SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 51
CLÍNICA MÉDICA I
INTRODUÇÃO
 Síndrome que torna o coração incapaz de ofertar
oxigênio em taxa adequada aos tecidos, ou o faz à
custa de elevação da sua pressão de enchimento
(pré-carga)
 Devido a sua heterogeneidade e complexidade não
existe uma definição amplamente difundida e aceita.
 Geralmente resulta de disfunção estrutural ou
funcional do coração, que compromete a sua
capacidade de se encher de sangue ou de ejetá-lo.
 É uma complicação importante de virtualmente
todas as cardiopatias
EPIDEMIOLOGIA
 Importante problema de saúde pública =
crescente prevalência, morbimortalidade
 No Brasil, estimam-se cerca de 300 mil
internações
 1ª causa de internação pelo SUS em
pacientes >60ª
 IC com fração de ejeção preservada é
responsável por aproximadamente metade
dos casos, preferencialmente
ETIOLOGIA
 IC é a manifestação inicial ou final de muitas
patologias
 Devido altas taxas de mortalidade,
importante identificar fatores de risco
modificáveis → desenvolver estratégias de
prevenção
 Principais: Tabagismo e Hipertensão →
devem ser considerados de alto risco para
desenvolver disfunção ventricular esquerda
(sintomática ou assintomática)
ETIOLOGIA – FATORES DE
RISCO
 40-50% dos casos de IC na comunidade são
atribuíveis à HAS.
 Hipertrofia ventricular esquerda independente de
HAS tem risco relativo de 2 a 3x maior.
 Infarto do miocárdio é o principal responsável pelos
casos de IC na comunidade – sobreviventes têm risco
de 5 a 6x de desenvolver IC ao longo da vida.
 DM – fator de risco independente. Aumento de risco
de 2 a 3x.
 Doença valvar cardíaca – aumento de 2 a 3x risco →
devido sobrecarga de pressão (estenoses) ou de
volume (insuficiências) crônica.
ETIOLOGIA – FATORES DE
RISCO
 Idade avançada - >65ª, risco 5-6x maior
 Sexo masculino, sobrepeso e sedentarismo –
fatores de risco independentes
 Outras causas de cardiomiopatia que lesam
diretamente miocárdio como toxinas, álcool,
def. vitamínicas, reações auto-imunes.
 Destaque para Doença de Chagas - estimado
de 5 a 6 milhões de infectados, sendo 25-35%
com comprometimento cardíaco e
repercussão clínica (10%).
ETIOLOGIA FATORES DE RISCO
FISIOPATOLOGIA:
integridade do sist. Cardiovascular é interrompida por fat.
agressores, deflagrando mecanismos compensatórios. Esse processo de
readaptação miocárdica determina desequilíbrio hemodinâmico e neuro-
hormonal levando a deterioração estrutural e funcional progressivas.
Esta disfunção ventricular ocorre silenciosamente até surgirem
sinais e sintomas que caracterizem a IC
FISIOPATOLOGIA
 DISFUNÇÃO DIASTÓLICA:
 Tamanho de câmaras cardíacas normal, função
sistólica preservada, mas pressão de
ENCHIMENTO elevada
 Associada a hipertensão arterial
 DISFUNÇÃO SISTÓLICA:
 Aumento das câmaras cardíacas associado ao
déficit de contratilidade
 Ppal fator etiológico: Cardiopatia isquêmica
 Frequentemente coexistem
FISIOPATOLOGIA
 IC resulta de alterações fisiopatológicas em:
 Mecanismos hemodinâmicos
- Déficit de contratilidade miocárdica (lesão de
miócitos)
- Sobrecarga de pressão e volume ventriculares
(pré e pós-carga)
- Dificuldade de enchimento ventricular - vários
mecanismos como taquicardia e ↓
complacência diastólica ventricular
 Mecanismos neurohormonais
MECANISMOS NEUROHORMONAIS
 Na vigência de DC diminuído, o organismo
deflagra mecanismos compensatórios
neurohormonais para tentar manter oxigenação
tecidual.
 Sistema nervoso adrenérgico: inicialmente,
hiperatividade simpática leva a ↑ DC e
redistribuição do fluxo. Com estimulação
sustentada, ocorre ↑ inotropismo e
cronotropismo , hipertrofia de miócitos ,
ativação de SRAA, vasoconstrição, edema, ↑ pré
e pós-carga e arritmias.
 Com progressão: inicio predominam horm.
vasodilatadores → vasocontritores
FISIOPATOLOGIA
FISIOPATOLOGIA –
REMODELAMENTO CARDÍACO
CLASSIFICAÇÃO
 Pode ser de acordo com a condição clínica,
hemodinâmica, funcional ou etiologia
 1. Duração: Aguda < 6m; Crônica >6m.
 2. Manifestação de VD, VE ou mista
 3. Débito cardíaco: alto ou baixo débito
 4. Fração de ejeção de VE ou VD: sistólica ou diastólica
 5. Classe funcional (NYHA)
 6. Estágios (evolução e progressão)
 7. Estabilidade: compensada e descompensada
 8. Perfil Hemodinâmico: congestão e hipoperfusão
 9. Distúrbio mecânico: reconhecer se há disfunção de válvulas
CLASSIFICAÇÃO – ICD E ICE
Pequena e grande circulação
INSUFICIÊNCIA CARDÍACA DIREITA
 Relacionada aos sintomas de CONGESTÃO SISTÊMICA
 Geralmente secundária a ICE, pode ser causada por dças pulmonares
INSUFICIÊNCIA CARDÍACA ESQUERDA
 Relacionada aos sinais e sintomas de CONGESTÃO PULMONAR
 É a mais comum
CLASSIFICAÇÃO – ALTO E
BAIXO DÉBITO
 Pacientes com Tireotoxicose, Fístula arterio-
venosa, Beribéri ou anemia importante ,
gravidez, podem apresentar DC com valores
elevados, associados a sinais e sintomas de IC
→ caracteriza Síndrome de Alto Débito →
pode ser reconhecida pela perfusão
aumentada da pele.
 Síndrome de Baixo Débito = sinais de má
perfusão (pele fria, sudorese) e congestão.
Presença de pulso fino ou alternante.
CLASSIFICAÇÃO – ALTO DÉBITO
CLASSIFICAÇÃO – FRAÇÃO DE
EJEÇÃO
 Qdo a fração de ejeção de VE/VD é
comprometida = chamada sistólica
 Sem comprometimento = chamada diastólica
(IC com FE preservada)
 IC diastólica = há dificuldade de enchimento
do coração ou enchimento com pressões
elevadas.
 F.R. para IC preservada: idade, sexo feminino,
obesidade, hipertensão arterial, DM, doença
coronariana, doença renal, estenose aórtica.
CLASSIFICAÇÃO – CLASSE
FUNCIONAL
CLASSIFICAÇÃO - ESTÁGIOS
 Mais recente
 Baseado na evolução e progressão da IC
 Reflete o modelo fisiopatológico da IC, que
considera essa SD como via final comum de
várias doenças cardíacas em indivíduos de
risco.
 Essa representação com caráter contínuo
possui implicações preventivas, prognósticas
e terapêuticas.
CLASSIFICAÇÃO - ESTÁGIOS
CLASSIFICAÇÃO -
ESTABILIDADE
 Compensada
 Descompensada (“de novo” ou crônica que
descompensou) → entende-se pelo
aparecimento de sinais/sintomas, como
edema ou hipoperfusão ou hipotensão,
determinando nova estratégia terapêutica.
 Persistente descompensada
 Importância para terapêutica e investigação
de fatores precipitantes
CLASSIFICAÇÃO -
ESTABILIDADE
CLASSIFICAÇÃO – PERFIL
HEMODINÂMICO
 A partir da presença de congestão (“seco” sem sinais de→
congestão, ou “úmido” com sinais de congestão→ ) e da
hipoperfusão (“frio” má perfusão, ou→ “quente” boa perfusão→
 Dividida em 4 situações distintas
MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS
 Podem ser subdivididos didaticamente em 5
categorias
 Congestão pulmonar
 Congestão sistêmica
 Baixo débito
 Estimulação adrenérgica
 Remodelação cardíaca
MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS
 DISPNÉIA AOS ESFORÇOS
 Sinal cardinal da falência ventricular esquerda
 Na anamnese – descartar que a dispnéia não seja
secundária a falta de condicionamento físico, obesidade,
doenças pulmonares, equivalente isquêmico sem IC, apnéia
obstrutiva do sono, outras.
 Principal diferença entre indivíduos normais e com IC é o
grau de atividade necessário para o sintoma (grau de
tolerância prévio ao esforço)
 Nos idosos – não é uma queixa comum, aparecendo em
geral em estágios tardios (tendendo a pensar que são sinais
de envelhecimento)
 > disfunção ventricular, < intensidade de esforço necessária
para a dispnéia (ex. atividades de higiene pessoal)
MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS
 ORTOPNÉIA
 Dispnéia na posição deitada (2 a 3 min após, ainda
acordado).
 Alívio sentado na beira da cama com pés pendentes
(diferente da DPN)
 Atenção à mudança no padrão habitual do indivíduo
 Decúbito dorsal → aumento do retorno venoso e
deslocamento do fluxo extratorácico para torácico
leva a ↑ pressões capilares e venosas pulmonares →
edema intersticial leva a ↓ complacência pulmonar ,
↑ resistência de vias aéreas e dispnéia.
 Não patognomônico
MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS
 TREPOPNÉIA
 Dispnéia nos decúbitos laterais
 Rara na forma de um lado específico (distorções
de grandes vasos de um lado?)
 TOSSE
 Sintoma mais prevalente na IC
 Causa: congestão pulmonar
 Ocorre nas mesmas situações da dispnéia
 Nos idosos = tosse não produtiva seria um
equivalente da dispnéia e tosse noturna seria um
equivalente da ortopnéia
MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS
 DISPNÉIA PAROXÍSTICA NOTURNA
 A noite, qdo está dormindo
 Início súbito, acordando com sensação de sufocamento ou
asfixia, com intensa ansiedade
 Frequente palidez e sudorese fria
 Se tosse com expectoração rósea e espumosa ou
sanguinolenta→ edema agudo de pulmão
 “Asma cardíaca” → DPN + sibilos (broncoespasmo induzido pela
congestão da mucosa brônquica e edema pulmonar intersticial)
 Pq a noite? Não claro... (maior lentidão na reabsorção de
líquidos, expansão do vol. sang intratorácico e súbita elevação do
diafragma e vol sang intratorácico ao deitar, redução do suporte
adrenérgico do sono e depressão noturna fisiológica do CR)
MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS
 Respiração de Cheyne-Stokes (periódica ou
cíclica)
 Hiperpnéia alternada com fase de apnéia
 Devido sensibilidade diminuída do centro
respiratório à pCO2 arterial.
 Mais freqüente em idosos, aterosclerose
cerebral e outras lesões cerebrais prévias.
 Tende a aparecer na IC avançada
MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS
 EDEMA PERIFÉRICO
 Inicía-se nas porções pendentes (aonde pressão
venosa atinge níveis mais altos) = pés, maléolos e
pernas – gravitacional (mais no final do dia).
 Acamados – região lombossacra
 Edema facial – raro, mais comum em crianças
 Com progredir da disfunção ventricular, edema
tende a ascender pode chegar a anasarca e derrames
cavitários
 Frio, mole, inelástico, liso e brilhante,
freqüentemente associado a cianose. Com o tempo
pode evoluir com pigmentação da pele e induração.
MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS
 FADIGA E FRAQUEZA
 Muito comuns
 Sensação de peso nas pernas
 Conseqüente do déficit de perfusão da
musculatura esquelética.
 Baixa sensibilidade e especificidade.
MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS
 SINTOMAS URINÁRIOS
 Nictúria : inversão do ritmo urinário – qtidade
maior durante período noturno. Sinal
relativamente precoce. Decorre de melhor
redistribuição do fluxo sanguíneo a noite e
maior perfusão renal.
 Oligúria: sinal tardio de IC avançado,
ocorrendo devido grave ↓ do DC, perfusão
renal inadequada e insuficiência renal.
MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS
 SINTOMAS CEREBRAIS
 Mais comuns nos idosos
 Devido perfusão cerebral inadequada
 Confusão mental, dificuldade de
concentração, déficit de memória, cefaléia,
ansiedade, insônia, pesadelos noturnos e
raramente alt. Do comportamento graves,
como psicoses, desorientação, delírio e
mesmo alucinações
MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS
 SINTOMAS GASTROINTESTINAIS
 Anorexia e náusea associadas a dor
abdominal e sensação de plenitude gástrica
(empachamento) – relacionados ao sistema
venoso portal e hepático congestos.
 Caquexia cardíaca: anorexia, perda de peso e
desnutrição importantes na IC avançada –
devido hipoperfusão esplâncnica e
estimulação adrenérgica intensa.
EXAME CLÍNICO
 Taquicardia sustentada – atenção para este
quadro ao repouso em pacientes com F.R.
(sinal de disfunção VE assintomática com
ativação de sist. Neuroendócrino).
 Na IC já estabelecida, Taqui sinusal é achado
prevalente
 Ictus desviado na cardiomegalia
 Percussão precordial alterada – resultado
negativo excluiria cardiomegalia
EXAME CLÍNICO
 Ritmo de galope: B3 é decorrente da
passagem brusca do sangue nos átrios para
os ventrículos, na fase de enchimento rápido
da diástole ventricular, provocando vibração
no miocárdio. FM, FT e Fao. Sinal de falência
ventricular.
 B4: corresponde a pré-sistole ventricular –
contração atrial “atrasada”, nos casos de
complacência ou relaxamento ventricular
diminuídos. Não patognomônico
EXAME CLÍNICO
 Sopros sistólicos: comuns na falência ventricular
esquerda devido regurgitação mitral ou
tricúspide (remodelação cardíaca → dilatação do
anel atrioventricular)
 Hiperfonese de B2 em FP – devido aumento da
pressão da a.pulmonar
 Pulso fino ou alternante – sinal de baixo débito
 Crepitações pulmonares, sibilos (asma cardíaca)
– sinais de sobrecarga de volume
 Outros sinais congestivos já citados
Refluxo
hepatojugular
CRITÉRIOS DIAGNÓSTICOS
 Mais utilizados : Framingham e Boston
 Cardiomegalia no Raio-X, embora ainda
importante tem sido substituído pelos dados
de ecocardiograma ou de outros exames.
CRITÉRIOS DE FRAMINGHAM
CRITÉRIOS DE BOSTON
EXAMES COMPLEMENTARES
 Eletrocardiograma
 Radiografia do Tórax
- Área Cardíaca
- Circulação Pulmonar
 Ecocadiograma
- Função ventricular (sistólica e diastólica)
 Dosagem de peptídeos natriuréticos
- Peptídeo natriurético cerebral B (BNP)
- Produzido pelos ventrículos
TRATAMENTO
BIBLIOGRAFIA
 Benseñor, I.M. et al, Semiologia Clínica
 Martins, M.A. et al, Clínica Médica –
HCFMUSP, Vol 2
OBRIGADA E BOA SEMANA!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...José Alexandre Pires de Almeida
 
Aula Insuficiência Renal Aguda
Aula Insuficiência Renal AgudaAula Insuficiência Renal Aguda
Aula Insuficiência Renal AgudaJucie Vasconcelos
 
Insuficiencia respiratória
Insuficiencia respiratóriaInsuficiencia respiratória
Insuficiencia respiratóriapauloalambert
 
Choque
ChoqueChoque
Choquedapab
 
Encefalopatia hepática: conceito, causas diagnóstico e tratamento!
Encefalopatia hepática: conceito, causas diagnóstico e tratamento!Encefalopatia hepática: conceito, causas diagnóstico e tratamento!
Encefalopatia hepática: conceito, causas diagnóstico e tratamento!Kelson Oliveira
 
Insuficiência Cardiaca - Tulio Frazão (DX,TX)
Insuficiência Cardiaca - Tulio Frazão (DX,TX)Insuficiência Cardiaca - Tulio Frazão (DX,TX)
Insuficiência Cardiaca - Tulio Frazão (DX,TX)Caio Valle
 
Insuficiencia cardiaca
Insuficiencia cardiacaInsuficiencia cardiaca
Insuficiencia cardiacaLAC
 
Acidente Vascular Encefálico
Acidente Vascular EncefálicoAcidente Vascular Encefálico
Acidente Vascular EncefálicoBrenda Lahlou
 
Valvopatia
ValvopatiaValvopatia
Valvopatiadapab
 
Hemorragia Digestiva 2
Hemorragia Digestiva 2Hemorragia Digestiva 2
Hemorragia Digestiva 2Rodrigo Biondi
 
Seminário: Trombose venosa profunda - TVP
Seminário: Trombose venosa profunda - TVPSeminário: Trombose venosa profunda - TVP
Seminário: Trombose venosa profunda - TVPcuidadoaoadulto
 
Endocardite infecciosa
Endocardite infecciosaEndocardite infecciosa
Endocardite infecciosadapab
 
Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica - DPOC
Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica - DPOCDoença Pulmonar Obstrutiva Crônica - DPOC
Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica - DPOCFernando Didier
 
Infarto agudo do miocárdio (IAM)
Infarto agudo do miocárdio (IAM)Infarto agudo do miocárdio (IAM)
Infarto agudo do miocárdio (IAM)Renan Malaquias
 

Mais procurados (20)

Arritmias..
Arritmias..Arritmias..
Arritmias..
 
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...
 
Aula Insuficiência Renal Aguda
Aula Insuficiência Renal AgudaAula Insuficiência Renal Aguda
Aula Insuficiência Renal Aguda
 
Choque hipovolemico aula1_2
Choque hipovolemico aula1_2Choque hipovolemico aula1_2
Choque hipovolemico aula1_2
 
Insuficiencia respiratória
Insuficiencia respiratóriaInsuficiencia respiratória
Insuficiencia respiratória
 
Choque
ChoqueChoque
Choque
 
Encefalopatia hepática: conceito, causas diagnóstico e tratamento!
Encefalopatia hepática: conceito, causas diagnóstico e tratamento!Encefalopatia hepática: conceito, causas diagnóstico e tratamento!
Encefalopatia hepática: conceito, causas diagnóstico e tratamento!
 
Insuficiência Cardiaca - Tulio Frazão (DX,TX)
Insuficiência Cardiaca - Tulio Frazão (DX,TX)Insuficiência Cardiaca - Tulio Frazão (DX,TX)
Insuficiência Cardiaca - Tulio Frazão (DX,TX)
 
Icc Fisioterapia Hospitalar
Icc Fisioterapia HospitalarIcc Fisioterapia Hospitalar
Icc Fisioterapia Hospitalar
 
Insuficiencia cardiaca
Insuficiencia cardiacaInsuficiencia cardiaca
Insuficiencia cardiaca
 
Acidente Vascular Encefálico
Acidente Vascular EncefálicoAcidente Vascular Encefálico
Acidente Vascular Encefálico
 
Arritmias
ArritmiasArritmias
Arritmias
 
Semiologia cardíaca
Semiologia cardíaca Semiologia cardíaca
Semiologia cardíaca
 
Valvopatia
ValvopatiaValvopatia
Valvopatia
 
Aula residência ave avc
Aula residência ave avcAula residência ave avc
Aula residência ave avc
 
Hemorragia Digestiva 2
Hemorragia Digestiva 2Hemorragia Digestiva 2
Hemorragia Digestiva 2
 
Seminário: Trombose venosa profunda - TVP
Seminário: Trombose venosa profunda - TVPSeminário: Trombose venosa profunda - TVP
Seminário: Trombose venosa profunda - TVP
 
Endocardite infecciosa
Endocardite infecciosaEndocardite infecciosa
Endocardite infecciosa
 
Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica - DPOC
Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica - DPOCDoença Pulmonar Obstrutiva Crônica - DPOC
Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica - DPOC
 
Infarto agudo do miocárdio (IAM)
Infarto agudo do miocárdio (IAM)Infarto agudo do miocárdio (IAM)
Infarto agudo do miocárdio (IAM)
 

Destaque

Algumas perturbações do sistema circulatório
Algumas perturbações do sistema circulatórioAlgumas perturbações do sistema circulatório
Algumas perturbações do sistema circulatórioCatir
 
Doenças cardiovasculares
Doenças cardiovascularesDoenças cardiovasculares
Doenças cardiovascularesCesinha Silva
 
Doenças cardiovasculares no idoso
Doenças cardiovasculares no idosoDoenças cardiovasculares no idoso
Doenças cardiovasculares no idosoRosa Angela
 
Doenças cardiovasculares
Doenças cardiovascularesDoenças cardiovasculares
Doenças cardiovascularesap3bmachado
 
Doenças Cardiovasculares
Doenças CardiovascularesDoenças Cardiovasculares
Doenças CardiovascularesCNProf
 
Trabalho sobre o Coração(doenças,...)
Trabalho sobre o Coração(doenças,...)Trabalho sobre o Coração(doenças,...)
Trabalho sobre o Coração(doenças,...)Gonçalo Silva
 
Doenças Cardiovasculares
Doenças CardiovascularesDoenças Cardiovasculares
Doenças CardiovascularesMarisa Almeida
 
Insuficiência cardíaca
Insuficiência cardíacaInsuficiência cardíaca
Insuficiência cardíacaOacir Rezende
 
InsuficiêNcia CardíAca Descompensada
InsuficiêNcia CardíAca DescompensadaInsuficiêNcia CardíAca Descompensada
InsuficiêNcia CardíAca Descompensadagalegoo
 
principais doenças cardiovasculares
principais doenças cardiovascularesprincipais doenças cardiovasculares
principais doenças cardiovascularesJohn Joseph
 
CN9-doenças cardiovasculares
CN9-doenças cardiovascularesCN9-doenças cardiovasculares
CN9-doenças cardiovascularesRita Rainho
 
Doenças Cardiovasculares
Doenças Cardiovasculares Doenças Cardiovasculares
Doenças Cardiovasculares Gabriela Bruno
 

Destaque (15)

Algumas perturbações do sistema circulatório
Algumas perturbações do sistema circulatórioAlgumas perturbações do sistema circulatório
Algumas perturbações do sistema circulatório
 
Doenças cardiovasculares
Doenças cardiovascularesDoenças cardiovasculares
Doenças cardiovasculares
 
Doenças cardiovasculares no idoso
Doenças cardiovasculares no idosoDoenças cardiovasculares no idoso
Doenças cardiovasculares no idoso
 
Doenças cardiovasculares
Doenças cardiovascularesDoenças cardiovasculares
Doenças cardiovasculares
 
Doenças Cardiovasculares
Doenças CardiovascularesDoenças Cardiovasculares
Doenças Cardiovasculares
 
Trabalho sobre o Coração(doenças,...)
Trabalho sobre o Coração(doenças,...)Trabalho sobre o Coração(doenças,...)
Trabalho sobre o Coração(doenças,...)
 
Doenças Cardiovasculares
Doenças CardiovascularesDoenças Cardiovasculares
Doenças Cardiovasculares
 
Insuficiência cardíaca
Insuficiência cardíacaInsuficiência cardíaca
Insuficiência cardíaca
 
InsuficiêNcia CardíAca Descompensada
InsuficiêNcia CardíAca DescompensadaInsuficiêNcia CardíAca Descompensada
InsuficiêNcia CardíAca Descompensada
 
principais doenças cardiovasculares
principais doenças cardiovascularesprincipais doenças cardiovasculares
principais doenças cardiovasculares
 
O CORAÇÃO DO IDOSO
O CORAÇÃO DO IDOSOO CORAÇÃO DO IDOSO
O CORAÇÃO DO IDOSO
 
CN9-doenças cardiovasculares
CN9-doenças cardiovascularesCN9-doenças cardiovasculares
CN9-doenças cardiovasculares
 
Doenças Cardiovasculares
Doenças Cardiovasculares Doenças Cardiovasculares
Doenças Cardiovasculares
 
Coraçao
CoraçaoCoraçao
Coraçao
 
Choque
ChoqueChoque
Choque
 

Semelhante a Insuficiência Cardíaca: Sinais e Sintomas

Cardiopatias em Neonatologia
Cardiopatias em NeonatologiaCardiopatias em Neonatologia
Cardiopatias em NeonatologiaAmanda Thomé
 
1 insuficiencia cardiaca aula julio-15
1 insuficiencia cardiaca aula julio-151 insuficiencia cardiaca aula julio-15
1 insuficiencia cardiaca aula julio-15honestolopes1994
 
Algumas patologias do Aparato cardiovascular
Algumas patologias do Aparato cardiovascularAlgumas patologias do Aparato cardiovascular
Algumas patologias do Aparato cardiovascularNEELLITON SANTOS
 
Aula 4 - Doenças Cardiovasculares - Parte 2.pdf
Aula 4 -  Doenças Cardiovasculares - Parte 2.pdfAula 4 -  Doenças Cardiovasculares - Parte 2.pdf
Aula 4 - Doenças Cardiovasculares - Parte 2.pdfMirna Kathary
 
Aula Cardiopatias congênitas
Aula   Cardiopatias congênitasAula   Cardiopatias congênitas
Aula Cardiopatias congênitasViviane Fernandes
 
Insuficiência cardíaca
Insuficiência cardíaca Insuficiência cardíaca
Insuficiência cardíaca Leonardo Bax
 
Seminário integrado - Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS)
Seminário integrado - Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS)Seminário integrado - Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS)
Seminário integrado - Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS)Danilo Alves
 
Avaliação cardiovascular do neonato
Avaliação cardiovascular do neonatoAvaliação cardiovascular do neonato
Avaliação cardiovascular do neonatogisa_legal
 
Assistência ao Paciente Clínico Cirúrgico - revisão do conteúdo 1.pptx
Assistência ao Paciente Clínico Cirúrgico - revisão do conteúdo 1.pptxAssistência ao Paciente Clínico Cirúrgico - revisão do conteúdo 1.pptx
Assistência ao Paciente Clínico Cirúrgico - revisão do conteúdo 1.pptxTamiresSouza90
 
História ex e diag diferencial das cardiopatias na infância
História ex e diag diferencial das cardiopatias na infânciaHistória ex e diag diferencial das cardiopatias na infância
História ex e diag diferencial das cardiopatias na infânciagisa_legal
 
HPP.pptx - HIPERTENSÃO PULMONAR NO RECEM NASCIDO
HPP.pptx - HIPERTENSÃO PULMONAR NO RECEM NASCIDOHPP.pptx - HIPERTENSÃO PULMONAR NO RECEM NASCIDO
HPP.pptx - HIPERTENSÃO PULMONAR NO RECEM NASCIDOssuser5b3ebd1
 
História ex e diag diferencial das cardiopatias na infância
História ex e diag diferencial das cardiopatias na infânciaHistória ex e diag diferencial das cardiopatias na infância
História ex e diag diferencial das cardiopatias na infânciagisa_legal
 
CHOQUE E ANGINA - DISTÚRBIOS CARDIOVASCULARES
CHOQUE E ANGINA - DISTÚRBIOS CARDIOVASCULARESCHOQUE E ANGINA - DISTÚRBIOS CARDIOVASCULARES
CHOQUE E ANGINA - DISTÚRBIOS CARDIOVASCULARESRaissaEufrazio
 
INSUFICIÊNCIA CÁRDICA.pptx
INSUFICIÊNCIA CÁRDICA.pptxINSUFICIÊNCIA CÁRDICA.pptx
INSUFICIÊNCIA CÁRDICA.pptxCARLOSFIGUEREDO39
 

Semelhante a Insuficiência Cardíaca: Sinais e Sintomas (20)

Cardiopatias em Neonatologia
Cardiopatias em NeonatologiaCardiopatias em Neonatologia
Cardiopatias em Neonatologia
 
1 insuficiencia cardiaca aula julio-15
1 insuficiencia cardiaca aula julio-151 insuficiencia cardiaca aula julio-15
1 insuficiencia cardiaca aula julio-15
 
Algumas patologias do Aparato cardiovascular
Algumas patologias do Aparato cardiovascularAlgumas patologias do Aparato cardiovascular
Algumas patologias do Aparato cardiovascular
 
Aula 4 - Doenças Cardiovasculares - Parte 2.pdf
Aula 4 -  Doenças Cardiovasculares - Parte 2.pdfAula 4 -  Doenças Cardiovasculares - Parte 2.pdf
Aula 4 - Doenças Cardiovasculares - Parte 2.pdf
 
Aula Cardiopatias congênitas
Aula   Cardiopatias congênitasAula   Cardiopatias congênitas
Aula Cardiopatias congênitas
 
Icc e aguda
Icc e agudaIcc e aguda
Icc e aguda
 
Insuficiência cardíaca
Insuficiência cardíaca Insuficiência cardíaca
Insuficiência cardíaca
 
Seminário integrado - Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS)
Seminário integrado - Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS)Seminário integrado - Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS)
Seminário integrado - Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS)
 
Avaliação cardiovascular do neonato
Avaliação cardiovascular do neonatoAvaliação cardiovascular do neonato
Avaliação cardiovascular do neonato
 
Pericardite aguda
Pericardite agudaPericardite aguda
Pericardite aguda
 
Cardio
CardioCardio
Cardio
 
Assistência ao Paciente Clínico Cirúrgico - revisão do conteúdo 1.pptx
Assistência ao Paciente Clínico Cirúrgico - revisão do conteúdo 1.pptxAssistência ao Paciente Clínico Cirúrgico - revisão do conteúdo 1.pptx
Assistência ao Paciente Clínico Cirúrgico - revisão do conteúdo 1.pptx
 
Ataque cardíaco
Ataque cardíacoAtaque cardíaco
Ataque cardíaco
 
História ex e diag diferencial das cardiopatias na infância
História ex e diag diferencial das cardiopatias na infânciaHistória ex e diag diferencial das cardiopatias na infância
História ex e diag diferencial das cardiopatias na infância
 
HPP.pptx - HIPERTENSÃO PULMONAR NO RECEM NASCIDO
HPP.pptx - HIPERTENSÃO PULMONAR NO RECEM NASCIDOHPP.pptx - HIPERTENSÃO PULMONAR NO RECEM NASCIDO
HPP.pptx - HIPERTENSÃO PULMONAR NO RECEM NASCIDO
 
História ex e diag diferencial das cardiopatias na infância
História ex e diag diferencial das cardiopatias na infânciaHistória ex e diag diferencial das cardiopatias na infância
História ex e diag diferencial das cardiopatias na infância
 
CHOQUE E ANGINA - DISTÚRBIOS CARDIOVASCULARES
CHOQUE E ANGINA - DISTÚRBIOS CARDIOVASCULARESCHOQUE E ANGINA - DISTÚRBIOS CARDIOVASCULARES
CHOQUE E ANGINA - DISTÚRBIOS CARDIOVASCULARES
 
Edema e fibrose pulmonar
Edema e fibrose pulmonarEdema e fibrose pulmonar
Edema e fibrose pulmonar
 
INSUFICIÊNCIA CÁRDICA.pptx
INSUFICIÊNCIA CÁRDICA.pptxINSUFICIÊNCIA CÁRDICA.pptx
INSUFICIÊNCIA CÁRDICA.pptx
 
Distúrbios Cardíacos
 Distúrbios Cardíacos Distúrbios Cardíacos
Distúrbios Cardíacos
 

Mais de Paulo Alambert

Partes moles membros inferiores 19
Partes moles membros inferiores 19Partes moles membros inferiores 19
Partes moles membros inferiores 19Paulo Alambert
 
Dermatomiosite polimiosite 19
Dermatomiosite polimiosite 19Dermatomiosite polimiosite 19
Dermatomiosite polimiosite 19Paulo Alambert
 
Lupus Eritematoso Sistêmico
Lupus Eritematoso SistêmicoLupus Eritematoso Sistêmico
Lupus Eritematoso SistêmicoPaulo Alambert
 
Esclerose sistêmica.pdf renan
Esclerose sistêmica.pdf renanEsclerose sistêmica.pdf renan
Esclerose sistêmica.pdf renanPaulo Alambert
 
Lúpus Eritematoso Sistêmico
Lúpus Eritematoso SistêmicoLúpus Eritematoso Sistêmico
Lúpus Eritematoso SistêmicoPaulo Alambert
 
Dor nos membros Inferiores
Dor nos membros InferioresDor nos membros Inferiores
Dor nos membros InferioresPaulo Alambert
 
Dor em membros superiores
Dor em membros superioresDor em membros superiores
Dor em membros superioresPaulo Alambert
 
Lombociatalgia e cervicobraquialgia
Lombociatalgia e cervicobraquialgiaLombociatalgia e cervicobraquialgia
Lombociatalgia e cervicobraquialgiaPaulo Alambert
 
Sintomas e exame físico do aparelho urinário
Sintomas e exame físico do aparelho urinário Sintomas e exame físico do aparelho urinário
Sintomas e exame físico do aparelho urinário Paulo Alambert
 
Diagnósticos diferenciais das monoartrites.
Diagnósticos diferenciais das monoartrites.Diagnósticos diferenciais das monoartrites.
Diagnósticos diferenciais das monoartrites.Paulo Alambert
 

Mais de Paulo Alambert (20)

Osteoporose 2019
Osteoporose 2019Osteoporose 2019
Osteoporose 2019
 
Partes moles membros inferiores 19
Partes moles membros inferiores 19Partes moles membros inferiores 19
Partes moles membros inferiores 19
 
Dermatomiosite polimiosite 19
Dermatomiosite polimiosite 19Dermatomiosite polimiosite 19
Dermatomiosite polimiosite 19
 
Dtp18 video
Dtp18 videoDtp18 video
Dtp18 video
 
Dtp18 video
Dtp18 videoDtp18 video
Dtp18 video
 
Dtp17 sp
Dtp17 spDtp17 sp
Dtp17 sp
 
Lupus Eritematoso Sistêmico
Lupus Eritematoso SistêmicoLupus Eritematoso Sistêmico
Lupus Eritematoso Sistêmico
 
Gota.pdf19 re
Gota.pdf19 reGota.pdf19 re
Gota.pdf19 re
 
Esclerose sistêmica.pdf renan
Esclerose sistêmica.pdf renanEsclerose sistêmica.pdf renan
Esclerose sistêmica.pdf renan
 
Lúpus Eritematoso Sistêmico
Lúpus Eritematoso SistêmicoLúpus Eritematoso Sistêmico
Lúpus Eritematoso Sistêmico
 
Dor nos membros Inferiores
Dor nos membros InferioresDor nos membros Inferiores
Dor nos membros Inferiores
 
Dor em membros superiores
Dor em membros superioresDor em membros superiores
Dor em membros superiores
 
Gota
GotaGota
Gota
 
Osteoartrite 2017
Osteoartrite 2017Osteoartrite 2017
Osteoartrite 2017
 
Lombociatalgia e cervicobraquialgia
Lombociatalgia e cervicobraquialgiaLombociatalgia e cervicobraquialgia
Lombociatalgia e cervicobraquialgia
 
Artrite reumatóide
Artrite reumatóideArtrite reumatóide
Artrite reumatóide
 
Sintomas e exame físico do aparelho urinário
Sintomas e exame físico do aparelho urinário Sintomas e exame físico do aparelho urinário
Sintomas e exame físico do aparelho urinário
 
Fibromialgia
FibromialgiaFibromialgia
Fibromialgia
 
Diagnósticos diferenciais das monoartrites.
Diagnósticos diferenciais das monoartrites.Diagnósticos diferenciais das monoartrites.
Diagnósticos diferenciais das monoartrites.
 
Osteoartrite 2017
Osteoartrite 2017Osteoartrite 2017
Osteoartrite 2017
 

Último

Prurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdf
Prurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdfPrurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdf
Prurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdfAlberto205764
 
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASArtthurPereira2
 
INTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptx
INTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptxINTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptx
INTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptxssuser4ba5b7
 
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgeryCarlos D A Bersot
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfGustavoWallaceAlvesd
 
AULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsx
AULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsxAULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsx
AULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsxLeonardoSauro1
 
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdfO mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdfNelmo Pinto
 
Primeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e AnatomiaPrimeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e AnatomiaCristianodaRosa5
 

Último (9)

Prurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdf
Prurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdfPrurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdf
Prurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdf
 
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
 
INTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptx
INTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptxINTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptx
INTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptx
 
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
 
AULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsx
AULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsxAULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsx
AULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsx
 
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãosAplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
 
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdfO mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
 
Primeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e AnatomiaPrimeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
 

Insuficiência Cardíaca: Sinais e Sintomas

  • 2. INTRODUÇÃO  Síndrome que torna o coração incapaz de ofertar oxigênio em taxa adequada aos tecidos, ou o faz à custa de elevação da sua pressão de enchimento (pré-carga)  Devido a sua heterogeneidade e complexidade não existe uma definição amplamente difundida e aceita.  Geralmente resulta de disfunção estrutural ou funcional do coração, que compromete a sua capacidade de se encher de sangue ou de ejetá-lo.  É uma complicação importante de virtualmente todas as cardiopatias
  • 3. EPIDEMIOLOGIA  Importante problema de saúde pública = crescente prevalência, morbimortalidade  No Brasil, estimam-se cerca de 300 mil internações  1ª causa de internação pelo SUS em pacientes >60ª  IC com fração de ejeção preservada é responsável por aproximadamente metade dos casos, preferencialmente
  • 4. ETIOLOGIA  IC é a manifestação inicial ou final de muitas patologias  Devido altas taxas de mortalidade, importante identificar fatores de risco modificáveis → desenvolver estratégias de prevenção  Principais: Tabagismo e Hipertensão → devem ser considerados de alto risco para desenvolver disfunção ventricular esquerda (sintomática ou assintomática)
  • 5. ETIOLOGIA – FATORES DE RISCO  40-50% dos casos de IC na comunidade são atribuíveis à HAS.  Hipertrofia ventricular esquerda independente de HAS tem risco relativo de 2 a 3x maior.  Infarto do miocárdio é o principal responsável pelos casos de IC na comunidade – sobreviventes têm risco de 5 a 6x de desenvolver IC ao longo da vida.  DM – fator de risco independente. Aumento de risco de 2 a 3x.  Doença valvar cardíaca – aumento de 2 a 3x risco → devido sobrecarga de pressão (estenoses) ou de volume (insuficiências) crônica.
  • 6. ETIOLOGIA – FATORES DE RISCO  Idade avançada - >65ª, risco 5-6x maior  Sexo masculino, sobrepeso e sedentarismo – fatores de risco independentes  Outras causas de cardiomiopatia que lesam diretamente miocárdio como toxinas, álcool, def. vitamínicas, reações auto-imunes.  Destaque para Doença de Chagas - estimado de 5 a 6 milhões de infectados, sendo 25-35% com comprometimento cardíaco e repercussão clínica (10%).
  • 8. FISIOPATOLOGIA: integridade do sist. Cardiovascular é interrompida por fat. agressores, deflagrando mecanismos compensatórios. Esse processo de readaptação miocárdica determina desequilíbrio hemodinâmico e neuro- hormonal levando a deterioração estrutural e funcional progressivas. Esta disfunção ventricular ocorre silenciosamente até surgirem sinais e sintomas que caracterizem a IC
  • 9. FISIOPATOLOGIA  DISFUNÇÃO DIASTÓLICA:  Tamanho de câmaras cardíacas normal, função sistólica preservada, mas pressão de ENCHIMENTO elevada  Associada a hipertensão arterial  DISFUNÇÃO SISTÓLICA:  Aumento das câmaras cardíacas associado ao déficit de contratilidade  Ppal fator etiológico: Cardiopatia isquêmica  Frequentemente coexistem
  • 10. FISIOPATOLOGIA  IC resulta de alterações fisiopatológicas em:  Mecanismos hemodinâmicos - Déficit de contratilidade miocárdica (lesão de miócitos) - Sobrecarga de pressão e volume ventriculares (pré e pós-carga) - Dificuldade de enchimento ventricular - vários mecanismos como taquicardia e ↓ complacência diastólica ventricular  Mecanismos neurohormonais
  • 11.
  • 12. MECANISMOS NEUROHORMONAIS  Na vigência de DC diminuído, o organismo deflagra mecanismos compensatórios neurohormonais para tentar manter oxigenação tecidual.  Sistema nervoso adrenérgico: inicialmente, hiperatividade simpática leva a ↑ DC e redistribuição do fluxo. Com estimulação sustentada, ocorre ↑ inotropismo e cronotropismo , hipertrofia de miócitos , ativação de SRAA, vasoconstrição, edema, ↑ pré e pós-carga e arritmias.  Com progressão: inicio predominam horm. vasodilatadores → vasocontritores
  • 15. CLASSIFICAÇÃO  Pode ser de acordo com a condição clínica, hemodinâmica, funcional ou etiologia  1. Duração: Aguda < 6m; Crônica >6m.  2. Manifestação de VD, VE ou mista  3. Débito cardíaco: alto ou baixo débito  4. Fração de ejeção de VE ou VD: sistólica ou diastólica  5. Classe funcional (NYHA)  6. Estágios (evolução e progressão)  7. Estabilidade: compensada e descompensada  8. Perfil Hemodinâmico: congestão e hipoperfusão  9. Distúrbio mecânico: reconhecer se há disfunção de válvulas
  • 17. Pequena e grande circulação
  • 18. INSUFICIÊNCIA CARDÍACA DIREITA  Relacionada aos sintomas de CONGESTÃO SISTÊMICA  Geralmente secundária a ICE, pode ser causada por dças pulmonares
  • 19. INSUFICIÊNCIA CARDÍACA ESQUERDA  Relacionada aos sinais e sintomas de CONGESTÃO PULMONAR  É a mais comum
  • 20. CLASSIFICAÇÃO – ALTO E BAIXO DÉBITO  Pacientes com Tireotoxicose, Fístula arterio- venosa, Beribéri ou anemia importante , gravidez, podem apresentar DC com valores elevados, associados a sinais e sintomas de IC → caracteriza Síndrome de Alto Débito → pode ser reconhecida pela perfusão aumentada da pele.  Síndrome de Baixo Débito = sinais de má perfusão (pele fria, sudorese) e congestão. Presença de pulso fino ou alternante.
  • 22. CLASSIFICAÇÃO – FRAÇÃO DE EJEÇÃO  Qdo a fração de ejeção de VE/VD é comprometida = chamada sistólica  Sem comprometimento = chamada diastólica (IC com FE preservada)  IC diastólica = há dificuldade de enchimento do coração ou enchimento com pressões elevadas.  F.R. para IC preservada: idade, sexo feminino, obesidade, hipertensão arterial, DM, doença coronariana, doença renal, estenose aórtica.
  • 24. CLASSIFICAÇÃO - ESTÁGIOS  Mais recente  Baseado na evolução e progressão da IC  Reflete o modelo fisiopatológico da IC, que considera essa SD como via final comum de várias doenças cardíacas em indivíduos de risco.  Essa representação com caráter contínuo possui implicações preventivas, prognósticas e terapêuticas.
  • 26. CLASSIFICAÇÃO - ESTABILIDADE  Compensada  Descompensada (“de novo” ou crônica que descompensou) → entende-se pelo aparecimento de sinais/sintomas, como edema ou hipoperfusão ou hipotensão, determinando nova estratégia terapêutica.  Persistente descompensada  Importância para terapêutica e investigação de fatores precipitantes
  • 28. CLASSIFICAÇÃO – PERFIL HEMODINÂMICO  A partir da presença de congestão (“seco” sem sinais de→ congestão, ou “úmido” com sinais de congestão→ ) e da hipoperfusão (“frio” má perfusão, ou→ “quente” boa perfusão→  Dividida em 4 situações distintas
  • 29. MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS  Podem ser subdivididos didaticamente em 5 categorias  Congestão pulmonar  Congestão sistêmica  Baixo débito  Estimulação adrenérgica  Remodelação cardíaca
  • 30. MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS  DISPNÉIA AOS ESFORÇOS  Sinal cardinal da falência ventricular esquerda  Na anamnese – descartar que a dispnéia não seja secundária a falta de condicionamento físico, obesidade, doenças pulmonares, equivalente isquêmico sem IC, apnéia obstrutiva do sono, outras.  Principal diferença entre indivíduos normais e com IC é o grau de atividade necessário para o sintoma (grau de tolerância prévio ao esforço)  Nos idosos – não é uma queixa comum, aparecendo em geral em estágios tardios (tendendo a pensar que são sinais de envelhecimento)  > disfunção ventricular, < intensidade de esforço necessária para a dispnéia (ex. atividades de higiene pessoal)
  • 31. MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS  ORTOPNÉIA  Dispnéia na posição deitada (2 a 3 min após, ainda acordado).  Alívio sentado na beira da cama com pés pendentes (diferente da DPN)  Atenção à mudança no padrão habitual do indivíduo  Decúbito dorsal → aumento do retorno venoso e deslocamento do fluxo extratorácico para torácico leva a ↑ pressões capilares e venosas pulmonares → edema intersticial leva a ↓ complacência pulmonar , ↑ resistência de vias aéreas e dispnéia.  Não patognomônico
  • 32. MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS  TREPOPNÉIA  Dispnéia nos decúbitos laterais  Rara na forma de um lado específico (distorções de grandes vasos de um lado?)  TOSSE  Sintoma mais prevalente na IC  Causa: congestão pulmonar  Ocorre nas mesmas situações da dispnéia  Nos idosos = tosse não produtiva seria um equivalente da dispnéia e tosse noturna seria um equivalente da ortopnéia
  • 33. MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS  DISPNÉIA PAROXÍSTICA NOTURNA  A noite, qdo está dormindo  Início súbito, acordando com sensação de sufocamento ou asfixia, com intensa ansiedade  Frequente palidez e sudorese fria  Se tosse com expectoração rósea e espumosa ou sanguinolenta→ edema agudo de pulmão  “Asma cardíaca” → DPN + sibilos (broncoespasmo induzido pela congestão da mucosa brônquica e edema pulmonar intersticial)  Pq a noite? Não claro... (maior lentidão na reabsorção de líquidos, expansão do vol. sang intratorácico e súbita elevação do diafragma e vol sang intratorácico ao deitar, redução do suporte adrenérgico do sono e depressão noturna fisiológica do CR)
  • 34. MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS  Respiração de Cheyne-Stokes (periódica ou cíclica)  Hiperpnéia alternada com fase de apnéia  Devido sensibilidade diminuída do centro respiratório à pCO2 arterial.  Mais freqüente em idosos, aterosclerose cerebral e outras lesões cerebrais prévias.  Tende a aparecer na IC avançada
  • 35. MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS  EDEMA PERIFÉRICO  Inicía-se nas porções pendentes (aonde pressão venosa atinge níveis mais altos) = pés, maléolos e pernas – gravitacional (mais no final do dia).  Acamados – região lombossacra  Edema facial – raro, mais comum em crianças  Com progredir da disfunção ventricular, edema tende a ascender pode chegar a anasarca e derrames cavitários  Frio, mole, inelástico, liso e brilhante, freqüentemente associado a cianose. Com o tempo pode evoluir com pigmentação da pele e induração.
  • 36. MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS  FADIGA E FRAQUEZA  Muito comuns  Sensação de peso nas pernas  Conseqüente do déficit de perfusão da musculatura esquelética.  Baixa sensibilidade e especificidade.
  • 37. MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS  SINTOMAS URINÁRIOS  Nictúria : inversão do ritmo urinário – qtidade maior durante período noturno. Sinal relativamente precoce. Decorre de melhor redistribuição do fluxo sanguíneo a noite e maior perfusão renal.  Oligúria: sinal tardio de IC avançado, ocorrendo devido grave ↓ do DC, perfusão renal inadequada e insuficiência renal.
  • 38. MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS  SINTOMAS CEREBRAIS  Mais comuns nos idosos  Devido perfusão cerebral inadequada  Confusão mental, dificuldade de concentração, déficit de memória, cefaléia, ansiedade, insônia, pesadelos noturnos e raramente alt. Do comportamento graves, como psicoses, desorientação, delírio e mesmo alucinações
  • 39. MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS  SINTOMAS GASTROINTESTINAIS  Anorexia e náusea associadas a dor abdominal e sensação de plenitude gástrica (empachamento) – relacionados ao sistema venoso portal e hepático congestos.  Caquexia cardíaca: anorexia, perda de peso e desnutrição importantes na IC avançada – devido hipoperfusão esplâncnica e estimulação adrenérgica intensa.
  • 40. EXAME CLÍNICO  Taquicardia sustentada – atenção para este quadro ao repouso em pacientes com F.R. (sinal de disfunção VE assintomática com ativação de sist. Neuroendócrino).  Na IC já estabelecida, Taqui sinusal é achado prevalente  Ictus desviado na cardiomegalia  Percussão precordial alterada – resultado negativo excluiria cardiomegalia
  • 41. EXAME CLÍNICO  Ritmo de galope: B3 é decorrente da passagem brusca do sangue nos átrios para os ventrículos, na fase de enchimento rápido da diástole ventricular, provocando vibração no miocárdio. FM, FT e Fao. Sinal de falência ventricular.  B4: corresponde a pré-sistole ventricular – contração atrial “atrasada”, nos casos de complacência ou relaxamento ventricular diminuídos. Não patognomônico
  • 42. EXAME CLÍNICO  Sopros sistólicos: comuns na falência ventricular esquerda devido regurgitação mitral ou tricúspide (remodelação cardíaca → dilatação do anel atrioventricular)  Hiperfonese de B2 em FP – devido aumento da pressão da a.pulmonar  Pulso fino ou alternante – sinal de baixo débito  Crepitações pulmonares, sibilos (asma cardíaca) – sinais de sobrecarga de volume  Outros sinais congestivos já citados
  • 44. CRITÉRIOS DIAGNÓSTICOS  Mais utilizados : Framingham e Boston  Cardiomegalia no Raio-X, embora ainda importante tem sido substituído pelos dados de ecocardiograma ou de outros exames.
  • 47. EXAMES COMPLEMENTARES  Eletrocardiograma  Radiografia do Tórax - Área Cardíaca - Circulação Pulmonar  Ecocadiograma - Função ventricular (sistólica e diastólica)  Dosagem de peptídeos natriuréticos - Peptídeo natriurético cerebral B (BNP) - Produzido pelos ventrículos
  • 48.
  • 50. BIBLIOGRAFIA  Benseñor, I.M. et al, Semiologia Clínica  Martins, M.A. et al, Clínica Médica – HCFMUSP, Vol 2
  • 51. OBRIGADA E BOA SEMANA!