SlideShare uma empresa Scribd logo
SUPORTE BÁSICO DE
                     VIDA
- BASIC LIFE SUPORT (BLS)

Professor: Arnaud Macedo de Oliveira Filho

Marina Sousa da Silva
Raquel Nascimento Matias
Re b e c a A l e v a t o D o n a d o n
Vinícius Lelis
Yu r i R a s l a n
DEFINIÇÃO

 O suporte básico de vida compreende ventilação e massagem
  cardíaca. Deve ser instituído o mais precocemente possível, e
  só deve ser interrompido em três situações:
   Para se proceder à desfibrilação
   Para a realização da intubação orotraqueal
   Para a infusão de medicação na cânula orotraqueal
PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA
             (PCR)

      INTERRUPÇÃO SÚBITA DA ATIVIDADE MECÂNICA CARDÍACA. É A
    FALÊNCIA CARDIOPULMONAR AGUDA QUE TORNA INSUFICIENTE O
         FLUXO SANGUÍNEO PARA MANTER A FUNÇÃO CEREBRAL.



 Sinais Clínicos                  Sinais que precedem
   Inconsciência                      Dor torácica
   Ausência de movimentos             Sudorese
    respiratórios                      Palpitações precordiais
   Ausência     de  pulso  em         Tontura
    grandes artérias (femoral e        Alterações neurológicas
    carótidas)
                                       Parada     de   sangramento
                                        prévio
PROCEDIMENTOS INICIAIS

 Socorrista deve verificar rapidamente a respiração  não
  respirando ou gasping:
   Solicitar ajuda
     Desfibrilador
     Monitor
   Em 2005: o atendente deve incluir perguntas que auxiliem o
    socorrista na indentificação de pacientes com gasping

 Posicionar a vítima em decúbito dorsal em uma superfície
  plana e dura
   Manter a cabeça e o tórax no mesmo plano

 Iniciar suporte básico de vida
   CABD
C-A-B-D

   C   –   Compressão torácica externa
   A   –   Via Aérea
   B   –   Respiração
   D   –   Desfibrilação

 As diretrizes da American Heart Association (AHA) 2010 de
  suporte básico de vida foram alteradas de A -B-C para C- A -B 
  iniciar compressões torácicas antes das ventilações.
     Motivo: sobrevivência maior quando se faz RCP
     Compressões torácicas devem ser iniciadas quase imediatamente
ELIMINAÇÃO DO “VER, OUVIR E SENTIR
         SE HÁ RESPIRAÇÃO”
 Tal procedimento foi removido da sequência de RCP

 Após a aplicação de 30 compressões, o socorrista que atuar
  sozinho deverá abrir a via aérea da vítima e aplicar duas
  ventilações.

   Motivo: com a nova sequência “compressões torácicas primeiro”, a
    RCP será executada se o adulto não estiver respondendo e nem
    respirando ou não respirando normalmente  A respiração já é
    verificada no diagnóstico de PCR.
C -A-B-D
 Compressões torácicas
   Os cotovelos são mantidos retos sem se
    flexionarem.
   O peso do dorso do reanimador é que
    produzirá a força necessária durante as
    compressões, diminuindo-se o esforço
    muscular e evitando-se, assim, a fadiga.
   Frequência mínima de 100 compressões
    por minuto
     Em 2005 eram aproximadamente 100
      compressões/minuto
     Motivo:    mais   compressões    estão
      associadas    a  maiores   taxas    de
      sobrevivência
C -A-B-D
 O esterno deve ser comprimido aproximadamente 5cm de forma
  forte e rápida permitindo que o tórax volte à sua posição normal
  antes da próxima compressão
   Em 2005 era aproximadamente 4-5cm
   Motivo: aumento da pressão intratorácica  compressão direta do
    coração  maior fluxo sanguíneo
 São feitas 30 compressões para cada 2 insuflações
C -A-B-D
 O soco precordial não deve ser usado em PCR extra-hospitalar
  não presenciada
   Poderá ser considerado para pacientes com TV instável, presenciada
    e monitorizada caso não haja um desfibrilador imediatamente pronto
    para uso.
   Não deverá retardar a RCP nem a aplicação dos choques
   Em 2005: não havia recomendações
   Motivo: há relatos de conversão de taquiarritmias ventriculares pelo
    soco precordial
   Complicações:
       Fratura do esterno
       Osteomielite
       AVE/AVC
       Desencadeamento de arritmias malignas em adultos e crianças
C-   A -B-D
 Percepção da obstrução completa das vias aéreas
     Esforço respiratório
     Movimentação paradoxal do tórax e do abdome
     Possibilidade de cricotireoidostomia
     Apnéia
       Não há ruídos e ar expirados
       Ausência de movimentos do tórax e do abdome
C-   A -B-D
 Airway – Vias aéreas
   Observar a presença de secreções, corpos estranhos e próteses
   Abertura das vias aéreas: ATENÇÃO – observar se há trauma cervical
     Levantamento de queixo (Chin lift)
       Uma mão na testa do paciente, enquanto a outra eleva o queixo  hiperextensão
     Anteriorização da mandíbula (Jaw thrust)
       Uma mão em cada ângulo da mandíbula , deslocando-a para frente e inclinando a testa para
        baixo




      Manobra de Chin lift                                Manobra de Jaw thrust
C-   A -B-D
 Está indicado o uso da cânula orofaríngea (cânula de Guedel)
  para evitar a queda da língua e obstrução da via aérea

 Pressão cricóide (manobra de Sellick) não é recomendada
   Em 2005: era utilizada quando a vítima está profundamente
    incosciente
   Motivo: impede a aspiração de conteúdo gástrico, entretanto pode
    impedir a ventilação ou retardar a colocação de uma via aérea
    avançada
C-A-   B -D
 Breath – Ventilação
   Ausência de movimentos respiratórios
     Respiração boca a boca
     2ª opção: boca-nariz
   Duração da ventilação: 1 segundo
   Verificação da eficiência
     Elevação do tórax na insuflação/inspiração
     Escape de ar das vias aéreas na expiração

                               30 compressões
                                      x
                                2 insuflações




                                  10-12
                           insuflações/minuto
C-A-   B -D
 Técnica
   Indica-se uso de acessórios protetores (pocket mask) para diminuir o
    risco de doenças infecciosas
        1. O socorrista inspira profundamente
        2. Coloca a boca aberta em torno da boca semi -aberta do doente,
        fechando as narinas
        3. Soprar o ar do espaço morto (cerca de 500 mL) ou utilizar
           AMBU
C-A-B-     D
 Desfibrilação
   Aplicação de uma descarga elétrica contínua, não sincronizada no
    tórax
   Indicada nos casos de fibrilação ventricular e taquicardia ventricular
     1,5 a 3 minutos de RCP antes da desfibrilação
     Quando houver 2 ou mais socorristas: 1 aplica a RCP, enquanto o outro
      busca o desfibrilador


   Mecanismo: despolarização conjunta do miocárdio  NA retoma o
    ritmo cardíaco

   Reafirmação do protocolo (2005) de 1 choque em vez da sequência
    de 3 choques consecutivos
     Motivo: se 1 choque não eliminar a FV, o benefício incremental de outro
      choque é baixo, sendo o reinicio da RCP mais vantajoso
C-A-B-   D
   Checar o pulso em 2 min ou 5 ciclos
   Onda bifásica, preferencialmente, ou monofásica de 120-200J
    (reafirmação de 2005)
   A partir do 2º choque, a energia deve ser equivalente ou mais
    alta, se disponível


 Colocação de eletrodos
   Tórax desnudo
  4            possíveis          posições         das          pás:
    anterolateral, anteroposterior, infraescapular anteroesquerda e
    infraescapular anterodireita
   Em 2005: as pás possuíam posicionamento específico
   Motivo: não há relação comprovada do posicionamento das pás e a
    eficácia da desfibrilação
C-A-B-     D
 Desfibrilação Externa Automática
   São equipamentos portáteis, computadorizados, que analisam o
    ECG, incluindo a freqüência, amplitude, inclinação e morfologia da
    onda
   Em locais públicos nos quais exista alta probabilidade de PCR
    (aeroportos, parque de diversão) recomenda-se o estabelecimento de
    programas de DEAs


 Desfibrilação pediátrica
   De 1-8 anos: utilização de sistema atenuador de carga pediátrica. Se
    não disponível, utilizar DEA padrão
   Menores de 1 ano: preferível desfibrilador manual, se não
    desfibrilação com atenuação de carga, se não DEA padrão
   Em 2005: não se utilizava DEA padrão em menores de 1 ano
   Motivo: DEA tem sido utilizado com êxito em bebês, sem efeitos
    adversos claros
C-A-B-    D
 Carga inicial de 2J/kg  4J/kg  10J/kg (carga máxima) ou
  carga máxima para adultos
 Em 2005: a partir da 2ª carga  4J/kg
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

 American Heart Association. Destaques das Diretrizes da
 American Heart Association 2010 para RCP e
 ACE, Hilights 2010, p.1-13, 2010.

 FILHO, A. P. et al. Parada Respiratória (PCR) .
 Medicina, Riberão Preto, 36: 163-178, abr-dez. 2003.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula PCR
Aula PCRAula PCR
Aula PCR
Anestesiador
 
Ppt rcp 2014 (1)
Ppt rcp 2014 (1)Ppt rcp 2014 (1)
Ppt rcp 2014 (1)
Elisabeth Ayala
 
Parada Cardiorrespiratória
Parada CardiorrespiratóriaParada Cardiorrespiratória
Parada Cardiorrespiratória
Paula Oliveira
 
Ressuscitação Cardiopulmonar
Ressuscitação Cardiopulmonar Ressuscitação Cardiopulmonar
Ressuscitação Cardiopulmonar
resenfe2013
 
Urgência e Emergência
Urgência e EmergênciaUrgência e Emergência
Urgência e Emergência
Rosemeire Moreira Souza
 
Parada cardiorrespiratória
Parada cardiorrespiratória Parada cardiorrespiratória
Parada cardiorrespiratória
Leila Daniele
 
RCP
RCPRCP
Atendimento na parada cardiorrespiratória em adultos pela equipe multidiscipl...
Atendimento na parada cardiorrespiratória em adultos pela equipe multidiscipl...Atendimento na parada cardiorrespiratória em adultos pela equipe multidiscipl...
Atendimento na parada cardiorrespiratória em adultos pela equipe multidiscipl...
Aroldo Gavioli
 
4 aula souza
4 aula souza 4 aula souza
4 aula souza
Ulisses Souza
 
PCR - PARADDA CARDIORESPIRATORIA / universidade
PCR - PARADDA CARDIORESPIRATORIA / universidade PCR - PARADDA CARDIORESPIRATORIA / universidade
PCR - PARADDA CARDIORESPIRATORIA / universidade
Rui Amorim
 
Aula 1 - Urgência e emergência
Aula 1 - Urgência e emergênciaAula 1 - Urgência e emergência
Aula 1 - Urgência e emergência
Ricardo Augusto
 
ebook avaliação primária XABCDE
ebook avaliação primária XABCDEebook avaliação primária XABCDE
ebook avaliação primária XABCDE
ItrianBorges
 
Enfermagem em Urgência Emergência
Enfermagem em Urgência EmergênciaEnfermagem em Urgência Emergência
Enfermagem em Urgência Emergência
Wellington Moreira Ribeiro
 
Noções básicas sobre primeiros socorros
Noções básicas sobre primeiros socorrosNoções básicas sobre primeiros socorros
Noções básicas sobre primeiros socorros
Rocha Neto
 
Urgência e emergência
Urgência e emergênciaUrgência e emergência
Urgência e emergência
Alexandre Donha
 
Slides Primeiros Socorros
Slides Primeiros SocorrosSlides Primeiros Socorros
Slides Primeiros Socorros
Oberlania Alves
 
Urgencia e emergencia - aula 1 (1).pptx
Urgencia e emergencia - aula 1 (1).pptxUrgencia e emergencia - aula 1 (1).pptx
Urgencia e emergencia - aula 1 (1).pptx
EnfermeiraLuciana1
 
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar Neopediátrica
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar NeopediátricaNovas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar Neopediátrica
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar Neopediátrica
resenfe2013
 
PCR- Parada Cardiorrespiratória
PCR- Parada CardiorrespiratóriaPCR- Parada Cardiorrespiratória
PCR- Parada Cardiorrespiratória
Renato Pereira da Costa
 
TREINAMENTO PRIMEIROS SOCORROS
TREINAMENTO PRIMEIROS SOCORROSTREINAMENTO PRIMEIROS SOCORROS
TREINAMENTO PRIMEIROS SOCORROS
Julio Jayme
 

Mais procurados (20)

Aula PCR
Aula PCRAula PCR
Aula PCR
 
Ppt rcp 2014 (1)
Ppt rcp 2014 (1)Ppt rcp 2014 (1)
Ppt rcp 2014 (1)
 
Parada Cardiorrespiratória
Parada CardiorrespiratóriaParada Cardiorrespiratória
Parada Cardiorrespiratória
 
Ressuscitação Cardiopulmonar
Ressuscitação Cardiopulmonar Ressuscitação Cardiopulmonar
Ressuscitação Cardiopulmonar
 
Urgência e Emergência
Urgência e EmergênciaUrgência e Emergência
Urgência e Emergência
 
Parada cardiorrespiratória
Parada cardiorrespiratória Parada cardiorrespiratória
Parada cardiorrespiratória
 
RCP
RCPRCP
RCP
 
Atendimento na parada cardiorrespiratória em adultos pela equipe multidiscipl...
Atendimento na parada cardiorrespiratória em adultos pela equipe multidiscipl...Atendimento na parada cardiorrespiratória em adultos pela equipe multidiscipl...
Atendimento na parada cardiorrespiratória em adultos pela equipe multidiscipl...
 
4 aula souza
4 aula souza 4 aula souza
4 aula souza
 
PCR - PARADDA CARDIORESPIRATORIA / universidade
PCR - PARADDA CARDIORESPIRATORIA / universidade PCR - PARADDA CARDIORESPIRATORIA / universidade
PCR - PARADDA CARDIORESPIRATORIA / universidade
 
Aula 1 - Urgência e emergência
Aula 1 - Urgência e emergênciaAula 1 - Urgência e emergência
Aula 1 - Urgência e emergência
 
ebook avaliação primária XABCDE
ebook avaliação primária XABCDEebook avaliação primária XABCDE
ebook avaliação primária XABCDE
 
Enfermagem em Urgência Emergência
Enfermagem em Urgência EmergênciaEnfermagem em Urgência Emergência
Enfermagem em Urgência Emergência
 
Noções básicas sobre primeiros socorros
Noções básicas sobre primeiros socorrosNoções básicas sobre primeiros socorros
Noções básicas sobre primeiros socorros
 
Urgência e emergência
Urgência e emergênciaUrgência e emergência
Urgência e emergência
 
Slides Primeiros Socorros
Slides Primeiros SocorrosSlides Primeiros Socorros
Slides Primeiros Socorros
 
Urgencia e emergencia - aula 1 (1).pptx
Urgencia e emergencia - aula 1 (1).pptxUrgencia e emergencia - aula 1 (1).pptx
Urgencia e emergencia - aula 1 (1).pptx
 
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar Neopediátrica
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar NeopediátricaNovas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar Neopediátrica
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar Neopediátrica
 
PCR- Parada Cardiorrespiratória
PCR- Parada CardiorrespiratóriaPCR- Parada Cardiorrespiratória
PCR- Parada Cardiorrespiratória
 
TREINAMENTO PRIMEIROS SOCORROS
TREINAMENTO PRIMEIROS SOCORROSTREINAMENTO PRIMEIROS SOCORROS
TREINAMENTO PRIMEIROS SOCORROS
 

Semelhante a Supoerte Básico de Vida - Basic Life Suporte (BLS)

SUPORTE BASICO DE VIDA - RCP
SUPORTE BASICO DE VIDA - RCPSUPORTE BASICO DE VIDA - RCP
SUPORTE BASICO DE VIDA - RCP
RafaelaAraujo53
 
aula suporte basico 16 - ADULTO.ppt
aula suporte basico 16 - ADULTO.pptaula suporte basico 16 - ADULTO.ppt
aula suporte basico 16 - ADULTO.ppt
LarcioFerreiraSilva
 
Suporte Básico de Vida - EEEP WALFRIDO 2017
Suporte Básico de Vida - EEEP WALFRIDO 2017Suporte Básico de Vida - EEEP WALFRIDO 2017
Suporte Básico de Vida - EEEP WALFRIDO 2017
WALFRIDO Farias Gomes
 
Suporte básico de vida
Suporte básico de vidaSuporte básico de vida
APH Dea
APH DeaAPH Dea
APH Dea
Deise
 
RCP - Suporte Básico de Vida (2014)
RCP - Suporte Básico de Vida (2014)RCP - Suporte Básico de Vida (2014)
RCP - Suporte Básico de Vida (2014)
Francismar Prestes Leal
 
Aph completo ulisses souza
Aph completo  ulisses souzaAph completo  ulisses souza
Aph completo ulisses souza
Ulisses Souza
 
A C L S e B L S Recomendações
A C L S e  B L S  RecomendaçõesA C L S e  B L S  Recomendações
A C L S e B L S Recomendações
Lázaro Inácio Araújo Rodrigues
 
Protocolo rcp basico banner
Protocolo rcp basico bannerProtocolo rcp basico banner
Protocolo rcp basico banner
patybina
 
APOSTILA 3 cti centro de terapia intensiva
APOSTILA 3 cti centro de terapia intensivaAPOSTILA 3 cti centro de terapia intensiva
APOSTILA 3 cti centro de terapia intensiva
izabellinurse
 
slide-sv.pdf
slide-sv.pdfslide-sv.pdf
slide-sv.pdf
EvandroSales10
 
Suporte avançado de vida em cardiologia
Suporte avançado de vida em cardiologiaSuporte avançado de vida em cardiologia
Suporte avançado de vida em cardiologia
Daniel Valente
 
BLV 1.pptx
BLV 1.pptxBLV 1.pptx
BLV 1.pptx
ThaisBarbosaSouza
 
Currents
CurrentsCurrents
Currents
Claudio Viegas
 
Currents
CurrentsCurrents
Currents
Claudio Viegas
 
REANIMAÇÃO CARDIOPULMONAR-RCP.pdf
REANIMAÇÃO CARDIOPULMONAR-RCP.pdfREANIMAÇÃO CARDIOPULMONAR-RCP.pdf
REANIMAÇÃO CARDIOPULMONAR-RCP.pdf
CamilaNunes401195
 
SBV
SBVSBV
Suporte Básico para a Vida (Uso do Desfibrilador Externo Automático - DEA)
Suporte Básico para a Vida (Uso do Desfibrilador Externo Automático - DEA)Suporte Básico para a Vida (Uso do Desfibrilador Externo Automático - DEA)
Suporte Básico para a Vida (Uso do Desfibrilador Externo Automático - DEA)
Thales Barcellos
 
Suporte Básico para a Vida - Uso do Desfibrilador Externo Automático - DEA
Suporte Básico para a Vida - Uso do Desfibrilador Externo Automático - DEASuporte Básico para a Vida - Uso do Desfibrilador Externo Automático - DEA
Suporte Básico para a Vida - Uso do Desfibrilador Externo Automático - DEA
Conf_Bras_Beisebol_Softbol
 
Principais mudanças no protocolo RCP 2010
Principais mudanças no protocolo RCP 2010Principais mudanças no protocolo RCP 2010
Principais mudanças no protocolo RCP 2010
Paulo Sérgio
 

Semelhante a Supoerte Básico de Vida - Basic Life Suporte (BLS) (20)

SUPORTE BASICO DE VIDA - RCP
SUPORTE BASICO DE VIDA - RCPSUPORTE BASICO DE VIDA - RCP
SUPORTE BASICO DE VIDA - RCP
 
aula suporte basico 16 - ADULTO.ppt
aula suporte basico 16 - ADULTO.pptaula suporte basico 16 - ADULTO.ppt
aula suporte basico 16 - ADULTO.ppt
 
Suporte Básico de Vida - EEEP WALFRIDO 2017
Suporte Básico de Vida - EEEP WALFRIDO 2017Suporte Básico de Vida - EEEP WALFRIDO 2017
Suporte Básico de Vida - EEEP WALFRIDO 2017
 
Suporte básico de vida
Suporte básico de vidaSuporte básico de vida
Suporte básico de vida
 
APH Dea
APH DeaAPH Dea
APH Dea
 
RCP - Suporte Básico de Vida (2014)
RCP - Suporte Básico de Vida (2014)RCP - Suporte Básico de Vida (2014)
RCP - Suporte Básico de Vida (2014)
 
Aph completo ulisses souza
Aph completo  ulisses souzaAph completo  ulisses souza
Aph completo ulisses souza
 
A C L S e B L S Recomendações
A C L S e  B L S  RecomendaçõesA C L S e  B L S  Recomendações
A C L S e B L S Recomendações
 
Protocolo rcp basico banner
Protocolo rcp basico bannerProtocolo rcp basico banner
Protocolo rcp basico banner
 
APOSTILA 3 cti centro de terapia intensiva
APOSTILA 3 cti centro de terapia intensivaAPOSTILA 3 cti centro de terapia intensiva
APOSTILA 3 cti centro de terapia intensiva
 
slide-sv.pdf
slide-sv.pdfslide-sv.pdf
slide-sv.pdf
 
Suporte avançado de vida em cardiologia
Suporte avançado de vida em cardiologiaSuporte avançado de vida em cardiologia
Suporte avançado de vida em cardiologia
 
BLV 1.pptx
BLV 1.pptxBLV 1.pptx
BLV 1.pptx
 
Currents
CurrentsCurrents
Currents
 
Currents
CurrentsCurrents
Currents
 
REANIMAÇÃO CARDIOPULMONAR-RCP.pdf
REANIMAÇÃO CARDIOPULMONAR-RCP.pdfREANIMAÇÃO CARDIOPULMONAR-RCP.pdf
REANIMAÇÃO CARDIOPULMONAR-RCP.pdf
 
SBV
SBVSBV
SBV
 
Suporte Básico para a Vida (Uso do Desfibrilador Externo Automático - DEA)
Suporte Básico para a Vida (Uso do Desfibrilador Externo Automático - DEA)Suporte Básico para a Vida (Uso do Desfibrilador Externo Automático - DEA)
Suporte Básico para a Vida (Uso do Desfibrilador Externo Automático - DEA)
 
Suporte Básico para a Vida - Uso do Desfibrilador Externo Automático - DEA
Suporte Básico para a Vida - Uso do Desfibrilador Externo Automático - DEASuporte Básico para a Vida - Uso do Desfibrilador Externo Automático - DEA
Suporte Básico para a Vida - Uso do Desfibrilador Externo Automático - DEA
 
Principais mudanças no protocolo RCP 2010
Principais mudanças no protocolo RCP 2010Principais mudanças no protocolo RCP 2010
Principais mudanças no protocolo RCP 2010
 

Mais de Marina Sousa

Aterosclerose
AteroscleroseAterosclerose
Aterosclerose
Marina Sousa
 
Resumo: Caso Clínico - ITU
Resumo: Caso Clínico - ITUResumo: Caso Clínico - ITU
Resumo: Caso Clínico - ITU
Marina Sousa
 
Saúde do Idoso - A Queda
Saúde do Idoso - A QuedaSaúde do Idoso - A Queda
Saúde do Idoso - A Queda
Marina Sousa
 
Burnout
BurnoutBurnout
Burnout
Marina Sousa
 
Diabetes tipo I e a hipersensibilidade tipo IV
Diabetes tipo I e a hipersensibilidade tipo IVDiabetes tipo I e a hipersensibilidade tipo IV
Diabetes tipo I e a hipersensibilidade tipo IV
Marina Sousa
 
Ordem Siphonaptera
Ordem SiphonapteraOrdem Siphonaptera
Ordem Siphonaptera
Marina Sousa
 
Trabalho final
Trabalho finalTrabalho final
Trabalho final
Marina Sousa
 
Melatonin in Humans
Melatonin in HumansMelatonin in Humans
Melatonin in Humans
Marina Sousa
 
Olhos, medicina e arte
Olhos, medicina e arteOlhos, medicina e arte
Olhos, medicina e arte
Marina Sousa
 
Caso clínico - Episiotomia Mediana
Caso clínico - Episiotomia MedianaCaso clínico - Episiotomia Mediana
Caso clínico - Episiotomia Mediana
Marina Sousa
 
PREVALÊNCIA DE AUTOMEDICAÇÃO ENTRE ESTUDANTES DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRA...
PREVALÊNCIA DE AUTOMEDICAÇÃO ENTRE ESTUDANTES DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRA...PREVALÊNCIA DE AUTOMEDICAÇÃO ENTRE ESTUDANTES DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRA...
PREVALÊNCIA DE AUTOMEDICAÇÃO ENTRE ESTUDANTES DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRA...
Marina Sousa
 
Microbiologia trabalho final
Microbiologia   trabalho finalMicrobiologia   trabalho final
Microbiologia trabalho final
Marina Sousa
 
Polidactilia
PolidactiliaPolidactilia
Polidactilia
Marina Sousa
 
Drogas
DrogasDrogas
Drogas
Marina Sousa
 
Gemelaridade
GemelaridadeGemelaridade
Gemelaridade
Marina Sousa
 
Gemelaridade
GemelaridadeGemelaridade
Gemelaridade
Marina Sousa
 
Controle Alostérico da Fosforilação do Glicogênio
Controle Alostérico da Fosforilação do GlicogênioControle Alostérico da Fosforilação do Glicogênio
Controle Alostérico da Fosforilação do Glicogênio
Marina Sousa
 
Vacinas de DNA
Vacinas de DNAVacinas de DNA
Vacinas de DNA
Marina Sousa
 

Mais de Marina Sousa (18)

Aterosclerose
AteroscleroseAterosclerose
Aterosclerose
 
Resumo: Caso Clínico - ITU
Resumo: Caso Clínico - ITUResumo: Caso Clínico - ITU
Resumo: Caso Clínico - ITU
 
Saúde do Idoso - A Queda
Saúde do Idoso - A QuedaSaúde do Idoso - A Queda
Saúde do Idoso - A Queda
 
Burnout
BurnoutBurnout
Burnout
 
Diabetes tipo I e a hipersensibilidade tipo IV
Diabetes tipo I e a hipersensibilidade tipo IVDiabetes tipo I e a hipersensibilidade tipo IV
Diabetes tipo I e a hipersensibilidade tipo IV
 
Ordem Siphonaptera
Ordem SiphonapteraOrdem Siphonaptera
Ordem Siphonaptera
 
Trabalho final
Trabalho finalTrabalho final
Trabalho final
 
Melatonin in Humans
Melatonin in HumansMelatonin in Humans
Melatonin in Humans
 
Olhos, medicina e arte
Olhos, medicina e arteOlhos, medicina e arte
Olhos, medicina e arte
 
Caso clínico - Episiotomia Mediana
Caso clínico - Episiotomia MedianaCaso clínico - Episiotomia Mediana
Caso clínico - Episiotomia Mediana
 
PREVALÊNCIA DE AUTOMEDICAÇÃO ENTRE ESTUDANTES DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRA...
PREVALÊNCIA DE AUTOMEDICAÇÃO ENTRE ESTUDANTES DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRA...PREVALÊNCIA DE AUTOMEDICAÇÃO ENTRE ESTUDANTES DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRA...
PREVALÊNCIA DE AUTOMEDICAÇÃO ENTRE ESTUDANTES DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRA...
 
Microbiologia trabalho final
Microbiologia   trabalho finalMicrobiologia   trabalho final
Microbiologia trabalho final
 
Polidactilia
PolidactiliaPolidactilia
Polidactilia
 
Drogas
DrogasDrogas
Drogas
 
Gemelaridade
GemelaridadeGemelaridade
Gemelaridade
 
Gemelaridade
GemelaridadeGemelaridade
Gemelaridade
 
Controle Alostérico da Fosforilação do Glicogênio
Controle Alostérico da Fosforilação do GlicogênioControle Alostérico da Fosforilação do Glicogênio
Controle Alostérico da Fosforilação do Glicogênio
 
Vacinas de DNA
Vacinas de DNAVacinas de DNA
Vacinas de DNA
 

Último

Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
YeniferGarcia36
 
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert EinsteinA Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
WelberMerlinCardoso
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 

Último (20)

Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
 
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert EinsteinA Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 

Supoerte Básico de Vida - Basic Life Suporte (BLS)

  • 1. SUPORTE BÁSICO DE VIDA - BASIC LIFE SUPORT (BLS) Professor: Arnaud Macedo de Oliveira Filho Marina Sousa da Silva Raquel Nascimento Matias Re b e c a A l e v a t o D o n a d o n Vinícius Lelis Yu r i R a s l a n
  • 2. DEFINIÇÃO  O suporte básico de vida compreende ventilação e massagem cardíaca. Deve ser instituído o mais precocemente possível, e só deve ser interrompido em três situações:  Para se proceder à desfibrilação  Para a realização da intubação orotraqueal  Para a infusão de medicação na cânula orotraqueal
  • 3. PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA (PCR) INTERRUPÇÃO SÚBITA DA ATIVIDADE MECÂNICA CARDÍACA. É A FALÊNCIA CARDIOPULMONAR AGUDA QUE TORNA INSUFICIENTE O FLUXO SANGUÍNEO PARA MANTER A FUNÇÃO CEREBRAL.  Sinais Clínicos  Sinais que precedem  Inconsciência  Dor torácica  Ausência de movimentos  Sudorese respiratórios  Palpitações precordiais  Ausência de pulso em  Tontura grandes artérias (femoral e  Alterações neurológicas carótidas)  Parada de sangramento prévio
  • 4. PROCEDIMENTOS INICIAIS  Socorrista deve verificar rapidamente a respiração  não respirando ou gasping:  Solicitar ajuda  Desfibrilador  Monitor  Em 2005: o atendente deve incluir perguntas que auxiliem o socorrista na indentificação de pacientes com gasping  Posicionar a vítima em decúbito dorsal em uma superfície plana e dura  Manter a cabeça e o tórax no mesmo plano  Iniciar suporte básico de vida  CABD
  • 5.
  • 6. C-A-B-D  C – Compressão torácica externa  A – Via Aérea  B – Respiração  D – Desfibrilação  As diretrizes da American Heart Association (AHA) 2010 de suporte básico de vida foram alteradas de A -B-C para C- A -B  iniciar compressões torácicas antes das ventilações.  Motivo: sobrevivência maior quando se faz RCP  Compressões torácicas devem ser iniciadas quase imediatamente
  • 7. ELIMINAÇÃO DO “VER, OUVIR E SENTIR SE HÁ RESPIRAÇÃO”  Tal procedimento foi removido da sequência de RCP  Após a aplicação de 30 compressões, o socorrista que atuar sozinho deverá abrir a via aérea da vítima e aplicar duas ventilações.  Motivo: com a nova sequência “compressões torácicas primeiro”, a RCP será executada se o adulto não estiver respondendo e nem respirando ou não respirando normalmente  A respiração já é verificada no diagnóstico de PCR.
  • 8. C -A-B-D  Compressões torácicas  Os cotovelos são mantidos retos sem se flexionarem.  O peso do dorso do reanimador é que produzirá a força necessária durante as compressões, diminuindo-se o esforço muscular e evitando-se, assim, a fadiga.  Frequência mínima de 100 compressões por minuto  Em 2005 eram aproximadamente 100 compressões/minuto  Motivo: mais compressões estão associadas a maiores taxas de sobrevivência
  • 9. C -A-B-D  O esterno deve ser comprimido aproximadamente 5cm de forma forte e rápida permitindo que o tórax volte à sua posição normal antes da próxima compressão  Em 2005 era aproximadamente 4-5cm  Motivo: aumento da pressão intratorácica  compressão direta do coração  maior fluxo sanguíneo  São feitas 30 compressões para cada 2 insuflações
  • 10. C -A-B-D  O soco precordial não deve ser usado em PCR extra-hospitalar não presenciada  Poderá ser considerado para pacientes com TV instável, presenciada e monitorizada caso não haja um desfibrilador imediatamente pronto para uso.  Não deverá retardar a RCP nem a aplicação dos choques  Em 2005: não havia recomendações  Motivo: há relatos de conversão de taquiarritmias ventriculares pelo soco precordial  Complicações:  Fratura do esterno  Osteomielite  AVE/AVC  Desencadeamento de arritmias malignas em adultos e crianças
  • 11. C- A -B-D  Percepção da obstrução completa das vias aéreas  Esforço respiratório  Movimentação paradoxal do tórax e do abdome  Possibilidade de cricotireoidostomia  Apnéia  Não há ruídos e ar expirados  Ausência de movimentos do tórax e do abdome
  • 12. C- A -B-D  Airway – Vias aéreas  Observar a presença de secreções, corpos estranhos e próteses  Abertura das vias aéreas: ATENÇÃO – observar se há trauma cervical  Levantamento de queixo (Chin lift)  Uma mão na testa do paciente, enquanto a outra eleva o queixo  hiperextensão  Anteriorização da mandíbula (Jaw thrust)  Uma mão em cada ângulo da mandíbula , deslocando-a para frente e inclinando a testa para baixo Manobra de Chin lift Manobra de Jaw thrust
  • 13. C- A -B-D  Está indicado o uso da cânula orofaríngea (cânula de Guedel) para evitar a queda da língua e obstrução da via aérea  Pressão cricóide (manobra de Sellick) não é recomendada  Em 2005: era utilizada quando a vítima está profundamente incosciente  Motivo: impede a aspiração de conteúdo gástrico, entretanto pode impedir a ventilação ou retardar a colocação de uma via aérea avançada
  • 14. C-A- B -D  Breath – Ventilação  Ausência de movimentos respiratórios  Respiração boca a boca  2ª opção: boca-nariz  Duração da ventilação: 1 segundo  Verificação da eficiência  Elevação do tórax na insuflação/inspiração  Escape de ar das vias aéreas na expiração 30 compressões x 2 insuflações 10-12 insuflações/minuto
  • 15. C-A- B -D  Técnica  Indica-se uso de acessórios protetores (pocket mask) para diminuir o risco de doenças infecciosas 1. O socorrista inspira profundamente 2. Coloca a boca aberta em torno da boca semi -aberta do doente, fechando as narinas 3. Soprar o ar do espaço morto (cerca de 500 mL) ou utilizar AMBU
  • 16. C-A-B- D  Desfibrilação  Aplicação de uma descarga elétrica contínua, não sincronizada no tórax  Indicada nos casos de fibrilação ventricular e taquicardia ventricular  1,5 a 3 minutos de RCP antes da desfibrilação  Quando houver 2 ou mais socorristas: 1 aplica a RCP, enquanto o outro busca o desfibrilador  Mecanismo: despolarização conjunta do miocárdio  NA retoma o ritmo cardíaco  Reafirmação do protocolo (2005) de 1 choque em vez da sequência de 3 choques consecutivos  Motivo: se 1 choque não eliminar a FV, o benefício incremental de outro choque é baixo, sendo o reinicio da RCP mais vantajoso
  • 17. C-A-B- D  Checar o pulso em 2 min ou 5 ciclos  Onda bifásica, preferencialmente, ou monofásica de 120-200J (reafirmação de 2005)  A partir do 2º choque, a energia deve ser equivalente ou mais alta, se disponível  Colocação de eletrodos  Tórax desnudo 4 possíveis posições das pás: anterolateral, anteroposterior, infraescapular anteroesquerda e infraescapular anterodireita  Em 2005: as pás possuíam posicionamento específico  Motivo: não há relação comprovada do posicionamento das pás e a eficácia da desfibrilação
  • 18. C-A-B- D  Desfibrilação Externa Automática  São equipamentos portáteis, computadorizados, que analisam o ECG, incluindo a freqüência, amplitude, inclinação e morfologia da onda  Em locais públicos nos quais exista alta probabilidade de PCR (aeroportos, parque de diversão) recomenda-se o estabelecimento de programas de DEAs  Desfibrilação pediátrica  De 1-8 anos: utilização de sistema atenuador de carga pediátrica. Se não disponível, utilizar DEA padrão  Menores de 1 ano: preferível desfibrilador manual, se não desfibrilação com atenuação de carga, se não DEA padrão  Em 2005: não se utilizava DEA padrão em menores de 1 ano  Motivo: DEA tem sido utilizado com êxito em bebês, sem efeitos adversos claros
  • 19. C-A-B- D  Carga inicial de 2J/kg  4J/kg  10J/kg (carga máxima) ou carga máxima para adultos  Em 2005: a partir da 2ª carga  4J/kg
  • 20. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS  American Heart Association. Destaques das Diretrizes da American Heart Association 2010 para RCP e ACE, Hilights 2010, p.1-13, 2010.  FILHO, A. P. et al. Parada Respiratória (PCR) . Medicina, Riberão Preto, 36: 163-178, abr-dez. 2003.