SlideShare uma empresa Scribd logo
DTP 03 21
SALA PRESENCIAL 26/04/2021
PERGUNTA ÂNCORA 1
• NA PALPAÇÃO DE GÂNGLIOS QUAIS SÃO AS CARACTERÍSTICAS DOS MESMOS
QUE DEVEMOS DESCREVER E COMO DIFERENCIAR PELAS MESMAS UM GÂNGLIO
RELACIONADO A UM PROCESSO INFLAMATÓRIO DE UM GÂNGLIO NEOPLÁSICO?
RESPOSTA DA PERGUNTA ÂNCORA 1
• LOCALIZAÇÃO,CONSISTÊNCIA,COALESCÊNCIA,LIMITE,MENSURAÇÃO,MOBI
LIDADE,DOR
LINFONODOS INFLAMATÓRIOS LINFONODOS NEOPLÁSICOS
Evolução rápida, com presença de
sinais flogísticos
Evolução progressiva, inicialmente
silenciosa
Doloroso *Indolor
Pele local hiperemiada Pele inicialmente sem alterações de
cor
Com frequência são múltiplos
desde o início do processo
inflamatório
Com frequência são únicos no início
do processo neoplásico metastático
Superfície regular, lisa Superfície irregular
Em geral, menores que 2 cm Em geral maiores que 2 cm
Presença de celulite nos tecidos
vizinhos
Ausência de celulite nos tecidos
vizinhos
PERGUNTA ÂNCORA 2
• COMO DIFERENCIAR PELA INSPEÇÃO GORDURA NA REGIÃO ANTERIOR DO
PESCOÇO DE UM AUMENTO DA GLÂNDULA TIREÓIDE?
RESPOSTA DA PERGUNTA ÂNCORA 2
• COMO A GLÂNDULA É FIXA NA FÁSCIA PRÉ-TRAQUEAL ELA SE DESLOCA PARA
CIMA E PARA BAIXO COM A DEGLUTIÇÃO DO PACIENTE.NA PRÁTICA PEDIR PARA
O PACIENTE HIPEREXTENDER A CABEÇA E FAZER ALGUMAS DEGLUTIÇÕES ASSIM
OBSERVAREMOS A MOBILIDADE DA TIREOIDE,ENQUANTO A GORDURA NÃO SE
MOVERÁ.
ATIVIDADE EM SALA DE AULA VIRTUAL
PERGUNTAS PARA ATIVIDADE EM SALA DE
AULA VIRTUAL
• 1) O QUE É O GÂNGLIO DE VIRCHOW ? O QUE ELE REPRESENTA?
• 2) NA SEMIOLOGIA DE PESCOÇO O QUE É O SINAL DE KUSSMAUL? O QUE SIGNIFICA ?
• 3) EM RELAÇÃO AO PULSO VENOSO JUGULAR RESPONDER AS SEGUINTES PERGUNTAS:
A) QUAL A MELHOR POSIÇÃO DO PACIENTE NO LEITO?
B)QUAL É O MELHOR LADO PARA SER AVALIADO O PULSO JUGULAR?
C) O QUE REPRESENTAM AS ONDAS A,C,V E AS DEPRESSÕES X E Y?
• 4) NA PROPEDÊUTICA DE PESCOÇO, O QUE É SINAL DE LANCISI?
1) O que é o gânglio de Virchow ?
O que representa?
• O sinal ou Gânglio de Virchow (ou sinal de Troisier) é o achado clínico de linfonodo
sentinela supraclavicular esquerdo aumentado, palpável, endurecido e, muitas vezes,
aderido a planos profundos. Esse aumento tem íntima relação com o sistema
imunológico, podendo ser reflexo de doenças neoplásicas, infecciosas e autoimunes.Ex
Cancer de estômago
2) Na semiologia de pescoço o que é o sinal de
kussmaul? O que significa ?
2) Na semiologia de pescoço o que é o sinal de
kussmaul? O que significa ?
2) Na semiologia de pescoço o que é o sinal de Kussmaul?
O que significa ?
• R: Tal fenômeno consiste na visualização do aumento paradoxal do
pulso venoso jugular durante a inspiração, contrariamente ao
evento fisiológico normal no qual a pressão venosa jugular cai
com a inspiração.
• Embora tenha sido descrito originalmente na pericardite
constritiva, o sinal de kussmaul pode estar presente na falência
ventricular direita, infarto ventricular direito, estenose tricúspide,
embolia pulmonar maciça e restrição cardiomiopática. “A veia
jugular torna-se consideravelmente inchada” e “a cada inspiração,
um leve incremento no seu conteúdo pode ser notado”.
https://www.facebook.com/fisiocardio.r2/videos/297914624463400/
3) Em relação ao pulso venoso jugular
responder as seguintes perguntas:
A) Qual a melhor posição do paciente no leito?
B) Qual é o melhor lado para ser avaliado o pulso jugular?
C) O que representam as ondas a,c,v e as depressões x e y?
A) QUAL A MELHOR POSIÇÃO DO PACIENTE NO
LEITO?
• A) Para examinar o pulso venoso jugular, deve-se encontrar a veia jugular interna
direita, próxima ao esternocleidomastóideo ou ao trígono formado pela articulação
esternoclavicular.Durante muito tempo o consenso era de que por não possuir válvulas
na mesma proporção que a jugular externa o ideal seria a análise ser feita tão somente
na jugular interna.Se houver dificuldade para encontrar a veia jugular interna (ela fica na
parte posterior do músculo esternocleidomastoideo) portanto nós analisamos a
pulsação a partir da superfície da região que compreende a face anterior do
mesmo,poder-se-á examinar a veia jugular externa também.
• Recente publicação de Medicina Baseada em Evidência conclui que podemos estudar a
jugular externa com as mesmas expectativas da interna,e que na prática não haveria
diferença.
• O PACIENTE DEVE ESTAR EM DECÚBITO DORSAL, COM A CABEÇA ELEVADA EM 45°
DTP0321 SP
B)Qual é o melhor lado para ser avaliado o
pulso jugular?
• O lado direito do pescoço presta-se mais ao exame do pulso
venoso jugular,pois as veias inominadas e jugular interna estão
alinhadas com o átrio direito.Já do lado esquerdo,há mais
compressões extrínsecas (na região do esterno,podendo dar falsa
impressão do aumento da pressão do sistema venoso).Além do
mais o sistema da jugular esquerda é mais distante do lado direito
do átrio direito.
c) O que representam as ondas a,c,v e as
depressões x e y?
O pulso é representado por três ondas positivas (a, c e v), e duas ondas negativas,
ou colapsos (x e y)
ONDA A: A onda a é causada por contração atrial direita (sístole)
ONDA C: A onda c, uma interrupção da descendente x, é causada pelo pulso carotídeo transmitido e abaulamento da
valva tricúspide no átrio direito quando se fecha; raramente é distinguida clinicamente.
ONDA X: que é causada por relaxamento atrial;
ONDA V A onda v é causada por enchimento atrial direito durante sístole ventricular (a valva tricúspide está fechada).
ONDA Y: A descendente y é causada pelo enchimento rápido do ventrículo direito durante diástole ventricular antes
da contração atrial.
4) Na propedêutica de pescoço, o que é sinal de
lancisi?
• O sinal de Lancisi é um sinal clínico no qual uma grande onda venosa, ou
onda V gigante , é visível na veia jugular em pacientes com regurgitação
tricúspide . É causada pelo fluxo de sangue para trás na veia jugular através
da válvula tricúspide incompetente durante a sístole ventricular.
• https://images.app.goo.gl/kmgeumbd7w4dybv16
DTP0321 SP
DTP0321 SP

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Dispnéia
Dispnéia Dispnéia
Dispnéia
Paulo Alambert
 
Síndromes pulmonares
Síndromes pulmonaresSíndromes pulmonares
Síndromes pulmonares
pauloalambert
 
Pneumonias Conceito Classificações Fisiopatologia Manifestações Clínicas Diag...
Pneumonias Conceito Classificações Fisiopatologia Manifestações Clínicas Diag...Pneumonias Conceito Classificações Fisiopatologia Manifestações Clínicas Diag...
Pneumonias Conceito Classificações Fisiopatologia Manifestações Clínicas Diag...
Alexandre Naime Barbosa
 
Exame físico do sist. respiratório
Exame físico do sist. respiratórioExame físico do sist. respiratório
Exame físico do sist. respiratório
resenfe2013
 
Aula teorica do torax
Aula teorica do toraxAula teorica do torax
Aula teorica do torax
Jucie Vasconcelos
 
Semiologia da dor
Semiologia da dorSemiologia da dor
Semiologia da dor
pauloalambert
 
FÁCIES,ATITUDE,MARCHA,MOTRICIDADE
FÁCIES,ATITUDE,MARCHA,MOTRICIDADEFÁCIES,ATITUDE,MARCHA,MOTRICIDADE
FÁCIES,ATITUDE,MARCHA,MOTRICIDADE
pauloalambert
 
Cópia de semiologia do tórax
Cópia de semiologia do tóraxCópia de semiologia do tórax
Cópia de semiologia do tórax
Jucie Vasconcelos
 
Propedeutica abdominal
Propedeutica abdominalPropedeutica abdominal
Propedeutica abdominal
Paulo Rodrigo Pinto
 
Exame neurológico
Exame neurológicoExame neurológico
Exame neurológico
pauloalambert
 
Força 17 Exame Neurológico
Força 17 Exame NeurológicoForça 17 Exame Neurológico
Força 17 Exame Neurológico
Paulo Alambert
 
Semiologia de Abdome II
Semiologia de Abdome IISemiologia de Abdome II
Semiologia de Abdome II
pauloalambert
 
Exame Físico Cardiologia (Davyson Sampaio Braga)
Exame Físico Cardiologia (Davyson Sampaio Braga)Exame Físico Cardiologia (Davyson Sampaio Braga)
Exame Físico Cardiologia (Davyson Sampaio Braga)
Davyson Sampaio
 
Hipersensibilidade tipo I
Hipersensibilidade tipo IHipersensibilidade tipo I
Hipersensibilidade tipo I
LABIMUNO UFBA
 
Exame físico do tórax
Exame físico do tóraxExame físico do tórax
Exame físico do tórax
pauloalambert
 
Aula1avaliaocineticofuncional 20150308163831
Aula1avaliaocineticofuncional 20150308163831Aula1avaliaocineticofuncional 20150308163831
Aula1avaliaocineticofuncional 20150308163831
Andre Magalhaes
 
Aula: Asma
Aula: AsmaAula: Asma
Aula: Asma
Edienny Viana
 
Semiologia das lesões periféricas e centrais
Semiologia das lesões periféricas e centraisSemiologia das lesões periféricas e centrais
Semiologia das lesões periféricas e centrais
Marcus César Petindá Fonseca
 
Núcleos da base
Núcleos da baseNúcleos da base
Histórico e exame físico respiratório
Histórico e exame físico respiratórioHistórico e exame físico respiratório
Histórico e exame físico respiratório
resenfe2013
 

Mais procurados (20)

Dispnéia
Dispnéia Dispnéia
Dispnéia
 
Síndromes pulmonares
Síndromes pulmonaresSíndromes pulmonares
Síndromes pulmonares
 
Pneumonias Conceito Classificações Fisiopatologia Manifestações Clínicas Diag...
Pneumonias Conceito Classificações Fisiopatologia Manifestações Clínicas Diag...Pneumonias Conceito Classificações Fisiopatologia Manifestações Clínicas Diag...
Pneumonias Conceito Classificações Fisiopatologia Manifestações Clínicas Diag...
 
Exame físico do sist. respiratório
Exame físico do sist. respiratórioExame físico do sist. respiratório
Exame físico do sist. respiratório
 
Aula teorica do torax
Aula teorica do toraxAula teorica do torax
Aula teorica do torax
 
Semiologia da dor
Semiologia da dorSemiologia da dor
Semiologia da dor
 
FÁCIES,ATITUDE,MARCHA,MOTRICIDADE
FÁCIES,ATITUDE,MARCHA,MOTRICIDADEFÁCIES,ATITUDE,MARCHA,MOTRICIDADE
FÁCIES,ATITUDE,MARCHA,MOTRICIDADE
 
Cópia de semiologia do tórax
Cópia de semiologia do tóraxCópia de semiologia do tórax
Cópia de semiologia do tórax
 
Propedeutica abdominal
Propedeutica abdominalPropedeutica abdominal
Propedeutica abdominal
 
Exame neurológico
Exame neurológicoExame neurológico
Exame neurológico
 
Força 17 Exame Neurológico
Força 17 Exame NeurológicoForça 17 Exame Neurológico
Força 17 Exame Neurológico
 
Semiologia de Abdome II
Semiologia de Abdome IISemiologia de Abdome II
Semiologia de Abdome II
 
Exame Físico Cardiologia (Davyson Sampaio Braga)
Exame Físico Cardiologia (Davyson Sampaio Braga)Exame Físico Cardiologia (Davyson Sampaio Braga)
Exame Físico Cardiologia (Davyson Sampaio Braga)
 
Hipersensibilidade tipo I
Hipersensibilidade tipo IHipersensibilidade tipo I
Hipersensibilidade tipo I
 
Exame físico do tórax
Exame físico do tóraxExame físico do tórax
Exame físico do tórax
 
Aula1avaliaocineticofuncional 20150308163831
Aula1avaliaocineticofuncional 20150308163831Aula1avaliaocineticofuncional 20150308163831
Aula1avaliaocineticofuncional 20150308163831
 
Aula: Asma
Aula: AsmaAula: Asma
Aula: Asma
 
Semiologia das lesões periféricas e centrais
Semiologia das lesões periféricas e centraisSemiologia das lesões periféricas e centrais
Semiologia das lesões periféricas e centrais
 
Núcleos da base
Núcleos da baseNúcleos da base
Núcleos da base
 
Histórico e exame físico respiratório
Histórico e exame físico respiratórioHistórico e exame físico respiratório
Histórico e exame físico respiratório
 

Semelhante a DTP0321 SP

Cisto Aracnoide LAENCA
Cisto Aracnoide LAENCACisto Aracnoide LAENCA
Cisto Aracnoide LAENCA
Laenca Unirg
 
Atendimento pré hospitalar
Atendimento pré hospitalarAtendimento pré hospitalar
Atendimento pré hospitalar
NailtonBelo
 
Lesões Císticas Não Neoplásicas do Sistema Nervoso Central - Copia.pptx
Lesões Císticas Não Neoplásicas do Sistema Nervoso Central - Copia.pptxLesões Císticas Não Neoplásicas do Sistema Nervoso Central - Copia.pptx
Lesões Císticas Não Neoplásicas do Sistema Nervoso Central - Copia.pptx
pfeiffer65
 
Dtp 09 21 sp
Dtp 09 21 spDtp 09 21 sp
Dtp 09 21 sp
pauloalambert
 
Semiologia -cabeca_e_pescoco[1]
Semiologia  -cabeca_e_pescoco[1]Semiologia  -cabeca_e_pescoco[1]
Semiologia -cabeca_e_pescoco[1]
Cassia Campos
 
Semiologia -cabeca_e_pescoco
Semiologia  -cabeca_e_pescocoSemiologia  -cabeca_e_pescoco
Semiologia -cabeca_e_pescoco
Cassia Campos
 
Exame Físico do Aparelho Respiratório (Davyson Sampaio Braga)
Exame Físico do Aparelho Respiratório (Davyson Sampaio Braga)Exame Físico do Aparelho Respiratório (Davyson Sampaio Braga)
Exame Físico do Aparelho Respiratório (Davyson Sampaio Braga)
Davyson Sampaio
 
Semiologia Clínica-Manole (2021) - cap. 10 O exame do tórax e do sistema resp...
Semiologia Clínica-Manole (2021) - cap. 10 O exame do tórax e do sistema resp...Semiologia Clínica-Manole (2021) - cap. 10 O exame do tórax e do sistema resp...
Semiologia Clínica-Manole (2021) - cap. 10 O exame do tórax e do sistema resp...
DborahVictoy
 
Atelectasias e pneumotrax
Atelectasias e pneumotraxAtelectasias e pneumotrax
Atelectasias e pneumotrax
Flávia Salame
 
Apresentação trauma
Apresentação traumaApresentação trauma
Apresentação trauma
MarianaViecelli1
 
Sopros cardíacos
Sopros cardíacosSopros cardíacos
Sopros cardíacos
gisa_legal
 
Vias aéreas 1
Vias aéreas 1Vias aéreas 1
Vias aéreas 1
isadoracordenonsi
 
Semiologia do Pescoço
Semiologia do PescoçoSemiologia do Pescoço
Semiologia do Pescoço
Amanda Thomé
 
Monitoria revisão radio
Monitoria revisão radioMonitoria revisão radio
Monitoria revisão radio
Norberto Werle
 
Coarctação de Aorta
Coarctação de AortaCoarctação de Aorta
Coarctação de Aorta
Brenda Lahlou
 
Hérnias da parede abdominal
Hérnias da parede abdominalHérnias da parede abdominal
Hérnias da parede abdominal
Samir Junior
 
Lesoes Traumaticas No Spa Maj Jose
Lesoes Traumaticas No Spa   Maj JoseLesoes Traumaticas No Spa   Maj Jose
Lesoes Traumaticas No Spa Maj Jose
aidamehanna
 
ANATOMIA SECCIONAL ARTERIAS CEREBRAIS POR TC E RM
ANATOMIA SECCIONAL ARTERIAS CEREBRAIS POR TC E RMANATOMIA SECCIONAL ARTERIAS CEREBRAIS POR TC E RM
ANATOMIA SECCIONAL ARTERIAS CEREBRAIS POR TC E RM
ProfMarlei
 
Espondilodiscite infecciosa - Neurocirurgia / Discitis / Osteomielite coluna ...
Espondilodiscite infecciosa - Neurocirurgia / Discitis / Osteomielite coluna ...Espondilodiscite infecciosa - Neurocirurgia / Discitis / Osteomielite coluna ...
Espondilodiscite infecciosa - Neurocirurgia / Discitis / Osteomielite coluna ...
Erion Junior de Andrade
 
Aula cardio vascular - Anato Fisiologia Humana
Aula cardio vascular - Anato Fisiologia HumanaAula cardio vascular - Anato Fisiologia Humana
Aula cardio vascular - Anato Fisiologia Humana
Clovis Gurski
 

Semelhante a DTP0321 SP (20)

Cisto Aracnoide LAENCA
Cisto Aracnoide LAENCACisto Aracnoide LAENCA
Cisto Aracnoide LAENCA
 
Atendimento pré hospitalar
Atendimento pré hospitalarAtendimento pré hospitalar
Atendimento pré hospitalar
 
Lesões Císticas Não Neoplásicas do Sistema Nervoso Central - Copia.pptx
Lesões Císticas Não Neoplásicas do Sistema Nervoso Central - Copia.pptxLesões Císticas Não Neoplásicas do Sistema Nervoso Central - Copia.pptx
Lesões Císticas Não Neoplásicas do Sistema Nervoso Central - Copia.pptx
 
Dtp 09 21 sp
Dtp 09 21 spDtp 09 21 sp
Dtp 09 21 sp
 
Semiologia -cabeca_e_pescoco[1]
Semiologia  -cabeca_e_pescoco[1]Semiologia  -cabeca_e_pescoco[1]
Semiologia -cabeca_e_pescoco[1]
 
Semiologia -cabeca_e_pescoco
Semiologia  -cabeca_e_pescocoSemiologia  -cabeca_e_pescoco
Semiologia -cabeca_e_pescoco
 
Exame Físico do Aparelho Respiratório (Davyson Sampaio Braga)
Exame Físico do Aparelho Respiratório (Davyson Sampaio Braga)Exame Físico do Aparelho Respiratório (Davyson Sampaio Braga)
Exame Físico do Aparelho Respiratório (Davyson Sampaio Braga)
 
Semiologia Clínica-Manole (2021) - cap. 10 O exame do tórax e do sistema resp...
Semiologia Clínica-Manole (2021) - cap. 10 O exame do tórax e do sistema resp...Semiologia Clínica-Manole (2021) - cap. 10 O exame do tórax e do sistema resp...
Semiologia Clínica-Manole (2021) - cap. 10 O exame do tórax e do sistema resp...
 
Atelectasias e pneumotrax
Atelectasias e pneumotraxAtelectasias e pneumotrax
Atelectasias e pneumotrax
 
Apresentação trauma
Apresentação traumaApresentação trauma
Apresentação trauma
 
Sopros cardíacos
Sopros cardíacosSopros cardíacos
Sopros cardíacos
 
Vias aéreas 1
Vias aéreas 1Vias aéreas 1
Vias aéreas 1
 
Semiologia do Pescoço
Semiologia do PescoçoSemiologia do Pescoço
Semiologia do Pescoço
 
Monitoria revisão radio
Monitoria revisão radioMonitoria revisão radio
Monitoria revisão radio
 
Coarctação de Aorta
Coarctação de AortaCoarctação de Aorta
Coarctação de Aorta
 
Hérnias da parede abdominal
Hérnias da parede abdominalHérnias da parede abdominal
Hérnias da parede abdominal
 
Lesoes Traumaticas No Spa Maj Jose
Lesoes Traumaticas No Spa   Maj JoseLesoes Traumaticas No Spa   Maj Jose
Lesoes Traumaticas No Spa Maj Jose
 
ANATOMIA SECCIONAL ARTERIAS CEREBRAIS POR TC E RM
ANATOMIA SECCIONAL ARTERIAS CEREBRAIS POR TC E RMANATOMIA SECCIONAL ARTERIAS CEREBRAIS POR TC E RM
ANATOMIA SECCIONAL ARTERIAS CEREBRAIS POR TC E RM
 
Espondilodiscite infecciosa - Neurocirurgia / Discitis / Osteomielite coluna ...
Espondilodiscite infecciosa - Neurocirurgia / Discitis / Osteomielite coluna ...Espondilodiscite infecciosa - Neurocirurgia / Discitis / Osteomielite coluna ...
Espondilodiscite infecciosa - Neurocirurgia / Discitis / Osteomielite coluna ...
 
Aula cardio vascular - Anato Fisiologia Humana
Aula cardio vascular - Anato Fisiologia HumanaAula cardio vascular - Anato Fisiologia Humana
Aula cardio vascular - Anato Fisiologia Humana
 

Mais de pauloalambert

Dtp 16 21 sp
Dtp 16 21 spDtp 16 21 sp
Dtp 16 21 sp
pauloalambert
 
Dtp 15 21 sp
Dtp 15 21 spDtp 15 21 sp
Dtp 15 21 sp
pauloalambert
 
Dtp 14 21 sp
Dtp 14 21 spDtp 14 21 sp
Dtp 14 21 sp
pauloalambert
 
Dtp 13 21 sp
Dtp 13 21 spDtp 13 21 sp
Dtp 13 21 sp
pauloalambert
 
Dtp 12 21 sp
Dtp 12 21 spDtp 12 21 sp
Dtp 12 21 sp
pauloalambert
 
Dtp 11 21 sp
Dtp 11 21 spDtp 11 21 sp
Dtp 11 21 sp
pauloalambert
 
Dtp 10 21 sp
Dtp 10 21 spDtp 10 21 sp
Dtp 10 21 sp
pauloalambert
 
DTP 08 21 SP
DTP 08 21 SPDTP 08 21 SP
DTP 08 21 SP
pauloalambert
 
DTP 07 21
DTP 07 21DTP 07 21
DTP 07 21
pauloalambert
 
DTP 06 21 SP
DTP 06 21 SPDTP 06 21 SP
DTP 06 21 SP
pauloalambert
 
DTP 05 21 sp
DTP 05 21 spDTP 05 21 sp
DTP 05 21 sp
pauloalambert
 
DTP 0421
DTP 0421DTP 0421
DTP 0421
pauloalambert
 
DTP 0221
DTP 0221DTP 0221
DTP 0221
pauloalambert
 
DTP 0221
DTP 0221DTP 0221
DTP 0221
pauloalambert
 
DTP 0121 SP
DTP 0121 SPDTP 0121 SP
DTP 0121 SP
pauloalambert
 
Folha Cornell
Folha CornellFolha Cornell
Folha Cornell
pauloalambert
 
Sinais meningeos 20
Sinais meningeos 20Sinais meningeos 20
Sinais meningeos 20
pauloalambert
 
ANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAIS
ANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAISANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAIS
ANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAIS
pauloalambert
 
Semiologia das arritmias
Semiologia das arritmias Semiologia das arritmias
Semiologia das arritmias
pauloalambert
 
Pares cranianos
Pares cranianosPares cranianos
Pares cranianos
pauloalambert
 

Mais de pauloalambert (20)

Dtp 16 21 sp
Dtp 16 21 spDtp 16 21 sp
Dtp 16 21 sp
 
Dtp 15 21 sp
Dtp 15 21 spDtp 15 21 sp
Dtp 15 21 sp
 
Dtp 14 21 sp
Dtp 14 21 spDtp 14 21 sp
Dtp 14 21 sp
 
Dtp 13 21 sp
Dtp 13 21 spDtp 13 21 sp
Dtp 13 21 sp
 
Dtp 12 21 sp
Dtp 12 21 spDtp 12 21 sp
Dtp 12 21 sp
 
Dtp 11 21 sp
Dtp 11 21 spDtp 11 21 sp
Dtp 11 21 sp
 
Dtp 10 21 sp
Dtp 10 21 spDtp 10 21 sp
Dtp 10 21 sp
 
DTP 08 21 SP
DTP 08 21 SPDTP 08 21 SP
DTP 08 21 SP
 
DTP 07 21
DTP 07 21DTP 07 21
DTP 07 21
 
DTP 06 21 SP
DTP 06 21 SPDTP 06 21 SP
DTP 06 21 SP
 
DTP 05 21 sp
DTP 05 21 spDTP 05 21 sp
DTP 05 21 sp
 
DTP 0421
DTP 0421DTP 0421
DTP 0421
 
DTP 0221
DTP 0221DTP 0221
DTP 0221
 
DTP 0221
DTP 0221DTP 0221
DTP 0221
 
DTP 0121 SP
DTP 0121 SPDTP 0121 SP
DTP 0121 SP
 
Folha Cornell
Folha CornellFolha Cornell
Folha Cornell
 
Sinais meningeos 20
Sinais meningeos 20Sinais meningeos 20
Sinais meningeos 20
 
ANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAIS
ANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAISANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAIS
ANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAIS
 
Semiologia das arritmias
Semiologia das arritmias Semiologia das arritmias
Semiologia das arritmias
 
Pares cranianos
Pares cranianosPares cranianos
Pares cranianos
 

DTP0321 SP

  • 1. DTP 03 21 SALA PRESENCIAL 26/04/2021
  • 2. PERGUNTA ÂNCORA 1 • NA PALPAÇÃO DE GÂNGLIOS QUAIS SÃO AS CARACTERÍSTICAS DOS MESMOS QUE DEVEMOS DESCREVER E COMO DIFERENCIAR PELAS MESMAS UM GÂNGLIO RELACIONADO A UM PROCESSO INFLAMATÓRIO DE UM GÂNGLIO NEOPLÁSICO?
  • 3. RESPOSTA DA PERGUNTA ÂNCORA 1 • LOCALIZAÇÃO,CONSISTÊNCIA,COALESCÊNCIA,LIMITE,MENSURAÇÃO,MOBI LIDADE,DOR LINFONODOS INFLAMATÓRIOS LINFONODOS NEOPLÁSICOS Evolução rápida, com presença de sinais flogísticos Evolução progressiva, inicialmente silenciosa Doloroso *Indolor Pele local hiperemiada Pele inicialmente sem alterações de cor Com frequência são múltiplos desde o início do processo inflamatório Com frequência são únicos no início do processo neoplásico metastático Superfície regular, lisa Superfície irregular Em geral, menores que 2 cm Em geral maiores que 2 cm Presença de celulite nos tecidos vizinhos Ausência de celulite nos tecidos vizinhos
  • 4. PERGUNTA ÂNCORA 2 • COMO DIFERENCIAR PELA INSPEÇÃO GORDURA NA REGIÃO ANTERIOR DO PESCOÇO DE UM AUMENTO DA GLÂNDULA TIREÓIDE?
  • 5. RESPOSTA DA PERGUNTA ÂNCORA 2 • COMO A GLÂNDULA É FIXA NA FÁSCIA PRÉ-TRAQUEAL ELA SE DESLOCA PARA CIMA E PARA BAIXO COM A DEGLUTIÇÃO DO PACIENTE.NA PRÁTICA PEDIR PARA O PACIENTE HIPEREXTENDER A CABEÇA E FAZER ALGUMAS DEGLUTIÇÕES ASSIM OBSERVAREMOS A MOBILIDADE DA TIREOIDE,ENQUANTO A GORDURA NÃO SE MOVERÁ.
  • 6. ATIVIDADE EM SALA DE AULA VIRTUAL
  • 7. PERGUNTAS PARA ATIVIDADE EM SALA DE AULA VIRTUAL • 1) O QUE É O GÂNGLIO DE VIRCHOW ? O QUE ELE REPRESENTA? • 2) NA SEMIOLOGIA DE PESCOÇO O QUE É O SINAL DE KUSSMAUL? O QUE SIGNIFICA ? • 3) EM RELAÇÃO AO PULSO VENOSO JUGULAR RESPONDER AS SEGUINTES PERGUNTAS: A) QUAL A MELHOR POSIÇÃO DO PACIENTE NO LEITO? B)QUAL É O MELHOR LADO PARA SER AVALIADO O PULSO JUGULAR? C) O QUE REPRESENTAM AS ONDAS A,C,V E AS DEPRESSÕES X E Y? • 4) NA PROPEDÊUTICA DE PESCOÇO, O QUE É SINAL DE LANCISI?
  • 8. 1) O que é o gânglio de Virchow ? O que representa? • O sinal ou Gânglio de Virchow (ou sinal de Troisier) é o achado clínico de linfonodo sentinela supraclavicular esquerdo aumentado, palpável, endurecido e, muitas vezes, aderido a planos profundos. Esse aumento tem íntima relação com o sistema imunológico, podendo ser reflexo de doenças neoplásicas, infecciosas e autoimunes.Ex Cancer de estômago
  • 9. 2) Na semiologia de pescoço o que é o sinal de kussmaul? O que significa ?
  • 10. 2) Na semiologia de pescoço o que é o sinal de kussmaul? O que significa ?
  • 11. 2) Na semiologia de pescoço o que é o sinal de Kussmaul? O que significa ? • R: Tal fenômeno consiste na visualização do aumento paradoxal do pulso venoso jugular durante a inspiração, contrariamente ao evento fisiológico normal no qual a pressão venosa jugular cai com a inspiração. • Embora tenha sido descrito originalmente na pericardite constritiva, o sinal de kussmaul pode estar presente na falência ventricular direita, infarto ventricular direito, estenose tricúspide, embolia pulmonar maciça e restrição cardiomiopática. “A veia jugular torna-se consideravelmente inchada” e “a cada inspiração, um leve incremento no seu conteúdo pode ser notado”.
  • 13. 3) Em relação ao pulso venoso jugular responder as seguintes perguntas: A) Qual a melhor posição do paciente no leito? B) Qual é o melhor lado para ser avaliado o pulso jugular? C) O que representam as ondas a,c,v e as depressões x e y?
  • 14. A) QUAL A MELHOR POSIÇÃO DO PACIENTE NO LEITO? • A) Para examinar o pulso venoso jugular, deve-se encontrar a veia jugular interna direita, próxima ao esternocleidomastóideo ou ao trígono formado pela articulação esternoclavicular.Durante muito tempo o consenso era de que por não possuir válvulas na mesma proporção que a jugular externa o ideal seria a análise ser feita tão somente na jugular interna.Se houver dificuldade para encontrar a veia jugular interna (ela fica na parte posterior do músculo esternocleidomastoideo) portanto nós analisamos a pulsação a partir da superfície da região que compreende a face anterior do mesmo,poder-se-á examinar a veia jugular externa também. • Recente publicação de Medicina Baseada em Evidência conclui que podemos estudar a jugular externa com as mesmas expectativas da interna,e que na prática não haveria diferença. • O PACIENTE DEVE ESTAR EM DECÚBITO DORSAL, COM A CABEÇA ELEVADA EM 45°
  • 16. B)Qual é o melhor lado para ser avaliado o pulso jugular? • O lado direito do pescoço presta-se mais ao exame do pulso venoso jugular,pois as veias inominadas e jugular interna estão alinhadas com o átrio direito.Já do lado esquerdo,há mais compressões extrínsecas (na região do esterno,podendo dar falsa impressão do aumento da pressão do sistema venoso).Além do mais o sistema da jugular esquerda é mais distante do lado direito do átrio direito.
  • 17. c) O que representam as ondas a,c,v e as depressões x e y?
  • 18. O pulso é representado por três ondas positivas (a, c e v), e duas ondas negativas, ou colapsos (x e y) ONDA A: A onda a é causada por contração atrial direita (sístole) ONDA C: A onda c, uma interrupção da descendente x, é causada pelo pulso carotídeo transmitido e abaulamento da valva tricúspide no átrio direito quando se fecha; raramente é distinguida clinicamente. ONDA X: que é causada por relaxamento atrial; ONDA V A onda v é causada por enchimento atrial direito durante sístole ventricular (a valva tricúspide está fechada). ONDA Y: A descendente y é causada pelo enchimento rápido do ventrículo direito durante diástole ventricular antes da contração atrial.
  • 19. 4) Na propedêutica de pescoço, o que é sinal de lancisi? • O sinal de Lancisi é um sinal clínico no qual uma grande onda venosa, ou onda V gigante , é visível na veia jugular em pacientes com regurgitação tricúspide . É causada pelo fluxo de sangue para trás na veia jugular através da válvula tricúspide incompetente durante a sístole ventricular. • https://images.app.goo.gl/kmgeumbd7w4dybv16