pessoa querer seguir “dirigente”? Resposta: As pessoas querem ser guiadas pelo respeito que têm pelo sentido claro de direcção. Para ganhar o respeito, exigem o que julgam ser ético. O sentido de direcção é visto quando é transmitido uma forte visão do futuro.
  • 34. Quando uma pessoa está decidida se ela te respeita como um líder: Ela não pensa nos teus atributos; Ela observa o que você faz, para que ela possa saber quem você realmente é; Ela usa essa observação para saber se você é um líder honrado e confiável, ou uma pessoa egoísta que desrespeita a autoridade da boa aparência para ser promovido. Conclusão: Os líderes “sel-service” não são tão eficazes porque os seus seguidores apenas tendem a obedecê-los, não segui-los. Tiveram sucesso em detrimento dos seus seguidores.
  • 35. As bases de uma boa liderança são carácter, honra e capacidade para prestar um serviço desinteressado a uma organização. Aos olhos dos seus seguidores, a sua liderança é tudo o que você faz para os objectivos e o bem-estar da organização. Os líderes respeitados concentram-se em: o que são [SER] (tais como crenças e carácter); o que sabem [SABER] (como trabalho, tarefas e natureza humana); o que fazem [FAZER ] (como implementar, motivar e fornecer orientação).
  • 36. Pergunta: Mas, o que “raio” faz uma pessoa querer transformar-se em líder? Resposta: As pessoas querem ser guiados por esse respeito por aqueles que têm um sentido claro (éctico) de direcção. Isso é aceite quando se transmite uma forte visão do futuro. De acordo com um estudo do Hay Group, consultoria global de gestão nos EUA, existem 75 componentes- chave da satisfação de seguidores (Lamb, McKee, 2004). Mas, relata o estudo que: “a confiança na liderança de topo é o “indicador” mais confiável de satisfação para os elementos de uma organização”.
  • 37. Uma comunicação eficaz por parte da liderança com três áreas críticas é a chave para: Conquistar a confiança organizacional; Ajudar os seguidores a entender a estratégia global das actividades; Ajudar os colaboradores a entender como contribuir para os objectivos; Compartilhar informações com os seguidores, quer na “performance” do grupo como um todo, quer no que respeita aos avanços de uma determinada parte do grupo, em relação aos objectivos estratégicos do negócio a que o grupo está envolvido. Resumindo: “O dirigente deve ser confiável e ser capaz de comunicar uma visão clara sobre a organização: de onde vem, e para onde precisa ir.”
  • 38. Princípios da Liderança Segundo o Exército dos EUA (1983), para ajudar ao SER, SABER e FAZER, devem ser seguidos os onze princípios de liderança: 1. Conhecer a si mesmo e procurar o auto- aperfeiçoamento - A fim de conhecer a si mesmo, tem de compreender o seu ser, saber e fazer, e atributos; Procurar o auto- aperfeiçoamento reforçando continuamente os seus atributos (Isso pode ser feito através de auto-estudo, aulas formais, reflexão e interacção com outras pessoas) 2. Ser tecnicamente competente - Como líder, você deve conhecer o seu trabalho e ser familiar com as sólidas tarefas dos seus seguidores;
  • 39. 3. Procura as responsabilidades e assumir a responsabilidade pelas suas acções - Procurar estratégias para elevar a organização para novos patamares; Quando as coisas derem errado (acontece sempre, mais cedo ou mais tarde) não culpar os outros: analisar a situação, tomar medidas correctivas, e passar para o próximo desafio; 4. Tomar as decisões acertadas e oportunas – Utilizar bom problema resolução, tomada de decisão e ferramentas de planeamento; 5. Dar exemplos - Seja um bom modelo para os seus seguidores – As pessoas não devem apenas ouvir o que devem fazer, mas também ver;
  • 40. 6. Conhecer os seus e olhar para o seu bem-estar - Conhecer a natureza humana e a importância da sinceridade de cuidar de seus trabalhadores; 7. Manter os seus seguidores informados - Saber comunicar não só com eles, mas também com os mais idosos e outras pessoas-chave; 8. Desenvolver o sentido de responsabilidade no seu trabalho - Ajuda a desenvolver bons traços de carácter que irão ajudá-los a assumir as suas responsabilidades; 9. Garantir que as tarefas são entendidas, supervisionadas e realizadas - A comunicação é a chave para essa responsabilidade;
  • 41. 10. Formar em equipa - Apesar de muitos líderes chamarem a sua organização, departamento, secção, etc, de “uma equipe”, não são realmente equipas, são apenas um grupo de pessoas no seu trabalho; 11. Utilizar os recursos de sua organização - Ao desenvolver um espírito de equipa, você será capaz de utilizar a sua organização, departamento, secção, etc, em benefício da sua plena capacidade.
  • 42. Atributos da Liderança Uma estrutura de liderança é guiada por: SER... ...SABER ...FAZER.
  • 43. SERSER Ser profissionalSer profissional (fiel à organização, executar o serviço altruísta, assumir a responsabilidade pessoal, honestidade, competência, compromisso, integridade, coragem, frontalidade, imaginação)
  • 44. SABERSABER Conhecer os quatro factores de liderança (seguidor, líder, comunicação, situação); Conhecer-se a si mesmo (pontos fortes e fracos do seu carácter, conhecimento e habilidades); Conhecer a natureza humana (as necessidades humanas, as emoções, a reacção ao “stress”); Conhecer o seu trabalho (competente e capaz de treinar outros); Conhecer a organização (onde encontrar ajuda, o clima e a cultura, quais os líderes não-oficiais);
  • 45. FAZERFAZER Dar indicações (definir metas, resolver problemas, tomar decisão, planificar); Implementar (comunicar, coordenar, supervisionar, avaliar); Motivar (desenvolvimento moral e espírito de organização, formação, guiar, aconselhar).
  • 46. O processo de boa Liderança Os caminhos para uma boa liderança (Kouzes e Posner, 1987), comuns aos líderes de sucesso, passam por:
  • 47. Desafiar o processo - Em primeiro lugar, encontrar um processo que, na óptica do líder, precisa ser melhorado; Inspirar uma visão compartilhada – a seguir, compartilhar a visão em palavras que podem ser compreendidos por seus seguidores; Capacitar os outros para agir - Dê-lhes as ferramentas e os métodos para resolver o problema.
  • 48. Modelar o caminho - Quando o processo se torna difícil, sujar as mãos. Um chefe diz aos outros o que fazer, o líder mostra que pode ser feito; Motivar - partilhar a glória com o coração dos seus seguidores, mantendo as dores dentro do seu próprio.
  • 49. Mas... Acreditem que... Isso não é nada fácil!Isso não é nada fácil!
  • 50. E, para terminar... Deixo para reflexão o conteúdo de alguns estratos de algumas crónicas que tive a oportunidade de ler e que achei pertinente partilhar.
  • 52. Considerações finais “A crise do dirigismo desportivo popular, actualmente tão referida, possui contornos estranhos ou, no mínimo, contraditórios. Desde há várias décadas, talvez a partir do final da 2.ª Grande Guerra, que muitos afirmam que o dirigente desinteressado, eleito pela assembleia geral do clube, mais ou menos participada, para gerir os seus destinos, está condenado a desaparecer”. (Sublinhado meu)
  • 53. “É frequente a referência à falta de elementos para se construir uma direcção de um clube, a ameaça dos directores em exercício «entregarem» as chaves e o número de abandonos em diferentes momentos do mandato das direcções ser elevado”. Mas na hora da responsabilidade e ajuda, os “dirigentes” desaparecem! (Comentário meu) Semelhança ou coincidência?
  • 54. “É fundamental que se tome em consideração que os valores determinantes e justificadores do associativismo são, em larga medida, comuns aos do trabalho: a necessidade de participar e intervir na definição de objectivos e processos de acção; a solidariedade que se deve manifestar entre os indivíduos, a vontade de progredir e melhorar as condições de vida; o exercício da justiça assente na igualdade de direitos tomando em consideração a desigualdade das situações, etc.” (Sublinhado meu)
  • 55. “O estado de espírito que caracteriza o dirigente desportivo voluntário do clube popular não é diferente daquele que caracteriza o trabalhador: inquietação quanto ao futuro, descrença no real valor das decisões políticas para a resolução dos problemas, e, acima de tido, falta de meios de toda a ordem”. (Sublinhado meu)
  • 57. Ei, Psst! Acorda, lá! Acabou. Não foi assim tão mau, pois não?