SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 16
Análise de Sobrevivência de
Kaplan-Meier
1. Conceito........................................................................................... 2
2. Contextos de Utilização ...................................................................... 3
3. As Observações Censuradas ............................................................... 4
4. Caso Prático ..................................................................................... 5
5. Execução do Teste de Kaplan-Meier ..................................................... 6
6. Análise dos Resultados do Teste.......................................................... 8
7. Comparação de Curvas de Sobrevivência ............................................10
8. Exemplo de Comparação de Curvas de Sobrevivência ...........................11
9. Condições e Pressupostos de Utilização ...............................................15
© Rosário Cação - EVOLUI.COM
rosario@evolui.com
1. Conceito
O teste de Kaplan-Meier (1958) é um método não paramétrico baseado em dados
quantitativos que gera uma função de distribuição no tempo até à ocorrência de um
determinado evento.
Essa distribuição é chamada distribuição de sobrevivência porque permite
estimar o tempo de sobrevivência além de determinados momentos no tempo.
A mais valia da análise de sobrevivência coloca-se quando existem sujeitos que
nunca atingiram o evento, e que são denominados observações censuradas.
Vamos ver mais tarde este conceito de observações censuradas mas para já,
vamos imaginar que todos os casos de uma amostra dizem respeito a pessoas que
morreram de uma determinada doença. Se fizermos a análise de sobrevivência, os
resultados vão ser os mesmos que obteriamos se fizéssemos uma análise
descritiva. Em situações deste género, em que todos os sujeitos morreram, a
análise de sobrevivência fornece dados iguais à análise descritiva. A análise de
sobrevivência só é uma mais valia quando existem sujeitos que ainda não
morrreram, ou, genericamente, quando ainda não atingiram o evento.
2. Contextos de Utilização
A análise de Kaplan-Meier baseia-se no conceito de tempo até um determinado
evento.
Em contextos médicos, o evento utilizado é frequentemente a morte do paciente.
Nesse contexto, o teste pode ser usado, por exemplo, para determinar o tempo
médio de vida de uma pessoa com uma determinada doença. O conceito de evento
não precisa, no entanto, de ser a morte ou a doença. Ele pode ser algo positivo
como a remissão ou a recuperação.
A análise de sobrevivência é usada para vários fins e diversos eventos dentro da
área médica, como, por exemplo, para estimar:
• O tempo de vida que têm os portadores de uma determinada doença;
• O tempo que demora até à reincidência ou reaparecimento de uma
determinada doença;
• O tempo que demora uma determinada doença a desenvolver-se. ou
• O tempo que demora um paciente a passar do estado de vigilância de
uma determinada doença até iniciar o tratamento contra essa doença.
Mas esta análise de sobrevivência pode ser usada em muitas outras áreas e em
eventos do dia-a-dia.
Por exemplo, na área da economia e da gestão, o teste pode ser usado para:
• Determinar o tempo médio que os licenciados e os não licenciados
demoram a encontrar um emprego depois de ficarem desempregados ou
determinar o tempo médio até os recém-licenciados encontrarem o
primeiro emprego; Nestes casos, encontrar emprego é o evento.
• Determinar o tempo médio que um fica em stock sem ser vendido. Aqui,
o evento é o produto ser vendido.
Na área da engenharia, o teste é usado por exemplo para:
• Determinar o tempo médio de duração de um material; ou
• Estimar o tempo de produção de uma máquina até à próxima avaria;
Existem ainda muitas outras aplicações desta análise noutras áreas. Por exemplo:
• Na banca, esta análise pode ser utilizada para analisar os prazos de
reembolso total de um empréstimo.
• Nos seguros, a análise de sobrevivência é usada para avaliar a
rentabilidade das apólices e portanto determinar os prémios dos seguros.
• Na sociologia, a análise de sobrevivência é usada para avaliar o tempo
médio que um adulto demora a casar-se ou a determinar quantos anos
mantém o casamento. Neste caso, o divórcio é o evento que está a ser
avaliado.
3. As Observações Censuradas
São consideradas observações censuradas os casos em que:
• O evento ainda não ocorreu;
• O sujeito deixou de ser acompanhado (por exemplo, desistiu do
tratamento, deixou de prestar informações ou deixou de permitir ser
acompanhado);
• Foram feitas outras intervenções (ou seja, foram introduzidos outros
factores); ou
• O evento ocorreu mas de causas não relacionadas (por exemplo, a
pessoa morreu mas não da doença que estava a ser estudada).
Os dados censurados geralmente são representados por uma estrela, asterisco ou
simbolo 'mais'.
Todas as observações da amostra devem ser classificadas em censuradas ou não
censuradas. Os casos censurados devem ser codificados com 0 e os não censurados
com 1. Por exemplo, num caso de um estudo médico, o 1 seria usado para codificar
os casos de pessoas que tinham morrido efectivamente da doença e o 0 os
restantes casos.
A percentagem de casos censurados geralmente é um indicador de qualidade
destes testes. Idealmente, a análise de sobrevivência deve ser feita quando se
garante que cerca de metade dos dados são censurados e a outra metade
atingiram o evento.
4. Caso Prático
Vamos supor que foram analisados 25 casos e que foram recolhidos os seguintes
dados:
• O tempo, em meses, até à morte ou até ao final do estudo (variável survival
time);
• O estado, sendo que 1 é se morreram da doença e 0 nos restantes casos
(variável status).
Sujeito Survival
time
Status
1 1 0
2 5 0
3 6 1
4 6 1
5 9 0
6 10 1
7 10 1
8 10 0
9 12 1
10 12 1
11 12 1
12 12 1
13 12 0
14 13 0
15 15 0
16 16 0
17 20 0
18 24 1
19 24 0
20 27 0
21 32 1
22 34 0
23 36 0
24 36 0
25 44 0
Fonte: Adaptado de Chan (2004)
5. Execução do Teste de Kaplan-Meier
O acesso ao teste é feito pelo menu Analisar > Sobrevivência > Kaplan-Meier.
No campo Tempo coloca-se a variável survival_time e no campo Status a variável
status. Nesta última variável, deve-se seleccionar "definir evento" e indicar que ele
tem o valor único de 1.
Nas opções, relativamente às estatísticas, deve-se também seleccionar as
estatísticas das tabelas de sobrevivência e a sobrevivência de média e mediana.
Relativamente aos gráficos, deve-se seleccionar o gráfico de sobrevivência.
6. Análise dos Resultados do Teste
Os resultados começam por indicar que a média e mediana de sobrevivência. Neste
caso específico, o tempo médio de sobrevivência é 28,5 meses.
Na curva de sobrevivência, os tracinhos representam os dados censorados
enquanto que os traços verticais representam os dados não censurados (ou seja,
que atingiram o evento).
A tabela de sobrevivência indica, por exemplo, que:
• 91.3% sobrevivem 6 meses
• 82.2% sobrevivem 7 meses
• Só sobrevivem 18 meses 55% dos pacientes
7. Comparação de Curvas de Sobrevivência
O teste de Kaplan-Meier também pode ser usado, por exemplo, para comparar a
eficácia de dois ou mais tipos de tratamento.
Por exemplo, podem ser definidos como objectivos do estudo:
• Determinar se um determinado medicamento ou protocolo médico tem
efeito na taxa de sobrevivência dos doentes e se é mais eficaz que
outro.
• Determinar se o tempo (ou a distribuição do tempo) que decorre até
ocorrer uma determinada doença difere do tipo de estilo de vida da
pessoa, da sua idade e de outros factores.
Nestes casos, vai haver um factor de comparação. No primeiro, o factor vai ser
os tipos de medicamentos que foi utilizada. O teste vai comparar a distribuição de
sobrevivência entre, por exemplo, 4 tipos de medicamentos e determinar se a sua
eficácia é igual. No caso da sua eficácia não ser semelhante, o teste dá indicações
que um determinado medicamento é mais eficaz que outro.
No caso de se utilizar apenas um medicamento mas com doses diferentes, a
dosagem seria o factor de comparação.
No segundo caso, o factor estilo de vida poderia ter três grupos de pessoas: os
desportistas, os semi-activos e os sedentários. O teste indicaria se as distribuições
de sobrevivência são diferentes para cada estilo de vida e que diferenças existem.
Esta opção de comparação de grupos também pode ser usada quando existem
grupos de controlo.
8. Exemplo de Comparação de Curvas de
Sobrevivência
Vamos então supor que, para cada sujeito, foi indicado o tipo de tratamento a que
foi sujeito. A variável factor espelha o tipo de tratamento: Os sujeitos a quem foi
administrado um tratamento são codificados com 1 e aqueles a quem foi
administrado outro tipo de tratamento são codificados com 2.
Sujeito Survival
time
Status Factor
1 1 0 1
2 5 0 2
3 6 1 2
4 6 1 2
5 9 0 1
6 10 1 2
7 10 1 2
8 10 0 2
9 12 1 2
10 12 1 2
11 12 1 1
12 12 1 1
13 12 0 2
14 13 0 1
15 15 0 1
16 16 0 1
17 20 0 1
18 24 1 2
19 24 0 2
20 27 0 1
21 32 1 2
22 34 0 1
23 36 0 1
24 36 0 2
25 44 0 1
Ao configurar o teste, deve-se colocar a variável factor no campo Factor e
configurar as opções de Comparação de Factores como indicado na imagem.
As tabelas de sobrevivência são agora apresentadas distinguindo os dois factores:
O gráfico das curvas de sobrevivência espelha esses dados e permite-nos logo
verificar visualmente a eficácia das intervenções. Neste gráfico pode-se observar se
as curvas têm um formato semelhante ou se uma curva está acima ou abaixo das
restantes.
Ao comparar as curvas, o grupo que tiver uma curva de sobrevivência mais acima é
considerado melhor, ou seja, espelha uma intervenção mais eficaz. Interpretando
ao contrário, quanto mais eventos ocorrerem (neste caso, mortes), com tudo o
resto constante, mais baixa será a curva.
Neste caso em concreto, o factor 1 tem uma distribuição de sobrevivência mais
favorável e portanto leva-nos a crer que será um tratamento mais eficaz. No
entanto, o ideal é complementar esta análise visual com a tabela das médias e
medianas do tempo de sobrevivência e os respectivos intervalos de confiança.
Existem três testes que podem ser usados para testar se as funções de
sobrevivencia são iguais: o log rank test, o Breslow test e o Tarone-Ware test.
Estes testes comparam a diferença ponderada entre o número de eventos
observados (i.e. mortes, encontrar emprego, voltar a fumar, etc.) e o número de
eventos esperados em cada momento do tempo. A diferença entre os testes reside
na forma como eles poderam essas diferenças. É comum todos estes testes
levarem à mesma conclusão mas a escolha do teste específico a usar deve ser
baseada nas diferenças que se esperam nas distribuições de sobrevivência.
Estes testes testam a hipótese nula de que não há diferenças nas distribuições de
sobrevivencia entre os grupos, na população.
Neste caso concreto, com um p-value = 0,022 < 0,05 no log rank, podemos
assumir que há diferenças de eficácia nos dois tratamentos. Ou seja, rejeita-se a
hipótese nula de o evento (a morte) ocorrer no mesmo prazo quando comparados
os dois tipos de tratamentos.
O tratamento 1 revelou-se mais eficaz. Repare-se na média da sobrevivência (37,6
meses vs. 19,95) e no número de mortes (2 vs. 8 quando um grupo tinha 12 e o
outro 13 observações).
Ao reportar os dados desta comparação, dir-se-ia então: Um teste de log rank foi
efectuado para determinar se existem diferenças na distribuição de sobrevivência
entre dois tipos de tratamento: x e y. As distribuições de sobrevivência para as
duas intervenções são estatísticamente diferentes X2
(1) = 5.219, p <.005
9. Condições e Pressupostos de Utilização
O teste de Kaplan-Meier tem vários pressupostos que têm de ser assegurados
(Laerd, 2015).
1. O estado do evento consiste em apenas dois estados mutuamente exclusivos:
o evento e os censurados. O evento pode ser a morte, a operação, a reincidência
da doença, a avaria da máquina, o encontrar emprego, etc. Estes dois estados são
mutuamente exclusivos porque cada caso só pode ou ter ocorrido ou ser censurado
e não pode ser as duas coisas ao mesmo tempo. Os eventos são também
colectivamente exaustivos. Isso significa que todos os casos têm de ser
classificados num destes estados. Por exemplo, se se estiver a fazer um estudo de
10 anos na área do cancro, é necessário classificar todos os casos em censurados
ou morte.
2. O tempo para o evento ou a censura (também conhecida como tempo de
sobrevivência) deve estar definido e deve ser medido com precisão. Isto significa
por exemplo nos estudos clínicos, que a data da última consulta deve ser registada
em termos de dia e ano assim como a data do óbito, no caso do sujeito ter falecido.
3. A censura a montante deve ser minimizada. Esta censura ocorre quando o
ponto de partida - a data do início da experiência não é facilmente identificada. Por
exemplo, no caso de um estudo clínico sobre uma doença, o ideal seria identificar o
momento em que a doença se desenolveu. No entanto, geralmente apenas se
conhece a data em que ela foi diagnosticada. Pode-se ter aqui situações em que
uma doença só foi diagnosticada quando já estava em estado avançado e outra em
que o paciente estava em vigilância e fazia diagnósticos periódicos e entretanto a
doença se desenvolveu. Geralmente o que se consegue obter é o tempo de
sobrevivência observado e não propriamente o real. Este desvio é conhecido como
a censura a montante (left censoring) e deve ser minimizado.
4. A censura deve ser independente do evento, ou seja, quando se regista um
sujeito como censurado deve ser porque a) o sujeito desistiu do estudo ou b) na
data de fim do estudo o evento não tinha ocorrido. Por exemplo, ao fim de 5 anos
do estudo, o sujeito continuava vivo.
5. Não devem existir alterações estruturais no estudo, conhecidas como secular
trends ou secular changes. Uma característica comum dos estudos em que se usa a
análise de sobrevivência é que não só decorre um longo período entre o início e o
fim da experiência mas os participantes também não iniciaram a experiência - ou o
tratamento - ao mesmo tempo e muitas vezes até se demora bastante tempo a
recrutar ou seleccionar os sujeitos que integrarão o estudo. Os participantes no
estudo não terão sido diagnosticados com a doença ao mesmo tempo, pelo que a
data de início do estudo será a data de diagnóstico mais antiga entre todos os
participantes. Pode acontecer existirem factores que afectem a probabilidade de
ocorrência do evento e isso causa desvios no estudo. Por exemplo, a taxa de morte
pode ter-se reduzido em virtude da introdução de novos medicamentos ou da
alteração do protocolo de tratamento, o que aumentaria a taxa de sobrevivência
dos sujeitos que fossem adicionados ao estudo mais tarde (i.e. reduzindo o right-
censoring, ou censura a juzante). Também pode ter sido introduzidas alterações
por exemplo nos planos de diagnóstico que tenham provocado diagnósticos mais
rápidos e mais precoses, o que pioria as taxas de sobrevivência dos particpantes
que se teriam adicionado ao estudo mais cedo, antes dessas alterações (i.e.
reduzindo o left-censoring, ou censura a montante). Estes factores (novos
tratamentos, melhor diagnóstico) são exemplos de secular trends que podem criar
desvios nos resultados.
6. Deve existir uma quantidade e padrão semelhante de casos censurados
por grupo. Isto porque o teste de Kaplan-Meier baseia-se na ideia de que o a
censura é igual em todos os grupos testado, em termos de quantidade e padrão.
Quando este critério não é assegurado, podem ser retiradas conclusões falas sobre
as distribuições de sobrevivência. Para garantir o cumprimento deste pressuposto,
deve-se calcular a percentagem de casos censorados por grupo, para determinar a
quandidade de censura e produzir um gráfico de pontos (scatterplot) para verificar
o padrão da censura.
Referências:
Chan, Y. H. (2004). Biostatistics 203 - Survival Analysis. Singapure Med Journal, 45(6), 249.
Kaplan, E., & Meier, P. (1958). Nonparametric estimation from incomplete observations.
Journal of the American Statistical Association 53(282), 457-481.
Laerd. (2015). Kaplan-Meier Using Spss Statistics. Retrieved from https://statistics.laerd.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Testes parametricos e nao parametricos
Testes parametricos e nao parametricosTestes parametricos e nao parametricos
Testes parametricos e nao parametricosRosario Cação
 
Avaliação Global da pessoa idosa na Atenção Básica
Avaliação Global da pessoa idosa na Atenção Básica Avaliação Global da pessoa idosa na Atenção Básica
Avaliação Global da pessoa idosa na Atenção Básica Amanda Amate
 
DISTRIBUIÇÃO DE FREQUÊNCIA - ESTATÍSTICA
DISTRIBUIÇÃO DE FREQUÊNCIA - ESTATÍSTICADISTRIBUIÇÃO DE FREQUÊNCIA - ESTATÍSTICA
DISTRIBUIÇÃO DE FREQUÊNCIA - ESTATÍSTICATiago Maboni Derlan
 
Problema de Pesquisa e Hipóteses Científicas - Profa.Rilva - GESME
Problema de Pesquisa e Hipóteses Científicas - Profa.Rilva - GESMEProblema de Pesquisa e Hipóteses Científicas - Profa.Rilva - GESME
Problema de Pesquisa e Hipóteses Científicas - Profa.Rilva - GESMERilva Lopes de Sousa Muñoz
 
Exercício ESTRATÉGIA pico
Exercício ESTRATÉGIA picoExercício ESTRATÉGIA pico
Exercício ESTRATÉGIA picoBraz Milanez
 
02 populacao e_amostra
02 populacao e_amostra02 populacao e_amostra
02 populacao e_amostraRaul Lima
 
CADERNETA de SAÚDE da ADOLESCENTE - Ministério da Saúde
CADERNETA de SAÚDE da ADOLESCENTE - Ministério da SaúdeCADERNETA de SAÚDE da ADOLESCENTE - Ministério da Saúde
CADERNETA de SAÚDE da ADOLESCENTE - Ministério da SaúdeProf. Marcus Renato de Carvalho
 
Prognóstico, diagnóstico e tratamento
Prognóstico, diagnóstico e tratamentoPrognóstico, diagnóstico e tratamento
Prognóstico, diagnóstico e tratamentoRicardo Alexandre
 
CUIDADOS DE ENFERMAGEM AO PACIENTE ONCOLÓGICO: RELATO DE CASO
CUIDADOS DE ENFERMAGEM AO PACIENTE ONCOLÓGICO: RELATO DE CASOCUIDADOS DE ENFERMAGEM AO PACIENTE ONCOLÓGICO: RELATO DE CASO
CUIDADOS DE ENFERMAGEM AO PACIENTE ONCOLÓGICO: RELATO DE CASOJonathan Sampaio
 

Mais procurados (20)

Testes parametricos e nao parametricos
Testes parametricos e nao parametricosTestes parametricos e nao parametricos
Testes parametricos e nao parametricos
 
O que é PICO e Pico?
O que é PICO e Pico?O que é PICO e Pico?
O que é PICO e Pico?
 
Revisão Sistemática da Literatura
Revisão Sistemática da LiteraturaRevisão Sistemática da Literatura
Revisão Sistemática da Literatura
 
Avaliação Global da pessoa idosa na Atenção Básica
Avaliação Global da pessoa idosa na Atenção Básica Avaliação Global da pessoa idosa na Atenção Básica
Avaliação Global da pessoa idosa na Atenção Básica
 
DISTRIBUIÇÃO DE FREQUÊNCIA - ESTATÍSTICA
DISTRIBUIÇÃO DE FREQUÊNCIA - ESTATÍSTICADISTRIBUIÇÃO DE FREQUÊNCIA - ESTATÍSTICA
DISTRIBUIÇÃO DE FREQUÊNCIA - ESTATÍSTICA
 
Problema de Pesquisa e Hipóteses Científicas - Profa.Rilva - GESME
Problema de Pesquisa e Hipóteses Científicas - Profa.Rilva - GESMEProblema de Pesquisa e Hipóteses Científicas - Profa.Rilva - GESME
Problema de Pesquisa e Hipóteses Científicas - Profa.Rilva - GESME
 
Exercício ESTRATÉGIA pico
Exercício ESTRATÉGIA picoExercício ESTRATÉGIA pico
Exercício ESTRATÉGIA pico
 
Conceitos e ferramentas da Epidemiologia
Conceitos e ferramentas da EpidemiologiaConceitos e ferramentas da Epidemiologia
Conceitos e ferramentas da Epidemiologia
 
Aula 1 de epidemiologia
Aula 1 de epidemiologiaAula 1 de epidemiologia
Aula 1 de epidemiologia
 
02 populacao e_amostra
02 populacao e_amostra02 populacao e_amostra
02 populacao e_amostra
 
Exposição 03 O modelo da Rede de Atenção às Urgências e Emergências
Exposição 03 O modelo da Rede de Atenção às Urgências e EmergênciasExposição 03 O modelo da Rede de Atenção às Urgências e Emergências
Exposição 03 O modelo da Rede de Atenção às Urgências e Emergências
 
Estatistica Basica para Saude Aula 1
Estatistica Basica para Saude Aula 1Estatistica Basica para Saude Aula 1
Estatistica Basica para Saude Aula 1
 
CADERNETA de SAÚDE da ADOLESCENTE - Ministério da Saúde
CADERNETA de SAÚDE da ADOLESCENTE - Ministério da SaúdeCADERNETA de SAÚDE da ADOLESCENTE - Ministério da Saúde
CADERNETA de SAÚDE da ADOLESCENTE - Ministério da Saúde
 
Sae nanda 2013
Sae nanda 2013Sae nanda 2013
Sae nanda 2013
 
Exames de Rotina do Pré-Natal
Exames de Rotina do Pré-NatalExames de Rotina do Pré-Natal
Exames de Rotina do Pré-Natal
 
Manchester triagem
Manchester triagemManchester triagem
Manchester triagem
 
Prognóstico, diagnóstico e tratamento
Prognóstico, diagnóstico e tratamentoPrognóstico, diagnóstico e tratamento
Prognóstico, diagnóstico e tratamento
 
Pesquisa clinica -
Pesquisa clinica - Pesquisa clinica -
Pesquisa clinica -
 
Epidemiologia 1
Epidemiologia 1Epidemiologia 1
Epidemiologia 1
 
CUIDADOS DE ENFERMAGEM AO PACIENTE ONCOLÓGICO: RELATO DE CASO
CUIDADOS DE ENFERMAGEM AO PACIENTE ONCOLÓGICO: RELATO DE CASOCUIDADOS DE ENFERMAGEM AO PACIENTE ONCOLÓGICO: RELATO DE CASO
CUIDADOS DE ENFERMAGEM AO PACIENTE ONCOLÓGICO: RELATO DE CASO
 

Destaque

Qualidade no e-Learning @ Congresso Nacional de Formação Profissional 2014
Qualidade no e-Learning @ Congresso Nacional de Formação Profissional 2014Qualidade no e-Learning @ Congresso Nacional de Formação Profissional 2014
Qualidade no e-Learning @ Congresso Nacional de Formação Profissional 2014Rosario Cação
 
Legislacao da formação profissional
Legislacao da formação profissionalLegislacao da formação profissional
Legislacao da formação profissionalRosario Cação
 
Tabela de vida
Tabela de vidaTabela de vida
Tabela de vidaunesp
 
Requisitos Certificação de Entidades Formadoras
Requisitos Certificação de Entidades FormadorasRequisitos Certificação de Entidades Formadoras
Requisitos Certificação de Entidades FormadorasRosario Cação
 
Theories of Motivation and Other Inspiring Theories
Theories of Motivation and Other Inspiring TheoriesTheories of Motivation and Other Inspiring Theories
Theories of Motivation and Other Inspiring TheoriesRosario Cação
 
Biologia, ecologia e comportamento de irara (Eira barbara Linnaeus, 1758)
Biologia, ecologia e comportamento de irara (Eira barbara Linnaeus, 1758)Biologia, ecologia e comportamento de irara (Eira barbara Linnaeus, 1758)
Biologia, ecologia e comportamento de irara (Eira barbara Linnaeus, 1758)Ricardo Gomes
 
Relatório produção abril vp
Relatório produção abril vpRelatório produção abril vp
Relatório produção abril vpSaude_Camacari
 
Apresentação abril 2014
Apresentação abril 2014Apresentação abril 2014
Apresentação abril 2014Saude_Camacari
 
Rag 2013 final para apresentar ao cms aprovação 13.03
Rag 2013 final para apresentar ao cms aprovação 13.03Rag 2013 final para apresentar ao cms aprovação 13.03
Rag 2013 final para apresentar ao cms aprovação 13.03Saude_Camacari
 
Modelo de Como preencher a Plataforma Brasil
Modelo de Como preencher a Plataforma BrasilModelo de Como preencher a Plataforma Brasil
Modelo de Como preencher a Plataforma BrasilZara Hoffmann
 
Tamanho e densidade
Tamanho e densidadeTamanho e densidade
Tamanho e densidadeunesp
 
FIRE 3 Trail FOLFIRI+Cetuximab Vs FOLFIRI+Bevacizumab
FIRE 3 Trail  FOLFIRI+Cetuximab Vs FOLFIRI+BevacizumabFIRE 3 Trail  FOLFIRI+Cetuximab Vs FOLFIRI+Bevacizumab
FIRE 3 Trail FOLFIRI+Cetuximab Vs FOLFIRI+BevacizumabAhmed Allam
 
Alphabet Soup - Biomarker testing for colon and rectal cancer patients - KRAS...
Alphabet Soup - Biomarker testing for colon and rectal cancer patients - KRAS...Alphabet Soup - Biomarker testing for colon and rectal cancer patients - KRAS...
Alphabet Soup - Biomarker testing for colon and rectal cancer patients - KRAS...Fight Colorectal Cancer
 
Forcing Disruption in b‐Learning Workgroups
Forcing Disruption in b‐Learning WorkgroupsForcing Disruption in b‐Learning Workgroups
Forcing Disruption in b‐Learning WorkgroupsRosario Cação
 
Ecologia - Bruno lopes pdf
Ecologia - Bruno lopes pdfEcologia - Bruno lopes pdf
Ecologia - Bruno lopes pdfBruno Nayane
 
Fitness for Use: Present or Future? Insights on Utility as a Primary Dimensio...
Fitness for Use: Present or Future? Insights on Utility as a Primary Dimensio...Fitness for Use: Present or Future? Insights on Utility as a Primary Dimensio...
Fitness for Use: Present or Future? Insights on Utility as a Primary Dimensio...Rosario Cação
 

Destaque (20)

Qualidade no e-Learning @ Congresso Nacional de Formação Profissional 2014
Qualidade no e-Learning @ Congresso Nacional de Formação Profissional 2014Qualidade no e-Learning @ Congresso Nacional de Formação Profissional 2014
Qualidade no e-Learning @ Congresso Nacional de Formação Profissional 2014
 
Legislacao da formação profissional
Legislacao da formação profissionalLegislacao da formação profissional
Legislacao da formação profissional
 
Taxonomia de Anderson
Taxonomia de AndersonTaxonomia de Anderson
Taxonomia de Anderson
 
Tabela de vida
Tabela de vidaTabela de vida
Tabela de vida
 
Requisitos Certificação de Entidades Formadoras
Requisitos Certificação de Entidades FormadorasRequisitos Certificação de Entidades Formadoras
Requisitos Certificação de Entidades Formadoras
 
Planos de Formação
Planos de FormaçãoPlanos de Formação
Planos de Formação
 
Teste t student
Teste t studentTeste t student
Teste t student
 
Theories of Motivation and Other Inspiring Theories
Theories of Motivation and Other Inspiring TheoriesTheories of Motivation and Other Inspiring Theories
Theories of Motivation and Other Inspiring Theories
 
Biologia, ecologia e comportamento de irara (Eira barbara Linnaeus, 1758)
Biologia, ecologia e comportamento de irara (Eira barbara Linnaeus, 1758)Biologia, ecologia e comportamento de irara (Eira barbara Linnaeus, 1758)
Biologia, ecologia e comportamento de irara (Eira barbara Linnaeus, 1758)
 
Relatório produção abril vp
Relatório produção abril vpRelatório produção abril vp
Relatório produção abril vp
 
Apresentação abril 2014
Apresentação abril 2014Apresentação abril 2014
Apresentação abril 2014
 
Modelos de Análise de Sobrevivência
Modelos de Análise de SobrevivênciaModelos de Análise de Sobrevivência
Modelos de Análise de Sobrevivência
 
Rag 2013 final para apresentar ao cms aprovação 13.03
Rag 2013 final para apresentar ao cms aprovação 13.03Rag 2013 final para apresentar ao cms aprovação 13.03
Rag 2013 final para apresentar ao cms aprovação 13.03
 
Modelo de Como preencher a Plataforma Brasil
Modelo de Como preencher a Plataforma BrasilModelo de Como preencher a Plataforma Brasil
Modelo de Como preencher a Plataforma Brasil
 
Tamanho e densidade
Tamanho e densidadeTamanho e densidade
Tamanho e densidade
 
FIRE 3 Trail FOLFIRI+Cetuximab Vs FOLFIRI+Bevacizumab
FIRE 3 Trail  FOLFIRI+Cetuximab Vs FOLFIRI+BevacizumabFIRE 3 Trail  FOLFIRI+Cetuximab Vs FOLFIRI+Bevacizumab
FIRE 3 Trail FOLFIRI+Cetuximab Vs FOLFIRI+Bevacizumab
 
Alphabet Soup - Biomarker testing for colon and rectal cancer patients - KRAS...
Alphabet Soup - Biomarker testing for colon and rectal cancer patients - KRAS...Alphabet Soup - Biomarker testing for colon and rectal cancer patients - KRAS...
Alphabet Soup - Biomarker testing for colon and rectal cancer patients - KRAS...
 
Forcing Disruption in b‐Learning Workgroups
Forcing Disruption in b‐Learning WorkgroupsForcing Disruption in b‐Learning Workgroups
Forcing Disruption in b‐Learning Workgroups
 
Ecologia - Bruno lopes pdf
Ecologia - Bruno lopes pdfEcologia - Bruno lopes pdf
Ecologia - Bruno lopes pdf
 
Fitness for Use: Present or Future? Insights on Utility as a Primary Dimensio...
Fitness for Use: Present or Future? Insights on Utility as a Primary Dimensio...Fitness for Use: Present or Future? Insights on Utility as a Primary Dimensio...
Fitness for Use: Present or Future? Insights on Utility as a Primary Dimensio...
 

Semelhante a Análise de Sobrevivência de Kaplan-Meier

Trabalho de analise de regressao 2012 trab2
Trabalho de analise de regressao 2012 trab2Trabalho de analise de regressao 2012 trab2
Trabalho de analise de regressao 2012 trab2Samuel Orlando Nhantumbo
 
04 análise crítica de artigos científicos - foco nos ensaios clínicos contr...
04   análise crítica de artigos científicos - foco nos ensaios clínicos contr...04   análise crítica de artigos científicos - foco nos ensaios clínicos contr...
04 análise crítica de artigos científicos - foco nos ensaios clínicos contr...gisa_legal
 
Indicadores de saude
Indicadores de saudeIndicadores de saude
Indicadores de saudeRoselle Matos
 
SLIDE PADRÃO CURSO PARECERISTA-FINAL (1).pptx
SLIDE PADRÃO CURSO PARECERISTA-FINAL (1).pptxSLIDE PADRÃO CURSO PARECERISTA-FINAL (1).pptx
SLIDE PADRÃO CURSO PARECERISTA-FINAL (1).pptxMrcioFlvioArajo
 
modulo_principios_epidemiologia_3.pdf
modulo_principios_epidemiologia_3.pdfmodulo_principios_epidemiologia_3.pdf
modulo_principios_epidemiologia_3.pdffernando738866
 
[Enfermagem] manual procedimentos_enfermagem_-_guia_de_bolso2
[Enfermagem] manual procedimentos_enfermagem_-_guia_de_bolso2[Enfermagem] manual procedimentos_enfermagem_-_guia_de_bolso2
[Enfermagem] manual procedimentos_enfermagem_-_guia_de_bolso2Jairon Jackson
 
Aula2: Planejamento Experimental
Aula2: Planejamento ExperimentalAula2: Planejamento Experimental
Aula2: Planejamento Experimentalansansil
 
Campanha sobrevivendo à sepse 2012 mais atualizado
Campanha sobrevivendo à sepse 2012   mais atualizadoCampanha sobrevivendo à sepse 2012   mais atualizado
Campanha sobrevivendo à sepse 2012 mais atualizadoDaniel Valente
 
Classificação de Risco.pdf
Classificação de Risco.pdfClassificação de Risco.pdf
Classificação de Risco.pdfGlaydson Reis
 
09 avaliação do risco de viés de ensaios pela cochrane
09   avaliação do risco de viés de ensaios pela cochrane09   avaliação do risco de viés de ensaios pela cochrane
09 avaliação do risco de viés de ensaios pela cochranegisa_legal
 
Método de classificação de risco pelo protocolo de manchester
Método de classificação de risco pelo protocolo de manchesterMétodo de classificação de risco pelo protocolo de manchester
Método de classificação de risco pelo protocolo de manchesterAroldo Gavioli
 
Definir e classificar indicadores clí­nicos para a melhoria da qualidade
Definir e classificar indicadores clí­nicos para a melhoria da qualidadeDefinir e classificar indicadores clí­nicos para a melhoria da qualidade
Definir e classificar indicadores clí­nicos para a melhoria da qualidadeFernando Barroso
 
[Wagner,1998]wagner medindo a ocorrencia da doenca prevalencia ou incidencia
[Wagner,1998]wagner medindo a ocorrencia da doenca   prevalencia ou incidencia[Wagner,1998]wagner medindo a ocorrencia da doenca   prevalencia ou incidencia
[Wagner,1998]wagner medindo a ocorrencia da doenca prevalencia ou incidenciaYara Cíntia Vieira e Silva
 
Análise Estatistica Básica_Ensaios Clínicos Controlados
Análise Estatistica Básica_Ensaios Clínicos ControladosAnálise Estatistica Básica_Ensaios Clínicos Controlados
Análise Estatistica Básica_Ensaios Clínicos ControladosPaulo Sérgio
 
MODALIDADES-TERAPÊUTICAS-GERAIS-E-RESOLUÇÃO-DE-CASOS-CLÍNICOS.docx.pdf
MODALIDADES-TERAPÊUTICAS-GERAIS-E-RESOLUÇÃO-DE-CASOS-CLÍNICOS.docx.pdfMODALIDADES-TERAPÊUTICAS-GERAIS-E-RESOLUÇÃO-DE-CASOS-CLÍNICOS.docx.pdf
MODALIDADES-TERAPÊUTICAS-GERAIS-E-RESOLUÇÃO-DE-CASOS-CLÍNICOS.docx.pdfJonesCerqueira3
 
Como motivar usuarios de risco
Como motivar usuarios de riscoComo motivar usuarios de risco
Como motivar usuarios de riscoFlora Couto
 
Compra de Serviços Hospitalares e de Atenção Primária
Compra de Serviços Hospitalares e de Atenção PrimáriaCompra de Serviços Hospitalares e de Atenção Primária
Compra de Serviços Hospitalares e de Atenção PrimáriaGesaworld do Brasil
 
2012 cma prevenção quaternaria
2012 cma prevenção quaternaria2012 cma prevenção quaternaria
2012 cma prevenção quaternariaLeonardo Savassi
 
aula - diagnostico de situação.pptx
aula - diagnostico de situação.pptxaula - diagnostico de situação.pptx
aula - diagnostico de situação.pptxMayaraPereira87
 

Semelhante a Análise de Sobrevivência de Kaplan-Meier (20)

Trabalho de analise de regressao 2012 trab2
Trabalho de analise de regressao 2012 trab2Trabalho de analise de regressao 2012 trab2
Trabalho de analise de regressao 2012 trab2
 
04 análise crítica de artigos científicos - foco nos ensaios clínicos contr...
04   análise crítica de artigos científicos - foco nos ensaios clínicos contr...04   análise crítica de artigos científicos - foco nos ensaios clínicos contr...
04 análise crítica de artigos científicos - foco nos ensaios clínicos contr...
 
Indicadores de saude
Indicadores de saudeIndicadores de saude
Indicadores de saude
 
SLIDE PADRÃO CURSO PARECERISTA-FINAL (1).pptx
SLIDE PADRÃO CURSO PARECERISTA-FINAL (1).pptxSLIDE PADRÃO CURSO PARECERISTA-FINAL (1).pptx
SLIDE PADRÃO CURSO PARECERISTA-FINAL (1).pptx
 
modulo_principios_epidemiologia_3.pdf
modulo_principios_epidemiologia_3.pdfmodulo_principios_epidemiologia_3.pdf
modulo_principios_epidemiologia_3.pdf
 
[Enfermagem] manual procedimentos_enfermagem_-_guia_de_bolso2
[Enfermagem] manual procedimentos_enfermagem_-_guia_de_bolso2[Enfermagem] manual procedimentos_enfermagem_-_guia_de_bolso2
[Enfermagem] manual procedimentos_enfermagem_-_guia_de_bolso2
 
Aula2: Planejamento Experimental
Aula2: Planejamento ExperimentalAula2: Planejamento Experimental
Aula2: Planejamento Experimental
 
Campanha sobrevivendo à sepse 2012 mais atualizado
Campanha sobrevivendo à sepse 2012   mais atualizadoCampanha sobrevivendo à sepse 2012   mais atualizado
Campanha sobrevivendo à sepse 2012 mais atualizado
 
Classificação de Risco.pdf
Classificação de Risco.pdfClassificação de Risco.pdf
Classificação de Risco.pdf
 
Guia ciap2
Guia ciap2Guia ciap2
Guia ciap2
 
09 avaliação do risco de viés de ensaios pela cochrane
09   avaliação do risco de viés de ensaios pela cochrane09   avaliação do risco de viés de ensaios pela cochrane
09 avaliação do risco de viés de ensaios pela cochrane
 
Método de classificação de risco pelo protocolo de manchester
Método de classificação de risco pelo protocolo de manchesterMétodo de classificação de risco pelo protocolo de manchester
Método de classificação de risco pelo protocolo de manchester
 
Definir e classificar indicadores clí­nicos para a melhoria da qualidade
Definir e classificar indicadores clí­nicos para a melhoria da qualidadeDefinir e classificar indicadores clí­nicos para a melhoria da qualidade
Definir e classificar indicadores clí­nicos para a melhoria da qualidade
 
[Wagner,1998]wagner medindo a ocorrencia da doenca prevalencia ou incidencia
[Wagner,1998]wagner medindo a ocorrencia da doenca   prevalencia ou incidencia[Wagner,1998]wagner medindo a ocorrencia da doenca   prevalencia ou incidencia
[Wagner,1998]wagner medindo a ocorrencia da doenca prevalencia ou incidencia
 
Análise Estatistica Básica_Ensaios Clínicos Controlados
Análise Estatistica Básica_Ensaios Clínicos ControladosAnálise Estatistica Básica_Ensaios Clínicos Controlados
Análise Estatistica Básica_Ensaios Clínicos Controlados
 
MODALIDADES-TERAPÊUTICAS-GERAIS-E-RESOLUÇÃO-DE-CASOS-CLÍNICOS.docx.pdf
MODALIDADES-TERAPÊUTICAS-GERAIS-E-RESOLUÇÃO-DE-CASOS-CLÍNICOS.docx.pdfMODALIDADES-TERAPÊUTICAS-GERAIS-E-RESOLUÇÃO-DE-CASOS-CLÍNICOS.docx.pdf
MODALIDADES-TERAPÊUTICAS-GERAIS-E-RESOLUÇÃO-DE-CASOS-CLÍNICOS.docx.pdf
 
Como motivar usuarios de risco
Como motivar usuarios de riscoComo motivar usuarios de risco
Como motivar usuarios de risco
 
Compra de Serviços Hospitalares e de Atenção Primária
Compra de Serviços Hospitalares e de Atenção PrimáriaCompra de Serviços Hospitalares e de Atenção Primária
Compra de Serviços Hospitalares e de Atenção Primária
 
2012 cma prevenção quaternaria
2012 cma prevenção quaternaria2012 cma prevenção quaternaria
2012 cma prevenção quaternaria
 
aula - diagnostico de situação.pptx
aula - diagnostico de situação.pptxaula - diagnostico de situação.pptx
aula - diagnostico de situação.pptx
 

Mais de Rosario Cação

Criatividade Pedagógica
Criatividade PedagógicaCriatividade Pedagógica
Criatividade PedagógicaRosario Cação
 
Indicadores de Maturidade no E-learning @TicEDUCA2014
Indicadores de Maturidade no E-learning @TicEDUCA2014Indicadores de Maturidade no E-learning @TicEDUCA2014
Indicadores de Maturidade no E-learning @TicEDUCA2014Rosario Cação
 
Evolution and Trauma in Corporate e-Learning @ ICERI 2014 Seville
Evolution and Trauma in Corporate e-Learning @ ICERI 2014 SevilleEvolution and Trauma in Corporate e-Learning @ ICERI 2014 Seville
Evolution and Trauma in Corporate e-Learning @ ICERI 2014 SevilleRosario Cação
 
Gestão e Formação de Expatriados e Quadros Internacionais
Gestão e Formação de Expatriados e Quadros InternacionaisGestão e Formação de Expatriados e Quadros Internacionais
Gestão e Formação de Expatriados e Quadros InternacionaisRosario Cação
 
Tools for learning and teaching rosario cacao
Tools for learning and teaching rosario cacaoTools for learning and teaching rosario cacao
Tools for learning and teaching rosario cacaoRosario Cação
 
Dimensions of Quality in e-Learning
Dimensions of Quality in e-LearningDimensions of Quality in e-Learning
Dimensions of Quality in e-LearningRosario Cação
 
B-learning: Expectativas, comportamentos e impactos
B-learning: Expectativas, comportamentos e impactosB-learning: Expectativas, comportamentos e impactos
B-learning: Expectativas, comportamentos e impactosRosario Cação
 
Modeling Critical Factors of Quality in e-Learning - A Structural Equations M...
Modeling Critical Factors of Quality in e-Learning - A Structural Equations M...Modeling Critical Factors of Quality in e-Learning - A Structural Equations M...
Modeling Critical Factors of Quality in e-Learning - A Structural Equations M...Rosario Cação
 
Escalas para Medição de Atitudes - Com Exemplos Práticos Aplicados à Educação...
Escalas para Medição de Atitudes - Com Exemplos Práticos Aplicados à Educação...Escalas para Medição de Atitudes - Com Exemplos Práticos Aplicados à Educação...
Escalas para Medição de Atitudes - Com Exemplos Práticos Aplicados à Educação...Rosario Cação
 
Complementos de formação de formadores
Complementos de formação de formadoresComplementos de formação de formadores
Complementos de formação de formadoresRosario Cação
 
Gestao de Referencias Bibliograficas
Gestao de Referencias BibliograficasGestao de Referencias Bibliograficas
Gestao de Referencias BibliograficasRosario Cação
 
Análise Qualitativa de Dados com o NVIVO
Análise Qualitativa de Dados com o NVIVOAnálise Qualitativa de Dados com o NVIVO
Análise Qualitativa de Dados com o NVIVORosario Cação
 

Mais de Rosario Cação (17)

Liderança
LiderançaLiderança
Liderança
 
Flipped Conferences
Flipped ConferencesFlipped Conferences
Flipped Conferences
 
Criatividade Pedagógica
Criatividade PedagógicaCriatividade Pedagógica
Criatividade Pedagógica
 
Indicadores de Maturidade no E-learning @TicEDUCA2014
Indicadores de Maturidade no E-learning @TicEDUCA2014Indicadores de Maturidade no E-learning @TicEDUCA2014
Indicadores de Maturidade no E-learning @TicEDUCA2014
 
Evolution and Trauma in Corporate e-Learning @ ICERI 2014 Seville
Evolution and Trauma in Corporate e-Learning @ ICERI 2014 SevilleEvolution and Trauma in Corporate e-Learning @ ICERI 2014 Seville
Evolution and Trauma in Corporate e-Learning @ ICERI 2014 Seville
 
Gestão e Formação de Expatriados e Quadros Internacionais
Gestão e Formação de Expatriados e Quadros InternacionaisGestão e Formação de Expatriados e Quadros Internacionais
Gestão e Formação de Expatriados e Quadros Internacionais
 
Tipos de eventos
Tipos de eventosTipos de eventos
Tipos de eventos
 
Tools for learning and teaching rosario cacao
Tools for learning and teaching rosario cacaoTools for learning and teaching rosario cacao
Tools for learning and teaching rosario cacao
 
Dimensions of Quality in e-Learning
Dimensions of Quality in e-LearningDimensions of Quality in e-Learning
Dimensions of Quality in e-Learning
 
B-learning: Expectativas, comportamentos e impactos
B-learning: Expectativas, comportamentos e impactosB-learning: Expectativas, comportamentos e impactos
B-learning: Expectativas, comportamentos e impactos
 
Modeling Critical Factors of Quality in e-Learning - A Structural Equations M...
Modeling Critical Factors of Quality in e-Learning - A Structural Equations M...Modeling Critical Factors of Quality in e-Learning - A Structural Equations M...
Modeling Critical Factors of Quality in e-Learning - A Structural Equations M...
 
Manuais de qualidade
Manuais de qualidadeManuais de qualidade
Manuais de qualidade
 
Escalas para Medição de Atitudes - Com Exemplos Práticos Aplicados à Educação...
Escalas para Medição de Atitudes - Com Exemplos Práticos Aplicados à Educação...Escalas para Medição de Atitudes - Com Exemplos Práticos Aplicados à Educação...
Escalas para Medição de Atitudes - Com Exemplos Práticos Aplicados à Educação...
 
Complementos de formação de formadores
Complementos de formação de formadoresComplementos de formação de formadores
Complementos de formação de formadores
 
Gestao de Referencias Bibliograficas
Gestao de Referencias BibliograficasGestao de Referencias Bibliograficas
Gestao de Referencias Bibliograficas
 
Qualidade no e-learning
Qualidade no e-learningQualidade no e-learning
Qualidade no e-learning
 
Análise Qualitativa de Dados com o NVIVO
Análise Qualitativa de Dados com o NVIVOAnálise Qualitativa de Dados com o NVIVO
Análise Qualitativa de Dados com o NVIVO
 

Último

Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundonialb
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirIedaGoethe
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfEyshilaKelly1
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024Jeanoliveira597523
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOMarcosViniciusLemesL
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfEditoraEnovus
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfPastor Robson Colaço
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasRicardo Diniz campos
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASEdinardo Aguiar
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasCassio Meira Jr.
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOColégio Santa Teresinha
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 

Último (20)

Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppttreinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
Em tempo de Quaresma .
Em tempo de Quaresma                            .Em tempo de Quaresma                            .
Em tempo de Quaresma .
 

Análise de Sobrevivência de Kaplan-Meier

  • 1. Análise de Sobrevivência de Kaplan-Meier 1. Conceito........................................................................................... 2 2. Contextos de Utilização ...................................................................... 3 3. As Observações Censuradas ............................................................... 4 4. Caso Prático ..................................................................................... 5 5. Execução do Teste de Kaplan-Meier ..................................................... 6 6. Análise dos Resultados do Teste.......................................................... 8 7. Comparação de Curvas de Sobrevivência ............................................10 8. Exemplo de Comparação de Curvas de Sobrevivência ...........................11 9. Condições e Pressupostos de Utilização ...............................................15 © Rosário Cação - EVOLUI.COM rosario@evolui.com
  • 2. 1. Conceito O teste de Kaplan-Meier (1958) é um método não paramétrico baseado em dados quantitativos que gera uma função de distribuição no tempo até à ocorrência de um determinado evento. Essa distribuição é chamada distribuição de sobrevivência porque permite estimar o tempo de sobrevivência além de determinados momentos no tempo. A mais valia da análise de sobrevivência coloca-se quando existem sujeitos que nunca atingiram o evento, e que são denominados observações censuradas. Vamos ver mais tarde este conceito de observações censuradas mas para já, vamos imaginar que todos os casos de uma amostra dizem respeito a pessoas que morreram de uma determinada doença. Se fizermos a análise de sobrevivência, os resultados vão ser os mesmos que obteriamos se fizéssemos uma análise descritiva. Em situações deste género, em que todos os sujeitos morreram, a análise de sobrevivência fornece dados iguais à análise descritiva. A análise de sobrevivência só é uma mais valia quando existem sujeitos que ainda não morrreram, ou, genericamente, quando ainda não atingiram o evento.
  • 3. 2. Contextos de Utilização A análise de Kaplan-Meier baseia-se no conceito de tempo até um determinado evento. Em contextos médicos, o evento utilizado é frequentemente a morte do paciente. Nesse contexto, o teste pode ser usado, por exemplo, para determinar o tempo médio de vida de uma pessoa com uma determinada doença. O conceito de evento não precisa, no entanto, de ser a morte ou a doença. Ele pode ser algo positivo como a remissão ou a recuperação. A análise de sobrevivência é usada para vários fins e diversos eventos dentro da área médica, como, por exemplo, para estimar: • O tempo de vida que têm os portadores de uma determinada doença; • O tempo que demora até à reincidência ou reaparecimento de uma determinada doença; • O tempo que demora uma determinada doença a desenvolver-se. ou • O tempo que demora um paciente a passar do estado de vigilância de uma determinada doença até iniciar o tratamento contra essa doença. Mas esta análise de sobrevivência pode ser usada em muitas outras áreas e em eventos do dia-a-dia. Por exemplo, na área da economia e da gestão, o teste pode ser usado para: • Determinar o tempo médio que os licenciados e os não licenciados demoram a encontrar um emprego depois de ficarem desempregados ou determinar o tempo médio até os recém-licenciados encontrarem o primeiro emprego; Nestes casos, encontrar emprego é o evento. • Determinar o tempo médio que um fica em stock sem ser vendido. Aqui, o evento é o produto ser vendido. Na área da engenharia, o teste é usado por exemplo para: • Determinar o tempo médio de duração de um material; ou • Estimar o tempo de produção de uma máquina até à próxima avaria; Existem ainda muitas outras aplicações desta análise noutras áreas. Por exemplo: • Na banca, esta análise pode ser utilizada para analisar os prazos de reembolso total de um empréstimo. • Nos seguros, a análise de sobrevivência é usada para avaliar a rentabilidade das apólices e portanto determinar os prémios dos seguros. • Na sociologia, a análise de sobrevivência é usada para avaliar o tempo médio que um adulto demora a casar-se ou a determinar quantos anos mantém o casamento. Neste caso, o divórcio é o evento que está a ser avaliado.
  • 4. 3. As Observações Censuradas São consideradas observações censuradas os casos em que: • O evento ainda não ocorreu; • O sujeito deixou de ser acompanhado (por exemplo, desistiu do tratamento, deixou de prestar informações ou deixou de permitir ser acompanhado); • Foram feitas outras intervenções (ou seja, foram introduzidos outros factores); ou • O evento ocorreu mas de causas não relacionadas (por exemplo, a pessoa morreu mas não da doença que estava a ser estudada). Os dados censurados geralmente são representados por uma estrela, asterisco ou simbolo 'mais'. Todas as observações da amostra devem ser classificadas em censuradas ou não censuradas. Os casos censurados devem ser codificados com 0 e os não censurados com 1. Por exemplo, num caso de um estudo médico, o 1 seria usado para codificar os casos de pessoas que tinham morrido efectivamente da doença e o 0 os restantes casos. A percentagem de casos censurados geralmente é um indicador de qualidade destes testes. Idealmente, a análise de sobrevivência deve ser feita quando se garante que cerca de metade dos dados são censurados e a outra metade atingiram o evento.
  • 5. 4. Caso Prático Vamos supor que foram analisados 25 casos e que foram recolhidos os seguintes dados: • O tempo, em meses, até à morte ou até ao final do estudo (variável survival time); • O estado, sendo que 1 é se morreram da doença e 0 nos restantes casos (variável status). Sujeito Survival time Status 1 1 0 2 5 0 3 6 1 4 6 1 5 9 0 6 10 1 7 10 1 8 10 0 9 12 1 10 12 1 11 12 1 12 12 1 13 12 0 14 13 0 15 15 0 16 16 0 17 20 0 18 24 1 19 24 0 20 27 0 21 32 1 22 34 0 23 36 0 24 36 0 25 44 0 Fonte: Adaptado de Chan (2004)
  • 6. 5. Execução do Teste de Kaplan-Meier O acesso ao teste é feito pelo menu Analisar > Sobrevivência > Kaplan-Meier.
  • 7. No campo Tempo coloca-se a variável survival_time e no campo Status a variável status. Nesta última variável, deve-se seleccionar "definir evento" e indicar que ele tem o valor único de 1. Nas opções, relativamente às estatísticas, deve-se também seleccionar as estatísticas das tabelas de sobrevivência e a sobrevivência de média e mediana. Relativamente aos gráficos, deve-se seleccionar o gráfico de sobrevivência.
  • 8. 6. Análise dos Resultados do Teste Os resultados começam por indicar que a média e mediana de sobrevivência. Neste caso específico, o tempo médio de sobrevivência é 28,5 meses. Na curva de sobrevivência, os tracinhos representam os dados censorados enquanto que os traços verticais representam os dados não censurados (ou seja, que atingiram o evento).
  • 9. A tabela de sobrevivência indica, por exemplo, que: • 91.3% sobrevivem 6 meses • 82.2% sobrevivem 7 meses • Só sobrevivem 18 meses 55% dos pacientes
  • 10. 7. Comparação de Curvas de Sobrevivência O teste de Kaplan-Meier também pode ser usado, por exemplo, para comparar a eficácia de dois ou mais tipos de tratamento. Por exemplo, podem ser definidos como objectivos do estudo: • Determinar se um determinado medicamento ou protocolo médico tem efeito na taxa de sobrevivência dos doentes e se é mais eficaz que outro. • Determinar se o tempo (ou a distribuição do tempo) que decorre até ocorrer uma determinada doença difere do tipo de estilo de vida da pessoa, da sua idade e de outros factores. Nestes casos, vai haver um factor de comparação. No primeiro, o factor vai ser os tipos de medicamentos que foi utilizada. O teste vai comparar a distribuição de sobrevivência entre, por exemplo, 4 tipos de medicamentos e determinar se a sua eficácia é igual. No caso da sua eficácia não ser semelhante, o teste dá indicações que um determinado medicamento é mais eficaz que outro. No caso de se utilizar apenas um medicamento mas com doses diferentes, a dosagem seria o factor de comparação. No segundo caso, o factor estilo de vida poderia ter três grupos de pessoas: os desportistas, os semi-activos e os sedentários. O teste indicaria se as distribuições de sobrevivência são diferentes para cada estilo de vida e que diferenças existem. Esta opção de comparação de grupos também pode ser usada quando existem grupos de controlo.
  • 11. 8. Exemplo de Comparação de Curvas de Sobrevivência Vamos então supor que, para cada sujeito, foi indicado o tipo de tratamento a que foi sujeito. A variável factor espelha o tipo de tratamento: Os sujeitos a quem foi administrado um tratamento são codificados com 1 e aqueles a quem foi administrado outro tipo de tratamento são codificados com 2. Sujeito Survival time Status Factor 1 1 0 1 2 5 0 2 3 6 1 2 4 6 1 2 5 9 0 1 6 10 1 2 7 10 1 2 8 10 0 2 9 12 1 2 10 12 1 2 11 12 1 1 12 12 1 1 13 12 0 2 14 13 0 1 15 15 0 1 16 16 0 1 17 20 0 1 18 24 1 2 19 24 0 2 20 27 0 1 21 32 1 2 22 34 0 1 23 36 0 1 24 36 0 2 25 44 0 1
  • 12. Ao configurar o teste, deve-se colocar a variável factor no campo Factor e configurar as opções de Comparação de Factores como indicado na imagem. As tabelas de sobrevivência são agora apresentadas distinguindo os dois factores:
  • 13. O gráfico das curvas de sobrevivência espelha esses dados e permite-nos logo verificar visualmente a eficácia das intervenções. Neste gráfico pode-se observar se as curvas têm um formato semelhante ou se uma curva está acima ou abaixo das restantes. Ao comparar as curvas, o grupo que tiver uma curva de sobrevivência mais acima é considerado melhor, ou seja, espelha uma intervenção mais eficaz. Interpretando ao contrário, quanto mais eventos ocorrerem (neste caso, mortes), com tudo o resto constante, mais baixa será a curva. Neste caso em concreto, o factor 1 tem uma distribuição de sobrevivência mais favorável e portanto leva-nos a crer que será um tratamento mais eficaz. No entanto, o ideal é complementar esta análise visual com a tabela das médias e medianas do tempo de sobrevivência e os respectivos intervalos de confiança.
  • 14. Existem três testes que podem ser usados para testar se as funções de sobrevivencia são iguais: o log rank test, o Breslow test e o Tarone-Ware test. Estes testes comparam a diferença ponderada entre o número de eventos observados (i.e. mortes, encontrar emprego, voltar a fumar, etc.) e o número de eventos esperados em cada momento do tempo. A diferença entre os testes reside na forma como eles poderam essas diferenças. É comum todos estes testes levarem à mesma conclusão mas a escolha do teste específico a usar deve ser baseada nas diferenças que se esperam nas distribuições de sobrevivência. Estes testes testam a hipótese nula de que não há diferenças nas distribuições de sobrevivencia entre os grupos, na população. Neste caso concreto, com um p-value = 0,022 < 0,05 no log rank, podemos assumir que há diferenças de eficácia nos dois tratamentos. Ou seja, rejeita-se a hipótese nula de o evento (a morte) ocorrer no mesmo prazo quando comparados os dois tipos de tratamentos. O tratamento 1 revelou-se mais eficaz. Repare-se na média da sobrevivência (37,6 meses vs. 19,95) e no número de mortes (2 vs. 8 quando um grupo tinha 12 e o outro 13 observações). Ao reportar os dados desta comparação, dir-se-ia então: Um teste de log rank foi efectuado para determinar se existem diferenças na distribuição de sobrevivência entre dois tipos de tratamento: x e y. As distribuições de sobrevivência para as duas intervenções são estatísticamente diferentes X2 (1) = 5.219, p <.005
  • 15. 9. Condições e Pressupostos de Utilização O teste de Kaplan-Meier tem vários pressupostos que têm de ser assegurados (Laerd, 2015). 1. O estado do evento consiste em apenas dois estados mutuamente exclusivos: o evento e os censurados. O evento pode ser a morte, a operação, a reincidência da doença, a avaria da máquina, o encontrar emprego, etc. Estes dois estados são mutuamente exclusivos porque cada caso só pode ou ter ocorrido ou ser censurado e não pode ser as duas coisas ao mesmo tempo. Os eventos são também colectivamente exaustivos. Isso significa que todos os casos têm de ser classificados num destes estados. Por exemplo, se se estiver a fazer um estudo de 10 anos na área do cancro, é necessário classificar todos os casos em censurados ou morte. 2. O tempo para o evento ou a censura (também conhecida como tempo de sobrevivência) deve estar definido e deve ser medido com precisão. Isto significa por exemplo nos estudos clínicos, que a data da última consulta deve ser registada em termos de dia e ano assim como a data do óbito, no caso do sujeito ter falecido. 3. A censura a montante deve ser minimizada. Esta censura ocorre quando o ponto de partida - a data do início da experiência não é facilmente identificada. Por exemplo, no caso de um estudo clínico sobre uma doença, o ideal seria identificar o momento em que a doença se desenolveu. No entanto, geralmente apenas se conhece a data em que ela foi diagnosticada. Pode-se ter aqui situações em que uma doença só foi diagnosticada quando já estava em estado avançado e outra em que o paciente estava em vigilância e fazia diagnósticos periódicos e entretanto a doença se desenvolveu. Geralmente o que se consegue obter é o tempo de sobrevivência observado e não propriamente o real. Este desvio é conhecido como a censura a montante (left censoring) e deve ser minimizado. 4. A censura deve ser independente do evento, ou seja, quando se regista um sujeito como censurado deve ser porque a) o sujeito desistiu do estudo ou b) na data de fim do estudo o evento não tinha ocorrido. Por exemplo, ao fim de 5 anos do estudo, o sujeito continuava vivo. 5. Não devem existir alterações estruturais no estudo, conhecidas como secular trends ou secular changes. Uma característica comum dos estudos em que se usa a análise de sobrevivência é que não só decorre um longo período entre o início e o fim da experiência mas os participantes também não iniciaram a experiência - ou o tratamento - ao mesmo tempo e muitas vezes até se demora bastante tempo a recrutar ou seleccionar os sujeitos que integrarão o estudo. Os participantes no estudo não terão sido diagnosticados com a doença ao mesmo tempo, pelo que a data de início do estudo será a data de diagnóstico mais antiga entre todos os participantes. Pode acontecer existirem factores que afectem a probabilidade de ocorrência do evento e isso causa desvios no estudo. Por exemplo, a taxa de morte pode ter-se reduzido em virtude da introdução de novos medicamentos ou da alteração do protocolo de tratamento, o que aumentaria a taxa de sobrevivência dos sujeitos que fossem adicionados ao estudo mais tarde (i.e. reduzindo o right- censoring, ou censura a juzante). Também pode ter sido introduzidas alterações por exemplo nos planos de diagnóstico que tenham provocado diagnósticos mais
  • 16. rápidos e mais precoses, o que pioria as taxas de sobrevivência dos particpantes que se teriam adicionado ao estudo mais cedo, antes dessas alterações (i.e. reduzindo o left-censoring, ou censura a montante). Estes factores (novos tratamentos, melhor diagnóstico) são exemplos de secular trends que podem criar desvios nos resultados. 6. Deve existir uma quantidade e padrão semelhante de casos censurados por grupo. Isto porque o teste de Kaplan-Meier baseia-se na ideia de que o a censura é igual em todos os grupos testado, em termos de quantidade e padrão. Quando este critério não é assegurado, podem ser retiradas conclusões falas sobre as distribuições de sobrevivência. Para garantir o cumprimento deste pressuposto, deve-se calcular a percentagem de casos censorados por grupo, para determinar a quandidade de censura e produzir um gráfico de pontos (scatterplot) para verificar o padrão da censura. Referências: Chan, Y. H. (2004). Biostatistics 203 - Survival Analysis. Singapure Med Journal, 45(6), 249. Kaplan, E., & Meier, P. (1958). Nonparametric estimation from incomplete observations. Journal of the American Statistical Association 53(282), 457-481. Laerd. (2015). Kaplan-Meier Using Spss Statistics. Retrieved from https://statistics.laerd.com