SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 42
Escalas	
   p ara	
   m edição	
   d e	
   a 0tudes 	
  
  com	
  exemplos	
  aplicados	
  à	
  educação	
  e	
  formação	
  




                                            Rosário	
  Cação	
  
                                            ©	
  Rosário	
  Cação/EVOLUI.COM	
  2011	
  
Tipos	
  de	
  Escalas	
  
•    Escalas de classificação ou rating numéricas
     •  Escala de Likert
     •  Escala diferenciais semânticas
     •  Escala de Stapel
     •  Escala de rating horizontal
     •  Escala de rating vertical
     •  Escala numérica comparativa de soma constante
•    Escalas numérica ou de scores
     •  Escalas numéricas
     •  Escalas termómetro
•    Escala de ordem ou ranks
•    Escala pictural
•    Escala de escolha múltipla
     •  Escala de escolha múltipla simples
     •  Escala check-list
•    Escalas binária ou dicotómica
     •  Escala dicotómica simples
     •  Escala de pares comparativos
•    Outras escalas
     •  Selecção comparativa de cartões
     •  Q Sort
     •  Escalas de não compromisso
Escala	
  de	
  Likert	
  (1932)	
  

•  É apresentado um conjunto de dimensões de atitudes para
os quais os inquiridos têm de indicar o que grau de
concordância com a afirmação, assinalando uma das posições
numa escala de cinco pontos.

•  Os questionários que utilizam escalas de Likert também
podem ter pontuações de 1 a 5 ou de negativo a positivo, ou de
-2 a 2, transformando assim as respostas em escalas de
intervalo, o que permite o cálculo de médias, medianas e
desvios padrões.

•  As escalas de Likert podem ser usadas em questões
isoladas ou como um conjunto de questões organizadas numa
tabela ou grelha.	
  
Escala	
  de	
  Likert	
  (1932)	
  
Escala	
  de	
  Likert	
  (1932)	
  

Existem quatro efeitos a ter em conta (Brace, 2005, pp. 74-76):

•  Efeito de ordem: há uma tendência para a esquerda nas
escalas preenchidas pelos inquiridos.

•  Acquiescence: é a tendência para dizer sim a questões com
que nem se concorda nem discorda.


Por causa destes dois efeitos, o ideal é colocar os níveis de
discordância à esquerda e os de concordância à direita, para
que estes dois efeitos se compensem.
Escala	
  de	
  Likert	
  (1932)	
  

Existem quatro efeitos a ter em conta (Brace, 2005, pp. 74-76):

•  Tendência central: é a relutância dos inquiridos de usar
posições extremas. Para combater este efeito, pode-se dividir
cada item em duas questões (uma que meça o grau de
concordância ou extremidade e outra que meça a intensidade.
Pode ainda evitar-se níveis como "extremamente insatisfeito'' e
optar por versões menos radicais como "muito insatisfeito".

•  Resposta padrão: ocorre quando o inquirido entra na rotina
de seleccionar as opções num determinado padrão (por
exemplo, escolhendo sempre a segunda opção). Geralmente,
isto é um sintoma de fadiga ou enfadamento. Este efeito é
facilmente identificado com perguntas de resposta conflituante,
ou seja, perguntando uma coisa de uma forma e, mais à frente,
colocando a mesma pergunta mas pela negativa.
Escala	
  Diferencial	
  SemânKca	
  	
  

•  É uma escala bipolar de 7 pontos (Osgood, Suci, &
Tannenbaum, 1957).

•  Diferencia-se da escala de Likert por as afirmações
opostas de uma dimensão estarem colocadas numa das
duas pontas da escala e os inquiridos terem de indicar o
seu grau de concordância colocando uma marca ao longo
da escala.

•  As opções de resposta consistem num par de adjectivos
opostos.
Escala	
  Diferencial	
  SemânKca	
  	
  

Como classfica o seminário em termos de organização?
Escala	
  Diferencial	
  SemânKca	
  	
  
Escala	
  de	
  Stapel	
  

•  Os items são colocados no centro da escala que oscila
entre -5 e +5. Aos inquiridos é solicitado que indiquem se
concordam positiva ou negativamente e quão fortemente,
seleccionando um dos pontos da escala.

•  Diferencia-se da escala diferencial semântica:
        •  Os pontos da escala são sempre identificados por números;
        •  Só é utilizada uma afirmação e se o inquirido discorda dela,
        assinala a sua posição nos pontos negativos;
        •  Assegura maior discriminação: há 10 posições em vez de 7;
        •  Não têm ponto central;
        •  Não requer adjectivos bipolares.



•  É geralmente considerada confusa pelos inquiridos.
Escala	
  de	
  Stapel	
  
Escala	
  de	
  Ra#ng	
  Horizontal	
  

•  As escalas de rating horizontais fornecem posições de
atitudes opostas e pedem ao inquirido para indicar o
número, entre as posições, com que eles se identificam.

•  Ao contrário das escalas diferenciais semânticas que
utilizam um adjectivo e o seu oposto, as escalas de rating
horizontal fazem uso de atitudes contrárias.
Escala	
  de	
  Ra#ng	
  VerKcal	
  

•  É solicitado ao inquirido que classifiquem, numa escada
ou ordem, as suas preferências.

•  Por exemplo, solicita-se aos inquiridos que ordenem os
oradores de uma conferência por ordem de reputação.
Escala	
  Numérica	
  ComparaKva	
  de	
  Soma	
  Constante	
  

•  Uma variante comparativa da escala numérica é
solicitar ao inquirido que distribua 100 pontos por um
conjunto de atributos que ele considera importantes.

•  Esta escala tem alguns problemas:
    •  Nem todos os inquiridos podem ter agilidade mental para fazer
    contas.
    •  Se existirem muitos atributos pelos quais têm de distribuir os
    100 pontos, os inquiridos podem não ser capazes sequer de
    apurar quantos pontos dariam a cada atributo se eles fossem
    equitativamente importantes;
    •  Os inquiridos podem confundir-se nas contas e não garantir a
    soma de 100;
    •  Os inquiridos podem dar pontuações muito detalhadas
    (exemplo: 23 pontos num, 19 noutro, 47 no seguinte), o que lhes
    dificulta a soma.
Escala	
  Numérica	
  ComparaKva	
  de	
  Soma	
  Constante	
  
Escala	
  Numérica	
  

•  É a escala mais comum e simples e é muito apropriada
para questionários preenchidos pelo inquirido.

•  Solicita-se ao inquirido que atribua uma classificação
entre 1 e 10 (ou entre 0 e 10 caso seja necessário um
ponto central) ou entre 1 e 100.

•  Os pontos extremos são descritos verbalmente, ou
seja, indica-se, por exemplo, que 10 é o valor mais
elevado e 1 o valor mais baixo.
Escala	
  Numérica	
  

•  É uma escala de intervalo e não uma escala de rácio.
Ou seja, se o inquirido atribuiu um 8 numa escala de 1 a
10, isso não significa que dá o dobro da importância
atribuída por um inquirido que atribuiu 4.

•  A escala numérica é adequada para medidas como a
importância mas não para escolhas entre dois pontos
igualmente positivos.

•  Esta escala é aplicada em dois formatos:
  •  No primeiro, é dado um quadradinho para o inquirido assinalar a
     resposta. Uma variante deste formato é a escala numérica
     comparativa de soma constante.
  •  No segundo, são dados tantos quadradinhos quanto os níveis da
     escala, para o inquirido assinalar o nível da sua resposta.
Escala	
  Numérica	
  

•  Esta escala é aplicada em dois formatos:
  •  No primeiro, é dado um quadradinho para o inquirido assinalar a
     resposta. Uma variante deste formato é a escala numérica
     comparativa de soma constante.




  •  No segundo, são dados tantos quadradinhos quanto os níveis da
     escala, para o inquirido assinalar o nível da sua resposta.
Escala	
  Numérica	
  

•  Esta escala é aplicada em dois formatos:
  •  No segundo, são dados tantos quadradinhos quanto os níveis da
     escala, para o inquirido assinalar o nível da sua resposta.
Escala	
  Numérica	
  

•  As escalas numéricas também têm versões gráficas,
muito usadas nos questionários online, onde é usada uma
barra que o inquirido vai puxando para um ou para outro
lado para aumentar a classificação que atribui.
Escala	
  de	
  Termómetro	
  

•  As escalas de termómetro também são escalas de
scores em que se fornece uma imagem de um
termómetro, com, por exemplo, 9 níveis e uma descrição
para cada nível, e depois se solicita a classificação de
vários items.
Escala	
  de	
  Termómetro	
  
Escala	
  de	
  Ordem	
  ou	
  Rank	
  

•  Muito semelhante à escala de rating vertical, esta
escala solicita aos inquiridos que classifiquem a
importância ou força do grau de concordância com um
determinado item, em comparação com a forma com que
os outros items são classificados.

•  Assim, as respostas indicam a importância relativa, e
não absoluta, dos items.

•  Esta escala torna-se difícil se existem muitos items para
classificar. Neste caso, pode pedir-se para o inquirido
classificar apenas as duas ou três do topo superior e do
extremo inferior.
Escala	
  de	
  Ordem	
  ou	
  Rank	
  
Escala	
  Pictural	
  

•  Utiliza desenhos, geralmente sorrisos, para os
inquiridos assinalarem as respostas.

•  É preferível à escala semântica em várias
circunstâncias (Brace, 2005, pp. 83-84):
      •  Quando os inquiridos são crianças, incapazes de relacionar
      as suas respostas com descrições verbais;
      •  Quando as diferenças culturais entre os inquiridos podem
      trazer diferentes interpretações das descrições verbais;
      •  Em estudos entre países onde as traduções podem alterar os
      significados;
      •  Quando a população alvo tem um baixo nível de literacia;
      •  Quando os inquiridos não conseguem quantificar ou
      descrever verbalmente a sua atitude (por exemplo, a dor que
      sentem).
Escala	
  Pictural	
  




Fonte: Hockenberry MJ, Wilson D, Winkelstein ML: Wong's Essentials of Pediatric Nursing, ed. 7,
St. Louis, 2005, p. 1259.
Escala	
  de	
  Escolha	
  MúlKpla	
  Simples	
  

•  Requer que o inquirido escolha apenas a uma das
alternativas de uma lista de três ou mais hipóteses.

•  Nesta escala, existem quatro formatos:
   1.  Escolha múltipla simples nominal, onde a ordem pela qual são
   apresentados os items é irrelevante.
   2.  Escolha múltipla simples ordinal, onde os items devem ser ordenados
   do mais baixo para o mais alto.
   3.  Escolha múltipla simples de afirmações de atitudes ordenadas, que
   são semelhantes às escalas de Likert e onde é pedido ao inquirido que
   assinale a posição ou atitude que mais se aproxima da sua visão.
   4.  Escolha múltipla simples onde as alternativas podem ser um número
   exacto ou um intervalo.
Escala	
  de	
  Escolha	
  MúlKpla	
  Simples	
  
1. Escolha múltipla simples nominal
Escala	
  de	
  Escolha	
  MúlKpla	
  Simples	
  
2. Escolha múltipla simples ordinal
Escala	
  de	
  Escolha	
  MúlKpla	
  Simples	
  
3. Escolha múltipla simples de afirmações de atitudes ordenadas
Escala	
  de	
  Escolha	
  MúlKpla	
  Simples	
  
4. Escolha múltipla simples numéricas
Escala	
  Check-­‐List	
  

•  Esta escala envolve listar um conjunto de items e
solicitar aos inquiridos que seleccionem todos que se
aplicam.

•  É uma variante da escala de escolha múltipla simples
em que o inquirido pode seleccionar mais do que uma
alternativa.
Escala	
  Check-­‐List	
  
Escala	
  Check-­‐List	
  
Escala	
  Dicotómica	
  Simples	
  

•  Também chamada escala binária ou de pares.

•  Solicita-se aos inquiridos que seleccionem uma de duas
alternativas fixas.
Escala	
  de	
  Pares	
  ComparaKvos	
  

•  Nesta escala, os inquiridos têm de escolher entre dois
objectos usando um determinado critério como a
importância, a satisfação ou a preferência.

•  Os pares podem ser combinados por forma a serem
comparados todos entre si.

•  A desvantagem desta escala é que está limitada a um
número pequeno de objectos. Por exemplo, com seis
objectos, são necessários 15 pares para garantir que
todos são comparados entre si.
Escala	
  de	
  Pares	
  ComparaKvos	
  
Selecção	
  ComparaKva	
  de	
  Cartões	
  

•  Este formato é adequado quando existe um elevado
número de items (mais de 30) para avaliar e é necessário
ordená-los por importância.

•  É aplicado com ajuda de um técnico que vai passando
cartões ao inquirido que tem de os colocar em 5
montinhos: muito importante, importante, nem importante
nem sem importância, pouco importante, sem importância.
Q	
  Sort	
  

•  Semelhante à selecção comparativa de cartões, é
aplicado quando o número de objectos é elevado (mais de
100).

•  É pedido ao inquirido que construa uma distribuição de
frequências colocando um conjunto de cartas num de 11
ou 12 montes, de acordo com o grau de desejabilidade
que atribui às características escritas nos cartões.

•  Pode ser solicitado que coloquemum determinado
número de objectos em cada ponto da escala por forma a
criar uma distribuição normal.

•  Uma versão mais recente é a escala numérica
comparativa de soma constante.
Escalas	
  de	
  Não	
  Compromisso	
  

•  Em termos gerais, devem ser fornecidas alternativas
para "não sabe" ou "não tem opinião" para questões em
que os inquiridos ainda não pensaram no assunto e ainda
não têm uma opinião formada. Força-los a expressar uma
opinião quando eles não a têm, cria respostas falas e não
confiáveis.

•  O perigo de usar as alternativas do "não sabe" ou "não
tem opinião" é que os inquiridos podem escolhê-las por
preguiça. Uma das formas de combater esse perigo é
torná-las menos visíveis (por exemplo, serem as últimas
opções ou, nos questionários escritos, estarem separadas
das outras).
Escalas	
  de	
  Não	
  Compromisso	
  

•  Outro tipo de escala de não compromisso é a inclusão
de alternativas neutras, chamadas de "sitting on the
fence”.

   •  Há autores que consideram que as sitting on the fence não devem ser
   dadas porque ao serem omitidas vão forçar as pessoas a indicar a
   direcção da sua opinião (i.e. se caem para um lado e concordam, ou caem
   para outro lado e discordam).

   •  Outros autores consideram que, ao serem omitidas vai forçar uma
   direccionalidade de opinião (Converse & Presser, 1986). Nos
   questionários auto-administrados, é preferível fornecer esta alternativa
   neutra.

   •  Uma alternativa para lidar com este problema é fazer com que a
   resposta não seja obrigatória (por exemplo, nos questionários online, o
   inquirido não ser obrigado a responder antes de poder passar para a
   pergunta seguinte).
Escalas	
   p ara	
   m edição	
   d e	
   a 0tudes 	
  
  com	
  exemplos	
  aplicados	
  à	
  educação	
  e	
  formação	
  




                                            Rosário	
  Cação	
  
                                            ©	
  Rosário	
  Cação/EVOLUI.COM	
  2011	
  

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Metodos tecnicas pedagogicas[1]
Metodos tecnicas pedagogicas[1]Metodos tecnicas pedagogicas[1]
Metodos tecnicas pedagogicas[1]Cátia Elias
 
Metodos e tecnicas_pedagogicos
Metodos e tecnicas_pedagogicosMetodos e tecnicas_pedagogicos
Metodos e tecnicas_pedagogicosVeronica Gur Be
 
Relatorio pronto
Relatorio prontoRelatorio pronto
Relatorio prontoDiego Moura
 
Observação, Questionário e Entrevista. Autor: Profa Anna Buy - PUC Rio.
Observação, Questionário e Entrevista. Autor: Profa Anna Buy - PUC Rio. Observação, Questionário e Entrevista. Autor: Profa Anna Buy - PUC Rio.
Observação, Questionário e Entrevista. Autor: Profa Anna Buy - PUC Rio. Fran Maciel
 
Cronograma da Dissertação de Mestrado
Cronograma da Dissertação de MestradoCronograma da Dissertação de Mestrado
Cronograma da Dissertação de MestradoSamuel Martins
 
Projeto de Intervenção Pedagógica (PIP)
Projeto de Intervenção Pedagógica (PIP)Projeto de Intervenção Pedagógica (PIP)
Projeto de Intervenção Pedagógica (PIP)Debora_Marques
 
Resenha acadêmica
Resenha acadêmicaResenha acadêmica
Resenha acadêmicamegainfoin
 
Resenha crítica modelo
Resenha crítica   modeloResenha crítica   modelo
Resenha crítica modelotaise_paz
 
Elaboração de trabalhos acadêmicos APA 6ª edição (atualizado 2015)
Elaboração de trabalhos acadêmicos APA 6ª edição (atualizado 2015)Elaboração de trabalhos acadêmicos APA 6ª edição (atualizado 2015)
Elaboração de trabalhos acadêmicos APA 6ª edição (atualizado 2015)Biblioteca FEAUSP
 
Slides para Apresentação acadêmica
Slides para Apresentação acadêmicaSlides para Apresentação acadêmica
Slides para Apresentação acadêmicaRafaelBorges3
 
Trabalho de estatística
Trabalho de estatísticaTrabalho de estatística
Trabalho de estatística1721lab
 
Como escrever um Sumario Executivo
Como escrever um Sumario ExecutivoComo escrever um Sumario Executivo
Como escrever um Sumario ExecutivoDionísio Carmo-Neto
 
Exemplo de um artigo cientifico ( modelo paper)
Exemplo de um artigo cientifico ( modelo paper)Exemplo de um artigo cientifico ( modelo paper)
Exemplo de um artigo cientifico ( modelo paper)Cleidilene Lima
 

Mais procurados (20)

Exemplo. plano de aula
Exemplo. plano de aulaExemplo. plano de aula
Exemplo. plano de aula
 
Metodos tecnicas pedagogicas[1]
Metodos tecnicas pedagogicas[1]Metodos tecnicas pedagogicas[1]
Metodos tecnicas pedagogicas[1]
 
Metodos e tecnicas_pedagogicos
Metodos e tecnicas_pedagogicosMetodos e tecnicas_pedagogicos
Metodos e tecnicas_pedagogicos
 
Apresentação TCC
Apresentação TCCApresentação TCC
Apresentação TCC
 
Relatorio pronto
Relatorio prontoRelatorio pronto
Relatorio pronto
 
Observação, Questionário e Entrevista. Autor: Profa Anna Buy - PUC Rio.
Observação, Questionário e Entrevista. Autor: Profa Anna Buy - PUC Rio. Observação, Questionário e Entrevista. Autor: Profa Anna Buy - PUC Rio.
Observação, Questionário e Entrevista. Autor: Profa Anna Buy - PUC Rio.
 
Cronograma da Dissertação de Mestrado
Cronograma da Dissertação de MestradoCronograma da Dissertação de Mestrado
Cronograma da Dissertação de Mestrado
 
Plano de aula
Plano de aulaPlano de aula
Plano de aula
 
Projeto de Intervenção Pedagógica (PIP)
Projeto de Intervenção Pedagógica (PIP)Projeto de Intervenção Pedagógica (PIP)
Projeto de Intervenção Pedagógica (PIP)
 
Resenha acadêmica
Resenha acadêmicaResenha acadêmica
Resenha acadêmica
 
Resenha crítica modelo
Resenha crítica   modeloResenha crítica   modelo
Resenha crítica modelo
 
Elaboração de trabalhos acadêmicos APA 6ª edição (atualizado 2015)
Elaboração de trabalhos acadêmicos APA 6ª edição (atualizado 2015)Elaboração de trabalhos acadêmicos APA 6ª edição (atualizado 2015)
Elaboração de trabalhos acadêmicos APA 6ª edição (atualizado 2015)
 
Planificação
PlanificaçãoPlanificação
Planificação
 
Apresentando TCC
Apresentando TCCApresentando TCC
Apresentando TCC
 
Modelo de plano de ação
Modelo de plano de açãoModelo de plano de ação
Modelo de plano de ação
 
Slides para Apresentação acadêmica
Slides para Apresentação acadêmicaSlides para Apresentação acadêmica
Slides para Apresentação acadêmica
 
Trabalho de estatística
Trabalho de estatísticaTrabalho de estatística
Trabalho de estatística
 
Como escrever um Sumario Executivo
Como escrever um Sumario ExecutivoComo escrever um Sumario Executivo
Como escrever um Sumario Executivo
 
Exemplo de um artigo cientifico ( modelo paper)
Exemplo de um artigo cientifico ( modelo paper)Exemplo de um artigo cientifico ( modelo paper)
Exemplo de um artigo cientifico ( modelo paper)
 
Modelo de Projeto de Pesquisa
Modelo de Projeto de PesquisaModelo de Projeto de Pesquisa
Modelo de Projeto de Pesquisa
 

Destaque

Diferencial semántico
Diferencial semánticoDiferencial semántico
Diferencial semánticoJavier Herrera
 
Construcao de-um-instrumento-para-avaliacao-das-atitudes-de-estudantes-de-med...
Construcao de-um-instrumento-para-avaliacao-das-atitudes-de-estudantes-de-med...Construcao de-um-instrumento-para-avaliacao-das-atitudes-de-estudantes-de-med...
Construcao de-um-instrumento-para-avaliacao-das-atitudes-de-estudantes-de-med...PROIDDBahiana
 
Evolution and Trauma in Corporate e-Learning @ ICERI 2014 Seville
Evolution and Trauma in Corporate e-Learning @ ICERI 2014 SevilleEvolution and Trauma in Corporate e-Learning @ ICERI 2014 Seville
Evolution and Trauma in Corporate e-Learning @ ICERI 2014 SevilleRosario Cação
 
Tipos de escala
Tipos de escalaTipos de escala
Tipos de escalaASORamos
 
Tema 2 mglpc Escalas de medida
Tema 2 mglpc Escalas de medidaTema 2 mglpc Escalas de medida
Tema 2 mglpc Escalas de medidaJaime Manera
 
O processo de recolha de dados - inquérito
O processo de recolha de dados - inquéritoO processo de recolha de dados - inquérito
O processo de recolha de dados - inquéritoSerafina Roque
 
Complementos de formação de formadores
Complementos de formação de formadoresComplementos de formação de formadores
Complementos de formação de formadoresRosario Cação
 
Atitudes - Psicologia
Atitudes - PsicologiaAtitudes - Psicologia
Atitudes - PsicologiaSara Afonso
 
Testes parametricos e nao parametricos
Testes parametricos e nao parametricosTestes parametricos e nao parametricos
Testes parametricos e nao parametricosRosario Cação
 
Inquerito
InqueritoInquerito
InqueritoAna T.
 

Destaque (20)

Pesquisa de marketing online - Aula 2 - Aula de 26/03/2011
Pesquisa de marketing online - Aula 2 - Aula de 26/03/2011Pesquisa de marketing online - Aula 2 - Aula de 26/03/2011
Pesquisa de marketing online - Aula 2 - Aula de 26/03/2011
 
Diferencial semántico
Diferencial semánticoDiferencial semántico
Diferencial semántico
 
Construcao de-um-instrumento-para-avaliacao-das-atitudes-de-estudantes-de-med...
Construcao de-um-instrumento-para-avaliacao-das-atitudes-de-estudantes-de-med...Construcao de-um-instrumento-para-avaliacao-das-atitudes-de-estudantes-de-med...
Construcao de-um-instrumento-para-avaliacao-das-atitudes-de-estudantes-de-med...
 
Evolution and Trauma in Corporate e-Learning @ ICERI 2014 Seville
Evolution and Trauma in Corporate e-Learning @ ICERI 2014 SevilleEvolution and Trauma in Corporate e-Learning @ ICERI 2014 Seville
Evolution and Trauma in Corporate e-Learning @ ICERI 2014 Seville
 
Tipos de escala
Tipos de escalaTipos de escala
Tipos de escala
 
análise de conteudo
análise de conteudoanálise de conteudo
análise de conteudo
 
Tema 2 mglpc Escalas de medida
Tema 2 mglpc Escalas de medidaTema 2 mglpc Escalas de medida
Tema 2 mglpc Escalas de medida
 
Manuais de qualidade
Manuais de qualidadeManuais de qualidade
Manuais de qualidade
 
Pesquisa de opinião pública e de mercado
Pesquisa de opinião pública e de mercadoPesquisa de opinião pública e de mercado
Pesquisa de opinião pública e de mercado
 
Atitude
AtitudeAtitude
Atitude
 
Planos de Formação
Planos de FormaçãoPlanos de Formação
Planos de Formação
 
O processo de recolha de dados - inquérito
O processo de recolha de dados - inquéritoO processo de recolha de dados - inquérito
O processo de recolha de dados - inquérito
 
Escala de Thurstone
Escala de ThurstoneEscala de Thurstone
Escala de Thurstone
 
Complementos de formação de formadores
Complementos de formação de formadoresComplementos de formação de formadores
Complementos de formação de formadores
 
Atitudes - Psicologia
Atitudes - PsicologiaAtitudes - Psicologia
Atitudes - Psicologia
 
Ética na Escola
Ética na EscolaÉtica na Escola
Ética na Escola
 
Testes parametricos e nao parametricos
Testes parametricos e nao parametricosTestes parametricos e nao parametricos
Testes parametricos e nao parametricos
 
Psicologia Social
Psicologia Social Psicologia Social
Psicologia Social
 
Avaliação comportamental psicologia do esporte
Avaliação comportamental   psicologia do esporteAvaliação comportamental   psicologia do esporte
Avaliação comportamental psicologia do esporte
 
Inquerito
InqueritoInquerito
Inquerito
 

Semelhante a Escalas para Medição de Atitudes - Com Exemplos Práticos Aplicados à Educação e Formação

estatistica mod.3
estatistica mod.3estatistica mod.3
estatistica mod.3maef_7777
 
Dalmoro vieira 2013_dilemas-na-construcao-de-escal_31731
Dalmoro vieira 2013_dilemas-na-construcao-de-escal_31731Dalmoro vieira 2013_dilemas-na-construcao-de-escal_31731
Dalmoro vieira 2013_dilemas-na-construcao-de-escal_31731meiolouco
 
Estatística Aplicada à Administração - Aula 09: Tipos de Escalas
Estatística Aplicada à Administração - Aula 09: Tipos de EscalasEstatística Aplicada à Administração - Aula 09: Tipos de Escalas
Estatística Aplicada à Administração - Aula 09: Tipos de EscalasMarcus Araújo
 
Sis pae roteiro de elaboração e revisão de itens
Sis pae roteiro de elaboração e revisão de itensSis pae roteiro de elaboração e revisão de itens
Sis pae roteiro de elaboração e revisão de itensmonicaosanches
 
Metodo de apoio a decisao electre
Metodo de apoio a decisao electreMetodo de apoio a decisao electre
Metodo de apoio a decisao electreOdibar J. Lampeão
 
Questionários de Usabilidade
Questionários de UsabilidadeQuestionários de Usabilidade
Questionários de UsabilidadeDiana Oliveira
 

Semelhante a Escalas para Medição de Atitudes - Com Exemplos Práticos Aplicados à Educação e Formação (7)

estatistica mod.3
estatistica mod.3estatistica mod.3
estatistica mod.3
 
Dalmoro vieira 2013_dilemas-na-construcao-de-escal_31731
Dalmoro vieira 2013_dilemas-na-construcao-de-escal_31731Dalmoro vieira 2013_dilemas-na-construcao-de-escal_31731
Dalmoro vieira 2013_dilemas-na-construcao-de-escal_31731
 
Estatística Aplicada à Administração - Aula 09: Tipos de Escalas
Estatística Aplicada à Administração - Aula 09: Tipos de EscalasEstatística Aplicada à Administração - Aula 09: Tipos de Escalas
Estatística Aplicada à Administração - Aula 09: Tipos de Escalas
 
Sis pae roteiro de elaboração e revisão de itens
Sis pae roteiro de elaboração e revisão de itensSis pae roteiro de elaboração e revisão de itens
Sis pae roteiro de elaboração e revisão de itens
 
Metodo de apoio a decisao electre
Metodo de apoio a decisao electreMetodo de apoio a decisao electre
Metodo de apoio a decisao electre
 
Questionários de Usabilidade
Questionários de UsabilidadeQuestionários de Usabilidade
Questionários de Usabilidade
 
Provas finais
Provas finaisProvas finais
Provas finais
 

Mais de Rosario Cação

Legislacao da formação profissional
Legislacao da formação profissionalLegislacao da formação profissional
Legislacao da formação profissionalRosario Cação
 
Theories of Motivation and Other Inspiring Theories
Theories of Motivation and Other Inspiring TheoriesTheories of Motivation and Other Inspiring Theories
Theories of Motivation and Other Inspiring TheoriesRosario Cação
 
Criatividade Pedagógica
Criatividade PedagógicaCriatividade Pedagógica
Criatividade PedagógicaRosario Cação
 
Análise de Sobrevivência de Kaplan-Meier
Análise de Sobrevivência de Kaplan-MeierAnálise de Sobrevivência de Kaplan-Meier
Análise de Sobrevivência de Kaplan-MeierRosario Cação
 
Indicadores de Maturidade no E-learning @TicEDUCA2014
Indicadores de Maturidade no E-learning @TicEDUCA2014Indicadores de Maturidade no E-learning @TicEDUCA2014
Indicadores de Maturidade no E-learning @TicEDUCA2014Rosario Cação
 
Gestão e Formação de Expatriados e Quadros Internacionais
Gestão e Formação de Expatriados e Quadros InternacionaisGestão e Formação de Expatriados e Quadros Internacionais
Gestão e Formação de Expatriados e Quadros InternacionaisRosario Cação
 
Qualidade no e-Learning @ Congresso Nacional de Formação Profissional 2014
Qualidade no e-Learning @ Congresso Nacional de Formação Profissional 2014Qualidade no e-Learning @ Congresso Nacional de Formação Profissional 2014
Qualidade no e-Learning @ Congresso Nacional de Formação Profissional 2014Rosario Cação
 
Forcing Disruption in b‐Learning Workgroups
Forcing Disruption in b‐Learning WorkgroupsForcing Disruption in b‐Learning Workgroups
Forcing Disruption in b‐Learning WorkgroupsRosario Cação
 
Tools for learning and teaching rosario cacao
Tools for learning and teaching rosario cacaoTools for learning and teaching rosario cacao
Tools for learning and teaching rosario cacaoRosario Cação
 
Dimensions of Quality in e-Learning
Dimensions of Quality in e-LearningDimensions of Quality in e-Learning
Dimensions of Quality in e-LearningRosario Cação
 
B-learning: Expectativas, comportamentos e impactos
B-learning: Expectativas, comportamentos e impactosB-learning: Expectativas, comportamentos e impactos
B-learning: Expectativas, comportamentos e impactosRosario Cação
 
Modeling Critical Factors of Quality in e-Learning - A Structural Equations M...
Modeling Critical Factors of Quality in e-Learning - A Structural Equations M...Modeling Critical Factors of Quality in e-Learning - A Structural Equations M...
Modeling Critical Factors of Quality in e-Learning - A Structural Equations M...Rosario Cação
 
Requisitos Certificação de Entidades Formadoras
Requisitos Certificação de Entidades FormadorasRequisitos Certificação de Entidades Formadoras
Requisitos Certificação de Entidades FormadorasRosario Cação
 
Fitness for Use: Present or Future? Insights on Utility as a Primary Dimensio...
Fitness for Use: Present or Future? Insights on Utility as a Primary Dimensio...Fitness for Use: Present or Future? Insights on Utility as a Primary Dimensio...
Fitness for Use: Present or Future? Insights on Utility as a Primary Dimensio...Rosario Cação
 
Gestao de Referencias Bibliograficas
Gestao de Referencias BibliograficasGestao de Referencias Bibliograficas
Gestao de Referencias BibliograficasRosario Cação
 

Mais de Rosario Cação (20)

Legislacao da formação profissional
Legislacao da formação profissionalLegislacao da formação profissional
Legislacao da formação profissional
 
Theories of Motivation and Other Inspiring Theories
Theories of Motivation and Other Inspiring TheoriesTheories of Motivation and Other Inspiring Theories
Theories of Motivation and Other Inspiring Theories
 
Liderança
LiderançaLiderança
Liderança
 
Flipped Conferences
Flipped ConferencesFlipped Conferences
Flipped Conferences
 
Criatividade Pedagógica
Criatividade PedagógicaCriatividade Pedagógica
Criatividade Pedagógica
 
Análise de Sobrevivência de Kaplan-Meier
Análise de Sobrevivência de Kaplan-MeierAnálise de Sobrevivência de Kaplan-Meier
Análise de Sobrevivência de Kaplan-Meier
 
Indicadores de Maturidade no E-learning @TicEDUCA2014
Indicadores de Maturidade no E-learning @TicEDUCA2014Indicadores de Maturidade no E-learning @TicEDUCA2014
Indicadores de Maturidade no E-learning @TicEDUCA2014
 
Gestão e Formação de Expatriados e Quadros Internacionais
Gestão e Formação de Expatriados e Quadros InternacionaisGestão e Formação de Expatriados e Quadros Internacionais
Gestão e Formação de Expatriados e Quadros Internacionais
 
Qualidade no e-Learning @ Congresso Nacional de Formação Profissional 2014
Qualidade no e-Learning @ Congresso Nacional de Formação Profissional 2014Qualidade no e-Learning @ Congresso Nacional de Formação Profissional 2014
Qualidade no e-Learning @ Congresso Nacional de Formação Profissional 2014
 
Tipos de eventos
Tipos de eventosTipos de eventos
Tipos de eventos
 
Forcing Disruption in b‐Learning Workgroups
Forcing Disruption in b‐Learning WorkgroupsForcing Disruption in b‐Learning Workgroups
Forcing Disruption in b‐Learning Workgroups
 
Tools for learning and teaching rosario cacao
Tools for learning and teaching rosario cacaoTools for learning and teaching rosario cacao
Tools for learning and teaching rosario cacao
 
Dimensions of Quality in e-Learning
Dimensions of Quality in e-LearningDimensions of Quality in e-Learning
Dimensions of Quality in e-Learning
 
B-learning: Expectativas, comportamentos e impactos
B-learning: Expectativas, comportamentos e impactosB-learning: Expectativas, comportamentos e impactos
B-learning: Expectativas, comportamentos e impactos
 
Modeling Critical Factors of Quality in e-Learning - A Structural Equations M...
Modeling Critical Factors of Quality in e-Learning - A Structural Equations M...Modeling Critical Factors of Quality in e-Learning - A Structural Equations M...
Modeling Critical Factors of Quality in e-Learning - A Structural Equations M...
 
Taxonomia de Anderson
Taxonomia de AndersonTaxonomia de Anderson
Taxonomia de Anderson
 
Requisitos Certificação de Entidades Formadoras
Requisitos Certificação de Entidades FormadorasRequisitos Certificação de Entidades Formadoras
Requisitos Certificação de Entidades Formadoras
 
Fitness for Use: Present or Future? Insights on Utility as a Primary Dimensio...
Fitness for Use: Present or Future? Insights on Utility as a Primary Dimensio...Fitness for Use: Present or Future? Insights on Utility as a Primary Dimensio...
Fitness for Use: Present or Future? Insights on Utility as a Primary Dimensio...
 
Gestao de Referencias Bibliograficas
Gestao de Referencias BibliograficasGestao de Referencias Bibliograficas
Gestao de Referencias Bibliograficas
 
Qualidade no e-learning
Qualidade no e-learningQualidade no e-learning
Qualidade no e-learning
 

Último

Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfErasmo Portavoz
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024Jeanoliveira597523
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 anoandrealeitetorres
 
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxDoutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxThye Oliver
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASEdinardo Aguiar
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfPastor Robson Colaço
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOMarcosViniciusLemesL
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfdio7ff
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasCassio Meira Jr.
 
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino FundamentalCartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamentalgeone480617
 

Último (20)

Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
 
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxDoutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
 
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppttreinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
 
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino FundamentalCartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
 

Escalas para Medição de Atitudes - Com Exemplos Práticos Aplicados à Educação e Formação

  • 1. Escalas   p ara   m edição   d e   a 0tudes   com  exemplos  aplicados  à  educação  e  formação   Rosário  Cação   ©  Rosário  Cação/EVOLUI.COM  2011  
  • 2. Tipos  de  Escalas   •  Escalas de classificação ou rating numéricas •  Escala de Likert •  Escala diferenciais semânticas •  Escala de Stapel •  Escala de rating horizontal •  Escala de rating vertical •  Escala numérica comparativa de soma constante •  Escalas numérica ou de scores •  Escalas numéricas •  Escalas termómetro •  Escala de ordem ou ranks •  Escala pictural •  Escala de escolha múltipla •  Escala de escolha múltipla simples •  Escala check-list •  Escalas binária ou dicotómica •  Escala dicotómica simples •  Escala de pares comparativos •  Outras escalas •  Selecção comparativa de cartões •  Q Sort •  Escalas de não compromisso
  • 3. Escala  de  Likert  (1932)   •  É apresentado um conjunto de dimensões de atitudes para os quais os inquiridos têm de indicar o que grau de concordância com a afirmação, assinalando uma das posições numa escala de cinco pontos. •  Os questionários que utilizam escalas de Likert também podem ter pontuações de 1 a 5 ou de negativo a positivo, ou de -2 a 2, transformando assim as respostas em escalas de intervalo, o que permite o cálculo de médias, medianas e desvios padrões. •  As escalas de Likert podem ser usadas em questões isoladas ou como um conjunto de questões organizadas numa tabela ou grelha.  
  • 4. Escala  de  Likert  (1932)  
  • 5. Escala  de  Likert  (1932)   Existem quatro efeitos a ter em conta (Brace, 2005, pp. 74-76): •  Efeito de ordem: há uma tendência para a esquerda nas escalas preenchidas pelos inquiridos. •  Acquiescence: é a tendência para dizer sim a questões com que nem se concorda nem discorda. Por causa destes dois efeitos, o ideal é colocar os níveis de discordância à esquerda e os de concordância à direita, para que estes dois efeitos se compensem.
  • 6. Escala  de  Likert  (1932)   Existem quatro efeitos a ter em conta (Brace, 2005, pp. 74-76): •  Tendência central: é a relutância dos inquiridos de usar posições extremas. Para combater este efeito, pode-se dividir cada item em duas questões (uma que meça o grau de concordância ou extremidade e outra que meça a intensidade. Pode ainda evitar-se níveis como "extremamente insatisfeito'' e optar por versões menos radicais como "muito insatisfeito". •  Resposta padrão: ocorre quando o inquirido entra na rotina de seleccionar as opções num determinado padrão (por exemplo, escolhendo sempre a segunda opção). Geralmente, isto é um sintoma de fadiga ou enfadamento. Este efeito é facilmente identificado com perguntas de resposta conflituante, ou seja, perguntando uma coisa de uma forma e, mais à frente, colocando a mesma pergunta mas pela negativa.
  • 7. Escala  Diferencial  SemânKca     •  É uma escala bipolar de 7 pontos (Osgood, Suci, & Tannenbaum, 1957). •  Diferencia-se da escala de Likert por as afirmações opostas de uma dimensão estarem colocadas numa das duas pontas da escala e os inquiridos terem de indicar o seu grau de concordância colocando uma marca ao longo da escala. •  As opções de resposta consistem num par de adjectivos opostos.
  • 8. Escala  Diferencial  SemânKca     Como classfica o seminário em termos de organização?
  • 10. Escala  de  Stapel   •  Os items são colocados no centro da escala que oscila entre -5 e +5. Aos inquiridos é solicitado que indiquem se concordam positiva ou negativamente e quão fortemente, seleccionando um dos pontos da escala. •  Diferencia-se da escala diferencial semântica: •  Os pontos da escala são sempre identificados por números; •  Só é utilizada uma afirmação e se o inquirido discorda dela, assinala a sua posição nos pontos negativos; •  Assegura maior discriminação: há 10 posições em vez de 7; •  Não têm ponto central; •  Não requer adjectivos bipolares. •  É geralmente considerada confusa pelos inquiridos.
  • 12. Escala  de  Ra#ng  Horizontal   •  As escalas de rating horizontais fornecem posições de atitudes opostas e pedem ao inquirido para indicar o número, entre as posições, com que eles se identificam. •  Ao contrário das escalas diferenciais semânticas que utilizam um adjectivo e o seu oposto, as escalas de rating horizontal fazem uso de atitudes contrárias.
  • 13. Escala  de  Ra#ng  VerKcal   •  É solicitado ao inquirido que classifiquem, numa escada ou ordem, as suas preferências. •  Por exemplo, solicita-se aos inquiridos que ordenem os oradores de uma conferência por ordem de reputação.
  • 14. Escala  Numérica  ComparaKva  de  Soma  Constante   •  Uma variante comparativa da escala numérica é solicitar ao inquirido que distribua 100 pontos por um conjunto de atributos que ele considera importantes. •  Esta escala tem alguns problemas: •  Nem todos os inquiridos podem ter agilidade mental para fazer contas. •  Se existirem muitos atributos pelos quais têm de distribuir os 100 pontos, os inquiridos podem não ser capazes sequer de apurar quantos pontos dariam a cada atributo se eles fossem equitativamente importantes; •  Os inquiridos podem confundir-se nas contas e não garantir a soma de 100; •  Os inquiridos podem dar pontuações muito detalhadas (exemplo: 23 pontos num, 19 noutro, 47 no seguinte), o que lhes dificulta a soma.
  • 15. Escala  Numérica  ComparaKva  de  Soma  Constante  
  • 16. Escala  Numérica   •  É a escala mais comum e simples e é muito apropriada para questionários preenchidos pelo inquirido. •  Solicita-se ao inquirido que atribua uma classificação entre 1 e 10 (ou entre 0 e 10 caso seja necessário um ponto central) ou entre 1 e 100. •  Os pontos extremos são descritos verbalmente, ou seja, indica-se, por exemplo, que 10 é o valor mais elevado e 1 o valor mais baixo.
  • 17. Escala  Numérica   •  É uma escala de intervalo e não uma escala de rácio. Ou seja, se o inquirido atribuiu um 8 numa escala de 1 a 10, isso não significa que dá o dobro da importância atribuída por um inquirido que atribuiu 4. •  A escala numérica é adequada para medidas como a importância mas não para escolhas entre dois pontos igualmente positivos. •  Esta escala é aplicada em dois formatos: •  No primeiro, é dado um quadradinho para o inquirido assinalar a resposta. Uma variante deste formato é a escala numérica comparativa de soma constante. •  No segundo, são dados tantos quadradinhos quanto os níveis da escala, para o inquirido assinalar o nível da sua resposta.
  • 18. Escala  Numérica   •  Esta escala é aplicada em dois formatos: •  No primeiro, é dado um quadradinho para o inquirido assinalar a resposta. Uma variante deste formato é a escala numérica comparativa de soma constante. •  No segundo, são dados tantos quadradinhos quanto os níveis da escala, para o inquirido assinalar o nível da sua resposta.
  • 19. Escala  Numérica   •  Esta escala é aplicada em dois formatos: •  No segundo, são dados tantos quadradinhos quanto os níveis da escala, para o inquirido assinalar o nível da sua resposta.
  • 20. Escala  Numérica   •  As escalas numéricas também têm versões gráficas, muito usadas nos questionários online, onde é usada uma barra que o inquirido vai puxando para um ou para outro lado para aumentar a classificação que atribui.
  • 21. Escala  de  Termómetro   •  As escalas de termómetro também são escalas de scores em que se fornece uma imagem de um termómetro, com, por exemplo, 9 níveis e uma descrição para cada nível, e depois se solicita a classificação de vários items.
  • 23. Escala  de  Ordem  ou  Rank   •  Muito semelhante à escala de rating vertical, esta escala solicita aos inquiridos que classifiquem a importância ou força do grau de concordância com um determinado item, em comparação com a forma com que os outros items são classificados. •  Assim, as respostas indicam a importância relativa, e não absoluta, dos items. •  Esta escala torna-se difícil se existem muitos items para classificar. Neste caso, pode pedir-se para o inquirido classificar apenas as duas ou três do topo superior e do extremo inferior.
  • 24. Escala  de  Ordem  ou  Rank  
  • 25. Escala  Pictural   •  Utiliza desenhos, geralmente sorrisos, para os inquiridos assinalarem as respostas. •  É preferível à escala semântica em várias circunstâncias (Brace, 2005, pp. 83-84): •  Quando os inquiridos são crianças, incapazes de relacionar as suas respostas com descrições verbais; •  Quando as diferenças culturais entre os inquiridos podem trazer diferentes interpretações das descrições verbais; •  Em estudos entre países onde as traduções podem alterar os significados; •  Quando a população alvo tem um baixo nível de literacia; •  Quando os inquiridos não conseguem quantificar ou descrever verbalmente a sua atitude (por exemplo, a dor que sentem).
  • 26. Escala  Pictural   Fonte: Hockenberry MJ, Wilson D, Winkelstein ML: Wong's Essentials of Pediatric Nursing, ed. 7, St. Louis, 2005, p. 1259.
  • 27. Escala  de  Escolha  MúlKpla  Simples   •  Requer que o inquirido escolha apenas a uma das alternativas de uma lista de três ou mais hipóteses. •  Nesta escala, existem quatro formatos: 1.  Escolha múltipla simples nominal, onde a ordem pela qual são apresentados os items é irrelevante. 2.  Escolha múltipla simples ordinal, onde os items devem ser ordenados do mais baixo para o mais alto. 3.  Escolha múltipla simples de afirmações de atitudes ordenadas, que são semelhantes às escalas de Likert e onde é pedido ao inquirido que assinale a posição ou atitude que mais se aproxima da sua visão. 4.  Escolha múltipla simples onde as alternativas podem ser um número exacto ou um intervalo.
  • 28. Escala  de  Escolha  MúlKpla  Simples   1. Escolha múltipla simples nominal
  • 29. Escala  de  Escolha  MúlKpla  Simples   2. Escolha múltipla simples ordinal
  • 30. Escala  de  Escolha  MúlKpla  Simples   3. Escolha múltipla simples de afirmações de atitudes ordenadas
  • 31. Escala  de  Escolha  MúlKpla  Simples   4. Escolha múltipla simples numéricas
  • 32. Escala  Check-­‐List   •  Esta escala envolve listar um conjunto de items e solicitar aos inquiridos que seleccionem todos que se aplicam. •  É uma variante da escala de escolha múltipla simples em que o inquirido pode seleccionar mais do que uma alternativa.
  • 35. Escala  Dicotómica  Simples   •  Também chamada escala binária ou de pares. •  Solicita-se aos inquiridos que seleccionem uma de duas alternativas fixas.
  • 36. Escala  de  Pares  ComparaKvos   •  Nesta escala, os inquiridos têm de escolher entre dois objectos usando um determinado critério como a importância, a satisfação ou a preferência. •  Os pares podem ser combinados por forma a serem comparados todos entre si. •  A desvantagem desta escala é que está limitada a um número pequeno de objectos. Por exemplo, com seis objectos, são necessários 15 pares para garantir que todos são comparados entre si.
  • 37. Escala  de  Pares  ComparaKvos  
  • 38. Selecção  ComparaKva  de  Cartões   •  Este formato é adequado quando existe um elevado número de items (mais de 30) para avaliar e é necessário ordená-los por importância. •  É aplicado com ajuda de um técnico que vai passando cartões ao inquirido que tem de os colocar em 5 montinhos: muito importante, importante, nem importante nem sem importância, pouco importante, sem importância.
  • 39. Q  Sort   •  Semelhante à selecção comparativa de cartões, é aplicado quando o número de objectos é elevado (mais de 100). •  É pedido ao inquirido que construa uma distribuição de frequências colocando um conjunto de cartas num de 11 ou 12 montes, de acordo com o grau de desejabilidade que atribui às características escritas nos cartões. •  Pode ser solicitado que coloquemum determinado número de objectos em cada ponto da escala por forma a criar uma distribuição normal. •  Uma versão mais recente é a escala numérica comparativa de soma constante.
  • 40. Escalas  de  Não  Compromisso   •  Em termos gerais, devem ser fornecidas alternativas para "não sabe" ou "não tem opinião" para questões em que os inquiridos ainda não pensaram no assunto e ainda não têm uma opinião formada. Força-los a expressar uma opinião quando eles não a têm, cria respostas falas e não confiáveis. •  O perigo de usar as alternativas do "não sabe" ou "não tem opinião" é que os inquiridos podem escolhê-las por preguiça. Uma das formas de combater esse perigo é torná-las menos visíveis (por exemplo, serem as últimas opções ou, nos questionários escritos, estarem separadas das outras).
  • 41. Escalas  de  Não  Compromisso   •  Outro tipo de escala de não compromisso é a inclusão de alternativas neutras, chamadas de "sitting on the fence”. •  Há autores que consideram que as sitting on the fence não devem ser dadas porque ao serem omitidas vão forçar as pessoas a indicar a direcção da sua opinião (i.e. se caem para um lado e concordam, ou caem para outro lado e discordam). •  Outros autores consideram que, ao serem omitidas vai forçar uma direccionalidade de opinião (Converse & Presser, 1986). Nos questionários auto-administrados, é preferível fornecer esta alternativa neutra. •  Uma alternativa para lidar com este problema é fazer com que a resposta não seja obrigatória (por exemplo, nos questionários online, o inquirido não ser obrigado a responder antes de poder passar para a pergunta seguinte).
  • 42. Escalas   p ara   m edição   d e   a 0tudes   com  exemplos  aplicados  à  educação  e  formação   Rosário  Cação   ©  Rosário  Cação/EVOLUI.COM  2011